sábado, 21 de janeiro de 2017

Guiné 61/74 - P16975: Agenda cultural (537): "Um mergulho no Muxito", primeiro romance de Jorge Paulino, médico cirurgião; prefácio e apresentação do jornalista Mário Crespo, dia 10 de março de 2017, 6ª feira, às 18h30, no Clube Literário Chiado, Fórum Tivoli, Av Liberdade, 180, Lisboa


"Um mergulho no Muxito", de Jorge Paulino, é editado sob a chancela da Chiado Editora


1. Mensagem do nosso leitor Jorge Paulino, cm data de 7 do corrente


Exmos. Senhores,

Chamo-me Jorge Paulino e sou o autor dum livro (romance) intitulado “Um mergulho no Muxito” cujo lançamento público terá lugar em Lisboa no Clube Literário Chiado, Forum Tivoli, Avenida da Liberdade nº 180, no próximo dia 10 de Março de 2017, sexta-feira, pelas 18.30.

A obra será apresentada pelo Sr. jornalista Mário Crespo, autor do prefácio.

Uma parte da história tem lugar na Guerra Colonial da Guiné pelo que teria imenso prazer em contar com a sua presença no referido evento, caso tenham disponibilidade.

Esperando ter a honra da vossa comparência, envio-vos os melhores cumprimentos, bem como a sinopse da obra e a biografia do autor.

Atentamente,

Jorge Paulino

2. UM MERGULHO NO MUXITO (Romance), de Jorge Paulino (Lisboa, Chiado Editora, 2016)


SINOPSE

Se Joe Polk não tivesse visitado o navio-escola “Sagres” da Marinha Portuguesa, naquela tarde soalheira de 25 de Abril de 2000 no porto de Norfolk, Virginia, E.U.A., nunca teria sido sacudido pelas recordações mais amargas da sua infância atribulada em que presenciou o bárbaro assassinato dos pais. O crime, nunca esclarecido, teve lugar no então Hotel do Muxito, perto de Lisboa, precisamente no dia da inauguração da Ponte que se viria a chamar “25 de Abril”.

Com um novo e intrigante argumento, Joe decide ir em busca do seu passado e das respostas às interrogações que o perseguiram toda a vida, regressando a Portugal 34 anos depois em licença sabática pela prestigiada Universidade de Yale, onde lecciona Arquitectura.

Durante o segundo semestre de 2000 Joe vai “mergulhar” nas suas próprias recordações, tentando saber como tudo se passou e porquê, ajudado por dois amigos portugueses, uma jurista e um agente da Polícia Judiciária.

Nessa corrida contra o tempo, irá encontrar um país muito diferente do que recordava e odiava, com as contradições da sua sociedade e das suas instituições, apercebendo-se de como as circunstâncias da procura o vão modelando e transformando como pessoa.

Os meses passados em Portugal permitir-lhe-ão um estudo da Arquitectura portuguesa, aliado a uma investigação que o vai levar aos meandros das memórias mais traumáticas da guerra colonial e das instituições militares, onde abundam os pormenores sombrios relacionados com a execução dos seus pais.

A par e passo com a sua demanda, Joe irá encontrar a frustração, o desespero e a angústia, mas também a aventura, o erotismo, o amor, e a esperança que julgava perdida.


BIOGRAFIA


Jorge Paulino nasceu em Lisboa a 26 de Abril de 1958.

Cresceu em Setúbal, onde viveu com os pais até completar o liceu.

Aos 18 anos mudou-se para Lisboa para estudar Medicina, licenciando-se em 1982. Em 1983 iniciou a carreira profissional como médico, nos então Hospitais Civis de Lisboa, especializando-se em Cirurgia Geral e, posteriormente, em Transplantação de Órgãos Abdominais, actividade que hoje exerce.

Viveu um ano nos Estados Unidos da América em 1985, onde trabalhou em Investigação Médica na Universidade de Louisville, Kentucky.

Cumpriu o Serviço Militar na Força Aérea Portuguesa nos anos 80.

Doutorou-se em 2015 pela Universidade NOVA de Lisboa em Transplantação Hepática, tornando-se Professor Convidado de Cirurgia na Faculdade de Ciências Médicas.

Sempre se interessou por temas e debates políticos nacionais e internacionais. Considera-se um apreciador de Cinema e de Música, sobretudo Jazz.

Trabalha no Centro Hospitalar de Lisboa Central, no Hospital CUF Descobertas e no Centro Clínico da Fundação Champalimaud.

Vive em Lisboa com a mulher e tem dois filhos.

“Um mergulho no Muxito”, baseado em factos verídicos e ainda por esclarecer, é o seu primeiro romance e também o primeiro livro.

___________

Nota do editor:

Guiné 61/74 - P16974: Parabéns a você (1197): João Graça, Médico, Amigo Grã-Tabanqueiro

____________

Nota do editor

Último poste da série de 19 de Janeiro de 2017 > Guiné 61/74 - P16967: Parabéns a você (1196): José Crisóstomo Lucas, ex-Alf Mil Op Esp da CCAÇ 2617 (Guiné, 1969/71) e Manuel Mata, ex-1.º Cabo Apontador AP do Esq Rec Fox 2640 (Guiné, 1969/71)

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Guiné 61/74 - P16973: Inquérito de 'online' (101): Resultados preliminares: em 70 respondentes, só 1 em cada 4 estava inscrito nos cadernos eleitorais... E só 14% votou, pelo menos uma vez, em eleições legislativas, antes do 25 de Abril... Prazo de resposta: 3ª feira, dia 24, às 11h34... Queremos chegar às 100 respostas!


1ª página do "Diário de Lisboa", 26 de outubro de 1969, 4ª edição, a da noite.  O título de caixa alta revela alguma euforia, própria de um jornal diário, conotado com a oposição, dando destaque,  no próprio dia das eleições de 26/10/1969, à "grande afluência de votantes, considerada mesmo excecional em alguns pontos do País"... Pela primeira vez as mulheres, maiores ou emancipadas, sabendo ler e escrever, podiam votar, sem restrições, desde que recenseadas. No distrito de Lisboa, estavam recenseados mais de 350 mil eleitores.  E  pela primeira vez havia listas da oposição democrática em quase todos os distritos do país. Nas "províncias ultramarinas", penso que só existiam as listas da UN - União Nacional. (LG)

Cortesia da Fundação Mário Saoers | Casa Comum | Diário de Lisboa & Ruella Ramos  Pasta: 06606.144.24135 Título: Diário de Lisboa. Número: 16829,.Ano: 49. Data: Domingo, 26 de Outubro de 1969.

Citação:
(1969), "Diário de Lisboa", nº 16829, Ano 49, Domingo, 26 de Outubro de 1969, CasaComum.org, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_7627 (2017-1-20)


1. Às 00h15 de hoje, a 4 dias e meio de fecharmos o nosso inquérito desta semana, temos um já razoável número de respostas: 70. A tendência da votação dos nossos leitores mantém-se: mais de 2/3 da malta, da "nossa malta" (ex-combatentes da guerra colonial na Guiné), não estava inscrita dos cadernos eleitorais, não recebia o boletim de voto para votar e, portanto, também não votava...

Muitos de nós tínhamos idade (e demais condições) para votar nas eleições legislativas de 1969 e de 1973... Não falo já da anterior, 1965..., a primeira de que me lembro.

Um em cada dez de nós, mesmo recenseado, nunca votou antes do 25 de Abril, é uma das conclusões que já se pode tirar deste "inquérito de opinião".

A verdade é que, com a morte política de Salazar e a "primavera marcelista",  houve uma onda de ar fresco que percorreu, saudavelmente, a sociedade portuguesa, ou pelo menos alguns dos segmentos da população mais esclarecida, informada e consciente das grandes mudanças que se estavam a operar (em Portugal e no mundo)... O país estava em guerra... lá longe, e essa realidade não chegava aos jornais, à televisão e à rádio... No entanto, o país dos 3 Fs (Fado, Futebol e Fátima) mexia como um vulcão adormecido...

A malta nova começou a interessar-se pela "coisa pública", pela política, ou mesmo é dizer, pelo exercício da cidadania, daí ter  havido campanhas da(s) oposição(ões) democrática(s) para os portugueses se recensearem, nomeadamente nas cidades e vilas mais importantes...

A abertura política, com o marcelismo, era um incentivo à participação cívica, de há muito bloqueada com o salazarismo. Desde que se fosse cidadão português, maior (ou emancipado) e se soubesse ler e escrever, qualquer um, homem ou mulher, podia doravante inscrever-se no recenseamento. "Bastava", para tanto, fazer um requerimento, em papel comum, de 25 linhas, dirigido ao presidente da comissão de recenseamento eleitoral do concelho (ou bairro) de residência...

Mas foi sol de pouca dura, mesmo que em 26/10/1969 tenham sido eleitos alguns deputados reformistas que irão constituir a "ala liberal" da União Nacional (rebatizada logo a seguir, em 1970, como  ANP - Acção Nacional Popular), na Assembleia Nacional, entrando em choque com os ultraconservadores, como o Casal Ribeiro, por exemplo.

A "questão do ultramar" foi, de resto, um dos temas fracturantes da campanha eleitoral. Alguns cartazes de propaganda da União Nacional são, a esse respeito, elucidativos:

(i) "Portugal repudia o abandono do Ultramar apoiando os que defendem a integridade da Pátria. Vote na acção de Marcello Caetano, vote na lista da UN";

(ii) "Mulheres, mães de Portugal dizei não aos que querem vender o nosso ultramar"...

2. O que me surpreende, na resposta ao nosso inquérito desta semana, a avaliar pelos resultados preliminares, é a proporção de malta que estava recenseada (24%)...

Se calhar, o processo era também feito por "via administrativa", já não me recordo bem: os funcionários públicos e os militares do QP [, Quadro Permanente,], pelo menos, deviam ser inscritos "automaticamente"... Seria assim?

Tanto quanto me lembro, eu inscrevi-me na comissão de recenseamento eleitoral concelhia, que funcionava, se não erro, na câmara municipal, com 21 anos, em 1968, antes de ser chamado para a tropa e depois mobilizado para a Guiné, com 22 anos...

Daí ter recebido o boletim de voto em Bambadinca, para votar em 26/10/1969... É verdade, o "patrão" sabia onde eu estava... E a lei "cumpria-se" naquele tempo... Os burocratas lá encaminharam o meu boletim de voto, que  deve ter andado uns bons quilómetros até chegar ao meu SPM, o pioneiro código postal militar!... Não faço ideia onde foi impresso o boletim, se em Lisboa, se em Bissau...

Eis a desagregação das 70 respostas (resultados preliminares, às 00h15 do dia 20/1/2017):


1. Não estava recenseado, pelo que nunca votei > 48 (68%)


2. Estava recenseado, mas nunca votei > 7 (10%)


3. Estava recenseado e votei, pelo menos uma vez > 10 (14%)


4. Não sei / não me lembro > 5 (7%)


Total de respostas (provisórias) > 70 (100%) 


II. Espero que apareçam mais relatos sobre o que se passava a nível de companhia no que diz respeito à participação dos militares nas eleições legislativas... 

Até agora só se falou de duas companhias africanas: a CCAÇ 12 (Bambadinca, 1969/71) e a CCAÇ 5 (Canjadude, 1968/70)... Na CCAÇ 12, havia 3 inscritos; na CCAÇ 5, nenhum... Mas estas companhias tinham um número reduzido de pessoal metropolitano (só os graduados e os especialistas, cerca de 1/3 do total, sendo as praças oriundas do recrutamento local)...

Esperamos também às 100 respostas, na terça-feira, dia 24, até às 11h34.




1ª página do Diário de Lisboa, 29 de outubro de 1973, no dia seguinte
à realização das eleições para a XI Legislatura da Assembelia Nacional. A única lista candidata foi a da ANP - Acção Nacional Popular. As oposições retiram-se. O tom do jornal já não é de euforia... O regime endureceu e a repressão abateu-se sobre as oposições...  (LG)

Cortesia da Fundação Mário Saoers | Casa Comum | Diário de Lisboa & Ruella Ramos 
Pasta: 06819.169.26526 | Título: Diário de Lisboa. Número: 18265,.Ano: 53. Data: Segunda, 29 de Outubro de 1973.

Citação:
(1973), "Diário de Lisboa", nº 18265, Ano 53, Segunda, 29 de Outubro de 1973, CasaComum.org, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_5340 (2017-1-20)
________________

Nota do editor:

Último poste da série > 19 de janeiro de 2017 > Guiné 61/74 - P16968: Inquérito de 'online' (100): Resultados preliminares: em 52 respondentes, só 15 estavam recenseados, mas só 10 votaram pelo menos uma vez, antes do 25 de Abril, em eleições legislativas

Guiné 61/74 - P16972: Notas de leitura (921): “De África a Timor, uma bibliografia internacional crítica (1995-2011)”, por René Pélissier, Edições Húmus, 2014 (1) (Mário Beja Santos)



1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 13 de Novembro de 2015:

Queridos amigos,
Foi graças ao Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto que se fez a compilação das recensões de René Pélissier num conjunto de publicações, tais como Análise Social, África Hoje e História, entre outras. Volume denso, procurei catar obras e autores que nos passam despercebidos, desde edições estrangeiras que não chegam ao nosso mercado até edições de autor que só por um bambúrrio da sorte é possível encontrar.
Pélissier é historiador notado e um maratonista sem rival quanto a recensões de obras que abarcam os séculos XIX e XX, centro dos seus estudos. Trata-se de um inesgotável potencial de informação acompanhado da bibliografia por autores, temas e regiões. Obra indispensável para os fanáticos de leituras dos nossos dois últimos séculos de império.

Um abraço do
Mário


De África a Timor: uma maratona de livros por René Pélissier (1)

Beja Santos

Como soe dizer-se, René Pélissier é um nome gigante da historiografia da colonização portuguesa. Os seus trabalhos pioneiros sobre a evolução político-militar das colónias portuguesas dos séculos XIX e XX são incontornáveis, nenhuma investigação é possível sem esta referência obrigatória no campo do conhecimento. Acresce que ele vence toda a concorrência na recensão de obras sobre todo o antigo império português. “De África a Timor, uma bibliografia internacional crítica (1995-2011)”, por René Pélissier, Edições Húmus, 2014, é uma amostra do trabalho deste maratonista a quem se deve a mais completa revisão da bibliografia do nosso antigo império. Este volume acolhe as recensões feitas em várias revistas portuguesas a quem devemos, até 2005 cerca de 3 milhares de recensões sobre a mesma época histórica (1800-2005).

É completamente inviável fazer-se aqui um levantamento das cerca de 650 páginas do volume, abordarmos todas as guerras, todo o processo colonial e toda a descolonização, avançam-se com alguns exemplos que vão certamente aguçar o interesse de quem gosta destas leituras e sentir que ainda há muito autores a descobrir para formarmos uma opinião tão esclarecida quanto possível sobre o tema colonial que nos apraz investigar. René Pélissier fala de autores e obras que não passam pelas nossas livrarias. É o caso de Planting Rice and Harvesting Slaves, Transformations along the Guinea-Bissau Coast, 1400-1900, por Walter Hawthorne, e tece as seguintes considerações:
“Para a Guiné-Bissau, os historiadores ficarão contentes por tomarem contacto com o primeiro estudo aprofundado de uma etnia local examinada ao longo de 500 anos. Na verdade, inicialmente, é visível uma certa ingenuidade do autor, ao acreditar em tudo o que escreveram os pundits (eruditos) a propósito da não participação das sociedades sem estado no comércio de escravos em África. Trata-se de puras bizantinices académicas. Mas Walter Hawrthorne demonstra magistralmente que os Balantas não foram só vítimas, mas, também eles, negreiros, a fim de se abastecerem de armamento indispensável à sua própria defesa. A economia do tráfico de escravos exigiu um reforço da população e de um produto para a alimentação desse excesso populacional (o arroz). Contrariamente ao clichés lançados por este ou aquele perito, que não vê mais além do que a ponta do seu nariz e extrapola, em seguida, para o conjunto das situações, tentando assim construir uma reputação de teórico, o comércio de escravos não conduziu sempre a uma diminuição da população em todas as sociedades que neles estiveram desenvolvidas. Os Balantas estiveram entre elas. Com um impressionante conhecimento das fontes portuguesas, escoradas por entrevistas no terreno, o autor, que conhece não apenas o português, mas igualmente o crioulo, o guineense e a língua Balanta, elabora um trabalho universitário de alta qualidade”.

Tenho dito repetidamente que há muitas peças para juntar, muitas edições de autor ou obras mal divulgadas, e a Guiné não é caso raro. René Pélissier fala-nos da monografia da CART 731, Guiné 1964/1966, obra de descrição minuciosa, e adianta os seguintes elementos:
“Estacionada sobretudo em Farim, e atuando no início da guerra, operou essencialmente entre muçulmanos. É uma obra que merece ser mencionada pela excelência dos mapas. Trata-se de uma documentação que devia ser multiplicada por 100 para que tivéssemos, finalmente, uma história completa da guerra colonial. Há poucas hipóteses de que veja a luz do dia em 20 volumes”.

E voltamos a outros autores que desconhecíamos inteiramente. De novo René Pélissier na primeira pessoa:
“Saltemos agora até à Guiné-Bissau, onde, para começar, dois escandinavos, um dinamarquês e uma islandesa, se debruçam sobre os problemas da juventude local. Henrik Vigh aborda, na perspetiva da antropologia social um problema bem delimitado: porquê, como e com que resultados um adolescente pobre, marginal e violento se alista numa milícia paramilitar – os Aguentas, 1998-1999, para apoiar o presidente Nino Vieira? Após um inquérito de 16 meses, realizado entre 2000 e 2003 em Bissau, em particular em Bandim (etnia Papel) e em Praça, a parte antiga da cidade) o autor sabe o suficiente para responder à questão formulada e as suas conclusões não são animadoras. A Guiné-Bissau é um país sem esperança, em que a única aspiração de um jovem ocioso é emigrar para a Europa e, prioritariamente, para Portugal (Henrik Vigh, Navigating terrains of war. Youth and soldiering in Guinea-Bissau, Berghahn Books, Oxford, 2006).
Quanto à antropóloga islandesa, Jónina Einarsdótttir, encontramo-la como autora de um capítulo do livro Navigating youth, genarating adulthood. Social becoming in na African context, Nordiska Afrikainstitutet, Upsala, 2006. Ela estuda a situação entre os Papéis no epicentro sangrento da resistência local durante a quarta campanha de Teixeira Pinto. Ela não se enreda em referências históricas que, no entanto, lhe teriam permitido saber que em 1915, no Biombo, se registou uma tal sobremortalidade masculina que foram precisas décadas para restabelecer o equilíbrio entre os dois sexos. O texto está repleto de histórias pessoais e a autora, que conhece melhor do que ninguém as questões relacionadas com a adoção e criação dos jovens de etnia Papel, aproveita para denunciar a Convenção dos Direitos da Criança como nefasta, se aplicada universalmente. Provavelmente tem razão, mas quem é que em Genebra ou em Manhattan se preocupa com os jovens Papéis?”.

E no mesmo contexto de recensões traz-nos mais uma novidade: Contos navais, da autoria de um ex-oficial da Marinha Portuguesa, que publica na sua língua, mas nos Estados Unidos: Joaquim Chaves Ubach, "Contos Navais", Xlibris Corporation, EUA, 2006. Este antigo oficial comandou lanchas de desembarque entre 1965 e 1967. “A impressão que ressalta da sua leitura é que o PAIGC, sendo extremamente bem equipado com peças de artilharia, bombardeava sem muito perigo as embarcações portuguesas. As datas são pouco precisas e é de admirar que, uma geração depois dos factos, a Armada não tenha ainda publicado uma história global das suas atividades, e não apenas as dos fuzileiros, mas também as de todas as unidades de alto-mar (esta situação encontra-se presentemente superada depois de recentes publicações da Academia da Marinha, importa dizer)”.

Continua
____________

Nota do editor

Último poste da série de 16 de janeiro de 2017 > Guiné 61/74 - P16957: Notas de leitura (920): “O fim da guerra na Guiné”, por Carlos Alberto G. Martinho, Chiado Editora, 2015 (Mário Beja Santos)

Guiné 61/74 - P16971: In Memoriam (276): o 1.º cabo sapador Glória, CCS/BCAÇ 3872, Galomaro, 1971/74, um tripeiro de gema: até sempre, camarada ! (Juvenal Amado)


Foto nº 1 > O pelotão de sapadores da CCS/BCAÇ 3872 (Galomaro, 172/74)  a bordo do T/T Angra de Heroísmo, a caminho da Guiné. O Glória é o 4.º a contar da esquerda, na fila na frente, e está sentado. Foto do ex-fur mil António Maria Fernando, o 1.º em pé a contar da direita.


Foto nº 2 > Galomaro: o meu abrigo e o espaldão da MG 42


Foto nº 3 > Capela de Galomaro, construída em 1973 pelo pelotão de sapadores

Fotos (e legendas): © Juvenal Amado (2017). Todos os direitos reservados. [Seleção, edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. Mensagem de ontem à noite, enviada pelo Juvenal Amado (ex-1.º Cabo Condutor Auto Rodas da CCS/BCAÇ 3872, Galomaro, 1971/74), autor do livro "A Tropa Vai Fazer de ti um Homem" (Lisboa, Chiado, Editora, 2016):

Caros camaradas,  
Recebi esta notícia e que outra coisa poderia fazer senão homenagear este camarada, senão transportá-lo para aqui e aqui descansar à sombra desta Tabanca  Grande, que se construiu a partir das vivências e memórias que nos unem para sempre.

Daqui endereço os meus mais sentidos pêsames à família e amigos

Até sempre, Glória
Juvenal Amado



2. In memoriam > O Glória, o inesquecível 1.º cabo sapador Glória

por Juvenal Amado [foto à esquerda]

O 1.º cabo sapador Glória, natural da zona ribeirinha do Porto, era, como o costume dos naturais dessa cidade, orgulhoso da sua naturalidade, o que gerava grandes discussões com quem era de outras, bem como de outros clubes de futebol etc.

Com ele fiz colunas, serviços de reforço, partilhei mesa no refeitório e joguei à “sueca” muitas vezes, o que era uma animação.

Na noite de 1 de Dezembro de 1972, quando Galomaro foi violentamente atacado ao arame, estávamos nós, os dois, mais o Costa também sapador e o Confraria operador STM, embrenhados numa animada partida desse popular jogo na cantina . Normalmente dez riscos e a equipa ganhadora recebia duas cerveja pagas pela a equipa que perdia. Não é preciso explicar muito sobre as bocas de quem com regozijo ganhava e o desgosto de quem perdia.

O 1º cabo sapador Glória
Mercê da divisão de alojamento pelos diversos abrigos, muitos dos nossos tempos livres eram passados com quem nos era mais próximo e por conseguinte, embora nos conhecêssemos bem, o nosso relacionamento era esporádico.

Mas estar onde ele estava era sempre uma animação, pois as discussões em voz alta eram constantes. Não era por mal, era do seu feitio expressar-se e defender-se com a voz muitos pontos a cima dos decibéis normalmente utilizados e aconselhados. Assim a gritaria, que se ouvia vinda do abrigo dos sapadores era sempre constante e por vezes, até bem tarde. A malta ria-se, pois eles eram capaz de discutir numa coluna.

Mas atentem, que eram três ou quatro assim e que, não eram discussões que alguma vez pudessem descambar a agressões, pois nunca eram desse cariz. Chegava a ser discutir por discutir como quem teima.

Uma vez as discussões e berros, já noite fora, eram de tal ordem, que o coronel Castro e Lemos levantou-se da cama e em roupa interior, atravessou a parada para se inteirar do barulho e mandar calá-los.

Foram motivo da galhofa geral e era frequente na cantina quando havia mais barulho, o “estofador” dizer em ar de gozo: “ Ó!! meus meninos, querem ver que me tenho que pôr em cuecas para vos mandar calar”? A boca servia para eles e para os outros, que também faziam barulho que se fartavam. As discussões acaloradas não eram exclusivas dos sapadores.

O pelotão de sapadores era usado para além do trabalho de linha, também lhes cabia a eles os trabalhos de consertar os telhados, uma parede, um muro etc. Ao trabalho deles se devem as alterações estéticas, que o quartel de Galomaro foi sofrendo desde que chegamos até à nossa partida, acabando por sua livre iniciativa construir a capela, que o quartel nunca tinha até aí tido. Até aí o padre Nuno realizava o culto numa arrecadação, que já tinha servido de morgue e depois serviu para alojar parte dos camaradas do Dulombi após a retracção daquela companhia, que foi dividida entre a CCS, Cancolim e Nova Lamego ou Piche.

No dia a seguir ao ataque, lá estava o Glória a mudar as coberturas de zinco do refeitório e a mandar umas bocas para o outro sapador, que estava a tapar um buraco de RPG numa parede.

Bem, no fim do dia podia-se jurar, a pés juntos, que não tinha havido ataque nenhum, de tal maneira foi rápido o conserto que, por mais que eu peça aos meus camaradas de companhia, não há uma única foto sobre os estragos a não ser os do abrigo da MG 42 e do meu próprio abrigo.

Mas os sapadores eram também utilizados em picagens, em patrulhas nocturnas e assim o Glória mais os seus camaradas de pelotão, acabaram mesmo por serem enviados para Buruntuma já em 1974, a pouco tempo do nosso regresso, para minar zonas circundantes desse destacamento onde, após Copá, era esperado um grande ataque, que acabou por acontecer em Canquelifá na forma de foguetões.

Soube agora, por um camarada sapador, que o Glória morreu no princípio deste mês.
Nunca mais o vi desde o nosso regresso, mas lembrava-me muitas vezes dele tanto, que do pelotão dele só me lembro do nome de mais dois ou três.

É assim, vamos ficando menos. Faço votos que a terra lhe seja leve e que descanse em paz junto com os que nos deixaram, mas que vivem na nossa memória. Os meus mais sentidos pêsames à família e a todos que com ele privaram.
___________

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Guiné 61/74 - P16970: Em busca de... (272): Meu avô paterno, português, de seu nome Armindo da Luz (ou Cruz?) Ferreira, ex-1.° cabo n.° 300, 1.° Batalhão Expedicionário do RI 11 (Cabo Verde, Ilha do Sal e Ilha de Santo Antão, junho de 1941 - dezembro de 1943)... (Albertina Gomes, médica, Noruega)


O navio a vapor "João Belo" que transportou, em junho de 1941, o pessoal do 1.º batalhão  expedicionário do RI II (Ilha do Sal, 1941/43)


Cabo Verde >Ilha do Sal > 1942 > O Feliciano Delfim Santos (1922-1989), 1.º cabo, 1.ª Companhia, 1.º Batalhão, RI 11, à direita, com outro 1.º cabo, de que se desconhece a identidade.

Fotos (e legendas): © Augusto Silva Santos (2012). Todos os direitos reservados. [Edição: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. Mensagem da nossa leitora Albertina Gomes, médica, a viver e a trabalhar na Noruega:

Data: 19 de janeiro de 2017 às 08:39

Assunto: Procuro dados ou família do ex-1°cabo n° 300 /1° Bat Exp do RI 11, Cabo Verde em 1941-1944

Sr. Luís Graça,

Com muito respeito venho por este meio contactar o senhor após ter lido o seu blog onde relata sobre o seu amigo e pai que foi um ex-expedicionário a Cabo Verde na II Guerra Mundial.

O assunto me interessa bastante assim como ao meu pai que ė filho de um ex-expedicionário a
Cabo Verde na mesma altura que o seu pai permaneceu nesse arquipélago.

Vou me apresentar: Albertina da Conceição Gomes, médica patologista, residente em Noruega, filha de Armindo Maria Gomes.

Estou à  procura de algum dado que me leve a conhecer mais a história ou família do meu avô paterno. As únicas informações que o meu pai, com 74 anos, tem do pai dele são estas:

(i) Armindo da Luz Ferreira, ex- 1° cabo n° 300,
companhia 11 [?], no período 1941-1944 (1943?)

(ii) foi colocado na Ilha do Sal (na altura tinha 21 ou 22 anos);

(iii)  meses antes do regresso a Portugal, esteve na Ilha de Santo Antão com a minha avó e o meu pai, na altura meu pai tinha 16 ou 18 meses.

Foi o pai dele que lhe pôs o nome de Armindo e que em casa devia ser chamado por Salvador (em honra do irmão mais velho do meu avô).

Numa das viagens que o meu pai fez a São Tomé,  conheceu um médico que foi grande amigo e ex-companheiro de serviço em Cabo Verde. Segundo esse amigo, o meu avô se chamava ou chama Armindo da Cruz Ferreira. Quando o meu pai viajou a Portugal, na tentativa de conhecer o pai,  não encontraram nenhum registo com esse nome de Armindo da Cruz Ferreira.

Agradeceria se pudesse ajudar-me em encontrar alguma pista do meu avô ou família.

Saudações,
Albertina Gomes.


2. Resposta do editor:

Cara amiga e doutora Albertina Gomes: as minhas melhores saudações, e votos de que  consiga as informações que procura, incluindo o contacto da família do seu avô, aqui em Portugal e em Cabo Verde. Da nossa parte, ficamos muito sensibilizados pela sua mensagem. Vamos ver em que é pudemos ajudar.

Temos um camarada nosso, membro deste blogue, Augusto Silva Santos, cujo pai, Feliciano Delfim dos Santos, era também 1º cabo e pertencia ao 1º  batalhão do Regimento de Infantaria nº 11 [, RI 11, de Setúbal, ] que esteve na Ilha do Sal, com passagem pelas ilhas de  Santiago e Santo Antão, entre 1941 e 1943. Veja aqui, se é que não viu já. o nosso poste P9674 (*).

Vou pô-la em contacto com o meu camarada Augusto Silva Santos, ele poderá ter mais informação do que aquela que publicou no poste P9674. Infelizmente, o pai do Augusto, já morreu, em 1989. (Nasceu em 1922, deveria pois ser da mesma idade do seu avô Armindo, e seguramente que se conheciam, e muito provavelmente até pertenciam à mesma companhia, 1 ª; em princípio, um batalhão tem 4 companhias, de cerca de 150/160 homens cada uma: a companhia do seu avó deve ser a 1ª e não a 11ª, que em princípio não existiria). O percurso do Feliciano Delfim deve ter sido o mesmo: ambos eram 1ºs cabos, embora pudessem não ter a mesma especialidade.

Vejamos, sumariamente, o que diz o meu camarada a respeito da vida na tropa do pai dele:

(i) nasceu em 1922, em Lisboa;

(ii) terminou a recruta em julho de 1940, no RI 11, Setúbal;

(iii) frequentou posteriormente a escola de cabos;

(iv) foi 1º  cabo, com a especialidade de Observador Telemetrista;

(v) foi mobilizado para fazer parte do 1º Batalhão Expedicionário do RI 11 (Setúbal)  / 1ª Companhia, com destino à então colónia de Cabo Verde, durante o período da 2ª guerra mundial;

(v) em meados de junho de 1941, já com mais de um ano de tropa, embarcou no navio a vapor "João Belo", tendo desembarcado na cidade da Praia, ilha de Santiago, a 23 do mesmo mês;

(vi) o Batalhão viria a ser colocado na ilha do Sal, a mais inóspita de todas as ilhas do arquipélago, "onde já não chovia há 5 anos, não havia árvores, água potável, fruta, e legumes frescos";

(vii) transitou também por outras ilhas  (Santo Antão e S. Vicente), onde a água potável para consumo diário era igualmente racionada (não chegando a um cantil) e, para banhos, só havia água salgada;

(viii) dos cerca de mil  homens que inicialmente compunham as forças do RI 11 (1º batalhão  mais a companhia de comando regimental), no final só viriam oficialmente a regressar à metrópole,  incorporados no mesmo, cerca de 500: morreram na missão perto de 20 militares (todos eles por doença), e os restantes foram regressando antecipadamente por baixa médica, na sequência das mais diversas doenças (escorbuto, tifo, paludismo, anemia, disenteria, tuberculose, doenças venéreas, etc.);

(ix) regressou à Metrópole  no início de dezembro de 1943, e a passagem à disponibilidade (, ou seja, à vida civil) foi no final do mesmo mês, ao fim de uma comissão de serviço de 30 meses (dois anos e meio: junho de 1941 / dezembro de 1943).

Cara Albertina, entre estas duas datas (junho de 1941 e dezembro de 1943), nasceu o seu pai, que esteve com o seu avô e a sua avó na ilha de Santo Antão, "meses antes do regresso a Portugal"; se o seu pai tinha 16/18 meses, o seu avô deve ter conhecido a sua avó no ano de 1942, e muito provavelmente na ilha do Sal (onde o 1º batalhão expedicionário do RI 11 passou a maior parte do tempo, se não mesmo a totalidade).

A sua avó será da ilha de Santo Antão, o seu avô deve ser do sul de Portugal, talvez Alentejo, ou até de Lisboa (como o Feliciano Delfim), tendo sido mobilizado pelo RI 11, de Setúbal.

Deixe-me ser sincero consigo: a probabilidade de o seu avô  ainda estar vivo é pequena, tendo em conta o ano do seu nascimento e a esperança média de vida da sua geração, embora eu ainda conheça alguns, raros, homens desse tempo... O meu pai, nascido em 1920 e também mobilizado nessa época para o Mindelo, por exemplo, morreu aos 92 anos, mas ainda tem um camarada vivo, com cerca de  97 anos, com quem costumavam ir aos convívios anuais do pessoal expedicionário  do RI 5,  nas Caldas da Rainha.

Também o Feliciano Delfim Santos "na sua passagem por aquelas terras, chegou a viver maritalmente com uma local, de seu nome Maria Helena Almeida, de quem viria a ter um filho chamado Fernando Almeida Santos" (...). Ambos faleceram prematuramente por doença, muito provavelmente na sequência da seca e da fome que assolaram  tragicamente  as ilhas naquela época. (*)

O pai do meu amigo e camarada Augusto Silva Santos morreu, precocemente, aos 66 anos, reformado como  civil da Marinha de Guerra portuguesa. 

Quanto ao meu pai,  Luís Henriques (1920-2012), também ele era 1º cabo, tendo estado como expedicionário,  nesta época,  em Cabo Verde,  no Mindelo, ilha de São Vicente, mas pertencia a outra unidade, o 1º batalhão do RI 5, Caldas da Rainha.  Portanto, não é uma boa pista para chegar ao paradeiro do seu avô Armindo. A maior parte das forças expedicionárias, mobilizadas para Cabo Verde, na II Guerra Mundial, concentravam-se no Mindelo.

Haverá mais informação a explorar no Arquivo Histórico Militar, do Exército Português, em Lisboa, mas de momento não tenho qualquer disponibilidade para passar por lá e fazer mais pesquisas na Net. A informação que  partilhamos consigo é toda ela oriunda do nosso blogue.

Outro camarada nosso que poderá ajudar a dra. Albertina Gomes é o Adriano Miranda Lima, natural de Mindelo, São Vicente, coronel de infantaria na reforma, residente em Tomar, que tem escrito no nosso blogue e noutros blogues sobre este período e as tropas expedicionárias portuguesas. Vou pô-la também em contacto com este camarada e com o nosso colaborador permanente, José Martins, que tem informação preciosa sobre os nossos mortos desta época (**) bem como sobre o dispositivo militar em Cabo Verde (***).

Para já, tudo indica que o seu avô tenha regressado vivo a Portugal. Para localizar a família, era importante saber a terra ou região da sua naturalidade.

Segundo o trabalho de pesquisa do nosso camarada José Martins, o número total de expedicionários metropolitanos em Cabo Verde, durante a II Guerra Mundial, era superior a 6300, mais de metade dos quais (cerca de 53%) estavam concentrados numa só ilha, a ilha de São Vicente, dado o seu interesse estratégico (porto atlântico ligando a Europa com a América Latina, a par dos cabos submarinos, na baía do Mindelo). O resto distribuía-se pela ilha do Sal (35,3%) e pela ilha de Santo Antão (11,8%). No Sal, o RI 11 tinha mais de 1100 homens (1 batalhão mais comando e serviços). Os batalhões do RI 5, RI 7 e RI 15 (uma parte)  estavam em São Vicente (e outra  parte do batalhão do RI 15 em Santo Antão).

O seu avô paterno, Armando da Luz Ferreira (ou Cruz Ferreira...) deve ter passado a maior parte do tempo na então inóspita ilha do Sal.

É tudo o que, por enquanto, lhe podemos "oferecer". Vamos responder-lhe por email, para lhe dar os contactos acima referidos. Disponha deste blogue para levar a cabo (e dar conta de) as suas diligências na pesquisa da sua história familiar (****).

Boa saúde, bom trabalho. (LG)
___________

Notas do editor:

(*) Vd. poste de 29 de março de  2012 >  Guiné 63/74 - P9674: Meu pai, meu velho, meu camarada (27): Feliciano Delfim dos Santos (1922-1989), ex-1º cabo, 1º Comp /1º Bat Exp do RI 11, Cabo Verde (Ilhas de Santiago, Santo Antão e Sal, 1941/43) (Augusto S. Santos)

(**) Vd. poste de 21 de agosto de 2012 > Guiné 63/74 - P10284: Meu pai, meu velho, meu camarada (31): Expedicionários em Cabo Verde, mortos entre 1903 e 1946 e inumados nas ilhas de São Vicente e Sal (Lia Medina / José Martins)

(***)  20 de agosto de 2012 > Guiné 63/74 - P10282: Meu pai, meu velho, meu camarada (30): Dispositivo militar metropolitano em Cabo Verde (Ilhas de São Vicente, Santo Antão e Sal) durante a II Grande Guerra (José Martins)

(****)  Último poste da série > 3 de outubro de 2016 > Guiné 63/74 - P16553: Em busca de... (272): Major inf (hoje possivelmente cor inf ref) Carlos Graciano de Oliveira Gordalina... O meu pai, antigo fuzileiro do DFE 12, encontrou há anos umas tábuas de madeira exótica (talvez alguns salvados) com o seu nome pintado a branco... Sabemos que este oficial foi secretário da direção da Liga da Multissecular Amizade Portugal - China, em 2011/14 (Rui Ribolhos)

Guiné 61/74 - P16969: Agenda cultural (536): Lançamento do livro "O General Eanes e a História Recente de Portugal - II Volume", por M. Vieira Pinto, Âncora Editora, apresentação do Embaixador Francisco Henriques da Silva, dia 25 de Janeiro de 2017, às 15,00 horas, no Museu do Combatente, Forte do Bom Sucesso, Lisboa (Manuel Barão da Cunha)

C O N V I T E



3 anos após a publicação do I volume do livro "O General Ramalho Eanes e a História Recente de Portugal", M. Vieira Pinto[1] lança o II Volume, no dia em que o General comemora o seu 82.º aniversário. 

A obra será apresentada pelo Embaixador Dr. Francisco Henriques da Silva e pela Mestre Sílvia Torres. 

A sessão, integrada nas comemorações do 8.º aniversário do Programa Fim do Império, terá lugar no próximo dia 25 de Janeiro, quarta-feira, às 15:00 horas, no Museu do Combatente, Forte do Bom Sucesso (junto à Torre de Belém), Lisboa. 

 «Ramalho Eanes, que estava em serviço em Angola, não participou no movimento do dia 25, mas sendo imediatamente chamado a Lisboa, foi, usando o seu prestígio e autoridade pessoais, um agente fundamental da evolução para a nova constitucionalização de Portugal, impedindo o triunfo dos extremismos e apoiando a entrega do poder ao eleitorado. Pondo de lado pequenos incidentes, pelo prestígio militar, e sabedoria ganha no conhecimento vivido da maior parte do findo império, foi conduzido pelas Forças Armadas aos mais altos postos, destacando-se, nesse processo complexo, ter sido eleito, por maioria esmagadora, Presidente da República, em 1976, por isso Comandante Supremo das Forças Armadas, mais a Chefia do Estado-Maior das Forças Armadas, e Presidente do Conselho da Revolução.» 

(Excerto do testemunho de Adriano Moreira)

************

[1] - Manuel Paulo Lalande Vieira Pinto é licenciado em Direito pela Universidade de Lisboa. 
Foi quadro, administrador e consultor de diversas empresas privadas, públicas, e de serviços públicos. 

Presidiu aos Conselhos Directivos do Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social e do Gabinete Português de Estudos Humanísticos. 

Desempenhou, como catedrático convidado, funções docentes no ensino superior particular, de que foi fundador com várias personalidades. 

É autor de algumas obras de natureza técnica, didáctica, histórica e biográfica, entre elas, "Adriano – Vida e obra de um grande português" (2010, DG Edições), tendo também participado no 6.º livro da colecção «Fim do Império», Memórias do Oriente, de Dias Antunes.

(Com a devida vénia a Âncora Editora)
____________

Nota do editor

Último poste da série de 5 de janeiro de 2017 Guiné 61/74 - P16921: Agenda cultural (536): dia 6, sexta-feira, às 15h00, no ISCPS, polo universitário da Ajuda, Lisboa: conferência anual da CCIPGB/ISCSP sobre a Guiné-Bissau: Guiné-Bissau. Governança e Mercado: Região da CEDEAO

Guiné 61/74 - P16968: Inquérito de 'online' (100): Resultados preliminares: em 52 respondentes, só 15 estavam recenseados, mas só 10 votaram pelo menos uma vez, antes do 25 de Abril, em eleições legislativas


Foto: Assembleia da República / Palácio de São Bento (cortesia do sítio da CM Lisboa) (Edição: Blogue Luís Graça & Caamradas da Guiné)



I. INQUÉRITO DE OPINIÃO: 


"ALGUMA VEZ VOTASTE 
EM ELEIÇÕES LEGISLATIVAS, 
ANTES DO 25 DE ABRIL DE 1974?"



Resultados preliminares até hoje de manhã (n=52)

1. Não estava recenseado, pelo que nunca votei  > 33 (63%)

2. Estava recenseado, mas nunca votei  > 5 (9%)

3. Estava recenseado e votei, pelo menos uma vez  > 10 (19%)

4, Não sei / não me lembro  > 4 (7%)

Total > 52 (100%) 



Votos apurados: 52 


Dias que restam para votar: 5 
Prazo termina a 24, 3ª feiras, às 11h34

II. Comentários dos nossos leitores:



(i) José Marcelino Martins (*):

Nunca estive recenseado,pelo que nunca votei. Recordo-me que, em 1969, quando estava em Canjadude [, na CCAÇ 5,] , houve eleições, tendo o destacamento sido sobrevoado por um heli a partir do qual informavam, com insistência, de que o presidente da assembleia de voto se devia deslocar à pista com a urna de votos para lhes ser entregue. Não havia urna, porque ninguém se tinha apresentado manifestando a intenção de votar.

(ii) Luís Graça (*):

Patriótico paradoxo: um português podia morrer pela Pátria mas podia não ter direito de voto nas eleições para a Assembleia Nacional... Na CCAÇ 2590/CCAÇ 12 (Contuboel e Bambadinca, 1969/71), só havia três camaradas recenseados (inscritos nos cadernos eleitorais, ans eleições legislativas de 26/10/1969), incluindo o capitão (que era do quadro permanente), um furriel um 1º cabo... Nem os sargentios QP!...



(iii) Luis Lima  (**) 

Se não estou em erro parece-me que decidiram que o meu voto era para o deputado [James] Pinto Bull que desapareceu no crasch do heli em [26 de julho de] 1970.



(iv) Julio Pereira (**)

Sim, é verddae. Quando eu casei, em 65,  nas eleições seguintes [, em 1969,] a minha esposa teve direito a votop mas eu não. Os [boletins de] votos eram entergues em casa.



(v) Tabanca Grande (*):


Em 1969, o representante da Guiné na Assembleia Nacional é o James Pinto Bull (Bolama, 15 de Julho de 1913 – Bissau, 26 de Julho de 1970). Foi provavelmente eleito também com alguns dos nossos  votos... em branco, entrados nas urnas (poucas) que haveria nos nossos quartéis, no TO da Guiné, em 26/10/1969.

Alguns dados biográficos do James Pinto Bull (fonte:  adapt. de Wikipédia e Assembleia da República):

(i) licenciado Ciências Sociais e Política Ultramarina pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Política Ultramarina (ISCPU) da Universidade Técnica de Lisboa

(ii) foi político e administrador de empresas, ocupou duversos na administração colonial;

(iii) foi deputado na VIII Legislatura, entre 1961 e 1965, na IX Legislatura, entre 1965 e 1969, e na X Legislatura, entre 1969 e 1973, tendo sido eleito pelo Círculo Eleitoral N.° 26, da Guiné;

(iv) ocupou os lugares de vogal da Comissão do Ultramar, de 1961 a 1970, e de Membro da Comissão Eventual para estudo da Proposta de Lei de Alterações à Lei Orgânica do Ultramar Português, nomeada na Sessão Legislativa de 1962-1963; 

(v) fez intervenções no Parlamento que se concentraram "na defesa dos interesses da Guiné, participando assiduamente nos debates das Contas Gerais do Estado, nos quais apresentou relatos circunstanciados da situação económica daquela Província"; além disso, "chamou, amiúde, a atenção dos seus pares para as carências do Círculo Eleitoral que representava, apelando, sobretudo nos debates do Plano Intercalar e do III Plano de Fomento, à realização de mais avultados investimentos na região."

(vi) foi eleito deputado à Assembleia Nacional em 1969, tendo sido membro da chamada Ala Liberal, que defendeu reformas políticas do regime;

(vii) morreu na Guiné em 26 de julho de 1970, num acidente de helicóptero, quando viajava de Teixeira Pinto para Bissau com outros três deputados, um dos quais era o líder da Ala Liberal, José Pedro Pinto Leite.

______________

Guiné 61/74 - P16967: Parabéns a você (1196): José Crisóstomo Lucas, ex-Alf Mil Op Esp da CCAÇ 2617 (Guiné, 1969/71) e Manuel Mata, ex-1.º Cabo Apontador AP do Esq Rec Fox 2640 (Guiné, 1969/71)


____________

Nota do editor

Último poste da série de 18 de Janeiro de 2017 > Guiné 61/74 - P16963: Parabéns a você (1195): Luís Rainha, ex-Alf Mil COM, CMDT do Grupo Centuriões (Guiné, 1964/66)

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Guiné 61/74 - P16966: Memória dos lugares (357): Ilha de Orango, uma pérola do arquipélago dos Bijagós, num dos sítios mais ameaçados do mundo, devido às alterações climáticas (Foto e legendas: Patrício Ribeiro, Bissau)


Foto nº 1 >  Rio para Anor... e riquíssima avifauna da ilha


Foto nº 2 > Rio para Anor


Foto nº 3 > Vedação para hipopótamos de água salgada, animais que são sagrados para os bijagós... É uma espécie única no mundo


Foto nº 4 > Transporte de um gerador para o hotel


Foto nº 5 >Bar do hotel 


Foto nº 6 > O "repouso do guerreiro!...

Guiné -Bissau  > Região de Bolama / Bijagós > Ilha de Orango >  Hotel de Orango > 6-7 de outubro de 2008 >Viagem pelos hotéis do mato: o Orango Parque Hotel, em  pleno Parque Nacional de Orango  um  projeto de ecoturismo [Ver aqui a excelente página na Net, do hotel, lamentavelmente "apenas" em espanhol e inglês]

Fotos (e legendas): © Patrício Ribeiro  (2008). Todos os direitos reservados. [Edição: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné].


1. Poucos (ou nenhum de nós) terão ido à(s) ilha(s) de Orango, no tempo da guerra colonial. Nem sequer a Bubaque, mais conhecida do turista... Orango é a ilha mais afastada do continente, e só a viagem é uma aventura...

As praias do arquipélago dos Bijagós eram só para alguns, privilegiados... O Patrício Ribeiro é "o último dos tugas" na Guiné-Bissau, que por razões sentimentais e profissionais lá vive há 3 décadas... Tem a sabedoria dos "africanistas", sabendo conciliar trabalho e lazer ou, como a gente dizia no nosso tempo, "serviço e conhaque"...

Recorde-se que ele é sócio e diretor técnico da Impar Lda, a empresa que tem levado a energia elétrica, produzida por equipamentos fotovoltaicos, aos mais recônditos sítios da Guiné-Bissau... E este é mesmo um sítio recôndito, de difícil acesso, mas deslumbrante. Uma sugestão para  a tal "viagem da minha vida" que alguns de nós gostariam de poder fazer antes de morrer... [Vd. aqui mais fotos de Orango no Google Imagens.]

Estas fotos de Orango resultam dessas andanças do "pai dos tugas" (como ele é carinhosamente conhecido em Bissau)... Andavam por aqui "adormecidas" nas nossas bases de dados.

Lembremos, entretanto, que a Guiné-Bissau está em segundo lugar na lista dos 10 países mais vulneráveis do mundo, devido às mudanças climáticas provocadas pelo aquecimento global do planeta... A seguir ao Bangladesh e antes da Serra Leoa... Seis desses dez países são africanos... A Guiné-Bissau pode mesmo vir a ser riscada do mapa... num futuro não muito distante... (LG)


Mapa da região de Bolama / Bijagós. Cortesia da Wikipédia. Orango é a mais distante das ilhas.


2. Comentário de hoje,  do Patrício Ribeiro,  a estas fotos com mais de oito anos, a pedido do editor [, o nosso camarada encontra-se ainda em Portugal onde veio passar a quadra festival, em Lisboa; está agora na sua terra natal, Águeda, onde foi  fazer "as podas de janeiro",  estando em vésperas de regressar ao trabalho no fim do mês: está  previsto um almoço de despedida, com os amigos "tugas", no restaurante do costume , em Alcântara];


 Já lá vão alguns anos, desde estas fotos agora editadas.

Iniciei os meus passeios pelas diversas ilhas de Orango em 1995, para ajudar na construção do Parque Natural de Orango, PNO.

É um  local de difícil acesso, a 100 km de Bissau. O transporte faz-se durante 7 horas sem paragem, nas canoas nhomincas, pelo mar.

Uma das minhas maiores surpresas  foi como as pessoas falavam português comigo. Por toda a Guiné-Bissau, é o local onde melhor falam português. Talvez seja porque no dia a dia, só falam o Bijagó, utilizando pouco o crioulo. Ou porque na escola de Iticoga, com mais de 200 alunos, os professores pratiquem o ensino em Português.

A tabanca de Eticoga, é a maior dos Bijagós, tem mais de 100 casas, tem aeroporto, (quando o mato está cortado), uma Casa Museu da Rainha Pampa, Centro de Saúde e a sede do PNO.

Nestes meus anos de viagens, muitas vezes com lama até à cintura, já dormi muitos meses nas ilhas de Orango, a maior parte das vezes, na minha tenda junto a uma praia. E algumas vezes no Hotel Parque de Orango, construído por um amigo em 1998. Um local lindo, de sonho.

Claro que também dormi com os hipopótamos por perto, foi necessário fazer fogueiras para os afastar, na tabanca de Anor e no mato da ilha Orangozinho, com os crocodilos em Imbone, etc. etc.

E agora com zero graus, à lareira na minha tabanca [de Águeda], à espera de regressar a estes lugares quentes .

Guiné 61/74 - P16965: Os nossos seres, saberes e lazeres (195): Pedrógão Pequeno e o Cabril do Zêzere (3) (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70) com data de 30 de Agosto de 2016:

Queridos amigos,
Aqui se põe termo a uma passeata em Pedrógão Pequeno e ao Cabril do Zêzere, local onde tenho uma morada.
Hoje saímos da aldeia de Xisto e entrámos numa encosta lateral conhecida por Moinho das Freiras, vamos descer para a albufeira, observar um túnel feito na rocha, projeto de engenharia com vista ao aproveitamento hidroelétrico das águas do Zêzere, projeto abandonado de que só resta este túnel. E vamos em direção à ponte filipina, a ponte do Granada sobrepõe-se à paisagem, é o ponto de ligação-chave sobre o Zêzere, e subimos por uma velha estrada do século XIX sempre a desfrutar a mais formosa jóia da Beira Baixa, como alguns a consideram.
Espero que este incitamento cale fundo no vosso gosto em viajar para conhecer a jóia do Cabril.

Um abraço do
Mário


Pedrógão Pequeno e o Cabril do Zêzere (3)

Beja Santos

Saímos de Pedrógão Pequeno e vamos passear no Vale do Zêzere, um espaço que tem cativado muitos viajantes. Logo Alfredo Keil e Luigi Manini, que percorreram a região de lés-a-lés, e se sentiram deslumbrados. De tal modo, que o leitor está a ver o excerto do pano cenográfico para o IV ato da ópera “Irene”, de Alfredo Keil, tratar-se-á provavelmente da confluência de Ribeira de Pera com o Rio Zêzere, tenho o privilégio de ter esta paisagem para ver de minha casa. Os elogios dos viajantes não são pecos: Sintra da Beira Baixa, panorama de incomparável beleza, a mais formosa jóia da Beira Baixa, etc. Vamos começar pelo Moinho das Freiras até à ponte filipina, da barragem do Cabril já se falou, e depois subimos pela estrada do século XIX até Pedrógão Pequeno.



Já estamos no Moinho das Freiras, avista-se um meandro do Zêzere que se encaminha para Constância. Andam por vezes aqui caiaques, atividade desportiva é coisa que não falta na região. Nesta tarde pontificava o silêncio, e daqui seguimos para o túnel que se escavou na rocha para fazer plataforma nesta margem do rio.



Impõe-se a ponte do Granada, operacional desde 1993, assim se ligaram os concelhos de Pedrógão Grande e da Sertã, graças à ponte mais alta da Península Ibérica, conhecida por IC 8, que assegura a ligação entre a Figueira da Foz e a fronteira de Segura com Espanha. Muitos apelidam a ponte como ponte do Granada, homenagem ao grande escritor e místico Frei Luís de Granada que residiu no Convento de Nossa Senhora da Luz, Pedrógão Grande, junto ao Cabril do Zêzere. Por debaixo do tabuleiro da ponte vemos a ponte filipina.


Sítio pedregoso e alcantilado, tudo rocha viva, como se a natureza tivesse feito um contrato para que estas penedias apontam-se para um abismo, pergunta-se como é que estas oliveiras e sobreiro enraízam na pedra árida. E o escritor Roberto Pedroso das Neves acrescenta: “E lá no fundo, a mais de 200 metros, nas profundezas do abismo, entre as duas margens alcantiladas e estreitas rola, vertiginosamente, impetuoso e rugidor, de rocha em rocha, sobre um leito alvinitente de granito, o rio mais novo de Portugal”. O escritor e jornalista Raul Proença também foi surpreendido pela grandiosidade paisagística do sítio, e escreveu no seu Guia de Portugal, considerando-o como “um dos textos mais arrogantes de toda a Europa, no seu genéro”.


Vista do tabuleiro da ponte filipina em direção à barragem do Cabril. Esta ponte estava concluída no início do século XVII, prenda do rei espanhol. Por aqui se caminhava para Pombal, via Ansião ou para a Lousã, por Castanheira de Pera, mas também se pode imaginar ir para Sertã, Oleiros, Proença-a-Nova, Vila Velha de Ródão, Castelo Branco. O leito do rio está calmo, sombreado pelos altos penedos, as cores da vegetação refletem um dia acalorado.



Só a ponte filipina do Cabril justifica a viagem, venha-se do Minho e Trás-os-Montes ou lá do fundo Algarvio. Esta é a ponte do Cabril, construída em granito, monumento nacional. Reza o livro “Jóia do Cabril, Pedrógão Pequeno”, de Aires Henriques e Ema Cruz, “A sua construção teve lugar cerca de 50 metros acima do lugar onde outrora existiu uma outra, de tabuleiro em madeira e de um só arco, atribuído aos romanos, e de que hoje apenas restam os silhares em granito, submersos a cerca de 7 metros de profundidade do nível superior das águas da albufeira da Bouça”.


Em 1860, os caminhos foram melhorados com empedrado em basalto, restam imensos vestígios, até então o trajeto fazia-se a pé, de burro a cavalo. Resta acrescentar que até meados de 1954, data da inauguração da barragem do Cabril, a ponte filipina foi durante séculos o único ponto de passagem, por léguas em redor entre as terras a Ocidente e a as terras da Raia e Beira Baixa.



Em jeito de despedida, deixam-se duas imagens do Cabril do Zêzere, maravilha da natureza, o Zêzere correndo em alvo leito de granito, sítios admiráveis são estes até chegar à ponte filipina, vindo do Moinho das Freiras e caminhando depois pela estrada com a lembrança de por aqui andaram animais de carga em terreno tão áspero e abrupto.
Findou aqui o passeio, mostrada a modesta morada onde contemplo o Penedo do Granada, a formosa aldeia de Xisto, e agora o esplendor do Cabril do Zêzere, embevecimento de qualquer viajante. Prepare-se para estas panorâmicas e miradouros, igrejas e capelas e, sobretudo a paisagem rochosa e agreste do majestoso Cabril. Como se diz em gíria comercial, volte sempre.
____________

Nota do editor

Último poste da série de 11 de janeiro de 2017 > Guiné 61/74 - P16944: Os nossos seres, saberes e lazeres (194): Pedrógão Pequeno e o Cabril do Zêzere (2) (Mário Beja Santos)

Guiné 61/74 - P16964: Inquérito de 'online' (99): "Alguma vez votaste, em eleições legislativas, antes do 25 de Abril de 1974 ?"... Precisam-se pelo menos 100 respondentes até 3ª feira, dia 24, às 11h34


Foto: Assembleia da República / Palácio de São Bento (cortesia do sítio da CM Lisboa)


I. INQUÉRITO DE OPINIÃO: 

"ALGUMA VEZ VOTASTE 
EM ELEIÇÕES LEGISLATIVAS, 
ANTES DO 25 DE ABRIL DE 1974?"


1. Não estava recenseado, pelo que nunca votei 
2. Estava recenseado, mas nunca votei 
3. Estava recenseado e votei, pelo menos uma vez 
4, Não sei / não me lembro


Resposta.  até 24/1/2017, 3ª feira, até às 11h34, diretamente no blogue, ao canto superior esquerdo (*).


II. É a pergunta desta semana: quantos de nós, camaradas, estavam incluídos no tal milhão e oitocentos mil recenseados, que constavam dos cadernos eleitorais do Estado Novo, até ao 25 de Abril de 1974, podendo exercer o "direito de voto" nas eleições legislativas para a Assembleia Nacional (e apenas nestas) ?... Ou seja, apenas um em cada cinco portugueses!

Depois das eleições para a Presidência da República de 1958, por sufrágio universal, a Constituição (de 1933) foi alterada, passando a lei a prever que que o supremo magistrado da Nação passasse a ser eleito por um colégio eleitoral restrito de 602 membros.

Esses membros eram os seguintes: (i) deputados da Assembleia Nacional; (ii) membros da Câmara Corporativa;  (iii) representantes das estruturas administrativas dos territórios ultramarinos;  e (iv) representantes das câmaras municipais.

Lê-se no sítio oficial da Presidência da República Portuguesa, na nota biográfica de Américo Tomás: "O Colégio Eleitoral é o resultado das eleições de 1958. Foi criado para evitar situações problemáticas para o regime, como a hipótese de vir a ser eleito um candidato da oposição".

Recorde-se que em 1958, em eleição fraudulenta, Américo Tomás foi eleito com 75% dos votos (contra 25% do general Humberto Delgado), o que correspondia a 758 998 votos e 236 528 votos, respectivamente, para cada um dos candidatos....

O total dos recenseados nos "cadernos eleitorais" do Estado Novo, nas últimas eleições, as de 1973 eram cerca de 1 milhão e 800 mil para uma população de  pouco mais de 8,6 milhões, ou seja, pouco mais de 20%.

Compare-se esse número com o total de recenseados, para as primeiras eleições livres, em 25/4/1975, as eleições para a Assembleia Constituinte: mais de 6,7 milhões de eleitores (numa população de pouco mais de 8,7 milhões), o que equivale a 88,5% do total.

Nas eleições legislativas de 26/10/1969, eu estava há já cinco meses na Guiné  e exerci o meu direito de voto... Votei em branco mas não sei o que fizeram ao meu voto...

Recorde-se (para os mais novos...) que ante do 25 de Abril, o direito de voto era muito restrito, não era "um homem, um voto": só podiam votar: (i) os chefes de família (excluindo-se as mulheres e os filhos maiores que viviam com os pais); (ii) os indivíduos  com um grau de instrução igual ou superior a 4 anos e proprietários (excluíam.se  os analfabetos e os pobres...). O  recenseamento era administrativo e prestava-se a grandes arbitrariedades. Eram excluídos, administrativamente, dos cadernos eleitorais, muitos dos opositores ao regime... Enfim, a campanha eleitoral era de um mês, com muitos constrangimentos e intimidações para os da "oposição"... As assembleias de voto e as urnas eram controladas e manipuladas, não havia fiscalização, não havia partidos, não havia "tempos de antena"..
.
Em suma, um português podia morrer pela Pátria mas podia não ter direito de voto nas eleições para a Assembleia Nacional... 

No TO da Guiné, numa  companhia como a minha (a CCAÇ 2590/ÇÇAÇ 12), com de cerca de 60 militares metropolitanos graduados e especialistas, creio que só havia três camaradas inscritos nos cadernos eleitorais e, portanto, com direito de voto, ou seja 5%:  (i) eu (fur mil armas pesadas inf); (ii) o cmdt da companhia (o capitão de infantaria Carlos Brito, hoje cor ref);  e (iii) o  1º cabo apontador de armas pesadas inf, que pertencia ao 1º Gr Comb, o  José Manuel Quadrado (infelizmente já falecido), o "Alentejano", como era conhecido na caserna. Quantos aos restantes 100 portugueses, as praças guineenses, da CCAÇ 12, nem pensar, não tinham, capacidade eleitoral; eram todos analfabetos, com exceção do 1º cabo José Carlos Suleimane Baldé (o único que, teoricamente, poderia votar, se estivesse recenseado...).

Na CCAÇ 2590, em 60 homens (metropolitanos)  só 3 estavam  recenseados nos cadernos eleitorais, o que é mais baixo (5%) do que a média nacional (20%). Pode ser que noutras companhias a proporção fosse maior.

Posso, por outro lado,  estar aqui a cometer uma injustiça, omitindo mais alguém, mas julgo que não, embora, para além do capitão QP, os restantes graduados do quadro, os dois segundos sargentos de infantaria, o José Martins Rosado Piça e Alberto Martins Videira também devessem, em princípio, estar recenseados. O 1º sargento de cavalaria Fernando Aires Fragata  ainda estava connosco: irá depois ingressar na antiga Escola Central de Sargentos, sita em Águeda, para frequentar o curso que dava a promoção a oficial do SGE. Alguns de nós, milicianos chegámos a dar-lhe explicações: português, matemática, etc.

Vamos lá responder a este inquérito. Precisamente de chegar pelo menos às 100 respostas.


III. Comentários sobre o tema (**):

(i) Carlos Vinhal

[Nasceu a 27 de Março de 1948 em Vila do Conde; vive em Leça da Palmeira, Matosinhos. aposentado da Administração dos Portos do Douro e Leixões SA; foi Fur Mil Art MA,  CART 2732 Mansabá, entre Abril de 1970 e Março de 1972; é coeditor do nosso blogue]

(...) Confesso a minha pouca importância dada à política de então, e até nem sei quando se adquiria o direito a votar. Seria aos 21 anos, coincidente com a aquisição da chamada maioridade?

Só me lembro do recenseamento no pós 25 de Abril e de ter votado pela primeira vez na minha vida (?) no dia 25 de Abril de 1975, quando até fiz parte de uma mesa de voto como escrutinador, acabando também por secretariar, já que o secretário nomeado me passou a pasta.

Não sei se era "lenda", mas dizia-se que os "votos" dos funcionários públicos que não votavam eram descarregados automaticamente nas listas do regime. De qualquer modo até 1975,  fui funcionário público assalariado de carácter permanente,  logo não devia contar para o número dos ditos "votantes".


(ii) António J. Pereira da Costa

[Coronel art ref, ex-alf art  da CART 1692/BART 1914, Cacine, 1968/69; ex-cap art  e cmdt  das CART 3494/BART 3873, Xime e Mansambo, e CART 3567, Mansabá, 1972/74)]

(...) Sobre a inscrição dos militares profissionais no "caderno eleitoral" admito que tenha sido obrigatória. Porém, na década de 60, esse uso terá caído em desuso. Nos períodos eleitorais que apanhei na tropa, fui brindado com "prevenções" e nunca dei que os profissionais saíssem do quartel para cumprir o "dever cívico".

Nunca estive inscrito e nunca fui convidado/obrigado a inscrever-me. Às vezes fico com a ideia de que, para a maioria dos militares daquele tempo, a política era uma coisa menor que se tinha de aturar e mais nada...

(...) Sobre as eleições recordo as "chapeladas" feitas com os votos dos legionários que estavam de prevenção e, por isso, não podiam ir às mesas de voto. Então os comandantes levavam os respectivos votos que entravam para as urnas e depois... era só contar.

Ouvi, outro dia, dizer que o embaixador inglês em Lisboa comentava o dito do Salazar (eleições tão livres como na livre Inglaterra), em relação às eleições portuguesas do pós-guerra, que daquelas só conhecia as da Polónia.

Enfim, passou-se...
___________________