quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Guiné 61/74 - P18272: Memória dos lugares (373): Cacine, 1967 (Manuel Cibrão Guimarães, ex-fur mil, CCAÇ 1620, Bissau, Cameconde, Cacine, Sangonhá, Cacoca, Cachil e Bolama, 1966/68)


Foto nº 1 > Guiné > Região de Tombali > Cacine > CCAÇ 1620 > 1967>  O fur mil Manuel Cibrão Guimarães, frente à "capela militar de N: sra. de Fátima", construída ao tempo da CART 496, em 13/5/1964 e provavelmente completada pela CCAÇ 799, um anjo depois (10/6/1965)... O Cibrão Guimarães está vestida com uma "sabadora" (peça principal do traje masculino dos muçulmanos) e um gorro, fula, na cabeça... A peça do vestuário tem a particularidade de ser feita com sacos de farinha de panificação (, "ofício" a que sempre esteve ligado: o pai era industrial de panificação; e ele daria continuidade ao negócio até se reformar; natural de Avintes, Vila Nova de Gaia, mora em Rio Tinto, Gondomar; é pai de duas filhas, a esposa, licenciada em farmácia e professsora do ensino secundário, também está reformada).


Foto nº 2 > Guiné > Região de Tombali > Cacine > CCAÇ 1620 > 1967>  Da esquerda para a direita, o Cibrão Guimarães, um furriel do BENG 447 e o vagomestre da CCAÇ 1620, o António Santos,


 Foto nº 3 > Guiné > Região de Tombali > Cacine > CCAÇ 1620 > 1967>   Em primeiro plano,  um furriel da "psico" (de óculos), e no lado direito,  de barbas, sem óculos, mais outro furriel, seguido do sargento Moreira (de costas), o Manuel Cibrão Guimarães (em terceiro lugar) e,por fim, o furriel Valente... Do lado esquerdo da mesa, estão outros sargentos e furriéis, incluindo o António Santos, vagomestre, de barbas.



 Foto nº 3 A > Guiné > Região de Tombali > Cacine > CCAÇ 1620 > 1967>    Mesa de furriéis milicianos e sargentos QP... O Manuel Cibrão Guimarães, de bigode,  é o segundo a contar do fim, do lado direito da foto...


 Foto nº 4 > Guiné > Região de Tombali > Cacine > CCAÇ 1620 > 1967> Cerimónia religiosa, com homens grandes e população. Ao centro, em primeiro plano, o "mauro", de turbante e vestes pretas.



 Foto nº 4A>  Guiné > Região de Tombali > Cacine > CCAÇ 1620 > 1967> Cerimónia religiosa, com homens grandes e população. O Manuel Cibrão Guimarães está por detrás do "mauro", de camuflado, e bigode.

Fotos (e legendas): © Manuel Cibrão Guimarães (2018). Todos os direitos reservados [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


Manuel Cibrão Guimarães:
natural de Avintes, V. N. Gaia,
 vive em Rio Tinto, Gondomar
1. Continuação da publicação de uma seleção de fotos do
 álbum do nosso grã-tabanqueiro nº 766, Manuel Cibrão Guimarães, ex-fur mil, da CCAÇ 1620 (Bissau, Cameconde, Cacine, Sangonhá, Cacoca, Cachil e Bolama, 1966/68). (*)


Antes de ir para o Cachil (em março de 1968), a CCAÇ 1620 tinha assumido, em 5 de janeiro de 1967, a responsabilidade do subsetor de Cameconde, rendendo, por troca, a CCAÇ 799 (Cacine e Cameconde, 1965/67), e passando a integrar o dispositivo  e manobra do BCAÇ 1861 e depois do BART 1896.

É nessa altura que a CCAÇ 1620 tem um pelotão destacado em Cacine. E o Manuel Cibrão Guimarães estevelá, como as fotos documentam...

Em 1 de agosto de 1967, por rotação com a CART 1692,  a CCAÇ 1620,assumiu a responsabilidade do subsector de Sangonhá, com um pelotão destacado em Cacoca, mantendo-se no mesmo sector do BART 1896.

4 comentários:

António José Pereira da Costa disse...

Olá Camaradas

Conheci o furriel da psico na foto n.º 3.
No tempo da 1692 ainda não tinha terminado a comissão.
Chamava-se Almeida.
Não tenho mais elementos sobre ele.
Não consigo localizar a capela militar onde, também está inscrito nome da CArt e da CCaç que lhe sucedeu 2445.´
Alguém me dá uma ajuda?

Um Ab.
António J. P. Costa

Mário Vitorino Gaspar disse...


Camarada Guimarães

Estavas em Cacine e depois Sangonhá e eu em Gadamael. Enquanto a minha Companhia CART 1659 não tinha cais éramos abastecidos em Cacine, onde fui algumas vezes. Numa delas fomos atacados em Cacoca (onde comi as bananas mais pequenas da minha vida), e noutra mais tarde fomos atacados em Sangonhá. Almoçámos e jantámos algumas vezes na mesma mesa. Quando do ataque a Sangonhá, era eu que comandava os militares da CART 1659 e a tua Companhia saiu para uma Operação. Mais tarde comandei a segurança quando do abandono de Sangonhá e Cacoca a 27 de Junho de 1968. Um abraço

Mário Vitorino Gaspar

Anónimo disse...

Camarada Cibrão:
Bem vindo a estas paragens da Fronteira/Sul da Guiné, passados que são mais de 50 anos!...
Chegaste a Sangonhá em AGO/67 e eu saí de Gadamael em Maio do mesmo ano. Na altura ainda se viajava no rio Queruane. É assim que se chama o rio que banha Gadamael. O rio Sapo está próximo de Sangonhá e não de Gadamael. -"Queruane, Queruane, rio meu. Tantos nomes te chamaram, Axe, Sapo, sei lá eu!..." (P11859)
No P9577 há uma fotografia do patrulhamento do Rio Queruane, ocorrida em 1966.
Manuel Vaz

António José Pereira da Costa disse...

Olá Camaradas

Por esta troca de posts podemos concluir que a situação no extremo Sul do TO daquela PU.
A que é que isso se terá devido?
A que terá sido devida a evolução táctica até ao fim da guerra e que terminou com abandonos (Mejo, Gandembel, Ganturé, Sangonhá, Cacoca) e uma perda (Guileje)?

Um Ab.
António J. P. Costa