sábado, 3 de fevereiro de 2018

Guiné 61/74 - P18281: Os nossos seres, saberes e lazeres (251): Em Bruxelas, para comemorar 40 anos de uma amizade (1) (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70) com data de 21 de Novembro de 2017:

Queridos amigos,
Estabelecemos ao longo da vida laços de amizade que a tudo resiste. Vai para 40 anos conheceu-se um perito valioso que foi arrimo para a profissão que se escolheu, André Cornerotte foi dos peritos mais habilitados que conheci, exprimia um pensamento de valor social sobre o consumo e era um adepto acérrimo da pluralidade de vozes na política dos consumidores, com ele aprendi muito, proporcionou-me uma visão muito mais rasgada sobre o fenómeno do consumo daquele que é desenhado pelos tecnocratas e pelos jurista.
Para 40 anos de uma relação sólida, impunha-se voltar ao local do crime, a Bruxelas, foi aí que o conheci na minha primeira viagem de trabalho, há exatamente 40 anos.
Como sempre, viagem inesquecível.

Um abraço do
Mário


Em Bruxelas, para comemorar 40 anos de uma amizade (1)

Beja Santos

Em 1977, espero que se recordem, o governo português deu-me um sinal inequívoco de querer vir aderir à Comunidade Económica Europeia. Os departamentos ministeriais começaram a selecionar funcionários para irem a Bruxelas adestrar-se sobre os respetivos dossiês da especialidade. O viandante andava já bastante imiscuído nas tarefas do consumo e coube-lhe ir conhecer na chamada capital da Europa a essência da política dos consumidores, na vertente institucional e associativa. E durante uma semana, em Outubro de 1977, andou de Herodes para Pilatos, conversou com meio mundo, assombrou-se com a proliferação de organizações como cooperativas, famílias, mulheres, associações de consumidores, sindicatos, no caso destes a Bélgica oferecia visões de democratas cristãos, liberais e socialistas, conversou-se com todos. Pois é no encontro com a Federação Geral dos Trabalhadores da Bélgica que se conheceu um senhor altamente preparado e que até já exercia funções no Comité Europeu dos Consumidores. Era tal a sua visão do consumo e a articulação dos fatores de mercado envolvidos que o viandante dali saiu bem impressionado, pedindo-lhe para manter a via aberta para ulteriores esclarecimentos. E assim se foi fortalecendo a comunicação, veio a amizade e a intimidade, depois a troca de visitas, assim se passaram 40 anos. Foi a efeméride que se veio celebrar, todo e qualquer pretexto é bom para regressar a Bruxelas, cidade de cultura, de jardins, de livrarias de obras usadas, de uma miríade de casas de bricabraque, e de uma prodigiosa feira da ladra, que tanto acicata o viajante. Aqui se mostra em lugar de destaque Andre Cornerotte, belga das Ardenas, antigo padre operário, um dos mais capacitados defensores do consumidor que o viandante conheceu, está hoje com 84 anos e não esconde o prazer de receber o seu amigo.


Foi uma visita inusitada, previam-se seis dias acabaram por ser dez, por acontecimentos da Ryanair. Chegou-se, passou-se a tarde a vaguear pela floresta e a pôr a escrita em dia. O anfitrião sugeria que o viandante o acompanhasse na manhã seguinte a Uccle, uma das comunas da cidade de Bruxelas, bem perto do Brabante Flamengo, iria jogar a manhã inteira partidas de bridge em casa de uma senhora onde o viandante seria bem recebido, queria mesmo mostrar-lhe alguns objetos de arte. E lá foram, antes do bridge falou-se de porcelana chinesa, escultura europeia e tapeçaria. E enquanto andavam por ali afanosamente a jogar, o viandante passeava a mirar objetos e o jardim.


Aqui fica um pormenor de uma bela tapeçaria de fábrica de Bruxelas, talvez meados do século XVIII, muitíssimo bem conservada, revestindo uma imensa parede, o viandante viu-se e desejou-se para escolher um ângulo que desse amplitude a tão belo trabalho só que a sua câmara tem severas limitações, mas o que se regista é de uma indizível beleza.




Mais por diante falaremos dos encantos outonais que esta natureza nos reserva, aqui se mostra um ácer já a fenecer, o vermelho da folhagem com ligeiro amarelecimento, a alvura dos crisântemos e o parque envolvente. A anfitriã ofereceu um bom naco de galinha e puré como almoço e depois mandou gentilmente os presentes à sua vida, o viandante não se fez rogado, apanhou um transporte público e começou a vadiagem no centro de Bruxelas.


Num bom livro sobre percursos de Bruxelas, que adiante se fará referência, os autores encetam a sua visita guiada à cidade no gigantesco palácio da justiça, assim escrevendo: “Não se lhe consegue escapar. Mais tarde ou mais cedo, avistámo-lo. De longe, a sua cúpula coroada e decorada a ouro serve de ponto de referência. De perto, o edifício monumental de aspeto sombrio e severo interroga-nos, inquieta-nos ou fascina-nos. O Palácio de Justiça de Bruxelas não deixa ninguém indiferente. As dimensões do edifício revelam, por si só, a imensidão da superfície a percorrer e a manter: 26 000 metros quadrados de área, 665 000 metros cúbicos de volume, 576 divisões”. O céu nem chega a ser de chumbo, como se vê, aqui se mostra um pormenor da fachada principal, sempre a conheci em obras, em obras está. No lado esquerdo, avista-se a sinagoga, o museu judaico é no Sablon, um pouco mais abaixo, dele também se falará por causa de uma belíssima exposição sobre Bruxelas, terra de acolhimento.


O imperador Carlos V nasceu em Gand, em adolescente foi para a corte de Espanha. É figura central da política europeia, apanhou o acesso da Reforma e amargurado com os acontecimentos deu o trono a seu filho, Filipe II que governou a Flandres com mão de ferro. Alguma nobreza procurou revoltar-se contra o jugo espanhol, foram executados na Grand Place. Aqui o monumento aos dois chefes da sublevação, Egmont e Horn. Egmont será motivo de inspiração para uma importante peça de Beethoven.


Do jardim de Egmont e Horn avista-se um dos mais importantes templos religiosos de Bruxelas, Nossa Senhora do Sablon.


Leopoldo I foi um rei riquíssimo, detinha o Congo, deu-lhe para fazer de Bruxelas uma cidade rival de Paris, ressalvadas as proporções. À porta dos museus reais de Belas Artes, há impressionantes esculturas, aproveita-se os últimos resquícios de luz para mostrar uma dessas ostentações escultóricas.


Na descida da Praça Real pode ver-se o soberbo Hotel Ravenstein, um dos melhores edifícios conservados do fim da idade média, fotografado junto de um lago onde um mobile de Alexander Calder esvoaça em permanência.


É o fim da viagem, em dias de luminosidade temos aqui uma das mais cativantes panorâmicas do centro da cidade com a famosa agulha do Hotel de Ville a simular um foguete a arrancar para os céus. Foi grande a surpresa do viandante com o edifício que se avista ao fundo à direita, nos últimos anos estava de portas encerradas, abriu agora para acolher uma das principais manifestações da Europália da Indonésia. Escurece rapidamente, e pouco passa das cinco da tarde. O dia de trabalho turístico ainda não findou, o viandante embrenha-se no centro, vai à procura de livros em segunda mão, antes de regressar a Penates. Teve sorte: comprou documentação sobre a Provença, que espera visitar em Março, e pagou dois euros por um livro de arte de autoria de Jorge Pais da Silva, que foi seu professor, vem agora no metro a saborear a dissertação do seu antigo mestre sobre o manuelino e o Convento de Cristo em Tomar. Não podia acabar melhor o segundo dia em Bruxelas.


Para quem ama livros, revistas, mapas, alguma banda desenhada, a Galeria Bortier, em frente à Gare Central de Bruxelas, é um ponto de passagem obrigatório. Como se descobriu este oásis vai para 40 anos, não se vê melhor imagem para despedida da vadiagem a que se entregou o viandante.

(Continua)
____________

Nota do editor

Último poste da série de 27 de janeiro de 2018 > Guiné 61/74 - P18260: Os nossos seres, saberes e lazeres (250): À sombra de um vulcão adormecido (5) (Mário Beja Santos)/a>

Guiné 61/74 - P18280: Ai, Dino, o que te fizeram!... Memórias de José Claudino da Silva, ex-1.º cabo cond auto, 3.ª CART / BART 6520/72 (Fulacunda, 1972/74) > Capítulos 23 e 24: A partir de outubro de 1972, aumentei a requisição (quinzenal) de cervejas: de 5 ml para 6 mil... Por outro lado, fiquei chocado quando pela primeira vez ouvi dizer que éramos colonialistas...



Guiné > Região de Quínara > Fulacunda > 3ª CART / BCART 6520/72 (1972/74) > " Foi com espanto que pela primeira vez ouvi dizer que éramos colonialistas e que o nosso governo era um governo fascista. Fiquei escandalizado com o que ouvia e jurei continuar a defender Portugal e as províncias ultramarinas."

Foto (e legenda): © José Claudino da Silva (2017). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]



1. Continuação da pré-publicação do próximo livro (na versão manuscrita, "Em Nome da Pátria") do nosso camarada José Claudino Silva:

Nasceu em Penafiel, em 1950, foi criado pela avó materna, reside hoje na Lixa, Felgueiras. Tem orgulho na sua profissão: bate-chapas, agora reformado. Tem o 12.º ano de escolaridade.

Foi um "homem que se fez a si próprio", sendo já autor de dois livros, publicados (um de poesia e outro de ficção). Tem página no Facebook. É membro n.º 756 da nossa Tabanca Grande .


Sinopse:

(i) foi à inspeção em 27 de junho de 1970, e começou a fazer a recruta, no dia 3 de janeiro de 1972, no CICA 1 [Centro de Instrução de Condutores Auto-rodas], no Porto, junto ao palácio de Cristal;
(ii) escreveu a sua primeira carta em 4 de janeiro de 1972, na recruta, no Porto; foi guia ocasional, para os camaradas que vinham de fora e queriam conhecer a cidade, da Via Norte à Rua Escura.

(iii) passou pelo Regimento de Cavalaria 6, depois da recruta; promovido a 1.º cabo condutor autorrodas, será colocado em Penafiel, e daqui é mobilizado para a Guiné, fazendo parte da 3.ª CART / BART 6250 (Fulacunda, 1972/74);

(iv) chegada à Bissalanca, em 26/6/1972, a bordo de um Boeing dos TAM - Transportes Aéreos Militares; faz a IAO no quartel do Cumeré;

(v) no dia 2 de julho de 1972, domingo, tem licença para ir visitar Bissau,

(vi) fica mais uns tempos em Bissau para um tirar um curso de especialista em Berliet;

(vii) um mês depois, parte para Bolama onde se junta aos seus camaradas companhia; partida em duas LDM parea Fulacunda; são "praxados" pelos 'velhinhos', os 'Capicuas", da CART 2772;

(viii) Faz a primeira coluna auto até à foz do Rio Fulacunda, onde de 15 em 15 dias a companhia era abastecida por LDM ou LDP; escreve e lê as cartas e os aerogramas de muitos dos seus camaradas analfabetos;

(ix) é "promovido" pelo 1.º sargento a cabo dos reabastecimentos, o que lhe dá alguns pequenos privilégio como o de aprender a datilografar... e a "ter jipe";

(x) a 'herança' dos 'velhinhos' da CART 2772, "Os Capicuas", que deixam Fulacunda; o Dino partilha um quarto de 3 x 2 m, com mais 3 camaradas, "Os Mórmones de Fulacunda";

(xi) Dino, o "cabo de reabastecimentos", o "dono da loja", tem que aprender a lidar com as "diferenças de estatuto", resultantes da hierarquia militar: todos eram clientes da "loja", e todos eram iguais, mas uns mais iguais do que outros, por causa das "divisas"... e dos "galões"...

(xii) faz contas à vida e ao "patacão", de modo a poder casar-se logo que passe à peluda;

(xiii) ao fim de três meses, está a escrever 30/40 cartas e aerogram as por mês; inicialmente eram 80/100; e descobre o sentido (e a importância) da camaradagem em tempo de guerra.

(xiv) como "responsável" pelo reabastecimento não quer que falte a cerveja ao pessoal: em outubro de 1972, o consumo (quinzenal) era já de 6 mil garrafas; ouve dizer, pela primeira vez, na rádio clandestina,  que éramos todos colonialistas e que o governo português era fascista; sente-se chocado.


2. Ai, Dino, o que te fizeram!... Memórias de José Claudino da Silva, ex-1.º cabo cond auto, 3.ª CART / BART 6520/72 (Fulacunda, 1972/74) > Capºs 23 e 24


[O autor faz questão de não corrigir os excertos que transcreve, das cartas e aerogramas que começou a escrever na tropa e depois no CTIG à sua futura esposa. Esses excertos vêm a negrito. O livro, que tinha originalmente como título "Em Nome da Pátria", passa a chamar-se "Ai, Dino, o que te fizeram!", frase dita pela avó materna do autor, quando o viu fardado pela primeira vez. Foi ela, de resto, quem o criou. ]



23º Capítulo  > OS PASSATEMPOS E OS PRIMEIROS "TURRAS"

Também comecei a construir o barco de fósforos e afazer pulseiras de missangas.

Entre ler, escrever, ouvir música e tratar das tarefas que me tinham sido atribuídas, ainda me sobejava tempo. Usei algum para construir a caravela portuguesa com cartão e fósforos. Com o rádio a tocar na Emissora Regional da Guiné, até então a única que eu sabia captar, vários de nós íamos dando forma à célebre caravela. Normalmente, fazíamos isso à noite. Foi precisamente num desses serões que o soldado de transmissões me disse para escutar determinado comprimento de onda. Dizia ele que era rádio Voz da Liberdade [que emitia em português a partir da rádio Argel].

Foi com espanto que pela primeira vez ouvi dizer que éramos colonialistas e que o nosso governo era um governo fascista. Fiquei escandalizado com o que ouvia e jurei continuar a defender Portugal e as províncias ultramarinas. Nessa altura, até tínhamos connosco um grupo de comandos africanos que durante três dias lutaram ao nosso lado.
 –  Então se escravizávamos os negros, porque lutavam eles ao nosso lado? – perguntei. 

A resposta que me deu o soldado que pela primeira vez me tentou abrir os olhos para o que nós estávamos a fazer em África, foi escrita por mim no dia 8/10/1972. São tão ignorantes e burros como nós!

Fico estupefacto e ligeiramente envergonhado ao ler o que escrevi naquele tempo. Tanta ingenuidade só podia mesmo ser burrice. Eu sabia ler. Que raio! Pior, eu lia muito. Pois bem, posso considerar-me um autêntico atraso de vida, ignorante, como convinha e convém a todos os poderes que dominam o mundo, sejam eles económico, religioso ou político. A ignorância faz-nos parecer e, pior que isso, somos (!) uns completos idiotas.

Já dois dias depois, escrevi:

“Os comandos africanos terminaram a operação capturaram dois  "turras".  Estiveram aqui no quartel. Posso dizer que já vi "turras”. Confesso que tive muita pena deles. O nosso 2º comandante mandou dar-lhes de comer e eles pareciam dois lobos, tão esfomeados estavam. É assim, hoje eles, amanhã nós, e a guerra vai continuando, felizmente que connosco ainda não quiseram nada. O problema é que não foram só os comandos africanos para o mato. Também 50 camaradas meus e isso nem me deixou dormir. Esta noite já dormirei pois vieram todos sãos e salvos.”


24º Capítulo  > ADAPTADOS


De 5000 cervejas que requisitava, a partir de Outubro, aumentei a requisição para 6000. Quinzenalmente. Os “Serrotes de Fulacunda” podiam afogar as mágoas na bebida e eu comentava que era normal beber bastante. O problema é que alguns passavam a ostentar uma barriga que dava voz ao slogan “ Branco tem barriga grande” e éramos aconselhados a ter cuidado com o aspecto físico. 

Invariavelmente dizíamos que, se calhar, nem sairíamos dali vivos. Acho que mesmo eu tinha essa sensação, embora não o dissesse. O meu maior amigo tinha morrido em Mansoa; sabia de outros que também tinham morrido um pouco por toda a Guiné. Era uma questão de sorte ou azar, pois mais tarde ou mais cedo seríamos os atingidos portanto, se a responsabilidade das bebidas era minha, ao menos que não houvesse falta delas. 

Havia sempre o problema de os frigoríficos, que eram a petróleo, não terem capacidade para tanta cerveja, mas só o saber que havia cerveja no armazém era um bom lenitivo para a nossa sobrevivência. Que não se sequem as gargantas. Que a festa dure até às tantas. Logo a seguir, comecei a requisitar vinho [verde] Casal Garcia. Ou não fosse eu de Penafiel. 

Escusado será dizer que não demorou a começarmos a ter acidentes. Era naturalíssimo. Com a velocidade que os meus colegas conduziam as Berliets, Unimogs ou Jeeps pela picada, quando íamos ao rio buscar os reabastecimentos, algum acidente teria de acontecer. Felizmente, eu era bate-chapas e o primeiro a bater foi com uma Berliet. 

Gostei de, durante um período de tempo, trabalhar na minha profissão e pude perceber que, mesmo estando nós, reduzidos num pequeno espaço, cada um estava a trabalhar no seu ofício. Pintores, trolhas, pedreiros, carpinteiros, electricistas, mecânicos, padeiros, cozinheiros, agricultores, etc. etc. Estávamos a criar condições para o desenvolvimento das potencialidades que nos permitissem prosseguir, com sucesso, a vida civil se conseguíssemos regressar. “Estamos a ficar adaptados”.

Aos que pretendiam, por exemplo, emigrar, enveredar pelas forças de segurança, ou até outras profissões, também notava que se preparavam para isso. Gostei sobremaneira dum colega que queria ir para a CP. Sabia tudo sobre comboios.

Espero que todos eles tenham concretizado o sonho com o mesmo, ou mais sucesso, que eu tive na minha profissão, e que agora estejam a gozar uma merecida reforma.

(Continua)
______________

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Guiné 61/74 - P18279: Notas de leitura (1037): Os Cronistas Desconhecidos do Canal do Geba: O BNU da Guiné (20) (Mário Beja Santos)



1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 14 de Outubro de 2017:

Queridos amigos,
Vive-se um período histórico que a historiografia mais comum considera tratar-se do fim das sublevações. Ver-se-á para um documento aqui incerto que há muito de ilusionismo. Bolama entrou numa desagregação irreversível, já há serviços importantíssimos em Bissau, somos igualmente informados que prossegue a penúria do papel-moeda e que há muito desânimo agrícola no Sul.
Ainda há quem confie que as obras no ponte-cais de Bolama alevantará a cidade, insiste-se na importância da ponte sobre o Corubal, velho sonho para interligar os Bijagós ao continente e este às dependências francesas.
Cresceu o número de civilizados, segundo o último censo e a presença de negociantes sírios assume o maior relevo.
Na consulta dos primeiros copiadores do BNU de Bolama, hoje praticamente indecifráveis, encontrei no cadastro dos clientes nomes como o do pai de Amílcar Cabral, os Saiegh e os Buscardini, funcionários e comerciantes implantados em várias regiões. Uma curiosidade e nada mais.

Um abraço do
Mário



Os Cronistas Desconhecidos do Canal do Geba: O BNU da Guiné (20)

Beja Santos

Ao vigésimo episódio do levantamento documental sobre o BNU da Guiné, importa fazer um ponto da situação. O BNU abre uma delegação em Bolama, capital da colónia, em 1903. No Arquivo Histórico do BNU não existe qualquer documentação anterior a 1917, ano em que é constituída outra delegação em Bissau. Daí a ausência de documentação sobre questões fundamentais, como é o caso da entrada da colónia na I Guerra Mundial ou referências às campanhas do Capitão João Teixeira Pinto. Cedo se irá verificar uma crescente rivalidade entre a delegação e a filial, Lisboa ver-se-á obrigada a delimitar as áreas de atuação. A generalidade dos comentários críticos ou hipercríticos assinados pelos responsáveis do BNU em Bolama ou Bissau transcendem o entendimento da comunicação hierárquica, devia haver um protocolo discreto que autorizava os gerentes a contarem com detalhe em minúcia o que julgavam de mais relevante e da socioeconómica e política da colónia. Daí a infinidade de verbetes a anunciar partidas e chegadas, a comunicar o exílio de Abdul Indjai ou o que um gerente em Bissau chama a vida imoral do Governador Carvalho Viegas. Os gerentes não se podiam imiscuir na política e a prova disso é uma carta enviada em 31 de Março de 1931 por Vieira Machado para o gerente de Bissau:
“A propósito do incidente ultimamente ocorrido entre vossas senhorias e o senhor intendente dessa cidade, de novo recomendamos que ponham de parte todas as suas inimizades pessoais, sempre que se trate de assuntos que se prendam com o banco, que não queremos ver envolvido, de longe ou de perto, em semelhantes assuntos.
Também mais uma vez – que esperamos que seja a última – proibimos vossas senhorias de se imiscuírem na política local, a que devem ser de todos alheios, evitando, assim, escusadas desinteligências ou conflitos com quer que seja.
Procurar viver no melhor entendimento com todos, deve ser a constante preocupação de vossas senhorias, deste modo se poupando e poupando o banco a quaisquer dissabores”.

Têm pois os gerentes rédea solta para contar o que julgam de mais significativo, e escusado é dizer que tais apontamentos, pelo seu ineditismo, dão um forte contributo à caraterização da vida da colónia, à evolução dos mercados e ao timbre, em diferentes ângulos, do que era a presença portuguesa desde a I República ao Estado Novo. Acresce que o leitor deve estar informado que há relatórios em falta, dados que são nalguns casos supridos pela documentação avulsa que é possível consultar neste arquivo histórico. E postas estas considerações, voltemos a 1934. A filial de Bolama, a propósito da situação da Praça recorda que de há muito se pensa em transferir para Bissau a capital, ali já se encontram as direções dos serviços do Estado, na sua maior parte. E logo observa que disso se ressentiu a Praça de Bolama, pois o comércio local perdera uma grande parte dos seus clientes com a saída de tão grande número de funcionários. A vida comercial desta Praça estava eriçada de dificuldades devido principalmente à falta de papel-moeda. Como é comum observar-se nestes relatórios, alude-se à situação das colheitas, e o que se diz é para registar:
“A colheita da mancarra na zona de Bolama, por via de regra, é tardia. Começa em fins de Dezembro e prolonga-se até à segunda quinzena do mês de Abril. Os maiores agricultores são Brames e Manjacos, os quais, por sua vez, tarde começam as lavouras. Os Beafadas e os Mandingas que habitam as regiões de Quínara e Cubisseco também se dedicam a lavoura da mancarra, mas em escala muito reduzida, visto que, uns e outros, por índole, são excessivamente ralassos (mandriões).
A colheita deste ano deve ser fraca porque os agricultores indígenas desanimados em fase dos reduzidos preços do anterior, quase que se desinteressaram da cultura desta oleaginosa.
A colheita do coconote começa agora e estende-se até ao princípio das chuvas. No fim destas também se faz a sua apanha, mas já em menor escala.
Presume-se que a colheita do arroz, em que já entrámos, seja mais abundante do que a do ano passado, por alguns indígenas terem abandonado a cultura da mancarra, dando preferência à do arroz”.


Não é incomum estes relatórios incluir uma panorâmica das obras em curso, desde as redes viárias as instalações portuárias. Informa que está preconizado o prolongamento da ponte-cais de Bolama para a acostagem direta de navios de longo curso. E não esconde a expectativa deste melhoramento: “É opinião unânime que o prolongamento na extensão de 15 a 20 metros resolveria o problema na acostagem de vapores, com manifesta vantagem para o desenvolvimento e facilidade do tráfego entre a capital da colónia e os restantes portos da Guiné e da metrópole”.

Neste relatório, o gerente inclui dados do censo da população segundo o recenseamento de 1933-1934-1935. Em termos de população “civilizada” teríamos 6 mil indivíduos e a população indígena ultrapassaria os 409 mil habitantes. E avança um elemento curioso: o número de indivíduos da raça branca aumentara em 256 em relação ao censo de 1928. Um terço destes civilizados é constituído por estrangeiros com especial destaque para os sírios.

Na ausência de dados sobre a vida da colónia em 1931, avança-se para uma carta do gerente de Bissau para Lisboa com dada de 10 de Janeiro de 1936, referente a revolta da ilha Canhabaque:
“Parece que o governo da colónia pretende acabar de vez com o foco da revolta ou rebeldia que naquela ilha desde há muito existe, ou só durante pouco tempo deixou de existir.
O indígena de Canhabaque não tem pago imposto de palhota e não manifesta pelas nossas autoridades grande respeito, ao que se afirma.
Precisa de uma lição-mestra, mas só colhido de surpresa se lha pode dar. Com o aparatoso espetáculo de mobilização de regulares e de irregulares, não pode resultar nada de útil, porque o indígena, sabendo como sabe sempre tudo quanto lhe interessa e conhecendo como conhece a inferioridade do seu armamento, não chega, por via de regra, a ter contacto com as forças do governo. Trocam-se meia dúzia de tiros em emboscadas, as tropas regulares gastam milhares de cartuchos e centenas de contos e no fim a ação militar limita-se a umas tantas palhotas incendiadas. Porque homens, gados e outros haveres, tudo se passa para as restantes ilhas do arquipélago, consideradas pacíficas ou para o continente, para a região do Cubisseco.

Começou há dias a acção militar na ilha de Canhabaque e logo de início, ao quinto tiro de uma peça de artilharia esta rebentou tirando a vida ao Sargento Correia, que a comandava. Parece que há mais uma ou duas dúzias de feridos, não surpreendendo que o tenham sido pelos próprios irregulares.

Dizem os entendidos que a melhor época para o ataque a ilha é a do começo das chuvas, porque nessa altura todo o indígena ali regressa para tratar da lavoura. Afirma todos que nessa época e com o barulho que se está a fazer em volta de um mero caso de polícia, resultara nula toda a acção governativa porque os Bijagós, avisados a tempo, limitar-se-ão a deixar na ilha meia dúzia dos mais atrevidos, que dispararão à queima-roupa, bem escondidos no mato, ou em covas disfarçadas, abertas no chão e em lugares apropriados, que lhes permitem fuga imediata. Portanto, a ocupação ou a batida da ilha não será grande feito nem precisará de grandes heroísmos; mas, acabada a “guerra”, serão propostas as medalhas para os heróis, a ilha ficará guarnecida por dois ou três postos militares, com ajudas de custo para os comandantes e os Bijagós regressarão com manhosa submissão e continuarão a ser senhores da ilha.
Tem sucedido sempre assim e a história repete-se.
É por isso que os que conhecem a Guiné são da opinião que só resultaria útil uma acção rápida e inesperada – a acção que, de preferência, se realizaria em princípio das chuvas, por dois motivos principais: primeiro, porque facilmente se poderiam castigar os rebeldes, apanhados em conjunto; segundo, porque se lhes reduziria o poder guerreiro devido à humidade da pólvora que eles guardam em recipientes de barro.
Quanto a nós, temos opinião diferente.

Somos de parecer – mero modo de pensar de um homem pacífico que nada sabe de guerras – de que a melhor altura para reprimir estes pequenos actos de rebeldia é sempre após os actos praticados, colhendo de surpresa os rebeldes.
Com grandes preparativos e mobilização aparatosa de irregulares, é dar ao indígena a impressão de que o governo só por só não tem força para reprimir uma revolta. E o pior é que os próprios auxiliares, a breve trecho, se podem capacitar que é mesmo assim, e o resultado desse convencimento pode acarretar consequências desagradáveis”.

Enfim, os gerentes não eram abstémios em contar o que viam ou ouviam e este documento deixa outra prova, a que segue:
“Há dias, qualquer mal-intencionado dos muitos que vivem pelas colónias, perguntava-nos se já tínhamos reparado na coincidência curiosa de se darem sempre actos de rebeldia quando os postos militares na Guiné não eram comandados por oficiais. Que nunca tínhamos reparado, respondemos-lhes. Pois repare e verá que é assim. Se um oficial está no posto, acrescentou, o indígena paga o imposto com mais ou menos dificuldade, mas paga; o oficial sai e o indígena recusa-se a pagar, desrespeita a autoridade, envenena as águas, fere ou mata um ou dois soldados. E, ao despedir-se, dizia-nos ainda o nosso interlocutor que o indígena não gosta de pagar impostos em duplicado”.

(Continua)
____________

Notas do editor:

Poste anterior de 26 de janeiro de 2018 > Guiné 61/74 - P18255: Notas de leitura (1035): Os Cronistas Desconhecidos do Canal do Geba: O BNU da Guiné (19) (Mário Beja Santos)

Último poste da série de 29 de janeiro de 2018 > Guiné 61/74 - P18266: Notas de leitura (1036): “Modelo Político Unificador, Novo Paradigma de Governação na Guiné-Bissau”, por Livonildo Francisco Mendes; Chiado Editora, 2015 (2) (Mário Beja Santos)

Guiné 61/74 - P18278: José Matos: O F-86F Sabre em combate no CTIG: da Op Atlas em agosto de 1961 ao seu regresso a Portugal, por pressão do "amigo americano" e sua substituição, em 1966, pelo nosso familiar Fiat G-91, cedido pelo "amigo alemão" (Artigo original publicado na prestigiada Revista Militar, nº 2584, maio de 2017)


Figura 1 – Operação Atlas >  De 8 a 15 de agosto de 1961 > A rota dos caças F-86 de Portugal para a Guiné.Ilustração – Paulo Alegria


Figura 2 – O North American F-86F 5313, um dos caças destacados na Guiné. Ilustração – Paulo Alegria




I. Mensagem do nosso amigo e grã-tabanqueiro Jose Matos com data de 21 de dezembro último:

Olá, Luís

Vinha desejar a todos os camaradas da Guiné Bom Natal e pedir-te para divulgares no blogue mais um artigo meu da Revista Militar exclusivamente sobre a Guiné. Que passem pelo site da revista para ver.

https://www.revistamilitar.pt/artigo/1244

Ab

José Matos


PS - Podes reproduzir o texto na totalidade mas mete sempre o link para a Revista Militar pois tenho interesse que as pessoas também vejam lá....


II. O F-86 SABRE EM COMBATE NA GUINÉ


por José Matos (*)


[Investigador independente em História Militar; tem feito investigação sobre as operações da Força Aérea na Guerra Colonial, principalmente na Guiné; é colaborador da Revista Mais Alto, da Força Aérea Portuguesa; tem publicado também o seu trabalho em revistas europeias de aviação militar, em França, Inglaterra e Itália; é membro da nossa Tabanca Grande desde 7 de setembro de 2015, tendo  mais de 25 referências no nosso blogue]


Revista Militar, nº 2584, maio de 2017 (com a devida vénia...)


No contexto do antigo império colonial português, os territórios da Guiné e de Cabo Verde desempenhavam um papel relevante nas rotas marítimas e aéreas de ligação à África Austral, onde Portugal tinha duas colónias importantes: Angola e Moçambique. 

disso, na ilha do Sal, em Cabo Verde, a Força Aérea tinha um aeródromo (AM1) que podia usar para missões de patrulhamento marítimo permitindo um controlo sobre o Atlântico. Desta forma, a manutenção da Guiné e de Cabo Verde sob o domínio português era essencial na estratégia global de manutenção do império colonial. 

Daí a pronta reacção do Governo de Salazar, quando, em Julho de 1961, ocorreram os primeiros ataques no norte da Guiné, protagonizados pelo Movimento de Libertação da Guiné (MLG) com sede no Senegal. Este movimento nacionalista desencadeia as primeiras acções armadas na colónia portuguesa, em meados de Julho de 1961, atacando algumas povoações no norte, junto à fronteira com o Senegal. 

Estes primeiros ataques levam o Governo em Bissau a destacar efectivos militares para as zonas atingidas, o que parece ter dissuadido novos ataques por parte do MLG (1). Contudo, estes primeiros ataques são um sinal de que a guerra de guerrilha está prestes a começar na Guiné, o que leva a Força Aérea Portuguesa (FAP) a destacar da base de Monte Real, oito caças North American F-86F Sabre para aquele território ultramarino. Durante os anos de permanência na Guiné, os F-86 vão ser o principal avião de combate da FAP, desempenhando vários tipos de missões por todo o território.

Antes dos ataques do MLG, a Força Aérea não tinha ainda meios aéreos na Guiné, nem qualquer tipo de estrutura de apoio no aeródromo de Bissalanca (AB2), situado a uma dezena de quilómetros a noroeste de Bissau. Em 1961, esta pequena infraestrutura aeronáutica tinha, além da aerogare civil, um hangar em acabamento, não tendo meios aéreos próprios atribuídos. O único avião militar que passava, uma vez por semana, pela capital guineense, era um P2V-5 Neptune de patrulha marítima, habitualmente estacionado a mais de 500 milhas de distância, na ilha do Sal, em Cabo Verde. Porém, as acções do MLG no norte da colónia levam a FAP a tomar medidas e a reforçar o dispositivo aéreo na Guiné, sendo o destacamento dos F-86 a medida mais significativa.

Já no princípio de 1961, se falava com insistência, em Monte Real, na possibilidade de caças F-86 fazerem uma deslocação às ilhas de Cabo Verde (2) Perante o agravamento da situação, é então decidido enviar os caças para Bissau. Foram escolhidos os aviões da linha da frente que apresentavam menor probabilidade de avarias graves e também os que tinham maior potencial de horas de voo antes da próxima grande inspecção, para que se mantivesse a sua operacionalidade pelo máximo período de tempo (3).

Os F-86 não tinham sido a primeira escolha do comando da 1ª Região Aérea (1ª RA), que englobava a Guiné. O comandante da 1ª RA, General Machado de Barros, tinha inicialmente escolhido o F-84G para ser enviado para o AB2. Os aviões estavam sedeados na base aérea da Ota e a intenção das chefias da 1ª RA era enviar oito caças para Bissalanca. A ordem é recebida na Ota pelo Capitão Gomes do Amaral, que começa a preparar os aviões para um voo directo entre Portugal continental e a Guiné (4) . Porém, com o início da guerra em Angola, os F-84 são enviados para Luanda, sendo então decidido pelas chefias da 1ª RA o envio de um destacamento de F-86F para a Guiné.


Operação Atlas

Em Monte Real começam então os preparativos para uma longa viagem de duas mil milhas náuticas, sob o nome de código “Operação Atlas”. Por ordem do Estado-Maior da Força Aérea (EMFA), é decidido que os caças devem partir da base aérea do Montijo, fazendo depois escala na base de Gando, nas Canárias, e na ilha do Sal, em Cabo Verde (Figura 1). Na linha da frente, em Monte Real, são então preparados dez caças (oito, mais dois de reserva) para a primeira parte da viagem entre Monte Real e o Montijo.

Os dez caças descolam de Monte Real, na manhã de 8 de Agosto, transportando sob as asas, nos suportes externos, dois depósitos de 200 galões e, nos suportes internos, dois outros de 120 galões, o que confere ao avião a máxima capacidade de transporte de combustível. 

Os F-86 passam um dia no Montijo, sendo visitados, na manhã de 9 de Agosto, pelo Secretário de Estado da Aeronáutica, Coronel Kaúlza de Arriaga, acompanhado pelo comandante da base, Coronel Rodrigues Frutuoso. Nessa mesma manhã, os oitos caças destacados para a missão na Guiné descolam do Montijo para uma viagem de 722 milhas náuticas até às Canárias, chegando nesse mesmo dia a Gando. 

Os pilotos passam a noite na base espanhola, partindo no dia seguinte, para a segunda etapa da viagem até à ilha do Sal, o que representa mais 800 milhas náuticas de voo sobre o oceano. Mantendo o mesmo regime de velocidade e de altitude usado na viagem para Gando, os caças atingem a pista do Sal ao fim de 2h27min de voo. Os F-86 chegam sem problemas aquele aeródromo, sendo então preparados para a última etapa da viagem até Bissau, num trajeto de 526 milhas náuticas. 

No entanto, a saída para Bissau é condicionada por um súbito mau tempo em Cabo Verde (já não chovia há sete anos), o que impede a partida dos caças e da equipa de apoio aos aviões. Finalmente, as condições meteorológicas melhoram no dia 15 de Agosto e os caças iniciam a última parte da viagem chegando à Guiné ao fim de 1h17min de voo. 

Toda a viagem, desde Portugal, decorre sem incidentes, sendo à época, uma deslocação digna de registo, devido à distância percorrida (5). Para este primeiro destacamento são escolhidos oito pilotos: quatro oficiais e quatro sargentos, sob o comando do Capitão Ramiro de Almeida Santos. Além deste oficial, estão neste destacamento o Capitão José Almeida Brito, os Tenentes Aníbal Pinho Freire e Alcides Teixeira Lopo e os Sargentos José Pombo Rodrigues [, mais tarde, conhecido no TO da Guiné como comandante Pombo],  Rui Salvado da Cunha, António Rodrigues Pereira e Humberto Cartaxo da Silva (6). 

Os pilotos de F-86 fazem destacamentos de três meses na Guiné, sendo substituídos no final desse tempo. Esta rotação de pessoal vai proporcionar aos pilotos de Monte Real uma experiência importante num teatro de operações africano até então desconhecido para os pilotos portugueses. Em termos operacionais, os caças portugueses podiam desempenhar vários tipos de missões, que passavam pela defesa área do território, apoio aéreo às forças de superfície e missões de reconhecimento visual, além da presença dissuasora que exerciam em função do poder do fogo disponível e da rapidez com que podiam chegar a qualquer ponto do território (Figura 2).


Os primeiros tempos na Guiné

Os primeiros tempos do F-86 na Guiné são relativamente pacíficos com os aviões a desempenharem missões de reconhecimento visual (RVIS) e armado (RECA) sobre a colónia. Os grandes problemas que os caças portugueses enfrentam são, na verdade, a falta de condições do AB2, ainda em fase de consolidação para receber os novos meios aéreos. 

Bissalanca apresentava, nessa altura, grandes carências, como infra-estruturas militares. Podemos ver isso nos primeiros relatórios que o comandante do destacamento envia para Lisboa. Ramiro Santos refere que a pista de rodagem se encontrava muito suja e com muitas pedras, não sendo fácil limpá-la devido à ausência de uma vassoura mecânica. A placa de estacionamento não suportava a acção corrosiva do JP-4 usado pelos F-86 e o abastecimento dos aviões era feito por bidons, o que tornava a operação muito demorada (7). Os equipamentos UHF de comunicações, que existiam na torre de controlo, não satisfaziam as necessidades e a gestão do tráfego aéreo era muito incipiente, não existia serviço meteorológico e a pista apresentava vários problemas de segurança com pessoas e animais a atravessarem a zona de rodagem (8).

Os primeiros voos de F-86 na Guiné ocorrem no dia 19 de Agosto e, logo numa das primeiras saídas, a cargo do Tenente Teixeira Lopo e do Sargento-ajudante Cartaxo da Silva, o F-86 “5361” do primeiro sofre um “birdstrike” com um jagali, ficando o “cannopy” manchado de sangue e sofrendo também danos no estabilizador do leme de profundidade do caça. 

Este primeiro acidente deixaria o “5361” fora de serviço por várias semanas, até à chegada ao AB2 de uma cauda nova pedida a Monte Real (9).  No dia seguinte, dois F-86 pilotados pelo Capitão Almeida Brito e pelo Sargento-ajudante Rodrigues Pereira sobrevoam a cidade de Bolama, a baixa altitude, durante uma visita do Governador e Comandante-Chefe da Guiné, Comandante Peixoto Correia, isto depois do avião do Capitão Brito ter falhado três tentativas de arranque (10). 

Durante os meses seguintes, os caças portugueses vão fazendo vários voos de reconhecimento, principalmente na região norte da Guiné, embora com o recurso a um mapa de estradas deficiente, o que dificultava os voos na zona de fronteira, devido ao risco de violação do espaço aéreo do Senegal.

Em Outubro de 1961, dois F-86 fazem uma deslocação à ilha do Sal, de grande importância estratégica para a Força Aérea. Como sublinhava Ramiro Santos, no seu primeiro relatório sobre a viagem dos F-86 para Bissau, Cabo Verde tinha uma importância estratégica extraordinária no controle do Atlântico (11). No entanto, a deslocação ao Sal visava, sobretudo, resolver um problema administrativo que era a renovação da diligência dos pilotos no AB2. Como estavam em serviço fora da sua base de origem, que era Monte Real, os pilotos deslocados tinham direito a ajudas de custo, que podiam ser canceladas caso os pilotos estivessem mais de um mês no AB2. Para contornar este problema, os pilotos faziam um voo à ilha do Sal, o que lhes permitia renovar a diligência.

Ainda em Outubro[de 1961], os pilotos do primeiro turno do Destacamento 52 fazem a sua despedida sobre Bissau com uma exibição acrobática em formação de seis caças, tendo o F-86 “5322” pilotado pelo Tenente Lopo ultrapassado a barreira do som sobre a cidade (12). Em finais desse mês, chegavam a Bissalanca os pilotos do segundo turno, prosseguindo assim a missão dos F-86 num território onde a guerra ainda não tinha chegado.

Durante o ano seguinte [1962], os chamados voos de soberania ocuparão a maior parte das missões dos F-86, ao mesmo tempo que se sucedem as rotações de pilotos vindos de Monte Real. No entanto, a 17 de Agosto de 1962, um acidente envolvendo um F-86 provoca a perda total do avião. O acidente acontece no regresso a Bissalanca, quando o Capitão Gomes do Amaral e o Tenente Amílcar Barbosa são surpreendidos por um forte aguaceiro sobre o AB2. Devido à fraca visibilidade, o Tenente Barbosa efectua várias aproximações à pista e acaba por aterrar no terço final da faixa de aterragem. O piloto acaba por sair fora da pista, embatendo nuns montes de terra enlameados ficando o F-86 voltado de lado. Quando chegam os primeiros socorros encontram o avião sem o piloto, que já tinha abandonado o F-86 apenas com ligeiras escoriações (13).

Entretanto, na Guiné-Conakry, o PAIGC (Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde), liderado por Amílcar Cabral, vai-se preparando para a luta armada, que terá início a 23 de Janeiro de 1963, com um ataque ao aquartelamento de Tite, muito perto de Bissau.


O começo da guerra

A partir de Janeiro de 1963, a guerra na Guiné é protagonizada pelo partido nacionalista de Amílcar Cabral, o PAIGC, que faz o seu primeiro ataque contra o quartel de Tite. Este ataque é protagonizado por 15 a 20 elementos do PAIGC que atacam o quartel de madrugada, provocando um morto e dois feridos entre as tropas portuguesas. Os guerrilheiros mantêm o quartel sob fogo intenso durante meia hora e, na escaramuça, sofrem três baixas (14).

O ataque, no entanto, assinala simbolicamente o início da guerra na Guiné, embora a actividade subversiva do PAIGC fosse já anterior a esta data. Nessa mesma noite, as forças portuguesas sofrem uma emboscada na região de Fulacunda (área de Buba) perdendo dois soldados (15). Quatro dias depois, um novo ataque da guerrilha na mesma região provoca mais duas baixas e quatro feridos nas tropas portuguesas (16).

Ainda no mês de Janeiro[de 1963], as forças portuguesas registaram as primeiras emboscadas na região de Bedanda, no sul da Guiné, e as acções da guerrilha continuam nos meses seguintes aumentando de intensidade (17) Enquanto o PAIGC ataca no sul da província, o MLG ataca a norte efectuando várias acções contra povoações e emboscadas a viaturas militares (18).

Quanto à Força Aérea, não sabemos exactamente quando terá sido efectuada a primeira acção ofensiva, mas, a 4 de Abril de 1963, um avião de observação Auster é alvejado com armas ligeiras a partir da tabanca de Darsalame, o que leva a FAP, no dia seguinte, a desencadear uma acção de demonstração de força sobre a povoação em questão, usando para o efeito oito caças F-86F, que bombardeiam as imediações da aldeia (19).

Os caças portugueses estavam equipados com seis metralhadoras Browning Colt TM3, calibre 12,7 mm, e podiam transportar vários tipos de armamento, como os foguetes de 2,75”, bombas GP de 50 e 250 kg e tanques de napalm de 350 l. Em Portugal, usavam também os mísseis ar-ar Sidewinder AIM-9B, em missões de defesa aérea, mas que nunca foram usados na Guiné.



Figura 3 – Armamento do F-86F da Força Aérea Portuguesa. lustração Paulo Alegria


O pretenso bombardeamento do Senegal

A 9 de Abril, o Governador da Guiné, Vasco Rodrigues, recebe uma informação do cônsul do Senegal em Bissau, segundo a qual a emissora de Dakar noticiara que quatro aviões da Força Aérea teriam bombardeado, na manhã desse dia, uma aldeia senegalesa perto da fronteira com a Guiné.

 No seguimento da notícia, o comandante da Zona Aérea de Cabo Verde e Guiné (ZACVG), Tenente-coronel Durval Serrano de Almeida, informa o comandante militar da Guiné, Brigadeiro Louro de Sousa, que, no dia 9, não descolara qualquer avião da FAP para missões de fogo. Porém, no dia anterior, quatro aviões, sendo dois F-86F e dois T-6, tinham bombardeado as tabancas Bunhaque, muito perto da fronteira com o Senegal.

 Para apurar o que se passou, o comando da ZACVG envia um oficial ao local, juntamente com os oficiais envolvidos no ataque, chegando à conclusão que o ataque dos aviões portugueses tinha ocorrido de facto do lado português e não do lado senegalês (20).  No entanto, o Governo de Dakar solicita uma reunião urgente do Conselho de Segurança (CS) da ONU, onde apresenta queixa contra Portugal, o que dará a origem a uma moção no CS de condenação de qualquer incursão de forças militares portuguesas em território senegalês.


Mais uma perda

No mês seguinte, a 31 de Maio, a FAP perde outro F-86, quando o avião “5322”, pilotado pelo Capitão Fausto Valla, é atingido por estilhaços de uma bomba de 250 kg, que acabava de largar, na zona de Bedanda, no sul da Guiné, perto do rio Cumbijã. Este piloto efectuava, juntamente com outro F-86 “5356”, pilotado pelo 2.º Sargento Manuel Pereira Clemente, um bombardeamento rasante (BOR), quando ambos os aviões são atingidos pelos estilhaços das próprias bombas.

 Com vários furos na fuselagem, os pilotos tentam regressar ao AB2, transportando ainda cada avião uma bomba na asa. Ao cruzar o rio Geba, o F-86 de Fausto Valla sofre um flame-out no motor e o piloto é obrigado a ejectar-se sob o olhar atento de Pereira Clemente. O avião explode no solo, embora a bomba que trazia permaneça intacta, tendo sido desarmada mais tarde. Quanto a Pereira Clemente consegue aterrar em Bissalanca depois de largar a bomba que transportava, no rio Geba (21).


O relatório Deslandes

Em meados de Maio de 1963, uma missão de avaliação, liderada pelo Secretário-Geral da Defesa Nacional, General Venâncio Deslandes, visita a Guiné durante uma semana e analisa a situação militar no terreno, produzindo um relatório para o ministro da tutela. Juntamente com o relatório principal há também um relatório do Tenente-coronel Augusto Brito e Melo, que identifica os principais problemas que as forças portuguesas enfrentam na Guiné e que nos ajuda a compreender a situação dos F-86 em Bissalanca. Por este relatório anexo podemos ver que a Força Aérea tinha no AB2, em Maio de 1963, os seguintes meios: sete F-86F, oito T-6, oito Auster, três DC-3, um Broussard e um P2-V5 em diligência.

Quanto aos F-86, a operação dos Sabre é a que apresentava mais problemas. Os aviões voavam muito pouco, com 8 a 23 saídas operacionais por mês, carecendo todos de urgente substituição devido a terem ultrapassado o período de Inspect and Repair as Necessary (IRAN), em mais de um ano. Tinham também problemas de comunicação rádio com as forças terrestres, pois só podiam comunicar em UHF, o que tornava inviável a comunicação com as tropas no solo equipadas com rádios PRC-10. Desta forma, os F-86 só podiam efectuar missões pré-planeadas, ficando o apoio próximo a cargo dos T-6 com fraco poder de fogo e muito vulneráveis a fogo antiaéreo (22).

 As células dos aviões encontravam-se muito mal tratadas, em virtude das irregularidades na pista e no estacionamento. A pista estava a ser reparada, mas o estacionamento, em virtude de ser de alcatrão, quando devia ser de cimento, não tinha solução, pois seria sempre corroído pelo combustível dos aviões (JP-4). 

Brito e Melo salientava ainda que os pilotos de F-86 eram bem preparados, mas não tinha dúvidas que, se o ritmo de voos aumentasse, provocaria, provavelmente, a ruptura do sistema de manutenção do AB2 (23).  Convém referir que, nesta altura, os F-86 que estavam na Guiné ainda não tinham sido substituídos por novos aviões, mas, finalmente, em Julho de 1963, chegam a Bissalanca, por via marítima, oito caças novos (24).


A visita de Krus Abecasis


Três meses depois da visita de Deslandes, o Chefe do Estado-Maior da 1ª Região Aérea, Coronel Krus Abecasis, decide também visitar a Guiné, em particular a Zona Aérea de Cabo Verde e Guiné (ZACVG), produzindo depois um relatório para o Estado-Maior sobre a situação dos meios aéreos do AB2 e a sua actividade operacional, no mês de Julho.

 Este relatório é entregue, a 14 de Setembro de 1963, e dá-nos uma boa perspectiva sobre o estado de prontidão dos F-86 (25). Os oito caças destacados em Bissalanca estavam na generalidade prontos, embora um estivesse prestes a atingir o prazo do IRAN e apenas quatro estivessem equipados com rádio VHF, o que limitava a capacidade de contactar as tropas no terreno apenas a metade das unidades disponíveis.

 Apesar de as condições serem boas, na generalidade, já se começavam a detectar problemas relacionadas com o armamento interno dos aviões, que se encontrava “em situação precária falta de diversas origens, desde utilização imprópria por parte de alguns pilotos até menos cuidada manutenção” (26). As inspecções das 25, 50 e 100 horas eram realizadas localmente e a manutenção era de bom nível. Tinham sido voadas 51,4 horas/avião pronto, em Julho, e o destacamento contava com catorze pilotos aptos a voar o F-86.


As pressões norte-americanas

Por essa altura, a presença dos F-86 na Guiné já suscitava preocupações no Departamento de Estado norte-americano, que não queria ver equipamento militar cedido no âmbito do Military Assistance Program (MAP) desviado para África.

 A questão dos F-86 era das mais relevantes neste domínio e começam a surgir pressões para que os aviões regressem a Portugal. O assunto vai-se arrastando ao longo de 1963, sem que o Governo Português acate as exigências norte-americanas. O próprio Ministro dos Negócios Estrangeiros português, Franco Nogueira, tem uma longa conversa, em Junho de 1964, com o embaixador americano em Lisboa, George Anderson, em que o problema é novamente abordado. Nogueira argumenta que os F-86 não estavam na Guiné em operações, mas que serviam apenas como factor dissuasor contra possíveis ataques aéreos vindos dos países vizinhos. Anderson concorda com o argumento, mas considera que não era de prever qualquer ataque aéreo estrangeiro e que, “no caso de tal ataque, criar-se-ia uma situação política nova que alterava os dados do problema, mesmo para os Estados Unidos”.

 Nogueira pergunta então se “Washington tomaria uma posição de activa reacção contra uma agressão aérea provinda de fora”, ao que o embaixador americano responde que “não podia prever como reagiria o seu Governo, e muito menos assumir compromissos”. Anderson insistiu que o problema dos F-86 na Guiné “se tratava de uma questão de princípio” e que era um tema muito explorado pelos inimigos de Portugal, ao que Nogueira comentou que deviam de existir muitos no Departamento de Estado, “porque todos pareciam aferir a política dos Estados Unidos para com Portugal pelo que sucedesse aos F-86” (27).

Pouco tempo depois deste encontro, a pressão americana aumenta de tal forma, ao ponto de Washington se recusar a fornecer sobresselentes para a Força Aérea, caso os portugueses não retirassem os caças da Guiné (28).  Lisboa acaba por ceder, o que provoca grande preocupação no novo Comandante-Chefe da Guiné, Brigadeiro Arnaldo Schulz (29).

 Em carta ao Ministro da Defesa, General Gomes de Araújo, Schulz salienta a importância deste meio aéreo na guerra da Guiné e a falta que ia fazer no apoio às tropas terrestres, que ficariam assim completamente dependentes dos T-6, “que se manifestam cada vez mais vulneráveis em face da melhoria constante dos meios antiaéreos do inimigo e mesmo assim em número insuficiente” (cinco aparelhos operacionais).

 Constrangido, Gomes de Araújo, explica a Schulz (30) a verdadeira razão da retirada ao dizer que “os americanos recusam-se agora a venderem-nos as peças sobressalentes para estes aviões (F-84 e PV2) e ainda todo e qualquer outro material. Recusam mesmo qualquer espécie de negociações enquanto nós mantivermos os F-86 na Guiné”. Face a isto, o ministro só via duas soluções: “a primeira consistiria em mantermos aí os F-86, pois certamente eles não iriam aí buscá-los; mas esta situação elimina qualquer espécie de entendimento em relação a todos os outros materiais, em especial quanto ao F-84, PV2 e DC-6, que em breve estariam imobilizados; a segunda consiste na retirada dos F-86 da Guiné, atitude que abre portas a negociações (…)”.


Em busca de uma alternativa

Para compensar a falta dos Sabre, o ministro propunha várias medidas alternativas. Uma delas era reforçar o dispositivo na Guiné com aviões T-6 e alguns PV2 provenientes de Angola, a outra, era procurar rapidamente no mercado mais aviões F-86 e, caso isso não fosse possível, transferir alguns F-84 de Angola para a Guiné. 

Neste sentido, escreve ao Comandante-Chefe de Angola, dando conta da decisão do ministério de transferir para a Guiné os aviões F-84 de reforço em Angola. A decisão do ministro é analisada no comando da 2ª Região Aérea em Luanda, que emite um parecer desfavorável quanto a um possível envio de caças F-84 para a Guiné (31).

 Em alternativa, o Governo Português tenta comprar um lote de caças canadianos F-86 Sabre 6 ao serviço da Luftwaffe, mas o negócio é vetado pelo Canadá por influência dos EUA (32).  Perante a recusa canadiana, a Alemanha Ocidental oferece então um lote de caças Fiat G.91 R/4, que se revelaram mais adequados ao tipo de guerra subversiva que se desenrolava em África (33).

 Contudo, a retirada dos F-86 reflectiu-se no rendimento dos meios aéreos em Bissalanca. Enquanto, em 1964, se registaram 13 820 horas de voo no AB2, esse número decresceu para 13 417 horas, em 1965 (34).  A falta só seria compensada em 1966, com a chegada dos primeiros Fiat G.91 à Guiné.


Comentário final


Num balanço final, podemos dizer que o destacamento dos F-86F, de Monte Real para a Guiné, foi uma operação bem-sucedida, apesar das dificuldades iniciais de operação num aeródromo ainda em fase de consolidação. O objectivo inicial caracterizava-se por uma acção dissuasora sobre os movimentos insurgentes que os F-86 exerceram por toda a colónia, passando depois a desempenhar missões de combate com o início da guerra.

 Ao longo dos três anos de permanência destes caças na Guiné, os pilotos e mecânicos dos diversos destacamentos ganharam experiência num ambiente de guerra africano, que foi útil para a operação de outros meios de combate nos teatros de guerra das antigas províncias ultramarinas. Muitos destes pilotos e técnicos seriam depois mobilizados para outros cenários de guerra, onde aplicariam os conhecimentos obtidos na Guiné.

Em termos operacionais, os aviões realizaram inúmeras missões de combate em apoio às forças terrestres, usando vários tipos de armamento à disposição do caça da North American. Embora fosse um avião concebido para missões de defesa e combate aéreo, o F-86 tinha alguma capacidade de ataque ao solo, que foi usada intensamente na Guiné.

 Durante a atividade operacional perderam-se apenas dois aviões: um, devido a um acidente durante uma aterragem em condições meteorológicas adversas, mas em que o piloto escapou apenas com pequenas escoriações, e outro, devido a um bombardeamento mal calculado, em 1963, que levou à ejecção do piloto e consequente perda da aeronave.

 No entanto, a utilização de meios OTAN fora dos limites geográficos da Aliança Atlântica continha elevados riscos políticos, que acabaram por se manifestar na intransigência norte-americana dos caças regressarem à metrópole, o que levou Portugal a procurar outras alternativas porventura mais adequadas à guerra subversiva que se desenrolava em África.


Arquivos consultados

1 – Arquivo da Defesa Nacional (ADN)

2 – Arquivo Histórico da Força Aérea (AHFA).

[Revisão / adaptação e fixação de texto / edição para o blogue: LG] (**)
_______________________________________________

Notas do autor:

(1) FELGAS, Hélio, Guerra na Guiné, 1ª Edição, Serviço de Publicações do Estado-Maior do Exército, SPEME, Lisboa, 1967, p. 61.

(2) LOPO, Alcides Teixeira, Viagem dos Falcões, Kiak-Revista dos Pilotos de Caça da Esquadra 51, Base Aérea nº 5, Junho de 1968, p. 13.

(3) LOPO, op. cit., p. 15

(4) Informação prestada ao autor pelo Coronel Gomes do Amaral, em 2 de Julho de 2013.
(5) Missão Atlas, Relatório sobre a viagem dos F-86F para Bissau, 17 de Agosto de 1961, Arquivo Histórico da Força Aérea (AHFA) ZACVG Cx. 91.

(6)  LOPO, op. cit., p. 16.

(7) Missão Atlas, Relatório sobre a viagem dos F-86F para Bissau, 17 de Agosto de 1961, AHFA, ZACVG Cx. 91.

(8) Relatório mensal do Destacamento de F-86, Bissau, 1 de Setembro de 1961, AHFA, ZACVG Cx.91.

(9) Ibidem.

(10) Ibidem

(11) Missão Atlas, Relatório sobre a viagem dos F-86F para Bissau, 17 de Agosto de 1961, AHFA, ZACVG Cx. 91.

(12) Informação prestada ao autor pelo Dr. Alcides Lopo, em 19 de Agosto de 2014.

(13) Informação prestada ao autor pelo Coronel Gomes do Amaral, em 22 de Setembro de 2014.

(14) Telegrama do Governador da Guiné para o Ministério do Ultramar, Bissau, 23 de Janeiro de 1963, ADN F2/102/324/4.
(15) Comunicado do Secretariado-Geral da Defesa Nacional, Serviço de Informação Pública das Forças Armadas, Lisboa, 24 de Janeiro de 1964, ADN F2/102/324/4.

(16) Telegrama do Governador da Guiné para o Ministério do Ultramar, Bissau, 27 de Janeiro de 1963, ADN F2/102/324/4.

(17) FELGAS, op. cit., pp. 66-68.

(18) FELGAS, op. cit., pp. 61-64.

(19) BISPO, António de Jesus, Guiné, algumas notas sobre o teatro de operações, Revista Mais Alto n.º 406, Nov/Dez 2013, p. 22.

(20) Comando-Chefe das Forças Armadas da Guiné, Relatório respeitante a uma pretensa violação do espaço aéreo e ataque ao solo da República do Senegal, Bissau, 4 de Abril de 1963, ADN F2/105/345/1.

(21) Informação prestada pelo Comandante Manuel Pereira Clemente, em 19 de Agosto de 2014.

(22) Ibidem.

(23) Ibidem.

(24) CORREIA, José Manuel, Rotina de Guerra – Os F-86F Sabre na Guiné, Revista Mais Alto n.º 358, Nov/Dez 2005, p. 37.

(25) Relatório da missão do CEM do Comando da 1ªRA à Zona Aérea de Cabo Verde e Guiné, 3 a 23 Agosto 1963. ADN/FG/SGDN Cx. 6093.2.

(26) Ibidem.

(27) NOGUEIRA, Franco, Diálogos Interditos, Volume II, 1ª Edição, Editorial Intervenção, Braga, 1979, pp. 58-60.

(28) MATOS, José, A saga do Sabre Mk.6, 1ª parte, Revista Mais Alto nº 394, Novembro/Dezembro de 2011, pp. 37-38.

(29) Carta do Comando-Chefe da Guiné para o Secretariado Geral da Defesa Nacional, 4 de Julho de 1964, ADN F1/07/31/21.

(30) Carta do Ministro da Defesa Nacional para o Comando-Chefe da Guiné, 10 de Julho de 1964, ADN F1/07/31/21.

(31) Carta do Comando-Chefe das Forças Armadas de Angola para o Chefe do Estado Maior General das Forças Armadas, Assunto: Transferência de aviões F-84 para a Guiné, Luanda, 1 de Agosto de 1964, ADN/FG/Cx. 6093.2.

(32) MATOS, José, A Saga do Sabre 6, Revista Mais Alto nº 394 e 395, Nov/Dez 2011 e Jan/Fev 2012.

(33) MATOS, José, Projecto Feierabend, Revista Mais Alto nº 396 e 397, Mar/Abri e Mai/Jun 2012.

(34) ABECASSIS, Krus José, Bordo de Ataque. Memórias de uma caderneta de voo e um contributo para a História, 2º volume., 1ª Edição, Coimbra Editora, 1985, p. 514.

_____________

Notas do editor:

Guiné 61/74 - P18277: Memórias do Chico, menino e moço (Cherno Baldé) (54): lusitos e infantes da Mocidade Portuguesa, uns, ou da "Mocidade Tareco", outros... Lá íamos "cantando e rindo"...









Guiné > Região do Cacheu > São Domingos > CCS/BCAÇ 1933 (Nova Lamego e São Domingos, 1967/69) > Janeiro de 1969 > Cerimónias da mudança do administrador da circunscrição administrativa de São Domingos > Miúdos da Mocidade Portuguesa  (MP) local, trajando  de acordo com o figurino, com exceção dos sapatos (que deveriam ser pretos)... Mas a MP, na Guiné, não era para todos e, já nessa época, estava em franca decadência  na metrópole, desde o final da II Guerra Mundial... No meu tempo, os jovens mais politizados ou simplesmente mais contestatários  chamavam à organização, com desprezo, a "Bufa"...


Fotos (e legendas): © Virgílio Teixeira (2018). Todos os direitos reservados [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné] (*)




Guiné > Região do Cacheu > Ingoré > CCAÇ 2381 > 1968 > O 1º cabo aux enf  José Teixeira no início da sua comissão," com duas crianças vestidas com a farda da Mocidade Portuguesa". Já na época, o Zé era um praticante do escutismo católico. Não sei se já era conhecido pelo seu nickname, "Esquilo Sorridente". Sobre Ingoré escreveu ele: "Foram dias, em geral, alegres e descontraídos, os dias de Ingoré, com o pessoal da CCAÇ 2381 em treino operacional antes de ser colocado no sul (Buba, Empada, região de Quínara)"

Foto (e legenda): © José Teixeira (2006). Todos os direitos reservados [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]





Guiné > Zona leste > Fajonquito > s/d [c. 1965] > O Sérgio Neves  com miúdos da localidade... Alguns deles acampavam literalmente no aquartelamento... e usavam a farda ou peças da frada da Mocidade Portuguesa. Fotos do álbum  do Sérgio Neves que foi Furriel Miliciano da CCAÇ 674 (Fajonquito, 1964/66), irmão do nosso camarada Constantino Neves.

Fotos (e legendas): © Constantino (ou Tino) Neves (2007). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]




Guiné > Zona leste > Fajonquito > 10 de junho de 1971 >  "O meu irmão Carlos (2 anos mais velho, hoje Farmacêutico, formado pela faculdade de Farmácia da Universidade Técnica de Lisboa), durante a alocução por ocasião do dia 10 de Junho de 1971, Dia de Portugal e de Camões, na escola primária de Fajonquito. Na imagem estão dois oficiais da companhia do cap Figueiredo (CART 2742), um dos quais, o alferes Félix encontrou a morte no mesmo dia que o seu capitão."

Foto (e legenda): © Cherno Baldé s (2013). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. Mensagem do Cherno Baldé, com data de 1 do corrente:

Caro amigo Luis,

Talvez não tenham dado conta, mas com alguma frequência tenho referido,  "en passant",   a Mocidade Portuguesa [MP] em diferentes textos das minhas memórias. Por exemplo, no tema "Quem roubou o nosso canhão" (**), falo do regresso de uma delegação da Mocidade Portuguesa na coluna da tropa que vinha de Bafatá, coberta de poeira.

Eu não fazia parte dos bons alunos porque era desenfiado e gostava mais de andar à solta, deambulando no quartel, ir à lenha ou à agua com os meus amigos condutores e/ou simplesmente passar o dia todo a andar no mato com um desvairado qualquer a caçar animais ou pássaros.

A minha primeira e única participação [erm actividades da MP] foi em 1973, mas já sabia de todos os pormenores dos participantes mais experimentados, pois que todos os anos acontecia a mesma coisa.
Os participantes que vinham de localidades como Fajonquito, Contuboel ou Sare-Bacar estavam sempre em desvantagem. Primeiro porque o nível de informação, as fardas e equipamentos nunca eram os mesmos dos da cidade de Bafatá, assim como o nível de preparação académica e performance desportiva que daí resultavam. Todas estas disparidades criavam um complexo de inferioridade e sentimentos de discriminação aliados a condições logisticas e de recepcão pouco agradáveis.

O "infante" Cherno Baldé aos 14 anos
Em Bafatá o local dos acampamentos situava-se na Boma, o tal jardim (muito fresco e acolhedor) já aqui descrito por Fernando Gouveia, situado ao lado do quartel da Cavalaria. E, nestas ocasiões a cidade de Bafatá ficava repleta de jovens oriundos de todas as escolas da região e, normalmente, cada localidade tinha fardamentos com tonalidades um pouco diferentes, pois quem comprava eram os pais das criançaas e nas localidades onde residiam. A cor verde não era a mesma em todos os sítios.

A Mocidade Portuguesa destinava-se a preparar os mais jovens para os sacrifícios ligados à vida da
tropa porque no tempo do Estado Novo o serviço militar era obrigatório. Para os participantes deslocados as condições nem sempre eram as melhores e passava-se mesmo fome, mas sempre valia a pena fazer aquela deslocação até Bafatá, a cidade maravilha, para no regresso fazer o "ronco" frente aos demais colegas que não sabiam das dificuldades e da afronta por que tinham passado com aquelas fardas e equipamentos já em desuso. 

Para as crianças de Bafatá, nós éramos a "Mocidade Tareco", isto é, participantes que não preenchiam os requisitos indicados para a Mocidade Portuguesa e, às vezes, nem nos deixavam desfilar. Isto repetia-se todos os anos, só quem não tinha participado é que não sabia. No regresso às origens, transformavam-se em heróis.

Em varios textos das minhas memórias, tenho referido,  "en passant",  aspectos ligados à MP (ver por exemplo no tema "quem roubou o nosso canhão" onde faço referência ao regresso dos participantes da MP na coluna da tropa que vinha de Bafatá, cheios de poeira.


2. Mais comentários do Cherno Baldé sobre este tema e afins (*)

Com as reformas introduzidas por Adriano Moreira em 1961 (muito tardiamente), o estatuto do indigena foi substituido por uma lei que facilitava a assimilaçãoo e desta forma permitia a obtenção do BI de cidadao português. Em 1971 o meu irmão Carlos, que tinha concluido a 4ª classe, obteve em Bissau o seu BI,  como muitos outros colegas.

Caro Valdemar, a obtenção do BI nao era difícil, mas era preciso preencher certas condições. Todos os casos que conheço sao de pessoas que tinham concluido, no mínimo, a 4ª classe. A milícia (voluntarios da sua própria desgraça) não precisava na altura e, se calhar nem preenchiam as condições exigidas.

Desde 1968 ou mesmo antes, que em todas as escolas da Provincia havia a formação e preparação da Mocidade Portuguesa...  e mocidade que se preza tinha que ter o equipamento completo: camisa verde, calções, meias, sapatilhas e chapéu de cor castanho. Depois eram organizados encontros a nível de cada região para competições desportivas e confraternização e ainda um acampamento nacional para os mais destacados,  em Quinhamel.

Surpreende-me que o Luis Graça nunca tenha visto jovens da Mocidade Portuguesa em Bambadinca e Bafatá. Em Fajonquito sempre aproveitávamos a boleia da tropa para vir a Bafatá ou Contuboel.

Na foto nº 7  [do poste P18273] ((*) o elemento da mocidade do lado esquerdo parece-me que é uma menina com o par de ténis (Sancho) que não era propriamente um equipamento oficial da Mocidade portuguesa. Do lado esquerda da bandeira pode-se ver parte do edificio da escola. Nos anos 60, com o inicio da guerra, foram construidas em todas as localidades com alguma importancia demografica. Ja era tarde demais para o imperio. (Mas, pensandio bem, não p

Compreende-se que vocês que vieram fazer a Guerra não tivessem olhos para ver outras coisas, pois o esforço para a sobrevivência falava mais alto e não era por menos. Em Paunca [, onde esteve o Valdemar Queiroz], de certeza que havia uma escola a funcionar,  o que não se pode dizer de Guiro Iero Bocari que é uma aldeola perdida no mato.

O 10 de Junho era festejado em todas as escolas e com a participação da administração civil e, em alguns casos, também de oficiais das companhias em quadricula como mostra a foto que enviei mostrando o meu irmão mais velho a discursar na presença de oficiais do exército e dos professores por ocasião do 10 de Junho de 1971, em Fajonquito, fardado a rigor e com o chapéu colocado por cima do ombro esquerdo, como mandavam as regras. No local estávamos muitos, mas o fotógrafo concentrou-se no alvo principal.

Por outro lado, duvido muito que os jovens da Mocidade Portuguesa fossem Felupes, como pensa o Luis Graca, mais plausivel seria que fossem filhos de familias de comerciantes ou  assimilados originários de outros grupos e que trabalhavam em S. Domingos e arredores, pois os verdadeiros felupes ainda não teriam saído dos seus tarrafos, de qualquer modo ja se notavam algumas mudanças sociais em todos os grupos etno-linguísticos da Guin´+e. A este periodo os nossos velhos apelidaram de "a epoca dos brancos" que na linguagem moderna se convencionou chamar de globalização ou mundialização.

Caro Valdemar, há um proverbio nosso que diz assim: "O velho não é, de modo algum, amigo de Deus, simplesmente convivem os dois há muito tempo". Isto a propósito das tuas palavras de elogio (?).

3. Comentário do editor:

Obrigado, Cherno, este teu contributo é, mais uma vez, importante para o nosso blogue e enriquece a tua série, "Memórias do Chico, menino e moço (Cherno Baldé)" (**)...

Tentei fazer um apanhado do essencial  que escreveste sobre a MP na Guiné... Tens aqui uma entrada, na Wikipédia, com informação relevante sobre a MP (sobre a qual, confesso, que sei pouco...).-

Criada em 1936 e obrigatória para os jovens até aos 14, a MP pelo Decreto n.º 29453, de 17 de fevereiro de 1939, a organização foi alargada «à Mocidade Portuguesa das colónias, de origem europeia, e à juventude indígena assimilada» (sic) a quem é «dada (....) uma organização nacional e pré-militar que estimule a sua devoção à Pátria, o desenvolvimento integral da sua capacidade física e a formação de carácter, e que, incutindo-lhes o sentimento da ordem, o gosto pela disciplina e o culto do dever militar, as coloque em condições de concorrer eficazmente para a defesa da Nação.»

Tens razão, os felupes em S. Domingos, em 1968/69, não deviam ser "elegíveis"...

Porque é de antologia, volto a reproduzir aqui, na íntegra, o teu fabuloso texto  "Quem roubou o nosso canhão?". Como eu não sei russo, diz-me o querem dizer estes caracteres do alfabeto cirílico (?), que aparecem no penúltimo parágrafo... Deve ser um palavrão... ȹɎψ₳

Tens aqui a letra e a música do Hino da Mocidade Portuguesa. Não sei se algum dia o chegaste a aprender a cantar... A letra é do poeta Mário Beirão (1890-1965) e a música do Rui Correia Leite.
_________________

QUEM ROUBOU O NOSSO CANHÃO?

por Cherno Baldé (***)

No período da guerra colonial, pouco antes ou durante a permanência da CÇAC 3549,  “Deixós-poisar” (1972-74), em Fajonquito, pequeno povoado com um aquartelamento militar, rodeado de arame farpado e torres de vigia construídos com troncos de palmeira, certo dia, no regresso da coluna que regularmente ia à cidade de Bafatá, sede do batalhão [e sede de circunscrição administrativa], trouxeram em reboque dois canhões muito grandes. Normalmente, tudo que a coluna trazia era suposto ficar na localidade.

Atrelados aos veículos, os canos largos, ameaçadores, olhavam para trás, virados na direcção contrária do sentido da marcha, o que, nas nossas cabeças de crianças, parecia ser, sem dúvida nenhuma, uma tolice dos nossos militares brancos, tão insensata como a ideia descabida de obrigar as nossas milícias a carregar,  na cabeça, granadas pesadas de morteiro ou bazooka, nas saídas ao mato, com as armas nas costas, sabendo de antemão que em caso de uma emboscada traiçoeira, a vida e a morte se jogavam em milésimos de segundos.

No caso dos canhões, se de repente, numa emboscada do inimigo, tivessem que ripostar rapidamente, iam fazer o quê?
– Ficávamos a imaginar a reacção dos artilheiros. Primeiro iriam parar, virar o engenho, apontar ao alvo e depois disparar. Mas, havia uma questão importante, no entanto, sem resposta. Será que teriam tanto tempo?... 

Perguntas de crianças que tinham nascido e crescido no teatro de uma guerra que se teimava em eternizar e onde viviam como se de uma grande escola se tratasse, caldeirão efervescente que, de certeza absoluta, haveria de consumir gerações inteiras, caso não a tivessem posto fim, em boa hora. 

Mas, voltando à nossa coluna, nesse dia, a nossa atenção não foi para os militares, cobertos de pó vermelho da estrada, à cata de novos amigos nem para os extravagantes jovens da Mocidade Portuguesa que regressavam dos festejos de 10 de Junho, nas suas novas fardas, camisas verdes, calções castanhos, o emblema das quinas ao peito, cor de ouro brilhando ao sol e, nem sequer nos lembramos de fazer o nosso trabalho de rotina que era recolher por baixo dos bancos de conduzir as armas e o cinto pesado de cartucheiras dos nossos patrões condutores. 

Os nossos olhos ficaram presos naquelas máquinas, engenhos escuros de metal, montados sobre gigantescas rodas, "caterpillars" de pólvora, fogo e de morte que, finalmente, tinham chegado. Doravante a barraca de Samba-Ulencunda estava ao alcance das nossas mãos. Desde a porta d’armas, acompanhámo-los, cuidadosamente, parando quando paravam, correndo atrás quando andavam, até ao centro do quartel onde foram estacionados. Deixando os apressados condutores partir, aproximámo-nos ligeiros, abraçando os canos enormes, encostando os nossos corpinhos franzinos à frieza metálica daqueles monstros impassíveis que nos pareciam velhos conhecidos.

Mesmo ali ao lado e rodeado de tanques repletos de areia, estava instalado o morteiro 81 que, em vista das novas e imponentes armas, fazia uma figura pálida, quase inútil na sua pequenez, boca ao ar, pedindo chumbo para cuspir ao céu. Tantos anos a viver com ele, estávamos por demais familiarizados com o “poc” da saída das suas granadas que caíam algures, perto das nossas bolanhas de arroz, quando batiam a zona para afastar o medo que crescia nas noites de chuva, calor e humidade.

Nessa noite, demorámos algum tempo a pegar no sono, devido à curiosidade que nos consumia antecipando o gozo de ouvir os estampidos da nova artilharia, mas dormimos melhor, embalados pela segurança que as máquinas de guerra nos proporcionavam. Ter canhões de guarda, nessa época, mais que segurança e prestígio, era uma questão de honra. Os mais velhos contavam que em terras de Gabú, mesmo as localidades mais insignificantes tinham canhões para aterrorizar as povoações fronteiriças do Senegal onde habitavam os bandidos, lançando suas granadas compridas e grandes, um pouco maiores que o pénis de um jumento.

Mas, para nossa desilusão, e da mesma forma como tinham vindo, atrelados aos veículos, os canos largos, ameaçadores, insensatamente virados para trás, na direcção contrária do sentido da marcha, as máquinas de guerra tinham retomado sua marcha tenebrosa mais ao norte, para Cambaju, aldeia situada a menos de 500 metros da fronteira, o que, nas nossas cabeças de crianças, parecia ser, sem sombra de dúvida, mais uma tolice dos nossos militares, tão insensata como a ideia descabida de entregar armas repetitivas “Mauser” às populações civis para enfrentar guerrilheiros armados com Akas e metralhadoras automáticas, assim diziam os mais velhos.

No dia seguinte, voltando ao quartel para o habitual café com leite, as crianças constataram com grande tristeza que os seus canhões não só não estavam no local do dia anterior como tinham sumido do pequeno aquartelamento, rodeado de arame farpado e torres de vigia construídos com troncos de palmeira. Estupefactas e inconformadas,  as crianças interrogavam-se entre si:
- Quem foi o …ȹɎψ₳… que roubou os nossos canhões?

Ao menos deixassem ficar um para salvar a honra da aldeia, afastar o espectro do medo que crescia nas noites de chuva e conquistar o respeito dos nossos vizinhos, Samba-Ulencunda ali tão perto de nós.

Bissau, 7 de Dezembro 2012
Cherno Baldé (Chico de Fajonquito)

____________________

Notas do editor:

(*) Vd. poste de 31 de janeiro de 2018 > Guiné 61/74 - P18273: Álbum fotográfico de Virgílio Teixeira, ex-alf mil, SAM, CCS / BCAÇ 1933 (Nova Lamego e São Domingos, 1967/69) - Parte XIII: uma mudança (histórica) sob o spinolismo: em 1 de janeiro de 1969, o administrador de São Domingos, cabo-verdiano, é substituído por um guineense

(**) Último poste da série >A 3 de janeiro 2018 > Guiné 61/74 - P18170: Memórias do Chico, menino e moço (Cherno Baldé) (53): três balas de kalash para uma missão suicida: o trágico fim do ex-soldado 'comando', Cissé Candé, em abril de 1978

(***) Vd. poste de 13 de dezembro de 2012 > Guiné 63/74 - P10796: Memórias do Chico, menino e moço (Cherno Baldé) (42): Quem roubou o nosso canhão?