sábado, 19 de janeiro de 2019

Guiné 61/74 - P19419: Convívios (884): 41º convívio da Magnífica Tabanca da Linha, 9º aniversário: dia 24, 5º feira, às 13h00, em Algés, no restaurante "Caravela de Ouro"... Inscrições até terça-feira, de manhã, dia 22..Já há cerca de meia centena de inscritos (Manuel Resende)


Cascais > São Domingos de Rana > "Adega Zé Dias > 14 de janeiro de 2010 > Alguns dos históricos que fundaram a Magnífica Tabanca da Linha: da esquerda para a direita: o Zé Dias (, sono do restaurante),  António Fernandes Marques, José Manuel Matos Dinis, Manuel Domingos ( falecido logo a seguir,  nesse ano,  era  do Batalhão do Rogério Cardoso, era fadista amador com prémios), Rogério Cardoso, António Graça de Abreu, Zé Carioca,  Jorge Rosales e Zé Caetano.


Cascais > São Domingos de Rana > "Adega Zé Dias > 14 de janeiro de 2010 > > Da esquerda para a direita, os nossos grã-tabanqueiros, Zé Carioca, António Graça de Abreu José Manuel Matos Dinis, Mário Fitas, António Fernandes Marques,  Jorge Rosales e  Rogério Cardoso. [O Manuel Resende só passou a integrar a Tabanca da Linha, a partir do 4º convívio]


Fotos (e legendas): © Manuel Resende (2019).  Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]




41º CONVÍVIO DA MAGNÍFICA TABANCA DA LINHA, FUNDADA EM 2010

Caros Magníficos e convivas,

No próximo dia 14 de Janeiro vamos comemorar o 9º Aniversário do momento fundador da que veio a ser a MAGNÍFICA TABANCA DA LINHA.

Nove camaradas que combateram na Guiné, se conheciam bem, alguns mesmo antes da passagem pela Guiné, “meninos” do Estoril e Cascais, Colégio João de Deus, Futebol do Estoril…, juntaram-se para um almoço em Rana, na “Adega Zé Dias”, que também esteve na Guiné, conhecido e amigo do Jorge Rosales,  dos Salesianos, e nas conversas havidas durante o opíparo repasto que lhes foi servido, lembraram-se de formar aquela a que deram o nome de Tabanca da Linha, logo depois achada como sendo Magnífica, recebeu a designação actual, com que de norte a sul de todos é conhecida.

Para os vindouros, o grande momento fundador foi relatado, e registado, na “Mãe de Todas as Tabancas”, o blogue  Luís Graça & Camaradas da Guiné, o post “eGuiné 63/74 – P5691 (*)
Foram estes os gloriosos fundadores

ex-Alf Mil Jorge Rosales (1º CCAÇ, Porto Gole e Bolama, 1964/66),

ex-Fur Mil António Fernandes Marques (CCaç 12, do Pelotão do Luís Graça, Bambadinca, 1969/71),´
ex-Fur Mil Rogério Cardoso (CART 643, Mansoa e Bissorã, 1964/66(),

ex-Fur Mil Manuel Domingos, o Gato (Mansoa, CArt 568),

ex-Fur Mil Mário Fitas (CCAÇ 763, "Os Lassas", Cufar, 1965/67);

ex-Fur Mil José Manuel Matos Dinis (CCÇ 2679, Piche, Bajocunda, 1970/71),

ex-Fur Mil José Carioca (CCAÇ 3477, Gringos de Guileje, Guileje, 1971/72 ),

ex-Fur Mil 'Comando' José Caetano, (Mansoa, Bedanda, CCaç 4);

ex-Alf Mil António Graça de Abreu (CAOP1, Teixeira, Pinto e Cufar, 1972/74).

Com o tempo, com os contactos estabelecidos através do Facebook, nomeadamente, contamos hoje com 175 membros, não podendo muitos terem sido aceites por não satisfazerem os requisitos mínimos, quais sejam

1-ter estado na Guiné;

2-virem aos nossos convívios;

3-viver na zona da Grande Lisboa (não obrigatório),  para podermos contar com as suas presenças

O convívio de Janeiro tem como lema o “9º ANIVERSÁRIO DA MAGNÍFICA TABANCA DA LINHA”. (**)

Infelizmente, pelas razões de saúde que são conhecidas, e que muito lamentamos, não podemos contar com a presença física do nosso “EXMO. COMANDANTE” Jorge Rosales, que em espirito não deixará de estar à mesa connosco, e soprar as velas do aniversário.

24 de Janeiro, quinta-feira, com início às 13 horas

Restaurante "CARAVELA DE OURO" em Algés.

Esperamos que mais uma vez seja do vosso agrado.

EMENTA

- APERITIVOS

Bolinhos de bacalhau - Croquetes de vitela - Rissóis de camarão - Tapas de queijo e presunto.

Martini tinto e branco - Porto seco - Moscatel.

- SOPAS

Creme de legumes – Creme de Marisco

- PRATO PRINCIPAL

Arroz de Garoupa

- SOBREMESA

Salada de Fruta ou Pudim

- CAFÉ

- BOLO COMEMORATIVO, com Champanhe, (9º Aniversário)

- BEBIDAS
Vinho branco e tinto (Ladeiras de Santa Comba-vinho da casa)
Águas - Sumos - Cerveja

PREÇO POR PESSOA - - - - - 20.00€
(Crianças, caso apareçam, dos 5 aos 10 anos pagam metade)

Morada: Alameda Hermano Patrone, 1495 Algés (Jardim de Algés, junto à marginal)

INSCRIÇÕES:

- Manuel Resende 919 458 210

- magnificatabancadalinha@gmail.com

- ou dizendo "vou" ao convite no nosso grupo do Facebook [Magnífica Tabanca da Linha]

(até às 24 horas do dia 21 - segunda-feira).

Aguardo as vossas inscrições a partir de agora,

Manuel Resende

____________________

Notas do editor:

(*) Vd. poste de 23 de janeiro de  2010 > Guiné 63/74 - P5691: Os nossos seres, saberes e lazeres (16): Nascimento da fabulosa Tabanca da Linha (António Graça de Abreu / José Manuel Dinis)

(**) Último poste da série > 24 de novembro de 2018 > Guiné 61/74 - P19228: Convívios (883): "Bosque dos Avós", hoje, todo o dia, na serra do Marão, Aboadela, Amarante (José Claudino da Silva)

Guiné 61/74 - P19418: Os nossos seres, saberes e lazeres (304): Viagem à Holanda acima das águas (8) (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil Inf, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 10 de Outubro de 2018:

Queridos amigos,
A visita ao Rijks trazia água no bico, independentemente do viandante não visitar este santuário das belas-artes há muito, a requalificação do museu foi muito badalada, circulou muita documentação na internet, impunha-se a visita; mas havia igualmente que entregar a um estudioso do surrealismo um conjunto de catálogos de um amigo comum, Raul Perez, foi encontro muito aprazível, tanto mais que o viandante tinha tido a oportunidade de ler a correspondência que lhe fora dirigida, bem como à mulher, de nome Frida, por Mário Cesariny, um genial poeta, de costela surrealista.
Aqui fica uma súmula deste extraordinário museu, sobejam razões para aqui querer voltar o mais depressa possível.

Um abraço do
Mário


Viagem à Holanda acima das águas (8)

Beja Santos


O Rijks está na lista dos museus mais importantes do mundo, a sua história confunde-se com a identidade do povo holandês, com os acidentes políticos, a presença francesa dos Países Baixos, a Holanda independente, rica e próspera. O Rijks está dentro de um edifício neogótico de belas fachadas, está permanentemente cheio para aqueles que vêm à procura de Rembrandt, Frans Hals, Vermeer, Pieter de Hooch, Jacob van Ruisdal, Jan Steen e Isaac Israels, mas também de outros génios que podem dar pelo nome de Rubens, de Goya, de Van Gogh ou de Picasso. O amante das belas-artes tem aqui de tudo, às centenas, naturezas-mortas, paisagens, retratos, pintura religiosa, histórica e mitológica, cenas de género. É a maldição dos dias contados, o Rijks merece no mínimo uns três dias de fruição, paciência, a viagem nunca acaba desde que o viajante acredite piamente no eterno retorno.




Há anos que o viandante ansiava por regressar a este soberbo templo artístico, o Rijks de Amesterdão, há aqui telas de Rembrandt ou de Vermeer que são Património Mundial, mas o viandante também não desdenha de visitar aqui coleções de doadores com peças soberbas e até arte moderna, como adiante se mostrará. A peregrinação tão ansiada inclui um encontro, como brevemente se descreve. Contada a viagem a um amigo, o pintor Raúl Pérez, ele pede-lhe encarecidamente que leve uns quilitos bem nutridos de catálogos para um outro amigo de longa data, um tal Laurens Van Krevel, um estudioso do surrealismo, poeta, editor consumado e muito mais. Troca-se correspondência e marca-se a uma hora certa um encontro no Rijks. O viandante lera deliciado a correspondência que com este intelectual holandês trocara um dos maiores poetas portugueses da segunda metade do século XX, Mário Cesariny, amigo também de Raul Pérez. Foi o encontro mais aprazível do mundo, primeiro a troca de papéis e lembranças, depois as histórias de Portugal, os projetos, o que cada um anda a escrever, o que o ausente anda a pintar, ele que é um lídimo artista surrealista, detentor de uma obra notável. E tudo aqui fica emoldurado com o Rijks rejuvenescido, nas escadarias, nos elevadores, nos arrojos postos no teto, mostra-se o livro, fala-se de uma amizade marcante e mostra-se a alegria deste encontro. E quando Laurens e Frida quiserem voltar a Portugal o viandante está pronto a dar-lhes guarida. Não podia ter começado melhor esta viagem pelo Rijks.




Rembrandt é o mais poderoso senhor desta casa, não há turista que não o saiba, mas também Rubens, em menor escala, e depois outros génios, caso de Vermeer ou dos mais modernos como Toulouse-Lautrec ou James Ensor. Não se aborrece mais quem contempla estes génios incomparáveis com informação sobre Rembrandt, ele é inconfundível no autorretrato, na configuração dos grandes grupos, na transmissão de estados de alma e de ambientes como no quadro acima referente à noiva judia, o esplendor das cores fortes entre o amarelo e o vermelho, à flor da tela e o detalhe esbatido num ecrã de fundo. Para quê mais palavras?


Vermeer saltou para o ecrã num filme com culto, “A Rapariga com Brinco de Pérola”, tem obra literária por trás, mas o grande público entusiasmou-se com estes jorros sabiamente comedidos de rastos de luz e a organização da mancha. É o caso desta leiteira, fica-se com a ideia que tudo ali tem sábio sentido, retrata-se um mister, a luz coa-se à esquerda e desenha o fundo, o resto é representação de uma mulher em pleno labor e com as cores certas. Uma obra-prima sem mais exclamativas. Um crítico escreveu: “A criada, vestida com o seu vestido de trabalho, com uma touca, está a olhar para baixo completamente concentrada na sua tarefa. A sala é de uma simplicidade acolhedora, na mesa está um pequeno pano azul que condiz com a saia da criada. Junto à tigela está um jarro de porcelana branca e azul, típico de Delft, que contrasta com a rusticidade dos restantes objetos”.


Este magnífico quadro de Rubens versa o tema do Novo Testamento em que São Tomé observa as chagas de Cristo. A anatomia humana era a questão central que prendia a estética de Rubens, a exploração de contraste entre o corpo jovem e o corpo velho, os fundos escuros e neutros, a perfeição da textura. O quadro faz parte de um tríptico, mas o viandante centra-se diretamente neste corpo seminu envolvido por um extraordinário manto cor de fogo.



Este autorretrato de Van Gogh foi realizado um ano após de ter estabelecido em Paris, em 1887. Sem recursos, autorretratou-se, normalmente vestido com a sua roupa de trabalho. Era exigente a revelar a introspeção, parecia um seguidor de Rembrandt. O retrato psicológico atinge o seu auge em obras como esta. E aqui se finda a visita ao Rijks, espero que o leitor se delicie com os quadros que aqui ficam de James Ensor, as suas mascaradas, e Jane Avril, uma das figuras prediletas de Toulouse-Lautrec.


(Continua)
____________

Nota do editor

Poste anterior de12 de janeiro de 2019 > Guiné 61/74 - P19397: Os nossos seres, saberes e lazeres (302): Viagem à Holanda acima das águas (7) (Mário Beja Santos)

Último poste da série de16 de janeiro de 2019 > Guiné 61/74 - P19409: Os nossos seres, saberes e lazeres (303): Parabéns, meu filho, Bruno Teixeira, nascido a 16 de janeiro de 1973, quando ainda se lutava e morria na guerra de África (Virgílio Teixeira)

Guiné 61/74 - P19417: O nosso livro de visitas (199): contacto do dr. Raul Nobre, médico, que chegou a pertencer ao BCAÇ 2884, era radioamador e esteve em Timor (Norberto PInto, ex-militar da FAP; passou pela BA 12, Bissalanca, e pede ingresso na Tabanca Grande)


Prato comemorativo do almoço de Ano Novo de 2017,  da tertúlia dos Especialistas da BA 12, Bissalanca, Guiné 65/74, em Monte Real, 14 de janeiro de 2017. Têm já o 42º Encontro maracado para Évora, em 25 de maio de 2019.

1. Mensagem do nosso leitor (e camarada, ex-militar da FAP), Norberto G. Pinto:


Date: sexta, 18/01/2019 à(s) 14:15
Subject: Informação
Caro professor:

Estava eu a pesquisar,  da possibilidade de poder vir a encontrar ou saber do contacto, do Dr. Raul Vilhena Nobre (*).

Há 50 anos ele morava na travessa S.Domingos em Benfica, a mãe ilustre professora de desenho, tive o privilégio de ser seu aluno, de conhecer o Dr. Raul e sua esposa, que salvo erro era enfermeira, ainda antes de terem ido para Timor, foi com a ida dele para Timor, que para se comunicarem aparece o Rádio... Enfim, pessoas distintas, que saudades que eu tenho, desse tempo, das pessoas, de tudo mas tudo mesmo.

Também acabei por ir para o ultramar, estive na Guiné (Bissalanca), Angola, Moçambique (Nacala, Beira, Tete e Lourenço Marques), pertencia à Força Aérea,  aproveito para dizer que também sou aniversariante de Janeiro.

Um bom ano de 2019.

Se me aceitarem na vossa tabanca, estarei disponível e se alguém souber do Dr. Raul, agradecia a informação. 

Obrigado a todos,

Norberto Pinto

2. Resposta do nosso editor LG:

Caro Norberto:

Como ex-combatente que foste na Guiné (, BA 12, Bissalanca), tens a porta aberta da Tabanca Grande para entrar. Só precisas de cumprir os dois requisitos mínimos: (i) fazes a tua apresentação, como  ex-militar da FAP: (ii) mandas duas fotos tuas, tipo passe, uma atual e outra do "antigamente"... Se tiveres mais fotos e histórias desse tempo, manda-nos por este endereço que utilizaste. Também temos um página no Facebook, Tabanca Grande Luís Graça.

Presumo que também tenhas comnhecimeto do blogue Especialistas da Base Aérea 12, Guiné 61/74, mas não vejo lá o teu nome.

Quanto ao dr. Raul Nobre, tivemos notícias dele em 2007. Sabemos que tem (ou tinha)  consultório de estomatologia em Lisboa e página no Facebook.

Eis o endereço do consultório:

Rua Conde Almoster 50, 2º -D
1500-195 Lisboa
Telef 217 710 643

O nosso camarad Manuel Resende é amigo dele no Facebook.  Foram colegas no mesmo batalhão, o BCaç 2884, mas o al mil médico Raul Nobre, acabou por não embarcar para a Guiné.

Tanmé há tempos apareceu aqui um radiamador a querer partilhar com ele memórias de Timor e do radioamadorismo (**). Pode ser que ele volte a entrar em contacto connosco. (***)

_______________

Notas do editor:

(*) 27 de março de 2007 > Guiné 63/74 - P1629: Lendo os vossos depoimentos com um nó na garganta... O que é feito da CCAÇ 2585 ? (Raul Nobre, ex-Alf Mil Médico)

(...) Em 1969 fui incorporado como médico na CCAÇ 2585, comandada pelo Capitão Tomaz da Costa. Ainda fiz o IAO na Arrábida e gozei os 10 dias de licença antes do embarque. Entretanto deu-se o "atentado" ao Niassa e o embarque do Batalhão fez-se com atraso. Eu não cheguei a embarcar, pois deferiram-me o requerimento que fizera para poder terminar a especialidade de Estomatologia e em 1971 mandaram-me para Timor donde regressei em 1973 (...) 


Guiné 61/74 - P19416: Parabéns a você (1561): José Crisóstomo Lucas, ex-Alf Mil Op Esp da CCAÇ 2617 (Guiné, 1969/71) e Manuel Mata, ex-1.º Cabo Ap Armas Pesadas do Esq Rec Fox 2640 (Guiné, 1969/71)


_____________

Nota do editor

Último poste da série de 18 de Janeiro de 2019 > Guiné 61/74 - P19412: Parabéns a você (1560): Luís Manuel Rainha, ex-Alf Mil COM, CMDT do Grupo de Comandos Centuriões (Guiné, 1964/66)

sexta-feira, 18 de janeiro de 2019

Guiné 61/74 - P19415: In Memoriam (333): Auá Seidi (c.1935-2018), viúva do comerciante de Bambinca (c. 1925-2011), Rodrigo Rendeiro, natural da Murtosa, já falecido em 2011 (Leopoldo Correia, amigo da família, ex-fur mil, CART 564, Nhacra,Quinhamel, Binar, Teixeira Pinto, Encheia e Mansoa, 1963/65).


Audá Seidi (c. 1935-2018), viúva de Rodrigo Rendeiro (c. 1925-2011), comerciante de Bambadinca, natural da Murtosa, foto que nos foi remetida pelo nosso camarada Leopoldo Correia, amigo da família, e que vive em Águas Santas, Maia (, foi fur mil, mil da CART 564, Nhacra,Quinhamel, Binar, Teixeira PintoEncheia e Mansoa, 1963/65).

O nome completo do marido era Rodrigo José Fernandes Rendeiro, e terá ido para a Guiné em plena II Guerra Mundial, com 17 anos, pelo que terá nascido por volta de 1925/26. A Auá Seidi era mais nova do que ele cerca de 10 anos. E era muito bonita,  dizia-se. O casal teve 9 filhos.

Já aqui contámos a "odisseia" do Rendeiro, às mãos do PAIGC, quando era comerciante no Enxalé, em 1963 (**). Levado para o  Senegal, conseguiu chegar à Gâmbia e, com apoio do consulado da Suiça, teve a sorte de regressar a Bissau.

A seguir, talvez no fim desse ano ou princípios de 1964,  deve ter ido para Moçambique, onde tinha parentes,m  para fugir à guerra e às represálias do PAIGC. Presumimos que tenha voltado e regressado à Guiné, fixando-se então em Bambadinca  por volta de1965(66. Terá regressado à sua terra natal,  em 1974, amargurado. Receio bem que tinha tido problemas logo a seguir ao 25 de Abril, pela sua colaboração com as NT e, eventualmete, com a PIDE/DGS.

1. Mensagem de hoje do nosso editor Carlos Vinhal, às 10h59:

Luís,

O Leopoldo Correia acaba de me comunicar o falecimento da esposa do senhor Rendeiro, Auá Seidi,  pessoas que parece teres conhecido em Bambadinca, onde ela era conerciante. Faleceu ontem e é sepultada hoje na Murtosa. Queres publicar a notícia no blogue ? Junto foto da senhora.

Abraço,
Carlos Vinhal




Notícia necrológica (Cortesia da funerária ToniFuner, da Murtosa)

2. Nota do editor Luís Graça:

Obrigado ao Leopoldo Correia e ao Carlos Vinhal.  Sim, conheci e estive, algumas vezes,  na casa da família Rendeiro, em Bambadinca, entre julho de 1969 e março de 1971.  E provei, nessas ocasiões,  o famoso chabéu da nhá Auá Seidi (ou Seide). Mas nunca tive o prazer de a conhecer pessoalmente. Nem sequer alguma vez a vi. E ao Rendeiro também nunca mais o vi, depois do nosso regresso a casa.

No meu tempo, ele convivia não só com a malta da CCAÇ 12 bem como com alguns camaradas nossos das CCS (BCAÇ 2852, 1968/70; e depois BART 2917, 1970/72)... Era nosso "vizinho", a sua casa e a sua loja situavam-se períssimo do quartel, na tabanca de Bambadinca. Além disso, fazíamos colunas logísticas juntos, ele tinha uma ou mais camionetas que alugava à tropa...Fica esta nota de saudade (*). E o apreço da Tabanca Grande a esta grande família. Infelizmente, o Rodrigo Rendeiro  (**) já nos tinha deixado há cerca de oito anos, conforme notícia dada também pelo Leopoldo Correia:

(...) Infelizmente já não está entre nós, [, o Rendeiro,] pois foi sepultado na sua terra natal [, Murtosa,] em 10/09/2011, tendo eu assistido ao funeral e tido contacto com toda a "ínclita geração", os filhos de Fernandes Rendeiro / Auá Seide, da qual só tenho a dizer bem. A que estudava em Coimbra, era licenciada em direito e era magistrada: faleceu também há cerca de 5 anos. Era juíza do Ministério Público em Lisboa. (...). 

Diz-nos o Paulo Santiago, em comentário do dia 19, às 00h17: "Não sabia que a filha do Rendeiro, Ana Maria, julgo ser este o nome,tinha morrido. Entrou para Direito juntamente com a minha irmã, infelizmente também falecida há quinze anos,aos 53 anos de idade."

O nosso editor comentou: "Nome completo: Ana Maria Fernandes Rendeiro Bernard (, este último apelido deve ser do casamento).  Nasceu em 1953 e terá morrido em 2006 ou 2007, com 53 anos. (Em 1 de setembro de 2006 ainda era viva, constando da listagem dos Magistrados do Ministério Público no Distrito Judicial de Lisboa.) 

A fotografia que se vê ao fundo, na mesa de cabeceira da cama da Auá Seidi, deve ser dessa filha, prematuramente desaparecida. E que era a 'menina dos olhos' do nosso amigo Rendeiro, por andar a estudar na Metrópole. De facto, cursou direito e entrou para o ministério público. A Auá, por sua vez, deve-se ter convertido ao cristianismo ao casar-se com o Rodrigo Rendeiro.
_________

Notas do editor:


(**) Vd. postes de:


2 de novembro de 2017 > Guiné 61/74 - P17926: (D)o outro lado do combate (15): continuação da odisseia do Rodrigo Rendeiro que acabou por regressar a Bissau, com um salvo-conduto do consulado da Suíça em Dacar, que o levou até à Gâmbia...

3 de novembro de 2017 > Guiné 61/74 - P17929: (D)o outro lado do combate (16): O Rodrigo Rendeiro, depois de regressar a Bissau, terá fornecido preciosas informações à FAP , permitindo a localização (e bombardeamento) das bases do PAIGC em Morés e Dandum, segundo Maria José Tístar, autora de "A PIDE no Xadrez Africano: conversas com o inspetor Fragoso Allas", Lisboa, Colibri, 2017 (pp. 191/192)

Guiné 61/74 - P19414: Notas de leitura (1142): Os Cronistas Desconhecidos do Canal do Geba: O BNU da Guiné (69) (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil Inf, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 8 de Maio de 2018:

Queridos amigos,

Se há imagens que valem por mil palavras há também palavras que ganham eloquência e permitem refletir uma dada situação histórica, com um grau apreciável de fidedignidade. Será o caso deste documento em que o responsável em Bissau pela Sociedade Comercial Ultramarina descreve o que está a acontecer no Sul, um quase desmantelamento geral de postos de abastecimento.

O gerente do BNU em Bissau irá enviar para Lisboa até ao primeiro trimestre de 1964 informações preciosas, como ele próprio observa o Comando Militar é lacónico, não dá informação sobre o evoluir da situação, o gerente tem fontes que o habilitam a enviar informações preciosas, de tal modo que percebemos que para março/abril de 1964, mesmo com um número crescente de unidades militares a chegar à Guiné, a subversão foi bem sucedida no Sul, estendeu-se para o Corubal e começa a inquietar o chamado setor de Bafatá e posicionou-se de pedra e cal no Oio, cortando estradas e desinquietando toda a região circundante.

Um abraço do
Mário


Os Cronistas Desconhecidos do Canal do Geba: O BNU da Guiné (69)

Beja Santos

Em julho de 1963, está instalado o alarme. O “Diário Popular”, na sua edição de dia 17 dera relevo a uma entrevista com o Ministro da Defesa, a Administração do BNU entendeu pôr-se imediatamente em contacto com o gerente de Bissau, agradecendo tudo quanto tinha vindo a ser exposto sobre a escalada da luta armada. O que viera no “Diário Popular” fora silenciado pela maior parte da imprensa nacional, e como escreve a Administração do BNU, o ministro dissera textualmente que no Sul da Província “grupos numerosos e bem armados de terroristas penetraram em território nacional numa zona correspondente a 15% da superfície da Província” e a Administração em Lisboa previne a gerência de Bissau:

“Achamos prudente que estejamos atentos ao desenvolvimento da situação, para o caso de ela vir a agravar-se. E assim devem V. Sas. ter bem presente o que dispõe a circular reservada n.º 760, de 7/5/1931, para o que confiamos plenamente em V. Sas., no sentido de, se necessário, dar-lhe execução.

Agirão, em primeiro lugar, sem nervosismos nem precipitações, pois mesmo com a violação verificada das fronteiras, as nossas tropas cumprirão o seu dever, como o estão fazendo.
Só se procederá à inutilização das nossas notas em última extremidade, quando as autoridades militares o julguem conveniente.

A inutilização poderá ser por perfuração ou por queima, conforme a rapidez que a gravidade dos acontecimentos posteriores porventura imponha.

Como medida de providência, é conveniente mandar relacionar as notas existentes na Casa Forte ou Cofres, reduzindo ao mínimo indispensável as existências na Tesouraria.

O relacionamento será feito por maços, correspondendo a cada maço uma relação, a fim de que, quando os maços transitem para a Tesouraria, as respectivas relações individuais possam ser inutilizadas.” 

Em 20 de agosto, Luiz Vianna, da Sociedade Comercial Ultramarina em Lisboa envia ao administrador do BNU, Castro Fernandes, uma fotocópia da carta confidencial, datada de 6 desse mês remetida pela gerência de Bissau à sede da Sociedade Comercial Ultramarina, cujo teor é o seguinte:

“Situação política:

1 – No dia 4 do corrente veio a Bissau de avião o nosso empregado Manuel da C. Cunha Viana para nos avisar de que o Pelotão que estava no Xugué ia ser retirado para Bedanda, o aviso partiu de um capitão amigo do nosso empregado que o fez em atenção a favores recebidos, mas debaixo de grande sigilo.

2 – Como devem calcular, ficámos indignados com tal procedimento, pois a nossa Sociedade tem sido para o Comando Militar um manancial de facilidades e não está certo uma atitude destas, pois a economia da Província, a manter-se tal disposição, sofreria um prejuízo na ordem dos 1.500 contos, sem contar os imóveis.

3 – No que diz respeito à nossa Sociedade e pelas informações agora chegadas, temos naquela localidade os seguintes valores: 200 toneladas de arroz em casca, 70 contos de mercadorias, imóveis e utensílios diversos. Deslocámo-nos imediatamente ao Comando Militar para ver das possibilidades de suster, pelo menos por 10/15 dias, esta medida que prejudicava não só a nossa Sociedade como a economia da Província. 

4 – Depois de várias tentativas e intermediários militares, era domingo, conseguimos falar com o Sr. Major, que nos disse para esperar, pois ia pôr o assunto ao Sr. Brigadeiro Louro de Sousa, que disse textualmente o seguinte: nada podia fazer, pois havia um mês que o assunto do abandono do Xugué tinha sido posto ao Sr. Governador e por conseguinte nada tinha com tais problemas, o movimento tinha que se fazer como estava previsto. Avistámo-nos com o Chefe do Estado-Maior que nos ouviu e depois de várias hipóteses, mandou-nos regressar ali no outro dia para nos dar uma resposta definitiva. 

5 – Fomos lá à hora marcada na companhia do gerente da Casa Gou   veia que também tem no Xugué vários valores e depois de estarmos ali à espera quase duas horas, resolveram dar-nos os 15 dias pedidos para retirar todos os valores existentes no Xugué, antes de a povoação ser abandonada. 

6 – Já tomámos as providências necessárias e contamos ter tudo recolhido até ao princípio da próxima semana. 

7 – Sabemos que na realidade tem havido diversos problemas naquela área e tal situação é insustentável. 

8 – Em Catió, quase todos os dias tem havido tiroteio sem consequências de maior. 

9 – Em Salancaur soube-se que os terroristas estavam a negociar na nossa Casa Gouveia, vendendo não se sabe o quê, possivelmente coisas roubadas, a aviação foi lá e bombardeou aquilo tudo, e é de prever que as Casas tenham ficado bastante danificadas. 

10 – Sabe-se também que os terroristas estão instalados nas nossas Casas de Caboxanque, qualquer dia a aviação vai lá e dá cabo de tudo.

É esta a situação, quanto mais tropa vem, menos faz, por este andar os nossos imóveis vão desaparecendo e qualquer dia todas as Casas abandonadas estão desfeitas pela aviação.
A Casa de Cafine já quase não tem telhado e as 40 toneladas de arroz e mercadorias que lá ficaram já não existem com toda a certeza.”

Em 31 de agosto, o gerente de Bissau informa o BNU em Lisboa:

“A entrevista concedida pelo Senhor Ministro da Defesa e publicado no “Diário Popular” na tarde de 17 de Julho foi nesta Província transcrita no jornal “O Arauto” do dia 25.

As declarações do Senhor Ministro não tiveram aqui a repercussão inquietante de que se revestiram na Metrópole, de tal modo que choveram em grande número para a Guiné, quer por correspondência, telefone ou telegrama, os mais desencontrados e por vezes horripilantes boatos das lutas travadas pela posse desta cidade, com umas dezenas de mortes e de feridos à mistura.

Aliás, as palavras proferidas por aquele membro do Governo confirmam apenas as informações que há meses vimos prestando a V. Exas.

A população citadina, diga-se em abono da verdade, não isenta de preocupações, continua a fazer a sua vida normal, confia que com os reforços há semanas desembarcados, as forças militares operem o tão desejado volte-face da situação passando, finalmente, à contraofensiva nas zonas infestadas pelo terrorismo.

É convicção geral que só desta forma, lutando com as mesmas armas e no campo do inimigo, será possível senão eliminar pelo menos abrandar a violência dos últimos ataques.

Depois de previamente instaladas como as actuais condições permitem, as nossas tropas desenvolveram ultimamente grande actividade no sector compreendido entre Mansoa, Mansabá, Bissorã e Olossato, relativamente perto de Bissau.

Precedidos de intensos e arrasadores bombardeamentos aéreos nos refúgios do inimigo no mato, as tropas de terra, apertando o cerco, lançam ataques contra os terroristas em fuga, infligindo-lhes, segundo consta, severas baixas que uma emissora de um território vizinho aqui captada cifrou no número 200 só numa operação.

Não podemos confirmar estes números, visto que o Quartel-General do Exército é avaro de informações e nem sequer fornece comunicados das operações realizadas.

Assim, limitamo-nos a transmitir as informações de fontes não oficiais e que, possivelmente, nalguns casos, não correspondem inteiramente à verdade.

Contudo, não obstante as acções militares, não deixam os terroristas assinalar a sua presença e, como prova da sua actividade, na estrada Mansabá-Bissau, num troço das proximidades daquela povoação, esteve esta semana obstruída com troncos de árvores.

Anteriormente à vinda dos reforços militares, num ataque levado a cabo em 20 de Julho por um numeroso grupo constituído por argelinos distintamente identificados pelo vestuário e tez mais clara, negros e cabo-verdianos a uma coluna militar à distância de dois quilómetros de Mansabá, resultaram sete feridos do nosso lado.

No Sul, autenticamente abandonado, à excepção de alguns pontos ainda guarnecidos pela tropa, os terroristas continuam livremente senhores da maior parcela do terreno e controlam as vias de comunicação.

Nesta área, os nossos soldados limitam-se à defensiva dentro de redutos de arame farpado, visto que, segundo dizem, os efectivos de que dispõem são em número reduzido em relação ao território a cobrir.”

O gerente do BNU irá manter esta correspondência confidencial muito intensa, ao longo de todo o ano de 1963. Iremos verificar que o Leste entra em cena no final do ano, ataques a Amedalai e na região do Xime, em frente, na outra margem do Geba, resistiu-se em S. Belchior, os terroristas foram postos em fuga.

Quando se fizer o balanço de 1963, verificar-se-á que a situação no Sul vive em crescente turbulência, e daí a tentativa de sustar a subversão através de uma formidável operação, a Tridente, para reocupar a ilha do Como; a subversão chegara ao Corubal, grupos do PAIGC instalavam-se nas matas densas de Tabacutá, Galo Corubal, Mina, Poidon, Ponta Luís Dias, e muito mais, a Frente de Leste, ainda que timidamente, passara a ser uma realidade; e em território que o PAIGC classificará como Frente Norte, são constantes os ataques provenientes das matas do Oio, designadamente do Morés.

(Continua)


Mapa da Guiné constante no “Novo Atlas Escolar Português”, de João Soares, 4.ª edição, Sá da Costa, 1951. O que surpreende é a flagrante desatualização das localidades, noutro mapa que em breve publicaremos, referente a 1948, haverá muito mais rigor. Quem olhar para este mapa, ficará com a ideia que quase metade da Guiné era maioritariamente constituída por Fulas Pretos e depois por Biafadas, Balantas e Manjacos. Define-se a região do Gabu, mas não se precisam os limites, aquilo que é o Forreá e o Tombali também não tem nenhuma precisão, escreve-se que há Beafadas e Nalus. Foi por este mapa que a minha geração teve notícia do que era a Guiné…


A Imagem retirada do álbum “Guiné – Alvorada do Império”, 1953, trata-se de uma homenagem ao governador Raimundo Serrão.


Travessia do Corubal
Imagem publicado no Jornal “O Comércio da Guiné”, na sua edição de abril de 1931.
____________

Nota do editor

Poste anterior de11 de janeiro de 2019 > Guiné 61/74 - P19395: Notas de leitura (1140): Os Cronistas Desconhecidos do Canal do Geba: O BNU da Guiné (68) (Mário Beja Santos)

Último poste da série de14 de janeiro de 2019 > Guiné 61/74 - P19404: Notas de leitura (1141): “Vozes de Abril na Descolonização”, a organização é de Ana Mouta Faria e Jorge Martins e os entrevistados dos três teatros de operações foram Carlos de Matos Gomes, José Villalobos Filipe e Nuno Lousada, edição do CEHC – Centro de Estudos de História Contemporânea do Instituto Universitário de Lisboa, 2014 (2) (Mário Beja Santos)

Guiné 61/74 - P19413: In Memoriam: Os 47 oficiais oriundos da Escola do Exército e da Academia Militar mortos na guerra do ultramar (1961-75) (cor art ref António Carlos Morais da Silva) - Parte VIII: alf inf Casimiro Augusto Teixeira (Sabugal, 1938 - Matas do rio Vembia, Nambuangongo, Angola, 1962)






1. Continuação da publicação da série respeitante à biografia (breve) de cada um dos 47 Oficiais oriundos da Escola do Exército e da Academia Militar que morreram em combate no período 1961-1975, na guerra do ultramar ou guerra colonial (em África e na Ásia)


Trabalho de pesquisa do cor art ref António Carlos Morais da Silva, instrutor da 1ª CCmds Africanos, em Fá, adjunto do COP 6, em Mansabá, e comandante da CCAÇ 2796, em Gadamael, entre 1970 e 1972. Foi cadete-aluno nº 45/63, do corpo de alunos da Academia Militar.

2. Quanto à  história da Academia Militar:  remonta ao tempo de D. João IV, e ao ano de 1641, ou seja, ao início da guerra da Restauração, sendo a "Lição de Artilharia e Esquadria"  considerada a primeira escola de formação de oficiais do nosso exército.

É preciso esperar, entretanto, pelo ano de  1790, ao tempo da D. Maria, para que esta escola  passe a designar-se "Academia Real de Fortificação, Artilharia e Desenho", e a ganhar o estatuto de  verdadeira instituição de ensino superior das ciências e técnicas militares.

Em 1837, passa a designar-se por Escola do Exército, por iniciativa de Bernardo de Sá Nogueira de Figueiredo, Marquês de Sá da Bandeira, que seerá também o seu mais ilustre comandante (entre 1851 e 1876).

Depois teve outras desinações: (i) Escola do Exército (1837-1910); (ii) Escola de Guerra (1911-1919); (iii) Escola Militar (1919-1938); (iv) de novo Escola do Exército (1938-1959); e (v) e por fim Academia Militar (desde 1959 até hoje), com sede no Rua Gomes Freira, em Lisboa, e um polo na Amadora.
_____________

Guiné 61/74 - P19412: Parabéns a você (1560): Luís Manuel Rainha, ex-Alf Mil COM, CMDT do Grupo de Comandos Centuriões (Guiné, 1964/66)

____________

Nota do editor

Último poste da série de 13 de janeiro de 2019 > Guiné 61/74 - P19398: Parabéns a você (1559): Maria Ivone Reis, ex-Capitão Enfermeira Paraquedista (1961/1974)

quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Guiné 61/74 - P19411: (Ex)citações (350): Memórias da 'rainha do Gabu', saudades dos comerciantes locais e suas famílias, com destaque para o sr. Caeiro, português, e o sr. Magid Danif, libanês (Tino Neves, ex-1º cabo escriturário, CCS / BCAÇ 2893, Nova Lamego, 1969/71; bancário reformado, Cova da Piedade, Almada)


Guiné-Bissau > Região de Gabu > Gabu > 16 de dezembro de 2009 > A rua comercial da nova Gabu, onde há banco (agência do BAO - Banco da África Ocidental) e multibanco... Em 2009, a velha "rainha do Gabu" havia já destronado a  "princesa do Geba",  do nosso tempo, Bafatá, a cidade "colonial" mais encantadora da Guiné... Mudam-se os tempos, mudam-se os lugares: aqui falava-se mais francês do que português, e correm muitos CFA, escreveu o João Graça, médico e músico, que viajou por estas paragens... Em contrapartida, Bafatá era uma "dor de alma"... Foi lá tirar fotos (e dormir uma noite) para mostrar ao pai...Os bels dois edifícios que se veem na foto, de arquitetura tradicional. fazem parte do "núcleo histórico" do Gabu e é bom que as suas fachadas, pelo menos, se preservem.


Foto (e legenda): © João Graça (2009). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]



Guiné-Bissau > Região de Gabu > Gabu > "Núcleo histórico"... Cortesia de:  Catálogo da exposição “Urbanidades – Arquitectura e Sítios Históricos da Guiné-Bissau” (Organização: Fundação Mário Soares (Alfredo Caldeira e Victor Hertizel Ramos); Curadoria: Ana Vaz Milheiro, com Filipa Fiúza,  ISCTE-IUL, DINÂMIA’CET), Lisboa, 2016)



Foto nº 4 > Guiné-Bissau > Região de Gabu > Gabu > 16/2/2005 > Edifício da Estação dos CTT


 Foto nº 2 > Guiné-Bissau > Região de Gabu > Gabu > 16/2/2005 > Edifício da administração do Gabu

Fotos (e legendas): © José Couto / Tino Neves (2005). Fotos gentilmente cedida por José Couto (ex-fur mil trms, CCS/BCAÇ 2893, Nova Lamego, 1969/71), camarada do nosso grã-tabanqueiro Constantino Neves.


Foto nº 1 > Guiné > Região de Gabu > Nova Lamego > c. 1969/71 > Fonte das Bajudas

Fotos (e legendas): © Tino Neves (2009). Todos os direitos reservados [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. Excerto de um texto de Constantino Neves (Tino Neves), ex-1.º cabo escriturário, CCS/BCAÇ 2893, Nova Lamego,  1969/71 (hoje, bancário reformado, vivendo na Cova da Piedade, Almada), já publicado há 10 anos atrás no nosso blogue.

O Tino Neves conheceu muito bem Nova Lamego, e dá um contributo interessante para o esclarecimento de alguns questões com os comerciantes da "princesa do Gabu", desde o sr. Caeiro, português, até ao sr. Magid Danif, libanês (*):


Um Guia Turístico [, como por  exemplo o do Gabu] nunca está totalmente completo, daí o meu desejo, não de o completar, não tenho essa pretensão, mas sim, de dar mais uma ajuda para alcançar então esse fim, se possível. Outros o completarão.

Como já disse atrás, a descrição feita de Nova Lamego [, pelo camarada José Manuel Diniz ]  está muito bem feita, não faltando de facto um dos ex-libris, do qual achei até muita graça, da "GMC" e do "Unimog", de que me recordo perfeitamente, mas há muitos mais, assim como a Fonte das Bajudas [Foto nº 2],  que era a fonte onde as bajudas, nossas lavadeiras, iam lavar as nossas roupas, que ficava no caminho,  vindo, julgo eu, de Piche, ao entrar-se em Nova Lamego.

Foto nº 3 > O Tino Neves, vestido à civil,
no dia do 22º aniversário (8/2/1970),
junto à estação dos CTT
Passava-se junto da Administração do Gabu, de que também junto foto actual (fevereiro de 2005) [Foto nº 1], passava-se então pelo cruzamento (onde estou eu na foto à civil, no dia 8/2/1970). Sei que foi tirada nesse dia, porque foi dos poucos dias em que eu me vesti à civil, em Nova Lamego. E porquê? Porque no BCaç 2893, quem fizesse anos tinha como prenda a folga de quaisquer serviços e autorização para se vestir à civil, portanto essa foto [, nº3,] foi-me tirada no dia em que fiz 22 Invernos, no cruzamento, entre os CTT, correios civis (que junto 2 fotos, antiga e actual) [, Foto nº 4], o Cine Gabú e a loja do sr. Caeiro.

O sr. Caeiro  (**) era  um português de raça branca. A Casa Caeiro era um aloja essencialmente de electrodomésticos, mas não só, e na ponta que falta, a do meu lado direito, um dos edifícios civis utilizados para o quartel velho.

Por falar da loja do sr. Caeiro, o telhado da referida loja era simplesmente uma placa de cimento, não sendo muito grande, talvez pudesse lá pousar um helicóptero, mas foi utilizado para outra coisa diferente. Estando lá um capitão paraquedista que estava a preparar-se para uma competição no estrangeiro, de salto em queda livre, resolveu fazer uma aposta em como iria saltar e pousar no telhado da loja do sr. Caeiro. Assim fez, saltando de um helicóptero que subiu em espiral, tão alto, até deixar de se ver.

Foto nº 5 >Guiné > Região de Gabu > Nova Lamego > 1970 >
Baile de despedida as filhas do sr. Salomão,  o administrador
cabo-verdiano do Gabu. Na foto,  um grupo  de convidados,
militares, todos 1ºs cabos, entre eles o Tino Neves
O segundo dia em que fui também autorizado a trajar à civil, foi para ir a uma festa de despedida das filhas do sr. Administrador do Gabu, que era de origem cabo-verdianas. Estavam em Portugal, segundo me recordo, na região de Évora, num colégio de freiras, a estudar. Tinham passado lá,  em Nova Lamego, um mês de férias e estavam de partida. Foi então organizada uma festa com baile, julgo que pelo próprio sr. Salomão, pai das ilustres homenageadas, que eram muito giras e simpáticas. (Também junto foto dos únicos praças, primeiros cabos, que foram convidados).[Foto nº 5]

Foto nº 6 > O Tino Neves ao telefone
Por detrás de mim, nesse cruzamento, mais atrás do meu lado direito, fica a porta de armas do quartel, onde eu estou ao telefone [, Foto nº 6] e sensivelmente mais atrás do meu lado esquerdo ficava um pequeno Destacamento de Engenharia.

Entre os poucos elementos que o compunham, estava um furriel, nome do qual já não me recordo, mas para quem trabalhei muitas vezes a pedido do meu capitão, pois ele tinha que fazer todas as semanas a listagem de pagamentos aos civis a seu cargo e muitas das vezes não o conseguia fazer sozinho e atempadamente. Eram bastantes folhas com 4 ou 5 cópias cada lista. Com o papel e o químico em 5 cópias, tinha que se bater bem forte nas teclas da máquina de escrever e, como as letras como o "a", "o", "b" e "d" cortavam o papel, sendo a lista composta pela maioria de "Baldés" e Djalós", os duplicados passariam por vezes a serem os originais, por estes estarem tão esburacados.

Noutros trabalhos feitos em "stencil" (ou folhas de cera) com aquela máquina, tinha que se ser muito suave ou utilizar o verniz, para repor a letra cortada. Com as folhas de "stencil" eu fazia qualquer tabela criada a régua e estilete, incluído este boneco, de que, não sendo o seu autor, me foi concedido para fazer subscritos (envelopes) para cartas e serem enviadas por nós aos nossos familiares e madrinhas de guerra. [Foto nº 7][

Falei do senhor libanês que tinha uma loja muito concorrida e uma esposa muito bonita. Posso afiançar que era verdade, cheguei a vê-la, só bonita não chega, mas fiquemos por aqui, não terei adjectivos suficientes para a descrever.

Havia mais uma loja de outro libanês que não ficava atrás, talvez fosse até mais popular, que era o sr. Magid Danif. Era ele e a mãe,  do qual não me lembra o nome, mas estando eu lá na altura, suponho que no inverno de 1970, talvez em dezembro, a senhora veio cá a Portugal, porventura passar o Natal ou outro assunto, o certo é que faleceu num quarto de pensão, asfixiada com um calorífico a gás.

Foto nº 7 > Boneco a "stencil" alusivo
 à peluda
Do sr. Magid Danif tenho uma estória que me aconteceu cá em Portugal, a qual nunca contei a ninguém. Vai ser contada agora pela primeira vez.

Eu era caixa na Agência do Totta & Açores, na Cova da Piedade e, no iníio dos anos 90, não tenho presente de facto o ano certo, mas julgo ter sido por essa altura, estava eu na caixa a pagar cheques, quando me aparece uma jovem bonita, alta e elegante bajuda que me entrega um cheque para receber. Nos instantes em que ela procurava o B.I. para eu conferir os dados e assinatura do verso do cheque, passo com os olhos pelo nome de quem pertencia o cheque, quando dei um berro, lendo o nome do apelido lá escrito, MAGID DANIF.

Assim o disse, logo recuperei a calma e julgo que ela não se tenha apercebido da minha reacção, pois estava com os olhos metidos na mala na procura da carteira, mas eu fiquei com o coração aos saltos. Ver e ouvir ali à minha frente, uma criatura, que eu talvez tenha visto em pequenina ou simplesmente ser familiar de uma pessoa que eu conheci na Guiné, para mim, e julgo que por todos aqueles que por lá passaram, ficamos vacinados, aliás, não diria vacinados, mas sim contaminados com o vírus Guiné. Qualquer coisa que se relacione com aquele país, o vírus manifesta-se logo e como ia dizendo, depois enquanto a ía atendendo, dialoguei com ela que me confirmou ser filha do sr. Magid Danif e que estava cá em Lisboa a estudar.

Acabei de a atender, dei-lhe o dinheiro do cheque e ela foi-se embora, mas eu não fiquei bem, queria falar um pouco mais com ela, saber mais coisas lá de Nova Lamego, etc., mas não podia, porque tinha uma bicha (fila) de pessoal à espera para atender. Chamei a pessoa que se seguia e aí é que foi o problema, só à terceira tentativa é que eu consegui fazer a operação de lançamento do cheque corretamente, porque naquele momento eu não me encontrava ali, na Agência do Totta da Cova da Piedade, mas sim a milhares de quilómetros, na Guiné, mais propriamente em Nova Lamego, a percorrer as suas ruas, a visitar a loja do sr. Magid Danif.

Acabei de atender essa pessoa, fechei a caixa do dinheiro e desci aos arquivos, a fim de tentar acalmar, pois o meu coração estava aos saltos, estava eufórico, não sabia o que estava acontecer, só sabia que tinha ficado com pena de não ter ficado à fala um pouco mais com aquela encantadora criatura que tinha aparecido à minha frente. Confesso aqui, pela primeira vez, que chorei, as lágrimas corriam-me pela face abaixo, que nem torneiras, mas era um choro silencioso e de alegria, satisfação e tristeza ao mesmo tempo, por não saber mais nada de novo.

Não me conseguindo controlar, tentei lá no arquivo procurar alguma coisa que me desviasse a atenção e me acalmasse, o que aconteceu passados 15 minutos (o que naquele balcão nessa altura era possível, porque eram várias caixas a trabalhar ao mesmo tempo e eu tinha também ao meu cargo o arquivo). Peguei numa pasta e regressei à caixa para acabar o trabalho que faltava. Já mais calmo, mas já no final do fecho da caixa, procurei o cheque da menina Magid Danif e fui à base de dados procurar os contactos dela, com a intenção de mais tarde a procurar por telefone ou pessoalmente, mas quando já tinha no visor do PC o que procurava e me dispunha a tomar nota, senti uma mão no meu ombro esquerdo.

Virei-me quase de imediato e qual foi o meu espanto, não vi ninguém que o tivesse feito, porque estavam todos bastante afastados de mim e eu estava sozinho. Aquela mão invisível fez-me vir à realidade e pensar para mim, o que é que eu estava a fazer?

A pequena não ficou muito satisfeita, apesar de confirmar quem era, não mostrou com sorriso o acontecido, talvez tenha ficado assustada ou qualquer outra coisa. Desliguei o computador sem tomar nota e pensei se de facto ela também ficou curiosa,  talvez torne a vir cá, apesar da conta ser de Lisboa. E assim acabei o dia e muitos mais dias, meses e anos, sem saber mais nada daquela encantadora criatura nem de Nova Lamego.

Muitos ao lerem este meu desabafo, vão comentar: este deve estar, ou esteve apanhado do clima, mas não se esqueçam que naquela altura, na Net pouco se sabia ou nada,  e o que sabíamos da Guiné e, do meu caso em especial Nova Lamego, nada. Agora sim com a Net,  sabemos tudo o que queremos, é só procurar.

Antes deste acontecimento, tinha muitos casos em que me dava à fala com guineenses, porque sempre que via um africano, que me parecesse da Guiné, tentava logo saber donde eram e se eram do Gabu ou não.

Fico por aqui, satisfeito e aliviado por ter desabafado, mas só mais uma coisa: o vírus da Guiné    é de tipo proteico / vitamínico, porque quando vemos, ouvimos ou lemos algo sobre a Guiné, de bom, nos dá força e nos rejuvenesce (mas também quando é mau, nos deita abaixo, faz-nos dor e sofremos). (***)

2. Comentário do editor LG:

Apareceu em 22/11/2010 um comentário ao poste do Tino Neves (*), que é assinado por uma neta do sr. Caeiro, a Bela... De facto, o Mundo é Pequeno e a nossa Tabanca é... Grande.
Pena não ter deixado um contacto (telefone, email...)


"Anónimo disse...

Olá, Sr. Luís Graça! No seu artigo sobre a sua viagem em 2005, fala na loja do Sr. Caeiro. Não chegou a tirar fotos actuais? Após a morte dele, uns anos mais tarde, o meu pai manteve lá a farmácia até aos anos 80/90. Teve de desistir, por mais que se preocupasse em manter o nome do seu pai, a vida não o permitiu. Falo do sr. Caeiro, meu Avô! O Padrinho, como todos o chamávamos, meu pai, mãe, irmão e eu. O Homem mais bondoso que conheci, infelizmente só até aos meus 5 anos. Um abraço a quem o conheceu e um bem haja. Bela.

"22 de novembro de 2010 às 23:57".

Em conclusão, a loja do sr. Caeiro deu origem a uma farmácia, no Gabu, na nova Guiné-Bissau, e que se terá mantido  aberta até aos anos 1980/90... Alguém se lembra ? Parece comfirmar-se a naturalidade, portuguesa, do sr. Caeiro.

Que idade terá hoje a Bela ?  Será diminutivo de Anabela ? E usa o apelido Caeiro ?  Se nos ler, que nos escreva para:

luisgracaecamaradasdaguine@gmail.com

Bela: as fotos não são minhas, mas de um camarada e amigo do Tino Neves,  o José Couto, que lá esteve, na Guiné-Bisssau e foi ao Gabu, em fevereiro de 2005... O Tino Neves e outros camaradas, que aqui têm escrito, conheceram o seu avô Caeiro, por volta de 1967/68 (o Virgílio Teixeira) e 1969/71 (o Valdemar Queiroz, o Constantino Neves...), e gostariam de saber algo mais sobre o resto da sua vida... Pena que tenha morrido cedo. Ficámos com a ideia de que a família Caeiro era da Figueira da Foz. Certo ?

Sobre a família Danif, de origem libanesa, em Bafatá, ver aqui.

Vd. também fotos do Gabu, tiradas pelo nosso grã-tabanqueiro João Graça, em finais de 2009. A "rainha do Gabu" de ontem parece ter passado a perna à "princesa do Geba", Bafatá, hoje em decadência.


3. Imagem aérea do quartel antigo e da vila de Nova Lamego.O quartel estava situado no centro da vila, formando um rectângulo e ocupando alguns edifícios civis. A foto, cedida por Roseira Coelho (,que o Tino Neves presume que fosse ten pilav), já vinha com as marcas sem a respectiva legenda. O Tino Neves completou as legendas. (****)


Guiné > Região do Gabu > Nova Lamego > CCS / BCAÇ 2893 (1969/71) > 1970 > Foto aérea > Povoação e quartel velho de Nova Lamego (hoje Gabu). Principais edifícios civis e militares (Parte I)


Guiné > Região do Gabu > Nova Lamego > CCS / BCAÇ 2893 (1969/71) > 1970 > Foto aérea > Povoação e quartel velho de Nova Lamego (hoje Gabu). Principais edifícios civis e militares. (Lado direito da foto de conjunto) (Parte III)


Guiné > Região do Gabu > Nova Lamego > CCS / BCAÇ 2893 (1969/71) > 1970 > Foto aérea > Povoação e quartel velho de Nova Lamego (hoje Gabu). Principais edifícios civis e militares. (Lado esquerdo da foto de conjunto) (Parte III)


Legendas:

(1) Caserna das Praças;
(2) Casas civis (para alugar);
(3) Loja dos irmãos Libaneses;
(4) Depósito de géneros;
(5) Estação dos CTT (civil);
(6) Destacamento de Engenharia;
(7) Messe de Oficiais;
(8) Messe de Sargentos;
(9) Parque e Oficinas Auto;
(10) Refeitório;
(11) Dormitório de alguns Sargentos;
(12) Sala do Soldado;
(13) Parque de Jogos.

Foto (e legendas): © Roseira Coelho / Tino Neves (2007). Todos os direitos reservados. [Edição: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]

___________

Notas do editor:

(*) Vd. poste de 9 de fevereiro de 2009 > Guiné 63/74 - P3861: Memória dos lugares (17): Nova Lamego, a raínha do Gabu (Tino Neves)

(**) Vd. poste de 16 de janeiro de 2019 > Guiné 61/74 - P19407: Álbum fotográfico de Virgílio Teixeira, ex-alf mil, SAM, CCS / BCAÇ 1933 (São Domingos e Nova Lamego, 1967/69) - Parte LX: A Casa Caeiro e os comerciantes libaneses de Nova Lamego

Guiné 61/74 - P19410: Agenda cultural: Encerra amanhã a exposição "Movimento Estudantil no Técnico 1967-1974", com colóquio às 18h00, no IST - Instituto Superior Técnico. moderado pelo historiador José Pacheco Pereira (Fernando Cerdeira)


Cartaz do colóquio a realizar amanhã, 6ª feira, às 18h00, no Instituto Superior Técnico (IST),  Universidade de Lisboa, no Salão Nobre, Campus Alameda, Lisboa. com o apoio da IST, da respetiva associação de estudantes e da Ephemera - Biblioteca e Arquivo de José Pacheco Pereira


1. Mensagem do nosso leitor Fernando Cardeira


Data - Terça-feira, 8 jan 2019  09h18
Assunt o - Encerramento da Exposição do IST com colóquio no dia 18 de Janeiro, 18H00


Caros amigos,

A exposição "Movimento Estudantil no Técnico 1967-1974",  inaugurada a 8 de Novembro de 2017,  vai encerrar no dia 18 de Janeiro de 2019, 18H00. com um Colóquio. Nele participarei ao lado de Luís Pessoa, Baptista Alves e Carlos Costa. A moderação estará a cargo de José Pacheco Pereira.
Uma hora antes é feita uma homenagem ao antigo dirigente associativo João Crisóstomo.
Contamos com a vossa presença.

quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

Guiné 61/74 - P19409: Os nossos seres, saberes e lazeres (303): Parabéns, meu filho, Bruno Teixeira, nascido a 16 de janeiro de 1973, quando ainda se lutava e morria na guerra de África (Virgílio Teixeira)


Foto nº 1 > Vila do Conde > c. 1977/78 > Uma foto de família,  na praia de Vila do Conde: da esquerda para a direita, eu, de chapéu preto, a minha filha Nádia, a mais velha, o Bruno no meio, a minha mulher, Mnauela, e a minha filha mais nova, Diana.



Foto nº 2 > Vila do Conde > s/d >  O Bruno e um das filhas


Foto nº 3 > O Bruno com o André, meu genro, marido da minha filha mais nova,  Diana



Foto nº 4 > O Bruno numa esplanada

Fotos (e legendas): © Virgílio Teixeira (2019). Todos os direitos reservados [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]



1. Mensagem do nosso camarada Virgílio Teixeira, no  dia de aniversário do seu filho Bruno  Teixeira:




Para o melhor filho do Mundo,

Parabéns, Bruno, pelos teus 46 anos de vida!


Conforme te escrevi em 2015, já se passaram 4 anos, e a tua vida tem sido exemplar. Venho novamente repetir o que já disse, o enorme orgulho que tenho em ti, por tudo aquilo que és, o melhor pai do mundo, a tua dedicação aos teus filhos não tem paralelo; a tua dedicação à tua adorável mulher, nossa nora; o carinho e compreensão para com as tuas irmãs, pelos teus sobrinhos como se fossem teus filhos; a tua dedica ção aos teus amigos, desinteressada; o carinho, o apreço, e amizade para com os demais familiares que te rodeiam, e por todas as pessoas que têm passado pela tua vida; por tudo isso, e muito mais: enfim, pelo filho que sempre foste, amigo e sempre presente, com quem sempre podemos contar, eu e a tua mãe, sempre disponível para tudo, enfim, o melhor filho do mundo!!!...

E, por tudo isso, que Deus te ajude e aos teus!

Como já disse, não tenho outro modo de exprimir os meus sentimentos, e manifestar o amor que tenho pelos meus filhos, mas ainda vou a tempo, hoje e sempre.

Resolvi lançar esta mensagem no meu Blogue, o Blogue Luís Graça Graça & Camaradas da Guiné, ou o Blogue da Tabanca Grande, que tu mal conheces, mas que vai ficar também para os teus filhos e netos.

Nasceste em 1973, a 16 de Janeiro, 3ª feira... Nesse dia, Portugal estava em guerra, e quando eu vi que tinha um rapaz, pensei logo que um dia seria um novo militar, como o pai e o avô…

Mas o destino quis que assim não fosse, entretanto desde esse dia até ao fim da nossa guerra de África, ainda muitos militares, jovens porugueses, morreram... Sim, nesse preciso dia, em que nasceste, morreram, em combate, em Moçambique, dois militares do exército português, o 1º cabo Libânio Morais, e o alferes Manuel Pereira.

Hoje felizmente não há mais guerra, a nossa Pátria não está em guerra com mais ninguém, nem há serviço militar obrigatório... Não tiveste, pois, que trilhar, aos 20 anos, os duros caminhos que eu e muitos jovens da minha geração tivémos que trilhar, entre 1961 e 1975.

Um dia feliz, com o teu pai e a tua mãe sempre presentes, ao teu lado ou perto de ti.

Em, 2019-01-16,

Teu pai, Virgílio Teixeira

2. Comentário do editor LG: 

Bruno, a gente não se conhece, mas  tu também pertences a esta "família" que é a Tabanca Grande, onde "os filhos dos nossos camaradas nossos filhos são"...

Deixa-me dizer-te que gostei da iniciativa e do  gesto de ternura do teu pai, que te quis fazer esta surpresa... Da parte da manhã mandou-me esta mensagem, às 11h49:

Bom dia Luís,

Vou fazer um pedido,  se possível, e se não for contra os interesses do nosso Blogue.

Gostava de fazer uma mensagem em Poste, ao meu filho que faz hoje anos, seria um pequeno texto, e uma ou duas fotos.

Mas seria para sair hoje até às 21 horas por exemplo, gostaria de o mandar abrir o Blogue e ver lá a minha mensagem, junto de toda a família, no jantar de hoje.

Lembrei-me disso, agora mesmo, e antes de começar qualquer coisa, primeiro gostava de saber se pode ser ou não.

Obrigado por uma resposta.

O Amigo, Virgilio

Respondi-lhe logo nestes termos: "Claro que podes: o teu pedido é uma ordem... Tudo mereces tudo e o teu filho ainda mais"... Achei linda a ideia dele, e ainda mais linda a ternura que ele te manifesta em público...

Pois aqui tens, Bruno, com um abraço de parabéns do editor, e votos de muita saúde e longa vida. Para mais, somos de signos vizinhos, tu do Capricórnio, nós do  Aquários (, o meu filho João faz anos a 21, eu e o teu pai a 29)...

 Já agora, uma "gracinha", para a sobremesa:  o que diziam os jornais nessa 3ª feira, dia 16 de janeiro de 1973, em que vieste ao mundo... Aqui tens a capa do "Diário de Lisboa" (tenho pena de não ter aqui à mão o "Primeiro de Janeiro", do Porto)



[Clicar na imagem para ampliar] 

Citação:
(1973), "Diário de Lisboa", nº 17983, Ano 52, Terça, 16 de Janeiro de 1973, CasaComum.org, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_5280 (2019-1-16) 

____________