sábado, 18 de outubro de 2014

Guiné 63/74 - P13757: Consultório militar, de José Martins (5): Processo do cap mil inf Rui Romero, no Arquivo Histórico Militar.... Algumas "dicas" para a Ana Romero



Fonte: CECA, vol 8



Fonte: CECA, vol 7



1. Mensagem do José Marcelino Martins (ex-fur mil trms, CCAÇ 5,  Gatos Pretos, Canjadude, 1968/70; TOC - Técnico Oficial de Contas, reformado, residente em Odivelas] [, foto atual à esquerda]

Data: 13 de Outubro de 2014 às 18:25

Assunto: Processo do cap mil inf Rui Romero

Caríssima Ana:

Sou um dos colaboradores do blogue e, por "imposição" do Administrador, com o pelouro do "Consultório Militar".

Estou de posse dos elementos essenciais, que o Luís Graça me remeteu, com o pedido de enviar elementos sobre a forma de consultar o processo militar do seu pai. (*)

Como oficial, o processo está à guarda do Arquivo Histórico Militar mas, no caso do seu avô, está à guarda do Arquivo Geral do Exército que tem os processos de sargentos e praças.

Como os processos não estão acessíveis a uma visita inopinada, deverá 
Cap mil inf Rui Romero
 (1934-1966)
contactar o AHM por mail [ahm@mail.exercito.pt] a solicitar a consulta do processo do seu pai. Posteriormente será avisada, pela mesma via, quando estiver à disposição para consulta.

Será na Sala de Leitura,  no Largo dos Caminhos-de-ferro, nº 2, em Lisboa (Museu Militar, entrada pelo lado de Santa Apolónia). Será identificada à entrada. Peça ao soldado que a encaminhe para a sala.

No pedido deve constar o nome do pai, posto, número, para identificação do processo.
Em anexo segue um resumo da história da Companhia [, a CCAÇ 1565,] e o que consta sobre o falecimento do seu pai.

Sinceramente não sei o que poderá encontrar nesse processo. Já consultei mais de dez processos (correspondentes a cinco gerações da minha família) e todos se apresentavam de forma diferente. Uns mais completos que outros.

Falou na consulta da certidão de óbito do seu pai. É provável que esteja no processo, o original ou cópia (ainda não havia fotocópias), mas também pode estar apenso ao Processo de Acidente em Serviço que, provavelmente, não estará apenso.

Poderá solicitar cópia dos documentos que achar conveniente, em suporte papel ou digital, tendo, para isso, de suportar os custos em vigor nos serviços públicos.

Permito-me sugerir-lhe que não coloque s sua expectativa muito alta, apesar de considerar que "está ansiosa por pegar o processo". A causa pode ser mais que suficiente para que "tenha havido muito cuidado a tratar do assunto" e não haver documentação muito esclarecedora.

Receba as minhas saudações "paternais", colocando-me a sua disposição para o que poder ajudar nesta sua cruzada.

José Martins (**)
_________________

Notas do editor:

Guiné 63/74 - P13756: Ser solidário (167): Diverso material carregado num contentor, no Porto de Leixões, com destino à Guiné-Bissau (Jaime Machado / José Rodrigues)

1. Mensagem do nosso camarada Jaime Machado (ex-Alf Mil Cav, CMDT do Pel Rec Daimler 2046, Bambadinca, 1968/70) com data de 17 de Outubro de 2014:

Caro Amigo e Camarada Carlos
Vimos pedir-te publicação no Blogue do texto e imagens abaixo caso aches seja de interesse para os nossos camaradas de armas.
Ficamos gratos pela tua disponibilidade

Um abraço para ti
Jaime Machado


Jaime Machado (à esquerda) e José Rodrigues (à direita) seguram a tarjeta do Lions Clube de Bissau

Matosinhos, 17 de outubro de 2014 

O MOVIMENTO LIONS AJUDA A GUINÉ-BISSAU

Partiu esta semana do Porto de Leixões com destino à Guiné-Bissau, um contentor com cerca de 15 toneladas de material. 
Esse material destina-se ao Lions Clube de Bissau e será distribuído por 2 escolas na região de Bissau. 

Todo o processo de entrega do material será supervisionado no local pela Cl Natália Oliveira e presidente da ONG “Viver 100 Fronteiras”, entidade nossa parceira naquele país Lusófono.

Foram carregadas 192 mesas, 444 cadeiras, 10 quadros e cerca de 200 caixas com material escolar, roupa, calçado, brinquedos e material hospitalar. 

Todo o material será descarregado em Bissau por volta do dia 5 de novembro próximo.

Nós Servimos.



____________

Nota do editor

Último poste da série de 15 de Outubro de 2014 > Guiné 63/74 - P13737: Ser solidário (166): SOS, Ébola!... Uma epidemia que tem dIne ser levada a sério, só podendo ser prevenida e combatida por todos, a começar pelos mais ricos...

Guiné 63/74 - P13755: Convívios (636): Já lá vão mais de 9 anos de almoços/convívos semanais da tertúlia da Tabanca de Matosinhos (José Teixeira)

1. Mensagem do nosso camarada José Teixeira (ex-1.º Cabo Aux. Enf.º da CCAÇ 2381, Buba, Quebo, Mampatá e Empada, 1968/70), com data de 16 de Outubro de 2014:

Estávamos no princípio de Maio de 2005.
Três carolas ex-combatentes, regressados de uma visita à Guiné, meteram os pés debaixo da mesa num restaurante em Matosinhos, para saborearem umas sardinhas assadas, enquanto faziam o balanço da viagem.

Depois de bem almoçados e bem avinhados, decidiram voltar na semana seguinte, à mesma hora, no mesmo local, com a mesma ementa. E continuaram porque as suas conversas sobre a Guiné não tinham fim.

Assim nasceu a Tabanca de Matosinhos, já lã vão mais de 9 anos.

A notícia espalhou-se e como por encanto começaram a surgir novos convivas a alimentar o sonho. Ao fim de algum tempo tivemos de mudar de poiso. Não cabíamos no Restaurante.

Da Casa Teresa passámos para o Restaurante Milho Rei, na Rua Heróis de França em Matosinhos. Umas largas centenas de ex-combatentes, vindos de todo o País e até do estrangeiro, têm transformado as Quartas-Feiras neste restaurante, num espaço de convívio, de crescimento e partilha de amizades.

Uns são um “ferrinho” todas as semanas, outros vêm de vez em quando, outros de longe a longe e outros gostavam de vir, mas… as finanças ou a distância são o grande impeditivo. Outros, desconhecem, mas quando aparece um “periquito” chamado por um camarada ou por ter tomado conhecimento, fica encantado e volta, sempre.

A Tabanca de Matosinhos é uma autêntica caserna em pleno funcionamento onde, semanalmente, oficiais, sargentos e praças de outrora se irmanam num projeto comum de viver a vida que vai restando.

No dia 15 de Outubro juntou perto de quarenta convivas, numa alegria contagiante de quem se conhece e se identifica numa base comum – a passagem pela guerra colonial na Guiné.

Entre os convivas registamos o Manuel Vidal – um emigrante que todos os anos nos visita. Emigrou com 17 anos e regressou para o serviço militar e logo enviado para a Guiné. Ao fim de catorze meses é apanhado pelo PAIGC em Catió e fica retido entre Conakry e Madina de Boé durante trinta longos meses, fazendo companhia ao nosso António Baptista – o “morto vivo”, tendo sido libertado em 23 de Setembro de 1974. Emigrou de novo e por lá anda pela França. Quando vem de férias a Viana do Castelo, a sua terra, aproveita uma vinda ao Porto para visitar em Santa Cruz do Bispo o seu companheiro de infortúnio e vem abraçar os amigos da Tabanca de Matosinhos e trouxe a família.

Como quase sempre acontece, tivemos a presença de mais um “periquito” o Mário Marinho que andou pelo Xime e por Encheia, entre 1970 e 1972, com estórias tristes como quase todos nós os que por lá passamos. Registamos a tristeza com que contou o episódio do GC - o quarto pelotão da sua Companhia, quando se deslocava para Encheia, viu, 10 dos seus homens serem engolidos no Geba pelo macaréu.

Dos restantes convivas, já se conhecem as suas estórias, mas há sempre uma que ficou por contar para enriquecer as horas do convívio.

Na próxima quarta-feira, lá estaremos de novo para comer e conviver sadiamente.

Deixamos um convite a todos os ex-combatentes e familiares – Venham daí e não darão o tempo como perdido.

José Teixeira

 Aspecto geral do Convívio

O Manuel Vidal contando um pouco da sua história

O Pires com a tia que sempre o acompanha, pois é ele que está a apoiá-la na velhice.

O Mário Marinho a apresentar-se à Tabanca e a contar um pouco do que foi a sua vida na Guiné.

Um brinde aos presentes do casal Basto.

Aspecto geral com o Manuel Vidal e os seus familiares

Um aspecto geral do Convívio

Aspecto geral do Convívio
____________

Notas do editor:

Podemos visitar a Tabanca de Matosinhos na sua página Tabanca Pequena ONGD
e no Facebook em: Tabanca de Matosinhos Tertúlia

Último poste da série de 12 de Outubro de 2014 > Guiné 63/74 - P13725: Convívios (635): XX Encontro do pessoal da CART 566 (Cabo Verde e Guiné, 1963/65), dia 18 de Outubro de 2014 em Vila Nova de Gaia (José Augusto Miranda Ribeiro)

Guiné 63/74 - P13754: Bom ou mau tempo na bolanha (71): Da Florida ao Alaska, num Jeep, em caravana (11) (Tony Borié)

Septuagésimo episódio da série Bom ou mau tempo na bolanha, do nosso camarada Tony Borié, ex-1.º Cabo Operador Cripto do CMD AGRU 16, Mansoa, 1964/66.



Resumo do dia onze

O dia tinha iniciado muito bem, pois no tal hotel onde dormimos, com “preço de amigos”, trataram-nos com uma dignidade um pouco fora do vulgar, pois além de nos servirem um pequeno almoço para “pessoas ricas”, como dizia a minha querida avó, ainda nos deram uma pequena embalagem com comida para o resto do dia, desejando-nos, “boa viagem” e que um dia iam visitar-nos na Florida.

Cá fora caía aquela “chuva miudinha’, que nós quando jovens dizíamos ser “chuva de molha tolos”, estava tudo em ordem, tanto no Jeep, como na caravana, tanques extras cheios de gasolina, muita água, tanto para beber como para qualquer lavagem, na caixa frigorífica ia muita comida, pelo menos daquela a que chamamos “finger food”, ou seja, boa para se comer com os dedos, não necessitando de prato ou talheres e GPS em ordem. Deixámos a cidade de Fairbanks, o nosso destino era o norte, era o “Dalton Highway”, estava no nosso “roteiro”, queríamos viajar nesta estrada, fazia parte do nosso “projecto” que é uma estrada construída para ligar Fairbanks e outras cidades com Prudhoe Bay, que não é mais do que onde termina a célebre “Estrada Panamericana”, onde também se pode ver o Oceano Ártico, o “sol da meia noite” e, com uma certa frequência, a “Aurora Boreal”, que fica um pouco ao lado do maior campo de petróleo dos USA.

Tínhamos informação de que a estrada, que começa mais ou menos a 100 milhas ao norte da cidade de Fairbanks, na cidade de Livengood e, também é conhecida como AK11, tem também mais ou menos 420 milhas de distância, aproximadamente 25 por cento da estrada, tem algum alcatrão, o resto é terra, lama e pedra, depende do estado em que o último inverno a tenha deixado e do sucesso das suas obras de reparação e, claro, do clima que faça na altura.


No dia anterior, no Centro de Turismo, explicaram-nos que a estrada era, “gravel, dirt or mud, depending on the weather”, também nos disseram que era muito recomendável que se carregasse quatro pneus extras, mas quem não puder, que leve pelo menos dois, assim como gasolina extra, para pelo menos 240 milhas. A estrada segue e foi construída, quase naturalmente, sempre ao lado do “Alaska Pipe Line”, que dizem ser um dos maiores “pipeline systems”, em todo o mundo, que vulgarmente se designa por oleoduto, com o diâmetro de 48 polegadas, (122 cm.), que transporta o crude do óleo, por uma distância de aproximadamente 800 milhas, (1287 Km.), com 11 estações de bombagem, desde o campo petrolífero de Prudhoe Bay, até ao porto marítimo da cidade de Valdez, que infelizmente já tem sido notícia por diversos incidentes durante a sua curta vida, pois começou a operar por volta do ano de 1977 e, pelos diversos “leaks” de óleo, derivado a alguns erros de manutenção, transporte ou sabotagem e, até por aventureiros ou caçadores mal intencionados, que disparam contra ele, fazendo-lhe alguns buracos, apesar do seu sotisficado sistema de vigilância.


Esta estrada, é uma das mais isoladas dos USA, tem somente três povoações com algumas facilidades, ao longo da estrada, que são Coldfoot, na milha 175, Wiseman, na milha 188 e Deadhorse, na milha 414. Dizem que a gasolina está disponível na povoação de E. L. Patton Yukon River Bridge, mais ou menos na milha 56, e às vezes nas povoações que já mencionámos, de facto havia na primeira povoação, pois era mais ou menos na região do “Hot Spot Cafe”, que é como designam aquela região, por haver por ali alguma civilização.

Até à cidade de Livengood, com chuva miudinha e algum nevoeiro, fomos seguindo, era alcatrão, passámos a cidade, tomando o desvio do norte, onde já havia alguma terra e lama, eis-nos na frente da placa que nos indicava o famoso “Dalton Highway”, já se fazia sentir o tal clima “polar”, onde em uma pouca área de  terreno pode existir neve, chuva, granizo, nevoeiro, vento, algum sol, mas sempre frio, muito frio mesmo. Nesta altura fazia alguma chuva, com “abertas”. Parámos, esperámos por outros veículos por aproximadamente uma hora, vinham alguns camiões com atrelados, tanto para um lado como para outro, mas veículos ligeiros ou caravanas não, decididos, avançámos sozinhos. Depois de umas tantas milhas encontrámos uma caravana abandonada, na beira da estrada, talvez o eixo estivesse partido ou danificado, pois a roda de trás, do lado esquerdo, estava em baixo e de lado, continuava a caír aquela chuva miudinha, junta com nevoeiro, mas, como já mencionámos, com algumas “abertas”.


A estrada estava muito perigosa, com lama, pedras, grandes buracos com água e, na região do “Hot Spot Cafe”, mais ou menos na “Milha 60”, foi onde chegámos, pois um pouco à frente estavam militares e trabalhadores do “Alaska Pipe Line”, que logo nos avisaram que se não levávamos equipamento de sobrevivência, um novo conjunto de pneus, próprios para esta perigosa estrada e, se continuávamos com a intenção de seguir em frente com este estado de tempo, era por nossa conta e risco e era muito difícil alguém nos socorrer em caso de acidente, pois com este tempo, viajando sozinhos, ajuda médica só era possível talvez na povoação de Deadhorse ou na cidade de Fairbanks. Tudo isto apesar de transitarem por dia nesta estrada mais de uma centena camiões, alguns com três atrelados, daqueles que não fazem manobra, que seguem sempre em frente, cujas rodas “atiram” pequenas pedras e lama, a uma distância que pode atingir meia milha, onde os condutores profissionais, desses camiões, falando entre si, dizem que esta estrada é para trabalhar, é uma via de “trabalho”, não para passear, portanto os “turistas”, não são, pelo menos para eles, muito bem vindos.




Viajávamos sozinhos, essa era a nossa maior dificuldade, pois com este clima, frio e chuvoso e, não havendo outros aventureiros que nos fizessem companhia, conformados, aproveitámos a ajuda que essas pessoas nos deram, nesta pequena estrada de lama, para voltarmos o Jeep e a caravana no sentido do sul. Estando a pouco menos de 50 milhas do “Artic Circle”, a tal latitude, 66° 33’, ficámos um pouco revoltados, vendo esta oportunidade única de tocar na água do Oceano Ártico, ou ver o “sol da meia noite”.


Queremos só mencionar um pequeno pormenor, quando atingimos a região do “Hot Spot Cafe”, cuja latitude é, 65° 52’, foi o local onde nos distanciámos mais, da nossa casa, na Florida, podendo dizer mesmo, que tínhamos realizado metade da nossa “aventura”.

Vamos continuar, agora rumo de novo a sul. Com poucas milhas andadas vimos um camião/tanque caído numa ravina, com as rodas no ar, ainda rolando, com dois camiões parados, que deviam já ter pedido socorros. Também parámos, vieram dois helicópteros que iniciaram as operações de resgate, sendo-nos mandado abandonar o local para facilitar as operações. Passando de novo na cidade de Fairbanks, que fica mais ou menos a 200 milhas de distância do local onde fomos avisados pela primeira vez, sempre com chuva, nevoeiro e, de vez em quando havia as tais “abertas”, o que nos fazia pensar em voltar e, seguir de novo rumo ao norte, mas o “bom senso” nos fazia seguir em direcção ao sul.

Assim continuámos sempre debaixo de chuva, “dia miserável”, como é costume dizer-se, parando no “Denali National Park”, onde se encontra o “Mount McKinley”, que é a montanha mais alta da América do Norte, cujo nome em língua “atabasca” é Denali. Este parque nacional foi inicialmente criado no ano de 1917, com a designação de “Parque Nacinal Monte McKinley”, apesar do cume propriamente dito não estar incluído na área do parque, desde 1976 que é considerado “reserva da biosfera”.

Nesta área, junto à estrada, é como fosse uma “amostra”, do que existe nas redondezas, pois existem muitos estabelecimentos de comércio, vendendo produtos regionais, alguns feitos por nativos “esquimós”, vários restaurantes e hotéis, alguns de luxo, os mais variados artigos para turistas, que visitam o local. O parque de estacionamento é em qualquer local onde não existam árvores, seja mais ou menos plano e onde se entenda que se possa sair, depois de alguma chuva ou neve, que é frequente nesta zona. Nós, depois de estacionar, também visitámos as lojas e comprámos algumas lembranças para familiares, seguindo viagem, sempre rumo ao sul, chovendo, com algum vento, mas sempre conduzindo com alguma segurança. Viemos até à cidade Wasilla, já perto de Anchorage, e como chovia, nem sequer procurámos parque de campismo, com muita sorte, dormimos num hotel da mesma rede, do que tínhamos dormido na cidade de Fairbanks, onde estava lá o nosso nome no computador, no tal espaço que dizia, “preço de amigos”.


Este foi, um dos dias mais duros da nossa viagem, o clima dificultou e, “tocou” um pouco, os já “velhos” nervos do nosso corpo, chegando por alguns momentos a questionar o nosso pensamento, porque nos metemos nesta aventura, mas, “como quem corre por gosto, não cansa”, continuámos, percorrendo 687 milhas, com o preço da gasolina, variando entre $4.27 e $4.38, o galão, que são aproximadamente 4 litros.

Tony Borie, Agosto de 2014
____________

Nota do editor

Último poste da série de 11 de Outubro de 2014 > Guiné 63/74 - P13719: Bom ou mau tempo na bolanha (69): Da Florida ao Alaska, num Jeep, em caravana (10) (Tony Borié)

Guiné 63/74 - P13753: Inquérito online: Quem não apanhou o paludismo, que ponha o dedo no ar?!...

Foto: António Tavares (20014)
1. Não me lembro se tive paludismo  > 0 (0%)


2. Não me lembro do medicamento para o paludismo  > 1 (2%)


3. Sim, tive paludismo  > 24 (48%)


4. Não, nunca tive paludismo  > 10 (20%)


5. Não, nunca tomava o medicamento  > 0 (0%)


6. Sim, tomava sempre (ou quase sempre)  > 17 (34%)


7. Sim, tomava, mas só às vezes  > 8 (16%)


8. Tomava o medicamento e tive o paludismo  > 20 (40%)


9. Tomava o medicamento e nunca tive o paludismo  > 12 (24%)


10. Nunca tomei o medicamento nem nunca tive paludismo  > 2 (4%)

Votos apurados: 49
Dias que restam para votar: 5


[Imagem, acima à direita: uma relíquia farmacêutica: o célebre medicamento contra o paludismo, Pirimetamina, 25 mg,, LM (iniciais de Laboratório Militar)... Havia duas tomas por semana, às quintas e domingo, segundo o nosso camarada médico, Rui Vieira Coelho... A imagem é do António Tavares, ex-fur mil, CCS/BCAÇ 2912, Galomaro, 1970/72]

Foto: © António Tavares (2014). Todos os direitos reservados [Edição de L.G.]



O parasita Plasmodium,  ao atravessar o citoplasma de  uma célula epitelial
da fêmea do mosquito, na forma com que penetra no corpo do ser humano
e de outros vertebrados. Foto e legenda: Wikipédia (com a devida vénia)
A. Camaradas: eis os primeiros resultados (n=49), às 14h de hoje, da sondagem que está a deccorrer no nosso blogue.

É importante que respondam, dentro dos próximos  5 dias, E podem dar duas ou mais respostas, desde que sejam coerentes. Por exemplo: 

3. Sim, tive o paludismo; 
6. Sim, tomava sempre (ou quase sempre) [o medicamento]
8. Tomava o medicamento e tive o paludismo.

A "pastilha" (comprimido oral) antipalúdica, o "Primetamina", 25 mg,  da marca LM,  tomava-se se ás refeições 2 vezes por semana (em geral, às 5ªas feiras e aos domingos). Era um profilático. Não havia (nem há ainda hoje) vacina contra o paludismo, a doença que mais mata no mundo. E ainda por cima, os mais pobres nos países mais pobres (como a Guiné-Bissau),

Queremos saber quem apanhou o paludismo e tomava (ou não) a célebre "pastilha" que até a Maria Tura dizia que tirava a tusa ao pessoal: a "Primetamina"...

Camarada: a sondagem começa com a afirmação (que não é falsa nem verdadeira): " NO TO DA GUINÉ TIVE O PALUDISMO E TOMAVA O MEDICAMENTO"... 

Podes (e deves)  dar mais do que uma resposta, sincera e coerente... Obrigado, em nome dos editores, pela tua participação. Podes mandar textos e fotos sobre este tópico... LG


PS - Segundo o nosso camarada médico,do Porto, Rui Vieira Coelho, "nas crises palúdicas o tratamento era feito com Resochina em soro polielectrolítico e aplicação endovenosa e dava sempre uma incapacidade de alguns dias, sobrecarregando os colegas e diminuindo a capacidade operacional do grupo de combate a que pertenciam ou levando á substituição por outro pessoal o que moral e eticamente era reprovável no caso de serem feridos em combate" (...) (*)

_______________

Nota do editor:

(*) Vd, poste de 16 de outubro de  2014 > Guiné 63/74 - P13743: Os nossos médicos (80): Memórias do Dr. Rui Vieira Coelho, ex-Alf Mil Médico dos BCAÇ 3872 e 4518 (12): Até a Maria Turra dizia que o antipalúdico Pirimetamina, do Laboratório Militar, fazia mal à tusa...

Guiné 63/74 - P13752: Parabéns a você (802): avó Luís Nascimento, adoro-te, és o melhor avô do mundo (Jessica Nascimento, Viseu)


Luís Nascimento,  aniversariante de hoje. Foi 1º cabo cripto na CCAÇ 2533 (Canjambari e Farim, 1969/71).  Foto de Jessica Nascimento (Editada por L.G.]


1. A Jessica Nascimento, que vive em Viseu,  é neta do Luís Nascimento e sua "secretária particular" (, é ela que nos manda, através do seu email,  a correspondência do avô). Veio ontem, na 23ª  hora, perguntar-nos se podia utilizar o blogue para fazer uma surpresa ao "melhor avô do mundo"...

Claro que pode, e deve, já que ela é também seguramente a "melhor neta do mundo"... E como os netos dos nossos camaradas nossos netos são, a Jessica já há muito conquistou o direito de se sentar à sombra do poilão da nossa Tabanca Grande... Ela é um exemplo para os filhos e netos dos nossos camaradas, antigos combatentes.

Basta mandar-nos uma foto sua (, que a gente não a conhece de vista nem de foto) , e dizer que aceita o o nosso convite.

Peço-lhe, à Jéssica,  que mande, em meu nome pessoal,  um alfabravo fraterno para o seu avô... que foi comigo para o TO da Guiné, no T/T Niassa, em 24/5/1969, e voltou para casa, também comigo, no T/T Uíge,  em 17/3/1971... omos os dois, integrados nas respetivas companhias. Mas... nunca nos "encontramos", até à data... (Quando um dia destes passar por Viseu, irei bater-lhe à porta...). Que tenha um grande dia, com saúde e alegria. (LG).


De: Jéssica Nascimento

Data: 17 de Outubro de 2014 às 23:40

Assunto: Aniversário


Boa noite,  Sr. Luís Graça,


Gostaria de saber se podia felicitar o aniversário do meu avô no seu blogue?

O meu avô faz anos, dia 18 de Outubro, já amanhã.

Jessica Nascimento

PS - Junto envio fotografia e um pequeno texto.


2. Texto de Jessica Nascimento:

Avô:

Hoje é dia de agradecer! Agradecer por mais um ano da presença de uma pessoa muito especial na minha vida. Mais um ano com a maravilhosa oportunidade de receber os teus carinhos, de ouvir as tuas histórias, mas antes de tudo, de te ter ao meu lado.

Parabéns,  és o melhor Avô do Mundo.

Adoro-te!

Obrigada.

Jessica

_____________

Nota do editor:

Guiné 63/74 - P13751: História do BART 3873 (Bambadinca, 1972/74) (António Duarte): Parte XIV: março de 1973: (i) uso, pela primeira vez no setor, de foguetões 122 mm, num ataque ao Xime; (ii) flagelada, também pela primeira vez, a coluna logística Bambadinca-Xitole; e (iii) mal estar, entre os pais fulas e mandingas, islamizados, pela excessiva orientação cristã dos textos didáticos usados nas escolas bem como pelos castigos corporais









Guiné > Zona leste > Setor L1 (Bambadinca > Subsetor de Bambadinca > CCAÇ 12 (1969/71) > A aldeia de Samba Juli, em autodefesa. Pertencia oa regulado de Badora.

Foto: © Humberto Reis  (2005). Todos os direitos reservados [Edição: LG]


1. Continuação da publicação da história do BART 3873 (que esteve colocado  na zona leste, no setor L1, Bambadinca, 1972/74) a partir de cópia digitalizada da história da unidade, em formato pdf, gentilmente disponibilizada pelo António Duarte.

[António Duarte, ex-fur mil da CART 3493, companhia do BART 3873, que esteve em Mansambo, Fá Mandinga, Cobumba e Bissau, 1972/74; foi voluntário para a CCAÇ 12 (em 1973/74); economista, bancário reformado, foto atual à esquerda].

O grande destaque do mês de março de 1973, dois meses depois da morte de Amílcar Cabarl (1924-1973) vai para:


(i)  O uso, pela primeira, no setor, de foguetões 122 mm, num ataque ao Xime;

(ii) A saída de efetivos do PAIGC, da Frente Bafatá-Xitole, para o reforço do sul;

(iii) A transferência da CCÇ 12, para o Xime, como unidade de quadrícula, ao fim de 4 anos a atuar como unidade de intervenção, indo substituir a CART 3494 (que vai para Mansambo);

(iv) Mansambo continua sem ser atacado ou flagelado;

(v) Conclusão de 9 escolas no setor;

(vi) Suscetibilidade e mal-estar das populações islamizadas do setor (fulas e mandingas) em relação às escolas dos filhos, devido à orientação cristã dos livros e dos professores, mas também dos castigos corporais;

(vii) Flagelação, pela primeira vez, da coluna logística Bambadinca-Xitole;

(viiii) As NT auxiliam a população da bela tabanca de Samba Juli na reconstrução de moranças destruídas pelo fogo.

[Imagem à direita: capa do livro de leituras da 3.ª classe, o mais ideológico e etnocêntrico dos manuais escolares em vigor no Estado Novo. Os manuais escolares eram “especialmente elaborados pela Direcção – Geral do Ensino Primário, tendo em conta as necessidades culturais e profissionais dos meios populares” do Portugal europeu, continental e atlântico, mas não das populações da Guiné, por exemplo, que eram  na sua grande maioria animistas e muçulmanas.  O Livro da Terceira Classe, Ed. Domingos Barreira, 4ª Ed., 1958  esteve em uso durante décadas. E tinha, como os outros, uma segunda parte reservada ao ensino da "doutrina cristã". Cortesia do portal da Instuto de Educação da Universidade de Lisboa]


Março de 1973: Pela primeira vez, no tempo do BART 3873, o IN usa foguetões contra o Xime, e é flagelada a coluna de reabastecimento Bambadinca-Xitole.




Adicionar legenda



(Continua)
___________

Guiné 63/74 - P13750: Parabéns a você (801): Luís Nascimento, ex-1.º Cabo Op Cripto da CCAÇ 2533 (Guiné, 1969/71)

____________

Nota do editor

Último poste da série de 13 de Outubro de 2014 > Guiné 63/74 - P13726: Parabéns a você (800): Mário Ferreira de Oliveira, 1.º Cabo Condutor de Máquinas Reformado, da Marinha (Guiné, 1961/63)

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Guiné 63/74 - P13749: Furriel Enfermeiro, ribatejano e fadista (Armando Pires) (15): E agora, o desporto

1. Mensagem do nosso camarada Armando Pires (ex-Fur Mil Enf.º da CCS/BCAÇ 2861, Bula e Bissorã, 1969/70), com data de 10 de Outubro de 2014:

Caro Luís Graça. Camaradas Editores. 
Eu sei que hei-de chegar ao fim. Ao fim dos episódios que me propus escrever. Mas não está fácil. Umas vezes por isto, outras por aquilo, chegada a hora de escrever, nem sempre os neurónios alinham duas ideias seguidas. Havemos de conseguir. 
Com uma pitada de humor e umas quantas fotos, o episódio n.º 15, que como é hábito segue em anexo, acrescenta ao …enfermeiro, ribatejano e fadista, um furriel desportista. 

Um abraço
Armando Pires


FURRIEL ENFERMEIRO, RIBATEJANO E FADISTA

14 - E agora, o desporto

Sim, não vá pensar-se que a vida de um furriel enfermeiro no mato, mesmo que ribatejano, entre diagnosticar malárias, combater gonorreias, ou secar micoses com "1214", fosse apenas cantar o fado. Eu fui um desportista.

Já o era, caramba, antes mesmo de ali chegar. Curiosamente, em todas as modalidades que pratiquei, as mãos eram o meu forte. Lá pela Guiné, tirando a sueca, a lerpa e o king, joguei voleibol, fui guarda-redes no futebol, a menina dos meus olhos era o ténis de mesa, e fui campeão de natação em Bissorã (o que será aqui contado em jeito de happy end…)

Com os pés, além do que creio ser uma habilidade inata para a escrita, ganhei várias provas de atletismo, quer em velocidade pura quer através de obstáculos, a cujo sucesso devo o facto de poder estar aqui a rememorar algumas das minhas vivências.

Escusado é dizer como a prática desportiva era inerente à condição militar. Não apenas como instrumento do fortalecimento físico mas também como meio de criar espírito de corpo e de grupo.

De todos os desportos é fácil compreender porque na Guiné o futebol foi rei de todos.

Um campo, do tamanho que fosse, uma bola, mesmo que não cientificamente redonda, onze homens de cada lado, ou os que se arranjassem, equipados com o que houvesse, ainda que o que houvesse fosse nada, duas marcas que marcassem o alvo a atingir, a baliza, e aí tínhamos a verdadeira, a única, jogatana de futebol.

Está aí para o comprovar o valioso acervo fotográfico da Tabanca Grande.
Pois na minha Companhia também se jogou à bola.
Mas o começo foi, com vossa licença, coisa mais fina.

Éramos uma Companhia de elite… perdão, éramos uma companhia de elites, elites desportivas, gente com vocação para várias práticas desportivas, a começar, desde logo, pelo nosso Doutor, o Dr. José Manuel Soares Oliveira, ou se quiserem, apenas o Dr. Oliveira, que foi jogador de voleibol do Leixões Sport Club e, mais tarde, para os matosinhenses que sabem, médico do clube.

O quartel de Bula tinha uma espécie de parada, cimentada, que dava para tudo. Para ser parada, para a prática de vários desportos, e para colocar as cadeiras onde assistíamos aos filmes que, de tempos a tempos, vinha uma equipa de Bissau projectar no ecran gigante.

Foi com os olhos postos nesse espaço que o Dr. Oliveira nos convenceu a formar umas equipas que se prestassem a um torneio de voleibol. Havia mão de obra que chegasse para escolher os que para a prática da modalidade tinham conhecimento e aptidões técnicas.

Além da minha CCS, estavam no quartel em Bula a CCAÇ 2466, mais um pelotão de morteiros e um outro de obuses. Isto sem contar com os rapazes do ESQ REC 2454, que moravam “lá mais em baixo”, em casa própria.

Lembro-me que o primeiro jogo foi democraticamente disputado entre uma equipa de oficiais e uma outra de praças, com direito a toques de honras militares enquanto se apresentavam as equipas, como o demonstra a imagem.

Bula – 1969 - Em primeiro plano a equipa de oficiais. Começando pela esquerda: de blusão, um alferes dos obuses, depois o Cap. Gaspar, Alf. Moura, o Dr. Oliveira, e os Majores Candeias e Lima. Em segundo plano: de camisolas às riscas verticais, a equipa de praças, dos quais a memória apenas retém os que à minha Companhia pertenciam, quais sejam, em segundo lugar “O Setubalense”, e mais à frente, de bigode, o Escriturário Rodrigues.

É preciso dizer que a nossa equipa, a equipa de furriéis, se fez apresentar à parte. Não íamos deixar-nos fotografar para a posteridade ao lado de gente tal mal vestida.

Bula – 1969 - De pé, a partir da esquerda: um furriel dos Morteiros, depois, Alf. Moura, eu, Vasques, Filipe, e o Major Candeias. Em baixo: Sarg. Costa, e os furriéis Martinho, Basso e Aviz Pires.

Vai longe o tempo e não me chega à memória quem foi o vencedor de tão difícil disciplina desportiva, como o voleibol. Mas não podemos deixar de ter sido nós, os furriéis da CCS, quer pela elegância com que equipávamos, quer pela qualidade técnica evidenciada, como o comprova a foto seguinte.

Bula – 1969 - Junto à rede, com classe e estilo, o Fur. Filipe finaliza um ataque cujo êxito se adivinha pelo ar tranquilo dos seus camaradas de equipa. Chamo a atenção para aquela grande mancha branca que se vê pelo lado esquerdo, por detrás dos espectadores. Era o ecran de cinema.

Pois bem, foi pelo voleibol que começámos, foi o voleibol que provocou o primeiro “movimento de massas”, mas o futebol estava lá, a chamar por nós, no campo do Clube de Futebol Nuno Tristão, de Bula, que confinava com o arame farpado do aquartelamento. E nós, CCS do BCAÇ 2861, até que nos podíamos gabar de ter nas nossas fileiras jogadores “com nome”, que podiam ter ido longe na modalidade, não fosse a guerra, agora noutro tom, fazer-lhes o que fez a tantos de nós. Comprometer promissores futuros.

Talvez tenha sido o caso do furriel Filipe, que jogou nos juniores do Belenenses, do João Nunes, cabo cripto, no Futebol Clube da Foz, do Miranda das Transmissões, que alinhou pelo Desportivo de Portugal, do Porto, e “O Russo”, no juniores do Varzim, tão bons de bola, os rapazes, que a equipa do Nuno Tristão os convidou a que por ele jogassem numas eliminatórias a duas mão com o Sport Bissau e Benfica, jogos a realizar em Bissau, de onde sairia o representante da Guiné na Taça de Portugal em futebol. Foi tal o comportamento dos nossos rapazes na primeira mão, que Nuno Tristão empatou a 3 bolas com o Bissau e Benfica. Na segunda eliminatória é que foi o diabo. Talvez devido ao cansaço, ou aos tremeliques daquelas malfadadas travessias do Rio Mansoa, em jangada, O certo é que o Benfica de Bissau venceu o Nuno Tristão, de Bula, por um concludente 7 a 1.
Um verdadeiro descalabro. Tão grande que nem existe registo fotográfico do acontecimento.

Ainda hoje sou dado a pensar se não terá sido também por isso, pela participação “dos nossos” naquela desgraça, que o nosso batalhão foi despachado para Bissorã.
Mas em boa hora que para lá fomos. Porque aí sim, aí demos asas há nossa veia futebolística. E não só.

É sabido, porque já o escrevi, que o nosso comandante Polidoro Monteiro não perdia uma oportunidade para desenvolver na prática o programa de Acção Psicossocial, através do “binómio” civis-militares. Para além das manifestações conjuntas do tipo cultural, patrocinou a realização de torneios de futebol, de voleibol e, até, de ténis de mesa.

No torneio de futebol participaram cinco equipas. Duas em representação da CCS, outras duas da CCAÇ 13 e a equipa do Sport Benfica e Bissorã.

Bissorã – 1970 - Não era o tempo das lentes grande angulares, mas é possível ter nesta imagem o que foi a apresentação das equipas no dia de abertura do torneio. De camisolas vermelhas, a equipa do Sport Benfica e Bissorã.

Ora bem. É preciso dizer que este torneio causou uma grave cisão do interior da CCS desportiva. Há falta de seleccionador, um espartalhaço qualquer, sem ser através daquela técnica, os passinhos, por nós muito usada no pátio das escolas para formar as equipas, chamou logo para si os que julgou serem os melhores, chamando-lhes, até, “O Real Macada”.

Bissorã – 1970 – A equipa do “Real Macada”. De pé, a partir da esquerda: Basílio, Bonito, João Nunes, Filipe, Berto, “Alentejano” e Gesteiro. Em baixo: Filipe, Miranda, Magina, Ramos e Barbosa.

Num gesto de rebeldia pura, formámos, isto é, eu formei uma outra equipa, a qual, como não podia deixar de ser, foi chamada de “Os Rebeldes”.Num gesto de rebeldia pura, formámos, isto é, eu formei uma outra equipa, a qual, como não podia deixar de ser, foi chamada de “Os Rebeldes”.

Bissorã – 1970 – A equipa de “Os Rebeldes”. De pé, a contar da esquerda: Moura, Pires, Martinho, Vaz, Cardoso e  Manuel Silva. Em baixo: Barbosa, Vasques, “Russo”, Santos e Agostinho.

Terminado este torneio de futebol, cujo vencedor só não revelo para não me ver obrigado a recordar as verdadeiras “macacadas” em que no bar se envolviam jogadores de uma certa equipa e os árbitros, arrancou um torneio de voleibol, disputado a três, seja uma equipa formada por civis, outra por oficiais, e a minha equipa, a dos furriéis, que foi chamada de “Os Celestinhos”, por ser de azul celeste a cor dos equipamentos.

Bissorã – 1970 - Equipa de voleibol de “Os Celestinhos”. Em pé, a contar da esquerda: Basso, Vasques e Martinho; em baixo: Ramos, Filipe e Pires (eu, obviamente).

Fomos nós os vencedores, através de uma salomónica decisão do Comandante Polidoro Monteiro.

Foi assim. Disputávamos a final com a equipa civil, vencíamos por 2-1 num jogo à melhor de cinco, quando caiu uma daquelas chuvadas que nós conhecemos. O árbitro interrompeu a partida, mandando-nos apresentar no dia seguinte, pela manhã. Chegámos nós, chegou a equipa civil, devidamente equipada, e chegou o Polidoro Monteiro que nos entregou a taça perante o ar estupefacto dos civis, os quais ainda indagaram se o combinado não tinha sido continuar o jogo nessa manhã.

- Esta manhã?!?! – perguntava, incrédulo, o Comandante – Mas vocês já viram algum jogo de voleibol continuar no dia seguinte?

E pronto, os civis regressaram a casa e nós levámos a taça.

Registe-se ainda o torneio de ténis de mesa onde eu e o Alfredo Khalil, um comerciante libanês de Bissorã, depois de termos despachado tudo quanto era adversários, disputámos uma renhida final no “Clube Social” da vila, ganha por mim, que não sou de me gabar por aí além.

Bissorã – 1970 - Eis o verdadeiro atleta, vencedor do Grande Torneio de Bissorã, em Ténis de Mesa.

Estas memórias desportivas perderiam todo o significado se aqui não trouxesse um documento que ainda hoje se encontra à guarda do furriel Filipe Santos, e que me o confiou para publicação. Trata-se do galhardete, que publico em verso e reverso, do jogo de futebol disputado no dia 22 de Novembro de 1970, entre a nossa CCS e a CCS do BCAÇ 2927, que nos foi render.

Repare-se no pormenor de no verso do galhardete constar a constituição da equipa da CCS do BCAÇ 2927, pelas posições ocupadas no terreno. Correia, Dias, Carneiro e Mendes. Sá e Machado. Lúcio, Fonseca e Tony. Leitão e Ferreira.

Para que conste, o jogo terminou empatado. No campo e depois à mesa.

- E a natação! Como é que foi isso da natação - perguntarão os que tiveram paciência para chegar até aqui.

Pois fiquem sabendo que eu também fui Campeão de Natação de Bissorã.

Bissorã - 1970 - Armando Pires, furriel enfermeiro, ribatejano e fadista, vencedor da prova de três metros livres, com o tempo de 4 segundos e 20 centésimos, disputada no tanque de rega da Estação Agronómica de Bissorã.

Eu não vos disse que isto terminava em grande?

Armando Pires
____________

Nota do editor

Último poste da série de 18 de Junho de 2014 > Guiné 63/74 - P13302: Furriel Enfermeiro, ribatejano e fadista (Armando Pires) (14): Fadista e locutor, para cumprir o destino