sábado, 18 de novembro de 2006

Guiné 63/74 - P1293: Guileje: do chimpanzé-bébé aos abrigos à prova do 122 mm (Amaro Munhoz Samúdio, CCAÇ 3477)

Guiné > Região de Tombali > Guileje > CCAÇ 3477 (1971/77) > Oráculo, com a imagem de Nossa Senhora de Fátima e do Santo Cristo dos Milagres... Na imagem, o Amaro Munhoz Samúdio, ex-1º cabo enfermeiro, está a pegar ao colo um bébé, não de macaco-cão (1), mas de chimpazé que ele comprou a um caçador local por 500 pesos... Foi um gesto bonito por parte dele, salvando de morte certa um animal que pertence à Ordem dos Primatas, como nós, e que é dos grandes símios o que partilha mais genes connosco (ou seja, o chimpanzé é nosso primo, o nosso primo mais próximo de acordo com a zoologia, a genética e a biologia evolutiva)...
Na altura 500 pesos era metade do pré de um soldado... Isto também dá uma ideia do valor que o chimpanzé tinha na época (e continua ter) no mercado local africano como animal de estimação (mas também como iguaria, já que a sua carne é muito apreciada), sem esquecer a sua triste condição de cobaia nos laboratórios da nossa indústria farmacêutica, a sua exploração nos nossos circos ou a sua prisão dourada nos nossos modernos jardins zoológicos...
Indepentemente disso, eu gostaria de saber o que terá acontecido ao pobre chimpanzé depois da saída dos Gringos... Talvez o Amaro nos possa falar mais um pouco desta estória... Eu sei que na altura nenhum de nós tinha a consciência ambiental e o conhecimento dos direitos dos animais que temos hoje...
Os grandes símios africanos (o chimpanzé, o bonobo e o gorila) estão em vias de extinção (poderão deixar de existir em estado selvagem por volta de 2050) e nós também podemos ajudar os nossos amigos da Guiné-Bissau a preservar o seu habitat (no caso de Guileje, a mata do Cantanhez)... O Pepito e os seus colaboradores da AD - Acção para o Desenvolvimento terão também interesse em conhecer o resto desta estória... (LG)

Foto: © Amaro Samúdio (2006). Direitos reservados.
Texto do Amaro Munhoz Samúdio, com data de 7 de Novembro de 2006 (1):

Caro Luís Graça:

Parabéns pelo trabalho desenvolvido.

Vou, finalmente, tentar humildemente recuperar algumas memórias dos tempos passados em Guileje, não deixando, no entanto, de fazer os seguintes comentários: como é possível que passados tantos anos a Guiné, no caso, esteja permanentemente na memória de todos aqueles que por lá passaram?

O normal, penso eu, é recordar os momentos bons... Mas, por estranho que pareça, aquilo – peço desculpa mas tenho que lhe chamar aquilo – é sempre transportado para os nossos pensamentos como exemplos. Comigo acontece isso.

Decorridos tantos anos como é possível que, ainda hoje, todas as situações lá vividas permaneçam vivas nas nossas memórias e uma tão grande necessidade de as contar a quem também as viveu: (i) é um arame que não se pode tocar, pode ser uma armadilha; (ii) é um papel no chão que não se pode pisar, pode ser uma mina; (iii) é uma lata a que não se pode dar um pontapé, pois pode estar armadilhada...

Os mosquitos trazem-me à lembrança que, antes de dormir, mesmo depois do mosquiteiro bem metido no colchão, e de proceder à necessária matança de todos eles, apareciam sempre, de madrugada, de barriga cheia. Inevitavelmente, esses, já não engordavam com o meu sangue na noite seguinte.

As abelhas recordam-me o safado do Arruda, um monstro açoriano do morteiro 60 que, na mata, quando pressentia um enxame, protegia-se com aquelas redes que levávamos e, depois de passar, abanava os ramos. Chegavam , muitos, inchados ao quartel.

E as formigas que mordiam mesmo, etc., etc., etc

Existem montanhas de exemplos de toda uma geração que, depois de ter passado por aquilo, mesmo que queira, não consegue esquecer. São marcas para toda a vida.

Desculpa este inicial desabafo e vamos a Guileje.

Recordo, no entanto, que o que estava ao meu colo não era um macaco -cão mas sim, o meu chimpanzé–bebé, comprado a um caçador africano por 500 pesos, e que fazia a vida negra aos açorianos do meu pelotão. Quando andava agarrado aos meus calções, às pernas ou aos braços não chorava... À noite, quando o deixava numa casota, na entrada do abrigo, não deixava dormir ninguém .

Sobre uma questão que foi posta - se a engenharia esteve em Guileje -, posso garantir que esteve. Além dos abrigos feitos artesanalmente com aqueles troncos de árvores e chapas dos bidões, existiam pelo menos quatro abrigos que se constava serem à prova de 122 perfurante (3), construídos pela engenharia.

Não foram construídos no tempo dos Gringos (Guileje, 21 de Novembro de 1971/ 22 de Dezembro de 1972), nem na companhia de madeirenses que nos antecedeu [, CCAÇ 3325 Jan 1971/Dez 1971] (2) e o aspecto deles era bom.

As companhias em Guileje estavam, no máximo treze meses, pelo que os abrigos construídos pela engenharia devem ter sido construídos em 1966/67.

Um abraço

Amaro Munhoz Samúdio

_________

Nota de L.G.:

(1) Vd. post de 10 de Outubro de 2006 > Guiné 63/74 - P1162: Guileje: CCAÇ 3477, os Gringos Açorianos (Amaro Munhoz Samúdio)

(2) Vd. post de 11 de Junho de 2006 > Guiné 63/74 - P864: Unidades aquarteladas em Guileje até 1973 (Carlos Schwarz / Nuno Rubim)

Aqui fica, para informação da nossa tertúlia, a lista das unidades que passaram por Guileje (Fonte: Carlos Schwarz/Nuno Rubim, 2006)


CCAÇ 495 (Fev 1964/Jan 1965)

CCAÇ 726 (Out 1964/Jul 1966) (contactos: Teco e Nuno Rubim)

CAÇ 1424 (Jan 1966/Dez 1966)

CCAÇ 1477 (Dez 1966/Jul 1967) (contacto: Cap Rino)

CART 1613 (Jun 1967/Mai 1968) (contacto: Cap Neto)

CCAÇ 2316 (Mai 1968/Jun 1969) (contacto: Cap Vasconcelos)

CART 2410 (Jun 1969/Mar 1970) (contacto: Armindo Batata)

CCAÇ 2617 ( Mar 1970/Fev 1971) > Os Magriços (contacto: Abílio)

CCAÇ 3325 (Jan 1971/Dez 1971) (contacto: Parracho)

CCAÇ 3477 (Nov 1971 / Dez 1972) > Os Gringos de Guileje (açorianos)

CCAV 8350 (Dez 1972/Mai 1973) > Os Piratas de Guileje (contacto: José Casimiro Carvalho)
(3) O Amaro deve estar a referir-se aos temíveis foguetões 122 mm, usados pelos guerrilheiros do PAIGC.

Guiné 63/74 - P1292: Madina do Boé: contributos para a sua história (José Martins) (Parte I)

Photobucket - Video and Image Hosting
Guiné > Zona Leste > Madina do Boé > 1966 > Vista aérea do aquartelamento (1966). Imagem reproduzida, sem menção da fonte, no Blogue do Fernando Gil > Moçambique para todas. Presumo que a sua autoria seja de Jorge Monteiro (ex-capitão miliciano da CCAÇ 1416, Madina do Boé, 1965/67) ou de Manuel Domingues, nosso tertuliano, ex-alf mil da CCS/BCAÇ 1856, Nova Lamego, 1965/66 (autor do livro: Uma campanha na Guimné, 1965/67) (1).
Foto alojada no álbum de Luís Graça > Guinea-Bissau: Colonial War. Copyright © 2003-2006 Photobucket Inc. All rights reserved.

Photobucket - Video and Image Hosting
Guiné-Bissau> Rio Corubal > Cheche > 1998 > Praia fluvial com rampa de acesso. Foto tirada a meio do rio, na viagem de Quebo (Aldeia Formosa) - Madina do Boé - Cheche- Gabu (Nova Lamego) ....
Foto: © Francisco Allen / Albano M. Costa (2006) (2). Direitos reservados.
Foto alojada no álbum de Luís Graça > Guinea-Bissau: Colonial War. Copyright © 2003-2006 Photobucket Inc. All rights reserved.

Lisboa > Belém > 10 de Junho de 2006 > Encontro de camaradas da nossa tertúlia > O José Martins (à esquerda) e o Jorge Cabral (à direita).

Fotos: © Luís Graça (2006) . Direitos reservados.


Texto do José Martins (ex-furriel miliciano trms, CCAÇ 5 - Gatos Pretos, Canjadude , 1968/70):

Madina do Boé: Contributo para a sua história (Paret I)
por José Martins

Escrever sobre a Região do Boé é, sobretudo, invocar a coragem e tenacidade dos homens que por lá passaram, em quadrícula ou em operações, escoltas e acções de combate. As forças que desenvolveram acções na zona, partiam de Nova Lamego, passando por Canjadude e atravessavam o rio Corubal na zona do Cheche.

Salvaguardando a existência ou passagem, ainda que efémera, de tropas portuguesas naquelas paragens encravadas entre o Rio Corubal e a fronteira com a Guiné Conacri anteriores a 1961, tentámos seguir, com as pistas de que dispúnhamos, o percurso seguido por aqueles que, integrados em unidades da guarnição normal ou, mais tarde, nas unidades de reforço, tudo fizeram para cumprir a missão que lhes foi confiada.

Antes do início das hostilidade na Guiné, o seu quadro orgânico era formado por unidades da guarnição normal, constituídas por quadros e especialistas metropolitanos e praças do recrutamento provincial, havendo, sempre que fosse necessário, o recurso a forças expedicionárias oriundas da metrópole.


OS HOMENS E AS UNIDADES

3ª Companhia de Caçadores Indígenas
Esta unidade foi constituída em 1 de Fevereiro de 1961, como unidade da guarnição normal do CTIG, formada por quadros metropolitanos e praças indígenas do recrutamento local, iniciando a sua formação adstrita à 1ª CCAÇ I.

Em 1 de Agosto de 1961, com a constituição de dois pelotões, substitui a 1ª CCAÇ I na guarnição de Nova Lamego. Desloca elementos para guarnição de várias localidades do Sector Leste, por períodos e constituição variáveis, sendo de destacar as localidades de Che-Che, Béli e Madina do Boé. Passou a guarnecer, em permanência as localidades de Béli e Madina do Boé instalando, em 6 de Maio de 1963, um pelotão em cada localidade.

Em 1 de Abril de 1967 passa a designar-se por Companhia de Caçadores nº 5.

Companhia de Caçadores n.º 90
Mobilizada pelo Regimento de Infantaria 7 em Leiria, desembarca em Bissau a 3 de Maio de 1961, seguindo para Bafatá, onde, em 13 de Maio de 1961, assume a responsabilidade da zona situada segundo um meridiano a oeste de Farim até à região de Madina do Boé, coordenando a sua acção com a 3ª CCaçI.

Foi rendida em 10 de Abril de 1963, pela CCaç 412, regressando à metrópole.

Batalhão de Caçadores n.º 238
Mobilizado no Batalhão de Caçadores nº 8 em Elvas, era formado apenas pelo comando reduzido quando em 6 de Julho de 1961 chegou à Guiné.

Em 19 de Julho de 1961, com a chegada dos elementos de recompletamento passou a comando completo e assumiu a coordenação da zona Leste, a partir de uma linha de Cambajú-Xime-rio Corubal até á fronteira da Guiné-Conakri e Senegal.

Em 22 de Julho de 1963 foi rendido pelo BCaç 506 e regressou à metrópole em 24 de Julho de 1963.

Companhia de Cavalaria n.º 252

Formado em Estremoz no Regimento de Cavalaria nº 3, chegou a Bissau a 16 de Agosto de 1961. Em 23 de Agosto de 1961 atribuiu dois pelotões para reforço do BCav 238, sediado em Bafatá, tendo essa força seguido para o subsector de Nova Lamego.

Distribuiu efectivos por várias localidades da área. Os pelotões destacados na zona leste foram retirados em 15 e 18 de Fevereiro de 1962.

A unidade regressou à metrópole em 4 de Novembro de 1963.


Companhia de Caçadores n.º 84

Ficou colocada em Bissau após a sua chegada à província em 6 de Abril de 1961, oriunda do Regimento de Infantaria nº 1, na Amadora.

Em 15 de Fevereiro de 1962 foram atribuídos pelotões ao BCAÇ 238 destacados para Nova Lamego para reforço da guarnição.

A unidade regressou à metrópole em 9 de Abril de 1963.


Batalhão de Caçadores n.º 506
Ficou colocada em Bissau após a sua chegada à província em 20 de Julho de 1963, oriunda do Regimento de Infantaria nº 10, sediado em Abrantes. Em 22 de Julho de 1963, rendendo o BCAÇ 238, assume a zona leste, à qual foi acrescentada a região do Boé.

Com a entrada em sector do BCAÇ 697 viu a sua zona de acção reduzida dos subsectores de Bambadinca e Xitole.

Após nova remodelação, em 11 de Janeiro de 1965, deixa de ter a responsabilidade dos subsectores de Nova Lamego, Piche e Pirada que passaram para a responsabilidade do BCAÇ 512.

Regressou à metrópole em 29 de Abril de 1965.

Companhia de Caçadores n.º 727

Formada no Regimento de Infantaria nº 16 em Évora, chegou à província em 14 de Outubro de 1964, tendo feito a instrução de adaptação operacional em Có-Pelundo e Prábis. Em 18 de Novembro de 1964 destaca um pelotão para reforço do BCAÇ0 506, que foi reforçar a guarnição de Madina do Boé.

Em 5 de Dezembro de 1964 foi a companhia transferida para reforço e reserva do BCAQÇ 512, mantendo um pelotão em Madina do Boé.

Tomou parte em diversas operações levadas a cabo na região de Nova Lamego e Madina do Boé, sendo de salientar a emboscada na estrada Madina do Boé-Gobige, em 30 de Janeiro de 1965, que causou grande número de baixas ao inimigo.

Foi rendida pela CArt 731 na missão de intervenção em 19 de Fevereiro de 1965. Regressou à metrópole em 7 de Agosto de 1964.

Batalhão de Caçadores n.º 512
Tendo sido formado em Leiria no Regimento de Infantaria nº 7, chegou à província em 22 de Julho de 1963. Em 29 de Dezembro de 1964 é colocado no sector de Nova Lamego, que abrange os subsectores de Piche, Pirada e Nova Lamego.

Com a atribuição de novas companhias foram criados os subsectores de Canquelifá em 25 de Fevereiro de 1965, de Bajucunda em 11 de Março de 1965, de Madina do Boé e de Buruntuma em 23 de Maio de 1965.

Em 1 de Junho de 1965 foi rendido pelo BCAV 705 , regressando à metrópole em 12 de Agosto de 1965.

Companhia de Artilharia n.º 731
Pertencendo ao BART.t 733, mobilizado no Regimento de Artilharia Ligeira nº 1, em Lisboa, chegou à Guiné em 14 de Outubro de 1964, tendo sido colocada em 19 de Fevereiro de 1964 como reforço do BCAÇ 512 e em substituição da CCAÇ 727, em Nova Lamego, onde se manteve até 23 de Maio de 1963.

Voltou, temporariamente ao subsector de Nova Lamego, com a missão de reforço e intervenção, em 24 de Junho de 1965, onde foi rendida, em 7 de Julho de 1965 pela CCAÇ 817.

A unidade regressou à metrópole em 7 de Agosto de 1966.

Companhia de Cavalaria n.º 704
Era uma das subunidades do Batalhão de Cavalaria nº 705 formado em Lisboa no Regimento de Cavalaria nº 7, tendo chegado à Guiné em 24 de Junho de 1964.

Em 18 de Janeiro de 1965 cedeu dois pelotões para reforço do BCAÇ 512, vindo a ser transferida para o sector de Nova Lamego em 5 de Fevereiro de 1965, sendo utilizada no reforço de Bajucunda, Madina do Boé, ponte do rio Caium e Béli, por curtos períodos.

Foi rendida pelo pela CCAÇ 1417 e regressou à metrópole em 14 de Maio de 1966.

Companhia de Cavalaria n.º 702
Era uma das subunidades do Batalhão de Cavalaria nº 705 formado em Lisboa no Regimento de Cavalaria nº 7, tendo chegado à Guiné em 24 de Junho de 1964.
.
Entre 22 e 30 de Maio de 1965 iniciou o deslocamento das suas forças para Madina do Boé, instalando em 25 do mesmo mês um pelotão em Beli, rendendo, assim, os pelotões da 3ª CCaçI. Assumiu a responsabilidade do subsector da Madina do Boé criado na mesma data.
Em 4 de Maio de 1966 foi rendida pela CCaç 1416, tendo embarcado de regresso à metrópole em 14 de Maio de 1966.

Batalhão de Cavalaria n.º 705
Mobilizada no Regimento de Cavalaria nº 7 em Lisboa, desembarca na Guiné em 24 de Julho de 1964.

Rendendo o BCAÇ 512 no sector de Nova Lamego assume, em 1 de Junho de 1965, o respectivo comando de sector que abrangia os subsectores de Pirada, Bajocunda, Canquelifá, Buruntuma, Piche, Madina do Boé e Nova Lamego.

Foi rendido pelo BCav 1856 em 1 de Maio de 1966 regressando à metrópole em 14 de Maio de 1966.

Companhia de Caçadores n.º 1416
Mobilizada na Amadora no Regimento de Infantaria nº 1 e integrada no Batalhão de Caçadores nº 1856, chega a Bissau em 6 de Agosto de 1965, rumou para Nova Lamego, onde em 13 de Agosto de 1965 assume a função de unidade de reserva do BCAV 705.

Em 27 de Abril de 1966 seguiu para Béli afim de tomar parte na Operação Lumiar e em 4 de Maio desse ano assume a responsabilidade do subsector de Madina do Boé, substituindo a CCAV 702, mantendo forças destacadas em Béli e Che-Che, este até 27 de Janeiro de 1967.

Tendo sofrido fortes e numerosas flagelações, foi rendida em 10 de Abril de 1967 pela CCAÇ 1589, regressando à metrópole em 15 de Abril de 1965.

Batalhão de Caçadores n.º 1856
Mobilizado na Amadora no Regimento de Infantaria nº 1, chegou à província em 6 de Agosto de 1965. Em 2 de Março de 1966 o comando foi instalado em Nova Lamego, tendo em vista a substituição do BCav 705.

A 1 de Maio de 1966 assumiu o sector de Nova Lamego, Sector L3, abrangendo os subsectores de Bajocunda, Canquelifá, Piche, Buruntuma, Madina do Boé e Nova Lamego.

Veio a ser rendido no comando do sector pelo BCAV 1915 em 15 de Abril de 1967, regressando de imediato à metrópole.


Companhia de Caçadores n.º 1546

Integrada no Batalhão de Caçadores nº 1887 e mobilizada no Regimento de Infantaria nº 1 na Amadora, chega à província em 13 de Maio de 1966. Depois da instrução de adaptação operacional foi colocada em Nova Lamego, onde em 13 de Agosto de 1965 assume a função de unidade de intervenção e reserva do Comando Chefe para actuar na zona Leste. Realizou operações nas regiões de Bucurés/Camajabá, Madina do Boé, Cheche e Béli, às ordens do BCAÇ 1856 e Agrupamento 24.

Em 20 de Outubro de 1968 deixou a zona Leste e regressou à metrópole em 25 de Janeiro de 1968.

Companhia de Caçadores n.º 1586

Desembarcou em Bissau a 4 de Agosto de 1966, após ter sido mobilizada no Regimento de Infantaria nº 2 em Abrantes, seguindo para Piche onde assumiu a responsabilidade do respectivo sector.

A 21 de Setembro de 1966 passou a unidade de intervenção é reserva do sector Leste, realizando operações e destacando pelotões para reforço das unidades em quadrícula nomeadamente, Nova Lamego, entre 10 de Outubro e princípios de Dezembro de 1966; Madina do Boé entre 10 de Fevereiro de 1967 e 1 de Maio de 1967; Béli entre 25 de Janeiro de 1967 e 15 de Abril de 1967.

Em 28 de Outubro de 1967, integrou as forças do subsector temporário de Canjadude, onde se manteve até 4 de Dezembro de 1967.

Regressou à metrópole em 9 de Maio de 1968.


Esquadrão de Reconhecimento n.º 1578
Mobilizado em Castelo Branco no Regimento de Cavalaria 8, chegou à Guiné em 13 de Maio de 1966.

De 23 de Outubro até 4 de Dezembro de 1967 assumiu a responsabilidade do subsector temporário de Canjadude, reforçado com pelotões da CCaç 1586, com vista a eliminar a pressão exercida pelo inimigo na região a sul do regulado de Canha.
Regressou à metrópole em 25 de Janeiro de 1968.

Companhia de Caçadores n.º 1589

Mobilizada no Regimento de Infantaria nº 15, em Tomar, chegou à Guiné em 4 de Agosto do 1966 em conjunto com o BCAÇ 1894 a que pertencia.

Em 16 de Dezembro de 1966 foi instalada em Fá Mandinga à disposição do Comando Chefe para intervenções na zona Leste, tendo realizado operações nas regiões do Xime, Sarauol, Nova Lamego, Madina do Boé e Enxalé.

A 25 de Março de 1967 destacou um pelotão para o aquartelamento de Béli, e em 7 de Abril de 1967 foi substituir a CCAÇ 1416 a Madina do Boé, assumindo a responsabilidade do subsector em 10 de Abril de 1967.

Foi rendida pela CCAÇ 1790 em 20 de Janeiro de 1968 em Madina do Boé e em Béli a 12 de Fevereiro seguinte, tendo os aquartelamentos sofrido fortes e constante flagelações, especialmente no período entre Junho e Dezembro de 1967.

Regressou à metrópole em 9 de Maio de 1968.

Companhia de Caçadores n.º 1417
Desembarcou em Bissau a 4 de Agosto de 1966, após ter sido mobilizada no Regimento de Infantaria nº 2 em Abrantes, pertencendo ao BCaç 1856.
Destacou, entre 25 de Janeiro a 26 de Março de 1967, um pelotão para Béli em reforço da guarnição normal.
Regressou à metrópole em 15 de Abril de 1967.

Companhia de Caçadores n.º 5
Em 1 de Abril de 1967, a 3ª CCAÇ I passa a designar-se Companhia de Caçadores nº 5 por alteração da designação e, mantendo a sua sede em Nova Lamego, tem pelotões destacados em Canjadude, Cabuca e Cheche.

Com a criação do subsector de Canjadude em 14 de Julho de 1968, passa a guarnecer este aquartelamento, tendo sido reforçada com a CART 2338, que destacou um pelotão para a guarnição do Che-che, até à sua desactivação em 6 de Fevereiro de 1969.

A unidade tomou parte em diversas operações na área, assim como em escoltas para o Cheche, Madina do Boé e Beli, mantendo um pelotão em Cabuca e outro em Nova Lamego, até 26 de Março de 1969 data em que reúne todos os elementos no aquartelamento e sai a CArt 2338.


Em 19 de Janeiro de 1969, uma força constituída por 5 Grupos de combate (dois da CCaç 5 e três da CART 2338) escoltou a coluna que transportava três canoas para a construção da jangada no Cheche. A coluna teve a participação do Pelotão de Reconhecimento Daimler 1258 e um pronto-socorro, o que permitiu recuperar uma Auto Metralhadora FOX acidentada anteriormente.

A unidade permaneceu em Canjadude até 20 de Agosto de 1974, data em que foi desactivada e extinta e as suas instalações entregues ao PAIGC.
__________

Notas de L.G.:

(1) Vd. posts de

18 de Julho de 2005 > Guiné 63/74 - CXI: Bibliografia de uma guerra (5) (A. Marques Lopes)
25 de Outubro de 2005 > Guiné 63/74 - CCLVIII: Antologia (22): Madina do Boé, por Jorge Monteiro (CCAÇ 1416, 1965/67)

4 de Dezembro de 2005 > Guiné 63/74 - CCCXXXVI: A vingança da PIDE (Manuel Domingues)

(2) Vd. post de 6 de Fevereiro de 2006 > Guiné 63/74 - D: Madina do Boé, 37 anos depois (Luís Graça / Xico Allen / Albano Costa)

Guiné 63/74 - P1291: Questões politicamente (in)correctas (9): Os Mortos Nunca Esquecidos (A. Mendes)

Mensagem de A. Mendes (38ª CCmds) (1):


Amigo Luis Graça, a questão que o amigo Luis Mário Lopes (2) põe, é pertinente e direi até um pouco intrigante. Eu tenho pensado nisso ao longo de mais de trinta anos e nunca cheguei a nenhuma conclusão. Acompanhei de muito perto alguns acontecimentos relacionados com corpos de camaradas mortos em combate. Uns ficaram, outros vieram.

Quem esteve em Binta [Região do Oio], lembra-se dos caixões empilhados no armazém junto ao porto do rio de Farim e que serviam para receber os mortos que chegavam [?] da zona de Bijene e Guidaje. Se nem todos os corpos vieram, alguns caixões estavam vazios.

Amigo Luis Mário Lopes: o que se disse às familias nesse tempo é irrelavante para os dias de hoje. Para reparar algum mal apenas era preciso que todos os corpos fossem recuperados [missão difícil] ou, pelos menos, os possíveis, pedindo-se desculpas públicas às familias ou herdeiros.

Muitos dos que tiveram responsabilidades directas já não estão entre nós. Portanto, muito desse conhecimento dos factos já se perdeu, apenas nos resta pensar que o Estado Português, sabendo agora o que se passou, possa intervir.

Luís, quando falo sobre estes acontecimentos sei do que falo, entendes? Para mim, amigo Luis Lopes, estes mortos podem-se chamar Os Mortos Nunca Esquecidos.

Um grande abraço a todos os tertulianos e não só.

A. Mendes


_____________

Notas de L.G.:

(1) Vd. último post, de 15 de Novembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1280: A vida de um comando (A. Mendes, 38ª CCmds) (7): Um tiro de misericórdia em Caboiana

(2) Vd. post de 3 de Novembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1243: Questões politicamente (in)correctas (7): Desaparecido em campanha, morto em combate, retido pelo IN (Luís M. Lopes / Luís Graça)

Último post desta série: 4 de Novembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1247: Questões politicamente (in)correctas (8): A nossa linguagem de caserna (David Guimarães / Luís Graça)

Guiné 63/74 - P1290: Estórias de Bissau (7): Pilão, os dez quartos (Jorge Cabral)


Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Missirá > 1971 > Jorge Cabral, comandante do Pel Caç Nat 63. "Um exemplar único da fauna dos milicianos que passaram pela Guiné" (LG)...

Foto: © Jorge Cabral (2006)


Pilão: os 10 Quartos

por Jorge Cabral

De Bissau (1) conheci muito pouco. Apenas o Pilão, e neste Os Dez Quartos, um palácio do Prazer. Era o local ideal para um sexólogo, pois tendo todos os quartos o mesmo tecto e paredes incompletas, ouviam-se os murmúrios, os gritos, os ais e os uis, deles e delas, em plena actividade. Sempre que lá fui, abstraí-me um pouco da minha função e dediquei-me à escuta, tentando até catalogar os clientes por posto, ramo, forma, jeito, velocidade e desempenho.

A noite de véspera do meu regresso foi lá passada. Que melhor despedida podia eu, então, ter programado?

Para sempre ficou marcada na memória a cena dessa noite. No chão a ressonar e de pistola à cinta, um grande fuzileiro e, encostado a ele, todo enrolado em panos, um bebé. Na cama, ela, semi-adormecida, ordenando uma actuação silenciosa…

Esta a minha última imagem da Guerra e da Guiné, a qual merecia, penso, um Postal Ilustrado.
Naquele dia comprara para os meus sobrinhos um pijama chinês e uma boneca. Pois não é que lá deixei o respectivo embrulho ?!...

Em Julho de 2004, fui a Bissau e muito estranhou o Senhor Reitor, que eu quisesse visitar o Cupilon. Mas quis. E visitei. E lá permaneci a olhar as mulheres e os homens. Qual delas terá brincado com a boneca? Qual deles terá usado o pijama?

Ter-me-ei mesmo esquecido do embrulho? Ou, sem total consciência, ofereci na altura duas prendas ao Futuro?

Jorge Cabral
__________

Nota de L.G.:

(1) Vd. posts de:

18 de Novembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1289: Estórias de Bissau (6): os prazeres... da memória (Torcato Mendonça)

18 de Novembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1288: Estórias de Bissau (5): saudosimos (Sousa de Castro)

17 de Novembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1286: Estórias de Bissau (4): A economia de guerra (Carlos Vinhal)

14 de Novembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1278: Estórias de Bissau (3): éramos todos bons rapazes (A.Marques Lopes / Torcato Mendonça)

11 de Novembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1267: Estórias de Bissau (2): A minha primeira máquina fotográfica (Humberto Reis); as minhas tainadas (A. Marques Lopes)

11 de Novembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1266: Estórias de Bissau (1): Cabrito pé de rocha, manga di sabe (Vitor Junqueira)

Guiné 63/74 - P1289: Estórias de Bissau (6): os prazeres... da memória (Torcato Mendonça)

Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Mansambo > CART 2339 > Candamã > 1969 > Uma misteriosa bajuda... fotografada à luz do fim de tarde... Presumo que em Candamã (1) ... A foto faz parte de um lote de trinta e tal fotos... falantes. Curiosamente, esta - a 24 - não vinha acompanhada de legenda. (LG).

Texto e foto: © Torcato Mendonça (2006) . Direitos reservados.

Luís Graça:

Isto é tramado. Leio o blogue e regresso aos prazeres da memória!...

De tarde descobri o telefone da Palimage Editores. Aí vem o livro, não de Viseu mas de Braga, Rumo a Fulacunda (1).

Agora leio as estórias dos dinheiros, bajudas, bebidas, etc. Não sabia que só oficiais e civis se acoitavam no Grande Hotel (2). Essa agora?!... É, melhor, foi infame. Passou-me muita coisa ao lado.

Lembro-me de alguns preços. São esses. Em Bambadinca não conheci restaurantes. Tabanca com serviço especial. Dormi lá… dias antes do ataque [28 de Maio de 1969].

Quando havia Ronco deixavam-nos, em qualquer dia da semana, ter um fim-de-semana em Bafatá. Lá estava a piscina, o cinema, a Transmontana. Vendia um presunto caríssimo. Mas o principal era a tabanca. Lá estava a Madame Ana Maria e suas virgens, a Solemato.Um dia conto. E uma branca, a quinhentos pesos? Dizem! ... Bom, bom.

No Pilão, [em Bissau,] a verdiana Nônô. Tive lá problemas quase a embarcar. A Manelinha (a 6.35, pessoal) e a Zézinha (faca de mato, de estimação) ajudaram.

Pois é, isto são prazeres da memória – frase roubada – mas que me dão prazer, o de recordar tempos de menino e moço. Faz-me ficar mais novo e alegre.

Grandes vidas!... E o 1º Sargento que faz contas comigo, a dois ou três dias do embarque, e me dá mais de vinte contos?! Foi a vingança do chinês, neste caso do nosso primeiro.

Tudo isto dá muita estória. Tantas vidas – outra frase roubada...

Não chateio mais. Obrigado a vocês, principalmente a ti, por estes prazeres da memória.

Um abraço,

Torcato Mendonça
____________

Notas de L.G.:

(1) Vd. post de 17 de Novembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1285: Bibliografia de uma guerra (14): Rumo a Fulacunda, um best seller, de Rui Alexandrino Ferreira (Luís Graça)

(2) Vd. post de 11 de Outubro de 2006 > Guiné 63/74 - P1167: Fotos falantes (Torcato Mendonça, CART 2339) (4): Candamã, uma tabanca em autodefesa

(3) Vd. post de 17 de Novembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1286: Estórias de Bissau (4): A economia de guerra (Carlos Vinhal)

Guiné 63/74 - P1288: Estórias de Bissau (5): saudosimos (Sousa de Castro)


Guiné > Zona Leste > Bafatá > Serviços dos Correios, Telégrafos e Telefones da Guiné > 12 de Junho de 1972 > Dois recibos comprovativos do envio de valores declarados.


Mensagem do Sousa de Castro (que me acaba de telefonar, depois de regressar a casa do trabalho, nos Estaleiros Navais de Viana do Castelo, e ver as notícias do dia no blogue)... Gosto sempre de lembrar que ele é o tertuliano nº 2, se calhar o principal responsável pela animação toda que vai nesta caserna, já desde há ano e meio... Bom, aproveito para lhe dar os parabéns por esse casamento que é sinónimo de amor eterno... Sempre admirei os camaradas que tinham a coragem de se casar na véspera do embarque para Guiné ou durante as férias, a meio da comissão... (LG)

Texto e fotos: © Sousa de Castro (2006)

Estava lendo as notícias do dia, no blogue, e achei curioso o Carlos Vinhal (1) apresentar várias facturas da vida em Bissau, nomeadamente gastos que fez em 1972. Fez-me lembrar que, estando eu a cumprir o meu dever de cidadão ao serviço da Pátria (como se dizia naquele tempo), consegui enviar para a minha esposa, em valor declarado, algum dinheiro que consegui juntar... Conforme documentos que anexo, fui a Bafatá, aos correios.


Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Xime > CART 3494, BART 3873 (Jan 1972/ Abr 74) > Natal de 1972 > 1º Cabo TRMS Radiotelegrafista Sousa de Castro: tinha-se casado no verão de 1971.

Sim, eu casei na tropa, antes de ir para a Guiné, e este casamento ainda dura e durará. Abdiquei do meu direito às férias na Metrópole, gozei quinze dias em Bissau, em casa de um amigo sargento de TRMS, cá da minha terra, Vila Fria. Naquela altura achava eu (e ainda acho) que não fazia sentido vir à Metrópole gozar férias. Para mim tropa era tropa até ao fim.

Se me permitem digo-vos que, apesar de tudo, gostei de andar na tropa, conforme diz a canção: Anda prá frente, mostra que és gente e sabes andar na tropa....

Sousa de Castro

PS - Reparem na assinatura, a vermelho, da funcionária africana que me atendeu, nos correios de Bafatá.
______

Nota de L.G.:

(1) Vd. post de 17 de Novembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1286: Estórias de Bissau (4): A economia de guerra (Carlos Vinhal)

sexta-feira, 17 de novembro de 2006

Guiné 63/74 - P1287: O Alferes Rainha era um tipo bestial (Joaquim Mexias Alves)

Mensagem do Joaquim Mexia Alves:

Conheci muito bem o Alferes Rainha (1).

Se a memória não me atraiçoa - outra vez -, penso que o Rainha esteve no meu curso de Rangers, não tendo sido aprovado, visto que o Alferes de Operações Especiais da sua Companhia era o Armandino, já falado aqui no blogue (2).

Só isso explica que num fim de semana em que ficámos a "expensas do Estado", em Lamego, tenhamos ido com o Rainha a sua casa, em Carrazeda de Ansiães, conhecer a terra e lanchar qualquer coisinha.

O Rainha era um tipo bestial, amigo do seu amigo e sempre prestável. Quando estive evacuado na psiquiatria em Bissau - depois hei-de contar a história - ou quando vim de férias - não me lembro bem -, estive uns dias com o Rainha em Bissau - não me lembro o que ele lá estava a fazer - e andámos sempre juntos.

Quem o devia também conhecer bem - não sei se não seria seu furriel -, é o Eusébio dos Rangers, que já foi falado no nosso blogue (3).

Soube na altura da morte do Rainha, o que me transtornou um pouco: Então um gajo anda na guerra a levar tiros e vem morrer à sua terra, por causa de uma árvore ou duns metros de terreno??

Eu era, mais ou menos, caçador e após vir da Guiné e de Angola, onde estive a trabalhar, ainda fui à caça umas vezes, até ao dia em que, felizmente de muito longe, me acertaram com dois chumbos na cara!!!

Jurei que, se não tinha morrido na Guiné, também não iria morrer de tiros na caça!!!

Lembro-me bem que a sua família era dona da Farmácia de Carrazeda e penso que depois de vir da Guiné ainda falei com ele uma vez ao telefone.

Que Deus o tenha junto de Si, porque ele era um homem bom.

_____________

Nota de L.G.:

(1) Vd. posts de:

13 de Novembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1274: Conheci o Alf Rainha na cambança do Rio Corubal, entre Salltinho e Aldeia Formosa (Paulo Santiago)

10 de Novembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1265: Recordações do ex-Alf Rainha (Xaneco, para os amigos), da CCAÇ 3490 (Saltinho), morto há 20 anos (Maurício Vieira, CCS/3884)

25 de Julho de 2006 > Guiné 63/74 - P986: A tragédia do Quirafo (Parte II): a ida premonitória à foz do Rio Cantoro (Paulo Santiago)

(2) Vd. posts de:

12 de Julho de 2006 > Guiné 63/74 - P955: As emoções de um regresso (Paulo Santiago, Pel Caç Nat 53) (5): O pesadelo da terrível emboscada de 17 de Abril de 1972

20 de Julho de 2006 > Guiné 63/74 - P975: As emoções de um regresso (Paulo Santiago, Pel Caç Nat 53) (7): ainda as trágicas recordações do dia 17 de Abril de 1972

21 de Julho de 2006 > Guiné 63/74 - P976: A morte do Alf Armandino e a estupidez do capitão-proveta (Joaquim Mexia Alves)

(3) Vd. posts de:

27 de Setembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1119: Um periquito no Saltinho, o ranger Eusébio (CCAÇ 3490, 1972/74)

27 de Setembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1120: O Ranger Eusébio no Saltinho: erros e omissões (Paulo Santiago)

27 de Setembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1122: Todos não somos demais: Vivam os Rangers! (Joaquim Mexia Alves)

Guiné 63/74 - P1286: Estórias de Bissau (4): A economia de guerra (Carlos Vinhal)






Guiné > Bissau > 1972 > Diversos documentos de despesa, remetidos pelo Carlos Vinhal, relativos às suas estadias em Bissau: (i) Pensão, bar e restaurante Chez Toi; (ii) Hotel Portugal; (iii) Agência de Viagens Correia; (iv) Mamaud Elawar & Cia Lda.

Foto: © Carlos Vinhal (2006)

Recebi vários e-mails do Carlos Vinhal, com documentos em anexo que nos dão indicações, interessantes, sobre o custo de vida em Bissau no nosso tempo. O Carlos Vinhal foi Fur Mil Art e Minas e Armadilhas da CART 2732 (Mansabá,1970/72). Reside na Leça da Palmeira e é um dos tertulianos activos... Com este post do Carlos, damos continuiddae à série Estórias de Bissau (1).


1. Luís: Junto envio uma factura referente à compra de um rádio-gravador que curiosamente há poucos dias foi parar ao ecoponto. A compra foi efectuada numa daquelas casas de comerciantes libaneses que enxameavam Bissau e arredores. Dir-se-ia que eram os chineses lá do sítio.


2. Luís: Junto envio uma factura referente à estadia de dois dias no Hotel Portugal, onde estive na companhia dos camaradas Furriel de Alimentação Costa e Cabo Maciel. Como te deves lembrar, podíamos ser muito ricos, que mesmo assim nos estava interdito o acesso ao Grande Hotel, onde só podiam ficar Oficiais (por mais labregos que fossem) e civis. Nós, os furrielitos, praças e demais maltrapilhos estávamos confinados ao melhor que havia, nomeadamente o Hotel Portugal ou o Chez-Toi.

A propósito do ChezToi, eles tinham um desdobrável, do qual junto parte, que sucessivamente ia aparecendo: Abra com cuidado, Desdobre de vagar e leia com atenção, Vá..., comer..., no..., CHEZ TOI... Especialidade em Cachupa Rica, etc.

Uma curiosidade...


Guiné > 1971 > Cópia de uma nota de cem escudos da Guiné (ou pesos), emitida pelo BNU (Banco Nacional Ultramarino), em circulação no nosso tempo.

Foto: © Jorge Santos (2005). Direitos reservados


Guiné > 1971 > Cópia de nota de 5o escudos (pesos) da Guiné. Frente. Imagem gentilmente enviada à nossa tertúliua pelo Sousa de Castro.

Foto: © Sousa de Castro (2005). Direitos reservados.


3. Luís: Junto envio, por fim, uma cópia da factura do pagamento da minha viagem à Metrópole. Dei 6.000$00 (dos de cá) à Agência de Viagens Correia para pagar a despesa de 6.430$80 e ainda recebi de troco cerca de 170 pesos.

Mando-te esta e outras facturas por as achar históricas, mas farás delas o que quiseres que eu não tomarei a mal. Juro que comigo podes estar à vontade. Aquilo que, indo da minha parte e no teu critério não acrescentar nada ao blogue, podes arquivar no ficheiro morto (vulgo cesto de papéis), sito por baixo de qualquer secretária que se preze.

4. Comentário de L.G.:

Carlos: Eu admiro o teu espírito de coleccionador! Como é possível teres guardado, estes anos todos, estes documentos, relativos a compras ou despesas efectuados em Bissau em 1972, numa moeda que já não existe mais... A não ser que já na altura tu tivesses a visão premonitória da criação do nosso blogue!!!... Para muitos camaradas nossos, estes papéis já não têm qualquer sentido ou significado. Seguramente, para ti, que os guardaste, eles têm algum valor, sentimental ou documental... E ainda bem que os guardaste e quiseste partilhá-los connosco... Eles fazem parte das nossas memórias e das nossas estórias de Bissau por onde todos nós - pessoal do mato - éramos obrigados a passar, nem que fosse por umas horas ou por uns dias; dão, além disso, informações preciosas sobre a economia de guerra... Obrigado, camarada. Aqui nada vai parar ao caixote do lixo, garanto-te. E, quanto mais não seja, podemos vir a entregar os documentos originais ao Arquivo Histórico-Militar...

Já há tempos, na anterior edição do blogue, eu tinha lançado um desafio aos membros da nossa tertúlia, para tentar saber o que se comprava na altura com... cem pesos... Chegámos à conclusão que era... manga de patacão! (Carlos, fico a saber que, já no teu etnpo, em 1972, uma nota de 100 não chegava para pagar uma noite no Hotel Portugal... E obrigado por me teres trazido à memória do Chez Toi: também tenho lá uma ou duas estórias para contar...).

Aqui ficam alguns excertos desses posts do Blogue-fora-nada (2):

Luís Graça:

"Eu tenho ideia que [cem pesos] era manga de patacão, pessoal ! Eu já não me recordo quanto pagava à lavadeira, em 1969/71, mas se fosse serviço extra, era capaz de lhe dar uma nota destas. A minha não fazia favores sexuais, mesmo em dias de festa: não era cristã nem animista, era uma fula, recatada e virtuosa…

"Mas em Bissau ou em Bafatá, uma queca (como os nossos filhos e as nossas tias dizem agora, 'tás-a-ver...) podia custar uma nota (preta) destas... Já não me lembro das cotações no lupanário em tempo de ocupação e de guerra... As verdianas do Pilão, essas, podiam ser até mais caras…

"Com uma nota destas, ó tuga, tu compravas duas garrafas de uísque novo (disso lembro-me bem…). O Old Parr (uísque velho, muito apreciado lá e cá) já custava mais: 130 ou até 150 pesos, se não me engano…

(...) "Ainda em matéria de comes & bebes, um quilo de camarões tigres, do Rio Geba, comidos na tasca do tuga que era turra (ou, pelo menos, suspeito de vender e comprar vacas aos turras), em Bambadinca, com uma linda vista para o rio, custava cinquenta pesos… Um bife com batatas fritas e ovo a cavalo (supremo luxo de um operacional como eu ou o Humberto) na Transmontana em Bafatá já não me lembro quanto custava (talvez vinte a vinte e cinco? ).

"Ainda me lembro, isso sim, de o vagomestre comprar uma vaca raquítica por 950 pesos, depois de bater não sei quantas tabancas da região de Bambadinca… Nas tabancas, fulas, por onde passei e onde fiquei, uma semana ou mais, era costume comprar, mesmo a custo, galinhas e frangos, mas já não me lembro quanto pediam pelos bichos de capoeira (sete pesos e meio?)… As ostras em Bissau custavam 20 pesos (uma travessa)… E por aí fora.

(...) "De qualquer modo, o que comíamos e bebíamos [, em Bissau,] era praticamente tudo importado...O grande ventre de Bissau era alimentado por uma economia de guerra que deu dinheiro a ganhar a muita gente... Manga de patacão, pessoal! ... Desde as rachas de cibe e o cimento para os reordenamentos (a construção de aldeias estratégicas, como a de Nhabijões, deve ter ajudado a dourar a reforma de muita gentinha mais patriótica do que eu) até aos transportes (civis) em comboios militares, sem esquecer os efeitos (mais nefastos do que benéficos) que a guerra teve na pobre economia natural dos guinéus.

Um deles foi a sua própria militarização. Nos últimos anos da guerra, tudo girava à volta (e vivia) da guerra. A guerra tornou-se, ao mesmo tempo, o ópio e a grande sanguessuga dos guinéus (e dos próprios tugas). E a prova disso, trinta e tal anos depois, é a bidonvilização, a lumpenproletarização da população que engrossou Bissau" (...).

Humberto Reis:

(...) "Das chamadas meninas & vinho verde não me lembro, mas dos produtos que eu mais consumia, entre 69 e 71, não me esqueci: Um maço de SG Filtro: 2,5 pesos (sempre que saía para o mato levava 3 a 4 maços para 2 dias); uma garrafa de whisky novo (J. Walker Juanito Camiñante de 5 anos, rótulo vermelho, JB): 48,50 pesos; idem, de 12 anos, J. Walker rótulo preto, Dimple, Antiquary: 98,50; idem, de 15 anos, Monks, Old Parr: 103,50; um whisky, no bar da messe, eram 2,50 pesos sem água de sifão e com água eram 3,00 pesos...

"Quanto à lerpa, ou ramim, uma noite boa, ou má, poderia dar (valor médio) 200 a 300 pesos para a lerpa e 50 a 100 para o ramim.

(...) "Já não me lembro da maioria dos preços mas tenho uma ideia de que uma viagem na TAP em Março de 1970, Bissau-Lisboa-Bissau, me custou à volta de 6 contos e nós ganhávamos cerca de 5.

"O pré dos soldados era de 600 pesos os de 2ª, 900 pesos os de cá e os cabos 1200 pesos. Eu sei dessa diferença pois tinha no meu Gr Comb o Arménio (o vermelhinha) que foi como soldado, visto que levou cá uma porrada (foi apanhado numa rusga pela PM no Porto quando já estávamos no IAO em Santa Margarida) que lhe lixou a promoção.

(,..) "Sei bem, isso não me esqueceu, que o visque era mais barato que a cervejola : 2,50 simples contra 3,00 ou 3,50, além de que dava direito, o whisky, a gelo. As cervejas nunca estavam suficientemente geladas pois os frigoríficos da messe, a petróleo, não tinham poder de resposta para a quantidade de pedidos.

"Não se riam, meus amigos, com a expressão frigoríficos a petróleo, pois era assim mesmo que funcionavam, visto que o gerador eléctrico [de Bambadinca] só trabalhava à hora de almoço e depois durante a noite" (...).

A. Marques Lopes:

"Interessante também esta reflexão (fez parte da nossa vida). No entanto, eu, pessoalmente, muito pouco posso dizer. Lembro-me que pagava 5 pesos quer à minha lavadeira de Geba quer à de Barro; além da lavagem também trabalhavam com as mãos (eram fulas, pois).

"Quanto a tainadas e saber o preço delas, é um bocado difícil pois nunca tive tempo para muitas... Só sei que, quando em Bissau à espera de embarque, paguei 5 pesos aos miúdos que andavam perto do Bento (a 5ª Rep...) a vender sacos de camarão.

(...) "No Pilão, frequentei várias vezes a Fátima, que não era caboverdiana mas sim fula, e dava-lhe 50 pesos de cada vez. Uma rapariga esperta: uma noite, a Fátima propôs-me que eu trouxesse uma grade de cervejas do QG para ela vender aos visitantes (era giro ouvi-la gritar da cama: Está ocupado!, quando os páras ou os fusos batiam à porta dela), dava-me metade da venda (não entrei nisso, claro) " (...).

Sousa de Castro:

"Quero dizer-vos que no meu tempo (1972/74) não era muito diferente: os preços que se praticavam eram mais ou menos os mesmos...

(...) "Puxando um pouco pela memória, eu como 1º cabo radiotelegrafista ganhava 1.500$00, sendo 1.200$00 por ser 1º cabo e mais 300$00, de prémio de especialidade.

"A dita queca, se a memória não me trai, creio que era assim: para os soldados cinquenta pesos; para os cabos sessenta pesos; a partir daqui não me lembro quanto pagavam os mais graduados... Quanto às cabo-verdianas, a coisa era de facto mais cara, em final de comissão paguei cento e cinquenta ou duzentos pesos, isto em Fevereiro de 1974.

"Recordo que, com um peso, comprava quatro ou cinco bananas. Os uísques novos como o Johnnie Walker (cavalo branco) e outros custavam, em 1972/74, cinquenta pesos; o Dimple 100 pesos; o Old Parr 150 pesos; e havia o Monks, a 250 pesos" (...).

___________

Notas de L.G.:

(1) Vd. post de 14 de Novembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1278: Estórias de Bissau (3): éramos todos bons rapazes (A.Marques Lopes / Torcato Mendonça)

(2) Vd. post de:

1 de Agosto de 2005 > Guiné 63/74 - CXXXII: Cem pesos, manga de patacão, pessoal! (2) (Luís Graça / Humberto Reis)

28 de Julho de 2005 > Guiné 63/74 - CXXIX: Cem pesos, manga de patacão, pessoal! (1) (Luís Graça / Humberto Reis / A. Marques Lopes / Luís Carvalhido / Jorge Santos)

Guiné 63/74 - P1285: Bibliografia de uma guerra (14): Rumo a Fulacunda, um best seller, de Rui Alexandrino Ferreira (Luís Graça)






FERREIRA, Rui Alexandrino - Rumo a Fulacunda. 2ª ed. Viseu: Palimage Editores. 2003. [1ª ed., 2000]. (Colecção Imagens de Hoje). 415 pp. Preço: c. 20€.


Recebi há duas ou três semanas, pelo correio, um exemplar autografado do livro acima referenciado. Rumo a Fulacunda era o grito de guerra, muito pouco guerreiro, da Companhia de Caçadores 1420, em cujas fileiras ingressou o Alf Mil Ferreira, substituindo um camarada "desaparecido em combate", o Vasco Cardoso, nado e criado em Angola, como o Rui. Rumo a Fulacunda é o título, irónico, da "história, igual a tantas [outras], da comissão dum Alferes por terras da Guiné", escreve o autor... O livro é também uma crítica mordaz da instituição militar da época onde a falta de formação, na arte e na ciência de comando, era por mais evidente numa boa parte dos oficiais do quadro permanente, incluindo os comandantes de companhia (como era o caso da CCAÇ 2402).

Já em tempos tínhamos aqui feito uma breve recensão desta obra, pelo mão do nosso camarada Jorge Santos (1). Por outro lado, no encontro da nossa tertúlia, na Ameira, em 14 de Outubro de 2006 (2), o Carlos Santos - ex-Furriel Míl da CCAÇ 2701, sedeada em Saltinho (1970/72) - falou deste livro do antigo alferes miliciano, depois capitão e agora coronel, na reforma, Rui Alexandrino Ferreira, em luta hoje contra um inimigo mais traiçoeiro e poderoso que é a doença... Um exemplar do livro circulou entre os presentes, com muita curiosidade e apreço.

Montemor-o-Novo > Ameira > Hotel da Ameira > 14 de Outubro de 2006 > O Virgínio Briote folheando um exemplar do livro Rumo a Fulacunda, da autoria do nosso camarada Rui Alexandrino Ferreira (2).
Fotos: © Luís Graça (2006) . Direitos reservados.



A obra pode ser adquirida através do editor ou no mercado livreiro: a Palimage (3) é uma jovem editora, criada em 1997, em Viseu, e é um caso de sucesso, pela quantidade e qualidade das obras que tem lançado, originais de autores portugueses, nos mais diversos domínios, desde a crónica da guerra colonial (como é aqui o caso), até à ficção, à poesia, à história, à sociologia, etc.

Já depois do encontro da Ameira, o Rui teve a amabilidade de me mandar, pelo correio, um exemplar da o seu livro, com um dedicatória que muito me sensibilizou. Não posso deixar de a reproduzir aqui, tanto mais que ela não é estritamente pessoal:

"Ao ilustre camarada e antigo combatente, Luís Graça, na esperança e na expectativa de o poder ajudar no muito que tem feito para não deixar cair no esquecimento o marco que influenciaria a vida colectiva dos Portugueses na segunda metade do Séc XX, que já lá vai - a guerra colonial.

"Com a alegria de quem sente renascer uma sã e leal amizade, no desejo de reviver os nossos vinte anos, e sentir o orgulho de termos sido o que fomos e o orgulho de o termos feito. Com um grande abraço do Rui A. Ferreira, Viseu, 23 /Out /2006".

Peço desculpa ao Rui se me enganei numa palavra ou outra. Habituado que estou à letra de médico, não tive grande dificuldade em decifrar a tua mensagem, escrita em letra muito miudinha e estilizada. Creio que captei bem a tua mensagem, que é um estímulo poderoso para todos nós, para toda a nossa tertúlia, e para todos os demais camaradas que combateram na Guiné, e que lutam pelo direito à memória...

O livro do Rui é já um best-seller, vai na segunda edição, e é neste momento o meu livro de cabeceira. O Rui, com duas comissões na Guiné, primeiro como Alferes Miliciano (CCAÇ 1420, 1965/67) e depois como Capitão Miliciano (CCAÇ 18, 1970/72), é um profundo conhecedor da Guiné e das suas gentes. Esta obra - apresentada pela editora como crónica de guerra (colonial) - tem, como particularidade, o facto de ser sido prefaciada por dois dos furriéis milicianos do Grupo de Combate do Alf Mil Ferreira, na CCAÇ 1420 - O José da Silva Monteiro e o Carlos Luís Martins Rios. O Monteiro explica-nos por que é que Rumo a Fulacunda é sobretudo um hino à amizade...

Prometo em breve voltar a esta publicação, fazendo uma análise mais detalhada e crítica da obra. Este post pretende ser uma homenagem ao nosso camarada e, mais do que isso, um acto singelo de solidariedade. Ficam aqui duas sugestões: (i) ponham o livro do Rui no saco do Pai Natal; (ii) vamos propor ao Rui que aceite o nosso convite para, desde já, integrar a nossa tertúlia e autorizar-nos a publicação, no blogue, de um ou dois pequenos excertos do seu livro. Até lá, força, Rui!... Será um privilégio também podermos vir a ser considerados, por ti, como parte integrante da tua frota de amigos!...
__________

Notas de L.G.:

(1) Vd. post de 12 de Julho de 2005 > Guiné 69/71 - CVII: Bibliografia de uma guerra (3) (Jorge Santos)

(3) Vd. auto-apresentação da Palimage:

"Quem somos

"Um livro: Um amigo... dedicado. A Palimage Editores foi fundada na cidade de Viseu em 1997. Resulta da concretização de um sonho antigo daqueles que pensam a edição e a divulgação do livro como um verdadeiro projecto de desenvolvimento cultural. A poesia e o romance, os trabalhos científicos, ensaios nas diversas áreas do saber e imagem são os géneros e temas que elege como principais objectos de publicação. Lentamente, livro a livro, a Palimage Editores vai conquistando o seu espaço na implantação sucessiva das obras editadas e na sua distribuição por todo o País e estrangeiro. Livros que marcam o panorama editorial pela qualidade e beleza dos seus conteúdos, pelo cuidado e atenção na forma, pelo rigor e talento das obras de investigação.



"A Palimage Editores valoriza sobretudo a profunda ligação da obra ao seu autor. Assim, é dada nestas páginas uma atenção muito especial aos criadores, investigadores e artistas, tornando especialmente dinâmico o vínculo anímico do autor com os seus leitores. Autores e Editora apresentam-se a todo um público leitor através das obras que criam e editam. Toda a crítica é bem vinda, toda a sugestão é bem aceite... A Editora".

quinta-feira, 16 de novembro de 2006

Guiné 63/74 - P1284: A Intendência também foi à guerra (Fernando Franco / António Baia)







Guiné > Região de Tombali (Catió) > Cufar > Rio Cumbijã >1973 > Três fotos que documentam as brutais consequências do accionamento de duas minas, colocadas pela guerrilha do PAIGC junto ao cais acostável de Cufar e ao destacamento do PINT (Pelotão de Intendência) 9288 (1)... A viatura, onde seguia o Fur Mil Pita da Silva e mais militares (dois morreram), ficou completamente desfeita, tendo sido projectada a 100/150 metros...

O 1º Cabo Enfermeiro assistiu a esta tragédia... Numa das fotos pode ver-se a cratera originada pela explosão... O Fernado Franco não sabe se os dois soldados do seu pelotão que morreram, vieram ou não para Continente, ams ele fez Guarda de Honra aos seus restos mortais, "até Hospital de Brá"...

Um outra mina, escondida no lodo, foi accionada por um barco, ao atracar ao cais. O barco, que levava carga da Intendência, pegou fogo e ficou destruído...

Às vezes esquecemo-nos destes valorosos camaradas da Intendência que, à parte roubarem-nos uma ou outra caixa de uísque ou de cerveja, também corriam riscos de vida nos seus destacamentos e nas viagens que faziam pelas rios e braços de mar da Guiné, acompanhando as colunas logísticas...

Fonte de informação: Fernando Franco & António Baia, entrevistados na Ameira, em 14 de Outubro de 2006... (LG)

Foto: © Fernando Franco (2006). Direitos reservados.
__________

Nota de L. G.:

(1) Vd. post anterior, com data de hoje > Guiné 63/74 - P1283: Os nossos intendentes, os homens da bianda (Fernando Franco / António Baia)

Guiné 63/74 - P1283: Os nossos intendentes, os homens da bianda (Fernando Franco / António Baia)

Photobucket - Video and Image Hosting


Guiné > S/d > Parte de um documento das NT, de contrapropaganda, em português e em crioulo de caserna, dirigido aos guerrilheiros do PAIGC e à população sob o seu controlo: "Bó presenta na otoridade: Tabanca está contente, tabanca tem bianda, tabanca tem doutor. No mato só mofineza, no mato só fome, no mato só muri"...

A bianda tinha um papel fundamental no moral das nossas tropas... À Intendência competia pôr, a tempo e horas, nos seus entrepostos os comes-e-bebes (do arroz às batatas, do uísque à cerveja) indispensáveis a cada uma das unidades de quadrícula ou de interveção, estacionadas no interior...

Foto: © José Teixeira (2006). Direitos reservados. Foto alojada no álbum de Luís Graça > Guinea-Bissau: Colonial War. Copyright © 2003-2006 Photobucket Inc. All rights reserved.



Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > 1970 > Vista aérea da tabanca de Bambadinca, tirada no sentido sul-norte. Em primeiro plano, a saída (lado leste) do aquartelamento e posto administrativo, ligando à estrada (alcatroada) Bambadinca-Bafatá. Ao fundo, o Rio Geba Estreito, por onde chegavam, vindos de Bissau - depois de passaram por pontos temíveis como a Ponta Varela e o Mato Cão - as embarcações civis, motorizadas, de pequeno calado, fretadas pelo BIG- Batalhão de Intência Geral.

Na foto, assinaladas com um círculo a amarelo, são visíveis as instalações do Pelotão de Intendência (PINT), junto ao Rio Geba. Por aqui passava grande parte do abastecimento em géneros, destinado às numerosas unidades da Zona Leste (que estava dividida em 5 sectores).O abastecimento dos frescos (legumes, fruta...) era, em geral, feito por aeronaves (DO 27), que também traziam o precioso correio...


Foto do arquivo de Humberto Reis (ex-furriel miliciano de operações especiais, CCAÇ 12, Bambadinca, 1969/71). © Humberto Reis (2006). Direitos reservados.




Guiné > Bissau > Batalhão de Intendência Geral (BIG) > 1974 > O Fernando Franco, 1º cabo Caixeiro. Foto: © Fernando Franco (2006)

Guine > Região de Tomboli > Cufar > PINT 9288 > 1974 > O 1º cabo enfermeiro Báia. Foto: © António Báia (2006). Direitos reservados.

Já aqui falámos do nosso intendente Fernando Franco: esteve no BIG (Batalhão de Intendência Geral) em Bissau entre 1973 e 1974 numa CIAG (Companhia de Intendência de Apoio Directo). Desencontrámo-nos no 10 de Junho de 2006, em Belém, viémos a conhecer-nos, pessoalmente, na Ameira, a 14 de Outubro de 2006 (1).

No final de Junho ele mandou-me a chapa da praxe: "Luís, conforme o pedido aqui vai uma fotografia de quando ainda era magro, em Bissau, onde estive, de 20 de Abril 1973 a 11 de Setembro 1974. Como podes ver pela data a minha unidade, CIAD, foi quase das últimas a sair da Guiné"... Enquanto ouvia o Adeus, Guiné... e o barco ou o avião não chegava...

Mais recentemente (4 de Outubro de 2006), ele teve a gentileza de mandar-me os seus dados biográficos: Nascido e criado em Lisboa (Bairro da Graça), trabalhou e estudou de noite. Na tropa, tirou a especialidade em Administração Militar e embarcou para a Guiné como 1º Cabo Caixeiro, integrado numa CIAD (Companhia de Intendência de Apoio Directo), em 20 de Abril de 1973. A sua comissõa foi até mesmo ao fim da nossa presença na Guiné... Rgressou a casa a 11 de Setembro de 1974.

"Casado há 32 anos, tenho um casal de filhos e mais recentemente uma netinha. Profissionalmente passei pela área de escritório e contabilidade. Nestes últimos 16 anos, estive na área dos camiões pesados (compras de material), e actualmente estou no Desemprego, ou à espera da reforma. Seja o que Deus quiser! Um forte abraço. Fernando Franco"... Mora na Venda Nova, Amadora.

2. Outro camarada da Intendência, que eu conheci em 14 de Outubro de 2006, na Ameira (2), foi o António Báia, 1º cabo enfermeiro num PINT (Pelotão de Intendência)... É amigo do Fernando Franco (cujo e-mail partilha provisoriamente.

Reza assim a sua biografia: Nasceu em Beja em 1951, foi sempre bom rapaz, tendo trabalhado como serralheiro até assentar praça na mesma cidade em Janeiro de 1972. De seguida foi tirar a especialidade de enfermeiro em Coimbra, acabando por seguir para a Guiné, em Abril de 1973, integrado numa Companhia de Intendência, com sede em Bissau. O seu pelotão foi destacado para Cufar ( PINT 9288 – Cufar, Os Pioneiros). Regressando para o Continente em 11 de Setembro de 1974.

"Casei há 28 anos, tenho um rebento do melhor que se pode pedir. Profissionalmente e após findar o serviço militar, ingressei como funcionário Ministério Justiça, mas actualmente já estou aposentado. Um grande abraço. António Báia"... Mora nos Moínhos da Funcheira, Amadora.
____________

Notas de L.G.:

(1) Vd. post de 15 de Outubro de 2006 > Guiné 63/74 - P1177: Encontro da Ameira: foi bonita a festa, pá... A próxima será no Pombal (Luís Graça)


(2) Vd. post de 20 de Outubro de 2006 > Guiné 63/74 - P1195: Ameira: O nosso encontro fez-me bem à alma (Fernando Franco)

quarta-feira, 15 de novembro de 2006

Guiné 63/74 - P1282: História da CCAÇ 2402 (Raul Albino) (1): duas baixas de vulto, Beja Santos e Medeiros Ferreira

Guiné > CCAÇ 2402 (Có / Mansambá, 1968/70) > Emblema da unidade




Amadora > RI 1 > 1968 > CCAÇ 2402, em formação > "De pé e da esquerda para a direita, o primeiro sou eu, o segundo é o Francisco Silva e a seguir o Medeiros Ferreira. Só falta nesta fotografia de grupo o Beja Santos, que, por qualquer razão, andava desenfiado. Também aqui falta o comandante da companhia, Capitão Vargas Cardoso" (RA).




Amadora > RI 1 > 1968 > CCAÇ 2402, em formação > De pé, da esquerda para a direita: Aspirantes Francisco Silva e Raul Albino, e Capitão Vargas Cardoso.


Lisboa > Paquete Uíge > A CCAÇ 2402, pertencente ao BCAÇ 2851 partiu para a Guiné a 24 de Julho de 1968, com as restantes companhias do seu batalhão, e ainda na companhia do BCAÇ 2852 (Bambadinca, 1968/70).

Texto e fotos: © Raul Albino (2006)


Damos início à publicação das memórias de campanha do ex-alf mil da CCAÇ 2402, pertencente ao BCAÇ 2851 (, Mansabá, Olossato, 1968/70), que embarcou no Uíge, em finais de Julho, juntamente com o BCAÇ 2852 (Bambadinca, 1968/70) (1).

Partida para a Guiné

A Companhia de Caçadores 2402 do Batalhão de Caçadores 2851, formou-se no Regimento de Infantaria nº 1, na Amadora.

Embarcou no paquete Uíge a 24 de Julho de 1968, com destino à Guiné. O BCAÇ 2851 foi acompanhado na viagem pelo BCAÇ 2852.

Achei imensa graça a esta poesia popular, sentida, do soldado António Maria Veríssimo, militar da nossa companhia, retirada do seu livro de poesia Diversos.


Uíge! Volta para a terra,
Muda de rota, de direcção,
Não nos leves para a guerra.

Por favor! Pára p’ra pensar,
Não corras tanto,
Navega mais devagar.

Somos crianças, que vais deixar
Na guerra do Ultramar.
Porque não queres a rota mudar ?

Uíge! Não sigas p’rá guerra,
Muda de direcção! Muda de rota!
Volta p’rá nossa terra.

A M Veríssimo


Mas voltemos um pouco atrás, mais propriamente à altura em que a companhia se formava na Amadora, comandada pelo então Capitão Vargas Cardoso.

Estive inicialmente incluído na formação, em Évora, de uma companhia independente com destino a Timor. A minha felicidade era imensa, como podem calcular. O quartel de preparação da companhia era o R. I. 16, aquartelamento que na altura mais parecia um museu militar em decadência. Não possuía instalações suficientes, pelo que os oficiais eram convidados a procurar alojamento no exterior. A alimentação também era no exterior, salvo erro, numa unidade de artilharia, que não recordo o nome.

Do que me recordo bem – além da simpatia para connosco das raparigas que estudavam em Évora – era do parque de obstáculos para o treino dos militares:

(i) A Ponte interrompida estava tão interrompida pela podridão das madeiras, que foi considerada vedada ao trânsito;

(ii) A Vala estava seca, o que não seria de estranhar nos tempos actuais com as temperaturas elevadíssimas que temos, mas naquela época só se tinha alguma rotura e como os engenheiros tinham ido para a guerra, as valas tinham virado alfobres, com alguma terra no fundo e ervas a crescer;

(iii) As Paliçadas estavam decadentes, com a madeira apodrecida, não aconselhando a sua utilização sem um seguro contra todos os riscos;

(iv) O Pórtico dava graça de tão baixo que era, parecendo ter-se enterrado no chão com o tempo, mas mantendo-se gloriosamente de pé, com as cordas puídas pendentes;

(v) Lá nos entretínhamos a saltar o Muro e mais algumas brincadeiras. Mesmo o muro, devido à idade avançada, a altura mais alta (1ª), parecia a intermédia (2ª) e a intermédia, devido ao desgaste, estava quase alinhada com a baixa (3ª). Um paraíso portanto. E como eu gostava de lá estar …

Mas foi sol de pouca dura. Ao fim de cerca de três semanas de exercícios, chega uma ordem de dissolução da companhia e redistribuição dos militares. Para mim saiu-me na rifa a rendição individual de um aspirante de uma companhia em preparação na Amadora que iria seguir para a Guiné, a CCAÇ 2402.

Qual pára-quedista, fui cair no meio de um barril de pólvora, que outro nome não se pode dar à composição do quadro de oficiais da companhia em formação. Inicialmente o quadro de oficiais era constituído pelos membros abaixo indicados e eu vi-os, na altura, da seguinte forma:

(i) Capitão Vargas Cardoso – Militar de carreira, de perfil autoritário, muito organizado, com tendência para controlar tudo e todos. Gostava de ser considerado como um pai para todos os seus militares;

(ii) Aspirante Francisco Silva – Formação académica no sector das Letras, politizado tanto quanto a vida académica o permitia, parecia ser um militar apostado em cumprir a sua comissão sem hostilizar ninguém. Para melhor o identificar, ele foi, há poucos anos atrás, Embaixador de Portugal na Guiné-Bissau, além de outros cargos diplomáticos;

(iii) Aspirante Medeiros Ferreira – Formação académica no sector das Letras, altamente politizado, parecia querer levar a comissão até ao fim, mas, se assim era, depressa compreendeu que essa pretensão não era fácil de concretizar. Creio que todos se recordam dele, foi Ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal;

(iv) Aspirante Beja Santos – Também oriundo do sector das Letras, politizado, este elemento dispensa apresentação, pois todos o conhecem, pelo menos, como um dos nossos tertulianos mais versáteis na arte de bem escrever, como o Tigre de Missirá, ou pela sua cruzada em defesa do consumidor;

(v) Aspirante Raul Albino – Resto eu, com formação Contabilística e não politizado. Esta minha formação permitiu-me ser inicialmente seleccionado para o CSM na especialidade de Contabilidade e Pagadoria, o que me tornou no mais feliz dos militares ao cimo da terra. Mais uma vez a sorte me foi madrasta, pois acabei – não sei como – por ser reclassificado para o COM, nas especialidades de Atirador Especial e Minas e Armadilhas. Será que viram em mim a capacidade de disparar números e armadilhar escritas?

Viria a crescer posteriormente com a Informática, ao longo de 30 anos na IBM, na especialização de grandes e médios sistemas. Os micro sistemas têm sido para mim um hóbi de velho, que tem a virtude de me manter afectiva e minimamente ligado aos tempos do pioneirismo informático da minha juventude.
– Mas – dirão vocês – onde está o barril de pólvora?

Pois, o barril consistia no clima explosivo que se tinha criado no relacionamento entre o Capitão e os seus Aspirantes.

Quando eu chego ao grupo vejo o Capitão preocupado com a circunstância de levar para a Guiné a dupla Medeiros Ferreira/Beja Santos, sobre os quais não conseguia ter o controlo pretendido e com a perspectiva do relacionamento vir a degradar-se ainda mais com o passar do tempo.

Quanto ao Francisco Silva, não o vi preocupado em sua relação, talvez pensando que ele seria mais fácil de controlar. Algum tempo após a minha chegada, confidencia-me ele (por estas palavras ou semelhantes):
- Sabes? Creio que temos letrados a mais na companhia! – ao que eu lhe retorqui:
- Bem, para compensar, agora tem-me a mim que não sou de Letras, sou de Números!

Depressa me apercebi ao longo desta conversa, por sinal bastante infeliz, que não era mais que uma tentativa de aliciamento da minha pessoa para a sua causa. Tentativa semelhante ter-me-á feito o Medeiros Ferreira. Tentativas inúteis, porque eu era um indivíduo convictamente independente, avesso a alinhamentos e não politizado. Além disto era ingénuo, porque julgava que me podia manter neutral, com o equilíbrio existente a manter-se ao longo da comissão.

Ainda hoje uma dúvida me afecta a alma. Terá a minha resistência a alinhamentos, – comunicada ao Medeiros Ferreira – influenciado de algum modo o desenrolar dos acontecimentos que se seguiram no seio do grupo?

Duas a três semanas antes da partida da companhia, eu era enviado com um sargento, em avião militar, para a Guiné, com a missão de preparar a chegada da companhia em termos de material e equipamento. O que se terá passado durante esse período de tempo, escapou-me, na altura, ao meu conhecimento pessoal, razão pelo qual não o abordo aqui, especialmente agora que o melindre e crítica à falta de rigor se instalaram no seio dos nossos tertulianos, com o caso Ranger Eusébio (2) a servir de exemplo.

A minha surpresa não teve descrição, ao constatar que a companhia chegava à Guiné com duas baixas no quadro de Oficiais: o Medeiros Ferreira e o Beja Santos (2). O capitão tinha ganho a primeira batalha (pessoal), mesmo antes de chegar ao teatro de guerra.

Senti a minha cruz começar a ficar mais pesada...

Raul Albino

____________

Notas de L.G.:

(1) Vd. posts anteriores:

17 de Setembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1082: Notícias da CCAÇ 2402 e do BCAÇ 2851 (Raul Albino)

23 de Setembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1105: Como escrever um livro de memórias de guerra 'à la carte' (Raul Albino, CCAÇ 2402)

4 de Novembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1246: O meu livro Memórias de Campanha da CCAÇ 2402 (Raul Albino)

(2) José Medeiros Ferreira, hoje com 64 anos, é professor universitário (Faculdade de Ciências Sociais, Universidade Nova de Lisboa) e escreve regulamente no blogue, de que é co-editor, Bicho Carpinteiro. E-mail: bichoscarpinteiros@hotmail.com



FCSH/UNL > 2006 > Prof. Doutor José Medeiros Ferreira
Fonte: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa (2006) (com a devida vénia...)

Açoriano da Ilha de São Miguel, nasceu em Ponta Delgada, em 1942... Desertou em 1968, quando estava mobilizado para a Guiné (CCAÇ 2402). Licenciou-se em Ciências Sociais, em Genebra, Suíça. Militante e dirigente do PS, ocupou o cargo de Ministro dos Negócios Estrangeiros no I Governo Constitucional (1976/78), presidido por Mário Soares. No início de 2006, desligou-se de todos os cargos dirigentes no seu partido, voltando à condição de militante de base...



Dr. Mário Beja Santos, conhecido especialista no domínio os direitos do consumidor. É assessor principal do Instituto do Consumidor. É também membro da nossa tertúlia...
Foto: © Beja Santos (2006). Direitos reservados

Guiné 63/74 - P1281: Dicas para o viajante e o turista (5): em Bissau, procurem os poetas (Paulo Santiago)


Montemor-o-Novo > Ameira > Hotel da Ameira > Encontro da tertúlia Luís Graça & Camaradas da Guiné > 14 de Outubro de 2006 > Intervenção, emocionada, do Paulo Santiago, ao evocar a sua viagem de regresso à Guiné, em Fevereiro de 2005, a viagem de todas as emoções...


Foto: © Luís Graça (2006) . Direitos reservados.


1. Mensagem do Paulo Santiago , com data de 18 de Outubro de 2006, para a qual chamo a particular atenção dos nossos tertulianos por duas razões: (i) há aqui uma dica (implícita) para o viajante e o turista que vai à Guiné-Bissau (1), país lusófono onde, apesar das enormes dificuldades do quotidiano e das sombras que pairam sobre o seu futuro, há gente que teima em escrever contos e poesia em português (!), numa região de África, fortemente francófona, tradicionalmente de forte influência cultural, económica e política da França; o mínimo que podemos fazer pelos nossos amigos da Guiné-Bissau que escrevem em português, é conhecê-los e lê-los; por isso, façam o favor de comprar pelo menos um livrinho de um escritor guineense, na próxima viagem; (ii) por outro lado, mesmo com o atraso de um mês, é de registar e divulgar esta nota de apreço, por parte do durão Santiago, pelo nosso encontro na Ameira (2)... (LG)


2. Obrigado, Luís! Obrigado a todos os Tertulianos! A festa da Ameira foi bonita...pá! (2)... Eu, que dizem duro, emocionei-me muito. Cada vez as minhas recordações da Guiné são mais fortes.

Um forte abraço para todos
Santiago

PS - Transcrevo a seguir um poema do livro Um cabaz de Amores, de Carlos-Edmilson M. Vieira (Noni). O livro foi-me oferecido pela mãe do Dr. Miguel Nunes, proprietária da residencial Coimbra e da casa Nunes e Irmão. É o primeiro livro do autor (1998) (3). Em 2000 publicou Contos de N'Nori, com prefácio de Leopoldo Amado, nosso tertuliano (4).


POETA

Não!
Não me chamem poeta... porque
aquele de barriga grande
cheia de nada

Tem poema no corpo

Não!
Não me chamem poeta... porque
aqueles olhos perdidos de desespero
cara de criança sem infância

Tem poema no rosto


Não!
Não me chamem poeta... porque
aqueles pés descalços
que caminham léguas de esperança
na ânsia de sobreviver

Tem poema na alma

Não!
Não me sinto poeta...porque
aquele que na tabanca
com engenhos de trapos faz brinquedos a
toda sua vida
são poemas
dedicados a quem nunca os lê


Carlos-Edmilson (Noni),
poeta guineense

_________

Notas de L.G.

(1) Vd. último post desta série (Dicas para o viajante e o turista): 8 de Novembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1259: Dicas para o viajante e o turista (4): Um cheirinho a alecrim & rosmaninho (Luís Graça / Jorge Neto)


(2) Vd. post de 15 de Outubro de 2006 > Guiné 63/74 - P1177: Encontro da Ameira: foi bonita a festa, pá... A próxima será no Pombal (Luís Graça)

(3) Carlos Edmilson Vieira - Um Cabaz de Amores/Une corbeille d’amours. France, Ivry Sur Seine: Nouvelles Sud. 1998.

Carlos Edmilson Vieira - Contos de N’Nori - Edição do autor, Bissau, 2000.

(4) Vd. texto de Filomena Embaló, de Novembro de 2004 > Breve resenha sobre a literatura da Guiné-Bissau, inserido página de Fernando Casimiro (Didinho) > Guiné-Bissau Contributo

Guiné 63/74 - P1280: A vida de um comando (A. Mendes, 38ª CCmds) (7): Um tiro de misericórdia em Caboiana

Guiné > Região do Cacheu > Caboiana > 38ª CCmds > Acção Jovenca > 31 de Dezembro de 1972 > A espingrada semiautomática russa Simonov, capturada ao guerrilheiro abatido.


Guiné > Região do Cacheu > Caboiana > 38ª CCmds > Acção Jovenca > 31 de Dezembro de 1972 > Em primeiro plano, o comando Mendes, com o seu RPG2.


Guiné > Região do Cacheu > Caboiana > 38ª CCmds > Acção Jovenca > 31 de Dezembro de 1972 > A penosa recuperação no tarrafo do Rio Caboiana.


Guiné > Região do Cacheu > Caboiana > 38ª CCmds > Acção Jovenca > 31 de Dezembro de 1972 > Já a caminho da LDM que há-de levar os 2 Gr Comb até ao Cacheu.


Texto e foto: © Amilcar Mendes (2006). Direitos reservados.

Memórias de uma passagem de ano e Natal (com prenda ?)

por A. Mendes

Photobucket - Video and Image Hosting


Foto: © Amilcar Mendes (2006). Direitos reservados. Foto alojada no álbum de Luís Graça > Guinea-Bissau: Colonial War. Copyright © 2003-2006 Photobucket Inc. All rights reserved.

Texto enviado em 4 de Outubro de 2006, por A. Mendes, ex-1º Cabo Cmd da 38ª CCmds (Os Leopardos) (Guiné, Brá, 1972/74). Continuação da série A Vida de um Comando (1).

31 de Dezembro de 1972 - Acção Jovenca

-Missão: Aniquilar, capturar e desarticular as organisações IN na região da Caboiana;
-Força executante: 2 Gr Comba da 38ª CCmds;
-Planos elaborados para a acção: Saída de Teixeira Pinto em coluna auto até ao Cacheu;
-Deslocamento de LDM até a região de S. Domingos até a altura da recuperação em LDM;
-Apoio aéreo: COMdcon(DO27 armada) em alerta, no solo de Teixeira Pinto;
-Duração: 24 horas;
-Resultados obtidos: Pelo IN, 1 morto(confirmado);
-Feita a captura do seguinte material: 1 Esp Aut Simonov.

Desenrolar da acção:

31 de Dezembro de 1972

O meu grupo (2º) e o 4º vamos para a Caboiana-Churo. Vamos de LDM até ao Rio Caboiana, e aí chegados passamos para os botes dos Fuzas Africanos que nos vão levar até ao tarrafo onde iremos desembarcar.

O desembarque e a passagem do tarrafo são feitos à força de braços e com muito custo mas lá chegamos ao trilho e pelas 10h00 lá vamos a caminhar.

Sigo em 5º lugar logo atrás do Cmdt da Companhia. A minha arma era um RPG2. O trilho por onde seguimos revela vestígios de ser usado com regularidade.

O 1º homem da frente segue com cautela observando cada vestígio para não sermos apanhados em falta, pois segundo o nosso credo ... em combate a morte sanciona cada falta!

Já seguíamos há horas no trilho quando ouvimos, no silêncio, barulho de alguém a assobiar uma melodia qualquer. Nem tivemos tempo de parar quando nos apareceu pela frente um guerrilheiro, armado e só. Ainda tentou disparar mas o nosso primeiro homem disparou uma rajada à queima- roupa, atingindo-o. O homem ainda deu uns passos em frente vindo a cair à minha frente.

Reparei que, embora o sangue saísse em golfadas pela boca, ainda estava vivo. Em agonia. Para bem dele e para lhe acabar o sofrimento foi aí que lidei mais de perto com a morte. Para alguns isso será assassínio, para mim foi misericórdia. Um tiro de misericórdia.

Apesar do tempo que já levo de combate, ainda não aperendi na tratar a morte por tu. Ainda tenho algumas reticências em tirar o último sopro a alguém.

Nós, os que passámos pelos palcos de Guerra e que fomos a mão executora em muitas operações, apenas demos seguimento ao que era superiormente planeado.

Fui voluntário para os Comandos, sabia o que me aguardava, sabia que a palavra MORTE iria entrar na minha vida até ser banal pronunciá-la. Que fique claro que até hoje nunca me arrependi de nada do que fiz enquanto militar. Sempre respeitei os mais fracos e os indefesos, nunca pratiquei actos gratuitos só para acrescentar mais uma marca na coronha da minha arma. Fui misericordioso tanto como o IN o era. Para se obter resultados era preciso matar para não ser morto e nisso tornei-me mestre, mas sempre olhei nos olhos aqueles que, como meus inimigos, exalavam o último sopro.

Prosseguindo no meu diário: Com a morte do guerrilheiro IN capturámos uma arma russa, uma Simonov, novinha. Seguimos pelo trilho e, com a nossa aproximação a um aldeamento, ouviram-se uma série de rajadas. O elemento surpresa fora quebrado e prosseguir era puro suícidio. Tínhamos de certeza emboscada montada algures no caminho. O capitão decidiu sair do trilho e entrámos a corta mato. O objectivo da missão estava perdido quando se quebrou o elemento surpresa e por isso foi decidido terminar e rumar ao local de recuperação.

A morte do elemento IN teve uma virtude, o de me fazer ir passar a passagem do ano no quartel de Teixeira Pinto.

No local de recuperação tivemos de atravessar um tarrafo, aí com 50 m de comprimento, feito a força de braços pois o terreno era pântano e cheguei a estar atascado até a cintura agarrado a raízes.

Lá chegamos aos botes dos Fuzas Africanos que nos levaram até ao Cacheu , daí seguimos em coluna auto até Teixeira Pinto onde nos aguardava a entrada do ano de 73.

A. Mendes
___________

Nota de L. G.:

(1) 24 de Outubro de 006 > Guiné 63/74 - P1210: A vida de um comando (A. Mendes, 38ª CCmds) (6): Guidaje ? Nunca mais!...