sábado, 16 de março de 2013

Guiné 63/74 - P11263: Memórias de Manuel Joaquim (10): Se em Bissau não "Tombe la Neige" pela certa "Tombe la Pluie"

1. Mensagem de Manuel Joaquim (ex-Fur Mil de Armas Pesadas da CCAÇ 1419, Bissau, Bissorã e Mansabá, 1965/67), com data de 12 de Março de 2013:

Meus caros Luís, Carlos e Eduardo:
Também eu, um dia, fui soldado-letrista. Mas o resultado não foi brilhante. As suas repercussões não passaram muito para lá do meu umbigo!
Vai aqui a "estória".
Se nela acharem alguma piada para poder ser publicada, ficam ao vosso critério, que muito respeito, o modo e os possíveis cortes que porventura achem por bem fazer.
Um afetuoso abraço
Manuel Joaquim


MEMÓRIAS DE MANUEL JOAQUIM

10 - Tombe la pluie

Tenho uma “estória” sobre uma canção famosa de Adamo, a “Tombe la Neige”

Bissau, inícios de Setembro de 1965, Quartel de Sta. Luzia.

Tinha comprado, há pouco tempo, um rádio-gravador que, de imediato, se tornou um “companheiro” imprescindível. A primeira coisa que nele gravei foi o que me apareceu à mão, quatro canções de Adamo, de entre elas a “Tombe la neige” (Cai a neve), muito na berra naquela altura.


Numa noite chuvosa passada em serviço de “sargento de dia” na Casa da Guarda ao lado da Porta de Armas, ouvindo e reouvindo Adamo, achei piada à discrepância entre as palavras da canção “Tombe la neige” (Cai a neve) e a realidade do clima tropical quente e húmido que estava a suportar naquele momento. Ao som da chuva a cair logo surgiu um título alternativo, “Tombe la pluie” (Cai a chuva). E assim arranjei um belo motivo para me ajudar a passar a noite. Umas horas depois já tinha o rascunho de uma versão da letra, adaptada ao local onde vivia.

Tempos mais tarde pedi ajuda na messe de sargentos a um furriel que por ali via frequentemente a ler em francês e lá fizemos uma versão “definitiva” que depois tentei implantar nos momentos de convívio “cantoral” mas os resultados foram desanimadores. Só se percebiam uma ou duas vozes cantando a nova letra, o resto eram confusos “lalalás” da maioria. A maior parte do pessoal não sabia o suficiente de francês para apreender o texto e assim não se saía do básico “Tombe la pluie, lalalalala …lalalalala …”. Mesmo desmotivante.

Pensei, então, em arranjar uma versão em português mas o entusiasmo passou e o interesse foi-se diluindo na variedade de chamarizes existentes em Bissau para nos preencher os tempos livres. De vez em quando, na camarata, ao ouvir-se o original saído de algum aparelho, lá vinha um “tombe la pluie” ou um “e cai a chuva” sem continuação. E a chuva como tema da canção acabou por morrer.

Adamo foi substituído no gravador por outro(s) intérprete(s) e canções. A folha com esta nova versão em francês ficou perdida, dei por isso mais tarde, entre as folhas de um livro de Jorge Amado, “Mar Morto”, livro que emprestei ao furriel Henriques, camarada da CCaç 1419, aquando duma sua “viagem” de barco a Bedanda em serviço de segurança a um batelão de abastecimentos. Entretanto a estação das chuvas foi chegando ao fim, a CCaç 1419 saiu de Bissau para Bissorã e a letra de “Tombe la pluie” andou a “marinar” no “Mar Morto” que me foi devolvido já em Bissorã, exalando um forte e especial cheiro. É que o livro tinha viajado com o saco do bacalhau que a secção do Manuel Henriques levou para comer durante a viagem. As suas folhas ficaram de tal modo impregnadas que ficaram durante muitos meses a cheirar fortemente a bacalhau, de tal modo que o seu título ficou mesmo a condizer com o objecto, cheirava a “mar morto”.

Ao retomar o livro, encontrei dentro dele a folha com a “Tombe la pluie”, folha que tinha servido para o Henriques marcar a página de leitura. Foi guardada com uma leve esperança de ainda poder vir a ser utilizada na futura estação das chuvas para reavivar a canção com a malta de Bissorã. Qual quê! Tão quietinha ficou entre outros papéis que nunca mais me lembrei dela até uns largos anos mais tarde quando, ao procurar bases para a redacção de um texto sobre a guerra colonial para o semanário “O Jornal”, a encontrei.

Achei muita graça ao facto, até pelas memórias que me trazia. Ofereci tal “obra” à minha esposa, com um bom beijinho a condizer com os termos em que está redigida. E ela gostou muito! Até me sugeriu a compra do original “Tombe la neige” para lembrar melhor os passos da canção, coisa que eu fiz. E assim demos nova vida à “Tombe la pluie”. Ainda hoje, naqueles dias chatos de chuva, nos salta um “Tombe la pluie et mon coeur s’habille de noir”.

____________

Nota do editor:

Vd. último poste da série de 25 DE NOVEMBRO DE 2012 > Guiné 63/74 - P10722: Memórias de Manuel Joaquim (9): Na guerra, nunca dei um tiro!... (só dei um)

Guiné 63/74 - P11262: Fantasmas ...e realidades do fundo do baú (Vasco Pires) (8): Terei estado no "bem-bom de São Domingos"?

1. Em mensagem do dia 9 de Março de 2013, o nosso camarada Vasco Pires (ex-Alf Mil Art.ª, CMDT do 23.º Pel Art, Gadamael, 1970/72), levanta algumas dúvidas à sua própria afirmação de que no segundo trimestre de 1972 esteve estacionado em S. Domingos.


FANTASMAS DO FUNDO BAÚ

8 - São Domingos?

Caros Luís Graça/Carlos Vinhal,
Quando recebi o honroso convite de ingressar nesta "Grande Tabanca", expliquei que estou a morar no interior do Brasil, e que os meus pertences estavam em São Paulo, assim fui dispensado de na altura apresentar uma foto da Guiné.

Nós, de rendição individual, por vezes tínhamos que esperar substituto, que normalmente tardava. Como o Comandante do GAC7 (GA7) não podia ficar sem Oficiais e Sargentos, sempre que possível, enviava-nos nesse "excedente" de comissão, para um lugar de fraca ou nula atividade operacional.

Ao fim de mais de vinte meses de comissão, a maior parte deles passada em Gadamael, mandaram-me para a sede de um BCAV no Norte. Lá a atividade operacional da artilharia era nula, assim quando cheguei, falei para os Furriéis, que a minha comissão tinha terminado (21 meses), mas faltava o substituto.
Eram excelentes profissionais, tomaram conta do Pelotão e respeitaram a minha "aposentadoria" e, como eu pedi, só me chamariam quando houvesse algum problema, o que nunca aconteceu.

Entretanto, pedi ajuda à minha companheira do pós-guerra, que gentilmente me cedeu uma foto de um álbum, como não lembro datas dessa época, ela também me informou que eu voltei da Guiné em Julho 72.

Quando recebi essa primeira foto, dentro de um jipe, ao lado de outro oficial, pelo comprimento do cabelo e pelo uso de indentificação de posto, vi que era do fim da comissão, logo seria do segundo trimestre de 72. Um nome surgiu de imediato: SÃO DOMINGOS.



Resumi no P10525, os meus últimos meses na Guiné, que o editor apelidou de: "...bem-bom de São Domingos..."
Aí alguns camaradas reagiram, e disseram que São Domingos não era um "resort", mas: "...era bombardeamento diário. Não havia comida, não havia bebida ou até luz..."

Podiam ser outras datas, ou visões diferentes de uma mesma realidade, já que ela é "multifacetada" e ao fim de quarenta anos "esfumaçada".

Agora que veio outra foto dessa época, o nome que continua vindo à memória é São Domingos.

Na foto estão os oficiais do Comando do BCAV e CCS: a partir da esquerda, Capitão de uma CCAV (ou CCS), Major de Operações, Tenente-Coronel Segundo Comandante (que não queria me deixar voltar para casa ao fim de 24 meses), a partir da direita Tenente da CCS, Vasco Pires.
Os outros Oficiais lamentavelmente não consigo identificar.

Entretanto li neste Blog que a partir de certa data deixou de ser sede de Batalhão, aí surgiu a dúvida, será que eu errei "o nome do Santo"?

Cordiais saudações
VP
____________

Nota do editor:

Vd. último poste da série de 9 DE MARÇO DE 2013 > Guiné 63/74 - P11223: Fantasmas ...e realidades do fundo do baú (Vasco Pires) (7): Fotos de um líder, do Cap Op Esp Fernando Assunção Silva

Guiné 63/74 - P11261: Do Ninho D'Águia até África (58): A tripeça (Tony Borié)

1. Quinquagésimo oitavo episódio da série "Do Ninho de D'Águia até África", de autoria do nosso camarada Tony Borié (ex-1.º Cabo Operador Cripto do Cmd Agru 16, Mansoa, 1964/66), iniciada no Poste P10177:




Estava a ser difícil, mesmo muito difícil, quase penoso, o Cifra tinha momentos de completo descontrolo, não sabia quem era, nem onde estava, nada lhe importava, não tirava o cigarro da boca, acendia uns aos outros, a sua companheira de quase todos os momentos, que era a tal garrafita da coca-cola, cheia de tudo, menos coca-cola, essa, andava sempre consigo, tinha um aspecto um pouco desleixado, mas quando chegava o momento de entrar de serviço e executar as suas tarefas, apresentava-se limpo, usando a camisa comunitária, que era a que sempre estava pendurada no centro cripto, e que todos usavam para ir entregar as mensagens no comando, especialmente quando havia contacto com o comandante.


Quando estava de serviço, executava as suas tarefas com toda a precisão, fazia-lhe bem, pois andava ocupado, mas quando fora delas, tinha um problema na sua mente, era uma espécie de triângulo, era uma “tripeça”, como a que havia na casa de sua avó materna, já velha e com uma perna quase a partir, ele, também tinha uma “tripeça” na sua mente, e a velha “tripeça”, também tinha uma, ou mesmo duas pernas a partir, pois neste momento tinha três famílias, eram três queridas famílias.


A primeira família eram as pessoas amigas que viviam na tabanca com casas cobertas de colmo, um pouco ao norte do aquartelamento, onde passava quase todos os dias, que, debaixo da maior miséria que um ser humano pode viver, palhotas com chão térreo, com uma simples panela, que às vezes nem era panela, era uma lata de qualquer coisa, dormiam em cima de um lastro feito de ervas secas, coberto com um simples pano, o pouco com que se alimentavam, repartiam com os animais, que também famintos e cobertos de insectos, com o rabo entre as pernas, procuravam aproximar-se deles, e essas pessoas, vivendo miseravelmente, davam tudo ao Cifra, tudo que era possível dar, sem nunca pedirem nada em troca, sempre com um sorriso, olhando o Cifra nos olhos, sinceras e humildes, com uma maneira própria, que o Cifra, nunca tinha visto em toda a sua vida, e agora estava quase a abandoná-los, e com toda a certeza para sempre. Só de pensar ficava com lágrimas, que limpava nas costas das mãos, dizendo às vezes baixinho, só para si:
- Desejava ansiosamente o dia do meu regresso e agora quero ficar aqui para sempre.

A segunda família eram os seus companheiros, em especial o seu grupo com quem conviveu dois anos, o Curvas, alto e refilão, o Marafado, o Trinta e Seis, o Setúbal, o Mister Hóstia e o Furriel Miliciano, conheciam-se como tivessem vivido toda a vida juntos, sabiam os costumes uns dos outros, zangavam-se e estavam amigos, bebiam, fumavam, roubavam pão, vinho e álcool, quando um tinha fartura de alguma coisa, todos tinham fartura e quando não havia para um, também ninguém tinha nada, era uma família com todos aqueles problemas, que ficavam resolvidos quando se deitavam, quase sempre sobre influência, pois no dia seguinte ninguém sabia se estava vivo.

E a terceira família era a que o esperava em Portugal, que lhe mandava os aerogramas e as cartas, algumas com fotos, essa família andava sempre junto de si, no seu pensamento. Ficava por momentos a imaginar como seriam as suas caras quando os visse de novo, alguns aparentavam ser mais velhos, outros talvez não, alguns tinham nascido depois de vir embora, outros já não estavam vivos, enfim iria ser com toda a certeza uma grande surpresa, mas uma agradável surpresa, mas estas três famílias traziam a mente do Cifra confusa e um pouco angustiada.


____________

Nota do editor:

Vd. último poste da série de 12 DE MARÇO DE 2013 > Guiné 63/74 - P11243: Do Ninho D'Águia até África (57): Andava desesperado (Tony Borié)

Guiné 63/74 - P11260: Álbum fotográfico do Jorge Canhão (ex-fur mil inf, 3ª CCAÇ / BCAÇ 4612/72, Mansoa e Gadamael, 1972/74) (6): Vítimas da emboscada na estrada de Farim-Mansabá-Mansoa, em 15 de julho de 1973: 1 morto, 8 feridos graves, 2 viaturas danificadas




  1. Foto s/ nº >Chegada a Mansoa dos mortos na emboscada à coluna de Farim (1)


Foto s/ nº >Chegada a Mansoa dos mortos na emboscada à coluna de Farim (2)



Foto s/ nº > Evacuação dos feridos da emboscada à coluna de Farim (1)



Foto s/ nº - Evacuação dos feridos da emboscada à coluna de Farim (2)



Foto s/ nº - Constantino_Veira_da_Rocha,. sold cond auto, da 3ª CCAC/BCAÇ 4612 (1972/74), subindo para a sua Berliet


Guiné > Região do Oio > Mansoa > 1972/1974 > BCAÇ 4612 (1972/74) > Imagens da chegada de mortes e feridas, na sequência a uma emboscada a um coluna de reabstecimento, na estrada   de Mansoa-Farim, possivelmente em 15 de julho de 1973.


Fotos: © Jorge Canhão (2011). Todos os direitos reservados


1. Continuação da publicação do álbum fotográfico do nosso amigo e camarada Jorge Canhão, que vive em Oeiras (ex-Fur Mil At Inf da 3ª CCAÇ/BCAÇ 4612/72, Mansoa e Gadamael, 1972/74).

Estas fotos, relativas a Mansoa, chegaram-nos às mãos através de outro grã-tabanqueiro, o Agostinho Gaspar, ex-1.º Cabo Mec Auto Rodas, 3.ª CCAÇ/BCAÇ 4612/72, Mansoa, 1972/74), residente em Leiria. Os nossos especiais agradecimentos aos dois, e muito em especial ao nosso camarada Jorge Canhão-

Não sabemos quem é o autor (ou quem são aos autores) das fotos,,, Estas fotos constam de um CD, do Agostinho Gaspar, estão sob um ficheiro com a seguinte designação: Jorge Canhão > Vários Batalhão. Também não sabemos a que emboscada se referem. Sabemos, pela história da unidade, que houve uma violenta emboscada no dia 15/7/1973, na estrada Farim-Mansoa, no troço entre Mansabá e Mansoa...Mas nessa ocasião houve 1 morto (e não mortos) e 8 feridos graves, conforme se pode ler na HU- Cap II / Fasc VIII, pág. 60:

- (...) Às l5 de julho de 1973,  às 13h30 na região de Mansoa  8HO.65, um grupo IN estimado em 60 elementos emboscou no regresso a coluna de reabastecimento a Farim, com armas automáticas, RPG-2, Mort 60 e Granadas de Mão.

O IN iniciou a emboscada com uma granada de mão. A emboscada estava montada do lado direito da estrada Mansabá/Mansoa com um pequeno grupo IN  no lado esquerdo. As NT sofreram 1 morto (Fur Mil), 8 feridos graves (1 Oficial e 7 Praças). 2 viaturas ficaram danificadas (1 Berliet que ardeu; e Unimog 404).

O IN deixou no terreno 1 morto, fardado de amarelo e armado de LGF RPG-2, vários rastos de sangue, 2 Minas A/P PMD-6 e 2 granadas de  RPG-2. Retirou na direcção do Morés,  sendo executado tiro de artilharia sobre o itinerário de retirada. (...) 


Talvez o Jorge Canhão nos possa esclarecer a que data se referem estas fotos. Nas colunas a Farim houve diversas emboscadas de que resultaram baixas. A do 15 de julho de 1973 pareceu-me a mais grave, a avaliar pelo nº de baixas das NT e das viaturas atingidas.
____________

Nota do editor:

Últmo poste da série > 9 de março de 2013 > Guiné 63/74 - P11222: Álbum fotográfico do Jorge Canhão (ex-fur mil inf, 3ª CCAÇ / BCAÇ 4612/72, Mansoa e Gadamael, 1972/74) (5): Balantas, mandingas e mansoancas

sexta-feira, 15 de março de 2013

Guiné 63/74 - P11259: (Ex)citações (214): Ainda a Operação "Aquiles Primeiro" (Manuel Carvalho)

1. Mensagem do nosso camarada Manuel Carvalho (ex-Fur Mil Armas Pesadas Inf, CCAÇ 2366/BCAÇ 2845, Jolmete, 1968/70), com data de 24 de Janeiro de 2013:

Caros Luís e Vinhal
Ainda relativamente à operação Aquiles Primeiro, como tenho algumas fotos dessa operação, vou enviar e dizer mais alguma coisa sobre o assunto.

Como já disse em comentário, no início de Fev/69 veio para Teixeira Pinto o CAOP sobre o Comando do Coronel Pára Alcino Ribeiro e os Majores Passos Ramos e Magalhães Osório e as seguintes forças:
- CCP 121 e 122,
- DFE 3 e 12
- 16ª CCmds

passando a depender operacionalmente do CAOP:
- CCaç 2366 
- CCaç 2444 
- CCaç 2446 
- Pel Caç Nat 58 e 59 
- Pel Mil 128 e 130

Todas estas forças começaram a actuar conjugadamente em todo o sector durante quase todo o mês de Fevereiro.

O IN do Churo e da Caboiana, de facto, no primeiro dia da operação teve algum sucesso, mas a partir daí sentiu-se acossado e passou a andar dividido em pequenos grupos e sempre em movimento.
Pela nossa parte, 2366, fizemos várias operações sem grandes resultados e felizmente também sem baixas a não ser no dia 21 de fevereiro em que encontramos um acampamento que destruimos tendo apanhado quatro armas entre elas um RPG2 e abatido os seus portadores.

O regresso ao quartel foi complicado porque fomos deparando com pequenos grupos que nos iam emboscando e nos obrigavam sempre a gastar munições, muitos de nós chegaram a Jolmete com meia dúzia de balas no carregador.

Podem ver nas fotografias da chegada que os nossos camaradas que ficaram no quartel estão na porta de armas à nossa espera, ora isto não era normal, mas como eles no quartel ouviam o tiroteio e os rebentamentos muito seguidos, e nós como vínhamos acelerados, não comunicávamos com o quartel e eles não sabiam o que fazer nem o que nos estava a acontecer.

Até já próximo do quartel comunicamos e daí esta recepção. Para os homens do Jol: Manel Resende, Augusto Silva e Firmino, de quem me estou a lembrar e sei que ao verem estas fotos vão ver gente que eles bem conheceram, os valentes milícias de Jolmete que e como quase sempre também na chegada vêem na frente.

As minhas homenagens a todos os camaradas que perderam a vida naquela maldita guerra.
Que descansem em paz.

Caros Luís e Vinhal estão à vontade para fazerem com este material o que muito bem entenderem.

Um forte abraço.
Manuel Carvalho

Chegada com a Milícia na frente

Nas duas fotos, a partir da esquerda: Manuel Carvalho; Dandi, Comandante da Milícia e o Martins

A partir da esquerda: Martins, Pereira, uma bajudinha e Manuel Carvalho já com uma garrafinha vazia na mão

 ____________

Nota do editor:

Vd. último poste da série de 21 DE FEVEREIRO DE 2013 > Guiné 63/74 - P11129: (Ex)citações (213): Cameconde, hoje seria um lugar de absurdo, de pesadelo e de loucura... (Alexandre Margarido, ex-cap mil, CCAÇ 3520, Cacine e Cameconde, 1972/74)

Guiné 63/74 - P11258: História da CART 566 (Bravos e Sempre Leais) (José Augusto Ribeiro) (1): Chegada à Ilha do Sal, as primeiras dificuldades e um pouco de História

1. Mensagem do nosso camarada José Augusto Ribeiro, ex-Fur Mil da CART 566, Cabo Verde (Ilha do Sal,  Outubro de 1963 a Julho de 1964) e Guiné (Olossato, Julho de 1964 a Outubro de 1965), com data de 10 de Março de 2013, com as primeiras quatro páginas da História da CART 566, que como sabemos começou a sua comissão de serviço em Cabo Verde, e que ele próprio vai tentar elaborar apesar dos quase 50 anos já volvidos, como ele próprio salienta.

Estou a tentar fazer um pouco da história da Companhia 566. 
Não é fácil, porque já passaram quase 50 anos da nossa chegada a terras africanas. 
JRibeiro


HISTÓRIA DA CART 566 (BRAVOS E SEMPRE LEAIS)

CABO VERDE E GUINÉ,  1964/65




Guiné 63/74 - P11257: Blogoterapia (224): Cozinhas de campanha (Ernesto Duarte)

1. Mensagem do nosso camarada Ernesto Duarte (ex-Fur Mil da CCAÇ 1421/BCAÇ 1857, Mansabá, 1965/67) com data de 9 de Março de 2013:


Cozinhas de campanha

Eu até gostei do Exército

Da minha serra à cidade de Lagos eram para aí 30 quilómetros, aonde eu ia muitas vezes porque tinha lá a viver muitos familiares, que naquela rua estreita era a porta em frente ao Caçadores 4, ou seria Infantaria 4. Muito miúdo ainda, hoje espreitava um pouco, amanhã outro e dentro de pouco tempo eu andava lá por tudo quanto era sítio.

Tudo aquilo era um encanto para mim, só nunca lá vi foi munições, agora armamento vi todo desde as armas ligeiras até às pesadas, postas em cima de carros puxados a cavalos ou machos e mulas, acho que não havia nenhuma viatura mecânica.

Nos concelhos à volta de Lagos todo o gado cavalar e muar estava na tropa, com caderneta e tudo e os donos tinham que as ir mostrar de quando em quando e sempre que vendiam alguma ou compravam tinham que tratar dos respetivos registos, papelada de militar.

O Quartel tinha a sua quantidade de bestas. Naquele tempo, ali, a vida de soldado era varrer, varrer, limpar os bichos dar-lhe palha e água. Passavam lá muito tempo, porque eu conhecia uma série de malta, eu ia e voltava e eles continuavam lá de vassoura na mão.

Dizer que deixei de gostar do Exército é muito forte e inofensivo, diga-se assim, comecei a retribuir-lhe a mesma simpatia que ele, Exército, tinha pelos seus soldados.

Eu fui o primeiro fulano a chegar à CCaç 1421 em Abrantes, tendo recebido um molho de chaves e não sei quantos cabos quarteleiros, tendo estado para aí uma semana só, até que o RI2 emprestou um alferes e um 2º sargento. Aquilo passou e eu ganho, como prémio, ir para Santa Margarida à frente receber material e militares de outras unidades que iam para lá formar a companhia.

Aí eu levei o primeiro grande pontapé no estômago, em relação ao Exército! Entre o que recebi, recebi uma cozinha de campanha que rebocámos para o sitio onde ficaria a funcionar. Aí na segunda semana já tinha muita gente comigo. A cozinha era de chapa, com juntas soldadas em vários sítios. Assentámo-la e o ultimo acto foi abrir a tampa.

A cozinha não estava branca, estava amarela, o que é, o que não é, chega-se à conclusão que era maça consistente. Fui ter com o sargento Barrigudo, foi simpático e colaborante mas todas as que vimos estavam na mesma, cheias de massa. Lá me disse como aquilo era chapa, entre uma utilização e outra, tinham que fazer aquilo, porque segundo ele, assim era melhor que ferrugenta, deu-me potassa e uns esfregões.

Lavamos a cozinha, escaldamos, mas o cheiro a ranço nunca passou, cheirou sempre e a comida era intragável. Ali a uns metros havia as messes, eu tinha nascido e crescido em comunidade, não entendia tamanha diferença, mas volto a encontrar o cheiro a ranço.

Cozinha de campanha > Comando da Zona Militar da Madeira (ex-GAG-2) > S. Martinho > Funchal

Foto: © Carlos Vinhal

O tempo passou e nós lá aparecemos dentro do Niassa, com uma ida à Madeira onde foi tudo passar uma noite louca.

Trago comigo para o naviuo o meu 1º Sargento, um homem grande e bom, mas que teimava em trazer umas garrafas de vinho da Madeira. Lá vamos por aqueles corredores fora, até que nos apercebemos de algo de anormal, conhecemos logo outro grande homem, o 1º Sargento da 1419, grande amigo, uma amizade que durou muito tempo cá fora. Estava cercado por tipos vestidos de branco.

Eu não sei se todos os que viajaram de Niassa, foram alguma vez ao fundo dos seus porões onde os nossos homens dormiam em beliches que chegavam quase cá acima, como o tempo era pouco para limpar, aquilo cheirava a ranço e a vomitado, para muitos era insuportável, nunca foram lá ao fundo.

Nessa viagem iam mulheres de marinheiros, cabos EP, mulheres de outros soldados e penso que de policias e também muita criançada.
Como não tinham amarelos iam no porão, e o nosso primeiro Teixeira lutava para lhes dar uma casa, um quarto cá mais acima, como de repente apareceram muitos soldados, os homens de branco cederam e arranjaram um quarto cá em cima, e passaram a comer da nossa comida, meio roubado, meio clandestino.

Portanto quando cheguei a Mansabá, a minha simpatia pelo Exército era igual à que ele tinha por mim, pelos seus soldados, era nula.

 Ernesto Duarte em Mansabá

Se achares que tem algum interesse, é teu.

Um muito obrigado
Um grande abraço
Ernesto Duarte
Furriel Miliciano
BCaç 1857 / CCaç 1421
Mansabá – Mores – OIO
____________

Nota do editor:

Vd. último poste da série de 16 DE FEVEREIRO DE 2013 > Guiné 63/74 - P11102: Blogoterapia (223): Agradeço as manifestações de pesar que me foram dirigidas a propósito do falecimento da minha mãe (Carlos Vinhal)

Guiné 63/74 - P11256: Agenda cultural (256): Camões levou 20 anos a escrever 'OS Lusíadas': dez cantos, 1102 estrofes, 8816 versos, 88160 sílabas métricas... O ator António Fonseca levou 4 anos a decorá-los e amanhã, no CCB, vai dizê-los, das 10h às 24h, no CCB, em Lisboa... Acontecimento único, a não perder: afinal são os 8816 versos da nossa identidade maior!...



Os Lusíadas, de Luís Vaz de Camões. Capa da primeira edição, 1572 (Fonte: Wikipédia)


"Do justo e duro Pedro nasce o brando,
(Vede da natureza o desconcerto!)
Remisso, e sem cuidado algum, Fernando,
Que todo o Reino pôs em muito aperto:
Que, vindo o Castelhano devastando
As terras sem defesa, esteve perto
De destruir-se o Reino totalmente;
Que um fraco Rei faz fraca a forte gente."

Luís Vaz de Camões, Os Lusíadas, Canto III, estrofe 138 [Negritos nossos. LG]


.
CAMOES, Luís de, 1524?-1580
Os Lusiadas / de Luis de Camões. - Lisboa : em casa de Antonio Gõçaluez,, 1572. - [2], 186 f. ; 4º (20 cm) 

http://purl.pt/1
http://purl.pt/1/cover.get

 - Edição princeps conhecida por edição "Ee", distingue-se pela sétima estância da primeira estrofe "E entre gente remota edificarão". - Assin.: [ ]//2, A-Y//8, Z//10. - Na portada cabeça do pelicano voltada para a esquerda do observador. - Folha branca com notas manuscritas PTBN: CAM. 2 P.; CAM. 3 P.. - Encadernação da época de pergaminho, com falta dos atilhos PTBN: CAM. 4 P.. - Pert. na f. [2]: «T. NORTON» PTBN: CAM. 2 P.. - Nota manuscrita na folha de guarda: «Pertencia a livraria de D. Francisco Manuel de Mello»; na p. de tít.: «Manoel Lopes Teixr.ª»; na última f.: «D. Jer.mo Correa da Costa» PTBN: CAM. 4 P.. - Exemplar restaurado PTBN: CAM. 2 P.. - Anselmo 697. - D. Manuel 136. - Simões 116

CDU 821.134.3-13"15" [Portugal. Biblioteca Nacional]


1. CCB - Centro Cultural de Belém, Lisboa, Sábado, 16 Mar 2013 - 10:00 às 00:00 (*)


 TEATRO MERIDIONAL – ANTÓNIO FONSECA

OS LUSÍADAS, de Luís Vaz de Camões (**)

António Fonseca dirá os dez Cantos, num único dia. O público pode assistir ao espectáculo integral ou assistir a alguns Cantos. O Canto X será dito em partilha pelo António Fonseca e alguns participantes que trabalharão previamente com o actor na aproximação ao poema.

Horário:

Canto I > 10h00
Canto II > 11h00
Canto III > 12h00
Canto IV > 15h00
Canto V > 16H00
Canto VI > 17H00
Canto VII > 18H00
Canto VIII > 19H00
Canto IX >  22H00
Canto X > 23H00


Pequeno Auditório
M/12 anos
Preços 2€ cada canto. Descontos>  10 cantos 16€; 5 cantos avulso 8€. Não há lugares marcados

Sinopse:

(...) "Os Lusíadas são, para nós, portugueses, a maneira maior de contar um tempo, de diversas formas inscrito nos nossos cromossomas e na nossa memória, em que todos os conceitos da mundivisão foram completamente alterados, em que as paredes se romperam: um punhado de homens lança-se no espaço desconhecido, por razões que podemos imaginar: ambição, desespero, aventura, convicção, necessidade, inconsciência…

As mudanças, políticas, sociais e económicas que vivemos em catadupa exigem o reforço da nossa identidade individual e colectiva, das nossas âncoras. Actualizar aquelas motivações de viver, que são ainda, apesar de tudo, as nossas, através da arte maior da poesia de Camões" (...).

Concepção e interpretação >  António Fonseca
Espaço cénico e figurinos > Marta Carreiras
Desenho de luz > José Álvaro Correia
Música original e sonoplastia > Fernando Mota
Fotografia > Susana Paiva
Assistência > Rosa Cardoso
Assistência de cenografia > Marco Fonseca
Montagem > Marco Fonseca e Nuno Figueira
Operação técnica > Nuno Figueira
Registo vídeo > Patrícia Poção
Produção executiva > Natália Alves
Direcção de produção > Maria Folque
Produção > Teatro Meridional
Direcção artística do Teatro Meridional > Miguel Seabra e Natália Luiza

2. Recortes de imprensa:

 (i) Local.pt

(...) "Os Lusíadas, obra maior da nossa Literatura e da Literatura Universal,  tem, entre nós, vários defices: é semi-odiada quando somos alunos do ensino secundário; é apreciada sem ser conhecida quando crescemos; é uma vaga referência cultural ligada, pelo menos, à toponímia de alguns centros urbanos; e, para muito poucos de nós, portugueses e falantes do Português, é uma grande estória primordial de Ser Humano, uma síntese de algumas das ideias que moldaram e moldam a nossa vida e a nossa Cultura. Este projecto pretende ser uma proposta de actualização desta estória: no seu pensamento, nas suas referências históricas, no nosso imaginário colectivo, na sua arte maior de poesia. Não vou recitar os dez cantos de Os Lusíadas, vou dizê-los com o coração" [, António Fonseca].

(ii) RTP > Antena Um:

(...) De fio a pavio, a obra maior de Luís Vaz de Camõe foi dita, hora a hora, no palco do grande auditório do Centro Cultural Vila Flor [, Guimarães 2012]. Um projeto do ator António Fonseca, que há alguns anos se embrenha pelas estrofes de "Os Lusíadas". É dito um canto por hora. O último, o Canto X, junto com várias famílias entusiastas de Guimarães. Em palco quase cem pessoas numa produção que foi apresentada a 9 de junho [de 2012]. A antena 1 assistiu a um dos ensaios. (...)

(iii) UCV.UC > Televisão Web da Universidade de Coimbra  > You Tube > "Os Lusíadas - A Viagem", com António Fonseca (vídeo 3' 50'')


(...) 8816 Versos

Título original:
8816 Versos
De:
Sofia Marques
Classificação:
M/12
Outros dados:
POR, 2012, Cores

É dito que Camões terá demorado 20 anos a escrever os 8816 versos que compõem Os Lusíadas.
António Fonseca dedicou quatro anos da sua vida a torná-los seus. Neste filme, é documentado o ano que antecedeu a apresentação final da falação d' Os Lusíadas, a 9 de junho de 2012, no âmbito dos Festivais Gil Vicente em Guimarães, que deu os versos de Camões a ouvir e a dizer. Texto: Cineclube de Guimarães. (...) 

_________________

Notas do editor:

(*) Último poste da série > 9 de março de 2013 > Guiné 63/74 - P11218: Agenda cultural (255): Convite para o 5.º encontro da "Tertúlia Fim do Império”: Messe da Batalha/Porto, dia 14 de Março, pelas 16h00 (Manuel Barão da Cunha)

(**) Apontamentos sobre Os Lusíadas (Excertos)


Rota da primeira viagem de Vasco da Gama

Vasco da Gama partiu de Lisboa com três navios e um barco de mantimentos em Julho de 1497. Fez escala na Ilha de Santiago, em Cabo Verde, e daí navegou directamente para Sul, no que viria a ser a mais longa viagem por mar até então empreendida. Virou a sudoeste para evitar as calmarias  do Golfo da Guiné, depois a sueste para alcançar novamente a Costa Africana. Passados 90 dias sem avistar terra, aportou à Baía de Sta. Helena, na África do Sul, em Novembro de 1497. Passou o Cabo da  Boa Esperança com alguma dificuldade devido às tempestades. Depois de ultrapassar o limite das  navegações de Bartolomeu Dias, a expedição iniciou as suas descobertas próprias: Natal, no dia 25 de  Dezembro, o rio Zambeze um mês mais tarde, a Ilha de Moçambique em começos de Março. A frota  atingiu Mombaça, o actual Quénia, depois Melinde, mais a norte, em Abril de 1498, onde puderam manter  relações amigáveis com o rei local e obter um piloto árabe famoso (Ahmad Ibn Majid) que levou os  barcos até à Índia. Empurrada pela monção de sudoeste, a frota estava à vista da Índia em 18 de Maio.  O desembarque realizou-se quatro dias mais tarde.

Depois de três meses de negociações com alternativas de amizade e de hostilidade aberta,  Vasco da Gama iniciou o caminho de regresso trazendo os navios carregados de especiarias e de outras mercadorias de preço. Largando a 29 de Agosto de 1498, chegou a Lisboa depois de grandes dificuldades e de ter perdido um navio, nos finais do Verão de 1499. (...)

(---) A forma

"Os Lusíadas" foi lido pela 1ª. vez a D. Sebastião e editado em 1572, após a  necessária autorização e licença da Inquisição. O poema está dividido em 10 cantos e é constituído por 1102 estrofes [, 1102 x 8 = 8816 versos, 88 160 sílabas métricas]. O canto mais longo é o X com 156 estrofes. As estrofes ou estâncias são oitavas e cada verso é  composto por 10 sílabas métricas (verso decassilábico ou heróico). As estrofes apresentam  o seguinte esquema rimático invariável: a b a b a b c c, rima cruzada nos 6 primeiros versos  e emparelhada nos dois últimos. (...)

Guiné 63/74 - P11255: Notas de leitura (465): Texto policopiado e publicado pelo Comissariado Nacional da Mocidade Portuguesa - Ultramar (3) (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 27 de Novembro de 2012:

Queridos amigos,

Deve-se a Manuel Belchior, funcionário ultramarino, uma recolha admirável das lendas e contos dos Mandingas, foi o seu trabalho de campo no Gabu.
A batalha de Cam Salá foi traumática para a etnia Mandinga que viu reduzido o seu poder em toda a região Leste, procedeu a uma emigração para a região de Farim – Binta, alguns milhares desceram até ao Sul. Esta lenda confirma a avalancha do exército Fula e o suicídio dos Mandingas que não suportavam a ideia de ficarem submetidos aos Fulas.

Seguir-se-ão outros dois textos “A deposição de Alfa Iaiá” e “A canção de Cherno Rachide”.

Um abraço do
Mário


A batalha de Cam Salá

Beja Santos

Mandinga, não estragues o meu milho!
Se o estragas, fujo para Firdu
onde te custará fazer a guerra.
Aqui, no Gabu, tens vida agradável
e podes usar calções largos

(Estribilho da canção intitulada “Chedo”)(1)


Os mandingas, senhores do Gabu, procediam de modo tão insensato para com os fulas estabelecidos na região, que estes tinham todos os motivos para se sentirem descontentes.

Não só a tributação paga em cabeças de gado era exagerada, mas também os senhores mandingas, quando chegavam às “moranças” fulas, levavam os seus cavalos aos celeiros, onde os animais comiam os cereais armazenados.

Os fulas, desanimados, ameaçavam fugir para o Firdu onde se acolheriam à proteção do rei daquele país, Alfá Moló, e diziam aos seus opressores ser preferível eles continuarem a usar os grandes calções próprios das festas dos tempos de paz do que terem de recorrer a uma guerra de resultado incerto.

Os senhores mandingas não tomaram a sério estas razões, e os fulas, tendo recebido auxílio dos seus irmãos do Futa Djalon, desistiram de fugir para Firdu e lutar pela independência. Unidos aos futa-fulas e valendo-se da supremacia do número, derrotaram os mandingas em Beré Colon.

Nas lutas que se seguiram, quase sempre com desvantagem para os mandingas, estes viram cada vez mais reduzida a área do seu domínio, que acabou por confinar-se à região de Cam Salá, cujo régulo, Djanqué Uali Sané, era guerreiro de uma bravura intemerata.

Preparou Djanqué a defesa do seu último reduto e, sabendo que os Fulas lhe dariam pouco tempo de tréguas, fortificou rapidamente a sua tabanca e mandou comprar pólvora a todos os comerciantes brancos dos territórios vizinhos (portugueses, franceses e ingleses).

Quando, depois de ter desprezado todas as propostas para se converter à fé islâmica (condição exigida pelos Fulas para o deixarem em paz) soube que um grande exército se acercava de Cam Salá, mandou o seu sobrinho Turá Sané averiguar o número aproximado dos seus inimigos.

Partiu Turá em reconhecimento e, quando numa vasta planície avistou os invasores, não pôde fazer ideia da sua quantidade, porque eles eram tantos que os seus olhos não alcançavam o fim. Pôs-se de pé em cima do cavalo e o resultado foi o mesmo.

Voltou então para junto do seu tio e, quando este perguntou quantos eram os Fulas, encheu de areia um grande pano e apresentou-o a Djanqué, dizendo-lhe:
- Conta os grãos de areia que aqui estão e saberás o número dos Fulas.

O régulo ficou irritado com a resposta e chamou-lhe exagerado e medroso.

Quando começou a discussão sobre a maneira de conduzir o combate, que calculavam ser já no dia seguinte, Turá e o tio não estiveram de acordo, pois o rapaz pedia muita pólvora e Djanqué queria poupá-la, preferindo que os Mandingas combatessem à espada em que eram individualmente muito superiores aos adversários.

No mais aceso da discussão, Djanqué gritou:
- Se me pedes mais pólvora, mato-te.
- Pois se não me dás pólvora, vou-me embora, porque não quero assistir ao fim da nossa raça - respondeu-lhe o sobrinho.

Furioso, o régulo quis matar o rapaz dizendo que não podia suportar que um homem do seu sangue fosse um cobarde, mas um velho “judeu” para o dissuadir disso, observou-lhe:
- Estás enganado. Turá não é do teu sangue. A mulher do teu irmão não era pessoa séria.

Ficou Djanqué mais sossegado com a explicação do bardo e, mandando abrir as portas da tabanca fortificada, trovejou apontando o sobrinho:
- Todo aquele cuja mãe seja da qualidade da deste cobarde, pode sair.

Com estas palavras limitou o número daqueles que acompanhavam Turá e ficou certo de que os que ficavam estavam dispostos a morrer.

Nessa noite, os “judeus”, nas suas canções, lembraram a Djanqué toda a sua vida guerreira que culminara com a fundação de Cam Salá. Emocionado pelas recordações da sua glória passada, o régulo jurou que morreria na sua tabanca se a sorte não o favorecesse no próximo combate.

No outro dia, de manhã cedo, começou o ataque dos Fulas que, fazendo o uso de escadas, tentavam entrar na fortaleza. Os experimentados guerreiros Mandingas cortavam cabeças em tão grande número que, para não serem incomodados pelo sangue que secava nas suas mãos, as metiam de vez em quando em caldeirões de água quente.

Os mortos Futa-fulas amontoavam-se em tal quantidade junto às paredes exteriores que as escadas já eram desnecessárias. Mas por cada um que morria, dez outros se apresentavam no alto da muralha.

A certa altura, os “batulás” de Djanqué avisaram-no de que era impossível evitar a entrada do inimigo na tabanca, pois os guerreiros Mandingas já tinham os braços cansados de tanto matar e o ataque Fula não afrouxava .(2)

Então o régulo mandou abrir o paiol da pólvora e disse aos “batulás”:
- Deixem entrar os Fulas. Esta tabanca chama-se Cam Salá. Agora passará a chamar-se Turo Bã (acabou a semente) porque aqui será o fim de Fulas e Mandingas.

Depois, rodeado das suas mulheres, preparou-se para fazer explodir a pólvora, esperando somente que entrasse o maior número de Fulas na fortaleza. A certa altura, um dos inimigos conseguiu chegar junto das mulheres do régulo e agarrar o braço de uma delas, mas Djanqué cortou-lhe a cabeça. A mulher lastimou-se:
- Eu sei que vou morrer, dizia ela, mas custa-me levar para outro mundo cheiro de Fula.

O marido ainda teve presença de espírito para mandar lavar o ponto em que o soldado tocara.

Finalmente, quando já não havia mais nada a esperar, Djanqué Uali deitou fogo à pólvora e, numa explosão tremenda, sucumbiram os Fulas e os Mandingas que se encontravam dentro da tabanca. Somente uma menina foi projetada para muito longe. Havia de ser alguns anos mais tarde, a mãe de Alfá Iaiá, rei de Labé.(3)

Assim acabava o domínio Mandinga no Gabu, mas as perdas dos Futa-fulas havia sido tão honrosa que o marabu que os acompanhara e dissera que a empresa seria fácil teve vergonha de voltar ao Futa Djalon e pediu a Deus que o transformasse em árvore.

A menos de 500 metros das ruínas de Cam Salá encontra-se uma grande árvore solitária de uma espécie a que os Mandingas chamam sotô.(4) 

É o marabu do Futa.
______
(1) -“Chedo”, em idioma fula, significa mandinga, que é a palavra com que abre a canção 
(2) - Batulá significa grande guerreiro e conselheiro militar
(3) - Ainda que Alfá Iaiá fosse Fula por seu pai (e é o pai que define a raça quer entre Fulas, quer entre Mandingas) ele foi muito mais estimado entre os Mandingas, a cuja etnia pertencia a sua mãe 
(4) - A batalha de Cam Salá foi travada em 1866, perto de Pirada, região do Gabu 



____________

Notas do editor:

Vd. postes anteriores de:

1 de Março de 2013 > Guiné 63/74 - P11174: Notas de leitura (460): Texto policopiado e publicado pelo Comissariado Nacional da Mocidade Portuguesa - Ultramar (1) (Mário Beja Santos)
e
4 de Março de 2013 > Guiné 63/74 - P11190: Notas de leitura (461): Texto policopiado e publicado pelo Comissariado Nacional da Mocidade Portuguesa - Ultramar (2) (Mário Beja Santos)

Vd. último poste da série de 11 DE MARÇO DE 2013 > Guiné 63/74 - P11238: Notas de leitura (464): O arquiteto Luís Possolo na Guiné, pelos anos 50 (Mário Beja Santos)

Guiné 63/74 - P11254: O Mundo é Pequeno e a nossa Tabanca... é Grande (63): O Benito Neves, de Abrantes, no restaurante A Lúria, S. Pedro de Tomar, com o Luís Graça, que foi ao lançamento de um livro a Tomar... Recordando com saudade o Victor Condeço (Entroncamento) e o José Henriques Mateus (Lourinhã)


Foto nº 319 > Tomar: Restaurante A Lúria, freguesia de São Pedro de Tomar, perto da Barragem de Castelo de Bode... O Benito Neves e o Luís Graça


Foto nº 310 > Tomar: Barragem de Castelo Bode, no rio Zêzere, afluente do Rio Tejo [Foi construída entre 1945 e 1951]


Foto nº 394 > Tomar: Rio Nabão: moínhos e lagares de El-Rei 


Foto nº 350 > Tomar: Parque do Mouchão e Rio Nabão


Foto mº 380 > Tomar: Parque do Mouchão e Rio Nabão



Foto nº 332 > Tomar_ Parque do Mouchão


Foto nº 323 > A antiga rua da Judiaria, onde fica a antiga sinagoga (descoberta em 1923 pelo avô do Pepito, Samuel Schwarz, e pai da Clara Schwarz, a decana do nosso blogue; hoje monumento nacional, e museu hebraico Abraão Zacuto)...No sítio oficial da Sinagoga de Tomar pode ler-se: "Em 1921, na sequência de uma visita (1920) de membros da Associação de Arqueólogos Portugueses, viria a ser classificada como Monumento Nacional. Em 1923, Samuel Schwarz, um judeu polaco engenheiro de minas chegado a Portugal seis anos antes, adquiriu a Sinagoga de Tomar, recuperando-a do estado de abandono em que se encontrava, e doou-a ao Estado Português (1939) para aí ser instalado um museu: o Museu Luso-Hebraico de Abraão Zacuto."...

Há uma Associação dos Amigos da Sinagoga de Tomar (AAST), criada em 28 de Junho de 2011, em Tomar. "Sem fins lucrativos, a Associação tem objectivos de carácter técnico, cultural e científico, nomeadamente preservar a identidade religiosa bem como restaurar e conservar os bens culturais que lhe estão associados (...) A Direcção da Associação é presidida por João Schwarz da Silva, neto de Samuel Schwarz [, e irmão do nosso amigo Pepito,] que doou a sinagoga ao Estado português por escritura datada de 28 de Março de 1939".




Foto nº 324 > Estátua de Gualdim Pais, o grão-mestre da Ordem do Templo, que em 1160 fundou a cidade e mandou erguer o castelo. Tomar tem um valiosíssimo património que é preciso conhecer e divulgar... As fotos acima são uma pequena amostra. faltam aqui jóias da coroa como o Convento de Cristo, por exemplo... O giro que dei, revisitando a cidade, foi curto (LG)...


Fotos (e legendas): © Luís Graça (2013). Todos os direitos reservados.


1.  Que este Mundo é Pequeno, é... Já o sabíamos. Ainda ontem, os 115 cardeais da Igreja Católica foram buscar, quase aos confins do mundo, a Argentina, o sucessor de Pedro, o novo papa Francisco I... Que a nossa Tabanca é Grande, é... Já somos 609 os grã-tabanqueiros... E estamos espalhados um pouco por todo o lado, do Minho...ao Canadá. Não disse Timor, porque não tenho a certeza.

Mas temos amigos e camaradas um pouco por todo o lado... Por exemplo, em Tomar, em Abrantes....  A prova dísso é que ontem fui fazer a Tomar a apresentação de um livro, de um antigo aluno meu, o doutor Luís Morais, e antes passámos pelo restaurante "A Lúria", para almoçar... E sabem quem é que vou encontrar na mesa ao lado ? Nada mais nada menos do que o Benito Neves, que é de Abrantes, e que estava ali com a mãe e com a esposa, a celebrar o 90º aniversário da mamã... Que bela, senhora, que bela cabeça!... Ele com 70, a mamã com 90... Que fantástico e inesperado encontro!...

Não o conhecia pessoalmente, foi aliás ele que me reconheceu... Viemos os dois ao cheiro do sável e da lampreia, pois claro. Fiquem, de resto, aqui com a referência: "A Lúria" é uma das catedrais da gastronomia da região, já lá tinha ido antes duas vezes... Tomem boa nota do sítio, do preço e dos  pestiscos (*).

Recorde-se que o Benito Neves, bancário reformado (há 14 anos, acrescentou ele) foi fur mil atirador da CCAV 1484, Nhacra e Catió, 1965/67, sendo membro da nossa Tabanca Grande desde Abril de 2007.

2. Estando com o Benito, tivemos que falar inevitavelmente do nosso saudoso Vitor Condeço (1943-2010), que era natural do Entroncamento, e um dos nossos grã-tabanqueiros que a morte já levou nos seus frios e cruéis braços... O seu desaparecimento afetou-o muito, ao Benito. Éram amigos e contemporâneos de Catió. Eis o que,  já na fase terminal da doença do Victor,   nos escreveu o Benito:

(...) O Victor é meu 'amigo do peito' desde há muito tempo, inclusivé estivémos juntos em Catió. E apadrinhou a minha entrada na Tabanca Grande.

A meu convite tem participado nos almoços de confraternização da minha Companhia, que esteve adida ao Batalhão do Victor, embora não eu fizesse parte do Batalhão. Era uma Companhia independente que esteve em Catió em intervenção ao Sector.

Entre muitas vezes que nos encontramos, em finais de Abril estive com o Victor Condeço na festa de aniversário do meu "cabo pastilhas" e nada fazia prever que 30 dias depois se viesse a revelar a doença [que ele tem]. Desde que nos reencontrámos há uns anos - e foi através do blogue - que temos contactado e privado com frequência. Tornámo-nos mais amigos.

Ontem voltei a telefonar ao Victor. Atendeu-me o genro (o Victor só esporadicamente atende o telefone). O Victor apercebeu-se de que era eu e quis falar comigo (...).

Um camarada nosso, ex-Fur Mil da minha CCav 1484, é médico homeopata e também tem estado a acompanhar o Victor com a ajuda possível (...).

Há alturas na vida muito difíceis, tanto mais quando temos apenas palavras parapoder dar força num sofrimento que quereríamos ver atenuado.

Estou triste mas a acompanhar a situação muito de perto e a dar a ajudapossível. No meu intimo temo perder um amigo que ao mesmo tempo é um homem bom,mas ao mesmo tempo quero acreditar em milagres.

Desculpa este meu desabafo, mas sei que gostas de saber o que se passa com o pessoal da tua Tabanca Grande. (...) 


3. Inevitável foi também falarmos do trágico (e ainda hoje misterioso) desaparecimento do José Henriques Mateus, soldado da companhia do Benito, a CVAV 1484, que era natural do meu concelho, Lourinhã. Nascido à beira-mar, na Areia Branca, entre moinhos e dunas de areia, era muito provável que o Mateus soubesse nadar... É por isso muito estranho o seu desaparecimento no Rio Tombar, no sul da Guiné (actual região de Tombali) e sobretudo, uns dias depois, a localização da sua camisa com uma imagem da Nossa Senhora de Fátima, uma nota de 50 pesos e a sua identificação... Essa estranha e trágica história já foi contada, em 2007, pelo seu e nosso camarada Benito Neves. Disse-lhe que está prevista, para este ano, uma homenagem de gente da terra ao malogrado José Henriques Mateus.

A companhia teve este desaparecimento em combate. E outra baixa mortal, por acidente no quartel. Teve muitos feridos em combate. Procurei animar o Benito para que ele possa continuar a colaborar connosco. Sei que ele nos lê com regularidade. Falou-me do fabuloso arquivo fotográfico do Victor Condeço que seria uma pena perder-se um dia. Temos dezenas cópias, digitalizadas, que ele nos mandou em vida, mas julgo que estão longe de ser a totalidade do seu espólio. Segundo o Benito, ele tinha um laboratório de fotografia em Catió. Seria uima alegria  um dia podermos fazer uma exposição fotográfica sobre Catió, com o material do Victor, e em sua homenagem Oxalá a família queira e possa colaborar connosco. Seria também preciso encontrar um parceiro institucional que quisesse financiar e  patrocinar  a exposição... 

Enfim, ainda falámos uns longos minutos, enquanto não vinha o sável e a lampreia... Mas não me ocorreu perguntar ao Benito se o meu primo, o alf mil capelão Hiorácio Fernandes , natural de Ribamar, Lourinhã. ainda foi do seu tempo: ele esteve em Catió, na CCS/BART 1913, entre setembro de 1967 e maio de 1969.   Mas reparo agora  que ele já não deve tê-lo apanhado, uma vez que a CCAV 1484 esteve de intervenção ao setor de Catió de 8 de junho de 1966 a finais de julho de 1967... 

Benito, fiquei por feliz por te encontrar num sítio como A Lúria, na companhia da tua esposa e da tua mãe. Muita saúde, e alegrias para a família toda. Seria bom voltarmos a encontrar-nos, agora em Monte Real, no dia 22 de junho de 2013, no nosso VIII Encontro Nacional, em que vamos celebrar os 9 anos de vida do nosso blogue.

__________________

Notas do editor:

(*) Restaurante "A Lúria" (=toca do coelho)... Era uma antiga taberna, até 1979...Francisco Rodrigues transformou-na num dos melhores, se não o melhor, restaurantes da região dos templários. Fica em Portela, freguesia de São Pedro de Tomar ( a 9 km de Tomar e a 3 da barragem de Castelo de Bode)... Tome-se a estrada de Santa Cita para o Castelo do Bode. Tudo ali é bom... Veja-se o que diz o Expresso > Escape (e eu confirmo):

(...) É um dos restaurantes mais conhecidos da região de Tomar e nas duas salas de refeição desfilam bons pratos regionais e de cozinha tradicional portuguesa. Quem diria que a velha tasca do Chico da Beca fosse transformada, pelo talento da filha, num templo de bem comer! Assim, para começar chegam umas cilercas [, cogumelos] com ovos, seguindo-se um desfilar de pratos saborosos e bem confecionados, como é apanágio da casa: polvo no forno com migas, cabrito assado no forno e magusto de carnes grelhadas com cilercas. Em época própria, a lampreia e o sável são imperdíveis. (...)

(**) Último poste da série > 4 e fevereiro de 2013 > Guiné 63/74 - P11053: O Mundo é Pequeno e a nossa Tabanca...é Grande (62) ): Aníbal Silva, através da filha, procura e encontra o seu antigo comandante do 1º Pel da 1ª CCAÇ/BCAÇ 4513 (Buba, 1973/74), António Manuel Gaudêncio Nunes, ex-alf mil op esp, natural de Lisboa

Guiné 63/74 - P11253: Parabéns a você (547): António da Silva Batista, ex-Soldado da CCAÇ 3490 (Guiné, 1972/74)

____________

Nota do editor

Vd. último poste da série de 14 de Março de 2013 > Guiné 63/74 - P11248: Parabéns a você (546): Leopoldo Correia, ex-Fur Mil da CART 564 (Guiné, 1963/65)

quinta-feira, 14 de março de 2013

Guiné 63/74 - P11252: (In)citações (51): Os verdadeiros amigos dos bissau-guineeneses servem para que se digam palavras duras e chamadas de atenção e não apenas para pancadinhas no ombro e as habituais 'mantenhas' (Francisco Henriques da Silva, ex-alf mil, CCAÇ 2402, Có, Mansabá e Olossato, 1968/70, e antigo embaixador em Bissau, 1997/99)


1. Mensagem de Francisco Henriques da Silva, com data de 10 do corrente, comentando um comentário ao poste P11200 (*) [, O Francisco foi aolf mil da CCAÇ 2402/BCAÇ 2851, , Mansabá e Olossato, 1968/70, e mais tarde  ex-embaixador de Portugal, na Guiné-Bissau, 1997/1999] [, foto à esquerda, 26 de Abril de 2012, Lisboa, Bertrand Dolce Vita Monumental, tertúlia,; foto de L.G.]


Meu caro Luis Graça,


Desculpa a resposta tardia, mas estou fora, ausente no estrangeiro e  nem sempre com acesso fácil à Internet. Agradeço as tuas palavras elogiosas e amigas que provavelmente não mereço.

A Guiné interessa-me no seu todo e não me concentro unicamente nos  episódios de guerra, no companheirismo de então, nos avatares da nossa  vida jovem perturbada com essa ida às "Áfricas." Vivi períodos distintos na Guiné e guerras diferentes. O passado, o presente e o futuro daquele país, a vida social, política, económica, religiosa, cultural interessam-me muito e, como sabes, sou muito crítico em
relação ao que se está a passar naquele país, não no sentido de  interferir com a vida do povo bissau-guineense (eles que decidam colectivamente o que querem fazer), mas de algum modo contribuir para
tornar aquele "non state", estado "soft", frágil ou, mesmo, país falhado numa realidade mais benigna e optimista, ou seja num Estado viável, mas essa tarefa recai nos ombros dos bissau-guineenses e não
nos nossos. 

Aliás, os verdadeiros amigos servem para que se digam palavras duras e chamadas de atenção e não apenas para pancadinhas no ombro e as habituais "mantenhas". Vou procurar, na medida do possível,
dar uma colaboração mais frequente ao blogue e tenho já várias coisas na calha.

Por outro lado, tu sublinhas um ponto fundamental: nós, nos anos 60-70, saídinhos do remanso das nossas vidas sem grande história, iguais a tantas outras, das nossas cidades, aldeias, campos e ilhas,
não fazíamos ideia do que é que íamos encontrar. Que povos? Que  história? Que clima? Que línguas falava aquela gente? Que dificuldades  iríamos encontrar? Etc. Sim,  como dizes, com toda a razão: O exército preparou-nos mal, não só técnica e militarmente falando, como sobretudo no plano psicossocial e cultural... " Esta é uma verdade insofismável. Por aqui me fico.

Com um abraço cordial e amigo
do Francisco Henriques da Silva (**)

______________

Notas do editor

(*) Vd. poste de 6 de março de 2013 > Guiné 63/74 - P11200: Notas de leitura (462): Rosa no Pais das Flores da Luta, por Maria do Céu Mascarenhas (Francisco Henriques da Silva)

(...) Comentário de Luís Graça:

Camarada Francisco Henriques, obrigado pela tua importante, oportuna, elegante, competetentíssima e completíssima "recensão" do livro da nossa amiga M.C. Macarenhas...

Tudo o que diga respeito à Guiné e aos guineenses nos interessa... Vem tarde, mas ainda é útil. Para nós, para eles...

Recordo o tempo (miserável) em que íamos combater (e morrer) naquela terra, apenas com meia dúzia (?) de clíchés na cabeça... O exército preparou-nos mal, não só técnica e militarmente falando, como sobretudo no plano psicossocial e cultural... Valeu-nos, a todos nós, desde os oficiais do quadro aos milicianos e aos soldados do contingente geral, um certo jeito, muito nosso, muito português, de estar na vida e no mundo em relação com os outros, que são diferentes de nós...

A mim e aos demais 49 quadros e especialistas metropolitanos da CCAÇ 2590 (, futura CCAÇ 12,) deram-nos 100 recrutas, das mais diversas idades, de djubis a homens grandes, fulas de Badora e do Cossé, que não diziam direito duas palavras seguidas de português... Fulas, a grande maioria, futa-fulas (menos de 20), 2 mandingas, 1 macanhe de Bissau (...).

(**) Último poste da série > 7 de março de 2013 > Guiné 63/74 - P11207: (In)citações (50): "A Voz da População", um filme dos nossos amigos da AD-Bissau, sobre a experiência pioneira das rádios comunitárias... Com a Rádio Voz Quelelé à cabeça, são já 30, cobrindo praticamente todo o país