sábado, 2 de fevereiro de 2019

Guiné 61/74 - P19464: Os nossos seres, saberes e lazeres (306): Viagem à Holanda acima das águas (10) (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil Inf, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 16 de Outubro de 2018:

Queridos amigos,
Era sonho muito antigo, conhecer esta herança portuguesa, a mais importante Sinagoga na Europa, que não a mais antiga. É ofuscante, deslumbra este compromisso entre um luxo contido e uma sobriedade de mobiliário e ornamentação, numa outra dimensão. E o diálogo das culturas, está ali a traça europeia e a especificidade dos artefactos e alfaias judaicas. Creio que a sinagoga mais antiga está em Praga, era ali que os nazis se preparavam para ter uma mostra dos "homens inferiores", no seu dizer racial. A Esnoga é o espelho de uma sociedade que ganhara opulência, os judeus sentiam-se seguros naquele país onde se gozara da liberdade de expressão enquanto nos demais as guerras religiosas destruíam civilização e cultura.

Um abraço do
Mário


Viagem à Holanda acima das águas (10)

Beja Santos

Fotografia dos canais de Amesterdão, retirada de http://www.dutchamsterdam.nl/6623-amsterdam-canals, com a devida vénia.

Para um neófito, sair do Rijks de Amesterdão e querer ir diretamente à Sinagoga Portuguesa, pode ser uma dor de cabeça, andarilhar por aqueles canais, apanhar um elétrico na boa direção e sair no sítio certo, e depois palmilhar ruas e ruelas até chegar à Sinagoga. O viandante procurara saber um pouco mais sobre Amesterdão, lendo um dos livros de Bill Bryson (“Nem Aqui, Nem Ali, a Europa, de Estocolmo a Istambul”, Quetzal Editores, 2008). Bryson é considerado o autor de livros de viagens mais lido em todo o mundo, o que o viandante leu sobre Amesterdão não deu grande esclarecimento. Escreve ele: “Em virtude de os Holandeses se terem vindo a congratular a si mesmos pela sua tolerância inteligente durante todos estes séculos, é-lhes agora impossível não se acomodarem generosamente aos graffiti, aos hippies desgastados, à caca de cão e ao lixo”. Depois de visitar o bairro da prostituição declara ter passado a manhã no Rijks e não esconde elogios rasgados aos 250 compartimentos repletos de quadros maravilhosos. E dali seguiu para a casa de Anne Frank. O viandante não seguiu esse itinerário, pediu ajuda a Laurens Van Krevel, e atravessou-se o centro de Amesterdão.



Bem gostaria o viandante de dizer que morre de amores por esta cidade, tal não acontece, o que não significa que não haja encontro auspicioso com esta ligação aos canais, as fachadas de edifícios com ar tão mercantil, o céu está um pouco plúmbeo, reflete-se na luminosidade, como é óbvio, e até no estado de alma, vai-se cheio de curiosidade conhecer esse templo que ancestrais portugueses, fugidos à perseguição da Inquisição, aqui construíram, a monumental Esnoga, a Sinagoga Portuguesa, a mais ampla de toda a Europa, escapou à fúria dos nazis.



A Esnoga está no coração do velho bairro judeu de Amesterdão, foi recentemente restaurada, ao seu lado funcionam alguns museus que acolhem uma importante coleção de objetos de ritual, o viandante a determinada altura viu escrito Livraria Montezinos, aquilo cheirou a Portugal ou a Espanha, informaram-no na receção que estava fechada. A Sinagoga foi construída em 1675 por judeus sefarditas fugidos de Portugal e Espanha, imigrantes e descendentes daqueles judeus fugitivos do final do século XV e princípio do século XVI. Foram os imigrantes, eles próprios chamaram à Sinagoga Portuguesa porque os Países Baixos ao tempo estavam em guerra com o império espanhol. Aqui os judeus encontraram a liberdade religiosa que fora promulgada pela União de Utrecht (1579), estamos então na Idade do Ouro dos Países Baixos, Amesterdão é uma mescla de asquenazes e sefarditas. A fachada, como se vê, é pouco impressionante, muito austera, parece um armazém reconvertido, o esplendor está sempre presente no interior.




A atual Sinagoga aproveitou o local da anterior (que datava de 1639), preparou-se para receber 1200 homens e 440 mulheres, foi consagrada em 2 de agosto de 1675. A que podemos visitar está exatamente como era, só com os acrescentos do progresso, caso da eletricidade. Mesmo que o viandante ande de brochura em punho, tem dificuldade em falar de artefactos e alfaias religiosas como Teba, Hechal, Ner tamid, vai regalando os olhos pelos belos móveis, pela profusão de luzes, pelo coro. Acaba por descobrir que em 1889 o livreiro David Montezinos ofereceu a sua preciosa biblioteca que está hoje incluída no registo da UNESCO, a ver se na próxima visita o viandante pode dar uma espiada pelos 20 mil volumes, centenas de manuscritos e dezenas de milhar de documentos avulsos. Há livros em todos os idiomas, incluindo o Yiddish e o Ladino.




A Esnoga tem muito para ver e um viandante português não perde ocasião para ver nas lápides os nomes dos portugueses prosélitos e generosos que puseram de pé este monumento incomparável. Porque há tesouros de objetos cerimoniais, tecidos de uma grande beleza. E há o bairro cultural judeu, que inclui o Museu Histórico Judeu, a Sinagoga em si com a sua biblioteca, o Monumento a Auschwitz, o Museu do Holocausto, o Monumento a Espinosa, são imensos os percursos propostos, o mais importante de tudo é que o viandante já registou os nomes Mendes Coutinho, vários Pereira, a família de Pinto, Jerónimo Nunes da Costa, está consolado, a idade não perdoa, está bem esmoído, vai regressar a Alphen, mas antes ainda quer percorrer a pé alguns troços por Amesterdão, amanhã é dia para Haia. À noite, a ler um livro sobre o Rijks de Amesterdão encontrou uma pintura de Emanuel de Witte, de 1680, com o interior da Sinagoga Portuguesa de Amesterdão. Despede-se o viandante com tal imagem, é orgulho de andarmos pelas sete partidas, se dói não haver a feitoria portuguesa na Flandres, ao menos temos a Esnoga em todo o seu esplendor a falar da alma lusa.




(Continua)
____________

Nota do editor

Último poste da série de 26 de janeiro de 2019 > Guiné 61/74 - P19440: Os nossos seres, saberes e lazeres (305): Viagem à Holanda acima das águas (9) (Mário Beja Santos)

Guiné 61/74 - P19463: In Memoriam: Os 47 oficiais oriundos da Escola do Exército e da Academia Militar mortos na guerra do ultramar (1961-75) (cor art ref António Carlos Morais da Silva) - Parte XII: cap inf Izidoro Azevedo Gomes Coelho (Vila Real, 1936 - Ambriz, Angola, 1964), cmdt da CCAÇ 539, morto por uma mina A/C com mais 7 dos seus homens





Eis os mortos desse dia, para além do capitão:

Agostinho Arromba Soares Fonseca,  1º cabo;
Alberto José Fernandes Machado,  fur mil;
Joaquim Gonçalves de Magalhães,  sold;
Armando Augusto Oliveira Moreira, sold;
Manuel Fernando Alves Nogueira, 1º cabo;
Augusto Martinho Rodrigues, sold.



1. Continuação da publicação da série respeitante à biografia (breve) de cada um dos 47 Oficiais oriundos da Escola do Exército e da Academia Militar que morreram em combate no período 1961-1975, na guerra do ultramar ou guerra colonial (em África e na Ásia)Trabalho de pesquisa do cor art ref António Carlos Morais da Silva, instrutor da 1ª CCmds Africanos, em Fá, adjunto do COP 6, em Mansabá, e comandante da CCAÇ 2796, em Gadamael, entre 1970 e 1972. Foi cadete-aluno nº 45/63, do corpo de alunos da Academia Militar.


___________

Nota do editor:

Último poste da série > 29 de janeiro de 2019 > Giné 61/74 - P19453: In Memoriam: Os 47 oficiais oriundos da Escola do Exército e da Academia Militar mortos na guerra do ultramar (1961-75) (cor art ref António Carlos Morais da Silva) - Parte XI: cap cav António Lopo Machado Carmo (Coimbra, 1933 - São Domingos, Guiné, 1963), comandante da CCAV 252 (1961/63)

Guiné 61/74 - P19462: (In)citações (125): Por histórias de amizade e camaradagem como as do Jonas (que combateu depois pelo MPLA e morreu no Huambo em 1982) e do Sessendje (que se alistou na UNITA), eu posso orgulhar-me de ter pertencido à CCAÇ 3535 / BCAÇ 3880 (Zemba, Angola, 1972/74), que promoveu a amizade e não o ódio (Fernando de Sousa Ribeiro)


Foto nº 1 A > À frente do pelotão o furriel miliciano Luís Macedo; o sexto militar que se vê à direita do Macedo, e que é o mais pequeno de todos, era  o Domingos Jonas, que tinha como alcunha "Miúdo", um soldado natural do Huambo [Nova Lisboa]


Foto nº 1 B > O resto do pelotão, em formatura


Angola > Zemba > CCAÇ 3535 (1972/74) > O meu  grupo de combate que comandei, quase todo, em Zemba.


Foto (e legenda): © Fernando de Sousa Ribeiro (2019). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]



1. Mensagem do nosso editor Luís Graça , enviada em 12/1/2019 ao Fernando de Sousa Ribeiro [, foto à esquerda]


Fernando: vejo que tens montes de recordações boas de Angola e dos teus/nossos camaradas angolanos... E mais: tens um livro inédito... À espera de quê ?

Podes partilhá-lo no todo ou em parte no nosso blogue...Pelo menos, chegas a um público mais vasto... E há cada cada vez mais gente interessada em conhecer a história, a geografia e a cultura de Angola... e nomeadamente a segunda metade do sec. XX, terrível para o povo angolano...Quando fui lá pela primeira vez, em 2003, havia dezenas e dezenas, talvez centenas, de mutilados de guerra nas ruas... 400 mil deficientes diziam-me, terá sido o balanço da chamada 2ª guerra da independência...

Pediram-me para lá voltar em 2019, não sei se já terei forças... Angola, hoje, não é para todos!

Gostava de poder publicar o texto que escreveste, com as nevessárias adaptações, não vou exibir o vídeo, até porque não falamos da "atualidade política" dos nossos países... Por uma questão de coerência, autenticidade, economia de meios, etc. Seria uma "caixinha de Pandora"... E eu só me interessa o "material vivido", as experiências, as emoções, as recordações do tempo da guerra colonial...

2. Resposta do Fernando de Sousa Ribeiro, com data de  13/01/2019, 17:56



 Caro Luís,

Tenho a maior relutância em publicar o meu livro por várias razões. 


Uma prende-se com o facto de eu fazer nele acusações claras e diretas a diversas pessoas e organismos, com nomes, descrições, fotografias, etc. Eu quis que as minhas memórias fossem tão factuais quanto possível, mas não pretendo atingir ninguém em concreto, apesar dos pormenores que dou. O que pretendo é mostrar como aconteceram certos factos que não deviam ter acontecido, independentemente de quem os protagonizou. Assim, só no futuro é que o meu livro poderá interessar (ou não) a alguém, mas não enquanto eu estiver vivo.

Por outro lado, publicar um livro de memórias da guerra colonial é o mesmo que deitar dinheiro fora, a menos que eu me chame António Lobo Antunes ou Carlos Vale Ferraz. Já existem dezenas e dezenas de livros publicados sobre a guerra, com os mais diversos pontos de vista, mas cada um deles só tem vendido meia-dúzia de exemplares. 


O meu seria mais um livro a acrescentar ao monte. Lembro o caso do primeiro capitão que a minha companhia teve e que também publicou um livro. Dois ou três anos depois de o livro ter sido lançado no mercado, o autor foi contactado pela editora (a D. Quixote), informando-o que os exemplares não vendidos estavam a ocupar um espaço precioso nos armazéns e perguntando-lhe se pretendia ficar com eles ou se preferia que fossem destruídos. Ele quis ficar com eles e agora tem a casa atulhada de livros!

A guerra colonial em Angola foi uma coisa terrível, é verdade que sim, mas ela foi uma brincadeira de crianças comparada com a guerra civil que se seguiu, a qual atingiu um número incomparavelmente maior de pessoas, durou muitíssimo mais tempo e teve consequências infinitamente mais devastadoras. Ainda agora há pessoas que são mortas ou ficam mutiladas por acionarem minas terrestres, apesar dos milhões e milhões de minas que já foram levantados.

A propósito, refiro-te um facto que talvez desconheças e que se prende com o destino que foi dado aos angolanos que combateram nas fileiras das Forças Armadas Portuguesas. Muito ao contrário do que se terá passado na Guiné, em Angola todos os movimentos procuraram atrair para si os ex-militares que os tinham combatido na guerra colonial, para aproveitarem a sua experiência de combate na guerra civil. 


Os meus maravilhosos camaradas angolanos também foram aliciados para aderirem a este ou àquele movimento, depois de terem passado à disponibilidade. Uns aderiram ao MPLA, outros à UNITA, nenhum aderiu à FNLA e a maior parte deles preferiu manter-se na condição civil, sem que fossem molestados por esse facto.

Mando-te em anexo uma fotografia que mostra o grupo de combate que comandei, quase todo, em Zemba. À frente da "formatura" vê-se o heróico furriel Luís Macedo, que é português (Foto nº 1A]. O sexto militar que se vê à direita do Macedo, e que é o mais pequeno de todos, era um soldado natural do Huambo chamado Domingos Jonas, que tinha como alcunha "Miúdo". A valentia deste soldado era inversamente proporcional à sua estatura. Ele e o furriel Macedo foram precisamente os dois militares mais valentes do grupo. 


Depois de ter concluído o serviço militar no Exército Português, no fim de agosto de 1974, o soldado Jonas alistou-se nas FAPLA, o braço armado do MPLA, pelas quais combateu até que morreu perto do Huambo em 1982. A notícia da morte do soldado Jonas foi dada por um outro antigo soldado da minha companhia, mas não do meu grupo, chamado Mário Sessendje, que aderiu à UNITA. 

Agora repara: o Jonas e o Mário conheceram-se na minha companhia, tornaram-se amigos e a sua amizade prevaleceu sobre o ódio que opôs os movimentos a que aderiram, o MPLA e a UNITA. Mesmo combatendo em campos opostos, o Jonas e o Mário mantiveram-se em contacto e conservaram a sua amizade intacta, até que a morte de um deles os separou. 

Só por isso, acho que me posso orgulhar de ter pertencido à Companhia de Caçadores 3535, que promoveu a amizade e não o ódio.


Um abraço


Fernando de Sousa Ribeiro
membro da Tabanca Grande desde 11 de novembro de 2018, com o nº 780]

2. Nota do editor:

A CCAÇ 3535 foi mobilizada pelo RI 16, partiu para Angola em 13/6/1972 e regressou em 28/8/1974. Esteve em Zemba, P. R. Zádi. Comandantes: cap mil inf José Manuel de Morais Lamas Mendonça e Silva, e cap mil inf José António Pouille Nobre Antunes. Pertencia ao BCAÇ 3880, sediado em Zemba e Maquela e comandado  pelo ten cor inf Armando Duarte de Azevedo. As outras duas subunidades eram a CCAÇ 3536 (Cambamba, Fazenda Costa) e a CCAÇ 3537 (Mucondo, Béu).

______________

Nota do editor:

Último poste da série >  1 de fevereiro de  2019 > Guiné 61/74 - P19458: (In)citações (124): A Angola e os angolanos que eu conheci e que ficaram no meu coração: os nossos camaradas angolanos eram filhos do povo, do admirável e sofrido povo de Angola; (...) para a esmagadora maioria deles, foi só quando passaram a fazer parte da nossa companhia que eles puderam, pela primeira vez nas suas vidas, relacionar-se com brancos de igual para igual, olhos nos olhos, ombro com ombro, de homem para homem ... (Fernando de Sousa Ribeiro, ex-alf mil, CCAÇ 3535, 1972/74)

Guiné 61/74 - P19461: Parabéns a você (1570): Germano Santos, ex-1.º Cabo Op Cripto da CCAÇ 3305 (Guiné, 1970/73)

____________

Nota do editor

Último poste da série de 29 de Janeiro de 2019 > Guiné 61/74 - P19451: Parabéns a você (1569): Luís Graça, ex-Fur Mil Armas Pesadas Infantaria da CCAÇ 12, fundador e editor deste Blogue e Virgílio Teixeira, ex-Alf Mil SAM do BCAÇ 1933 (Guiné, 1967/69)

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2019

Guiné 61/74 - P19460: In Memoriam (338): José Arruda (1949-2019): fotos da última homenagem no cemitério dos Olivais, com Honras Militares prestadas por um Pelotão do Exército, e Alas de Cortesia, compostas por praças dos três Ramos das Forças Armadas (José Martins)


Foto nº 1 > Cortejo auto



Foto nº 2 > Força para prestação de honras militares



Foto nº 3 > Alas de Cortesia


Foto nº 4 > Força em ombro e funeral armas.



Foto nº 5 > Carros para transporte de flores



Foto nº 6 > Carro com o caixão coberto pela Bandeira Nacional




Foto nº 7 > Distribuição de munições de salva



Foto nº 8 > Três salvas de ordenança


Foto nº 9 >  Três salvas de Ordenança.

Lisboa > Cemitério dos Olivais > 1 de fevereiro de 2019 > O funeral do José Arruda


Fotos (e legendas): © José Martins (2019). Todos os direitos reservados [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. Mensagem do nosso amigo, camarada e colaborador permanente José Martins, com data de hoje, às 18h07


Boa tarde

Acabo de chegar do funeral do José Arruda.

Como muitos gostariam de ter estado presente, e não lhes foi possível, envio as fotos possíveis.

Apesar de pertencer à Classe de Sargentos DFA, teria direito a uma Guarda de Honra a nível de pelotão.

Porém foi entendido que, devido ao cargo que ocupou nos últimos tempos em prol dos Deficientes das Forças Armadas, a maioria dos quais combatentes, foi decidido que as Honras Militares fossem prestadas por um Pelotão do Exército, e as Alas de Cortesia, compostas por praças dos três Ramos das Forças Armadas.

O velório decorreu no salão nobre da ADFA, tendo uma guarda de dois militares em permanência. O funeral seguiu para o Cemitério dos Olivais (Lisboa) onde o corpo foi cremado.

Fotos:

1 > Cortejo auto
2 > Força para prestação de honras militares
3 > Alas de Cortesia
4 > Força em ombro e funeral armas.
5 > Carros para transporte de flores
6 > Carro com o caixão coberto pela Bandeira Nacional
7 > Distribuição de munições de salva
8 e 9 > Três salvas de Ordenança.


Abraço
Zé Martins

_____________

Nota do editor:

Vd. postes anteriores da série > 

30 de janeiro de 2019 > Guiné 61/74 - P19455: In Memoriam (337): José Arruda (1949-2019), presidente da direção nacional da ADFA - Associação dos Deficientes das Forças Armadas: o corpo estará em câmara ardente com guarda de honra militar, na sede na associação, em Lisboa, a partir das 16h00 de amanhã, 5ª feira, sendo a última cerimónia fúnebre, 6ª feira, às 16h00, no crematório do cemitério dos Olivais

27 de janeiro de 2019 > Guiné 61/74 - P19446: In Memoriam (336): José Arruda (Movene, Moçambique, 1949 - Lisboa, 2019), líder histórico da ADFA - Associação dos Deficientes das Forças Armadas

Guiné 61/74 - P19459: Notas de leitura (1146): Os Cronistas Desconhecidos do Canal do Geba: O BNU da Guiné (71) (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil Inf, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 17 de Maio de 2018:

Queridos amigos,
Pôs-se termo ao expediente do gerente de Bissau quanto à evolução da luta armada, a partir do momento em que ele se limitou a enviar para Lisboa os Boletins Oficiais das Forças Armadas, deixámos de ter uma outra maneira de olhar os acontecimentos, cortou-se com a pluralidade.
O documento de Castro Fernandes, não hesito em classificá-lo assim, é uma das peças mais relevantes que constam do Arquivo Histórico do BNU.
Figura proeminente do regime de Salazar, vai produzir nestes apontamentos observações sulfúreas, não esconde que vem aí uma nova era e que não se pode iludir o separatismo. E se neste texto dá nota negativíssima ao Perfeito Apostólico, o que iremos ler a seguir sobre o meio social encerra alguns dos parágrafos mais eloquentes da descrição do colonialismo guineense.

Um abraço do
Mário


Os Cronistas Desconhecidos do Canal do Geba: O BNU da Guiné (71)

Beja Santos

Concluída a viagem pelo expediente “Acontecimentos Anormais”, em síntese, a documentação enviada pelo gerente de Bissau para a governação em Lisboa sobre a eclosão e desenvolvimento da luta armada entre 1962 e inícios de 1964, temos agora por diante um conjunto de tarefas que culminarão com a cessação de funções do BNU na Guiné, tendo dado lugar ao Banco Nacional da Guiné-Bissau.

De 9 de março a 8 de abril de 1957, António Júlio de Castro Fernandes, o administrador do BNU com a tutela da Guiné, viaja à Província e produz uma coletânea de apontamentos que, atrevo-me a dizer, é um dos documentos fundamentais para análise sociopolítica e económica da década de 1950, e em certos domínios lança luz para tudo quanto se vai passar no tumultuoso itinerário que leva à saída das forças portuguesas em 1974. Daí a ênfase se irá fazer a um documento que, em termos historiográficos, estimo como incontornável, como se verificará.

O administrador, antigo Ministro da Economia, e mais tarde figura de proa da União Nacional (foi presidente da Comissão Executiva), elabora os seus apontamentos a partir da situação política que constatou.
Saltando imediatamente os considerandos geográficos, demográficos, por demais conhecidos, vejamos o que o administrador observa sobre a população dita civilizada:
“A grande maioria da população civilizada é constituída por comerciantes e funcionários. Há apenas um reduzido número de indivíduos exercendo profissões liberais e artes ou ofícios. Os ponteiros, quando não são puramente comerciantes, têm pequenas culturas, principalmente de cana-de-açúcar, feitas com mão-de-obra indígena.
Não há qualquer diferenciação de funções entre os civilizados por grupos rácicos: brancos, mestiços e negros constituem uma sociedade homogénea. Os libaneses dedicam-se exclusivamente ao comércio. Trata-se de uma sociedade burguesa, sem quaisquer preocupações de ordem intelectual. Vive este pequeno grupo em permanente emulação e intriga”.

E quanto à outra população:
“Não existem na Guiné elites nativas cultural e politicamente europeizadas, desligadas da minoria civilizada que dirige a vida da Província. Muitos régulos e chefes que mantêm o seu estatuto mas receberam forte influência europeia conservam uma ligação harmoniosa quer com a sociedade civilizada, quer com a sociedade indígena. Não há elites negras repelidas pela sociedade europeia e pela sociedade africana. Na Guiné Portuguesa não há elites nativistas, política ou culturalmente. O indígena quando tem razões de queixa é sempre contra determinada pessoa e não contra a sociedade civilizada”.

E tece o primeiro comentário que se prende com o mundo envolvente e as ideias separatistas:
“A situação geográfica da Guiné, encravada na África Ocidental francesa, não deixa de criar preocupações quanto às ideias separatistas que dominam o território francês e que podem ou infiltrar-se ou, quando tais infiltrações não sejam relevantes, ser postas no plano internacional.
O Perfeito Apostólico, sobretudo na sua paixão contra o Governador, mostra-se extremamente preocupado com as infiltrações que, segundo afirma, são já gravíssimas. Segundo me disse, não tardará que a Guiné Portuguesa constitua um caso idêntico ao de Goa.
O Governador, por seu lado, considera a nossa situação no plano internacional, no que diz respeito à Guiné, de extrema gravidade. Em sua opinião, é insustentável a nossa afirmação de que não temos colónias, de que a Guiné não é uma colónia, enquanto se mantiver a distinção legal entre cidadãos e indígenas. Para uma população de 509 mil indígenas, há 8,3 mil cidadãos, dos quais 360 são estrangeiros. À pergunta que nos farão qual a população da Guiné no seu total, a resposta de 518 mil indivíduos dos quais só 15% são cidadãos – conduz, naturalmente, à conclusão de que se trata de uma colónia, digamos nós o que dissermos. Em sua opinião, esta distinção entre cidadãos e indígenas deveria acabar: todos seriam cidadãos, embora uma parte desses cidadãos vivessem em regime tribal, respeitando o Estado o direito próprio de cada tribo, protegendo-os e educando-os por forma a que venham a gozar os benefícios da civilização. Claro que tal regime traria como consequência que todos os indígenas que soubessem ler e escrever teriam direito de voto. Tal perspectiva não o atemoriza – pelo contrário. Prefere um eleitorado disperso e sobre o qual os administradores possam exercer a sua influência a um eleitorado concentrado, muito fácil de manobrar pela oposição. Perguntando-lhe eu se a Guiné Portuguesa poderia vir a constituir um problema idêntico ao de Goa, respondeu-me ‘Pior, muito pior, porque na Índia temos uma obra em profundidade com 500 anos e aqui, na Guiné, não temos nada’.”

Segue-se uma descrição no campo das intrigas envolvendo o topo das instituições da colónia:
“Durante o interregno Melo e Alvim (fora Governador até 1956) exerceu a encarregatura do Governo o Inspector Superior Capitão Abel Moutinho. Pondo de parte o que dizem de bom, de mau e de péssimo, a respeito do Capitão Abel Moutinho, não restam dúvidas de que o senhor pretendeu ser nomeado Governador. Para tanto, foi organizando os seus quadros, formando à sua volta um grupo que o obviava e através do qual dirigia a Província. Também me não restam dúvidas – até por documentos que vi – que o seu orientador era o Perfeito Apostólico. Naturalmente que, por outro lado, foi preocupação do encarregado do Governo desmantelar o quadro que lhe era hostil. E, à cabeça, investiu com o Intendente (Chefe dos Serviços da Administração Civil), Santos Lima. Para tanto, instaurou-lhe um processo disciplinar com três fundamentos: actividades nativistas com ligações com os separatistas de Dakar, hostilidade à situação, irregularidades administrativas. O processo, para a instauração do qual contribuiu activamente o antigo Comandante Militar Neves e Castro, agradou ao Perfeito Apostólico – só por escrúpulo me não atrevo a dizer que foi por ele inspirado – e tinha como finalidade desmantelar com o Santos Lima o grupo que, de qualquer forma, lhe estava ligado.

A nomeação do Dr. Silva Tavares caiu como uma bomba no grupo Abel Moutinho. Este, em vez de desistir da almejada nomeação, tentou e tenta ainda – sempre através dos seus sequazes, tornar impossível a acção do Governador, obrigá-lo ou a estender-se ou a desistir. Para tanto, criaram-lhe – no intervalo entre a nomeação e a posse – todas as dificuldades possíveis.
O Perfeito Apostólico não escondeu nunca a sua hostilidade ao novo Governador. E marcou desde logo a sua posição, não esperando o Governador quando este chegou à Província e não assistindo à sua posse – claro que pretextando impedimentos pouco plausíveis.
Entretanto, o processo de Santos Lima foi seguindo o seu curso, mesmo antes da chegada do novo Governador tinham caído, por ausência de qualquer fundamento, as acusações de nativismo e hostilidade política. O Intendente foi reintegrado nas suas funções – ficando o processo disciplinar reduzido a duas ou três acusações sem a menor importância (Posso afirmá-lo, porque me foi facultada a leitura do processo). Como o Governador não investiu contra o Santos Lima e, pelo contrário, lhe deu e continua a dar consideração correspondente ao lugar que ocupa – embora tenha mandado que o processo siga o seu curso normal – tal atitude serviu de pretexto para o Perfeito Apostólico o atacar violentamente. Digo violentamente porque a mim mesmo me disse que a amizade do Governador pelo Santos Lima – homem desonesto e inimigo declarado das missões – era um autêntico escândalo. A verdade, porém, é que o Governador não é, nem deixa de ser, amigo do Santos Lima. O Governador não pode – só para satisfazer o Perfeito Apostólico e os amigos de Abel Moutinho – tratar mal, desprestigiar o Intendente. A hostilidade do Prefeito Apostólico manifestava-se um pouco em surdina, não se exibia publicamente. Até que surge o pretexto… Apareceu na Guiné um sujeito de Cabo Verde, dizendo-se vendedor de livros. Foi ao Gabinete, pedindo facilidades. O Chefe do Gabinete escreveu um cartão para o Director do Centro de Estudos da Guiné Portuguesa, enviando-lhe o indivíduo e dizendo-lhe se os livros podiam interessar ao Centro. E é tudo… e foi um trinta e um. O camarada era propagandista de uma seita protestante e os livros aparentemente de cultura geral tinham o veneno na cauda. O Perfeito Apostólico escreveu uma carta violentíssima e malcriadíssima ao Governador, este responde-lhe em termos (li toda a correspondência e o relato do Governador para o Ministro – não me ficando dúvidas sobre a fragilidade do terreno em que o Perfeito se colocou).

A hostilidade agora é feita à luz do dia – por parte do Perfeito. Assim: do próprio púlpito da catedral, na presença do Governador, o Perfeito leu uma prática desancando-o e mandou que essa prática fosse lida em todas as igrejas da Guiné (os padres, porém, apenas a resumiram); quando o Governador chegou da Costa do Ouro, o Perfeito não assistiu nem à recepção nem à transmissão dos poderes (eu estava presente e vi que todos os padres estiveram no aeroporto); recusou – sempre com pretexto de doença ou ausência – o convite para assistir ao banquete que o Governador me ofereceu; pretextando uma pane, que certamente não houve, não veio ao cocktail que o Banco ofereceu; no dia da minha partida, foi ao cais mas despediu-se logo para se não encontrar com o Governador. Não esconde a sua má vontade. Acusa o Governador de seguir uma política económica errada, acusa-o de não favorecer a acção missionária, dificultando a sua missão, acusa-o de proteger o desqualificado Santos Lima, e muito mais.
Em minha opinião, a atitude do Perfeito Apostólico, além de indefensável, é erradíssima.
Pessoalmente, acho o Perfeito Apostólico uma pessoa muito simpática, activo, devotado – mas falta-lhe altura intelectual. É, por outro lado, um apaixonado, um violento, um recalcado. Não me parece que esteja à altura da missão extremamente oficial que lhe cabe.

A evangelização exige, num meio como a Guiné, uma técnica muito especial e que, a meu ver, não reside na imposição. Pretende o Perfeito que a coisa se passa através da acção policial ou governativa – mas de tal sorte que o antipático recaia apenas nas autoridades. Assim, a islamização da Guiné – que não constitui apenas um problema religioso, porque pode vir a constituir – e já constitui – um obstáculo à integração do indígena na comunidade nacional – é assunto que tem que ser encarado com uma delicadeza muito especial. Os islamizados (são os indígenas mais evoluídos) querem aprender a ler e a escrever, mas se forem instituídas escolas católicas mandam os filhos para o território francês. A única forma de actuar é pois instalar escolas laicas – o que constitui pretexto do ataque do Perfeito Apostólico contra o Governador, acusando-o de favorecer escolas não pertencentes às missões…”

E a seguir o administrador Castro Fernandes ajuíza um novo Governador e dá-nos um quadro espantoso do meio social.

(Continua)

____________

Notas do editor:

Poste anterior de 25 de janeiro de 2019 > Guiné 61/74 - P19435: Notas de leitura (1144): Os Cronistas Desconhecidos do Canal do Geba: O BNU da Guiné (70) (Mário Beja Santos)

Último poste da série de 28 de janeiro de 2019 > Guiné 61/74 - P19449: Notas de leitura (1145): Viagens de Luís de Cadamosto e de Pedro de Sintra (2) (Mário Beja Santos)

Guiné 61/74 - P19458: (In)citações (124): A Angola e os angolanos que eu conheci e que ficaram no meu coração: os nossos camaradas angolanos eram filhos do povo, do admirável e sofrido povo de Angola; (...) para a esmagadora maioria deles, foi só quando passaram a fazer parte da nossa companhia que eles puderam, pela primeira vez nas suas vidas, relacionar-se com brancos de igual para igual, olhos nos olhos, ombro com ombro, de homem para homem ... (Fernando de Sousa Ribeiro, ex-alf mil, CCAÇ 3535, 1972/74)

Fernando de Sousa Ribeiro. Vive no Porto.
Mss também gosta de Lisboa  onde viveu e trabalhou
Term página no Facebook
1. Mensagem de Fernando de Sousa Ribeiro, ex-alf mil, CCAÇ 3535 (Angola, 1972/74), membro da Tabanca Grande desde 11 de novembro de 2018_

Obrihgado, Luís, pelos votos e pelo vídeo.

Alguma coisa tem vindo a mudar em Angola desde que João Lourenço assumiu a presidência. Este vídeo [, em que o comandantenacional da política denuncia, publicamente, a corrupção na instituição e expulsa das suas suas fileiras alguns dos seus mais elementos] é uma demonstração real disso.

Mas as dificuldades que o João Lourenço está a enfrentar são provavelmente maiores do que as que ele esperava encontrar, sobretudo no que ao repatriamento de capitais desviados para os paraísos fiscais diz respeito.

Até agora, ele só tem ouvido palavras aparentemente muito simpáticas de vários governos e entidades internacionais, mas sem consequências práticas. O Reino Unido, então, já recusou repatriar os 500 Milhões  de dólares desviados do Fundo Soberano de Angola pelo filho mais novo do José Eduardo dos Santos, José Filomeno dos Santos, e sua quadrilha. É a pérfida Albion no seu "melhor".

De qualquer modo, o tempo parece estar a jogar a favor de João Lourenço, que vai consolidando o seu poder, mas também joga contra ele, porque a economia angolana não parece estar a "levantar voo", nem pouco mais ou menos. Espera-se que este ano a economia do país entre em recessão, o que é muito mau.

Esperemos para ver, desejando que as coisas melhorem, para bem de um povo que eu aprendi a amar, graças aos maravilhosos subordinados angolanos que tive o supremo privilégio de comandar e pelos quais choro copiosas lágrimas de saudade.

A este respeito, permito-me reproduzir as seguintes palavras que lhes dediquei no meu livro inédito de memórias da guerra, a que dei o título de "Dignidade e Ignomínia":


Sinto um orgulho enorme nos subordinados [portugueses e angolanos] que me coube comandar.

(...) Posso (...) afirmar categoricamente que fui um privilegiado por ter tido a meu lado companheiros dotados de uma tal fibra.

Fui ainda mais privilegiado porque entre eles havia angolanos, que foram das pessoas mais extraordinárias que conheci. Não há dinheiro no mundo que pague toda a sua sabedoria, toda a sua generosidade e toda a sua sensibilidade. Depois de os ter conhecido, nunca mais fui o mesmo.


Tenho os seus nomes escritos em letras de ouro no meu coração: Domingos Amado Neto, Silva Alfredo dos Santos, Domingos Cangúia, Diogo Manuel, Ramiro Elias da Silva, Domingos Jonas, Mateus Tchingúri, Jonas Vitorino, Lucas Quinta, Henrique Luneva, Raimundo Nunulo, Domingos Dala, Fortunato Francisco João Diogo e Simão João Leitão Cavaleiro. Nunca os esquecerei.

Os nossos camaradas angolanos eram filhos do povo. Do admirável e sofrido povo de Angola. Quer isto dizer que, para a esmagadora maioria deles, foi só quando passaram a fazer parte da nossa companhia que eles puderam, pela primeira vez nas suas vidas, relacionar-se com brancos de igual para igual. Olhos nos olhos, ombro com ombro, de homem para homem. E eles foram insuperáveis no companheirismo e na dignidade com que se relacionaram connosco, os europeus da companhia.


Encontrando-se na mesma situação que nós, os nossos camaradas angolanos não se limitaram a partilhar as suas vidas connosco no seio da companhia; eles fizeram parte integrante de nós mesmos, tanto quanto isto foi possível.


Eles travaram os mesmos combates que nós.


Eles caíram nas mesmas emboscadas que nós.


Eles enfrentaram as mesmas minas que nós.


Eles contornaram as mesmas "bocas‑de‑lobo" que nós.


Eles suaram os mesmos cansaços que nós.


Eles enjoaram as mesmas rações de combate que nós.


Eles dormiram debaixo da mesma chuva que nós.


Eles tremeram os mesmos medos que nós.


Eles riram as mesmas alegrias que nós.


Eles choraram as mesmas saudades que nós.


Eles acalentaram as mesmas esperanças que nós.


Eles foram nós. Todos fomos nós." (...)(**)
Um abraço

Fernando de Sousa Ribeiro
Porto, 12 de janeiro de 2019

quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

Guiné 61/74 - P19457: Historiografia da presença portuguesa em África (147): O padrão, no Gabu, comemorativo do V Centenário da Descoberta da Guiné (1446-1946)



 Guiné > Região de Gabu > Nova Lamego > CCS / BCAÇ 1933 (1967/69) > Janeiro de 1968 > O Virgílio Teixeira junto a um padrão do V Centenário, localizado "perto de Nova Lamego, à saída para Bafatá".

Foto (e legenda): © Virgílio Teixeira (2018). Todos os direitos reservados [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. Comentário do nosso editor Luís Graça, na sequência do poste P19448 (*)

Virgílio e Valdemar:

Aparentemente, está desvendado o mistério da foto nº 7:  o "padrão", junto ao qual foi fotografado o meu "mano" Virgílio Teixeira, é o do V Centenário da Descoberta da Guiné, 1446-1946... Ampliei a foto, e consegui ler parte da inscrição na parte inferior: [cen]tenário e [19]46..

Devia haver vários padrões deste tipo, de estética estado-novista, espelhados pelo território da Guiné, provavelmente nas sedes das circunscrições ou concelhos  (Bafatá, Gabu, Cacheu, Bissorã, Mansoa, Farim, Teixeira Pinto, Fulacunda, Catió, Bolama, etc.). Foi obra do governador geral Sarmento Rodrigues, no âmbito das comemorções do V Centenário da Descoberta da Guiné...(**)

No nosso blogue, há imagens de pelo menos um padrão comemorativo da efeméride: estava (e está) em Portogole, na margem direita do Rio Geba... Mas a forma é diferente, é cilíndrica, uma coluna tal como os padrões, com as cinco quinas, que os nossos navegadores íam colocando, nas terras por si demandadas e "descobertas"... (**)

Também encontrámos um outro  nas imediações de Susana, no chão felupe: esse padrão é idêntico ao do Gabu e da mesma altura.... A inscrição na base não deixa dúvidas: "V Centenário 1446-1946"...

Em relaçãodrão do Gabu, ainda poderia, inicialmente,  haver um pequena dúvida: podia eventualmente  ao patratar-se de um  monumento comemorativo da morte do Infante Dom Henrique, o V Centenário do Infante Dom Henrique (1460-1960)... Há um monumento desses pelo menos no Cacheu.

Mas a dúvida, em relação à foto do Virgílio Teixeira,  dissipou-se: o algarismo que se lê na bse do monumento do Gabu  é [19]46 e não 1960... 


Guiné > Região do Cacheu > Cacheu > Março de 1972 > Monumento em homenagem do "V Centenário da Morte do Infante Dom Henrique [1460-1960]. Foto do Francisco Gamelas, ex-alf mil cav, cmdt do Pel Rec Daimler 3089 (Teixeira Pinto, 1971/73), adido ao BCAÇ 3863 (1971/73)

Foto e legenda): © Francisco Gamelas (2016). Todos os direitos reservados [Edição e legendagem complementae: Blogue Luís Graç & Camaradas da Guiné]


Tudo indica, portanto, que este monumento, o do Gabu,  tenha sido inaugurado em 6/2/1947, quando o subsecretário de Estado das Colónias, engº Rui Sá Carneiro,  na companhia do governador geral Sarmento Rodrigues, passou pelo Gabu, no seu périplo pela Guiné. em representação do Governo Português, no âmbito das comemorações do V Centenário da Descoberta da Guiné (1446-1946). Na época o Gabu era Gabu, só mais tarde passou a designar-se por Nova Lamego.(****)



Guiné > Região de Cacheu  > Susana > Monumemto comemorativo do "V Centenário 1446-1946"... Homenagemm também ao mito felupe do primeiro casal felupe:  “Foi aqui que o primeiro Felupe ergueu a sua casa da tradição”... (**)  Segundo Lúcia Bayan, especialista da sociedade felupe,  doutoranda em estudos africanos, ISCTE - IUL, trata-se do mito fundador dos felupes de Susana, segundo o qual "Emit-ai (Deus) deitou à terra um casal felupe, que construiu a primeira casa felupe e deu origem à primeira tabanca felupe, denominada Sabotul. Situada perto de Suzana, Sabotul terá sido destruída, provavelmente no século XIX, por Ambona, o herói felupe que fundou Suzana"... O padrão do V Centenário não ficou no local da antiga Sabotul mas a alguns quilómetros antes.

Foto: Arquivo do Blogue Luís & Camaradas da Guiné [, em princípio os créditos fotográficos devem ser atribuídos a Lúcia Bayan; trata-se de um excerto de um texto desta que veio "colado" a um outro de Mário Beja Santos, certamente por lapso...]


Guiné-Bissau > Região do Oio > Porto Gole > 2005 > Marco comemorativo do V Centenário da Descoberta da Guiné (1446-1946) > Porto Gole, na margem direita do Rio, na estrada Bissau - Nhacra - Mansoa - Porto Gole - Bafatá (interdita no meu tempo, 1969/71. L.G.).

A fotografia é do Jorge Neto (pseudónimo,. Jorge Rosmaninho, autor do blogue "Africanidades (Vivências, imagens, e relatos sobre o grande continente - África vista pelos olhos de um branco") que não já está ativo). 

Este monumento foi inaugurado em 8/2/1947 pelo subsecretário de Estado das Colónias, engº Rui Sá Carneiro, sendo governador geral Sarmento Rodrigues.

Foto: © Jorge Neto (2005).  Todos os direitos reservados {[Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]
_______________

Notas do editor:

(*) Vd. postes de:

28 de janeiro de  2019 > Guiné 61/74 - P19448: Álbum fotográfico de Virgílio Teixeira, ex-alf mil, SAM, CCS / BCAÇ 1933 (São Domingos e Nova Lamego, 1967/69) - Parte LXI: As colunas para o sudoeste do setor: Bafatá, Fá Mandinga e Bambadinca, eram mais de 200 km, ida e volta

(**) Vd, postes de:


quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

Guiné 61/74 - P19456: Blogoterapia (291): Graças à vida... e ao nosso blogue (Virgílio Teixeira / Luís Graça)

1. Comentário de Virgílio Teixeira [ex-alf mil SAM, CCS/BCAÇ 1933 (Nova Lamego e São Domingos, 1967/69), nascido no Porto em 29 de janeiro de 1943; vive em Vila do Conde, economista e gestor reformado (*) 

Caros amigos, camaradas e membros do Blogue:

A todos os que leram este Poste, aos que comentaram esta data de aniversário, e a todos os outros que por razões, que a razão desconhece, não aparecem aqui, pela minha parte o meu muito sincero, obrigado.

Entro hoje no chamado quarto quadrante da vida, se tivermos como horizonte os 100 anos.

No 1º quadrante fomos crescendo, aprendemos a ler, chegamos a gente adulta, e fomos cumprir as nossas obrigações, enquanto cidadãos de Portugal.

No 2º quadrante formamos família, o objectivo da vida, e procuramos o nosso caminho.

No 3º quadrante, já instalados na nossa missão na terra, estamos na velocidade cruzeiro, e já pensamos que sabemos quase tudo.

No 4º quadrante, que começa no 1º dia dos 76 anos, vamos percorrer a parte mais difícil da nossa existência, lutando, agora não contra as minas e armadilhas, mas contra um inimigo implacável, a idade, o inicio da velhice que custa a convencer-nos, e o outro lado da batalha, a doença que nos vai levar, mais tarde ou mais cedo, a fazer parte da lista daqueles que da lei da morte se foram libertando – isto aprendi aqui no blogue, entre muitas outras verdades.

Quero aqui publicamente agradecer ao nosso editor, amigo e camarada, Luís Graça, a única pessoa que conheço que nasceu no meu dia, por me ter trazido para a companhia destes nossos tertulianos, cujo convívio, mesmo que virtual, deram um novo rumo à minha vida. 

Partilhando acontecimentos que julguei sempre que só tinham passado por mim, e que afinal, nos juntamos num núcleo de pessoas, que têm em comum mais do que terem passado pela guerra da Guiné, mas acima de tudo porque ficaram e estão marcados por esta vivência e não conseguem ver-se livres do «espírito e mistério» daquela terra, tão madrasta, para tanta gente, e que nos amarrou para toda a vida.

Obrigado por me terem aturado os meus maus momentos, e por tudo aquilo que escrevo e que não é do agrado de todos, mas são coisas que não consigo ultrapassar, estou bem assim e espero continuar por muito tempo, há aqui um espaço de escape, para partilhar com gente que sabe do que falo, pois hoje, é mais difícil encontrar alguém que entenda esta linguagem.

E agora comentando para o aniversariante Luís Graça, nos seus jovens 72 anos, que seja muito feliz, e que o País lhe pague por ter ‘montado’ este Blogue, narrando a nossa guerra, sem hipocrisia, sem preconceitos, sem politica, apenas a verdade nua e crua, quer se goste ou não, mas que ficará para sempre na nossa história, da nossa geração. Parabéns, Luís, e um Bom Dia junto daqueles que te são mais queridos. Virgílio Teixeira Vila do Conde, 29 de Janeiro de 2019

P.S. - Para quem não sabe: No dia 29 de Janeiro de 1943, estava eu a nascer, quando o General Nazi Paulus comunicou a Hitler que se ia render aos Russos na frente da batalha de Leninegrado, levando para a morte inglória, mais de 200 mil soldados.


2. Comentário de Luís Graça, ex-fur mil armas pesadas inf, CCAÇ 12 (Contuboel e Bambadinca, 1969/71), nascido na Lourinhã, em 29 de janeiro de 1947; é sociólogo,  professor universitário reformado, vive entre a Lourinhã e Alfragide / Amadora:


Como já tive ocasião de te dizer pessoalmente ao telefone, fico feliz e sensibilizado por ler o teu sincero e emotivo comentário, para mais sendo tu um dos mais recentes, mas também dos mais ativos,  grã-tabanqueiros entrados há pouco mais de um ano...

Tens  já mais de 110 referências no nosso blogue, o que é obra!...  Tens um extenso álbum com um milhar de fotos a preto e branco e a cores, e uma memória notável dos temos e lugares da guerra da Guiné.

Gosto da tua franqueza e frontalidade, és tipicamente um homem do Norte. Fazes anos no mesmo dia que eu, por isso passei,  a partir de ontem, a tratar-te  também como "mano", além de amigo e camarada...

Só me lembro de um velho amigo, que já morreu há muito, que fazia anos no mesmo dia que eu: o tio João 'Moleiro', da Atalaia / Lourinhã... Moleiro de profissão... (E, mais recentemente, de um dos filhos do meu amigo Luís Morais, de Tomar, que eu ajudei a doutorar-se em saúde pública, e curiosamente filho de miliar, com vivências em Angola, na infância.)

Quando lá vivi, na Lourinhã, e sobretudo nos primeiros anos do meu regresso da Guiné, entre 1971 e 1974, ia sempre lá a casa dele, o ti João 'Moleiro', que sempre conheci 'enfarinhado',  beber um copo à sua/nossa saúde, nesse dia... Com o meu saudoso amigo, colega e primo João 'Patas' que, se não erro, era afilhado do ti João 'Moleiro' ... (Nas terras pequenas, na província, toda a gente tem alcunhas, muitas vezes ligadas às velhas profissões: moleiro, sapateiro, funileiro, mata-porcos, bate-chapas, sacristão, carteiro, canalizador, etc.)

E, ainda a propósito: descobri que o João 'Patas', meu colega nas finanças (, o meu emprego de ocasião...), era meu primo, depois de morrer, ainda novo, com filhas para criar, naquela idade em que devia ser proibido um homem morrer... Fez uma comissão em São Tomé e Príncipe, o João 'Patas', no início dos anos 60... Era do clã "Maçarico", de Ribamar, como eu... Os nossos bisavós eram irmãos, soube-o mais tarde, tarde de mais...

Virgílio, sei que não gostas de fazer anos... Afinal, quem gosta de envelhecer? É verdade,  hoje estamos um ano mais velhos, mas estamos vivos!... Em rigor, matematicamente falando, estamos 24 horas mais velhos do que ontem... É só isso.  E tivemos, os dois, que revalidar a carta de condução...

Mas demos graças à vida, por tudo o que a vida nos deu!... e nos vai continuar a dar... porque, modéstia à parte, a gente merece tudo... e mais qualquer coisinha!

Espero que tenhas tido, com a tua querida família, um belo jantar, em Vila do Conde... Como eu te dsse, se fosse mais perto, iria lá cravar-te um uísque... com água de Perrier... Sei que trouxeste uma boa garrafeira e ainda não a estafaste toda... Mas fica para a próxima! ... Afinal, Vila do Conde não fica longe dos sítios por onde páro quando vou ao Norte...

Espero poder, entretanto, dar-te um abraço ao vivo, em Monte Real, no dia 25 de maio.... Já temos marcado, para esse dia, o XIV Encontro Nacional da Tabanca Grande... Vamos comemorar os 15 anos de existência deste espaço (único) que é o blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné, onde todos cabemos com tudo aquilo que nos une e até com aquilo que nos pode separar (a política partidária, a religião proselitista, o clubismo futebolístico...). 

E, mais uma vez,  obrigado pelo teu elogio ao blogue que foi pensado, justamente, para unir todos os camaradas que estiveram na Guiné, entre 1961 e 1974... Os vivos e os mortos...  Todos, mas todos, independemente da arma, da especialidade ou  do posto... E a única união possível é através da partilha das memórias (e dos afetos)... Um alfabravo, Luís.

PS - Blogoteria: substantivo feminino > Blogo (de blogue) + terapia > tratamento de 'doenças ou distúrbios' através da partilha de memórias e afetos (por exemplo, entre antigos combatentes ou camaradas de armas)... Ainda não vem nos dicionários... Mas há-de lá chegar.
_______________

Notas do editor:

(*) Vd. poste de 29 de janeiro de 2019 > Guiné 61/74 - P19451: Parabéns a você (1569): Luís Graça, ex-Fur Mil Armas Pesadas Infantaria da CCAÇ 12, fundador e editor deste Blogue e Virgílio Teixeira, ex-Alf Mil SAM do BCAÇ 1933 (Guiné, 1967/69)

Guiné 61/74 - P19455: In Memoriam (337): José Arruda (1949-2019), presidente da direção nacional da ADFA - Associação dos Deficientes das Forças Armadas: o corpo estará em câmara ardente com guarda de honra militar, na sede na associação, em Lisboa, a partir das 16h00 de amanhã, 5ª feira, sendo a última cerimónia fúnebre, 6ª feira, às 16h00, no crematório do cemitério dos Olivais


Lisboa > ADFA - Associação dos Deficientes das Forças Armadas > Av Padre Cruz > 17 de Novembro de 2009 > 18h > Lançamento do livro de Manuel Godinho Rebocho, "Elites Militares e a Guerra de África" (Lisboa, Editora Roma, Colecção Guerra Colonial, nº 8, 2009, 486 pp,).(*)

Na mesa, na sessão de apresentação do livro, estiveram presentes o  Dr. Manuel Joaquim Branco, o autor, Doutor Manuel Godinho Rebocho, o José Arruda (presidente da ADFA), a Prof Doutora Maria José Stock, da Universidade de Évora (e orientadora da tese de doutoramento em sociologia do nosso camarada Manuel Rebocho, discutida e aprovada em provas públicas, na Universidade de Évora, em 2005) e ainda  o editor Dr. José Vicente (Editora Roma).

Na foto acima, o presidente da Direcção Nacional da ADFA, José Eduardo Gaspar Arruda (1949-2019), antigo combatente no TO de Moçambique, e que tive o prazer de conhecer pessoalmente nessa ocasião, tendo-lhe apresentado as saudações de toda a nossa Tabanca Grande. (*)

 O  camarada Arruda convidou-me, por sua vez, para comparecer na festa dos 35 anos do jornal ELO, na segunda-feira seguinte, dia 20. Por razões da minha vida profissional, não pude infelizmente lá estar, nesse dia e hora. Mas não quero faltar, desta vez.  á derradeira despedida, da Terra da Alegria,  do nosso camarada José Arruda, em meu nome pessoal e dos demais membros da Tabanca Grande. (**)


Foto (e legenda): © Luís Graça (2009). Todos os direitos reservados. [Edição: BLogue Lu+is Graça & Camaradas da Guiné]




Honras Fúnebres ao Comendador José Eduardo Gaspar Arruda Presidente da Direção Nacional da ADFA

ADFA | 30 de janeiro 2019 [comunicado reproduzido com a devida vénia]


A Associação dos Deficientes das Forças Armadas – ADFA cumpre o doloroso dever de informar sobre as Cerimónias Protocolares e Honras Fúnebres que serão prestadas ao Senhor Comendador José Eduardo Gaspar Arruda, Presidente da Direção Nacional da Associação dos Deficientes das Forças Armadas, no Auditório Jorge Maurício, na Sede Nacional da ADFA, em Lisboa.

O Comendador José Arruda estará em câmara ardente, com Guarda de Honra Militar, e será velado a partir das 16h00, até às 23h30, do dia 31 de janeiro, quinta-feira.Na sexta-feira, dia 1 de fevereiro, o Velório prosseguirá a partir das 10h00 até às 14h00, hora a que terá lugar a Cerimónia Fúnebre.


Nesta última homenagem intervirão o Presidente da Mesa da Assembleia-Geral Nacional da ADFA, Joaquim Mano Póvoas, e o associado António Calvinho. A Cerimónia Religiosa de Encomendação será presidida pelo Capelão-Chefe e Bispo das Forças Armadas, Dom Rui Valério. Seguidamente, a Família – filhos José Paulo e Bóris – deixará o seu testemunho e homenagem. Tem lugar depois um pequeno momento musical.

O Cortejo Fúnebre segue, pelas 16h00, até ao Crematório do Cemitério dos Olivais, para a prestação de Honras Militares.


O cerimonial de exéquias e honras militares foi definido de acordo com a vontade expressa da Família do Senhor Comendador José Arruda.

A ADFA reitera, neste último adeus ao seu Presidente, o profundo reconhecimento pela sua dádiva a Portugal e aos cidadãos portadores de deficiência, especialmente aos deficientes militares.

“Eu não canto o épico da guerra!
Não, Não canto!
Eu canto a agressão que fui e suportei!”

Capitão António Calvinho, “Trinta Facadas de Raiva”

A Direção Nacional da ADFA

_____________

Notas do editor:

(*) Vd poste de 26 de novembro de 2009 > Guiné 63/74 - P5343: Bibliografia (31): Lançamento do livro de Manuel Rebocho, na ADFA, Lisboa, 17/11/09: Foto-reportagem

(**) Último poste da série > 27 de janeiro de 2019 > Guiné 61/74 - P19446: In Memoriam (336): José Arruda (Movene, Moçambique, 1949 - Lisboa, 2019), líder histórico da ADFA - Associação dos Deficientes das Forças Armadas

Guiné 61/74 - P19454: Historiografia da presença portuguesa em África (146): “As Colonias Portuguezas”, por Ernesto de Vasconcellos; A Editora, Lisboa, 2.ª edição, 1903 (Mário Beja Santos)



1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil Inf, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 19 de Outubro de 2016:

Queridos amigos,
Datam da transição dos século XIX para o século XX alguns documentos de excecional valia sobre o conhecimento científico, em diferentes quadrantes, da colónia da Guiné. Tendo em conta o que escreve este professor da Escola Naval, oficial da armada e conceituado hidrógrafo, era muito rudimentar o conhecimento etnográfico, etnológico e antropológico; não se conhecia a superfície do território nem número de habitantes, faziam-se estimativas a olho ou porque disseram. Mas ao nível da hidrografia Ernesto Vasconcellos revela-se uma águia, quanto ao mais reconhece imensas potencialidades da Guiné para a agricultura. Não deixa de ser curioso que a omissão dos recursos piscícolas é clamorosa, parece que ninguém fazia ideia das riquezas daquelas águas da plataforma continental.

Um abraço do
Mário


A Guiné no livro "As Colonias Portuguezas", de Ernesto Vasconcellos

Beja Santos

Ninguém desconhece que a literatura divulgativa sobre o Império Português deu um salto enorme decorrente da Conferência de Berlim, da criação da Sociedade de Geografia de Lisboa, das expedições e missões científicas que permitiram o mapeamento e o melhor conhecimento dos territórios. Ernesto Vasconcellos, Capitão-de-Fragata, hidrógrafo e antigo lente da Escola Naval, deu à estampa na transição do século uma obra destinada a um melhor conhecimento das parcelas do império: “As Colonias Portuguezas”, A Editora, Lisboa, 2.ª edição, 1903. É desta obra que extraímos as considerações que o autor faz sobre a Guiné.

A situação geográfica: “A Guiné, também impropriamente chamada Senegâmbia Portuguesa, pois não fica entre os rios de Senegal e a Gâmbia, está situada na Costa Ocidental de África, entre as bacias hidrográficas dos rios Casamansa e Compony”.
E tece as seguintes observações sobre o termo Guiné: “A denominação de Guiné e a sua divisão em Guiné Superior e Inferior, aquém e além do Equador, caiu em desuso. O termo Guiné proviria primitivamente aos portugueses do termo Guini, que tinha a importante cidade da bacia hidrográfica do Jolibá e que era centro de grande comércio”.
Sinceramente, procurei Jolibá e nada encontrei de substantivo. Mais adiante o autor afirma que a superfície da colónia é de 11.384 quilómetros quadrados, o que dá conta que na transição do século, e mesmo depois da Convenção Luso-francesa de 1886, ninguém conhecia ao certo a superfície da Guiné. Como hidrógrafo, não perde oportunidade para mostrar os seus conhecimentos: “O Litoral da Guiné é formado por terras baixas, recortado por inúmeros cursos de água, esteiros ou braços de mar, deixando entre si várias ilhas e ilhetas no meio das quais se destaca o arquipélago de Bijagós, composto de muitas ilhas, sendo a maior de todas Orango. Uma densa mata cobre em geral as costas, tornando difícil a sua conhecença e dando às ilhas, quando vistas à distância, o aspecto de tufas de verdura, dispersos aqui e acolá, erguendo-se sobre as águas”.
E procede à exaltação da hidrografia: “É da máxima importância, a ponto de, quase só por si, constituir uma rede fluvial que põe em comunicação os principais centros da província. Esta rede divide-se, anastomosa-se por tal forma, cortando e separando as terras em outras tantas ilhas e ilhetas que, semelhantes a blocos dispersos, fazem com que os estuários da Guiné apresentem na sua parte inferior uma formação idêntica à dos fiordes das costas da Noruega, a ponto de se poderem considerar devidos à acção das geleiras que, na época glaciar, descessem das altas montanhas do Futa Djalon, depositando-se nas águas esparceladas (?) de entre o Gâmbia e a Costa da Malagueta, dando origem ao arquipélago dos Bijagós e outros".

Passando para a economia, revela-se minimamente informado: “Pode considerar-se uma região apta a largas plantações que a transformariam numa colónia de plantação e comércio. Arroz e milho são à base da alimentação de quase todas as tribos indígenas. É curioso e talvez único o sistema agrário da Guiné. O rendeiro ou proprietário contrata os homens para o amanho do seu terreno, empresta-lhes a semente e proporciona-lhes, por adiantamento, meios de vida durante o tempo em que se faz a germinação. Chegada a época da colheita, o trabalhador não tem que dar quota alguma dela, obriga-se apenas a vender ao proprietário o remanescente dessa colheita, depois de lhe pagar as despesas feitas durante o período de trabalho. O proprietário é portanto o comerciante, o engajado é que é o lavrador. Este sistema é principalmente usado para a cultura da mancarra, e o gentio que mais se engaja nela é o manjaco”.
Mas não deixa igualmente de observar que a Guiné possui terrenos apropriados para o cultivo do açúcar e do tabaco.

Quanto à fauna, destaca o gado vacum, o lanígero, o caprino e o suíno; nas planícies abundariam o antílope e o elefante e com alguma abundância o lobo, a pantera e os macacos.

Não esconde as dificuldades em conhecer ao certo a população guineense, alega a falta de elementos estatísticos, dizendo que há quem atribua uma população de 820 mil almas, baseando-se este cálculo nas informações de pessoas práticas do país. Para o autor este número era superior à população do Senegal e Rios do Sul e sem nos explicar qual o critério que levou à sua ponderação, fixa a população guineense em 67.165 habitantes, número que para ele não deve andar muito longe da verdade.
Será bom hidrógrafo mas os seus conhecimentos de etnografia eram muito rudimentares: “As raças que habitam a província são 10, que se subdividem em várias tribos. As mais fortes e mais distintas raças são Fulas, Mandingas e Beafadas, andam de há muito em lutas persistentes por causa da reivindicação dos territórios”.
A Guiné compunha-se de um concelho, o de Bolama, também sede do governo da província e havia comandos militares em Bissau, Cacheu, Geba e Cacine. Quanto às povoações mais importantes, avança com os seguintes nomes: Bolama, Bissau, Cacheu, Farim, Geba, Buba e Cacine.

É bom termos acesso a estes documentos, avivam-nos a convicção de como tão pouco sabiam da Guiné, da sua geografia, da sua etnografia, da sua antropologia, do número efetivo dos seus habitantes. Vão chegar neste período governadores que ensaiarão a pacificação e a ocupação do território que se consagrará mais tarde, depois de Teixeira Pinto. Investigadores como Marcelino Marques de Barros trazem a cultura guineense até Portugal, as etnias, as línguas, a realidade do crioulo. Os mapas vão melhorando e chegou o momento azado para vos mostrar os mapas que, por gentileza da Sociedade de Geografia de Lisboa, usei na capa e na contracapa do meu livro “História(s) da Guiné Portuguesa”. Trata-se da carta da Guiné Portuguesa datada de 1899 na escala de 1:500 000 e na contracapa um belíssimo carta holandesa do século XVIII.


____________

Nota do editor

Último poste da série de23 de janeiro de 2019 > Guiné 61/74 - P19430: Historiografia da presença portuguesa em África (145): Meu Corubal, meu amor (5) (Mário Beja Santos)