sábado, 17 de março de 2012

Guiné 63/74 – P9621: Convívios (404): No dia 3 de Março de 2012 ocorreu o VI Encontro dos ex-combatentes da Guiné do Concelho de Matosinhos (Carlos Vinhal)

No passado dia 3 de Março, realizou-se o VI Convívio dos ex-Combatentes da Guiné do Concelho de Matosinhos.

Do programa fazia parte uma pequena homenagem, no cemitério de Sendim, com a deposição de um ramo de flores junto ao Memorial aos tombados, do nosso Concelho, na Guerra Colonial.
O temporal desabrido que se fez sentir desde manhã cedo em Matosinhos fez com que apenas cerca de uma vintena de camaradas comparecessem no local.

A cerimónia foi presidida pelo senhor Ten Cor Armando Costa do Núcleo de Matosinhos da Liga dos Combatentes que se fez acompanhar do Sargento-Chefe José Neto e dos Sargentos Ajudantes Carlos Osório e Joaquim Oliveira.

Os toques de clarim alusivos foram executados por um elemento dos Bombeiros Voluntários de S. Mamede de Infesta. 

Aqui estão imortalizados os nossos camaradas matosinhenses que tombaram em campanha em Angola, Guiné e Moçambique

Momento em que o nosso camarada José Oliveira lia uma oração. À esquerda da foto o nosso tertuliano Ribeiro Agostinho

Momento de silêncio e recolhimento em memória dos camaradas cuja vida foi precocemente ceifada pela guerra. À direita da foto o Ten Cor Armando Costa.

Acabada a cerimónia e a chuva para o resto do dia, o pessoal, em deslocação para o restaurante, fez uma breve paragem junto à Câmara Municipal para a tradicional foto de família, que pelo mesmo motivo, a chuva, contou com a presença de cerca de metade dos participantes no Convívio.

Na fila da frente, da esquerda para a direita: o Silvério Lobo da Tabanca de Matosinhos; o meu colega de escola Carlos Cardoso e José Soares. No grupo mais à direita: O Vice-Presidente da Câmara, Dr.  Nuno Oliveira e os camaradas José Oliveira; Amândio Rodrigues; Carlos Pinto Azevedo, nosso tertuliano, e um camarada que não consigo identificar.

Seguiu-se depois o almoço num Restaurante de Matosinhos, com 70 participantes, de que ficam estas imagens:

Vista parcial da sala

Momentos de reencontro que se querem renovados ano a ano. Foi o caso de José Fernando Santos Ribeiro (CCS/BCAÇ 2912), à direita, e o camarada Manuel Passos (Pel Rec/CCS/BCAÇ 3872)*.

O Convívio manteve-se pela tarde fora, culminando com uma animada sessão de karaoke proporcionada pelo José Soares.
No próximo ano voltaremos.

Texto de Carlos Vinhal
Fotos de José Fernando Santos Ribeiro e Ribeiro Agostinho

____________

Nota de CV:

(*) Preciosa informação do camarada Juvenal Amado

Vd. último poste da série de 16 de Março de 2012 > Guiné 63/74 – P9617: Convívios (324): XIII Convívio da CCAÇ 3549, dia 31de Março, em Vizela /Guimarães (José Cortes)

Guiné 63/74 - P9620: Os nossos últimos seis meses (de 25abr74 a 15out74) (7): Ainda a propósito do Acordo de Cacine, de 29 de julho de 1974 (Luís Gonçalves Vaz)

1. Ainda a propósito do poste P9602 (*)... Texto do nosso tabanqueiro Luís Gonçalves Vaz, com data de ontem:

Agora poderemos perceber o interesse de relatórios, como o primeiro que dei a conhecer, o do Sr. Major Tito Capela da 2ª Rep/CCFAG.


É claro que esse relatório fala nesta reunião na sua página 56, o denominado Acordo de Cacine de 29 de Julho, que,  juntamente com o Acordo do Cantanhez de 15,16 e 17 de Julho, segundo o mesmo relatório, "foram bastantes profícuos para o bom andamento de todo o processo de descolonização da Guiné".


(Excerto da pág. 56 do relatório)


Agora gostaria de chamar a atenção que este documento, em parte estará "autenticado", de acordo com dinâmica que os nossos "comissários" conseguiram imprimir na altura. Mas este documento (, acta de reunião, )  não foi de certeza "produzido" por nenhuma Repartição do QG/CCFAG [ Quartel General do Comando-Chefe das Forças Armadas da Guiné, criado mais tarde, em meados de agosto de 1974]...

Este tipo de documentos surgiram de negociações que decorreram entre o encarregado do Governo [, Carlos Fabião, aqui na foto, à esquerda, em 1973, major, comandante das novas milícias] , e a direção do PAIGC,  não entre o Comando do CTIG e do PAIGC! Entre estes últimos, houve apenas reuniões para tratar da entrega de aquartelamentos e do processo de retirada (Missões militares!!!).

Por coincidência, nesta província da Guiné, o Governador acumulava o cargo de Comandante Chefe... Entendem-me? Na parte de negociações políticas com o PAIGC, que foram em Argel e no Chão da Guiné também, mas aí o governador Carlos Fabião foi apenas acompanhado por oficiais do MFA (nossos "comissários políticos" na Zona).

Quanto a negociações no âmbito militar, o brigadeiro graduado Carlos Fabião, era acompanhado pelo brigadeiro Galvão de Figueiredo e pelo seu, único na altura (Comando Unificado), Chefe do Estado-Maior, coronel do Corpo do Estado-Maior, Henrique Gonçalves Vaz, nomeadamente nas reuniões para entrega dos aquartelamentos da Ilha de Bissau, com os comandantes Bobo Keita e Gazela.


Resumindo e "baralhando"... este documento que é aqui apresentado, tem todo o "aspecto" de ser verdadeiro, mas é de cariz cívil, e relativo a  acordos políticos, e não de reuniões de cariz militar. Neste aspeto, não misturamos as "águas": os dois processos foram distintos, e assim decorreram até ao final, pelo menos na Guiné Portuguesa.

Grande Abraço,

Luís Beleza Vaz (**)
______________


Notas do editor:

(*) Vd. poste de 13 de março de 2012 > Guiné 63/74 - P9602: Os nossos últimos seis meses (de 25abr74 a 15out74) (4): Documentação referente a negociações entre Portugal e o PAIGC com vista à desmobilização das tropas africanas que combateram por Portugal (Carlos Filipe)


(**) Último poste da série > 17 de março de 2012 > Guiné 63/74 - P9619: Os nossos últimos seis meses (de 25abr74 a 15out74 (6): A propósito da autenticidade da ata da reunião de Cacine, de 29 de julho de 1974, entre uma delegação das NT e um delegação do PAIGC, onde se decidiu da sorte dos nossos camaradas guineenses (António J. Pereira da Costa)

Guiné 63/74 - P9619: Os nossos últimos seis meses (de 25abr74 a 15out74) (6): A propósito da autenticidade da ata da reunião de Cacine, de 29 de julho de 1974, entre uma delegação das NT e um delegação do PAIGC, onde se decidiu da sorte dos nossos camaradas guineenses (António J. Pereira da Costa)

1. Texto de António J. Pereira da Costa [, Tozé, para os camarigos,], elaborado a pedido dos editores. Tem data de 14 do corrente, e é relativo ao assunto versado no poste P9602 (*):

Camaradas (**):


Este documento parece-me o rascunho da acta da reunião [, em Cacine, entre uma delegação portuguesa chefiada pelo brig grad Carlos Fabião e uma delegação do PAIGC]. Parece-me ser "autêntico", isto é, produzido em 29 de julho de 19744. Não estando assinado, é difícil ir mais longe.

Como nele se vê, são tratados diversos temas e não apenas a questão do Batalhão de Comandos Africanos.


O PAIGC parece querer assumir o controlo do Batalhão e saber, de antemão, que a FLING não é nada mas interessa-lhe que ela seja qualquer coisa...

É evidente o clima de desconfiança reinante no Batalhão. Uns ainda pensavam que o PAIGC estaria disposto a integrá-los na sociedade e a esquecer o sucedido. Daí a referência aos cursos de formação profissional acelerada (impossíveis, como se sabe). Outros adivinhavam que isso não sucederia e que maus tempos estavam para chegar.


O PAICG assume realmente que alguns elementos do Batalhão eram socialmente irrecuperáveis. Para além do Marcelino [da Mata] (***) [, aqui, à esquerda, em foto do nosso camarigo José Casimiro Carvalho],  não há mais nomes, talvez porque tinha havido uma reunião como os oficiais do BCmds e o Partido não se quereria referir a eles abertamente.

Contudo, como se vê, não há a menor intenção do PAIGC de que os constituintes do BCmds fossem considerados como portugueses, o que implicaria a sua expulsão imediata do país e, mais que provável, perda de nacionalidade.

Por mim, e doa a quem doer, o PAIGC agiu de má fé. Ao pretender desarmar o BCmds queria simplesmente anular uma muito possível rebelião (muito sangrenta, mas destinada ao fracasso), atitude que se pode considerar como normal numa força política que ascende ao poder, descobrindo que agora é que os seus problemas iam começar, a sério.

Numa segunda fase trataria - como o fez - de os eliminar, social ou mesmo fisicamente. Não creio que "a população" estivesse interessada em hostilizar ou maltratar o pessoal do BCmds. A generalidade da população tinha mais em que pensar do que andar à "caça ao comando". Só excepcionalmente poderiam surgir situações de violência entre elementos do BCmds e pequenos grupos ou elementos isolados da população.

Para mim, esta foi uma consequência (sempre previsível) da "guineização da guerra". Em qualquer situação semelhante, há sempre uma boa parte da população de um país que está na oposição à força vencedora, ou porque "colaborou com o inimigo" ou "recebeu apoio dele". São os vencidos das guerras civis ou os colaboracionistas. Mesmo quando há uma "reconciliação" (e tantas tem havido), há sempre "dificuldades de integração" que a historiografia normalmente esquece, por não merecer investigação e ter pouco valor como tema para a literatura...

Finalmente acho estranhíssimo que este documento tenha sido encontrado no emissor da Buraca da Rádio Renascença [, dinamitado por forças da CCP 121, em 7 de novembro de 1975]. Como terá ele ido lá parar? Com que fim? Simples curiosidade do possuidor que, depois, sentiu os dedos a queimar e largou? Foi bom que não se tenha perdido. Creio que o AHM [, Arquivo Histórico Militar,] deverá ser depositário deste e doutros documentos similares que por aí andam.

Quando penso na quantidade de arquivos das companhias e batalhões que hoje não conseguimos localizar, pergunto-me para onde poderão ter ido. Posso admitir que a documentação das ultimas unidades se possa ter "perdido" ou ter sido elaborada com muito menos cuidado, mas relativamente às mais antigas, não entendo. De posse dessa documentação poderíamos desenvolver estudos que nos permitiriam reconstituir coisas tão complexas como a evolução táctica no "nosso" sector. Enfim procuremos...

Um Abraço e peço desculpa por me ter alargado
António José Pereira da Costa

_______________

Notas do editor:

(*) Vd. poste de 13 de março de 2012 >
Guiné 63/74 - P9602: Os nossos últimos seis meses (de 25abr74 a 15out74) (4): Documentação referente a negociações entre Portugal e o PAIGC com vista à desmobilização das tropas africanas que combateram por Portugal (Carlos Filipe)

(**) Último poste da série > 15 de março de 2012 > Guiné 63/74 - P9612: Os nossos últimos seis meses (de 25abr74 a 15out74) (5): Lista de oficiais CEM do QG do CTIG (Luís Gonçalves Vaz)

(***) De acordo com Carlos Fabião no seu depoimento sobre a descolonização da Guiné, de 11 de abril de 2002, no âmbito dos Estudos Gerais da Arrábida, Marcelino da Mata, embora comando, não pertencia formal ou organicamente ao Batalhão de Comandos Africanos (Fabião refere-se a dois BCmds, certamente por lapso, ao julgamos saber): 

(...) Manuel de Lucena: Portanto, as milícias viviam no seio das populações. Mas Spínola também fez comandos especiais negros.

Carlos Fabião: Sim, sim, mas esses comandos é uma coisa à parte. Tropas africanas havia: primeiro a guarnição normal, eram quatro companhias de caçadores. Tudo o resto era reforço. Tínhamos quatro companhias de caçadores normais. Tínhamos dois batalhões de
comandos africanos, tínhamos uma bateria de artilharia.

Manuel de Lucena: Os dois batalhões de comandos africanos eram tropa especial?


Coronel Fabião: Tropa especial. E então havia uma outra tropa muito mais especial, que eram gajos que combatiam à paisana e em grupos muito pequeninos, comandados pelo Marcelino da Mata, de quem eu sou muito amigo. O Marcelino da Mata, que era um
guerreiro como eu nunca vi, pegava em quinze homens e ia com eles. Estava aqui um acampamento, e a gente dizia assim: «Vocês vão ser lançados aqui, destroem o acampamento e fogem para ali. Ali estão os helicópteros a recolher. Quem não chegar, não chegou». O Marcelino ia com os seus homens, desembarcavam aqui, entravam
por aqui, limpavam isto tudo, depois iam para ali, os helicópteros iam chegando. Esta era a tropa especial para acções especialíssimas. Iam à República da Guiné com a maior facilidade, como um tipo vai aqui à esquina beber café.


Luís Salgado Matos: A logística dessa tropa era a dos comandos africanos?


Carlos Fabião: Era. Havia um posto de comando que orientava aquilo tudo, que era o Marcelino da Mata. Não. Era o Almeida Bruno e o António Ramos. Depois, eram as tropas especiais, eram companhias de caçadores com indivíduos vindos da metrópole.(...)

Guiné 63/74 - P9618: Parabéns a você (393): José Armando F. Almeida, ex-Fur Mil TRMS da CCS/BART 2917 (Guiné, 1970/72)

____________

Nota de CV:

Vd. último poste da série de 15 de Março de 2012 > Guiné 63/74 - P9606: Parabéns a você (392): António Batista, ex-Sold At da CCAÇ 3490 / BART 3872, prisioneiro do PAIGG (Guiné, 1972/74)

sexta-feira, 16 de março de 2012

Guiné 63/74 – P9617: Convívios (403): XIII Convívio da CCAÇ 3549, dia 31de Março, em Vizela /Guimarães (José Cortes)





1.  O nosso Camarada José Cortes, ex-Fur Mil At Inf da CCAÇ 3549/BCAÇ 3884, Fajonquito, 1972/74, solicita-nos a divulgação do programa da próxima festa anual da sua companhia.


__________

Nota de MR:

Vd. último poste da série em:

Guiné 63/74 - P9616: Os nossos seres, saberes e lazeres (43): João Crisóstomo, um português das Américas..., mas também de Torres Vedras, de Porto Gole e do Enxalé... (Eurico Mendes, Portuguese Times, 9 de fevereiro de 2011)



The Portuguese Times: Semanário, publicado em New Bedford, Mass, USA.  Edição nº 2068, de 9 de fevereiro de 2011.


(Artigo sobre o nosso camarada João Crisóstomo, reproduzido com a devida e a indicação da fonte: Copyright © 1997/2001 The Portuguese Times. Autorizada a reprodução de artigos publicados nesta página desde que mencionada a origem)

As cruzadas de João Crisóstomo, o mordomo ativista de New York
por Eurico Mendes



Nos romances policiais de antigamente, o mordomo era sempre o principal suspeito e a regra confirma-se na exposição These are my People! The Story of Aristides de Sousa Mendes patente até finais de março no Holocaust Memorial and Tolerance Center de Nassau County, em Long Island, NY.


O suspeito da iniciativa é João Crisóstomo [ foto à direita,], português residente em New York há 35 anos, mordomo de profissão e, nas horas vagas, militante de causas nobres: as gravuras rupestres de Foz Coa, a independência de Timor Leste, a memória de Aristides Sousa Mendes e, presentemente, a independência do Sahara Ocidental, a antiga colónia da Espanha na África Ocidental que Marrocos e Mauritânia resolveram repartir.


Nasceu em Torres Vedras, numa família católica que lhe deu nome de santo. São João Crisóstomo, esclareça-se, foi bispo de Constantinopola e ergueu a voz contra os flagelos sociais ficando conhecido como João Boca-de-Ouro. 

Chegou a andar no seminário decidido a tornar-se mordomo de Deus, mas acabou por servir outros amos, a começar pelo Estado português. Fez a guerra colonial na Guiné Bissau, alferes da CCaç 1439, que esteve no Enxalé, na confluência do rio Corubal com o Geba.


Resolveu depois conhecer mundo trabalhando na hotelaria. Andou por Inglaterra, França e Alemanha, melhorava os conhecimentos de inglês e francês e cogitava voltar a Portugal e tornar-se rececionista num hotel, o que viria a acontecer na década de 70, mas no Rio de Janeiro, onde tirou um curso de hotelaria na Pontifícia Universidade Católica e trabalhou na receção de um hotel.

Por sugestão de um professor, chegou um dia a New York e matriculou-se na Cornell University. Tencionava regressar ao Rio de Janeiro, onde já tinha a sua base, mas em 1975 soube que Jacqueline Kennedy Onassis procurava mordomo, ofereceu os seus serviços e ficou. A única exigência de Jackie foi, uma vez que Francisco é outro dos nomes de Crisóstomo, chamar-lhe Frank em vez de John, uma vez que já chamava John ao filho.


João Crisóstomo talvez não fizesse ideia disso, mas quando o contratou a ex-primeira-dama já estava familiarizada com as qualidades de trabalho dos portugueses. Foi criada na vitoriana Hammersmith Farm, em Newport, RI, onde a maioria dos pescadores, agricultores e empregados domésticos eram portugueses. O primeiro marido, John Fitzgerald Kennedy, também cresceu com portugueses.

Diz-se que o famoso capitão Manuel Zorra, algarvio de Olhão que ficou na história de Provincetown, no Cape Cod, ensinou John Kennedy a velejar a pedido do pai dele, Joe Kennedy. Por outro lado, ainda como senador, John Kennedy foi decisivo no destino de
milhares de portugueses ao conseguir fazer aprovar o Azorean Refugee Act, que permitiu a imigração de milhares de açorianos desalojados pela crise vulcânica dos Capelinhos, na ilha do Faial, em 1957.

Crisóstomo considera uma experiência extraordinária ter trabalhado para Jackie e reconhece que aprendeu com ela a lutar pelas causas em que acredita. "A determinação de Jacqueline influenciou-me muito, contudo ela nunca teve influência nos movimentos que lancei, mas o filho, John-John, teve".

Jacqueline sempre foi denodada. Nos anos 60, em Washington, conseguiu evitar o desaparecimento da histórica Lafayette Square, parque que fez inicialmente parte da Casa Branca. Nos anos 70, em New York, empenhou-se contra a demolição do Grand Central Terminal, a estação de comboios na Rua 42 com a Park Avenue e contra alterações urbanísticas no Colombus Circle.


Ao lado do seu amo, como Alfred Pennyworth, o mordomo do Batman ou Hobson, mordomo dos filmes Arthur, magistralmente interpretado por John Gielgud, Crisóstomo esteve ao lado de Jackie na campanha pelo Grand Central Terminal, tomou-lhe o gosto, passando a dedicar os tempos livres a lutar por causas em que acredita e a primeira foram as gravuras rupestres de paleolíticas de Foz Côa.


Há 20 mil anos, o homem gravara milhares de desenhos representando cavalos e bovídeos nas rochas xistosas do vale do Côa, afluente do rio Douro, no nordeste de Portugal e o governo, chefiado pelo atual presidente, Cavaco Silva, propunha-se construir uma barragem e submergir as gravuras. Crisóstomo ficou indignado e enviou cartas ao New York Times e ao secretário-geral da ONU, Butros Ghali, a explicar o que se passava em Portugal, mas decisiva terá sido a carta entregue a Rupert Murdoch, o empresário australiano (naturalizado americano) com jornais e redes de televisão nos EUA, Reino Unidos e Austrália. Com uma fortuna de 6,3 biliões de dólares, Murdoch pode ter muitos mordomos e os de New York são portugueses e amigos de Crisóstomo.


"Foi simples, entreguei a carta aos meus amigos e pedi-lhes que entregassem ao patrão. Nos EUA, Murdoch é dono do Wall Street Journal, New York Post e Boston Herald, mas, uma vez que se tratava de um caso num país da Europa, preferiu utilizar o seu principal jornal europeu, o Times londrino, que publicou um artigo intitulado Portugal tem que parar com o vandalismo do século XX".


Denunciado na imprensa internacional, o escândalo das gravuras tornou-se um dos assuntos mais mediáticos desse final de ano de 1994. O Comité de Arte Rupestre na UNESCO considerou que Foz Côa a "maior estação paleolítica ao ar livre da Europa, senão do mundo", o governo de Cavaco Silva acabou por não tomar nenhuma decisão antes das eleições de 1995 e o novo primeiro-ministro, o socialista António Guterres, suspendeu a construção da barragem.


Se Foz Côa é hoje a maior mostra de arte rupestre paleolítica ao ar livre, deve-se em parte a João Crisóstomo.

A cruzada seguinte foi a autodeterminação de Timor Leste. Crisóstomo criou o LAMETA (Movimento Luso-americano para a Autodeterminação de Timor-Leste), do qual era presidente e que publicava um boletim fotocopiado. Promovia manifestações frente às Nações Unidas, em New York, em que participavam imigrantes portugueses e Constantino Pinto, o atual embaixador timorense em Washington e que era ao tempo estudante na Brown University, em Providence, RI.

A LAMETA deu uma ajuda à diplomacia portuguesa na campanha para convencer o presidente Bill Clinton a pressionar a Indonésia para aceitar a realização de um referendo organizado pelas Nações Unidas, que teria lugar em 1999 e no qual 80% da população votou pela indepêndencia.

Durante essa luta Crisóstomo conheceu Anne Treseder, advogada de San Francisco que integrava o ETAN (East Timor and Indonesia Action Network) e que lhe falou pela primeira vez de Aristides de Sousa Mendes. Treseder, que tem escrito em várias publicações sobre Portugal e Cabo Verde, passou a interessar-se pelos judeus em Portugal quando conheceu Carlos de Sousa Mendes, neto de Aristides Sousa Mendes.

"Para ajudar Timor-Leste, impunha-se conseguir o apoio da imprensa. Ora, grande parte da imprensa dos EUA está nas mãos de judeus e, para conseguir o apoio deles, Anne Treseder sugeriu-me que lhes falasse de Aristides de Sousa Mendes e o cônsul acabou por se tornar uma causa apaixonante para mim", esclarece João Crisóstomo.


No começo da II Guerra Mundial, Aristides era cônsul de Portugal na cidade francesa de Bordéus e, de 16 a 23 de junho de 1939, contrariando instruções do governo português, concedeu vistos a 30 mil refugiados, dos quais 12 mil judeus, possibilitando-lhes chegar a Portugal e escapar aos horrores dos campos de concentração nazis.


Sousa Mendes foi demitido e morreu na penúria em 1954, em Lisboa e os seus 12 filhos, que tinham imigrado para os EUA e Canadá, iniciaram um movimento internacional pela reabilitação da memória do pai. Em 1961, Sousa Mendes foi homenageado em Israel com a mais alta distinção que os judeus prestam a estrangeiros: foram plantadas 20 árvores em seu nome no Jardim dos Justos entre as Nações, que recorda não só as vítimas do holocausto, mas também aqueles que ajudaram os judeus durante esse horrorosa perseguição.

Presentemente maitre (responsável pelo serviço de refeições) de um banco novaiorquino, Crisóstomo é tão bem sucedido na vida profissional como tem sido como ativista. Aliás, os contatos que a profissão proporciona, com altas personalidades da finança, da politica e do jornalismo, têm facilitado a outra atividade como defensor de causas.


O quartel-general é a sua própria casa, o equipamento resume-se ao telemóvel, fax e computador e o resto é questão de empenho em persuadir todos os que possam ajudar. É um dos vice-presidentes da Fundação Internacional Raul Wallenberg, um diplomata sueco que, durante a II Guerra Mundial, com a colaboração do cônsul suiço Carl Lutz, conseguiu mandar 55.000 judeus húngaros para a Suiça e poupá-los ao holocausto.


Depois da libertação de Budapeste, as tropas soviéticas prenderam-no e Wallerbeng morreu na prisão. Fascinado pela figura de Aristides Sousa Mendes, Crisóstomo promove anualmente uma iniciativa para "mostrar o herói português aos americanos". Há dois anos, promoveu a exposição Visas for Life, evocando Aristides de Sousa Mendes e outros diplomatas cuja ação permitiu salvar também milhares de judeus do holocausto: os portugueses Sampaio Garrido e Teixeira Branquinho e os brasileiros Luis Sousa Dantas e João Guimarães Rosa, o autor do romance Grande Sertão: Veredas. Além de médico e um dos maiores autores brasileiros de todos os tempos, Guimarães Rosa foi também diplomata, iniciando esta carreira como cônsul-adjunto em Hamburgo, Alemanha (1938-1942), onde ele com ajuda da esposa, Aracy de Carvalho Guimarães Rosa, emitiu mais vistos do que as cotas


legalmente estipuladas e possibilitou que muitos judeus fugissem para o Brasil. Depois da guerra, o escritor e a esposa mereceram o reconhecimento do estado de Israel. Aracy é mesmo a única mulher homenageada no Jardim dos Justos entre as Nações, no Museu do Holocausto em Israel.


O ano passado, assinalando a passagem dos 70 anos da emissão de vistos, Crisóstomo organizou a exposição do livro de registos do consulado de Bordéus no Museu da Herança Judaica de New York. Este ano é a exposição no Holocaust Memorial and Tolerance Center de Nassau County inaugurada no passado domingo com a presença de António Rodrigues, que veio expressamente de Portugal. Trata-se de um colega e amigo de Crisóstomo, colaborador habitual das suas cruzadas.

Rodrigues era mordomo do filho de Jackie, John F. Kennedy Jr. morto a 16 de julho de 1999 quando o seu pequeno avião de recreio se despenhou no Atlântico, num acidente em que perderam também a vida a sua mulher, Carolyn Bessette Kennedy e a cunhada, Lauren Bessette. O jovem casal tinha dois animais de estimação, o gato Ruby e o cão Friday que foram separados depois da trágica morte dos donos. O gato foi adotado por um amigo em New York e o cão foi levado por António Rodrigues para Portugal, onde morreu há anos.


As cruzadas tornaram-no conhecido e Crisóstomo foi um dos participantes da série Portugueses no Mundo dedicada a New York e que passou recentemente na RTP. Falou do Grande Central Terminal, onde iniciou a carreira de ativista e do Strawberry Fields, praceta entre o Central Park e a Rua 72 Oeste, frente ao Dakota Apartments, onde o cantor e compositor John Lennon foi assassinado no dia 8 de dezembro de 1980. A praceta, a reproduzir em calçada um mosaico da cidade italiana de Pompeia, foi desenhada por Bruce Kelly, arquiteto chefe do Central Park, mas a execução foi de calceteiros cedidos pela câmara municipal de Lisboa.

E é este o retrato à la minuta de João Crisóstomo, um português na América e que gosta de mostrar aos americanos a cultura e a história do seu povo. Se, por exemplo, Crisóstomo for apresentado a alguém e disser que a sua língua materna é o português, acrescentará de
imediato: "É o quinto idioma mais falado do mundo".
____________________

Nota do editor:

Último poste da série > 12 de março de 2012 > Guiné 63/74 - P9599: Os nossos seres, saberes e lazeres (42): Saltar de pára-quedas, um sonho realizado depois dos sessenta(Paulo Santiago)

Guiné 63/74 - P9615: Blogoterapia (201): De Nova Iorque com saudade e camarigagem (João Crisóstomo, ex-Alf Mil, CCAÇ 1439, Enxalé, Porto Gole e Missirá, 1965/66)

1. Mensagem,   com data de 14 do corrente, do nosso camarada nova-iorquino (perdão: natural de Torres Vedras, vivendo em Nova Iorque)  João Crisóstomo, ex-Alf Mil, CCAÇ 1439 (Exnaxlé, Porto Gole, Missirá, 1965/66)

Assunto: Hello....

Caro Luis Graça,

Foi muito bom  poder falar contigo ao telefone. Embora não tenhamos estado juntos ao mesmo tempo  na Guiné ,  verifico que esta  é para ti o mesmo que para mim;   de certa maneira um paradoxo,   algo de muita saudade,   apesar da muita dor e recordações  a esse tempo  associadas.

 Depois de falar contigo,  falei  também (ao  telefone)   com  uma dúzia de camaradas, da minha CCaç 1439, com o Henrique Matos e até consegui falar com o Beja Santos.  Ainda não consegui falar com o Figueiredo que está organizando o encontro em Viseu,  a 26  de Maio.

Mantenhamo-nos em contacto e trocamos as informações e pormenores  conforme delas tivermos conhecimento.

Obrigado pelo teu  tempo e pelas fortes  emoções que  não pude deixar de sentir ao falar contigo. A lembrança da  Guiné faz-me sempre isso.

Um abraço grande  com muita amizade ,
João
_____________

Nota do editor:

Último poste da série > 15 de fevereiro de 2012 > Guiné 63/74 - P9489: Blogoterapia (200): O Macaréu que vence o rio mas não o anula  (Joauim Mexia Alves)

Guiné 63/74 - P9614: Notícias de Carlos Cordeiro: Estou vivo e de boa saúde

1. Mensagem do nosso camarada Carlos Cordeiro* (ex-Fur Mil At Inf CIC - Angola - 1969-1971), Professor na Universidade dos Açores, com data de 13 de Março de 2012:

Caríssimos Carlos e José Câmara,
Só mesmo para vos mandar um abraço.
Tenho andado aqui metido com a biografia de Machado Santos e não olho a mais nada, pois o encomendador anda constantemente a puxar-nos as orelhas. No fim de Março será mesmo entregue.
Entretanto, tenho... o resto para fazer. É a vida, como dizia o outro.

A semana passada foi à minha antiga Escola Industrial e Comercial de Ponta Delgada, onde estudei e leccionei. Pediram-me para ir falar sobre açorianos na guerra do Ultramar, pois o tema que a escola escolheu como projecto de escola (acho que é assim) é precisamente sobre a aquela guerra.

Foi interessante, pois os alunos (eram dos anos mais avançados) foram muito interventivos. Foi emocionante para mim, pois colocaram lá uma selecção de fotos de antigos alunos mortos na guerra. Tinha lá a de um meu antigo colega de escola e de turma. Era daqueles estudantes muito indisciplinados e que saiu quase directamente para a tropa. Gostava muito dele. É o primeiro de cima à direita. O último de baixo também à direita foi o primeiro açoriano que morreu lá; morava na minha rua.


No fim do mês haverá outra sessão do ciclo de conferências (a última foi de mão cheia, conforme foto). Desta vez será também uma colega da Universidade, a Prof.ª Doutora Gabriela Castro. Título: "Que promessa?". Ela é da área da Filosofia e vai falar-nos do sentido das promessas que fazíamos ao partir, à
família, etc. e depois a mudança que as circunstâncias trouxeram para estas promessas. Falará também no significado das promessas religiosas feitas por nós e pela família (geralmente as mães) para nós cumprirmos.
Ela também é uma belíssima comunicadora e espero que os camaradas continuem a aderir.

Trabalhamos sempre com prata da casa. Talvez um dia nos abalancemos a voos mais altos, por exemplo, um colóquio. Mas isto com calma.

Um abraço amigo aos dois do
Carlos Cordeiro
____________

Nota de CV:

(*) Vd. poste de 31 de Janeiro de 2012 > Guiné 63/74 - P9427: Agenda Cultural (185): Ciclo de Conferências-debate Os Açores e a Guerra do Ultramar - 1961-1974: história e memória(s) (Carlos Cordeiro) (10): Intervenção da Prof. Dra. Célia Carvalho, dia 3 de Fevereiro de 2012 no Anfiteatro B da Universidade dos Açores (Carlos Cordeiro)

Guiné 63/74 - P9613: Notas de leitura (342): O Boletim Geral do Ultramar (3) (Mário Beja Santos)

1. Mensagem de Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, Comandante do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70) com data de 13 de Fevereiro de 2012:

Queridos amigos,
Mais algumas anotações sobre a versão edulcorada de uma guerra exclusivamente ditada por gente que atacava e que prontamente retirava, obrigando as Forças Armadas a um policiamento incessante. Não sendo prodigiosa estas técnicas de ocultação, a verdade é que não era possível dimensionar o ecrã da guerra, quais os efetivos, as dificuldades e, sobretudo, onde estava o inimigo e qual a sua massa específica. Muitas vezes, era pelas notas oficiosas que se ficava a saber que o conflito se estendia para lá das fronteiras. Mas a neblina informativa estava bem montada, entre “nós” e os “outros” a distância podia ser enorme ou uma pura ficção.

Um abraço do
Mário


A guerra da Guiné no Boletim Geral do Ultramar (3)

Beja Santos

Não é de mais insistir que o Boletim publicado pela Agência-Geral do Ultramar* não é fonte de surpresas e achados sobre a evolução da guerra da Guiné. O Boletim era uma publicação oficiosa, veiculava os discursos dos governantes, noticiava eventos, encerrava doutrinação ideológica, havia recensão de obras e muita informação, até mesmo notas de ministérios. É, no entanto, um bom barómetro para se aferir o que o regime pretendia transmitir como corrente de pensamento: não existia guerra, existia uma agressão do exterior; as ações combativas tinham um termo eufemístico, eram policiamento contra um terrorismo que ameaçava populações; é deliberadamente esbatida a fronteira entre o político e o militar, quando um ministro visita uma povoação é recebido em delírio, vitorioso, aparecem sempre ali uns militares, há umas reuniões misturadas com inaugurações, etc. E durante anos deu-se uma imagem de brandos costumes e de uma enorme tenacidade a expulsar bandoleiros que acidentalmente voltavam como num movimento de eterno retorno.

Entra-se agora no ano de 1967. Estamos em Fevereiro, e chega a Bissau o ministro da Defesa Nacional, General Gomes de Araújo. Endereça uma saudação aos guineenses: “Nesta hora de luta imposta do exterior”. E tece um elogio: “As Forças Armadas e todos os que com ela colaboram nesta missão sagrada têm-na cumprido brilhantemente”. O ministro, surpreendentemente, não se confina às viagens da praxe: visita o Leste, incluindo Madina do Boé e Beli; almoça em Bambadinca e segue depois para Jabadá; no dia seguinte deslocou-se a Tite, Bedanda e Bolama. Depois, a 15, no percurso para Mansabá e Farim, “teve ocasião de sobrevoar diversas obras em curso”. Presumivelmente por meios aéreos, visitou Guidage, Ingoré, Ingorezinho e S. Domingos. A 16, esteve em Cutia, Mansoa, Biambe, Bula “onde assistiu ao regresso de elementos que recorriam de uma ação e ouviu um relato sobre a situação. Chegou a Lisboa a 20, onde discursou: posso transmitir ao país que o moral das tropas é extremamente elevado e que a consciência da missão é perfeita e que o espírito de determinação é invulgar”. E deixa bem claro: "na Guiné não houve nem há insurreição, nem sublevação. As populações, sempre que atacadas pelos terroristas, acolhem-se ao abrigo das Forças Armadas”. Nesse mesmo mês é conferida posse ao novo secretário-geral da província da Guiné, Dr. José Manuel Marques Palmeirim.

Em Abril, graças à TAP que instituíra o Prémio Governador da Guiné, estão de férias na Metrópole o Alferes de 2.ª Linha Samba Ganha Baldé, régulo de Joladu, o Guarda de Polícia Administrativa Calilo Sibedé e o Marinheiro Fuzileiro Especial Amândio Rodrigues Coelho. Em 19 de Maio, Salazar recebe os desportistas do Ténis Clube de Bissau que vieram jogar para a Taça de Portugal. Os jornalistas logo apontam a vontade indómita dos guineenses superarem com serenidade a fúria destruidora dos terroristas a Sul do estrangeiro.

Em Junho, são contemplados com o Prémio Governador da Guiné o Soldado Manuel Aires da Costa, o Guia Auxiliar Chefe Malan Djassi e o Caçador Aleu Mari.

Em Julho, o Governador Schulz veio a Lisboa e discursa: “O inimigo tem sido batido e tem sofrido pesadas baixas humanas e em material em todas as zonas da Província onde aparece. Enquanto o inimigo persistir nos seus traiçoeiros e cobardes ataques às populações, que de forma alguma querem esta guerra, nós ali estaremos para o bater, até que definitivamente seja expulso e nenhum resto nas terras da Guiné”. Fica-se também a saber que o Centro de Estudos da Guiné Portuguesa vai promover a realização do Concurso Científico e Literário, contemplando ciências exatas (Prémio Honório Barreto), ciências especulativas (Prémio Edmundo Correia Lopes) e literatura (Prémio Sena Barcelos).

Em Setembro desse ano, temos uma nova nota oficiosa do Ministério dos Negócios Estrangeiros por causa da violação da fronteira senegalesa. Mais uma vez, é tudo um embuste, um delírio de gente maldosa. A explicação é bem simples: “Na noite de 5 para 6 de Agosto último alguns elementos terroristas, vindos de território senegalês, atravessaram a fronteira com a província portuguesa da Guiné e atacaram a povoação de Cossolol Catetia. Neste ataque, os terroristas utilizaram morteiros, metralhadoras pesadas e pistolas-metralhadoras. A população reagiu em legítima defesa. As Forças Armadas Portuguesas, em consonância com as suas instruções permanentes, não ultrapassaram os limites do território nacional".

E assim chegamos a 1968. Logo no primeiro número, Amândio César escreve sobre o Natal na poesia portuguesa e quanto à Guiné ilustra com um poeta combatente, Armor Pires Mota e este seu poema:

Natal nos corpos caídos,
Varados pela metralha:
Jovens de olhos turvos de sangue
E angústia de metralha.

Natal nos olhos vencidos
Dos homens que fogem as ruas
As esquinas e as luas
Com medo da sua sombra.

Natal na selva entre pássaros e serpentes,
(O Menino gosta de meninos negros,
Mas nem sabem que Ele existe!).

Natal para as crianças nuas,
De mãos sujas de brincar,
Brincando nas mãos e nos olhos
Um sonho triste.

Natal nos corpos caídos,
Varados pela metralha:
Jovens de olhos turvos de sangue
E angústia de mortalha.

Natal de granadas no seio
E morte nas mãos acesas,
Não Natal!

O Almirante Thomaz visitou em Fevereiro a Guiné, viajou a bordo do paquete “Funchal”. De acordo com o boletim, a comunidade islâmica trata o presidente da República como o emir de todos os portugueses. Um fula desabafa para um jornalista: “Se os portugueses se fossem embora, ainda tínhamos de continuar a guerra, até acabar com o último fula: isto é o que afirmam os terroristas”.

Em 28 de Março, temos uma nota do Ministério da Defesa Nacional a propósito de uma avioneta, que, devido a uma avaria, tinha aterrado em Aldeia Formosa, tratava-se de um bimotor de fabrico russo com matrícula da República da Guiné, transportava seis passageiros, todos de nacionalidade maliana, pertenciam à delegação da República do Mali à conferência dos estados confinantes com o rio do Senegal. A nota é intimidatória: “Em mais de uma ocasião alguns grupos de terroristas, baseados na República da Guiné capturaram em território da província cinco militares portugueses, entre os quais o 1.º Sargento António de Sousa Lobato, e levaram-nos para aquele país onde os têm conservado num regime que se tem de classificar de cárcere privado. O governo português determinou o internamento do referido avião e dos tripulantes, e declara que estes só serão entregues quando forem libertados os cinco militares portugueses”.

Em Abril, na maior das discrições, Arnaldo Schulz termina a sua comissão de 4 anos. Salazar vai nomear o novo Governador e Comandante-Chefe, alguém que traz uma áurea de prestígio de Angola.
A era de Spínola vai começar.

(Continua)
____________

Nota de CV:

(*) Vd. poste de 10 de Fevereiro de 2012 > Guiné 63/74 - P9468: Notas de leitura (331): O Boletim Geral do Ultramar (2) (Mário Beja Santos)

Vd. último poste da série de 12 de Março de 2012 > Guiné 63/74 - P9598: Notas de leitura (341): Guerra Colonial & Guerra de Libertação Nacional 1950-1974: O Caso da Guiné-Bissau, de Leopoldo Amado (5) (Mário Beja Santos)

quinta-feira, 15 de março de 2012

Guiné 63/74 - P9612: Os nossos últimos seis meses (de 25abr74 a 15out74) (5): Lista de oficiais CEM do QG do CTIG (Luís Gonçalves Vaz)


Foto nº 1


Foto nº 2


Foto nº 3


Foto nº 4

Foto nº 5

Guiné-Bissau > Bissau > Fortaleza da Amura > 7 de Março de 2008 > Amura: um lugar repleto de história e de histórias... 

Visita no âmbito do Simpósio Internacional de Guiledje (Bissau, 1 a 7 de Março de 2008), no último dia do evento. Na foto nº 1, o Coronel de Cavalaria do Exército Português, Carlos Matos Gomes, na situação de reforma, um homem do MFA da Guiné e um celebrado autor de romances de guerra como Nó Cego, Soldadó ou Fala-me de África (que assina sob o pseudónimo literário de Carlos Vale Ferraz)... É também um conhecido historiógrafo da guerra do ultramar / guerra colonial, co-autor, juntamente com Aniceto Afonso, de diversas publicações.

Na foto nº 2, Matos Gomes está junto do catalão Josep Sánchez Cervelló, professor universitário, em Tarragona, especialista em história sobre o 25 de Abril e a descolonização portuguesa... Por detrás, vê-se o edifício, em ruína, da antiga (se não me engano)  2ª Rep do Comando-Chefe, a famosa Rep Apsico, onde trabalhou Otelo Saraiva de Carvalho e Ramalho Eanes. 

Na foto, por detrás do Matos Gomes, vê-se o edifício, em ruína, da antiga 2ª Rep (salvo erro) do Comando-Chefe, a famosa Rep Apsico, onde trabalhou Otelo Saraiva de Carvalho e Ramalho Eanes...


Nas fotos nºs 3 e 4, vemos o Matos Gomes a servir de cicerone ao Paulo Santiago e a mim próprio. Entre os edifícios históricos, há o do antigo Com-Chefe (foto nº5). Foi aí que um grupo de conspiradores entrou de rompante no gabinete do Com-Chefe, e deu voz de prisão ao General Bettencourt Rodrigues, na manhã de  26 de Aril de 1974, o chamado golpe de Estado do MFA na Guiné. Portanto, foi na Amura e não no palácio do Governador que tudo aconteceu...

Desse grupo de oficiais revoltosos faziam parte Ten Cor Mateus da Silva (Eng Trms) (*), Ten Cor Maia e Costa (Eng), Maj Folques (Cmd), Maj Mensurado (Pára), Cap Simões da Silva (Art), Cap Sales Golias (Eng Trms), Cap Matos Gomes (Cmd), Cap Batista da Silva (Cmd), Cap Saiegh (Cmd Africanos), Cap Ten Pessoa Brandão (Armada ) e Cap Mil José Manuel Barroso.

Matos Gomes, na altura capitão do Batalhão de Comandos da Guiné, foi um dos protagonistas do 25 de Abril neste palco da história recente dos nossos dois países.. Voltou lá, à Amura,  34 anos depois...

Hoje, na Amura, repousam os restos mortais de Amílcar Cabral e de outros combatentes da liberdade da pátria, como Osvaldo Vieira, Domingos Ramos, Tina Silá, Pansau Na Isna, 'Nino' Vieira, etc. (LG).


Fotos e legendas: © Luís Graça (2008). Todos os direitos reservados.




1. Mensagem do nosso amigo Luís Gonçalves Vaz, com data de hoje:


 Data: 15 de Março de 2012 15:03
Assunto: Lista de Oficiais do QG do CTIG

Olá,  Luís:


Conforme solicitaste, aí vai a lista de oficiais do QG, a saber:


Em  1973/74, eram estes os oficiais do QG (O meu pai, o ten cor Ventura e o major Cabrinha, sei que estiveram até ao fim de 74):

Chefe do Estado-Maior - Coronel do CEM, Henrique Gonçalves Vaz

Chefe da 1ª Repartição - Tenente-coronel do CEM Cunha Ventura

Chefe da 2ª/3ª Repartição - Major do CEM Cabrinha (foi este oficial que representou o meu pai, CEM/CTIG e CCFAG na altura, na cerimónia de transmissão de soberania em 9 de Setembro, em Mansoa) [, cerimónia onde esteve também em destaque o nosso co-editor, o ex-Fur Mil Op Esp / Ranger Eduardo Magalhães Ribeiro]

Chefe da 4ª Repartição - Tenente-coronel do CEM Morgado

Chefe de Serviço de Transportes - Tenente-coronel de Infantaria Monsanto Fonseca

[Notas do LGV: (i) CEM - Corpo do Estado Maior (oficiais com o curso complementar de Estado Maior no Instituto de Altos Estudos Militares);  (ii) recorde-se, por outro lado, que em 17 de Agosto de 1974 foi  oficialmente criado o QG unificado para o CC (Comando Chefe) e CTIG . Assim, a 2ª Rep, por exemplo, passou a designar-se 2ª Rep do CC/FAG, ou seja, Comando Chefe das Forças Armadas da Guiné]...

Abraço

Luís Beleza Vaz
______________


Nota do editor:


Último poste  da série > 13 de março de 2012 > Guiné 63/74 - P9602: Os nossos últimos seis meses (de 25abr74 a 15out74) (4): Documentação referente a negociações entre Portugal e o PAIGC com vista à desmobilização das tropas africanas que combateram por Portugal (Carlos Filipe)

(*) Vd. aqui excerto das declarações do Gen Mateus da Silva, no âmbito do seu depoimento sobre a  descolonização (Estudos Gerais da Arrábida, painel dedicado à Guiné, 29 de agosto de 1995):

(...)  No dia 26 de Abril, logo de manhã, nós, este grupo que estava mais ligado, reunimo-nos no Batalhão de Pára-quedistas, em Bissau, às 8.30h, a discutir o que havíamos de fazer. E foi nessa reunião que decidimos intervir e, digamos, fazer aquilo a que eu chamo um golpe militar em Bissau, que na altura não teria esta percepção, mas, a posteriori, considero que de facto foi um golpe militar. (...)

(...) Às 9h (era feriado municipal em Bissau), fomos ao gabinete do comandante-naval, comodoro Almeida Brandão, convidá-lo a ser o nosso futuro comandante-chefe. Também tem piada porque, antes de destituirmos o governador, já estávamos a convidar o futuro
comandante-chefe. O comodoro hesitou um bocado e disse que não podia aceitar. Nós até queríamos que ele também fosse logo connosco ao gabinete do Bettencourt Rodrigues. Recusou-se mas acabou por dizer que aceitava ser comandante-chefe. Em seguida, ainda passámos pelo Palácio do Governador mas ele não estava, estava no comando-chefe na Amura. Fomos então à Amura. Na altura, houve uma companhia da polícia militar que cercou o comando-chefe, e também havia tropas pára-quedistas nossas que estavam ali à volta.


Entrámos de rompante no gabinete do general Bettencourt Rodrigues, o ajudante meteu-se à frente e levou um pinhão que voou por ali adentro… A porta abriu-se de escantilhão e nós entrámos. Agora imaginem, do ponto de vista do general comandante-chefe, que vê um grupo aí de doze oficiais, entrarem-lhe assim pelo gabinete… Ele ficou logo desequilibrado psicologicamente.


(...) O general Bettencourt Rodrigues perguntou se estava preso, e este também é um aspecto que acho muito interessante. É evidente que ele estava pelo menos bastante coagido, mas eu disse: «Não, o meu general não está preso, simplesmente vai ao palácio, faz as suas malas e embarca hoje no avião para Lisboa.» E foi o que ele fez, mas muito civilizadamente. (...)

Guiné 63/74 – P9611: Convívios (402): II Encontro do pessoal que passou por Bedanda, dia 26 de Maio de 2012 na região da Bairrada (António Teixeira)



2.º ENCONTRO DE BEDANDENSES 
DIA 26 DE MAIO DE 2012
REGIÃO DA BAIRRADA


Mensagem do nosso camarada António Teixeira, ex-Alf Mil da CCAÇ 3459/BCAÇ 3863 - Teixeira Pinto, e CCAÇ 6 - Bedanda, 1971/73 dirigida a todos os "bedandenses":

O nosso 2.º Encontro está já com data marcada. Será a 26 de Maio.

Quanto ao local (muito provavelmente vamos ao leitão da Bairrada, como no ano passado), será confirmado em breve.

Se por acaso aparecer por aqui algum BEDANDENSE que não tenha sido contactado, por favor que entre em contacto comigo.

Grande abraço
António Teixeira
____________

Vd. último poste da série de 14 de Março de 2012 > Guiné 63/74 – P9605: Convívios (322): 17º Encontro do Pessoal do BCAÇ 2885 (Mansoa, 1969/71), no passado dia 3, em Cantanhede, com a presença de conhecidos tabanqueiros: para além de mim, o Luís Nabais, o Ernestino Caniço, o César Dias e o Luís Camões (Jorge Picado)

Guiné 63/74 - P9610: O Nosso Livro de Visitas (130): Ex-Cap Inf Diamantino Ribeiro André, comandante da CCAÇ 2406 (Olossato e Saltinho, 1968/70), e ex-presidente da CM de Proença-a-Nova, ouviu-nos na rádio e quer ir ao nosso VII Encontro Nacional, em 21 de Abril próximo


Guiné > Zona leste > Sector L1 (Bambadinca, ao tempo do BCAÇ 2852, 1968/70) > Saltinho > CCAÇ 2406 (Os Tigres do Saltinho, 1968/70) > Foto provavelmente do 2º semestre de 1969, por ocasião de coluna logística Bambadinca - Saltinho. Na foto, o Arlindo Roda, Fur Mil da CCAÇ 12 (1969/71)

Foto: © Arlindo Roda (2010). Todos os direitos reservados


1. Telefonou há dias, ao nosso editor Luís Graça, o antigo Comandante da CCAÇ 2406 (Olossato e Saltinho, 1968/70) (*), o ex-Cap Inf Diamantino Ribeiro André, hoje Ten Cor Inf Ref. Tinha ouvido na rádio (no programa matinal Emoções, do João Paulo Diniz, na Antena 1, sábado passado) o anúncio de um grande encontro da malta da Guiné... Queria referir-se ao  nosso VII Encontro Nacional, a realizar no próximo dia 21 de Abril, em Monte Real.

O motivo do contacto telefónico era para se regozijar pela iniciativa (a de juntar os camaradas e amigos da Guiné) e para mandar a sua inscrição, juntamente com a da esposa.

O Diamantino Ribeiro André saiu da carreira militar e foi autarca, até há pouco tempo, tendo sido durante largos anos presidente da Câmara Municipal de Proença-a-Nova, distrito de Castelo Branco. Vive em Sobreira Formosa, vila e freguesia de Proença-a-Nova. Continua a ir aos convívios anuais da sua antiga companhia, a CCAÇ 2406.

Não conhecia o nosso blogue, mas o Luís Graça aproveitou a ocasião para o convidar a dar uma vista de olhos e a ingressar na nossa Tabanca Grande. O nosso camarada pertencia ao BCAÇ 2852, ao qual estava adida a CCAÇ 2590/CCAÇ 12, a Companhia africana do nosso editor, e que foi algumas vezes ao Saltinho em colunas logísticas, ainda no tempo do Capitão Diamantino Ribeiro André.

Da CCAÇ 2406, Tigres do Saltinho (1968/70), faz parte da nossa Tabanca Grande, desde agosto de 2009, o António Dias (Adolfo,  para os amigos), ex-Alf Mil, a quem esperamos ver, finalmente, no nosso encontro de Monte Real, este ano.

Também há tempos fomos contactados pelo António Pádua, que não chegou a responder ao nosso convite para ingressar na Tabanca Grande, nem a mandar as fotografias da CCAÇ 2406 que queria partilhar connosco. Mandou-nos as boas festas este ano. Sabemos que vive em Ovar, e está ligado ao Externato e Escolinha de São Miguel (**).
____________

Notas dos editores:

(*) Recorde-se alguns dados sobre esta subunidade orgânica do BCAÇ 2852 (Bambadinca, 1968/70).

A CCAÇ 2406 foi mobilizado no Regimento de Infantaria nº 2 – Abrantes; embarcou em 24jul68; desembarcou em 30jul68; regressou em 28mai70. Divisa: “Sacrifícios não Contamos”.

Em 30jun68 seguiu para o Olossato para treino operacional e intervenção, destacando forças para Banjará e Maqué. Em 20fev69 seguiu para o Saltinho assumindo a responsabilidade do subsetor (que pertencia então Setor L1). Destacou forças para, temporariamente, guarnecerem Xime, Quirafo, Cansamangue e Sibchã Maunde Bucó.

Em 07nov69 passou para o setor L5 (Galomaro), mantendo as suas forças no Saltinho com forças em Cansamangue e Cansongo. A 10mai70 seguiu para Bissau para efectuar o regresso. Comandante: Cap Inf Diamantino Rodrigues André.

Ao mesmo BCaç 2852 (Setor 1, Bambadinca, 1968/70) pertenciam a CCAÇ 2404 (Teixeira Pinto, Binar e Mansambo) e a CCAÇ 2405 (Mansoa, Galomaro, Dulombi).

(**) Vd. Poste de 29 de Junho de 2008 > Guiné 63/74 - P2995: O Nosso Livro de Visitas (19): António Pádua (CCAÇ 2406, Olossato e Saltinho, 1968/70)

Vd. último poste da série de 15 de Março de 2012 > Guiné 63/74 - P9609: O Nosso Livro de Visitas (129): Carlos Pedreño Ferreira, ex-Fur Mil Inf Op, COMBIS e COP 8 (Guiné, 1971/73)

Guiné 63/74 - P9609: O Nosso Livro de Visitas (129): Carlos Pedreño Ferreira, ex-Fur Mil Inf Op, COMBIS e COP 8 (Guiné, 1971/73)

1. No passado dia 2 de Março chegou até nós uma mensagem do nosso camarada Carlos Pedreño Ferreira, que se intitula "leitor periquito", nos seguintes termos:

Bom dia!
Estou inscrito para ler no meu mail as novas entradas do v/blogue faz pouco tempo.
Estive na Guiné como Furriel de Informações/Operações de OUT71 a AGO73, primeiro ano no COMBIS em Brá e depois na criação do COP8 em NHACRA (FEV72 a AGO73).

Leio com interesse histórico/afectivo os relatos vivenciados pelos que lá estiveram e comparo-os, procuro nas minhas memórias (vividas ou documentais: tinha acesso a toda a documentação classificada) enquadras as suas vivências que marcaram uma geração.

PARABÉNS pela vossa iniciativa que penso única sobre um TO. (não conheço outras sobre outros TOs).

Gostava de poder adquirir o livro do Idálio Reis. É possível ter acesso ao seu mail ou outro contacto?

Um grande abraço
Carlos Pedreño Ferreira


2. Comentário de CV:

Caro camarada Carlos Ferreira, muito obrigado pelo teu contacto.
Julgo que a esta hora já terás recebido notícias do nosso camarada Idálio Reis, quanto ao modo como podes ter o seu livro, mas ficas desde já com a informação de que o mesmo vai ser oficialmente lançado no nosso VII Encontro (dia 21 de Abril em Monte Real) e distribuído gratuitamente a que estiver presente, de acordo com a vontade expressa do seu autor.

Sendo tu um leitor recente do nosso Blogue, como fazes crer, poderás desde já tomar a iniciativa de te juntares à tertúlia, e a teu modo contribuir para o nosso registo de memórias. Terás muita informação, que entretanto está desclassificada, e poderás torná-la publica através da nossa página. Além disso reterás algumas recordações e peripécias que poderás contar, assim como fotos da época.

No caso de resolveres aderir à tertúlia, manda-nos uma foto actual e outra do tempo de Guiné (tipo passe de preferência), uma pequena história ou texto de apresentação e fotos a ilustrar. Quem sabe, um dia, a exemplo do camarada Idálio Reis, possas tu também editar um livro teu.

Aqui fica um abraço da tertúlia e dos editores.
O teu camarada
Carlos Vinhal
____________

Nota de CV:

Vd. último poste da série de 9 de Março de 2012 > Guiné 63/74 - P9592: O Nosso Livro de Visitas (128): José Faia Pires Correia, Cor Art Ref, último comandante do GA7 (Bissau, 1974)

Guiné 63/74 - P9608: Tabanca Grande (325): António Eduardo Jerónimo Ferreira, ex-1.º Cabo Condutor Auto da CART 3493/BART 3873 (Mansambo, Fá Mandinga e Bissau, 1972/74)

1. Mensagem do nosso camarada e novo tertuliano António Eduardo Jerónimo Ferreira, ex-1.º Cabo Condutor Auto da CART 3493/BART 3873, Mansambo, Fá Mandinga e Bissau, 1972/74:

Sou: António Eduardo Jerónimo Ferreira
Natural e residente em Moleanos, aldeia do concelho de Alcobaça onde nasci a 15 de Maio de 1950. Assentei praça no GCTA (Trem Auto) em Lisboa.
Fui mobilizado no RAP 3 Figueira da Foz para a CART 3493/BART 3873, para a Guiné.
Embarquei no dia 24 de Janeiro de 1972, (fui de avião) e regressei com a minha Companhia a 2 de Abril de 1974.
A minha Especialidade era Condutor, (o 1.º Cabo Jerónimo)
Locais por onde andei: Mansambo, breves dias de passagem em Fá Mandinga, Cobumba, e por último Bissau, no Combis.

A primeira coisa que fiz mal comecei a mexer no computador ainda que timidamente, (ainda hoje) foi escrever o que foi o meu tempo de Guiné tendo em vista deixar para memória futura. Por essa altura ainda não conhecia o vosso blogue. Tudo que me lembrei escrevi pelo que te envio esse trabalho de onde podes retirar alguns excertos se assim o entenderes. Não será muito o tempo que tens para ver todo o trabalho, verás se, e quando for possível.
Dentro de poucos dias enviarei as fotos para poder (com muito gosto) fazer parte do vosso grupo.


2. comentário de CV:
Caro camarada António Ferreira, para o Blogue, António Eduardo Ferreira, para não confundir com um marcador já existente, António Ferreira, um camarada que morreu em combate na emboscada de Quirafo de má memória, sê bem-vindo à Tabanca Grande.

O trabalho que nos enviaste está bem desenvolvido e irá ser publicado por capítulos. Era óptimo se pudesses enviar algumas fotos para ilustrar as diversas etapas e acontecimentos que relatas Se puderes, envia porque estamos sempre a tempo de as publicar.
Já que estamos a falar de fotografias, não te esqueças das à civil e militar para encimar os teus postes. Se não as tiveres em tipo passe, manda outras em qualquer formato com tamanho suficiente para eu editar.

O trabalho que temos em mão não invalida o envio de outras histórias de que te venhas a recordar. O nosso espólio é essencialmente composto por narrativas de experiências vividas na primeira pessoa e constituirá um manancial de informação para memória futura.

Antes de publicar a primeira parte do teu trabalho, envio-te em nome da tertúlia e dos editores o tradicional abraço de boas-vindas.

Carlos Vinhal

************

O TEMPO QUE NINGUÉM QUERIA (1)

Mobilização e partida para a Guiné

Por António Eduardo Ferreira

Depois de doze meses de tropa na Metrópole, era chegada a minha vez de partir para a guerra, a juntar aos doze já passados foram mais vinte seis e alguns dias na Guiné.

Ao iniciar a descrição do meu tempo de Guiné, espero que a minha memória me ajude, pois passados cerca de 38 anos, é quase certo que algumas coisas tenham caído no esquecimento.

Dia 22 de Janeiro de 1972, pela madrugada fui levar a minha esposa ao hospital do Sitio da Nazaré, (ao tempo a maternidade que dava apoio às parturientes da nossa terra) onde poucas horas depois viria a nascer o nosso primeiro filho, o Paulo.
Ao fim da tarde fui à visita, mesmo sabendo não os voltar a ver nos tempos mais próximos… na hora da despedida disse apenas até amanhã! Embora soubesse que na manhã do dia seguinte haveria de tomar o autocarro até Lisboa a fim de embarcar para a Guiné.

E assim aconteceu, cheguei a Lisboa por volta das 14 horas. Apresentei-me no Depósito Geral de Adidos, onde me foi dito que a nossa partida estava prevista para as cinco horas da madrugada. Como não havia transportes rápidos, como acontece agora, nada mais me restava que não fosse passar esse tempo divagando pela cidade de Lisboa, tentando esquecer, esquecer tudo… creio que por momentos cheguei a esquecer-me que existia!

Fui até à rua Gama Barros, onde tinha umas pessoas de família, estive por lá até próximo da meia noite, como a viagem ia ser feita de avião foi-me pedido por um familiar, para levar dois frangos assados para o irmão que estava a prestar serviço no Hospital Militar de Bissau, estava muito frio, (à hora da partida estavam quatro graus em Lisboa), fiz o trajecto da rua Gama Barros até ao quartel na Calçada da Ajuda a pé, levando comigo apenas os frangos que me tinha comprometido a entregar quando chegasse a Bissau. Era meia-noite, mais ou menos a meio da avenida João XXI, estava uma porta aberta de onde saiu um cão «pastor alemão» investindo contra mim, não sei se ele teria vontade de me fazer mal, mas o medo que tive foi muito, quando chegava perto de mim eu parava, ele parava também mas não deixava de ladrar, eu começava a andar ele investia de novo, eu já não sabia que fazer, pensei… e a única maneira que via de me ver livre dele talvez fosse dar-lhe os frangos, mas será que a pessoa com quem me havia comprometido a levá-los ia acreditar nesta verdade que cheirava a mentira?... Era natural que deixasse dúvidas, mas à medida que me ia afastando da porta de onde o cão tinha saído, ele voltou para casa, para meu grande alívio e os frangos lá chegaram ao destino.

Cerca das cinco horas da manhã embarquei no avião (creio ter sido um DC6) que me levou até Bissau, tendo antes feito escala em Cabo Verde no então aeroporto dos Espargos na ilha do Sal, viajou no mesmo avião uma enfermeira pára-quedista que eu desconhecia existirem, ignorância minha.

Foi para mim o primeiro grande choque de temperaturas, em Lisboa estavam quatro graus, ao chegar a Cabo Verde estavam trinta, o primeiro aviso que a partir dali tudo ia ser diferente, passado uma hora voltamos a voar até Bissau, onde à tardinha aterramos no aeroporto de Bissalanca.

Ao desembarcar foi para mim a confusão total, uma temperatura elevadíssima para quem horas antes partira de um sítio muito frio, ver os nativos das mais variadas etnias trajando de forma impensável para mim, carregados de amuletos, brincos nas orelhas, arames no nariz, nos braços, outros com a cara pintada… coisa por mim nunca antes vista, e a que eu e alguns menos esclarecidos, atribuíamos a povos primitivos (que dizer agora da nossa juventude!?). Quando saímos do aeroporto estavam à nossa espera viaturas militares que nos levaram para o Depósito Geral de Adidos em Brá, onde eu viria a estar cerca de um mês.

Depois de me ter apresentado no quartel, fui levar os frangos que horas antes tivera na iminência de dar ao cão, a cada minuto que passava, a confusão na minha mente era ainda maior… para além da temperatura, os muitos negros que eu não estava habituado a ver, todo aquele movimento militar que eu também não fazia ideia que fosse assim. Viaturas carregadas de homens com o respectivo material de guerra, entrando e saindo da cidade, os helicópteros subindo e descendo junto ao Hospital Militar, soldados por todo lado, uns, prestando serviço em Bissau, outros que vinham de férias para a cidade, outros ainda para a metrópole, e alguns que se encontravam à espera de embarque para regressar ao mato. E os que tinham a comissão cumprida, e esperavam o dia mais desejado… o do regresso à Metrópole.

Durante cerca de um mês estive neste ambiente sem ter qualquer noticia da terra, com a agravante de não saber nada da minha mulher e do meu filho, que tinham ficado na maternidade e eu apenas tinha visto durante alguns minutos. Depois chegou o dia de partir para o mato onde me fui juntar à minha Companhia, que tinha seguido alguns dias antes por via marítima tendo ido tirar a I.A.O (instrução de adaptação operacional) nos subúrbios de Bissau.

(Continua)
____________

Nota de CV:

Vd. último poste da série de 13 de Março de 2012 > Guiné 63/74 - P9603: Tabanca Grande (324): Alberto Sardinha, ex-Desempanador Auto da CCS/BCAÇ 1877 (Teixeira Pinto e Bafatá, 1966/67)

Guiné 63/74 - P9607: O PIFAS, de saudosa memória (9): Dois terços dos respondentes da nossa sondagem conheciam o programa e ouviam-no, com maior ou menor regularidade...


1. Resultados da sondagem que correu no nosso blogue, de 8 a 14 de março de 2012... Pergunta: "Com que regularidade ouvias, no teu tempo, o programa de rádio das Forças Armadas, PFA ou PIFAS ?"

Responderam um total de 116 leitores. Naturalmente que os resultados não se podem generalizar... É uma mera consulta de opinião com resultados meramente indicativos ou tendenciais...



Assim, cerca de 2/3 dos respondentes conheciam e ouviam o PFA ou PIFAS: cerca de 39% ouviam-no "todos os quase todos os dias"; os restantes 27% só mais esporadicamente...

O restante terço que não ouvia o PFA ou PIFAS, apresenta as suas razões:

- 6% do pessoal não se interessa por este tipo de programas de rádio;
- 13% não tinham aparelho de rádio ou tinham dificuldade, no mato, em sintonizar o programa;
- Os outros 15% não são do tempo do PIFAS que, ao que sabemos, nasce no tempo do "consulado" de Spínola...

Obrigado a todos os que tiveram a gentileza de responder ao nosso pedido...

2.  Reproduzem-se a seguir alguns mails de camaradas nossos sobre a sondagem:

(i) José Paracana [, ex-alferes miliciano, da Cheret, QG, Bissau, CTIG, 1971/73]




Viva lá, camarada LG!



Posso informar que eu sempre estive no QG, em Bissau. E lembro que ouvia diariamente o Pifas! Uma tarde até estive ao microfone da rádio porque um sr. sargento (cujo nome esqueci), que estava à frente de uma das rubricas da estação, convidava à intervenção. E eu fui falar sobre Coimbra: a dos estudantes e suas praxes académicas. Descrevi as sessões de gozo dos caloiros; dos seus julgamentos (na cabe da Real República dos Kágados), da queima das fitas e sua organização, das Latadas,etc.


Lembro que, fugindo completamente à censura (anos 1961-1966) porque a Pide não actuava antes dos cortejos - empunhei um cartaz onde se escreveu o seguinte: "Em Lisboa há um Te(n)rreiro com 42 buracos/ tachos!" Claro que o visado era o Almirante do bacalhau...


Continuação do bom trabalho e até breve!


Abraço do José Paracana
 
(ii) Antonio Sampaio [, ex-Alf Mil na CCAÇ 15 e Cap Mil na CCAÇ 4942/72, Barro, 1973/74]:
  
 Amigo, gostava de colaborar, mas com verdade. Não me recordo nada desse programa. Enquanto estive em Mansoa, tinha concerteza possibilidade de o ouvir. Depois em Barro já seria mais episódico. De qualquer maneira nunca fui muito de “telefonia”.


Recordo no entanto um bom amigo que esteve também em Mansoa e depois foi para a Rádio Bissau. Era já locutor na RR  [Rádio Renascença,] cá e conseguiu sair do mato para a cidade lá. Era o Fernando de Sousa (actualmente no internacional da SIC).  Por curiosidade o contacto directo com os tiros, só o teve muito mais tarde em Angola quando fazia uma reportagem no tempo da guerra civil. A coluna em que se deslocava foi atacada quando ele estava a fazer um directo. Um abraço, António Sampaio

(iii) Belmiro Tavares [,ex-Alf Mil, CCAÇ 675, Quinhamel, Binta e Farim, 1964/66]

Caro Companheiro,

No meu tempo, que eu saiba, não havia PFA... nem PIFAS.

A Rádio Bissau trabalhava poucas horas por dia; havia um programa afamado – discos pedidos. Por mais estranho que pareça o disco – de longe – mais pedido era: “O Tango dos Barbudos”.


Aquele Abraço,
Belmiro Tavares


[Nota do editor: Belmiro, quem não se lembra, nos bailes dos bombeiros das nossas parvónias, de ouvir, em aordeão ou até guitarra elétrica, esse clássicos do tango, o Tango dos Barbudos ? ... Há músicas que levaremos para tumba e para a longa viagem do além, tal como a pensavam os antigos egípcios... Se calhar este tango, ouvido no rádio a pilhas em Binar, é um deles... BAqui tens uma versão instrumental, no You Tube, para matares saudades... E já  agora fica também com esta versão, mais fraquinha, em guitarras elétrica, duns rapazes do teu tempo, 1966... Os Blusões  Negros].


(iv) José Pereira [ex-1.º Cabo Inf, 3.ª CCAÇ e CCAÇ 5, Nova Lamego, Cabuca, Cheche e Canjadude, 1966/68]

 Olá, sou o Zé Pereira, estive na CCAÇ 3 e na CCAÇ  5, na zona de Nova Lamego. Bepois vim para Bissau aguardar embarque e estive a fazer servico no Comando Chefe e no PFA onde estava o João Paulo Diniz, em 68 lembro-me muito bem o chefe era o major Magalhães.


Um abraço, José Pereira
 
[Nota do editor: Zé Pereira, há dias falei com o José Paulo Diniz, ele disse-me que esteve em Bissau, de entre agosto de 1970 e agosto de 1972 (mais ou menos)... Logo não poderá ser do teu tempo. Deves estar a fazer confusão com outro nome. Mas podemos esclarecer isso no nosso próximo encontro, em Monte Real, no dia 21 de abril... Ele vai lá estar. E tu ? Um abraço].


(v) Ricardo Figueiredo (ex-Fur Mil da 2.ª CART/BART 6523, Cabuca, 1973/74):

Meu Caro Camarada Carlos Vinhal,

No redescobrimento do PIFAS, cujos artigos tenho lido com alguma sofreguidão, pois sempre que possível lá o conseguíamos sintonizar, não posso deixar de recordar que também nós, no “buraco” que era Cabuca, também tínhamos uma estação de rádio, que com alguma dificuldade era ouvida em Bissau !

Na verdade, fruto de um engenhoso camarada, de nome CARLOS BOTO, com a excepcional ajuda do Fur Mil de Transmissões Henriques, também a 2ª Cart/Bart 6523 tinha a sua estação de rádio que transmitia em ONDAS CURTAS nas frequências 41m - na banda dos 8000 Khc/seg e 75m - na banda dos 4100 Khc/seg, que emitia directamente de Cabuca todos os dias das 19H30 às 23H00.

Tal só foi possível, graças a um generoso e eficaz trabalho de antenas, apoiadas num “Racal”, pelo pessoal das Transmissões, tendo-se então criado um estúdio improvisado, que com o recurso a um gravador de fitas e a um velho microfone difundia um excelente programa diário.

A estação chamava-se NO TERA. Tinha a discografia do Zé Lopes, a sonoplastia do Toni Fernandes, os exteriores do Arménio Ribeiro, a locução do Quim Fonseca (este vosso camarigo) do Victor Machado e esporadicamente do António Barbosa e a produção, montagem e apresentação estava a cargo do CARLOS BOTO.

Dos programas emitidos, relembro os seguintes :

- Publicidade em barda ;
- Serviço noticioso ;
- Charlas Linguísticas ;
- O folclore da tua terra ;
- Espectáculos ao Vivo ;
- Concursos surpresa e,
- MÚSICA NA PICADA, entre outros.

E, como nota de rodapé, gostaria que algum dos Camarigos, designadamente os que ainda estão hoje ligados á rádio , nos ajudassem a descobrir o CARLOS BOTO, já que todas as nossas diligências para o encontrarmos, se têm mostrado infrutíferas.

Finalmente e com a promessa de voltar à carga sobre a nossa Rádio NO TERA, gostaria de referir ainda um episódio que nos encheu de alegria, já no distante ano de 1973, quando ao ouvirmos o PIFAS, a nossa rádio foi referida como tendo sido audível em Bissau! O pessoal rejubilou de alegria e sentimo-nos então muito mais motivados para melhorar os nossos programas, já que corríamos o risco de sermos ouvidos, quem sabe, pelas bandas do QG…!

Um abraço de amizade do camarigo,
Ricardo Figueiredo
Fur Mil At Art da 2ªCart/Bart 6523
Cabuca-Guiné

_____________

Nota do editor:

Último poste da série > 9 de março de 2012 > Guiné 63/74 - P9589: O PIFAS, de saudosa memória (8): "Emoções", programa de música, Antena 1, sábado, 10 de março, das 5 às 7h da manhã: ouvir a voz do João Paulo Diniz, 40 anos depois...