sábado, 14 de janeiro de 2012

Guiné 63/74 - P9354: Viagem à volta das minhas memórias (Luís Faria) (48): Bula - estória de uma foto

1. Mensagem do nosso camarada Luís Faria (ex-Fur Mil Inf MA da CCAÇ 2791, Bula e Teixeira Pinto, 1970/72), com data de 11 de Janeiro de 2012:

Amigo Carlos Vinhal
Segue mais uma estória de “Viagem…” que poderá trazer às lembranças Camaradas que em dado momento se voluntariaram em nome de uma ou outra razão, assumindo riscos que lhes não caberiam. Devo dizer que me merecem todo o respeito.

Que 2012 seja ultrapassado com saúde e que as amizades se fortaleçam.
É o meu desejo para ti e para todos

Abraço
Luís Faria


Viagem à volta das minhas memórias (48)

Bula – estória de uma foto

Companheiros de guerra havia - julgo que em especial daqueles que pertenciam aos serviços e se encontravam integrados em Batalhões ou Companhias estacionados em centros populacionais mais importantes - que não queriam regressar a casa no final da comissão sem terem saído pelo menos uma vez para o mato.

Uma fotografia carrega (va) com ela uma dessas estórias. Estou cansado de a procurar… não aparece! Sinceramente gostava muito de a encontrar. Na certa não havia (há) outra no mundo… será única esta fotografia original, tirada julgo no terceiro terço de 1972.
Preservei-a religiosamente durante trinta e tal anos … ficou até ver desaparecida, esquecida ou “surripiada” há bem pouco tempo, talvez numa qualquer mostra em reuniões nossas.
Tenho pena que tenha acontecido, pois como disse, carrega (va) com ela uma estória comum a alguns, talvez até a muitos Companheiros da guerra.

Por Bula íamos avançando nas semanas, intervalando ócio e lazer com emboscadas, operações, patrulhamentos e serviços, ansiando pela rendição que parecia não mais acontecer, mas que a cada dia ganho se ia aproximando.

Acontece que, sendo a “FORÇA” uma Companhia de intervenção, mas estacionada num aquartelamento sede de Batalhão, à altura pouco atreito a ataques, havia rapaziada dos serviços que nunca tinha saído para o mato em operações e como tal achariam talvez não terem ainda sentido verdadeiramente aquela guerra.

Assim, um ou outro não querendo acabar a comissão e regressar a casa sem ter minimamente vivido e usufruído dessa experiência, de modo a saberem e sentirem como era, para os finais de comissão e quando sabiam de saída para operações, pediam-nos para integrar o grupo, o que era consentido ou não, dependendo do risco do objectivo, da pessoa e da autorização do Capitão.
Claro que se tentava demovê-los e só o consentíamos se considerávamos o objectivo de pouca probabilidade de confronto, sendo que de qualquer modo o risco existia sempre.

É neste contexto que numa saída para Ponta Matar se apresenta o Lourenço, Fur. Transmissões (o “Metralha”), equipado a preceito e qual “repórter de guerra”, acompanhado da sua quase inseparável “Asai Pentax”(?) pendurada ao pescoço. Instruo-o de que o lugar dele será atrás de mim, que deverá fazer tudo o que me vir fazer, sem despega.

O grupo arranca e lá vamos pela noite cumprindo a missão destinada, que se antevia calma e sem incidentes. A manhã encontra-nos deambulando em plena mata com o Lourenço procedendo como combinado e a assentir que tudo estava bem com ele. O tempo vai passando e registos fotográficos para memória futura, vão ficando na maquineta.

Sem mais nem para quê o tiroteio rebenta. O amigo Lourenço havia ganho a aposta e a experiência desejada, ainda por cima com “picante”que não se antevia.

Dias mais tarde, são-me mostradas as fotografias tiradas, e no lote havia a tal de que falo e anda desaparecida, que a pedido me foi oferecida na altura. Gostava mesmo de a vos poder mostrar, contudo, na impossibilidade actual espero ter a arte e o engenho para a descrever de molde a que possam observá-la como se à estampa tivesse sido dada.

É uma foto de grande nitidez e originalidade, tirada nas matas de Ponta Matar. Não regista nem uma nesga de chão, nem uma árvore, nem uma pessoa, nem qualquer objecto… nada a não ser uma única haste de capim focada em grande - plano até meia altura do rectângulo fotográfico, majestosa e erecta, perfeitamente centrada na foto e tendo o céu como fundo.

O Lourenço atirando-se para o chão tinha feito o que eu na certa fiz e a foto única e original, talvez inesperada e tirada debaixo de fogo em ângulo superior a 45º… aconteceu.

Luís Faria

Foto LF
____________

Nota de CV:

Vd. último poste da série de 20 de Dezembro de 2011 > Guiné 63/74 - P9237: Viagem à volta das minhas memórias (Luís Faria) (47): O fugitivo

Guiné 63/74 - P9353: História da CCAÇ 2679 (46): SEXA COMCHEFE visitou Tabassi (José Manuel Matos Dinis)


1. Mensagem do nosso camarada José Manuel Matos Dinis* (ex-Fur Mil da CCAÇ 2679, Bajocunda, 1970/71), com data de 11 de Janeiro de 2012:

Olá Carlos,
Aqui vai mais um pedacinho de história da CCaç 2679. Nada de relevante. Aconteceu, porém, uma inopinada visita do ComChefe a uma tabanca em auto-defesa, onde nunca descortinei o paradeiro das G3 novinhas que ali foram distribuídas - Seria interessante saber se o General teria alguma agenda com anotações dessas visitas.

Para ti e para o Tabancal vai um abraço fraterno
JD


HISTÓRIA DA CCAÇ 2679 (46)

"SEXA COMCHEFE visitou Tabassi"

A História da Unidade revela sobre a situação geral durante o mês de Janeiro de 1971:

Durante o mês de Janeiro-71, a actividade de iniciativa IN manteve-se em relação ao período anterior: duas flagelações ao Aquartelamento de Bajocunda e uma ao Destacamento de Copá. É de assinalar a forte intensidade do fogo IN empregue no dia 01JAN71, contra Bajocunda e em 07 contra Copá. Muito embora não causassem quaisquer baixas às NT e à população, os estragos materiais foram um tanto avultados, principalmente no ataque a Bajocunda.
A Companhia mantém o ritmo operacional em relação ao período anterior:
Os dois grupos de combate da CCav 2747 que se encontravam nesta em reforço temporário, regressaram a Piche em 19JAN71, sendo substituídos entretanto por um grupo de combate da CCaç 5 que segue em 21JAN71 para Copá a fim de render o Pel Caç Nat 65, que regressa a esta Companhia em Bajocunda.
A Companhia continua ainda reforçada temporariamente por 01 GrCombate da CArt 2762.
O Pel Caç Nat 65 segue em 22 para Tabassi rendendo 01 GrCombate da Companhia na protecção àquela tabanca.
Em 26JAN71 apresentou-se na Companhia o Pel Mil 298 recém formado em Contuboel que é atribuído de reforço à CCaç.
O Pel Mil 269 continua fixado em Amedalai a fazer a protecção àquela tabanca e diariamente 01 GrCombate reforça Tabassi à noite. Mercê de uma acção psicológica bem orientada a Companhia consegue que se apresentem neste período em Copá, mais 04 elementos da população refugiados na Rep Senegal a fim de ali residir. Em Amedalai também se apresentaram 10 elementos pop que ali fixam residência.
SEXA COMCHEFE visitou Tabassi.


Durante o mês de Dezembro aconteceram os seguintes aumentos ao efectivo:
Alferes Mil de Infantaria Eduardo José Luís Machado Pinto, proveniente da C Caç 2789, para o 4º. Pelotão, e os soldados, Manuel Morais, em rendição individual, e Armando Manuel Lanzana Lapa, proveniente da 26ª. CComandos, ambos para o segundo Pelotão, o Foxtrot. Foram dois elementos de boa valia.

Localização de Tabassi na Carta de Pirada


Minha nota:

Como acabam de ler, o IN mostrou-se bastante colaborante com a NT, pois, sabendo que os elementos da 2679 eram preponderantemente madeirenses, não quiseram deixar-nos passar o ano sem o condigno "reveillon". E no dia 1, pelas 21H45, voltaram a flagelar Bajocunda com um bom potencial de fogo, tendo deslocado morteiros, lança-granadas foguete, canhões s/recuo, e armas ligeiras.

Entretanto, um dia que não assinalei, provavelmente em 27DEZ70, regressei de uma coluna a Nova Lamego e senti-me censado, mas sem qualquer suspeita de doença ou sintoma de mau-estar. Comi, e fui para o meu quarto, onde três ou quatro jogavam cartas. Adormeci naturalmente. Até que a certa altura, já para o tardote, comecei com manifestações estranhas de inquietação e convulsões, acordei, e queixei-me de fortes cólicas, que não me permitiam sossegar. Foram chamar o Vítor que, perante as minhas manifestações, mas sem um diagnóstico (as Companhias em geral não tinham meios de diagnóstico."Guerra, é guerra!"), perguntou-me se eu aceitava uma injecção para acalmar. "Traz lá essa merda, depressa", deve ter sido a minha mais que natural resposta. O Vítor aplicou-me a injecção, que garantia, havia de produzir efeito. Qual quê! Não fez efeito nenhum. Então, o Vítor ministrou-me uma segunda injecção, na falta de medicação alternativa, admitindo que esta segunda dose teria que causar efeito, neutralizando a dor e restituindo-me tranquilidade.

Mais um hiato, talvez de uma ou duas horas, e... nicles. A minha imagem devia ser de desespero, e a malta em meu redor inquietava-se. À terceira dose, o Vítor esgotou os recursos razoáveis, pois não queria matar-me pela cura. Por essa altura, já o Marino, por indicação do Vítor, tinha pedido a minha evacuação.

Amanheceu como todos os dias, mas eu, desesperado, e acagaçado pelo obrigatório ingresso no hospital, não tinha esperança.

Talvez uma horita depois da alvorada, chegou um DO para me transportar ao hospital. Alguns Foxtrot acompanharam-me na despedida com graçolas a que eu nem era capaz de reagir.
Não sei se por efeito do cagaço, se por efeito da altitude, se por "ineficiência" da doença, quando cheguei a Bissalanca sentia-me bem.

Puseram-me numa ambulância e transportaram-me até a um médico que, no hospital, fazia despistagem. Quando me interrogou, disse-lhe da estranha manifestação da doença, e referi as injecções que me tinham dado, o que deveria constar de um qualquer relatório. Depois, despi-me de roupas e preconceitos, e encaminharam-me para a SO - Sala de Observações, um salão com ambiente fresco, onde ocupei a última cama do lado da entrada. Existiam no local oito camas, que passaram a estar preenchidas. Fiz análises e os exames prescritos, e voltei para a cama, onde tapei as vergonhas com um lençol. Era assim, também, para os restantes.

Era um ambiente terrível, e eu não encontrava qualquer razão para estar ali. Todos os meus companheiros de camarata tinham sido vítimas dos acasos da guerra, com excepção do que estava à minha frente, onde permanecia por alguns dias, com o diagnóstico de paraplegia, em virtude de um acidente. Os restantes, feridos em combate, mutilados ou portadores de estilhaços, aguardavam evacuações para Lisboa, e permaneciam em estado de adormecimento, só dando sinal quando as drogas abrandavam o efeito, ou tentavam mudar de posição na cama, e desatavam em choro, quando se encontravam com a nova realidade e as dores emanantes.

Passadas as duas noites a respirar daquele ar condicionado, chegaram os resultados, que revelaram uma amibíase, uma doença provocada por amibas ingeridas com a água que, entretanto, tinham devassado os glóbulos vermelhos. Transitei então para o primeiro andar, onde tomei lugar no primeiro quarto do lado direito, cuja varanda se situava sobre a entrada principal. Quando ali cheguei, apresentei-me ao ocupante da outra cama, o médico de Piche que se "batia" a uma hepatite. Tornei-me um cliente de luxo, pois a par dos mata-bichinhos prescritos, também tinha direito a frutas sul-africanas, e a sumos italianos, sempre em quantidade excedentária, que ainda permitia a alguns camaradas abastecerem-se.

Enquanto ali permaneci, o acontecimento mais relevante foi a operação cirúrgica ao CMDT da Região Militar de Bissau, o célebre "onze". Tinha permanentemente duas sentinelas à porta do quarto, uma atitude lógica, pois qualquer um dos internados poderia tentar-se a fazer justiça perante a oportunidade. E ao fim da tarde, esteve sempre garantido o espectáculo dos oficiais superiores, todos engalanados, a bater com os tacões das botas polidas, nos mosaicos do corredor, numa precipitação para prestarem vassalagem subserviente ao grande senhor enfermo, o grande déspota solitário. Apresentavam-se aos soldados sentinelas, e um deles ia confirmar a autorização para que o interessado tivesse oportunidade para entrar. Foram cenas dignas do magnífico romance de Gabriel Garcia Márquez, "O Outono do Patriarca", que neste caso tentava revitalizar.

Lembro-me ainda de duas situações aberrantes naquele hospital, um furriel miliciano e um soldado, ambos "clientes" da psiquiatria: o primeiro seria refratário por questões políticas, e o segundo teria cometido crimes sobre dois familiares (era o que constava). Ambos tinham o receituário diário, mas uma vez por semana, levavam uma dose extraordinária, uma injecção de vários centímetros cúbicos, que os deixava sem falar e quase sem comer durante dois dias. Aliás, nos períodos intercalares, e tive confirmação disso pelo contacto directo, nenhum deles conseguia manter um diálogo, com nítida falta de capacidade de expressão, e olhares vagos, de ausência. Não sei que futuro tiveram, nem se o psiquiatra contribuiu para a saúde deles.

Estive ausente da Companhia quase por um mês.

No meu regresso fiquei a saber que o Foxtrot, por falta de comando, foi deslocado para Tabassi, onde ficou a defender a tabanca. Durante algumas noites ficaram entregues a si próprios, comandados pelo Cabo mais antigo, ou solidariamente organizados. Também me fizeram queixa de que o pelotão abandonara a aldeia.

Apurei que os almoços eram confecionados em Bajocunda e transportados para Tabassi. Todavia, sem qualquer critério, a chegada das refeições fazia-se tardiamente, a uma hora qualquer, e o pessoal reclamava através da escolta. Coisa que não devia impressionar o capitão e os "sorjas". Até que um dia não se fizeram rogados, e apresentaram-se em Bajocunda para comer no refeitório. Estalou uma bronca, mas o pessoal levou a água ao moinho, e a refeição passou a chegar àquela aldeia pelo meio-dia. Reconheci-lhes razão.

No primeiro dia do ano, o Comandante-Chefe deslocou-se a Tabassi, inopinadamente, pelo que terá confirmado a espécie de ostracismo e displicência a que o Foxtrot estava votado. Não havia nenhuma razão especial para que o General ali se deslocasse propositadamente, salvo quaisquer eventuais informações que lhe chegassem por outras vias, talvez o COT-1; talvez a PIDE, ou o Mário Soares. Também não posso afirmar que se tenha ali dirigido para saudar o Foxtrot. Podia querer cimentar a relação com o chefe de tabanca, um individuo pouco (nada!) atento à condição da auto-defesa, ou saudar a população e a tropa.

Sobre a visita, a História da Unidade regista a seguinte frase no contexto situação em Janeiro/71: "SEXA COMCHEFE visitou TABASSI".
____________

Notas de CV:

(*) Vd. poste de 4 de Janeiro de 2012 > Guiné 63/74 - P9311: (Ex)citações (171): A propósito de citações e comentário do Mais Velho (José Manuel Matos Dinis)

Vd. último poste da série de 29 de Dezembro de 2011 > Guiné 63/74 - P9285: História da CCAÇ 2679 (45): Um aniversário em Bajocunda (José Manuel Matos Dinis)

Guiné 63/74 - P9352: Excertos do Diário do António Graça de Abreu (CAOP1, Canchungo, Mansoa e Cufar, 1972/74) (4): Os foguetões 122 mm que vi, ouvi e contei ao longo de quase dois anos...







Lisboa > Museu Militar > O foguetão 122 mm ou a arma especial Grad (na terminologia do PAIGC).Era uma arma de artilharia, de bater zona e não de tiro de precisão, com   alcance máximo de 11.700 m para 40º de elevação. Segundo um relatório do PAIGC a distância maior a que se efectuou tiro, teria sido contra Bolama, em 4 de Novembro de 1969, a 9.800 m. O foguete dispunha de um perno (assinalado a vermelho ) que, percorrendo o entalhe em espiral existente no tubo, imprimia uma rotação de baixa velocidade afim de estabilizar a vôo. As alhetas só se abriam depois do foguete sair do tubo. Enviei para o blogue, há algum tempo, a fotografia do Tubo que se encontra no Museu Mil Lisboa, que julgo ser o capturado em Cufar, em Janeiro de 1973.  (NR)

Fotos (e legenda): © Nuno Rubim (2007). Todos os direitos reservados.





1. Do nosso camarada e amigo, António Graça de Abreu (AGA), publica-se mais uns tantos excertos do seu Diário da Guiné, 1972/74, a partir do ficheiro em word que serviu de base à edição do livro Diário da Guiné: Lama, Sangue e Água Pura (Lisboa: Guerra & Paz Editores, 2007, 220 pp). (*) 


Desta vez selecionámos passagens em que há referências a ataques ou flagelações a aquartelamentos e destacamentos com foguetões 122 mm, enquanto ele esteve no CAOP1 (Canchungo, Mansoa e Cufar)... Tudo somado, ao fim de quase dois anos de comissão são muitas centenas de rebentamentos, com especial especial destaque para os que caíram no sul, na região de Tombali... O AGA esteve em Cufar, no CAOP1, de Junho de 1973 a Abril de 1974. 


Com a devida vénia ao nosso camarada que nos autorizou a utilização do seu trabalho... LG
________________________________


Canchungo, 7 de Julho de 1972


(...) Recebi carta da minha mãe. Diz-me que foi ao Porto e que, por amor de mim, colocou um grande ramo de flores no altar de Santo Ildefonso, na igreja da praça da Batalha. Que o santo me proteja!


Mas não me parece viver em situação de grande perigo. Tenho muitos privilégios, não sou propriamente um operacional, não saio para o mato de G 3 em punho em busca do IN. Há apenas o problema dos bombardeamentos, flagelações ou de uma emboscada na estrada.


Quase há um ano que Canchungo não é atacada pelo PAIGC. A última vez, a 3 de Agosto de 1971, foi com foguetões 122 disparados a onze quilómetros de distância. Durante quatro minutos sobrevoaram o quartel, sibilando no ar e foram rebentar lá longe, na bolanha, nos arrozais a sul. Foi só susto, não houve mortos nem feridos, apenas um capitão, ao fugir, caiu numa vala e partiu uma perna.
____________________________________


(...) Canchungo, 22 de Agosto de 1972


Existe um CAOP 2. Fica em Nova Lamego, terra dos homens de etnia fula, lá no leste, não muito longe da fronteira. É uma zona menos pacífica do que a nossa. Foram agora flagelados com foguetões 122. Não sei ainda o que são, nem o estrago que provocam. A semana passada, nos arredores de Nova Lamego, uma mina anti-carro fez ir pelos ares um camião Berliet, tendo provocado 19 feridos, alguns graves. Nova Lamego nem é do pior. Aqui a nordeste, o aquartelamento de Olossato foi bombardeado a semana passada durante hora e meia. Nós, em Canchungo, fomos atacados (?) durante um minuto. O ataque em Olossato veio de todas as direcções com um potencial de fogo de arrepiar. No entanto, não se deve abrir muito a boca nesta guerra, as nossas tropas só tiveram um ferido grave e três feridos ligeiros. Os abrigos e as valas para alguma coisa servem.
________________________________________

(...) Canchungo, 27 de Janeiro de 1973


Mansoa é o nosso destino. Entre as três possibilidades, Bula, Bissorã e Mansoa, não sei qual é a melhor, é dos tais casos em que “venha o diabo e escolha.”


Pouco sei sobre Mansoa, o meu baluarte nos próximos catorze meses. Mas é a maior das três que nomeei atrás e tem uma vantagem, a sua proximidade de Bissau - uns 60 quilómetros, -   e o facto de existir uma estrada asfaltada onde se circula normalmente sem escolta. Para oeste, entre Mansoa e Bissau, o IN não actua. No entanto, a vila é menos pacífica do que Teixeira Pinto. Para norte, leste e sul já os guerrilheiros se movimentam entre a malha dos aquartelamentos portugueses e encontram-se bases IN não muito distantes. Não vou falar mais da sagrada e intocável Caboiana, agora vai ser o Morés, o Queré, o Choquemone, o Oio.


Mansoa tem a grande desvantagem de “embrulhar” em média uma vez por mês. Tanto quanto sei, fazem pontaria para o quartel e disparam os foguetões 122, os canhões sem recuo, a uma distância que varia entre os quatro e os dez quilómetros. Eles são maus artilheiros, não costumam acertar na tropa e pelo que tenho lido nos relatórios diários que historiam esta guerra, quem normalmente paga as favas nas flagelações a Mansoa é a população negra das tabancas. A tropa tem abrigos, os disparos IN acertam com mais facilidade nas casas da vila do que no quartel.
________________________________


(...) Mansoa, 12 de Março de 1973


Bissá, um pequeno aquartelamento doze quilómetros a sul de Mansoa, foi atacado sábado passado às nove e meia da noite, estava eu a beber um café na esplanada do Simões, o restaurante. Foi um ataque a sério que se prolongou por quarenta e cinco minutos, apesar da distância ouviam-se os disparos e rebentamentos com muita nitidez. Os dois obuses de Mansoa ajudaram ao barulho e dispararam cinquenta e sete granadas de canhão sobre as zonas prováveis de retirada do IN. Só hoje soube os números.


Resultado, o IN destruiu e queimou oitenta e sete tabancas, houve três mortos entre a população, muitos feridos e gente intoxicada. As NT de Bissá não sofreram nada, além do desgaste psicológico que uma flagelação tão dura como esta costuma provocar.


Mantive-me tranquilo, mas se em vez de Bissá a ser atacada tivesse sido Mansoa diria, por certo, adeus à pacatez e à calma. Estar dentro de um quartel cercado de arame farpado e experimentar as sensações fortes de ouvir os foguetões, as granadas de morteiro e canhão sem recuo a vir em nossa direcção ou a cair não muito longe de nós, faz com que os rebentamentos comecem a ficar cá dentro. Agora entendo melhor porque é que, depois do regresso a Portugal, um ex-combatente ouve um foguete rebentar na romaria da aldeia e corre, tremebundo, a esconder-se no primeiro buraco que lhe aparece.
_______________________________


(...)  Mansoa, 19 de Março de 1973


Foi a vez de Infandre “embrulhar”, um aquartelamento com quarenta militares e cerca de mil habitantes, dez quilómetros a norte daqui. Levaram com foguetões, canhão sem recuo, RPGs, morteiros, armas automáticas, foram atacados com um enorme potencial de fogo. No destacamento, não houve feridos, apenas os usuais estragos materiais. A pobre da população é que pagou as favas.


Em Infandre, como em muitos outros lugares da Guiné, os negros tanto fazem o nosso jogo como apoiam o PAIGC. Mas a população é sempre infeliz. Nas flagelações à distância, os guerrilheiros não acertam na tropa portuguesa e acabam por provocar mortos e feridos nos habitantes negros que tantas vezes até não lhes são adversos. É a guerra impiedosa, cruel.
_____________________________


(...) Mansoa, 6 de Maio de 1973


Os militares do quartel de Bula, ainda na zona se acção do CAOP 1, estão a passar por dificuldades. A vila fica mais perto de Bissau do que de Mansoa, a norte, e é um lugar estrategicamente importante. Um grupo grande de guerrilheiros anda por lá a fazer estragos. Numa emboscada próxima da povoação, as NT tiveram sete mortos, quatro soldados brancos e três negros e bem podem agradecer a Deus. Eram só trinta e cinco soldados portugueses contra duzentos guerrilheiros, não foram todos dizimados por acaso.


Em seguida, Bula foi atacada com foguetões, sem consequências. O batalhão da terra é constituído por “periquitos” acabados de chegar de Portugal, inexperientes e medrosos. Os guerrilheiros sabem que eles são novos na Guiné e vá de atacar, atacar, atacar.


O meu coronel [, comandante do CAOP1,] foi hoje de urgência para Bula, às cinco da manhã, orientar as operações de contra-guerrilha, dar força aos militares de lá. Seguiu sozinho de jipe, por companhia apenas a sua espingarda Kalashnikov, em sessenta quilómetros de estrada. Se o itinerário não é muito perigoso porque atravessa zonas controladas pelas NT, não posso deixar de reconhecer a coragem deste homem, já com mais de dois anos de comissão na Guiné. Tenho tido os meus problemas com ele, sobretudo devido à minha incompetência como pequeno oficial do exército, mas reconheço-lhe uma enorme valentia e excepcionais qualidades de comando.


Ao meio-dia e meia hora, estava de regresso a Mansoa, de novo sozinho no jipe, depois das reuniões com os oficiais de Bula. Voltou célere porque para hoje estava marcado um almoço de despedida em sua honra, oferecido pelos oficiais e sargentos do CAOP1. Não me admira que amanhã parta outra vez para Bula, ou para qualquer outro lugar da Guiné onde se justifique a sua presença, o seu comando de operações. (...)


______________________________


(...) Cufar, 25 de Junho de 1973


Não estou encantado com o lugar que vim encontrar, mas Cufar é melhor do que eu imaginava. Em termos de guerra, segurança pessoal, companheiros de armas e instalações.


Ponto Um: Estou no sul da Guiné, rios, canais, bolanhas, florestas. Até Dezembro de 1972, isto era quase tudo território do PAIGC. Havia os aquartelamentos de Catió, Cufar e Bedanda bem defendidos onde a tropa portuguesa não punha muito o nariz de fora. Em Abril de 1972 estiveram por aqui observadores do Comité de Descolonização da ONU para conhecer as realidades das zonas libertadas pelos guerrilheiros. Vieram de Conacry, entraram pela zona de Guileje, chegaram até perto de Cufar, sempre a pé, abrigados pelas florestas. (...)


Há três meses, em Março [de 1973], Cufar foi atacada com uma dezena de foguetões 122. Só um caiu dentro do nosso arame farpado e, por incrível que pareça, bateu numa árvore, tombou para uma vala onde estavam quatro soldados e não rebentou. Só vendo se acredita, e eu vi. Os soldados penduraram na árvore o resto da fuselagem do foguetão, como um autêntico troféu de guerra. O local fica a trezentos metros da minha secretaria e esta tarde voltei lá para confirmar o que os meus olhos tinham visto, claramente visto. (...) 
________________________

Cufar, 2 de Julho de 1973

Catió “embrulhou” ontem às seis e meia da tarde. Seis foguetões, como de costume caíram fora do quartel. Em Cufar, ouvem-se sempre os rebentamentos mas a maioria do pessoal está tão habituado que já nem estranha. Hoje, às seis da manhã, acordei com mais pum, catrapum, pum, pum, tão diluídos na distância que voltei a adormecer. Era Gadamael.

______________________________

(...) Cufar, 20 de Julho de 1973

 A guerra acalmou, sossegou na nossa zona. Anda tudo admirado, mas isto tem uma explicação, é por causa da época das chuvas que conhece agora o seu auge. Chove todos os dias, as bolanhas, o mato enchem-se de água, é difícil caminhar quilómetros e quilómetros por trilhos na floresta, carregando às costas foguetões, morteiros, granadas, etc., para flagelar um aquartelamento. Num ataque em forma, o terreno precisa de estar firme para um bom apoio e eficiência das armas mais pesadas. No período das chuvas, a terra está mole, húmida, empapada em água. As saídas das granadas de morteiro, por exemplo, fazem com que o tubo de morteiro recue e se enterre no solo. Com as chuvas, os guerrilheiros aproveitam a menor actividade das NT para se reabastecerem, construir tabancas, trabalhar nos arrozais.

__________________________________

(...) Cufar, 26 de Setembro de 1973

 O PAIGC declarou ontem a independência. Por aqui nada mudou a não ser que agora, oficialmente, somos nós portugueses quem está a ocupar a pátria deles.

Temos um novo tenente-coronel no CAOP 1, com apenas cinco dias de Guiné. Andou pelo Estado-Maior e fez comissões em Angola e Moçambique, sempre nas delícias do ar condicionado. Está a estranhar as realidades deste abençoado lugar. Ontem até chamou Cafur a Cufar! No dia em que chegou, Bedanda esteve aí a “embrulhar” durante uma hora, com foguetões 122, mais de trinta, sem consequências. Meio assustado, o tenente-coronel perguntou-me: “Isto é sempre assim?” Eu respondi-lhe: “Não, meu tenente-coronel, isto costuma ser muito pior!”



_________________________________

(...) Cufar, 8 de Novembro de 1973

 Os dias fabulosos, as histórias que não conto, os whiskies que bebemos, às vezes a morte, espantalho de sangue agitado ao vento diante da menina dos olhos.

De madrugada, Gadamael, chão com cadáveres, juncado de medos. Quarenta e seis foguetões 122 disparados pelos guerrilheiros do PAIGC sobre o aquartelamento, aqui a sul, na fronteira. Apenas me apercebi de rebentamentos distantes, no sono do resto da noite. É normal, já nem estranho. Mas na mente de cada um de nós, a preocupação cresce. Quarenta e seis foguetões sobre Cufar, como seria?

As bebedeiras, cerveja, vinho, whisky, o álcool a circular no sangue temeroso. Os homens tontos de mágoa, solidão e medo.



___________________________________

(...) Cufar, 11 de Novembro de 1973

 Outro dia duríssimo para Gadamael. Às seis da manhã, eu dormia mas acordei sonolento com os muitos rebentamentos distantes. Foram duas horas de flagelação com quarenta e dois foguetões 122. Tiveram dois mortos e muitos feridos.

Quando chegou a Cufar, o meu tenente-coronel “periquito” vinha cheio de ideias para pôr num brinquinho o que resta do CAOP 1. Começa a baixar a cabeça, a entrar na realidade. Ficou alterado com os ataques a Gadamael, hoje à noite apanhou uma bebedeira monumental. As pessoas, quer as do pequeno, quer as do grande mando, quando têm vinho dentro ficam claras como água.



___________________________________

(...) Cufar, 14 de Novembro de 1973


Vieram os “jactos do povo”, como os guerrilheiros lhes chamam. Gostei, desta vez não apontaram aos vizinhos do lado, era connosco e, como costuma acontecer, tivemos sorte. Foram disparados oito foguetões 122 e só rebentaram três, a mais de quinhentos metros de Cufar.

Eram oito da noite, eu estava no gabinete do capitão a jogar xadrez com o Eiriz, o alferes das transmissões, quando ouvimos o silvo de um foguetão e um primeiro rebentamento. Saltámos rapidamente para a vala situada ao lado do edifício onde já havia gente abrigada, caímos uns por cima dos outros e ficámos quietinhos, à espera. Uns dez minutos depois, porque não havia mais foguetões, saímos da vala, não muito assustados. Foi um ataque pequeno, daqueles que só servem para criar insegurança e medo.

O médico, o Bastos, ficou por baixo de uma molhada de alferes e saiu da vala zangadíssimo, agastado com o Miguel Champalimaud (sobrinho do António Champalimaud, o “tio Patinhas” português). O rapaz caíra-lhe em cima e, com os foguetões a rebentar, o Miguel peidara-se, cagara-se como um rei por cima da cabeça do Bastos. Uma cena de antologia digna do Chaplin, do “Charlot nas Trincheiras da Guiné”. (...)

___________________________________

(...) Cufar, 21 de Novembro de 1973

Guerra todos os dias. Ontem às seis de tarde, hoje às seis da tarde. Ontem foi Cobumba, estávamos a começar a jantar e pum, catrapum, pum, pum. Alguns de nós saltaram das mesas e começaram a correr para as valas. Cobumba fica aqui mesmo ao lado e como têm lá uma nova companhia de “periquitos”, os guerrilheiros trataram de lhes fazer condigna recepção, com foguetões, morteiros, canhão sem recuo, tudo a disparar numa cadência de fogo impressionante. O pessoal de Cobumba teve sorte, estão lá estacionados quatrocentos homens – a companhia velha e os “periquitos” que os vêm substituir – e não sofreram uma beliscadura.

Hoje foi a vez de Gadamael, já não era atacada há dois dias e meio! Embora muito mais distante do que Cobumba, ouviam-se os rebentamentos com extrema nitidez. Foram só vinte minutos de fogo, também a um ritmo capaz de assustar o mais valente, as granadas rebentavam de dez em dez segundos. Não sei se houve consequências para as NT em Gadamael, mas a flagelação foi tremendamente feia. O ataque a Cufar dia 13 passado, comparado com estes dois que ouvi ontem foi uma brincadeira.



Em resumo, a nossa tropa anda acagaçada. O PAIGC movimenta-se, põe, dispõe e manda lembranças. Começamos a ver a guerra com os olhos cada vez mais tortos. A aviação actua, os Fiats fartam-se de bombardear aqui em redor, numa cintura aí de quarenta quilómetros. Volta e meia ouvimos o zumbido dos aviões a jacto e os rebentamentos secos das bombas a cair. (...)
_________________________________

(...) Cufar, 4 de Dezembro de 1973



Mais foguetões 122 e de novo para Cufar, direccionados para o interior do nosso aquartelamento. O Chugué, há dois dias levou com vinte e cinco foguetões, sem consequências, Gadamael tem sido tão flagelada, com consequências, que já perdemos a conta ao número dos foguetões. Nós, mais humildes, fomos brindados com dez projécteis explosivos disparados durante quinze minutos.

Eram nove e um quarto da noite, eu estava na varanda do meu quarto a ouvir a BBC e senti o silvo, os rebentamentos próximos. Logo de seguida soaram as rajadas das nossas metralhadoras. Os foguetões IN caíram todos fora do perímetro de Cufar, felizmente. É o costume, são disparados de muito longe, a onze quilómetros de distância, os guerrilheiros têm má pontaria, os foguetões são difíceis de orientar, ou desorientam-se no ar, e por isso não costumam acertar. Mas assustam, assustam sempre.

Vim ter com os meus soldados. Havia uma certa excitação, ainda para cúmulo choveu esta tarde. As valas estavam cheias de água e lama, e uma vez mais havia soldados que saíam das valas cobertos de lama, borrados de medo.

_________________________________

(...) Cufar, 9 de Dezembro de 1973

 Esta noite fui obrigado a ir dormir a cama alheia. Ao chegar ao quarto, deparei com uma majestosa invasão de formigas gigantes baga-baga, aquelas que ostentam umas tenazes afiadas e mordem como santolas. Haviam entrado por duas frinchas na parede grossa e começavam a fabricar o seu formigueiro exactamente sob o vão do colchão da minha cama. Não as contei, mas seriam cinco a dez mil formigas laboriosas e trabalhadoras que tinham tido o bom gosto de habitar o espaço onde durmo. Era tarde, quase meia-noite, estivera a jogar xadrez, limpei cinco alferes, começo a jogar bem. Depois, não havia insecticida à mão e, à paulada, não era fácil correr com aqueles milhares de monstros pequeninos. Por isso, peguei nos meus lençóis, na almofada e resolvi ir pedir asilo ao meu amigo alferes Neto, da 4740, que habita um quarto grande, com duas camas.

Às cinco menos dez da manhã, fomos acordados pelos pum, catrapum, pum, pum. Era Cobumba, os nossos vizinhos mais próximos. Mais um ataque filho da puta! Estava tudo a dormir e durante meia hora a cadência de fogo era impressionante. Se fosse connosco, lá teria eu de fugir em cuecas para a vala. Cobumba levou o tratamento do costume, foguetões, canhão sem recuo, RPGs e morteiros. Também como é habitual, nem uma beliscadura nos duzentos homens que por lá padecem.

_________________________________


(...) Cufar, 21 de Janeiro de 1974 

Cumpriu-se um ano sobre o assassinato do Amílcar Cabral e o PAIGC comemorou a data. Aqui na zona atacaram os aquartelamentos de Gadamael, Cafal, Cafine, Cadique, Cobumba, Bedanda, Chugué, Catió e … Cufar. 

Eram dez da noite, sozinho no quarto, lia umas “Vidas Mundiais” antigas e ouvia uma cassete com o Concerto de Aranjuez, de Joaquin Rodrigo. Por cima da guitarra e dos violinos espanhóis gravei outra música, outro concerto, uma parte do ataque, rebentamentos, tiros, rajadas, mais rebentamentos, meti na fita a minha reacção onde se nota algum nervosismo e se ouvem demasiados palavrões. Assim:
(…)

Boum, boum, pum, catrapum, pum.
-Aí está, um ataque!...Caralho! Um ataque, foda-se!

Tá, tá, tá, tá, tá.
- Um ataque, caralho! Venham mais. Aí vêm elas!...

Boum, boum…
- Tumba, um foguetão, caralho!...

Boum, boum, tá, tá, tá, tá, tá, tá, tá, pum.

- Dá mais Manel! Estamos a levar no coco, estamos a “embrulhar”, caralho!

Pum, catrapum, tá, tá, tá, tá, tá, tá…
- Espera aí um bocadinho!

Boum…
- Espera aí que me eu vou-me já vestir, espera aí um bocadinho!
- Tumba, aí vem outra… Toma lá mais!...Espera aí um bocadinho, João…

Boum, boum…
- Estou-me a vestir, é preciso é calma!

Boum, pum, pum…

- Espera aí um bocadinho, estou-me a vestir, é preciso é calma.

Boum, boum…
- Estamos a “embrulhar”, caralho! É preciso ter calma. Estou no meu quarto. Hoje é o dia…

Boum, boum…
- Tumba, tumba, tumba!...

Boum, boum, tá, tá, tá, tá, tá, tá, tá, tá, tá, tá tá, tá, tá, tá, tá, pum, catrapum, pum...

__________________________________
(...) Cufar, 22 de Fevereiro de 1974

 Regressei [, de Bissau,] no Nordatlas, na viagem certinha até cá abaixo. Tudo calmo em Cufar. No nordeste da Guiné, em Copá junto à fronteira, é que tudo vai mal. Mal para as NT, bem para o IN. Ouvi falar num ataque com cem foguetões, valha-lhes Deus! Começa a ser insustentável aguentar Copá.

Em Portugal as coisas também aquecem, com manifestações contra a carestia de vida organizadas pelos maoístas do MRPP. Houve pancadaria da grossa, três polícias feridos, um deles levou uma pedrada na cabeça. O povo não anda bom.

Em Bissau rebentou uma bomba no quartel-general. E que dizer do novo livro de António de Spínola “Portugal e o Futuro”? O antigo Caco Baldé, meu ex-comandante-em-chefe, propõe soluções federalistas para a resolução dos conflitos do Ultramar. O livro vai ter sucesso entre os liberais, o grupo do Balsemão e do “Expresso, e também entre alguma da Oposição. Abençoadamente, agitará os espíritos de muitos portugueses.

O Marcello Caetano começa a ficar exasperado. No essencial, o mestre de Direito limitou-se a dar continuidade à política de Salazar e não sabe, ou esqueceu-se, como diz o Bob Dylan que “the times, they are a’changin”. O general Spínola aponta caminhos enviesados, é verdade, mas indica possíveis saídas para o pântano fétido em que vivemos.

Que futuro para Portugal?
__________________________________

(...) Cufar, 28 de Fevereiro de 1974

O nosso 1º. sargento Afonso informa-me que o tal alferes Saldanha nomeado para me render, já está em Bissau mas não virá para Cufar, foi colocado na secretaria do Batalhão de Comandos, no Cumeré, logo ali às portas da capital. Quer isto dizer que já estou substituído na província, o que vai acelerar a minha rendição definitiva. A partir de Bissau, o 1º Afonso é impecável, interessa-se pela nossa vida, conhece todas as capelinhas de Bissau, trata dos nossos assuntos com extremo cuidado e rigor. É um diamante no CAOP1.

Mais uma história de guerra. D. Cecília Supico Pinto, a “generala Cilinha” do Movimento Nacional Feminino anda de visita à Guiné, a dar coragem e conforto moral aos briosos militares que defendem a integridade do império. No seu peregrinar por este sagrado solo pátrio desembarcou segunda-feira passada em Cacine, de helicóptero, às nove da manhã. Às onze o aquartelamento foi atacado com trinta e seis foguetões, uma flagelação que se prolongou por hora e meia. Só se registaram alguns estragos em tabancas, mas dizem-me que a Cilinha mostrou alguma coragem, aguentou-se muito bem, aninhada como toda a gente no fundo de uma vala.

_______________________________

(...) Cufar, 12 de Março de 1974

 Os guerrilheiros continuam a marcar pontos. Caboxanque tem sido massacrada. Ontem, flagelação às quatro e vinte da madrugada. Acordei sobressaltado. Caboxanque fica mesmo aqui em frente, a oito quilómetros em linha recta e, ao ouvirem-se os primeiros rebentamentos, não sabemos se é com os outros ou connosco. Estes nossos vizinhos estão a ser atacados todos os dias. Bedanda, ontem, também esteve sob o fogo dos foguetões durante duas horas. Tiveram dois feridos, um deles gravíssimo, com um estilhaço na cabeça. Noite, escura desceram o rio até Cufar, Depois, a cena habitual, iluminar a pista, esperar pelo Nordatlas, evacuar o rapaz para Bissau.

Não estamos livres, um destes dias de sermos também atacados. Todos pensamos nisso, todos pensamos que da próxima vez pode ser qualquer um de nós a levar com um estilhaço, a ser desfeito por um projéctil qualquer.

Ontem também tivemos um problema grave mas de outra natureza, um enorme incêndio. Se soprasse mais vento ardiam as tabancas todas dos negros. As casas são construídas com estacas e adobe, têm telhados de colmo, não chove desde Dezembro, está tudo ressequido e em três tempos o fogo avançou de tabanca em tabanca. Arderam seis.

Parece que o incêndio começou com o rebentamento de um fogareiro a petróleo. Teria sido fácil controlá-lo se não se tivesse pegado à tabanca do lado onde o pessoal das Fox, as viaturas blindadas, guarda o seu material e tem uma espécie de paiol. Ora com as tabancas a arder e com muitas granadas dentro de uma delas, foi um festival de rebentamentos e estilhaços projectados pelo ar. A maioria da população negra fugiu para longe, mesmo assim houve imensa sorte porque ninguém foi atingido. Mais desgraças para os pobres negros que ficaram sem casa.

____________________________


(...) Cufar, 3 de Abril de 1974 


A guerra está feia. Bedanda embrulhou durante todo o dia, um ataque tremendo, doze horas consecutivas de fogo. A festa só acabou à noite com uma espécie de cerco à povoação levado a cabo pelos homens do PAIGC.

Em Cufar, tão próximo, além de distinguirmos nitidamente as rajadas de metralhadora de mistura com os rebentamentos dos RPGs, foguetões e canhão, à noite viam-se as balas tracejantes e as explosões no ar. Uma novidade, os guerrilheiros utilizaram viaturas blindadas na flagelação a Bedanda. Existe uma estrada que vem da Guiné-Conacry, passa junto a Guileje – abandonada pela tropa portuguesa, – entra pela região do Cantanhez e termina em Bedanda. O IN está a utilizar esse percurso para deslocar camiões carregados com todo o tipo de armamento, em seguida é só despejar sobre os aquartelamentos portugueses mais expostos e fáceis de alcançar, como Chugué, Caboxanque, Cobumba, Bedanda, Cadique e Jemberém.

Bedanda é uma povoação grande, a maior do sul da Guiné depois de Catió. Terá uns cinco mil habitantes e ontem já se falava em abandonar o aquartelamento. A população africana saiu da vila, ficando por próximo.

Bedanda levou com mais de sessenta foguetões e centenas e centenas de granadas de RPG, morteiro e canhão sem recuo. Foi medonho, há muita coisa destruída, mas tiveram sorte, contam-se apenas dois feridos, um furriel e um negro que levou um tiro nas costas. A tropa passou mais de doze horas metida nas valas.

Espera-se novo ataque a Bedanda. As NT já foram remuniciadas e há promessa de se enviarem mais militares para defender a terra. Os guerrilheiros também devem ter ido descansar e reabastecer-se.

Todas estas flagelações, apesar de serem destinadas aos vizinhos do lado, deixam marcas em todos nós. São horas, dias, meses a ouvir continuamente o atroar dos canhões da guerra. Eu ando um bocado desconexo, excitado, “apanhado”. Quase não tenho dormido, são as sensações finais, o cansaço, o desamor à mistura com o alvoroço do regresso a casa. (...)



____________


Nota do editor:


(*) Último poste da série > 4 de janeiro de 2012 > Guiné 63/74 - P9308: Excertos do Diário do António Graça de Abreu (CAOP1, Canchungo, Mansoa e Cufar, 1972/74) (3): Começar o ano novo com medo de levar uma porrada

Guiné 63/74 - P9351: Operação Tridente, Ilha do Como, 1964: o ignorado Agrupamento E (CCAÇ 557): Parte I (José Colaço)




O nosso camarada José Colaço, (ex-Soldado Trms da CCAÇ 557, Cachil, Bissau e Bafatá, 1963/65), enviou-nos a seguinte mensagem. 


Operação Tridente - O ignorado agrupamento E

Parte 1


Porque lhe chamo ignorado agrupamento E, o qual era composto pela CCaç 557 e comandado pelo capitão Ares? A razão é simples: quando pesquiso Operação Tridente surge na maioria dos sites agrupamento A, B, C e D; parece que o agrupamento E não existiu… Será por - opinião pessoal - ter sido o mais sacrificado durante e após a operação tridente.

Cito: A começar pelo desembarque para a ocupar a posição no Cachil com o especial apoio do 7º destacamento de fuzileiros enquanto os agrupamentos A, B, C e D desembarcaram numa praia de areia límpida, quase de certeza que um dos desejos seria tomar banho e gozar o prazer da temperatura ambiente a rondar os 40º, mas a missão não era o turismo mas sim a guerra, o mal que lhes poderá ter acontecido foi molhar os pés na água salgada…

Já o agrupamento E desembarcou no lodo movediço do rio Cumbijã em que só os primeiros 3 ou 4 fuzileiros conseguiram alcançar terra firme. Os que se seguiram ficaram atolados no lodo e só com a ajuda de uma corda conseguiram sair de lá puxados para um bote de borracha. Quanto mais se mexiam mais se submergiam e não estou a falar da tropa macaca, estou-me a referir a elementos de fuzileiros do 7º destacamento, homens treinados a andar no lodo. Mas com os fuzileiros em terra estes partiram, cortaram com a ajuda de uma catana vários ramos de árvores que colocaram sobre o lodo e fizeram um improvisado cais de desembarque onde o pessoal passou.

Recordo as últimas palavras ouvidas através de megafone na LDM: 

- Atenção camaradas e amigos, prá frente é que é o caminho!

E por mais que viva, a gravação continua viva a minha mente, ainda hoje se houvesse possibilidades de a ouvir eu reconheceria a voz, a seguir uma ponte construída pelo pessoal nativo que era um autêntico baloiço mas de um em um todos passaram, um pouco mais à frente uns tiros de aviso.

O que acabo de relatar não posso comprovar com fotos porque o rolo desapareceu quando foi enviado para ser revelado. Suposição minha, alguém deve ter considerado as fotos de valor extra ou comprometedoras para quem mandou fazer aquele desembarque naquela hora e naquele local, ou então incúria do SPM (serviço postal militar).

Na ocupação do Cachil, nos primeiros dias tivemos o apoio do 7º destacamento de fuzileiros comandado pelo 1º tenente Ribeiro Pacheco mas passado uma semana ou duas, não posso precisar, passamos a ficar quase sós. Estávamos reforçados com uma secção de milícias, mais tarde quase no final da operação passamos a contar com uma secção do pelotão de morteiros 912 e amputados do 2º pelotão que estava em Caiar às ordens do tenente-coronel Fernando Cavaleiro, do BCAV 490, isolados naquele ponto da Ilha a atacar e defender, enquanto no lado de Cauane e Caiar, a que nós chamávamos a praia, estava um batalhão completo reforçado e apoiado por um pelotão de comandos de vinte homens, um pelotão de pára-quedistas, um pelotão de caçadores fulas, um pelotão de morteiros, duas bocas-de-fogo de obus 8.8 pessoal, sapadores distribuídos pelos vários agrupamentos e o 2º pelotão da CCAÇ 557.

Vejam a disparidade de forças de um lado e do outro, para não falar dos fuzileiros que, esses, quando era nos dias para atacar apareciam sempre, umas vezes o 2º destacamento do 1º tenente Faria de Carvalho, o 7º do 1º Tenente Ribeiro Pacheco ou o oitavo, do 1º tenente Alpoim Calvão.

Continuando a minha análise ao ignorado agrupamento E, fiquei indignado com a montagem quando há dias estava a rever o episódio da guerra colonial do jornalista Joaquim Furtado sobre a Op Tridente. A certo passo da entrevista com o 2º tenente José Luís Couceiro, o imediato do 2º destacamento de fuzileiros diz terem abatido um guerrilheiro que na altura se comentou ser o famoso agricultor guerrilheiro Pansau Na Isna. Não ponho em causa as palavras do tenente José Luís Couceiro, ele também não afirma, diz que se dizia, mas uma coisa eu tenho a certeza, a arma que põem ao lado do tenente José Luís Couceiro é montagem, não foi capturada naquele dia nem naquele local. Armas, Kalashnikov, há muitas iguais mas a base onde ela está que serve de cenário é que tinha que ser diferente.

Para comparar, ver a foto nº 3 [P1170648.jpg], a arma Kalashnikov, a célebre costureirinha, ao lado do tenente Couceiro, com a chancela RTP1, a única coisa diferente foi ter sido rodada para a vertical e a chancela da RTP1 quando na foto genuína está na horizontal - foto nº 4 - [P1170613.jpg].

Esta arma foi capturada na mata do Cachil, na manhã do dia 17 de Novembro de 1964 no último ataque que a 557 sofreu no Cachil. Com ela foi abatido e capturado o elemento que a usava. Além da arma, o guerrilheiro também tinha com ele uma pistola de defesa pessoal e granadas de mão que segue em anexo. Pelos adereços [roncos] que usava devia ser um guerrilheiro com uma certa predominância no meio da guerrilha.



Na foto nº 2 [P1170609.jpg], vê-se guerrilheiro abatido e capturado na manhã de 17 de Novembro de 1964. Posso dizer que esta foto também passa na reportagem do jornalista Joaquim Furtado mas sem comentário.



Foto nº 1 [P1170498.jpg] - Elementos da CCaç 557 no caminho do cais do Cachil para o quartel. Á frente o que está em 2º lugar, é o ex-alferes Hélder Ildefonso Leal.



  Foto nº 3 [P1170648.jpg] - A montagem da arma ao lado do tenente Couceiro. [Fonte: RTP1. Com a devida vénia]


Foto nº 4 [P1170613.jpg] - A foto genuína da arma, obtida no dia 17 de Novembro de 1964, no quartel do Cachil.


Foto nº 5 [P 1170614.jpg] - A pistola de defesa pessoal, o cantil da água e alguns objectos de usados pelo próprio guerrilheiro.



Foto nº 6 [P 1170615.jpg] - Adereços vários do guerrilheiro que quase todos os nativos faziam brio e fé em usar.

Nota: As fotos, todas elas, são de fraca qualidade devido aos meios que havia naquele tempo e, além disso, foram reproduzidas de slides de um DVD que tenho da estada, na Guiné, da Companhia de Caçadores 557.

José Colaço
Soldado Trms da CCAÇ 557

(Continua)

Fotos: © José Colaço (2011). Todos os direitos reservados.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Guiné 63/74 - P9350: Fragmentos da minha passagem pela tropa (Carlos Rios) (10): Fragmentos Genuínos - 8

FRAGMENTOS GENUÍNOS - 8

Por Carlos Rios,
Ex-Fur Mil da CCAÇ 1420/BCAÇ 1857, Mansoa e Bissorã, 1965/66



Quartel de Mansoa visto do cimo do depósito da água


Entretanto via-me envolvido por uma situação de ansiedade e constrangimento, na medida em que o nível de solidariedade, amizade e confiança que existiam já no grupo, para além da responsabilidade que sentia por ter sido um dos mais entusiastas na formação do mesmo, e depois das experiências negativas da participação em conjunto com alguns dos Grupos de Comandos, levavam-me a não querer já vir a ser transferido para aquela força. Completamente inibido de autonomamente me dirigir ao Comando para transmitir esta questão fui logo após ter chegado a Mansoa, mandado chamar ao Comandante de Batalhão, Ten.Cor. Ferreira de Lemos, que se me dirigiu com toda a educação e respeito, que eram seu timbre, e argumentando com lisonja e na convicção de que me estava a convencer, do que eu mais desejava.

Disse: - Então o nosso Furriel quer deixar-nos - e mais um prolixo discurso que praticamente não ouvi, tal era o sentimento de satisfação por me resolverem uma encrenca, da qual não me conseguia ver livre. Apenas respondi:
- Mas, meu Coronel eu já não quero ir!

Palavras ditas e de imediato chamou o chefe da secretaria para mandar fazer um requerimento que de imediato assinei sem sequer o ler.
Saí dali leve que nem uma pena. Nunca mais se falou no assunto.

Não tive tempo de saborear esta pequena satisfação porque, penso que logo no dia seguinte, numa das colunas que fazíamos frequentemente na estrada para Bissau e a partir da antiga escola de Jugudul, fomos vítimas de violenta emboscada, que apanhando a retaguarda da coluna, cravou de tiros uma viatura com a nítida intenção de alvejar o condutor, o que não aconteceu devido ao extraordinário sangue frio deste, que ao ouvir o primeiro tiro, travou a fundo e se atirou para o chão, ficando a viatura inoperacional, sendo que inclusive o motor foi atingido; menos sorte teve o 527, 1.º Cabo Domingos Pereira, que sentado num dos bancos em cima da carroçaria foi atingido com seis tiros que o puseram à beira da morte. Reagimos de imediato e em poucos segundos depois de silenciada por parte do Rui, a metralhadora pesada que tinha provocado aquele grave acidente de guerra, este encarregou-me de fazer uma batida pela zona tendo a minha Secção reforçada com alguns milícias vasculhado por toda a tabanca e numa mata adjacente sem qualquer efeito. Do inimigo nem sombra nem qualquer informação por parte da pouca população que se manteve no local, pelo que regressado à estrada fui encarregado, depois de o Rui e o Monteiro terem rapidamente arrancado com o Pereira já extremamente debilitado pela perca de sangue para o quartel, viradas que tinham sido entretanto as viaturas naquele sentido, de preparar e rebocar a viatura atingida, no que o meu pessoal foi impressionantemente lesto e lá conseguimos regressar. Depois de um conjunto de incompreensões e observações perante um caso de extrema gravidade. nada abonatórios para alguns elementos combatentes de secretária do Comando do Batahão e que me eximo de pormenorizar, porquanto se tinha feito noite e os helicópteros não podiam aterrar, lá conseguiram ser demovidos e aceitar as opiniões apresentadas pelos mais jovens, sendo que de maneira pouco ortodoxa, a pista foi iluminada pelos faróis de todas as viaturas disponíveis, aquele meio foi posto em movimento, e o Pereira pôde ser evacuado para o Hospital de Bissau já a soro e em estado critico pela perca de sangue. Operado de urgência debateu-se entre a vida e a morte, vindo a ser evacuado para a Metrópole e conseguindo safar-se pois não tinha sido atingido nenhum órgão vital. Foi com um sentimento de profunda emoção e alegria que o pude abraçar num dos almoços de confraternização que fizemos, e onde conversámos e vim a saber que tinha já terminado a sua actividade profissional, fora emigrante em França, sendo que ainda tem alojada atrás do joelho esquerdo uma das balas.

Um heli faz uma evacuação. Ao fundo, mas bem perto, vê-se o fumo dos rebentamentos que persistem. O heli tem que sair rápido (“goss, goss”).

Durante o decorrer deste tempo e em altura que não tenho de memória, o Comandante de Companhia que tinha vindo substituir o inefável Manuel Caria, terminava a sua comissão. Não tenho do mesmo praticamente qualquer recordação excepto que se fazia acompanhar pela esposa, ficando o casal alojado numa vivenda fora do Quartel. Não era o nome da senhora mas o pessoal resolveu baptizá-la de “Delfina” e foi autora da nova frase carismática a par de “Rumo a Fulacunda”.

Numa das saídas fomos buscar o Capitão a casa e a Srª. D. “Delfina”, disse: - Cuidado Herberto – chamava-se o Comandante Herberto Nascimento; pronto, aquela Companhia era terrível, e a partir daí o simpático Cap. Nascimento, passou a ser o “tem cuidado Herberto”.

Em sua substituição apresentou-se o Cap. M. dos S. Recebido como de costume com todos os “novatos”, com o desinteresse e desconfiança daquele grupo de desmiolados. Este militar fazia questão de salientar já ter feito uma comissão na guerra de Angola como alferes miliciano. E perorava actos e acções de destemor e valentia durante aquele período. Pouco tempo passou e deu-se a primeira saída do novel Comandante da Companhia. Numa noite debaixo de forte temporal, sob chuva intensa e constante, com uma escuridão como só mesmo em África, no comando de um grupo constituído pelo nosso pelotão e o do Malaca dos Santos, avançámos através da floresta cada vez mais densa o que nos punha os sentidos em alerta permanente, que felizmente veio a sublimar-se com o amanhecer quando nos aproximámos de uma pequena bolanha onde, mais uma vez renasce o leit motiv da nossa presença nesta terra, no atravessamento da qual fomos vítimas de intenso tiroteio, o que levou a que a coluna se partisse, ficando ainda na retaguarda do outro lado da bolanha um conjunto do Malaca dos Santos. Na cabeça da coluna, como de costume corri de imediato acompanhado pelo incomparável Fajões e a sua bazooka e o Amorim (era o enfermeiro do Pelotão mas um inigualável combatente) e respondendo com a valentia e eficácia do Fajões que galvanizou o restante grupo que avançando a metralhar o sitio de onde vinha o tiroteio e desbaratou a emboscada, vindo o ouvir-se apenas esporadicamente alguns acordes da costureirinha “PPSH”. Tivemos de atravessar duas vezes a bolanha para trazer a reboque os elementos atrasados e reunificar as tropas.

O inaudito M. dos S. alapado atrás de um baga-baga, sem um som ou movimento olhos esbugalhados, olhava para tudo aquilo com um ar assarapantado e imbecilizado. O Fajões que passamos por ele diversas vezes disse que “o homem parece um Capador” daí lhe ficou o nome pelo qual entre a soldadagem ficou a ser conhecido por esse apodo.

Alguém o ouviu comentar junto de diversos elementos do Comando.
Foi uma actuação de loucos!
Nunca vi nada assim! Correram mais de duzentos metros de peito aberto para cima dos turras, desprotegidos no meio de um intenso tiroteio! São doidos! Perfeitamente doidos.

A investida suicida de peito aberto de frente para as posições inimigas, foi remédio santo, emudeceu para sempre as suas basófias. Mas, a verdade, é que era a nossa única chance, ou os desalojavamo-los, ou deixávamos um pequeno grupo isolado à sua mercê e já tínhamos na Companhia uma triste experiência dessa situação.

Alguns pequenos intervalos com que procurava-mos descomprimir, mais não eram que o reconhecimento da intensa e profunda entrega à missão que desenvolvíamos com desesperante angustia, profundo desgaste e sofrimento, eram gotas balsâmicas, numa permanente situação de tormento, ansiedade e cansaço físico e psicológico que era o nosso quotidiano em permanente estado de guerra, com fugidios e muitas vezes atrozmente interrompidos momentos de descanso.
A certeza adquirida nesta permanência em Mansoa era para além das dificuldades, sofrimento e revezes da Companhia, ainda uma constatação de violência e tragédia na área da nossa intervenção.

Algum tempo após estes graves incidentes, fui confrontado com o reactivar de uma realidade já sublimada pelo tempo e que me reactivou os sentidos de terror, pequenez e impotência ao enfrentar um inimigo invisível e tremendo: as minas.

Encontrando-me com alguns camaradas, de entre os quais estava o meu amigo J.M.Bastos, na esplanada do clube os Balantas, vestido eu à civil, (ainda me lembro da vestimenta - calções de caqui e uma camisa de seda multicolorida, ao bom estilo africano, e uns mocassins) - estava pinoca o saloio, quando ouvimos um grande rebentamento para os lados de Encheia. De imediato corremos ao quartel e tal e qual como estava pus o cinturão em que tinha sempre para além das cartucheiras, quatro granadas e pegando na G3, material que sempre mantinha pendurado à cabeceira da cama, pedindo ainda a entrega de um dilagrama, e montados os diversos pelotões em viaturas, dirigimo-nos para a estrada de Encheia.

O quadro com que nos deparámos foi aterrador. Sendo aquela picada, junto da qual haviam diversas tabancas considerada “controlada”, uma carrinha (mini-autocarro) vinha com alguma frequência de Bissau até junto da cambança para Encheia, transportando população e toda uma parafernalha de utensílios para a localidade e para as já referidas tabancas. Nesta viagem e a pouco menos de 500 metros do local onde habitualmente parava, pisou uma mina, que explodindo desfez literalmente a viatura, espalhando pelas redondezas mortos e feridos, um horror incomensurável, de tal maneira que o Zé Manuel Bastos e o seu grupo tiveram que recolher para cima de um Unimog, corpos e pedaços dos mesmos chegando em alguns casos a haver membros decepados e esquartejados de tal modo que não se sabia a quem pertenciam, uma vez feito este pungente e dramático trabalho, lá seguiu o calmo e sensível J.M Bastos e o seu grupo com a macabra carga, sanguinolenta a tal ponto que escorria para o chão, sozinhos no Unimog para Bissau, vindo ainda já dentro da cidade a ser mandado parar pela P.M. O desenlace foi um imberbe e sobranceiro alferes ficar tremelicando e sem voz na beira da Avenida, acabando o Bastos a sua missão.

Paradas as viaturas e tendo entretanto o meu grupo intervindo por ali nas tabancas e arredores, enquanto outro grupo procedia à picagem da estrada, a população fugiu em massa para uma pequena mata pegada com uma bolanha onde cultivavam arroz, sendo que ainda fomos fustigados de longe ao que reagimos de imediato saltando eu para dentro da bolanha e disparando o dilagrama para dentro da mata, o que provocou um absoluto silêncio mantendo-me no mesmo local donde só saí (lá ficaram os meus queridos mocassins) quando a população, creio que se terá julgado entre dois fogos, começou a caminhar no nosso sentido. Na frente um encorpado gentio vestia uma camisola onde no peito era bem visível o emblema da Mocidade Portuguesa. Entretanto o pessoal que procedia à picagem do resto do troço viria a encontrar poucos metros depois de onde tínhamos parado outra mina que desmontaram e levantaram.

O contacto com esta atroz tragédia, demolidora do mais forte controlo de um ser humano, os diversos acontecimentos subsequentes incluindo a visão do elemento com a camisola referida fizeram despoletar em mim uma crise de nervos que me fez dizer e praticar todos os desmandos possíveis e que só no dia seguinte, já praticamente recuperado, a guerra continuava e eu era tido como preponderante no meu grupo, vim a saber.
Mandei com a arma fora… desatando em completa convulsão a gritar "podia ser o meu irmão", "maldita guerra", etc …etc..

Valeu-me o perspicaz e desembaraçado Rui, que pegando em mim ordenou a um condutor que me conduzisse de imediato ao Quartel o que ele acatou de bom grado mas clamando eu ainda que queria levar a mina.
E lá foi aquela boa alma sozinho ao volante de um camião Mercedes, com um maluquinho sentado ao seu lado com uma mina de cinco quilos de trotil ao colo. Chegados ao Quartel o meu bom amigo Carolino,(infelizmente já falecido, na sua terra - Marinha Grande), já de seringa em riste injectou-me uma mistela que só me deixou acordar no dia seguinte, tornando-se assim o motivo de conversas ditoches e conselhos assizados, que puseram tudo no lugar.

Nos dias seguintes verificou-se alguma acalmia, sendo-nos destinada, entre outras a função de apoio e segurança na escolta a uma coluna de reabastecimentos ao Olossato e durante a qual detectámos e fizemos accionar e destruir duas minas anti-carro e três anti-pessoal.

Ainda da estadia em Mansoa recordo com precisão uma deslocação a Mansabá que me mereceu o comentário no notável blogue do grande camarada e amigo Henrique Sacadura Cabral, com o titulo Rumo a Fulacunda que abaixo transcrevo.

Carlos Rios Fur.Milº CCaç1420 Diz:
15 Março 2011 às 13:48
Curiosa miscelânea de emoções e sentimentos se extrapolam do que os camaradas aqui escrevem. Não quero deixar passar a oportunidade sem comentar a nossa passagem por aqui, de uma das vezes que para aqui viemos foi para participarmos numa operação de grande envergadura em que saíram companhias de diversos acantonamentos, Olossato, Bissorâ, Mansabá etc.. para o Morés e onde uma das companhias apanhou imenso armamento, já não me lembro, creio que foi a do Olossato. A ansiedade era imensa, ainda recordo que estando alguns de nós no Bar, eu me entregava ao consumo desmesurado de aguardente antes de irmos para o Morés, o amigo José Manuel Bastos dizer “é pá logo tu (acho que aquela malta tinha a mania que eu era o Rambo) estás a agir assim? Curiosidade de Mansabá: não precisámos de mosquiteiro para dormir, praticamente não havia mosquitos. Um espanto.

Vindo de Cutia em trânsito por Mansoa com destino ao Hospital de Bissau para ser observado pelo facto de ter dado uma violenta queda que me provocava fortes dores no peito, e tive a alegria de encontrar já recuperado o meu amigo Rui que aguardava transporte para se juntar a nós, em quem notei imediatamente um sentimento de revolta e inconformismo. Então não é que, porque o Comandante do 4.º Pelotão que se encontrava ausente para Bissau, e estando aquele grupo para sair com a missão de avançar para o mato para o desalojamento e eliminação de alguns focos referenciados, o Comando de Batalhão, o tinha indigitado para comandar aquele grupo ao que ele reagiu acabando no fim praticamente por ser coagido a aceitar a missão; de imediato abandonei a ideia de ir para o hospital e lhe transmiti:
- Se vais eu também vou, assim já seremos dois a aguentar o barco! - Oh diabo, voaram mosquitos por cordas.
- Nnão penses nisso, nem em sonhos, se for preciso proíbo-te de ires porque sou teu superior.

Era um poço de humanidade e brincalhão este Rui, depois de acesa discussão com este teimoso lá verificou que não merecia a pena insistir, pelo que lá nos juntámos aos camaradas do 4.º Pelotão. Depois de diversas peripécias no atravessamento de imensas bolanhas aproximamo-nos de uma tabanca isolada na extremidade de uma pequena mata, indo como de costume na frente da coluna, avistei em fuga um elemento pelo que, impetuosa e impensadamente, me lancei em sua perseguição, vindo a ser gravemente ferido quando um grupo de elementos emboscados estrategicamente dispararam diversas rajadas de metralhadora, atingindo-me duas balas que me provocaram perfuração intestinal e o esmagamento de diversos ossos da bacia que me condenaram ao estropiado que hoje sou. Felizmente não houve mais feridos porquanto vinham ligeiramente mais atrasados e puderam abrigar-se e eliminar aquela frente de fogo. Fui em pouco tempo evacuado de helicóptero para Bissau, vindo ao fim de 15 dias para o HMP e posteriormente para a semi-clausura do Anexo vindo a terminar no DI no largo da Graça, locais de onde guardo a mais confrangedora das recordações. E assim termina a saga africana deste anónimo saloio.

(Continua)
____________

Nota de CV:

Vd. último poste da série de 11 de Janeiro de 2012 > Guiné 63/74 - P9342: Fragmentos da minha passagem pela tropa (Carlos Rios) (9): Fragmentos Genuínos - 7

Guiné 63/74 - P9349: Notas de leitura (322): Malhas que os Impérios Tecem (Mário Beja Santos)

1. Mensagem de Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, Comandante do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 19 de Dezembro de 2011:

Queridos amigos,
Recomendo vivamente a leitura de “Malhas que os Impérios Tecem”, um projecto em que está envolvida a Prof.ª Manuela Ribeiro Sanches, que obrigatoriamente revolve a memória da guerra colonial e abre espaço para que os leitores interessados e sobretudo as gerações mais novas possam reflectir sobre um passado colonial que tem um fundo histórico de pensamento anticolonial agitado, complexo, com resistências transnacionais, um fermento que levou à constituição do Terceiro Mundo e à deslocalização da Europa e do Ocidente. É uma soberba viagem antológica e uma viagem que está longe por se dar concluída, nem todo o pensamento está recolhido e no caso português e das suas antigas colónias até se pode correr o risco de não recolher alguns depoimentos essenciais.

Um abraço do
Mário


Malhas que os impérios tecem:
Como reflectir hoje sobre os libelos anticoloniais do século XX


Beja Santos

“Malhas que os Impérios Tecem – textos anticoloniais, contextos pós-coloniais”, com organização de Manuela Ribeiro Sanches (Edições 70, 2011) é uma investigação suculenta e arrojada que abre um amplo leque de interrogações aos múltiplos olhares anticoloniais que conduziram a reivindicações à autodeterminação e à independência das antigas colónias europeias.

Se a Europa mudou de rumo no termo da II Guerra Mundial, foi a descolonização o acontecimento mais complexo nas novas relações internacionais: influiu na Guerra Fria, foi determinante para um novo valor das matérias-primas, significou para os EUA uma enorme capacidade de relacionamento com novos Estados e determinou a sua poderosa e incontestável ubiquidade diplomática, financeira, comercial e tecnológica, arrastando as antigas potências colonizadoras para uma revisão no tratamento dos problemas económicos, das esferas de influência e na ajuda humanitária.

O pensamento anticolonial é um dado assente nos EUA, logo no início do século XX. Incorre perigos de simplificação redutora quem pretenda analisar o pensamento anticolonial a partir de meados do século XX, este livro organizado por Manuela Ribeiro Sanches tem um inegável mérito de, com o recurso a textos antológicos do maior relevo, mostrar como a descolonização teve uma preparação anterior aos ideais libertadores propugnados pela diplomacia norte-americana quando acabou o conflito mundial, em 1945.

Os fundadores do pensamento anticolonial mobilizaram-se à volta da questão do negro primeiro nos EUA e mais tarde nas Caraíbas. Tomaram consciência da diferença racial, da discriminação e da hierarquização fundada na pele. Estes pensadores foram à procura das raízes da negritude em África e construíram um projecto que está na base do pan-africanismo. É por isso que a antologia tem início com um texto de W. E. B. Du Bois publicado em 1903 em que este autor reivindique uma dignidade perdida a par da denúncia da falta de direitos políticos e cívicos. Esta será a tónica dos libelos anticoloniais durante décadas enquanto o Harlem se tornou num santuário do protesto afro-americano. Na esteira de Du Bois, outro autor influente, Alain Locke, nos anos 20, veio a escrever: “O Harlem atraiu o Africano, o Caribenho, o Americano negro; reuniu o negro do Norte e do Sul, o homem da cidade e da aldeia; o camponês, o estudante, o homem de negócios, o profissional, o artista, o poeta, o músico, o aventureiro e o operário, o pregador e o criminoso, o oportunista e o pária social… há que admitir que, até agora, os negros americanos foram mais uma designação racial do que uma realidade factual, mais um sentimento do que uma experiência”. E culmina toda esta reflexão com uma frase que iria ser motivo de escândalo: “A perseguição está a tornar o Negro internacional, tal como sucedeu com o judeu”.

No apropriado estudo prévio à antologia, Manuel Ribeiro Sanches traça o percurso destas itinerâncias, as viagens destes afroamericanos até à Europa e a influência que acabaram por exercer em duas figuras da maior importância para a organização da negritude, já nas vésperas da descolonização: Léopold Sédar Senghor e Aimé Césaire. Estes dois homens vão cruzar os seus destinos em Paris, no início dos anos 30. Evoluirão de modo distinto: Senghor para uma noção de crioulidade, em estreita ligação com a francofonia e recusando a via marxista; Césaire começará por aderir ao internacionalismo comunista de que se irá distanciar. Estava já encetado o processo da formação de elites africanas nas respectivas colónias. É por essa altura que intelectuais como caribenho George Lamming viajam até África, estabelecem diferenças e afinidades entre o mundo de onde vêm do local que observam, outros ficarão desiludidos com as novas nações independentes e no caso do Haiti entende-se que a sua independência foi um produto directo da revolução francesa.

É em plena encruzilhada e teia de afinidades entre negritude e pan-africanismo que vão emergir três pensadores oriundos de colónias portuguesas e seguramente os três nomes de maior projecção no pensamento anticolonial: Mário Pinto de Andrade, Eduardo Mondlane e Amílcar Cabral. A antologia privilegia o modo como eles rejeitaram o estatuto de assimilados ou coniventes com os formatos coloniais enquadradores dos civilizados/assimilados em oposição aos indígenas. Mário Pinto Andrade, no prefácio à Antologia Temática de Poesia Africana, que só viria a ser publicada em Portugal em 1975, escreve sem deixar margem para equívocos: “A poesia africana de escrita portuguesa e crioula, sob o condicionamento da dominação colonialista, articula-se intimamente ao movimento de libertação nacional. Ela ritma o longo combate: negar a negação e realizar a emergência histórica dos povos. Actores sociais no acto cultural por excelência, a luta armada, formularam então um novo discurso poético. Nos dois momentos, os poetas universalizaram os signos da luta pela independência nacional”.

Estamos pois no novo contexto, os movimentos anticoloniais desabrocham, mas as questões da cultura e da identidade inquietam os pensadores favoráveis às lutas de inquietação. E os avisos e as comparações com o passado recente vieram à tona. Em meados do século, Georges Balandier escreveu um texto seminal sobre a situação colonial no pós-guerra, à semelhança da queda dos impérios ocorrida na I Guerra Mundial, os colonizados descobriam a sua história, as suas elites, educadas nas metrópoles coloniais, lançavam o grito de protesto e foram obtendo independência, com variados graus de vinculação com a potência colonizadora. Daí a necessidade de voltar aos locais da cultura nacional, condição indispensável para expurgar ou condicionar a cultura dos colonos.

Em meados dos anos 50, a questão colonial e o processo da descolonização relevam como um dos problemas de civilização com pedido de urgência. É um tempo de grandes documentos e de grandes intervenções, como as de Sartre, Simone de Beauvoir e Camus, Richard Wright e Frantz Fanon. No pensamento anticolonial começa a denunciar-se os artifícios da potência colonial para manter as suas prerrogativas junto da antiga colónia (neocolonialismo) ou o uso das estruturas sociais para cavar divisões na sociedade colonizada. Kwame Nkruhmah escreve: “O maior perigo que África enfrenta é o neocolonialismo, cujo principal instrumento é a balcanização. Este termo define de modo particularmente correcto a fragmentação da África em Estados pequenos e fracos; foi inventado para designar a política das grandes potências que dividiram a parte europeia do antigo Império Turco e criaram na península balcânica vários Estados dependentes e rivais entre si”. Eduardo Mondlane desmonta o luso-tropicalismo de Gilberto Freyre, observando que os administradores coloniais com a dimensão de António Enes ou Mouzinho de Albuquerque não se preocuparam em esconder a base de desigualdade e racismo contida nos seus pontos de vista sobre a questão colonial. Mondlane, à semelhança de Amílcar Cabral, denuncia o conceito de civilizado, de assimilado e de indígena e como tal categorização exacerbou conflitos étnicos com base em desigualdades raciais.

“Malhas que os Impérios Tecem” ajudam a compreender que o que se passou em África, em 1961, foi muito mais que o acirramento das superpotências que se aproveitaram dos sonhos de independência, há uma longa história anticolonial que aqui se revela e esclarece que aquelas lutas de independência tinham o tempo longo a seu favor.

(Continua)
____________

Nota de CV:

Vd. último poste da série de 9 de Janeiro de 2012 > Guiné 63/74 - P9334: Notas de leitura (321): Prática e Utensilagem Agrícolas na Guiné, por F. Rogado Quitino (Mário Beja Santos)