quinta-feira, 19 de julho de 2018

Guiné 61/74 - P18859: Álbum fotográfico de Virgílio Teixeira, ex-alf mil, SAM, CCS / BCAÇ 1933 (Nova Lamego e São Domingos, 1967/69) - Parte XXXVIII: As minhas estadias por Bissau (vii): o ano de 1969 (fotos de 71 a 81)



Foto nº 72


Foto nº 71



Foto nº 73


Foto nº 74


Foto nº 76

Foto nº 75



Foto nº 77


Foto nº 80


Foto nº 79


Foto nº 81

Guiné > Bissau > São Domingos > CCS/BCAÇ 1933 > 1969 >


Fotos (e legendas): © Virgílio Teixeira (2018). Todos os direitos reservados [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. Continuação da publicação do álbum fotográfico do Virgílio Teixeira (*), ex-alf mil, SAM, CCS / BCAÇ 1933 (Nova Lamego e São Domingos, set 1967/ ago 69); natural do Porto, vive em Vila do Conde, sendo economista, reformado; tem já perto de 7 dezenas de referências no nosso blogue

 Guiné 1967/69 - Álbum de Temas: T031 – Bissau - Parte 1 > (vi)

[Devido à suas funções como chefe do conselho administrativo (CA) do comando do batalhão, o Virgílio Teixeira deslocava-se, em serviço, com relativa frequência, à capital Bissau onde ficava o QG...]


Legendas e numeradas de F71 a F81

F71 – O navio N/M  Uíge [e não Alenquer...] fundeado no Porto de Bissau. [O nosso camarada deve ter confundido o Alenquer e o Uíge: O N/M Alenquer pertencia à Sociedade Geral de Comércio, Indùstria e Transportes, Lisboa; o N/M Uíge pertencia à Companhia Colonial de Navegação, Lisboa; o primeiro era mais pequeno do que o segundo; o Alenquer tinha de comprimento cerca de 137 metros e a sua arqueação bruta não chegava às 5,3 mil tonelada; o Uíge tinha o mesmo comprimento mas o dobro da arqueação brutao, 10 mil toneladas  ]...

Resto da legenda": "Por ser mais pequeno, já não ficava ao largo, mas sim encostava no cais do porto. Desconheço a data certa, tinha chegado para descarregar e seguidamente carregar as NT. Bissau, 1º Trimestre de 1969.

F72 – A proa do Alenquer, com marinheiros negros a preparar as amarras. Ao largo vê-se duas lanchas, talvez uma LDG e uma LDM, que estão a partir com tropas, ou a chegar do interior com tropas para embarcar rumo a casa. Bissau, 1º Trimestre de 1969.

F73 – Num sábado ou domingo de folga, sentado no cais e porto, fumando um cigarro, a pensar na vida e no dia de regresso. Bissau, Abril 69.

F74 – No cais junto ao porto, apreciando a paisagem, o rio, o mar, o horizonte, esperando que chegue o meu navio para me levar a casa. Bissau, 17Abril69.

F75 – No restaurante ‘O Nazareno’ (O dono devia ser da Nazaré!) num sábado ou domingo num almoço talvez a sós, fazia isso muitas vezes, não tinha muita gente para me acompanhar nestas despesas, pois todos tinham almoço e jantar de borla ao serviço da tropa. Posso identificar na minha indumentária, as celebres calças de ganga, americanas, as primeiras que eu vesti bem como o meu cinto, era sempre mais do mesmo. Depois os sapatos finos, tipo Tod’s, tinham picos por baixo, até podiam ser. Meias brancas como era uso nesse tempo, hoje fora de moda, a minha pulseira e anel do artesanato locais. Camisa branca, de origem chinesa, compradas no comércio local. Foto na varanda/esplanada. Só falta o Telemóvel para ser perfeita e actual. Bissau, no 1º semestre de 1969.

F76 – Vista do restaurante ‘O Nazareno’ no bairro fino de Bissau, já depois de almoçado, na minha motorizada Honda, para uma tarde de partida para algum sitio, quem sabe se para uma visita até o Pilão, ou mais uma viagem a Safim. Bissau, 1º semestre de 1969.

F77 – Desconheço o que é isto, mas parece a entrada para qualquer sítio, com os paus a servir de porta para algum local [ou mais provavelmente um quartel das NT, a avaliar pelo  arame farpado, pau da bandeira ou poste de transmissões, pórtico feitos de cibes, vasos com palmeiras, etc.]  1º semestre 69.

 F79 – Pensativo, na ponta do cais do porto de Bissau, à espera que se veja o meu UIGE a chegar. Ao fundo a marginal os edifícios do Estado, uma panorâmica do porto. Bissau, Julho 69.

F80 – A cidade de Bissau vista de um barco ao largo. No cais de embarque vê-se um navio de T/T não sei qual é. Eram tempos de espera, a olhar para o Oceano para ver quando chega o nosso UIGE que nos vai levar para casa. Bissau, Julho 69

F81 – A bordo de um navio Patrulha da nossa Armada, no Estaleiro da Marinha. Não consigo identificar o nome do navio. Ao longe pode ver-se a ilha das Cobras [peço desculpa,, ilhéu do Rei[. Bissau, Maio 69.


Em, 24-04-2018

Virgílio Teixeira

«Propriedade, Autoria, Reserva e Direitos, de Virgílio Teixeira, Ex-alferes Miliciano SAM – Chefe do Conselho Administrativo do BATCAÇ1933/RI15/Tomar, Guiné 67/69, Nova Lamego, Bissau e São Domingos, de 21SET67 a 04AGO69».
____________

Nota do editor:

ÚLtimo poste da série > 10 de julho de  2018 > Guiné 61/74 - P18833: Álbum fotográfico de Virgílio Teixeira, ex-alf mil, SAM, CCS / BCAÇ 1933 (Nova Lamego e São Domingos, 1967/69) - Parte XXXVII: História e imagens de São Domingos: fotos de 9 a 21

Vd. também poste de 28 de maio de 2018 > Guiné 61/74 - P18687: Álbum fotográfico de Virgílio Teixeira, ex-alf mil, SAM, CCS / BCAÇ 1933 (Nova Lamego e São Domingos, 1967/69) - Parte XXXII: As minhas estadias por Bissau (vi): resto do ano de 1968

Guiné 61/74 - P18858: (De) Caras (117): "Meninos-soldados" ?...O PAIGC recrutava-os e dava-lhes instrução militar (Jorge Araújo)




Fundação Mário Soares > Casa Comum > Arquivo Amílcar Cabral > Pasta: 05222.000.172 > Título: Jovens durante treino militar para o Exército do PAIGC > Assunto: Jovens durante treino militar para incorporarem o Exército do PAIGC e a luta de libertação nacional > Data: 1963-1973 > Fundo: DAC - Documentos Amílcar Cabral. (*)

(Reproduzido com a devida vénia... )


1. Mensagem do nosso editor Jorge Araújo, com data de ontem, às 11h12  

Caro Luís,

Bom dia.

Acabo de visitar o nosso blogue (depois do regresso de Portimão) e dei de caras com a "criança-soldado" [com o o ponto de interrogação, para permitir o debate] do álbum do Dr. Roel Coutinho. (**)

Caso entendas aumentar o número de imagens sobre este tema, anexo a primeira e o link para mais algumas.

Citação: (1963-1973), "Jovens durante treino militar para o Exército do PAIGC", CasaComum.org, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_43792 (2018-7-18)

Citação: (1963-1973), "Jovens recrutados pelo PAIGC durante a instrução militar", CasaComum.org, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_43870 (2018-7-18)

Citação: (1963-1973), "Jovens recrutados pelo PAIGC durante instrução militar", CasaComum.org, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_43874 (2018-7-18)

Hoje, espero enviar-te mais um pequeno contributo para o espólio da Tabanca.

Até mais logo.

Ab. Jorge Araújo.

____________

Notas do editor:


Guiné 61/74 - P18857: Parabéns a você (1472): Francisco Baptista, ex-Alf Mil Inf da CCAÇ 2616 e CART 2732 (Guiné, 1970/72) e João Santos, ex-Alf Mil Rec Inf do BCAÇ 2852 (Guiné, 1968/70)


____________

Nota do editor:

Último poste da série de 17 de julho de 2018 > Guiné 61/74 - P18852: Parabéns a você (1471): Álvaro Basto, ex-Fur Mil Enf.º da CART 3492 (Guiné, 1971/74); Jaime Bonifácio M. Silva, ex-Alf Mil Paraquedista do BCP 21 (Angola, 1970/72) e José Manuel Pechorro, ex-1.º Cabo Op Cripto da CCAÇ 19 (Guiné, 1971/73)

quarta-feira, 18 de julho de 2018

Guiné 61/74 - P18856: Historiografia da presença portuguesa em África (124): 1917: O BNU na Guiné e as convulsões republicanas (1) (Mário Beja Santos)


A Catedral de Bissau numa imagem de 1954, na obra de propaganda “Fotografias Guiné, Início de um Governo”, referente à chegada à Guiné do Governador Mello e Alvim.


1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 23 de Fevereiro de 2018:

Queridos amigos,
Na documentação avulsa existente no Arquivo Histórico do BNU encontrei uma interessantíssima documentação saída do punho do Inspetor João Jacinto David que viera de Angola para analisar a situação do BNU em Bolama e observar de perto a instalação da filial de Bissau.
Apercebeu-se de várias coisas: os azedumes à volta do Governador Andrade Sequeira, que não terá deixado grandes estimas na Guiné naquele período de inquéritos a Teixeira Pinto e em que Abdul Indjai é já publicamente tratado como um vilão; e o gerente Moreira, de Bolama, parecia agir por conta própria, intimidava, o inspetor David faz-lhe a cama.
E há tumultos republicanos por aquelas bandas, como iremos ver mais adiante.


1917: O BNU na Guiné e as convulsões republicanas (1)

Beja Santos

Em 1917 o inspetor David vem de Benguela até Bolama, cabe-lhe inspecionar as contas e o funcionamento dessas instalações e apurar o que se está a fazer para instalar a agência de Bissau. É um período de enorme agitação: o governador, o Tenente-Médico Andrade Sequeira confronta-se com Teixeira Pinto e Abdul Indjai, a Liga Guineense divide-se em fações, perante a atitude do governador, Abdul Indjai é responsabilizado pelo chamado massacre de Bor, terá atraído uns régulos que mandou chacinar. A desunião entre republicanos também é evidente. Chegará um novo governador, o Coronel Manuel Maria Coelho. Convém não esquecer que em princípios de 1916 Portugal entrara na I Guerra Mundial.


Foi no Arquivo Histórico do BNU que encontrei algumas peças que melhor clarificam a história do Banco a partir de 1902 e revelam as lutas encarniçadas entre diferentes fações, tudo graças à profusa documentação que o Inspetor João Jacinto David vai enviando para Lisboa.




Vejamos os dados históricos que o Inspetor regista sobre o BNU no seu relatório:

“Durante os sete anos decorridos desde 20 de setembro de 1902, data em que foi aberta a agência, até 31 de dezembro de 1909, estiveram os negócios da agência confiados aos empregados do negociante A. S. Gouveia. No decurso daquele período de tempo, sofreu o Banco o prejuízo de 16 contos, sem que a agência prestasse qualquer serviço de especial apreço.
Reconhecendo a Exma. Gerência que semelhante situação era inconveniente e prejudicial aos interesses do Banco, resolveu, em louvável acerto, escolher o Sr. Victorino José Pereira para vir desempenhar o cargo de gerente.
Assumiu as funções do seu cargo em janeiro de 1910, instalando a agência em um modesto e mesquinho quarto no rés-do-chão do prédio onde funciona a Repartição de Fazenda, e por esta cedido gratuitamente por algum tempo.
Sendo deprimente e insuficientíssima uma tal instalação, deliberou a sede mandar construir um prédio para uso exclusivo da sua agência, adquirindo-se para o efeito em setembro de 1912 dois talhões de terreno em bom local.
Em abril de 1914, ajustou-se por escritura de empreitada com o carpinteiro António dos Santos e o pedreiro José Gaspar Júnior a construção do prédio por 19 contos. Mas quando a obra ia adiantada e o prédio estava em vias de conclusão (março de 1915), abateram as paredes, arrastando o telhado e destruindo quase todo o trabalho feito!
Não dispondo os empreiteiros de recursos para suportar o prejuízo, viu-se o Banco, pela força das circunstâncias, na necessidade de reconstruir o prédio à sua custa, despendendo quase o dobro da quantia primitivamente ajustada e gasta”.

A documentação do Inspetor David traz observações do maior interesse. Vejamos o que ele escreve de Bolama para Lisboa em 12 de março de 1917:
“Governador da Província Sequeira. Está ausente da província desde julho do ano passado e creio que não voltará a ocupar o cargo, tantas e tão sérias são as irregularidades apuradas na sindicância aos seus actos a que está procedendo o Governador-Coronel Manuel Maria Coelho. Pelo menos, assim me foi afirmado por pessoa de confiança e da intimidade do Coronel Coelho.
O Governador Sequeira foi um fraco que se deixou dominar por completo pelo círculo que o rodeava constantemente, nele incluído o Secretário do Governo Sebastião Barbosa. Operando todos juntos, tiveram a habilidade de intrigar o governador com quase toda a gente.
Para se avaliar do procedimento do Sr. Sequeira, bastará dizer que só agora estão sendo publicadas por ordem do Sr. Coelho as portarias dimanadas do Governo Central com data de Abril do ano passado, em que o Governador Sequeira é censurado asperamente e se dá razão a funcionários por ele perseguidos.
Parece-me que a uma autoridade dotada destes predicados que obriga o Governo a mandar à Província um oficial superior do Exército para sindicar dos seus actos falta autoridade moral para censurar ou se queixar seja de quem for, desde que se colocou uma situação deprimente de todos conhecida”.

O gerente de Bolama, nestes relatos, aparece como um cafajeste. O inspetor David junta ao seu relatório uma carta recebida em 5 de maio de 1917 do comerciante João Baptista Pimentel. Vale a pena proceder à sua leitura:
“Com o devido respeito e consideração, tenho a honra de levar ao conhecimento de V. Ex.ª. um facto que se deu há pouco tempo, entre mim e o actual gerente dessa agência.
Indo eu no dia 2 do corrente a essa agência fazer um depósito da mesada da minha família, fui convidado pelo Sr. Gerente Moreira a falar com ele no seu gabinete.
Julgando eu que o referido gerente pretendesse falar comigo acerca de qualquer assunto comercial, acedi ao convite. Sem mais nem menos fez-me esta pergunta: ‘o senhor quer fugir ao contrato que fez com o Carvalho?’.
Porquê? – respondi-lhe eu.
Porque fez com o Carvalho um contrato de 150 toneladas de mancarra que não quer cumprir.

Então esclareci o caso, dizendo-lhe que tinha combinado em Bissau com o Sr. Carvalho (gerente da casa comercial Salomão, Pereira, Neves & Cª.) fornecer-lhe 150 toneladas de mancarra, sob a condição de não adiantar dinheiro suficiente para a compra desse produto, e que não tendo o Sr. Carvalho cumprido com o que me prometera, resolvi não lhe entregar senão a quantidade de mancarra equivalente ao débito que, antes da aludida combinação, eu tinha com a firma Salomão, Pereira, Neves & Cª.

Depois do Sr. Moreira reconhecer que eu estava resolvido a não entregar as 150 toneladas de amendoim ao Sr. Carvalho, apresentou-me um livro dizendo: ‘Sabe o que é isto?’ – ‘Olhe: isto é o livro negro, todo o nome que para aqui vier perde crédito no Banco, se o seu figurar aqui não só o Banco lhe corta o crédito como também a Casa Gouveia, a Companhia Agrícola dos Bijagós e Jansens.

A maneira autoritária e descortês com o que Sr. Moreira me dirigiu esta ameaça, levou-me a dizer-lhe que enquanto tivesse braços não precisava dos seus favores, nem do Banco nem de qualquer casa comercial que pusesse em dúvida a minha honestidade. Mais lhe disse ainda que não devia favores ao Banco nem tão pouco a ele, ao que me respondeu dizendo que eu devia favores ao Banco pois tinha levantado dinheiro aí.
Fiz-lhe então ver que pelo facto de essa agência me aceitar letras não me considerava devedor de favores do Banco, mas sim ao sacador.

Nunca julguei, Sr. Inspetor, que o Sr. Moreira na qualidade de gerente pudesse arvorar-se em advogado de qualquer estabelecimento com o fim de me censurar ou vexar.
A má vontade do Sr. Moreira para comigo vem de longe, porque, possuindo eu bens no valor superior a 6 contos, não tem aceitado letras de valor de 150 escudos quando me prontifico a servir de sacador. V. Ex.ª., crendo, pode examinar os documentos existentes nos arquivos dessa agência para se certificar que nunca foi protestada qualquer letra minha.

Em 1916 paguei nessa agência 7.800 escudos; de janeiro a abril do corrente ano paguei ao Banco mais de 6 contos de fornecimentos enviados de Lisboa, apesar da grande crise que atravessa esta Província.
O actual gerente, ao que parece, jurou aos seus manes vingar-se de mim.
De quê? – Não sei.
Desculpe-me V. Ex.ª. a incorrecção das frases e o incómodo que lhe dei, prendendo por alguns momentos a sua atenção”.

A partir de junho, nos documentos enviados pelo inspetor David, o gerente Moreira será posto num banco de réus.

(Continua)
____________

Nota do editor

Último poste da série de 11 de julho de 2018 > Guiné 61/74 - P18835: Historiografia da presença portuguesa em África (123): Sobre as fortalezas da Guiné e da África Oriental, pelo Capitão Henrique C. S. Barahona; Typographia do Commércio, 1910 (Mário Beja Santos)

Guiné 61/74 - P18855: (De) Caras (116): "Meninos-soldados" ? Os do PAIGC, os da CCAÇ 12...



Foto nº 1 > Wikimedia Commons > ASC Leiden > Coutinho Collection > C40 > Walk from Candjambary to Sara > Guinea-Bissau > Military escort with rifle during trip [Militar – criança-soldado? – do PAIGC, armado de Kalashnikov (AK-47), durante uma escolta]. (*)

Foto de Roel Coutinho (1974),  da série PAIGC Military, Guinea-Bissau, Coutinho Collection 1973-1974 (vom a devida vénia...).



Foto nº 2 > Guiné > Zona leste > Região de Bafatá > Contuboel > 1969 > CART 2479 / CART 11 (1969/70) > > O Valdemar Queiroz, com os recrutas Cherno, Sori e Umarau Baldé  (que irão depois para a CCAÇ 2590 / CCAÇ 12). Estes mancebos aparentavam ter 16 ou menos anos de idade. Eram do recrutamento local.

Foto (e legenda): © Valdemar Queiroz (2014). Todos os direitos reservados [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. Estas duas fotos podem querer sugerir que tanto o PAIGC como nós usámos "crianças" na guerra... Pontualmente ? Em maior ou menor escala ?

Eu, o Valdemar Queiroz, o António Marques e outros camaradas que integram a nossa Tabanca Grande, que estivemos a dar instrução, entre abril  e julho de 1969 (eu só entre junho e julho de 1969),  a mancebos que depois foram integrar as futuras CART 11 / CCAÇ 11 e CCAÇ 12, sabíamos da existência de "djubis", de idade mal definida, recrutados com 16 anos ou menos anos de idade, "meninos de sua mãe" que depois se fizeram bravos soldados... 

Comentei, por outro lado, que achava estranho que um médico europeu, holandês, como o dr. Roel Coutinho, embora jovem e em "missão humanitária", não se tenha percebido, em 1973 e 1974, da utilização de meninos-soldados por parte do PAIGC (, pelo menos em escoltas militares, na evacuação de feridos...) e não tenha alertado para (ou  denunciado) esse facto... 

Em Contuboel, no Centro de Instrução Militar de Contuboel, também nenhum de nós se "apercebeu" dessa situação, ou "apercebeu-se" mas não lhe deu importância... Afinal, com mais meia dúzia de anos, nós também éramos "meninos.de sua mãe", à espera do batismo de fogo... Os nossos soldados do recrutamento local não tinham cédula pessoal nem bilhete de identidade, como era normal na África colonizada pelos europeus... Confiávamos nos recrutadores, nos régulos e nos chefes de posto... EmPortugal, nas Forças Armadas Portugueses só se aceitavam voluntários com a idade legal mínima de 16 anos....

O militar da foto nº 1, armado de Kalash, é uma criança, um adolescente!...O nosso editor Jorge Araújo ainda pôs um ponto de interrogação...   Infelizmente é uma situação em todas as guerras, e ainda hoje,  em especial em África... Naquela época, nós fechámos os olhos a casos como o do Umaru Baldé (**) e outros (o Cherno, o Sori...) e o PAIGC terá feito  o mesmo... Tudo o que vinha à rede era peixe... Ou, como diz o nosso povo, "o trabalho do menino é pouco, mas quem não o aproveita é louco",,,  (LG) (***)
_____________

Notas do editor:

(*) Vd. poste de 15 de julho de 2018 > Guiné 61/74 - P18848: (D)o outro lado do combate (34): A logística nas evacuações dos feridos do PAIGC na Frente Norte: um itinerário até ao hospital de Ziguinchor (Jorge Araújo)

(**) Vd. poste de 26 de setembro de 2016 > Guiné 63/74 - P16525: (In)citações (100): As outras cartas da guerra... Do Umaru Baldé, da CART 11 e CCAÇ 12, para o Valdemar Queiroz (Parte I): "Filho único e menino, minha mãe chorou quando, em 12 de março de 1969, alferes me foi buscar a Dembataco para defender a pátria portuguesa"


[Carta sem data nem local, tem a foto do Umaru Baldé ao canto superior esquerdo]

AMOR NUNCA ACABA

Amor nunca acaba,
ninguém esquece dos passados ceja [seja] bem ou de mal,
eu me lembro de dia 12 de março de [19]69, quando foi [fui]
chamado para [a] vida militare [militar] Portugues[a]. 


Na verdade eu tinha pouco[s] anos de idade e eu era
único filho de o meu pai, e na verdade minha Mamãe
revoltou[-se], disse que eu não tenho [tinha] idade para ir na guerra, mas a pena [é que] Alferes que tinha vindo para nos levar, não podia ouvir esta revolta, Alferes disse-nos todos somos Portugueses, saímos [de] muito longe para defender [a] Pátria Portuguesa, antão [então], para povo saber que [em] Portugal não há raça nen [gente] de cores, todos [todo] cidadadão tem que ir cumprir serviço militar português.

Minha mamãe chorou, disse ai, meu Deus, tenho meu filho único
que vai me deixar para ir morrer na guerra. 

Esta data era[foi] dia  de tristeza i [e] lágrimas para [o] povo de Demba Taco e Taibatá, na  verdade ficámos até às 4 horas das tarde [até] entramos no [bas] viaturas militares para Bambadinca.

Eu com a pouca idade que eu tinha, o que podia fazer ? Todo como homem, que sou, quando foi [fui] na recruta [em Contuboel], foi [fui] o melhor apontador de morteiro 60 [...] Depois,  na especialidade foi [fui] levado para mesmo na primeira companhia [que] foi na CCAÇ 2590 [/] CCAÇ 12] onde nunca esqueço [o] sufrimento [sofrimento] que sofri para [pela]
Minha Pátria Portuguesa, na Guiné Portuguesa.

Na verdade, [em] dois anos e alguns meses que fez [fiz] como operacional, fez [fiz] 78 operações no mato do Xime, [na] zona do Xitole e até [em] Medina [Madina] do Boé, ao lado de Ganjadude [Canjadude]. Na minha companhia,  durante dois anos só sofremos 5 soldados [mortos], 4 pretos e um vranco [branco].
Depois fui transferido para Bissau como primeiro cabo, onde fui colgado [colocado] no comando das transmissões [, quartel de Santa Luzia,] até ao fim de[da] guerra em 1974. [...]




(***) Último poste da série > 13 de julho de  2018 > Guiné 61/74 - P18843: (De) Caras (115): O João Rocha (1944-2018), em Bissau e em Brá, nos primeiros tempos do BCAÇ 2852 (Bambadinca, 1968/70) (Fernando Calado)

terça-feira, 17 de julho de 2018

Guiné 61/74 - P18854: Agenda cultural (645): Centenário de Nelson Mandela, "Mandela Day", Lisboa, Praça do Município, 21h15

Centenário de Nelson Mandela

Mandela Day

cinema, música
17 julho 2018
21h15

Lisboa, Praça do Município

Um espetáculo com os Gospel Collective e a participação de Kalaf, seguido da exibição do filme Invictus, de Clint Eastwood, assinalam em Lisboa os cem anos do nascimento de Nelson Mandela. Entrada livre.


__________

Nota do editor:

Último poste da série > 25 de junho de 2018 > Guiné 61/74 - P18778: Agenda cultural (644): Convite para a Inauguração da Exposição de Pintura de Adão Cruz, dia 30 de junho de 2018, pelas 16h00, na Galeria Zeller, Rua 14, n.º 750, em Espinho

Guiné 61/74 - P18853: Manuscrito(s) (Luís Graça (143): "No coração da escuridão" (filme de Paul Shrader, 2017): Quando a razão nos mata e a fé já não nos salva, o que nos resta ? ... Resta-nos a esperança.

Luís Graça, 2011, Candoz
1. Público > Cinecartaz > No Coração da Escuridão
Título original: First Reformed
Género:Drama, Thriller
Classificação:M/16
Outros dados:EUA, 2017, Cores, 133 min.


Ernest Toller (Ethan Hawke) é um ex-militar que, após a morte do filho na Guerra do Iraque, se refugiou na fé. É assim que, tornado pastor, acaba por ser colocado numa pequena localidade a norte de Nova Iorque. Lá, conhece Mary (Amanda Seyfried), uma jovem a atravessar um momento difícil com o marido, um ambientalista radical. Através deles, Toller descobre uma série de negócios obscuros entre a Igreja que representa e algumas empresas pouco escrupulosas da região. Ao perceber a sua impotência para resolver o caso, o reverendo vê-se a colocar em causa as suas mais profundas convicções...
Em competição no Festival de Cinema de Veneza, um filme dramático sobre fé e moralidade, escrito e realizado por Paul Schrader – conhecido como argumentista de "Taxi Driver" (de Martin Scorsese) e "Obsessão" (Brian De Palma), e como realizador de "American Gigolo", "Mishima", "Adam Renascido" ou "Vingança ao Anoitecer". PÚBLICO


2. Comentário de Luís Graça > Quando a razão nos mata e a fé já não nos salva, o que nos resta ?

... Resta-nos a esperança, é a leitura que eu faço, depois de sair da sala de cinema... E confesso que há muito não via um filme que me tirasse o sono. Sou de um geração que foi perdendo sucessivamente a fé, no singular e no plural, as crenças, as referências, os heróis, os mitos, as bíblias, as igrejas, os rituais... E, no entanto, nunca como hoje a ciência ocupou o lugar da transcendência... Mas temos tudo para nos destruirmos enquanto espécie humana... Que planeta vamos deixar aos nossos filhos, netos e bisnetos, se ainda houver lugar para eles ? E será que Deus vai perdoar-nos pela destruição da sua criação ?

A esperança é a filha de ambos, da razão e da fé. Mesmo órfã, é a esperança que nos pode conduzir não ao niilismo mas à redenção, ao amor, à vida, à liberdade, à equidade, à acção colectiva organizada e solidária...

Sociologicamente falando, está ali também muito da América que elegeu Trump... Enormes, a realização e o argumento de Schrader, e a interpretação de Hawke.
________

Nota do editor:

Último poste da série > 24 de junho de 2018 > Guiné 61/74 - P18773: Manuscrito(s) (Luís Graça) (142); Autobiografia: no tempo em que havia um santo para cada estação, do são Sebastião ao são João... e os soldados partiam para a Índia

Guiné 61/74 - P18852: Parabéns a você (1471): Álvaro Basto, ex-Fur Mil Enf.º da CART 3492 (Guiné, 1971/74); Jaime Bonifácio M. Silva, ex-Alf Mil Paraquedista do BCP 21 (Angola, 1970/72) e José Manuel Pechorro, ex-1.º Cabo Op Cripto da CCAÇ 19 (Guiné, 1971/73)



____________

Nota do editor

Último poste da série de 13 de Julho de 2018 > Guiné 61/74 - P18840: Parabéns a você (1470): António Tavares, ex-Fur Mil SAM do BCAÇ 2912 (Guiné, 1970/72) e Rogério Ferreira, ex-Fur Mil Inf MA da CCAÇ 2658 (Guiné, 1970/71)

segunda-feira, 16 de julho de 2018

Guiné 61/74 - P18851: Recordações de Porto Gole, Enxalé e Missirá: fotos de Abna Na Onça e outros camaradas (João Crisóstomo, Nova Iorque; ex-alf mil, CCAÇ 1439,1965/67)


Foto nº 1 > Da esquerda para a direita, João Crisóstomo e o régulo Abna Na Onça


Foto nº 1A > Da esquerda para a direita, João Crisóstomo e o régulo Abna Na Onça


Foto nº 2 > A equipa de futebol:  de pé, da esquerda para a direita: eu, João Crisóstomo; o fur mil Bonifácio, da Lourinhã (mais conhecido por "O Passarinho"...); O Manuel, o "açoriano", a nossa primeira vítima de mina anticarro; nºao me lembro dos nomes dos restantes... na fila da frente, da esquerda para a direita,  o João, do Bombarral, que era o padeiro;  dos restantes, lembro-me ca cara, mas já não dos nomes... Ao fundo, à direita, fazendo exercício,  está o furriel Eduardo, que havia feito parte da equipe de futebol do Porto e que por qualquer motivo não quis jogar neste dia…


Foto nº 2A > A equipa de futebol... O João é o primeiro da esquerda, na fila de pé...


Foto nº 3 > A "preparação" da  CCAÇ  1439 está oficialmente acabada. O capitão Pires reune os seus alferes   Crisóstomo, Freitas, Sousa e [Luís] Zagallo e anuncia que vai partir mais cedo de avião,  e estará à nossa espera quando a companhia chegar à Guiné. Ainda hoje me pergunto  quem trouxe os charutos e qual a razão… Ao alto do lado direito, na parede, uma divisa: "Se souberes obedecer, saberás comandr"...



Foto nº 3A > Os oficiais da CCAª 1439: o capitão Pires, ao centro, ladeado à sua direita pelos alfres Crisóstomo e Sousa; e à esquerda, pelos alferes Zagallo e Freitas... [LG]


Foto nº 4 > Perdidos no mato...  Em primeiro plano é o Capitão Pires ao lado direito e do lado esquerdo o Orlando, cabo, madeirense; ao fundo os “guias".


Foto nº 5 > Enxalé, c. 1966 > Visita do gen Arnaldo Schulz


Foto nº 5A > Enxalé, c. 1966 > Visita do gen Arnadlo Schulz, à esquerda, com o cap Pires e o alf Crisóstomo (de óculos).

Fotos (e legendas): © João Crisóstomo (2017). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]



1. Mensagem de João Crisóstomo (ex-alf mil, CCAÇ 1439, Enxalé, Porto Gole e Missirá, 1965/67, que vive hoje em Nova Iorque, e que tem dado a cara por causa nobres, sociais e culturais,  que muito nos honram a todos nós, portugueses: Gravuras de Foz Côa, Timor-Leste, Aristides Sousa Mendes, etc.; tem cerca de 7 dezenas de referências no nosso blogue).

Data: 15 de julho de 2018 às 18:09
Assunto: foto  deAbna na Onça e outras

Caríssimo Luís Graça;

Hoje, 14 de Julho, foi tempo para "não fazer nada"  excepto seguir o jogo da Belgica-Inglaterra. Fiquei satisfeito, pois nunca perdoei aos ingleses o que nos fizeram em 1966, ano em que Portugal devia ter ganho o campeonato mundial de futebol, não fossem as manhas e manobras/trapaças   dos ingleses…  E deu para deixar vadiar a minha memória e imaginação, o que fiz calcorreando pelas terras da Guiné por onde passei, nas páginas do nosso blogue.
   
Apareceu uma  foto do Jorge Rosales e  lembrei-me  que,   no   ano  passado,  alguém sugeriu/pediu  se alguém tinha fotos e   informações sobre Abna Na Onça,  o "Homem Grande" de Porto Gole, conforme muito apropriadamente lhe chamou o  Jorge Rosales (Poste P5122, d e 17 de outubro de 2009) (*).

João Crisóstomo, grande amigo
de Timor-Leste
Na altura enviei uma foto  que tinha comigo (poste P17693, de 23 de Agosto de 2017) (**). E  fiquei de enviar uma outra que sabia ter comigo, mas nunca mais a encontrei. Até há meia-hora atrás.  Como o pai do filho pródigo, passeando pelo  blogue  "Luís Graça & Camaradas   da Guiné",  de repente deparei  com  o poste do Jorge Rosales  onde ele aparece com o Abna Na Onça.  "Puxa vida, pensei eu, nunca mais encontrei essa foto que prometi enviar. E eu tenho a certeza que a tenho em qualquer parte"...

E tinha.  Estava no meio das muitas fotografias que,  como tapete   contínuo,  cobrem as paredes do meu apartamento; eu tenho a mania de, quanto possível,  não pôr em gavetas as fotos de que gosto mais. Por isso o meu apartamento é uma "colagem" enorme … mas por vezes, como sucedeu com  neste caso, tem os seus inconvenientes: quando procuro uma determinada foto não  a encontro.

Como o pai do filho pródigo, contente por ter encontrado a "foto desgarrada",  pus-me a ver outras sobre a Guiné (estas outras estavam numa caixa pois não dá para pôr tudo nas paredes) e encontrei estas que te envio. São fotos velhas, e infelizmente em muito mau estado:  têm   sofrido os manuseamentos,   escolhas,  arrumações, muitas  viagens e respectivas  mudanças de endereço  que,  como se fosse cigano, tenho experimentado na minha vida pós-militar.  Enfim...

Se virem que têm interesse, usem-nas  ou não, como bem entenderem .  Algumas delas foram "digitalizadas" pelo Henrique Matos… se  acharem  que alguma tem interesse para ser publicada no blogue, talvez o Henrique Matos possa ajudar (creio que ele tem uma cópia de todas as fotos  que  ele fez o favor de digitalizar para mim.)

 Segue uma breve explicação de cada uma delas:

Foto nº 1 (que deu aso a este email) >  Eu e o "Homem Grande" Abna  Na Onça. Não precisa de mais explicações; todos sabemos já quem era este extraordinário régulo de Porto Gole. Com respeito  e saudades: Paz à sua alma!

 Foto nº 2 > A "equipe de futebol do dia"… não me lembro de alguns  nomes, mas posso identificar: na fila de trás: eu, seguido do falecido furriel  Bonifácio da Lourinhã (a quem chamávamos  muito amigavelmente   "o passarinho"  pelas suas minúsculas  refeições; era sobrinho do grande Padre Franciscano Frei António Ribeiro, das Matas da Lourinhã, se me não engano).

No meio está o desafortunado Manuel,  "o  Açoriano" [, Manuel Pacheco Pereira Júnior, de seu nome completo],  assim chamado por ser o único elemento da CCAÇ 1439 que era dos Açores. Foi a primeira vítima duma mina anticarro. Faleceu  em   Mato Cão. Estava  em cima do Unimog quando a poderosa mina rebentou. A explosão foi de tal modo violenta  que ele ficou quase " pulverizado"  e, na altura, nem se deu pela falta dele. Só no dia seguinte ao ser feita  a chamada, quando o seu nome não teve resposta e ninguém sabia onde ele estava , houve alguém que se lembrou então  de tê- lo visto  em cima do Unimog momentos antes da explosão. Feita uma saída imediata ao Mato Cão depois de muito procurar   deparamo-nos com os seus minúsculos restos mortais  que foram religiosamente apanhados e a quem foram prestados os respeitos que as circunstancias permitiam.

Na fila da frente o  primeiro colado esquerdo é o João, do Bombarral, que era o padeiro. Várias vezes tenho perguntado se alguém sabe onde se encontra ( parece que emigrou, dizem) Dos outros, lembro-me bem dos rostos, mas, com imensa pena minha,  a minha memória não é capaz de vir com mais nenhum nome.    No canto direito da foto pode-se descortinar ao fundo , fazendo exercício,  o furriel Eduardo, que havia feito parte da equipe de futebol do Porto e que por qualquer motivo não quis jogar neste dia…

Foto nº 3 > A "preparação" da  CCAÇ  1439 está oficialmente acabada. O capitão Pires reune os seus alferes   Crisóstomo, Freitas, Sousa e Zagallo e anuncia que vai partir mais cedo de avião,  e estará à nossa espera quando a companhia chegar à Guiné. Ainda hoje me pergunto  quem trouxe os charutos e qual a razão… Ao alto do lado direito, na parede, uma divisa: "Se souberes obedecer, saberás comandar"...

Foto nº 4 > Esta fotografia foi tirada no mesmo dia e local de uma outra que eu enviei sobre o falecido Furriel Mano,  vítima duma mina na estrada de Missirá- Enxalé (Poste P15998,  de 21 de Abril de 2016) (***):  num momento difícil,  literalmente perdidos no mato; os próprios guias confessavam estar perdidos sem saberem onde estavam nem como prosseguir. As expressões de todos nestas duas fotos  é evidencia da muita preocupação, incluindo a do capitão Pires que deu  instruções ao furriel de transmissões para contactar os "bombardeiros" para nos ajudarem e orientarem como prosseguir.

Foto nº 5A > Enxalé, c. 1966:Visita do gen Schulz

PS - Luís: Espero que faças —fá-lo por favor—a devida escolha do que pode ou não ser de interesse para publicação no blogue. 


O que menciono a seguir já saiu no blogue. Não quero estar a abusar.
E pronto por hoje. Vamos para a Eslovénia no dia 22 [de julho] e no dia 24 [de agosto] vamos para Portugal, onde espero poder  estar com vocês; e,  senão fôr antes,  pelo menos  no domingo,   dia 16 de Setembro. Sinto-me frustrado por não poder fazer melhor; quando vou a Portugal gostaria bem de poder visitar todos os meus amigos , um por um, mas …não dá.

Vilma e João Crisóstomo
Um encontro como este é o melhor que posso fazer ; mas   muitas vezes  volto aos EUA sem ver gente muito querida com quem gostaria de poder ter  estado. Para quem puder dar-me essa grande satisfação,  se achares pertinente podes anunciar  outra vez:

o encontro é às 03.00 da tarde, de domingo, 16 de setembro de 2018,  em em Paradas, A-dos-Cunhados, Torres Vedras,  na "Associação das Paradas", Rua José Ferreira, 5  ( na estrada de Santa Cruz para A-dos-Cunhados). (****)

Mas a gente ainda se fala  antes  disso com certeza.   

Até lá um grande abraço 
João e Vilma

_____________

Notas de leituras

(*)  Vd. poste de 17 de outubro de 2009 > Guiné 63/74 – P5122: Estórias avulsas (15): Homens Grandes, Jorge Rosales (ex-Alf Mil da 1.ª CCAÇ - Porto Gole -, 1964/66)

Vd. também postes de:





(****) Vd. poste de 20 de maio de 2018 > Guiné 61/74 - P18655: E as nossas palmas vão para... (16): João Crisóstomo, nosso camarada da diáspora lusitana, por 3 razões: (i) foi homenageado pelos correios de Israel; (ii) continua solidário com Timor Leste; e (iii) convida-nos a todos para a sua festa do próximo dia 16 de setembro, em Paradas, A-dos-Cunhados, Torres Vedras



(...) Associação de Desenvolvimento de Paradas, Paradas, A dos Cunhados, Torres Vedras. 15out2013. Tarde de convívios dos parentes das famílias Crisóstomo e Crispim e dos amigos e camaradas do João Crisóstomo, recém casado com a eslovena Vilma Kracun. O casal vive em Nova Iorque, e passou pela terra natal do João, a caminho da Eslovénia onde vai passar as festas do Natal e Ano Novo.. Intervenção de Luís Graça, quwe disse uns versos (8 quadras populares), de homenagem ao casal... em nome dos "amigos do Oeste".

Letra: Luís Graça

1
João Crisóstomo, eh pá!,
E Vilma Kracun, oh priga!...
Uma de lá, outro de cá,
Um rapaz e uma rapariga.

2
Formam os dois um belo par,
Esloveno-português,
Acabaram de casar,
Ela, doce, ele, cortês.

3
Dois mundos a separá-los,
Ela no velho [Europa], ele no no novo [América],
Vem agora abençoá-los,
Com amor, o nosso povo.

4
É o João um senhor,
Que faz o culto da amizade,
E amanhã comendador
Da Ordem da Liberdade.

5
Mordomo de profissão,
Portugal nunca esquece,
No verde e rubro coração
Onde a Pátria não esmorece.

6
Fez a guerra, coisa má
Lá nas terras da Guiné,
Finete e Missirá,
Porto Gole e Enxalé,

7
Animador libertário,
Foi de causas defensor,
Do Cônsul Humanitário [Aristides Sousa Mendes]
A Foz Côa e a Timor.

8
P’ra um casal, lindo como este,
P’rá Vilma e p’ró João,
Dos amigos do Oeste
Vai um grande… xicoração!


Paradas, A-dos-Cunhados,
15/12/2013

Os amigos do Oeste…Luís Graça & Alice, Eduardo Jorge Ferreira & São, Jaime Silva & Dina, Joaquim Pinto Carvalho & Céu… a que se associaram o Júlio Martins Pereira & esposa (Recarei, Paredes) e demais presentes, amigos e parentes das famílias Crisóstomo & Crispim. (...)

Guiné 61/74 - P18850: Notas de leitura (1084): “Máscaras de Marte”, por Nuno Mira Vaz; Fronteira do Caos Editores, 2018 (1) (Mário Beja Santos)



1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 24 de Maio de 2018:

Queridos amigos,
O Coronel de Cavalaria Paraquedista Nuno Mira Vaz tem já um expressivo número de títulos publicados, nesta obra de ficção, mas com cunho histórico, posiciona três amigos na Guiné, em 1972, mesmo com efabulações, está ali a história do BCP 12, as suas glórias e os seus mortos e feridos.
Um romance de arquitetura sóbria mas que abre mão para se entender a evolução das mentalidades destes oficiais para-quedistas no decurso da guerra. Nem ali falta um grande safado que é o António Rosado, alguém que aspira receber a medalha de Valor Militar, faz todas as manigâncias para lá chegar.

Um abraço do
Mário


Um romance sobre os para-quedistas no declínio do Império (1)

Beja Santos

A diferentes títulos, “Máscaras de Marte”, por Nuno Mira Vaz, Fronteira do Caos Editores, 2018, merece aqui ser saudado como romance de fortes ressonâncias históricas, em Bissalanca, no Batalhão de Caçadores Paraquedistas n.º 12 (BCP 12), se irão encontrar camaradas de armas, alguns andavam no Colégio Militar, todos cursaram na Academia, desde 1961 que a África em fogo é o magneto que os atrai. Quem desencadeia as hostilidades para que a História progrida é Eduardo Azaruja, é recebido pelo Comandante de Batalhão, que o inteira da situação política. Em abril desse ano (1972) membros da Comissão de Descolonização da ONU tinham permanecido nas chamadas regiões libertadas da Guiné-Bissau, fizera-se uma operação para os lados de Guileje, com êxito relativo; reunira-se uma Assembleia Nacional Popular do PAIGC, a Guiné caminhava para a declaração unilateral da independência; Spínola reajustara o mapa da guerra, voltava-se em peso ao Cantanhez. Os paraquedistas andam permanentemente afobados, desta feita até vão abrir quartéis e neles permanecer, como uma tropa macaca.

Aparece um amigo de Eduardo, Francisco Meireles, vêm as recordações do Colégio Militar. Azaruja é apresentado à sua Companhia, reencontra o Sargento-Ajudante Carlos Pardal. E depois chega o Capitão Alexandre Albuquerque, o Alex, o círculo de amigos está quase retomado. A Companhia 122 parte para o Cubisseco, é a estreia operacional de Azaruja, é nos preparativos que ele vai recordando os acontecimentos de abril de 1971, em Angola. Nuno Mira Vaz tem a preocupação de ir situando cada um destes oficiais desde a formação até ao evoluir da guerra, Meireles, por exemplo, viveu a queda do Estado Português na Índia, ficou marcado pelos acontecimentos. Entre os amigos há confidências e queixumes pelos atos operacionais inaceitáveis.

Num jantar, Albuquerque conta aos amigos:

“Cheguei há três dias de Sare Bacar com a Companhia. Estivemos lá mais de um mês. Uma tabanca minúscula, encostada à fronteira do Senegal, uma meia dúzia de quilómetros a Oeste de Pirada. A nossa missão era impedir um ataque, que estaria iminente, do PAIGC. Exatamente contra quê, ou contra quem, nunca nos foi explicado. Também ninguém parecia saber ao certo por que motivo os atacantes iriam cruzar a fronteira justamente naquele local, sabendo, porque não podiam deixar de saber, que nós ali estávamos. Mas o Comando-Chefe estava seguro de que o caminho para o ataque passaria ali nos próximos três ou quatro dias. Com alguma rapidez mas pouco afinco, cavámos umas valas. Passados os primeiros quatro dias sem que algo de anormal ocorresse, apareceu-nos um Tenente-Coronel a informar que o ataque tinha sido adiado, mas desta vez o Comando-Chefe não tinha dúvidas: seria dentro de dois ou três dias. Entre as certezas dele e os desenganos sucessivos fornecidos pela realidade, passou para cima de um mês. Ao fim de uns dias já ninguém aguentava o atum e as sardinhas de conserva. Ali não aconteceu coisíssima nenhuma. Nem ao menos uns tirinhos para justificar as medidas de segurança. Se vos dissessem, na Metrópole, que se podia despachar uma Companhia de paraquedistas para a fronteira com o Senegal e mantê-la lá durante um mês a olhar para as moscas, vocês acreditavam?”

A narrativa vai-se entremeando com os episódios do ingresso destes jovens como paraquedistas, avultam operações, os oficiais assistem à morte dos seus soldados. É nisto que entra em cena a ovelha negra do rebanho, Rosado, Nuno Mira Vaz irá fazer dele o símbolo da abjeção, alguém que aspira, socorrendo-se dos meios mais desprezíveis, em ser condecorado com a medalha de Valor Militar. António Rosado viera de um seminário para a Escola do Exército, tem um belo perfil militar, quase instintivamente os outros oficiais fogem dele.

É nesta atmosfera de vai-e-vem operacional que os paraquedistas vão ser hipotecados na implantação de três destacamentos militares no Cantanhez – em Caboxanque, Cadique e Cafine, seria a reocupação de uma região onde as forças portuguesas não atuavam desde 1969. Rosado entusiasma-se, vai ter clima propício para a sua ambicionada medalha de Valor Militar. Como o romance está dentro de coordenadas históricas, Nuno Mira Vaz descreve a primeira reocupação militar do Cantanhez, em janeiro de 1968, e a decisão de Spínola de ali retirar as tropas a pretexto do reajustamento do dispositivo militar. Efetivamente, a operação Grande Empresa terá um grande investimento dos paraquedistas, várias Companhias de Caçadores desembarcam em Cadique, em Caboxanque e em Cafal, os paraquedistas estão permanentemente operacionais, patrulham, emboscam, assaltam. Rosado elabora um relatório destinado a autovangloriar-se e a pôr o Comandante do Batalhão nos píncaros.

E o autor comenta o que a Grande Empresa está a provocar:

“Por toda a área do Cantanhez, mesmo nos locais mais afastados dos aquartelamentos, as populações regressavam às moranças tradicionais ou apresentavam-se nos aldeamentos construídos pela engenharia militar, a princípio desconfiadas, hesitantes, numa reserva que as impedia de manifestar entusiasmo pelas casas novas, pelos poços de onde brotava água potável ou pelas escolas onde os militares lhes ensinavam os rudimentos do português e da matemática. Aos poucos foram-se abrindo, os militares incentivaram-nas a fazer-se representar por conselheiros eleitos em assembleias onde se discutiam formas de melhorar as condições de vida e, passado algum tempo, tudo o que acontecia nas tabancas tinha o aval dos habitantes, ainda que em registos diferentes, pois com as populações que habitavam em locais afastados das guarnições militares nunca se estabeleceu o mesmo grau de confiança recíproca que a proximidade alimentava. Mas no final de março de 1973, Caboxanque era, depois de Tite e de Pirada, a localidade que, em toda a Guiné, tinha maior afluência de população não residente, para efetuar trocas comerciais ou para consultar o médico-militar”.

A tropa macaca recolhia e reinstalava as populações negras, os paraquedistas patrulhavam o exterior dos quartéis, patrulhava-se igualmente um afluente do Cacine, o PAIGC manifestava-se sobretudo com bombardeamentos espaçados.

Inopinadamente, este quadro da reocupação do Cantanhez vai ser alterado, surgiram os mísseis, vão seguir-se, no romance de Nuno Mira Vaz novas formas do inferno da guerra.

(Continua)
____________

Nota do editor

Último poste da série de 13 de Julho de 2018 > Guiné 61/74 - P18841: Notas de leitura (1083): Os Cronistas Desconhecidos do Canal do Geba: O BNU da Guiné (43) (Mário Beja Santos)/a>

Guiné 61/74 - P18849: Álbum fotográfico de António Ramalho, ex-fur mil at cav, CCAV 2639 (Binar, Bula e Capunga, 1969/71) - Parte VI: Ponta Consolação, ação psicossocial


 Foto nº 41 > Guiné > Região do Cacheu > Bula > Ponta Consolação >  O Carlos Oteda e os seus alunos.

Foto nº 40  > Guiné > Região do Cacheu > Bula > Ponta Consolação >  Escola construída por nós.



Foto nº 36 > Guiné > Região do Cacheu > Bula > Ponta Consolação > O nascimento de Helga (I)


Foto nº 37 > Guiné > Região do Cacheu > Bula > Ponta Consolação > O nascimento de Helga (II)



Foto nº 38 > Guiné > Região do Cacheu > Bula > Ponta Consolação > O nascimento de Helga (III)



Foto nº 39 > Guiné > Região do Cacheu > Bula > Ponta Consolação >  O nascimento de Helga (IV)

Fotos (e legendas): © António Ramalho (2018) . Todos os direitos reservados (Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné)






António Ramalho, ontem e hoje...


1. Continuação da publicação do álbum fotográfico do António Ramalho, ex-fur mil at cav, CCAV 2639 (Binar, Bula e Capunga, 1969/71), natural da Vila de Fernando, Elvas, e novo membro da Tabanca Grande, com o nº 757:


Legendas dad fotos de 36 a 41(de um total de 55):

36. O nascimento da Helga dos Reis  (**)

37. O nascimento da Helga dos Reis

38. O nascimento da Helga dos Reis

39. O nascimento da Helga dos Reis

40. Escola construídas por nós.

41. O Carlos Oteda e os seus alunos.


___________

Notas do editor:

(*) Último poste da série > 28 de junho de 2018 > Guiné 61/74 - P18788: Álbum fotográfico de António Ramalho, ex-fur mil at cav, CCAV 2639 (Binar, Bula e Capunga, 1969/71) - Parte V: Ponta Consolação, na margem esquerda do rio de Caleco ou de Bula, afluente do rio Mansoa

(**) Vd. poste de 23 de maio de 2018 > Guiné 61/74 - P18667: Álbum fotográfico de António Ramalho, ex-fur mil at cav, CCAV 2639 (Binar, Bula e Capunga, 1969/71) - Parte I: o parto de Helga Reis, em Ponta Consolação, em 6 de janeiro de 1971