sábado, 20 de abril de 2013

Guiné 63/74 - P11430: 9º aniversário do nosso blogue: Questionário aos leitores (18): Resposta nº 33: Henrique Cerqueira & Maria Dulcineia (NI) (Biambe e Bissorã, 1972/74)

1. Resposta nº 32 ao nosso questionário (*) >  Henrique Cerqueira, ex-Fur Mil da 3.ª CCAÇ / BCAÇ 4610/72, Biambe e Bissorã, 1972/74), a que se associa também a sua Dulcineia (Ni), igualmente nossa tabanqueira:


(1) Quando é que descobriste o blogue ?

Quando senti necessidade de saber coisas de outros camaradas da Guiné. A data? Foi há bué de tempo.

(2) Como e através de quem ? (por ex., pesquisa no Google, informação de um camarada)

Através de pesquisa no Google.

(3) És membro da nossa Tabanca Grande (ou tertúlia) desde quando ?

Sei lá mas já é á uma "porrada de tempo"

(4)  Com que regularidade vês/lês o blogue ? (diariamente, semanalmente, de tempos a tempos...)

Geralmente todos os dias e certos dias várias vezes.

(5) Tens mandado (ou gostarias de mandar mais) material para o Blogue (fotos, textos, comentários, etc.)

Sim tenho mandado algum material e gostaria de continuar a mandar mais.

(6) Conheces também a nossa página no Facebook ? (Tabanca Grande Luís Graça)

Sim conheço a página no Facebook

(7) Vais mais vezes ao Facebook do que ao Blogue ?

Raramente vou ao Facebook até nem tenho página e esporadicamente utilizo a página da Ni

(8) O que gostas mais do Blogue ? E do Facebook ?

 Como não gosto muito do facebook .Adoro o Blogue

(9)  O que gostas menos do Blogue ? E do Facebook ?

Gosto tanto do blogue que tenho dificuldade em dizer o que gosto menos. Do facebook, não sei comunicar ,daí não gosto do dito

(10) Tens dificuldade, ultimamente, de aceder ao Blogue ? ((Tem havido queixas de lentidão no acesso...)

Houve aí umas dificuldades, mas quanto a lentidão não há problemas agora tenho todo o tempo necessário. Verdade que não stresso com essas lentidões e ponho sempre culpas á Net.


[ Foto à direita:  "Este era o meu grupo na CCAÇ 13,  em Bissorã,  1972/74. Eram "Os Cobras".
Foto e legenda: © Henrique Cerqueira, 2013]


(11) O que é o Blogue representou (ou representa ainda hoje) para ti ? E a nossa página no Facebook ?

Olha,  Luís,  o Blogue hoje em dia para mim é como um "complemento alimentar". É mesmo um espaço que me faz feliz e que no momento que abro a página eu só "vejo" jovens de vinte e tal anos. Deixa ver se me explico: É como se estivesse naquele ambiente em grupo, comunidade, camaradagem com mais ou menos problemas (mas achando que consigo viver melhor e com mais conhecimentos). Ou seja,  estou lá mas com a experiência e sabedoria de hoje. Bom,  numa palavra,  o blogue "Luís Graça & Camaradas da Guiné" representa para mim o oxigénio que se junta ao ar que respiro. Deve haver uma explicação lógica para esse sentimento.

(12/13) Já alguma vez participaste num dos nossos sete anteriores encontros nacionais ? Estás a pensar ir ao VIII Encontro Nacional, no dia 8 de junho, em Monte Real ?

Não e por diversas rasões. Certa vez porque achava que ainda não estaria integrado no "grupo", outra porque não foi possível e ainda - quem sab e? - porque me custará ver que afinal não será a mesma imagem que tenho quando estou no blogue. Olha,  Luís,  em alguns (poucos) encontros da malta da minha companhia foi para mim muito penoso andar a perguntar a alguns camaradas como se chamavam e o que faziam. É que já não conhecia a maior parte da malta com quem convivi. Quando estou no blogue é como se conhecesse e reconhecesse toda a gente,  mesmo aquela malta que nunca vi e que até são mais "antigos". Quanto a ir este ano a Monte Real ? Nem calculas como tenho "ganas" de estar presente mas ainda não consigo para já confirmar a presença.

(14)  E, por fim, achas que o blogue ainda tem fôlego, força anímica, garra... para continuar ?

TEM,TEM,TEM , Claro que TEM

(15) Outras críticas, sugestões, comentários que queiras fazer:

Sugestão/Comentário: Continuemos com este blogue, nem que tenha de haver "invenção ficção ou outro (ão) qualquer"  e já agora obrigado pela oportunidade de ser amigo e camarada de todos os participantes deste Blogue.

Camarada Luís e restantes editores,   resolvi aderir ao vosso questionário no formato apresentado porque achei mais fácil escrever as respostas às questões apresentadas. Quero ainda acrescentar que tudo o que escrevo é sentido e sincero e em alguns casos pecará por defeito e nunca por excesso.

Um abraço a todos e parabéns por esta data querida e como sempre desejo aos aniversariantes: "Que esta data se repita por BONS ANOS".

Henrique Cerqueira e Ni

2. Mensagem da Maria Dulcinea (NI), com data de 28 de março, agradecendo aos editores e demais pessoal da Tabanca Grande que se lembraram da sua data de aniversário:


Olá, Luís Graça

Quero aqui expressar os meus agradecimentos pelos votos de Parabéns no meu aniversário. Muito me honrou verificar que todos os camaradas da Guiné e meus camaradas do blogue em que por afinidade fui admitida, me presentearam com os seus votos no blogue.

É bom, muito bom,  sentir essa proximidade com pessoas que têm em comum uma vivência passada durante uma determinada época da nossa vida.

Não sou uma participante muito ativa em termos de escrita ,mas na verdade sou leitora assídua do também meu blogue “Luís Graça & Camaradas da Guiné”. Considero-me talvez uma espécie de “retaguarda", junto do Henrique, sempre que estamos a ler e a comentar tudo que se tem escrito no Blogue. É claro que todos os assuntos tratados não me são absolutamente estranhos,  mas como será entendível quando estive em Bissorã o meu espírito naquele território era bem diferente do meu marido assim como dos restantes camaradas da altura. Não deixei no entanto de viver ativamente os momentos bons e menos bons dessa altura.

Por acaso até me envolvi bastante com vários elementos da população,  na ajuda e aprendizagem de alguns usos e costumes das pessoas de Bissorã . Assim como me interessei por acontecimentos passados entre o meu marido e seus camaradas militares .

Tenho muito gratas recordações, em especial do Natal de 1973,  passado em Bissorã, pois me dediquei a fazer rabanadas e aletria para os camaradas que nos visitaram essa noite. Creio até que essa noite teve um pouco de “magia” amenizando a carência da falta de familiares na noite tão importante da vida de qualquer português. Até porque era uma altura de grande incerteza e “medos” porque o Henrique já tinha sido avisado que possivelmente nós teríamos de vir embora porque a situação de guerra estaria ameaçada de piorar daí para a frente, o que de certo modo aconteceu, pois logo no dia 30/12 /73 sofremos um ataque com alguma violência . Felizmente as coisas não pioraram muito em Bissorã, mas tínhamos informação de outras localidades com gravíssimos ataques.

Finalmente o 25 de Abril chegou e foi um ”espiral” de acontecimentos. E finalmente regressamos,  sãos e salvos,  ao nosso lindo Portugal.

Luís Graça, já me alonguei um pouco, mas tudo isto é para reafirmar o meu agradecimento especial ao Luís e com o mesmo sentimento a todos os Tertulianos a quem  desejo sinceramente tudo de bom enquanto a vida permitir. E acreditem que o blogue tem sido a maior terapia para o Henrique assim como para mim. Jamais esqueceremos estes nossos amigos,  independente de qualquer cor,  raça ou religião. "NÓS ESTIVEMOS LÁ»

Um beijo muito grande a todos.

Maria Dulcinea Rocha

Guiné 63/74 - P11429: Memórias de um capitão miliciano (António Vaz, cmdt da CART 1746, Bissorã e Xime, 1967/69) (1): os meus picadores e guias, Seco Camará e Mancaman Biai




Guiné > Zona Leste > Setor L1 (Bambadinca) > Xime > António Fernando Marques e Arlindo Teixeira Roda, dois camaradas. furrieis,  da 1ª geração da CCAÇ 12 (1969/71), junto ao monumento da CCAÇ 1550 (1966/68), unidade de quadrícula do Xime que antecedeu a CART 1746 (1968/69), a CART 2520 (1969/70), a CART 2715 (1970/71), a CART 3494 (1972/73) e a CCAÇ 12 (1973/74)... A CCAÇ 12 conheceu bem e duramente, o subsetor do Xime, entre 1969 e 1974, primeiro como  subuniddae de intervenção ao setor L1 e depois, no final da guerra, como subunidade de quadrícula...  Não sei se a CCAÇ 1550 foi a primeira  subunidade de quadrícula do Xime: estivera antes em Farim,  era comandada pelo cap mil inf Agostinho Duarte Belo; no monumento estão inscritos os lugares (de diferentes setores) por onde passou: Binta, Guidage, Xime, Ponta do Inglês, Galomaro, Candamã, Taibatá, Farim, Dembataco, Samba Silate, Bissau... (LG)


Foto: © Arlindo Roda (2010)/ Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné. Todos os direitos 



reservados.

1. Texto enviado pelo nosso camarada António Vaz, ex-cap mil, cmdt da CART 1746 (Bissorã e Xime, 1967/69), com data de 18 do corrente:

 Assunto: Seco Camará


Olá,  Camaradas Tertulianos

Depois da minha ausência prolongada,  já contada anteriormente,  e ao reler páginas antigas do Blogue,  nomeadamente o poste P5578 (*), ocorreu-me relatar o seguinte:

Quando cheguei ao Xime, em Janeiro de 1968,  na "passagem do testemunho" que a CCAÇ 1550 fez da situação material e do pessoal adstrito (Pel Caç Nat, Milícia e picadores), foi-me dito que o picador Seco  Camará era o melhor da zona e que, nessa época, já levava 56 minas detectadas,  o que para mim, nessa altura, era um número respeitável pois até à data, vindo de Bissorã, não tinha tido contacto frequente com tais engenhos.

Fiquei sabedor e considerei que a chefia do grupo de picadores estava, continuaria, bem entregue. Assim sucedeu durante alguns meses e o Seco era sempre convocado para as operações que pareciam mais complicadas.

Numa delas, em Julho de 68, talvez a Op Golpear, com a paragem da coluna veio-me a informação:  MINA!!!

Ao chegar-me aos ouvidos,  avancei para junto do Seco pois fora ele que a tinha detectado e operava. Aproximei-me dele com o cuidado requerido e fiquei a observar o seu procedimento. (Será que que a adrenalina que se liberta tem cheiro? O mato molhado parecia-me sempre adocicado mas naquela altura tinha mudado).

Estava o Seco semideitado no chão e com a "pica" fazendo perfurações quase horizontais no terreno pois achava que este estava mais brando que o normal. Os gestos comedidos, o cuidado imenso e a tensão elevada ao máximo contagiaram-me. Tentava perceber se aquela textura do terreno correspondia ao que pensava ser uma "caminha" de mina.

Não mais esqueço a transformação que nele se operou:  o seu semblante e a própria cor mudaram; o Seco estava cinzento de tão pálido que estava. Levantou-se lentamente dizendo:
– É mesmo mina,  Capitão!

A minha norma foi sempre "Mina rebenta-se, não se levanta". Arriscava contudo a perca do segredo da progressão mas era assim. Assim se procedeu mas o Seco teve o seu prémio pecuniário.

Vieram mais operações e num delas um Alferes nomeado veio dizer-me que havia problema com a escala dos picadores, não queriam que o Seco fosse naquele dia e nos subsequentes porque não o queriam como chefe.
– Grande berbicacho –  pensei eu.




[Foto à esquerda: Seco Camará, em Mansambo. Foto:  ©Torcato Mendonça (2007) ]



As razões que me apresentaram não me convenceram, invocavam que aquele posto - chefe dos picadores - devia ser desempenhado por alguém superior na hierarquia tribal. Prometi que resolveria o assunto depois daquela operação pois não era altura de estar com mais conversa. O Seco foi como estava determinado mas com os resmungos dos outros picadores que acalmaram, talvez por eu ir nessa operação. Esta como outras foi "sem contacto, com vestígios" e num dos dias seguintes falei com o Seco que me disse que ele próprio não estava interessado em viver no Xime e preferia ir para outro lado.

(Eu à época não estava a par de eventuais "trabalhos sujos", já invocados neste blogue, que Seco desempenhara anteriormente. O comandante que me antecedeu nada me referiu, embora quando arrumava as minhas coisas tivesse encontrado,  na secretária a mim atribuída,  um objecto formado por um cabo de madeira com 40 ou 50 centímetros ao qual estavam presos 3 ou 4 pedaços de arame farpado de idêntico comprimento formando sinistro chicote. Destruí-o,  pois não tinha como conduta torturar prisioneiros e achei que tal objecto prefigurava situações que sempre repudiei por princípio. Nos primeiros meses da comissão, em Bissorã, tive de travar, nem sempre com êxito, atitudes condenáveis por parte de milícias que facilmente se propagavam pelo pessoal da Companhia.)

Quanto ao Seco, não consegui arrancar-lhe mais explicações e,  falando no Comando do Batalhão, em Bambadinca [, CCAÇ 2852], consegui arranjar-lhe um sítio para morar e que ele seria o Picador do Capitão e que seria convocado de vez em quando por mim, coisa que lhe agradou. Depois,  falando com os picadores,  vim a saber que, embora já desconfiasse, o chefe por eles desejado era o filho do Chefe da Tabanca,  o Mancamam Biai, que desempenhou o papel até ao fim da comissão.

O Mancaman foi sempre uma pessoa reservada, discreta, embora entre o pessoal existisse certa desconfiança que me foi transmitida por diversas maneiras. O mesmo se passava com o Chefe da Tabanca que na noite do ataque ao Xime,  na passagem do ano 68 para 69, que foi o mais forte da minha época, foi trazido para dentro do "quartel" por haver fortes suspeitas a seu respeito (não esquecer que a morte do Furriel Dias e os muitos feridos na emboscada passara-se 1 mês antes). As coisas serenaram mas a desconfiança com altos e baixos.

No dia da minha retirada, já com a LDG atracada no Xime, veio o Mancamam ter comigo se eu não lhe deixava uma recordação:
 –Não, Mancamam,  não tenho nada para te dar, mas já dei a ti e ao teu pai a possibilidade de não terem sofrido represálias que numa certe altura pareciam mais que prováveis.

Compreendia que as populações estavam divididas com a guerra e que era natural que familiares ou antigos amigos seus vivessem naquilo que à época eram bases In e que isso era agora a realidade.
 –  Adeus,  Mancamam.

Ele percebeu.

Um abraço do
António Vaz


________________

Nota do editor:

(*) 2 de janeiro de 2010 > Guiné 63/74 - P5578: Memórias de um alferes capelão (Arsénio Puim, BART 2917, Dez 69/Mai 71) (7): Mancaman, mandinga, filho do chefe da tabanca do Xime, um homem de paz
(...) era um homem algo complexo e não facilmente transparente aos nossos olhos europeus, atraindo mesmo algumas suspeitas, para as nossas tropas, de que mantinha contactos com o «outro lado» e dizendo-se, até, que tinha «arroz turra» a vender na tabanca.

Nunca galgou a graduado de 2.ª linha; negou-se, certa vez, a ir numa operação para além de Ponta Varela; odeia os militares portugueses que maltrataram prisioneiros «turras» para obter declarações; condena com grande revolta as chacinas praticadas pelas tropas prtuguesas nos primeiros anos da guerra; e sempre que os oficiais de artilharia fazem fogo para o acampamento do Poidon, que ele deu a entender estar muito fraco e já não ser o que foi em tempos atrás, ele olha-os com uns olhos de fúria, o que poderia sugerir a presença de membros da tabanca ou mesmo de pessoas de família naquela área.

(...) não aprecia Amílcar Cabral nem Sekou Touré, da Guiné ex-Francesa. Tem consideração, porém, por Senghor, do Senegal, porque «ele não quer um Estado só de pretos, mas tem muitos brancos a ajudá-lo», referiu.

(...) Para Mancaman, certamente com uma dose de idealismo, mas não sem uma visão, na essência, válida e humana, o processo para a consecução da paz na Guiné passava pelas conversações directas com os turras - importante para ele, que se realizassem através de elementos da população da mesma etnia - e a aplicação de tácticas defensivas, evitando todas as acções violentas e arrasadoras da parte do exército e das forças portuguesas. (...)

sexta-feira, 19 de abril de 2013

Guiné 63/74 - P11428: Blogues da nossa blogosfera (63): Blogue da Lusofonia, uma página em português nos Estados Unidos da América (Mário Serra de Oliveira)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Serra de Oliveira (ex-1.º Cabo Escriturário, Bissau, 1967/68), com data e 9 de Abril de 2013:

Amigo Carlos!
Primeiro que tudo quero felicitar-te pelo bom trabalho em prol dos teus camaradas.
Será que a medalha que mencionas, alcança o pessoal do FAP?
Obrigado e continua.

PS - Não sei se sabes que sou colaborador do jornal Lusoamricano de Nova Jersey e, como nem sempre é possível ao mesmo, publicar tudo - especialmente fotos - criei o "BLOGUE DA LUSOFONIA" - em: http://lusolink.blogspot.com, onde publico várias mensagens de interesse geral.

Também incluo links de outros blogues, entre os quais "Rumo a Fulacunda" e "Luís Graça & Camaradas da Guiné, para dar a conhecer a muita gente que serviu lá na Guiné.

Se não fosse contra as regras, agradecia a sua divulgação.

Boa sorte
Mário de Oliveira


2. Comentário do editor:

Caro Mário Serra de Oliveira,
Então não havíamos de falar dos teus blogues e da tua colaboração do Jornal Lusoamericano?
É com enrome gosto que o fazemos pois é um orgulho termos portugueses espalhados pelo mundo que não se remetem ao anonimato.

Deste-me agora a conhecer o teu novo projecto, o teu outro blogue, o Pidjuguiti - O Começo do Fim, ondes falas dos acontecimentos de 1959 e publicas também recordações do teu "Pelicano". Fica aqui então esta referência ao teu novo blogue, a visitar.


Tu és uma pessoa muito especial que lutou pela vida na Guiné, antes e depois da independência, onde deixaste muitos amigos. Mudaste para os EUA para melhorares o teu nível de vida e viver em paz. Mas esse país tem, de longe a longe, alguns sobressaltos, como foi o caso de ontem. O terrorismo não tem fronteiras, e o suposto pais mais poderoso do mundo não lhe é imune, antes pelo contrário, é dos mais atingidos.

Acho que vem a propósito falar aqui e agora do livro que lançaste em finais de 2012, "Palavras de um Defunto... Antes de o Ser", cujo título pode sugerir um livro de humor, mas que é, na verdade, o meio que arranjaste para nos dares a conhecer muito de ti, das tuas origens, da tua família, que descreves com tal minúcia que acabamos por julgar conhecê-los pessoalmente,  da tua ida para a Guiné onde cumpriste o serviço militar e onde acabaste por ficar depois da tropa e até muito depois da independência, quando resolveste mudar para a terra do Tio Sam.
Tens uma vida de luta na procura do melhor para ti e para a tua família.

Aqui ficam publicados os links para o teu Blogue e para o jornal onde colaboras, esperando que tenhas uma continuada participação, em nome deste Portugal pequeno e pobre que um dia há-de ultrapassar este momento tão doloroso.
Fosse a maioria dos portugueses como tu, que aqui ou na diàspora havíam de o tirar desta recessão.

Sabendo que represento a vontade da maioria tertúlia, desejo-te, em nome dela, as maiores felicidades para ti, assim como para toda a tua família.
Que a vossa luta seja compensada.


Blogue da Lusofonia de Mário Serra de Oliveira

Luso Americano Portuguese-American Newspaper onde colabora o nosso camarada Mário
____________

Nota do editor

Último poste da série de 11 DE FEVEREIRO DE 2013 > Guiné 63/74 - P11087: Blogues da nossa blogosfera (62): Grupo Cultural Netos de Bandim, Bairro de Bandim, Bissau... Pequenos grandes embaixadores da cultura guineense

Guiné 63/74 - P11427: Agenda cultural (262): Convite para o 2.º Encontro integrado no 9.º ciclo da tertúlia Imperii Finis (Fim do Império), a decorrer no próximo dia 23 de Abril, no Palácio da Independência

1. Mensagem de Manuel Barão da Cunha*, encaminhada ao Blogue pelo nosso camarada Virgínio Briote:

Caríssimos,
Na próxima 3ª feira, dia 23, 15h00, no Palácio da Independência (próximo do Metro do Rossio), na 66ª sessão das tertúlias "Fim do Império", haverá poesia, canto e música, com Caniné, que vem do Algarve, entrada livre (ver anexo).
Se puderem ir, serão bem-vindos, também agradecemos divulgação.

Fiquem bem,
M. Barão da Cunha



(*) Manuel Júlio Matias Barão da Cunha foi CMDT da CCAV 704/BCAV 705 que esteve na Guiné entre os anos de 1964 e 1966
____________

Nota do editor:

Último poste da série de 17 DE ABRIL DE 2013 > Guiné 63/74 - P11412: Agenda cultural (261): No B.Leza, hoje e amanhã catedral da música guineense em Lisboa: (i) hoje, com Bubacar Djabaté, cantor e tocador de balafon, natural de Tabatô; (ii) amanhã, com o Tabanka Djazz, de Micas Cabral & companhia... A não perder! (A Tabanca Grande apoia a música da Guiné-Bissau!)

Guiné 63/74 - P11426: 9º aniversário do nosso blogue: Questionário aos leitores (17): Respostas (31/32): Manuel Maia, ex-Fur Mil do BCAÇ 4610/72 (Bissum Naga, Cafal Balanta e Cafine, 1972/74) e Rui Silva, ex-Fur Mil da CCAÇ 816 (Bissorã, Olossato e Mansoa, 1965/67)

Resposta n.º 30, do nosso camarada Manuel Maia, ex-Fur Mil da 2.ª CCAÇ/BCAÇ 4610, Bissum Naga, Cafal Balanta e Cafine, 1972/74:

(1) Quando é que descobriste o blogue?
R - Foi no ano 2009.

(2) Como e através de quem? (por ex., pesquisa no Google, informação de um camarada)
R - Creio que através de algum amigo.

(3) És membro da nossa Tabanca Grande (ou tertúlia) desde quando?
R - A minha ligação à tabanca remonta à data referida ( 2009)

(4) Com que regularidade vês/lês o blogue? (diariamente, semanalmente, de tempos a tempos...)
R - Três a quatro dias por semana. Nem sempre é viável fazê-lo...

(5) Tens mandado (ou gostarias de mandar mais) material para o Blogue (fotos, textos, comentários, etc.)
R - Já não envio nada faz tempo. Tenho um registo de 102. Fui dos mais prestativos no concernente a publicações...

(6) Conheces também a nossa página no Facebook? (Tabanca Grande Luís Graça)
R - Conheço a página do face book e a cada passo acedo a ela...

(7) Vais mais vezes ao Facebook do que ao Blogue?
R - Se a pergunta se reportar exclusivamente à pagina da tabanca no face book, direi que não. Se acaso for de carácter generalista sobre o face book o sim será a resposta.

(8) O que gostas mais do Blogue? E do Facebook?
R - No blogue evidentemente que gosto dos relatos, das vivências que cada um por lá experimentou. No face book gosto do acicate da participação...

(9) O que gostas menos do Blogue? E do Facebook?
R - No blogue não gosto particularmente de um ou outro interventor imbecilizado, que por se situar longe do meu estender de braço, consegue chamar-me mentiroso impunemente. No blogue não gosto do excesso de fotografias de animais...

(10) Tens dificuldade, ultimamente, de aceder ao Blogue? ((Tem havido queixas de lentidão no acesso...)
R - Não posso afirmá-lo categóricamente, pois quando abro o computador faço-o sempre com três janelas: gmail, facebook, blogue e não tenho encontrado grandes dificuldades, como li aqui expressas por alguns camarigos.

(11) O que é que o Blogue representou (ou representa ainda hoje) para ti? E a nossa página no Facebook?
R - O blogue representa o acesso facil e barato à informação, ao debate e ao contacto com amigos. A nossa página do face book é um flash no sentido de nos lembrar de por lá passar...

(12) Já alguma vez participaste num dos nossos sete anteriores encontros nacionais?
R - Já.

(13) Este ano, estás a pensar ir ao VIII Encontro Nacional, no dia 8 de junho, em Monte Real?
Sim. Terei que ver se consigo uma boleia.

(14) E, por fim, achas que o blogue ainda tem fôlego, força anímica, garra... para continuar?
R - Acredito que sim. O facto da redução na participação acontecer (o inquérito creio que se entende por isso mesmo...). Prende-se com a novidade face book para muita gente (aconteceu também comigo pois durante muito tempo não deambulei por aquelas paragens...). Mas penso que se tratará de um fenómeno passageiro, e que o blogue retomará o lugar de sempre...

(15) Outras críticas, sugestões, comentários que queiras fazer.
R - À excepção do caso que referi e me levou a algum distanciamento, não vejo razão nenhuma para reparos, antes sim elogios pelo esforço desenvolvido pelo editor e co-editores incansáveis na consolidação dum blogue conhecido por todo o lado.

********************

Resposta n.ª 31, do nosso camarada Rui Silva, ex-Fur Mil da CCAÇ 816, BissorãOlossatoMansoa, 1965/67:

(1) Quando é que descobriste o blogue?
R - Em Março de 2007.

(2) Como e através de quem? (por ex., pesquisa no Google, informação de um camarada)
R - Descobri por acaso quando navegava na Internet à procura de notícias da Guiné.

(3) És membro da nossa Tabanca Grande (ou tertúlia) desde quando?
R - Aderi logo à Tertúlia também em Março de 2007.

(4) Com que regularidade vês/lês o blogue? (diariamente, semanalmente, de tempos a tempos...)
R - Diariamente. Mesmo fora, se houver Internet, vou lá ver.

(5) Tens mandado (ou gostarias de mandar mais) material para o Blogue (fotos, textos, comentários, etc.)
R - Tenho mandado alguma coisa. Julgo que tenho colaborado um pouco.

(6) Conheces também a nossa página no Facebook? (Tabanca Grande Luís Graça)
R - Conheço. Mas, para ser franco não gosto do Facebook em qualquer situação. I’m sorry!

(7) Vais mais vezes ao Facebook do que ao Blogue?
R - Não. Resposta implícita na anterior

(8) O que gostas mais do Blogue? E do Facebook?
R - No Blogue, de uma maneira geral, de tudo. Até das birras! Mau era se fôssemos uns “Yes men”

(9) O que gostas menos do Blogue? E do Facebook?
R - Implícito na resposta anterior.

(10) Tens dificuldade, ultimamente, de aceder ao Blogue? ((Tem havido queixas de lentidão no acesso...)
R - Não. Às vezes custa a abrir mas com paciência de reformado…, e a vontade de o ver, suplanta algum contratempo.

(11) O que é o Blogue representou (ou representa ainda hoje) para ti? E a nossa página no Facebook?
R - O Blogue é o meu (bom) diário lido.

(12) Já alguma vez participaste num dos nossos sete anteriores encontros nacionais?
R - Sim.

(13) Estás a pensar ir ao VIII Encontro Nacional, no dia 8 de junho, em Monte Real?
R - Sim. Nos 2 últimos, e não me estou a ver a não ir a esse fantástico convívio.

(14) E, por fim, achas que o blogue ainda tem fôlego, força anímica, garra... para continuar?
R - Claro, nem que seja para dizer que encontrei ontem um amigalhaço da Guiné.

(15) Outras críticas, sugestões, comentários que queiras fazer.
R - Bom caro amigo Luís. Para te ser franco (é isso que queres, não é?) Não gosto muito de assuntos que não tenham nada a ver com a guerra na Guiné.
____________

Nota do editor:

Último poste da série de 19 de Abril de 2013 > Guiné 63/74 - P11423: 9º aniversário do nosso blogue: Questionário aos leitores (16): Respostas (29/30) de Rui Felício (CCAÇ 2405, Galomaro e Dulombi, 1968/70) e José Francisco Borrego (GA 7, Bissau, e 9º Pel Art, Bajocunda, 1970/72)

Guiné 63/74 - P11425: Núcleo Museológico Memória de Guiledje (21): Vamos reconstruir o edifício mais representativo do antigo aquartelamento de Gadamael Porto (Pepito)



Guiné-Bissau > região de Tombali > Guileje > 28/3/2013 > Foto nº 1 > Capela [Inaugurada em 20 de janeiro de 2010; em representação também da nossa Tabanca Grande, esteve lá a Júlia Neto]



Guiné-Bissau > região de Tombali > Guileje > 28/3/2013 > Foto nº 2 > Interior da Capela [, para cuja reconstrução contrbuiram também diversos camaradas,. membros da nossa Tabanca Grande]


Guiné-Bissau > região de Tombali > Guileje > 28/3/2013 > Foto nº 2 > Imagem de Nossa Senhora de Fátima [, doada pelo António Camilo e o Luis Branquinho Crespo]


Guiné-Bissau > região de Tombali > Guileje > 28/3/2013 > Foto nº 4 > Capela, ao centro, e posto de comando, ao fundo, do lado esquerdo.



Guiné-Bissau > região de Tombali > Guileje > 28/3/2013 > Foto nº 5 > O edifício do novo museu ("Museu Cultura e Ambiente do Cantanhez").

Fotos: © Pepito / AD - Acção para o Desenvolvimento (2013). Todos os direitos reservados.


1. Mensagem do nosso amigo Pepito, com data de ontem:

Amigo Luís

Aquando da realização do Simpósio Internacional de Guiledje, efectuado com a decisiva colaboração da Tabanca Grande, a AD assumiu o compromisso de tudo fazer para transformar o quartel de Guiledje num local de Memória colectiva de todos quantos por lá passaram e igualmente projectá-lo no contexto actual e futuro do desenvolvimento da Guiné-Bissau.

É por isso que,  a pouco e pouco, foram sendo reabilitadas algumas infraestruturas existentes (capela, casa do Comando, Almadjadja, etc.) e reconstruídas outras com novos desafios. Foi o caso do Museu "Memória de Guiledje" e do agora inaugurado Museu "Cultura e Ambiente de Cantanhez" (no local onde era a antiga messe de sargentos).

As fotos deste ultimo estão no site da AD.  Mando algumas fotos atuais da capela, posto de comando e localização do Museu.

O trabalho vai continuar em Guiledje, mas a nossa ideia era a de intervir no quartel de Gadamael-Porto, indissociavelmente ligado à história de Guiledje. Para além das fotos sempre importantes e necessárias, gostaria de ouvir,  dos militares que lá passaram, qual o edifício desse quartel que eles consideram mais representativo, para ser reabilitado e se modificar para um pequeno museu de recordação.

abraços grandes
pepito

_________________

Nota do editor:

10 de janeiro de 2013 > Guiné 63/74 - P10920: Núcleo Museológico Memória de Guiledje (20): Vestígios da passagem de "Os Magriços do Guileje", a CCAÇ 2617 (mar 70/ fev 71), na reconstrução da antiga messe... Quem serão o José Sá e o João Castro ? (Pepito)

Guiné 63/74 - P11424: Notas de leitura (473): O Sistema Colonial Português em África (meados do século XX), por Armando Castro (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 18 de Dezembro de 2012:

Queridos amigos,
O Prof. Armando Castro percorreu algumas parcelas do Império para escrever este livro, apresentado como libelo anticolonial . Foi elaborado entre 1958 e 1959, publicado em 1962 na URSS e editado em português em 1980.
Marca inequivocamente o que o PCP pensa do sistema colonial, numa altura em que já eclodira a subversão em Angola. O PCP, no seu V Congresso, realizado em 1957, tinha inserido no seu programa, como objetivo primordial “o reconhecimento aos povos das colónias portuguesas do direito à completa e imediata independência”. Este objetivo será mantido no VI Congresso, realizado em 1965.
A sua edição na URSS, é uma hipótese explicativa, resultaria de um esforço informativo da corrente do comunismo internacional sobre a visão prismática que o PCP tinha acerca dos grandes eixos em que assentava o colonialismo português em África. É descabido supor que um livro editado em russo tivesse como utilizadores os portugueses.

Um abraço do
Mário


O sistema colonial português em África: a Guiné

Beja Santos

“O sistema colonial português em África (meados do século XX)”, por Armando Castro, Editorial Caminho, 1980, foi elaborado entre 1958 e 1959 e teve a sua primeira edição na União Soviética. O autor explica-se: “Não podemos para tanto perder de vista que entre 1957 e 1958, quando foi tomada a decisão de conhecer os aspetos mais salientes do sistema colonial português em África, ele era praticamente desconhecido, quer da opinião pública portuguesa quer da generalidade da opinião pública internacional”. Mais adiante, o autor refere ofensiva ideológica do regime de Salazar em torno das bondades sobre o seu domínio colonial e a necessidade que o Partido Comunista Português sentiu de se habilitar com a sua própria ofensiva de esclarecimento. Armando de Castro parte para África a 21 de Junho de 1958 e durante 95 dias percorreu Angola, Moçambique, S. Tomé e Príncipe e a Guiné. A primeira edição foi em russo, sob o pseudónimo de autor Joaquim Silva.

Armando de Castro releva, palavras suas, a exatidão do marxismo, a sua capacidade de previsão histórica de que o colonialismo estava condenado a desaparecer. Como se compreenderá, a recensão sumaria os dados referentes à Guiné, e do mesmo modo faz-se tábua-rasa dos elementos referentes à situação geográfica, território, fronteiras, demografia e quadro étnico, organização administrativa, transportes e comunicações.

O autor chama a atenção para o facto das características económicas e sociais da Guiné serem diferentes das outras colónias: “O aspeto principal resulta da falta de plantações ou de outras empresas para exploração direta das riquezas naturais pelos colonialistas. Toda a atividade económica repousa sobre a agricultura nativa. A atividade dos europeus consiste na aquisição dos excedentes da produção autóctone e na organização de um mercado interno por meio de uma rede comercial fechada”. Isto derivado ao pouco estímulo que o capital colonial sentiu para a exploração direta das riquezas.

Refere-se a importância da cultura da mancarra e atividades exercidas diretamente pelos europeus, a exploração das madeiras, havendo a criticar a ausência de um repovoamento florestal. A agricultura aparece como uma atividade económica exclusiva dos guinéus, o comércio colonial consiste no amendoim, coconote e óleo de palma. No plano industrial, são repertoriadas quatro fábricas para o descasque de arroz, pertencentes a sociedades europeias, uma pequena unidade para extração de óleo de peixe, pequenas oficinas de reparação automóvel, serralharias, pequenas fábricas para extração de óleo de mancarra e umas doze oficinas para cortar as madeiras destinadas à exportação. Não são igualmente esquecidas as destilarias de bebidas alcoólicas e o autor refere tratar-se de atividades clandestinas “visto que várias convenções internacionais interditam a destilação em África das bebidas alcoólicas”.

A Guiné aparece a viver economicamente a viver sobre o signo da mancarra e seguem-se alguns dados que vale a pena registar. “As firmas proprietárias das quatro fábricas de descasque de arroz controlam também o mercado interno e a exportação. Sofrem porém a concorrência dos produtores nativos na fase de descasque. Estes, com efeito, descascam o arroz com o pilão, manualmente, produzindo assim o que se chama arroz de pilão. Para vencer esta resistência ao monopólio total, os proprietários das fábricas fizeram baixar o preço do arroz de pilão em relação ao arroz descascado nas suas fábricas, insinuando que aquele era impuro e de difícil exportação. Apesar disso, o cultivador guinéu continuava a vender o seu produto, não somente no mercado interno mas também nos territórios vizinhos sob denominação francesa, sobretudo desde que deixaram de receber arroz do Vietname”.

Esta digressão sobre a Guiné prossegue com uma análise da mão-de-obra e salários, o comércio interno e o comércio externo. No tocante ao capital colonial na Guiné, o autor volta a referir as três grandes companhias e o seu papel monopolista no comércio interno, na aquisição das matérias-primas coloniais e na venda de produtos manufaturados, bem como o controlo quase total da exportação e o transporte marítimo, explanado sobre os interesses da CUF através da Casa Gouveia, a Sociedade Comercial Ultramarina e por outro lado a empresa Barbosa e Costa. Por fim, Armando Castro tece considerações sobre a sociedade guineense. Considera que a etnia mais evoluída é a Fula. Observa que o trabalho forçado tem formas mais atenuadas e com menos intensidade na Guiné que em Angola e Moçambique: “Para conseguir mão-de-obra, os colonialistas dirigem-se aos funcionários da administração. Mas as empresas só têm necessidade de um pequeno número de trabalhadores e, por outro lado, a resistência é grande. É isto que explica que o trabalho forçado na Guiné seja menos grave que nas outras colónias do Continente. A violência física parece também exercer-se com menos rigor. Os castigos corporais existem, mas mais raramente que em Angola ou Moçambique. O espírito de resistência aos colonialistas é visível ainda em exemplos relativos a alguns produtos alimentares. a população europeia experimenta sérias dificuldades para obter certos géneros alimentícios, tais como os legumes e os ovos, porque os produtores não fornecem os mercados”.

E Armando Castro fala da resistência guineense dando como exemplo as greves para a obtenção de melhores salários dos carregadores da Casa Gouveia, em Maio de 1956, lançando um dado surpreendente: “A resistência mede-se ainda pela extensão da influência islâmica. O islamismo barra a penetração ideológica do colonialismo, que procura impor-se por intermédio dos centros missionários, a multiplicação das escolas corânicas torna inútil este esforço colonialista, porque os africanos observam atentamente o exemplo dado pelos membros dos dois tipos de escola. De um lado estão os mestres do Corão, africanos como eles, tratando-os como irmãos e vivendo de uma maneira humana e digna. Do outro lado, nas escolas criadas pelos colonialistas, atuam mestres impregnados da mentalidade dos exploradores brancos”. Acerca do contexto mundial anticolonial, o autor observa ainda: “Face ao aumento da vaga anticolonialista, que já deu a independência à Guiné ex-francesa, a política das autoridades portuguesas não sofreu qualquer transformação. Portugal nem sequer tenta qualquer ação do tipo económico- social ou político-administrativo como fazem as demais potências coloniais. Alimenta a esperança de manter o sistema. Para isso conta com a manutenção do grande atraso das populações em relação a todos os outros povos colonizados de África. Ao mesmo tempo, procura-se intensificar a vigilância e a repressão policial. É o que explica a instalação em África, em 1956, da famosa polícia política de Salazar, em particular a sua implantação no interior da Guiné e em algumas regiões fronteiriças. Em meados de 1958 acentuava-se esta medida criando 5 postos e 11 subpostos da polícia política”.

Resta procurar entender o que levou um quadro do PCP a proceder a este levantamento e a publicá-lo em russo, na sua primeira edição. Armando Castro, no posfácio, justifica-se. A primeira razão é de carácter pessoal, por sentimento de justiça e de solidariedade humana, a outra é a necessidade de contribuir para o desaparecimento da opressão colonialista: “Os patriotas conscientes também não ignoram que, na medida em que se quebram os projetos do imperialismo que têm por base as colónias portuguesas, se reforçaram as possibilidades de paz. Desejamos que a opressão colonial que dura há séculos seja substituída por relações de verdadeira amizade. E esta amizade, a única forma futura da presença de Portugal em África, só pode nascer e florescer no seio de uma cooperação fraterna. Cooperação regida pelos princípios da igualdade nacional”.
____________

Nota do editor:

Último poste da série de 15 DE ABRIL DE 2013 > Guiné 63/74 - P11399: Notas de leitura (472): Vem Comigo à Guerra do Ultramar, pelo Coronel António Luís Monteiro da Graça (Mário Beja Santos)

Guiné 63/74 - P11423: 9º aniversário do nosso blogue: Questionário aos leitores (16): Respostas (29/30) de Rui Felício (CCAÇ 2405, Galomaro e Dulombi, 1968/70) e José Francisco Borrego (GA 7, Bissau, e 9º Pel Art, Bajocunda, 1970/72)


Resposta nº 29 > Rui Felicio [ex- alf mil, CCAÇ 2405 / BCAÇ 2852, Galomaro e Dulombi, 1968/70] [, foto à esquerda]

(1/2)  Por telefonema do Vitor David  (ainda era o Blogue-Fora-Nada).
(3)  Não. [O Rui consta da lista dos 111 tertulianos da 1ª série, e faz parte da rede atual da Tabanca Grande, desde 11 de fevereiro de 2006,  razão por que recebeu este questionário] (**) (***)
(4) No inicio, diariamente. Actualmente de tempos a tempos.
(5) Não tenho mandado.
(6)  Conheço [, a nossa página do Facebook].
(7) [Vou] mais vezes ao blogue
(8)  O que gosto mais são das histórias menos ligadas à guerra
(9) O que gosto menos são os relatos de combates e de actos de heroismo
(10) De facto, noto lentidão no acesso,  o que prejudica visitas mais frequentes.
(11) O blogue representa um repositório importante de factos testemunhados por quem neles interveio.
(12) Já. No de Montemor o Novvo (um dos primeiros) [, Aliás, o nosso I Encontro Nacional, em 14 de outubro de 2006, na Ameira]
(13) Não, [não tenciono ir ao VIII Encontro Nacioanl, em Monte Real, no dia 8 de junho].
(14) Tem e deve manter-se porque representa um contributo histórico insubstituivel.
(15) ...


Reposta nº 30 > José [Francisco Robalo] Borrego [, hoje ten cor ref., pertenceu ao Grupo de Artilharia n.º 7 de Bissau e ao 9.º Pel Art, Bajocunda, 1970/72]


[Foto à direirta: o nosso camarada o José Borrego, em Bissau, no ex-GA7, em janeiro de 2012] 

(1) Descobri o blogue em 20008.
(2) Através do camarada António Graça de Abreu.
(3) Sim, desde Outubro/Novembro de 2008. [Mais exatamente, desde 12 de novembro de 2008].
(4) Semanalmente.
(5) O último material que enviei foi aquando da minha visita à Guiné em janeiro de 2012.
(6) Confesso que não [, não conheço a página da Tabanca Grande no Facebook].
(7) Vou mais vezes ao blogue.
(8) O caudal de informação.
(9) Nada a referir.
(10) Não tenho sentido dificuldades [, no acesso do blogue]..
(11) Representou reviver o passado; ir ao encontro de mim próprio; grande fonte de informação.
(12) Sim, em 2012 [,VII Encontro Nacional].
(13)  Este ano não tenciono ir por motivos familiares.
(14) Sim, o blogue ainda tem muito fôlego, e o moral elevado, tanto mais que há milhares de camaradas que ainda não se manifestaram.
(15) Só tenho elogios a fazer ao blogue, principalmente, por ser o grande elo de ligação entre camaradas e amigos que foram companheiros de sofrimento e que, na 1ª pessoa, puderam relatar as suas boas e más experiências em terras da Guiné.


________________

Notas do editor:

(*) Último poste da série > 18 de fevereiro de 2013 > Guiné 63/74 - P11420: 9º aniversário do nosso blogue: Questionário aos leitores (15): Respostas 27 e 28, de Manuel Carvalho (ex-Fur Mil da CCAÇ 2366/BCAÇ 2845, Jolmete, 1968/70) e Albano Costa (ex-1.º Cabo da CCAÇ 4150, Bigene e Guidage, 1973/74)

(**) Vd. I Série, postes de:


(...) (ii) Temos depois outra mensagem de outro camarada da CCAÇ 2405, já aqui apresentado anteriormente, o Rui Felício, juntamente com o Victor David. Foi-me enviada ontem à noite:


(...) "Caro Luis Graça,
"Passei o dia de hoje em Coimbra almoçando com o Vitor David a quem me ligam laços profundos de amizade e camaradagem.

"Falámos do blogue cuja utilidade é inquestionável e que tanto mais se valorizará quanto os contributos para o esclarecimento das coisas que se passaram na Guiné se multipliquem.

"Foi um dia agradabilíssimo na companhia, à beira do Mondego, da mulher e da filha do Vitor David, ambas simpatiquíssimas, e do meu próprio filho que me acompanhou de Lisboa até Coimbra onde estuda.

"O Vitor David incentivou-me a enviar-te o texto que escrevi e que lhe dei a ler sobre o desastre do Corubal, pedindo-te que decidas sobre se o mesmo deve ou não ser divulgado no teu blogue.

"Espero vir a conhecer-te pessoalmente em breve... Pelos elogios do Vitor David a teu respeito, fiquei ansioso por esse momento se proporcionar.

"Um abraço, Rui Felício (ex- Alf Mil Inf CCAÇ 2405)"


11 de Fevereiro de 2006 > Guiné 63/74 - DXXIII: O IN emboscado a caminho de Dulombi (CCAÇ 2405, Galomaro, Julho de 1969)

(...) Pouco ou nada se tem aqui falado do subsector de Galomaro que, em 1968/70, era guarnecido pela CCAÇ 2405, a sacrificada companhia que viu morrer 17 dos seus melhores elementos na travessia do Rio Corubal, em 6 de Fevereiro de 1969, em Cheche, na retirada de Madina do Boé (Op Mabecos Bravios).

A essa companhia pertenciam os nossos amigos e camaradas Victor David e Rui Felício. O primeiro já entrou para a nossa tertúlia. O segundo mandou-me há dias (9 de Fevereiro) a seguinte mensagem:

"Meu Caro Luis Graça,

"Por indicação do meu amigo de juventude e mais tarde camarada de armas na CCAÇ 2405, Victor David, tive conhecimento e acesso ao excelente blogue que criaste sobre a nossa passagem por terras da Guiné.

"Transmitirei aos meus conhecidos e amigos a existência do blogue e procurarei colaborar nele se tal for possivel, levando ao conhecimento de todos alguns episódios marcantes das nossas vidas, relativamente à nossa estadia na bela e martirizada terra da Guiné.

"Até breve e um abraço" (...)



Tertúlia > Amigos & Camaradas da Guiné

A. Marques Lopes, A. Mendes, Abel Maria Rodrigues, Afonso M.F. Sousa, Aires Ferreira, Albano Costa, Amaro Samúdio, Américo Marques, Ana Ferreira, Antero F. C. Santos, António Baia, António Duarte, António J. Serradas Pereira, António (ou Tony) Levezinho, António Rosinha, António Santos, António Santos Almeida, Armindo Batata, Artur Ramos, Belmiro Vaqueiro, Carlos Fortunato, Carlos Marques dos Santos, Carlos Schwarz (Pepito), Carlos Vinhal, Carvalhido da Ponte, David Guimarães, Eduardo Magalhães Ribeiro, Ernesto Ribeiro, Fernando Chapouto, Fernando Franco, Fernando Gomes de Carvalho, Hernani Acácio Figueiredo, Hugo Costa, Hugo Moura Ferreira, Humberto Reis, Idálio Reis, J. C. Mussá Biai, J. L. Mendes Gomes, J. L. Vacas de Carvalho, João Carvalho, João S. Parreira, João Santiago, João Tunes, João Varanda, Joaquim Fernandes, Joaquim Guimarães, Joaquim Mexia Alves, Jorge Cabral, Jorge Rijo, Jorge Rosmaninho, Jorge Santos, Jorge Tavares, José Barreto Pires, José Bastos, José Casimiro Caravalho, José Luís de Sousa, José Manuel Samouco, José Martins, José (ou Zé) Neto , José (ou Zé) Teixeira, Júlio Benavente, Leopoldo Amado, Luis Carvalhido, Luís Graça, Luís Moreira (V. Castelo), Luís Moreira (Lisboa), Manuel Carvalhido, Manuel Castro, Manuel Correia Bastos, Manuel Cruz, Manuel Domingues, Manuel G. Ferreira, Manuel Lema Santos, Manuel Mata, Manuel Melo, Manuel Oliveira Pereira, Manuel Rebocho, Manuela Gonçalves (Nela), Mário Armas de Sousa, Mário Beja Santos, Mário Cruz, Mário de Oliveira (Padre), Mário Dias (ou Mário Roseira Dias), Mário Migueis, Martins Julião, Maurício Nunes Vieira, Nuno Rubim, Orlando Figueiredo, Paula Salgado, Paulo Lage Raposo, Paulo & Conceição Salgado, Paulo Santiago, Pedro Lauret, Raul Albino, Renato Monteiro, Rogério Freire, Rui Esteves, Rui Felício, Sadibo Dabo, Sérgio Pereira, Sousa de Castro, Tino (ou Constantino) Neves, Tomás Oliveira, Torcato Mendonça, Victor David, Victor Tavares, Virgínio Briote, Vitor Junqueira, Xico Allen, Zélia Neno.

Guiné 63/74 - P11422: Álbum fotográfico de Carlos Fraga (ex-alf mil, 3ª CCAÇ / BCAÇ 4612/72, Mansoa, 1973) (2): Tabanca de Jugudul, a ferro e fogo, na sequência do ataque IN a 23/1/1973: mais de meia centena de moranças destruídas



Guiné > Região do Oio > Setor 4 (Mansoa) > BCAÇ 4612/72 (1972/74) > Jugudul > Foto nº 2/17 > 1973 > Ruínas de moranças , destruídas pelo PAIGC na sequência do ataque de 23/1/1973.


Guiné > Região do Oio > Setor 4 (Mansoa) > BCAÇ 4612/72 (1972/74) > Jugudul > Foto nº 2/18 > 1973 > Ruínas de moranças , destruídas pelo PAIGC na sequência do ataque de 23/1/1973.


 Guiné > Região do Oio > Setor 4 (Mansoa) > BCAÇ 4612/72 (1972/74) > Jugudul > Foto nº 2/19 > 1973 > Ruínas de moranças, destruídas pelo PAIGC na sequência do ataque de 23/1/1973.


  Guiné > Região do Oio > Setor 4 (Mansoa) > BCAÇ 4612/72 (1972/74) > Jugudul > Foto nº 2/21 > 1973 > Ruínas de moranças, destruídas pelo PAIGC na sequência do ataque de 23/1/1973.



  Guiné > Região do Oio > Setor 4 (Mansoa) > BCAÇ 4612/72 (1972/74) > Jugudul > Foto nº 2/23 > 1973 > Ruínas de moranças, destruídas pelo PAIGC na sequência do ataque de 23/1/1973.


Fotos: © Carlos Alberto Fraga (2013). Todos os direitos reservados

1. Continuação da publicação do álbum fotoográfico do Carlos Fraga, o mais recente membro da nossa Tabanca Grande (nº 611). Ele esteve em Mansoa, nos últimos meses de 1973, como alf mil, numa espécie estágio operacional, antes de ir comandar uma companhia em Moçambique, já depois de 25 de abril de 1974. Estas fotos, adquiridas por ele, terão sido tiradas em janeiro de 1973, de acordo com a nota, recente, que ele me mandou:

"Caro Luís: Na sequência das fotos do Jugudul tiradas por mim, sugeria-te publicares as que te enviei a preto e branco mostrando a destruição da tabanca. Como te disse creio que essas (a preto e branco) não terão sido tiradas por mim mas que as terei obtido na Guiné desconhecendo quem seja o autor.A destruição parece demasiado recente para ter sido eu a tirá-las (só cheguei meses depois) e eu tirava principalmente slides e fotografias a cores. Muito poucas a preto e branco."




Guiné > Região do Oio > Carta de Mansoa (1954) (Escala 1/50 mil) > Posição relativa de Mansoa e Judugul, separadas pelo Rio Mansoa. E ainda Cussaná, a nordeste de Mansoa.

_______________

Nota do editor:

Último poste da série > 18 de abril de 2013 >  Guiné 63/74 - P11417: Álbum fotográfico de Carlos Fraga (ex-alf mil, 3ª CCAÇ / BCAÇ 4612/72, Mansoa, 1973) (1): Jugudul, onde o PAIGC, em 23/1/1973, provocoiu 6 mortos e destruiu mais de meia centena de moranças

Guiné 63/74 - P11421: Parabéns a você (565): Augusto Vilaça, ex-Fur Mil da CART 1692/BART 1914 (Guiné, 1967/69) e Victor Barata, ex-1.º Cabo Esp DO 27/FAP BA 12 (Guiné, 1971/73)

____________

Nota do editor:

Último poste da série de 18 de Abril de 2013 > Guiné 63/74 - P11415: Parabéns a você (564): Raul Brás, ex-Soldado Condutor Auto da CCAÇ 2381 (Guiné, 1968/70)

quinta-feira, 18 de abril de 2013

Guiné 63/74 - P11420: 9º aniversário do nosso blogue: Questionário aos leitores (15): Respostas 27 e 28, de Manuel Carvalho (ex-Fur Mil da CCAÇ 2366/BCAÇ 2845, Jolmete, 1968/70) e Albano Costa (ex-1.º Cabo da CCAÇ 4150, Bigene e Guidage, 1973/74)

Mais respostas ao nosso questionário

Resposta n.º 27 ao nosso questionário de Manuel Carvalho (ex-Fur Mil Armas Pesadas Inf, CCAÇ 2366/BCAÇ 2845, Jolmete, 1968/70):

1 - Quando é que descobriste o blogue? 
R - Descobri o Blogue em 2008.

(2) Como ou através de quem? (por ex., pesquisa no Google, informação de um camarada)
R - Tudo isto começou com um convite do meu irmão o António Carvalho para ir à Tabanca de Matosinhos ainda na casa Teresa, lá conheci 20 ou 30 camaradas e o Blogue.

(3) És membro da nossa Tabanca Grande (ou tertúlia)? Se sim, desde quando?
R - Comecei por ser um simples mirone, passei a fazer um ou outro comentário mas visitava o Blogue quase diariamente, até que talvez em 2012 me inscrevi.

(4) Com que regularidade visitas o blogue? (Diariamente, semanalmente, de tempos a tempos...) 
R - Desde 2008 que quase diariamente vou ao Blogue, às vezes mais que uma vez por dia. Só não vejo quando estou fora de casa.

(5) Tens mandado (ou gostarias de mandar mais) material para o Blogue (fotos, textos, comentários, etc.)?
R - Tenho enviado algum material para o blogue fotos e texto e vou continuar a enviar mas a verdade é que não tenho muito jeito para a escrita.

(6) Conheces também a nossa página no Facebook [Tabanca Grande Luís Graça]?
R - Conheço o Facebook mas não gosto muito.

(7) Vais mais vezes ao Facebook do que ao Blogue?
R - Mais o blogue

(8) O que gostas mais do Blogue? E do Facebook?
R - Gosto de tudo o que diga respeito à Guiné. Mas aceito muito bem outras coisas. Facebook não ligo muito.

(9) O que gostas menos do Blogue? E do Facebook?
R - Não gosto de ataques pessoais e picardias.

(10) Tens dificuldade, ultimamente, em aceder ao Blogue? (Tem havido queixas de lentidão no acesso...)
R - Não.

(11) O que é que o Blogue representou (ou representa ainda hoje) para ti ? E a nossa página no Facebook?
R - No Blogue nós quando dizemos seja o que for sobre a Guiné, sabemos que do outro lado está alguém que já passou por algo semelhante e que nos entende perfeitamente.

(12) Já alguma vez participaste num dos nossos anteriores encontros nacionais?
R - Não. É bastante longe para mim.

(13) Este ano, estás a pensar ir ao VIII Encontro Nacional, no dia 8 de junho, em Monte Real?
R - Por esse motivo não estou a pensar ir.

(14) E, por fim, achas que o blogue ainda tem fôlego, força anímica, garra... para continuar?
R - Acho que sim. Com este timoneiro, e estes editores, só acaba quando morrermos todos.

(15) Outras críticas, sugestões, comentários que queiras fazer.
R - Críticas não tenho, diria só que gostava muito que alguns camaradas que escrevem pouco ou nada e que o sabem fazer muito bem que participassem mais, se puderem claro.

Um abraço
Manuel Carvalho

********************

Resposta n.º 28 do nosso camarada Albano Costa (ex-1.º Cabo da CCAÇ 4150, Bigene e Guidaje, 1973/74)

1 - Quando é que descobriste o blogue?
R - Não me lembro ao certo, se foi em finais de 2004 ou 2005. 

(2) Como ou através de quem? (por ex., pesquisa no Google, informação de um camarada)
R - Por informação de um camarada, que vai ao blogue mas nunca se inscreveu como tertuliano.

(3) És membro da nossa Tabanca Grande (ou tertúlia)? Se sim, desde quando?
R - Sou membro (tertúlia) desde ou finais de 2004 ou 2005.

(4) Com que regularidade visitas o blogue? (Diariamente, semanalmente, de tempos a tempos...)
R - Vejo o blogue diariamente à excepção de quando não posso mesmo. 

(5) Tens mandado (ou gostarias de mandar mais) material para o Blogue (fotos, textos, comentários, etc.)?
R - Tenho intervido muito pouco no blogue, um pouco por falta de tempo, mas sempre atento. 

(6) Conheces também a nossa página no Facebook [Tabanca Grande Luís Graça]?
R - Conheço a página no Facebook, e faço parte do grupo de amigos. 

(7) Vais mais vezes ao Facebook do que ao Blogue?
R - Em geral vou sempre pelo blogue.

(8) O que gostas mais do Blogue? E do Facebook?
R - Gosto mais do Blogue, o Facebook serve para ser informado quando tem posts novos, mas leio sempre pelo blogue. 

(9) O que gostas menos do Blogue? E do Facebook?
R - Gosto mais dos temas que são relacionados com a Guiné, e só a Guiné.

(10) Tens dificuldade, ultimamente, em aceder ao Blogue? (Tem havido queixas de lentidão no acesso...)
R - Não tenho, acho normal o acesso.

(11) O que é que o Blogue representou (ou representa ainda hoje) para ti ? E a nossa página no Facebook?
R - O blogue ainda hoje representa para mim um momento de prazer em ler o que foi a guerra da Guiné, não gosto da mentira ou de contarem histórias que não corresponda à verdade, assim como o confronto, afinal a guerra foi igual em toda a Guiné, mas houve diferenças de ano para ano, o exemplo foi da zona aonde estive, Guidage, que foi muito complicado na época em que o PAIGC quis tomar de assalto o quartel, mas noutras épocas não foi tanto, mas foi sempre difícil, até pelo isolamento.

(13) Este ano, estás a pensar ir ao VIII Encontro Nacional, no dia 8 de junho, em Monte Real?
R - Já participei, não tenho participado porque não tem dado, mas quando posso gosto de estar presente.

(14) E, por fim, achas que o blogue ainda tem fôlego, força anímica, garra... para continuar?
R - Eu acho que sim, o blogue por tudo que fez pelos ex-combatentes da Guiné, e em geral, merece continuar no activo, foi uma fonte muito importante do que é hoje o convívio entre nós ex-combatente da Guiné, tem pernas para andar, afinal é o nosso jornal da caserna de maior leitura, onde através do blogue já se fizeram e irão continuar a fazer grandes amizades.

(15) Outras críticas, sugestões, comentários que queiras fazer.
R - Só digo, ninguém é perfeito e como tal o blogue também não, (mas quem julga que é perfeito, já é um grande defeito que tem), por isso viva o nosso blogue e que possa andar por muito e bons anos, reconheço que isso se deve ao Luís, ao Carlos, ao Magalhães Ribeiro e ao Briote, um bem haja para todos e que tenham muita saúde para poder continuar com esta obra. 

Um abraço de amizade para todos, 
Albano Costa
____________

Nota do editor:

Último poste da série de 18 DE ABRIL DE 2013 > Guiné 63/74 - P11419: 9º aniversário do nosso blogue: Questionário aos leitores (14): Resposta n.º 25 de Carlos Vinhal, ex-Fur Mil da CART 2732 (Mansabá, 1970/72) e resposta n.º 26 de Abílio Magro, ex-Fur Mil Amanuense do CSJD/QG/CTIG (1973/74)

Guiné 63/74 - P11419: 9º aniversário do nosso blogue: Questionário aos leitores (14): Resposta n.º 25 de Carlos Vinhal, ex-Fur Mil da CART 2732 (Mansabá, 1970/72) e resposta n.º 26 de Abílio Magro, ex-Fur Mil Amanuense do CSJD/QG/CTIG (1973/74)

Continuação da publicação das respostas ao nosso questionário

Resposta n.º 25 de Carlos Vinhal, ex-Fur Mil da CART 2732, Mansabá, 1970/72, também co-editor deste Blogue.


(1) Quando é que descobriste o blogue? 
Em Março de 2006

(2) Como ou através de quem? (por ex., pesquisa no Google, informação de um camarada) 
Andava a pesquisar no Google coisas sobre a Guiné

(3) És membro da nossa Tabanca Grande (ou tertúlia)? Se sim, desde quando? 
Sou. Desde Março de 2006. Logo que tive o primeiro contacto com o Blogue contactei o nosso editor Luís Graça para o felicitar.

(4) Com que regularidade visitas o blogue? (Diariamente, semanalmente, de tempos a tempos...) 
Não sou eu que visito o Blogue, ele é que me visita a mim diariamente.

(5) Tens mandado (ou gostarias de mandar mais) material para o Blogue (fotos, textos, comentários, etc.)? 
Não tenho tempo para mim. Publico o que os outros me mandam o que é muito gratificante.

(6) Conheces também a nossa página no Facebook [Tabanca Grande Luís Graça]?
Fui eu que, com a anuência do nosso editor Luís Graça, coloquei a nossa página no "face", mas confesso que muito espaçadamente a visito lá.

(7) Vais mais vezes ao Facebook do que ao Blogue?
Vd. resposta 6.

(8) O que gostas mais do Blogue? E do Facebook? 
Sinto o Blogue do Luís Graça como se fosse meu. Falar do que gosto mais nele é muito complicado.
Confesso não ser muito apaixonado pelo "face". É uma balbúrdia onde cabe tudo.

(9) O que gostas menos do Blogue? E do Facebook?
Fico triste quando um ou outro camarada cai no pecado de fazer do Blogue uma tribuna para incentivar à violência verbal. Já alguém disse parecer uma tentativa para provocar a deserção na tertúlia e a morte lenta desta página. Temos infelizmente a registar um ou dois afastamentos definitivos, mas no geral tem-se ultrapassado algum mal-estar temporário e esporádico.

(10) Tens dificuldade, ultimamente, em aceder ao Blogue ? (Tem havido queixas de lentidão no acesso...) 
Não sinto qualquer dificuldade em aceder à página.

(11) O que é que o Blogue representou (ou representa ainda hoje) para ti? E a nossa página no Facebook? 
Entre Março 2006 e Março 2007 representava uma fonte de informação sobre a guerra na Guiné. Lia e absorvia cada história e cada foto.
A partir daquela data... devem estar a adinhar a resposta.

(12) Já alguma vez participaste num dos nossos anteriores encontros nacionais?
Se me perguntassem se alguma vez faltei aos encontros anteriores, a resposta seria nunca.

(13) Este ano, estás a pensar ir ao VIII Encontro Nacional, no dia 8 de junho, em Monte Real?
Estou a pensar ir, para tal fui dos primeiros a inscrever-me. Para dar o exemplo.

(14) E, por fim, achas que o blogue ainda tem fôlego, força anímica, garra... para continuar? 
O Blogue, sem dúvida. Eu é que já não. Ando tão cansadinho...

(15) Outras críticas, sugestões, comentários que queiras fazer.
Make love, not war

********************

2. Resposta n.º 26 do nosso camarada Abílio Magro (ex-Fur Mil Amanuense do CSJD/QG/CTIG, 1973/74):


(1) Quando é que descobriste o blogue? 
R - Há já algum tempo, talvez 3 ou 4 anos. 

(2) Como ou através de quem? (por ex., pesquisa no Google, informação de um camarada) 
R - Através de pesquisa na net. 

(3) És membro da nossa Tabanca Grande (ou tertúlia) ? Se sim, desde quando? 
R - Sou "piriquito", sou! Há cerca de um ano, talvez. 

(4) Com que regularidade visitas o blogue? (Diariamente, semanalmente, de tempos a tempos...) 
R - Diariamente. 

(5) Tens mandado (ou gostarias de mandar mais) material para o Blogue (fotos, textos, comentários, etc.)? 
R - Gostaria de ter mais material para mandar, mas quem manda o que tem... 

(6) Conheces também a nossa página no Facebook [Tabanca Grande Luís Graça]? 
R - Não, não conheço e penitencio-me por isso, mas prometo que vou conhecer. 

(7) Vais mais vezes ao Facebook do que ao Blogue? 
R - Desconhecia a existência da página no Facebook (imperdoável!). 

(8) O que gostas mais do Blogue? E do Facebook? 
R - Relatos de ex-combatentes e notícias sobre cooperação. 

(9) O que gostas menos do Blogue? E do Facebook? 
R - Comentários de quem não sabe o que diz. 

(10) Tens dificuldade, ultimamente, em aceder ao Blogue? (Tem havido queixas de lentidão no acesso...) 
R - Não, sinto-me como no Pilão. 

(11) O que é que o Blogue representou (ou representa ainda hoje) para ti ? E a nossa página no Facebook? 
R - Uma exclente oportunidade para reviver o passado e encontrar ex-camaradas. 

(12) Já alguma vez participaste num dos nossos anteriores encontros nacionais? 
R - Não. 

(13) Este ano, estás a pensar ir ao VIII Encontro Nacional, no dia 8 de junho, em Monte Real? 
R - Não. 

(14) E, por fim, achas que o blogue ainda tem fôlego, força anímica, garra... para continuar? 
R - Claro que sim, até porque os Administradores lhe transmitem essa força e porque ainda haverá por aí muita estória para contar, quanto mais não seja através das novas gerações que as ouviram da boca dos seus ascendenteses e que ainda não foram aqui reveladas, talvez por desconhecimento do Blogue, por falta de geito p'ra net, ou por outra razão qualquer. 

(15) Outras críticas, sugestões, comentários que queiras fazer. 
R - Nada a declarar.
____________

Nota do editor:

Último poste da série de 18 DE ABRIL DE 2013 > Guiné 63/74 - P11418: 9º aniversário do nosso blogue: Questionário aos leitores (13): Resposta nº 23: Augusto Silva Santos (ex-Fur Mil da CCAÇ 3306/BCAÇ 3833, Pelundo, Có e Jolmete, 1971/73); resposta nº 24: Mário Beja Santos, ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52 (Missirá e Bambadinca, 1968/70)

Guiné 63/74 - P11418: 9º aniversário do nosso blogue: Questionário aos leitores (13): Resposta nº 23: Augusto Silva Santos (ex-Fur Mil da CCAÇ 3306/BCAÇ 3833, Pelundo, Có e Jolmete, 1971/73); resposta nº 24: Mário Beja Santos, ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52 (Missirá e Bambadinca, 1968/70)

1. Mensagem do nosso camarada Augusto Silva Santos (ex-Fur Mil da CCAÇ 3306/BCAÇ 3833, Pelundo, Có e Jolmete, 1971/73), respondendo ao nosso questionário (*):

(1) Quando é que descobriste o blogue ?
- Em 2010.

(2) Como e através de quem ?
- Através dos camaradas Tino Neves e Manuel Resende.

(3) És membro da nossa Tabanca Grande (ou tertúlia) desde quando ?
- Desde Setembro de 2010.

(4) Com que regularidade vês/lês o blogue ?
- Normalmente, uma a duas vezes por dia.

(5) Tens mandado (ou gostarias de mandar mais) material para o Blogue (fotos, textos, comentários, etc.)
- Desde a minha adesão como membro da Tabanca Grande (cerca de dois anos e meio), já enviei “trabalho” que deu origem a 34 referências. É provável que ainda venha a enviar algo mais.

(6) Conheces também a nossa página no Facebook ? (Tabanca Grande Luís Graça)
- Sim. Faço parte.

(7) Vais mais vezes ao Facebook do que ao Blogue ?
- Não. Gosto mais do Blogue

(8) O que gostas mais do Blogue ? E do Facebook ?
 - O Blogue é mais abrangente, dá-nos várias perspectivas e a possibilidade de fazer consultas e contar com a colaboração directa de outros camaradas. O Facebook é mais pessoal.

(9) O que gostas menos do Blogue ? E do Facebook ?
- O que gosto menos tanto num como noutro caso, são as publicações que por vezes nada têm a ver com a guerra na Guiné (a origem do Blogue), ou quando os comentários se embrenham demasiado na política ou são completamente fora do contexto (acontece mais no Facebook).

(10) Tens dificuldade, ultimamente, de aceder ao Blogue ? (Tem havido queixas de lentidão no acesso...)
- Não. Normalmente acedo sem problemas.

(11) O que é que o Blogue representou (ou representa ainda hoje) para ti ? E a nossa página no Facebook ?
- Representa a oportunidade de reviver um pouco do que foi passar parte da nossa juventude, numa terra distante, longe dos ente-queridos e amigos, em cenários por vezes inimagináveis. A oportunidade de dar a conhecer muito dessa realidade, dos bons e maus momentos, e até de rencontrar camaradas e amigos.

(12) Já alguma vez participaste num dos nossos sete anteriores encontros nacionais ?
- Não. Infelizmente não tive essa possibilidade.

(13) Estás a pensar ir ao VIII Encontro Nacional, no dia 8 de Junho, em Monte Real ?
- Mais uma vez não me vai ser possível.

(14) E, por fim, achas que o blogue ainda tem fôlego, força anímica, garra... para continuar ?
- Absolutamente. Ainda há muita gente para aderir à Tabanca Grande e com muitas histórias por contar.

(15) Outras críticas, sugestões, comentários que queiras fazer.
- Agradecer ao Luís Graça por ter criado este Blogue, e ao Carlos Vinhal nosso editor principal sempre disponível e atento, o que nos permite continuar a “alimentar” o Blogue.
Bem hajam.

********************

2. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com as suas respostas ao nosso questionário:


(1) Quando é que descobriste o blogue? 
- Em 2006. 

(2) Como e através de quem? 
- O Luís Graça telefonou-me um dia para pedir autorização para reproduzir um artigo meu. Deu-me conta do blogue, então em viragem, a abrir-se, deixara de ser um megafone de confidências íntimas. Mergulhei no blogue, saiu-me logo, à bruta, a imagem da capela de Bambadinca, comovi-me, vi tudo devagar e senti-me cativado. Acertámos almoço na Escola Nacional de Saúde Pública, deu-me uma repentina, comprometi-me a escrever um quase dia-a-dia dos meus 26 meses na Guiné. 

(3) És membro da nossa Tabanca Grande (ou tertúlia) desde quando? 
- Entrei logo, sentei-me à mesa, abanquei, resolvi ficar, sem remissão. 

(4) Com que regularidade vês/lês o blogue? 
- Ou de manhã ou à noite, uma vez. Mas de preferência à noite. Saboreio as imagens antes de deitar, sinto-me bem assim, regresso à terra de eleição, deito-me e durmo como uma pedra cerca de sete horas

(5) Tens mandado (ou gostarias de mandar mais) material para o Blogue (fotos, textos, comentários, etc.) 
 - Sou escravo do dever, por conta própria atirei-me a uma empreitada alucinante, ando à procura, ou procuro que me chamem a atenção, sobre tudo quanto se escreveu e escreve acerca da Guiné, sempre dos dois lados, a História prefere recolher todas as opiniões dos diferentes quadrantes

(6) Conheces também a nossa página no Facebook? (Tabanca Grande Luís Graça) 
- Não conheço o Facebook. Dizem-me que as pessoas passam lá horas deliciadas, a palrar umas com as outras, a descobrir velhos amigos. Infelizmente, já não sei gerir doutra maneira o meu tempo, o que tenho destino-o à leitura ou a ouvir música. E prefiro fazer amigos novos, é sinal que ainda não estou condenado pela bruxa má do envelhecimento. 

 (7) Vais mais vezes ao Facebook do que ao Blogue? 
- Portanto, só ao blogue. 

(8) O que gostas mais do Blogue? E do Facebook? 
 - Acima de tudo, as imagens, dou comigo especado a pensar o que ia na cabeça do fotógrafo e do fotografado. Devemos ser depositários do maior acervo fotográfico daquela guerra. E gosto também de muitas imagens dos tempos de hoje, como é que se pode ser feliz em tanta adversidade? 

(9) O que gostas menos do Blogue? E do Facebook? 
- O que gosto menos no blogue é de textos que nada têm a ver com a Guiné. 

(10) Tens dificuldade, ultimamente, de aceder ao Blogue? (Tem havido queixas de lentidão no acesso...) 
- Não. 

(11) O que é que o Blogue representou (ou representa ainda hoje) para ti? E a nossa página no Facebook? 
- O blogue é o meu álbum de família. À cautela, já entreguei ao Luís Graça o meu património daquele tempo, estou absolutamente convicto da minha mortalidade, pode ser que haja ali material para algum estudo. No blogue publiquei livros, no blogue ganhei ânimo para escrever sobre a Guiné, atualmente estou a escrever o roteiro com o camarada Henriques da Silva. O blogue é omnipresente, quando vou à Feira da Ladra, estou sempre a pensar em surpresas. Lá para meados de Maio vou dar umas horas de aulas no Instituto de Estudos Superiores Militares. No intervalo vou até à biblioteca. O ano passado apanhei lá o diário do soldado Cristóvão, do Leonel Barreiros. Este ano será o que Deus quiser. O blogue faz parte do meu coração, é uma segunda pele. 

(12) Já alguma vez participaste num dos nossos sete anteriores encontros nacionais ? 
- Já participei em dois. 

(13) Estás a pensar ir ao VIII Encontro Nacional, no dia 8 de Junho, em Monte Real ? 
- Não. 

(14) E, por fim, achas que o blogue ainda tem fôlego, força anímica, garra... para continuar ? 
- Será o último de nós a fechar a porta. Até lá, todos os dias se carregará o blogue. Às vezes penso que os nossos filhos, os nossos camaradas guineenses de maneira alguma aceitarão a perda de fôlego. 

(15) Outras críticas, sugestões, comentários que queiras fazer. 
- Transmiti, nos primeiros anos, a sugestão de criarmos uma comissão para analisar formas de angariar fundos, para se apoiar edições; acho que devíamos ser mais intervenientes no domínio filantrópico. Aproveito a circunstância para pedir novamente a todos os confrades que me deem acesso a livros sobre a Guiné, sou de boas contas, devolvo prontamente e nunca danifico livros, sei muito bem o que eles custam a fazer. E aproveito para mandar um abraço a todos.
_______________

Nota do editor:

Último poste da série > 17 de abril de 2013 > Guiné 63/74 - P11416: 9º aniversário do nosso blogue: Questionário aos leitores (12): Respostas nºs 21/22: Juvenal Amado (CCS/BCAÇ 3872, Galomaro, 1971/74) e Carlos Pinheiro (Centro de Mensagens do STM/QG/CTIG, Bissau, 1968/70)