sábado, 16 de agosto de 2014

Guiné 63/74 - P13505: Quem era, afinal, o cap art Carlos Borges de Figueiredo, cmdt da CART 2742 (Fajonquito, 1970/72), morto em 2/4/1972, num sangrento domingo de Páscoa ? Bem como o infeliz sold Pedro José Aleixo de Almeida ? (José Cortes / Luís Graça / Carlos 'Gomes' / Cherno Baldé / António Bernardo)

1. Uma das versões sobre a tragédia de Fajonquito, ocorrida no domingo de Páscoa, de 2 de abril de 1972, já aqui nos foi contada pelo José Cortes, ou melhor, foi-me contada de de viva voz, ao telefone, pelo José Cortes e reproduzida por mim (*).

Recorde-se que o José  Corttes [, foto atual à direita],  vive em Coimbra, trabalhou como técnico de manutenção nos SUCH [, Serviços de Utilização Comum dos Hospitais] e  foi fur mil at inf Inf da CCAÇ 3549/BCAÇ 3884, Fajonquito, 1972/74, a companhia que foi render a CART 2742 de que o cap art Carlos Borges de Figueiredo foi comandante até 2/4/1972.

O José Cortes falou-me com emoção desses tempos da Guiné. Ele próprio tem um filho que foi paraquedista e esteve em missões de paz (por ex.,Timor, Bósnia). Mas, como muitos outros camaradas, queixa-se de que nem sempre a família tem pachorra para ouvir as suas recordações da Guiné. Uma das que está bem presente na sua memória é a da morte do capitão e mais três ou quatro militares da companhia (a CART 2742, Fajonquito, 1970/72) que eles foram render.

Recorde-se que a CART 2742, comandada pelo cap art Carlos Borges de Figueiredo e, posteriormente, pelo alf mil art Baltazar Gomes da Silva, era uma unidade orgânica do BART 2920, mobilizada em Penafiel no Regimento de Artilharia Ligeira n.º 5, tendo assumido a responsabilidade do subsector de Fajonquito, rendendo a CCaç 2436, em 13 de Agosto de 1970, e  vindo a ser substituída pela CCaç 3549 em 21 de Maio de 1972.. 

O José Cortes  tinha-me prometido contar essa história,k por escrito,  mas só não o fez o fez por, alegadamente, ter "fraco jeito para a escrita". Aqui vai, pois, a sua versão oral (*):

(i) Havia um soldado da CART  2742 que, uma vez terminada a comissão, queria ficar na Guiné como civil;

(ii) Ao que parece o cap mil art Carlos Borges Figueiredo manifestou, desde logo, a sua fiorme oposição à ideia do soldado, de resto  contrária a todo o bom senso e sobretudo ao RDM: ter-lhe ditro;: "se viesrte comigo, voltas comigo!";

(iii)  Em consequência, as relações entre  o soldado da CART 2742  e o seu comandante tornaram-se conflituosas; neste contencioso, foi envolvido  também o primeiro sargento;

(iv) A mulher do capitão havia mandado, da metrópole, "dez quilos de amêndoas" (sic)b  para distribuir pelo pessoal da companhia; a distribuição foi feita pelo próprio comandante, no refeitório, no domingo de Páscoa, 2 de Abril de 1972;

(v) Quando chegou a vez do soldado em questão, o capitão terá passado à frente, num ato que aquele interpretou como de intolerável discriminação;

(vi) O soldado levantou-se, sem pedir a licença a ninguém, e saiu do refeitório;  dirigiu-se ao seu v abrigo (ou à sua caserna) e veio para a parada com "duas granadas de m~ºao já descavilhadas", uma em cada mã;

(vii) Foi dirto à  secretaria: o primeiro sargento ter-se-á apercebido, a tempo, das malévolas  intenções do soldado, tendo-se posto a salvo em bom tenmpo;

(viii) No interior da secretaria, estavam  o Capitão, um alferes e um furriel; inguém sabe o que se terá  passado  lá dentro; o  soldado terá deixado  cair as duas granadas, descavilhadas; otecto da secretaria foi pelos ares;  lá dentro ficaram 4 cadáveres

(ix) Mortos, em 2/4/1972, todos do Exército, por acidente (sic), constam os seguintes nomes, na lista dos Mortos do Ultramar da Liga dos Combatentes:

- Alcino Franco Jorge da Silva, fur mil
- Carlos Borges de Figueiredo, cap art
- José Fernando Rodrigues Félix, alf mil
- Pedro José Aleixo de Almeida, sold básico

(x) Sabemos que o sold básico Pedro José Aleixo de Almeida era natural de Portel, em cujo cemitério local repousam os seus restos mortais; foi o protagonista desta trágica história (fonte: Portal Ultramar Terraweb > Os mortos em campanha do BART 2920, 1970/72);

(xi) Por sua vez, o  alf mil art op esp José Fernando Rodrigues Félix era de Moimenta da Beira em cujo cemitério local está sepultado:

(xii) O cap mil art Carlos Borges de Figueiredo era natural de Vila Pouca de Aguiar; a  sua última morada era Meadela, Viana do Castelo, possivelmente a terra da sua esposa;

(xiii) Por último, o fur mil Alcino Franco Jorge da Silva também era de op esp,  sendo natural de Carcavelos. Cascais; está sepultado no cemitério de S. Domingos de Rana;

(xiv) Não sabemos o que faziam os dois rangers na secretaria, possivelmente terão vindo em auxílio do capitão com a intenção de desarmar o militar, o sold básico  Pedro José Aleixo de Almeida, que trazia consigo as duas granadas descavilhadas (ou só uma, segundo outras versões), pronto possivelmente para acaber com a sua vida e de quem mais se lhe atravessase no caminho:

(xv)  O José Cortes fala em cinco mortos, mas tudo indica que sejam apenas os quatro que constam da lista da Liga dos Combatentes;

(xvi) Li, em tempos, que o caso foi também utilizado pelo serviço de propaganda do PAIGC (nomeadamente a Rádio Libertação) para desmoralizar as tropas portuguesas: há um documento do PAIGC, no Arquivo Amílcar Cabral, no portal Casa Comum, desenvolvido pela  Fundação Mário Soares (FMS), que faz referência ao sucedido, e e que de momento não consigo localizar;

(xvii) O facto de o insólito caso ter ocorrido em Fajonquito, na fronteira com o Senegal, significa que foi de imediato conhecido da população local, das autoridades do Senegal e do PAIGC; o nosso Cherno Baldé, na altura com 12 ou 13 anos, faz referência, num dos seus postes a este trágico "acidente", que ocorreu a 100 metros, quando ele estava a brincar com outros putos na parada (**);

(xviii) Gostaríamos de ter outras versões deste acontecimento; infelizmente não temos ninguém, na nossa Tabanca Grande, da CART 2742 / BART 2920; julgo que seja difícil, ainda hoje, aos camaradas da CART 2742 abordar esta história, tão trágica quanto absurda...

2. Comentário de L. G.:

Infelizmente, este caso não foi único no TO da Guiné: o acesso fácil a armas de guerra e a usura física e mental da guerra ajudam também a explicar estes surtos de violência patológica que, de tempos a tempos, ocorriam nas nossas fileiras;

Quantos suicídios terão havido no CTIG, ao longo da guerra ? Quantos homícídios terão ocorrido, dentro das NT ? Na lógica da hierarquia militar, eram tratados como "acidentes com armas de fogo".... E assim ficarão, para a história - como acidentes, inexplicáveis - , se não houver da parte dos contemporâneas e das testemunhas presenciais destes casos a vontade de contribuir, com depoimentos em primeira mão, para o seu esclarecimento...

Intrigam-nos casos como este. O que podia levar um militar português a querer ficar na Guiné, na vida civil ? Podia não ter ninguém à sua espera, na sua terra, não ter família, não ter amigos... Podia, por qualquer razão, querer esquecer a sua origem ou condição. Podia estar perdido de amores por alguma bajuda... Podia estar pura e simplesmente deprimido ou psicótico...

Um indivíduo deprimido ou piscótico pode facilmente perder a noção do perigo, ficar indiferente a uma situação de perigo imediato e iminente, e até desejar a sua própria morte. Não nos parece ter sido uma acção premeditada, pensada e amadurecida a frio... Em princípio, foi uma acção precipitada, irreflectida, impulsiva. O tal "acto de loucura" da "vox populi"... A ser verdade que o capitão deliberadamente ou não discriminou o soldado, aquando da distribuição das amêndoas, isso poderá ser sido "a gota de água" que transformou um conflito disciplinar num massacre... No final da comissão de uma companhia, na festa do em que se celebravo o dever cumprido, no domingo de Páscoa de 2 de Abril de 1972...

3. Comentário do nosso leitor (e camarada) Carlos Gomes (*):

Gostava de comentar o drama da Páscoa de 72 em Fajonquito. Longe de mim fazer juizos de valores, de quem quer que seja, nem fomentar polémicas. Da CCS do BART 2920 fui destacado como enfermeiro para a CART 2742, sediada em Fajonquito,  no periodo de 2 dezembro 70 a 20 maio de 71. Por conseguinte um ano antes do trágico acontecimento [2/4/1972]. Se bem me lembro, foi nesse periodo que tambem chegou o sold Almeida à CART  2742. Dizia-se que ele vinha dos comandos, expulso  ou castigado.

Conheci o Almeida quase de imediato,pois ele tinha problemas de pele em várias partes do corpo que passei a tratar. Passado algum tempo  apercebi-me  que ele,  Almeida,  tinha algumas pertubações a nivel emocional. Não esqueço a forma maliciosa como a rapaziada o apelidava  ou tratava: Almeida, "apanhado,bate mal da bola,  maluco"... 

O Almeida estava sempre a alinhar nas saidas para o mato, dava para perceber que as relações com o comandante .da companhia não eram das melhores. Lembro um episódio em que o Almeida lavava os dentes à porta da camarata e o cap Figueiredo lhe chamar a atenção para o que estava a fazer, o que gerou entre ambos alguma discussão.

Como é óbvio,  tambem conheci o cap Figueiredo, algumas vezes lhe prestei assistência. Homem possante e de elevada estatura, era um  eximio jogador de futebol de salão. Pelo que sei era militar de carreira e não miliciano. As suas atitudes na liderança da companhia,  em vez de gerar confiança, tinham o efeito contrario. Eu sempre que podia evitava-o...

2 de Abril  de 1972: Tragédia.  Pelos relatos que me chegaram,  o Almeida passou-se  de todo,  queria o ajuste de conmtas com o capitão . e o primeiro sargento...Com uma granada na mão, descavilhada, entra na secretaria onde pretende ficar com o capitrão  e o sargento. O alf Alcino e o furriel Félix tentaram demover o Almeida. Disse-se que o Almeida gritou para que eles saissem,  ao alferes e ao  furriel, o que não fizeram ou não tiveram tempo de o fazer. Quanto ao sargento, talvez só ele possa dizer como escapou.

As razões para este acto tavez no concreto nunca se venham a saber, mas duma coisa tenho eu a certeza: actos como estes e tantos outros que aconteceram nesta guerra, não aconteceram por acaso (...)

4. Comentário do Cherno Baldé (**)

(..:) Depois do "acidente" ou melhor do homicidio, a versão que circulou e ficou até hoje entre a população nativa é bem diferente daquela que estou a ler agora na maior parte dos comentários. Pela versão que prevaleceu entre nós, alegadamente, o soldado Almeida estava revoltado por não poder voltar à sua terra após várias comissões de serviço, em virtude de um castigo a que estava sujeito e tinha decidido acabar com a sua vida e com ele, também, a do comandante da companhia. Claro que isto faz parte dos rumores que circularam, na ausência de informações oficiais, na altura.

Quero dizer a quem me quiser ouvir,e isto por minha conta, que o Almeida era um soldado "profissional" muito aguerrido que dificilmente poderia levar uma vida civil pacata no meio indígena ou gerindo uma lojeca ou um restaurante para servir a malta europeia numa cidade qualquer da Guiné.O Almeida não era um soldado vulgar e via-se claramente que no se tinha integrado na companhia dos restantes soldados milicianos aos quais ele nutria muita pouca consideração e/ou respeito.Tão pouco se podia integrar no meio dos pretos embora se identificasse com eles. Penso que, antes de mais, o nosso amigo Ameida (ele era de facto um amigo e defensor das crianças que frequentavam o aquartelamento, ai de quem se atrevesse a fazer mal a uma criançaa na sua presença!) deve ter sido mais uma das inúmeras vitimas daquela guerra terrivel. (..)


 

Guiné > Região de Bafatá > Fajonquito > CART 2742 (1970/72) >  "Fajonquito em festa... Com a CART 2742 (1970-72) o ambiente entre a tropa e a população melhorou bastante, atingindo níveis nunca antes vistos. A foto de 1971 (amigavelmente enviada pelo ex-Furriel Mil. José Bebiano), mostra uma calorosa recepção de um grupo de artistas vindos da metrópole para animar a malta. Ao meio e ao lado de uma das artistas pode-se ver o nosso saudoso Cap Carlos Borges de Figueiredo. O rapazinho nas mãos do homem dos óculos escuros é o Carlitos, filho de um soldado português que, mais tarde, iria à procura do pai, tendo aquele recusado o encontro à última da hora. O ex-Furriel José Bebiano, que era de rendição individual, tendo feito toda a sua comissão em Fajonquito poderia, eventualmente, identificar os soldados que acompanham o seu Comandante nesta foto." (Foto de José Bebibao; legenda de Cherno Baldé).

5. Cherno Baldé > Homenagem póstuma ao Cap Carlos Borges de Figueiredo (**)

(...) Em 1970 chegou uma nova companhia (CART 2742 do Cap Figueiredo) e com ele inaugurou-se o período mais profícuo e dinâmico de Fajonquito. Nessa altura sentiu-se, de facto, que a Guiné estava a mudar e positivamente. Foi nessa altura, também, que acabei por me fixar no quartel como faxina num dos quartos da ferrugem (condutores), onde tinha a clara consciência de estar no meio de amigos, mas nem por isso isento de perigos. Sentia-me a vontade quando estava na caserna com os meus amigos condutores, mas sempre vigilante quando deambulava sozinho dentro do quartel. A idade, o stress provocado pela guerra, as saudades da terra natal e, provavelmente, o sentimento de impunidade por actos considerados menores, propiciavam alguns exageros em forma de brincadeira que não eram sancionados. Claro está que, salvo raras excepções, normalmente os lobos não se comem uns aos outros.

O Cap Figueiredo baniu a proibição da entrada no quartel, abriu as portas aos meninos, mas como contra partida pediu para que todos fossem à escola depois das horas de trabalho de faxina. Não era agradável, mas compensava. Pela primeira vez, foram colocados postes de iluminação na rua principal da vila, para alegria da criançada. Os oficiais da companhia davam apoio aos professores locais dentro e fora das aulas, com modalidades de futebol e ginástica. Foi instituída uma merenda para todos os alunos e prémios aos que se distinguiam nas aulas e nos exames finais, por exemplo, a participação nos campos de férias da Mocidade Portuguesa.

Muitas das pessoas que hoje são quadros nacionais na Guiné-Bissau têm uma dívida de gratidão aos soldados portugueses que, como o Cap  Figueiredo e o grupo dos seus oficiais e sargentos, contribuíram para a sua formação de base. O meu caso não é paradigmático porque fui obrigado a ir às aulas que detestava com todas as minhas forças, mas a teimosia dos meus pais, em particular a minha avó, e também, porque o quartel já não servia de refúgio aos refractários, tinha que cumprir as condições do nosso Capitão, depois pouco a pouco o meu horizonte que antes estava confinado à vida da minha aldeia e arredores, foi-se abrindo as maravilhas da ciência e do mundo externo.

Mas como se costuma dizer, Deus escreve direito por linhas tortas, porque,  depois de tudo o que fizeram por nós, estava predestinado que ele e parte dos seus oficiais nunca voltariam à sua terra natal. Eis a razão desta homenagem, também, ao Cap Carlos Borges de Figueiredo.

A toda a sua família e aos que o conheceram ou partilharam parte da sua vida e do seu percurso, quero expressar, em meu nome pessoal e em nome de todos os habitantes de Fajonquito, os meus sentimentos de pesar, mesmo que tardios e enaltecer o comportamento do Cap Figueiredo, como homem e como militar que, a justo título, foi um comandante exemplar para a sua época, que veio, sem medo, para o cenário da guerra trazendo consigo a semente da paz; que sem descurar a defesa dos seus homens, transformou as operações militares em operações para a promoção do desenvolvimento; acreditou na capacidade dos mais novos para a construção de uma Guiné melhor sem esquecer a sabedoria dos mais velhos; que investiu parte dos poucos recursos de que dispunha numa derradeira tentativa de construção dos fundamentos do homem novo que a Guiné tanto precisava.

Carlos Borges de Figueiredo foi oficial e comandante que compreendeu como poucos e soube executar com mestria a nova filosofia que o Gen Spínola queria com a sua politica por “uma Guiné melhor” (...)

6. Comentário de António Bernardo [, nosso leitor e camarada, mas não registado na Tabanca Grande; pertenceu à CCS/BART 2920]

Muito embora, seja um dos melhores textos do Cherno Baldé (**), o mesmo peca por um  retrato falseado, no que respeita ao cap art Carlos Borges de Figueiredo, cmdt da CArt 2742, sedeada em Fajonquito e subunidade do BArt 2920 (1970/72).

É bom lembrar que, embora ostentasse galões nos ombros, era  um homem boçal, diria mesmo que labrego, igual a muitos outros que comandavam outros homens.

A sua personalidade conflituosa levou ao ajuste de contas, ocorrido no domingo de Páscoa,de 2 de Abril de 1972, e aqui já abordado no post 5938 (*)

António Bernardo

[CCS/BART.2920, Bafatá, 1970/72]

______________

Notas do editor:

(*) Vd. poste de 6 de março de  2010 > Guiné 63/74 - P5938: A tragédia de Fajonquito ou as amêndoas, vermelhas de sangue, do domingo de Páscoa de 2 de Abril de 1972 (José Cortes / Luís Graça)

(**) Vd. poste de 18 de Junho de 2009 > Guiné 63/74 - P4550: Tabanca Grande (153): Cherno Baldé (n. 1960), rafeiro de Fajonquito, hoje engenheiro em Bissau...


(**)   Vd. poste de 15 de agosto de  2014 >  Guiné 63/74 - P13500: Memórias do Chico, menino e moço (Cherno Baldé) (47): Retrato de uma família - A guerra, a pobreza e a presença dos soldados portugueses

Vd. também  poste de 24 de abril de 2010 >  Guiné 63/74 - P6244: Memórias do Chico, menino e moço (Cherno Baldé) (14): Cap Figueiredo: Capiton Lelö dahdè ou capitão cabeça inclinada


(...) "O que vou dizer pode parecer paradoxal se não incongruente. O Sr. Carlos Borges de Figueiredo, ao contrário de muitos outros, foi um Capitão pacifista pois ele tinha-se distinguido, sobretudo, pela promoção da educação entre as criancas nativas (o número de alunos na escola local tinha aumentado significativamente facto que poderia estar ligado ao ambiente de paz criado e uma grande sensibilidade pelos problemas sociais da população) e organização de eventos sócio-culturais que, não só afastavam, por algumas horas, o espectro da guerra e da morte entre a tropa mas eram também muito úteis e importantes na construção de relações de aproximação e de confiança com a populaçã local, tão prezada por General Spínola.

Foi nessa altura que, pela primeira vez, recebemos a visita de grupos musicais vindos da metrópole. Numa dessas visitas, lembro-me da presença de uma ou mais mulheres cantavam o Fado. A música era muito morna, lenta demais para o nosso gosto temperado na ritmada, quase violenta dança de tambor mandinga. No meio de tudo isso, não nos escapou um detalhe importante. Notamos a deferençaa e o extremo respeito com que todos a(s) tratavam. O respeito dado àquela(s) mulher(res) contrastava de forma flagrante com a maneira como habitualmente lidavam com as nossas mulheres, fossem elas grandes ou pequenas. E não estou a referir-me, claro esta, à esposa do Capitão que, também, deve ter visitado Fajonquito.

Ele ficou conhecido no meio da populacao local com o nome de Capiton Lelö dahdè o que na lingua fula significa o Capitão cabeça inclinada. Talvez aqueles que o conheceram de perto me possam corrigir, parece que ele tinha o hábito de inclinar ligeiramente a cabeça para um dos lados, daí o nome com que o baptizaram e que fica para a historia." (...)

Guiné 63/74 - P13504: Blogpoesia (387): Artífice da Paz (José Teixeira, ex-1.º Cabo Aux Enf da CCAÇ 2381)

1. Em mensagem do dia 12 de Agosto de 2014, o nosso camarada José Teixeira (ex-1.º Cabo Aux. Enf.º da CCAÇ 2381, Buba, Quebo, Mampatá e Empada, 1968/70), enviou-nos este poema a que deu o título de Artífice da Paz.


Artífice da Paz

Dei comigo apavorado,
Ao toque do clarim.
Convocava-me para a guerra,
Fazendo de mim um soldado,
E eu não queria viver assim.

E segurei as palavras, num turbilhão,
Que da boca me fugiam, sem tino.
O combate, a fuga ou a prisão,
Eram o meu triste destino.
E sem poder fugir da guerra,
Sem poder fugir de mim,
Eu que queria amar a terra,
Comigo me desavim.
... ... ...

E alinhei como combatente,
De estratégia bem estudada,
Ser comigo, coerente,
E fazer da guerra uma justa jornada.
Das balas fiz doces palavras,
Que atirava com sorrisos.
Continuamente…
E sorrisos, recebia,
Alegremente.
As granadas dos canhões,
Em momentos bem precisos,
Transformei-as em abraços
Que uniam corações
Quase sempre empedernidos.

Dois anos vivi correndo,
Séculos e séculos, sem fim,
Caminhando pelo sonho
No longo do rio da esperança.
E regressei ao futuro
De um passado já vivido,
Um presente de bonança.

Triste pelo que vi e sofri,
Alegre pela vida que vivi.

E retomei o caminho, longe da guerra,
Gritando ao fora de mim 
– Vale a pena, nesta terra,
Lutar… 
Lutar e fazer da vida um festim.

José Teixeira
____________

Nota do editor

Último poste da série de 13 de Agosto de 2014 > Guiné 63/74 - P13490: Blogpoesia (387): Manchas e nódoas... (J. L. Mendes Gomes, ex-alf mil, CCAÇ 728, Cachil, Catió e Bissau, 1964/66)

Guiné 63/74 - P13503: Bom ou mau tempo na bolanha (62): Da Florida ao Alaska, num Jeep, em caravana (2) (Tony Borié)

Sexagésimo primeiro episódio da série Bom ou mau tempo na bolanha, do nosso camarada Tony Borié, ex-1.º Cabo Operador Cripto do CMD AGRU 16, Mansoa, 1964/66.




Dizem que é o “Novo Mundo”, não sei de onde veio esta expressão, mas a presença de europeus andou por aqui, como andou pela África, pela Oceânia e por outras paragens, pois as aldeias, vilas ou cidades, em qualquer “virar de esquina” por onde passamos, mostram-nos “Europa”.

Muitas vezes, mesmo na estrada, guiando, olhamos a paisagem e lá está, a casa “europeia”, a cerca em volta do quintal, o cão preso a uma corrente, as vacas pastando, um pequeno quintal em redor da casa, um poço com uma “roldana”, em geral as casas foram construídas próximo de um ribeiro, ou de um local onde existe água, às vezes são locais isolados, mas lá estão as árvores em seu redor, algumas já velhas, da idade da casa.

Existem zonas, por onde passamos, que são autênticas “savanas de África”, mas quando surge uma casa, é “europeia”, onde há cultivo, é quase igual ao modelo que se vê na Europa, não, como eu via em Mansoa, em Bissorã ou no Olossato, portanto lá na África, aqui, no que dizem ser o “Novo Mundo”, o modelo europeu está sempre presente, sempre se vê ao “dobrar de esquina”, como é costume dizer-se, embora os europeus também tivessem levado alguns costumes lá para África.

Nós, ainda era madrugada, abandonámos a estrada número 24, que nos levou de leste para oeste e de sul para norte, entrando por poucas milhas na estrada número 57, tudo isto no estado de Illinois e, lá está, sem nos apercebermos, estávamos a fazer o mesmo percurso que os missionários franceses fizeram muitos anos atrás, quando desembarcaram, talvez nos portos de New Orleans, Savannah, Charleston, Philadelphia, ou Boston, pois foram eles os primeiros europeus a explorarem a região do actual Illinois, quando em 1763 fazia parte da Nova França, altura em que passou ao domínio britânico, mas em 1783, após o fim da Revolução Americana de 1776, passa a fazer parte dos Estados Unidos e em 1818, tornou-se o 21.° estado americano.

Estávamos na parte sul do estado, onde a agricultura é uma importante fonte de renda e onde geograficamente, o Illinois se caracteriza por o seu terreno ser pouco acidentado e também pelo seu clima altamente instável, mas não nos afectava muito esta particular observação, pois passadas umas horas já circulávamos na estrada 64, com alguma chuva e um pouco de vento, mas não ciclónico, pois o Jeep e a Caravana ia segura, sempre sem dificuldade, com suficiente visibilidade e alguma segurança, indo a caminho da cidade de St. Louis, já no estado Missouri, que também foi fundada pelos franceses no ano de 1763, estando localizada na confluência do rio Mississippi e do rio Missouri, funcionando na altura como entreposto comercial. Esta cidade, devido à sua localização, foi motivo de guerras entre franceses e ameríndios, passou para as mãos espanholas e mais tarde, juntamente com o resto do território da Louisiana, foi devolvida à França, tendo a cidade sendo adquirida posteriormente adquirida a este país, pelos Estados Unidos, com a “Compra da Louisiana”.

A cidade de St. Louis, mais tarde, converteu-se em ponto de partida de exploradores do Oeste Americano e colonizadores que emigraram para Oeste e hoje quem se aproxime da cidade, mesmo a muitas milhas de distância, pode avistar o “Gateway Arch”, que dizem que é o mais alto monumento em solo norte americano.

Nesta cidade, que já pertence ao estado do Missouri, que também foi adquirido pelos Estados Unidos na célebre “Compra da Louisiana”, no ano de 1803, cujo cognome é Mother of the West (Mãe do Oeste), é uma das primeiras regiões do novo território a ser povoada por colonos norte americanos. À medida que o país passou a expandir-se em direção ao oeste, o Missouri passou a ser uma das principais escalas dos emigrantes, tendo-se tornado no 24.° estado norte americano em 1821. Dizem que a indústria agropecuária do Missouri fazia grande uso do “trabalho escravo”.

Deixando um pouco a história para trás, seguimos na estrada 70, com longas zonas desertas, quintas, algumas abandonadas, plantações de milho ou trigo, algumas manadas de vacas, áreas transformadas em zonas de caça, poços de petróleo trabalhando, geradores de energia movidos a vento, até à cidade de Kansas City, ainda no estado do Missouri, pois existem duas cidades com o nome Kansas City, uma no estado de Missouri, outra no estado de Kansas, onde depois de atravessar a cidade entrámos em Kansas City, Kansas, regressando de novo Kansas City, Missouri, rumo ao norte pela estrada 29, entrando no estado de Iowa, parando na cidade de Council Bluffs, no estado de Iowa, para ver o encontro de futebol, a contar para o campeonato do mundo, entre os USA e Portugal, com um resultado que não nos deu nem alegria nem tristeza, aqui fomos dormir.

Neste dia, percorremos 668 milhas, com o preço da gasolina variando entre $3.38 e $3.70 o galão, que são mais ou menos 4 litros.

Tony Borie, Julho de 2014.
____________

Nota do editor

Último poste da série de 9 de Agosto de 2014 > Guiné 63/74 - P13478: Bom ou mau tempo na bolanha (60): Da Florida ao Alaska, num Jeep, em caravana (1) (Tony Borié)

Guiné 63/74 - P13502: Parabéns a você (770): Armando Faria, ex-Fur Mil Inf da CCAÇ 4740 (Guiné, 1972/74)

____________

Nota do editor

Último poste da série de 10 de Agosto de 2014 > Guiné 63/74 - P13480: Parabéns a você (769): Alberto Nascimento, ex-Sold Cond Auto da CCAÇ 84 (Guiné, 1961/63) e Tomás Carneiro, ex-1.º Cabo Cond Auto da CCAÇ 4745 (Guiné, 1973/74)

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Guiné 634/74 - P13501: A propósito de praxes e do Polidoro Monteiro que eu conheci, em Bambadinca, quando fui instrutor de mílícias: "O médico está preso!" (Paulo Santiago, ex-alf mil, cmdt, Pel Caç Nat 53, Saltinho e Bambadinca, 1970/72)

1. Um texto do Paulo Santiago, já de 26 de fevereiro último, mas que esteve em "stand by", por decisão dos editores já que fazia referência explícita a um camarada nosso, que ainda está vivo, e que foi alf mil médico... Omite-se o seu nome, de acordo com as nossas regras editoriais. Não faz parte da Tabanca Grande. (LG

Polidoro Monteiro, em Bissorã, 1971.
Foto de Armando Pires (2014)
Assunto: Polidoro

Luís:
Ainda a propósito do poste do Armando Pires (*), e também do muito que se tem falado de praxes (**), lembrei-me de uma história do Polidoro [, ten cor inf, último comandamte do BART 2917, Bambadinca, 1970/72, e entretanto já falecido], aflorada em tempos, muito pela rama. Se achares interessante, publica.
Paulo Santiago.

2. O Polidoro Monteiro que eu conheci:  
"O médico está preso!"

Quando em outubro de 1971 cheguei a Bambadinca, havia lá um médico que conhecia de vista e de nome, melhor de alcunha...

No meu tempo, na Escola Agrícola de Coimbra, não havia praxes, tinham sido proibidas uns anos antes no seguimento de uma situação que tinha corrido mal. Os alunos dos liceus, e os caloiros da Universidade de Coimbra, ao contrário, viviam num certo "terror", evitando ter encontros, após o toque  da "cabra" com os "praxadores mores". Nestes, os mais conhecidos, e mais temidos, eram o nosso futuro médico, e o "Mata-Gatos", assim chamado por maltratar gatos, naqueles dias em que se sentia frustrado por não efectuar "rapanços".

Foi o ex-praxador coimbrão  que eu fui encontrar em Bambadinca como médico.

Um dia, estava a fazer um "cross" com a companhia de milícias, repentinamente caí redondo. Meio reanimado, trouxeram-me para o posto médico. Diagnóstico: tensão arterial situada em 4-7,5. O clínico manda uma caralhada, diz que estou bastante fodido, e receita-me... whisky, em bastantes tomas durante o dia. Também aconselhou descanso.

Pedi ao ten cor Polidoro para me dispensar de duas ou três formaturas matinais, mas não lhe disse qual tinha sido a receita para a subida da tensão arterial. Esta normalizou ao fim de uns dias e, claro,  bebi mais que aquilo que já bebia. Soube mais tarde que não faltavam medicamentos para a baixa tensão.

Num dia de novembro, há uma coluna de abastecimentos ao Xitole, e um Unimog 411 vira-se. O condutor, um militar da CCAÇ 12, suicida-se dando um tiro na cabeça. Trouxeram o corpo para a capela de Bambadinca, onde numa pseudo autópsia aconteceu algo que não devia ter acontecido.

Pela mesma altura, o Pelotão Daimler foi rendido. O alferes médico em questão tinha lá a mulher (a primeira) mas quase todos os dias à hora de jantar, deixava-a no quartel e vinha comer e beber (bastante) para casa do gajo da PIDE/DGS, ou para casa do Rendeiro [, comerciante,] de quem era conterrâneo.

Na primeira noite de serviço dos "periquitos" do pelotão de cavalaria, o soldado de sentinela no posto, ao cimo da rampa, vê a altas horas um civil, branco,  a aproximar-se, manda-o parar e pede-lhe a identificação. O civil era o médico, vinha bem "carregado" e pôs-se a disparatar com o militar. Felizmente, apareceu o sargento de dia, que informou o soldado:
- É o nosso alferes médico.

Tudo acalmado, o nosso alferes médico vira-se para o soldado de sentinela, dizendo:
- Andas com uma cor muito pálida, amanhã passas no posto médico para te dar um medicamento.

"Periquito", ingénuo, cumpridor da ordem de um superior, no dia seguinte lá estava no posto médico. Neste existia um soldado maqueiro, bruto, meio sádico... Quando o médico  topou o militar de sentinela na noite anterior, disse:
- Oh Fulano Tal, este gajo necessita levar cinco ampolas de Vitamina C, subcutâneas dadas como tu sabes, e hoje leva duas e nunca mais vai esquecer a minha cara.

Diziam que aquelas injecções eram extremamente dolorosas, o certo é o militar ter ficado cheio de dores, nem sentado, nem deitado podia estar durante mais de um dia.

Acabou o curso de formação de milícias, fui passar o Natal e Ano Novo ao Saltinho. No dia 6 de janeiro de 1972, fui de heli para Bissau e,  passados três ou quatro dias, regressei de avioneta a Bambadinca, juntamente com o 2.º comandante, o major Anjos de Carvalho. Na pista, à nossa espera, estava o ten cor  Polidoro:
- Só vim aqui para vos dizer que o médico está preso. Está no quarto, a mulher foi embora e ele,  quando terminar os dez dias, vai recambiado.

O pelotão de cavalaria, no fim do ano, fez uma festa convidando o comandante. Veio à baila a cena das injecções de Vitamina C. Parece que a tampa do Polidoro saltou, já havia os rumores da "autópsia" e outras cenas pouco edificantes. No dia seguinte, arranjaram transporte para a mulher do médico, e na Ordem de Serviço saiu a punição...

Julgo que ninguém ficou admirado com o sucedido.

Paulo Santiago

[ex-alf mil, cmdt, Pel Caç Nat 53, Saltinho, 1970/72. instrutor de mílícias em Bambadinca; engenheiro técnico agrícola reformado; natural de Águeda]
_______________

Notas do editor:

(*) Vd. poste de 19 de fevereiro de 2014 > Guiné 63/74 - P12742: Furriel Enfermeiro, ribatejano e fadista (Armando Pires) (12): Chegou Polidoro, "O Terrível"

(**) Vd. poste de 15 de agosto de  2014 > Guiné 63/74 - P13498: "Francisco Caboz", um padre franciscano, natural de Ribamar, Lourinhã, na guerra colonial (Horácio Fernandes, ex-alf mil capelão, BART 1913, Catió, 1967/69): Parte III: Um periquito praxado com pornografia à mesa do comandante... E as primeiras impressões (más) de Catió e do destacamento de Ganjola...

Guiné 63/74 - P13500: Memórias do Chico, menino e moço (Cherno Baldé) (47): Retrato de uma família - A guerra, a pobreza e a presença dos soldados portugueses

MEMÓRIAS DO CHICO, MENINO E MOÇO (CHERNO BALDÉ)

46 - RETRATO DE UMA FAMÍLIA 
A GUERRA, A POBREZA E A PRESENÇA DOS SOLDADOS PORTUGUESES

A minha família, até meados de 1948, ano da morte de Braima Djame Baldé, mais conhecido por Branjame, régulo de Sancorla, integrava o núcleo restrito da casa real (Lamido) deste regulado, direito esse adquirido atravês da nossa avó materna, Eguê Baldé, tia de Branjame.

Nesta qualidade, não se pode dizer que não conheciam os portugueses antes do início da guerra colonial, tendo em conta as ligações de uma aliança histórica mais ou menos estreita, de mútua (des)confiança e de dependência que existiam entre os chefes tradicionais e a administração portuguesa sediada nas circunscrições mais próximas em Geba ou Bafatá e/ou mais distantes como Bolama e Bissau, para onde os nossos pais, Nahôr e mais tarde Samba-Gaia (que disputaria o regulado com os filhos de Branjame), nossos patriarcas da família se deslocavam com frequência e, em nome das quais, se convocavam manifestações de júbilo ou se procedia a mobilização de homens válidos para as guerras de pacificação do território no decurso do último quartel do Séc. XIX e principios do Séc. XX.

Nessa altura, ouvia-se falar do homem branco como o eco de um som longínquo, que provocava curiosidade e medo pois se todos o queriam ver com os seus olhos, ao mesmo tempo todos tinham a consciência dos perigos que ele representava antes e depois. Antes porque associado ao temível fenómeno do desaparecimento de pessoas. Sim, pessoas que partiam para os seus campos de cultivo e desapareciam, de repente, sem deixar rastos. Depois porque, infelizmente, em África, este fenómeno de desaparecimento de pessoas não findou com o proclamado fim da escravatura, mas continuou durante algum tempo, inclusive sob a forma de sanções administrativas que consistiam na deportação das vítimas para terras distantes, o terrível desterro.

DESTERRO!!??...

Para o homem africano da época, não podia haver nada pior que o desterro que se traduzia no desenraizamento da pessoa e seu afastamento definitivo ou por largo período longe da sua família. Foi nessa época que apareceu no meio popular, entre os fulas, a frase que dizia: “O Branco que veja se o desterro é bom”, isto quando alguém queria fazer ver ao outro que, também ele, não tinha apreciado uma certa atitude deste num dado momento.


A figura do meu pai, El-haj Tambá Baldé

O meu pai, Aladje Tambá Baldé e o Cabo Tintim (nome emprestado da BD), que frequentava a nossa casa em Fajonquito. A foto é de 1967/68, pelo que o amigo Tintim deve ter pertencido à CCAÇ 1501 do Cap. Rui Antunes Tomaz ou da CCAÇ 1685 do Cap. de Infantaria Alcino de Jesus Raiano, cujas companhias passaram por Fajonquito entre 1967/68.

Nesta família pobre e simples que viveu e atravessou a Guerra colonial de ponta a ponta e, ainda sobreviveu ao genocídio silencioso do pós-independência, quero destacar o importante papel desempenhado pelo nosso pai, como chefe de uma família numerosa que conseguiu sobreviver sem sofrer muitos danos ou perdas de vida a lamentar, e tudo graças ao Deus todo poderoso em primeiro lugar e em segundo, graças ao talento de diplomata inato do nosso pai, acompanhado de uma boa dose de bom senso que o permitiram, sempre, aplicar o princípio segundo o qual: “O que é de César a César e o que é de Deus a Deus”, enquanto esteve à testa da família.

Vivendo num meio difícil, de sobreposição de vários poderes (oficial/tradicional, nacional/local, laico/religioso) e de constantes e rápidas mudanças, de guerras e montanhas de intrigas, soube sempre adaptar-se e relacionar-se bem com as condições vigentes sem nunca se comprometer inteiramente, mas também sem nunca se afastar demasiado para não criar suspeitas. Contrariando a vontade da mãe e nossa avó, desde sempre soube receber bem e criar amizades entre os soldados portugueses que, certamente, vinham a nossa casa por causa das nossas primas-irmãs que, na altura, andavam de corpo nu da cintura para cima e com as mamas ao léu.

Não sei, no fundo, se a sua admiração, como qualquer outro, do seu tempo e etnia, pelos portugueses era acompanhado de uma simpatia especial, o certo é que demonstrou sempre por estes muito respeito e consideração no que era largamente retribuído.

Ao contrário dos seus irmãos, nunca se ofereceu e nem foi mobilizado para a guerra e, felizmente, as suas funções de empregado comercial permitiam-lhe satisfazer o mínimo necessário, sem precisar de entrar em aventuras militares ou intrigas palacianas. O longo trabalho com comerciantes lusos criou nele a ambição legítima de fazer dos seus filhos pessoas preparadas para os desafios do futuro, numa época em que o obscurantismo predominava entre as massas camponesas, decisão a que nunca se renunciou apesar dos numerosos obstáculos pelo caminho.


A minha avó paterna, Eguê Baldé

Ao contrário do filho, a nossa avó paterna não mostrava simpatia pelos brancos em geral e, em particular, dos soldados que invadiam a nossa casa em Cambaju. Dizia sempre, referindo-se a presença destes: “Uoú!... tinha que viver para presenciar isto!..”. Fugia do olhar dos militares para se refugiar no interior da sua palhota. Designava-os por “orelhas vermelhas” e não perdia uma única ocasião para falar mal e criticar o comportamento pouco sóbrio dos jovens soldados que, muitas vezes, se comportavam, de facto, como se estivessem em terras por eles conquistadas bem ao estilo dos tempos romanos. Nunca aceitou nada que viesse do quartel e não queria que os seus netos o frequentassem como se tivesse medo que fossem alienados e entregues à razia da guerra que dava os seus primeiros passos e fazia as primeiras vítimas.

Morreu em Cambaju entre 1966/67, pouco antes de mudarmos para Fajonquito, numa idade bastante avançada. Provavelmente, ela era a única que carregava consigo os ecos dos tempos passados, contendo os resquícios de lembranças menos boas dos primeiros contactos com os europeus em África e da prática nefasta do comércio triangular de má memória e que contribuiu para esvaziar o continente da sua população.


O meu tio Dembaro Baldé

O irmão mais velho do meu pai, Dembaro, era a biblioteca da família, conhecedor profundo do percurso histórico dos fulas desde que saíram de Mácina, as crónicas épicas de Alfa Molo e de seu filho, Mussa Molo, no espaço sócio-cultural Firdunkê. Tinha uma grande admiração pelos portugueses em relação aos quais clamava alto e em bom som: “Sambu ghalel Tubakhô, khabhá pôlle gardânne” o equivalente, na língua fula, da famosa expressão latina “Veni-vidi-vici” de Júlio César ou das Lusíadas “Vós portugueses, poucos quanto fortes” (Canto VII) e, não se cansava de nos falar sobre as míticas figuras das guerras tribais no espaço sudanês de Mali, antes da chegada dos europeus e ainda sobre as guerras de pacificação sob a batuta de inigualáveis e intrépidos chefes de guerra portugueses como o Marques Geraldes, Graça Falcão ou Cap.Teixeira Pinto.


A minha mãe, Cadi Candé

A minha mãe era o que os portugueses vulgarmente chamariam de “moura” da casa, a primeira a levantar-se e a última a deitar-se e sobretudo no período de Ramadão, quando se impunha que as pessoas comessem durante a madrugada para poderem jejuar ao romper do dia, então ela, praticamente, não tinha tempo para se deitar e recuperar da fadiga do trabalho quotidiano da bolanha, do campo, da ordenha das vacas, trabalho caseiro e cozinha, sobretudo a maldita cozinha que lhe deu cabo dos olhos; pequeno almoço, almoço e jantar, quando tudo o que existia em casa era um grande amontoado de milho preto ou milho-basil no seu estado natural e que ainda precisava secar, pilar (esmagar), farinhar, separar em grãos, misturar com folhas da calabaceira em pó (lálôh), buscar lenha, pôr ao fogo, etc., etc.

Não sei o que ela pensava dos brancos, nunca nos disse e nunca ninguém lhe perguntou, mas como boa esposa, ela seguia os passos do nosso pai, isto é, tentar ser gentil, bem educada e acolher o melhor possível os hóspedes. Por falar em hóspedes, aqui está uma palavra mágica para os fulas do antigamente que, no decurso de toda a sua vida não faziam outra coisa senão preparar-se para receber bem e condignamente o seu hóspede. Lembro-me que, na infância, só acontecia comermos arroz e carne de galinha ou de algum outro animal no dia em que aparecia, saído de “nul part”, um hóspede qualquer, mesmo que se tratasse de um viajante maltrapilho, um vulgar vagabundo, bastava que não fosse das redondezas. “Felizes os servos que o Senhor, a sua chegada, encontrar vigilantes... porque o Filho do Homem virá numa hora que não pensais” (Lucas 37/40).

Mas, mesmo nessas raras ocasiões, as crianças tinham muita sorte se lhes calhava algum osso para chupar. Lembro-me de ter comido muita tripa de galinha, sim a tripa que deitavam fora, depois de uma apressada limpeza do conteúdo, metia-se na brasa e a seguir para dentro das nossas barrigas redondas, inflamadas de desnutrição crónica. “Se deitas fora é carne desperdiçada, se o comes, comeste merda”, dizia a nossa avó a respeito das tripas.


Samba Candé ou Sam-forrea, meu avô materno

Por várias ocasiões, já aqui evoquei a figura do meu avô materno, o seu nome era Samba que as pessoas transformaram em Sam-Forrea por ser originário da região de Forrea (Contabane). Era caçador profissional e fez parte do contingente mobilizado para a guerra de Canhabaque. Conta a minha mãe que, quando voltou da guerra, estava irreconhecível devido a enorme cabeleira e a barba de muitos meses que lhe cobriam toda a face. Fizeram mais de 60 km a pé, de Bafatá a nossa aldeia de Farimbali. Voltaram de mãos a abanar, como tinham partido, sem dinheiro, sem espólio de guerra. Tinham lutado pela honra de Sancorla e da pátria portuguesa, afirmavam. Claro que esperavam obter alguma compensação material, o que neste caso não aconteceu.

No caminho de regresso a casa teria cruzado com o grupo de pessoas da sua aldeia que o vinham acolher, mas nem eles o puderam reconhecer envolto naquela enorme cabeleira e barba de um ano nem ele os reconheceu vindo daquela ilha maldita dos Canhabaques onde muitos dos seus companheiros tinham perdido a vida, incluindo o príncipe herdeiro de Sancorla, Abdu Branjame, que pouco antes tinha participado numa exposição colonial em Portugal, muito provavelmente a de junho de 1934 no Porto.

Na Guiné, desde o Séc. XIX que os portugueses tinham descoberto e privilegiado a contribuição da classe dos caçadores nos conflitos que os opunham a certos grupos indígenas. Homens singulares, de coragem ímpar e conhecedores do terreno, seriam largamente utilizados também, durante a guerra colonial, principalmente, como guias e/ou para organizar os grupos nativos de milícias e de auto-defesa.

Ao contrário do meu pai, ele era o que se podia classificar de anti-social e politicamente nulo, pois passava todo o seu tempo metido no mato a conviver com as aves e animais selvagens e raramente participava em eventos da comunidade. Homem de poucas palavras, durante as festas religiosas, quando toda a gente se preparava para vestir as suas melhores vestes e pavonear-se na reza colectiva, ele se oferecia para pastar o nosso gado bovino em substituição das crianças que, por norma, tinham essa incumbência.

Em Fajonquito, foi ele que teve a ideia genial de introduzir-me no quartel, quando, na verdade, nunca lá deveria pôr os pés por imposição da minha avó. Se não falava com os seus próprios conterrâneos muito menos o fazia com os jovens soldados portugueses que, inebriados com a visão das bajudas semi-nuas, raramente perdiam tempo com os velhos da tabanca. Pela manhã, quando estes entravam na morança ele pegava na sua “Longa” (arma de fogo de fabrico artesanal que funcionava por meio de pólvora e pedaços de metal embutidos no interior do cano, de frente para trás) e saía para o mato, onde fazia dias ou semanas antes de voltar. De vez em quando lá trazia partes de uma gazela ou de porco-espinho que distribuía pelos familiares, amigos e vizinhos.


Mariama Baldé ou Néné-Maudhô, a minha avó materna

De todos os membros da família, foi ela que mais me marcou em virtude da sua insistente e inútil teimosia de fazer de mim um homem de bem, deveras. Nunca desistiu, desde a idade de 4 ou 5 anos, em meados de 1964, quando fugimos juntos do primeiro ataque a nossa aldeia e, desorientados pelo medo, acabamos por dormir no meio de uma bolanha infestada de bichos e capim selvagem, com folhas tão afiadas que nem facas de cirurgião. No dia seguinte, quando finalmente nos encontraram, tínhamos cortes em tudo que era corpo, mas pelo menos estávamos vivos.

Incansável, todas as manhãs ia a casa que servia de dormitório dos rapazes para nos lembrar que a sorte estava com aqueles que se levantavam cedo, depois da primeira oração da manhã. Até hoje não o consegui fazer. Todas as tardes, antes de escurecer ia procurar-me a fim de certificar-se que já tinha tomado banho e trocado de roupa.

O seu nome era Mariama Baldé, ou Néné-Maudhô (Mamãe-velha) e faleceu em 1994 estava eu, na altura, em Lisboa. Como habitualmente acontece, só damos o devido valor àquilo que já perdemos. Era uma mulher alta e sofria de elefantiase numa das pernas o que lhe dava um aspecto algo bizarro em que uma das pernas era normal e pequena e a outra exageradamente grande e deformada, facto que a impedia de usar sapatos.

No entanto, era a todos os títulos uma pessoa especial e de valor inestimável para mim, pois ela foi a minha guardiã e verdadeira educadora durante a nossa atribulada infância e adolescência que se estende, praticamente, desde o inicio da guerra no norte (1964) até 1975, altura em que deixei a família para continuar os meus estudos no Liceu de Bafatá.

Dizem que ela viveu os cem anos, é bem provável. Não raras vezes, nas narrativas sobre a sua juventude, referia-se à cidade de Farim, importante centro de trocas comerciais em princípios do Séc. XX, onde as jovens bajudas iam trocar ou vender produtos junto dos comerciantes europeus e sirio-libaneses como o Coconote ou a borracha natural, extraído de uma planta selvagem e concentrado em formatos redondos como as bolas de futebol, resultado de meses e meses de labuta na floresta.

A Néné-Maudhô encarava a sua obrigação de nos dar uma boa educação de tal modo que era capaz de tudo para cumprir com a sua obrigação. Uma vez, já era quase noite e ainda não tinha saído do quartel para casa quando, surpreendendo tudo e todos pela ousadia, a minha avó penetrou dentro do quartel à minha procura. Passou pela sentinela na porta de armas que ou estava apanhado do clima e já não distinguia uma bajuda de uma mulher grande ou se calhar julgara tratar-se da lavadeira do 1.º Sargento e por isso, não queria arranjar encrencas.

A semelhança de todas as mulheres grandes que conheciam o irreverente atrevimento dos soldados nas tabancas, procuravam sempre ficar longe para não servir de bode expiatório às suas maluquices o que, de forma alguma não queria dizer ter medo, pois no dizer da minha avó, estes não passavam mesmo de “crianças grandes”, irrequietas e mal-educadas.

A sentinela saiu da sua sonolência acordado pelo barulho das vozes que de todos os lados gritavam dentro do quartel dirigindo-se a pobre da minha avó com uma canção que lhes era peculiar naquele tempo:
- “mulher grande cá tem cabaço óh-lé-lé-lé-lé... foi o Manel que o tirou óh lé-lé-lé-lá...”- no meio da algazarra de assobios e gargalhadas.

Imperturbável, ela seguiu caminhando e a todos que a perguntavam através da mímica gestual o que procurava ali, respondia em língua fula por uma única frase que ela sabia ser irreversível, aconteça o que acontecesse, universal, até ao fim do mundo: “Tcherno Abdulai!.. o meu neto... vai pra casa... já e agora!..”. Com excepção dos meus colegas rafeiros, ninguém sabia quem era o Tcherno Abdulai, pois no quartel o meu nome era Chico e por isso, os soldados pensavam estar diante de uma velha maluca com duas pernas diferentes uma da outra.

Assolada por uma multidão cada vez maior de soldados curiosos, não arredou pé enquanto não foram à caserna dos condutores, onde era faxina, para me alertarem. Tinha sido a primeira vez, mas não seria a última e, as tantas, o Dias (o meu amigo e patrão), quando via a sua silhueta invulgar aproximar-se da porta de armas, antes que se iniciasse o diálogo de surdos entre a sentinela e a minha avó, gritava com a sua voz rouca:
- Óh Chico, desanda dai que a velha já está a tua espera!...

Com estas palavras de alerta, sabia que estava na hora de deixar o quartel e voltar pra casa, que a minha avó estava ali a minha espera donde não arredaria o seu pé de elefante com que assustava os soldados, mesmo com tiros de G3.

Passados muitos anos depois, quando li o maravilhoso livro “A Mãe” do escritor russo, Máxim Gorki (Alekxei Makxímovich Peshkov), não podia deixar de pensar na minha avó e compreender finalmente, que estava perante um fenómeno universal. Então os meus sentimentos de raiva e de ódio devidos a teimosia daquela mulher grande se transformaram, de repente, numa grande compaixão.

No que me concerne, depois do choque inicial, pouco a pouco comecei a ser atraído pelo quartel tal qual a luz nocturna atrai os pequenos bichos voadores. A curiosidade de conviver e conhecer pessoas diferentes, o gosto pela comida do quartel tinha começado desde Cambaju entre 1965/67, mas em finais de 1967 ou inicio de 68, o nosso pai foi transferido e mudou com a família para Fajonquito. Nessa altura o aquartelamento situava-se no meio da tabanca e havia alguma promiscuidade entre a população local e os militares ocupantes do quartel que se traduzia na infiltração constante das crianças na zona ocupada pelos soldados.

Em 1969, com a chegada da companhia do Cap. Carvalho fez-se um reordenamento que transferiu toda a população do lado oeste para leste e isolou o aquartelamento com arame farpado e portas fechadas. Este sistema de apartheid, por assim dizer, por um lado permitiu separar as águas e impor certa ordem e disciplina no quartel, mas por outro criou um fosso enorme entre dois mundos que se complementavam mutuamente e que, pouco a pouco, se foi aumentando para se transformar numa guerra fria de mútua desconfiança. Este facto não será alheio ao destino final do comandante da companhia antes do fim da sua comissão.

 Cherno Baldé, aos 14 anos, em Fajonquito (1974)

Cherno Baldé, estudante do Instituto Superior de Economia de Kiev (1986/90), com duas colegas (russa e ucraniana) da mesma promoção. A imagem que serve de fundo é o rio Dnepr que divide a cidade de Kiev em duas partes

O meu irmão Carlos (2 anos mais velho, hoje Farmacêutico, formado pela faculdade de Farmácia da Universidade Técnica de Lisboa), durante a alocução por ocasião do dia 10 de Junho de 1971, Dia de Portugal e de Camões, na escola primária de Fajonquito. Na imagem estão dois oficiais da companhia do Cap. Figueiredo (CART 2742), um dos quais, o Alferes Félix encontrou a morte no mesmo dia que o seu Capitão. Talvez o José Bebiano que esteve na mesma altura em Fajonquito, em rendição individual, possa ajudar o identificar os dois oficiais aqui presentes.

 O amigo José Cortes (CCAC.3549 - 1972/74), junto a porta d’armas do quartel de Fajonquito

Festa em Fajonquito com a presença de artistas portugueses para animar a malta (1971), ao fundo está o Cap. Borges de Figueiredo a esquerda da cantora Eva Maria. 
Foto cedida por José Bebiano

O mesmo grupo de artistas portugueses, constituido por Eva Maria, Tino Costa e Fernando Correia, actuando no palco, em Galomaro (1971)
Foto de Antonio Tavares, BCAC 2912 (1970-72), extraida do nosso Blogue (P13433)

Os nossos amigos da Ferrugem, Torres Berliet e o 1.º Cabo Sérgio (CCAC 3549) na nossa morança, em Fajonquito (1972/73).

O 1.º Cabo Condutor-auto, Sérgio Rodrigues, fazendo companhia às bajudas, Fajonquito (1972/73)


Homenagem póstuma ao Cap. Carlos Borges de Figueiredo(*)

Em 1970 chegou uma nova companhia (CART 2742 do Cap. Figueiredo) e com ele inaugurou-se o período mais profícuo e dinâmico de Fajonquito. Nessa altura sentiu-se, de facto, que a Guiné estava a mudar e positivamente. Foi nessa altura, também, que acabei por me fixar no quartel como faxina num dos quartos da ferrugem (condutores), onde tinha a clara consciência de estar no meio de amigos, mas nem por isso isento de perigos. Sentia-me a vontade quando estava na caserna com os meus amigos condutores, mas sempre vigilante quando deambulava sozinho dentro do quartel. A idade, o stress provocado pela guerra, as saudades da terra natal e, provavelmente, o sentimento de impunidade por actos considerados menores, propiciava alguns exageros em forma de brincadeira que não eram sancionados. Claro está que, salvo raras excepções, normalmente os lobos não se comem uns aos outros.

O Cap. Figueiredo baniu a proibição da entrada no quartel, abriu as portas aos meninos, mas como contra partida pediu para que todos fossem à escola depois das horas de trabalho de faxina. Não era agradável, mas compensava. Pela primeira vez, foram colocados postes de iluminação na rua principal da vila, para alegria da criançada. Os oficiais da companhia davam apoio aos professores locais dentro e fora das aulas, com modalidades de futebol e ginástica. Foi instituída uma merenda para todos os alunos e prémios aos que se distinguiam nas aulas e nos exames finais, por exemplo, a participação nos campos de férias da Mocidade Portuguesa.

Muitas das pessoas que hoje são quadros nacionais na Guiné têm uma dívida de gratidão aos soldados portugueses que, como o Cap. Figueiredo e o grupo dos seus oficiais e sargentos, contribuíram para a sua formação de base. O meu caso não é paradigmático porque fui obrigado a ir às aulas que detestava com todas as minhas forças, mas a teimosia dos meus pais, em particular a minha avó, e também, porque o quartel já não servia de refúgio aos refractários, tinha que cumprir as condições do nosso Capitão, depois pouco a pouco o meu horizonte que antes estava confinado à vida da minha aldeia e arredores, foi-se abrindo as maravilhas da ciência e do mundo externo.

Mas como se costuma dizer, Deus escreve direito por linhas tortas, porque depois de tudo o que fizeram por nós, estava predestinado que ele e parte dos seus oficiais nunca voltariam à sua terra natal. Eis a razão desta homenagem, também, ao Cap. Carlos Borges de Figueiredo.

A toda a sua família e aos que o conheceram ou partilharam parte da sua vida e do seu percurso, quero expressar, em meu nome pessoal e em nome de todos os habitantes de Fajonquito, os meus sentimentos de pesar, mesmo que tardios e enaltecer o comportamento do Cap. Figueiredo, como homem e como militar que, a justo título, foi um comandante exemplar para a sua época, que veio, sem medo, para o cenário da guerra trazendo consigo a semente da paz; que sem descurar a defesa dos seus homens, transformou as operações militares em operações para a promoção do desenvolvimento; acreditou na capacidade dos mais novos para a construção de uma Guiné melhor sem esquecer a sabedoria dos mais velhos; que investiu parte dos poucos recursos de que dispunha numa derradeira tentativa de construção dos fundamentos do homem novo que a Guiné tanto precisava.

Carlos Borges de Figueiredo foi oficial e comandante que compreendeu como poucos e soube executar com mestria a nova filosofia que o Gen. Spínola queria com a sua politica por “uma Guiné melhor”.

Bissau, Agosto de 2014
Cherno Abdulai Baldé (Chico de Fajonquito).
____________

Notas do editor

(*) - Sobre o Cap Carlos Borge de Figueiredo, ver poste de Cherno Baldé de 14 de Novembro de 2011 > Guiné 63/74 - P9041: Memórias do Chico, menino e moço (30): A propósito do poema K3, de Nuno Dempster: Relembrando dois malogrados capitães de Fajonquito, Carlos Borges Figueiredo (CART 2742) e José Eduardo Marques Patrocínio (CCAÇ 3549) (Cherno Baldé)

Último poste da série de 3 de Abril de 2014 > Guiné 63/74 - P12929: Memórias do Chico, menino e moço (Cherno Baldé) (46): Depois do ataque

Guiné 63/74 - P13499: Notas de leitura (622): Trajectórias divergentes: Guiné-Bissau e Cabo Verde desde a Independência, na Revista "Relações Internacionais R:I", dirigida por Nuno Severiano Teixeira (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 6 de Fevereiro de 2014:

Queridos amigos,
O historiador Norrie MacQueen traça neste artigo o quadro das divergências que se acentuaram entre a Guiné-Bissau e Cabo Verde após o golpe de Estado de 1980.
Escrito e publicado em 2005, ano em que Nino Vieira teve uma reeleição inédita em África (um ditador eleito democraticamente) e em que Pedro Pires e o PAICV regressam ao poder, o autor justifica o abismo que separa os dois antigos camaradas de guerra, deixa claro que há um país africano à deriva e um outro país, a 500 km, que chega a ser requestado para ingressar ou se associar à União Europeia.

Um abraço do
Mário


Trajetórias Divergentes: 
Guiné-Bissau e Cabo Verde desde a Independência

Beja Santos

A revista “Relações Internacionais R:I”, dirigida por Nuno Severiano Teixeira, no seu número 8 (dezembro de 2005) publicou uma elaborada e judiciosa análise de Norrie MacQueen sobre o percurso e as substanciais divergências que se operaram na Guiné e Cabo Verde, depois da sua curta união (1974-1980). Norrie MacQueen já aqui foi falado, é professor na Universidade Dundee (Reino Unido) e autor de A Descolonização da África Portuguesa (Editorial Inquérito, 1998) de que oportunamente se fez recensão. Ver Poste 9643

Aquando do ato de declaração unilateral da independência da Guiné-Bissau e posteriormente de Cabo Verde, os líderes dos dois países declararam o propósito da unificação de ambos os territórios. Trinta anos depois, a Guiné oscilava entre crises políticas e intervenções militares endémicas e Cabo Verde parecia sonhar em ser um parceiro da União Europeia.

O historiador mergulha no passado das relações políticas em que o PAIGC era um único movimento de libertação: “Os cabo-verdianos constituíam, até certo ponto, a burguesia colonial da Guiné e, tal como pela África fora, essa foi a classe que, quando chegou a hora, forneceu a liderança ao movimento anticolonial. Em última análise, um relacionamento artificial, artefacto da história colonial que, retrospetivamente, tinha poucas hipóteses de sobreviver para além das lutas de libertação. O mito da unificação iminente durou escassos cinco anos após a independência. Mas, na realidade, os dois regimes haviam já muito aceite que a retórica da unificação pouco mais era do que um slogan político”.

E o autor enumera as disparidades: a população de Cabo Verde nunca foi considerada africana pelo Estado Colonial; o Estatuto do Indigenato nunca se aplicou a Cabo Verde e a cidadania portuguesa foi concedida aos cabo-verdianos muito antes de se ter generalizado no resto da África portuguesa.

A luta armada na Guiné foi uma verdadeira coqueluche internacional, mereceu uma atenção desproporcional considerando o seu tamanho ou a sua relevância económica ou estratégica, goste-se ou não, tudo começa e se desenvolve graças a Amílcar Cabral, à sua estratégia, à sua diplomacia, ao prestígio e credibilidade que ganhou na arena internacional. Na Guiné era quase total a ausência de europeus e o combate era do tipo unificado, não havia competição com outros grupos armados, cedo a FLING saiu do jogo. A maioria do mundo nutria consideráveis esperanças em relação à Guiné, escreve MacQueen. Existiam grandes expetativas de que, após a independência continuasse a servir de exemplo a outros países africanos a braços com os desafios de um mundo ideologicamente dividido e economicamente desigual. Mas a realidade não era bem assim: a coesão da luta não podia iludir que o povo Fula era conservador e muçulmano, encarava com circunspeção os objetivos revolucionários do partido; no interior do PAIGC eram claras as divisões entre os combatentes guineenses e os políticos cabo-verdianos. MacQueen considera que o assassinato de Cabral teve sobretudo a ver com as dissensões internas do PAIGC. A par deste jogo de enganos, a Guiné foi determinante para o 25 de Abril, escreve o autor que o detonador do movimento dos capitães foi a Guiné, começou por ser a principal causa de fratura entre Spínola e Caetano, os capitães receavam um desastre humilhante na Guiné já independente. A descolonização de Cabo Verde fora negociada e garantida pelo PAIGC com relativa facilidade, os negociadores portugueses nunca aferiram de que a unidade Guiné-Cabo Verde era um saco vazio.

Luís Cabral possuía pouca autoridade e quase nenhum carisma, a sua liderança foi medíocre, procurou superar os problemas internos com represálias e deixou que se acentuassem os conflitos interétnicos. O autor passa em revista o relacionamento entre a Guiné-Bissau e Portugal ao longo desses anos e do esforço de Cabral em melhorar as relações entre Portugal e Angola. O golpe de Estado de 1980 não abalou as relações com Portugal, grande fricção surgirá com as execuções de Paulo Correia e Viriato Pã, entre outros, em 1986.


 No tocante a Cabo Verde, cedo o regime do PAIGC com Aristides Pereira na presidência e Pedro Pires no cargo de primeiro-ministro, descobriu que não podia fazer alquimia revolucionária, Cabo Verde padecia de uma seca que durava há longos anos, o novo Estado dependia de fontes externas para suprir 90 % das suas necessidades alimentares, não podia subestimar que dependia grandemente das remessas da sua vasta diáspora. Ocupando o arquipélago um lugar estratégico no Atlântico, seguiu um modelo rigoroso de não alinhamento mas o pragmatismo levou-o tomar medidas que desagradaram à organização da unidade africana quando concedeu facilidades à África do Sul na utilização do aeroporto do Sal.

Os anos 1990 trouxeram uma mudança crucial, o fim da Guerra Fria trazia os ventos da democratização, na Guiné e Cabo Verde começou a preparação para a mudança rumo à democracia multipartidária. Na Guiné os progressos tardaram enquanto em Cabo Verde o ritmo do processo de democratização foi impetuoso, em 1991, o PAICV foi derrotado pelo Partido para a Democracia, houve novo presidente da República e novo Governo. Nino Vieira demorou o processo da democratização mas aceitou a liberalização económica.

Aquando da guerra civil, Nino pediu a intervenção do Senegal e da Guiné-Conacri e agarrou-se às iniciativas portuguesas por intermédio da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa. Cabo Verde teve um papel preeminente na crise, envolveu-se no Grupo de Contacto de Alto Nível. Nino Vieira deixou transparecer dúvidas quanto à motivação de Cabo Verde. “Em notória paranoia, Nino Vieira suspeitou da existência de uma conspiração luso-cabo-verdiana para o derrubar”.

E chegámos ao novo século, a Guiné precisava desesperadamente de estabilidade, que nunca chegou, basta pensar em Koumba Yalá, o descontentamento militar que levou ao assassinato do general Veríssimo Seabra e as eleições de 2005 que, segundo o autor, revelaram algo sem precedentes em África: a reabilitação democrática de um ditador de posto. E ele continua: “Parece que o cenário foi montado para assegurar a continuidade de um conflito entre facões na Guiné. A eleição de Vieira resultou essencialmente de processos negativos. Decorre de uma aliança tática dos partidos antiPAIGC ao nível político. Mas também resulta, em parte, do desespero sentido pelos votantes após anos de fraca e frágil liderança”. A trajetória de Cabo Verde continuou numa via divergente em relação à da Guiné. Pedro Pires regressou mas num clima globalmente distinto; o primeiro-ministro, José Maria Neves, cedo se impôs pela seriedade e competência. Na terminologia das Nações Unidas, Cabo Verde é um país “medianamente desenvolvido”. Na triangulação das relações Portugal/Cabo Verde/Guiné, o único eixo com solidez é o de Portugal/Cabo Verde. Que o leitor não esqueça que este artigo foi publicado em 2005: “O relacionamento Guiné-Cabo Verde afigura-se problemático, mas se calhar também é o menos significativo dos três. Com Vieira e Pires a ocupar as presidências de cada um dos países, é natural encarar-se um retorno aos tempos difíceis que marcaram o início dos anos 1980, quando o projeto de unificação caiu por terra”.
____________

Nota do editor

Último poste da série de 11 de Agosto de 2014 > Guiné 63/74 - P13484: Notas de leitura (621): “Direitos Civil e Penal dos Mandingas e dos Felupes da Guiné-Bissau”, por Artu Augusto da Silva (2) Mário Beja Santos)

Guiné 63/74 - P13498: "Francisco Caboz", um padre franciscano, natural de Ribamar, Lourinhã, na guerra colonial (Horácio Fernandes, ex-alf mil capelão, BART 1913, Catió, 1967/69): Parte III: Um periquito praxado com pornografia à mesa do comandante... E as primeiras impressões (más) de Catió e do destacamento de Ganjola...

Horácio Fernandes, ex-alf mil capelão (CCS/BART  1913, Catiói, 1967/69).

[ Foto à direita tirada pelo nosso saudoso Victor Condeço, 1943-2010, que foi fur mil mec armam, CCS/BART 1913].


1. Continuação da publicação do testemunho do nosso camarada, o grã-tabanqueiro Horácio Fernandes.que foi alf mil capelão no BART 1913 (Catió, 1967/69) (*)

Esse tstemunho é um excerto do seu livro autobiográfico, "Francisco Caboz; a construção e a desconstrução de um padre" (Porto: Papiro Editora, 2009, pp. 127-162).

O Horácio Fernandes vive no Porto. Vestiu o hábito franciscano, tendo sido ordenado padre em 1959. Deixou o sacerdócio no início dos anos 70. É casado, tem 3 filhos. Está reformado da Inspeção Geral de Educação onde trabalhou 25 anos na zona norte. Em 2006 doutorou-se em ciências da educação pela Universidadfe de Salamanca, Espanha.

Foi o nosso camarada e amigo Alberto Branquinho quem descobriu o paradeiro do seu antigo capelão (*).Tenho a autorização verbal do autor (que de resto é meu parente e conterrâneo), dada por altura do nosso reencontro, 50 anos depois da sua missa nova (em 15 de agosto de 1959, em Ribamar, sua terra natal), para reproduzir esta parte do livro, relativa à sua experiênciade como capelão militar na Guiné, muito marcante e decisiva para o seu futuro como homem e como padre.

O livro já aqui foi objeto de recensão crítica por parte do nosso camarada Beja Santos (*).

Francisco Caboz é o "alter ego" do Horácio Fermandes (n. 1935, Ribamar, Lourinhã). O livro começou por ser uma tese de dissertação de mestrado em ciências da educação, pela Univeridade do Porto (1995): Francisco Caboz: de angfélico ao trânsfuga, uma autobiografia. Nesta III parte (pp. 139/143), o autor relata-nos como foi praxado à sua chegada a Catió... E descreve-nos também as suas primeiras impressões de Catié e do destacamento de Ganjola. /(LG)

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Guiné 63/74 - P13497: Recortes de imprensa (68): Notícia sobre o lançamento do livro "O Corredor da Morte", do nosso camarada Mário Gaspar, no Jornal Apoiar



1. Em mensagem do dia 7 de Agosto de 2014, o nosso camarada Mário Vitorino Gaspar (ex-Fur Mil At Art e Minas e Armadilhas da CART 1659, Gadamael e Ganturé, 1967/68), enviou-nos um exemplar do Jornal APOIAR de Maio/Junho onde consta a notícia do lançamento do seu livro "Corredor da Morte"(*).
Com a devida vénia ao referido Jornal, aqui fica a reprodução das páginas 8 e 9. 





Clicar nas imagens para permitir a leitura do texto
____________

Notas do editor:

(*) Vd. postes de:

1 de Maio de 2014 > Guiné 63/74 - P13077: Agenda cultural (312): Convite para o lançamento do livro “O Corredor da Morte”, de Mário Vitorino Gaspar, no próximo dia 22 de Maio, 4ª feira, pelas 17h30, no Forte do Bom Sucesso, em Belém, Lisboa, com a presença, entre outros, do ten gen Joaquim Chito Rodrigues, presidente da Liga dos Combatentes, e do psiquiatra Afonso de Albuquerque, autor do prefácio

30 de Maio de 2014 > Guiné 63/74 - P13214: Notas de leitura (595): "O Corredor da Morte", pelo nosso camarada e tertuliano Mário Vitorino Gaspar, ex-Fur Mil Art MA da CART 1659 (Mário Beja Santos)

3 de Junho de 2014 > Guiné 63/74 - P13229: Agenda cultural (321): "Corredor da morte", de Mário Gaspar: a sessão de lançamento foi no passado dia 22, na presença de muitos amigos e de antigos combatentes... O autor irá promover o seu livro também no IX Encontro Nacional da Tabanca Grande, em Monte Real, no próximo dia 14
e
3 de Junho de 2014 > Guiné 63/74- P13230: Notas de leitura (597): Excerto do livro de Mário Gaspar, "O Corredor da Morte", cap 19: desmontando minas e armadilhas nos últimos dias de Gadamael, outubro de 1968

Último poste da série de 23 de Setembro de 2013 > Guiné 63/74 - P12075: Recortes de imprensa (67): a situação, em Portugal, dos nossos camaradas guineenses (Deutsche Welle Africa)

Guiné 63/74 - P13496: In Memoriam (193): Manuel Vieira Moreira (1945-2014), ex-1º cabo mec auto, CART 1746 (Bissorã, Xime e Ponta do Inglês, 1967/69), natural de Águeda, poeta e amante do fado


Guiné > Zona leste (Bambadicna) > Xime > CART 1746 (1967/ 69) > O Manuel Moreira (1). Foto do Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné.


Guiné > Zona leste (Bambadicna) > Xime > CART 1746 (1967/ 69) > O Manuel Moreira (2). Foto do Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné.



Leiria > Monte real > VII Encontro Nacional da Tabanca Grande > 21 de abril de 2012 >Dois camaradas do Xime, o Manuel Moreira, à esquerda, o Sousa de Castro, à direita. Foto: cortesia do Sousa de Castro, editor do blogue CART 3494 & Camaradas da Guiné,


 1. O Paulo Santiago telefonou-me ontem, de  tarde,  e deu-me a triste notícia que já corre pelas moranças da Tabanca Grande: "Morreu o meu amigo e vizinho, e nosso camarada,  Manuel Moreira. Morte súbita. Tinha feito uma intervenção cirúrgica há pouco tempo. Vou mandar um email para o Vinhal" (*)

Manuel Moreira  foi 1.º cabo mec auto, CART 1746 (Bissorã, Xime e Ponta do Inglês, 1967/69), companhia comandada pelo nosso grã-tabanqueiro António Vaz, com quem acabei de falar por volta das 20h00, estava ele em Canhas de Senhorim, a passar uns dias em casa de um amigo de infância.

Embora fragilizado, física e psicologicamente, o António Vaz recebeu da minha boca a triste notícia de que a família da CART 1746 estava mais pobre, com o desaparecimento do Manuel Moreira. Confidenciou-me que tinha falado com ele há 15 dias. 

É, também ele,  António Vaz, um camarada que está a passar por um momento difícil, mas que tem revelado grande dignidade,  coragem e lucidez... "Luís, não estou nem pior nem melhor... O mais importante é que estou vivo"!...  Enfim, é mais um, de entre  muitos outros camaradas nossos, quie precisa do nosso carinho e alento. De vez em quando telefono-lhe e prometi-lhe reencontrarmo-nos em Lisboa, em setembro, depois das férias.

Mas voltando ao nosso já saudoso Manuel Moreira (que eu presumo que tenha nascido em 1945, a 29 de setembro): era natural de S. Martinho, Aguada de Cima, Águeda, e portanto vizinho quer do Paulo Santiago que do Victor Tavares. Havia  descoberto o nosso blogue há 6 anos, por volta de agosto de 2008. E foi justamente pela mão do seu vizinho Paulo Santiago que ele entrou na Tabanca Grande, três meses depois, em novembro de 2008 (**).

Foi um diunamizador e co-organizador, sempre generoso e entusiástico, dos encontros do pessoal da sua companhia. O último foi em Fátima, em maio último. Troquei com ele diversas mensagens, tendo-o conhecido pessolamente no nosso 7º Encontro Naciional, em 21/4/2012, aliás na mesma altura em que conheci o seu capitão, o António Vaz.

Incentivei-o a publicar algumas letras de fado de que era autor (por exemplo, a célebre Canção da Fome) e que já vinham do tempo da Guiné, dos sítios por onde passou (Bissorã, Xime, Ponta do Inglês). Tinha o gosto pela quadra popular, tendo esccrito uma espécie de diário em verso, com centenas de quadras populares... Infelizmente só publicámos umas tantas alusivas à emboscada, na Ponta Coli, em  14/11/1968, em que morreu o fur muil SAM Fernando Dias (***)., bem como algumas letras de fado.

Fica, aqui, uma das letras com que  o nosso  poeta de Águeda nos  brindou, e para a qual ele arranjou uma música, que vem muito a propósito, o Fado Primavera... (Peço-vos que oiçam a mgiostral interpretação de Amália...). Morreu o poeta e o amante de fado e com ele o projeto de um dia nos encontramo-nos,  ele, eu, e demais amigos e camaradas da Guiné, amantes do fado, para uma noite dedicada ao fado da guerra colonial...Oxalá as suas letras e fotos não se percam. Que a sua memória, essa, ficará connosco!...

Deixa cerca de 30 referências no nosso blogue. Para a família e amigos mais próxiomos, bem como para os camaradas da CART 1746 vão as nossas sentidas condolências. Até sempre, Manel!... LG

2. Sangue, Suor e Lágrimas

por Manuel Vieira Moreira

Adapt do Fado Saudade, silêncio e sombra
Letra: Nuno de Lorena: Música: Pedro Rodrigues: Fado Primavera (, ouvir aqui uma versão na voz ímpar de Amália Rodrigues)


Muitas noites tenho passado,
Na guerra bem acordado,
Por não conseguir dormir.
Com os olhos sempre alerta,
Pois é sempre pela certa
Que os turras cá possam vir. (Bis)

Certa noite fui acordado
E por estrondos alarmado,
Às duas da madrugada.
Mas rapidez é comigo,
Corri logo a um abrigo
P'ra responder de rajada. (Bis)

A nossa bela Nação
Defendo-a do coração,
Estas são as minhas dádivas.
Misturadas com a dor,
Lágrimas, Sangue e Suor,
Suor, Sangue e Lágrimas. (Bis)

Manuel Moreira

Xime, 20 de Dezembro de 1968

___________

Notas do editor:

(**) Vd. postes de:

27 de novembro de 2008 >  Guiné 63/74 - P3526: Tabanca Grande (99): Manuel Moreira, ex-1.º Cabo Mec Auto da CART 1746, Ponta do Inglês e Xime, 1967/69


(...)
285

O Novembro de 68
Foi o mês de pior sorte,
A Companhia sofreu,
Em Combate, a única morte

291

Mas 14 de Novembro
É a data mais lembrada,
Morreu-nos o Vaguemestre
Em terrível emboscada.

292

Ia em muitas colunas,
Comprar gado era a missão,
Pois ele era o responsável
Pela nossa alimentação.

293

Fernando Dias, de seu nome,
Furriel era o seu Posto,
Era muito popular,
Sentimos grande desgosto. (...)