sábado, 12 de outubro de 2019

Guiné 61/74 - P20233: Os nossos seres, saberes e lazeres (359): A minha ilha é um cofre de Atlântidas (1) Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil Inf, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 9 de Maio de 2019:

Queridos amigos,
Regressa-se à ilha por devoção, jamais por obrigação. A ilha é um lugar, tem referentes e referências afetuosas indeléveis, faz parte da vida corrente. Um dia, numa outra viagem, olhava-se com deleite a fachada da Igreja do Colégio, um dos primores do barroco nesta região arquipelágica, passou rente alguém com pesados óculos escuros, logo se reconheceu o emérito professor de Cultura Portuguesa, professor Machado Pires, houve abraços, o professor levou o antigo aluno a sua casa, ali bem perto, tinha um livro de poesia para lhe oferecer, falou-lhe do que andava a escrever, de um bicho infestante da madeira que tudo carcomia, e depois saíram de braço dado como se fossem para o Teatro Micaelense, pelo caminho falou-se de Cortes Rodrigues e de Canto da Maia.
É assim a relação do viandante que aqui se faz habitante, e está plenamente convicto que será sempre assim, até ao fim dos seus dias, aqui se rende ao amor pela Natureza, vive enamorado pela identidade das ilhas, da sua bruma, dos seus romeiros.
É-se mais português nesta lava vulcânica, tenho dito.

Um abraço do
Mário


A minha ilha é um cofre de Atlântidas (1)

Beja Santos

Este lugar é por definição inesgotável na rota do viandante; inesgotável e incontornável. Tudo começou em outubro de 1967, chegou-se numa noite chuvosa ao porto de Ponta Delgada, rumou-se imediatamente para os Arrifes, esperavam-no duas recrutas em cheio, aqui recebeu instruções para partir para a Amadora, formar batalhão para a Guiné. Foi um tempo de grandes descobertas. Voltou a ler o “Enigma da Atlântida”, de Edgar P. Jacobs, este sumo-sacerdote da banda desenhada belga fez uma ficção científica de um mundo estuante de técnica prodigiosa nas profundezas da Caldeira das Sete Cidades. Criaram-se novas amizades, o viandante, aos poucos, descobriu que era capaz de liderar, coisa insuspeita, neste caso essencial para os anos que tinha pela frente, por lalas e bolanhas. Aqui regressou no regresso da Guiné, em 1970, aqui vem em intermitência, não é uma peregrinação de uma qualquer saudade, é amor ínsito por um lugar que nada tem a ver com poiso de turismo. Chega ao aeroporto, sito num lugar chamado Relva, um amigo do coração chamado Mário Reis leva-o até aos Arrifes, nada estava previsto, o viandante ainda conversou com um magala à Porta de Armas da unidade militar que passou a substituir o Batalhão Independente de Infantaria N.º 18, do seu tempo, foi apontando para lugares por onde cirandou, depois partiram, seguiu-se a Covoada, o passeio interrompe-se no Pico do Carvão, desfruta-se um panorama que vai de S. Vicente Ferreira ao Porto Formoso, é de cortar o fôlego.





Antes de se atingir o primeiro objetivo da estada, as Sete Cidades, ainda se foi à Candelária e depois à Lagoa das Empadadas. O que temos em frente são as Sete Cidades na Vista do Rei, as cores azul e verde, com cambiantes, as nuvens definem os tons da paleta, não se sabe se estamos numa ilha ou num subcontinente, inegável que é uma entrada para o paraíso, abençoado sejas, vulcão adormecido ou coisa que o valha.



À chegada, um enigma da Atlântida, que serás tu, talvez uma palmeira ou da família? O assunto irá resolver-se, se há abordagem que sempre resulte com um micaelense é fazer perguntas sobre a Natureza, perguntar nome de plantas, de pedras, coisas do passado. Imagine-se que o viandante passou pela Igreja-Matriz, de nome S. Nicolau, estava lá uma senhora que com exuberância foi explicando restauros e quando se chegou à imagem do santo patrono observou: “O restauro está perfeito, menos a cara, vamos mandar retocá-la, parece um miúdo, tem que parecer mais velho”.




Entardece, o dia mantém-se claro, passaram umas nuvens escuras, toca de ir passear até à berma da lagoa, é um silêncio de clausura, o viandante senta-se, rememora outras viagens, reza pelos amigos que já partiram, pelos amigos micaelenses que andam bem doentes, tem dois dias pela frente para aqui vagabundear, veio com disponibilidade para fruir, deitou o saco de ansiedades para trás das costas. E respirar esta paz, é março, despede-se do leitor mostrando as azálias em floração, está tudo pintalgado de vermelho, mais vermelho floral aparecerá nas próximas semanas.





Já anoiteceu, nesta calmaria apanham-se estes raios de sol que brilham numa falsa mancha de óleo, esta lagoa é como Proteu, muda de feições, é caleidoscópica, mágica. Por isso é que Edgar P. Jacobs aqui se inspirou para a sua Atlântida.


(continua)
____________

Nota do editor

Último poste da série de 5 de outubro de 2019 > Guiné 61/74 - P20208: Os nossos seres, saberes e lazeres (358): Montechoro, Albufeira, Lagos, Sagres (3) Mário Beja Santos)

Guiné 61/74 - P20232: Recordações e desabafos de um artilheiro (Domingos Robalo, fur mil art, BAC 1 /GAC 7, Bissau, 1969/71) - Parte V: Rumo a Fulacunda, com o 22º Pel Art, passando por Bolama, e com batismo de fogo



Guiné > Região de Quínara > Fulacunda > 3.ª CART / BART 6520/72 (Fulacunda, 1972/74) > Foto nº 2 > "Porto fluvial", no Rio Fulacunda > Chegada de uma LDP.

Foto (e legenda): © Jorge Pinto (2014). Todos os direitos reservados.[Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné.]



[ Domingos Robalo:

(i) tem página no Facebook desde março de 2009 e administra também o grupo Artilharia de Campanha na Guiné-BAC1/-GAC7;

(ii) filho de militar, foi fur mil art, BAC 1 / GAC 7, Bissau, 1969/71;

(iii) vive em Almada, está ligado à Universidade Sénior Dom Sancho I, de Almada, onde faz voluntariado, desde julho de 2013, como professor da disciplina de "Cultura e Arte Naval";

(iv) trabalhou na Lisnave; é praticante de golfe;

(v) e passou a integrar a Tabanca Grande, com o nº 795, desde 21 de setembro último]




Recordações e desabafos de um artilheiro (Domingos Robalo, fur mil art, BAC 1/ CAC 7, 1969/71) > Parte V


Ah…já sabia pelo Jacinto onde era Fulacunda, e quem estava por lá. Os Boininhas. Mas o lugar não era dos mais pacíficos...

Cerca de cinco (5) dias depois, não dois como estava previsto, preparamo-nos para embarcar em três LDM (Lancha de Desembarque Média), 3 obuses 10,5cm, 27 soldados, três cabos, dois furriéis e eu próprio como Comandante de Pelotão. Para além destes militares, íamos acompanhados das mulheres dos soldados e dos respetivos filhos. Cada soldado tinha em média duas ou três mulheres, filhos já não sei. 


No dia da partida aportámos a Bolama, onde o pessoal pernoitou o melhor que pôde e eu fui também dormir a uma pensão, cheia de Cabo Verdianos que não se calaram durante toda a noite. 


No dia seguinte e após ter “matado o bicho”, cruzei-me com um amigo e colega de escola, o Abel. Abraço para aqui, abraço para acolá, que fazes por aqui? Vou para Fulacunda, e tu estás aqui em Bolama? Sim, vou entrar de serviço. Vou agora á prisão; anda daí. Fez questão que visitasse o local.

Por fora parecia uma pequena prisão. Quando se abre a porta, meu deus!... Grades de ferro separavam muitas celas, assemelhando-se á jaula dos “macacos” no jardim zoológico. Presos, eram às centenas; uns novos outros mais velhos. Percebi logo que aquelas pessoas estavam presas, não por terem cometido crimes cíveis, mas por serem “terroristas”. Estavam simplesmente a ser tratados “abaixo de cão" ou pior. Não encontro outro qualificativo.

Cerca das 10 horas da manhã,  zarpámos de Bolama com destino a Fulacunda. Trinta a quarenta minutos depois estávamos a ser atacados da margem à morteirada.

Eu ia na LDM que fechava o comboio. A primeira morteirada cai ligeiramente à proa por estibordo, a segunda morteirada cai à nossa proa em alinhamento com o nosso rumo. O intervalo do tiro não foi cadenciado, pelo que a terceira morteirada caiu a ré da LDM, sem nos ter atingido.

Entretanto o patrão da lancha, pede instruções a Bissau se pode bater a zona com as “Boffers”. Pedido recusado,  e lá vamos navegando sem ter respondido com um tiro. Estranha guerra esta, pensei para com os meus botões, agachado entre o resguardo da “Boffer” e a borda falsa da zona da ponte.

Ao princípio da tarde, aportámos ao porto improvisado de Fulacunda, a alguma distância, por caminho de picada e envolto por capim que assustava.

Tenho a imagem de ter sido recebido de forma simpática e informal pelo jovem Capitão, vestindo uma T-shirt branca e com boina na cabeça.

Já não me recordo quem o acompanhava, mas vi, na forma disciplinada e organizada, que aqueles soldados tinham estima pelo seu Comandante.

Como no início referi, desde muito novinho que aprendi, na vivência com o meu pai, que comandar implicava cumplicidade com os subordinados, não só no tratamento e no trato, sem se perder a disciplina e a hierarquia.

No dia seguinte apresentei-me bem uniformizado ao Comandante, com a formalidade que um militar deve ter ao apresentar-se a um seu superior:

-Apresenta-se o Furriel Miliciano, Domingos Robalo, 192618/68, que por estar mal uniformizado não o pude fazer ontem.

O Comandante ficou algo surpreendido, pois certamente não era isto que esperava quando solicitei ao 1º Sargento para ser recebido pelo Comando.

Decidiu-se o local para a posição dos três obuses 10,5cm, recaindo a escolha junto à pista, com espaldões por construir e com algumas árvores a abater para minimizar o “ângulo de sítio” durante o tiro. Daquele local, haveria decerto, algum dia, a necessidade de fazer tiro direto.


(Continua)

_______________

Guiné 61/74 - P20231: Parabéns a você (1693): Cátia Félix, amiga Grã-Tabanqueira

____________

Nota do editor:

Último poste da série de 11 DE OUTUBRO DE 2019 > Guiné 61/74 - P20227: Parabéns a você (1692): Benito Neves, ex-Fur Mil Cav da CCAV 1484 (Guiné, 1965/67); Eduardo Campos, ex-1.º Cabo TRMS da CCAÇ 4540 (Guiné, 1972/74) e Patrício Ribeiro, ex-Fuzileiro Naval (Angola 1969/72), residente na Guiné-Bissau

sexta-feira, 11 de outubro de 2019

Guiné 61/74 - P20230: In Memoriam: Os 47 oficiais oriundos da Escola do Exército e da Academia Militar mortos na guerra do ultramar (1961-75) (cor art ref António Carlos Morais da Silva) - Parte XXIX: Henrique Ferreira de Almeida, alf art (Sátão, 1947 - Guiné, Cabedu, 1968); pertenceu à CART 1689 / BART 1913.







1. Continuação da publicação da série respeitante à biografia (breve) de cada um dos 47 Oficiais, oriundos da Escola do Exército e da Academia Militar que morreram em combate no período 1961-1975, na guerra do ultramar ou guerra colonial (em África e na Ásia). 

Trabalho de pesquisa do cor art ref António Carlos Morais da Silva [, foto atual à direita], instrutor da 1ª CCmds Africanos, em Fá Mandinga, adjunto do COP 6, em Mansabá, e comandante da CCAÇ 2796, em Gadamael, entre 1970 e 1972.


Morais da Silva foi cadete-aluno nº 45/63, do corpo de alunos da Academia Militar. É membro da nossa Tabanca Grande, com o nº 784, desde 7 do corrente.

O alf art Henrique Ferreira de Almeida (1947-1968), morto aos 21 anos, já tem várias referências ni nosso blogue. Pertencia à CART 1689 / BART 1913 (Catió, Cabedú, Gandembel e Canquelifá, 1967/69).
____________

Nota do editor:

Último poste da série > 29 de  setembro de 2019 > Guiné 61/74 - P20187: In Memoriam: Os 47 oficiais oriundos da Escola do Exército e da Academia Militar mortos na guerra do ultramar (1961-75) (cor art ref António Carlos Morais da Silva) - Parte XXVIII: cap inf Artur Carneiro Geraldes Nunes (Sá da Bandeira / Lubango, 1934 - Guiné, Cabedu, 1968)

Guiné 61/74 - P20229: Notas de leitura (1225): Missão cumprida… e a que vamos cumprindo, história do BCAV 490 em verso, por Santos Andrade (27) (Mário Beja Santos)



1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil Inf, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 22 de Maio de 2019:

Queridos amigos,
A história de um batalhão em verso pode franquear as portas à investigação histórica e à convocação de uma série de escritores que, por portas e travessas, conheceram andanças um tanto parecidas como as do bardo. É esta manta de retalhos que se está a pôr em construção. O BCAV 490 tem determinada quadrícula, encontra-se na obra de Hélio Felgas o grande ecrã para o terreno em que as nossas tropas vão atuar, não há ilusões, é tudo áspero e difícil, há que combater e reconstruir, intimidar e fazer frente a guerrilheiros que têm estado a marcar pontos.
O autor do "Tarrafo", Armor Pires Mota, tem muito a testemunhar e na vizinhança, mais propriamente em Binta, as tropas da CCAÇ 675 vão entrar em ação e pôr o PAIGC a respeito, é a todos os títulos indispensável retomar a leitura de um documento extraordinário, o "Diário" de JERO.
Há que confessar que é entusiasmante trabalhar assim.

Um abraço do
Mário


Missão cumprida… e a que vamos cumprindo (27)

Beja Santos

“Em Farim aquartelada
a primeira Companhia.
Para Cuntima e Jumbembem
a nossa tropa seguia.

Quando a gente cá chegou,
fomos logo informados
que havia muitos malvados,
mas ninguém se assustou.
Algum tempo se passou
sem darmos notícias de nada.
20 dias a guerra parada
sem se ver nenhum terrorista
e a companhia do Baptista
em Farim aquartelada.

Com os homens à sua beira
saía o Sr. Capitão
patrulhando toda a região
em direcção à pedreira.
Saía de qualquer maneira,
fosse de noite ou de dia,
para ver se conseguia
alguns bandidos apanhar
e fartando-se de andar,
a primeira Companhia.

2 Companhias navegaram,
por Porto Gole passando,
em Bambadinca pernoitando,
a Bafatá eles chegaram.
A Contuboel e Canhamina passaram.
A 88 para Cambaju vem,
o Batalhão em Sucucó tem
de fazer grande operação
e duas Companhias então
para Cuntima e Jumbembem.

O 500 bom camarada
teve grande acidente.
Ia matando muita gente,
quando saiu fora da estrada.
A camioneta ficou amachucada
e o 502 a cabeça partia,
o 36 um braço torcia,
e o 90 também ficou mal.
E com destino a outro local
a nossa tropa seguia.”

********************

Já se fez recurso ao que nos diz a história da unidade, mas precisamos de um pano de fundo, ninguém desconhece que o estudo da guerra da Guiné, referente a este período, é parcimonioso em bibliografia, de tudo quanto se tem publicado é praticamente ininteligível o pensamento estratégico do Brigadeiro Louro de Sousa, entre 1963 e 1964, e é clamorosa a falta de documentação quanto ao pensamento estratégico de Arnaldo Schulz, é incompreensível a falta de investigação universitária, vive-se num quadro quase fantasioso em que a guerra da Guiné teve um período eruptivo, estendeu-se a guerrilha, as forças portuguesas foram apanhadas desprevenidas, pediram-se reforços, vieram minguados, estendeu-se a quadrícula, gradualmente apareceram mais efetivos, mais Marinha e Força Aérea, mas a guerrilha crescia e em 1968 Salazar terá encontrado um homem providencial para pôr cobro a tantos avanços, o Brigadeiro Spínola, parece que Louro de Sousa e Arnaldo Schulz não deram bem conta do recado. Porquê, em termos historiográficos, não se sabe, é buraco negro.

Dentro dessa pouquíssima bibliografia, e para que se entenda o mundo de que o vate é porta-voz, vamos recorrer a um trabalho de Hélio Felgas, que comandou de 1963 a 1965 o Batalhão de Caçadores 507, não muito longe de onde se irá posicionar o BCAV 490. Em 1967, o então Tenente-Coronel Hélio Augusto de Almeida Felgas escreve “Guerra na Guiné”, publicado pelo Serviço de Publicações do Estado-Maior do Exército. Nada de semelhante tinha aparecido no nosso panorama editorial, a ponto de o autor dizer na introdução: “Até agora a falta de informações, de filmes, de reportagens, de descrições, enfim, de elementos que explicam ao público o que é a guerra na Guiné, tem sido quase completa”. E como se estivesse a escrever um guia que irá culminar na sua autoglorificação, apresenta a Guiné Portuguesa, a sua história, a terra, o clima, a flora e a fauna, vilas e cidades, portos e vias de comunicação, a economia, as etnias, em primeiro lugar; em capítulo subsequente desvela os grupos políticos clandestinos, com especial destaque para o Movimento de Libertação da Guiné, a Frente de Luta pela Independência da Guiné e o Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde; exposto o terreno e os atores, Hélio Felgas vai descrever a guerrilha até final de 1963, é justo e certeiro sobre as insuficiências do Movimento da Libertação da Guiné e da Frente de Luta pela Independência da Guiné; revela-se bem documentado a descrever a eclosão da subversão e luta armada no Sul, enumera os atos de guerrilha do primeiro semestre, referindo igualmente que uma linha dessa guerrilha se estava a estender à área do Xime, o primeiro ataque que aqui ocorreu foi a 29 e 30 de junho; segue-se o alastramento da guerrilha em toda a região do Oio, onde logo no mês de julho foram desencadeadas ações num território que compreendia o quadrilátero Mansoa–Bissorã–Olossato–Mansabá, com alvejamento de viaturas, destruição de pontes e pontões, emboscadas, saques a casas comerciais, etc.

Ten-Cor Hélio Felgas
Atenda-se ao que ele escreve:
“Em poucas semanas todas as estradas da região tinham as pontes e os pontões destruídos ou estavam cheias de abatises. Em especial a estrada Bissorã–Mansabá – que dá acesso mais fácil à zona do Morés – foi metodicamente cortada com o evidente objetivo de evitar que as nossas tropas a utilizassem. Além de criar um vácuo que lhe proporcionasse refúgio seguro em Morés, o PAIGC pretendeu também inutilizar os eixos rodoviários de interesse económico para a Província. O principal destes eixos era a estrada Mansoa–Mansabá–Bafatá, por onde se escoava boa parte da mancarra produzida pelo Leste da Província e alguma da madeira cortada na região do Oio. A povoação de Mansabá, em si, constitui um importante cruzamento de estradas, pois por ela passam, além do eixo Mansoa–Bafatá, ou os de Bissorã–Bafatá e Farim–Mansoa. Esta atuação fez diminuir o trânsito rodoviário para o Leste da Província com o que ficaram sobrecarregados os já congestionados transportes fluviais pelo rio Geba”.

Ao findar do ano de 1963, diz o autor que o PAIGC atuava com certo à-vontade em grande parte do Sul da Província, o movimento das nossas tropas era dificultado ou impedido por milhares de abatises e pela destruição de pontes e outros elementos rodoviários; no extremo leste do canal do Geba, os “bandoleiros” atuavam nas áreas de Porto Gole, Enxalé, Xime e Bambadinca e no Oio conseguiu afixar-se, e procurava alastrar a sua aceleração em todos os sentidos: na direção de Binar e Bula, procurava penetrar na região dos Fulas, e para Norte, através do rio Cacheu, a fim de conseguir fácil ligação com o Senegal.

Os comentários de Hélio Felgas à evolução da situação são por vezes paradoxais e antinómicos: um PAIGC enfraquecido sem obter resultados palpáveis, muito disperso. No entanto, quando o autor descreve 1964, vemos o PAIGC a cortar estradas que ligavam a vila de Farim às povoações de Bigene, Bissorã, Mansabá e Cuntima, surgiram novas infiltrações na direção de Farim. E então escreve que “esta situação agravou-se ainda mais durante os meses de Fevereiro e Março, tendo Farim e Binta sido flageladas pelos terroristas que destruíram novas pontes e pontões e começaram a fustigar as populações nativas da área Jumbembem–Canjambari–Cuntima. Esta actuação levou Fulas e Mandingas a fugirem para o Senegal e originou a paralisação quase completa das serrações locais e da actividade madeireira de que Farim é um dos principais centros da Guiné”.
Mais adiante dirá que esta atividade na área de Farim aumentou, houve mais ataques às serrações madeireiras e destruíram-se as tabancas Fulas da zona fronteiriça de Cuntima:  
“Além disso, o trânsito das estradas tornava-se dia a dia mais difícil e perigoso, pois o PAIGC não só continuava destruindo pontes e pontões, colocando abatises e montando emboscadas, como começava também a implantar minas. A primeira assinalada a norte do rio Cacheu rebentou em Maio, numa altura em que a actividade terrorista alastrava ao porto de Binta e se aproximava de Bigene. Os ataques às tabancas de Genicó e Sansancutoto, respectivamente a oeste e noroeste do porto de Binta, e a destruição da ponte de Sambuiá, indicavam que os terroristas pretendiam interromper as ligações rodoviárias entre Bigene e Farim e tornar ainda mais precária a situação em toda a área. Esta intenção foi confirmada pelas flagelações levadas a cabo contra as povoações de Guidage e de Fajonquito, ambas a oeste de Farim, e pelo ataque à tabanca de Nova Uensacó, organizada em autodefesa e situada apenas a três quilómetros daquela vila”.

Aqui se faz uma pausa, é de crer que já há algum pano de fundo para se perceber o que vai ser a atividade do BCAV 490, temos a história da unidade, temos o “Tarrafo” de Armor Pires Mota e ali perto, em Binta, está a Companhia do Capitão do Quadrado, Alípio Tomé Pinto, haverá um furriel enfermeiro que escreverá um outro livro ímpar, o “Diário da Companhia de Caçadores 675”, escrito por José Eduardo Rodrigues Oliveira da CCaç 675.

A sede do BCAV 490, como atrás se referiu, é Farim, estamos em maio de 1964, as companhias dispersam-se, vão para Cambaju e Canhamina e depois para Jumbembem–Cuntima. É um dispositivo que inclui vários setores e posições: Farim, Jumbembem, Cuntima, Binta e Bigene, com posições em Barro e Guidage.

Transcreve-se o que vem na história do batalhão:
José Eduardo Reis Oliveira
“Quando o BCAV 490 iniciou a sua actividade neste sector, este estava seriamente comprometido pela actividade do inimigo. Os itinerários mais importantes estavam cortados e sempre que qualquer coluna saía das posições era atrevida e fortemente emboscada”.
Dá-se ênfase ao esforço das subunidades para fazer recuar as posições do inimigo, para concluir que:   
“A partir de Fevereiro de 1965, isto é, cerca de oito meses depois do batalhão iniciar a sua acção no sector, a iniciativa do inimigo passou a ser bastante reduzida, limitando-se a reagir fracamente a acções das nossas tropas. No entanto, a área de Canjambari, onde julgava encontrar-se seguro, pois mantinha os itinerários de acesso cortados, tanto o do nosso sector como o do sector vizinho, quando as nossas tropas procuravam desimpedir o itinerário a sua reacção era sempre conduzida com determinação e violência”.

(continua)
____________

Notas do editor

Poste anterior de 4 de outubro de 2019 > Guiné 61/74 - P20205: Notas de leitura (1223): Missão cumprida… e a que vamos cumprindo, história do BCAV 490 em verso, por Santos Andrade (26) (Mário Beja Santos)

Último poste da série de 7 de outubro de 2019 > Guiné 61/74 - P20213: Notas de leitura (1224): História das Tropas Pára-Quedistas Volume IV, é dedicado à Guiné e tem como título História do Batalhão de Caçadores Paraquedistas n.º 12; responsável pela redação e pesquisa Tenente-Coronel Luís António Martinho Grão; edição do Corpo de Tropas Paraquedistas, 1987 (2) (Mário Beja Santos)

Guiné 61/74 - P20228: Guiné-Bissau, hoje: factos e números (3): em bom crioulo nos entendemos (ou não ?): mandjidu, kansaré, muro, djambacu, baloba, balobeiro, ferradia, tarbeçado, doença de badjudeca, rónia irã... O Cherno Baldé, nosso especialista em questões etnolinguísticas, explica para a gente...


Foto nº 1


Foto nº 2 

Guiné > Região de Bafatá >Setor L1 > Bambadinca > Destacamento de Nhabijões  > 1970 > O furriel miliciano Henriques, da CCAÇ 12 (, Luís Graça, fundador e editor deste bloge) junto a uma "baloba" (Foto nº 1), um dos locais de culto dos irãs (espíritos da floresta). 

A população era maioritariamente balanta, animista. Era conhecida a sua colaboração com o PAIGG, sobretudo com as populações e os guerrilheiros de Madina/Belel, no limite do Cuor, a Noroeste de Missirá, mas também com os do subsetor do Xime. O reordemanento desta população, considerada até então sob duplo controlo e pouco colaborante com (e senão mesmo hostil a) as NT, iniciou-se em 1969, sob a iniciativa do Comando e CCS do BCAÇ 2852 (1970/72), tendo sido continuada pelo BART 2852 (1970/72). Foi criado um destacamento para apoio a (e defesa de) o reordenamento (Foto nº 2)

No seu diário de então, o furriel Henriques consideraca este reordenamento (um dos maiores, se não o maior, de então, no CTIG) como um exemplo de "etnocídio",  pela destruição do habitat socioecológico das populações "reordenadas".

Fotos (e legenda): © Luís Graça (2007). Todos os direitos reservados. [Edição: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]





Guiné > Região de Bafatá > Setor L1 > Bambadinca > c. 1973/74 > Uma "ferradia": o ferreiro e o seu ajudante (que alimenta a forja)...Tradicionalmente em África, o ferrador e o caçador são dotados de dons sobrenaturais, diz-nos o Cherno Baldé, o nosso especialista em questões etnolinguísticas.. Em muitas comunidades animistas, o ferreiro e o balobeiro são a mesma pessoa ou ambos possuem o poder de curar e de fazer a ligação com o além  ou as forças ocultas como os Irãs ou os espíritos do mato e da floresta.
Fotos (e legenda): © Luís Mourato Oliveira (2016). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné].



1. No poste P20223 (*), o editor Luís Graça comentou que íamos precisar da preciosa ajuda nosso assessor para as questões etnolinguísticas, o Cherno Baldé... 


Há termos em crioulo ou noutros idiomas, que ele tem de nos explicar, para melhor se compreender um recente relatório da CPLP sobre o HIV/SIDA e outras doenças sexualmente transmissíveis, na parte que respeita à Guiné-Bissua (**)...


Eis alguns desses termos:


"mandjidu" (em manjaco), prática interdita;

"kansaré" (papel), entidade sobrentaural que pode castigar ou fazer mal (?);

"muros, djambacus e balobeiros" (crioulo), curandeiros tradicionais;

"balobas" de "ferradias" (crioulo), locais ou práticas (?);

"tarbeçado" (crioulo);


doença de "badjudeça" (crioula);

cerimónia de "rônia iran" (crioulo), (?)






Guiné-Bissau > Região do Óio > Maqué > 20 de Novembro de 2006 > Poilão, árvore sagrada, habitada pelos irãs... Mais uma chapa do famoso poilão de Maqué. Tirada pelo nosso camarada Carlos Fortunato, ex-Fur Mil da CCAÇ 13 (Os Leões Negros), na sua viagem  de 2006 à Guiné e à região do Óio.

Foto (e legenda): © Carlos Fortunato (2007). Todos os direitos reservados.
 [Edição: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


2. Pronta resposta do Cherno Baldé [, Bissau], com data de ontem (*):


Em resposta ao pedido do Luís Graça, aqui vai um pequeno resumo sobre o significado das expressões em Crioulo da Guiné no texto (*).


(i) “Mandjidu”


Refere-se àquilo que está interdito e a interdição vem sempre de forças ocultas, do desconhecido, por isso, de evitar a todo o custo, pois não se sabe o que pode acontecer em caso de violação dessa interdiçãoo.


Uma forma muito prática de proteger a propriedade privada dos individuos, da família e/ou da aldeia em relação ao comportamento indesejado de terceiros, sejam eles pessoas ou animais domésticos:um simples pau enfeitado com um pedaço de tecido vermelho e colocado em lugar visível é suficiente para interditar um campo de amendoim ou plantação de cajueiros.


Uma nota interessante é que esta interdição também se aplica às pessoas (mulheres) e propriedades (terrenos e casas).


(ii) “Kansaré”

É um ritual animista consagrado aos mortos, baseado na compreensão de que não há mortes naturais, mas sim mortes provocadas por forças do mal.

O "Kansaré" é o elemento móvel da "Baloba", feita de paus e coberta de tecidos vermelhos, é carregado por quatro jovens possantes e que caminham, supostamente, dirigidos pelo espírito do morto com o objectivo de desmascarar o(s) autor(res) da morte. O(s) membro(s) da comunidade assim descoberto(s) e acusado(s) de feitiçaria perde(m) todos os seus direitos, inclusive o direito à vida e os seus bens e haveres confiscados em benefício da comunidade como forma de vingar a morte do defunto e fazer o seu "choro", aplacando assim a dor da família que perdeu um dos seus.


Muitos antropólogos, africanistas e investigadores viram nessas práticas animistas uma forma subtil de regulação económica e social dentro das sociedades " primitivas" e/ou práticas escamoteadas de ajustes de contas e de eliminação de rivais e elementos não desejados, muitas vezes bem sucedidos, e cujas riquezas provocam inveja aos restantes elementos da comunidade e que necessitam de ser redistribuídas colectivamente a fim de nivelar (por baixo) os membros dessas comunidades.


(iii) «Muro»


O mesmo que "mouro" (árabe ou berbere do Norte de África), termo utilizada para referir-se aos "marabus" -chefes religiosos - de confissão muçulmana.

No meio urbano da Guiné tem o mesmo significado que "Djambacus", provavelmente de origem mandinga e "Baloba", do grupo dos Brames (Papel/Manjaco/Mancanha).


(iv) «Balobas»


Sao os locais, entre alguns povos da Guiné-Bissau, chamados animistas do grupo dos Brames (Papel / Manjaco / Mancanha), reservados às cerimónias dedicadas aos Irãs e que são feitas, normalmente, mediante o uso de aguardente e sangue de animais imolados em sua intenção.


A referência feita às "ferradias" remete-nos para as oficinas tradicionais onde se trabalha(va) o ferro. Na África profunda e multissecular, de uma forma geral, o ferreiro assim como o caçador, são facilmente assimilados àqueles que praticam artes secretas e/ou mágicas e logo possuidores do dom imanado do espírito dos Irãs.


Em muitas comunidades animistas, o ferreiro e o "balobeiro" são a mesma pessoa ou ambos possuem o dom da cura e do poder de contacto e intermediação com forças ocultas como os Irãs ou espíritos do mato/floresta.

Nesses casos um simples metal (o ferro), por eles confeccionado, pode servir de guarda a fim de um indivíduo se proteger dos espíritos maus. Uma prática muito frequente dentre os habitantes originários dessas etnias do litoral guineense.


(v) "Tarbeçado"


Parto anormal quando a criança vem numa posição invertida com os pés primeiro em lugar da cabeça, uma expressão, provavelmente, de origem balanta.

(vi) "Doença de badjudeça"

Quer dizer período menstrual ou quando aparecem, nas meninas, os sintomas das primeiras mentruações. De origens diversas.



(vii) «Rônia Irã»


Segundo alguns investigadores, tem origem na palavra em português arcaico “erronear”, ou seja, deambular de um lado para outro.

Durante o período em que estas cerimónias são feitas, sobretudo entre os Papéis, há grupos de mulheres que viajam de aldeia em aldeia, de sítio em sítio, carregados de objectos diversos, para cumprir determinados rituais e cerimónias tradicionais, de acordo com um calendário e trajecto pré-definido.


Ao que parece, as "Balobas" (ou não seriam os "balobeiros" ?) e os seus Irãs estão, de certa forma, hierarquizados ou, para usar uma expressão moderna, especializados em determinadas matérias do mundo espiritual ou dos mortos e cada aldeia ou família teria o seu próprio percurso em função da tradicão e/ou das suas necessidades espirituais ao serviço das almas dos seus mortos em diferentes épocas.

Todas estas expressões ou conceitos antropológicos acima apresentados, sendo de origem étnica ou tribal, já fazem parte do léxico corrente em crioulo.


PS - Uma Nota sobre o ponto V:


Quando disse que é uma expressão, provavelmente, de origem balanta, queria referir-me ao conceito intrínseco pois que, entre eles o fenómeno é seguido de algumas cerimónias feitas para exconjurar as forças maléficas do fenómeno anormal, e não à origem da palavra que é claramente crioula, resultante da corruptela da palavra portuguesa "atravessado".
________________

Notas do editor:

(*) Último poste da série > 9 de outubro de 2019 > Guiné 61/74 - P20223: A Guiné-Bissau, hoje: factos e números (2): prevalência do HIV/SIDA; comportamento de risco e práticas socioculturais e tradicionais, que tornam mais vulnerável a população guineense face ao risco de transmissão de HIV/SIDA e outras DST



(**) Vd. Helena M. M. Lima - Diagnóstico Situacional sobre a Implementação da Recomendação da Opção B+, da Transmissão Vertical do VIH e da Sífilis Congênita, no âmbito da Comunidade de Países de Língua Portuguesa- CPLP: Relatório final, volume único, dezembro de 2016, revisto em abril de 2018. CPLP - Comunidade de Países de Língua Portuguesa, 2018 [documento em formato pdf, 643 pp. Disponível em: https://www.cplp.org/id-4879.aspx]

Guiné 61/74 - P20227: Parabéns a você (1692): Benito Neves, ex-Fur Mil Cav da CCAV 1484 (Guiné, 1965/67); Eduardo Campos, ex-1.º Cabo TRMS da CCAÇ 4540 (Guiné, 1972/74) e Patrício Ribeiro, ex-Fuzileiro Naval (Angola 1969/72), residente na Guiné-Bissau



____________

Nota do editor

Último poste da série de 10 de Outubro de 2019 > Guiné 61/74 - P20224: Parabéns a você (1691): Manuel Resende, ex-Alf Mil Inf da CCAÇ 2585 (Guiné, 1969/71)

quinta-feira, 10 de outubro de 2019

Guiné 61/74: P20226: Memória dos lugares (394): Ilha das Cobras: destacado, de abril a junho de 1968, para defender um farol...E nesse espaço de tempo recebi a visita do ten Robles e de homens da 15ª CCmds bem como do brigadeiro Spínola (José António Viegas, ex-fur mil, Pel Caç Nat 54, Mansabá, Enxalé, Missirá, Porto Gole, Bolama, Ilha das Cobras e Ilha das Galinhas, 1966/68)


Guiné > Arquipélago dos Bijagós > Bolama > Ilha das Cobras > c. abril / julho de 1968 > Foto nº 1 > O farol


 Guiné > Arquipélago dos Bijagós > Bolama > Ilha das Cobras > c. abril / julho de 1968 > Foto nº 2 >  Eu e os dois Cabos (um nortenho e outro guineense)  almoçando



 Guiné > Arquipélago dos Bijagós > Bolama > Ilha das Cobras > c. abril / julho de 1968 > Foto nº 3 >   À sombra do poilão lendo um livrinho acabado de chegar da livraria do Café Bento (em Bissau, junto à Amura)

Foto (e legenda): © José António  Viegas (2019). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]




Guiné > Arquipélago dos Bijagós > Bolama > Ilha das Cobras > Mapa de São João (1955) > Escala de 1/50 mil > Posiçao relativa da Ilha das Cobras e do respetivo Farol, com Bolama a sul, e São João, a sudoeste, e mais abaixo, o rio Grande de Buba.

Infografia: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné (2019)



1. Mensagem do nosso camarada José António Viegas, um dos régulos da Tabanca do Algarve, membro da Tabanca Grande, ex-fur mil do Pel Caç Nat 54, tendo passado por vários "resorts" turisticos erm 1966/68 (Mansabá, Enxalé, Missirá, Porto Gole, Bolama, Ilha das Cobras e, o mais exótico de todos, a Ilha das Galinhas, na altura, colónia penal); vive em Faro; tem cerca de 35 referências no nosso blogue

Data: quarta, 9/10/2019 à(s) 15:52
Assunto: Ilha das Cobras

Caro Luis:

Antes que a memória se vá apagando,  aqui conto mais uma história daquelas "férias" na Guiné.

Depois de 19 meses em zona operacional, sou colocado na Ilha das Cobras, situado perto de Bolama e que tem um farol de sinalização.

Sou recebido pelo um 1º cabo nortenho de gema, de seu nome Xóreras, que me acolheu com o típico linguajar do Norte e  a dizer que logo tinha que lhe calhar um furriel algarvio...

Foi um rapaz impecável. A guarnição era composta por  pelotão de africanos, com o furriel e um cabo da metrópole e um cabo africano. A missão era fazer uns patrulhamentos e o controle do Farol. Todas as noites acho que não falhou nenhuma,  era ouvir o ribombar de fogo do outro lado do rio, Tite, Nova Sintra, Jabadá e S. João.

Os abastecimentos eram feitos a partir de Bolama,  por vezes com atraso. Organizei  então umas caçadas ao cabritos de mato e umas pescarias onde se apanhavam boas raias, fazendo as delicias do rancho, para não ser só bianda.

Uma noite veio o sentinela acordar-me a dizer que ouvia vozes junto ao Farol, preparei a secção e fui ver o que se passava, era então o barco da [Casa] Gouveia que tinha dado em seco junto ao Farol, e vinham homens caminhando para o destacamento, tendo-se identificado o comandante por tenente Robles,  da 15ª de Comandos [, Fernando Augusto Colaço Leal Robles, ten inf 'cmd0, na altura adjunto do comandante da 15ª CCmds; será promovido a capitão em maio de 1969, regressando em agosto à metrópole, e sendo colocado no CISMI, em Tavira]

Passado 2 semanas estavávamos a preparar o almoço,  cabrito com ostras, quando paira sobre o destacamento um helicóptero: era o nosso brigadeiro Spinola [,chegado ao CTIG, em 20 de maio de 1968], o capitão Bruno e um tenente coronel de que já não lembro o nome.

O Com-chefe mandou formar o pessoal e deu uma preleção aos homens, que "nós, brancos, estavámos ali para dar uma ajuda, eles é que tinham que defender o seu chão"...
O cheiro que vinha das panelas com o cabrito era tentador mas tiveram que levantar voo.

Foram 3 meses no destacamento, de abril 68 a junho 68.[O Viegas seria depois destacado para a Ilha das Galinhas, até setembro de 1968, quando sua comissão.]

Fotos

1- Farol da Ilha das Cobras
2- Eu e os dois Cabos almoçando
3- À sombra do poilão lendo um livrinho acabado de chegar da livraria do Café Bento (em Bissau, junto à Amura)



Guiné > Arquipélago dos Bijagós > Bolama > Ilha das Cobras > Julho de 1966 > O nosso saudoso Jorge Rosales (1939-2019),  no final da sua comissão, depois de ter passado 18 meses em Porto Gole... Recorde-se que ele, que era alf mil, pertenceu à 1ª Companhia de Caçadores Indígena, com sede em Farim. (Havia mais duas, uma Bedanda, a 4ª, CCAÇ, e outra em Nova Lamego, a 3ª CCAÇ). Ficou lá pouco tempo, em Farim, talvez uma semana. A companhia estava dispersa. Foi destacado para Porto Gole, com duas secções (da CCAÇ 556, do Enxalé) e outra secção, sua, de africanos. Tinha um guarda-costas bijagó. Ficou lá 18 meses. Passou os últimos tempos, em Bolama, no CIM, a dar recruta a soldados africanos.

Foto (e legenda): © Jorge Rosales (2010). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]

_______________

Nota do editor:

Último poste da série > 14 de setembro de 2019 > Guiné 61/74 - P20146: Memória dos lugares (393): Farim, uma cidade cristalizada no tempo (Joana Benzinho, fundadora e presidente da ONGD "Afectos com Letras")

Guiné 61/74 - P20225: Agenda cultural (705): Lançamento do livro "Museu Etnográfico Nacional da Guiné-Bissau: Imagens para uma história", de Albano Mendes, Ramon Sarró e Ana Temudo. Lisboa, Centro de História, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Sala B1, 15/10/2019, 18h. (Patrício Ribeiro)


Guiné > Bissau > s/d  [. c. 1960] > Edifício do Centro de Estudos da Guiné Portuguesa, hoje Museu Etnográfico Nacional da Guiné-Bissau. Bilhete Postal, Colecção "Guiné Portuguesa, 143". (Edição Foto Serra, C.P. 239 Bissau. Impresso em Portugal).

Colecção: Agostinho Gaspar / Digitalização, legenda e edição: Blogue Luís Graça & Camaradas da Luís Graça & Camaradas da Guiné (2010)







1. É uma sugestão que nos chega do nosso amigo e camarada Patrício Ribeiro, que agora divide o seu tempo entre Portugal (Águeda e Lisboa) e a Guiné-Bissau (Bissau).

Mensagem que nos chegou anteontem:

Data: terça, 8/10, 11:43



Assunto: 15out 18h na FLUL: Apresentação do livro "O Museu Etnográfico Nacional da Guiné-Bissau: imagens para uma história" em Lisboa


Luís,

Depois e muitas semanas nos campos do Baixo Vouga, cheguei à cidade.

Pedem-me para divulgar.

Abraço

Patricio Ribeiro
Impar Lda Energia
www.imparbissau.com
impar_bissau@hotmail.com



2. Para saber mais sobre o Museu Etnográfico Nacional da Guiné-Bissau, que é uma autêntica  "Fénix Renascida", leia-se este artigo da Wikipédia:


(...) O Museu Etnográfico Nacional da Guiné-Bissau é um museu etnográfico localizado em Bissau, na Guiné-Bissau. É um dos dois principais museus do país.

O museu iniciou as actividades de recolha entre 1985 e 1986,  sendo oficialmente inaugurado a 31 de Maio de 1988  em instalações localizadas no bairro da Ajuda, juntamente com os Arquivos Nacionais,  recebendo cerca de uma centena de peças da coleção etnográfica e dos arquivos nacionais provenientes do Centro de Estudos da Guiné Portuguesa, activo entre 1946 e 1975.

Durante a guerra civil de 1998-1999 o edifício do museu foi usado como base das Forças Armadas Senegalesas. A colecção etnográfica e os Arquivos nacionais sofreram danos irreparáveis. Perderam-se definitivamente muitos objetos e documentos, incluindo um importante espólio fotográfico que documentava os primeiros anos de atividade do museu, entre 1996 e 1990. (...)



(...) Na reabertura do museu, a 15 de Setembro de 2017, foi inaugurada a exposição "O Museu Etnográfico Nacional de Bissau: 30 Anos de História", expondo o trabalho realizado ao longo dos quatro anos anteriores o director do museu, Albano Mendes, o antropólogo Ramon Sarró e a museóloga/curadora Ana Temudo, com a digitalização de um antigo conjunto de cerca de 400 provas de contacto, guardadas ao longo de 30 anos em Bissau, que permitiram reconstruir a história do museu e das respectivas peças.

Embora os negativos e as fotografias impressas tenham sido irremediavelmente perdidos para sempre, as provas de contacto permitem conhecer as origens do museu no final da década de 1980. As imagens digitalizadas foram expostas em conjunto com alguns objetos que os conservadores do museu lograram recuperar da destruição em 1999. 

Nas imagens recuperadas observa-se a arte dos costeiros, ferreiros, tecelões e oleiros, assim como os rituais e cerimónias das diferentes etnias. Podem ver-se também os primeiros registos do museu e da sua actividade. (...)