sábado, 29 de dezembro de 2018

Guiné 61/74 - P19344: Os nossos seres, saberes e lazeres (300): Viagem à Holanda acima das águas (5) (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil Inf, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 3 de Outubro de 2018:

Queridos amigos,
O genial holandês é o mais transversal dos pintores europeus, admirado por gente de todas as idades, os seus bosques, troncos de árvore, moinhos, cenas campestres, molhos de feno, cafés iluminados, seres humanos serenamente retratados, naturezas mortas, arvoredo retorcido... E também os autorretratos, os mais novos assombram-se com a vocação tardia, a adesão entusiástica a vários movimentos até atingir a especificidade do génio, aquela textura que nos permite identificar prontamente o atormentado Van Gogh, desde os tons escuros do mundo campestre onde iniciou a sua aventura até aos céus estrelados e aos seus amarelos fulgurantes da Provença, onde ele procurava tranquilidade.
O viandante vibra com Van Gogh e partilha exclusivamente convosco as alegrias que viveu na visita ao Museu Kröller-Müller, onde Van Gogh é o artista mais visitado, o que se compreende.

Um abraço do
Mário


Viagem à Holanda acima das águas (5)

Beja Santos

Permita-se ao viandante abonar um lugar-comum sobre a obra de Van Gogh: toda ela está marcada por uma abordagem emotiva muito especial e por uma enorme carga visionária, fez da realidade reelaborada o testemunho da sua vida e do seu pensamento, parece um mano-a-mano da correspondência que trocou com o seu irmão Theo, de valor excecional para entender o homem e o artista. Van Gogh foi uma vocação tardia, mas a arte e a religião foram fatores determinantes na sua existência. Começará empolgado pelas atividades campestres, era admirador das gravuras inglesas, observava atentamente a solidão das paisagens, as condições de vida difíceis dos proprietários agrícolas. Na sua correspondência com Theo ele descreve detalhadamente a atmosfera específica destas paisagens, poucos artistas fizeram tantos autorretratos como ele e dedicaram atenção a figuras da vida quotidiana, caso do tecelão ou deste funcionário ferroviário, tudo suavizado por um fundo floral e humanizado numa barba imensa, encaracolada, sobressai o seu génio no contraste entre o azul e o verde, tudo mais é harmonia e tranquilidade.




Foi durante os seus dois anos de estadia em Paris que Van Gogh pintou a maioria dos cerca de 20 autorretratos conhecidos. A representação humana foi o assunto favorito de Van Gogh antes da paisagem. Terá sido por falta de modelos que Van Gogh se autorretratou mas é óbvio que ele procurava uma resposta para a sua permanente preocupação analítica. Na correspondência para Theo ele descreve muitas vezes o seu aspeto físico. Iremos encontrar nestes autorretratos as mudanças fisionómicas. A cor vai-se aclarando, o seu olhar é cada vez mais frontal, de uma franqueza que nos cativa, porque não há ali rodriguinhos nem postiços, é uma pintura implacável: olhar penetrante. Fica-se agarrado a vê-lo, o tempo deixa de ter importância, é o contraste das cores, a sobriedade das pinceladas que lhe dão a indumentária, aquele fundo esverdeado que põe o pintor face a face com o seu interlocutor.



Tudo na Natureza o empolga, os ninhos de pássaros, as folhas mortas, as ervas secas, a cor da terra, as tonalidades do musgo. O interesse do genial pintor pela Natureza vem da juventude, ele vivia em comunhão com a terra, sente-se a sua forte atração pelo poder da germinação, pelo trabalhador que lança a semente à terra, é uma Natureza que vibra. Um dos pontos altos desta exaltação passará pela Provença, aí os seus tons amarelados tornam a Natureza mais vibrátil do que nunca.




Se pinta bosques, o ofício da tecelagem, interiores de restaurantes, prados, perspetivas de povoações com uma fortíssima dimensão campestre, Van Gogh nunca perdeu de vista o património edificado. É célebre o seu quadro “O Moinho de la Galette”. Van Gogh queria estudar na Academia de Antuérpia, entusiasmou-se com os quadros de Rubens, descobriu e entusiasmou-se com as estampas japonesas. Em 1886, ei-lo em Paris, conhece a arte de Delacroix, Millet, Daumier e outros. É a descoberta também dos impressionistas como Cézanne, Seurat e Gauguin, este será mesmo convidado a visitá-lo em Arles. A sua arte vai perdendo peso e ganhando em luminosidade com acentos coloridos. A ponte é só luminosidade, o fio de água é de um azul deslumbrante. Sempre a Natureza em hossana!




O mundo camponês, os eriçados troncos de árvore, as casinhas que parecem andar para as nuvens, a sobriedade de uma refeição com batatas… É o Van Gogh da terra ao céu constelado de estrelas, o que é escuro é para mostrar labor, o trabalho silencioso. Van Gogh conhecerá crises, adensará o seu caráter insociável, mas quando lemos a sua correspondência para Theo sente-se que ele é cada vez mais exigente, apesar do seu estado psíquico instável, das alucinações e do comportamento agressivo. Estes casos, pinta no quarto com a janela aberta, deixou-nos campos de trigo, prados, paisagens com árvores. Os comedores de batata é uma tela de 1885, para muitos críticos um dos expoentes máximos deste génio holandês. O seu modelo foi o pintor Millet, o pintor que partilhava a vida com a população campesina. Van Gogh pinta voluntariamente estes comedores de batata “em estado bruto”, abstém-se de qualquer refinamento técnico, é muito estrito à escolha das cores, não quer esconder o que há de grisalho na vida sombria destes rurais. O tema foi recorrente, este é o seu último estudo para a tela definitiva que está no Museu Van Gogh em Amesterdão. Aquela lâmpada acesa parece iluminar um fim de dia laborioso, come-se aquilo que se tira da terra, graças ao bom Deus. É com pesar que o viandante se despede de Van Gogh, ainda tem pela frente duas visitas a dois gigantes, Odilon Redon e Barbara Hepworth. Vamos continuar a visita, no interior e exterior do Museu Kröller-Müller.

(Continua)
____________

Nota do editor

Último poste da série de 22 de dezembro de 2018 > Guiné 61/74 - P19318: Os nossos seres, saberes e lazeres (299): Viagem à Holanda acima das águas (4) (Mário Beja Santos)

sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

Guiné 61/74 - P19343: Memórias de Gabú (José Saúde) (76): As habituais mensagens Natalícias de antigos combatentes. Realidades de guerra (José Saúde)



1. O nosso Camarada José Saúde, ex-Fur Mil Op Esp/RANGER da CCS do BART 6523 (Nova Lamego, Gabu) - 1973/74, enviou-nos mais uma mensagem desta sua série. 

     Gabu em memórias 

As habituais mensagens Natalícias de antigos combatentes

Realidades de guerra

O tempo foi, é e será de uma Paz que a humanidade expressamente muito considera.

Uns acreditam piamente no solene momento espiritual; outros, guiam-se pela inatingível
“estrada de Santiago” mostrada no infatigável horizonte boreal que os conduzem ao
mundo das utopias.

Prezo a quadra mágica do Natal e do Novo Ano. Considero e respeito todas as opiniões,
volto a referir com ênfase. Recordo, com um inabalável e contemplativo sentimento
nostálgico, as mensagens que os soldados fixados então nas três frentes de guerra –
Angola, Moçambique e Guiné - transmitiam aos seus familiares e amigos nestas épocas
festivas.

“Daqui fala o soldado…” um combatente que transmitia à plebe que se “encontrava
bem” e lá ficavam os beijos e os abraços para que o povo, carente de sensível saudade,
descansasse a sua alma que se inseria num manto salpicado de tristeza. “O meu rapaz
está bem”, comentava uma desconhecida mãe que entretanto se mostrava refeita de uma
desmedida mágoa pela ausência do caridoso fruto que colocara no mundo. Via-o na
televisão e logo o seu ânimo ressuscitava.

Nesta panóplia de infindáveis mensagens lá surgia um camarada que enviava beijinhos
para o seu recém nascido filho, ou filha, que por ora não conhecia. Partiu para a guerra
com o embrião aconchegado na barriga da sua amorosa companheira.

As imagens televisivas, onde o cenário de guerra mostrava jovens envergando os seus
camuflados e normalmente inseridos numa paisagem onde a vegetação de fundo
apontava para os gigantescos planos de uma África no seu melhor, eram escolhidas a
dedo, sendo que o repórter de imagem não corria um alegado risco que interferisse com
o bem-estar pessoal.

Em Gabu ocorreram reportagens “encaixadas” em tempos de pleno conflito. Todavia, as
realidades da guerra eclipsavam-se por esses momentos de lazer. O combatente sentia
que o seu dever era transmitir que “estava bem” e tudo se confinava a uma auréola de
fértil esperança.

Da então Nova Lamego, hoje Gabu, guardo réstias de memórias dos tempos em que a
televisão, a preto e branco, transmitia “Mensagens de Natal e de um Feliz Ano Novo”
de camaradas que se entregavam ao elevo de uma fantástica “máquina” de filmar que
lançava depois para o ar imagens de sonho e carregadas de confiança.

Mas, tudo o que tem princípio tem fim. Revejo, em lembrança, o período das nossas
comissões militares na Guiné, e das “escarpas” que tivemos de ultrapassar, sendo
algumas delas rotuladas de extrema dificuldade.

Uns partiram rumo a solo guineense e chegaram isentos de mazelas; outros,
infelizmente, morreram em combate, ou numa outra inusitada situação; mas existem
aqueles que revelam danos corporais que um dia levarão para a sua derradeira morada,
cuja consequência direta teve como origem uma mina antipessoal, uma bala que lhe
perfurou o corpo numa maldita emboscada, ou como efeito uma improvável causa que
entrementes lhe causou o desespero.

E com estas indesmentíveis realidades de guerra, sempre merecedoras de reparo, me
despeço dos camaradas que fizeram o favor de me “aturar” ao longo desta minha
“comissão” no blogue em que partilhei convosco escritos sobre o conflito na Guiné,
onde fomos evidentes protagonistas, uns como “heróis” no momento exato em que o
combate acontecera, admitindo, com convicção, que todos foram substancialmente
“heróis”, alguns deles vistos depois como “vilões” por força de um regime que
entretanto libertou soldados entregues à sorte nas antigas províncias ultramarinas.

Desculpem a utilização proibitiva neste espaço dos termos “herói” e “vilão” que, ao que
sei agora, não se compadecem com as regras implícitas no nosso blogue, admitindo
desde logo que esta “obscenidade” era-me totalmente desconhecida. Peço, obviamente,
perdão pelo lapso. Sou humano e como tal reconheço o erro.

Mas permitam-me regressar ao tempo em que Portugal assumia a democracia e nos
deparávamos na rua com militares de cabelos compridos, barbas cerradas, cigarro ao
canto da boca, mal fardados, exibindo vaidosamente uma G3 que pressupostamente não
saberiam a razão do porquê factual da sua existência e, bem pior, maltratando
combatentes que além-mar serviram a Pátria, desconhecendo, ou talvez não, que a
pessoa “torturada” fora alguém que combatera com garra ao lado das NT.

Da Guiné, aquela em que todos nós combatemos, ficarão fundamentais retratos de
homens que para além das suas mensagens natalícias, guardam, embora escassamente,
sinais de literais maus tratos praticados por gentes que jamais saberão o que foram
cenários de uma coerciva guerra a que fomos forçados, engrossando, sem rei nem roque,
as frentes de combate.

Mitigando em temáticas que entendo usufruírem de uma cabal audição, provocando
“ronco” numa Tabanca aberta a todas as opiniões, vejo-me entretanto débil para
transportar jocosamente um tambor cuja emissão de “ruídos” não consegue porventura
ultrapassar a barreira do som. Neste contexto, a batalha ter-se-á ajustado ao copioso
parecer que aqui não houve vencidos e nem tão-pouco vencedores.

Imaginariamente continuarei a palmilhar um trilho que se aperta em cada dia que passa,
mas, por outro lado, isento de minas antipessoais que ferem sensibilidades. Aliás, será
inserido neste pausado caminhar que me deparo com o motivo de tristeza por parte de
quê de direito em não considerar os antigos combatentes como “heróis”, compensando-
os estoicamente pela sua bravura, e não como meras peças descartáveis onde os
“vilões”, ou seja, “plebeus comuns de um universo onde se cruzam opiniões adversas”,
jamais terão cabimento. 


Um abraço, camaradas
José Saúde
Fur Mil Op Esp/RANGER da CCS do BART 6523

Mini-guião de colecção particular: © Carlos Coutinho (2011). Direitos reservados.
___________
Nota de M.R.:

Vd. último poste desta série em:  


Guiné 61/74 - P19342: Memória dos lugares (384): Tradições do Natal crioulo em Bissau: o "fanal" e o "mbim pidi festa" da meninada do meu tempo (Nelson Herbert)


Desenho de um "capelinha"  feitas pelas crianças de Bissau  no Natal... Segundo Nelson Herbert, era o "fanal2 (que tinha sempre no interior um pequeno presépio montado e uma vela acesa)...

Foto (e legenda): © Virgílio Teixeira (2018). Todos os direitos reservados [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. Mensagem do nosso amigo Nelson Herbert [jornalista, de origem guineense e cabo-verdiana, filho da antiga glória do futebol guineense,  Armando Duarte Lopes, o "Búfalo Bill (1920-2018); vive nos EUA, onde trabalha ou trabalhou na VOA - Voice of America]:

Data - quarta, 26/12, 16:00

Assunto - Tradições do Natal crioulo da Guiné (*)

O “esqueleto” da capela [, vd. imagem acima]  era feito do “miolo-esponjado” da cana de bambu [escapa-me agora o nome em crioulo do material também usado na confecção de peças de mobiliário tradicional- (cadeiras e banquinhos - particularmente no Leste da Guiné )] e as “paredes”  eram forradas de papel de seda, meio transparente, e de várias cores.

Ao artefacto que tinha sempre um pequeno presépio montado no interior e uma vela acesa, nós,  a meninada,  dávamos o nome de “Fanal”...

"Kandi foi, kandi foi para Belem..." (quando foi, quando foi para Belem...)  era um dos versos da lírica da “ladainha” que metia ainda referências ao “Menino de Jesus” e demais figuras do “Presépio”... É tudo o que ainda me recordo.

De resto havia um “Ritual” (De Pidi Festa)  que, de porta à porta, pelo Natal, se impunha como o tal arauto de “Boas Festas” pelo “nascimento do Menino” às famílias visitadas... e sempre a troco de alguns “trocados”...

Mbim Pidi Festa !

Nelson  Herbert
____________

Notas do editor:

(*) Vd,. postes de:

27 de dezembro de  2018 > Guiné 61/74 - P19338: Memória dos lugares (383): Essa tradição do Natal crioulo, descrita pelo Mário Dias, e vivida por ele em 1952, em Bissau, vou ainda encontrá-la em Nova Lamego, 15 anos depois, em 1967!... (Virgílio Teixeira, ex-alf mil SAM, CCS/BCAÇ 1933,1967/69)

25 de dezembro de 2018 >  Guiné 61/74 - P19334: Memórias dos lugares (382): Bissau, 1952, quando lá passei o meu primeiro Natal, aos 15 anos: uma tradição crioula que se perdeu, as crianças de Bissau, vindas do Chão Papel, Alto do Crim, Cupilon, Gã Beafada, Santa Luzia e outros bairros, que inundavam as ruas com as suas casinhas luminosas ou com os “kinkons” articulados e garrafas para marcar o ritmo, "tintim, tintim, kinkon, kinkon"... (Mário Fernando Roseira Dias, compositor musical, ex-srgt 'comando' reformado, Brá, 1963/65)

11 de janeiro de 2010 > Guiné 63/74 - P5628: Antropologia (16): Canções antigas do Natal de Bissau (Manuel Amante da Rosa)

Guiné 61/74 - P19341: Notas de leitura (1135): Os Cronistas Desconhecidos do Canal do Geba: O BNU da Guiné (66) (Mário Beja Santos)

Ruína de antiga fábrica alemã
Fotografia de Francisco Nogueira, retirada do livro “Bijagós Património Arquitetónico”, Edições Tinta-da-China, 2016, com a devida vénia.


1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil Inf, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 26 de Abril de 2018:

Queridos amigos,
É de incontestável importância o relatório assinado pelo Dr. Durval Ribeiro, ao funcionário da Sociedade Comercial Ultramarina que visita a Guiné em abril de 1963, fica-se a saber que ainda há movimento predador e pilhagem do Movimento de Libertação da Guiné, surtidas do Senegal, que ainda se nota uma certa paz no centro e à volta de Bissau e que o Sul até à região do Corubal está numa completa polvorosa, os funcionários da Sociedade, uns demitem-se outros estão desanimados, os europeus partem. Dir-se-á mais tarde, numa insinuação de que não há elementos concludentes abonatórios, que a Sociedade Comercial Ultramarina estava a ser mais afetada pela lealdade à soberania portuguesa que a Casa Gouveia, esta jogaria no equívoco, na dupla face. Mas não há elementos que substantivem essa insinuação.
Tudo mudara radicalmente, de janeiro para abril de 1963.

Um abraço do
Mário


Os Cronistas Desconhecidos do Canal do Geba: O BNU da Guiné (66)

Beja Santos

De 1 a 13 de abril de 1963, o adjunto da administração da Sociedade Comercial Ultramarina vai à Guiné e elabora um relatório de 16 páginas, carreia elementos e informações de inegável interesse. Fora encarregado de observar o que se estava a passar nos diferentes postos da Sociedade, visitar clientes e apurar a situação geral da Guiné, entre outros elementos de missão. Não se poupou a viajar, esteve no Sul, em Catió, Bedanda e Cacine e a norte do Geba esteve em Bafatá, Contuboel, Farim, Mansoa, Teixeira Pinto e Cacheu. Contactou inúmeros clientes: Arif Elawar, Mamud Elawar, Álvaro B. Camacho, Alberto C. Barros, Salim Boulassem, Jamil Heneni, Virgílio Reis, Casimiro Pires, Hermínio Correia, João S. Sepúlveda, Ernesto Lima, Jamil Wounes, Pedro G. Santos, Heni Abi Kalil, José Kalil, José Gabriel, Francisco Correia, Joaquim Escada, José Reis, José Amine, Mário Lima, Benjamim Correia, Taufik Saad, Carlos Domingos Gomes, Manuel J. Morais. Contacta um grande número de entidades, Governador da Província, altos funcionários, Comandante da Polícia, Chefe da PIDE, oficiais em Catió, Bafatá e Tite, administradores de circunscrição, Presidente da Associação Comercial, gerente do BNU, gerentes da Casa Gouveia e de Barbosa & Comta.

A situação da Província é relatada ao pormenor e quem leu o relatório vai sublinhá-lo amiudadas vezes. Escreve ele o seguinte:
“A actuação subversiva assumiu na Guiné três aspectos distintos que passarei a referir segundo as regiões onde se processaram:

Zona Norte – Na região fronteiriça ao Senegal continuam fazendo sentir-se os efeitos de um grupo cujo móbil tem sido, essencialmente, o saque e a pilhagem. Esse grupo que após as primeiras depredações em Guidage passou a actuar principalmente na região entre S. Domingos e o Litoral, hostilizado, nas suas últimas incursões, pelos nossos nativos, os Felupes, ter-se-á deslocado para Leste, encontrando-se na região do Casamansa, frente à nossa faixa entre Ingoré e Bigene, na qual já se verificaram recentemente roubos de gado.
Na opinião do administrador da circunscrição de Farim, com o qual me avistei, preocupado com a posição do nosso posto de Guidage, cujo encarregado encontrei em Farim, não haveria risco para a nossa empresa, dado que a autoridade administrativa do Senegal, da região que directamente lhe faz face, o tranquilizara a esse respeito.
Com excepção do centro comercial de Susana, abandonado em virtude dos estragos sofridos, várias actividades das populações continuam a processar-se como anteriormente e a insegurança é acidental, dado que os agitadores se encontram do lado de lá da fronteira que atravessam para as suas surtidas de saque, pilhagem e depredação.

Zona Centro – na região compreendida entre os rios Geba e Cacheu, desde o Litoral até à fronteira Leste, embora num clima de preocupação, vive-se em segurança. Em viagem de automóvel, com um motorista nativo e o chefe dos Serviços Industriais, para a zona de Bafatá, para apreciação dos descasques, e com o chefe dos Serviços Comerciais, para a zona de Teixeira Pinto, tudo se afigurou normal durante o percurso, parte do qual foi efectuado de noite. No entanto, esta zona dos limites da circunscrição de Bafatá para Oeste tem merecido especial atenção por parte dos agitadores, distinguindo-se os centros de Bissau e Bissorã e a região do Biombo, não tem sido, felizmente, ultrapassada a fase das reuniões e elaboração dos planos, gorados eficazmente pela intervenção oportuna das autoridades.

Zona Sul – A situação na região ao sul do rio Geba e a oeste do rio Corubal é totalmente diferente. Reina aqui a insegurança, pois que aos agitadores tem cabido a iniciativa das operações e embora a sua actuação se caracteriza pela mobilidade, o domínio geral da região pertence-lhes. Tal domínio traduz-se por: assalto ao aquartelamento de Tite; ocupação de Darsalame, que teve de ser bombardeado e deixou de existir como povoação e centro comercial; assalto ao aquartelamento da secção destacada em Salancaur e ao nosso estabelecimento pelo apoio que a Sociedade Comercial Ultramarina tem prestado às nossas tropas de que resultou a retirada da guarnição e o encerramento de todos os estabelecimentos comerciais; abandono da actividade comercial em Unal, Banta e Chequal; recusa das mulheres em efectuar, em alguns locais, como era hábito, os carregamentos de embarcações, cumprindo assim as instruções recebidas dos agitadores, etc.

A estes factos há a acrescentar a perda de duas embarcações, refugiadas na República da Guiné, uma, o Arouca, pertencente a A. Pinho Brandão, e a outra, o Mirandela, a A. S. Gouveia, esta última das melhores unidades do tráfego fluvial da Província, as quais se supõe terem sido assaltadas, o Mirandela já depois de carregado com 80 toneladas de arroz.
Posteriormente, a navegação para o Sul passou a ser feita em comboio, escoltado por uma lancha da Armada, o que torna muito mais moroso o movimento das embarcações.

Com os actuais efectivos militares na Província, afigura-se impossível a eliminação dos grupos subversivos, ou mesmo a neutralização da sua actividade, apesar da acção da viação e de o único batalhão de que se dispunha em Bissau como reserva estar já em operação em Catió, desde Fevereiro, o que terá conseguido criar a tais grupos dificuldades e insegurança que, até então, não encontravam. A situação é grave, desprestigiante perante as populações nativas indecisas ou mesmo fiéis. Os reforços que necessariamente terão de ser enviados resolverão o problema do domínio territorial, mas já não eliminarão totalmente as consequências político-económicas de uma situação de domínio do inimigo desde o início deste ano, pois irão chegar tarde. Já no seu regresso da Guiné, em Fevereiro, o nosso Presidente do Conselho de Administração levou ao conhecimento do Governo a necessidade de reforços imediatos, que ao terminar a nossa visita, em 13 de Abril, não tinham sido ainda enviados”.

O relator examina as consequências, nomeadamente o previsível desastre da campanha de arroz, a necessidade imperativa da sua importação, a diminuição da atividade industrial e comercial, o êxodo das populações, e tece considerações sobre a população branca:  
“A população europeia vive, como é óbvio, sob forte preocupação. Vive preocupada com o futuro da própria Guiné, perante a feição que os acontecimentos tomaram. De entre a população nativa é de salientar a atitude dos Fulas e Mandingas que têm patenteado o seu desejo de auxiliar as autoridades na repressão dos movimentos perturbadores, o que já se tem verificado, e o comportamento das tripulações (Manjacos) das embarcações utilizadas no tráfego fluvial e costeiro”.

Expende considerações sobre a confiança na Sociedade por parte das autoridades, comércio e particulares, detalha questões do setor industrial e comercial, procurando avaliar prejuízos havidos nos postos do Sul. Não deixa de referir a luta desenfreada que estava a ocorrer com a prática de preços na compra do coconote, a Sociedade protestara junto da casa Gouveia, por receber coconote com uma percentagem de impurezas superior à fixada.
A situação do pessoal levantava preocupações, é interessante ouvi-lo:
“O encarregado de Cacine acusa já o desgaste da sua permanência junto da fronteira, vai ser substituído. O encarregado de Salancaur demitiu-se por ter sido ameaçado por várias vezes pelos agitadores, supondo-se que devido ao franco apoio prestado aos elementos militares. O encarregado de Cadique pensa em pedir a demissão, embora se encontre presentemente em Bedanda, junto do encarregado deste posto. Está indeciso. Os nossos empregados dos postos do Sul manifestaram a esperança de uma retribuição especial pela posição perigosa que ocupam, o que parece ser de toda a justiça”.

Tece conclusões de caráter geral que enfatizam o que foi anteriormente referido: situação normal e muito preocupante na zona Sul; campanha de arroz fortemente afetada; campanha de mancarra a decorrer normalmente; campanha de coconote com tendência para a concorrência entre os exportadores e produção estimada inferior à dos anos anteriores; sérias preocupações quanto à sementeira na próxima campanha de arroz.

Em 23 de maio, o administrador da Sociedade Comercial Ultramarina envia a Castro Fernandes, administrador do BNU, este relatório assinado pelo Dr. Durval Ribeiro.

Em 31 de maio temos nova carta depois de um silêncio de 2 meses, o gerente informa que continuam operações conjuntas das três armas, com destaque para a ação da Força Aérea que, no Sul da Guiné, quase toda à mercê dos terroristas, empregam bombas de “Napalm”, arrasando sistematicamente os esconderijos dos elementos rebeldes.
Observa do seguinte modo o que por ali se está a passar:
“Exercendo pressão sobre as populações indígenas da referida região, que obrigam a fornecer-lhes alimento e a coadjuvá-los nas suas nefastas actividades, os terroristas prosseguem no abate de árvores para obstrução das vias de comunicação, cortes de estradas por meio de valas, destruição de pontes, queimando, assaltando povoações e estabelecimentos comerciais e, sempre que a ocasião lhes é favorável, armando emboscadas às nossas tropas e chegando mesmo ao ponto de atacarem aquartelamentos militares, como sucedeu em Catió e Bedanda.
O Ana Mafalda, esta semana saído do porto de Bissau com destino a Lisboa, foi alvejado a tiro, no canal de S. João, quando da sua passagem para Bolama, não sendo, contudo, atingido.
Por não ser aconselhável a sua permanência nas áreas dominadas por terrorismo, por falta de cobertura militar adequada, os poucos europeus que ainda habitam o Sul estão a abandonar os seus haveres, retirando para lugares menos expostos.”

(Continua)


Duas fotografias que constam do álbum “Guiné – Alvorada do Império”, 1953, trata-se de uma homenagem ao Governador Raimundo Serrão.
____________

Nota do editor

Poste anterior de 21 de dezembro de 2018 > Guiné 61/74 - P19313: Notas de leitura (1133): Os Cronistas Desconhecidos do Canal do Geba: O BNU da Guiné (65) (Mário Beja Santos)

Último poste da série de 24 de dezembro de 2018 > Guiné 61/74 - P19327: Notas de leitura (1134): “O Homem do Cinema, A la Manel Djoquim i na bim”, por Lucinda Aranha Antunes; edição da Alfarroba, 2018 (2) (Mário Beja Santos)

quinta-feira, 27 de dezembro de 2018

Guiné 61/74 - P19340: Agenda cultural (666): Apresentação da Obra Poética de Vital Sauane - “Mundo di Bambaram”, dia 28 de Dezembro, pelas 18h00, no Centro de Exposições de Odivelas, Rua Fernão Lopes, 2675 -348 Odivelas

C O N V I T E



Dia 28 de dezembro, pelas 18H00

Acompanhamento musical: Mû Nbana, Guto Pires e Sidia Baio

Apresentação da Obra Poética de Vital Sauane - “Mundo di Bambaram”, CENTRO DE EXPOSIÇÕES DE ODIVELAS, Rua Fernão Lopes, 2675 -348 ODIVELAS, ao lado da PSP. 

Recorde-se que o poeta Vital Sauane é natural de Nova Lamegio, licenciado em sociologia pela Universidade Lusófona,  mestre em sociologia pelo ISCTE (2011/13), conhecido empresário de futebol, descobridor de talentos desportivos, e dono da Academia Vitalaise, em Bissau.
____________

Nota do editor

Último poste da série de 12 de dezembro de 2018 > Guiné 61/74 - P19284: Agenda cultural (665): primeiras fotos da sessão de apresentação do livro do António Martins de Matos, "Voando sobre um ninho de Strelas", ontem, no Hotel Travel Park, em Lisboa (Miguel Pessoa)

Guiné 61/74 - P19339: (In)citações (122): Às Nossas Mães (Virgínio Briote)



Edmonds, Seattle, Washington, USA. monumento às mães dos militares norte-americanos,  que também servem a Pátria, tal como os seus filhos. Iniciativa do U. S. Navy Memorial Fundation.

Fotos (e legenda): © Virgínio Briote  (2018). Todos os direitos reservados [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. Belíssimo texto do nosso camarada, coeditor jubilado Virgínio Briote, postado na página do Facenbook da Tabanca Grande, em 24 de dezembro às 15:03, e  que aqui reproduzidos com a devida vénia:

Às nossas Mães

As nossas Mães que nos criaram, 
que, sempre cheias de cuidados, 
nos viram crescer 
até chegarmos à idade de ir.

Que, na Conde de Óbidos, 

se despediram de nós,
mãos no peito, lenço nas mãos, 
lágrimas a correr.

As nossas Mães. 

Que nos acompanharam com linhas de lágrimas, em aerogramas de saudade e esperança.

As nossas Mães. 

Que, outra vez no cais, recolheram os que regressaram. 

E às centenas de outras Mães 
que recolheram os restos dos filhos que criaram;

e às outras centenas 
que nunca chegaram a saber 
onde ficaram os filhos que para lá foram.


Às nossas Mães 

que estiveram nos Terreiros do Paço 
a receberem as medalhas;

e a todas as Mães da nossa geração, 
que compartilharam a nossa vida.

Virgínio Briote

[fixação de texto: LG]
____________

Guiné 61/74 - P19338: Memória dos lugares (383): Essa tradição do Natal crioulo, descrita pelo Mário Dias, e vivida por ele em 1952, em Bissau, vou ainda encontrá-la em Nova Lamego, 15 anos depois, em 1967!... (Virgílio Teixeira, ex-alf mil SAM, CCS/BCAÇ 1933,1967/69)


Guiné > Região de Gabu> Nova Lamego > CCS / BCAÇ 1933 (Nova Lamego e São Domingos, 1967/69) > Natal de 1967 > O capelão Moita, à civil, à esquerda,  junto de um dos miúdos que transportavam uma "capelinha", uma réplica  em miniatura, com um presépio lá dentro, iluminado por uma vela;   à direita, o Virgílio Teixeira.

Foto  (e legenda): © Virgílio Teixeira (2018). Todos os direitos reservados [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. Comentário,   ao poste P19334 (*), de Virgílio Teixeira (ex-al mil SAM, CCS/BCAÇ 1933, 1967/69):

Depois de ler esta bela história do Mário Dias, sobre o Natal em Bissau, talvez me passasse pela cabeça ter visto por alturas do Natal, antes ou depois, porque os Natais eram passados junto do comando e CCS do Batalhão (BCAÇ 1933) estas manifestações, embora não tenha nenhum facto exacto em mente.

Contudo, e a propósito, isto passava-se cá, na minha infância também se cantavam as Janeiras e os Natais, junto das portas dos senhores, com cantigas alusivas que ainda me lembro delas perfeitamente, eram os peditórios para o 'menino Jesus',  quer dizer para nós que fazíamos parte dos grupos, e era até rentável para as guloseimas que não tínhamos. Mas isto é outra história.

Ao ler este texto: "Grupos de 3 ou 4 crianças, transportavam pequenas casas feitas com armações de finas tiras de cana ou material semelhante revestidas com papel de seda de várias cores. Com um coto de vela aceso no seu interior, resplandeciam como se de vitrais se tratasse. E como havia algumas tão bem construídas e belas!... A catedral de Bissau, a casa do governador, o edifício da Administração Civil, ou simples casas saídas da fértil fantasia do seu construtor. Também havia quem desse asas à criatividade e aparecesse com navios, aviões e de quanto a imaginação fosse capaz.

"Iam parando em cada casa, ora à porta quando situada ao rés do passeio, ora penetrando nos pequenos jardins das mais recuadas, e um deles, portador de uma garrafa vazia e de um pequeno ponteiro de ferro batia o ritmo: tintim, tintim. tintim… Então, ao compasso que o “tocador de garrafa” ordenava, todos rompiam nesta cantilena: ( por sinal bem afinados)"

... Lembrei-me do meu Poste,  sobre o Tema 055, em Nova Lamego, na época do Natal, de ver estes grupos de miúdos com umas coisas que na altura disse não saber o que eram.  Pelo ao nosso editor para ver então esse  Poste - que não encontro o número nem a sua publicação, mas era sobre o Nosso Capelão Moita, e cujo texto retirei e coloquei aqui:

(...) Guiné - Portugal 67/69 - Álbum de Temas:  T055 – O Nosso Capelão, Aferes Graduado Moita, o Capelão Padre Moita que se juntou mais tarde ao BCAÇ 1933.

(...) F8 – O capelão Moita junto de um grupo de Djubis com objectos religiosos de Natal, não sei o que é aquilo. NL, Dezembro 67.


Pedia então para o Mário Dias, ou outro camarada que saiba disto, se aquela peça que os miúdos apresentam iluminada, não seria uma dessas referidas.por ele.

Parabéns ao editor por esta publicação, e agora peço que tente desvendar este dilema, podemos estar na presença das tais ´casinhas ou outras coisas´, feitas de qualquer coisa...

E assim acabaram estas festas natalícias....

2. Comentário do nosso editor LG:

Heureca, Virgíliio, é isso mesmo!... Tens olho clínico!... Essa tradição do Natal crioulo, descrita pelo Mário Dias, e vivida por ele em 1952, em Bissau, vais tu ainda encontrá-la em Nova Lamego, 15 anos depois, em 1967!...

Aqui está, como  prometido, o  teu comentário elevado à categoria de poste !... Aqui tens a foto em questão (a nº 8), depois de reeditada para dar mais destaque aos miúdos que seguram nas mãos a "igreja" em minitura, em papel... e um presépio lá dentro!... Não é a a igreja de Nova Lamego, que só tinha uma torre, mas pode ser a de Bissau ou de Bafatá... 

Que coisa linda!...Deviam ser miúdos de famílias cristãs, também as havia em Bambadinca e Bafatá, mas eu na noite de Natal, pelo menos a de 1969, passei-a... destacado na "Missão do Sono" a aguardar as costas dos senhores do comando e da CCS do BCAÇ 2852 (Bambadinca, 1968/70)...

Vê aqui o poste que tu não conseguiste localizar (**)

Lembrei-me, entretanto, que o nosso amigo (e camarada) Manuel Amante da Rosa tem um poste antigo sobre esta tradição, a que eu chamo o Natal crioulo da Guiné (***). Escreveu ele:

Uma "capelinha"...
(...) Muito provavelmente muitos dos membros da nossa Tabanca Grande que tenham passado um Natal na Guiné, terão visto e escutado grupos de crianças que, festeiramente, andavam de porta em porta com pequenos presépios ou casas de papel, iluminadas com vela por dentro, mais uns bonecos articulados, alguns com caricas de garrafas de cervejas pregadas em tábuas de ocasião a chocalhar, acompanhando um coro, por vezes desafinado. São gratas recordações dessa tradição que ainda hoje persistem em Bissau.(...)

O seu relato sobre o Natal de outrora na Guiné bate certo com o que  que já escrevera, quatro anos antes, o Mário Dias (Poste P367, de 18 de dezembro de 2005).

Um "quincom"...
(...) Outrora e até o início dos anos 70 do século passado, era frequente, nas noites de 24 e 31 de Dezembro, as ruas da cidade de Bissau serem percorridas por grupos de jovens guineenses, oriundos dos Bairros periféricos, que consigo transportavam interessantes réplicas de igrejas e capelas. Eram as “Capelinhas”.

Feitas numa estrutura de madeira muito leve, vulgarmente denominada “tara” (Raphia sp. Exsicc. Esp. Santo 766), eram forradas a papel de seda, contendo, no seu interior, várias pagelas de santos e, ao centro, iluminadas por um coto de vela, o que, no breu da noite, conferia ao conjunto um aspecto de particular carinho.

Os grupos de miúdos percorriam as ruas de Bissau, cantando, de casa em casa, saudando, a troco de 5 tostões, com a seguinte cantilena os moradores (...):

A cantinela era a mesma que já o Mário Dias ouvia em 1952...

E era   "acompanhada, sequencialmente pelos famosos bonecos, tipo espantalhos feitos de papelão, presos numa cana ou pequena haste de madeira, com os braços e pernas articulados, graças a um sistema de cordéis interligados, nas costas, dos referidos bonecos. Estes bonecos eram conhecidos pela designação vulgar de Quincões” (...).
__________________

Notas do editor:

(*) Vd. poste de 25 de dezembro de 2018 > Guiné 61/74 - P19334: Memórias dos lugares (382): Bissau, 1952, quando lá passei o meu primeiro Natal, aos 15 anos: uma tradição crioula que se perdeu, as crianças de Bissau, vindas do Chão Papel, Alto do Crim, Cupilon, Gã Beafada, Santa Luzia e outros bairros, que inundavam as ruas com as suas casinhas luminosas ou com os “kinkons” articulados e garrafas para marcar o ritmo, "tintim, tintim, kinkon, kinkon"... (Mário Fernando Roseira Dias, compositor musical, ex-srgt 'comando' reformado, Brá, 1963/65)

(**) Vd. poste de 15 de setembro de 2018 > Guiné 61/74 - P19017: Álbum fotográfico de Virgílio Teixeira, ex-alf mil, SAM, CCS / BCAÇ 1933 (Nova Lamego e São Domingos, 1967/69) - Parte XLIII: O alf mil capelão Carlos Augusto Leal Moita

(***) Vd. poste de 11 de janeiro de 2010 > Guiné 63/74 - P5628: Antropologia (16): Canções antigas do Natal de Bissau (Manuel Amante da Rosa)

Guiné 61/74 - P19337: Parabéns a você (1549): José Pedro Neves, ex-Fur Mil Op Esp da CCAÇ 4745/73 (Guiné, 1973/74)

____________

Nota do editor

Último poste da série de 25 de Dezembro de 2018 > Guiné 61/74 - P19333: Parabéns a você (1548): Ismael Augusto, ex-Alf Mil Manut do BCAÇ 2852 (Guiné, 1968/70)

quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

Guiné 61/74 - P19336: Historiografia da presença portuguesa em África (141): Meu Corubal, meu amor (1) (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil Inf, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 25 de Maio de 2018:

Queridos amigos,
O relato que se segue é já da I República, o manuscrito foi datilografado em 1931. O Capitão José António de Castro Fernandes, natural da Índia, faz-nos um empolgante registo da região de Buba, de que foi administrador. Percorreu rios e braços de mar, é uma vivência e um saber feitos de comprovada experiência, como se poderá ver.
Depois do Geba, o Corubal é um rio da minha vida, pelo que fui ao Xitole, ao Xime, à Ponta do Inglês. E a experiência que tive, em novembro de 2010 quando percorri de mota a estrada Xime-Ponta do Inglês foi inesquecível, eu ia embevecido por aqueles campos frondosos em torno do Corubal, que atravessei em várias direções com a G3 nas mãos, quem aqui combateu conhece o significado da Ponta do Inglês, Ponta Varela, Poidom, Buruntoni.
Uma das tristezas que guardo dessa viagem é não ter ido a Ponta Luís Dias, Tabacuta, Mina e Galo-Corubal, vindo depois por Xitole, e regressando a Bambadinca por Moricanhe, Taibatá e Amedalai.
Prometi a mim mesmo que será itinerário obrigatório na próxima viagem, o Corubal é muitíssimo belo.

Um abraço do
Mário


Meu Corubal, meu amor (1)

Beja Santos

Nos Reservados da Sociedade de Geografia de Lisboa consta um dossiê assim apresentado: Província da Guiné – Relatório de autor ignorado (mas que julgamos ter sido elaborado pelo antigo administrador de Buba, Capitão José António de Castro Fernandes, natural da Índia, cujo filhos residem, ainda, na Guiné. O original existia em poder do falecido Capitão Alberto Soares, antigo Administrador do Concelho de Bolama, combatente das campanhas de pacificação. Quem datilografou em 1931 diz que faltam as primeiras páginas, o que reproduz inicialmente está cheio de tracejado, é manifestamente incompreensível. O manuscrito, como iremos ver, é da década de 1910.
E o que é compreensível começa exatamente com o rio Corubal, deste modo:
“O rio Corubal é muito profundo mas cheio de baixos; e maior profundidade apresenta na margem esquerda ou na margem do lado do Forreá. Não é navegável senão para barcas que não demandem mais de duas braças de água, e isto mesmo até Xitole, e dali até próximo à cachoeira de Cussilinta, perto de Gambessé, com bastante dificuldade e perícia, por parte do respectivo piloto do barco.
Impedem a navegação, além das diversas cachoeiras e o banco que forma logo à entrada defronte de Gampará e, que na baixa-mar, se vê que é, em uns quilómetros de extensão, os bancos de areia e lodo, que, segundo as estações e outras circunstâncias, e entre estas o macaréu, são arrastados pela caprichosa natureza, em diferentes sentidos, afirmando os pilotos práticos neste rio que um banco encontrado num mês nem sempre se encontra, passados dias, no mesmo local, pelo que a navegação, mesmo até ao Xitole, deve ser feita cuidadosamente. Na época pluviosa, acresce a este inconveniente de mudanças de baixos a vertiginosa corrente do rio que atrasa e dificulta bastante a navegação.
A dificuldade de não se ter ainda conseguido a navegação além das cachoeiras dá ocasião a que variados produtos, designadamente arroz, que em grande quantidade se planta e colhe no Alto Forreá (parte do Boé) sejam desviados para o território francês, onde fazem a permuta, principalmente na época das chuvas, durante essa época torna-se impossível conservar-se em estado de ser transitado um caminho que eu mandei abrir na cambança de Juda – Maganacho até Xitole”.

O relator apresenta-nos agora o rio Grande de Bulola ou de Buba, dizendo:
“É antes um braço do mar do que rio propriamente dito. Muitos anos se julgou que tinha comunicação com o rio Corubal, sendo talvez o motivo de o chamarem Rio Grande. Nas suas margens divisam-se extensas e graciosas colinas cheias de verdejantes matas e uma infinidade de cibes (palmeiras). Estas margens cortadas quase a pique, com bastante altura, oferecem assim dispostas um seguro abrigo aos navegantes contra os tornados (ciclones especiais da costa da Guiné, tendo por foco a Serra Leoa).
Bastante profundo e sem baixos, pode ser facilmente navegado por navios de longo curso até próximo do rio Regina, onde, pelo constante assoreamento, formou-se um baixo que uma sonda o encontra a duas braças de profundidade, porém, passado este baixo, pode continuar-se a navegar até próximo de Buba, em navios que não demandem mais de quatro braças, se bem que, com muita cautela se deve fazer, por causa do constante e progressivo assoreamento do rio desde o referido baixo do rio Regina até Buba.
De Buba até à sua confluência com o rio de Bolama, na Ponta Colónia, faz um percurso aproximado de 50 milhas, em constantes ziguezagues, formando pontas ou antigas e ricas feitorias que existiram em número superior a 60 e que aqui atraíram, outrora, pelo seu importante comércio e pela facilidade de navegação do Rio Grande, navios de longo curso. Em algumas pontas vêem-se ainda restos destas feitorias com as suas cisternas, armazéns, prisões, etc, feitorias, que, senão fora as lutas havidas lá pelos anos de 1882 a 1885-86, entre Fulas e Biafadas, ainda hoje existiriam, e o Rio Grande não teria perdido a sua importância e nem estaria na decadência em que hoje se encontra; se bem que, ainda se espera pelo constante repovoamento dessas pontas, que nos últimos dois anos se tem acelerado bastante, vem a aproximar-se, pelo menos, da sombra do que foi.
Tem este rio ou braço de mar um grande número de afluentes, alguns importantes pela sua profundidade e largura, principalmente no praia-mar, onde se encontra mais de 3 a 5 braças de profundidade, sendo pena que na baixa-mar fiquem por completo desaguados, conservando, apenas, em certos lugares, bacias que têm servido de ancoradouros a barcos à espera da praia-mar para dele saírem”.

O Capitão Castro Fernandes é minucioso, não se contentou em descrever o rio de Buba, dá-nos igualmente a relação dos afluentes que ele percorreu em lancha a vapor ou em escaler a remos: rio Regina, rio Banin ou de Mato-Grande, rio Buduco, rio Tinto, rio Cumbijan, rio Mansole, Rio Ocaz, Canal da Ilha Seca, rio Bissilão. Diz que o rio Regina é bastante largo, o rio Banin situa-se na margem direita, lado do Quínara, o Buduco é bastante largo, tem um braço do lado direito para o Posto Administrativo de Fulacunda.
Como é minucioso, deixa no seu relatório que julga importante:
“À entrada deste rio, encontra-se um grande baixo de pedra, deixando ver na baixa-mar um grande recife, pelo que se torna bastante perigoso, sendo por este motivo e ainda para se poder seguir a favor da corrente que se entra no rio depois de principiar a enchente e antes do recife ficar coberto; o rio Tinto fica na margem esquerda no Rio Grande; o rio Cumbijan é bastante largo e profundo, atravessa a circunscrição de Cacine".
E o nosso relator comenta:
“Não o conheço por mar, mas por várias vezes estive nas suas margens, no local de Cumbijan, onde existe um estabelecimento comercial. Na época pluviosa, dizem ser perigosa a navegação, devido a grandes troncos de árvores arrastadas pela corrente. Durante as chuvas constantes e torrenciais, transbordando as superfícies pantanosas, formam-se no Forreá vários regatos que junto com as nascentes existentes, correm para este rio Cumbijan; o Mansole é um afluente do rio de Bolama, bem como o rio Salanca ou de Nhala, este com largura de mais de 400 metros e extensão até à Ponta de João Preto; falando do rio Ocaz, diz que contornado a ponta de Nhala, fica do outro lado a povoação Balanta de Bissásema; regista que entre o Quínara e o Ilhéu do Rei, um pouco mais para cima, fica a Ilha Seca. Entre esta ilha e o Quínara é o canal da Ilha Seca".
E regista:
“Na entrada tem um baixo; contudo, um barco que não demande mais de duas braças o transpõe na praia-mar facilmente e sem perigo algum. Passado este baixo, o canal acusa, invariavelmente, cinco ou seis braças folgadas. Na saída para o rio Geba, perto de Jabadá, há um outro baixo nas mesmas condições do da entrada”.

(Continua)

Rápidos de Cusselinta, rio Corubal
Fotografia de José António Sousa publicada no site http://geoview.info/, com a devida vénia.

Che-Che, rio Corubal
Fotografia retirada da rede social Pinterest, com a devida vénia.

O Corubal visto da Ponta do Inglês
Tirei esta fotografia em novembro de 2010, acompanhou a viagem do Tangomau, pertence ao nosso blogue.
____________

Nota do editor

Último poste da série de 19 de dezembro de 2018 > Guiné 61/74 - P19307: Historiografia da presença portuguesa em África (140): As tribos da Guiné Portuguesa na História, pelo Padre A. Dias Dinis (3) (Mário Beja Santos)

Guiné 61/74 - P19335: (D)outro lado do combate (41): Carta de Aristides Pereira a 'Nino' Vieira, escrita em Cassacá, em 22 de janeiro de 1964


Cassacá em 2018. Foto do camarada Patrício Ribeiro, com a devida vénia [P18697].


Mapa de Cacine, Sector de Quitafine (Frente Sul). Cassacá, local onde foi manuscrita a carta de Aristides Pereira, em 22 de janeiro, e, também, o da realização do I Congresso do PAIGC, organizado entre 13 e 17 de Fevereiro de 1964, estava situada a quinze quilómetros a sul de Cacine e a trinta da fronteira com a Guiné-Conacri.



Jorge Alves Araújo, ex-Furriel Mil. Op. Esp./RANGER, CART 3494 
(Xime-Mansambo, 1972/1974): coeditor do nosso blogue


GUINÉ: (D)O OUTRO LADO DO COMBATE  

CARTA DE ARISTIDES PEREIRA A 'NINO' VIEIRA, ESCRITA EM CASSACÁ EM 22 DE JANEIRO DE 1964, UM ANO DEPOIS DO ATAQUE A TITE
  
- AS ORIGENS DO PRIMEIRO CORPO DO EXÉRCITO DO PAIGC - 

Os relatos publicados nos P19254 e P19259 suscitaram-me particular interesse, do ponto de vista histórico, por recuperarem mais alguns dos episódios do período que antecedeu o início do conflito armado no CTIG, nomeadamente durante o ano de 1962, por permitirem identificar os principais actores de cada um deles. 

Estes e muitos outros que, na fita do tempo, se foram sucedendo acabariam por influenciar, para o bem ou para o mal, os comportamentos sociopolíticos em cada um dos lados em confronto, que culminaram com o ataque ao aquartelamento de Tite, localizado na região de Quinara, facto ocorrido em 23 de Janeiro de 1963.

No primeiro caso [P19259], o depoimento do ancião autóctone que surge no vídeo a falar da sua experiência e das suas memórias, e que se considera ser um dos primeiros sete ex-combatentes que tomaram a decisão de aceitar fazer parte do universo da guerrilha nacionalista, dá conta que uma das primeiras "barracas" [acampamentos] criada no Cantanhez, região de Tombali, foi em Caboxanque.

No segundo caso [P19254], é relevante o facto de ser reduzido o número de efectivos militares na Guiné, uma vez que a CCAÇ 153, comandada pelo, então, capitão e infantaria José dos Santos Carreto Curto, era a única companhia em todo o Sul da Guiné em 1961, com um pelotão em Buba e uma secção em Aldeia Formosa. Mais tarde fez deslocar um Gr Comb para Cacine. Estiveram também aquartelados em Cufar numa fábrica de arroz, bem como em Catió, até que a situação se agravou em termos operacionais [Vd. P19264 e P19291; notas de leitura do camarada Beja Santos].

Em função do vasto território em que se movimentou, particularmente nas Regiões de Tombali e Quínara, o capitão Carreto Curto, que no passado dia 30 de Novembro nos deixou, e a sua CCAÇ 153, viveu/viveram momentos difíceis e dramáticos, pois ficaram associados ao começo [oficial] da guerra no CTIG.


Entretanto, em 26 de dezembro de 1962, como reconhecimento da sua acção/ intervenção psicossocial, o capitão Carreto Curto foi agraciado com a Medalha de Prata de Serviços Distintos com palma [imagem ao lado], devido ao facto de "como comandante de companhia no Comando Territorial Independente da Guiné, desde Junho de 1961, ali vem exercendo, por meio de acções de reconhecimento e de objectivo psicossocial, uma actividade altamente meritória de que tem beneficiado todo o sector do batalhão [BCaç 237], revelando, a par de notáveis qualidades de organização e disciplina, excepcionais dotes de comando, de iniciativa e de audácia, transmitindo a todos os subordinados uma confiança ilimitada, o que permitiu criar e desenvolver na sua unidade [CCAÇ 153] um espírito de corpo tal, que a mesma pode ser apontada como exemplo de disciplina, de eficiência e de sacrifício no cumprimento do dever. Os serviços prestados por este oficial ao Exército e à Nação, na presente conjuntura da Guiné, devem ser considerados relevantes e distintos".

Quanto ao ataque ao aquartelamento de Tite acima referenciado, o nosso blogue tem um vasto espólio de narrativas que pode (e deve) ser consultado. Em cada leitura que se faça, descobre-se, por vezes, novos detalhes que suscitam outros pontos de interesse e investigação, que merecem ser aprofundados. É isso que vamos tentar fazer numa próxima oportunidade, triangulando conteúdos e adicionando-lhe novas informações contraditórias.

Recupero, a esse propósito, entre outras, a entrevista dada em 2001 por Arafam ["N'djamba" Mané; Bissau, 1945.09.29 / Madrid, 2004.09.04] ao jornal "O Defensor", órgão de Informação das FARP – Forças Armadas Revolucionárias do Povo da Guiné-Bissau e reproduzida em 2015 no sítio das FARP, por iniciativa do major Ussumane Conaté. Esta entrevista foi/está dividida em quatro partes, por diligência do camarada José Teixeira, 1.º cabo aux enf CCAÇ 2381, "Os Maiorais", Buba, Quebo, Mampatá e Empada; 1968/1970 – P16794; P16812; P16823 e P16851.

O testemunho do camarada Gabriel Moura [falecido em 2006], do Pel Mort 19, escrito em «Tite (1961/1962/1963) Paz e Guerra», pp 83/88, é outra leitura obrigatória, uma vez que ele foi o primeiro militar português a responder ao fogo da força que atacou o aquartelamento de Tite, pois encontrava-se de guarda naquela ocasião [P17649].

Com o objectivo de fazer a ponte ligando duas peças da historiografia da guerra: o ataque a Tite (23Jan1963) e o I Congresso do PAIGC (Cassacá; 13/17Fev1964), enquanto processo na organização e desenvolvimento da luta armada durante o ano de 1963, tomei a iniciativa de partilhar convosco uma carta manuscrita por Aristides Pereira, em Cassacá, e enviada a 'Nino' Vieira, a 22 de janeiro de 1964, ou seja, um ano após o primeiro evento.

A elaboração deste escrito do dirigente Aristides Pereira [Boavista, Cabo Verde; 1923.11.17 / Coimbra; 2011.09.22] dirigido ao principal Cmdt da guerrilha 'Nino' Vieira [Bissau; 1939.04.27 / Bissau; 2009.03.02 (assassinado)] surge na sequência de alguns acontecimentos que estão na génese da reunião magna [congresso]. 

Recorda-se, pela sua pertinência, por um lado, a visita de Luís Cabral [Bissau; 1931.04.11 / Torres Vedras; 2009.05.30] à zona de Quitafine e tabanca de Cassacá em finais de 1963, por outro, as informações recolhidas em todos os contactos estabelecidos com os combatentes e aquelas que lhe chegavam das frentes. 

Estes factos levaram a que o irmão [Amílcar Cabral (Bafatá; 1924.09.12 / Conacri; 1973.01.20, assassinado dez anos depois de Tite)] aceitasse, como necessária, a realização de uma reunião geral dos responsáveis pelo PAIGC, no sentido de se poder discutir e aprofundar estas questões, de maneira a tirar delas todas as lições para o futuro, numa altura que estava concluído o primeiro ano da luta armada.


Citação: (1965), "Desfile de combatentes do Exército Popular comandados por Nino Vieira", CasaComum.org, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_43728 (2018-12-9)

A operacionalização de cada uma das diferentes acções projectadas para antes, durante e depois do I Congresso podem (devem) ser consultadas no livro de memórias de Luís Cabral: «Crónica da Libertação», (1984), Lisboa, Edições 'O Jornal', Publicações Projornal [Vd. trabalho de recensão realizado pelo camarada Beja Santos – P7216; P7223; P7232; P7241 e P7259].

Como dimensão histórica, cito uma passagem [P7232] onde é referido o seguinte:

 "Em finais de 1963, Luís Cabral faz a sua primeira visita ao Quitafine, a partir de Sangonhá, depois partiram para a base de Cassacá, onde foi recebido por Manuel Saturnino [da Costa; n-1942-]. Em Cacine estava instalado o primeiro quartel das tropas portuguesas [CART 496], a que se seguiu Gadamael [CART 640]. Segundo Luís Cabral, as tropas portuguesas estavam confinadas a Cacine".

Para um melhor conhecimento da evolução do contexto operacional desenvolvido pelas NT - unidades militares -, sedeadas naquela região, sugere-se a leitura do importante trabalho de investigação historiográfica elaborado pelo nosso camarada Manuel Vaz, ex-Alf. Mil da CCAÇ 798, iniciado no P19261, que saudamos.


2. A CARTA DE ARISTIDES PEREIRA A 'NINO' VIEIRA, ESCRITA EM CASSACÁ, EM 22 DE JANEIRO DE 1964

Neste segundo ponto apresentamos, de acordo com o acima exposto, a transcrição da carta, de quatro folhas, manuscrita em Cassacá, por Aristides Pereira, e enviada a 'Nino' Vieira, em 22 de janeiro de 1964.

Eis o seu conteúdo:

"Cassacá, 22 de Janeiro de 1964

"Meu caro Nino,

"É com imenso prazer que te saúdo, bem como a todos os camaradas, daqui deste ponto livre da nossa terra.

"Como sabes, devia encontrar-me contigo e com o Arafam ["N'djamba"] Mané, a 20 [Fev'1964], aqui na Zona. Com efeito, no dia 20 estava no interior, mas não foi possível fazer a reunião, dadas as novas condições que se apresentaram na tua [zona], grandemente atacada pelo inimigo [NT], e também porque o Arafam certamente se atrasou na missão.

"Entretanto, nós, em Conacri, em especial o Amílcar [Cabral], temos tudo preparado e desejamos que o encontro da missão do Arafam se faça o mais breve possível, não sendo possível neste mês, nos primeiros dias do mês de Fevereiro [1964].

"Seria bom se o encontro se pudesse realizar na tua barraca [acampamento], mas as condições não o permitem. Temos, pois, que nos contentar com um local mais próximo da fronteira [Sul], onde as condições de segurança dos presentes são maiores. Sugiro-te Cassacá, que já conheço. Entretanto, espero a tua resposta. Devo dizer-te que consideramos este encontro dos acontecimentos mais importantes na história da nossa luta e ele vai marcar uma nova etapa do nosso combate."


[Este encontro… é (foi) o I Congresso do PAIGC realizado em Cassacá, entre 13 e 17 de Fevereiro de 1964].


Citação: (1964), "I Congresso do PAIGC em Cassacá", CasaComum.org, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_85098 (2018-12-9)

Fonte: CasaComum; Fundação Mário Soares. Pasta: 07223.002.046. Título: I Congresso do PAIGC em Cassacá. Assunto: Amílcar Cabral e grupo de (dezanove) milicianos em Cassacá [região libertada do sul da Guiné-Bissau], por ocasião do I Congresso do PAIGC. Data: Fevereiro de 1964. Opaco/Transparente: Opaco Negativo/Positivo: Positivo. PB/Cor: Preto e Branco. Fundo: Arquivo Mário Pinto de Andrade. Tipo Documental: Fotografias.

"Esperamos fazer vir para assistir no último dia da reunião [I Congresso; 17Fev1964], alguns jornalistas estrangeiros, aos quais seria distribuído um documento sobre os problemas tratados na reunião. Queremos ainda que no fim dos trabalhos e diante dos jornalistas, o Secretário-Geral do Partido faça o "baptismo" do primeiro destacamento do nosso Exército. Esse corpo teria cerca de 150 homens cujas fardas viriam ainda de Conacri.

"Estou certo que compreendes bem o interesse que esta reunião tem para a fase nova da luta que estamos vivendo, no plano interior, e no plano exterior, o que isso pode representar como reforço da nossa posição no plano internacional e sobretudo, junto dos países vizinhos, em especial o Senegal.

Tinha muito interesse em ver-te também para discutirmos o problema do material que te falta. Autorizei que fosse tirado do material do Norte, 10 carabinas e 10 cxs de balas 7,62 mm PM para te mandar. Não compreendo com o que se teria passado com as balas 7,62 mm. No barco em que vieste estavam 30 cxs para a Zona 11. Houve engano com certeza. Estão no barco 2 morteiros para a tua Zona, assim como algumas minas antitanque e antipessoal.

Continuo aqui na barraca do Manuel [Saturnino da Costa?], aguardando a tua resposta amanhã, para poder regressar depois de amanhã. O Embaná vai comigo para trazer as coisas [será que se trata do Fiere Embaná, que desertou do PAIGC e se apresentou no quartel de Tite, em Maio'1971, ao tempo do BART 2924 (P18746)?].


"O Zé traz uma grande barraca e 3 macas para doentes.

"Devo dizer-te que o Comité dos 9 soube reconhecer e avaliar os trabalhos do nosso Partido. Esperamos, no entanto, ainda, qualquer coisa de mais concreto.

"O segundo assunto importante que queria tratar contigo é o da vinda dos dois amigos que deviam vir ver e filmar coisas no interior. Eles chegam a Conacri a 29 [Jan de 1964] e devem vir, como combinámos, a 1 ou 2 de Fevereiro. Dá-me a tua opinião sobre o caminho que devem seguir. 

"Entretanto, sugiro que estejas em Sangonhá, que visitem Bricama para ver gente do povo no mato, sem casa. Vêm depois a Cassacá, onde fariam o resto do filme (combatentes, casas destruídas, etc.). Seria decerto mais interessante se lhes fosse possível ver a base central, mas não creio que isso seja possível. Diz o que pensas sobre o assunto. Eles regressariam de barco à República da Guiné."







Reprodução do original da carta de Aristides Pereira

Citação: (1964), Sem Título, CasaComum.org, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/ 11002/fms_dc_39103 (2018-12-9).

Fonte: CasaComum; Fundação Mário Soares. Pasta: 07062.034.025. Assunto: Constituição do primeiro destacamento do Exército [Popular]. Visita do Comité dos 9 [OUA]. Vinda de "dois amigos" para filmar no interior. Remetente: [Aristides Pereira]. Destinatário: Nino Vieira. Data: 22 de Janeiro de 1964. Observações: Doc incluído no dossier intitulado Manuscritos de Amílcar Cabral. Fundo: DAC – Documentos Amílcar Cabral. Tipo Documental: Correspondência.

Termino, agradecendo a atenção dispensada.

Com um forte abraço de amizade e votos de BOAS FESTAS.

Jorge Araújo.

15DEZ2018.
______________

terça-feira, 25 de dezembro de 2018

Guiné 61/74 - P19334: Memórias dos lugares (382): Bissau, 1952, quando lá passei o meu primeiro Natal, aos 15 anos: uma tradição crioula que se perdeu, as crianças de Bissau, vindas do Chão Papel, Alto do Crim, Cupilon, Gã Beafada, Santa Luzia e outros bairros, que inundavam as ruas com as suas casinhas luminosas ou com os “kinkons” articulados e garrafas para marcar o ritmo, "tintim, tintim, kinkon, kinkon"... (Mário Fernando Roseira Dias, compositor musical, ex-srgt 'comando' reformado, Brá, 1963/65)


Portugal > s/l, algures, >  de Setembro de 2005 > Um reencontro de velhos camaradas, militares portugueses que estiveram na Guiné, tendo participado na Op Tridente (Ilha do Como, de 14 de Janeiro a 24 de Março de 1964)... Quarenta anos depois... Alguns dos bravos da mítica batalha do Como... Entre eles, está o nosso Mário Dias (o segundo, a contar da direita). ... Já agora aqui fica a legenda completa (Os postos, referentes a cada um, são os que tinham à época dos acontecimentos): Da esquerda para a direita: (a) sold João Firmino Martins Correia; (b) 1º cabo Marcelino da Mata (hoje tenente-coronel, na situação de reforma); (c) 1º cabo Fernando Celestino Raimundo; (d) fur mil António M. Vassalo Miranda; (e) fur mil Mário Fernando  Roseira Dias (hoje sargento na reforma); (f) sold Joaquim Trindade Cavaco.

Foto (e legenda): © Mário Dias (2005). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné].


Angola > Luanda > 1963 (?)  >  Em primeiro plano, o fur mil 'comando' Mário Dias, em segundo plano, da esquerda para a direita, o fur mil Artur Pereira Pires, o sold Adulai Jaló e o alf mil Justino Coelho Godinho (, estes três últimos já falecidos). No  aeroporto de Luanda à espera de transporte para o QG. Foto cedida por Vassalo Miranda, ex-fur mil,  Gr Cmds ‘Panteras’

Foto (e legenda): © Virgínio Briote (2015). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné].


Guiné-Bissau > Bissau > 2001 > A catedral de Bissau símbolo do catolicismo, que sempre teve fraca penetração num país  em que predominam o islamismos e o animismo.

Foto: © David J. Guimarães (2005). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1.  Mensagem de Mário Dias 

(i) Mário [Fernando Roseira] Dias [, foto de 2005, à direita]

(ii) nasceu em 1937 em Lamego;

(iii) foi pra a Guiné, com a família, em 1952, ainda adolescente;

(iv)  assistiu à modernização e crescimento de Bissau, capital da Província desde 1943;

(vi) conheceu, entre outros futuros dirigentes e combatentes do PAIGC,  Domingos Ramos, de que se vai tornar amigo, na recruta e depois no 1º Curso de Sargentos Milicianos [CSM], que se realizou na Guiné, em 1959;

(vii) com o posto de fur mil, partiu, em 29 de outubro de 1963, para Angola, integrando num grupo de Oficiais, Sargento e Praças, do CTIG, a fim de frequentarem um curso de Comandos, no CI 16 na Quibala - Norte, e on se incluía o major inf Correia Diniz; alf mil Maurício Saraiva;  alf mil Justino Godinho, 2º srgt Gil Roseira Dias, fur mil cav Artur Pereira Pires, fur mil cav António Vassalo Miranda, 1.º  cano at inf Abdulai Queta Jamanca  e Sold. At. Inf.ª Adulai Jaló.

(viii) este grupo esteve na origem da criação, em julho de 1965,  da Companhia de Comandos do CTIG (CCmds/CTIG), tendo sido nomeado seu comandante o cap art  Nuno Rubim, substituído em 20 de fevereiro de 1966 pelo cap art Garcia Leandro;

(ix) em 1966, seguiu para Angola, onde prestou serviço, seguindo a carreira militar.
(x) depois de reformado dedicou-se à música: dotado de grande sensibilidade e talentos artísticos,  é mais  conhecido por M. Roseira Dias, no meio musical, é autor de inúmeros arranjos musicais de canções populares  a açoriana Olhos Negros, e tantas outras que por aí circulam em Portugal e no Brasil: são e  dezenas e dezenas de arranjos para coro, saídos do talento musical do nosso camarada: por exemplo, Granada, de Agustin Lara; Minha História, de Chico Buarque; Morte que mataste lira (Popular, Açores); Natal de Évora (Popular); Lembranças do Douro (Folclore do Alto Douro); Perdigão perdeu a pena (Cancioneiro da Alta Estremadura); Tempo suão (Cancioneiro da Alta Estremadura)... Mas não só arranjos como músicas orignais: por exemplo, Dança do vento (poema de Afonso Lopes Vieira); Regresso ao lar (poema de Guerra Junqueira); Cantiga das tristes queixas (poema de Afonso Lopes Vieira)...só para citar uns tantos exemplos.

Escreveu ele na altura, nas proximidades do Natal de 2005 (*):

(...) Aqui vai, não propriamente uma estória, mas o que poderemos chamar uma crónica ou memória de como era celebrado o Natal pelos rapazes (nunca vi raparigas a participar) de Bissau.

Caros camaradas de tertúlia:

Tintim, tintim, tintim,… “Bom festa pa tudo dgenti. Prança Deus bó iangaça tudo quê que bó misti”

Traduzo, ou não é preciso? Então lá vai: Boas-festas para todos. Queira Deus que alcanceis tudo quanto desejais.

Mário Dias

Nota do editor: Achámos por bem reproduzir aqui, hoje, esta sua descrição do Natal de Bissau de 1952. É reveladora da sua grande sensibilidade socioantropológica.  Com votos de bom ano de 2019 e um alfabravo fraterno ao Mário, que é dos um membros da nossa Tabanca Grande, da primeira hora. Muitos dos mais recentes grã-tabanqueiros nunca tiveram oportunidade de ler os seus notáveis textos (como por exemplo as crónicas da Op Tridente, 1964 ou as "memórias do antigamente" de Bissau ou "o segredo"..., o seu reencontro no mato com o amigo Domingos Ramos...)


2. Memória dos lugares > O Natal de Bissau nos tempos do "antigamente"

por Mário Dias

Tinha 15 anos no tempo já distante de 1952. Ia passar o meu primeiro Natal em Bissau (**) e nem calculava, nesses meus verdes anos, quão verdadeiro é o ditado popular: “cada terra com seu uso; cada roca com seu fuso”.

Em casa de meus pais, reunida a família para celebrar a consoada, comecei a escutar na rua sons e cantigas que me eram de todo estranhas, bem diferentes das que, em Portugal, celebravam o Natal. Curioso, vim à varanda e deparei com um cenário que me encantou de tal forma que ainda hoje dele me recordo com muita saudade.

Toda a rua onde morava (ia dar à avenida principal, perto do cinema da UDIB) era um mar de luzinhas e de sincopados sons. Não resisti e fui ver. Não queria perder o espectáculo para mim novo e bem longe do que poderia imaginar pudesse existir.

Grupos de 3 ou 4 crianças, transportavam pequenas casas feitas com armações de finas tiras de cana ou material semelhante revestidas com papel de seda de várias cores. Com um coto de vela aceso no seu interior, resplandeciam como se de vitrais se tratasse. E como havia algumas tão bem construídas e belas!... A catedral de Bissau, a casa do governador, o edifício da Administração Civil, ou simples casas saídas da fértil fantasia do seu construtor.

Também havia quem desse asas à criatividade e aparecesse com navios, aviões e de quanto a imaginação fosse capaz.

Iam parando em cada casa, ora à porta quando situada ao rés do passeio, ora penetrando nos pequenos jardins das mais recuadas, e um deles, portador de uma garrafa vazia e de um pequeno ponteiro de ferro batia o ritmo: tintim, tintim. tintim…

Então, ao compasso que o “tocador de garrafa” ordenava, todos rompiam nesta cantilena: (por sinal bem afinados)

S. José, sagrada nha Maria,
e quando foi, quando foi para Belém,
a resgatar o Menino de Jesus,
lá ao pé, lá ao pé da santa cruz.


(refrão)

Adoro mistério sobrinho da minha alma (1)
sobrinho da minha alma louva o Senhor.
Coração Santo todo ruminado
Todo vez em quando sempre a chorar
ai, ai, ai de vez em quando sempre a chorar,
ai, ai, ai de vez em quando sempre a chorar. (2)


O Angelino, Angelino já morreu,
e não queria confessar senão do Papa,
e nem do Papa nem do Bispo confessou
para nos dar boas-festas boa sorte. (3)

(repetiam o refrão)

Terminada a cantilena, dirigindo-se aos donos da casa, soltavam o inevitável “partim festa” (dê-nos as festas), querendo com isso pedir dinheiro ou algo que lhes fosse útil. Um deles estendia a mão para o donativo que sempre surgia e enquanto iam a caminho de outra casa algum perguntava:

- Kanto qui dá-bo? (quanto te deu)
- Dôs peso e meio.
- Esse i bom branco.

Desta maneira corriam todas as ruas de Bissau, visitando as casas ou abordando quem passava nas ruas:

- Partim festa.
- Kanto que dá-bo?
- Só cinco patacon (20 centavos)
- Bé… rijo mon (bolas…que avarento)


Intercalados, outros grupos diferentes surgiam. Eram os rapazes do “Kinkon”. Traziam também uma garrafa para marcar o ritmo, (tintim, tintim, tintim,) mas o “chamariz” apelativo ao “partim festa” era outro. Um boneco recortado em papelão, com braços e pernas articuladas por um engenhoso sistema de cordéis e montado numa vara, era transportado por um dos miúdos que o fazia movimentar ao ritmo da batida na garrafa “tintim, tintim, tintim”.

O portador do boneco atirava:

- Kinkon, kinkon.

Respondiam os outros em coro:

- Rabada di kon.

De novo o líder:

- Kinkon, Kinkon.

Resposta do coro:

- Nariz di Kon.

E sempre alternando, líder e coro iam acrescentando à cega-rega diversas partes do corpo:

Kinkon, kinkon,
Cabeça di Kon.
Kinkin, kinkon,
Orelha di Kon.


Por vezes, os mais ousados lançavam alusões a partes anatómicas menos próprias. Alguns dos companheiros riam-se, outros não gostavam e protestavam:

-Abó ka t’a burgonho (tu não tens vergonha).

Mantinham a cantilena o tempo necessário a que alguém viesse oferecer as desejadas “festas” e seguiam para outro lado.

Por ali me quedava embevecido, admirando estas encantadoras cenas tão inesperadas e atraentes.

E por ter ficado de tal forma apaixonado com tão extraordinária tradição, todos os anos, mal se aproximava o Natal, não continha em mim a ânsia da sua rápida chegada, para mais uma vez veras crianças de Bissau, vindas do Chão Papel, Alto do Crim, Cupilon, Gã Beafada, Santa Luzia e outros bairros, inundarem as ruas com as suas casinhas luminosas ou com os “kinkons” articulados e garrafas para marcar o ritmo: 

…tintim, tintim… São José, sagrada nha Maria…
…tintim, tintim… Kinkon, kinkon,… rabada di kon…


Certamente que muitos dos que passaram por Bissau assistiram a esta tradição e dela se devem recordar. Quanto a mim, já passaram mais de 50 anos e ela continua tão viva na minha memória que, quando chega o Natal, dou por mim a cantarolar aquela lenga-lenga e nos meus ouvidos ecoa o “tintim, tintim”. Involuntariamente sinto-me transportado ao passado e perante mim desfila, com toda nitidez e riqueza de pormenores, o encanto de cores e de sons que os rapazes de Bissau me proporcionavam.

Falando há tempos com um amigo que lá esteve recentemente, por ele fui informado que esse costume se perdeu e que as actuais gerações nem o conhecem. Se assim for, é pena. Nenhum povo deve esquecer e, menos ainda, menosprezar as sua tradições.

Caros amigos guineenses: Vamos restaurar esta tão bela tradição?

Torna-se talvez conveniente explicar o significado da cantiga que, como devem ter reparado, não é crioulo. É pretensamente cantada em português, com versos de cânticos religiosos que os rapazes, na sua ingenuidade deturparam.

Notas do autor:

(1) “Adoro o mistério sobrinho da minha alma…” corresponde a: “Adoro o mistério sublime da minha alma…”

(2) “Coração santo todo ruminado, todo vez em quando, sempre a chorar” é do cântico “coração santo, tu reinarás, o nosso encanto, sempre serás”.

(3) Quanto a esta alusão ao tal Angelino, nunca consegui saber do que se trataria.
___________

Notas do editor: