terça-feira, 18 de maio de 2021

Guiné 61/74 - P22213: Tabancas da Tabanca Grande (4): A Tabanca de Matosinhos, fundada há 16 anos (!), retoma as "hostilidades", no restaurante O Espigueiro, em Matosinhos, às quartas-feiras (José Teixeira)



Foto nº 1  > O Moutinho dos Santos e o Vitorino


Foto nº 2 > Um tabanqueiro que não conhecemos e o Zé Teixeira


Foto nº 3 > Um camarada habitual (mas cuja nome não nos vem agora à lembrança), seguido do Rodrgo e do Leite Rodrigues


Foto nº 4 >O Leite Rodrigies


Foto nº 5 > O Rodrigo

Tabanca de Matosinos > 5 de maio de 2021 > O alegre e fraterno convívio das quartas feiras, retomado agora, no restaurante O Espigueiro (ex-Milho Rei), Rua Heróis de França, nº 721, 4450 - 159 Matosinhos... (È,  de há muito, o mais famoso restaurante de Matosinhos, passe a publicidade, ou pelo menos o mais conhecido dos ex-combatentes.)

Fotos (e legtendas): © João Crisóstomo (2021. Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar. Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. Mensagem de José Teixeira (Foto nº 2, e segundo plano), régulo da Tabanca de Matosinhos, em parceria com o Eduardo Moutinho Santos, ex-alf mil, CCAÇ 2366 (Jolmete e Quinhámel) e cap mil grad. cmdt da CCAÇ 2381 (Buba, Quebo, Mampatá e Empada) (Foto nº 1, à esquerda).

Data - segunda, 10/05, 14:30
Assunto - Tabanca de Matosinhos: Retoma das "hostilidades"

Luís.
Faço votos para que estejas em boa recuperação. E muita saúde para todos os editores. Junto um pequeno texto sobre a Tabanca de Matosinhos que gostava de ver estampada no nosso bogue, onde se anuncia o retomar das hostilidades de combate à fome de convívio que grassa no espírito dos nos combatentes., com a garantia de continuarem a poder saborear um bom petisco.

Fraternal abraço para todos.
Zé Teixeira

2. A TABANCA DE MATOSINHOS E A COLUNA SEMANAL DE REABASTECIMENTO

por José Teixeira

A pouco e pouco, devagarinho e com muita cerimónia, o maldito Covid vai deixando que nós possamos respirar um pouco com mais segurança. Os amigos da Guiné-Bissau, ex-combatentes, vão arriscando sair do abrigo em foram obrigados a enfiarem-se por longo e cansativo tempo para se juntarem e darem ao dente no Restaurante O Espigueiro (ex-Milho Rei) em Matosinhos.

Uns menos temerosos que outros, devidamente camuflados e desobedecendo às ordens do comandante, foram aparecendo durante o conflito vírico para matar saudades e a fome que era negra, pé ante pé, escondidos por detrás dos poilões. não fosse o malvado armadilhar a picada ou montar-lhes alguma emboscada.

Agora que o maldito corno do vírus está a esgotar as munições e nós estamos a conseguir coletes garantidamente à prova das suas balas, é tempo de pensar em voltar a fazer as colunas para o Espigueiro a fim de recargar as baterias da amizade que foi sendo construída ao longo dos dezasseis anos de vida da Tertúlia da Tabanca de Matosinhos, aproveitando para encher o bandulho, beber uns copos e conviver enquanto é tempo e temos alguma saúde, porque o tempo de vida e a saúde estão cada vez mais caros e sobretudo mais escassos.

Com a mudança de tempo, temos a nosso favor a famosa sardinha assada, que está a chegar fresquinha e do nosso mar. Foi ela, a sardinha assada, que começou por nos unir nesta façanha de unir combatentes na Guiné, sedentos de um convívio sadio que nos recordasse os belos e menos belos anos passados na Guiné em cumprimento de uma missão. Espinhosa missão que nos roubou anos de vida, destruiu a saúde física e psíquica de muitos e nos roubou amigos de peito. Mas por outro lado nos enriqueceu com amizades geradas na luta pela sobrevivência que jamais esqueceremos e gerou também saudades que nos ajudam a viver o futuro que começa a mostrar o fim da picada.

A vida merece ser vivida com garra, enquanto andarmos por cá. Não a desperdicemos o que a vida tem de melhor. Saibamos saboreá-la no que ela tem para nos dar. Comamos e bebamos com moderação e cuidem-nos porque o covid ainda anda por aí.

Na quarta-feira passada começamos as hostilidades. Éramos poucos, mas vencemos a refrega, como se pode apreciar pelas fotos, mas a “luta” continua.

Assim. na(s) próximas(s) quarta(s) Feira(s), lá estaremos para partilhar gratuitamente os abraços da fraternidade que nos une e foi gerada quando éramos jovens, nas quentes terras da Guiné.

Zé Teixeira

__________

Guiné 61/74 - P22212: Blogpoesia (736): "Escondam-se que eles vêm aí", por Albino Silva, ex-Soldado Maqueiro da CCS/BCAÇ 2845 (Teixeira Pinto, 1968/70)

1. Mensagem do nosso camarada Albino Silva, ex-Soldado Maqueiro da CCS/BCAÇ 2845 (Teixeira Pinto, 1968/70) com data de 14 de Maio de 2021:

Olá Carlos Vinhal
Aqui vai mais este trabalhinho para a Tabanca Grande.
Entretanto ficam aqui outros à espera e que serão também enviados muito brevemente.

Por cá vou vendo e lendo o que se vai publicando na Tabanca.
Lembro que fiz comentários em alguns de meus trabalhos, ou seja, fiz esclarecimentos para aqueles que não sabiam o significado de algumas publicações, sobretudo nas que falo de Angola.

Para todos os Tertulianos e em especial, para os Chefes de Tabanca, como tu e o Luís Graça, um grande abraço.
Albino Silva


____________

Nota do editor

Último poste da série de 16 DE MAIO DE 2021 > Guiné 61/74 - P22204: Blogpoesia (735): "Brunir o fato"; Abram as portas!..."; "Brincar à macaca" e "Dum momento para o outro", da autoria de J. L. Mendes Gomes, ex-Alf Mil Inf da CCAÇ 728

Guiné 61/74 - P22211: Parabéns a você (1964): Joaquim Fernandes Alves, ex-Fur Mil Art da CART 1659 (Gadamael, 1967/68)

____________

Nota do editor

Último poste da série de 15 DE MAIO DE 2021 > Guiné 61/74 - P22201: Parabéns a você (1963): António Eduardo Ferreira, ex-1.º Cabo CAR da CART 3493/BART 3873 (Mansambo, Cobumba e Fá Mandinga, 1971/74)

Guiné 61/74 - P22210: CCAÇ 1439 (Xime, Bambadinca, Enxalé, Porto Gole e Missirá, 1965/67): A “história” como eu a lembro e vivi (João Crisóstomo, ex-alf mil, Nova Iorque) - Parte VIII: A partir de outubro de 1965, em Enxalé e seus destacamentos, Porto Gole e Missirá

 



Guiné > Região de Bafatá > CCAÇ 1439 (1965/67) > 1965 > Bambadinca > Rio Geba > Cais fluvial e cambança, em canoa, para Finete (na margem direita)                         



Emblema da CC1439 que me foi dado na Madeira. Esteve comigo na Guiné 
e tem andado comigo pelos quarto cantos do mundo!

Fotos (e legtendas): © João Crisóstomo (2021. Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar. Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]



1. Continuação da publicação da publicação das memórias do João Crisóstomo, ex-alf mil, CCAÇ 1439 (1965/67)




CCAÇ 1439 (Xime, Bambadinca, Enxalé, 
Porto Gole e Missirá, 1965/67) : a “história” 
como eu a lembro e vivi 
(João Crisóstomo, 
ex-alf mil, Nova Iorque)

Parte VIII: Dia 9 de Outubro de 1965: A CCaç 1439 em Enxalé (e seus destacamentos de Porto Gole e  Missirá)


Não foi de bom grado que recebi a notícia de que íamos para Enxalé na outra margem (,direita,) do Geba. No lado do Xime e Bambadinca havia pelo menos algumas possibilidades e certa facilidade de ir até Bafatá, pensava eu. Mas ir para Enxalé no outro lado do rio? Mas não tinha dizer na matéria e, resignado, para lá me mudei com a minha companhia.

Fiquei surpreendido por encontrar várias casas normais, construídas por antigos comerciantes que, adaptadas, ofereciam instalações razoáveis. Graças a este blogue, viria mais tarde a encontrar a dona das casas que aí nos serviram de messe, escritórios e residência, a Sra Helena do Enxalé, a Maria Helena Carvalho, que, além de membro da Tabanca Grande, se tornou uma amiga querida de todos os que têm a sorte de a conhecer.

Considero os primeiros meses aí passados quase que um tempo de aprendizagem, reconhecimento e adaptação. Os destacamentos de Missirá e Porto Gole “pertenciam ao Enxalé", pelo que os pelotões e seus respectivos comandantes, Alferes Freitas, Crisóstomo e Sousa se revezavam.

Porque não tive o cuidado de registar em agenda as datas certas das nossas “andanças", não tenho sequer maneira de poder dizer com certeza quem estava num lado ou outro em alguma data específica nos primeiros meses. Sei que estive destacado em Porto Gole em Janeiro/Fevereiro de 1966, mas não sei as datas certas; em fins de Fevereiro eu estava no Enxalé, pois não esqueço que fazia parte de uma operação onde sofremos muita sede , como consta no “Relatório”.

Como disse já, depois de 55 anos passados, não tenho dados suficientes , nem memória suficiente que me permita muito mais do que o que vem descrito no ‘Relatório”, a partir de fins de Maio de 1966. Por isso apenas mencionarei com maior detalhes ou destaque alguns casos “ especiais" na medida em que a minha memória ainda me permite fazê-lo. De resto farei um resumo de datas, dados e informação como vem no "Relatório#, para que conste.
  

   


Guiné > Região de Bafatá > CAÇ 1439 (1965/67) > Enxalé > Setembro de1966 >  Na messe”: 1-Cap Mil Amandio Pires; 2 Alf. Sousa 3 Alf Zagalo 4 Alf medico Paulo Petracki; 
5 Alf Henrique Matos, Cmdt Pel Caç Nat 52; 6 Alf mil Marchand, Matos Cmdt Pel Caç nat 54; 7 fur. Mil Antunes; 8 e 9 fur Monteiro e Altino, Pel Caç nat 52

Foto de fur Viegas. Legenda de Herique Matos  (editada por João Crisóstomo)



No  canto esquerdo  está o Sargento  Bicho; eu estou ao fundo de camisa branca



Ainda no Funchal, em vésperas do embarque para a Guiné,  Capitão Pires, que vai partir mais cedo,  espede-se dos seus quarto oificiais  Freitas, Crisóstomo. Sousa e Zagalo

O Monumento/recordação deixado em Enxalé... Na foto, Alferes Freitas, Capitão Pires e Alferes Sousa. O alferes Zagalo estava na altura em Missirá e o alferes Crisóstomo estava em Porto Gole


Novembro de 1965: dia 9


Patrulha de reconhecimento e batida ao Chão Balanta. durante este patrulhamento foi assinalado o clima de colaboração entre a populança balança e o IN, colaboração que se supõe ser devida à ameaça do IBN à população. Procurou-se cativar a simpatia da mesma população.

Novembro de 1965: dia 19

A CCaç 1439 realizou a Operação Fama, patrulha de reconhecimento e combate à região de Madina. O relato é extenso e pouco claro; antes confuso.

De facto o relato que se segue parece ser um jogo de "gato e rato” ou "agora atacas tu, agora ataco eu” sem qualquer encontros sérios a destacar. Não me recordo se fiz parte desta operação, mas creio que não. Não me iria com certeza esquecer do que consta deste relatório, um vez que menciona resultados de alguma envergadura , como seja a destruição de um acampamento de 70 casas (sic):

(...) " As nossas tropas foram detectadas por um sentinela avançado , tendo alertado o IN com disparos de P.M. (..). As nossas tropas aproximaram-se do objectivo sem encontrar qualquer resistência. O IB tinha-se furtado ao contacto, tendo dispersado. Destruído todo o acampamento IN, constituido por 70 casas e, batida toda a região, foram destruídas todas as culturas IN de mandioca,milho, arroz e bananeiras".

E o "agora atacas tu, agora ataco eu” continua sem qualquer gravidade de notar parece , embora mencione que "encontraram-se vestígios de baixas IN que posteriormente foram confirmadas por prisioneiros". E depois diz-se que "não houve baixas nas NT""-

Embora mencione a captura de tês prisioneiros, sendo um deles o próprio chefe da tabanca IN Albino Có, diz a seguir que "ss magros resultados obtidos são consequência da falta de um bom guia" e que "Nnesta operação houve uma perfeita colaboração com a forca aérea".


Novembro de 1965: dia 27

Patrulha de reconhecimento a Colicunda, Hafo(?) e Chombé . "Em Colicunda foram capturados dois indivíduos suspeitos, sendo um deles posto em liberdade e(o)outro feito prisioneiro."


Novembro de 1965: dia 29

Patrulha de reconhecimento, seguida de batida à zona de Cherel (sic): "por exploração imediata de notícias, a CCAL 1439 deslocou-se à regina de Cherel onde se suspeita existir uma tabanca não apresentada sob controle directo do IN. tendo-se detectado uma Tabanca fez-se o cerco e batida, capturando dois homens, três mulheres e quatro crianças.. Foi capturado o seguinte material: 1 pistola Ceska; 1 pente de munições de espingarda Mauser.

Foram destruidas 10 casas de mato além de varios utensílios domésticos que se tornavam impossível transportar bem como um campo de milho e arroz."

Dezembro de 1965: dia 22


"Realizou-se a Op Prova, patrulha de reconhecimento e combate à região de Madina, saindo de Missirá, picada de Bissá até Madina. Não foi detectado qualquer elemento IN nem vestígios de acampamento."

Fevereiro de 1966: dia 25

Lembro bem esta “operação” em que eu e o meu pelotão tomámos parte. O descrito no relatório é bastante objectivo e esclarecedor:

(...) "No dia 25 de Fevereiro de 1966 a CCaç 1439 realizou a Op Vigor que consistiu numa patrulha de reconhecimento e combate na região a N de Cherel. (...) O guia prisioneiro utilizado, ou mentiu ou não estava actualizado. (...)

De facto quase nada de extraordinário aconteceu, salvo ter-se encontrado um “acampamento IN ” abandonado havia muito tempo e logo a seguir outro acampamento que devia ter substituído o anterior, mas que também já estava abandonado há algum tempo.

(...) "Foi uma das operações que obrigou todo o pessoal a um grande desgaste físico devido à falta de água naquela região."

Esta Operação mereceu do Agrupamento 24 a seguinte referência: " Dadas as condições difíceis em que se desenvolveu a Operação— sob temperaturas escaldantes , --solicito que transmita às NT intervenientes o reconhecimento pelas suas boas qualidades militares e o espírito de muita compreensão e sacrifício."

Nota: Não foi só o calor e a falta de água. Foi também o seu longo tempo/duração, pois pernoitamos no mato e depois o caminho de volta não acabava mais. Recordo-me do quase desespero de todos, na ânsia de encontrar água, fosse de riacho ou um simples poço. 

Eu bem tentava motivar e inspirar confiança, mas eu próprio sofri a sede nessa operação. E não é fácil inspirar ou convencer alguém quando nós próprios somos os primeiros a precisar de acreditar e ser “convencidos”.  

Creio que foi nesta operação ( pois a situação de sede e falta de água sucedeu mais do que uma vez ) que encontrámos uma pequena, mas funda depressão no terreno, como que um lagosito pequeno; a cor da água era escura e num canto estava um macaco já em decomposição. Mas não houve hesitações: felizmente que, junto com a ração de combate toda a gente trazia os comprimidos para "purificação” de água, cujo nome não me lembro,. E foi encher os cantis e dar graças a Deus…



Junto estas duas fotos  quase como”homenagem" ao meu valente  guarda-costas de quem, acabado o meu serviço militar,  nunca mais soube  nada.  Pelo que lembro dele, opinião esta partilhada por outros que  o conheceram,  era um indivíduo de uma lealdade, altruísmo  e coragem  únicas; para mim mais do que um simples soldado guarda costas ele era um amigo. Jamais o  esquecerei.

segunda-feira, 17 de maio de 2021

Guiné 61/74 - P22209: In Memoriam (395): António Pinto Rebolo (1944-2021), ex-fur mil amanuense, CCS/BCAÇ 1933 (Nova Lamego e São Domingos, 1967/69), advogado do Porto, meu vizinho e meu amigo (Virgílio Teixeira)


Guiné > Região de Cacheu > Susana > Maio de 1968 > Perdidos no rio... Algures numa aldeia felupe... Havia um indígena morto... Em cina viatura um dos meus furriéis amanuenses, o António Pinto Rebolo, falecido em 15 de maio de 2021... (O outro furriel mil amanuense do Conselho Administrativo da CCS/BCAÇ 1933,  era o Riquito.)

Foto (e legenda): © Virgílio Teixeira (2017). Todos os direitos reservados [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. Mensagem do Virgílio Teixeira, com data de 16/05/2021, 18h05


Boa tarde Luís. Acabou por falecer o meu amigo, António Pinto Rebolo. ex-furriel mil de administração  militar. Foi amanuense no meu conselho administrativo, um amigo, antes, durante e depois de acabar a guerra. Foi advogado, estava reformado, e dependente de hemodiálise diariamente.

Morava bem perto da minha casa no Porto. Pode ver-se a notificação no Fórum dos Veteranos da Guerra do Ultramar.

A foto militar está em muitas das minhas fotos, especialmente quando fomos dados como desaparecidos, vindos de Susana (*). Ele reconhece se pelo seu elevado volume.

Se puderes colocar um poste agradecia. Era pessoa sempre presente nos nossos encontros anuais.

Bom amigo dos amigos. Paz à sua alma. Não posso dar mais informações, são as mesmas que as minhas

Estou no Porto e só amanhã consigo mais dados

O funeral deve ser [estou à espera de confirmação] no cemitério de Paranhos (**). Desculpa incomodar numa tarde de descanso em Candoz. 

Virgílio Teixeira,
ex-alf mil SAM, chefe do conselho administrativo, 
CCS / BCAÇ 1933 (Nova Lamego e São Domingos, 1967/69); 
economista e gestor, reformado; 
natural do Porto,vive em Vila do Conde.

__________

Notas do editor:

(*) Vd. postes de:


Guiné 61/74 - P22208: (D)o outro lado do combate (66): As sabotagens do PAIGC, em Bissau, no início de 1974 (Jorge Araújo)


Guiné > BIssau > Santa Luzia > QG / CTIG > Foto da Piscina da messe de Oficiais, com o ecrã de cinema ao fundo. Foi aí que aconteceu o episódio muito bem descrito no Blog pelo camarada Abílio Magro com o titulo – "Bomba" no Clube de Oficiais do CTIG”.

Foto (e legenda): © Carlos Filipe Gonçalves (2019). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]



O nosso coeditor Jorge [Alves] Araújo, ex-Fur Mil Op Esp/Ranger, CART 3494
(Xime e Mansambo, 1972/1974), professor do ensino superior, ainda no ativo.


GUINÉ: (D)O OUTRO LADO DO COMBATE

- AS SABOTAGENS DO PAIGC EM BISSAU NO INÍCIO DE 1974 -  

► ADENDA AO P22202 (15.05.21) (*)




1.   - INTRODUÇÃO


A elaboração da presente adenda ao poste P22202 (15.05.21) pretende ser um contributo para clarificar algumas das dúvidas que teimosamente persistem na historiografia dos "factos" ocorridos durante a "guerra" no CTIG. Estão neste caso os episódios relacionados com os "atentados" ou as "sabotagens" verificados (as) em 21 de Janeiro e em 22 de Fevereiro de 1974, em Bissau, e que "continuam a suscitar grande confusão", segundo a narrativa do camarada Abílio Magro, autor do poste sobredito.

Esta iniciativa é, também, a minha resposta ao "desafio" sugerido pelo camarada Valdemar Queiroz em comentário ao mesmo poste.

Com efeito, de acordo com a "curta" investigação efectuada ao espólio disponível na CasaComum, Fundação Mário Soares, em particular nos arquivos de Mário Pinto de Andrade, recuperámos ("do outro lado") informação relevante em dois comunicados elaborados pelos «Serviços de Informação e Propaganda do PAIGC», escritos na língua francesa, e que abaixo reproduzimos, acompanhados da respectiva tradução da nossa responsabilidade.



◙ O "CASO" OCORRIDO EM 21 DE JANEIRO DE 1974 (2.ª FEIRA)


A descrição deste episódio foi publicada em Comunicado do PAIGC, datado de 09 de Fevereiro de 1974, dezoito dias após a sua ocorrência, com a seguinte justificação:

"No coração da capital, os nossos militantes da cidade de Bissau assinalaram o primeiro aniversário do cobarde assassinato do camarada Amílcar Cabral [1924-1973], fundador, Secretário-Geral e activista n.º 1 do nosso Partido, por acções directas contra a presença de tropas de agressão portuguesas no nosso país.

Assim, no dia 21 de Janeiro [de 1974, 2.ª feira], pelas 20h45, junto ao Clube dos Sargentos do Exército colonialista, na rua Sá Carneiro [actual rua Eduardo Mondlane], dois autocarros Mercedes da Força Aérea Portuguesa foram totalmente destruídos pela explosão de engenhos colocados pelos militantes do nosso Partido. Na mesma noite, um carro da Polícia Política Portuguesa (PIDE/DGS) foi também destruído pela explosão de outro engenho, em frente à residência de um dos seus agentes, na avenida Gago Coutinho. Este carro tinha o número de matrícula - BI 7598 - e os dois autocarros os números AM-19-03 e AM-19-30."

  


Citação: (1974), "Communiqué (PAIGC)", Fundação Mário Soares / Arquivo Mário Pinto de Andrade,  Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_83995, com a devida vénia.


◙ O "CASO" OCORRIDO EM 22 DE FEVEREIRO DE 1974 (6.ª FEIRA)


A descrição deste episódio foi publicada em Comunicado do PAIGC, datado de 27 de Fevereiro de 1974, cinco dias após a sua ocorrência, com a seguinte justificação:

"Os militantes do nosso Partido, cumprindo estritamente a "palavra de ordem" da Direcção Superior do PAIGC de intensificar a nossa acção directa nos centros urbanos e em particular na cidade de Bissau, contra as tropas de agressão portuguesas, voltaram a atacar o inimigo com força:

No dia 22 de Fevereiro [de 1974, 6.ª feira], por volta das 19 horas, explosivos instalados pelos nossos combatentes explodiram dentro do edifício principal do Quartel-General da tropa de agressão portuguesa, em Bissau. As instalações e arquivos deste edifício, que albergava o Estado-Maior, o comando operacional e uma secção de justiça militar, sofreram enormes prejuízos.

As acções dos nossos combatentes nos centros urbanos são realizadas principalmente contra a infraestrutura militar do inimigo e contra os criminosos de guerra. Temos uma preocupação óbvia em salvar vidas humanas e direccionar sempre a nossa luta de libertação contra o principal inimigo: os colonialistas portugueses e as suas tropas de ocupação.

Esta acção de sabotagem contra o centro vital da agressão portuguesa na Guiné, a poucas centenas de metros do Palácio do Governador e Comandante-em-Chefe das forças colonialistas, aumenta a desmoralização que há muito se apodera dos soldados portugueses nas camadas dominantes do regime colonial na sua desastrosa aventura no nosso país."

 



Citação:
(1974), "Communiqué (PAIGC)", Fundação Mário Soares / Arquivo Mário Pinto de Andrade, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_83995, com a devida vénia.

 

● QUESTÃO DE PARTIDA:

   – CONFLITO DE DATAS APRESENTADAS PELO ABÍLIO MAGRO:


Citando Abílio Magro: (…) "O certo é que eu estava no cinema UDIB [no dia 22Fev74?] e o meu irmão Álvaro estava lá por perto, mas em 26/02/1974 já não estava na Guiné…" Então a data não pode ser outra – a de 22Fev74. Será assim?

► Fontes consultadas:

Ø (1) Instituição: Fundação Mário Soares. Pasta: 04315.002.026. Título: Communiqué (PAIGC). Assunto: Comunicado do PAIGC. Comemoração pelos militantes do PAIGC no coração de Bissau do 1.º Aniversário do assassinato de Amílcar Cabral, fundador, Secretário-Geral e militante n.º 1 do PAIGC, com acções directas contra a presença de tropas portuguesas, nomeadamente destruição de dois autocarros Mercedes da Força Aérea e um carro da Pide/DGS. Acções noutras zonas da Guiné. Data: Sábado, 9 de Fevereiro de 1974. Fundo: Arquivo Mário Pinto de Andrade. Tipo Documental:

Documentos.

Ø (2) Instituição: Fundação Mário Soares. Pasta: 04315.002.028. Título: Communiqué (PAIGC). Assunto: Comunicado do PAIGC. Palavra de Ordem da Direcção Superior do PAIGC de intensificação da acção directa nos centros urbanos, nomeadamente na cidade de Bissau, contra as tropas portuguesas de agressão, continua a ser posta em prática. Alvo: infraestruturas militares do inimigo e criminosos de guerra. Ataque, 22 FEV1974, ao quartel-general em Bissau. Data: Quarta, 27 de Fevereiro de 1974. Fundo: Arquivo Mário Pinto de Andrade. Tipo Documental: Documentos.

Com um forte abraço de amizade e votos de boa saúde.

Jorge Araújo.

16Mai2021
_______________

Nota do editor:

Guiné 61/74 - P22207: Notas de leitura (1357): "Impérios ao Sol, a luta pelo domínio de África”, por Lawrence James; Edições Saída de Emergência, 2018 (1) (Mário Beja Santos)


1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil Inf, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 31 de Julho de 2018:

Queridos amigos,
Uma condensação de valor apreciável sobre a constituição de impérios a partir do século XIX, as idiossincrasias, as motivações comerciais, o espírito missionário, os choques entre a França, a Grã-Bretanha e a Alemanha. Foi pena Lawrence James não ter estudado convenientemente o caso português, chega ao cúmulo, na hora da descolonização, de afirmar seraficamente que Portugal lutava em Angola e Moçambique e que o grande ideólogo da luta pela independência das colónias portuguesas era Agostinho Neto. Será lastimável se um especialista não lhe fizer chegar notícia do que significou a Guiné no fim do império.

Um abraço do
Mário


“Impérios ao Sol, A Luta pelo Domínio de África”, por Lawrence James (1)

Beja Santos

Vale a pena destacar os dois primeiros parágrafos do prefácio, para que o leitor saiba o que tem pela frente, trata-se de um autêntico e suculento prato de substância:
“Este livro expõe as transformações ocorridas em África ao longo dos séculos XIX e XX, uma época em que praticamente todo o continente passou a fazer parte dos impérios globais europeus. Trata-se de uma história sobre os conflitos de poder entre nações e entre governantes e governados. A mudança provocou conflitos, pois foi imposta a partir de cima por estrangeiros que a denominavam progresso e afiançavam que este seria uma fonte de proventos para eles e para os seus súbditos africanos. Alguns assentiram, cooperaram com os invasores e alcançaram a prosperidade, outros resistiram. As guerras de conquista e pacificação arrastaram-se por mais de um século, findando apenas com a subjugação da Abissínia pela Itália, em 1936. O conflito foi sempre um fenómeno endémico em África, mas os europeus entraram no continente levando consigo os avanços mais recentes da tecnologia militar. Na fase inicial da conquista, as metralhadoras representavam uma enorme vantagem para as suas forças e, durante as décadas de 1920 e 1930, espanhóis, franceses e italianos mobilizaram bombardeiros, carros de combate e gás mostarda contra marroquinos, líbios e abissínios.
O continente foi arrastado para as duas guerras mundiais que custaram à Alemanha, primeiro, e depois à Itália, as suas colónias. Mais de um milhão de africanos alistaram-se como voluntários ou foram recrutados para combater no Exército, muitos em longínquas frentes de combate. Durante a II Guerra Mundial, os soldados negros das colónias britânicas combateram as tropas japonesas na Birmânia, enquanto argelinos e marroquinos serviram ao lado das forças francesas contra os alemães, em Itália e na Europa Ocidental. Os veteranos regressaram a casa orgulhosos, perplexos e zangados. Fora-lhes dito que arriscavam a sua vida pela liberdade universal e em prol de um mundo melhor, mas a ordem imperial continuava enraizada em África”
.

“Impérios ao Sol, a luta pelo domínio de África”, por Lawrence James, Edições Saída de Emergência, 2018, põe em imenso ecrã as ambiguidades deste conceito de progresso e de missão civilizadora e de ocupação que se forjou a partir de 1830, aproximadamente; desvela uma luta sem quartel para tomar posse de domínios por todo o continente, entre 1882 e 1918, no Egito e no Sudão, na África Austral, no Congo, em combate religioso; assistimos à ascensão dos nacionalismos, a presença de contingentes africanos em duas guerras mundiais para medir as consequências do que se seguiu, aproveitando a boleia da Guerra Fria; e de 1945 a 1990 o continente africano foi mudando de look, todos os povos se encaminharam para a independência; e assim chegamos aos últimos dias da África branca.

Por volta de 1830, a presença europeia em África mudou de slogan, passou-se a falar sistematicamente de missão civilizadora, o que durante séculos colonizadores franceses, espanhóis, holandeses, portugueses e britânicos tinham praticado era tráfico de escravos, criação de entrepostos comerciais e uma certa presença missionária. Um novo modelo capitalista punha tudo em questão, logo em 1807 a Grã-Bretanha proibira o tráfico de escravos e o comércio negreiro declinou. Como o autor observa, a cruzada antiesclavagista empreendida pela Grã-Bretanha coincidiu com o apogeu da Revolução Industrial, entrara-se na euforia das manufaturas, era preciso fazer chegar aos consumidores africanos esses produtos manufaturados, e nada melhor do que falar em progresso, em ciência, em civilização, bons pretextos para viagens científicas e conhecer as riquezas de solo e subsolo, do vastíssimo continente. Novos e velhos impérios passaram a conflituar, não lhes faltava poder expansionista: a Grã-Bretanha queria proteger solidamente a Rota do Cabo, os russos lançavam-se num ambicioso programa expansionista, a França pós-napoleónica suspirava por pôr um pé no Norte de África, começou pela Argélia, o Império Otomano abrangia do Sudeste da Europa à Turquia, Médio Oriente e Norte de África, entrara em desagregação, o Egito, a Tunísia e a Argélia eram Estados praticamente independentes.
Mas estamos numa época em que os conhecimentos sobre a natureza das sociedades africanas situadas nas regiões para lá do Sara, da África Ocidental e da Colónia do Cabo eram pouco mais do que vagos.

As potências com apetites imperiais conheciam a violência endémica africana, o comércio negreiro praticado pelos árabes à cabeça e a própria cultura europeia tinha o que hoje se pode considerar ideias aberrantes sobre os africanos, como o próprio autor observa. Lineu, o naturalista, catalogou o negro como ignorante. O filósofo David Hume pensava que as faculdades intelectuais de um negro se assemelhavam às de um papagaio enquanto John Wesley via nas suas imperfeições a prova da capacidade do homem para a degeneração moral. Estavam espalhados os conceitos de inferioridade africana, muitos deles ligados ao tráfico negreiro: o negro seria devasso, cobarde, indolente, cruel, supersticioso, antropófago. Essas ideias passaram a ser contestadas desde o século XIX, quer pelo romantismo, quer pela religião evangélica. Os românticos defendiam com insistência que o negro tinha sentimentos como o resto da humanidade e os evangélicos acreditavam que a sua conversão ao Cristianismo completaria a sua felicidade.

O autor é detalhado sobre a problemática da escravatura e o tráfico de escravos, concluindo que “A guerra mais ou menos isolada travada pela Grã-Bretanha contra o comércio de escravos alcançou um enorme êxito. Entre 1810 e 1864, a Royal Navy libertou 150 mil escravos. Em 1864, o comércio atlântico encontrava-se em rápido declínio e as operações no Oceano Índico sofreram um duro golpe, embora não fatal. Restava o comércio no interior do continente africano, favorecido pela distância geográfica e pela solidariedade dos regimes locais”. Nesse mesmo século XIX, vão multiplicar-se as missões cristãs, acarretarão tensões de toda a ordem: cismas, caráter concorrencial entre igrejas cristãs, diabolização de comportamentos que deixavam os africanos em fúria, guerra à feitiçaria, embate entre os pregadores cristãos e os islâmicos, a chegada da medicina praticada pelos missionários pondo de parte as técnicas dos curandeiros. O quinino foi mais forte que o curandeirismo, as escolas foram ganhando simpatia, era o triunfo da missão civilizadora enquanto a França conquistava a Argélia, a Grã-Bretanha se apropriava da África do Sul, resolvendo a seu contento a questão bóer e consolidando a supremacia branca enquanto o continente africano era percorrido de lés a lés por exploradores de várias nacionalidades. Lawrence James dá-nos o perfil dos grandes exploradores e as suas idiossincrasias e o retrato de uma das figuras mais ignóbeis do colonialismo, Leopoldo II da Bélgica, exprime-se deste modo:
“O monarca Leopoldo dedicou a sua vida a fazer dinheiro nos territórios ultramarinos. Entreteve-se com alguns projetos nas Ilhas Orientais e na América do Sul, mas em meados da década de 1870 persuadiu-se de que conseguia fazer fortuna em África. Agiu com deslealdade e astúcia, apresentando-se inicialmente como filantropo e patrono da investigação científica. Sob esta máscara, e apoiando-se no seu estatuto régio para conseguir legitimidade, convocou uma conferência, em 1876, para discutir a descolonização da África Central. O resultado foi a criação da Association Internationale Africaine, uma organização de fachada, enganadoramente benévola, que depressa se transformou no Comité d’Études du Haut Congo, investida de uma missão humanitária igualmente falsa”.

Vamos agora entrar na segunda parte do trabalho, a partilha de África, nem tudo será cor-de-rosa.

(Continua)
Leopoldo II da Bélgica
Encontro de Stanley com Livingstone
____________

Nota do editor

Último poste da série de 16 DE MAIO DE 2021 > Guiné 61/74 - P22205: Notas de leitura (1356): Lembrando livros do Beja Santos sobre a Guiné (João Crisóstomo, ex-Alf Mil da CCAÇ 1439)

Guiné 61/74 - P22206: Depois de Canchungo, Mansoa e Cufar, 1972/74: No Espelho do Mundo (António Graça de Abreu) - Parte V: Egipto, Alexandria, 2011






Egito, Alexandria> 2011


Texto e fotos de António Graça de Abreu, enviados em 10/5/2021. Continuação da série "Depois de Canchungo, Mansoa e Cufar, 1972/74: No Espelho do Mundo" (*), da autoria de António Graca de Abreu [, ex-alf mil, CAOP1, Canchungo, Mansoa e Cufar, 1972/74: escritor e docente universitário, sinólogo (escialista em língua, literatura e história da China); natural do Porto, vive em Cascais; é autor de mais de 20 títulos, entre eles, "Diário da Guiné: Lama, Sangue e Água Pura" (Lisboa: Guerra & Paz Editores, 2007, 220 pp); "globetrotter", viajante compulsivo com duas voltas em mundo, em cruzeiros, é membro da nossa Tabanca Grande desde 2007, tem mais de 270 referências no blogue]


Alexandria, Egipto, 2011

Oh, Alexandria, velha cidade grega, velha cidade bizantina, onde estás? Onde estão os teus quatro mil banhos, os teus quatro mil circos, os teus quatro mil jardins? Onde estão os teus dez mil mercadores e os doze mil judeus que pagavam tributo ao santo califa Omar? Onde estão as tuas bibliotecas, e os teus palácios egípcios, e o jardim maravilhoso de Ceres?

Eça de Queirós, em A Relíquia


Em 2011, venho pelas águas brandas do Mediterrâneo, meio iluminado pela luz turva do
farol, maravilha do mundo, há quase dois milénios inexistente. Entro na cidade pelo lado do istmo no mar, pela sombra da fortaleza. 

A minha Cleópatra chinesa cobre-se com véus do islão para não ofender crenças locais. Meio inseguros, passeamos entre as gentes. Alexandre, o Grande, há vinte e três séculos inventor do burgo, permanece há muito, silencioso, no vazio. Júlio César, envelhecido numa nuvem, ressona. Abandonada a terra pelos filhos de Roma, chegou, século após século, em avalanches, o grito e o estar dos bons seguidores de Mafoma.

Hoje, sexta-feira, milhares de fiéis muçulmanos reverenciam Alá e Maomé nas mesquitas, ou lá fora, onde ajoelham em alfombras gastas, espalhadas no chão de Alexandria, por tudo quanto á espaço aparentemente feliz nas ruas da cidade.

Caminho. Subo pela grande biblioteca, engenho aprimorado dos homens São os escritos do perpassar de cinco mil anos. Sobraço um volume sobre a China e leio. Vou-me perdendo, ao acaso, no tempo do tempo que adormece. Lá fora, desvanecendo-se, a noite anoitece.

António Graça de Abreu

Texto recebido em 5 de maio de 2021
__________

Nota do editor:

domingo, 16 de maio de 2021

Guiné 61/74 - P22205: Notas de leitura (1356): Lembrando livros do Beja Santos sobre a Guiné (João Crisóstomo, ex-Alf Mil da CCAÇ 1439)


1. Mensagem do nosso camarada João Crisóstomo, ex-Alf Mil, CCAÇ 1439 (EnxaléPorto Gole e Missirá, 1965/67), com data de 4 de Maio de 2021:

Meus caros,
Era minha intenção enviar um simples E-mail apenas ao Beja Santos, mas achei que não seria descabido desenvolver o que queria dizer e enviá-lo também ao Luis Graca e ao “nosso” blogue.


O que segue não é novidade nenhuma para a maioria dos camaradas; mas pode servir a ajudar a refrescar memórias para uns e para aqueles que ingressaram as fileiras do nosso blogue nos últimos anos, para quem a Guiné diz alguma coisa, talvez possa servir como motivação para adquirirem este, e possivelmente outros livros do Beja Santos. E com isso usufruirem duma experiência a todos os títulos excepcional.

Falo do livro “Diário da Guiné”, trabalho do Beja Santos publicado em dois livros: "1968-1969 Na Terra dos Soncó”, que adquiri numa feira do livro em Lisboa em 2009 e "1969-1970 O Tigre Vadio” que o autor, que vim a conhecer no primeiro livro, fez o favor de me oferecer. A este trabalho seguiram-se outros, como "Mulher Grande", publicado em 2011 e "A Viagem do Tangomau" em 2012.

O primeiro, "1968-1969 Na Terra dos Soncó”, foi a minha porta de entrada para o blogue e com este muitas memórias e amizades que hoje enriquecem a minha vida. A leitura do primeiro foi uma enxurrada de emoções, pois que por muito tempo eu procurava encontrar algo que me falasse da Guiné. E nesse livro vim encontrar não só algo sobre a Guiné, mas precisamente sobre as gentes e os sítios que eu conhecia e de quem tinha muitas saudades; e ainda por cima escrito por alguém que esteve nos mesmos lugares e conhecia e tinha vivido com as mesmas pessoas que eu.

Depois desse primeiro livro veio o segundo "1969-1970 O Tigre Vadio”. Estava nessa altura bastante envolvido com outros assuntos e o tempo disponível não era muito; como não sou de leituras rápidas, limitei-me a ler por alto as partes que me pareceram mais pertinentes e pus o livro de lado para o reler com mais tempo quando ocasião se proporcionasse.
Razões de saúde, logo seguidas pela situação de meio encarceramento devido à pandemia, deram-me finalmente ocasião de pegar de novo nestes livros. Sinto-me na obrigação de pedir desculpas ao Beja Santos pelo atraso e dizer-lhe embora muito tarde da minha muita gratidão e admiração por este grande livro. Sobre a Guiné, não será uma enciclopédia, mas tem sabores a isso tal a diversidade e âmbito dos assuntos aí versados.

E é esta a razão que me levou a escrever para o blogue: sem ser preciso ler muitos livros sobre a Guiné, ao ler-se este "1969-1970 O Tigre Vadio”, além do prazer que uma boa leitura proporciona sempre, fica-se com uma idéia do que foi a Guiné de há muitos anos; a Guiné do tempo da colonização portuguesa e do tempo desde o começo da guerra de libertação até à sua independência.

Aparte o assunto Guiné, este livro é uma cornucópia em outros campos, nomeadamente literatura Portuguesa e universal, que a bagagem intelectual do Beja Santos neste campo parece inesgotável. Não acreditaria que tal fosse possível, mas rendi-me à evidencia ao ler os seus comentários sobre alguns, dos poucos livros que já tive ocasião de ler e que são mencionados neste seu livro.


Não fiquei surpreendido que o lançamento do livro, além duma dezena de posts no nosso blogue que valem a pena ser lidos (basta escrever "Beja Santos Tigre Vadio” como eu fiz), tenha sido abrilhantada pela presença de gente ilustre como foi o caso do general Lemos Pires que bem se exprimiu ao dizer que este trabalho do Beja Santos é “ a afirmação do autor como comandante e como homem” e de muitos outros, como o Luís Graça, comandante de todos nós, que poude deixar deixar de mencionar um dos fios mais encantadores da meada deste livro que foi o tempo de preparação para o casamento do Beja Santos, uma "verdadeira história de amor em tempo de guerra”.

O livro termina com uma carta de Ruy Cinatti, com quem Beja Santos se correspondia e tratava como um pai querido, que em duas linhas comenta a experiência do autor na Guiné e simultaneamente lhe dá as boas vindas:
 "Você veio diferente, veio liberto e melhor preparado para lutar na vida. Não se arrependa pelo amor que deu e recebeu. É bom tê-lo de volta. Não se esqueça do que viveu. Não se esqueça do que sofreu. Transforme tudo em dívida consigo".

Depois de ler este livro a segunda vez fiquei saber muito mais sobre a Guiné! E a admirar ainda mais o nosso Beja Santos. Bem haja!

João Crisóstomo, Nova Iorque
____________

Nota do editor

Último poste da série de 10 DE MAIO DE 2021 > Guiné 61/74 - P22189: Notas de leitura (1355): "Vem Comigo à Guerra do Ultramar", por António Luís Monteiro da Graça (Mário Beja Santos)

Guiné 61/74 - P22204: Blogpoesia (735): "Brunir o fato"; Abram as portas!..."; "Brincar à macaca" e "Dum momento para o outro", da autoria de J. L. Mendes Gomes, ex-Alf Mil Inf da CCAÇ 728

1. Publicação semanal de poesia da autoria do nosso camarada Joaquim Luís Mendes Gomes (ex-Alf Mil Inf da CCAÇ 728, CachilCatió e Bissau, 1964/66):


Brunir o fato

Houve tempo que era imperdoável vestir o fato mal brunido.
A aparência era muito importante. Era um valor.
Depois, vieram as engomadeiras nos supermercados.
A gente levava o saco da roupa e ela fazia o resto.
Muito prático. Barato e poupava-se para viver.
Bons tempos. Quando a aparência era um valor.


Berlim, 10 de Maio de 2021
Jlmg


********************

Abram as portas!...

Com as portas fechadas,
Nada acontece que se veja cá fora.
É preciso dar o que sobra a quem precisa ou que pede.
Aferrolhar só para ter, é má atitude.
Diz muito mal de nós.
A soberba morre seca e abandonada no chao.
Não valeria a pena viver se todos fôssemos soberbos assim...


Berlim, 11 de Maio de 2021
14h59m
Jlmg


********************

Brincar à macaca

Tanto se brincava à macaca na escola!...
Uma fantasia.
A imaginação da pequenada fazia o resto.
Rapazes e raparigas. Não importava.
Não havia patelas. Só pedrinhas e cacos.
Uma subida em escalada.
A habilidade galardova os habilidosos.
Com jeito, pouco ou muito.
Se passavam os recreios na escola,
Enquanto o professor fuma va um cigarro
E a professora fazia crochet.
Tempos felizes...


Berlim, 13 de Maio de 2021
8h55m


********************

Dum momento para o outro

Dum momento para o outro, tudo pode ficar diferente.
Para melhor ou para pior.
A vida é transformação.
Mudam as formas e aparências.
Vem uma doença e enegrece a nossa vida.
Nessa altura damos valor aquilo que tínhamos à mão e não davamos valor.
Temos de nos contentarmos com o que temos.
O que vier de bom será benvindo.
O sabor da vida está no equilíbrio e na satisfação com o que dá e chega.
Quanto mais se tem mais se quer.
Daí a infelicidade constante...


Berlim, 14 de Maio de 2021
15h14m
Jlmg

____________

Nota do editor

Último poste da série de 9 DE MAIO DE 2021 > Guiné 61/74 - P22184: Blogpoesia (734): "Trovada em Berlim"; Poema da tarde"; "Vale das lamentações" e "Abrir as portas", da autoria de J. L. Mendes Gomes, ex-Alf Mil Inf da CCAÇ 728

sábado, 15 de maio de 2021

Guiné 61/74 - P22203: Os nossos seres, saberes e lazeres (451): Lembranças para Gonçalo Ribeiro Telles (1) (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil Inf, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 25 de Março de 2021:

Queridos amigos,
Sucede que aqui há uns tempos, ao selecionar imagens para ilustrar um episódio da Rua do Eclipse, encontrei uma fotografia de um dos colóquios em que participei ao lado de Gonçalo Ribeiro Telles, e dei comigo a pensar no agradável convívio que ele proporcionara a largas dezenas de participantes de uma tal quinzena cultural bancária, seguramente no início da década de 1990, tudo à volta da Rua das Portas de Santo Antão até ao Conde Redondo, enfim, as imediações da sede do Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas, foi um comentador brilhante, coube-lhe escolher os edifícios, fazer os comentários em torno do planeamento urbano, explicou-nos a importância daquele itinerário que possuía uma linearidade que escapava à generalidade dos peões - o caminho percorrido pelos saloios que vinham da Praça da Ribeira e que seguiam em direção às Portas de Benfica.
Para meu enlevo, cirandou-se dentro da Sociedade de Geografia de Lisboa, e agora, ao refazer o percurso de há trinta anos atrás não deixei de me alegrar por ver requalificações e intervenções que alteraram muito positivamente esta zona de Lisboa, que estava profundamente degradada. E, claro está, parei junto da porta do prédio onde Gonçalo Ribeiro Telles vivia na Rua de São José, e recordei com saudade o visionário e lutador por melhor ambiente que perdemos recentemente.

Um abraço do
Mário


Lembranças para Gonçalo Ribeiro Telles (1)

Mário Beja Santos

Conheci nos anos 1970 Gonçalo Ribeiro Telles quando para mim já era inevitável a estreita aliança entre os modos de consumo e ambientalmente sustentáveis, questão imperativa e indiscutível. Deu-me oportunidade de conversarmos a tal propósito, o rumo dos acontecimentos associativos levou-nos a conviver em conferências e debates, muito aprendi com ele, ensinou-me a olhar a organização de uma rua, os formatos de uma paisagem, o significado das hortas urbanas, o cruzamento das parcelas ou componentes que enformam o que designamos por qualidade de vida. E os anos passaram.

Aí por 1991 ou 1992, o presidente da Direção dos Bancários Sul e Ilhas, Barbosa de Oliveira, pediu-me para conversarmos. Fui à Rua de São José e aí o dirigente sindical convidou-me para coordenar uma quinzena cultural bancária, eu que escolhesse o mote e propusesse os eventos respetivos. Foi então que me surgiu a ideia de propor como tema inicial uma viagem à volta da sede do sindicato, e assomou-me a sugestão de perguntar ao Gonçalo Ribeiro Telles, que vivia nas redondezas da sede do sindicato, se aceitava ser guia e mestre de conferência de uma visita, sugeri que começássemos na Rua das Portas de Santo Antão e prolongássemos até à Rua de Santa Marta. Contrapropôs que se fizesse uma descrição da linearidade do percurso e a sua história e que se escolhessem edifícios de referência, uns com valor patrimonial arquitetónico de significado, outros associados à memória dos lugares.

Juntaram-se quase uma centena de participantes no passeio de rua e as apreciações finais correram na sede do sindicato. No final, para minha gratificação, ouvi desses mesmos participantes comentários elogiosos ao pioneiro da política ambiental em Portugal. Do resto da quinzena, onde participaram Jacinto Batista, jornalista emérito que coordenou uma visita-guiada ao mundo jornalístico e sindical no coração do Bairro Alto, sessões de cinema que contaram com o apoio do último cineclube de Lisboa, o ABC, e algo mais aqui não tem sentido relevar, homenageia-se o arquiteto paisagista e pioneiro do ambientalismo em Portugal, falecido em 2020, com 98 anos de idade. Começámos na Sociedade de Geografia, um pouco antes houve pormenores explicativos de um enfiamento de caminhos, explicação que nos deixou de boca aberta: quem comerciava na Praça da Figueira e arredores, gente saloia, seguia com as suas carroças pela Rua das Portas de Santo Antão, Rua de São José, Rua de Santa Marta, e ali no Conde Redondo fazia-se uma deriva para São Sebastião da Pedreira, e encaminhava-se para as Portas de Benfica, nós que atendêssemos que era quase tudo a direito. Quanto aos problemas ambientais, eles vinham de longe, foram-se montando, século após século, obstáculos para as linhas de água, e os resultados estavam à vista com as inundações. Feitos comentários à Casa do Alentejo e à Igreja de São Luís dos Franceses, houve paragem na Sociedade de Geografia, fundada em 1875, incorporada no edifício do Coliseu dos Recreios. Referiu a esplêndida arquitetura de ferro, com destaque para a Sala Portugal, não esqueceu a Sala dos Padrões e a Sala da Índia, e para minha satisfação subiu-se à biblioteca, espaço imprescindível para quem estuda História dos Descobrimentos e Expansão Portuguesa. É uma biblioteca riquíssima, foi integrando várias bibliotecas, espólios e fundos, possui um acervo riquíssimo de cartografia antiga e atual, provas fotográficas de indiscutível valor e fez-se um curto passeio pelo espólio do museu, muitos dos participantes andavam maravilhados.
Entrada para a Biblioteca da Sociedade de Geografia de Lisboa
Arquivo de cartas geográficas junto da Biblioteca
Sala da Biblioteca da Sociedade de Geografia de Lisboa
Retrato do Almirante Gago Coutinho na Biblioteca da Sociedade de Geografia de Lisboa
Busto em mármore do Marquês Sá da Bandeira, foi ele quem decretou a abolição da escravatura, também à entrada da Biblioteca.

Subimos uma rampa junto ao coliseu para visualizar e admirar o Teatro Politeama, inaugurado em 6 de dezembro de 1913, estiveram no ato o presidente Arriaga e o primeiro-ministro Afonso Costa. Tem conhecido consideráveis modificações no seu interior, aqui atuaram na década de 1930 artistas musicais de renome quando a Sociedade de Concertos de Lisboa, fundada por Viana da Mota, aqui teve a sua sala de grandes récitas, o Teatro Nacional de São Carlos entrara em obras, não se encontrou sala com melhor acústica do que esta.

Velha fotografia do Ateneu Comercial de Lisboa
Ateneu Comercial nos bons tempos de atividade, hoje está em profunda decadência e vai ser hotel de luxo. Houve paragem e comentários em frente ao antigo Palácio dos Condes de Povolide, Gonçalo Ribeiro Telles referiu as consequências do terramoto que fizeram desabar o primeiro andar e daí a alteração de estilos entre o nível ao rés-do-chão e o andar superior. Naquele tempo da semana cultural bancária ainda existia a Cervejaria Solmar, espaço obrigatório para os amantes da marisqueira de bolsa abonada.

Prédios renovados na Rua de São José, quase em frente da Cooperativa Militar, no início da Rua de São José

O nosso guia falava de igrejas, de palácios, de configurações ajardinadas, não esqueceu mesmo fazer referências ao Elevador do Lavra, sugeriu que mais tarde organizássemos um outro passeio como a descida da Calçada de Santana, começando pelos Jardins do Torel e vizinhança, e passando a Rua do Telhal, deparou-se diante da Igreja de São José dos Carpinteiros, também sofreu com o terramoto esta igreja iniciada no século XVI, guarda o que resta do acervo da Casa dos 24, quando faleceu o arquiteto paisagista, foi aqui que a Câmara Municipal abriu em sua homenagem uma exposição referente à sua obra

Fachada da Igreja de São José dos Carpinteiros
Interior da Igreja de São José dos Carpinteiros
Um belo azulejo de uma loja que já teve outro passado.

Nova paragem, o nosso guia comenta a natureza destas travessas longilíneas, o seu casario de antanho, o tipo de comércio existente, naquele tempo predominavam lojas de antiguidades e de bricabraque, mas também comércio de comidas, e observou que tinha para ali referência a muitas tascas e tasquinhos, bem conhecidos pelos saloios que precisavam de amesendar, bebericar e até satisfazer necessidades, a viagem era longa até chegar aos seus destinos. Também aqui se faz um alto, a viagem prossegue para a semana, este itinerário histórico da Lisboa antiga tem muito mais para contar.

(continua)
____________

Nota do editor

Último poste da série de 8 DE MAIO DE 2021 > Guiné 61/74 - P22182: Os nossos seres, saberes e lazeres (450): Quando vi nascer a Avenida de Roma (7) (Mário Beja Santos)