sábado, 3 de agosto de 2019

Guiné 61/74 - P20032: Os nossos seres, saberes e lazeres (346): Na Bélgica, para rever e para descobrir o nunca visto (8) (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil Inf, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 7 de Março de 2019:

Queridos amigos,
Primeiro o assombro de regressar a Gand, parece que nunca aqui se tinha estado, o que não é verdade, a cidade aprimorou-se, introduziu arquitetura arrojada no seu casco histórico, recuperou mercados, lavou fachadas, continua a querer rivalizar com Bruxelas, Antuérpia e Bruges, como destino turístico.
Há um dado que impressiona o viandante, é o caráter dinâmico da cidade, foi um potente polo industrial, por isso ficou conhecida como a Manchester do continente, foi palco dos primeiros movimentos socialistas e sindicatos modernos, e se não tivesse tido tanto dinamismo e tanto para oferecer aos forasteiros não teria sido escolhida para a Exposição Universal de 1913.
É bom voltar a Gand, 15 anos depois do último contacto e respirar esta vida garrida e o tanto cuidado na preservação do património.

Um abraço do
Mário


Na Bélgica, para rever e para descobrir o nunca visto (8)

Beja Santos

A próspera Gand medieval e dos tempos modernos teve ousadia para saltar a tempo nos tempos industriais, ficou conhecida como a Manchester do continente, não foi por acaso que chamou a si a Exposição Universal de 1913, uma inesquecível mostra de modernidade e confiança no progresso, revelou-se uma concorrente de Bruxelas e de Antuérpia. Gand sofreu bastante com a ofensiva final dos Aliados, mas soube levantar-se, e se era a cidade que tinha três famosas torres, acrescentou-lhe uma quarta, a Torre dos Livros, é esta a cidade que hoje o viandante percorre, anda para ali amargurado com a escassez do tempo, já percorreu o Castelo do Conde da Flandres, veja-se esta imponência, vai agora para o campanário municipal, dali se desfruta uma impressionante panorâmica, como vamos ver.




Os campanários municipais da Flandres e da França eram o símbolo por excelência da liberdade, poder e prosperidade das cidades, por razões de segurança aqui se instalavam arquivos, a caixa-forte e muitas vezes a prisão. O campanário municipal de Gand é Património da Humanidade por decisão da UNESCO, tem belos carrilhões, nos seus diferentes pisos instala-se maquinaria, relojoaria, e no topo do monumento ondula orgulhoso o dragão de Gand, o emblema da cidade.


Sobe-se à torre e houvesse uma câmara mais eficaz e dar-se-ia ao espetador uma longitude impressionante, paciência, é o que se sabe fazer, mas parece o suficiente para ter vontade de aqui vir.



O que mais alicia quem por aqui deambula é a harmonia das praças, o cuidado na preservação das fachadas, tudo bem articulado, espaçoso, apetece andar de um lado para o outro, fotografar edifício a edifício, caminhar pelas pontes, espreitar os velhos armazéns, o que vendia peixe, cereais ou pão reconverteu-se em estabelecimentos de confeções e decorações.



A Igreja de S. Nicolau é uma joia dos princípios do século XII, e escusado é dizer que não parou no gótico, veja-se a magnificência do barroco, S. Nicolau era o patrono dos comerciantes e dos marítimos, investiram em força na casa do patrono. Tem uma torre de cruzeiro espetacular, acaba por atuar como uma lanterna natural, deixando penetrar os raios de luz diretamente no transepto.



A Igreja impressiona por refletir a vida quotidiana e a prosperidade e dinâmica dos marítimos e comerciantes, as diferentes guildas possuíam as suas capelas, ornavam as paredes, vejam-se esta opulente imagem e a ocupação das naves. É hora de deixar Gand, o viandante sente o amargo de boca, quer rever a Catedral de Saint-Bavon, voltar à Igreja de S. Miguel, conhecer os museus, flanar pelas praças, o tempo está de feição, encolhe os ombros resignado, o melhor é deixar os sonhos em aberto e regressar à estação de caminhos-de-ferro.

(continua)
____________

Nota do editor

Último poste da série de 27 de julho de 2019 > Guiné 61/74 - P20015: Os nossos seres, saberes e lazeres (345): Na Bélgica, para rever e para descobrir o nunca visto (7) (Mário Beja Santos)

Guiné 61/74 - P20031: Escritos do António Lúcio Vieira (1): A suprema mas vã glória de afundar um submarino inimigo... no Rio Mansoa, nas imediações de João Landim... Ou os delírios de um alferes de engenharia que não ficou na História Pátria!


Guiné > Região do Cacheu > Mapa de Bula (1953) > Escala 1/50 mil > Pormenor: Rio Mansoa e passagem em João Landim.

Infogravura: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné (2016)



Guiné > O fur mil cav Lúcio Vieira, da CCAV 788 / BCAV 790 (Bula e Ingoré, 1965/67), no rio Geba.

Foto (e legenda): ©Lúcio Vieira (2019). Todos os direitos reservados. [Edição: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. Um conto do [António] Lúcio Vieira,  ex-fur mil cav, CCAV 788 / BCAV 790 (Bula e Ingoré, 1965/67), escritor, residente em Torres Novas. novo membro da nossa Tabanca Grande (*):

SUBMARINO À VISTA!

esta é uma estória realmente surreal

por Lúcio Vieira


[O editor decidou situá-la em João Landim, no Rio Mansoa, à revelia do autor, que apenas esclareceu o seguinte, em email que lhe mandou ontem, em resposta a uma pergunta sobre o lugar:  (...) "sobre o episódio do submarino, não me recordo, francamente, como a estória me chegou. Talvez tenha acontecido em João Landim, mas não sei. Sei, isso sim, é que me pareceu tão deliciosa que não resisti." (...) Ainda bem que o Lúcio Vieira não resistiu... Independentemente do sítio exato onde aconteceu, é uma daquelas histórias que fará parte, seguramente,  da antologia do nosso humor de caserna. Recorde-se, por outro lado, o currículo do autor, enquanto combatente: " "Cruzei o rio Mansoa (na legenda troquei-o, inadvertidamente com o Geba) durante toda a comissão. Tal como o Cacheu.  (...) Estive seis meses de intervenção em Bula e 17 meses em Ingoré, na fronteira norte com o Senegal. Daí conhecer muito bem as passagens em João Landim e S. Vicente."]

Até no desenrolar dos dramas mais pungentes emergem, com alguma frequência, pequenos oásis de balsâmica voluptuosidade, preciosas gotas de água, que se libertam das nuvens da vida e nos refrescam o escaldante quotidiano, pautado pelas dores que sempre resultam das tragédias.

Também no seio dos conflitos armados desabrocham, por vezes, essas pequenas e decisivas pérolas, que nos ajudam a refazer o debilitado estado de espírito e nos criam uma reserva de revigorante resistência, aos sucessivos assaltos de uma sorte mais madrasta do que a madrasta da Cinderela.

Chega. Nada melhor do que contarmos, sem mais delongas, o insólito episódio, ocorrido algures nas margens de um caudaloso rio africano e tendo como cenário um diminuto cais, junto às pré-históricas instalações de um pequeno destacamento militar, algures nas entranhas da Guiné, em meados da longínqua década de 1960.

Manhã cedo – pouco passaria das sete e meia – de um dia já a aquecer e a prometer mais uma escaldante jornada, em tudo igual às que habitualmente pautavam aquele, quase esquecido, reduto de uma reduzida unidade de Engenharia. A capital não distava muitas léguas e o local, quase inacessível por terra, alcançado apenas por tosca e estreita estrada, era classificado, à época, como um reduto seguro, pouco susceptível de se apresentar como alvo de ataques inimigos.

A famosa jangada de João Landim, no rio Mansoa
Foto de Virgínio Briote  (c. 1965/66)
Atracada, uma tosca jangada, de motor assustadoramente periclitante – na ausência de uma mais sofisticada LDM da marinha - aguardava a chegada de uma qualquer coluna de veículos em trânsito, que ali necessitasse efectuar a travessia do largo curso de água.

Pelo espaço em redor, após um reconfortante pequeno-almoço, os rapazes desentorpeciam as pernas, puxavam umas fumaças nos cigarros americanos, trazidos de Bissau e preparavam-se para mais um dia monótono e arrastado, igual aos restantes dias da monótona e arrastada comissão de serviço.

Uma pasmaceira, aquele restar por ali, entre as refeições, umas partidas de sueca, umas mornas e coladeiras na rádio, umas revistas com gajas nuas, as sessões de anedotas, os aerogramas para a Maria, algumas fotografias e, quando calhava, três ou quatro viaturas, para enfiar na jangada e transportar para a margem contrária.

Perdiam-se os olhos na imensidão do rio, pela cinzenta mancha de bolanha, que quase cercava as pequenas barracas, forradas a chapa de zinco, que o destacamento habitava; pelo renque de árvores – bissilões, na sua maioria – que ornavam a estrada na margem norte do rio, a dezenas de metros de distância, do outro lado onde os combates se iam tornando, cada vez com maior intensidade, um acontecimento diário.

Mais a sul, por entre os restos de neblina que se elevavam da bolanha, os olhos ainda distinguiam a enorme mancha verde-escura do tarrafo que, da margem virada a poente, se alongava até perder de vista, para as bandas do mar.

Dois ou três, dos homens do destacamento, ocupavam-se entretanto, junto ao cais, na recolha das armadilhas, deixadas no rio na noite anterior. Havia sempre peixe que optava por não dormir e o que buscava o engodo, nos engenhos de rede, habitualmente dava para uma refeição à pequena guarnição do destacamento.

De pé, encostado à tosca viga de palmeira-dendém, num dos cantos do alpendre, do polivalente refeitório-secretaria e sala de convívio, o alferes que comandava o destacamento observava, a espaços, a paisagem em redor, por vezes de binóculo em punho, com o olhar atento e perscrutador, que se exige à suprema responsabilidade dos lideres, a quem compete zelar pelas vidas dos homens sob o seu comando e dos haveres, que o estado português confiara à sua guarda.

Pese embora o facto de, por aquelas bandas, jamais ter havido notícia de presença inimiga, o homem sabia que não podia baixar a guarda. Quando menos se espera… E recordava, amiúde, os episódios lidos e relidos, sobre guerras distantes ou passadas, nos quais se dava conta das surtidas traiçoeiras, dos audaciosos golpes furtivos e das mil e uma artimanhas, que o génio dos grandes cabos de guerra sempre souberam engendrar, para colher o inimigo de surpresa.

E também da importância estratégica de destacadas zonas do globo, locais cirurgicamente nevrálgicos para o rumo dos conflitos. Assim, aquele perdido posto militar, encravado entre a bolanha e o largo rio, bem podia ser – quem sabe - o seu estratégico rochedo de Gibraltar, ou algo semelhante.

Por isso o nosso alferes não baixava a guarda. Cônscio da importância de uma observação constante e minuciosa, o homem queimava as pestanas, observando metro por metro, litro por litro, as margens e o leito do rio, que na sua frente se abriam. Com ele, ficasse o inimigo a saber, não contassem para menosprezar os perigos, muito menos para se entregar ao desleixo da rotina, que a experiência lhe dizia ser sempre má conselheira.

Um homem, enfim, ciente da sua responsabilidade e da transcendência da missão que até ali o levara; àquele pasmado e frustrante longe de tudo, perdido entre nenhures, onde, habitualmente, o mais emocionante, do arrastado quotidiano, era a passagem, no seio das colunas militares, de uma ou outra bajuda, à boleia.

No seio, foi o que atrás se escreveu, porque nos ditos das moçoilas, rijinhos e ali ao léu, vulgarmente designados por “mama firmada”, já a rapaziada ia, despudoradamente, e sempre que o ensejo se proporcionava, aquecendo as manápulas, naquele tão cativante, quanto emotivo e patriótico, exercício de acção psicossocial.

Estava-se nisto quando, binóculos virados a montante, algo lhe chamou a atenção, lá longe no caudal do rio, logo após a curva junto ao mangal. Havia ali qualquer coisa a navegar, lentamente, em total discrição, descendo sorrateiramente o rio, bem no meio da corrente.

Deixou o local de vigia, no alpendre do barracão e aproximou-se da margem. Não, não havia dúvidas: vinha ali qualquer coisa estranha, com um navegar manhoso. Algo enfim, naquela manhã, descia, lenta e matreiramente, a corrente. Mal se vislumbrava o dorso escuro do enigmático objecto, mas bem se via que era algo grande, arredondado e estranhamente silencioso.

Por entre a onda de espuma que a sua passagem levantava, erguia-se sobre ele, na vertical e a cerca de um metro acima da água, hirto e misterioso, um outro objecto, igualmente redondo e escuro, a fazer lembrar um vulgar tubo de canalização. “Diabo, se aquilo não parece um submarino…”, cogitava o intrigado graduado, de cenho franzido e sentidos alerta.

Voltou a mirar o estranho objecto que sulcava as águas, bem no meio da corrente, a uns bons cem metros da margem. Numa daqueles clássicas decisões, bem expressas nos cânones da caserna, que mandam, em caso de dúvida, atirar primeiro antes de se perguntar “quem vem lá?”, o homem tomou de imediato uma decisão de radical efeito. E tudo ali então se precipitou.

De binóculo em riste - em clara desvantagem ante o, bem mais potente e avantajado, “periscópio” inimigo - porém munido de corajoso ímpeto de destemido afrontamento, o alferes gritava a plenos pulmões: “Peguem nas armas! Vai ali um submarino!”, enquanto os homens, dispersos pelo recinto, de expressão aparvalhada, tentavam perceber a situação. Antes de desaparecer no interior das instalações, em busca da sua própria arma e de umas quantas granadas defensivas, ainda o espavorido oficial repetia à restante guarnição: “Porra, vão buscar as armas!”

Atarantados, os rapazes corriam, desordenadamente, para o interior dos barracões, em busca das G3. Pelo caminho, um ou outro, de mente menos confusa, ia-se deitando a matutar que ideia seria aquela de enfrentar um submarino com umas reles espingardas automáticas, mais umas pobres granadas, que tanta falta faziam para as radicais pescarias do peixe mais graúdo. Mas pronto, o alferes é que tinha os livros; por aquelas bandas, ainda era quem mandava na guerra.

Entrincheirado com a jangada, o destemido comandante da guarnição abria fogo de rajada sobre o “submersível inimigo”. Só podia ser inimigo, já que a pelintra marinha de guerra nacional ainda não conseguira orçamento para tais luxos. Porém, o PAIGC ainda menos. Era pois, seguramente, um vaso de guerra de leste, da União Soviética, que todos sabiam estar de panelinha com os movimentos guerrilheiros.

“Fogo, fogo nele!”, gritava o homem, qual Rommel no deserto, qual Napoleão antes da debandada em Waterloo, qual Nuno Álvares em Aljubarrota ou, mais adequadamente, qual Mouzinho em Chaimite. As balas – apenas as dele, adiante-se – tracejavam as águas, levantavam cogumelos de espuma, enquanto por ali, deitados no chão, em posição de fogo, os homens se entreolhavam, de expressões idiotas, sem entender patavina da situação.

“Aquilo é um submarino! É ou não é, malta?”, interrogava ele, aos brados, num esforço de autoconvencimento. “É, é, meu alferes! Vê-se bem…”, respondiam os homens, confusos e sem coragem para contrariar o agitado superior. “Fogo nele! Afundem os gajos!” Relutantes, os subalternos lá iam disparando uns tiros dispersos, que aquilo de estar ali ao desvario a atirar para o boneco, não lhes cabia lá muito na cachimónia. O intrépido alferes, entretanto, em pequenas corridas pela margem, na busca de melhores posições de tiro, não dava tréguas ao misterioso objecto navegante.

Era uma cena patética, digna da mais talentosa opera-buffa, dos gloriosos tempos da commedia dell’arte.

Nos fugazes segundos que mediariam, entre o gizar de uma estratégia de ataque, ao iminente, inevitável e definitivo afundamento do descomunal submersível, o homem imaginava-se nas capas dos jornais da longínqua capital do império, sob os holofotes da televisão e os microfones das rádios, nos gabinetes dos ministérios e chancelarias, nos jantares de gala em sua honra, no decorrer dos quais, uma vez mais, se enalteceria, nas vozes embargadas dos nossos mais lídimos representantes, o seu heróico feito.

O homem já se via - mais do que numa qualquer e banal entrega de medalhosas distinções, no Terreiro do Paço - nos próprios salões do palácio de Belém, altivo, impante, solene, distinto, em farda de gala, na presença das mais altas figuras da nação. E depois – oh, subida glória! – recebendo, das mãos do venerando chefe de estado, uma qualquer comenda, das várias com que o patrono das ordens honoríficas habitualmente ornamenta o pescoço e o ego dos nossos mais distintos eleitos.

Depois, como corolário, talvez o nome numa rua da sua vila natal, quiçá de vilas e cidades de norte a sul do país, e a inevitável promoção por distinção que, unanimemente, as altas chefias forenses não deixariam de lhe proporcionar.

Que subida honra, que glória, que página, nos anais onde se canta a imortalidade dos heróis. Caramba! Não é todos os dias – nem, por ventura, em todas as guerras – que se abate, sem remissão, ou se aprisiona, um submarino inimigo, recheado de uma tripulação amedrontada e rendida à heroicidade de meia dúzia de bravos militares portugueses. De Engenharia. Ainda por cima, homens da Engenharia!

Toda a pequena guarnição estava, pois, prestes a protagonizar um feito único nos anais da história militar lusíada. Uma epopeia que contariam aos filhos e netos, os quais, orgulhosos do apelido e do sangue herdados, haveriam de se rever nela por incontáveis gerações.

“Atirem, não o deixem escapar!”, e os rapazes, mais para evitar reprimendas do que para confrontar a ameaça navegante, lá iam despejando carregadores, para aquele intruso flutuante que, oriundo por ventura dos confins soviéticos, ali lhes calhou em sorte, por certo numa missão de solidária “mãozinha” ao inimigo.

Uma, duas rajadas. O arrojado alferes não descansava. Depois, granada na mão, cavilha arrancada com um gesto largo e decidido e o lançamento do engenho para bem longe, nas águas do rio. À boca pequena comentava-se: “O nosso alferes não ‘tá bom da cabeça”. Então “aquilo” estava a ir ali a mais de cem metros de distância… quem é que o alferes pensava que era: “campeão do lançamento do martelo, ou quê?”

Entretanto, mesmo ali frente ao cais, com um repentino remoinhar das águas, o “vaso de guerra inimigo” inverteu o “leme” a estibordo e parecia querer rumar a montante, de onde havia pouco surgira. “Está com medo, rapazes: ele está com medo. Vai voltar para trás! Fogo, não o deixem fugir!” E as armas voltaram a troar, rasgando de novo a quietude da manhã.

E que manhã! Ciente agora que o matreiro submersível tentava escapar, o homem lembrou-se que, no reduzido espaço que servia de paiol, repousava a um canto uma metralhadora ligeira. Lá estava, havia muito, para o que desse e viesse. “A Dreyse, tragam a Dreyse!”. Lesto, o cabo e um soldado ergueram-se, entreolharam-se por momentos e partiram numa corrida, desaparecendo no interior das instalações.

Quando voltaram, de metralhadora em punho e uma braçada de carregadores a caírem dos braços, deixaram a arma nas mãos decididas do alferes e aprestaram-se para o municiar. Da ponta da jangada, já sobre as águas, a Dreyse iniciou então o ritmado e mortífero concerto. As balas sulcavam as águas e atingiam certeiramente a misteriosa “embarcação”, ante o eufórico frenesim que agitava o bravo oficial.

Fosse por acção das balas, ou por capricho da corrente do rio, o manhoso “submarino” inverteu de novo a rota e voltou a navegar para jusante, rumando, tranquila e suavemente, para a foz. Ficava já fora do alcance do fogo lançado da margem e parecia ir perder-se para lá da curva frente ao bosque de palmeiras, na viagem que o levaria ao oceano.

As armas calaram-se. Uma densa e negra nuvem formava-se agora, nos olhos e na mente do ofegante comandante do destacamento de Engenharia, aquartelado naquela perdida margem de rio. As honrarias, as comendas, os jantares e discursos e as ruas com o seu nome esfumavam-se assim, mais depressa do que o fumo que se evadira dos canos das armas. Oh, glória tão efémera e vã! Oh, história tão ingrata, que assim lhe iria olvidar o nome.

Que dia aquele, de tanto fervor patriótico e de tanta alma guerreira, transformados, ingloriamente, na mais redundante e decepcionante manobra militar, alguma vez encetada em terras da Guiné. Os deuses, os tais do Olimpo, deviam mesmo estar loucos. Oh, com os reveses enchem, tanta vez, as guerras de infortúnio. Ia assim o homem cismando, tentando refazer-se dos amargos de boca, resultantes da frustrante acometida.

Acalmara-se um pouco. Acendeu um cigarro e encaminhou-se, cabisbaixo e de cenho franzido, para o recato das instalações. Necessitava de um revigorante whisky, para encarrilar as ideias.

No exterior, ainda aturdidos, os homens olhavam-se, acendiam igualmente cigarros e, entre o encarrilar de ideias e a sequente procura do revigorante whisky, quedaram-se, por momentos, a matutar, que raio de mosca teria mordido ao alferes, para desatar a ver submarinos e a despejar quilos de munições, num pobre e inofensivo tronco de bissilão que, inadvertidamente, entendeu entregar-se aos prazeres da navegação no dia errado, no rio errado e na hora errada.

O perturbado alferes, esse entretanto e enquanto via esvaírem-se os sonhos de glória e imortalidade, de olhar lançado ao alto e pensamento embargado pela emoção, justificava a si próprio o desaire, citando – como, de resto fica bem em situações tão dramaticamente solenes, como aquela – as palavras do poeta: “malhas que o Império tece…”

Perdão, tecia.

---------------------

Em rodapé, aqui - como preito de homenagem ao avisado bom senso - se regista o alívio da restante guarnição, pelo facto de, na balburdia gerada pelo fragor da insólita “peleja”, o inefável e confuso alferes nunca se ter lembrado de, via rádio, pedir o apoio dos T-6 da Força Aérea, ou dos patrulheiros da Marinha. Valeu esse lapso porque, para ridículo, já tinham de sobra para contar.

António Lúcio Vieira
CCav 788 / BCAV 790 ( Bula e Ingoré, 1965/67)

_______________

Nota do editor:

(*) Vd. poste  de 2 de agosto de  2019 > Guiné 61/74 - P20027: Tabanca Grande (483): Lúcio Vieira, ex-fur mil, CCAV 788 / BCAV 790 (Bula e Ingoré, 1965/67), natural de Torres Novas, jornalista, poeta, dramaturgo, encenador: senta-se à sombra do nosso poilão, no lugar nº 794

sexta-feira, 2 de agosto de 2019

Guiné 61/74 - P20030: (In)citações (138): A minha Guerra da Guiné: a Leste, algo de novo... (Manuel Luís Lomba, ex-Fur Mil Cav da CCAV 703)

1. Mensagem do nosso camarada Manuel Luís Lomba (ex-Fur Mil da CCAV 703/BCAV 705, Bissau, Cufar e Buruntuma, 1964/66) datada de 31 de Julho de 2019:

A propósito

A minha Guerra da Guiné: a Leste, algo de novo… 

Ambos objectivados para nos matarmos uns aos outros, o canhão russo s/r 82B-10 e a sua granada, do PAIGC, eram uma espécie de trambolhos, sem estética, ao passo que o nosso canhão s/r NATO M40 era elegante e a sua granada a beldade do nosso paiol. O deles era de tracção humana e matava-nos, porque o alombavam para qualquer sítio; o nosso, era de tracção automotora, e não matava, porque “era malandro, não ia para o mato”.

Em Buruntuma tivemos por companhia um canhão s/r M40-10,6, a mãe das Armas Pesadas da nossa Infantaria, a mais viril das armas de todos os exércitos, antes e depois da “igualdade do género”, montado na longitudinal à carroçaria dum jipe Willis, que nos exigiu 4 espaldões elevados, um em cada ponto cardeal daquela tabanca, construções de alvenaria granítica, projectadas e dirigidas pelo Furriel Manuel Simas, material raro na Guiné Portuguesa, cuja maior parte ousamos “expropriar” à Guiné-Conacri, com o camião Renault requisitado à Casa Pinheiro, com a matrícula GN sobreposta à matrícula G, circulando impunemente pela estrada asfaltada da Guiné-Conacri, a transportá-la duma pedreira abandonada por colonos franceses.

O CSR M40 10,6 cm colocado num Jipe. Buruntuma 1973
 Foto: Com a devida vénia ao camarada Luís Dias - HISTÓRIAS DA GUINÉ 71-74 - A C.CAC 3491-DULOMBI

A sua dotação orgânica era apenas de 2 granadas, uma economia impositiva, não pela beleza estética do seu conjunto, mas porque custava 8.000$00 cada, preço FOB e pagos em dólares, – o soldo mensal de 1 capitão ou de 2 alferes, ou o vencimento de 3 furriéis ou o pré de 80 soldados. O montante da “Folha de férias” dos 150 militares da nossa Companhia equivalia ao custo das 2 granadas!

Pelas suas 4 “casas rústicas”, pelo custo das suas granadas, pela independência do seu paiol e pela sua exclusividade ao nosso capitão, quando ele passeava o canhão pela tabanca (a treinar e a impressionar a população), comentava-se na gíria de caserna “o nosso comandante anda a passear as duas “p… caras”.
O canhão nunca foi disparado, as 2 granadas eram reservadas às duas Panhard dos nossos vizinhos guineanos. No inventário da rendição, o seu “mapa de carga” registava a existência de 2, mas deixamos 18 de herança à CCaç 1418, que nos foi render em Maio de 1966! O milagre da multiplicação foi assim. O SINTREP ou lá o que era que relatava os ataques, requisitava a sua reposição, tudo nos conformes, – e lá vinham mais 2 granadas…

A fronteira internacional de Buruntuma tinha sinalética, uma placa de betão do legado do nosso “antepassado” Jorge Ferreira (e virtuoso fotógrafo de “bajudas”), e, do lado de lá, em Kandica, bem pertinho, à distância de apenas de 1,5km, estava aquartelada uma unidade de pára-quedistas da Rep. da Guiné-Conacri, comandava-a um jovem e comunicativo tenente. As patrulhas cruzaram-se por duas ou três vezes, com o pequeno rio Piai em separador, trocávamos continências vistosas, uns amistosos e uníssomos “bonjour!”, dávamos-lhes cigarros “Português Suave” e cerveja Sagres, que eles retribuíam com abacaxis, evidenciando privações.
As patrulhas e o seu tenente deixaram de ser vistas, constava que, por denúncia do PAIGC, o tenebroso Skou Touré mandara-o prender e fuzilar, notícia coincidente com o seu decreto dele a criar uma faixa com o fundo de 15Km, em terra de ninguém, para a maior manobra do PAIGC, o nosso Estado-Maior deu-nos o alerta e fez chegar à Companhia fotos do tal canhão s/r russo 82B-10, rodeado de guerrilheiros, que não chegamos nem a ver nem a experimentar, um prenúncio do seu uso de armamento pesado, o fluxo de cidadãos guineanos entrou em decadência e Buruntuma ficou isolada – uma ilha rodeada de IN por todos os lados. Evidências da parceria dos dois líderes e da sua determinação em nos infernizar a vida à mão armada. E nós não deixamos de proceder em conformidade…

Canhão s/r russo 82B-10
 Foto: Carlos Vinhal

No quadro das minhas funções de instrução e comando de milícias e de Apsico (Acção Psicossocial) junto da população, coube-me fazer o levantamento e a estatística do gado vacum, roubado pelo PAIGC às tabancas da quadrícula de Buruntuma, e, baseando-me nas quantidades reclamadas nas queixas das populações, refugiadas desde Cundagá, a Ajango e até Catabá, o roubo de gado na área da nossa quadrícula aproximava-se das 10 000 cabeças! Naquele tempo, na sua Frente Leste, o PAIGC era bem-sucedido como ladrão de gado e mal sucedido na subversão e pior como “libertador”, o que provocou a perda da vida a dois dos seus comandantes – primeiro Vitorino Costa e, depois, Domingos Ramos.
Então foi organizado e treinado à moda dos “comandos” um pequeno grupo de voluntários, que passou à acção do outro lado com a táctica do olho por olho e dente por dente, sob o disfarce de “bandido”, munido de armamento capturado, com os brancos a enfarruscar o rosto com fuligem dos caldeirões do rancho.

Na “operação vaca” não se recapturava manadas, apenas 1 ou 2 cabeças, menos por razões de manobra e logísticas, mas para encobrir outra: a quantidade implicava a restituição aos lesados, que, depois, não as vendiam – por serem o símbolo da importância social de cada um, em relação aos “homens grandes”, e a moeda para a “compra de bajuda” (moça), em relação aos “djubis” (os moços). A malta da “patrulha da vaca” amealhava bons “pesos”, mas, enquanto não foi extinta (o seu efectivo ameaçado com uma “porrada”), a carne de “vaca de bandido” não faltou ao passadio da tropa, nem à “vianda” das milícias e das mais de 5 000 almas residentes, naturais e refugiados, nessa grande tabanca de fulas e mandingas, um triângulo incrustado e linha da fronteira com a Guiné-Conacri.
No contexto da sua perseguição ao fulas guineanos, prolongamento dos da Guiné Portuguesa e seus oposicionistas, a “germanderie” de Skou Touré matava, mas, havia sempre alguns que corriam os riscos, circulando nessa terra de ninguém para aceder às lojas e ao serviço de saúde da tropa portuguesa, em socorro da sua penúria, enquanto a acção da nossa “patrulha das vacas” criava a conjuntura do açular dos cães da animosidade entre guinéus e os “bandido” bissau-guineenses. Nunca vi gente tão miserável e esfarrapada como esses cidadãos guineanos, que arriscavam a vida para chegar a Buruntuma, em demanda dos bens de primeira necessidade.
A “patrulha da vaca” manteve-se activa, até ao dia em que, já próximo da nossa rendição, se deixou seduzir pela mais formosa e melhor nutrida vitela, jamais vista nos nossos encontros com manadas de vacas a pastar em território inimigo, - uma cilada para os apanhar à mão; safaram-se todos e incólumes, graças ao “calo” de combatentes e, sobretudo, ao desembaraço do nosso cabo da milícia Mamadu Jaló, aliviando-se do incómodo da pesada fita de munições com rajadas da sua MG 42, rompeu o cerco e cortou ao meio os dois primeiros pára-quedistas IN que surgira na “exploração do sucesso”.
Em quase 2 anos da vida de combates pelos quatro quadrantes da Guiné, nunca tínhamos feito uma retirada tão acelerada, esta também com a cobertura da sorte: reencontramos a vitela da nossa desgraça no nosso caminho, escoltámo-la até Buruntuma, como troféu do nosso contentamento, mas o vagomestre só pagou “um preço justo”, depois de ameaçarmos a sua libertação… Mas a coisa ficou preta!

Os dois grupos de milícias, de 30 elementos cada, eram comandados por mim e pelo saudoso camarada e amigo Manuel Simas – deixou-nos há pouco, que Deus o tenha –, continuamos a “frequentar” o outro lado em reconhecimentos e, pela detecção de alterações das rotinas, no quartel de Kandica, recebemos a incumbência, a minha da segurança e apoio, a dele, de medir distâncias, de o mapear e de mapear suas acessibilidades.
Éramos apenas 4, iniciamos a nossa missão ao início da tarde, progredindo pelo lado da tabanca queimada e desabitada de Catabá, pela calmaria, em que toda a gente se recolhia, o calor a rondar os 50 graus e a humidade do ar os 98%, passo a passo, ou melhor: a rastejar. Enquanto evoco esta memória, sinto os mesmos calafrios, já velhos de mais de 50 anos, dos minutos que pareceram eternidade, em que estive colado ao chão, escondido na grande plantação de abacaxis, do outro lado da estrada que servia a sua porta de armas, a uns 30 metros das duas corpulentas sentinelas, a ver-lhes as botas de cano alto até ao joelho, a boina vermelha no “catulo” e a pistola-metralhadora a tiracolo.
Emitido pelo nosso rádio o sinal convencionado, a malta dum dos nossos morteiros de 81 mandou uma morteirada de reconhecimento, a granada explodiu longe e muito ao largo, soou a cornetada do “à rasca”, aquele quartel entrou em desassossego, as sentinelas desapareceram e a porta de armas fechou-se.

No dia seguinte, o Manuel Simas, que virá a notabilizar-se nos Estados Unidos, nas esculturas de ossos de baleias e de cachalotes e, depois, como docente na Escola Secundária de Ponta Delgada, entregou ao capitão a planta das acessibilidades e do aquartelamento, devidamente assinados o posto de transmissões, a caserna, o paiol, o parque das 2 Panhard, etc. e os azimutes e as estimativas da distância de tiro, pelos quais ele determinou as coordenadas de tiro dos 3 morteiros de 81 e desse canhão s/r M40.

Ao corrente da iminência da nossa rendição, os IN´s da outra banda tornaram-se recorrentes em nos fazer chegar as ameaças que nem todos estaríamos vivos à data da partida para Lisboa, pela sua vingança do combate e da captura daquela sedutora vitela.
Mas o Capitão Fernando Lacerda, um brioso oficial da Cavalaria clássica e estereótipo da valentia em combate – nunca se lançara ao solo, ironizando que “não queria sujar a farda”, estava à altura das circunstâncias e obviou-nos o problema.
Por analogia com o ardil que o oficial de Cavalaria Marechal Rommel montara no deserto egípcio de Al Amim, e que confundiu o Marechal Montgomery, ele mutilou os camiões, unimogs e jipes das suas panelas e tubos de escape, mandou-os circular em alta aceleração pelo perímetro de Buruntuma, da alvorada à noite, o seu escape livre a roncar em altos decibéis, para IN ouvir, da alvorada à noite, postou exploradores das milícias de vigilância ao troço crítico, na estrada do Gabú, entre Buruntuma e Ajango, que o mantiveram a par das emboscadas montadas pelo IN, e este, de desmobilização em desmobilização, acabou por desistir, com essa roncadura activa, prolongada até ao dia da nossa rendição.

As viaturas da CCav 703 tinham iniciado a sua roncadura pela alvorada, os cães, que, atraídos pelo cheiro do rancho, orbitavam o estacionamento, organizaram-se em matilhas e faziam o seu coro a ladrar, a CCaç 1418 chegou de Nova Lamego em nossa rendição, o pessoal foi rápido na desestiva da deles e na estiva da nossa tralha e a CCav 703 fez-se à estrada do Gabu e foi passar uma curta nomadização em Fá Mandinga, que não foi de estágio, mas problemática, a maior estação agrária da Guiné, ora área em subversão, praticamente ao abandono, que havia sido a menina dos olhos de Amílcar Cabral, enquanto engenheiro agrónomo do governo provincial, cujas instalações virão a ser reconvertidas em aboletamento da 1.ª Companhia de Comandos Africanos, a menina dos olhos do General António de Spínola e viveiro de alguns heróis nacionais, estou a lembrar-me do João Bacar Jaló e do Marcelino da Mata.
Ao aperceberem-se do logro, os IN´s da outra banda juntaram-se, montaram um cerco em meia-lua a Buruntuma e lançaram um denso ataque, com a base em Kandica, e o seu novo comandante, Capitão Gonçalves (?), na posse dos nossos dados, enquanto se defendia em proximidade, mandou os morteiros de 81 e aquele canhão s/r vomitar granadas e terão sido as nossas 18 “p… caras” que calaram o ataque. O nosso levantamento e a competência do Furriel Manuel Simas tiveram consequências: Kandica ficou arrasada, as suas acessibilidades revolvidas até às entranhas, as baixas humanas terão sido numerosas, e o primeiro momento da internacionalização da Guerra da Guiné havia acontecido.
Então o governo de Conacri e o PAIGC objectivaram todo o seu potencial bélico pela destruição e ocupação de Buruntuma, obrigando o Comando-Chefe General Arnaldo Schulz a investir as suas reservas de Artilharia, de tropa normal, de comandos, fuzileiros, pára-quedistas na defesa dessa quadrícula, a oportunidade para os “guerreiros do ar” de Bissalanca demonstrar a sua perícia no lançamento das suas “bilhas”.

A Guerra da Guiné privou-nos “dos anos o doce fruto” da vida, mas partimos e chegamos a Lisboa, mais mortos que vivos, macilentos, mirrados, só pele e osso e exaustos, e “Buruntuma um dia será grande”, citando o Jorge Ferreira.

Outra conclusão e com penumbras. Se, em 1965, Lisboa nos impusera um apertado racionamento ao gasto das granadas desse nosso canhão s/r, pelo seu elevado custo, quando os capitães da guarnição da Guiné iniciaram a sua reconversão em conjurados, em 1973, com a criação do MOCAP (Movimento dos Capitães), os conselheiros militares da União Soviética junto do PAIGC propuseram a Moscovo que reconsiderasse os fluxos do fornecimento gratuito das granadas do canhão s/r russo e do outro armamento pesado, pela sua alta taxa de desperdícios e por a sua relação custos/benefícios se oferecer muito negativa.

Indício de prova e um recado à nossa História Contemporânea: se, em 1973, a coisa não estava muito branca para os capitães da Guiné, impelindo-os a essa “insubordinação castrense descontrolada”, estava a ficar muito preta para o PAIGC, impelindo-o a criar a crise dos “três G´s” – eram 3 G´s, um P (Pirada) e um B (Buruntuma). Como falhou estes dois, o resultado da primeira ronda foi: PAIGC (Guileje) 1 – FA portuguesas 4, mas o resultado final foi: PAIGC 1, de derrota em derrota - FA portuguesas, 0, pela vitória do MFA.
____________

Nota do editor

Último poste da série de 22 de julho de 2019 > Guiné 61/74 - P20003: (In)citações (137): Obrigado, amigos/as e camaradas, pelos votos de parabéns que me deram ao km 73 da minha "picada da vida" (Jaime Silva)

Guiné 61/74 – P20029: Memórias de Gabú (José Saúde) (86): Paredes impregnadas de imagens de mulheres. Um lavar de olhos em tempo de guerra (José Saúde)





 1. O nosso Camarada José Saúde, ex-Fur Mil Op Esp/RANGER da CCS do BART 6523 (Nova Lamego, Gabu) - 1973/74, enviou-nos a seguinte mensagem. 

As minhas memórias de Gabu

Paredes impregnadas de imagens de mulheres

Um lavar de olhos em tempo de guerra



Lá longe, num outro continente onde o calor humano superabundava, as mulheres passeavam a sua beleza feminina por entre uma multidão de seres terrestre que se deixavam encantar pelas virtualidades expostas em belíssimas formosuras. Senhoras jovens que, aliás, encantavam o mais singular cidadão do mundo que usufruía o prazer em ver o seu fino físico corporal ao vivo e a cores.



Mas, nas trincheiras da guerra os “duros” combatentes confrontavam-se com as representações virtuais que levavam o efebo rapaz ao êxtase. Num devaneio absoluto de um delírio meramente carnal, nós, militares cuja idade permitia resvalar para sonhos românticos onde proliferavam autenticas fantasias, deleitávamos os nossos instintos masculinos para a propagação de simples imagens em papel onde se visualizava o corpo, ou parte dele, de uma encantadora rapariga que transmitia efémeros desejos.

Nas paredes dos nossos insignificantes quartos impregnadas de imagens que vislumbravam corpos esbeltos de gentes femininas, bastava um lavar de olhos para os nossos potenciais desejos prosaicos virem à tona de memórias que pareciam perdidas na desigualdade de um tempo consumido pelos súbditos de uma guerra substancialmente desigual.

Pronunciei atrás a temática quartos, todavia, diz-nos a realidade, e é justo que o façamos, que muitos foram os camaradas que ao longo das suas comissões viveram em autênticos buracos escavados por eles próprios para salvarem a sua própria pele. Buracos desumanos feridos de conteúdos de bons sensos para todos os camaradas que porventura conheceram esses horrores em pleno campo de batalha.

Não conheci, felizmente, essa veracidade, porém, essa foi uma inequívoca certeza que muitos dos nossos camaradas estupidamente aguentaram, mas sempre hirtos aos terríveis momentos que a guerrilha amiúde impunha. Ficou, no entanto, a certeza de histórias contados por aqueles que souberam suportar as trevas de uma guerra que não dava folgas. 

Em Nova Lamego, Gabu, as fotos eram autenticas obras de arte estateladas em tapumes que transmitiam laivos de sexualidade a combatentes vencidos pelas distâncias físicas e que se sentiam carentes de uma visualização real onde a feminidade obviamente atraía o mais vulgar rapazote.

A guerra, no entanto, permitia implícitas circunstâncias que resvalavam somente pelo etéreo mundo de imaginação. Restava, por vezes, incorporar os nossos sentimentos sexuais no cosmos da fantasia. 

Este introito que ouso trazer a público é simplesmente a fidedigna razão de um camarada, tal como muitos outros, que enveredou por desmistificar a originalidade de uma foto que no seu todo invoca a certeza de sonhos deslumbrantes.

E se é verdade que a fatiota domingueira deste velho combatente deixava antever uma “escapadela” à tabanca para um “agasalhar” de instintos somente carnais, por outro lado pretendo deixar vincado que a originalidade das ditas imagens em papel, era algo que certamente proliferava em todos, ou quase todos, os aposentos de jovens envolvidos na guerra numa Guiné onde os espinhos personificavam a dor sentida pela perda de um camarada.

Hoje, tudo é passado e poucos são aqueles que se dignam, sob a sua própria pena, subscrever nacos de uma realidade histórica lusitana acerca da indelével infalibilidade que houve uma guerra recente que parece ter caído no mundo das trevas.

Nós, que por enquanto ainda fazemos peso à terra, lá vamos recordando imagens que geralmente nos tocam, porque pertencemos a uma geração onde a guerra nos apanhou em plena flor de idade e nos enviou para as frentes de combate.

Num intrínseco cruzamento de recordações como antigo combatente, é bom que nunca esqueçamos quem fomos, quem somos e que redundantemente seremos seres prontos a encarar o futuro com uma fugaz expetativa de ver o nosso passado simplesmente compensado. Pessoalmente duvido, como é óbvio, mas o amanhã é literalmente um mistério. Vamos apenas sonhando. 

É neste subtil e atento observar de imagens de outrora, que lanço um lavar de olhos em tempo de guerra para desferir um ataque de amizade a todos os camaradas que pisaram o solo guineense.

Somos eternamente o resultado final de uma peleja que jamais fora nossa e de uma sociedade cujo reconhecimento esbarra simplesmente no limbo do esquecimento. Ergam sempre as vossas vozes, não no muro das lamentações mas para quem de direito.



Um abraço, camaradas 
José Saúde
Fur Mil Op Esp/RANGER da CCS do BART 6523

Mini-guião de colecção particular: © Carlos Coutinho (2011). Direitos reservados.
___________

Nota de M.R.: 

Vd. último poste desta série em: 

12 DE JULHO DE 2019 > Guiné 61/74 - P19973: Memórias de Gabú (José Saúde) (85): "Exército" de abelhas (José Saúde)

Guiné 61/74 - P20028: Notas de leitura (1204): Missão cumprida… e a que vamos cumprindo, história do BCAV 490 em verso, por Santos Andrade (17) (Mário Beja Santos)



1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil Inf, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 12 de Abril de 2019:

Queridos amigos,
Começo pela nota curiosa de que há páginas de "Estranha Noiva de Guerra" de Armor Pires Mota que coincidem com a história do BCAV 490, caso da descida de helicóptero de Arnaldo Schulz em território do Oio, um pouco antes do centro nevrálgico do Morés, é hasteada a bandeira portuguesa, o Comandante-Chefe manda transportar comida e algumas guloseimas para os homens que têm operação árdua pela frente e regressa a Bissau, os combates prosseguem. Tudo primorosamente descrito. Tinha chegado o momento de apresentar o talentoso escritor, alferes miliciano do BCAV 490, figura incontornável da literatura da guerra da Guiné. Agora está tudo a postos, houve um interlúdio quase sem bulha, festejou-se o Natal, o bardo tem a seguir muito que contar, vai começar a batalha do Como, sobre ela ficaram belos testemunhos, sobre ela se disseram grosseiras mentiras na propaganda que muito depois da guerra finda ainda eram propaladas como verdades inquestionáveis.

Um abraço do
Mário


Missão cumprida… e a que vamos cumprindo (17)

Beja Santos

“Quase todo o Batalhão
em Bissau a descansar
em Bissorã dois pelotões
ansiosos por voltar.

Do mato regressaram
as nossas companhias
e foi somente 20 dias
que estes homens descansaram.
Ano Novo e Natal passaram,
havendo grande reunião:
realizou-se um serão
para entregar alguns louvores,
e ouvindo alguns cantores
quase todo o Batalhão.

Em Bissorã se encontrava
o Hermenegildo Francisco,
comendo um bom petisco
junto a quem o rodeava.
O vague-mestre a todos dava
bom comer para almoçar,
uma galinha para jantar
e bebida à farta para quem queria.
E o amigo António Maria
em Bissau a descansar.

Grandes serviços desempenhou
o pelotão do senhor Alf. Segura:
a 7 de Dezembro com bravura
ao quartel dos bandidos chegou.
Muito dinheiro lá apanhou
e rádios roubados pelos ladrões.
Apanharam também munições
e minas anti-pessoal.
E em 63 pelo Natal
em Bissorã dois pelotões.

Em Mansabá sossegavam
os ataques desta vez,
e a 29 desse mês
para Bissau regressavam.
O ano de 64 principiavam
sem haver qualquer azar.
O amigo Baltazar
pouco tempo passeou
e para o Como tudo abalou
ansiosos por voltar.”

********************

O bardo dá-nos conta da atmosfera que preludia a partida para o Como, a distribuição dos dispositivos militares, dá-nos a atmosfera de uma aparente acalmia. O que nos proporciona introduzir aquela que considero a obra-prima da literatura da guerra da Guiné, “Estranha Noiva de Guerra”, é seu autor Armor Pires Mota, oficial do BCAV 490. Ainda hoje me surpreende como foi possível este romance publicado numa edição discreta, em 1995, ter escapado completamente seja à crítica seja aos antigos combatentes.
Em duas palavras, é um empolgante e raríssimo discurso carregado de metáforas em que a maior é a de uma via-sacra, o herói e narrador é Bravo Elias, que assim se apresenta:
“Eu, Bravo Elias, de nome completo José Joaquim Bravo Elias, nado e criado em Parada de Junco, que não invento, por verdade ser o sangue e o tormento da hora, o dizer dos desasados momentos por que tive de passar, a cobra verde, o mosquito adejando raivoso, o olho miúdo, mas generoso das duas velhas recitando o seu hamedu-lilai, a heróica rapariga, ah a rapariga, e como dizia, picado no ouvido fito por violento tiroteio, muito lá para a frente, assarapantado, agarrei da G3 e cavei de onde estava para a cratera aberta. Premi o gatilho, com raiva patenteada nas mãos humedecidas, varrendo da esquerda para a direita, todo o campo de tiro”.
Via-sacra em que o Bravo Elias arrasta o corpo de um camarada morto em combate por caminhos inóspitos, sujeito a toda a casta de provações ou estações escolhidas por Deus: o confronto com o inimigo, os jagudis devoradores do corpo à sua guarda; uma viagem que se vai tornando delirante e dilacerante, a memória do herói, recorrente, é perpassada por vários passados, dão-lhe recordações para embates totalmente imprevistos.

Nenhum romance está tão centrado pela reconciliação, é um enredo em que a guerra atrai os opostos e daí ser-lhe implícita uma metáfora de paz, Bravo Elias arrasta o que resta do soldado Perdiz, encontra-se com inimigos e chega a Mansabá onde uma flagelação brutal nos dá a certeza que na floresta mais escondida ou no mais amplo dos destacamentos o horror chega a qualquer momento, e daí a elegia àquela fugidia noiva de guerra.

Como se escreve é primoroso, vejam-se alguns extratos:
“A marcha continuava. Mais enervante. Passámos além de Cai. Uma calabaceira enorme pontificava na aldeia deserta. Mais além as figueiras bravas e, a seguir, um labirinto naturalmente assombrado de medos e de bichos, humidade e fungos.
Seis outros elementos do IN visaram-nos. Tiros de espingarda e, mais adiante, um tiro de pistola, referiu o comandante mais tarde.
Malimorés foi atingida só o sol anunciava violenta fornalha. Silêncio que doía e enervava. Passava revista às palhotas, foi detida uma mulher cujas peles escorriam medos e suores. Estava junto do seu homem. Ela chamava-se Mala Seidi. O homem, cujo nome era de somenos, estava doente e tremia. Deixámo-lo tocado por um sorrido frouxo. Mala Seidi confirmava o que o prisioneiro havia dito. Ficámos, então, com a certeza de que as casamatas se achavam junto ao caminho que de Malimorés conduzia a Talicó. Um disparo de bazuca fez internar na mata oito negros. Armados e fardando camuflados.

Ali foi armada a defesa em círculo. Em círculo e ao largo. Enquanto isto era feito, foi pedido pelo ANR/PRC a eventual evacuação do negro ferido. O helicóptero chegou depois do meio-dia, quando o sol comia os miolos de todos. Sua excelência o Comandante-Chefe havia de chegar também noutro. Para bater o tacão naquele chão vermelho. Com uma bandeira nacional que ali foi hasteada. Tirou algumas fotos. Convenceu-se, o general, que tinha ganho aquela batalha, sem que soubesse o que havia de vir depois. Podia dizer até que já fizera a sua guerra, que não era nenhum maçarico. Tão entusiasmado ficou que mandou vir água, pão e guloseimas de Bissau para distribuir pelos soldados.
Pelas 11 horas, começou a ouvir-se o rugido de dois T6 que iam bater as zonas das casamatas. Enquanto isto, os soldados puxaram dos isqueiros. Atearam o fogo a cerca de sessenta palhotas.
Aproveitaram ainda para um rápido trago de cigarro. Corriam de um lado para o outro com fachos de capim a arder. Mas a verdadeira Malimorés, a dos aquartelamentos dos guerrilheiros, ainda não era ali.

Feita a refeição do meio-dia, engolida com uns bagos de medo à mistura, como era natural nessas situações, utilizando Mala Seidi, a velha que tinha a falha de três dentes, era intenção do comandante chegar às casamatas. O caminho era estreito e a mata era vestida de espesso arvoredo. Via-se pouco mais do que um palmo à frente do nariz. Um labirinto de estarrecer. O silêncio era compacto como terra. Só se ouviam estalidos na floresta, provocados pelo calor intenso. Suávamos como cavalos. O silêncio anavalhava os nervos. Entrar, lá se ia entrando, com todo o cuidado e vigilância. Sair é que não se sabia se tal ia acontecer”.

É em dura refrega que se vai perder aquele homem a quem Bravo Elias preiteará homenagem, um camarada jamais é deixado em terra alheia, deverá ser chorado pelos seus, enterrado no seu solo: “Júlio Perdiz tinha na cabeça um arrepio intranquilo de sangue e nenhum relincho era capaz de acordá-lo”.
Bravo Elias está cônscio do que o espera na via-sacra:  
“Eu sabia que a jornada ia ser espinhosa. Avaliando as minhas forças, ergui os olhos ao céu e disse qualquer coisa como: ‘para Vós volto os meus olhos, em Vós confio, salvai-me, Senhor!’. Talvez breves versículos do Templo da Paixão, não sei”.
Iniciava-se o sagrado dever:  
“A verdade é que era necessário meter-me ao caminho e com força bastante para resgatar o meu camarada aos matos, aos bichos e aos guerrilheiros. Porém, não deixava de me aperceber, em estilhas de sofrimento, que era uma coisa triste tudo aquilo, mas, ao mesmo tempo, sentia uma vaga e confusa sensação que também era, possivelmente, a coisa mais bela que me cabia em toda a guerra até àquele momento. Era restituí-lo à família, devolvê-lo à aldeia, nossa comum raiz”.

Há um parágrafo que muito me comove e a ele retorno com frequência, pelo seu fulgor de amor rendido a África:
“Os insectos, àquela hora, estendiam pela mata a sua zanguizarra solene e impetuosa como um rio de vozes frescas, rebentadas do chão. Mais longe, alguns macacos pincharolavam de festa, numa grulharia irritante e sádica, pois parecia que estavam a troçar de mim e do Perdiz. Com gestos obscenos. Pelo alto sarabandeavam muitos pássaros. Tantos, que era difícil chamá-los pelo nome. Do que eu gostava mais era do cacho-caldeirão, cores negras e amarelas, muito bonito. Mesmo assim reconheci, com a ajuda da rapariga, as rolas, claro, o barbilhão-amarelo, o pássaro-martelo, o zombeteiro, o palrador, a pomba verde, o beija-flor, o peito-lilás, tudo mais ou menos aves das galerias florestais, mas sem prestar grande atenção à ronda do colorido, às palavras que cada espécie ia debitando, eufórica de liberdade, sacudindo as asas num exemplar concerto de audácia e contentamento. Só eu jazia amarrado a um morto-vivo e à mata”.

O surreal, o sobrenatural, o realismo mágico vão tomando conta de todo o discurso da alucinante viagem. Momento alto da reconciliação dos homens é o encontro de Bravo Elias com Mamadu Keta, fumam o cachimbo da paz, ficamos a saber que aquele velho Mandinga aprendera a ler e a escrever na escola da missão sem prejuízo de ler e aprender nas tábuas de marabú os preceitos do Alcorão. Tinha dentro de uma mala o jornal “A Bola”, porque estava ali a fotografia de um negro importante, era o Eusébio. Mas a partida impõe-se, por obra e graça da ficção chega-se a Mansabá e nisto estoira uma flagelação destruidora, que vai deixar o mundo em destroços que Bravo Elias percorre, ainda a manhã vem longe, sendo o nevoeiro cada vez mais denso, leva na mão aquele cachimbo da paz que fumara com Mamadu Keta, tudo se irá recompor e ficará para todo o sempre a recordação daquela estranha noiva de guerra, dentro deste aglomerado de metáforas.

Neste preciso instante, o bardo inicia a sua toada sobre a batalha do Como, onde Armor Pires Mota escreverá belíssimas páginas, editadas no seu livro “Tarrafo”.

(continua)
____________

Notas do editor

Poste anterior de 26 de julho de 2019 > Guiné 61/74 - P20013: Notas de leitura (1202): Missão cumprida… e a que vamos cumprindo, história do BCAV 490 em verso, por Santos Andrade (16) (Mário Beja Santos)

Último poste da série de 29 de julho de 2019 > Guiné 61/74 - P20018: Notas de leitura (1203): “Revolução na Guiné”, uma antologia de discursos, conferências, declarações do fundador do PAIGC; edição e tradução de Richard Handyside, 1969 (Mário Beja Santos)

Guiné 61/74 - P20027: Tabanca Grande (483): Lúcio Vieira, ex-fur mil, CCAV 788 / BCAV 790 (Bula e Ingoré, 1965/67), natural de Torres Novas, jornalista, poeta, dramaturgo, encenador: senta-se à sombra do nosso poilão, no lugar nº 794


O fur mil cav Lúcio Vieira, da CCAV 788  / BCAV 790 (Bula e Ingoré, 1965/67),  no rio Mansoa 


O fur mil cav Lúcio Vieira, CCAV 788 / BCAV 790, em Bula... A barrica parece ter a seguinte inscrição: "Água Brasuca" (ou será "Água Dragões" ?)...O Vieira estava de sargento de dia...


O fur mil cav Lúcio Vieira, CCAV 788 / BCAV 790, em São Vicente, com o "exótico Machado" 


Fotos (e legendas): ©Lúcio Vieira (2019). Todos os direitos reservados. [Edição: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. O Lúcio Vieira, ex-furriel miliciano de cavalaria,  BCAV 790 / CCAV 788 (Bula e Ingoré, 1965/67), aceitou o nosso convite para integrar, formalmente, a Tabanca Grande,  formulado por ocasião do nosso XIV Encontro Nacional, realizado em 25 de maio último, em Monte Real. Costuma também participar, com o seu amigo e camarada Carlos Pinheiro, nos convívios da Tabanca do Centro.

Será o grã-tabanqueiro n.º  794. E é, obviamente, bem vindo.  Não tínhamos até à data nenhum representante da CCAV 788. (*)

O Lúcio Vieira, além de uma nota curricular (, assinada elo seu amigo Américo Brito), e das fotos da praxe, mandou-nos textos para oportuna  publicação e também a seguinte informação sobre o seu batalhão e a sua companhia:

(...) "O Batalhão, o BCAV 790,  formou-se em Cavalaria 7 (Calçada da Ajuda - Lisboa) e foi comandado pelo então Ten.Coronel Henrique Calado. Quinze dias após o desembarque, saímos de Bissau (BAT 600) e fomos colocados em Bula, juntos com a CCS do Batalhão, como Companhia de intervenção. 

Após seis meses e porque a Companhia, a CCAV 788,  acusava algum desgaste, fomos render a Companhia que se encontrava no Ingoré. E foi pior do que o tempo de intervenção em Bula.

Comandava a 788 o,  já falecido, Capitão Costa Ferreira, oriundo de Castelo Branco.
Regressámos em Janeiro de 1967." (...)

O Batalhão editou o jornal "Clarim". Diretor: Ten-Cor Cav Henrique Calado.


2.  Lúcio Vieira, síntese curricular, por Américo Brito

António Lúcio Coutinho Vieira - Poeta, Dramaturgo, Encenador, Investigador e  Jornalista

Após os estudos académicos concluiu, anos mais tarde, um curso intensivo no Centro de Estudos Psicotécnicos, em Lisboa e, posteriormente, um outro de Relações Públicas.

Foi responsável, ao longo de treze anos, pelo departamento de Comunicação e Relações Públicas do CEP 4 ( ex-Rodoviária Nacional ). 

Em paralelo com as funções profissionais, das quais nunca se afastou, desenvolveu, ao longo dos anos, uma vasta actividade, nas áreas da cultura e da comunicação, principalmente nos sectores do Teatro, do Jornalismo, do Audiovisual e da Rádio.

Ocupou o cargo de Vice-presidente do Cineclube de Torres Novas, o de director-encenador no Centro de Juventude e, posteriormente, na Casa de Cultura da cidade, ambos na área do Teatro.

Fundou e dirigiu o Grupo de Jograis da USTN, o Grupo Cénico Claras, o TET-Teatro Experimental Torrejano e o Teatro Estúdio, nos quais, ao longo de vários anos, encenou textos de autores portugueses e estrangeiros, em cuja lista se incluem, para além do próprio autor, entre outros os nomes de Gil Vicente, Miguel Torga, Luís-Francisco Rebello, Carlos Selvagem, Jaime Salazar Sampaio, Luís de Sttau-Monteiro, Sófocles, Molière, Marivaux.

Das várias montagens que assinou, algumas em obras de sua autoria, destacam-se a estreia universal da farsa de Jerónimo Ribeiro, Auto do Físico ( séc. XVI ), uma arrojada versão da Antígona, de Sófocles e a célebre farsa de Luís de Sttau Monteiro, "A Guerra Santa", que haveria de marcar politicamente, em Portugal, o Verão de 1977 e a farsa trágica, "Dulcinea ou a Última Aventura de D. Quixote", de Carlos Selvagem. 

Adaptou obras teatrais, clássicas e contemporâneas e é autor de vários originais de teatro, alguns para o público infanto-juvenil.

Iniciou, na SPA–Sociedade Portuguesa de Autores, as 1ªs. Jornadas de Interpretação Teatral, onde pontuaram actores como Rogério Paulo e Canto e Castro, entre outros. A sua peça "Aldeiabrava" – 2º. lugar "exaequo", no concurso nacional promovido pela ATADT ( 1967 ) - viria a ser escolhida pela SPA, para representar o teatro português, numa mostra de livros portugueses em Moscovo.

Ao longo dos anos, vários títulos haviam de integrar a lista de obras dramatúrgicas do autor: "A Flor Mágica do Sábio Constelação" e "A Ilha das Maravilhas" – ambas destinadas ao público infanto-juvenil -, "O Vértice", "Aldeiabrava" (com  prefácio de Luíz-Francisco Rebello). Ou a "Odisseia", "A 7.ª Guerra Mundial", "SOS - Sistema Optimizado de Saúde", ou o monólogo "Eu, Sofredor me Confesso", são alguns desses títulos. 

Destinado a estudantes do ensino secundário surgiu, recentemente, uma colectânea de curtas peças, sob o título genérico de “Pequeno Teatro Académico”.

No prefácio à sua peça "Aldeiabrava", o então presidente da Sociedade Portuguesa de Autores, teatrólogo e dramaturgo, Luiz-Francisco Rebello, amigo pessoal do autor, compara essa sua obra, nos aspectos temático e de conteúdo, a "O Exército na Cidade", de Jules Romains, a "Numancia", de Cervantes e a "Fuenteovejuna", de Lope de Vega.

É autor de vasto número de letras de canções e fados, principalmente de parceria com Paco Bandeira e com o maestro António Gavino e de vários temas da banda sonora da telenovela "Filhos do Vento"  (RTP-1997). Para além de Paco Bandeira, gravaram igualmente os seus poemas, António Mourão, Vasco Rafael, Margarida Bessa, Maria Amélia Proença, os solistas das Orquestras Típicas, Scalabitana e de Rio Maior, entre outros.

No prefácio que dedicou ao seu livro de poemas "Re Cantos", outro velho amigo do autor, Pedro Barroso, deixa escrito que, lendo-se a sua poesia “sentimos o fulgor de uma enorme explosão de beleza pessoal; passa por ali o génio dos grandes” (...) “este livro fica aí para ler-se toda a vida como consultor e conselheiro. Como terapeuta das horas e breviário dos sentidos (...)”. 

Já o Prof. António Matias Coelho, presidente da Associação Casa-Memória de Camões, em Constância e membro do júri que elegeria como vencedora a obra “25 Poemas de Dores e Amores”, diria a propósito deste seu último livro: “(…) Senti que lia um grande poeta. Esta é da melhor poesia que já li (…)”

Foi redactor principal no semanário "O Almonda", publicou reportagens na revista "Domingo Magazine", do diário "Correio da Manhã" e colaborou, ao longo dos anos, com vários jornais regionais.

É autor do script e da realização de curtas-metragens de cinema de ficção para a Equipa Fotograma e de vários documentários em vídeo. Foi director de estação e director de programas, em diversas estações regionais de rádio.

Vencedor de alguns festivais de canção de âmbito regional, obteve o 2.º  lugar no Festival Nacional da Canção de Leiria ( 1987 ), possui prémios de rádio (programa Auditório – RCL ) e de teatro: "Aldeiabrava" viria a obter o 2º. lugar, "ex aequo", no Concurso Nacional da ATADT (Portugal) vencendo o Festival de Teatro Português de Toronto (Canadá) em 1990.

António Lúcio Vieira foi distinguido, em 1997, com os diplomas de Mérito e de Louvor, pela Casa do Ribatejo, em Lisboa.

Em 2015 o Município de Alcanena atribuiu-lhe a Medalha de Ouro de Mérito Cultural.

É Prémio de Poesia “Médio Tejo Edições” ( 2017) para “25 Poemas de Dores e Amores”. É membro da SPA – Sociedade Portuguesa de Autores.

quinta-feira, 1 de agosto de 2019

Guiné 61/74 - P20026: Recortes de imprensa (104): O 10 de Junho de 1970 na Revista Guerrilha, edição do Movimento Nacional Feminino, dirigida por Cecília Supico Pinto (2) (Mário Migueis da Silva)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Migueis da Silva (ex-Fur Mil Rec Inf, Bissau, Bambadinca e Saltinho, 1970/72), com data de 31 de Julho de 2019:

Na sequência do P20021, hoje mesmo publicado, e antes que o tema arrefeça, estou a anexar um pouquinho mais de prosa e novas fotos alusivas ao 10 de Junho de outros tempos (o chamado Dia de Camões, da Raça e de Portugal), matéria ali aflorada a propósito da edição de Junho de 1970 da revista Guerrilha.
De minha autoria, apenas uma ou outra legendazita sem importância. O resto foi extraído por inteiro da revista em assunto. Mas, modéstia à parte, para além de, roda aqui, corta acolá, ter dado umas polidelas nas fotografias, cabe-me o mérito de ter passado a limpo, que bem merecia, o histórico de As Medalhas.

Esposende, 30 de Julho de 2019
Um grande abraço para todos,
Mário Migueis

********************

AS MEDALHAS

1 – A TORRE E ESPADA

Criada em 1459 por D. Afonso V como Ordem de Espada para recompensar os Cavaleiros que intervieram no Norte de África, foi, em 1808, restaurada por D. João V, passando então a designar-se de Torre e Espada com Legenda Valor e Lealdade, e alargada a estrangeiros a sua concessão.

No reinado de D. Maria II, passa a intitular-se “A Antiga e Muito Nobre Ordem da Torre e Espada do Valor, Lealdade e Mérito”, e a serem exigidas, como habilitações para a sua concessão, "o merecimento pessoal, assinalado feito de armas, ou de coragem, ou de devoção cívica, relevante determinado serviço em qualquer carreira ou profissão pública, mas principalmente na militar”.

Em 1910 é revisto o seu quadro para nele somente manter os que “houveram sido agraciados por atos de valor militar em defesa da Pátria”. Mais tarde é restaurada por “estar tradicionalmente ligada, pela sua origem, à epopeia da expansão da nacionalidade portuguesa”, passando a designar-se Ordem da Torre e Espada de Valor, Lealdade e Mérito, designação que ainda mantém, incluída nas Ordens Militares.

Atualmente, compreende os Graus de Cavaleiro, Oficial, Comendador, Grande Oficial, Grã Cruz e Grande Colar – que podem ser conferidos a cidadãos portugueses ou estrangeiros (honorários), militares ou civis, pela prática de altos feitos e valor nos campos de batalha, atos excecionais de abnegação e coragem cívica, atos e assinalados serviços à Humanidade e à Pátria e, ainda, por relevantes serviços prestados no comando de tropas em campanha. Os seus detentores têm direito a honras militares.

É, pois, a mais antiga, laica, e conceituada Ordem Militar portuguesa.


2 – MEDALHA DE VALOR MILITAR

Medalha essencialmente militar, foi criada em 1863 por D. Luís, considerando que “as Ordens Militares, pelas suas peculiares cláusulas de concessão, nem sempre podem chegar a todos os graus da hierarquia militar, nem sempre compreender os diferentes casos em que o individuo, avantajando-se, por qualquer modo ou serviço, verdadeiramente mereça alguma daquelas distinções”.

Sofreu posteriormente algumas alterações, até que, em 1946, um regulamento de medalha militar, na qual a de valor militar integra, refere no seu preâmbulo: “…Há, porém, um conjunto de qualidades e virtudes que, notabilizando perante os seus concidadãos os militares que as possuam ou as praticam, não tem a assinalá-las galardão adequado. São as que especialmente se referem à firmeza de carácter, espírito de obediência e de lealdade, sentimento de abnegação e de desinteresse, espírito de sacrifício e coragem moral, que constituem apanágio dos militares de indiscutível mérito, apontados pela opinião geral como símbolos e exemplos a seguir.”

A medalha de Valor Militar é destinada a galardoar atos extraordinários de heroísmo, abnegação, valentia e coragem, quer em tempo de guerra, quer em tempo de paz, mas sempre em circunstâncias em que corra risco a vida do agraciado. Quando a medalha de Valor Militar for concedida com palma, significa que a mesma foi atribuída por atos realizados em campanha. A condecoração em causa compreende três graus: ouro, prata e cobre.


3 – A CRUZ DE GUERRA

Condecoração que igualmente se integra na Medalha Militar, foi instituída em 30 de Novembro de 1916, durante a 1.ª Guerra Mundial. Destina-se a galardoar os atos e feitos praticados em campanha por militares e civis, podendo ser atribuída a indivíduos ou unidades militares que hajam praticado feitos de armas de excecional valor. Às unidades militares apenas pode ser concedida a Cruz de Guerra de primeira classe.

A Cruz de Guerra compreende quatro classes, por ordem decrescente de valor, e sendo a sua concessão independente do posto ou categoria do agraciado (somente a natureza os feitos praticados determinando a classe a atribuir).

Da mesma forma que a medalha de Valor Militar, a Cruz de Guerra (e obrigatoriamente a de primeira classe) é entregue em cerimónia pública, em formatura de tropas, e pelo Presidente da República, Presidente do Conselho, Ministros da Defesa Nacional do Exército e da Marinha ou Secretário de Estado da Aeronáutica.
A condição essencial, justificativa de qualquer das classes da medalha, é que os louvores respetivos refiram atos ou feitos praticados em combate, demonstrativos de coragem, decisão, serena energia debaixo de fogo, sangue-frio e outras qualidades.


4 – A MEDALHA DE SERVIÇOS DISTINTOS

Esta condecoração é também compreendida na Medalha Militar, criada pelo rei D. Luís em 1863, mas, na ordem de precedência, situa-se imediatamente a seguir à Cruz de Guerra, sendo reservada para galardoar serviços de carácter militar relevantes e extraordinários ou atos notáveis de qualquer natureza, ligados à vida do Exército, da Aramada ou da Força Aérea, de que resulte honra e lustre para a Pátria ou para as instituições militares do País.

À semelhança da medalha de Valor Militar, a medalha dos Serviços Distintos compreende três graus – ouro, prata e cobre –, destinando-se os dois primeiros a oficiais e o último a sargentos e praças. 

Quando qualquer do graus da medalhas é atribuído com palma, significa que os atos que o originaram tiveram lugar em campanha.

A medalha de ouro destina-se a galardoar serviços distintíssimos no desempenho de altos cargos militares ou de muito importantes comissões extraordinárias, sendo concedida aos militares que, tendo prestado atos e relevantes serviços, como tal foram classificados em louvor individual.

A medalha de prata é destinada a recompensar atos de esclarecido e excecional zelo em cumprimento de missões extraordinárias de serviço, público, ou no cumprimento, por forma altamente honrosa e brilhante de comissões ordinárias de serviço de que resulte prestígio para as instituições militares.

A medalha de cobre será concedida ao sargento ou praças que tiver desempenhado um importante serviço de caráter militar por forma a obter louvor individual em ordem de serviço do Exército, da Armada ou da Força Aérea.

********************

A capa (desfile de tropas durante as cerimónias do "10 de Junho", em Lisboa (1970)

Américo Tomás e a imposição das insígnias




 Os agraciados


____________

Nota do editor

Poste anterior de 30 de Julho de 2019 > Guiné 61/74 - P20021: Recortes de imprensa (103): O 10 de Junho de 1970 na Revista Guerrilha, edição do Movimento Nacional Feminino, dirigida por Cecília Supico Pinto (1) (Mário Migueis da Silva)