quarta-feira, 30 de Julho de 2014

Guiné 63/74 - P13448: Diário da CART 1742 (Mário Alves, 1.º Cabo Corneteiro) (4): Conclusão: Período entre Fevereiro e Junho de 1969 (Abel Santos)

1. Conclusão do "Diário da CART 1742" de autoria de Mário dos Anjos Teixeira Alves, 1.º Cabo Corneteiro, enviado ao Blogue pelo nosso camarada Abel Santos (ex-Soldado Atirador da CART 1742 - "Os Panteras" - Nova Lamego e Buruntuma, 1967/69).



Diário da CART 1742

Autoria de Mário dos Anjos Teixeira Alves
1.º Cabo Corneteiro
Guiné, 1967/1969

Este diário foi oferecido aos camaradas presentes no 9.º convívio da Companhia de Artilharia 1742, em Campeã - Vila Real de Trás-os-Montes em 25 de Maio de 2013.

Eis a razão
Dos momentos
Da nossa indisposição,
Mandaram-nos para a guerra
Sem a nossa opinião.
Por isso o Salazar
Não terá o nosso perdão.


Fevereiro 69 
Dia 7 - sexta-feira: 
Fui mais uma vez ver o Adão ao hospital, e ele disse-me que ia ser transferido para Portugal.
E tudo continuou normalmente até ao dia 14, sexta-feira, em que fui chamado à secretaria, e me disseram que a minha companhia tinha mandado uma mensagem para me apresentar, pois pensavam que eu já tinha sido operado, e que continuava cá desenfiado. Então, levei as guias que me deram na secretaria para ir ao hospital para as assinarem, mas como já era tarde, mandaram-me voltar na segunda-feira dia 17.
Nesse dia lá compareci, e o médico consultou-me, e disse que me queria voltar a ver na sexta-feira dia 21, e que depois decidia.

Dia 18 - terça-feira: 
É dia de carnaval em Portugal, mas aqui o carnaval é outro.
De manhã encontrei cá nos Adidos o 1.º Sargento da minha companhia, que me entregou o ordenado do mês anterior, e eu contei-lhe como estava a minha situação, sobre a qual ele se mostrou compreensivo. 

Dia 22 - sábado:
Faz 19 meses que deixámos Portugal a caminho desta terra.
Ainda continua cá o sargento Bonito, e pagou-me o corrente mês, e assim continuou tudo normal até ao dia 27.

Dia 28 - sexta-feira: 
Mais um fim do mês.
De manhã fui ao hospital, mas ainda não fiquei internado, e marcaram-me nova consulta para segunda-feira do próximo mês.

Março 69
Dia 3 - segunda-feira:
De manhã fui á consulta no hospital, e o médico que me consultava já não tinha forma de resolver o meu caso, e foi chamar o chefe da cirurgia. Estiveram a ver se havia vaga para os próximos dias, mas não conseguiram, e deram-me alta por 30 dias, com a possibilidade de poder ir à companhia.
De tarde fui à secção de transportes, e deram-me uma requisição para o avião Dakota. Assim, fui de seguida assinar a mesma ao quartel-general onde me marcaram passagem para o dia 5, quarta-feira.

Dia 4 - terça-feira: 
Andei a tratar das guias de marcha.

Dia 5 - quarta-feira:
Às 7h fui ter com o delegado do batalhão de Nova Lamego, e disse-me que o avião tinha ido fazer um voo a Cabo Verde e, que a viagem ficava cancelada. Fui então ao Q.G. marcar nova passagem para o dia 7.

Dia 6 - quinta-feira:
Entre outras coisas, levantei as guias de marcha para amanhã fazer a viagem.

Dia 7 - sexta-feira:
Fui novamente ter com o delegado do respectivo batalhão para me levar ao aeroporto, mas disse-me que tinham cancelado novamente a viagem para Nova Lamego. Então fui novamente fazer a apresentação à secretaria, por não ter ido de viagem.
Até ao dia 20 não consegui viagem alguma.

Dia 21 - sexta-feira:
Às 8h fui avisado para levantar as guias, visto que amanhã a lancha da marinha vai a Bambadinca, e todos os que estão aguardar viagem para aquela região vão poder fazê-la. Assim o esperamos.

Dia 22 - sábado: 
Fazemos 20 meses de missão.
Às 7h30 entrei na porta de armas, na viatura que nos levou ao cais, e depois foi um dia de juízo para embarcarmos, só partimos às 9h na dita L D M, e chegámos a Bambadinca às 16h, e aí pernoitámos.

Dia 23 - domingo:
Eu e um colega do batalhão de Nova Lamego, às 8h conseguimos transporte para Bafatá numa viatura que veio buscar gelo, onde chegamos às 9h30. Como não havia transporte para Nova Lamego, tivemos que nos apresentar à secretaria do esquadrão e assim pernoitamos cá

Dia 24 - segunda-feira:
De manhã saímos para ver se conseguíamos transporte, e encontrámos uma coluna de viaturas civis que iam a Bambadinca buscar material para a engenharia de Nova Lamego. Então os tropas que iam a fazer a escolta mandaram-nos esperar por eles. Por volta das onze horas fomos ao esquadrão levantar as guias, e às 12h30 eles chegaram, e assim partimos para Nova Lamego onde chegamos às 16h, de seguida fiz a apresentação no batalhão e cá pernoitei.

Dia 25 - terça-feira: 
Ao meio-dia estava a almoçar no refeitório, quando o sargento de dia me entregou as guias de marcha, e disse-me para estar às 14h no aeroporto para seguir de avioneta para Buruntuma.
Às 14h lá iniciei a viagem com o piloto Honório. Passados 30 minutos aterrámos em Piche, retomando a viagem em poucos minutos, viagem essa que terminou em Buruntuma às 15h.
Após cumprimentar os colegas fui à secretaria fazer a apresentação, e, como o meu camarada Oliveira estava a comer juntamente com os mecânicos, também acabei por comer com eles.
A partir de agora vou passar a dormir no abrigo 8.

Dia 26 - quarta-feira:
De manhã fui à enfermaria fazer o curativo e, expor o meu caso da consulta externa.
Até ao dia 31 segunda-feira, tudo normal.

ABRIL 69 
Dia 6 - domingo, Páscoa em Portugal: 
Mesmo assim, eu, o Oliveira, e os mecânicos arranjámos 6 frangos, e foram assados no forno com batatas, e apesar de já não haver cerveja há alguns dias, o alferes Cruz arranjou algumas na messe deles, e claro também almoçou connosco, tal como o furriel mecânico Neves.
A restante semana tudo normal, excepto a alimentação, já que vai faltando quase tudo, inclusivamente o pão.

Dia 13 - domingo:
Fui avisado que amanhã vai uma coluna a Piche, e eu vou com eles, para regressar a Bissau e tratar do meu problema de saúde.

Dia 14 - segunda-feira: 
Às 7h30 deixei Buruntuma definitivamente, e partimos em direcção a Piche onde chegámos às 10h30. Uma vez aí, encontrei alguns amigos da minha terra, e para bebermos algumas cervejas fomos ao comércio civil, pois na cantina também estavam esgotadas, tal como em Buruntuma. Também vai comigo para Bissau à consulta externa o cabo cozinheiro Saraiva e o Ribeiro, o furriel Pinto vai tratar de outros assuntos. Foi o Pinto que tratou da entrega das guias na secretaria.
À noite pernoitámos cá em Piche.

Dia 16 - quarta-feira:
Às 8h30 partimos numa coluna para Nova Lamego tendo cá chegado às 9h45. A seguir fui com o furriel fazer compras para mandar à companhia, e depois fomos entregar as guias na secretaria, e à noite cá pernoitámos.

Dia 17 - quinta-feira: 
Ainda continuámos cá em Nova Lamego, com a passagem do dia sossegado.

Dia 18 - sexta-feira: 
Às 9h45 fomos ao aeroporto aguardar que chegasse o avião Dakota, e ver se havia vaga para nos levar. Foi nos ditos que sim, e então fomos levantar as guias e às 10h45 partimos em direcção a Farim, onde aterrou por 10 minutos, e depois, seguimos para Bissau onde chegámos às 12h10. A seguir apanhamos boleia para os Adidos, onde entregámos as guias na secretaria, e assim passou mais um dia.

Dia 19 - sábado: 
Como é fim de semana não dá para tratar de nada, mas deu para dar um passeio por Bissau, tal como no domingo.

Dia 21 - segunda-feira:
De manhã fui ao hospital a uma consulta, e mandaram-me voltar na sexta-feira a fim de ser operado.

Dia 22 - terça-feira:
Completo 21 meses de missão. De resto tudo normal, tal como os dias 23 e 24.

Dia 25 - sexta-feira:
De manhã fui ao hospital e disseram-me para baixar já amanhã até ao meio-dia. De tarde entreguei nos Adidos o boletim da consulta, e da baixa para assinar, mas como o capitão da companhia estava ausente, não foi possível.

Dia 26 - sábado:
Às 10h o capitão assinou os documentos necessários e às 11h30 dei entrada no hospital, fiquei no pavilhão A, cama 31.

Dia 28 - segunda-feira: 
Pedi ao médico para não demorarem a operar, em virtude de estar a aproximar-se o dia de regressar a Portugal.

Dia 29 - terça-feira:
À noite avisaram-me para amanhã não tomar o pequeno-almoço, com a finalidade de ser operado.

Dia 30 - quarta-feira:
Às 9h45 levaram-me para a sala de operações e fui anestesiado, e acordei cheio de dores.
Foi uma tarde e noite difíceis.

Maio 69 
Dia 1 - quinta-feira: 
Um dia difícil com dores, tal como na sexta-feira, pois no sábado já comecei a resistir com mais facilidade.

Dia 4 - domingo:
Além das dores, fiquei triste com a notícia da morte por acidente de viatura de João Fernandes Caridade, um camarada da companhia.

Dia 5, 6 e 7: 
Tenho vindo a melhorar aos poucos.

Dia 8 - quinta-feira: 
De manhã tiraram-me os pontos na sala de tratamentos, e logo senti um grande alívio.

Dia 9 - sexta-feira: 
Ao fazer o curativo o enfermeiro disse-me que o golpe tinha aberto, e chamou o médico, este disse-me que foi por eu me ter posto de pé, mas já nada havia a fazer.

Dia 12 - segunda-feira: 
O médico disse que me ia propor alta, e que ficava em consulta externa a fazer o penso diário até que ficasse bom.

Dia 13 - terça-feira:
Foi-me dada alta da parte de tarde, então entregaram-me a roupa e as guias e passei para a enfermaria dos Adidos que também pertence ao hospital, se bem que continuo a ir ao hospital fazer o penso diariamente.
Foi o que aconteceu até ao dia 29, quinta-feira.

Dia 30 - sexta feira:
De manhã vi um desfile de militares chegados de Portugal, e fui fazer o penso ao hospital, à tarde fui até ao cais ver o NIASSA que os trouxe, e nos vai levar de regresso à nossa terra.

JUNHO 69 Dia 3 - terça-feira:
Chegou o 1.º sargento Bonito para tratar do assunto do embarque, e disse-me que a companhia chega depois de amanhã, ele fica instalado no quartel dos 600 em Sta. Luzia.

Dia 4 - quarta-feira:
De manhã fui ao hospital, e disse ao médico que ia embarcar no dia 6, e ele divertiu-se comigo, dizendo que não me dava alta e por isso eu ficava, mas lá ma passou, e deu-me uma carta para eu apresentar na enfermaria do barco para me fazerem o curativo.

Dia 5 - quinta-feira:
Fui à secretaria levantar as guias para passar para a minha companhia, visto que ela chega às 20h.
Ao meio da tarde fui para o cais à espera do meu pessoal, mas quando chegaram já eram 22h30, e com a demora do desembarque chegámos aos Adidos à meia-noite e meia.

Dia 6 - sexta-feira: 
Desde que chegámos, das 0h30 até às 6h30 estive com o meu colega Oliveira e o sargento Ribeiro a receber o fardamento, as armas e o restante material para entregar.
Depois fui feliz da vida dizer adeus a Bissau.
Às 16h regressei aos Adidos, e às 17h partimos para o local onde embarcámos, neste grande barco NIASSA, que à meia-noite deu a partida para a viagem tão desejada.

Niassa

Dia 7 - sábado:
Às 14h30 o barco fez uma curva e começaram os rumores que o barco voltava para Bissau, a fim de levar um furriel que estava em perigo de vida.

Dia 8 - domingo:
Às 6h acordei e ouvi o barulho de um helicóptero, então levantei-me e fui para o convés, ver o que se estava a passar. Então vi que o barco estava parado e o helicóptero fazia todas as tentativas para pegar no doente, mas não conseguia. Então, desceram uma baleeira e foram levar o doente a uma pequena ilha que se via à distância, e só lá o helicóptero consegui resgatar o doente, tudo isto se passou na região de Cabo Verde.
Às 7h30 o barco reiniciou a viagem.

Dia 9 - segunda-feira:
Continua tudo razoavelmente bem, embora com um pouco de enjoo, mas a ansiedade de chegar a Lisboa nada nos incomoda.

Dia 10 - terça-feira:
Tudo bem, embora tenha tocado o alarme de perigo para formarmos com o devido equipamento de salva-vidas mas nada passou de um simulacro.

Dia 11 - quarta-feira:
Quando tomávamos o pequeno-almoço deu para ver terra à distância, quando nos foi dito que eram as Canárias.
Às 13h voltou a tocar o alarme, e lá formámos de novo com os respectivos coletes salva-vidas, mas nada aconteceu de mal.

Dia 12 - quinta-feira:
Tudo continua bem.
À noite houve mais uma sessão de cinema como é habitual todas as noites, só que esta tem um significado especial, pois acreditámos que seja a última passada aqui no barco.

Dia 13 - sexta-feira: 
O dia mais alegre da vida até hoje.
Logo de manhã tirámos as malas do porão para o convés, às dez horas já começámos a ver terras e não deu para ver mais cedo por estar nevoeiro.
Às 11h chegámos ao cais de Alcântara, e às 12h30 desembarcámos dando assim largas aos abraços dos familiares que nos esperavam, e que assim faziam esquecer todo o sofrimento passado ao longo de quase dois anos.
Às 16h despedimo-nos desses familiares, e partimos de combóio para Penafiel, onde chegámos sábado dia 14 pela madrugada. Logo a seguir fizemos espólio da roupa que trazíamos vestida e a mochila com o restante, vestimos a roupa civil, dando um abraço de amizade aos camaradas, com o desejo de nos voltarmos a encontrar um dia.
Assim dei por terminada a minha missão obrigatória chamada de soberania, na dita Guiné, dando graças a Deus por me trazer de volta aos braços da minha família, e a esta terra querida do lugar do Cotorinho, Campeã, Vila Real.

Mário dos Anjos Teixeira Alves.
____________

Nota do editor

Vd. postes da série de:

24 de Julho de 2014 > Guiné 63/74 - P13434: Diário da CART 1742 (Mário Alves, 1.º Cabo Corneteiro) (1): Período entre Agosto de 1967 e Janeiro de 1968 (Abel Santos)

26 de Julho de 2014 > Guiné 63/74 - P13437: Diário da CART 1742 (Mário Alves, 1.º Cabo Corneteiro) (2): Período entre Fevereiro e Julho de 1968 (Abel Santos)
e
28 de Julho de 2014 > Guiné 63/74 - P13441: Diário da CART 1742 (Mário Alves, 1.º Cabo Corneteiro) (3): Período entre Agosto de 1968 e Janeiro de 1969 (Abel Santos)

Guiné 63/74 - P13447: Parabéns a você (764): Amaral Bernardo, ex-Alf Mil Médico do BCAÇ 2930 (Guiné, 1970/72); Júlio Costa Abreu, ex-1.º Cabo Comando do Grupo Centuriões (Guiné, 1964/66) e Victor Tavares, ex-1.º Cabo Caçador Paraquedista da CCP 121 (Guiné, 1972/74)



____________

Nota do editor

Último poste da série de 17 de Julho de 2014 > Guiné 63/74 - P13408: Parabéns a você (763): Álvaro Basto, ex-Fur Mil Enf da CART 3492 (Guiné, 1971/74) e José Manuel Pechorro, ex-1.º Cabo Cripto da CCAÇ 19 (Guiné, 1971/73)

terça-feira, 29 de Julho de 2014

Guiné 63/74 - P13446: Memórias de Gabú (José Saúde) (41): Jaló, um milícia dúbio. Homem feito com o sistema.

1. O nosso Camarada José Saúde, ex-Fur Mil Op Esp/RANGER da CCS do BART 6523 (Nova Lamego, Gabu) - 1973/74, enviou-nos a seguinte mensagem.

AS MINHAS MEMÓRIAS DE GABU

Camaradas,

A guerra tem contornos quiçá impensáveis. Na obra “AS MINHAS MEMÓRIAS DE GABU”, dou conta de um antigo camarada, milícia local, de nome Jaló, que segundo o ex furriel miliciano, Amílcar Ramos, um velho amigo com quem partilhei a messe de sargentos em Nova Lamego, me elucidou sobre o fim de um homem que muito bem conhecemos.

Transmitiu-me o camarada Amílcar que em finais do século passado visitou Gabu e teve conhecimento profícuo que o Jaló era então mais um dos militar do PAIGC. 

Ziguezagueou e sobrou-lhe a audácia para se salvar das amarras do passado. 

Jaló, um milícia dúbio
Homem feito com o sistema

A sua imagem era sobejamente conhecida! Obeso, bonacheirão e com uma túnica normalmente branca, o Jaló era o homem típico da tabanca. Porém, a sua conduta pessoal diferenciava-o do restante pessoal com o qual quotidianamente convivíamos: era um homem dúbio, ambíguo, desfazia-se em sorrisos, em cobrar favores e na sua arte inigualável não perdia a oportunidade de tudo pedir. Era um convicto pedinchão!

O Jaló era demasiadamente conhecido no Quartel e no seio da população civil. As lérias do camarada africano enterneceriam o mais descuidado militar se porventura não meditasse de imediato no seu doce e embalador palavreado. Mostrava-se acolhedor, pronto a fazer favores e, de seguida, propunha como recompensa: cobrar alguns pesos ou uma dádiva em arroz.

Lembro as ocasiões, e foram muitas, em que o Jaló chegava à nossa beira com uma quantidade de moços atrás mendigando favores e depois lá vinha a súplica de uma alcova de arroz, alimentação preponderante da população para os rapazes transportarem para a sua tabanca! Claro que esse pedido não era em vão, havia uma recompensa para o velho milícia: a maior quantidade da dádiva era para ele. Não dava ponto sem nó.

O homem proclamava, amiúde, o seu dever cívico e militar para com a tropa branca. A sua mensagem passava fluidamente na população. O Jaló era reconhecido como odeus da tabanca. O seu dom de palavra impunha-se a gentes que viviam de paredes meias com a guerra. Não podia ouvir falar dos turras.

O mal da população passava pelas suas carências alimentares. O Jaló, vivaço, sabia as regras do jogo e jogava com pedras bases que puxavam ao equilíbrio. Dar para depois receber era a sua filosofia.

Como milícia, sempre assumido, o seu papel determinante era comandar um pequeno grupo que assegurava um posto avançado de segurança da tabanca durante a noite.

Sempre que me encontrava de serviço, como sargento dia, acontecia que durante a noite era-nos familiar as nossas rondas noturnas. Controlávamos as entradas das estradas de Bafatá e Piche, sendo que na tabanca que nos conduzia a Pirada o serviço era feito pelo grupo do Jaló. Um grupo onde se destacava a perseveração daquele militar nativo que se entregava de peito aberto em defesa do hino nacional português.

Não me recordo se alguma vez ouvi o seu atabalhoado som vocal pronunciar a portuguesa “heróis do mar, nobre povo…”. O Jaló, era moço que se ajeitava a tudo.

A guerra tem, contudo, contornos que disparam em diversas direções. As surpresas das suas decisões finais tocam na rama de deveres anteriormente levados à letra e, depois, desprezados. 

Segundo informações do camarada Amílcar Ramos, ex furriel miliciano que no ano de 1999 visitou Gabu, o bom do Jaló, a tal figura vacilante que muito bem conheci em plena altura do conflito, após a independência foi, alegadamente, um dos primeiros a virar o bico ao prego: mudou-se para o PAIGC, alvorando-se, quem sabe, em guerrilheiro mor de um partido que lutou no terreno pela sua autodeterminação.

O Jaló, em meu entender, não enganava ninguém. Estudei-o ao pormenor e tracei-lhe o caminho do seu destino: morto ou vivo. VIVO terá gritado o bom do Jaló no preciso momento em que resignou às novas forças da ordem!

Confesso que fui seu amigo! Gostei sempre da ligeireza das suas presunções. Sobreviveu! Ah, grande herói. 

As árvores, o mato e o arame farpado eram paisagens que o milícia Jaló muito bem conhecia

Um abraço, camaradas 
José Saúde
Fur Mil Op Esp/RANGER da CCS do BART 6523
___________
Nota de M.R.:

Vd. último poste desta série em:


Guiné 63/74 - P13445: Em busca de... (246): CISMI, 4ª Companhia, Tavira, agosto de 1963... a que pertenceu o vosso grã-tabanqueiro Manuel Luís Lomba... (Armando Sousa / Francisco Mota Lopes)



Foto de perfil da página do Facebook CISMI 4ª Companhia Agosto de 1963.


1. Mensagem do nosso leitor (e camarada) Armando Sousa, com data de 21 de maio passado:




Boa tarde, Luis Graça.

Não obstante não ter feito o meu tempo de guerra colonial na Guiné, mas sim em Angola, abordo o teu blogue para pedir-te o favor de me forneceres o mail do Manuel Lomba, um rapaz que fez comigo o Curso de Sargentos Milicianos, em Tavira. Somos um grupo também de  ex-combatentes, que pretende reunir o Primeiro dos nossos Primeiros Pelotões ( CISMI - Tavira - Agosto de 1963). Sabemos que o Lomba cruzou mails contigo e, por essa razão, te pedimos esse favor.

Para a Tabanca Grande votos de um número infinito de aderentes.
Para ti, um abraço do camarada




2. Resposta de LG, com data de  21 de maio último, ao  Armando Sousa com conhecimento ao Manuel Luís  Lomba [, foto atual à direita]


Armando: Obrigado pelo pedido e pelos votos de sucesso para o nosso blogue, o mesmo é dizer, pela causa de todos nós, qualquer que seja o TO que nos coube. Aqui tens o contacto do Manuel Lomba, a quem dou conhecimento deste mail...Se quiseres escrever sobre o CISMI e o nosso tempo de Tavira, tens as portas abertas do nosso blogue. Um alfabravo, Luís Graça

3. Nova mensagem de LG, para o Armando Sousa, com data de 22 de maio último



Camarada:

Eu sou um "pira". "maçarico", "checa", comparado com vocês... Passei por Tavira, CISMI, no 4º trimestre de 1968...Mas tenho muito gosto em pôr as páginas do nosso blogue ao serviço das vossas iniciativas... Temos algum impacto: 656 membros registados (, 5% dos quais já morreram, infelizmente), 1 milhão de visualizações por ano... Vejam aqui 32 referências ao CISMI, onde todos passámos bons e maus bocados

http://blogueforanadaevaotres.blogspot.pt/search/label/CISMI

O Manuel Lomba por certo que vos vai contactar. E eu tenho muito gosto em fazer um apelo, no blogue, à rapaziada desse tempo... Infelizmente, muitos não vão à Net, não teêm email... Mas têm os filhos e os netos...

Também podem usar a nossa página do Facebook, Tabanca Grande Luís Graça:

https://www.facebook.com/profile.php?id=100001808348667

Armando, um alfabravo (ABraço) fraterno... Somos uma espécie em vias de extinção... Luis Graça

Quartel da Atalaia, Tavira, jan 2014. Foto de LG

4. Mais três mails do Armando Sousa, com data de 22 de maio:



 (i) Boa tarde, Luis Graça.

Ainda ontem trocámos mensagens e já hoje te estou a "bater à porta".


Na verdade, ao referir-me no meu contacto anterior, que "somos alguns que pretendem reunir o primeiro dos primeiros pelotões no CISMI 1963", estava a incorrer num erro de informação porque o objectivo era a Companhia. 

Lembrámo-nos logo, em uníssono, de fazer a nossa primeira publicitação na Tabanca Grande, do Luis Graça, (que nos parece ser, ele mesmo, CISMI 1968) e de lhe agradecer a rápida informação que nos fez chegar, a propósito da localização do Manuel Lomba ( que, por motivos pessoais, ainda não deu acordo de si).

E,então, Luis Graça, aqui fica a nossa mensagem: "CISMI - 4ª Companhia - Agosto de 1963, quer encontrar-se", os contactos poderão ser para os mail s

armandopsousa@hotmail.com 

ou

 francisco_motalopes@hotmail.com

Esperemos que muita gente compareça à chamada.


O Armando Sousa e o Francisco Mota Lopes agradecem o teu contributo.

Um abraço fraterno de camaradas



(2)  Luis Graça, um muito obrigado pela tua disponibilidade.

Entretanto, vamos tentando outras vias e pensar que, daqui a um ano, talvez tenhamos um bom número de "rapazes" nas nossas "listas".

Fico, também, ao teu dispor, para aquilo que pretenderes de mim.

Um alfabravo

(3) Boa noite, Luis Graça.

Criámos uma página CISMI 4ª Companhia Agosto de 1963, no Facebook. O nosso desejo, como é evidente, é que a referida página seja visitada por muitos camaradas e, se possível, um Gosto, para que a mesma não seja eliminada. Pedimos, uma vez mais, a tua colaboração para publicitares esta "maçarica" página na prestigiada Tabanca Grande.

Um fraterno alfabravo do Armando Sousa

______________

Nota do editor:

Último poste da série > 4 de julho de 2014 > Guiné 63/74 - P13365: Em busca de... (245): Francisco Neto, ex-1.º Cabo Art do 15.º Pel Art (Guileje e Gadamael, 1973) (Luís Paiva)

Guiné 63/74 - P13444: Os nossos camaradas guineenses (38): A morte do furriel Moreira (Domingos Gonçalves, ex-Alf Mil da CCAÇ 1546/BCAÇ 1887)

1. Mensagem do nosso camarada Domingos Gonçalves, (ex-Alf Mil da CCAÇ 1546/BCAÇ 1887, Nova Lamego, Fá Mandinga e Binta, 1966/68) com data de 25 de Julho de 2014:

Prezado Luís Graça:
Antes de mais, saúde, e votos de BOAS FÉRIAS.
Depois, para alimentar o Blogue durante as férias, e dar, até, oportunidade aos psicólogos, e etnólogos, ou especialistas em cultura africana, para divagarem sobre o assunto, tomo a liberdade de enviar um texto bastante longo que, se o entender conveniente, poderá inserir no Blogue.

Um abraço
Domingos Gonçalves


Novembro de 1966 
Dia 1 

Pouco passava das oito horas quando, com os meus homens, parti em direção a Binta.
É o adeus ao céu de Guidage... Aquilo a que chamamos estrada, mas que de facto não passa de um caminho estreito, simples picada feita de lama e buracos, está num estado miserável.
Mesmo assim, a viagem decorreu com normalidade.
Às onze horas já estávamos no local do destino.

Ao partir, senti pena da população de Guidage. Quando as viaturas estavam para arrancar para Binta juntou-se quase toda a gente junto à porta d’armas e, muitos deles, ficaram a chorar. E as lágrimas são uma coisa muito delicada e bonita, digna de admiração. Na hora da despedida, a população brindou-nos com aquilo que nós, os humanos, temos de mais precioso, ou seja, as lágrimas.

Em Bissau, no Hospital Militar, faleceu, doente, o Nansú Camarã. Foi evacuado de Guidage por duas vezes. Sofria de mal-estar geral e de um abatimento psicológico muito grande.
Vou contar a história da doença do rapaz, do combatente leal, esforçado, solidário e corajoso.
É a história do pássaro maldito.

***

A morte do furriel Moreira

O Nansú Câmara, ou o furriel Moreira, como nós lhe chamávamos, era um negro de pele relativamente clara, alto e magro, pertencente à milícia local, que aprendi a admirar desde os primeiros dias da minha estada em Binta.

Chamávamos-lhe o furriel Moreira, alcunha de que gostava, e que terá recebido da boca de alguém que, por certo, lhe admirava a lealdade, a dedicação e o grande espírito de sacrifício. E ele gostava da alcunha. Sentia mesmo orgulho quando lhe chamavam furriel...

Regra geral os furriéis eram sempre brancos. Atribuir-lhe a categoria que só os brancos possuíam dava-lhe um estatuto diferente, fazia dele alguém muito especial e respeitável. Para ele, chamar-lhe furriel, nada tinha de ofensivo. Entendia a alcunha quase como uma distinção. Gostava mesmo de que o chamássemos assim, e ficava vaidoso e contente com um nome tão distinto.

Possuidor de uma admirável resistência física estava sempre pronto a auxiliar qualquer de nós, nas horas mais difíceis. Muitas vezes, quando regressávamos das operações, das patrulhas, ou das emboscadas, ele aproximava-se dos mais cansados e ajudava-os a transportar a arma, as munições, ou as granadas. Era, em tudo, um homem bom e generoso. Uma daquelas pessoas que nasceram para ser desinteressadamente solidárias e amigas.

Um dia, logo ao amanhecer, veio procurar-me muito aflito, expressando medo e angústia. Nos seus olhos meigos adivinhava-se um sofrimento enorme, ou visionava-se mesmo o limiar da morte. Trazia uma expressão dolorosa, onde se adivinhava qualquer coisa de transcendente, ao mesmo tempo terrível e grande. Naquele momento vi nele um homem que estava a chegar, vindo não da sua casa simples e pobre, mas de um mundo diferente e desconhecido. O Nansú que tinha ali em minha era já outro homem. Tudo nele se me afigurava estar alterado.
Ele estava diferente nos gestos, nas palavras, no aspecto e nas atitudes. Era um homem triste, tímido e distante, longe da realidade do nosso dia a dia, irremediavelmente perdido para a vida.

Por entre lágrimas e tremores conseguiu dizer-me:
- Alfero... Durante a noite, quando estava de sentinela, eu vi Irã.

Estas palavras saíam-lhe bem do fundo da alma, murmuradas com serenidade cadavérica e sinceridade profunda.

E eu perguntei-lhe:
- E quem é Irã? - Eu nunca ouvi falar dessa pessoa. - Como te apareceu? Que foi que te disse?

Ele, receoso e triste, murmurou:
- Irã, é o mal. É um espírito negro e terrível. Só pode trazer-nos a morte. Agora sei que vou morrer. A vida para mim já terminou. Quem vir Irã não pode mais ficar aqui... Tem mesmo de morrer. Nas suas asas negras ele traz a mensagem do inferno. O meu futuro já não existe. Para mim tudo vai terminar muito depressa.

E tiveste medo, perguntei-lhe?
- Tive, respondeu-me. Mas não abandonei o posto nem a arma. Não fugi...

No seu rosto adivinhava-se qualquer coisa de mistério, uma amargura profunda, a tristeza de quem teve, naquela trágica noite, a visita de um anjo mau que lhe veio trazer a mensagem da morte, ou qualquer coisa bastante pior, indesejável para qualquer de nós, pobres mortais. ... E aquele rapaz já não seria mais o soldado corajoso, leal e destemido que sempre soubera ser. Aquela visão terrível, alucinante, traçara-lhe bruscamente o destino. Era a visão da morte.

Eu continuei:
- E como era Irã?
- Era, disse-me, uma espécie de pássaro negro, muito grande, que se manteve perto de mim, durante muito tempo, como que a dançar, em movimentos loucos e sucessivos, mas sempre fora da rede de arame farpado.
- E que te disse, perguntei-lhe?

E o Furriel Moreira, numa voz quase imperceptível, murmurou:
- Não me disse nada. Mas eu entendi tudo o que tinha para me dizer.
- E porque não disparaste, perguntei-lhe, uma rajada de G. 3, para o afugentar? Um bicho desses mata-se de imediato, sem qualquer receio.

Mas ele, com toda a seriedade, e com uma voz branda, nascida bem do fundo da sua alma amargurada, respondeu-me:
- Alfero! Tiro de espingarda não mata Irã. O deus do mal tem muita força e poder. Ninguém pode matar Irã.

Enquanto falávamos, todo ele tremia e transpirava. O suor escorria-lhe, em gotas enormes, pelas faces escuras, enquanto que do seu olhar meigo escapava um desespero triste profundo. E eu fui conversando com ele, durante bastante tempo, tentando retirar-lhe da mente aquela imagem tenebrosa que nem o deixava respirar. Mas foi tudo em vão. Aquela ideia sinistra dominava-lhe por completo a mente, apossara-se dele com tanta força, que iria ser muito difícil restituir-lhe o equilíbrio mental e a vontade de continuar a viver, e a ser pessoa. Estava dominado por uma alucinação terrível, que se apossou daquela mente rústica de uma forma indizível.

Depois, acompanhei-o ao refeitório da companhia e pedi que lhe dessem o pequeno-almoço, pensando que fosse a fome e a má nutrição a causar-lhe aquelas alucinações. Mas ele quase não comeu. Depois, retirou-se para casa. Uma casa simples, coberta de capim, como quase todas as casas que na Guiné se constróem. Retirou-se macambúzio, triste.

 Durante a tarde mandei chamar o régulo da tabanca, - o Mamadu -, um homem já de bastante idade, muçulmano fervoroso e crente. Contei-lhe a história da visão que o Nansú tivera durante a noite, e perguntei-lhe:
- Quem é Irã? Que tipo de crença o povo tem e guarda nessa suposta divindade, ou anjo do mal?

E o régulo, discretamente, como que assustado com a história que lhe contara, lá me foi dizendo:
- Irã, é uma superstição. É uma crença antiga, pertencente às antigas religiões do nosso povo, na qual alguns de nós ainda acreditamos. É uma espécie de demónio, que só pode fazer mal às pessoas. Mas um bom muçulmano não pode acreditar em Irã, nem ter medo dele. Allah protege-nos contra os poderes do mal. Quem acreditar no nosso Deus está livre para sempre dos malefícios dessa crença. Mas, é verdade... Muitos de nós ainda acreditamos que Irã existe e domina este mundo obscuro, habitando algures, no coração da selva. É uma crença que permanecerá ainda por muito tempo na tradição do povo, sem que seja possível erradicá-la de todo. E, intimamente, todos nós temos ainda medo. Mesmo muito medo.

Depois, pausadamente, e como que dominado, também, por um estranho receio, continuou:
- ... No entanto, eu sei, que essa crença antiga já não devia subsistir. Ela é incompatível com a crença em Allah, o Deus em que acreditamos. Mas ainda são muitos os que acreditam e têm medo... Mesmo quando em público dizem que não acreditam, eles continuam presos a essa superstição.

E os dias foram-se passando. E o furriel Moreira começou a ficar mais doente... Deixou de se alimentar... Deixou de comparecer ao serviço... Definhava a olhos vistos, num desmoronar muito rápido e implacável da saúde física e mental de que antes parecia gozar quase em plenitude. A vivacidade que o caracterizava deu lugar a um homem amorfo e triste, em cujo olhar que se perdia a fixar, tenuemente, algo distante, só aflorava, imensa, uma amargura profunda e misteriosa.

Uma certa manhã, acompanhado pelo enfermeiro da companhia, fui mais uma vez visitá-lo e dei-lhe para tomar, um xarope e algumas vitaminas. Mas o rapaz não melhorava... Ia passando os seus dias, a pensar que já não seriam muitos, metido em casa, a merecer a compaixão de todos os que o visitavam.

 Dada a limitação de que dispúnhamos para o tratar, pediu-se uma evacuação, de helicóptero, e o Nansú foi internado em Bissau, no hospital militar. Talvez, pensei, longe do local da aparição fatídica, e beneficiando de razoável assistência médica, fosse ainda possível que a saúde voltasse de novo. Eu estava, aliás, bastante convencido de que se tratava apenas de um pequeno problema de natureza psíquica, que a intervenção de um psiquiatra resolveria com facilidade.

E os dias foram-se passando. Ao fim de quinze dias de internamento deram-lhe alta hospitalar e ele regressou a Binta. Mas não vinha curado. A visão de Irã não o abandonava... E, pouco a pouco, continuou a definhar... E foi-se lentamente apagando...

Já quase no fim pediu-se um novo internamento e ele regressou ao hospital militar, onde viria a morrer, ao fim de poucos dias, assassinado pela visão sinistra de um pássaro negro, cujo habitat permanece bem fundo, no inconsciente colectivo deste povo.

E numa qualquer tarde, quente e tristonha, vieram dizer-me:
- Morreu o furriel Moreira...

E eu pensei:
- Foi Irã, o pássaro maldito, quem o matou!...

Domingos Gonçalves
____________

Notas do editor

A propósito dos Irãs, do poste de 11 de Abril de 2012, de Cherno Baldé > Guiné 63/74 - P9732: Memórias do Chico, menino e moço (Cherno Baldé) (35): O Irã animista e o Djinné muçulmano transcrevemos os seguintes parágrafos:

O Irã pode viver em qualquer sítio porque dotado de poderes e invisível ao olho humano, mas o seu habitat privilegiado são os poilões gigantes de base piramidal e altura imponente das florestas tropicais. Quanto a questão sobre como se desloca e de que se alimenta, os povos animistas, envoltos ainda num espesso nevoeiro de tabus, medos e secretismos não fornecem muitos detalhes a esse respeito, no entanto, sabe-se que a sua característica principal continua a ser o manto sagrado (manifestação do sagrado). O Irã, a imagem e semelhança dos seus seguidores é, acima de tudo, comedido e discreto, sendo também, por acréscimo, nacionalista acérrimo e incansável defensor dos usos e costumes tradicionais.

Quanto as cores que usa, no seu dia-a-dia, o Irã tem uma certa preferência pelas cores garridas, em especial a cor vermelha e a rosa, símbolos da vida, da fertilidade e da regeneração natural.

O Irã possui um carácter forte e afoito, tal qual o grau de álcool da sua bebida de eleição, a aguardente. Todavia, não é contra as bebidas mais finas, pois adora o vinho do Porto e não desdenha o uísque ou o conhaque Escocês. Não dispensa, ainda, a água simples e pura, bebedouro das almas penadas. O Irã é, também, um ser profundamente social, com famílias grandes e ruidosas sendo muito exigente quando se trata de zelar pela segurança dos seus bens e a integridade dos membros da sua família, em especial dos filhos.

Último poste da série de 15 de Janeiro de 2014 > Guiné 63/74 - P12588: Os nossos camaradas guineenses (37): Os milícias e outras tropas auxiliares: as estatísticas dos tombados (José Martins / António J. Pereira da Costa / Jorge Picado)

Guiné 63/74 - P13443: FAP (81): A propósito do voo MH17 das linhas aéreas da Malásia atingido por um míssil, em 17/7/2014, sob o céu da Ucrânia... Deus nos livre da antiaérea amiga, que da inimiga livramo-nos nós (António Martins de Matos, ex-ten pilav, BA 12, Bissalanca, 1972/74)

 I. Mensagem do nosso camarada António Martins de Matos, ex-ten pilav, BA 12, Bissalanca, 1972/74, h(ex-ten pilav, BA 12, Bissalanca, 1972/74; hoje ten gen ref) [, foto à esquerda]


Data: 19 de Julho de 2014 às 16:42

Assunto: MH17

Caros amigos

A tragédia do voo MH17 fez-me voltar à memória algumas ideias e temores há muito adormecidos, a saber:

1. Não compreendo como são fornecidos mísseis de "longo alcance" a militares, dissidentes ou paisanos que não estão inseridos numa bem definida Cadeia de Comando.

2. Não compreendo  como "alguém" pode decidir lançar um míssil contra um alvo não identificado, sem saber se é "FRIEND OR FOE" [, amigo ou inimigo], tão só pelo simples facto de ir a sobrevoar a sua área.

3. Não consigo compreender a ganância das companhias aéreas a tentar poupar uns míseros dólares em combustível, arriscando a vida dos passageiros e tripulação ao sobrevoar uma "zona de guerra".

Em 1973 e em plena Guiné de antiaéreas e Strelas, no meio de uma operação contra o PAIGC eis que, do nada, fui confrontado com a aparição de um avião civil (um DC-7), pachorrentamente cruzando a "zona de operações".

Tivesse esse DC-7 sido abatido (por nós ou por eles), quem assumia a responsabilidade?

Em conclusão,

1. Áreas de guerra não devem ser sobrevoadas;

2. Só quem tem a identificação positiva de um alvo é que pode dar uma ordem de disparo;

3. Essa identificação e ordem de disparo é SEMPRE feita pelos Comandos Aéreos, (os únicos que têm a imagem do Espaço Aéreo) tudo o resto são "tiros para o ar".

Ao longo dos tempos o não cumprimento destas regras tão empíricas tem originado inúmeros "acidentes".
Este estado de coisas acabou por levar os aviadores a valorizarem aquela máxima que diz:

" DEUS NOS LIVRE DA ANTIAÉREA AMIGA,… QUE DA INIMIGA LIVRAMO-NOS NÓS".

António Martins de Matos
____________

Nota do editor:

Último poste da série > 17 de novembro de 2013 > Guiné 63/74 - P12307: FAP (80): As nossas pistas de aviação: Bafatá, vista aérea, c. 1970 (Humberto Reis, ex-fur mil, op esp. CCAÇ 12, Bambadinca, 1969/71)

segunda-feira, 28 de Julho de 2014

Guiné 63/74 - P13442: Histórias da CCAÇ 2533 (Canjambari e Farim, 1969/71) (Luís Nascimento / Joaquim Lessa): Parte XVII: 4 episódios recordados pelo José Joaquim da Costa Fonseca, ex-sold at inf,1º pelotão entre elas uma dramática saída para o mato em 29 de abril de 1970, ou aquela outra em que o Vieito "perdeu" a G3 na confusão de um ataque ao aquartelamento


Pormenor da capa do documento,  "Histórias da CCAÇ 2553". que reune cerca de 6 dezenas de episódios narrados por oficiais, sargentos e praças da CCAÇ 2533 (Canjambari e Farinm, 1969/71).  A brochura, com 115 pp. (mais 30 inumeradaas, com fotografias,) foi  impresso na Tipografia Lessa, na Maia, propriedade do Joaquim Lessa, ex-militar da CCAÇ 2533, e um dos organizadores dos convívios anuais do pessoal.












1. Histórias da CCAÇ 2533 > Parte XVII (José Joaquim da Costa Fonseca, sold at inf, 1º pelotão):

Continuamos a publicar as "histórias da CCAÇ 2533", a partir do documento  editado pelo ex-1º cabo quarteleiro, Joaquim Lessa, e impresso na Tipografia Lessa, na Maia (115 pp. + 30 pp, inumeradas, de fotografias). (*)

Registe-se, como facto digno de nota, que esta publicação é uma obra coletiva, feita com a participação de diversos ex-militares (oficiais, sargentos e praças) daquela  companhia.

A brochura chegou-nos às mãos, em suporte digital, através do Luís Nascimento, que vive em Viseu, e que também nos facultou um exemplar em papel. Até ao momento, ele é o único representante da CCAÇ 2533, na nossa Tabanca Grande, apesar dos convites, públicos, que temos feito aos autores cujas histórias vamos publicando.

Temos autorização do editor e autores para dar a conhecer, a um público mais vasto de amigos e camaradas da Guiné, as aventuras e desventuras vividas pelo pessoal da CCAÇ 2533, companhia independente que esteve sediada em Canjambari e Farim, região do Oio, ao serviço do BCAÇ 2879, o batalhão dos Cobras (Farim, 1969/71).

Desta vez publicamos 4 pequenas histórias, contadas pelo sold at inf José  Joaquim da Costa FosnecaTomás Costa, : (i) uam saída para o mato em 29 de abril de 1970 (p. 71); (ii) O Vieito que "perdeu" a arma num ataque ao aquartelamento (p. 72); (iii) Um dia aziago de janeiro de 1970 em que tivemos dois mortos , além do burro que transportava rações de combate (p. 73); e, por fim,  (iiv) uma história com o Ramalho (p.74)...

2. É pena que a malta da CCAÇ 2533, que produziu este livrinho com mais de 6 dezenas de histórias do dia a dia de Canjambarim e Farim, ainda não tenha respondido ao meu convite para se sentarem, também eles, à sombra do poilão da nossa Tabanca Grande. Só preciso do seu OK e das duas fotos da praxe (uma atual e outra do tempo da tropa; basta digitalizá-las e mandámos por email).

Estes camaradas são credores da nossa admiração e apreço. E são um exemplo a seguir  pelos demais combatentes da Guiné por partilharem, deste modo, as suas experiências, vivências e recordações.
Já aqui reproduzimos textos dos seguintes camaradas da CCAÇ 2533, por ordem cronológica:

(i) Cap inf Sidónio Nartins Ribeiro da Silva, cmdt de companhia, hoje cor ref;

(ii) Fur mil at inf Fernando J. do Nascimento Pires, 3º pelotão;

(iii) Fur mil minas arm Avelino da C. Meneses Pereira, 4º pelotão;

(iv) Alf mil inf Armando Manuel H. Gabriel da Mota, cmdt 1º pelotão;

(v) Sold at inf José Tomás Costa, 1º pelotão.

(vi) Sold at inf José Joaquim da Costa Fonseca, 1º pelotão)

Mas ainda há mais autores, uns sete... Para todos eles, vão os nossos parabéns e o nosso alfabravo. LG
_________

Guiné 63/74 - P13441: Diário da CART 1742 (Mário Alves, 1.º Cabo Corneteiro) (3): Período entre Agosto de 1968 e Janeiro de 1969 (Abel Santos)

1. Continuação do "Diário da CART 1742" de autoria de Mário dos Anjos Teixeira Alves, 1.º Cabo Corneteiro, enviado ao Blogue pelo nosso camarada Abel Santos (ex-Soldado Atirador da CART 1742 - "Os Panteras" - Nova Lamego e Buruntuma, 1967/69).




Diário da CART 1742

Autoria de Mário dos Anjos Teixeira Alves
1.º Cabo Corneteiro
Guiné, 1967/1969

Este diário foi oferecido aos camaradas presentes no 9.º convívio da Companhia de Artilharia 1742, em Campeã - Vila Real de Trás-os-Montes em 25 de Maio de 2013.

Eis a razão
Dos momentos
Da nossa indisposição,
Mandaram-nos para a guerra
Sem a nossa opinião.
Por isso o Salazar
Não terá o nosso perdão.


AGOSTO 68
Dia 1 - quinta-feira:
De manhã, por opinião do nosso alferes Cruz, eu e o Oliveira resolvemos deixar de dormir na arrecadação, eu passei a minha cama para o abrigo 7 devido a fazer lá reforço, e o Oliveira continua a dormir no abrigo dos mecânicos.

Dia 2 - sexta-feira:
A manhã passou-se dentro da normalidade, e à tarde veio cá a avioneta com o correio.

Dia 3 - sábado:
De manhã andei ajudar a abrir uma vala no abrigo 7 e a recompor outra que não estava em condições.

Dia 4 - domingo:
Às 9h30 fui à enfermaria dar uma massagem na perna que já está quase boa. Como já há medicamentos para me tratar a fístula na agulha vertebral, deram-me duas injecções para esse efeito.

Dia 5 - segunda-feira:
De manhã foi o pessoal a Camajabá e trouxeram correio.
De tarde às 16h30 estivemos a receber lençóis e outras coisas do pelotão que amanhã vai render o outro que está em Camajabá e em Ponte Caium.

Dia 6 - terça-feira:
Às 13h chegou o pelotão que foi rendido e, estivemos distribuír-lhes entre outras coisas os respectivos lençóis, esses já não tem o mínimo de qualidade.

Dia 12 - segunda-feira:
Foi uma coluna a Bambadinca para reabastecimento da despensa.

Dia 14 - quarta-feira:
Às 11h chegou a coluna com os géneros de Bambadinca, e com o correio.

Dia 15 - quinta-feira:
Tivemos um almoço melhorado, em relação ao costume: batatas com bacalhau, por terem chegado ontem os géneros, ofereceram também uma cerveja pequena a cada um, por causa da vaca que ontem mataram, e não tinham a quem pagar, por outra forma, porque, de outra forma o nosso furriel vagomestre, Romão, só está bem a arranhar para dentro, tal como os macacos.

Dia 16 - sexta-feira:
Tivemos um jantar com alguns amigos, cabrito com batatas no forno e foi comido na arrecadação, acompanhado com uma respectiva cerveja.

Dia 18 - domingo:
Foi um dia bastante atribulado, mas compensado com um jantar de cabrito com batatas assadas no forno. Foi organizado pelo pessoal do nosso abrigo (7), para inaugurar as novas reparações. Participou também no jantar o sargento Bonito, o alferes Cruz, o furriel Nogueira e o furriel Amaro. Comeu-se bem e, bebeu-se ainda melhor sempre acompanhado de boa disposição.

Dia 21 - quarta-feira:
A avioneta veio trazer os frescos, frango e outros artigos.

Dia 22 - quinta-feira:
De manhã saiu uma coluna para Camajabá buscar correio, chegaram às 10h.
Ao meio-dia almoçámos frango e, também houve fruta-maçã, o que é difícil chegar à nossa cozinha.

Dia 27 - terça-feira:
Um dia aborrecido. Estivemos a receber material dos que vão ser transferidos para outra companhia, devido ao castigo que lhes foi aplicado, castigo esse que foi por se terem ausentado durante um ataque do IN, quando a companhia se encontrava no mato debaixo de fogo. Pelo que dizem, a maior culpa foi do alferes Magalhães do mesmo pelotão, que se dirigira aos outros comandos, e deixou as secções sozinhas, isto relatam os camaradas.

Dia 28 - quarta-feira:
De manhã saiu uma coluna para Nova Lamego, chegaram à noite e trouxeram correio.
O resto do dia correu tudo normal, e assim até ao dia 31.

Setembro 68
Dia 4 - quarta-feira:
Da parte de tarde a avioneta veio trazer correio mais o nosso capitão, que chegara de gozar férias em Portugal.

Dia 8 - domingo:
Ao meio-dia veio cá a avioneta para levar um doente para o hospital.

Dia 9 - segunda-feira: 
Ao meio-dia voltou a avioneta e trouxe correio. O resto do dia tudo normal.

Dia 12 - quinta-feira:
Eu, o Lemos e o nosso faxina da arrecadação, fomos ver se comprávamos um frango ou uma galinha mas não conseguimos, já nem com dinheiro se consegue o que é preciso, isto porque no rancho geral só há esparguete e vianda.

Dia 13 - sexta-feira:
Saiu uma coluna para Piche, e regressou às 13h30 com os dois obuses, e com o pelotão que trabalhava com eles. A seguir estivemos a armazenar os cunhetes das granadas dos ditos obuses. Depois distribuímos-lhes mantas, porque as que há são só fitas.

Dia 14 - sábado:
De manhã andámos nós e os mecânicos, a arranjar o chuveiro que serve a eles e, a nós. O conserto foi demorado, porque o dito chuveiro é montado em quatro paus ao alto e, depois umas travessas para aguentar com um bidão de 200 litros com uma torneira e uma lata de coca-cola na ponta para fazer de chuveiro. A água é abastecida com um carro próprio, sempre que possível, e assim é a forma de tomar banho em todos os destacamentos.

Dia 15 - domingo:
Veio cá a avioneta com correio, o resto do dia normal.

Dia 16 - segunda-feira:
Às 11h chegou a avioneta com o capitão de operadores dos obuses, que a seguir estiveram a fazer fogo com eles para um acampamento IN, que segundo eles fica a 10 quilómetros daqui, junto à fronteira.

Dia 21 - sábado:
Foi melhor que os dias anteriores, veio a avioneta trazer-nos correio, tirando isso tudo normal.

Dia 22 - domingo:
Dia especial, porque completámos 14 meses de comissão, e de tarde estivemos a ouvir o relato da bola, que hoje deu para ouvirmos através da emissora de Bissau, talvez daqui em diante utilizem o mesmo sistema, assim o esperamos.

Dia 23 - segunda-feira:
De manhã saiu a companhia para uma operação e, ao passar em Camajabá o capitão verificou que havia falta de luz e, mandou-nos preparar petromaxes para os enviar ao destacamento.
Junto à noite formou-se uma tempestade que tirou os oleados que servem de cobertura da arrecadação e, continuava a arrancar as chapas de zinco, mas ao fim de 15 minutos começou a reduzir a força do vento, e não causou mais estragos.

Dia 24 - terça-feira:
De manhã andámos a estender os oleados na cobertura da arrecadação e a tentar segurá-los o melhor possível. De tarde, em virtude de haver informações de que o IN está a 4 quilómetros, ou seja, na fronteira, preparados com artilharia pesada. A nossa aviação, os Fiat e os T-6, andaram a patrulhar a zona para verem se encontravam algo. Nós redobrámos as precauções, apesar de estarmos sempre à espera de novas visitas.

Dia 25 - quarta-feira:
Veio a avioneta civil trazer alimentos, os chamados frescos: frango, peixe, etc. Mas não trouxe correio.

Dia 26 - quinta feira:
Às 7h estivemos a dar material ao pessoal que vai fazer uma coluna a Bambadinca, e levaram os petromaxes para Camajabá. Até ao final do dia tudo continuou normal.

Dia 27 - sexta-feira:
De manhã o nosso capitão avisou o pessoal do abrigo 7, ao qual eu pertenço, pelo facto de estarmos perto da arrecadação, para montarmos segurança à avioneta que vem cá fazer uma evacuação.

Dia 29 - domingo:
Como não há missa, fui ao abrigo 7 arrancar alguns tomateiros que temos lá em alfobre e, plantei-os aqui junto à arrecadação.

Dia 30 - segunda-feira:
Após o almoço chegou a avioneta com o comandante do sector, vindo de Bafatá e com ele o major de operações. A avioneta regressou e eles ficaram.
À noite, já estávamos no abrigo, quando chegou a informação de que o inimigo estava a caminho daqui para nos atacar. Os obuses fizeram fogo a bater a zona indicada e, o certo é que IN não deu sinal, se vinham retiraram-se.

Outubro 68
Dia 1 - terça-feira
Às 8h chegou a avioneta para levar o comandante e o major. Também nos trouxe correio.

Dia 3 - quinta-feira:
Após o meio-dia veio a avioneta trazer o 1.º sargento Bonito, que estava em Nova Lamego, e veio também o capitão do Batalhão que ficará cá alguns dias.

Dia 4 - sexta-feira:
O capelão rezou uma missa pelo falecido Bagaço, morto durante um ataque que sofremos a 28 de Julho. Como não há capela, a missa foi ao ar livre, e só foram à missa os que não estavam em serviço, como é óbvio.

Dia 5 - sábado:
Em virtude de ser feriado, às 7h foi um milícia chamar-me ao abrigo para ir à arrecadação dar-lhe a bandeira, nós, no abrigo ignorávamos que àquela hora havia missa. Assim eu ainda participei. Restante dia tudo normal.

Dia 6 - domingo:
E hoje sim, um domingo com possibilidade de assistir à missa, o que já não acontecia desde que saímos de Nova Lamego. A missa foi às 16h.

Dia 7 - segunda-feira:
Às 8h fui à missa, e de tarde o nosso capitão chamou-me para eu marcar o mês de férias o qual já lhe tinha pedido, e então marquei entre o dia 1 e o dia 5.

Dia 8 - terça-feira:
Como o capelão vai embora, às 8h rezou uma missa tendo antes confessado o pessoal todo ao mesmo tempo. Este foi um bom dia, porque além de nos termos confessado ainda tomámos o Senhor.

Dia 9 - quarta-feira:
Ao meio-dia chegou a coluna de Bambadinca com os géneros e algum cimento.

Dia 12 - sábado:
Nós, os do abrigo 7, passámos a manhã a esticar o arame farpado que pertence à zona do abrigo.
Após o meio-dia, veio a avioneta e trouxe correio.
Restante dia tudo normal.

Dia 16 - quarta-feira:
Das 7h às 9h eu e o Oliveira andámos a cavar terra no pequeno quintal para plantarmos mais crugidades (cultivos de horta).
De tarde veio a avioneta trazer frescos e o correio, que é o que nós aguardamos com mais ansiedade.

Dia 18 - sexta-feira:O meu turno de reforço foi das 3h às 5h, e a seguir estive a dar material – picas – ao pessoal que vai a Piche buscar um pelotão, que vem reforçar-nos enquanto a nossa companhia vai fazer uma operação às 10h.
Chegaram e estivemos a dar-lhes colchões e mantas para eles dormirem distribuídos pelos abrigos.
Também chegou o sargento Ribeiro com uma encomenda para o Oliveira, que os pais lhe mandaram.
De tarde distribuímos material ao nosso pessoal que vai fazer uma operação.
À noite o Oliveira ofereceu presunto, o Ribeiro também comeu, e até pagou umas cervejas.

Dia 19 - sábado:
De manhã, nós e o sargento Ribeiro, estivemos a receber os lençóis velhos e fronhas, e a entregar novos ao pessoal que não foi para a operação.
Às 10h30 chegou a avioneta com armas G3 novas e os respectivos carregadores, mas não trouxe correio.
De seguida conferimos todo o material, e de tarde metemos-lhes as bandoleiras para entregarmos o mais rápido possível aos homens a quem foram destinadas.
Às 17h30 chegou o pessoal da operação que correu bem.

Dia 20 - domingo:
De manhã continuámos a trocar os lençóis e fronhas aos que ontem chegaram da operação. A seguir, estivemos a encartar os lençóis velhos para os mandar para Bissau, quando os pedissem.
À noite houve informações de que tinha passado a fronteira, um grupo de 200 homens para atacarem um destacamento desta zona, e daqui transmitiram a mesma informação para Nova Lamego, Piche Camajabá e Ponte Caium. Nós preparámo-nos para receber esses amigos.
Às 21h os obuses bateram toda a fronteira que lhe estava ao alcance e à meia-noite voltaram a fazer o mesmo, mas retaliação não houve.

Dia 21 - segunda-feira:
Às 4h, os obuses voltaram a fazer fogo batendo novamente a zona, e só pararam às 7h, mas não houve notícias os amigos tivessem aparecido em qualquer destacamento.

Dia 22 - terça-feira:
Fazemos 15 meses de comissão e, cá vamos andando dentro do possível.

Dia 23 - quarta-feira:
A avioneta civil veio trazer frescos, mas não trouxe correio.

Dia 24 - quinta-feira:
Nós e o sargento Ribeiro andámos a conferir armas entre outras coisas, que já não funcionam bem, para serem enviadas para Bissau. Eu entretanto fui à cozinha buscar as sardinhas a que tínhamos direito e assámo-las, tendo também almoçado connosco o sargento Ribeiro.
Restante dia normal.

Dia 26 - sábado:
Esteve cá o Lima, carpinteiro, a preparar uns caixotes para mandar com armamento velho para Bissau.

Dia 28 - segunda-feira:
Ao meio-dia veio a avioneta trazer algumas armas G3 novas, veio também o furriel mecânico de armas e também o correio.

Dia 29 - terça-feira:
De manhã o furriel mecânico de armamento experimentou as bazucas que tinha reparado, e dos lados de Kandicá responderam também com armas pesadas, das quais duas granadas rebentaram muito perto do nosso destacamento, o que nos levou a reforçar de cautelas para esperarmos pelas visitas pela noite, mas tal não aconteceu.

Dia 30 - quarta-feira:
De manhã o mecânico esteve cá na arrecadação a reparar as avarias de algumas G3 de colegas nossos e continuou de tarde.
Às 23h estava eu a sair de reforço e os obuses fizeram fogo a bater a zona, para o IN não tentar qualquer aproximação.

Dia 31 - quinta-feira:
Às 6h os obuses voltaram a fazer fogo com o mesmo sentido, e repetiram a dose às 11h, enquanto nós, e o furriel mecânico de armamento continuámos a reparar algumas armas, e assim findou mais um mês.

Novembro 68
Dia 2 - sábado:
Às 6h foram-me chamar ao abrigo para dar picas, pois a companhia vai a Piche buscar dois pelotões para se concluir uma operação.
Também veio um pelotão de Nova Lamego para reforço, chegaram às 11h e trouxeram correio.
Resto do dia tudo normal.

Dia 3 - domingo:
Às 14h30 vim eu e o Oliveira à arrecadação dar material à malta que ia fazer a operação. Foi o pessoal da nossa companhia e dois pelotões que vieram para esse efeito.
Às 16h30 chegaram os bombardeiros e o helicóptero para apoio do pessoal.

Dia 4 - segunda-feira:
De manhã chegou o pessoal da operação que correu bem.
De tarde estivemos a receber o material (mantas, etc.) que tínhamos distribuído aos três pelotões que vieram reforçar-nos, e que amanhã vão para as suas companhias, em Piche e Nova Lamego.

Dia 5 - terça-feira:
Ao meio-dia veio a avioneta com o comandante de Nova Lamego que veio despedir-se da companhia, pois vamos passar a pertencer a um Batalhão que vem para Piche, aquartelamento em que só existia uma companhia. Também nos trouxeram correio.

Dia 7 - quinta-feira:
Após o meio-dia, chegou a avioneta com um capitão que já cá tinha estado em 64, a população fez-lhe uma festa formidável, em agradecimento ao tempo em que ele cá esteve, e que pelos vistos deixou saudades.

Dia 8 - sexta-feira:
Dia do meu aniversário.
De manhã começaram a preparar a coluna para ir a Bambadinca aos géneros e eu, ao saber disso, fui à secretaria para ver se podia ir com eles, gozando assim a minha licença. Então disseram-me que só podia ir no regresso da coluna, com as viaturas militares e civis de Nova Lamego, e como era para gozar a licença, ainda não sabiam a certeza dos que iam.
De tarde o nosso capitão chamou-nos e disse que eu podia preparar a mala juntamente com mais 7 colegas.

Dia 9 - sábado:
Preparei a mala para estar pronto para partir no dia seguinte rumo a Bissau.

Dia 10 - domingo:
Às 11h chegou a coluna e, como estava previsto parti para Nova Lamego, onde chegamos às 16h30 e lá pernoitei.

Dia 11 - segunda-feira:
Logo de manhã entreguei a arma na arrecadação do Batalhão, e de seguida fomos tentar arranjar viagem no avião Dacota para Bissau, mas já estava completo, mas havia uma coluna para Bambadinca, nós aproveitamos a boleia, onde chegamos às 14h.
Às 15h abriu a secretaria, fomos fazer a apresentação, e disseram-nos para ir ver se os barcos que estavam na doca nos podiam levar, encontrámos um que saía às 2h30 e lá fomos. Até lá demos um passeio por Bambadinca, e às 21h assistimos a um magusto que o batalhão ofereceu por ser dia de S. Martinho.
Também estava lá algum pessoal de uma escolta, a qual tinha sido atacada nas proximidades do Xitole, entretanto chegaram alguns feridos, e um soldado nativo morto.

Dia 12 - terça-feira:
Às 2h30 partimos no barco chamado Girassol rumo a Bissau.
Às 8h30 o barco ficou preso na areia, devido a maré ter baixado e não ter tido tomado a rota mais aconselhável.
Assim, só às 13h a maré começou a encher, e então recomeçámos a viagem, tendo chegado a Bissau às 19h30. Logo fomos a uma pensão comer, e a seguir tratámos de arranjar transporte para os Adidos, como a secretaria estava fechada ficámos lá a pernoitar.

Dia 13 - quarta-feira:
Às 8h fomos entregar as guias à secretaria, de seguida fomos arranjar pensão para passar o mês, que ficou por 1700 pesos, comer e dormir, fora as bebidas.
Às 14h fui à escola de condução para tirar a carta de condução de ligeiros e pesados.

Dia 14 - quinta-feira:
Comecei as aulas e assim continuei todos os dias, excepto aos domingos.
Só o dia 27, quarta-feira, é que foi diferente, porque recebi cá em Bissau o 1.º correio e dinheiro dos meus pais.
Até ao fim do mês tudo normal.

DEZEMBRO 68
Dia 1 - domingo:
Um dia mais próprio para dar um passeio pela cidade, de resto tudo normal até sexta-feira, dia em que meti o pedido na escola para ir a exame, dia 10 ou 11.

Dia 7 - sábado:
O Sr. Ramos, dirigente da escola de condução, chamou-me para me dizer que o meu registo criminal estava caducado, e por tal não podia pedir o exame, mas consegui que ele mo pedisse com urgência para Portugal, a ver se ainda era possível ir a exame, mesmo atrasando a minha ida para a companhia.

Dia 9 - segunda-feira:
Fui ao médico dos Adidos devido à fístula da agulha vertebral, e então ele marcou-me uma consulta para o hospital, e logo me alertou que tinha que ser operado.

Dia 10 - terça-feira:
Além da escola, fui à secretaria dos Adidos entregar a guia da consulta para o comandante assinar.

Dia 11 - quarta-feira:
Em virtude de me terminar a licença fui aos Adidos fazer a apresentação, e levantei a guia para ir à consulta externa, e agora fico a pertencer aos Adidos até que tudo esteja resolvido.

Dia 13 - sexta-feira:
Fui à consulta e fizeram-me algumas análises.

Dia 14 - sábado:
Voltei ao hospital para fazer mais análises, e fui avisado para marcar a passagem na segunda-feira para regressar à companhia.

Dia 16 - segunda-feira:
Às 7h30 fui à secção de transportes expor o meu caso, tinha consulta marcada para hoje no hospital, e então cancelaram a minha viagem, mas no hospital mudaram a consulta para amanhã.

Dia 17 - terça-feira:
Às 15h fui ao hospital e foram-me entregue os resultados das análises para entregar ao médico, mas hoje não o encontrei.

Dia 18 - quarta-feira:
Também não foi possível encontrá-lo, e só fui possível ter consulta dia 20, sexta-feira às 9h, e aí o médico mandou-me fazer mais análises, e nova consulta para o dia 27.

Dia 22 - domingo:
Faz 17 meses que saímos de Lisboa a caminho desta pobre Guiné.
Restante dia tudo como dantes e assim até ao dia 23, segunda-feira.

Dia 24 - terça-feira:
Dia de consoada. Fui passar o Natal com o amigo Libânio ao quartel da Amura. Foi uma ceia muito bem festejada.

Dia 25 - quarta-feira, dia de Natal:
Almocei cá nos adidos, e também foi um almoço natalício muito bom para o lugar que é.
À noite fui jantar à Amura com o amigo Libânio.

Dia 26 - quinta-feira:
Fui ao hospital tirar sangue para análise.

Dia 27 - sexta-feira:
Fui à consulta, mas esta foi mudada para dia 3 do próximo mês, e próximo ano.
E assim até ao dia 31 terça-feira e fim do ano.
Na passagem de ano também ofereceram um jantar melhorado, e assim terminou o ano 68.

ANO 1969
JANEIRO
Dia 2 - quinta-feira:
Chegou o registo criminal e fui à escola para marcarem o exame, o qual ficou marcado para o dia 7.

Dia 3 - sexta-feira:
De manhã fui ao hospital à consulta, e deram-me alta até ao dia 17, dia em que vou ser internado para me operarem.

Dia 5 - domingo:
Fui à secretaria falar com o primeiro-sargento, e ele chamou o delegado do batalhão a que pertence a minha companhia, para lhe entregar a guia de consulta externa para a mandar ao nosso capitão para a assinar. Só assim podia ser operado.

Dia 7 - terça-feira:
Dia do meu exame de condução de ligeiros e pesados profissional.
Às 16h começou o de código, e a seguir a mecânica, e finalmente a condução. Correu tudo bem, felizmente.
A partir daí foi festejar.
Tudo se passou normalmente até ao dia 12, domingo.

Dia 13 - segunda-feira:
Chegaram quatro colegas da minha companhia, que vêm gozar licença, e trouxeram-me boas notícias da companhia, o correio, e o dinheiro do mês de Novembro e Dezembro.

Dia 14 - terça-feira:
Tudo normal e assim até ao dia 24 em que faz três anos que assentei praça em Vila Real, e assim continuou até ao dia 28, terça-feira.

Dia 29 - quarta-feira:
À noite encontrei-me com um cabo da companhia que tinha chegado ferido com mais dois, um dos quais chamado Adão que é da Amarante, este ficou sem a perna direita numa armadilha, que rebentou a uma pequena distância de Buruntuma, durante a patrulha que hoje de manhã andaram a fazer.

(Continua)
____________

Nota do editor

Último poste da série de 26 de Julho de 2014 > Guiné 63/74 - P13437: Diário da CART 1742 (Mário Alves, 1.º Cabo Corneteiro) (2): Período entre Fevereiro e Julho de 1968 (Abel Santos)

Guiné 63/74 - P13440: História do BART 3873 (Bambadinca, 1972/74) (António Duarte): Parte IV: Morto pela CCAÇ 12, em Ponta Varela, subsetor do Xime, em 25/5/1972, o comandante de bigrupo Mário Mendes; crescente aproximação das NT à população balanta de Mero e Santa Helena...


Guiné > Zona leste > Setor L1 > Bambadinca > CCAÇ 12 (1969/71) > 1970 > Imagens da progressão de um força da CCAÇ 12, no subsetor do Xitole, na época das chuvas. Reconhecem.se na imagem dois graduados da CCAÇ 12, os fur mil at inf, comdantes de secção, Arlindo Roda e Tony Levezinho.

Foto: © Arlindo Roda (2010) / Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné. Todos os direitos reservados.















1. Continuação da publicação da história da unidade - BART 3873 (Bambadinca, 1972/74). Cópia digitalizada gentilmente disponibilisada pelo António Duarte.

[António Duarte, ex-fur mil da CART 3493, companhia do BART 3873, que esteve em Mansambo, Fá Mandinga, Cobumba e Bissau, 1972/74; foi voluntário para  a CCAÇ 12 (em 1973/74); economista, bancário reformado, foto atual à esquerda].

O excerto aqui reproduzido corresponde às pp. 15-18,. Cap II - Atividade operacional no mês de maio de 1972,   no setor L1, incluindo os subsetores de Bambadinca, Xime, Mansambo e Xitole. (**)

O destaque, neste mês, vai para: (i) o fim da época seca, altura das grandes desmatações, capinagenns e queimadas; (ii) o duro golpe que recebeu  o IN, com a morte em combate do comandamte de bigrupo Mário Mendes,  em 25 de maio de 1972, no decurso da Acção Gaspar 5, levada a efeito pela CCAÇ 12, na Ponta Varela, subsetor do Xime: foi capturada a sua Kalashinok, com 3 carreagores, e importantes documentos; (iii) crescenet aproximaçºão das NT à população balçamta de Mero, Santa Helena e Nhabijões; (iv) são incenmtivados os contactos entre a população do mato, controlada pelo PAIGC, e os seus parantes em Nahbijões, reordenamento onde se começa a construir um, centro comercial...  É a política da "Guiné Melhor" em acção... (LG)


(...) O baptismo de fogo da CART 3494 [ao vivo e a cores] aconteceu, assim, ao trigésimo nono dia depois de ter assumido na plenitude o controlo do seu território de intervenção – o XIME –, na sequência de ter finalizado o tempo de sobreposição com a CART 2715, do BART 2917 (1970/72), que decorreu entre 28Jan e 14Mar1972.

De referir, a propósito do nome de Mário Mendes, que este CMDT do PAIGC viria a morrer no dia 25 de Maio de 1972, 5.ª feira [um mês depois da emboscada], na acção «GASPAR 5», realizada por 6 GComb [3 da CART 3494 e 3 da CCAÇ 12]. O “encontro” com Mário Mendes aconteceu na Ponta Varela, tendo-lhe sido capturada a sua Kalashnico, bem como 3 carregadores da mesma e documentos que davam conta das “acções” a desenvolver na zona de que era responsável.

Sabendo-se que era um líder temido e um guerrilheiro experiente, conhecedor dos terrenos que pisava e consciente dos riscos que corria, estas dimensões conjugadas não foram suficientes para garantirem estar a salvo e sobreviver, mais uma vez, aos muitos sustos que certamente apanhou ao longo dos anos que viveu no mato.

Depois de alguns elementos (5/6) do seu grupo terem sido detectados pelas NT na acção sobredita, e que não se sabia, naturalmente, de quem se tratava, um daqueles elementos [Mário Mendes] liderou uma estratégia de fuga que não lhe foi, desta vez, favorável, por via de lhe(s) ter sido movida perseguição, obrigando-nos a serpentear várias vezes os mesmos trilhos, entre itinerários de vegetação e clareiras.

Por isso, estou crente que Mário Mendes, a partir do momento em que ficou sem rumo certo e sem portas de saída, movimentando-se em várias direcções, sem sucesso, tomou consciência de que aquele seria o último dia da sua vida. E foi … por intervenção de elementos da CCAÇ 12, no mesmo dia em que se comemorou o 9.º aniversário da fundação da Organização de Unidade Africana (OUA), criada em Adis Abela, na Etiópia, em 1963. Que coincidência …(...)


(...) "Eu nessa altura estava ainda na CART 3493 / BART 3873, Mansambo, Fá Mandinga, Cobumba e Bissau, 1972/74).

É curioso que na História do BART 3873, só encontro uma breve referência à incidência, que passo a transcrever:

"De harmonia com correspondência retirada a Mário Mendes (aniquilado pela CCAÇ 12), o IN planeava nova acção na estrada XIME - BAMBADINCA, o que nos leva a concluir que no futuro acções deste teor venham a ser cometidas, pois que a suceder seria a segunda vez no espaço de 02 meses."

Recordo que a 22 de Abril de 1972 tinha havido uma emboscada na Ponta Coli, que implicou a morte do nosso Bento, furriel da CART 3494, com mais um conjunto de feridos. O [Jorge] Araújo estava lá, felizmente para ele, sem consequências físicas. (...)