sábado, 30 de setembro de 2006

Guiné 63/74 - P1133: Origem da expressão 'Siga a Marinha" (Vitor Junqueira)

A LFG [ Lancha de Fiscalização Grande] Orion a navegar no Cacheu em Janeiro de 1967 (1).

Foto: © Lema Santos (2006)


1. Mensagem do Vitor Junqueira, ex-alf mil da CCAÇ 2753 - Os Barões (Madina Fula, Bironque, Saliquinhedim/K3, Mansabá , 1970/72). Hoje é médico e, segundo julgo saber, vive no Pombal (2).

Caro Luís,

A expressão Siga a Marinha, que utilizo com frequência na abordagem de questões tertulianas, não é da minha autoria.

Embora não me pareça que haja nada desprestigiante quanto à paternidade de tal expressão, ela terá surgido do modo que passo a explicar:

No meu tempo ou pouco antes, terá passado pela zona do Olossato um capitão, comandante de Companhia que possuía uma queda especial para a ironia. Nas comunicações com o QG usava esse seu dom, o que o tornou muito conhecido ao nível mais elevado da hierarquia de então. Parece até que gostavam de o picar e depois... esperar pelo coice!

Um dia, este nosso capitão chegou a ameaçar encerrar a guerra porque estava a ficar sem batatas. Responderam-lhe de Bissau que o Serpa Pinto (3) também fez a guerra sem batatas.
-Então mandem o Serpa Pinto. - retorquiu o bravo capitão.

Noutra ocasião, ter-se-à queixado que era tanta a água acumulada nas poças e charcos em redor do aquartelamento, assim como a chuva que entrava através dos buracos nos telhados, que tornava impraticáveis quaisquer acções militares. Responderam-lhe que também a Marinha operava no meio aquático e não protestava.
-Pois então que siga a marinha. - alvitrou o desempoeirado oficial.

E foi assim que a frase Siga a Marinha entrou na gíria militar do meu tempo com o significado de: embora, vamos a isto, nada de lamentações.

Vitor Junqueira

2. Comentário do editor do blogue (L.G.):

Obrigado, Vitor, por este teu douto, pedagógico e sobretudo oportuníssimo esclarecimento. Há dias, num em-mail que circulou internamente pela nossa tertúlia, a propósito de uma infeliz expressão (rangerices) que ficou consagrada no título de um post (e que eu proponho que se retire, para bem da sanidade mental de todos nós e sobretudo como garantia da nossa leal e sã convivialidade), dizia eu:

"Vamos civilizada e amigavelmente ler e ouvir o que temos a dizer uns aos outros... Vamos esclarecer o que há para esclarecer... E siga a marinha, para usar uma curiosa expressão da autoria do Vitor Junqueira... Sobrevivemos todos à dura guerra da Guiné, não vamos agora massacrar-nos uns aos outros, quarenta anos depois, por questões que de lana caprina"…
____________

Notas de L.G.:

(1) Vd. post de 25 de Maio de 2006 > Guiné 63/74 - DCCXC: Os marinheiros e os seus navios (Lema Santos)

(2) Vd. post de 23 de Setembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1110: Do Bironque ao K3 ou as andanças da açoreana CCAÇ 2753 pela região de Farim (Vitor Junqueira)

(...) "A fila está formada quando aparece o alferes, qual ouriço caixeiro carregado de bugalhos: Uzi (3) a tiracolo, rádio ao pescoço, bolsos atafulhados com bússola, mapas e cartas diversas, códigos e frequências de comunicações e, pelo sim pelo não, dois ou três carregadores suplementares para a sua metralheta. No canto de um bolso, coabitando pacificamente com ao lanche, um par de GMD, não vá o diabo tecê-las! Dedicou os últimos minutos a olhar para os papéis sob uma lâmpada que parecia sofrer de sezões palúdicas, tantas eram as tremuras, tentando adivinhar de que lado é que viria a bordoada:- Olhos e ouvidos bem abertos, armas em posição e distâncias mantidas. E muito cuidado com o sítio onde põem as patas. A partir de agora, tudo caladinho! - São as suas últimas recomendações enquanto se dirige para a cabeça da coluna. E manda seguir a marinha ". (...).

(3) Serpa Pinto (1846-1900): conhecido explorador e administrador colonial português que percorreu África central e meridional para fazer o reconhecimento do território e efectuar o mapeamento do interior do continente.

(4) Pistola-metralhadora, de origem israelita, cujo desenho e fabrico remonta ao princípio os anos cinquenta. Não era muito vulgar o seu uso na Guiné, pelo menos no meu tempo e na zona leste.

Guiné 63/74 - P1132: Spínola e os seus 'Cães Grandes' na ponte do Rio Udunduma (Luís Graça)

Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > Destacamento da Ponte do Rio Udunduma > CART 2339 > Maio ou Junho de 1969 > Depois do ataque a Bambadinca, a 28 de Maio de 1969, o Gr Comb do Fur Mil Marques dos Santos - Os Solitários - é destacado para defender a Ponte do Rio Udunduma (que o IN tentara dinamitar, nessa noite); lá viveram duas semanas em tendas de campanha... Foi desta maneira tosca e improvisada que começou este destacamento... "Depois de casa arrombada, trancas na porta"...

Foto: © Carlos Marques dos Santos (2005)

Post originalmente publicado em 3 de Janeiro de 2006 > Guiné 63/74 - CDXVI: Herr Spínola na ponte do Rio Undunduma (deve ler-se Udunduma) (1) e agora reformulado:

1. Excertos do Diário de um Tuga (L.G.) (2)

Ponte do Rio Udunduma, 3 de Fevereiro de 1971:

De visita aos trabalhos da estrada Bambadinca-Xime, esteve aqui de passagem, com uma matilha de Cães Grandes atrás, Sexa General António de Spínola, Governador-Geral e Comandante-Chefe (vulgo, o Homem Grande). Eu gosto mais de chamar-lhe Herr Spínola, tout court. De monóculo, luvas pretas e pingalim, dá-me sempre a impressão de ser um fantasma da II Guerra Mundial, um sobrevivmente da Wermacht nazi.

Mas o que é que faz correr este velho soldado, como ele próprio gosta de se chamar ? É difícil adivinhar-lhe a sua paixão secreta, o seu móbil, sob a sua impassibilidade de samurai (ou de figura de cera?): a mitomania, o culto da personalidade ou, hélàs!, a presidência da república ...

Há qualquer coisa de sinistro na sua voz de ventríloquo, no seu olhar vidrado ou no seu sorriso sardónico: talvez seja a superioridade olímpica do guerreiro.

Cumprimentou-me mecanicamente. Eu devia ter um aspecto miserável. Eu e os meus nharros, vivendo como bichos em valas protegidas por bidões de areia e chapa de zinco. O coronel (?) que vinha atrás do General chamou-me depois à parte e ordenou-me que, no regresso a Bambadinca, cortasse o cabelo e a barba…

A visita-surpresa do Deus-Todo-Poderoso foi o meu único monumento de glória em toda esta guerra… Ao fim de vinte meses!... Só quero regressar, são e salvo, a casa, daqui a um mês e, se possível, levar comigo a barba que deixei crescer… na Guiné, longe do Vietname.


2. Referência a este episódio na História da CCAÇ 12 (1969/71) (Cap. II. 45):

“Em 1 de Fevereiro de 1971, foram detectados 6 elementos IN a cambar o Rio Udunduma em direcção a Samba Silate. Feito o reconhecimento pelo 2º Gr Comb, verificou-se que o trilho aberto na bolanha conduzia ao reordenamento de Nhabijões.

“A partir de 2, a segurança diária à estrada Bambadinca-Xime passou a constituir uma acção (patrulha com reconhecimento no trilho de Chacali).

“Em 3 de Fevereiro, Sexa General Com-Chefe, de visita aos trabalhos de construção da estrada (cuja importância para a estratégia militar e fomento económico do chão fula é absolutamente nevrálgica), esteve no destacamento da ponte do Rio Udunduma, tendo feito uma pequena alocução às praças africanas do 4º Gr Comb. (….)”.
____________

Notas de L.G.

(1) Vd. posts anteriores (P1131 e P1130).

(2) Esta leitura de Spínola e da sua entourage está necessariamente datada e é fruto (amargo e amargurado) das circunstâncias. Confesso que não gostava do personagem, não só pelo seu currículo militar como sobretudo pelos seus tiques: quando escrevia sobre ele, no meu diário, tratava-o sempre por Herr Spínola. Sendo antimilitarista (ou pelo menos julgando-me como tal), sobretudo não gostava de Cães Grandes, como eu chamava aos oficiais superiores que, naturalmente, não podiam ser todos metidos no mesmo saco. O coronel (?) que me deu a piçada pelo meu ar selvagem, terá sido porventura o do Agrupamento ou do COP de Bafatá. Creio que já não era o Hélio Felgas, era um seu substituto. O tenente-coronel Polidoro Monteiro, novo comandante do BART 2917, não era, de certeza... Mas para o caso não interessa: não lhe fixei nem o nome nem os galões... E a barba que usava no final da comissão, mais curtinha, veio comigo... e está comigo até hoje.

Como eu não convivi com os oficiais superiores dos batalhões a que esteve AFECTA A ccaç 12 (e eu conheci dois, o BCAÇ 8252 e o BART 2917) - contrariamente aos alferes milicianos que estavam em Bambadinca, sede do Sector L1 da Zona Leste, que partilhavam o mesmo espaço (o bar e a messe de oficiais, separado do bar e messe de sargentos, como mandava a etiqueta militar) - , também não estabeleci laços afectivos com nenhum eles, oficiais superiores. Contrariamente a outros camaradas de tertúlia que já aqui deram o seu testemunho: por exemplo, o Paulo Raposo, o Paulo Santiago, o Beja Santos ou, mais recentemente, o Torcato Mendonça.

Aqui ficam alguns posts já publicados com referências ao nosso Com-Chefe, também conhecido por Caco, Caco Baldé... ou, en passant, aos nossos oficiais superiores.

Caco (ou Caco Baldé) era a a alcunha por que era mais conhecido o General Spínola entre os seus soldados. O termo queria referir-se ao vidrinho ou monóculo que ele usava... Baldé era um dos apelidos mais vulgares entre os fulas, entusiásticos (e desgraçados) aliados de Spínola...

O general também era popular na caserna dos soldados, pela sua imagem de pai justiceiro... Ele era capaz de aparecer de surpresa num aquartelamento nos momentos mais insólitos ou mais dramáticos... Reconheço que as punições de oficiais superiores, incompetentes e impreparados para aquela guerra, deram-lhe uma auréola de homem corajoso, impoluto, determinado, um exemplo de liderança militar que era coisa que os nossos oficiais superiores - a nível de batalhão, pelo menos - não sabiam nem podiam dar, na generalidade dos casos...

Recorde-se que António de Spínola assumira, ainda como brigadeiro, em meados de 1968, os cargos de governador e comandante-chefe das Forças Armadas portuguesas na província portuguesa da Guiné, com a difícil missão de evitar o desastre político-militar que se anunciava: uma derrota das NT na Guiné teria fortes repercussões (psicológicas, morais, militares, polítcas...) nas jóias da coroa imperial, que eram Moçambique e sobretudo Angola.

Já general, e com ambições políticas, abandonou funções de governador e com-chefe em 8 de Agosto de 1973. Em 24 de Setembro, o PAIGC proclama unilateralmente a independência, em Madina do Boé, e a nova República Popular da Guiné-Bissau é reconhecida pela ONU em Novembro. Spínola foi substituído a 25 de Agosto pelo general Bettencourt Rodrigues. Pelo lado português, havia então mais de 40 mil homens em armas no território, que continuaram a lutar até ao fim, em condições cada vez mais duras e dramáticas...


Vd., entre entre outros, os seguintes posts:

2 de Julho de 2005 > Guiné 69/71 - XCI: Antologia (6): A batalha de Guileje e Gadamael (Afonso Sousa / Serafim Lobato)

29 de Setembro de 2005 > Guiné 63/74 - CCXXIV: Recordações do 'Caco Baldé' no Xitole (David Guimarães)

(...) "Percebemos pouco tempo depois o que ele nos queria a dizer... Tinha-se realizado a Op Abencerragem Candente (Ponta do Inglês, Xime, 25 e 26 de Novembro de 1970, que o Luís e o Humberto já têm aqui evocado várias vezes), com um porrada de mortos e feridos...

"Aí percebemos melhor o discurso do General quando na ordem de serviço veio o seguinte (reproduzo de cor): Segue para a Metrópole o Tenente Coronel de Artilharia M. F. por ser incompetente para comandar um Batalhão... Em seu lugar nomeio João Polidoro Monteiro, Tenente Coronel de Infantaria, etc. etc. etc... Nestas coisas, o Caco Baldé não brincava em serviço, cortava a direito... Não percebo por que é poupou o major A.C. (dizem que foi por ser antigo professor da Academia Militar...).


14 de Novembro de 2005 > Guiné 63/74 - CCLXXXIX: Op Lança Afiada (IV): O soldado Spínola na margem direita do Rio Corubal (Luís Graça)

24 de Detembro de 2005 > Guiné 63/74 - CCX: Oficial do Estado Maior do 'Caco'... por duas horas (João Tunes)

(...) "Apresentei-me e disseram-me para ler umas coisas para me identificar com o serviço, aquilo eram só mapas, mais mensagens e informações confidenciais e secretas sobre o IN, dicas dos pides, combinações em voz baixa, coisa e tal, mais uma data de majores e capitães cagões (por serem da elite do Spínola) e não me esqueço que encontrei lá pessoal que depois foi célebre como o Eanes, o Otelo, o Monge, o Lemos Pires e outros mais, e eu ali na nata das NT.

"Ainda não tinha a manhã acabado aparece um dos majores, todo esbaforido (julgo que foi o Lemos Pires que esteve em Timor na descolonização), a dizer que tinha havido engano e que aquele lugar era para outro alferes (pelo nome, filho de boas famílias) e que eu tinha era que arrumar o saco e seguir de Dornier no outro dia pela fresquinha para Catió que ali é que era o sítio certo para oficiais corrécios e punidos. E desandei dali para fora com as minhas duas horas de serviço de Oficial de Estado Maior com Catió, Cacine, Guileje e Gadamael à minha espera. Lixaram-me o resto da comissão mas não me limpam o currículo. Pois foi aí que eles falavam do pingalim quando se referiam ao General (deviam achar que caco não era próprio do lugar)" (...).

13 de Março de 2006 > Guiné 63/74 - DCXXIV: Estórias cabralianas (6): SEXA o CACO em Missirá

(...) "Poucos dias faltavam para o Natal, e a tarde estava quente. Todo nu no meu abrigo, fazia a sesta, quando sou despertado por enorme algazarra misturada com os ruídos do helicóptero.
-Alfero, Alfero, é Spínola! - gritam os meus soldados" (...)

5 de Maio de 2006 > Guiné 63/74 - DCCXXVIII: O meu testemunho (Paulo Raposo, CCAÇ 2405, 1968/70) (4): Em Bissau com Spínola

(...) [Spínola] põe-se em frente de mim, cumprimenta-me e eu também e, à queima-roupa diz-me: - Você tem sorte.Eu, sem saber bem o que me esperava, digo muito timidamente: - Porquê, meu Comandante? - Porque quando começar a ouvir os tiros, já está mais perto do chão."Também tinha humor. A meu lado estava o Alferes Felício, que é uma viga, e que a meu lado ainda parece maior. O nosso Comandante Chefe diz-lhe o inverso: - Você que se cuide.

"Realmente, aquele homem com a sua voz rouca e arrastada, de luvas, com monóculo e o pingalim, impressionava qualquer um. A imagem de bravura que transmitia correspondia à sua maneira de ser. Nele tudo era verdadeiro e genuíno" (...)

1 de Agosto de 2006 > Guiné 63/74 - P1012: Operação Macaréu à Vista (Beja Santos) (3): Eu e o BCAÇ 2852, uma amizade inquebrantável )

28 de Setembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1124: Fotos falantes (Torcato Mendonça, CART 2339) (2): A vida boa de Bambadinca, no tempo do Pimentel Bastos

Guiné 63/74 - P1131: Um dia (feliz) na ponte do Rio Udunduma, com o 2º Gr Comb da CCAÇ 12 (Luís Graça)

Post originamente publicado em 4 de Fevereiro de 2006, em Luís Graça & Camaradas da Guiné > Blogue-fora-nada > Guiné 63/74 - CDXCVIII: Os dias felizes na ponte do Rio Undunduma (CCAÇ 12) .

Lamentavelmente o editor do blogue cometeu um erro sistemático, replicado em diversos posts: o rio chama-se Udunduma e não Undunduma... Esse erro está agora a ser corrigido, com a republicação desta nova versão do post (1)
Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > Rio Udunduma > 1970 > A estrada Xime (à direita) - Bambadina (à esquerda), com a respectiva ponte. Vísivel também o troço, avermelhado, da nova estrada que estava em construção, a cargo da empresa Tecnil, e que implicou a construção de uma nova ponte (de que ainda não há sinais nesta foto).

Foto: © Humberto Reis(2006)

Comentava, no início do ano de 2006, o Jorge Cabral, com aquela sua desconceratnte ponta de fina ironia, que nós - aqui no blogue - eramos demasiado sérios e que escrevíamos como se a guerra (da Guineé) ainda não tivesse acabado... para nós. Os nossos relatos eram dramáticos. As nossas memórias estavam carregadas da tensão dos dias, do cansaço dos meses e do silêncio dos anos.

Guiné-Bissau > Região de Bafatá > Estrada Xime - Bambadinca > 1997 : Ponte (velha) do Rio Udunduma.

Em 1969/71, no tempo da CCAÇ 12, a segurança desta ponte, construída em 1952, era de importância vital para toda a zona leste (regiões de Bafatá e Nova Lamego). Ficava a 4 km de Bambadinca e a 7 do Xime. No ataque em força, a Bambadinca, em 28 de Maio de 1969, os guerrilheiros do PAIGC tentaram dinamitá-la. Embora parcialmente destruída (era de bom cimento armado...), continuou operacional, e por cima dela continuaram a passar inúmeros batalhões...
Já sabemos que a partir daí passou a ser defendida permanentemente por uma força a nível de pelotão, a cargo das unidades do BCAÇ 2852, como foi o caso por exemplo da CART 2339 (Mansambo) (1). A partir de 16 de Dezembro de 1969 a segurança permanente passou a ser feita pelos Gr Comb da CCAÇ 12 e pelo Pel Caç Nat 53 (Bambadinca) (2).
Havia apenas abrigos individuais, extremamente precários: bidões de areia com cobertura de chapa de zinco, e valas em zê comunicando entre os precários abrigos individuais. O destacamento assentava sobre uma elevação de terreno, sobranceira ao rio e à ponte.

Foto: © Humberto Reis (2005) (com a colaboração do Braima Samá, professor em Bambadinca)

Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > Rio Udunduma > Destacamento da CCAÇ 12, 2º Grupo de Combate > 1970 > O Humberto, à ré, mais um soldado de transmissões, à proa, treinando as suas perícias na difícil modalidade da canoagem local...
"Era o António Dias Santos, de alcunha, não sei porquê, O Bacalhau. Quando estava em Bambadinca normalmente andava pela tabanca ao cheiro das bajudas e quase sempre com uma varinha na mão a imitar um pingalim. Há uns anos, quando organizei um dos primeiros almoços da rapaziada, procurei na lista telefónica o nome dele na zona da Régua, pois sabia que ele tinha sido funcionário da CP e que morava ali. Descobri-o, mas quando falei com a senhora é que fiquei a saber que ela já era viúva do Bacalhau" (HR)

Foto: © Humberto Reis (2006)

Se calhar o Jorge tinha (e continua a ter) razão. Pelo menos, alguma razão. Os nossos sentimentos são contraditórios. Alguns de nós conseguem ter (ou mostrar) uma visão mais diurna e positiva da Guiné do tempo da guerra. São capazes de se encantar com as imagens e as recordações da Guiné. Alguns conseguiram até lá voltar e fazer as pazes com os jagudis ou os sinistros fantasmas que os perseguiam. O Humberto, o Marques Lopes, o Guimarães, o Albano, o Teixeira, o Allen, o Camilo, o Paulo Santiago, o Beja Santos, voltaram lá, em diferentes épocas ... O Paulo Salgado vive lá, como cooperante, com a sua Conceição... O jornalista e professor Jorge Neto vive lá, em Bissau, no Bairro da Cooperação, vizinho dos Salgado... E regressa todos os anos, ao seu Alentejo, de carro, atrvessando o norte de África...
Outros ainda (onde eu muito provavelmente me incluo) querem lá voltar ou andam a arranjar coragem para fazer a viagem de retorno, divididos entre uma certa imagem mítica do passado e o medo (traumático) do desencanto e do pesadelo dos dias de hoje.
Enfim, outros continuarão a ter uma visão mais nocturna e negativa dos acontecimentos que os marcaram: as emboscadas, as minas, os ataques e as flagelações, a morte, a dor, o sofrimento, a solidão, a angústia, o absurdo da guerra que fomos obrigados a fazer...

Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > Rio Udunduma > Destacamento da CCAÇ 12, 2º Grupo de Combate > 1970 > Passados largos meses, após o ataque a Bambadinca (Maio de 1969), ainda eram visíveis os sinais da tentativa de destruição da ponte... Na foto, o afortunado fotógrafo...
Foto: © Humberto Reis (2006)

Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > Rio Udunduma > Destacamento da CCAÇ 12, 2º Grupo de Combate > 1970 > O Tony (Levezinho) e o Humberto sentados na manjedoura... Era ali, protegidos da canícula, que tomavámos em conjunto as nossas refeições, escrevíamos as nossas cartas e aerogramas, jogávamos à lerpa, bebíamos um copo, matávamos o tédio... Os nossos soldados, desarranchados, tinham que cozinhar a sua própria bianda... Caricato: andavam com o saco de arroz às costas... O rio era rico em peixe, que se pescava à granada de sopro...
Foto: © Humberto Reis (2006)

Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > Rio Udunduma > Destacamento da CCAÇ 12, 2º Grupo de Combate > 1970 > Saltos para a água ... Soldados africanos da CCAÇ 12, à pai Adão...(Ou miúdos de tabancas vizinhas, como Amedalai ? Não tenho a certeza)... De qualquer modo, uma cena idílica...

Foto: © Humberto Reis(2006)

Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > Rio Udunduma > Destacamento da CCAÇ 12, 2º Grupo de Combate > 1970 > > Pesca à linha, banho à fula, passeata de piroga, um dia descontraído, quiçá até um dia feliz... Quem disse que não se podiam passar uns dias felizes nas margens do Rio Udunduma ? Não era o meu caso, que não pescava nem tomava banho naquelas águas, não jogava à lerpa, não ia à caça... O tédio dos dias, o pesadelo das noites, a solidão e o sentimento de abandono não me deixaram saudades do Udunduma .. A paisagem era deslumbrante, mas os mosquitos devoradores... Era um dos melhores sítios da região para se apanhar uma valente carga de paludismo... O pior de tudo, é que nem dos cães grandes ali nos livrávamos (3)...

Foto: © Humberto Reis(2006)

Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > Rio Udunduma > Destacamento da CCAÇ 12, 2º Grupo de Combate > 1970 > Da esquerda para a direita: O soldado Arménio, tripeiro de gema, e os Furriéis Milicianos Humberto Reis e Tony Levezinho...

Foto: © Humberto Reis (2006).

Já deixámos, porém, aqui provas do nosso bom humor, já aqui contámos estórias, mais pícaras, mais divertidas ou mais banais, tentando dar cor, cheiro e sabor àqueles 700 ou mais dias das nossas vidas que passámos na Guiné... O próprio Jorge deu o exemplo, deliciando-nos com as suas pequenas estórias que eu chamei cabralianas... O Jorge sempre teve uma maneira muito própria, desalinhada, talvez até marginal, de ser e de estar na tropa e, por extensão, na guerra...
O nosso convívio, na Guiné, era esporádico (quando íamos a Fá ou ele vinha a Bambadinca) mas foi o suficiente para eu o sinalizar como uma das figuras impagáveis me cruzei na Guiné... Felizmente, que o Jorge está de regresso e que podemos relembrar, em conjunto, velhas estórias, e descobrir, encantados, novas estórias saídas da sua talentosa pena...

Luís Graça
_____________

Notas de L.G.

(1) Vd. também post anterior (P1130), com data de 29 de Setembro de 2006.

(2) O Pel Caç Nat 53, que será mais tarde comandado pelo Alf Mil Paulo Santiago, no Saltinho, esteve no Xime, no início da comissão do BCAÇ 2852 (que veio em Agosto substituir o BART 1904), tendo passado para Bambadinca em Outubro/Novembro de 1968 e por lá ficou pelo menos até Agosto de 1969. Em Setembro foi transferido para o Saltinho.

(3) Vd post de Luís Graça, de 3 de Janeiro de 2006 > Guiné 63/74 - CDXVI: Herr Spínola na ponte do Rio Undunduma (leia-se Udunduma)

"Ponte do Rio Undunduma, 3 de Fevereiro de 1971: De visita aos trabalhos da estrada Bambadinca-Xime, esteve aqui de passagem, com uma matilha de cães grandes atrás, Sexa General António de Spínola, Governador-Geral e Comandante-Chefe (vulgo, o Homem Grande). Eu gosto mais de chamar-lhe Herr Spínola, tout court. De monóculo, luvas pretas e pingalim, dá-me sempre a impressão de ser um fantasma da II Guerra Mundial, um sobrevivente da Wermacht nazi (...).Cumprimentou-me mecanicamente. Eu devia ter um aspecto miserável. Eu e os meus nharros, vivendo como bichos em valas protegidas por bidões de areia e chapa de zinco. O coronel (?) que vinha atrás do General chamou-me depois à parte e ordenou-me que, no regresso a Bambadinca, cortasse o cabelo e a barba"...

sexta-feira, 29 de setembro de 2006

Guiné 63/74 - P1130: A CART 2339, em socorro de Bambadinca, e na defesa da ponte do Rio Udunduma (Carlos Marques dos Santos)

Post original, de 4 de Janeiro de 2006, publicado no Blogue-fora-nada > Guiné 63/74 - CDXIX: Os Solitários da CART 2339 na Ponte do Rio Undunduma e em Fá .

Na altura cometi um erro e um lapso: (ii) um erro, ao escrever Undunduma, e que passei a replicar sistematicamente; ora o Rio chama-se Udunduma; passei/passámos (eu e o resto dos meus camaradas da CCAÇ 12) muitos dias e muitas noites; (ii) um lapso: o texto não é do editor do blogue, mas sim do Carlos Marques dos Santos... Resolvi, por isso, repescar o post e (re)publicá-lo no blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné... com outro título, mas com o mesmo conteúdo e ilustrações... De futuro, serámais fácil fazer pesquisas sobre o famoso destacamento da ponte do Rio Udunduma, e não Undunduma. (LG).

Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > Fá Mandinga > CART 2339 > 1968 > Depois do ataque a Bambadinca, a 28 de Maio de 1969, o Gr Comb do Fur Mil Marques dos Santos - Os Solitários - é destacado para defender a Ponte do Rio Udunduma (que o IN tentara dinamitar, nessa noite); lá viveu duas semanas em tendas de campanha; mais tarde é destacado para reforçar Fá Mandinga. Ei-lo aqui, em diligência... (Curiosa expressão militar!)
Foto: © Carlos Marques dos Santos (2005)

Guiné-Bissau > Estrada Bambadinca-Mansambo > Novembro de 2000 > Cruzamento em Bambadinca que dá para Xime e Bafatá, e Mansambo). Foto tirada já na estrada que dá para Mansambo...Placa rodoviária: Xime, 10 km; Bafatá, 28 km. O Albano Costa & Camaradas passaram por aqui em 2001...
Foto: © Albano Costa (2005)
Guiné-Bissau > Mansambo > Novembro de 2000 > A pequena tabanca de Mansambo à beira da estrada (agora alcatroada) de Bambadinca-Xitole-Saltinho-Quebo (ou Aldeia Formosa)... Segundo o fotógrafo, " estas tabancas ficam mais ou menos a 100 metros da porta do antigo aquartelamento de Mansambo (...) O quartel quase desapareceu, só ficou a entrada do destacamento, o resta (os abrigos) está tudo tapado". O Albano e os seus amigos foram lá encontrar, na sua viagem à Guiné, em Novembro de 2000, um antigo soldado da CCAÇ 12, recheado de filhos. (Reconheci-o no excelente vídeo que o filho do Albano fez na altura).

Foto: © Albano Costa (2005)

Texto do Carlos Marques dos Santos, ex-furriel miliciano da CART 2339 (Mansambo, 1968/70), afecta ao BCAÇ 2852 (Bambadinca, 1968/70) (1):

Luís:
Sabendo que andámos pelos mesmos caminhos - cruzados, concerteza, sem o sabermos -, é hoje bom ver que aquilo que vivemos não esquecemos. É importante não esquecer! Li no Blogue (Luís & Camaradas da Guiné) uma referência ao pontão do Rio Udunduma (2). Eu e os meus camaradas da CART 2339 estivemos lá.
Em 28 de Maio de 1969 ouvimos rebentamentos para aqueles lados e pensámos ser na tabanca Moricanhe (3). Afinal, para nosso espanto, era mesmo em Bambadinca, sede do Batalhão (4). Dia 29, pela 05.30 da manhã, seguimos para reforço da sede de Batalhão. Quinze dias. Salvo erro com o Pel Caç Nat 63, estivemos em tendas (panos de tenda com botões), em vigília constante, àquela que era uma passagem importante [, a ponte sobre o Rio Udunduma, na estrada Xime-Bambadinca].
Depois disso, outros, e até da nossa CART 2339, estiveram lá. Nós, CART 2339, abandonámos em 12 de Julho de 1969. Entretanto dali, e depois de uma série de ataques, em Amedalai, Mansambo e Xime, Bambadinca e outra vez Bambadinca, fomos para reforço a Fá (Mandinga), nosso aquartelamento de acolhimento, pois havia indicações de que poderia ser atacado.
O meu pelotão - e eu era o furriel mais velho e por ausência quase sistemática do Alferes, competia-me o comando - intitulou-se Os Solitários, pois por norma estava em diligência. Que palavra tão bonita.

Coimbra
____

Notas de L.G.:

(1) Vd. post de 28d e Dezembro de 2005 > Guiné 63/74 - CCCXCIX: Mansambo, um sítio que não vinha no mapa (1): a água da vida (Carlos Marques dos Santos)

(2) Vd. post de 3 de Janeiro de 2005 > Guiné 63/74 - CDXVI: Herr Spínola na ponte do Rio Undunduma (Luís Graça) (Nota: deve ler-se Udunduma...).

(3) Tabanca em autodefesa e destacamento de milícias, da ZA (zona de acção) de Mansambo (CART 2339). Será abandonada alguns meses depois.

(4) Sobre o célebre ataque a Bambadinca, de 28 de Maio de 1969, vd. post de 14 de Novembro de 2005 > Guiné 63/74 - CCLXXXIX: Op Lança Afiada (IV): O soldado Spínola na margem direita do Rio Corubal (Luís Graça)

Guiné 63/74 - P1129: Operação Macaréu à Vista (Beja Santos) (14): Procurar em vão a nossa alma


Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > Regulado do Cuor > Missirá > 1968 > "Um grupo de soldados a gralhar junto de uma ponte de cibes".
Foto: © Beja Santos (2006)

Continuação da publicação das memórias de Beja Santos (1), que comandou o Pelotão de Caçadores Nativos nº 52, em Missirá, partir de Agosto de 1968. Neste post, o nosso amigo e camarada aborda, de maneira delicada e elegante, mas também lúcida e corajosa, um dos tabus dos nossos 13 anos de guerra colonial: a solidão e a sexualidade (homo ou hetero) nos quartéis, em geral, e nos nossos aquartelamentos e destacamentos da Guiné, em particular.
É um notável texto, que merece a nossa melhor atenção e reflexão. Fabuloso o título que me é proposto e que eu mantenho integralmente, inspirado num grande poeta, músico e cantor brasileiro Chico Buarque (que está de volta a Portugal no próximo mês de Outubro)... É um post que honra este blogue e enriquece a nossa tertúlia: já aqui quebrámos alguns tabus (como por exemplo os nossos mortos que deixámos enterrrados na Guiné, os nossos queridos nharros que abandonámos e que foram fuzilados pelo PAIGC, a incompetência de muitos dos nossos oficiais superiores, os mitos de certas grandes operações...). Hoje, creio, quebra-se mais um tabu...(LG)

Procurar em vão a nossa alma

por Beja Santos

Solidão não é o vazio de gente ao nosso lado... isto é circunstância. Solidão é muito mais do que isto. Solidão é quando nos perdemos de nós mesmos e procuramos em vão pela nossa alma. (De um poema de Chico Buarque).

Em Bambadinca, a 30 de Agosto [de 1968], de um regresso a uma vigilância em Mato de Cão, tinha um maço de fotografias reveladas à minha espera. Muitas delas ajudam-me agora a reconstituir os estilhaços da memória. Eu no Uige, sozinho e acompanhado. Numa delas estou ao lado do Brandão. Despedimo-nos a 31 de Julho, ele seguia para Bula, eu parti para outra oblíqua, em direcção ao Geba. Ver-nos-emos mais tarde, na Op Anda Cá, em Fevereiro [de 1969][, pela última vez. Brandão, tu eras zombeteiro e caçoavas permanentemente dos acasos da fortuna. Eras um verdadeiro minhoto. Nesta fotografia tu sorris. Na minha recordação, tu levas duas granadas lança-foguete ao ombro quando, a escassos metros dos teus pés, rebenta um fornilho. Com o rebentamento, revolteias numa nunvem de salitre e clamas:
- Meu Deus, estou morto!.

Não ganhaste para o susto. Numa cratera ali ao teu lado um dos teus soldados deixou os ossos triturados e Fodé Dahaba chora mansinho. Mais tarde, por aerograma, um amigo avisa-me:
- O Brandão finou-se. Foi um acidente estúpido, um soldado seguia à frente dele com a G3 no ombro, o cano virado para ele. Foi um acidente estúpido, um arbusto destravou o gatilho, a bala entrou-lhe pela fronte. Mais estúpido de tudo é que no caixão, sossegado, parecia dormir serenamente.

Pego noutra fotografia. Agora, é labor insano. A reconstrução de um abrigo em Missirá. Está lá o Alcino Barbosa, o Cibo, Nhaga Macque, Ussumane Baldé, rolam um tronco de palmeira, ainda a cheirar a corte da motoserra. Ao fundo está Sadjo e também o estou a ver pela última vez. Em Março [de 1969], naquela flagelação que reduzirá a cinzas a nossa Missirá, ele vai cair atravessado pelos estilhaços de um granada de um morteiro, quando enxotava crianças e velhos para um abrigo.

Enfim, albuns de militar em campanha na última guerra de Portugal. Há fotografias de tudo: crianças com espingardas Mauser, soldados com sorriso franco a reparar uma ponte, eu a pegar por uma corda uma surucucu, a tal cobra que os soldados fugiam em pânico na mata. São fotografias a preto e branco de gente, de paisagens, de obra feita e refeita.

À noite acabo a leitura de Rebeca, de Daphne du Maurier. A minha mãe ofereceu-me o seu exemplar antes de eu partir, dizendo:
- É uma obra prima, acredita, aliás tu já viste o filme. - O que era verdade. Já vira num cineclube a Rebecca de Hitchcock, Óscar de Melhor Filme em 1940, o primeiro de Hitchcock na América, com Laurence Olivier e Joan Fontaine nos principais papéis, e Judith Anderson num desempenho magistral da governanta, que lhe valeu o Óscar secundário.

Romance inesquecível que gira angustiantemente à volta de Rebeca, que nunca parece. Obra de mistério e suspense, é uma ficção que resvala para a literatura policial já que há um assassínio que, neste caso, nunca será desvendado. Mais tarde, irei reler assiduamente o livro que tem uma bela capa de Bernardo Marques, um desses artistas magistrais que mudaram o desenho gráfico das edições em Portugal.

É noite adiantada e vou fazer a ronda pelos postos. Como sempre, levo a minha lanterna e procuro itinerários diferentes. Tudo seguro no posto junto ao cavalo de frisa, falo com Gibrilo e peço-lhe para mudar a camisa do petromax. Depois, sigo para o posto virado para a fonte. Aí está o Veloso, e conversamos sobre aprovisionamentos para a próxima coluna a Bambadinca. Envieso e vou entre moranças por onde raramente passo. Embrenho-me e olho demoradamente a Mesquita a pensar no Ramadão que se avizinha. Sigo silenciosamente e é então que oiço vozes sussurrantes, vozes que vão resfolegando e que crescem em ansiedade. Aponto o foco para a zona do murmúrio, a luz que acendo é a luz que me queima o olhar e me tolhe o movimento. O que vi está visto: dois soldados fazem sexo e o foco da lanterna apaga-se no exacto momento em que um homem sentado afasta o outro homem que estava em cima dele.

Em pânico, volto para o meu abrigo e atiro-me pesadamente para a minha cadeira de verga onde leio, escrevo e oiço música. Eu sei e virei a saber que o sexo é uma questão interdita nesta guerra. Há muito calão, muita expressão brejeira, fala-se de amores mas parece que tudo morre no pudor subterrâneo seja dos amores que ficaram em Portugal seja no pacto de silêncio que queremos ver estabelecido com os nossso corpos jovens a quem se procura preservar da intimidade dos outros olhares, dos outros filtros da consciência. Fala-se do sexo mas não se diz nada, é como se fossem frases lançadas como bolas de sabão. Não há consequência nesta comunicação, até porque aquelas frases soltas não estão atadas a afectos. Andamos em tronco nu, endereçamos piadas às bajudas mas nas conversas entre militares, ainda por cima um quartel em que vivemos em abrigos ao lado da população civil, sente-se que não há gravidade neste erotismo epidérmico. As dores do sexo não são transmitidas ao grupo, depois somos portugueses e nesta guerra constituimos um caldeirão de gente que passou pelas universidades, pelo liceu e escolas técnicas, agricultores, operários e estudantes entendem-se na caserna por um denominador comum onde o sexo íntimo não existe nem se comenta.

É por isso que eu estou estuporado com este quadro insólito, conhecendo aqueles homens com quem convivo todos os dias e que acabo de encontrar numa inesperada união homossexual. Procuro aliviar a tensão pondo música barroca no gira-discos e até tentei em vão sossegar os nervos lendo. Oiço o saibro a ser esmagado pelo andar de alguém que se aproxima e me bate discretamente à porta da morança. Mando entrar e segue-se um diálogo em que descobri que era homem capaz de me irmanar com o sofrimento de quem procurava. Nessa noite, sei que tomei decisões acertadas mas procurando em vão a minha alma
- O que é que o meu alferes vai fazer comigo? Diga-me já se nos vai castigar ou contar o que viu.

Olho-o com embaraço e peço-lhe para se sentar:
- Ouve, o que vi faz parte da vossa intimidade e não vejo nenhuma razão para trazermos a público o presenciado. Estou muito embaraçado, porque tivemos todos uma conversa demorada sobre o respeito e a boa convivência que devemos a esta população. Adverti para os perigos de procurar mulheres casadas ou solteiras. Tu tens visto estas cenas em que os soldados nativos se envolvem em amores com as mulheres dos outros e mal cheguei houve aqui uma cena de tiroteio. Quando há adultério, ou coisa parecida, remeto tudo para o régulo Malan. Agora, a situação é nova, um militar da Metrópole envolvido numa relação sexual com um soldado nativo. Não te passa pela cabeça o que seria se vocês fossem vistos pelos vossos camaradas?

O meu visitante, que entrara com uma expressão congestionada, não pareceu serenar com esta minha declaração:
- Meu Alferes, não estou a representar, eu ando de cabeça perdida, desde miúdo que procuro reprimir-me, não sou como os outros, não perco a olhar a raparigas, vou sempre direito a olhar a zona do sexo dos homens, aprecio as formas e uma cara bonita. Se o meu Alferes contar esta história eu juro que me mato, não estou a encostá-lo à parede, eu dou um tiro na cabeça, eu não aguentarei a vergonha de andarem a chamar-me roto ou maricas.

Achei que devia dar uma nova direcção à conversa:
- Camarada, espero que incluas na tua vergonha a sorte do guineense que arrastaste para o teu acto. Não sou padre nem inquisidor, sou o teu comandante e vamos agora tratar do dia de amanhã. O que eu vi, vi. Não haverá, da minha parte, qualquer publicidade ao que vi. Talvez vocês tenham tido muita sorte em não ter sido apanhados por civis ou camaradas. Vais-te entender com o teu amigo sobre o que poderá acontecer se vocês forem vistos a praticar sexo. Não me ameaces com tiros na cabeça, controlas-te como toda a gente pois a vergonha é também uma regra que decorre do autodomínio. A vergonha não é um assunto exclusivo de homossexuais.

O meu visitante, entretanto, quis desabafar:
- Ó meu Alferes, eu não sei se aguento a situação só a bater punheta, eu gosto do meu amigo, esta solidão enlouquece-me. Eu procuro medir as consequências, sabia muito bem que andava a arriscar tudo, estou farto desta guerra, sinto-me muito só, já me basta assobiar às raparigas, como se eu fosse uma pessoa normal. O que é que eu vou dizer ao meu amigo?

Pus-me de pé, endiretei os óculos, controlei a respiração e disparei sem contemplações:
- Antes de mais, lembra-te que esta solidão atinge toda a gente. Este não é o nosso lugar, mas temos que fazer deste território o nosso lugar habitável. Vais dizer ao teu amigo que tem mulher e filhos que falaste comigo, que eu vi o que vi e que lhe peço que se lembre que vocês não podem andar a fazer sexo entre moranças e não venhas agora perguntar aonde é que vocês devem fazer sexo. O teu discurso não pode ser desculpa para novas imprevidências. Procura não ser tão egoísta. Medita bem, se necessitares de mudar de quartelamento, não hesites caso descubras que há uma relação profunda entre ti e ele. Amanhã, ao fim do jantar, vens-me dar conta do que decidiste. Agora, não leves a mal, já passa das 2 da manhã, temos que dormir. Boa noite. O que conversámos fica estritamente entre nós, não os dois mas os três. Explica cuidadosamente tudo ao teu amigo.

No dia seguinte, depois do loto a feijões, avancei para o meio da parada como se fosse ver o abrigo do morteiro. Discretamente, ele seguiu-me e deu-me conta da sua decisão:
- Dou-lhe razão, não posso comprometer o meu amigo, ele seria a principal vítima. Logo que possa, veja se consegue a minha transferência. Agradeço-lhe a sua compreensão.

Chegámos a Setembro, o cacimbo veio mais cedo. Pela primeira vez, participei numa emboscada nocturna, levei mosquiteiro, permanecemos num arrozal até de madrugada. Para quem se recorda, estas emboscadas diante da floresta hermética eram fisicamente duras e punham o nosso moral à prova. Então, ganhando no factor surpresa, na madrugada de 6 de Setembro, o bi grupo de Madina-Belel [, a noroeste de Bambadinca, no Cuor, ] atacou com uma salva de morteiros, bazucas e muita metralha. Como se fosse hoje, recordo o meu baptismo de fogo. Como em todas as outras situações desta natureza, não faltei à regra cometendo os meus dislates. O primeiro foi acender a luz enquanto a metralha serpenteava sobre os céus de Missirá. Convencido que o hábito faz um monge vesti o meu pijama, calcei-me, abri a porta olhei o fogo a toda a volta como se estivesse a ver um filme em cinemascópio, e corri para um abrigo com a G3 na mão. Eu vou contar.

__________

Nota de L.G.:

(1) Vd. post de 26 de Setembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1118: Operação Macaréu à Vista (Beja Santos) (13): Rebelo, meu rapaz, ninguém nasce soldado!

quinta-feira, 28 de setembro de 2006

Guiné 63/74 - P1128: Estórias cabralianas (13): A Micá ou o stresse aviário (Jorge Cabral)


Guiné > Região Leste > Bambadinca > Fá Mandinga > Pel Caç Nat 63 > O Jorge Cabral e as queridas bajudas mandingas... Um homem não é de pau e, às vezes, mete-se em sarilhos de saias, como aconteceu com a Micá desta estória, passada em Vendas Novas...

Foto: © Jorge Cabral (2006)


Mais um short story (1) do nosso amigo e camarada Jorge Cabaral (ex-Alferes Miliciano de Artilharia, comandante do Pel Caç Nat 63, Fá Mandinga e Missirá, Sector L1 - Bambadinca, Zona Leste, 1969/71; hoje, advogado e professor universitário, especialista em criminologia).


O Stresse Aviário, das Galinhas aos Morcegos
por Jorge Cabral

Terminada a especialidade de Atirador de Artilharia, permaneci como aspirante, em Vendas Novas, na respectiva Escola Prática. Aí me atribuíram variadas funções, Justiça, Acção Psicológica e Cultural, Revista Literária, etc, etc, pelo que quase nunca fiz nada. Quando me procuravam num lado, estava sempre no outro…

Na Justiça, creio que apenas dei andamento a um processo, enviando uma deprecada para Angola, a perguntar se o Furriel Patacas possuía três mãos. É que uma pretensa vítima de violação havia declarado que o Arguido, com uma mão lhe tapara a boca, com outra lhe agarrara os braços e com mais outra lhe despira as cuecas… Acabei por não receber qualquer resposta mas ainda hoje penso que uma terceira mão seria muito útil em certas ocasiões…

Publiquei na Revista da Unidade alguns poemas, todos objecto da censura do Comandante. Uma vez exigiu que substituísse o verso “um gato a escorregar pelo sexo inteiro”, ordem que cumpri escrevendo “molhando minha pena em teu tinteiro”, opção que o bom do Coronel aplaudiu, dizendo:
- Assim está melhor, lembra a escola.

Dinamizei jornais de parede, mas escândalo dos escândalos, esqueci-me de organizar a romagem dos militares a Fátima, no dia 13 de Maio. E assim pela primeira vez, a EPA - Escola Prática de Artilharia não esteve presente. Tão fatal e laico esquecimento ter-me-á valido a mobilização…

Penso que foi na qualidade de oficial de justiça que conheci Micá, rosada e bem nutrida moçoila, pela qual logo senti um clique de ruralidade erótica. Filha do 1º Cabo R/D Correia, viviam ambos nos confins do Polígono, em instalações do quartel, a uns quinze quilómetros da Vila. Órfã de mãe, Mica tinha muito medo do pai, que praticamente não a deixava sair de casa. Sabedor que o Correia, após sair do serviço, fazia um longo turno na tasca do Velez, só regressando a casa muito tarde e sempre bêbado, aventurei-me, fui procurar a Micá.

Bem barbeado, perfumado e de fatinho novo, lá cheguei. Ainda havia só conversa mas a noite prometia, eis que os cães começam a ladrar e Micá empalidece:
- O meu Pai, o meu Pai mata-me!- grita - Fujo e, sem outra alternativa, enfio-me no galinheiro, e fico quietinho debaixo do poleiro. Sinto o cabo entrar em casa e logo depois sair de caçadeira em punho:
- Será raposa ou raposão ? - clama, na sua voz de ébrio. - Não me mexo, e quase não respiro, enquanto montes de galinhas me picam, me picam, me dejectam.

Só ao raiar da manhã, e pé ante pé, é que abandono o local. No quartel estou uma hora debaixo do chuveiro mas não dissipo o cheiro. Quanto ao fatinho novo, o único remédio foi deitá-lo para o lixo.

Tão traumática experiência deixou profundas marcas. Durante largos meses só sonho com galinhas. Até a Micá surge como galinha-gigante, pondo ovos-granadas que me rebentam no peito.

Só na Guiné e em Fá é que começo a melhorar. Ainda sonho com a Micá, transformada em bajuda, aparecendo também o Cabo Correia, feito turra, que eu mato com a sua caçadeira. Acordo mais aliviado…

Em Missirá, contudo, sofro uma recaída. Não é que todos os dias, o mosquiteiro aparece manchado de uma substância amarelada e mal cheirosa ?! Fezes galináceas, concluo. Voltaram. Inspecciono o tecto, e de galinhas, nada. Regressam os sonhos e agora todos são galinhas, o Comandante, o Major das Operações, o Capitão, o Exército inteiro.

Vou a Bambadinca consultar o Nanque (2), que me pede cem pesos e uma galinha para resolver o assunto. Levo-o a Missirá e ele ao pé da cama, mata a galinha, fazendo escorrer o sangue na minha cabeça. Diz umas palavras, faz piruetas e pronto, afirma estar tudo acabado. Logo no dia seguinte porém, reaparecem as manchas. Estarei a enlouquecer?

Falo então com o Teixeirinha, o nosso cozinheiro, que me havia contado muitas histórias de bruxas. Cheio de importância por o Alferes a ele ter recorrido, o Teixeirinha, já muito bebido, faz rezas, olha, cheira e quase irritado, sentencia:
- Porra, meu Alferes! São os Morcegos que lhe andam a cagar em cima!

Jorge Cabral

________

Notas de L.G.

(1) Vd. a última, post de 20 de Julho de 2006 > Guiné 63/74 - P974: Estórias cabralianas (12): A lavadeira, o sobretudo e uma carta de amor

(2) Vd. post de 3 de Junho de 2006 > Guiné 63/74 - P836: Estórias cabralianas (10): O soldado Nanque, meu assessor feiticeiro

(...) "Alguns dos que passaram por Bambadinca, certamente se lembrarão de ver o Nanque naquela prisão que parecia um galinheiro (1). Por minha ordem era-lhe fornecida uma cerveja diária, mas nunca lhe consegui arranjar macacos que ele gostava de comer assados (2). Não ficou muito tempo preso, pois calculem, passou a ordenança do Comandante do Batalhão…

"Quando me vim embora despedi-me do Nanque. Abraçando-me, aconselhou-me a seguir o chamamento dos tantãs… O que sempre tenho feito!" (...).

Guiné 63/74 - P1127: Em defesa dos comandos (A. Mendes, 38ª CCmds)


Guiné > Bissau > Bissalanca, base aérea de Bissau > 1966 > A primeira geração de comandos, aqui representada pelo nosso amigo e camarada Briote, ex-alf miliciano (à esquerda, acompanhado pelo Furriel Azevedo, ao centro, e o Sargento Valente, à direita). O ex-1º cabo Mendes, da 38ª CCmds, pertence à última geração de comandos que operaram no TO da Guiné (1972/74).

Foto: © Virgínio Briote (2005)


Texto do membro da nossa tertúlia A. Mendes , ex-1º Cabo Cmd da 38ª CCmds (Os Leopardos)(Guiné, Brá, 1972/74):

Amigo Luís:

Permite-me uma correcção (1): a 38ª de comandos não foi a uúltima companhia de comandos de a ser mobilizada para o TO da Guiné mas sim a CCmds 4041, formada em Lamego e que chegou à Guiné em Maio de 74 e a qual eu ainda dei a fase operacional em Teixeira Pinto.

Se me permites, gostaria de esclarecer o seguinte: trabalhei muito com a 1ª, 2ª e 3ª CCmds Africanos em todas as zonas operacionais da Guiné. Comemos da mesma ração, partilhámos a água do mesmo cantil, sofremos a mesma dor ao chorar os NOSSOS camaradas mortos. Operações duras que obedeciam a directrizes do comando de operações. E por muito duras que fossem, era nossa obrigação levá-las a cabo da melhor forma, seja lá o que isso implicasse.Os Cmds eram voluntários, sabiam ao que iam e para eles a Pátria era algo de sagrado. Empregavam nas operaçõea todo o seu saber que lhe foi ministrado num curso duríssimo.

MAS.....não eram assassinos nem criminosos de guerra, como alguns senhores aqui no blogue tentam dar a entender. De acordo ! Na guerra cometem-se excessos, mas daí a crimes de guerra...

Eu estive em toda a Guiné, do Morés ao Cantanhez.Vivi com a tropa de quadrícula dentro do arame, e também eles no contacto do dia a dia com a população local não eram nenhuns meninos de coro. Por isso, amigos e camaradas de guerra, os Cmds africanos não foram fuzilados por crimes de guerra, mas por ódio! Ódio pelo facto de terem sido fiéis à Pátria numa tropa que fez então ao PAIGC no terreno aquilo que sabia fazer melhor: derrotá-los. Isso nunca foi perdoado pelo sr. Luís Cabral. E, se atentarem bem, o ódio étnico também não esteve ausente.

RESPEITO por quem morreu pela Pátria é a única atitude possível por quem passou pelos campos de guerra.

Amigo Luís Graça, assim que puder vou-te enviar fotos e alguma documentação. Prometo-te que irei ser mais interventivo porque me parece que alguns camaradas, quando aqui escrevem, se esquecem de alguns promenores e acrescentam outros. Aproveito para saudar o amigo Briote (2).

Saudações.
A. Mendes
_______

Nota de L.G.

(1) Vd. post de 27 de Setembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1123: Um espectáculo macabro na bolanha de Cufeu, em 1973 (A. Mendes, 38ª Companhia de Comandos)
(2) O que é feito de dele ? O Virgínio Briote continuava blogando, no Tantas Vidas, pelo menos até Julho passado. Um dos posts, que li era uma evocação do IN, feita pelo heterónimo Gil com o respeito que os inimigos de armas merecem, aqui na pessoa no Nino.

Aqui vai um excerto, de um post de 15 de Julho de 2006:

(...) "Nino, sentido, porra! Uma lenda da guerra da independência. No PAIGC desde 1960, responsável por zonas de guerrilha, preso em Catió por um acaso fortuito pelas autoridades coloniais, circulava sem o recibo comprovativo do pagamento do imposto de circulação, não o das viaturas, claro. Os camaradas atentos libertaram-no logo com toda a gente a ver menos os carcereiros. Membro do bureau político do Partido logo em 64, chefiou a resistência no Como ao famoso 490 de cavalaria, foi aqui que os comandos mais antigos experimentaram a sua têmpera, de tal forma que sempre que se falava no nome dele, fosse na instrução, no Hotel Portugal, na casa da Dora, nas casas de meninas, fosse onde fosse, punham-se todos em pé, calados, em sentido. Uma praxe como qualquer outra, claro! Continuou a subir na hierarquia, responsável político-militar da frente sul, responsável nacional das operações militares. Ele próprio, em pessoa, expulsou as NT do aquartelamento de Guileje. Se alguém tinha que ser, ao menos que fosse ele. Após a independência foi comissário de Estado das Forças Armadas, Presidente do Conselho da Revolução, secretário-geral do PAIGC, até correr com o Luís Cabral, o irmão de Amílcar. Em 1999, na sequência dos acontecimentos de Casamansa, outro golpe, mas agora contra ele. Retirou-se para Portugal, Gaia, onde oficialmente residia até há pouco tempo, até que resolveu desmentir quem tinha dito que a carreira político-militar do Nino tinha acabado" (...).

Guiné 63/74 - P1126: Ranger Eusébio ou recordações do Xitole e do Saltinho (David Guimarães)

Foto: © David J. Guimarães (2005)

Texto do David J. Guimarães, ex-furriel miliciano da CART 2716, aquartelada no Xitole (1970/1972), e pertencente ao BART 2917, sedeado em Bambadinca.

Ora vamos lá a uma conversinha na nossa caserna e não nos podemos incomodar muito com este avivar de memórias, este ouvir estórias mais ou menos inflamadas, romances de guerra, etc. , etc....

Contei um dia por aí que um dos meus soldados - coitado, auxiliar de cozinheiro e nem para isso servia, enfim, gente boa e ainda vivo - escreveu para a namorada um carta em que descrevia uma grande batalha entre a Ponte dos Fulas e o Xitole. Dizia ele a certa altura no texto que eles atacaram de metralhadoras e tudo e os aviões vieram apoiar a acção... Ele tomou parte preponderante e a batalha foi ganha... Como Camões, com o episódio de Veloso em Os Lusíadas na terra dos Cafres... Bom, isso é literatura e não vamos nessa aqui... mas lembrei-me desse tão belo episódio: "Veloso amigo, essa encosta é mais fácil descer do que subir"... e a resposta que é mais curiosa.

Meus amigos, temos que aceitar estas situações de inflamadas das estórias e ter a humildade de aceitar quando elas são corrigidas por um companheiro da época... Isso é importante e marcará a nossa diferença...

E não adianta falar o que são as operações especiais, comandos e resto da tropa toda - todos sabemos ou então dormimos todos....

Penso... Calma, e agora vamos a correcções que me parecem oportunas... Tenho para demonstrar uma caderneta militar; o resto está em memória, gasta de 59 anos (...).

Queria dizer uma coisa ao Mexias Alves que por certo se recorda: a protecção às nossas colunas com aviões T6 e FIAT, nada mais era do que aquelas flagelações que eles faziam, entre Fulacunda, o rio Corubal e o Xitole, em zona de intervenção de Com-Chefe... Nada tinha a ver com as nossas colunas Bambadinca-Mansambo-Xitole-Saltinho... Daí deverá vir uma mistruara ou confusão...

Um pormenor importante... Em Maio de 1970, foi quando o BART 2917 ocupou Bambadinca e um mês tinha o outro Batalhão ido para Galomaro... A minha CART 2717 chegou ao Xitole enquadrada numa coluna. E aí já estavam os camaradas do Saltinho a chamar-me pira... e aí estava o Belarmino, querido amigo, que nunca mais vi e sei que existe (Um abraço se ele me ler!)....

Durante este espaço de trempo da comissão, O Saltinho não teve qualquer contacto com o inimigo a não ser um dia e só - um cagaço que apanharam numa tabanca que guardavam quando o IN resolveu vir lá... Mas quase nem tiros houve, ninguém se magoou, creio eu...

Em Março de 1972 é que os dois Batalhões, o de Galomaro e o de Bambadinca (Bart 2917)embarcaram para a Metrópole, não no Niassa mas sim em aviões Boeings 707 dos TAM, num total de 3... Os dois Batalhões defilaram juntos em Brá, diante do Comandante-Chefe, General Spínola... Os primeiros a embarcarem foram os de Galomaro e depois os de Bambadinca.... Numa semana foi colocada aqui a tropa toda...

Quanto ao grupo especial, também desconheço. nunca ouvi falar dele na época de 70 a 72... Entre o Xitole e o Saltinho os perigos eram bastante menores que entre o Xitole e Bambadinca.... Tangali - creio que era assim que se chamava a última tabanca à guarda do Xitole sendo que daí para a frente já pertencia ao Saltinho, e isto na estrada Xitole-Saltinho....

Em resumo: Mexia Alves, em 1971, o Niassa não trouxe esses Batalhões.... Outros sim, possivelmente, mas esses não... Aliás, eu vi quando o Nissa aportou a Bissau com tropa, estava eu a chegar de férias da Metrópole e pude ver amigos meus - que conhecia da vida civil - uns a chegar e outros a partir... Por curiosidade, um deles tinha combatido numa das Companhias de um Batalhão que esteve em S. Domingos [, na região do Cacheu].

Quanto a essas operações contadas, terás muita razão, meu amigo: foram ficção, pela certa. Mas não nos arreliemos com isso, as pessoas vivem o que dizem, são felizes, pronto...

Gostava de agora dizer uma coisa: a formação de uma Companhia - um Pelotão de Formação e Comando, e 4 grupos de Combate a três secções... Cada grupo de Combate tinha um Furriel de Minhas e Armadilhas e na Companhia havia o Pelotão Ranger em que o Alferes e o Furriel eram Rangers...

Aos Rangers era pedido que andassem como os outros; aos de Minas era que andassem como os outros e resolvessem o problema de armadilhamento do quartel, da periferias e de tomar conta das minas que de vez enquanto estavam plantadas na estrada... e não foram tão poucas quanto isso... Depois era o Furriel de Armas Pesadas que costumava ocupar-se das armas fixas - o Luís teve azar [, foi logo parar à CCAÇ 12, que era uma unidade de intervenção, não de quadrícula], outros safaram-se e nunca sairam do quratel...

Depois era a Formação e Comando com o 1º Sargento com mais um ou dois na secretaria, os Furriéis, o Enfermeiro, o Vagomestre, o Mecânico Auto e o Transmissões... (Se disse asneira emendem-me, mas era mais ou menos isto) .

Creio que o Humberto já falou aí no blogue e eu também: um dia, um grande rebentamento na ponte do Jacarajá, debaixo de uma Mercedes daquelas enormes do exército... Por lá ficou...

As provas maiores estão nos testemunhos oculares de quem viveu na altura, pronto é isso. O
romance, temos que o entender... naturalmente.

Quando eu meter água, digam. Eu não tenho por onde fugir e darei logo a mão à palmatória...´É água da bolanha...

Sei que no fim da minha comissão - já eu estava em Bafatá e dois Pelotões ficaram no Xitole com a outra CART recém chegada e com convivi um ês mais ou menos - houve, sim, aquela grande primeira porrada no Saltinho. Já pedi para me contarem, foi quando apanharam os nossos militares e creio que à mão...

Há quem me saiba esclarecer isto ? Eu aí gostaria de saber... Sei de boato e não queria contar o que não vi e da maneira que me contaram, foi mau demais... Mas houve problema, sei que houve...

David Guimarães
Ex-Furr Mil
Cart 2716
Xitole (Maio de 1970 / Março de 1972)

Guiné 63/74 - P1125: Postais Ilustrados (4): Rapaz balanta, cesteiro (Beja Santos)

Guiné Portuguesa > Postal Ilustrado > Legenda > 108. Rapaz Balanta (Bissau). Ed. Foto SERRA, C.P. 239, Bissau

Postal ilustrado enviado por Beja Santos a um familiar: (...) "Aqui fica uma recordação de uma ida a Bafatá, um menino como os muitos bondosos e meigos que tenho aqui, fazendo o que ele faz" (...). Missirá, 8 de Setembro de 1968 (?).

Bilhete postal gentilmente cedido pelo nosso camarada Beja Santos (ex-Alf Mil, comandante do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70)

__________

Nota de L.G.:

(1) Vd. posts anteriores (desta série sober postais ilustrados da Guiné):


4 de Agosto de 2006 > Guiné 63/74 - P1023: Postais Ilustrados (1): Pescadora, de etnia papel (Beja Santos)

7 de Agosto de 2006 > Guiné 63/74 - P1030: Postais Ilustrados (2): Dança nalu, Cacine (Beja Santos)

8 de Agosto de 2006 > Guiné 63/74 - P1031: Postais Ilustrados (3): Tocador fula, Bafatá (Beja Santos)

Guiné 63/74 - P1124: Fotos falantes (Torcato Mendonça, CART 2339) (2): A vida boa de Bambadinca, no tempo do Pimentel Bastos

Guiné > Zona leste > Sector L1 > Bambadinca > Mansambo > CART 2339 > 1968 > O terceiro e penúltimo Comandante da Companhia (Capitão Q. P. Moura Soares) e o Comandante do Batalhão 2852, Tenente-Coronel Pimentel Bastos, também conhecido por Pimbas.



Guiné > Zona leste > Sector L1 > Bambadinca > Mansambo > CART 2339 > 1968 > O comandante do BCAÇ 2852 em visita ao aquartelamento, em construção, de Mansambo, e à famigerada fonte (em cima) - talvez em Novembro ou Dezembro de 1968. Por motivo de doença o terceiro Cmdt da Cart 2339 foi substituído, em Dezembro de 196, pelo quarto e último Comandante, o Capitão Q. P. Laranjeira Henriques, 28 anos, 3ª Comissão no Ultramar.



Guiné > Zona leste > Sector L1 > Bambadinca > Mansambo > CART 2339 > 1968 > Material IN apreendido pelas NT.

Guiné > Zona leste > Sector L1 > Bambadinca > Fá Mandinga > CART 2339 > 1968 > Um Capitão (Lima) e três Alferes periquitos em Fá. O Capitão Lima foi o segundodos quatros comandantes que a companhia teve.


Fotos e texto: © Torcato Mendonça (2006)


Continuação da publicação do álbum de fotografias do Torcato Mendonça, que ele teve a gentileza de me fazer chegar, pelo correio, através de um CD-ROM. Chamou-lhe fotos falantes (1)

O Torcato foi Alf Mil da CART 2339, Mansambo, 1968/69.

Fotos falantes (2)

Fotos do Alf Mil Cardoso, enviadas pelo Marques dos Santos (4 fotos) (Como o Cardoso aparece em algumas destas fotos, o autor não é, logicamente, ele. Certo é terem-me sido enviadas pelo Marques dos Santos. Vou enviar-lhe uma cópia do CD).

Um Capitão e três Alferes periquitos em Fá. Este Capitão (Lima) era o 2º comandante que tivemos. O primeiro (Cap Mil Meira de Carvalho), logo em Évora, devido a doença, teve que abandonar a Companhia. Aconteceu o mesmo a um Alferes.

A outra foto é já em Mansambo: material IN apreendido pelas NT.

O terceiro Comandante da Companhia (Capitão Q.P. Moura Soares) e o Comandante do Batalhão 2852, Tenente-Coronel Pimentel Bastos.

Trata-se de uma visita ao aquartelamento, em construção, de Mansambo, e à famigerada fonte - talvez em Novembro ou Dezembro de 1968. Isto porque, devido a doença o terceiro Cmdt da Cart 2339, foi substituído, em Dezembro de 1968 pelo quarto e último Comandante. Quanto a mim o verdadeiro Comandante [da nossa CART 2339], Capitão Q.P. Laranjeira Henriques, 28 anos, 3ª Comissão [no Ultramar]!).



Tenente-Coronel Pimentel Bastos

Falemos um pouco dele. Chegamos à Guiné em Janeiro de 68. Depois de breve estadia na Capital, mandaram-nos para o Leste. Fomos para Fá, como Companhia de intervenção do BART 1904, com sede em Bambadinca – Sector L1. O seu Comandante era o Tenente-Coronel Branco.

Fizemos o treino operacional no Xime, onde estava a Companhia 1746, comandada pelo Cap Mil Vaz. Um dos Alferes era o Madaíl (já falado aqui neste Blogue). Depois fomos à nossa vida. A primeira Operação foi destruir o Galo Corubal. Louvor à CART 2339 pelo Cmdt do BART 1904.

Talvez no último trimestre de 68, o Batalhão 1904 foi rendido pelo Batalhão 2852. Era seu Comandante o Tenente-coronel Pimentel Bastos.

A 2339 estava sedeada em Mansambo, empenhada na construção do aquartelamento, a fazer patrulhas e operações, a proteger as Tabancas da zona. Por isso passávamos muito pouco tempo em Bambadinca, Bafatá ou Nova Lamego. Só lá íamos para reabastecimentos, operações ou, a Bafatá, passar um dia, como prémio por algum ronco, correio ou compra de vacas no Sonaco.

Era uma vida, em Mansambo e nas tabancas, sem o mínimo de condições – alimentares, higiénicas, médicas ou outras - que nos proporcionassem o mínimo de conforto.

Bambadinca era uma maravilha para nós. Vivia-se lá um clima de tranquilidade e de bom convívio. Para isso contribuía o Comandante e vários militares. Como a segurança era boa, estavam lá as esposas do comandante, do médico e do tenente da Secretaria.

Estive várias vezes em Bambadinca, por um dia ou dois, no intervalo de colunas, operações ou similares. Verifiquei sempre o óptimo e descansado ambiente que se vivia no Bar/Messe de oficiais e no resto do quartel. Não tive curiosidade em conhecer a povoação, instalações dentro do quartel ou outras. As minhas viagens iam até a certos locais da tabanca, acompanhado do Lali, Sukel ou outro. Tanto assim que não me recordo da escola, menos da professora ou dos comerciantes.

A calma vivida era tão boa que quando as portas batiam eu fazia um movimento. Os do Batalhão sorriam. Nós não tínhamos portas e o som era parecido a uma saída de arma pesada, coisa desconhecida para a maioria deles. Até um dia, pois! (2) ...

Voltando ao Tenente-coronel Pimentel Bastos, além de ser pessoa faladora e de óptimo trato, tentava quer ele quer a esposa e mesmo outros militares proporcionar um ambiente agradável. Como militar não o julgo e espero não o fazer com ninguém. Ele e outros eram profissionais. Muitos não estavam preparados para aquela guerra, creio mesmo que para nenhuma. Eram militares para outros desígnios. Os milicianos, sargentos e oficiais eram iguais, muitos não estavam minimamente preparados. Mas esses não tinham que estar.

Naquele tempo, de 1968 até meados de 1969, viver em Bambadinca era bom, para quem fazia a guerra na Guiné. Isso gerou o laxismo da defesa, o não tratamento das informações e não se compreenderem certos sinais do IN. Gerou-se assim, um irreal clima de confiança. Eles não atacam Bambadinca. Mas atacaram e a defesa não estava acautelada. Houve uma resposta fraca, cenas que eram evitáveis. Comportamentos correctos e determinantes pela parte de alguns militares. Outros, não cumpriram! O major pode ter dado tiros para o ar... agora berrar pelo Pimbas? Creio que não.

Nós, em Mansambo, ouvimos o ataque e pensamos ser na Moricanhe. O rádio informou: ataque a Bambadinca e a ordem de irmos, no dia seguinte, ao Batalhão. Foi o Cmdt da 2339 e dois grupos de combate pois um ficava lá. Ficou esse Grupo em precárias condições (para ser leve) no pontão, semi-destruído na estrada para o Xime (Rio Udunduma, 3º Grupo de Combate do Marques dos Santos).

Estávamos na época das chuvas. Vivia-se em Bambadinca, se bem me lembro, um mau ambiente e uma certa desorientação. Regressámos a Mansambo preocupados quer com o nosso grupo que tinha ficado no pontão quer com o que se tinha passado.

Bambadinca nunca mais foi a mesma. Este ataque deixou marcas profundas. O bater das portas começou a ter outro significado. A carreira de certos militares profissionais ficou afectada. O Tenente-coronel Pimentel Bastos ficou com a sua carreira cortada. Regressou à Metrópole em 4 de Dezembro de 1969, no Uíge. Nós, os da 2339, vínhamos lá. Pela última vez, comandou-nos porque era o Comandante Militar das tropas embarcadas.

Não falo mais sobre o ataque ao Batalhão 2852. Para terminar digo que a Administração Colonial gostou ao que aconteceu aos militares. Talvez alguns militares também.

Um dos profissionais que estava no seu posto, melhor na sua cama, na noite do ataque, fez uma operação a meu lado na zona do Xime. Foi a 1ª em que o Malan Mané serviu de guia. Deu barraca porque o Malan se perdeu e nós estávamos detectados. Mas o dito Oficial profissional estava apavorado, desorientado e não sabia o que fazer. Na reunião antes da operação sabia quando, em frente dos alferes, berrou com o Cap Mil que comandava a Companhia do Xime. O Capitão Miliciano disse-lhe:
- Meu Major, eu sou Professor do Liceu.- Voltou a dizer-lho em reunião no mato quando, e bem, regressámos ao Xime.

O Tenente-coronel Pimentel Bastos, no dia que fez 50 ou 51 anos, foi numa operação com malta da 2339. Não fui com ele porque o paludismo foi mais forte. Á volta dele estavam quatro ou cinco militares do meu grupo, houve tiroteio e ele era mais um…! Deixou resolver a situação, por quem tinha que o fazer e a isso estava habituado. No regresso, em Mansambo, disse-me calmamente:
- Não era necessária tanta gente á minha volta.
- Não sei de nada, meu Comandante.- Sorrimos, claro. Ele ainda acrescentou:
- Os rapazes merecem uns dias fora disto, temos que falar.

Não era um guerreiro, era um militar igual a tantos. Nas horas mortas era poeta. Assinava PIMBAS (3).

A última vez que o vi foi em Lisboa, no desembarque a 10 de Dezembro de 1969.

Encontrei por acaso a esposa, D. Alzira, em Lisboa e soube que o marido estava bem.
Recordo a D. Alzira (confesso que já não me lembrava do nome, vi-o no blogue) e relato um episódio que se passou comigo. Antes digo que era uma Senhora com quem gostava de falar. Geralmente, enquanto aprontavam a coluna eu metia combustível no bar e falávamos. Certo dia cheguei a Bambadinca vindo das autodefesas. Tínhamos passado uma má, uma péssima temporada. Falta de comida e bebida, tabaco, correio, roupa. Felizmente tivemos a visita do General Spínola e, passados poucos dias, fomos rendidos.

Depois do duche, de vestir roupa limpa, de me desinfectar com uma boa dose de uísques, fui ao bar. Uma bebida fresca, comer uma sandes de fiambre era um luxo. Estava lá a esposa do Comandante. Cumprimentei-a, pedi os comes e bebes, olhei para as revistas que estavam em cima da mesa. Talvez a Flama e outras da época. Vi um homem com um fato de astronauta e a legenda, não recordo, falava do homem e da Lua. A D. Alzira disse-me:
- Está a ver, o homem já andou na Lua! - Calou-se talvez devido á cara que fiz.

Confesso que pensei:
- O clima apanhou-a ou bebi demais. -Ela acrescentou:
- Na metrópole viram em directo.- Aí tive pena dela:
- Passou-se…!

O militar do bar deu-me a bebida fresca, a comida, e safou-me.
- Olhe, na minha casa nem se deitaram. O meu alferes tem estado no mato? Veja aí nas revistas.

Claro que vi e li. Acabámos a rir e eu fui, depois de mais um copo, ler o meu correio.

Eram situações caricatas. Só quem lá esteve e as viveu compreende o que valia um cigarro, uma bebida gelada, uma meia – daí – garrafa de uisque e outras coisas tão simples. Além de – isso mesmo… – uma bajuda, mesmo que já tivesse na segunda volta dos cem mil. O isolamento era terrível.

Guerra estúpida a causar sofrimento a tantos. A defender interesses de minorias poderosas, a servir as políticas de uma mão cheia de loucos. Ontem e hoje, é igual. Passado tanto tempo sofre-se ainda na Guiné e no antigo Império. Sofrem hoje outros povos, vítimas de ditadores, loucos e detentores de novos impérios. Em cada dia que passa, fruto da recordação ora trazida, da notícia lida, ouvida ou vista, aumenta em mim a repulsa da resolução dos problemas pela força das armas.

___________

Notas de L.G.:

(1) Vd. postd e 26 de Setembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1116: Fotos falantes (Torcato Mendonça, CART 2339) (1): A guerra acabou ?


(2) Vd. post de 14 de Novembro de 2005 > Guiné 63/74 - CCLXXXIX: Op Lança Afiada (IV): O soldado Spínola na margem direita do Rio Corubal (Luís Graça)

(...) "Deixem-me só lembrar que, dois meses depois desta operação, o PAIGC retribuiu a visita das NT e apareceu às portas de Bambadinca em força: mais de 100 homens, três canhões sem recuo, montes de LGFoguetes, morteiros... Esse ataque ficou célebre: os tipos de Bambadinca foram apanhados com as calças na mão, faziam quartos de sentinela sem armas; enfim, um regabofe... Claro que no dia seguinte o Caco Baldé deu porrada de bota a baixo, nos oficiais todos, do tenente-coronel (o célebre Pimbas) até ao capitão da CCS... Um caso exemplar, divertido e hilariante, da guerra da Guiné... A sorte dos gajos de Bambadinca foi os canhões s/r terem-se enterrado no solo e a canhoada cair na bolanha... Quando nós, periquitos da CCAÇ 2590 (futura CCAÇ 12), lá passámos, uma semana depois, vindos de Bissau e do Xime a caminho da nossa estância de férias (Contuboel, um mês e meio de paraíso... seguido depois de18 meses de inferno...quando fomos justamente colocados no Sector L1), os nossos camaradas da CCS do BCAÇ 2852 ainda estavam sem pinga de sangue..."Podíamos ter morrido todos", dizia-me 1º cabo cripto Agnelo Ferreira, da minha terra, Lourinhã... Fomos depois nós , para lá, com os nossos nharros, e em 18 meses nem um tirinho: que o respeitinho (mútuo) era muito bonito... Porrada, porrada, era só quando a gente se atrevia a meter o bedelho na terra deles, que já estava "libertada"... Eu faria o mesmo, na minha terra...Na história do BCAÇ 2852, o ataque a Bambadinca é dado em três linhas, em estilo telegráfico:"Em 28 [de Maio de 1969], às 00H25, um Gr In de mais de 100 elementos flagelou com 3 Can s/r, Mort 82, LGF, ML, MP e PM, durante cerca de 40 minutos, o aquartelamento de Bambadinca, causando 2 feridos ligeiros". (...)



Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > 1970 > Espectacular vista aérea do aquartelamento, tirada no sentido leste-oeste, ou seja, do lado da grande bolanha de Bambadinca.

Foto do arquivo de Humberto Reis (ex-furriel miliciano de operações especiais, CCAÇ 12, Bambadinca, 1969/71).

Foto: © Humberto Reis (2006)


(3) Vd. posts de:

1 de Agosto de 2006 > Guiné 63/74 - P1012: Operação Macaréu à Vista (Beja Santos) (3): Eu e o BCAÇ 2852, uma amizade inquebrantável )

1 de Agosto de 2006 > Guiné 63/74 - P1014: A galeria dos meus heróis (5): Ó Pimbas, não tenhas medo! (Luís Graça)

4 de Agosto de 2006 > Guiné 63/74 - P1025: Tenente-coronel Pimentel Bastos: a honra e a verdade (Luís Graça)

4 de Agosto de 2006 > Guiné 63/74 - P1028: O Pimbas que eu (mal) conheci (Jorge Cabral, Pel Caç Nat 63)

16 de Agosto de 2006 > Guiné 63/74 - P1035: Ainda sobre o Pimbas, com um quebra-costelas para o Beja Santos (Paulo Raposo)

30 de Agosto de 2006 > Guiné 63/74 - P1041: O Pimbas e os outros (Jorge Cabral)

quarta-feira, 27 de setembro de 2006

Guiné 63/74 - P1123: Um espectáculo macabro na bolanha de Cufeu, em 1973 (A. Mendes, 38ª Companhia de Comandos)

Guiné-Bissau > Região do Cacheu > Guidage > Novembro de 2000 > Aspecto da bolanha de Cufeu (vd. mapa de Binta)
Foto: © Albano M. Costa (2005)





Mensagem do nosso amigo e camarada A. Mendes, ex-1º Cabo Cmd da 38ª CCmds (Os Leopardos)(1) (Guiné, Brá, 1972/74), com data de hoje. Mantenho a forma (e o conteúdo) da mensagem, que é muito prórpia da malta mais nova e que a usa nas mensagens de telemóvel. O assunto tem ver com os nossos mortos enterrados na Guiné:




lembraste amigo luis kuando aki a 1 ano levantei essa kestao? entao algumas vozes se levantaram kritikando me.Pois e amigo Luis eu estive por dentro desses akontecimentos. No ano de 1973 na pikada de Binta para Guidaje kuando dois grupos de combate da 38 de Comandos tentavam desesperadamente passar a bolanha do Cufeu para chegar a Gidaje depararamse kom o makabro cenario de mais de uma dezena de corpos a ser festim para os abutres.JA ALI ESTAVAM a dias e ali iriam fikar.sabes ate kuando amigo Luis?

Um condutor de um unimog ke ia konosco foi vitima de uma mina nessa pikada tendo morrido.Foi o corpo dele transportado na minha viatura ate guidaje e ali ficou.Desceu a terra pelas maos dos camaradas.porke nesse tempo (março73) as evakuaçoes eram impossiveis em guidaje e kem la esteve sabe porke.Nos proprios tinhamos um kamerada sem perna ke na enfermaria(?)lutavava kontra a gangrena.

Amigo luis foram tempos dramatikos ke eu ainda hoje luto para nao me lembrar mas ke nunka vou eskecer.tenho tudo dukomentado.tou a tua e so tua disposiçao se kiseres saber algo mais.envio um grande abraço para todos os camaradas de guerra.mesmo para akeles ke kom menos rigor vao relatando as suas(?) experiencias de guerra.

A. Mendes (Um Comando na Guine)(2)

Komentario de luis graca:

Mendes: Estas registado na nossa tertulia mas kontinuo a espera das tuas duas prometidas fotos. fiko tambem a tua disposicao.escreve ke te faz bem.
___________

(1) A 38ª CCmds teve como unidade mobilizadora o CIOE - Lamego. Esteve no TO da Guiné entre Junho de 1972 e Abril de 1974. Fui a última CCmds, de origem metropolitana, a ser mobilizada para este território.

(2) Vd. post de 2 de Novembro de 2005 >

02 Novembro 2005 > Guiné 63/74 - CCLXV: Apresenta-se o 1º Cabo Comando Mendes (38ª CCmds, 1972/74)

Caro Luis Graça, camarada comando Briote:

Vou-vos falar um pouco de mim. Assentei praça no longínquo ano de 1971 no antigo RAL 1, em Outubro. Ofereci-me para os Comandos onde cheguei em Dezembro de 1971 (CIOE/ Lamego). Completei o curso em Junho de 1972, mês a que cheguei à Guiné, a 26. Iniciei a 2ª parte do curso em Mansoa, na mata do Morés, onde tive o primeiro contacto com o IN. Recebi o crachá de Comando em Agosto, com o posto de 1º cabo.

Em Fevereiro de 1974 terminei a comissão mas só regressei a Portugal em Julho de 1974. As histórias pelo meio ficam para outra altura, e tambem as fotos, neste momento tenho o scanner fora de serviço.

Se quiserem saber mais alguma coisa é só perguntarem.

Um grande abraço para todos os ex-combatentes, em especial os Comandos.

Só mais um pormenor, a minha companhia foi a 38ª Companhia de Comandos, os Leopardos.

A. Mendes

Guiné 63/74 - P1122: Todos não somos demais: Vivam os Rangers! (Joaquim Mexia Alves)

Texto do Joaquim Mexia Alves:

Li atentamente os vossos mails e quero fazer alguns comentários (1).

1 - Rangerices

Quero entender o uso do termo, mas lembremo-nos sempre que uma andorinha não faz a Primavera, ou seja, há muitos Oficiais e Furriéis das Operações Especiais, Rangers -nos quais me incluo-, a maioria, aliás, que deram o seu melhor na Guiné e em todas as frentes de combate, e que por isso merecem o respeito devido a todos que assim procederam.

Aliás, ao que sei, os Ranger's portugueses são uma tropa prestigiada e que tem dado boas provas disso em vários locais do mundo onde têm sido enviados pelo Estado Português.

Sei também, que em vários meetings militares na Europa têm sido elogiados e até recebido prémios pela sua actuação.

Repito, todos fazemos parte da mesma história, e por isso nos devemos considerar uns aos outros, o que não significa forçosamente estarmos todos de acordo.

2 - O Eusébio

Deve, pela cronologia apresentada, fazer parte do meu curso em Lamego, mas não consigo lembrar-me dele.

Pela sua estória confirma aquilo que eu já tinha pedido para ser confirmado, ou seja, que o Batalhão do Galomaro embarcou com o Batalhão de Bambadinca (ao qual pertenci) (2), no Niassa em Dezembro de 71.

Nunca ouvi falar no Xitole do tal grupo especial o que acho estranho, visto que, como sabem a ligação entre o Saltinho e o Xitole era muito estreita e constante.

Aliás, no meu tempo, se não me falha a memória o Saltinho era abastecido via Xitole.

Tanto que assim é, que uma vez fui incumbido de fazer uma coluna do Xitole ao Galomaro, via Saltinho e lembro-me que mais uma vez o Jamil Nasser me tentou dissaduir de tal, mas como isso não era possivel, à última hora apareceu com um camião, salvo o erro, de mancarra e a coluna decorreu sem incidentes.

Ora este episódio leva-me a crer que essa estrada já não seria, naquela altura tão utilizada, pois os cuidados eram muitos. Mas posso estar enganado!!!

3 - Operações de apoio a Bambadinca

Não me lembro de haver ou ter existido qualquer grupo especial vindo seja de onde for dar apoio a operações do meu Batalhão.

4 - FIATs e T6

Nunca ouvi, nunca vi, pelo menos no meu tempo, tal tipo de protecção a colunas na nossa zona.

5 - Rangers

Os Rangers tem uma associação que se chama Associação de Operações Esapeciais, sediada em Lamego e que tem um site na Net.

Só esse site responde pelos Rangers na Associação inscritos e, se por acaso essa estória foi descrita nesse site, e a mesma não corresponde à verdade - como parece não corresponder -, foi-o também na boa fé de camaradas de armas que não inventam, nem mentem sobre assuntos que custaram a vida a uns e muitos cabelos brancos, para não dizer mais, a outros.

Quando me perguntam porque fui de Operações Especiais costumo responder que fui voluntário à força, pois não foi em total liberdade que fiz tal opção o que não significa que não me orgulhe de ter pertencido a essas Forças Militares, como me orgulharia certamente de ter pertencido a quaisquer outras.

Tudo me parece muito estranho, porque às vezes a imaginação e vontade de sermos mais do que somos, prega partidas e leva a contar estórias romanceadas de algo que afinal não aconteceu.

Se for verdadeira, com certeza que o Eusébio apresentará as provas do que afirma, e penso já tarda um pouco!!!

"Todos não somos demais".

Abraço do
Joaquim Mexia Alves

__________

Nota de L.G.:

(2) Vd. os três posts anteriores, com data de hoje (P1119, P1120, P1121)

(2) BART 3873 (Bambadinca, 1972/1974)

Guiné 63/74 - P1121: Carta Aberta ao Ranger Eusébio (Paulo Santiago)

Guiné-Bissau > Região de Bafatá > Contabane > Quirafo > Feverereiro de 2005 > A fatídica GMC que serviu de caixão a muita gente no trágico dia 17 de Abril de 1972, na picada de Quirafo (entre o Saltinho, Contabane e Dulombi).

Foto: © João Santiago (2006)


Texto do Paulo Santiago:

Ranger Eusébio:

Há alguns anos, um camarada imprimiu do portal Terravista a sua história de guerra. Na altura não fiz qualquer comentário, não percebia nada de Net e de mails mas, entretanto, aprendi e daí o meu mail.

Pelas indicações que dá, o senhor pertenceu à CCAÇ, comandada pelo famigerado e incompetente Capitão-proveta Lourenço [, a CCAÇ 3490, Saltinho, 1972/74] (1). Penso que seria Furriel Miliciano, sendo o Armandinoo o Alf Mil de Operações Especiais da dita companhia.

O senhor falta à verdade em vários pontos da sua história:

1 - Não é verdade terem ficado uma noite em Bambadinca, onde eu estava: seguiram do Xime para Galomaro e aqui já não sei se pernoitaram ou seguiram para o Saltinho, via Pulom.

2 - Contrariamente ao que afirma, não tinha havido qualquer morto no Pulom. Montei muita segurança, quando do alargamento do carreiro dos djilas, o qual deu origem à picada que o senhor conheceu. Inaugurei essa picada juntamente com o Alf Mota (Operações Especiais) da [CCAÇ ] 2701 [Saltinho, 1970/72].

3 - O senhor não formou qualquer GE [Grupo Especial] (esta designação não existia na Guiné). Havia 8 militares no Pel Caç Nat 53, que fizeram algumas operações irregulares para lá da fronteira juntamente com outros, vindos de Bissau,sempre sem qualquer enquadramento de militares brancos. Este grupo foi inactivado, devido à estupidez e fanfarronice do proveta Lourenço.

4 - O senhor fala de HK47. Corrija, por favor, para AK47. Havia no Saltinho para aquele grupo de 8 militares um RPG2, que o senhor terá visto alguma vez e, por via disso, dizer que tinha um RPG7. Mais um engano.

5 - O senhor fala em muitos roncos. Pergunto: seus ou do PAIGC ?

6 -Tem uma foto com a legenda Operação Kirafo. Corrija para Quirafo. É lamentável utilizar aquele nome: além da aldrabice, o Quirafo, como sabe, evoca uma das maiores tragédias da Guiné. Devido à incompetência do seu capitão e do seu Comandante de Batalhão morreram naquele local mais de 20 pessoas, militares, milicias e civis. Morreu o seu camarada de Operações Especiais Alf Armandino, por quem o senhor deveria ter mais respeito, não inventando histórias.

Devo dizer-lhe, para lhe avivar a memória, não foi ninguém da sua companhia que correu, em socorro, para o local da emboscada. Foi o Pel Caç Nat 53, comandado pelo Fur Mil Mário Rui que não era Ranger. Esta emboscada, encomendada pelos seus comandantes, pode considerar-se um grande Ronco para o PAIGC. Junto uma fotografia da GMC, túmulo de seus camaradas, foto tirada em 2005: continua a atestar a estupidez criminosa do proveta Lourenço e do Castro Lemos (2).

O senhor queria ser herói. Não conseguiu e resolveu reescrever a história daquela época no Saltinho. É lamentável.

Santiago
ex-Alf Mil,
comandante do Pel Caç NAT 53
___________

Notas de L.G. :

(1) Vd. post anterior
(2) Castro Lemos: Julgo ser o comandante do Batalhão de Galomaro, o BCAÇ 3872.

Guiné 63/74 - P1120: O Ranger Eusébio no Saltinho: erros e omissões (Paulo Santiago)

Texto do Paulo Santiago (ex-alf mil do Pel Caç Nat 53, Saltinho, 1972/73), com data de 8 de Setembro de 2006:

Luís

Fui aos links indicados, lá encontrei as aldrabices, já vistas na página Terravista. Há gaijos com uma imaginação doentia, não pensam um dia ser desmentidos e caírem no ridículo. Quando me vieram há anos com a história do Ranger (1), logo naquela data quis fazer um desmentido, só não sabia onde e, além disso, confesso ter esquecido as façanhas até ao telefonema do Martins Julião [ex-Alf Mil, CCAÇ 2701, Saltinho, 1970/72].

Mas aos factos que eu considero falsos ou inexactos:

1 - O batalhão de Galomaro [BCAÇ 3872, Galomaro, 1972/74] não pernoitou em Bambadinca, onde eu me encontrava naquela data.

2 - Contrariamente ao afirmado na página do Ranger, não tinha morrido ninguém no rio Pulom. A picada do Pulom foi aberta, melhor dizendo, foi um alargamento do carreiro dos djilas, entre Chumael e imediações de Galomaro, onde fiz segurança com o [Pel Caç Nat] 53. Para o Saltinho era uma via de abastecimento mais segura e mais utilizável, mesmo durante as chuvas, em comparação com a via Bambadinca-Mansambo-Xitole-Saltinho. Não havia problema com minas, visto os carros do Jamil (2) e do Rachid, circularem no itinerário na maior das calmas.Coube-me a mim e ao Alf Mota da CART 2701 inaugurarmos a picada em Abril de 71 com uma ida a Bafatá, óptimo para quem estava no mato desde Outubro de 70. Desde a abertura até Agosto de 72 não houve,felizmente, qualquer incidente no Pulom.

3 - Falando verdade havia, é um facto, um grupo no Saltinho preparado para acções irregulares. Eram oito militares do 53, não foram fuzilados, por estranho que pareça,escolhidos pelo Marcelino [da Mata].É também verdade fazerem operações para lá da fronteira, juntamente com outros, vindos de Bissau,mas, sempre sem qualquer enquadramento de militares brancos. Este grupo acabou por ser desactivado, ainda no meu tempo, devido a interferências do proveta Lourenço, pensando que o grupo estava às ordens dele. Contarei o acontecido brevemente.

4 - Havia armamento do IN para aqueles oito elementos, que eu utilizei algumas vezes em operações regulares.O gaijo designa a Kalasch por HK 47, podia ter ido aos livros ver que é AK47.Também tenho uma história do Lourenço com uma AK47.

5 - Este gaijo fala dos Roncos. Esquece que o Ronco foi do PAIGC em 17 de Abril de 1972, com a tragédia do Quirafo (3). Foi a emboscada ao anoitecer em Madina Buco, hei-de contar, foi o ataque a Sincha Mamadú.

6 - Acredito que o Ranger seja da companhia do Lourenço, sabe coisas do Saltinho que batem certo. Alferes Ranger era o Armandino, por quem este senhor deveria ter respeito.

7 - A cara do tipo não me diz nada. Há uma foto de um militar branco frente a uma formatura de negros que não deve ter sido tirada no Saltinho. Deverá ser um pelotão de milícias. O armamento da foto é NT, não é IN.

Em minha opinião, há aqui erros e omissões que gostaria de ver esclarecidos (4).

Um abraço

Paulo Santiago

__________

Noat de L.G.

(1) Vd. post anterior

(2) Vd. post de 11 de Julho de 2006 > Guiné 63/74 - P952: Evocando o libanês Jamil Nasser, do Xitole (Joaquim Mexia Alves, 1971/73)

(3) Vds. posts de:


12 de Julho de 2006 > Guiné 63/74 - P955: As emoções de um regresso (Paulo Santiago, Pel Caç Nat 53) (5): O pesadelo da terrível emboscada de 17 de Abril de 1972

20 de Julho de 2006 > Guiné 63/74 - P975: As emoções de um regresso (Paulo Santiago, Pel Caç Nat 53) (7): ainda as trágicas recordações do dia 17 de Abril de 1972

21 de Julho de 2006 > Guiné 63/74 - P976: A morte do Alf Armandino e a estupidez do capitão-proveta (Joaquim Mexia Alves)


(4) Enviei em 22 de Setembro um e-mail ao ranger Eusébio, para esclarecer estes pontos (olémicos) mas até à data não obtive resposta. O e-mail não foi devolvido, o que sugere que o endereço está correcto e eventualmente activo. Eis o que eu lhe dizia:

ébio:

1. As minhas saudações, na qualidade de editor do blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné > http://blogueforanadaevaotres.blogspot.com/

2. Antes de publicar o texto do ex-Alf Mil Paulo Santiago (que esteve consigo no Saltinho), gostaria de poder ouvir e publicar também a sua opinião ou ponto de vista. Escreva-me para este endereço de e-mail: lgraca@clix.pt

Mantenhas.
Luís Graça