sábado, 5 de outubro de 2019

Guiné 61/74 - P20208: Os nossos seres, saberes e lazeres (358): Montechoro, Albufeira, Lagos, Sagres (3) Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil Inf, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 3 de Maio de 2019:

Queridos amigos,
Se Lagos é surpreendente por se sentir à vista desarmada que há preservação do património, e ali se sente o peso da História, a costa recortada que nos leva a Sagres é seguramente um dos deslumbramentos que o Algarve oferece como valioso recurso da sua natureza prodigiosa. O que singulariza esta costa é a sua plena dissociação do Algarve agrícola, um completo dramatismo de falésias e escarpas, de pedregulhos lançados sobre as águas, fica a imaginação a funcionar se não houve aqui uma fratura, uma separação dilacerante num Jurássico qualquer. E depois a surpresa do arranque da costa vicentina, pela sua imponência, os seus escalvados, parecem quilhas de medonhos transatlânticos. E de novo nos fica a certeza de que não há viagem que sempre dure porque a viagem nunca acaba, o que pode acabar é a resignação do viajante, a perda de curiosidade, de se aventurar a outras terras e a outras gentes. Nestas escarpas e penedias sente-se perfeitamente que a viagem a Portugal é infindável, a grande marca da nossa identidade.

Um abraço do
Mário


Montechoro, Albufeira, Lagos, Sagres (3)

Beja Santos

Prossegue a viagem entre Lagos e Sagres, logo paragem na Ponta da Piedade, para desfrute de uma enfiada de escarpas e falésias, pressente-se que junto do mar a areia é muito fina, contraste com todas estas vertentes dramáticas, recortes sucessivos, despenhamentos de pedra, como se este Algarve, milhões de anos atrás, se tivesse despegado de um outro continente. É de facto um outro Algarve, com praias de renome como Luz, Burgau ou Figueira. Saltita-se pela terra batida em busca de detalhes insólitos, recantos anichados, alcovas, praias secretas. Eis o resultado obtido.






É uma versatilidade de paisagens em que sobressaem os tons da rocha, róseos, cresce uma vegetação rala própria das dunas, a natureza reage bem e segura as suas areias, momentos há em que podemos imaginar que houve para aqui castelos que se afundaram no mar. E quando alcançamos a Costa Vicentina tudo se altera, basta confrontar.





Alguém faz o reparo de que parece que chegámos às falésias de Dover, alturas a pique, em contraste com uma ondulação que tenta largos grupos de surfistas, e assim se chega a Sagres, muda o dramatismo das panorâmicas, tudo como se de Lagos a Sagres fosse pedra caprichosa, a correr, com esfarelamentos, para a água. Agora a pedra ganha outra densidade, a altura de grandes transatlânticos, é uma costa de rochedos.




Em frente à Ponta de Sagres, veio à memória do viandante o final da obra “Viagem a Portugal”, de José Saramago, ele elogia a saga da viagem e a sageza do viajante, pode haver intermitência na viagem, mas ela nunca acaba, tem a ver com a nossa motivação, o gosto da aventura e da descoberta, como ele diz, o que se vê de manhã não é o que se vê de tarde, o que se vê no outono não é o que se vê na primavera, há a luz e a sombra, há o gosto por perguntar, ali em Sagres andava uma guia a falar na Escola de Sagres, ali se reunia, dizia a senhora, o Infante com os seus navegadores, cartógrafos, peritos na arte de marear, homens do ofício de conhecer a viagem pelas estrelas. Tudo não passa de um mito, não há um só documento sobre esta escola, nada abona um cenáculo de mestres e descobridores em Sagres. É um dos aspetos que marca a viagem até este belíssimo extremo associado à epopeia que foi o projeto henriquino, aqui se franqueou a porta para um Portugal imperial, e é aqui que se conclui uma viagem iniciada há escassos dias em Montechoro para comunicar com gente que se ama e que vive num outro extremo da Europa.

Bendita é a viagem que nos faz suspirar pela próxima!
____________

Nota do editor

Último poste da série de 28 de setembro de 2019 > Guiné 61/74 - P20185: Os nossos seres, saberes e lazeres (357): Montechoro, Albufeira, Lagos, Sagres (2) Mário Beja Santos)

Guiné 61/74 - P20207: (Ex)citações (359): Uma noite nos braços de Vénus, três semanas por conta de Mercúrio... Relembrando o fino humor do "alfero Cabral"...


Guiné > Região de Bafatá > Setor L1 (Bambadinca) > Fá Mandinga > Pel Caç Nat 63 (1969/71) > "Cinco séculos de história te contemplam!", terá proclamado o "alfero Cabral", perante o anónimo e estupefacto fotógrafo...  Em tronco, nu, o "alfero Cabral", é o segundo a contar da esquerda para a direita, na segunda fila... De pé, e sem cachimbo...

A foto chegou clandestinamente à metrópole. E faz parte hoje do precioso álbum fotográfico do Jorge Cabral, ex-brilhante advogado e  melhor criminalista, reformado, depois que o senhorio lhe aumentou a renda  do escritório  de 400 para 6 mil euros... É uma das milhares de vítimas da "gentrificação" de Lisboa... O país, depois de perder o Império, está em vias de perder a cabeça, isto é, a capital do ex-Império...

Foto:  ©: Jorge Cabral  (2013). Todos os direitos reservados.[Edição e legendagem: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné ]


1. Em matérias como as "doenças sexualmente transmissíveis" (ou, como diria o nosso grande médico do séc. XVIII, Sanches Ribeiro, de Penamacor, "males de amores"), temos aqui, na Tabanca Grande, alguns catedráticos, do José Ferreira ao "alfero Cabral"... São peritos em falar de "esquentamentos" (sic), com elegância, elevação de espírito, competência, devoção,  imaginação, didatismo, profissionalismo e,  sobretudo, com muito fino humor, que é coisa que às vezes nos faz falta..., muita falta.

A propósito do tema, ainda hoje, volvido mais de meio século, do fim da guerra e da mobilização de um milhão de  homens para os vários de teatros de operações no longínquo ultramar, temos as mais diversas opiniões e reações dos ex-combatentes quando se fala dos "ditos cujos"... Convenhamos que, em tratando-se de maleitas nas "partes baixas",  não é de boa educação falar delas em público, para mais num blogue que é lido por toda a gente, lá em  casa, da avó ao neto (*).

Para amenizar as leituras neste dia de feriado (em que se comemora o fim de 700 anos da nossa gloriosa monarquia), nada como ir desencantar algumas das "estórias cabralianas" que, em tempos idos, alegraram as noites de tédio da Tabanca Grande, há dez anos atrás!... E eu proponho esta, as "Trompas de Falópio" que, traduzido em crioulo de Fá Mandinga e Missirá, queriam  dizer "Trombas do Lopes" (**)... 

O "alfero Cabral" e os seus rapazes do Pel Caç Nat 63, do Nanque ao Lopes,  são figuras impagáveis que já ficaram gravadas na memória dos últimos soldados do Império...



Estórias cabralianas: as Trombas do Lopes


por Jorge Cabral


O Amoroso Bando das Quatro (***) deixou-nos muitas saudades. Mas que noite agradável ... até sonhámos com elas. Só que ainda nem três dias haviam passado, já recebíamos tratamento à fortíssima infecção que nos atingira o dito e adjacências. 

Graças à Penicilina, o caso seria em breve esquecido, pois afinal tinham sido apenas ossos do ofício, os quais segundo alguns até mereceram a pena... Porém, e estranhamente, os sintomas começaram a surgir nos africanos, soldados e milícias, os quais não tinham usufruído da benesse.

Só então o Alfero ficou preocupado. Ora se nos mandam agora numa operação! Que vergonha! Avançaremos de pernas abertas como se fossemos da Cavalaria no tempo dos cavalos?

Mas como é que a moléstia teria chegado aos Africanos? Mesmo sem poder contar com o investigador Nanque que continuava preso em Bambadinca, o Alfero acabou por descobrir. Reconstituída a noite do Amor, constatou que as damas se tinham ausentado durante meia hora para comer. Fora, então.

E quem? Óbvio suspeito, Preto Turbado, soldado Bijagó, de quem se dizia, que às vezes aliviava os maridos fulas do débito conjugal. Chamado, confessou. Naquela noite oferecera às visitantes a bianda, e à sobremesa... acontecera. Depois contagiara algumas das mulheres dos militares, as quais por sua vez, contaminaram os fidelíssimos maridos...

O assunto era grave. Que fazer perante aquela verdadeira pandemia? Como tratar as mulheres e ao mesmo tempo dissipar as dúvidas sobre o seu comportamento sexual?
Naquele tempo e para aquele Alfero, tudo era possível. Resolveu reunir todos os africanos, soldados, milícias e respectivas mulheres, proibindo os brancos de assistirem, com uma única excepção – o enfermeiro Alpiarça.

E a todos, pregou o mais absurdo discurso da sua vida. Ainda hoje se lembra dos olhos esbugalhados do Alpiarça... Falou de gonococos trazidos pelo vento, das infecções do útero e das trompas de Falópio... Tratamento imediato, frisou, e nada de mezinhas. Claro que perceberam muito pouco, mas ficou com a certeza que no futuro se protegeriam do vento Blenorrágico...

Na semana seguinte, encontrava-se no bar de oficiais em Bambadinca. Conversava e bebia o seu quarto uísque, quando o foram chamar para ir ao Posto de Socorros. Lá foi. Médico, Furriel e Cabo rodeavam um casal de Missirá, o milícia Suma Jau e a mulher. Não os percebiam. Eles queixavam-se das... “Trombas do Lopes”.

O Alfero ouviu e muito sério informou:
- É fula, quer dizer, esquentamento.

Parece que o Furriel apontou no seu caderno de sinónimos...

_______________

Notas do editor:

(*) Vd. poste de 1 de outubro de  2019 > Guiné 61/74 - P20195: (Ex)citações (358): Fernando Calado, camarada de Bambadinca, gostei de ler o teu poste... Também eu escrevia cartas diárias, com muitas páginas, para a minha namorada... (Virgílio Teixeira, ex-alf mil, SAM, CCS / BCAÇ 1933, Nova Lamego e São Domingos, 1967/69)


(***) Vd. poste de 24 de abril de 2007 > Guiné 63/74 - P1696: Estórias cabralianas (21): O Amoroso Bando das Quatro em Missirá (Jorge Cabral)

Guiné 61/74 - P20206: Recordações e desabafos de um artilheiro (Domingos Robalo, fur mil art, BAC 1 /GAC 7, Bissau, 1969/71) - Parte III: recebido em Bissau, pelos camaradas do BAC 1, de braços abertos, na noite de 12/5/1969


A Conferência de Berlim sobre a Partilha de África (1884), em gravura da época.  Imagem do domínio público. Cortesia da Wikipedia



RECORDAÇÕES E DESABAFOS DE UM ARTILHEIRO > Parte III: recebido em Bissau, pelos camaradas do BAC 1, de braços abertos, na noite de 12/5/1969

por Domingos Robalo (*)

[, Foto à direita: Domingos Robalo:

Tabanca da Linha > Domingos Robalo.
Foto de Manuel Resende (2019)


(i) tem página no Facebook desde março de 2009 e administra também o grupo Artilharia de Campanha na Guiné-BAC1/-GAC7;

(ii) filho de militar, foi fur mil art, BAC 1 / GAC 7, Bissau, 1969/71;

(iii) vive em Almada, está ligado à Universidade Sénior Dom Sancho I, de Almada, onde faz voluntariado, desde julho de 2013, como professor da disciplina de "Cultura e Arte Naval";

(iv) trabalhou na Lisnave;  é praticante de golfe;

(v) e passou a integrar a Tabanca Grande, com o nº 795, desde 21 de setembro último]






Guiné > Bissau > Chegada do T/T Niassa, em 12/5/1969. Fotogramas de vídeo da RTP, de 15/5/1969,  de 1'  17'', disponível aqui, em RTP Arquivos. Com a devida vénia...

Se é verdade que o cais da Rocha estava repleto de militares em parada, não tem menos significado a presença dos seus familiares que lhes vêm dar um abraço. Para uns foi o último abraço, foi uma despedida antecipada de uma vida que havia de ser curta para alguns.

O navio “Niassa” dá o seu toque que está pronto para a largada. Os soldados apinham-se do lado de estibordo para um último aceno, alguns mais afoitos sobem pela mastreação, há lágrimas nos olhos de quem parte e inconformismo nos rostos de quem fica.

Saímos a barra a tentar disfarçar as nossas lágrimas. Os nossos entes queridos já estão para trás e em frente temos o oceano. Vamos desbravá-lo como o fizeram os nossos antepassados, os nossos nautas, que trouxeram para Portugal aquelas terras que agora nos incumbia defender.

Porém, a política internacional, terminada a 2ª Guerra Mundial, tinha decretado na ONU, o direito dos povos à sua independência. Era esta aceitação por parte do nosso poder político que não estava a ser aceite e nos estava a obrigar a defender chão onde portugueses tinham relações comerciais, de amizade e familiares, desde o século XV. A conferência de Berlim [, 1884/1885,]  também obriga Portugal a ter outra atitude para com as populações dos territórios que ocupava.

Estamos a bordo do navio de passageiros, até então designado por “paquete”, chamado “Niassa”.
Não posso deixar aqui de referir, as condições degradantes e sub-humanas da forma como os nossos soldados iam alojados. Camas e camas encimadas sem condição digna, denotando uma autêntica falta de humanidade para com estes jovens agora feitos soldados, em ambiente insalubre e muito pouco ventilado.

A juventude do meu país estava disponível para lutar pela sua Pátria, mas a Pátria não lhes retribuía com dignidade essa entrega. À época, a pobreza do interior do país refletia-se no baixo nível de conhecimento e cultural de toda esta juventude. Para uma grande maioria, saíam das suas aldeias pela primeira vez.

Ao fim da manhã do dia 12 de maio, o navio “Niassa” está ao largo de Varela,  aguardando a ida a bordo da Autoridade Marítima. Ao fim da tarde do mesmo dia está a acostar ao cais de Bissau.

Sacos e malas prontas para o desembarque, empurrão daqui e dali todos queria olhar pela borda para verem gentes que não estávamos habituados a ver. Mas, o que se vê ali é chocante; não estávamos habituados, nem tínhamos sidos preparados para tal.

“Pretos” em tronco nu, calças, calções, ou camisas rasgados e a disputa pelas moedas que alguém começou por deitar para o cais. Fazia lembrar as festas das aldeias em que os rebuçados eram lançados para o terreiro e a miudagem em completo atropelo procurava apanhar alguns.

Sou dos últimos militares a desembarcar, por ser de rendição individual e por o meu destino ser o quartel da BAC 1 [Bataria de Artilharia de Campanha nº1, sediada junto ao QG (Quartel General)].

Cai a noite e dou comigo dentro de uma carrinha com destino à BAC1. Mal tínhamos percorrido 300 metros a carrinha parou e imobilizou-se. Cinco minutos depois estávamos rodeados de milhares de velas empunhadas por mãos de gente africana, homens, mulheres e crianças, com a cabeça coberta com véu semelhantes ao que a minha mãe e avós usavam quando participam nas procissões na terra. Olhando bem através da janela, as fisionomias pareciam-me todas iguais. Eu não conseguia diferenciar a feição das pessoas. Rezavam o terço e as ave-marias como se estivessem em Fátima [, na  procissão das velas de 12 para  13 de Maio]. Ficámos imobilizados no meio da procissão cerca de meia hora. Homens de olhar sério e compenetrado, mulheres com o véu branco na cabeça seguiam em silêncio alternadamente aos cânticos.

Chego finalmente ao aquartelamento da BAC1, onde me espera um quarto com cama feita.
Sou recebido por Furriéis e Sargentos e Oficiais que me aguardavam com amizade e simpatia. Ainda hoje me encontro com alguns desses meus camaradas, o Mendes, o Glória, o Faro, o Chaves, o Correia, o Mendes de Almeida e outros tantos, e até o meu Comandante, à altura o Capitão M. Soares.

Nunca deixei de lhes ficar grato pela calma que me transmitiram na civilidade que senti naquela receção. No fundo eu estava a render um camarada que lhes era muito querido. Senti a responsabilidade da amizade que tinham para com aquele camarada. Ainda hoje sinto que não os deixei ficar mal e não deixei de olvidar a camaradagem e amizade que sempre me dispensaram.

(Continua)
_____________


Vd. poste de 26 de setembro de 2019 > Guiné 61/74 - P20178: Recordações e desabafos de um artilheiro (Domingos Robalo, fur mil art, BAC 1 /GAC 7, Bissau, 1969/71) - Parte I: Apurado para todo o serviço militar

sexta-feira, 4 de outubro de 2019

Guiné 61/74 - P20205: Notas de leitura (1223): Missão cumprida… e a que vamos cumprindo, história do BCAV 490 em verso, por Santos Andrade (26) (Mário Beja Santos)



1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil Inf, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 15 de Maio de 2019:

Queridos amigos,
A BVAC 490 retirou da ilha do Como, vem bastante mal tratada, fica em Bissau até partir para Farim e redondezas, em maio.
Era incontornável a referência a Armor Pires Mota, um diarista do Como, a ele nos iremos socorrer nas etapas seguintes.
Mas ao sair do Sul havia uma referência, brejeira e burlesca, inescapável, saída da pena de um grande escritor, José Martins Garcia, aquele alferes miliciano que deixou um romance brilhante "Lugar de massacre", continuamente a ser estudado em instâncias universitárias.
Tudo se passa entre Catió e o Cachil, e por vezes as fraquezas dos homens até permitem ir à procura de um responsável inexistente...

Um abraço do
Mário


Missão cumprida… e a que vamos cumprindo (26)

Beja Santos

“Todo o pessoal louvado,
pouco tempo descansámos.
Noutra saída, novamente
para Farim abalámos.

De novo metidos ao mar
no Vouga, Lanchas e Dragão,
todo o nosso Batalhão
irá ao cais atracar.
Vamos nós aquartelar
no quartel amuralhado.
Onde o Batalhão é formado, havendo grande reunião
e pelo Comandante da operação
todo o pessoal é louvado.

Em Bissau a passear,
para ver as matulonas
mas elas são tão mazonas
que à tropa não querem ligar.
Levando o tempo a andar,
as solas dos sapatos estragamos.
Muitas vezes chegámos
a faltar à comida.
Com esta tão boa vida,
pouco tempo descansámos.

Os médicos inspeccionaram
para ver os que estavam capazes.
Tivemos muitos rapazes
que para a guerra não abalaram.
Eu fui um dos que cá ficaram
junto a quem estava doente,
pois ficou cá muita gente,
que estava muito mal,
mas quase todo o pessoal
noutra saída, novamente.

Ao mês de Maio se chegou
e os batelões foram carregar.
Com os rebocadores a puxar,
pelo mar se navegou.
Muitos dias se demorou
porque grande carrada levámos.
Para muito tempo nos destinamos,
enfrentando sempre a morte,
e ansiosos por melhor sorte,
para Farim abalámos.”

********************

Vamos despedir-nos em grande dessa batalha do Como, temos um vate, um cronista, um diarista que por ali andou e deixou páginas de indelével impressão. Trata-se do “Tarrafo”, de Armor Pires Mota. Logo no Como, em 15 de janeiro:  
“Quando o sol, suavemente, se aconchegou vermelho no seio verde e agitado das ondas do mar, a distância que nos separava da ilha tão falada, era pouca, a indispensável para não quebrar a surpresa. E o barco ancorou, durante a noite estrelada, ao sul. Em cada rosto, em cada palavra, havia a incerteza do dia seguinte e o perigo do desembarque, pois há tempos que a tropa não punha ali os pés (…). E fez-se a noite do primeiro dia, escura e cheia de medos e fantasmas. Qualquer folha ou fruto caindo das árvores ou bulindo no chão, qualquer sapo saltitando, caindo no abrigo, lembrava um passo estranho que arrepiava. Em frente, na mata, separada de nós por uma pequena bolanha encharcada, duas ou três fogueiras crepitavam cinicamente.”

No mês seguinte, 8 de fevereiro, deixa estas considerações no seu diário: 
“A manhã correra bem. Os bandidos foram levados de rompão na tabanca grande de Cauane. E de lá trouxemos um crucifixo, cujo Cristo tinha um braço despregado. Uma explosão súbita de granada atroou os ares. Que seria, que não seria? Mas, logo, gritos de dor magoaram os ouvidos. Era o Quítalo que, alucinado, corria, a manquejar, gemendo, rosto mascarado de sangue e lama, peito ensanguentado e sem uma das mãos, enquanto a outra apresentava apenas dois dedos esfacelados. Correram a ampará-lo. Parecia uma visão terrível, um homem de calvário. A armadilha, que ele costumava montar todas as tardes para os terroristas, hoje, traiu-o, disparando-se-lhe nas mãos. Junto do buraco aberto pela explosão, pedaços de carne, terra avermelhada de sangue, uma alpercata desfeita, e, mais ao largo, o barrete e farrapos da farda”.

Armor Pires Mota
Estamos a 24 de fevereiro, regista o seguinte queixume:
“Há quarenta dias que o mundo para nós é incerteza da hora seguinte a devorar-nos a fronte atormentada. O mundo para nós é de luta, uma terra de sangue e fogo. Há refeições em branco, porque nada apetece senão a paz, o regresso. Há pesadelos e estonteamentos, cansaço. Uma grande parte da tropa está já inoperacional”.

O último texto do Como data de 15 de março:  
“A guerra esconde-nos as estrelas e faz-nos selvagens. Um tecto feito de troncos de palmeira, coberto de meio metro de terra, pesa, dói-me e sinto-me um condenado num exílio. Enfim, um abrigo à prova de morteiro, porque, de vez em quando, eles nos pregam uns sustos valentes. Tem 60 dias o meu abrigo. Da seteira larga olho, apreensivo, o dia seguinte, a mata densa e cheia de segredos”.
Nesse domingo houvera missa ao cair da noite, e ele despede-se dizendo: “Deus desceu à guerra para a paz”.
Só retomará o seu diário no mês de maio.

É importante voltar à história da unidade, sabemos que o BCAV 490 veio do Como em muito mau estado, estadeou em Bissau, cabe-lhe a partir de maio, com sede em Farim, proteger eixos como Cambajú – Sitató – Cuntima ou Canhamina – Canjabari – Junbembem. As atividades do PAIGC tinham-se alargado, excediam largamente o Oio. Ao BCAV 490 caberá a ocupação territorial da área da sua responsabilidade, irá mover-se entre Barro – Bigene – Farim – Cuntima, ocupando posições em Jumbembem e Cuntima, Binta, Bigene, Barro e Guidage. A seu tempo voltaremos a “Tarrafo”, de Armor Pires Mota. Iremos é despedir-nos da região Sul e nomeadamente de Cachil, o tal aquartelamento onde se posicionaram forças portuguesas depois da batalha do Como.

Temos à nossa disposição um importante escritor, José Martins Garcia, de um dos contos de “Morrer devagar”, de 1979, há para ali notáveis parágrafos brejeiros, onde o vitríolo mais mordaz é prática frequente:
“Na vila de Catió, lá para o Sul, onde a mosquitagem crescia delirante na estação das chuvas, o Batalhão de Caçadores tinha agora novo comandante, o Tenente-Coronel Galvão, um ser tratável, quase bondoso, um tanto sentimental, um tudo-nada neurasténico antes de se lançar nos uísques. O antigo comandante, o insuportável Tenente-Coronel Barradas, cuja paranoia crescera na proporção directa do entupimento dos tímpanos, havia sido afastado do activo, finalmente. E não deixara saudades aos militares nem aos civis respeitáveis do burgo.
Respeitáveis civis em escasso número, acrescente-se. Havia um comerciante transmontano, o único civil português totalmente branco da vila, o Barreiros, pequenino e rijo como um ouriço, que vendia arroz, aliás vianda, e amendoim, aliás mancarra, mais peixe seco e pano para blusas, saias e calções, e também vinho, aguardente e mistelas exóticas. (…) Os Fulas viviam quase todos em Priame, a um quilómetro de distância, sob autoridade feudal de João Bacar Jaló, Alferes de segunda linha do Exército Português. Os Nalus haviam desertado na totalidade. Só os Balantas adornavam as tardes rápidas de Catió, caindo bêbados de aguardente de cana e elevando ao crepúsculo uns risos lamentosos que os cães vadios, sarnosos, chagados, seguiam uivando horas a fio.

José Martins Garcia
No começo da guerra, em 1963, ordens e contraordens haviam produzido em Catió desusados movimentos de ida e volta. Um estratega iluminado decidira-se pela ocupação minuciosa das redondezas, fragmentando o batalhão, dispersando as companhias, fragmentando companhias, dispersando os pelotões, fragmentando pelotões, dispersando secções. O resultado foi desastroso, pois todas as ligações se mostravam extremamente complicadas, tanto por via rádio, como por via terrestre ou marítima, sucedendo-se às minas as emboscadas e às emboscadas as flagelações, com abundantes morteiradas alta noite. Confirmada a inoperância do iluminado estratega, logo lhe sucedeu um comandante de ideias diametralmente opostas, o qual, para demonstrar que a união faz a força, mandou recolher a Catió, com armas e bagagens, o batalhão que o antecessor havia disseminado. (…) Em Catió, onde os ataques nocturnos foram, por alguns anos, relativamente escassos, ouviam-se muito bem os rebentamentos das morteiradas vizinhas, desferidas contra Bedanda, Cachil, Ganjola e, mais raramente, Priame, ali mesmo ao fim da recta de um quilómetro, onde João Bacar Jaló, senhor de muita mancarra e de sete mulheres, valia, com a milícia Fula, por um exército inteiro. (…) O ataque à ilha de Como, onde posteriormente se instalaria a chamada Companhia do Cachil, nunca foi registado por cronistas. (…) O Cachil erguera-se, porém, nas imaginações. No passado recente, quando o surdo Tenente-Coronel Barreiros comandava o batalhão de Catió, a ameaça que mais insistentemente se lhe desprendia da boca era:
- Olha lá, ó militar! Queres ir prò Cachil?... 
Depois, quando o convivente Tenente-Coronel Galvão tomou conta daquela recalcada guarnição, logo um problema bicudo lhe veio pousar sobre a secretária: o Capitão Lourenço, comandante da companhia do Cachil, fora declarado incapaz para qualquer serviço militar, por conjugação de questões pulmonares com uma psicose verdadeiramente depressiva. (…)

Do Cachil não vinham nem bons ventos nem bons hóspedes, nem sequer boas notícias. A última irregularidade cometida por essas bandas rezava da alquimia operada no interior de um barril, cujo conteúdo vínico se revelara água, diante dos olhos crédulos e incrédulos. O comandante Galvão abominava as pequenas trapaças. E, por pensar em reabastecimentos, fez-lhe espécie, pela primeira vez, o facto de o Capitão Clemente, oficial de cavalaria, se ter enconchado na manutenção, superintendendo na batata, no vinho, no arroz, no bacalhau, como se fosse um desses da Administração, um ‘padeiro’. O Capitão Clemente empalideceu quando soube da decisão do Tenente-Coronel Galvão: mandá-lo para o Cachil, na qualidade de comandante interino da companhia, encarregando-o, ao mesmo tempo, mui honrosamente, de apurar a verdade acerca da transformação do vinho em água, alquimia tanto mais escandalosa quanto invertia a regra dos Evangelhos.

- Mas, meu comandante – gaguejou o Capitão Clemente – , logo agora, que a minha mulher veio para cá…
- Mas você fica lá só uns dias, homem! Há meses que não se ouve um tiro para aquelas bandas…
O Capitão Clemente partiu desmoralizado e começou a portar-se mal diante da escolta que o acompanhou ao cais, chegando ao ponto de gemer de voz embargada:
- Agora é que não torno a ver a minha mulher nem os meus filhos.

(…) O jantar foi servido ao ar livre, sob um poilão gigantesco. As escassas lâmpadas, tão débeis como o rumorejar irregular da geradora eléctrica, mais concentravam do que dispersavam os temores. (…) Mais tarde, quando deu as boas noites aos alferes e se fechou no quarto, voltaram-lhe à memória as fábulas incertas, tão incertas quanto divulgadas em terras da Guiné: dezenas de mortos e feridos, a cavalaria a atolar-se, a artilharia a esquivar-se, a infantaria a imolar-se. Tudo por uma questão de estratégia, ou por falta dela, na sinistra ilha do Como. (…) O Capitão Clemente começou a sentir dores de barriga. Tinha medo, é certo; mas a causa daquelas cólicas devia ser o mau estado do jantar: uns feijões embrulhados em farrapos de carne duvidosa… E era evidentemente um atentado à dignidade de um capitão não terem construído uma retrete, que diabo!, ali ao lado, uma retrete privativa, porque, se não há distinção entre o comandante e os subordinados, está em crise a hierarquia, a autoridade, a civilização…
O capitão Clemente dormiu pessimamente, revolvendo-se na cama dura, sentindo-se atolar na água negra do canal. Muito cedo, a passarada desatou a chilrear. O Sol, finalmente, viria trazer-lhe um pouco de alento, depois do horrível negrume daquela noite memorável.
O capitão Clemente espreitou por uma nesga da porta e avistou a sentinela. Com um berro indignado, onde perpassavam a aspereza e o peso do comando, mandou que o militar se aproximasse: - Entra, que temos de conversar!
O soldado mal abria os olhinhos atordoados, pois acabara de render um camarada:
- Estás a ver aquilo, pá!
Hirto, solene, o Capitão Clemente apontava um canto do quarto onde alguns cagalhões se cavalgavam.
- Põe-te em sentido! – uivou a indignação do bravo Capitão Clemente.
O soldado obedeceu, boquiaberto.
- E agora – rematou o bravo capitão, mais que fera – responde! Quem foi o filho da puta que fez uma coisa destas?”.

(continua)
____________

Notas do editor

Poste anterior de 27 de setembro de 2019 > Guiné 61/74 - P20183: Notas de leitura (1221): Missão cumprida… e a que vamos cumprindo, história do BCAV 490 em verso, por Santos Andrade (25) (Mário Beja Santos)

Último poste da série de 30 de setembro de 2019 > Guiné 61/74 - P20190: Notas de leitura (1222): História das Tropas Pára-Quedistas Volume IV, é dedicado à Guiné e tem como título História do Batalhão de Caçadores Paraquedistas n.º 12; responsável pela redação e pesquisa Tenente-Coronel Luís António Martinho Grão; edição do Corpo de Tropas Paraquedistas, 1987 (1) (Mário Beja Santos)

Guiné 61/74 - P20204: A Guiné-Bissau, hoje: factos e números (1): população e morbimortalidade; etnias, idiomas e religiões; doenças sexualmente transmissíveis



1. Infelizmente, os problemas de saúde materno-infantil e de saúde sexual e reprodutiva, hoje, na Guiné-Bissau (, país que amamos e onde temos amigos, ) continuam a ser muito graves...  

Há progressos, mas estamos ainda longe de ter os indicadores de saúde que desejaríamos para o povo da Guiné-Bissau, e que os guineenses merecem ter. O seu perfil sociodemográfico deve ser melhor conhecido, até porque alguns de nós continuam a lá ir com alguma frequência e/ou estão ligados a organizações não-governamentais que cooperam com a Guiné-Bissau, em diversos domínios, da saúde à educação.

De resto, a Guiné-Bissau integra, desde 1996, a CPLP -Comunidade de Países de Língua Portuguesa. E o nosso blogue tem como missão também construir pontes entre Portugal e a Guiné-Bissau.

Recentemente estivemos a ler o relatório da CPLP abaixo citado. Tem dados interessantes sobre a Guiné-Bissau e os estados-membros da CPLP.  Está escrito em português do Brasil: por exemplo, "fulani" em vez de fula, "soropositivo" em vez de seropositivo, "testagem" em vez de rastreio ou despiste... É, em todo o caso, um diagnóstico que tem muito  mérito, embora eventualmente  se ressinta do escasso tempo em que foi realizado o trabalho de campo, confinado a Bissau, e feito em menos de 4 dias, de 24 e 27 de agosto de 2015.  A autora do relatório é a Profª. Dra. Helena Maria Medeiros Lima, Pós Doutorada em Educação - Psicologia da Educação,  Bióloga e Doutora em Saúde Pública,  Psicóloga e Mestre em Psicologia Social.

Vamos reproduzir, aqui, com a devida vénia,  alguns excertos, dando início a esta nova série, "Guiné-Bissau, hoje: factos e números".

O relatório sobre a Guiné-Bissau corresponde ao capítulo 4 (da pag. 272 à pag. 337) do relatório final.

 Fonte:  Helena M. M. Lima - Diagnóstico Situacional sobre a Implementação da Recomendação da Opção B+, da Transmissão Vertical do VIH e da Sífilis Congênita,  no âmbito da Comunidade de Países de Língua Portuguesa- CPLP: Relatório final, volume único,  dezembro de 2016, revisto em abril de 2018. CPLP -  Comunidade de Países de Língua Portuguesa,  2018 [documento em formato pdf,  643 pp. Disponível em:  https://www.cplp.org/id-4879.aspx]


(i) População e morbimortalidade:

A população total da Guiné Bissau é estimada em 1.852.284 habitantes, sendo 895.836 (49,5%) de homens e 911 588 (50,4%) de mulheres. É uma população considerada jovem, com média de idade de 19,9 anos, sendo homens: 19.4 anos e mulheres: 20.4 anos.

É uma população constituída por 64% de pessoas com menos de 25 anos, sendo a expectativa de vida ao nascimento é de 50.23 anos, sendo 48,21 para os homens e 52,31 para as mulheres.

A baixa esperança média  de vida tem a ver com  a alta mortalidade por doenças infecciosas e parasitárias diversas, decorrentes tanto da escassez de alimentação como falta de condições de saneamento básico.

Em relação às Infecções Sexualmente Transmissíveis e a SIDA [, no Brasill, Aids], os homens têm maior letalidade, uma vez que não procuram os serviços de saúde (mesmo que solicitados a realizar testes e exames), e quando chegam ao médico, já apresentam quadros graves e de difícil tratamento medicamentos.

 (...) Cerca de 49,3% da população total de Guiné Bissau é urbana, sendo que as mulheres representam mais da metade da população (cerca de 51%),  e a taxa de fecundidade é considerada relativamente alta (4,23 crianças por mulher).

A taxa de contraceção [, uso de meios contracetivos], de 14,2% , é considerada baixa. A fecundidade, especialmente feminina, é um valor cultural intrínseco, e não ter filhos ou ter poucos filhos não é bem valorizado pelas famílias. Há relatos e estudos que afirmam que muitas mulheres fazem uso de métodos anticoncepcionais escondidas dos respectivos parceiros.

A mortalidade infantil teve patamares de 200 crianças mortas por cada 1.000 habitantes em 2005, despertando fortes reações sociais. Atualmente está estimada em 89,21 mortes/1000 nascidos vivos, e mesmo assim é o 5º país do mundo em mortalidade infantil.

A taxa de mortalidade materna é bastante elevada, sendo a 7ª no mundo, com 749 mortes/ 100 mil partos.

(ii)  Etnias, idiomas e religiões:

São pelo menos dez grupos étnicos a compor a população guineense, estimadas as seguintes proporções: Fula 28.5%, Balanta 22.5%, Mandinga 14.7%, Papel 9.1%, Manjaco 8.3%, Beafada 3.5%, Mancanha 3.1%, Bijagó 2.1%, Felupe 1.7%, Mansoanca 1.4%, Balanta Mané 1%.

Essa marcada diversidade étnica tem reflexos na linguagem, especialmente nos idiomas, e na cultura, em relação aos diversos e arraigados hábitos das etnias.

Em relação aos idiomas, o mais prevalente é o Crioulo, falado por cerca de 90.4% da população. O segundo idioma mais falado, sendo também idioma oficial da Guiné Bissau, é o Português, falado por cerca de 27.1%, seguido pelo Francês 5.1%, Inglês 2.9%.

A religião predominante é a Muçulmana: 45.1% [44,7%] da população; depois vem o Cristianismo com 22.1% [25,4%], os Animistas 14.9% [23,9%], e os cristãos evangélicos, com 5,8%.

A poligamia é legalizada, e o homem pode ter até quatro esposas, desde que possa sustentá-las. Os valores muçulmanos de não-aceitação da homossexualidade, do não-uso de drogas, de submissão da mulher e da condição de dependência financeira que as esposas ficam dos respectivos maridos precisam ser trabalhados tanto no setor preventivo como no âmbito da assistência em saúde pública e direitos reprodutivos, pois são valores que estão presentes na população junto a outras tantas influências culturais e religiosas e que podem, ao proibir e punir, abrir espaços de vulnerabilidade específica que precisam ser compreendidos e trabalhados.


(iii)  Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST)

As Doenças Sexualmente Transmissíveis, segundo gestores e profissionais de saúde entrevistados, estão prevalentes em Guiné Bissau, sem, contudo, uma estatística específica.

As doenças mais prevalentes seriam o corrimento [, gonorreia ou blenorragia,] entre as mulheres, em particular mulheres jovens.

Em 2015 foram identificados e tratados 500 casos de DST,  porém não há notificação oficial sobre rastreio e tratamento das DST.

O dado mais recente em relação à sífilis é a estimativa que, dentre 5.666 mulheres grávidas testadas em consulta  pré-natal, 123 tiveram serologia positiva, ou seja, uma taxa de 2,1% . Mas não há notificação obrigatória da sífilis, e não há dados noutras outras populações.

A rastreio da sífilis é realizada durante a consulta pré-natal, porém há rupturas de estoques de testes, poucos testes disponíveis e dificuldades diversas em se obter a penicilina para o tratamento preconizado.

  (Continua)

Guiné 61/74 - P20203: Parabéns a você (1689): Artur Conceição, ex-Soldado TRMS da CART 730 (Guiné, 1965/67) e Inácio Silva, ex-1.º Cabo Apontador de Armas Pesadas da CART 2732 (Guiné, 1970/72)


____________

Nota do editor

Último poste da série de 3 de Outubro de 2019 > Guiné 61/74 - P20198: Parabéns a você (1688): Cor Inf Ref Carlos Alberto Prata, ex-Capitão, CMDT da CCAÇ 4544/73 e CCAÇ 13 (Guiné, 1973/74) e Hélder V. Sousa, ex-Fur Mil TRMS TSF (Guiné, 1970/72)

quinta-feira, 3 de outubro de 2019

Guiné 61/74 - P20202: Recordações e desabafos de um artilheiro (Domingos Robalo, fur mil art, BAC 1 / GAC 7, Bissau, 1969/71) - Parte II: recruta no RI 5, Caldas da Rainha, na 5ª companhia, comandada pelo ten inf Vasco Lourenço

RECORDAÇÕES E DESABAFOS DE UM ARTILHEIRO > Parte II:  recruta no RI 5, Caldas da Rainha, na 5ª companhia, comandada pelo ten inf Vasco Lourenço

por Domingos Robalo (*)



[, Foto à esquerda: Domingos Robalo:

(i)  tem página no Facebook desde março de 2009 e administra também o grupo Artilharia de Campanha na Guiné-BAC1/-GAC7

(ii)  filho de militar, foi fur mil art, BAC 1 / GAC 7, Bissau, 1969/71; 

(iii) vive em Almada, está ligado à Universidade Sénior Dom Sancho I, de Almada, onde faz voluntariado, desde julho de 2013, como professor da disciplina de "Cultura e Arte Naval"; 

(iv) trabalhou na Lisnave: é praticante de golfe; 

(v) e passou a integrar a Tabanca Grande, com o nº 795, desde 21 de setembro último]

(Continuação)


Durante três meses e uns dias [, desde o início de janeiro de 1968] vamos aprender . [, no RI 5, Caldas da Rainha,] a “ordem unida”, o manejo da G3, fazer fogo em carreira de tiro e toda a teoria necessária e aplicável á época para se preparar um sargento para a “guerra colonial”. Mergulhar no tanque da merda, ou mesmo atravessar o cano dos esgotos sanitário era prática de alguns pelotões na recruta das Caldas, porém tenho de referir que a minha Companhia de instrução, a 5ª, não nos fez passar por estas situações.

Conhecer a hierarquia militar, a forma como no devíamos dirigir a um sargento ou a um oficial, fosse ele subalterno ou superior, fazia parte do conhecimento básico da instrução militar. Marchar bem e com garbo, manejar a arma; tudo fazia parte do nosso quotidiano.

Estou colocado na 5ª Companhia, tendo como comandante o tenente Vasco Lourenço, que em 25 de abril de 1974 viria a fazer parte do Movimento dos Capitães.

Não era um Comandante acessível. Militar oriundo da Academia Militar, chegou a castigar-me com cinco dias de detenção, embora a infração, disciplinarmente, e de acordo com o RDM, daria 3 dias de prisão. “Apenas porque me desenfiei de domingo para segunda, para poder participar no casamento de uma amiga da minha namorada que sendo Luso-Americano, obteve autorização dos seus superiores para vir dos USA casar a Portugal, mas já com guia de marcha para o Vietname." (Recordam-se do que era a guerra naquele território?). Mas isto dava outra história que agora não vem a propósito.

[Um ano depois,] em março/abril de 1969, sou mobilizado para a Província da Guiné. Dois cursos de CSM a seguir ao meu já tinham sido mobilizados e um terceiro a terminar a especialidade na EPA [Escola Prática de Artilharia], Vendas Novas. Estava com planos de casório, pois já estava na expectativa de não vir a ser mobilizado, resultado também da minha boa classificação de curso na Arma de Artilharia na especialidade de Campanha.

Lembro-me que o mundo desabou sobre os “noivos”. A guerra do Ultramar tinha este efeito devastador sobre a vida dos jovens do meu tempo. Interrompiam-se casamentos, carreiras profissionais e estudos académicos. Mas,  apesar de todos estes contratempos, a juventude dizia sim a Portugal, embora poucos ainda se questionassem sobre as motivações da guerra. 

Grande parte da juventude do meu país vivia longe das cidades, eram iletrados e muitas vezes ávidos de sair da casa dos pais onde trabalhavam de sol a sol e sem independência. Ou fugiam a salto para a Europa do pós-guerra, ou vinham à aventura da vida militar, muitos deles como voluntários, quer para a força aérea, quer para a marinha.

Cascais > Monumento aos Mortos do Ultramar > Guiné.
Foto: Cortesia do Blogue Povo de Portugal, 31/3/2016

A minha mobilização para a Guiné ocorrera para cumprir uma rendição individual de um militar que não teve oportunidade de chegar ao fim. Ia substituir o furriel miliciano Batista [,  António da Conceição Dias Baptista, natural de Murtal, São Domingos de Rana, Cascais ], que infelizmente não terminara a sua comissão no tempo normal. No dia 14 de fevereiro de 1969, morre heroicamente ao lado do seu Comandante de pelotão, o alferes Gonçalves [, José Manuel de Araújo Gonçalves, natural de Lisboa],  São vítimas de um ataque IN no aquartelamento de Guileje.

Merecem, entre muitos outros, serem aqui referidos porque o seu sacrifício resultou de um ato heroico, não por falta de discernimento ou inconsequente, mas, na sequência da intensidade do fogo IN terem querido proteger os seus soldados, todos negros e do recrutamento da Província. Ordenou o Alferes que todos se recolhessem no abrigo. O Furriel Batista manteve-se a seu lado respondendo ao fogo IN, como se de um duelo de artilharia se tratasse. Mas a má hora chegou. Uma morteirada cai sobre o ferrão do lado esquerdo do obús 10,5cm e ali morrem os dois. 

Guileje era uma povoação a sul da Província da Guiné e sobejamente conhecida de todos os militares mobilizados para esta Província Ultramarina.

A sete de maio de 1969, embarco no “Niassa” com destino a Bissau.

____________

Nota do editor:

Guiné 61/74 - P20201: Efemérides (310): A libertação do meu camarada e amigo Arrifana aquando da Operação Mar Verde em Novembro de 1970 (Abel Santos, ex-Soldado At da CART 1742)

1. Mensagem do nosso camarada Abel Santos, (ex-Soldado Atirador da CART 1742 - "Os Panteras" - Nova Lamego e Buruntuma, 1967/69), com data de 29 de Setembro de 2019:

Pesquisando factos e temas sobre a passagem das nossas tropas pela Guiné Portuguesa, encontrei uma lista de nomes de prisioneiros de guerra libertados aquando da Operação Mar Verde, que decorreu no dia 22 de novembro do ano 1970 na Guiné-Conacri.
Desse grupo libertado fazia parte o meu camarada da CART 1742, António Castro Aguiar, conhecido por Arrifana, terra de onde é oriundo. O Arrifana foi feito prisioneiro, já ferido, na operação desenvolvida no Monte Siai, entre as localidades de Canjadude e o Cheche.

Foto da minha secção - Em cima da esquerda para a direita: Furriel Pontes, já falecido; 1ºs Cabos, Loura e Costa; Soldados Cruz e Abel. Em baixo: Soldados Ferreira; Silva; Miranda; Aguiar ("Arrifana") e Soares, já falecido.
Apresento foto do local do contacto com o inimigo, a 10 de Janeiro de 1968, um dia e noite complicado, mas a malta portou-se lindamente. Na manhã seguinte contabilizaram-se alguns feridos entre nós e a constatação da falta do Arrifana. Por sua vez o IN terá tido algumas baixas.
Mais tarde, através da rádio, num comunicado do PAIGC, ficamos a saber que o Arrifana tinha sido feito prisioneiro e que se encontrava ferido nas costas e no pescoço.

Região do Siai - Local onde o Aguiar foi capturado - Infogravura do blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné
Lista dos prisioneiros libertados na Operação Mar Verde - Editada por CV
Depois da sua libertação foi para o Hospital Militar 241 para devida avaliação clínica, visto ser um prisioneiro que tinha sido ferido, onde permaneceu algum tempo, só chegando a Portugal a 26 de novembro de 1971. Passou ainda pela PIDE, onde esteve retido para prestar declarações.

Tive a felicidade de ver a sua chegada em direto, através da televisão, foi uma alegria indiscritível reencontrar o Aguiar, ele fazia parte do meu grupo de combate e da minha secção, e daí a minha enorme satisfação de o ver de novo entre nós.

Leça da Palmeira, 2014 - Convívio da CART 1742 - Abel, Aguiar ("Arrifana") e Ex-Alf Mil Magalhães
Leça da Palmeira, 2014 - Convívio da CART 1742 - Abel, Aguiar ("Arrifana") e ex-Alf Mil Magalhães

Termino enviando a todos um grande abraço, e aos que já partiram que descansem em paz.
Ao autor da lista os meus agradecimentos.
____________

Nota do editor:

Último poste da série de 21 de julho de 2019 > Guiné 61/74 - P19999: Efemérides (309): Há 50 anos o homem chegava à lua... e eu ia caminho de Bissau, num "barco turra" que parou, no Geba Estreito, com uma avaria...Valeu-nos o proverbial "desenrascanço tuga"... Viagem inesquecível até ao fim da minha vida! (Valdemar Queiroz, ex-fur mil, CART 2479 / CART 11, Contuboel, Nova Lamego, Canquelifá, Paunca, Guiro Iero Bocari, 1969/70)

Guiné 61/74 - P20200: Agenda cultural (704): lançamento de livro de João Cabral Pinto, "Guerra na Pele – As tatuagens da guerra colonial"... Data: próximo dia 26 de outubro; local: Biblioteca Natália Correia, Rua do Rio Cávado 3, em Carnide, Lisboa.


Capa do livro "Guerra na Pele – As tatuagens da guerra colonial", de João Cabral Pinto,
conceçºao gráfica de Mário Pais, ediçao de autor, 2019.




1. Mensagem do nosso leitor João Cabral Pinto;

De: Joao Cabral Pinto <jcabralpinto@hotmail.com>

DatA_: quarta, 2/10/2019 à(s) 11:05

Assunti: Convite para lançamento de livro «Guerra na Pele – As tatuagens da guerra colonial»



Ex.mos Srs. [Editores]

Tenho o maior prazer em convidar V. Exas para o lançamento e apresentação do meu livro, evento que se vai realizar em duas datas e locais diferentes:

(i) Lançamento: dia 26 de outubro às16H, na Biblioteca Natália Correia - Carnide, Rua do Rio Cávado, Lisboa

(ii) Apresentação: dia 24 de novembro, às 16H, na Casa de Cultura Jaime Lobo e Silva, na Ericeira.

Muito obrigado,

Com os melhores cumprimentos,

João Cabral Pinto


2. Sinopse do livro:

“Fruto da colaboração de militares veteranos, «Guerra na Pele – As tatuagens da guerra colonial» é um contributo para o estudo da tatuagem em Portugal que consiste na divulgação de um trabalho de campo de pesquisa iconográfica independente levado a cabo durante cerca de quinze anos, que teve como objectivo resgatar e preservar para memória futura um conjunto de imagens de tatuagens realizadas por militares das Forças Armadas Portuguesas durante o período da guerra colonial em África de 1961 a 1974.”

João Cabral Pinto







Lourinhã > Praia da Areia Branca > 6 de julho de 2015 > Braço tatuado de um veraneante que foi nosso camarada no TO da Guiné > Costuma passar férias na Praia da Areia Branca, já o encontrei pelo menos três vezes. Chama-se António Baraçal, "Tony", é lisboeta de gema, e trabalha ou trabalhou na EPAL. Diz que pertenceu a uma companhia de comandos. Não lhe ocorreu o nº da companhia, Esteve no TO da Guiné entre janeiro e outubro de 1974. "Fui lá fechar a guerra".

O Tony disse-me que estas tatuagens eram feitas a 4 agulhas... Não tive tempo para perceber a técnica (que não era muito apurada, a avaliar pelo traço grosso) e fazer-lhe mais perguntas... Embora simples, o padrão icónico é diferente de alguns que tenho visto: uma morança e um coqueiro erguidos numa ilhota .. Por baixo tem os dizeres: "Guiné-74 Tony". Estamos a falar do braço direito. No braço esquerdo, há apenas uma vulgaríssima tatuagem com os dizeres "Amor de pais"...




Lourinhã, 12 de agosto de 2018 > 10º encontro dos ex-combatentes do Seixal, participantes na guerra colonial > A tatuagem do João Patrício, da Areia Branca, DFA. m DFA - Deficicente das Forças Armadas (com 36,6% de deficiência)... Pertenceu à CART 1526, e foi gravemente ferido na mata do Ingoré, com uma bala alojada perto do coração... Mostrou-me a "medalha" e também a sua tatuagem.

Fotos (e legendas): © Luís Graça (2019). Todos os direitos reservados [Edição: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]

______________

Nota do editor:

Guiné 61/74 - P20199: Controvérsias (139): As doenças sexualmente transmíveis: profilaxia e tratamento... Recordando o nosso saudoso camarada Armandino Alves (!944-2014), ex-1º cabo aux enf, CCAÇ 1589 (Beli, Fá Mandinga e Madina do Boé, 1966/68)



Capa de uma brochura sobre higiene sexual, sem data [, 1954?],  publicada pela Direcção do Serviço de Saúde Militar, e com destino  essencialmente às praças do exército.

Reproduzida, com a devida vénia, da página da CCAÇ 3387, Escorpiões (Angola, 1971/73), mobilizada pelo RI 2  (Abrantes). bem como o excerto, abaixo ("ligeiros conselhos de higiene sexual").

Os nossos especiais agradecimentos ao Mário Ferreira da Silva, de Cacia, que criou e alimenta esta página, e a quem damos os nossos parabéns: era 1º cabo padeiro.



1. O documento aqui reproduzido é antecedido de uma pequena nota introdutória, da responsabilidade do editor da página da CCAÇ 3387:

Numa época em que um homem ainda podia ter relações sexuais sem o risco de apanhar doenças incuráveis, para as quais ainda não há qualquer hipótese de tratamento à vista [, referência  ao HIV/SIDA], o exército português, na segunda metade do século XIX [ou XX ?], tinha não apenas o cuidado de efectuar acções de sensibilização para os problemas das doenças venéreas, como também distribuía frequentemente documentação escrita, em forma de pequenas publicações num formato A5, na esperança de que os militares a lessem.

Volvidos mais de 30 anos após o término de um período em que os nossos homens eram obrigados a férias forçadas por terras distantes [, referência à guerra colonial],  vão-nos chegando verdadeiras relíquias documentais, que aqui arquivamos e damos a conhecer, após a devida conversão para um formato electrónico.

O presente documento é uma publicação da Direcção do Serviço de Saúde Militar, rigorosamente transcrito e do qual reproduzimos apenas a capa da publicação, num formato A5, tal como anteriormente dissemos.

O citado documento foi inserido em 1/7/2009, na página da CCAÇ 3387-


DIRECÇÃO DO SERVIÇO DE SAÚDE MILITAR

LIGEIROS CONSELHOS DE HIGIENE SEXUAL


Segundo pesquisa que fizemos na Porbase - Base Nacional de Dados Bibliográficos, esta brochura ou folheto,  de 2 folhas, data de 1954: 

Título Profilaxia das doenças venéreas no Exército: ligeiros conselhos de higiene sexual
Publicação: [S.l. : s.n.], 1954 ( Lisboa:  Tip. Pap. Fernandes)
Descrição física: 2 fl; 11 cm.


De qualquer modo é de registar que o exército (ou o seu serviço de saúde militar), nessa época já distante, sete anos antes do início da guerra colonial,  era muito mais pragmático e muito menos hipócrita, em matéria de prevenção  e tratamento das doenças sexualmente transmissíveis  do que a generalidade das outras instituições da sociedade portuguesa da época...

Recorde-se que a  ilegalização da prostituição e das casas de passe (ou de tolerância, ou casas toleradas, como a famosa Casa da Mariquinhas), com efeitos a partir de 1 de janeiro de 1963, foi feita pelo Decreto-Lei nº. 44579, de 19 de setembro de 1962, emanado dos Ministérios do Interior e da Saúde e Assistência, do Governo de Salazar (**).

Claro que o documento não deixa de ser misógino, diabolizando a  prostituição feminina... O médico miitar, qie terá redigido os conselhos, esqueceu-se de acrescentar que em todos os tempo a prostituição segue a tropa... Muitas mulheres que trabalhavam nas casas depasse, em 1963, terão emigrado para Angola (**)...


LEMBRA-TE:

– Que depois de teres contacto sexual com mulher é obrigatório procurares o posto antivenéreo  [PAV] da tua unidade; e deves procurá-lo dentro de 3 horas, o máximo, depois desse contacto, para tirares resultado;

– Que tens no PAV a garantia da tua saúde; e sabes que a tua saúde é o melhor capital de que dispões;


– E que, não procurando o PAV, não te desinfectando, arruínas a tua saúde para sempre, contraindo doença venérea; e depois levas para casa mal ruim que pegarás à tua mulher e que transmites a teus filhos.


FICA SABENDO:

– Que essas doenças venéreas são a blenorragia (corrimento de pus pela uretra) e que aparece alguns dias depois do contacto sexual;

– As feridas no pénis e órgãos genitais e até na boca e no ânus (cavalos duros) podem aparecer só passadas algumas semanas, e que muitas vezes se não dá pelo aparecimento, porque podem não doer; e há outras fendas no pénis (cavalos moles) que dão muitas vezes inchaços nas virilhas (as mulas).


TOMA CUIDADO:

– Com as mulheres que se dizem muito sérias e saudáveis e em geral são mais perigosas do que as outras. E procura não ter relações sexuais com mulher que tenha feridas, caroços nas virilhas ou no pescoço, rouquidão, aftas, purgação ou qualquer corrimento, que tenha as roupas manchadas, ainda que para isso te dê qualquer desculpa e que diga não ter isso importância alguma.


PROCURA:

– Fazer uma completa e boa desinfecção e para isso segue as regras que estão afixadas no PAV e assim:

– Urina com força (pois que, urinando, fazes uma boa lavagem da uretra) e baixando as roupas convenientemente utiliza o mictório,  cavalgando com a face voltada para a parede e ensaboa, com o sabão desinfectante, durante um minuto, tudo o que esteve em contacto com as partes genitais da mulher, lava bem tudo com bastante água e, a seguir, repete a lavagem com mais sabão e durante 2 a 3 minutos.

ATENÇÃO:

– Nunca te fies na experiência apregoada das praças velhas e procura sempre o PAV, nunca te esquecendo que o tens de fazer dentro de 3 horas, o máximo, pois que, mais tarde, a desinfecção já não tem efeito; e mais, sempre que tenhas qualquer suspeita de doença venérea, consulta sempre o médico da tua unidade.


[Revisão / fixação de texto para efeitos de edição no blogue: LG]


2. O nosso saudoso camarada, do Porto,  Armandino Alves (1944-2014),  ex-1º Cabo Auxiliar de Enfermagem, CCAÇ 1589 (, Beli, Fá Mandinga e Madina do Boé, 1966/68)  (*), escreveu a propósito deste documento o seguinte em 2009 (**)

(...) "Recebi o o teu e-mail e fiquei admirado com a existência do referido Livro. Nem na recruta nem no Ultramar foi distribuído tal livro ao serviço de saúde para ser entregue aos militares .

Mas pelo que depreendo deve ter sido para a Guerra de 1940/45 [, o documento é posterior, é de 1954]. E digo isto porque em 1960 [, mais exatamente em 1963] Salazar acabou com a prostituição. Isto diziam eles. Como deves saber até essa data havia as chamadas casas de tia e vários cafés especializados nisso (no Porto havia o Derby, o Royal, o Moderno e o Portuense onde elas estavam sentadas nas mesas e era só escolher)." (...)


E acrescentava sobre as práticas sanitárias da época:

(...) "Nessa altura elas possuíam um livrinho, tipo Boletim de Vacinas, onde era anotado pelo Médico o estado delas. Se fossem apanhadas pela Polícia com o livrinho com a inspecção fora da validade dava 3 anos de cadeia. No Porto essas inspecções eram feitas num anexo nas traseiras da Biblioteca Municipal do Porto .

"Ora como na teoria tinha acabado a prostituição para quê mandar editar esses opúsculos ?" (...)

E focando-se no seu tempo, enquanto militar:

(...) "A verdade é que o que existia nos postos médicos das unidades (e nem em todos) era umas caixinhas com umas bisnagas com um produto que eu nem me lembro do nome, que o soldado solicitava quando queria ir às putas, mas tinha que se anotar o nome, dia e hora a que era solicitado. Claro que ninguém ia buscar o dito tubinho.

"E foi assim que, quando a minha Companhia regressou do mato a Bissau e os soldados se sentiram livres, apareceu-me passados dias em vários soldados os sintomas da blenorragia.

Ora isto tinha que ser comunicado ao Médico que por sua vez informava o Comando da Companhia que por sua vez agraciava o infractor com cinco dias de detenção. Ora detidos já tinhamos estado nós no mato durante um ano e, como eu já sabia que o médico ia receitar Penicilina na dose mais forte, foi o tratamento que eu lhes prescrevi e para estarem na enfermaria a X horas para ser eu a aplicar as referidas injecções. Só que para meu azar um dos atingidos, por motivos de serviço não pôde estar no horário previsto e foi ter com o Cabo Enfermeiro de Dia para que lhe desse a injecção. Como ele não sabia de nada,  comunicou ao Médico,  que comunicou ao meu Comandante e este chamou o soldado que lhe disse que tinha sido eu que o mediquei.

Claro que fui chamado ao Comandante que me ameaçou com os referidos 5 dias de detenção. Eu então perguntei-lhe se fosse no mato o tratamento era o mesmo... Felizmente o Comandante, atendendo aos bons serviços prestados durante toda a Comissão, rasgou a participação do Médico e ficou tudo em águas de bacalhau."

E concluindo:

(...) "O que as brochuras dizem não é bem o que se passa no terreno a nível prático. A gente vai-se desenrascando conforme pode e sabe e isso às vezes salvava vidas." (***)

___________________


Guiné 61/74 - P20198: Parabéns a você (1688): Cor Inf Ref Carlos Alberto Prata, ex-Capitão, CMDT da CCAÇ 4544/73 e CCAÇ 13 (Guiné, 1973/74) e Hélder V. Sousa, ex-Fur Mil TRMS TSF (Guiné, 1970/72)


____________

Nota do editor

Último poste da série de 29 de Setembro de 2019 > Guiné 61/74 - P20186: Parabéns a você (1687): António Bastos, ex-1.º Cabo At Inf do Pel Caç Ind 953 (Guiné, 1964/66)

quarta-feira, 2 de outubro de 2019

Guiné 61/74 - P20197: Historiografia da presença portuguesa em África (178): “Duas descrições seiscentistas da Guiné”, de Francisco Lemos Coelho, introdução a anotações históricas por Damião Peres, Academia Portuguesa de História, 1953 (2) (Mário Beja Santos)



1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil Inf, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 27 de Janeiro de 2017:

Queridos amigos,
Quanto às ilustrações que aqui se apresentam, constam de uma esplêndida publicação da Sociedade de Geografia de Lisboa onde se mostram os seus tesouros artísticos. Pedi autorização ao seu presidente para destacar no nosso blogue estas quatro peças artísticas guineenses, amavelmente acedeu.
Continuo a frequentar com regularidade a biblioteca desta Sociedade, possuidora de valiosa documentação que me permite estudar e recolher belíssimos relatos de viajantes para uma obra que idealizei com o título "Guiné: as suas páginas de ouro", uma recolha de preciosidades escritas a partir de Zurara até aos nossos dias. O trabalho prossegue e o ânimo não desfalece, é um prazer documentar-me e descobrir pepitas de ouro nesta literatura tão injustamente esquecida.

Um abraço do
Mário


Francisco de Lemos Coelho, aventureiro seiscentista na Guiné (2)

Beja Santos

Francisco de Lemos Coelho é autor de duas impressivas descrições que avivam e complementam os conhecimentos e relatos de outros viajantes anteriores e contemporâneos.

Em texto anterior, vimos como ele define territorialmente a Guiné a partir do rio Senegal, viaja e comenta tudo quanto vê no que é hoje correspondente ao território senegalês, demora-se em Cacheu e Bissau e quando parte escreve: “Antes de passar daqui para diante me parece dar notícia das ilhas dos Bijagós que ficam já de trás e começam de frente das ilhetas ao mar, e vão correndo para a banda do Sul, farei sua narração, e direi primeiro o costume e natural dos negros, e o que foram, e são hoje de presente”. E enceta a descrição do território Bijagó, seus ritos e costumes: “Esta casta de negros dizem os antigos que foram povoadores do Reino dos Beafares, os quais foram conquistados pelos ditos Beafares, gente do sertão adentro e que vendo-se apertados fugiram em canoas que também chamam almadias, e vieram povoar estas ilhas”. Tendo sido perseguidos pelos Beafares acabaram por vencer e arrebanharam as suas presas como escravos. Os Bijagós fizeram-se grandes guerreiros, atacaram os Papéis, chegaram ao Geba e a Cacheu, em toda a parte eram temidos.

Mais adiante Lemos Coelho observa: “Hoje é a gente mais doméstica que tem a Guiné, e mais amiga do branco”. Considera as mulheres Bijagós como formosíssimas, dizendo que na sua terra vestem saias de palha até ao joelho. E adianta: “Não é proibido o matrimónio se não no primeiro grau de consanguinidade, o homicídio não se castiga mas os parentes do morto podem matar o matador se podem, não há rei entre eles mas os grandes são juízes em suas desavenças”.

O relato prossegue com a descrição a partir da ilha de Bissau para o rio de Geba. “Corre da ilha de Bissau para Leste o rio de Geba o qual tem à banda do Norte os Balantas, que vão correndo da terra de Antula, e da banda do Sul o Reino de Guinala, que é o maior que têm os Beafares; assim que da banda do Norte acabando a terra dos Balantas se dá logo no Reino de Gole, também de Beafares, aqui começa o rio a estreitar, e aqui começa o macaréu que há neste rio, o qual é uma correnteza de água quando vem a enchente com tanta veemência, que quando se sente que vem porque antes de chegar vem fazendo estrondo como de trovoada, e o navio que está solto suspende a âncora para não soçobrar”. Adianta que acima de Gole, da mesma banda do Norte está o reino de Amchomene, também de Beafares, “gente ruim os deste reino, e traidores, logo se segue a terra de Geba sujeita ao Farim de braço, tem seu reizinho, mas está a Farim sujeito”.

“Da banda do Sul está o reino dos Beafares sujeito ao rei de Guinala, ou do rio grande. É a povoação de Geba a terceira que há hoje na Guiné, e agora faz 30 anos que se podia dizer era a primeira no trato (comércio), como nos moradores, mas como o capitão de Cacheu mandou levar os moradores para com eles fazer a povoação de Tubabodaga (Farim) e hoje não há nela mais do que filhos da terra, se bem ainda destes há mais de 200 almas cristãs e costuma o Cabido de Cabo Verde mandar aqui um clérigo para administrar os sacramentos a estes cristãos”. E retrata Geba: “Era a dita povoação de Geba de maior trato de toda quantas havia em Guiné, aqui era que se vendia à cola, aqui se despachava muito ferro a troco de cera, aqui se comprava muito marfim que vinha da terra dos Cocolins, gente que confina com os Beafares. Esta é a povoação que foi de Geba à qual não ficou mais do que o nome, e com isto torno ao porto de Bissau para dele fazer o caminho para o Rio Grande”. E começa a descrição do Rio Grande, dizendo que indo de Bissau para o Sul se chega à ilha de Bolama, que era povoada de Beafares e que por causa dos Bijagós está hoje despovoada, observa que tem à entrada muito bons portos a que se chama prainhas por causa de umas alegres praias de área que tem em terra e junto delas há muito bons recifes de pedra; “a terra é fertilíssima mui cheia de palmeirais e de árvores frutíferas”.

E começa a descrição de Guinala: “Há no fim da terra de Guinala uma grande aldeia que se chama Corubal que é como feira adonde vêm mercadores de todas as partes a comprar e vender, vende-se nela principalmente muitos negros, roupas e tintas com que se tinge a roupa na Guiné de azul. Os moradores desta aldeia são geralmente Mandingas. Há também na terra de Guinala o melhor gado vacum que tem toda a Guiné, nem entendo se há melhor no mundo, assim na gordura como no sabor”. E começa a comentar o povo Beafare: “Os Beafares não têm religião nenhuma mais que adorarem uns paus a que chamam Chinas, aos quais sacrificam vacas e galinhas, e os untam com o sangue como os Bijagós”. E tece outros comentários: “Tem o porto de Guinala o melhor peixe que há em toda a costa da Guiné, principalmente umas tainhas brancas de que há tanta quantidade que fazem negócio delas secas ao sol".

O primeiro documento de Francisco de Lemos Coelho caminha para o fim, no que toca à descrição do território onde aproximadamente se vai constituir a presença portuguesa na pequena Senegâmbia. Este texto descreve o que ele vê do Rio Grande para o Rio de Nuno, ou seja a região Sul da Guiné e a orla litoral do que é hoje a Guiné Conacri. “Partindo do Rio Grande a primeira terra que nos fica pela costa abaixo é o rio dos Tambalis, os moradores da terra são Beafares, o negócio é negros, marfim e muito mantimento, não há má viagem para os brancos que vivem no rio Grande. Toda a mais terra daí até ao rio de Nuno que são pela costa abaixo mais de 30 léguas tudo são Nalus, se bem não temos comunicação com este gentio pelos seus portos por quanto há por este caminho muitas coroas e recifes”.

O rio de Nuno tinha grande importância nestas viagens até à Serra Leoa, daí a presença de brancos: “Tem na povoação do rio de Nuno uma igreja de Santo António, santo para quem se tem notável devoção, daqui para baixo não só os brancos mas também o gentio; morou aqui um frade capucho castelhano que veio morrer em Bissau. Também costuma o Cabido de Cabo Verde mandar aqui às vezes sacerdote administrar os sacramentos a estes cristãos”.

Vai seguir-se “Descrição da Costa da Guiné e situação de todos os portos e rios dela, e roteiro para se poderem navegar todos os seus rios”, quem o escreve é o Capitão Francisco de Lemos Coelho, em São Tiago, Cabo Verde, 1684.

(Continua)

Espada Mandinga
Irã Bijagó
Máscara Nalu

Machado, ritual Nokubê
____________

Nota do editor

Último poste da série de 25 de setembro de 2019 > Guiné 61/74 - P20174: Historiografia da presença portuguesa em África (177): “Duas descrições seiscentistas da Guiné”, de Francisco Lemos Coelho, introdução a anotações históricas por Damião Peres, Academia Portuguesa de História, 1953 (1) (Mário Beja Santos)