sábado, 15 de agosto de 2020

Guiné 61/74 - P21256: Os nossos seres, saberes e lazeres (406): No Alto Minho, lancei âncora na Ribeira Lima (2) (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil Inf, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 20 de Março de 2020:

Queridos amigos,
Recém-chegado, começo a sentir que o Lima é a veia cava deste povoado que se pode orgulhar de fazer parte do berço da nacionalidade. Aqui estou, em respeitosa memória de um querido amigo nonagenário que me deixou inconsolável com a sua partida. Era um homem de cultura desmesurada, nela cabiam o sebastianismo, as querelas sobre as origens de Cristóvão Colombo, o integralismo lusitano, toda a história do Estado Novo e mais recentemente o espetro das direitas radicais em Portugal, mas também a literatura contemporânea, o surrealismo literário e as suas respetivas Artes Plásticas, o fim da monarquia e toda a questão monárquica desde a morte de D. Manuel II. Foram catorze anos de leituras onde se saltava de Paiva Couceiro para a correspondência entre Mário Cesariny e Maria Helena Vieira da Silva, os jornais do Alto Minho eram um enxame de abelhas, possuo a cátedra da informação, até a necrologia se lia. Fui igualmente seu confidente, e recordo um episódio quase truculento já que o seu espetro de curiosidades abrangia a genealogia e a heráldica. Um dia, numa dessas reuniões de aficionados da genealogia, o Carlos Miguel ouvia um certo Peixoto, não sei se de Penalva do Castelo ou Paredes de Coura, gabava-se de ter familiares já identificados do século XVI, o Carlos Miguel respondeu-lhe que era descendente de D. Afonso Henriques. Embasbacado, o tal Peixoto pediu-lhe o como e o porquê. "Meu caro senhor, o nosso primeiro rei teria, se tivesse, aí uns 40 ou 50 mil portucalenses no território. Há notícia que bastardos eram pelo menos 50, não me venha dizer que não me coube uma pinga de sangue real...". O Peixoto emudeceu. Ultraconservador, não se cansava de elogiar os romances de José Saramago. Era assim que praticava a integridade, não se coibindo, por vezes, de ser truculento, mas sempre se arrependia.
Por isto e por muito mais, estou feliz por ter vindo a Ponte de Lima.

Um abraço do
Mário


No Alto Minho, lancei âncora na Ribeira Lima (2)

Mário Beja Santos

Em quantas leituras a Carlos Miguel de Abreu de Lima de Araújo apareceu a Ribeira Lima? Não têm conta. Na obra Alto Minho, do professor Carlos Alberto Ferreira de Almeida, o cântico do lugar é muito poderoso, o que é geografia prevalece: “A mais bucólica e celebrada ribeira portuguesa, a do Lima, a de Diogo Bernardes e António Feijó, tem o seu coração em terras de Ponte. É na área deste concelho que as suas veigas e alvéolos se abrem mais, oferecendo-nos, entre as encostas abruptas da Serra d’Arga e os cumes do Oural, um enorme anfiteatro que o rio drena, axializa e parece não querer deixar”. De facto, há qualquer coisa de magnético, passeia-se na Avenida dos Plátanos, o olhar pode ir até ao fundo, até aos esporões da Serra de Antelas, mas é sempre o Lima a que nos fixamos. Aqui começa a caminhada do dia de hoje, deixa-se para depois o casco histórico, passou a ponte romana e medieval, as torres da Cadeia Velha e de São Paulo, há a esperança de bisbilhotar o Teatro Diogo Bernardes, será imperioso, em homenagem ao meu querido amigo recentemente partido visitar a Biblioteca Municipal e o arquivo, por ora contempla-se a fachada da Igreja de Nossa Senhora da Guia, de um barroco sóbrio, está fechada, não terei nesta viagem circunstância de admirar os seus belos azulejos. Avança-se então para o Museu dos Terceiros.




Este museu é uma referência na Arte Sacra no norte do país, reabriu em 2008, quem visite Ponte de Lima tem tudo a ganhar com a sua visita. Há o museu e há o jardim, a vila mais antiga de Portugal dá enormes sugestões para a Rota das Camélias, ainda irei encontrar muitas.


O museu encontra-se instalado em duas casas religiosas associadas à Ordem Franciscana: o extinto Convento de Santo António dos Capuchos e o edifício da Ordem Terceira de São Francisco. É indissociável da história de Ponte de Lima pois a parte remanescente do convento foi fundada em finais do século XV por D. Leonel de Lima, alcaide da vila, formada por igreja, por capela da Senhora da Graça e pela sacristia. Riqueza não falta à igreja e até pormenores que assombram. Ora vejam.


A sacristia é de uma enorme exuberância, vem na sequência da igreja da Ordem Terceira, edificada entre 1745-1747, aqui se podem contemplar riquezas em retábulos, púlpitos e sanefas de desenho rococó. É para ver e não esquecer.





O museu foi constituído na década de 1970, com a criação do Instituto Limiano – Museu dos Terceiros. O restauro foi decidido em 2002 e aqui fica uma pálida amostra deste património espetacular.





Ponte de Lima tem a fama e o proveito dos belos jardins, das camélias, azáleas e rododendros, entre outra flora maravilhosa. A Avenida dos Plátanos, oferecendo sombra no verão, contraste de folhas no outono e o seu tapete de folhas caídas ou plátanos nus, sempre majestosos, como agora os vejo, é um dos ícones este mundo florido de jardins, parques e praças, mas também de largos e casas, como iremos ver adiante na Casa de Nossa Senhora da Aurora. Este é o Jardim dos Terceiros, a beijar o Convento de Santo António e dos Terceiros, são uma recuperação, houve estudo que veio permitir uma simulação do provável traçado do antigo jardim. Os jardins conventuais não eram local por onde qualquer um deambulasse, serviam para contemplação e cultivo de plantas medicinais e de temperos. Por isso este jardim que ora percorro organiza-se em espaços de cultivo de plantas medicinais, temos também o jardim dos cheiros e o jardim dos temperos. Está na hora de almoçar, apetece-me um bom caldo verde e uns filetes com aquele arrozinho sem igual que acompanha qualquer prato, depois uma pequena volta pela vila e segue-se para Ponte da Barca.

Jardim dos Terceiros

(continua)
____________

Nota do editor

Último poste da série de 8 de agosto de 2020 > Guiné 61/74 - P21235: Os nossos seres, saberes e lazeres (405): No Alto Minho, lancei âncora na Ribeira Lima (1) (Mário Beja Santos)

Guiné 61/74 - P21255: 16 anos a blogar (15): A Mãe-de-água e as Fontelas (Francisco Baptista, ex-Alf Mil Inf)

1. Mensagem do nosso camarada Francisco Baptista (ex-Alf Mil Inf da CCAÇ 2616/BCAÇ 2892 (Buba, 1970/71) e CART 2732 (Mansabá, 1971/72), autor do livro "Brunhoso, Era o Tempo das Segadas - Na Guiné, o Capim Ardia", com data de 14 de Agosto de 2020, para nos fala mais uma vez do povo de Trás-os-Montes, seus usos e costumes:


A MÃE-DE-ÁGUA E AS FONTELAS

Francisco Baptista

São sete homens, é meio-dia, de um qualquer dia de Julho, o calor aperta nas serranias transmontanas, abrem as sacas de linho ou estopa e retiram, o pão, o chouriço, o presunto, o toucinho, o frango assado, ovos cozidos ou omeletes, tiram dos bolsos das calças as navalhas de Palaçoulo, já gastas pelo uso, o almoço de cada um que varia entre todos estes produtos, vai começar, debaixo de sobreiros altos que ensombram a "fontela" da água que brota à superfície da terra, com que matarão a sede. Há também algum vinho numa "cabaça" que passará de mão em mão e de boca em boca, para revigorar as forças..

Cinco homens feitos, já todos chefes de família, são tiradores de cortiça, enrijecidos e queimados, pelo trabalho e pela exposição solar, com as mãos calejadas e negras pelo contacto frequente com o "verde" das tábuas de cortiça. O sexto homem, forte e atlético é o patrão, que orienta e ajuda na tiragem da cortiça sempre com a preocupação de que não se estraguem as árvores. O sétimo é um dos filhos dele que tanto poderá ter treze como vinte anos e tem por missão pintar nos sobreiros descortiçados o ano da tiragem e as iniciais do proprietário e transportar às costas a cortiça para as "rodeiras" onde possam ir os carros de vacas. Se tiver energia, curiosidade e habilidade para tal, poderá também subir aos sobreiros e colaborar na tiragem, o mais velho deles tinha. A cortiça para ter uma grossura razoável para ser vendida para as fábricas de Fiães e Lourosa, por lei, tem que ter pelo menos nove anos de crescimento, que qualquer pessoa pode ler nela, pois cada ano faz uma marca.

Nesse tempo, última metade do século passado, havia na aldeia cerca de quinze tiradores de cortiça, poucas aldeias de Trás-os-Montes, teriam tantos. Hoje por causa das alterações climáticas e das secas que tem provocado a morte de milhares de sobreiros, a produção de cortiça é muito menor, porém os tiradores de cortiça muitos filhos ou netos desses, continuam a ser no mesmo número.

A tiragem da cortiça é dos poucos trabalhos agrícolas que ainda não é mecanizável, tal como no passado e não o será no futuro penso eu. Trabalho humano, muito duro, mesmo para retirar as tábuas mais largas do tronco, que sai da terra, requer muita destreza e equilíbrio, quando se sobe aos canos. Usam uma machada própria, por ferramenta principal e uma panca, pau rijo e comprido, em cunha, a que alguns chamavam Vicente, (como se fosse mais um trabalhador) para ajudar. Trabalho de preferência, em grupo, por ser mais rentável e seguro. Antigamente, porque a cortiça era muita, a colheita da aldeia ocupava-lhes todo o tempo, agora que é menor, os novos corticeiros vão a aldeias próximas e percorrem ainda as Beiras e o Ribatejo enquanto o tempo o permite.

Brunhoso persiste em não ficar parado e em tentar sobreviver à desertificação. Há jovens empresários na aldeia que se esforçam tanto nesta como noutras áreas por criar trabalho e rendimento para eles e para os outros A cena do almoço, a que eles chamam merenda, (é a seco, a comida não é cozinhada ao lume) passa-se na Lagariça onde há a maior mancha de sobreiros de Brunhoso. O mais novo terá também por tarefa, transportar água da fontela sempre que os trabalhadores tenham sede.

Depois de alguns dias na Lagariça cenas semelhantes se repetirão na Hortelã, Fonte da Dona, Ferreiros, Fonte do Buraco, Fonte do Junco, Relva, Azinhal, Gaiteiro, Ribeira, Entre-Caminhos, Cova dos Lobos, Escaleiras.

Hortelã 

Lagariça

Bem perto, a um quilómetro, fica a Fonte da Dona, onde os homens almoçavam debaixo de um grande sobreiro. Tanto a água desta fonte como a da Lagariça embora fresca não era muito saborosa, talvez por causa das raízes dos sobreiros ou das folhas que caíam e que muitas vezes apodreciam lá dentro, pois a limpeza era sazonal, quando alguém aparecia.
Do outro lado no "avessedo" é a Hortelã, onde existe a mata mais densa de sobreiros, muitos quilómetros ao redor, lá não há fontes ou fontelas.

Fontela da Fonte da Dona 

Fontela da Lagariça (encoberta) 

Fontela de Juncais, com corcha de cortiça

Uma corcha, mais visivel

Descendo mais um quilómetro na direcção do Sabor existe o sobreiral dos Ferreiros com uma fontela num olival próximo onde havia também uma macieira com boas malapas (maçãs pequenas e saborosas) Quando não havia fontelas tinha que se transportar a água de longe em cabaças, cântaros ou garrafões.

Na Fonte do Junco e no Azinhal, no termo de Remondes, havia quatro sobreirais, os do Azinhal, encravados na grande área de sobreiros e oliveiras, propriedade da Aprígia uma ricaça de Mogadouro. No sobreiral de baixo, quase no limite, havia uma fonte onde a água, muito boa, manava com abundância e ia irrigar hortas e árvores de fruto dessa senhora.

As fontes ou fontelas estavam espalhadas por toda a zona camprestre para tirar a sede a tantos lavradores e trabalhadores da terra que além de grandes caminhadas, muitas vezes a pé, suportavam trabalhos cansativos e duros. Essas fontes normalmente eram pequenas nascentes de água que brotavam do solo e onde desde tempos antigos as pessoas cavavam uma pequena de poça, onde se pudesse beber, de bruços, com o auxílio de uma corcha de cortiça (no Alentejo chamada cocho ou cocharro) ou com as mãos a fazer concha. Quem bebia dumas e doutras sabia distinguir as suas águas pelo sabor, pela frescura, pela doçura, pela salinidade ou outros atributos. Não eram objecto de qualquer análise bacteriana ou outra por parte das entidades públicas. Com a sua experiência e o seu saber, os habitantes da aldeia é que as analisavam e discutiam entre eles as suas qualidades.

À beira de alguns caminhos havia fontelas muito conhecidas, como as de Juncais e Juncaínhos. A mais famosa era a de Juncaínhos pela frescura e doçura da sua água. Dela contava o Sr. João Passarinho o seguinte facto passado nos anos quarenta: Em 1940 foram para Mogadouro várias equipas dos Serviços Cartográficos do Exército para fazer o cadastro geométrico da propriedade rústica de todo o concelho, onde se demoraram durante mais de dois anos. Para Brunhoso foi uma equipa comandada por um tenente, tendo sido o Sr João, então um jovem trabalhador, já bem conhecedor dos prédios rústicos e dos caminhos, contratado para informador e guia. Disse-me ele, repetidas vezes, que o Sr. Tenente só gostava da água de Juncaínhos, e que todos os dias mandava lá o impedido buscá-la. Infelizmente hoje, essa fontela, está coberta por arbustos e silvas, espreitando pelo emaranhado que a cobre, nem água se vê, provavelmente some-se por outro sítio.

O Sr. João Passarinho já morreu há mais de trinta anos, acredito que durante a vida dele a fontela sempre teve boa água ao dispor de todos os caminhantes e que ele a terá limpado muitos vezes. Era um grande homem, de pequena estatura, humilde, trabalhador, que à jeira ou ajudando outros tão necessitados como ele, conheceu palmo a palmo toda a área agrícola da aldeia. O Sr. João Lagoa, outro bom homem, sendo o homem mais rico da aldeia, a quem ele chamava padrinho, seria dos filhos dele, e de metade dos habitante da terra, não terá sido mais feliz do que ele. Penso que ele morreu a sonhar que toda a área agrícola de Brunhoso, de vinte e um quilómetros quadrados onde ele tinha trabalhado quase 80 anos e onde ele tinha uma pequenina parcela se despedia dele.

Depois de um dia de trabalho extenuante não haveria sono mais reparador e gratificante do que o dos trabalhadores da terra. Ao deixarem a vida, no caminho para o sono eterno seriam transportado por campos de searas, hortas, prados, vinhas, freixos, olmos, sobreiros, carrascos, oliveiras, castanheiros e outras árvores, fontes, rios, ribeiros. Vidas tão cumpridas como eles somente terão tido os cientistas e artistas que se empenharam em grandes projetos criativos.

Nesse tempo toda a água que se consumia em Brunhoso, nascia dentro do seu "termo". A nascente que alimentava a aldeia a chamada "Mãe-de-Água" ficava a um quilómetro da aldeia, numa encosta , que subia para o souto dos castanheiros a nordeste. Era uma mina de água construída em tempos antigos por especialistas, que fazia confluir as águas subterrâneas da área, para um depósito, donde depois era canalizada para as quatro "bicas" da aldeia, para a Fontoz nas Fontaínhas e o tanque das Eiras de Baixo para os animais beberem e onde as pessoas podiam também colher água dos canos, antes de cair nos depósitos, nos tanques.


No limite sudoeste a cinco quilómetros da aldeia passava o rio Sabor, que criava nas suas arribas um microclima mais ameno, quase mediterrânico, propício às culturas das oliveiras, das amendoeiras e das figueiras. Criava fantasias de brincadeiras na água entre os mais novos e lindos espelhos de água com paisagens belas pintadas de azul celeste.
____________

Nota do editor

Último poste da série de 14 de julho de 2020 > Guiné 61/74 - P21169: 16 anos a blogar (14): Seria esta música que eu gostaria de ouvir se estivesse vivo depois de morrer (Francisco Baptista, ex-Alf Mil Inf)

Guiné 61/74 - P21254: Debates da nossa tertúlia (I): Nós e os desertores (17): António Augusto de Brito Lança, natural de Castro Verde, fur mil art, da CART 250, e António de Jesus Marques, natural da Covilhã, sold aux enf, CART 240, que desertaram em 1962, e que são os presumíveis autores do "plano de assalto ao quartel de Varela"









Cartam, dactilografa. em francês, do José Araujo (1933-1992), do Bureau de Dacar, do PAIGC; enviada ao Secretário Geral com  dados sobre três desertores do Exército Português (, António Augusto de Brito Lança, António de Jesus Marques e Augusto Cabrita Paixão),  refugiados em Dacar, e a solicita meios para suportar a viagem até Argel. Tem a data de 17 e fevereiro de 1963.

Citação:
(1963), Sem Título, Fundação Mário Soares / DAC - Documentos Amílcar Cabral, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_36111 (2020-8-15)

 



Documento, dactilografado,  assinado por António Augusto de Brito Lança com informações sobre o  dispositivo de segurança do aeroporto de Bissalanca. Data: Sábado, 8 de Dezembro de 1962.


Citação:
(1962), "Informações sobre o aeroporto de Bissalanca", Fundação Mário Soares / DAC - Documentos Amílcar Cabral, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_40304 (2020-8-15



"Croquis" do aeroporto de Bissalanca,  em finais de 1962, da autoria de António Augusto de Brito Lança

Citação:
(1962), "Mapa do aeroporto de Bissalanca", Fundação Mário Soares / DAC - Documentos Amílcar Cabral, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_40236 (2020-8-15


 (Com a devia vénia ao portal Casa Comum / Fundação Mário Soares / Arquivo Amílcar Canral)




1. Desertores sempre os houve, em todas as guerras, em todas as épocas... A "nossa" guerra do ultramar / guerra colonial também teve os seus, de um lado e do outro. 

Na Guiné, o PAIGC teve que lidar com este problema, cuja dimensão ninguém é capaz de quantificar. Já aqui temos referido esse problema das deserções do lado da guerrilha (*), se bem que se reconheça que, no interior da Guiné, como no caso do triângulo Bambadinca-Xime-Xitole (Setor L1), "não havia condições para desertar", sendo "a hierarquia e os outros elementos guerrilheiros (...) muito violentos na repressão" (...). Mais: "o medo também pesava e, admito eu, sequelas das repressões antigas evitavam que tal sucedesse". Em resumo, "os campos estavam extremados e, 'se não és por mim, és contra mim' " (António J. Pereira da Costa)(*).

No seio das NT, também não era fácil desertar, noTO da Guiné, a menos que se estivesse na fronteira (com o Senegal, a norte, não com a Guiné-Conacri cuja governo apoiava abertmente o PAIGC e, portanto, era mais hostil para com as forças armadas portuguesas). É o caso, por exemplo, de 2 militares que terão desertado em 1962, e a quem é atribuída a autoria do "plano de assalto ao Quartel de Varela", elaborado em Dacar, em 4 de janeiro de 1963, 6.ª feira, e dirigido a Amílcar Cabral (1924-1973) por intermédio de José Araújo (1933-1992), responsável do Bureau de Dacar, do PIGC,  os quais que  pertenciam às CART 240 e CART 250, respectivamente, António de Jesus Marques (1.º cabo enfermeiro) e António Augusto de Brito Lança (furriel mil de artilharia) (**)

Apesar da crescente impopularidade da guerra na Guiné, não há muitas deserções de militares portugueses dentro do território. Pode ter havido mais, antes do embarque e por ocasião do gozo de licença de férias. Mas falta-nos números. Já aqui contámos alguns casos. Mas esta questão continua a ser fracturante num blogue como o nosso que é de combatentes (ou ex-combatentes), originando às vezes acessas discussões (***).

2. Como a guerra acabou há muito, e houve uma amnistia, logo a seguir ao 25 de Abril de 1974, relarivamente aos crimes (militars)  inputados aos desetores e refractários,  podemos hoje satisfazer a nossa legítma curiosidade sobre estes nossos antigos camaradas que decidiram, num dado momento da sua vida militar, "dar o salto" para o outro lado da barricada...

Na maior parte dos casos não sabemos (nem nunca saberemos) as razões do seu ato de deserção. E sobre isso podemios tão apenas  especular: das razões "mais nobtes" (como a objeção de consciência à sinpatia política pela causa nacuionalista) às razões "mais mesquinhas" (, como, por exemplo,  as de ordem disciplinar...), cada caso será um caso.

Sabemos a identidade destes  dois desertores portugueses de Varela... O Brito Lança era de Castro Verde, estudante, no liceu de Beja quando foi chamado para a tropa. Tinha a  frequência do 7º ano do liceu... E sabemos, pro consulta a outras fontes na Net, que já morreur.  O Jesus Marques, pot sua vez, era natural da Covilhã, operarário metalúrgico, com a 4ª classe. Não sabemos exatamente quando nem como desertaram. Desertaram individualmente ? Encontraram-se em Dacar ? Entregaram-se às autoridades senegalesas ? Ou foram incertados por forças do PAIGC, ainda antes do início "oficial" da guerra ? Sabemos apenas que ficaram "à guarda" do cabo.verdiano José Araújo (1933-1992), do Bureau de Dacar, do PAIGC.

O "plano de assalto ao quartel de Varela"  era tão infantil que o Amílcar Cabral, que era um homem inteligente, se limitou a mandar arquivá-lo... Pela letra do "croquis" (**), este  só podia ser do António Augusto Brito Lança. Como tambeém era dele o iomforme detalhado sobre o aeroporto de Bissalanca e o seu dispositivo de segurança.

 Há, no máximo, meia dúzia de referências a estes dois nosssos concidadãos, no Arquivo Amílcar Cabral / Casa Cimun... Tenho a ideia que, para o PAIGC; eram mais um estorvo do que outra coisa: tinha que os hospedar e assegurar a viagem até ao exílio... 

Sendo militares de baixa patente, pouco ou nenuma utilidade tinham para o Amílcar Cabral. . No Arquivo Amílcar Cabral, há uma carta do Jorge Araújo com diligências para os colocar, a estes dois e mais um terceiro, no Brasil...

O Brito Lança e o Jesus Marques devem ter querido pagar a "estadia no hotel" com o fornecimento à gierrilha de algumas "informações militares. Na guerra da Indochina, no tempo dos franceses, também se chegou a usar este truque de envenenar o café (por parte de agentes do Viet-MInh, infiltrados nas tropas francesas)... O Brito Lança deve.se ter inspirado numa história dessas...

_______________


(*) Vd. postes de:

16 de junho de 2018 Guiné 61/74 - P18746: (D)o outro lado do combate (32): As deserções no PAIGC no Sector de Tite ao tempo do BART 2924 (1971-1972) e suas consequências (1) (Jorge Araújo)

17 de junho de 2018 > Guiné 61/74 - P18749: (D)o outro lado do combate (33): As deserções no PAIGC no Sector de Tite ao tempo do BART 2924 (1971-1972) e suas consequências (2) (Jorge Araújo)

(**) Vd. poste de 13 de agosto de 2020 > Guiné 61/74 - P21250: Memórias cruzadas da Região do Cacheu: Plano (macabro) de assalto ao quartel de Varela, proposto por dois desertores das NT a Amílcar Cabral - Janeiro de 1963 (Jorge Araújo)

(***) Últimos postes da série >

4 de novembro de  2016 > Guiné 63/74 - P16680: Debates da nossa tertúlia (I): Nós e os desertores (17): que país terá acolhido o sold básico a aux cozinheiro Manuel Agusto Gomes Miranda ? Talvez a Holanda, em maio de 1970, com o apoio do Comité Angola de Amsterdão (Tino Neves, ex- 1º cabo escriturário, CCS / BCAÇ 2893, Nova Lamego, 1969/71)

2 de novembro de 2016 > Guiné 63/74 - P16672: Debates da nossa tertúlia (I): Nós e os desertores (16): o caso do soldado básico auxiliar de cozinheiro Miranda (Tino Neves, ex- 1º cabo escriturário da CCS / BCAÇ 2893, Nova Lamego, 1969/71)


24 de outubro de 2016 > Guiné 63/74 - P16631: Debates da nossa tertúlia (I): Nós e os desertores (14): A maldição de Cancolim e a CCAÇ 3489 que teve dois casos (o capitão e um alferes) de "abandono" (no período de férias) e um de "deserção" para as fileiras do IN, o sold at inf José António Almeida Rodrigues (1950-2016)

17 de março de 2007 > Guiné 63/74 - P1606: Debates da nossa tertúlia (I): Nós e os desertores (13): Jorge Cabral

17 de março de 2007 > Guiné 63/74 - P1604: Debates da nossa tertúlia (I): Nós e os desertores (12): J. L. Mendes Gomes

16 de Março de 2007 > Guiné 63/74 - P1599: Debates da nossa tertúlia (I): Nós e os desertores (11): Paulo Salgado

Os primeiros posts da série:

13 de Março de 2007 > Guiné 63/74 - P1585: Debates da nossa tertúlia (I): Nós e os desertores (1): Carlos Vinhal / Joaquim Mexia Alves

13 de Março de 2007 > Guiné 63/74 - P1586: Debates da nossa tertúlia (I): Nós e os desertores (2): Lema Santos

13 de Março de 2007 > Guiné 63/74 - P1587: Debates da nossa tertúlia (I): Nós e os desertores (3): Vitor Junqueira / Sousa da Castro

13 de Março de 2007 > Guiné 63/74 - P1588: Debates da nossa tertúlia (I): Nós e os desertores (4): Torcato Mendonça / Mário Bravo

13 de Março de 2007 > Guiné 63/74 - P1589: Debates da nossa tertúlia (I): Nós e os desertores (5): David Guimarães / António Rosinha

13 de Março de 2007 >Guiné 63/74 - P1591: Debates da nossa tertúlia (I): Nós e os desertores (6): Pedro Lauret

14 de Março de 2007 > Guiné 63/74 - P1592: Debates da nossa tertúlia (I): Nós e os desertores (7): João Bonifácio / Paulo Raposo / J.L. Vacas de Carvalho

14 de Março de 2007 > Guiné 63/74 - P1593: Debates da nossa tertúlia (I): Nós e os desertores (8): A. Marques Lopes

15 de Março de 2007 > Guiné 63/74 - P1596: Debates da nossa tertúlia (I): Nós e os desertores (9): Humberto Reis

15 de Março de 2007 > Guiné 63/74 - P1597: Debates da nossa tertúlia (I): Nós e os desertores (10): Idálio Reis

sexta-feira, 14 de agosto de 2020

Guiné 61/74 - P21253: Esboços para um romance - II (Mário Beja Santos): Rua do Eclipse (15): A funda que arremessa para o fundo da memória

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil Inf, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 7 de Agosto de 2020:

Queridos amigos,
Impunha-se dar voz à paixão de Annette, como se sente Paulo Guilherme já sabemos, por entreposta pessoa, este português tem vindo a firmar raízes com gente do mesmo ofício, com quem tarimba em reuniões oficiais e também no movimento associativo de consumidores. Tudo faz, a partir de agora, sem se subtrair às obrigações que mantém e manterá em Lisboa, para encontrar abertas que justifiquem a partida para Bruxelas. O correio trocado é esfuziante, uma mescla abençoada de passado, presente e futuro, aqui temos uma declaração de amor e uma confissão de algo que aconteceu num dado momento e que tem a ver com uma fotografia, um comentário de Paulo, coisa estranhíssima, pôs a balançar o coração de Annette. Há que ler a expressão que ela utiliza, o amor tem razões que as palavras explicam, um tanto ao revés do pensamento de Blaise Pascal. A felicidade de Annette desmesura-se, é a sua vez agora de enviar uma carta falando do seu dia-a-dia de intérprete.
Para quem está a acompanhar estas jornadas escaldantes, é bom não perder o episódio seguinte.

Um abraço do
Mário


Esboços para um romance – II (Mário Beja Santos):
Rua do Eclipse (15): A funda que arremessa para o fundo da memória

Mário Beja Santos

Mon très adorable Paulo, é a primeira vez que te escrevo desde que descobri o virar da página das nossas vidas, tudo tão espontâneo, como tivesse havido um pousio, um compasso de espera e uma roda da fortuna a desandar para o nosso encontro, a descoberta de duas ilhas solitárias, a despeito dos nossos dois quotidianos em azáfama, para ganhar decentemente a nossa existência e apoiarmos os nossos filhos, na instabilidade das suas carreiras profissionais, e não descarto, no teu caso concreto, os problemas de saúde de um dos teus filhos, que tanto te aflige. Tu enches-me de felicidade, a maravilha que tu sentes, a exultação perante o meu corpo e o que tu chamas a beleza do meu caráter, estonteia-me, mas acredito plenamente em ti.

Foi através de caminhos ínvios, por veredas sem sinalização, que fomos amadurecendo, ganhando confiança, até eu ter tomado a iniciativa de te dizer, sem qualquer pejo, que te amava loucamente, na noite em que pela primeira vez dormimos juntos. Sim, caminhos ínvios, passeios acalorados, outras vezes debaixo da morrinha da chuva, metidos em cafés quando os céus desabavam águas, nesta Bruxelas, acredito piamente, que tu amas de alma e coração. Passeios em Ixelles, Saint-Gilles, Schaerbeek, percorrendo calçadas, visitando exposições, recordo neste momento, como se tivesse sido há uma hora, e eu ainda estivesse a esfregar os pés dos longos passeios no Parque Josaphat, em Laeken, onde tu querias visitar as estufas e rever o Pavilhão Chinês e a Torre Japonesa (confesso-te que para mim estes adereços não passam de meras curiosidades, de um monarca endinheirado, um Leopoldo II, que foi a uma Exposição Universal e comprou adornos exóticos para exibir nos seus territórios), aquele inesquecível almoço em Dinant, vejo-te tão prazenteiro e guloso com a descoberta do frango de estragão, a alegria do cozinheiro a dar-te a receita e a dizer que a confeção só resulta com estragão fresco, comeste a valer e remataste com uma Dame blanche, um café e um Drambuie.

Vezes sem conta, nos dias seguintes àquele benquisto encontro na Rue Froissart, eu me questionei quanto ao teu pedido de abrirmos correspondência, o pretexto para vires a escrever um romance sobre a tua experiência na guerra da Guiné, aceitei o teu argumento, já se tinham passado cerca de três décadas sobre o teu regresso, o campo ficcional era o melhor terreno para enfrentar o que a memória e os documentos que conservaste te permitiam não um mero regresso ao passado mas advertir as gerações futuras. Percebi bem, por múltiplas razões aqui também não se fala da nossa colonização do Congo e de alguns envolvimentos sórdidos, tentativas de obter uma presença neocolonial, tudo isto é muito incómodo para a minha geração, pouco se fala das nossas ingerências e das desgraças que provocámos. E agora que tu sabes do meu amor por ti, como vejo o nosso futuro tão promissor, mesmo sabendo que temos muitos anos pela frente em que não podemos abandonar as nossas profissões, independentemente de nenhum de nós saber onde vamos pôr a âncora para as nossas velhices, quero que saibas que houve um momento que transformou a mera curiosidade numa eclosão afetiva, num transbordo tão forte de uma quase entrega, tudo aconteceu quando me enviaste, sob a forma de epítome, os acontecimentos do renascimento de Missirá, a que atribuis uma quase transcendência no desenvolvimento da tua personalidade, tu mesmo escreveste que aqueles meses de abril a julho de 1969 tinham constituído um repto ímpar, a descoberta da criação, o papel do cuidado e do desvelo pelas vidas que te tinham sido confiadas e pela segurança que te cumpria acautelar, naquele espaço de um destacamento militar, onde viviam tantos civis e aquelas crianças que tanto te preocupavam, umas de barriga inchada, outras portadoras de doença visível, a tua alegria quando conseguiste professor, o protocolo estabelecido com aquelas crianças que lavavam a loiça e que tinham direito a todas as sobras.

Mas, adorable Paulo, foi a fotografia do Jobo e a descrição tão entusiástica da padaria em Missirá que me fez entrar em definitivo naquele mundo tropical que tu não viveste numa mera passagem, a pôr uma cruz nos dias do calendário. Guardei tudo quanto escreveste, e aqui reproduzo:
“Annette, não contive o meu júbilo quando vi o Jobo enfronhado a amassar a farinha com fermento, o esforço que foi encontrar aqueles tijolos, ver nascer o forno, protegê-lo com um resguardo minimamente sólido, em frente do Jobo, que estagiou na padaria de Bambadinca duas semanas, e que veio com uma espécie de certificado de boa aprovação, o olhar que ele nos lança, de triunfo, como soubesse que das suas mãos sairiam pães apetitosos para militares e civis, já que ele também quer ser empreendedor e pediu autorização para nas horas vagas corresponder às solicitações da população civil, pois bem, creio que esta imagem espelha aquilo que chamamos desenvolvimento, civilização, cultura, a interseção de vários arcos temporais, a descoberta de que um bom alimento está ao alcance das nossas mãos e que podemos viver muito melhor. Há momentos, minha inestimável Annette, quando me sinto apoucado, talvez mesmo entristecido quando as coisas não me correm de feição, que venho contemplar os olhos do Jobo, as suas mãos bem firmadas dentro de um cunhete de granadas, e então revigoro-me, aquela caixa, inicialmente portadora de sinais da morte, prepara alimentos, e o Jobo, sem pose estudada, parece dizer-nos que logo acabe aquela malfadada guerra mudará de profissão”.

Algo mudou em mim Paulo, quando li e reli esta tua mensagem sobre a vida, a tua relação com o Outro, e a partir daí clarificou-me o sentimento que eu nutria por ti. Terrível o que me disseste mais tarde, que Jobo Baldé te escrevera de uma terra chamada Galomaro, em 1991, a pedir para o trazeres para Lisboa, que vivia na miséria, e que confiava absolutamente em ti. Fora muito duro teres recebido aquela carta, sentias-te impotente, naquele período em que vivias como cooperante, na maior das expetativas e que culminou na maior das deceções, conseguiras trazer o teu guarda-costas, Cherno Suane, dado o pretexto que sofrera duplo traumatismo craniano naquele acidente da mina anticarro, que tão bem me descreveste.

Na base da sinceridade em que assenta este amor tão pujante, tão inesperado para mim, quando já me preparava, com um certo travo de resignação, em ficar uma avó prestável, tu vieste como Estrela Polar, e não te quero esconder que esta correspondência é verdadeiramente um alívio, também me cabe a responsabilidade de preparar tempos disponíveis para te ir ver a Lisboa, entrar no teu mundo. Uma última confidência: a minha filha Noémie veio visitar-me e ficou muito surpreendida com tanta fotografia e cartas espalhadas, e uma fotografia emoldurada de um desconhecido. Sorriu e disse-me, “Ainda bem que estás a reconstruir algo que mereces, fico feliz se encontraste o companheiro do futuro”. Paulo, escreve-me, parece que vens dentro de duas semanas, não é? Estou a pensar em passarmos uns dias em La Campine, muito perto de Antuérpia, andaríamos de bicicleta, passeios de barco nos canais, podíamos ir aos Países Baixos, se quiseres. Amo-te tanto! Tu fazes parte da Misericórdia de Deus, em que tanto acredito. Do meu coração para ti, Annette.

(continua)

Bóreas, Deus dos ventos do Norte, 1922, escultura do Parque Josaphat, por Joseph Van Hamme

Maison Autrique, a primeira joia do genial arquiteto Victor Horta

Casa de Magritte, em Schaerbeek, Bruxelas

A Torre Japonesa e o Pavilhão Chinês em Laeken, Bruxelas

Dinant, Bélgica

Jobo Baldé, bravo soldado e exímio padeiro de Missirá
____________

Nota do editor

Último poste da série de 7 de agosto de 2020 > Guiné 61/74 - P21231: Esboços para um romance - II (Mário Beja Santos): Rua do Eclipse (14): A funda que arremessa para o fundo da memória

Guiné 61/74 - P21252: Fotos à procura de...uma legenda (123): resta-nos, ao menos, a esperança de que amanhã é outro dia... (Luís Graça)





Lourinhã > Praia da Areia Branca, 13 de agosto de 2020 > O pôr do sol, com uma traineira da pesca de sardinhas a recolher ao porto de Peniche...


Lourinhã > Porto das Barcas > 7 de agosto de 202o > O sol por um fio... Visto da casa "Atira-te ao Mara". da Maria do Céu e do Joaquim Pinto Carvalho, "duques do Cadaval"


Fotos (e legenda): © Luís Graça (2020). Todos os direitos reservados. [Edição: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. Dizem que o mar é monótono. Tirando as tempestades, as marés vivas, as trovoadas, os naufrágios, as batalhas navais... Alô, Berlengas, Cabo Carvoeiro, Peniche, Paimogo, Montoito, Peralta, Atalaia, Porto das Barcas, Ribamar, Porto Dinheiro, Valmitão, Santa Cruz!... Corsários à vista!...

No verão do nosso deconfinamento, cumprimentamo-nos de cotovelo. Num de repente, as mãos impuras. Os rostos tapados. Passam, golfinhos ao largo. Sem sequer me dizerem adeus.

Há quem preferia a pata do dromedário. Ou o pé dos angulados. Eu aguardo pela osteotomia da tíbia. Mas nada resterá dos meus ossos se for incinerado a 900 graus centígrados. Que é a temperatura do fogo do inferno. Há quem prefira ser inumado. Com sorte ainda se salvará uma tíbia. Petrificada. 

Como os dinossauros da Lourinhã, que viveram no tempo em que se ia a pé, daqui a Nova Iorque. Alõ, João Crisóstomo, trago-te sardinhas do Mar do Cerro, do nosso mar. Alô, José Belo, anda daí beber um daiquiri, deixa lá as tuas renas ao cuidado do Estado Providência.  Alô, Jorge Araújo e Maria João, está na hora do chá, que Deus é Grande e o Mar Ainda é Maior.

Tiveram sorte, os dinossauros. A Lourinhã oferecia condições excecionais de fossilização. (Não sei se ainda oferece,  ou é publicidade enganosa ? Mudei de residência a pensar na minha fossilização futura.) Algumas espécies das centenas que existiram, chegaram até nós para contar a história, ou parte dela, deste planeto que eu amo. Uma omoplata, uma tíbia, uma pata.

Bom dia, João, bom dia, Joana, bom dia, Jorge, bom dia José, bom dia Cherno, bom dia Maria, bom dia Tony  & Isabel.  Bom dia, Lisboa, bom dia, Nova Iorque, bom dia Bissau, bom dia, Abu Dhabi, bom dia Macau, bom dia Key West, bom dia, Ponta de Sagres.  Bom dia amigos/as e camaradas. Nunca se sabe o tempo que fará amanhã. Mas resta-nos a esperança de que amanhã será outro dia...

Mas, tu, por que não te calas ? É insuportável o silêncio para a maior parte de nós. Perdemos a arte da meditação e contemplatação. Está tudo nas esplanadas a tirar chapas ao pôr do sol. E a comer choco frito. Ou batatas fritas. 

É como um orgasmo. Os dez minutos de felicidade passam depressa. Como o pôr do sol. Ruidosos, com o mundo todo à sua frente, os adolescentes não têm tempo para "curtir" o pôr do sol. Onde vamos logo à noite ? 

Acho que o mundo devia parar todos os dias para saudar o sol que se despede de nós. Dez minutos de puro silêncio faziam-te bem. De incomunicação total. Os telemóveis e as redes sociais em "black out" total...  Como se fossem os últimos dez minutos que te restassem para respirar. À superfície da terra. 

Luís Graça

PS - Gosto de ver o pôr do sol, daqui, da esplanada do Vigia, na Praia da Areia Branca, ou do "Atira-te ao Mar", a casa dos  "Duques do Cadaval", no Porto das Barcas... Gosto dos amigos que me dizem simplesmente: anda daí ver o pôr do sol, tenho um espumante geladinho no frigorífico.  Não se pode pedir mais aos amigos, neste mês de agosto do nosso desconfinamento,.

______________


Guiné 61/74 – P21251: Memórias de Gabú (José Saúde) (95): Imagens que nos tocam. O nosso quartel. (José Saúde)

 Guiné > Região de Gabu > Nova Lamego > c. 1973/74 >  Vista aérea do no quartel novo. Foto de Amílcar Ramos.


 


1. O nosso Camarada José Saúde, ex-Fur Mil Op Esp/RANGER da CCS do BART 6523 (Nova Lamegp, Gabu, 1973/74) enviou-nos a seguinte mensagem:


Imagens que nos tocam: o  nosso quartel.

Camaradas, 

Levo até vós a imagem aérea do meu (nosso) quartel (o novo) que se localizava à saída de Gabu na estrada que nos conduzia a Bafatá. O velho situava-se no interior da localidade.  

Este é mais um pequeníssimo texto inserido no meu último livro – Um Ranger na Guerra Colonial Guiné-Bissau 1973/74 Memórias de Gabu –. 

Memórias que todos nós guardaremos no baú das recordações, uma vez todos vestimos o rótulo de antigos combatentes.  


Imagens que nos tocam: O nosso quartel 

por José Saúde


Obrigado, camarada Amílcar Ramos, por este pequeno/grande miminho que trouxeste a público: uma foto do quartel novo de Gabu. Uma imagem que me fez viajar no tempo e recordar o meu, aliás nosso, quartel. Tu, camarada de armas, também por lá passaste. Eras furriel miliciano BAA, estavas alojado em instalações avançadas junto à pista de aviação, mas, lá ias à messe de sargentos “carregar” o estômago.  

E tantos foram os almoços e jantares em que fomos companheiros de mesa. A minha memória teima em refazer imagens desses velhos tempos. Recordar espaços comuns, camaradas que o tempo ousou literalmente afastar e um sem número de aventuras acumuladas em pleno palco da guerrilha. 

“Uma lágrima ao canto do olho” vagueia pelo meu rosto abaixo e já crivado de saudosistas recordações. Olho atentamente a foto e curvo-me perante as lembranças. São, de facto, muitas que se concentram nesta já sexagenária e débil mente. Todavia, aquele horizonte leva-me a um mítico cheiro a África. Apeteceu-me viajar nas ondulantes asas do vento, imaginar-me a envergar o meu camuflado, “viajar” num Unimog, ou a “butes” por um trilho e desbravar aquele inigualável horizonte. 

Na pista alcatroada aterravam e descolavam aviões de maior porte (Noratlas, por exemplo) que obrigava o pessoal a uma proteção mais refinada.

A dimensão que a foto monopoliza, leva-me a outros sensações sentidas no tempo áureo da guerrilha. Aquela estrada para Bafatá!... Ui, tantas colunas que fizemos a terras do Geba e tantas histórias que farão eternamente parte integrante dos nossos baús.  

Depois a grandeza e profundidade daquele mato serrado. Os quilómetros palmilhados pelo interior daquele matagal. O contacto com as tabancas que habitualmente cruzávamos. O dialogar com os homens e as mulheres grandes. Ouvir a criançada quando a nossa chegada à tabanca ocorria. A brincadeira dos macacos, ou um inadvertido toque numa árvore que, entretanto, acolhia um enxame de abelhas e o subsequente delírio da rapaziada. Uma galinha de mato que levantava voo, ou uma gazela apetecível a um tiro que não se dava, por motivos óbvios. Enfim, uma panóplia de recordações que o guerrilheiro nunca esquecerá. Momentos inolvidáveis, sublinho eu.  

Por outro lado, havia os tais momentos sempre de incerteza. Incerteza no trilho; incerteza na picada; incerteza no que estava para lá da densidade do mato; incerteza no momento seguinte; incerteza numa mina que traiçoeiramente tinha sido colocada pelo IN com a finalidade de causar ronco num jovem em plena idade de afirmação e a incerteza numa emboscada. 

Reparo, também, as tabancas à beira da estrada. Revejo o meu quartel. Os aposentos dos oficiais, dos sargentos e do restante pessoal; a porta de armas; o refeitório das praças; as oficinas e  a parada.  

Camarada Amílcar, reforço o meu brigado pela lembrança!   

Um abraço, camaradas

José Saúde

Fur Mil Op Esp/RANGER da CCS do BART 6523

Mini-guião de colecção particular: © Carlos Coutinho (2011). Direitos reservados.

____________

Nota de M.R.:

Vd. também o poste desta série em:

27 DE JULHO DE 2020 > Guiné 61/74 – P21201: Memórias de Gabú (José Saúde) (94): Dois guerrilheiros do PAIGC piraram-se da prisão de Gabu (José Saúde)

quinta-feira, 13 de agosto de 2020

Guiné 61/74 - P21250: Memórias cruzadas da Região do Cacheu: Plano (macabro) de assalto ao quartel de Varela, proposto por dois desertores das NT a Amílcar Cabral - Janeiro de 1963 (Jorge Araújo)


Foto 1> Guiné > Região de Cacheu > Varela > Praia de Varela, em Maio de 1968.  O quartel situava-se à direita.[Poste P18183 > Álbum fotográfico de Virgílio Teixeira, ex-Alf Mil, CCS/BVAÇ 1933 (1967/69)], com a devida vénia. 

 


Foto 2  > Guiné > Região de Cacheu > Varela > Praia de Varela, Acesso à praia de Varela, em Maio de 1968 [P18183 > Álbum fotográfico de Virgílio Teixeira, ex-Alf Mil, CCS/BVAÇ 1933 (1967/69)], com a devida vénia.

 

Foto 3 > Guiné > Região de Cacheu > Varela > Praia de Varela > Junho de 2011 > Vestígios do quartel de Varela (imagem retirada do Youtube [https://www.youtube.com/watch?v=ODFTcpeGwHQ] com o título: "Varela, Dégradation d'un site paradisiaque - Juin 2011 (Après la fête du 1º mai)" ["Varela, Degradação de um local paradisíaco - Junho de 2011 (após a festa do 1º de maio"), tradução do francês], com a devida vénia.





O nosso coeditor Jorge Alves Araújo, ex-Fur Mil Op Esp/Ranger,CART 3494 (Xime e Mansambo, 1972/1974), professor do ensino superior; vive em, Almada, está atualmente nos Emiratos Árabes Unidos; tem mais  de 260 registos no nosso blogue.
 


MEMÓRIAS CRUZADAS

DA REGIÃO DO CACHEU ANTES DO INÍCIO DA GUERRA

O (CRUEL) PLANO DE ASSALTO AO QUARTEL DE VARELA, PROPOSTO POR DOIS DESERTORES DO EXÉRCITO PORTUGUÊS

A AMÍLCAR CABRAL, EM JANEIRO DE 1963,

E QUE FELIZMENTE NÃO PASSOU DE UMA INTENÇÃO

 

 

1.   - INTRODUÇÃO


Sabemos todos que não existem sociedades sem história, o mesmo acontecendo com todas as «Guerras», onde a ciência militar produz as suas… "Histórias". Porém, convém referir que nos casos da nossa (continuada) investigação historiográfica, nem sempre é possível misturar "relato" e "explicação", mas tão só investir no aprofundamento do primeiro conceito, como condição de saber histórico do passado, tornando-o, assim, objecto da história através da sua reconstrução, na agregação «História e Memória».


Quanto ao "puzzle da memória da guerra colonial da Guiné", acredito que a sua História global continuará a escrever-se no plural, pela importância do papel que a memória colectiva desempenha. NÓS ("EU" e "TU"), todos observadores e actores nos diferentes "palcos da missão", constituímo-nos como um valioso espólio da história de década e meia, no mínimo, unindo e reforçando as fontes de informação privilegiada, num processo dinâmico "entre contrários", porque, como diz o povo, "na guerra não se combate sozinho".   


Por outro lado, o que não sei (nem ninguém poderá saber!) é "SE" os propósitos da "História" que está na origem desta narrativa, que hoje partilho no Fórum, tivessem sido concretizados com sucesso, "SE" o início da guerra colonial no CTIG, simbolicamente aceite com o ataque ao Aquartelamento de Tite, em 23 de Janeiro de 1963, 4.ª feira, onde efectivos do Batalhão de Caçadores 237 [BCAÇ 237] – [25Jul61-19Out63, do TCor Inf Carlos Barroso Hipólito] – se encontravam estacionados, teria sido o/a mesmo/a? Provavelmente não teria sido!


O que também sei (sabemos) é que na ciência historiográfica ou histórica o "SE" não existe.

No presente caso, o que faz parte da História são os registos documentais encontrados, uma vez mais nos arquivos de Amílcar Cabral existentes na CasaComum, Fundação Mário Soares, onde estão plasmadas crenças, atitudes, comportamentos, valores, mudanças e modos de vida…, como se prova no documento abaixo reproduzido.


Sabemos que antes do ataque ao Aquartelamento de Tite [23Jan63] haviam já ocorrido diversas actividades subversivas, as primeiras dois anos antes, por iniciativa de grupos armados sediados no Senegal, de que são exemplos as acções em S. Domingos, Susana e Varela.

 


Foto 4 > Guiné > Região de Cacheu > Varela >  Um dos edifícios existentes em Varela, propriedade do Banco Nacional Ultramarino, complexo vandalizado em 1961, por grupos de indivíduos oriundos do Senegal, e onde ficaram alojadas as primeiras forças militares portuguesas (um Gr Comb da CART 240). Foto do acervo documental do BNU (P18534), com a devida vénia.

 

Sobre estas actividades subversivas de Julho de 1961, sugiro a leitura do P18534 «Historiografia da presença portuguesa em África: imagens e relatórios dos actos de vandalismo praticados pelo MLG, na Praia de Varela, encontrados no acervo documental do Banco Nacional Ultramarino», trabalho elaborado pelo camarada Mário Beja Santos.


Na mesma perspectiva histórica segue o artigo de José Matos - O início da Guerra na Guiné (1961-1964) - publicado na «Revista Militar» n.º 2566, de Novembro de 2015.

 

 

Capa da Revista Militar – 2566 – Novembro de 2015

 


Mapa da região norte da Guiné (fronteira com o Senegal), assinalando-se as linhas de infiltração da guerrilha nos anos de 1961/1963 (fonte: op. cit), com a devida vénia.

 

Como fonte oficial, que naquele período era considerada confidencial, recupera-se parte do documento publicado no P15962 - "O que dizem os Perintreps: Violações da fronteira e assaltos no chão felupe, em Julho de 1961: S. Domingos (a 18, 21 e 24), Ingoré (a 21), Susana (a 24) e Varela (a 25)", da autoria de Nuno Rubim (Cmdt da CCAÇ 726 (Out64-Jul66) e CCAÇ 1424 (Jan66-Dez66) e, em segunda comissão, no Quartel-General (QG).






2.   - PLANO DE ASSALTO AO QUARTEL DE VARELA, ELABORADO EM DAKAR POR DOIS DESERTORES DO EXÉRCITO PORTUGUÊS, E DIRIGIDO A AMÍLCAR CABRAL, EM 04 DE JANEIRO DE 1963


Os autores do "plano de assalto ao Quartel de Varela", elaborado em Dakar, em 04 de Janeiro de 1963, 6.ª feira, e dirigido a Amílcar Cabral (1924-1973) por intermédio de José Araújo (1933-1992), responsável do PAIGC do Bureau de Dakar, que felizmente não se concretizou, pertenciam às CART 240 e CART 250, respectivamente, António de Jesus Marques (1.º cabo enfermeiro) e António Augusto de Brito Lança (furriel mil de artilharia).


Uma vez que nos Arquivos do Exército nada consta, no que à "História" das duas Unidades diz respeito, pois essa prática não abrangeu o período inicial das "Campanhas", procedemos à elaboração de uma resenha histórica "a nível operacional" durante a sua presença no CTIG.


2.1 - A MOBILIZAÇÃO PARA O CTIG DA CART 240


Mobilizada pelo Grupo de Artilharia Contra Aeronaves 2 (GACA 2), de Torres Novas, para servir na província ultramarina da Guiné, embarcou em Lisboa, provavelmente por via aérea, em 30 de Julho de 1961, domingo, sob o comando do Capitão Art Manuel Fernando Ribeiro da Silva, tendo chegado a Bissau na mesma data.   


2.1.1 - SÍNTESE DA MOBILIDADE OPERACIONAL DA CART 240


A CART 240 foi colocada em Bissau, onde manteve a sua sede durante toda a comissão (30Jul61-19Out63), sendo integrada no dispositivo e manobra do BCAÇ 236 [21Jul61-19Out63, do TCor Inf José Alves Moreira], a fim de colaborar na segurança e defesa das instalações e das populações da área. 


Em princípios de Fev72, destacou um Gr Comb para guarnecer a povoação de Varela, em substituição da CCAÇ 74 [18Mar61-12Fev63, do Cap Inf Alcides José Sacramento Marques], o qual ficou integrado no dispositivo do BCAÇ 239 [06Jul61-24Jul63, do Maj Inf António Maria Filipe (1.º) e TCor Inf Hélio Augusto Esteves Felgas (2.º)]. Ao fim de um ano de permanência em Varela (finais de Fev63), este Gr Comb foi transferido para Susana, recolhendo a Bissau no mês seguinte.


A CART 240 destacou ainda Grs Comb para Quinhamel, de princípios de Ago62 a meados de Set62 e novamente a partir de Abr63, e para Nhacra, a partir de meados de Jul63. De 01 a 27Jun63, foi atribuída em reforço do BCAÇ 356 [23Jan62-17Jan64; do TCor Inf João Maria da Silva Delgado], com vista à realização da «Operação Seta», na região do Quinara-Fulacunda, nas áreas de Iusse, Bissássema, Nova Sintra e Jabadá.


Em 18Out63, foi rendida pela CART 564 [14Out63-27Out65; do Cap Mil Art Rodrigo Claro de Albuquerque Menezes de Vasconcelos (1.º) e Cap Art António Manuel Fevereiro Chambel (2.º)], a fim de efectuar o embarque de regresso (Ceca; p 433).


2.2 - A MOBILIZAÇÃO PARA O CTIG DA CART 250


Mobilizada pelo Regimento de Artilharia Pesada 2 (RAP 2), em Vila Nova de Gaia, para servir na província ultramarina da Guiné, embarcou em Lisboa, no Cais da Rocha, em 10 de Agosto de 1961, 5.ª feira, sob o comando do Capitão Art José Maria Eusébio Alves, tendo desembarcado em Bissau na 4.ª feira seguinte, dia 16 de Agosto.

  

2.2.1 - SÍNTESE DA MOBILIDADE OPERACIONAL DA CART 250



A CART 250 foi colocada em Bissau, onde manteve a sua sede durante toda a comissão (16Ago61-06Nov63), sendo integrada no dispositivo e manobra do BCAÇ 236 [o mesmo da CART 240], em substituição da CCAÇ 52 [18Ago59-17Ago61; do Cap Inf Frederico Alfredo de Carvalho Ressano Garcia], a fim de assegurar a segurança e defesa das instalações e das populações da área.


Por períodos variáveis, a CART 250 cedeu pelotões para reforço de outros batalhões e intervenção em acções de nomadização e batida nas regiões de Mansodé/Mansabá, em Jul63, sob dependência do BCAÇ 507 [20Jul63-29Abr65; do TCor Inf Hélio Augusto Esteves Felgas] e Xime, em Ago63, sob a dependência do BCAÇ 506 [20Jul63-29Abr65; do TCor Inf Luís do Nascimento Matos].


Em 04Nov63, já na dependência do BCAÇ 600 [18Out63-20Ago65; do TCor Inf Manuel Maria Castel Branco Vieira], foi substituída no sector de Bissau pela CCAÇ 555 [03Nov63-28Out65; do Cap Inf António José Brites Leitão Rito], a fim de efectuar o embarque de regresso (Ceca; p 434).


2.3 - O PLANO DE ATAQUE AO QUARTEL DE VARELA – JAN1963


A ideia perversa e macabra que levou à elaboração do projecto (plano) de "ataque ao quartel de Varela" é atribuída a dois desertores do Exército Português, conforme referido anteriormente: o António de Jesus Marques, da CART 240, e o António de Brito Lança, da CART 250.

Essa prova pode ser conferida no documento que abaixo se reproduz.


Chegados ao CTIG no início do 2.º semestre de 1961, um Gr Comb da CART 240, onde estaria incluído o António de Jesus Marques [?], seguiu para Varela, com o objectivo de guarnecer essa povoação situada na região do Cacheu (Norte), enquanto o António de Brito Lança, da CART 250, permaneceu em Bissau, provavelmente em instalações situadas nos arredores do Aeroporto, em Bissalanca.


Em função de outras informações de que dispomos, mas que não se enquadram na presente narrativa, é de acreditar que destes dois militares, o primeiro a desertar para o Senegal tenha sido o António Lança, durante o Outono de 1962, e o António Marques, algumas semanas depois, mas ainda no decurso do mesmo ano. Portanto, antes do início do conflito armado.


Considerando que o António Marques estivera destacado em Varela, é de admitir (!?) que tenha sido ele o autor do croqui do "quartel a atacar" (o seu, em Varela). 


   

Esboço da planta do quartel de Varela em 1962/1963, atribuível ao desertor António de Jesus Marques, da CART 240

 


 

Fotos 5 e 6 (Varela, Junho de 2011) – Vestígios do quartel de Varela (imagem retirada do Youtube [https://www.youtube.com/watch?v=ODFTcpeGwHQ] com o título: "Varela, Dégradation d'un site paradisiaque - Juin 2011 (Après la fête du 1º mai)" [Varela, Degradação de um local paradisíaco - Junho de 2011 (após a festa do 1.º de maio), tradução do francês], com a devida vénia.

 


Quanto à descrição apresentada na proposta, não nos é possível identificar o seu autor (moral), na medida em que a carta foi dactilografada (em máquina portátil), acto realizado em Dakar, com data de 4/1/963, 6.ª feira, mas assinada por ambos.


 

Citação: (1963), "Plano de assalto ao quartel de Varela", Fundação Mário Soares / DAC - Documentos Amílcar Cabral, Disponível http: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_40296 (com a devida vénia)

Aqui vai um excerto do plano (!) dos desertores que conheciam os hábitos dos seus camaradas da guarnição de Varela: 

(...) "Como eles costumam fazer o café de véspera e guardá-lo dentro de um armário na cozinha, nós íamos lá uma noite e envenenávamos o café e a água que se encontram onde a figura indica.

"Depois de o fazermos. deixávamos um sentinela onde ele pudesse ver as sentinelas do quartel. Logo que o nosso sentinela visse cair o sentinela da porta principal, procurava prestar-lhe socorro e ir comunicar lá dentro para ver o ambiente. Logo que ele visse que poderíamos entrar, dar-nos-ia um sinal. Traríamos um soldado connosco e enterravamo-lo para eles virem a pensar que o que faltava teria sido o autor do sucedido. 

"O material la existente é:  cerca de trinta armas automáticas de marca  G-3; oito  pistolas metralhadoras de marca UZI: três  bazucas ou lança granadas-foguete;  três metralhadoras de marca Drise. Têm ainda munições suficientes para fazerem fogo durante vinte e quatro horas seguidas" (...) .


► Em suma:

1.    - Não estando explícitos, na carta/plano, os objectivos do "ataque ao Quartel de Varela", creio que da sua leitura se pode inferir que o alvo principal seria o "roubo de armas": 30 G-3; 8 pistolas UZI: 3 bazucas; 3 metralhadoras Drise e uma determinada quantidade de munições que "dariam para vinte e quatro horas de fogo".

 

2.    - Na prática, para que os autores deste plano pudessem ser bem-sucedidos, alguns dos seus antigos camaradas com quem fizeram a viagem até à Guiné, em Agosto de 1961, e com quem viveram e conviveram durante alguns meses, seriam envenenados... e um deles seria enterrado.

 

3.    - Felizmente que tal não aconteceu.

 

4.    - Caso contrário teria sido uma "cena" Brutal… Cruel… e… e… e…

► Fontes consultadas:

Ø  Instituição: Fundação Mário Soares Pasta: 07061.032.004 Título: Plano de assalto ao quartel de Varela. Assunto: Plano de assalto ao quartel de Varela apresentado a Amílcar Cabral por dois elementos do Bureau de Dakar, António Brito Lança e António de Jesus Marques. Contém ainda uma apresentação destinada a acompanhar uma brochura com a declaração de Amílcar Cabral perante a IV Comissão da ONU. Data: Sexta, 4 de Janeiro de 1963. Observações: Doc incluído no dossier intitulado Manuscritos de Amílcar Cabral. Fundo: DAC – Documentos Amílcar Cabral. Tipo Documental: Documentos.

 

Ø  Estado-Maior do Exército; Comissão para o Estudo das Campanhas de África (1961-1974). Resenha Histórico-Militar das Campanhas de África; 7.º Volume; Fichas das Unidades; Tomo II; Guiné; 1.ª edição, Lisboa (2002); pp 433-434.

 

Ø  Outras: as referidas em cada caso.

Termino, agradecendo a atenção dispensada.

Com um forte abraço

Jorge Araújo.

23JUL2020