sábado, 17 de julho de 2010

Guiné 63/74 - P6755: Parabéns a você (133): Dia 17 de Julho de 2009 - Álvaro Basto, ex-Fur Mil Enf da CART 3492 (Editores)


1. Completa hoje 61 anos de idade o nosso Camarada, Álvaro Basto, ex-Fur Mil Enf da CART 3492 (Xitole) do BART 3873 (Bambadinca), 1971/74.

O Álvaro Basto apresentou-se à Tabanca Grande no poste P1888, de 26 de Junho de 2007, do qual retiramos o seguinte extacto:

[...] O meu nome é Álvaro Basto, tenho 58 anos e, tal como vocês, não escapei ao Servicinho Militar Obrigatório em 70.
Após algumas cabulices no liceu, fui incorporado nas Caldas da Rainha e posteriormente em Lisboa no HMP - Hospital Militar Principal - vindo, após os 3 meses obrigatórios da especialidade, a ser integrado como enfermeiro no HMR (Hospital Militar Regional) do Porto onde sempre vivi e onde permaneci um ano inteiro (pertinho de casa, vejam lá a sorte e os maus hábitos que adquiri)...
No início de Dezembro de 1971 sou informado que iria embarcar no dia 18 seguinte para a Guiné (imaginem o choque lá em casa, filho único... há um ano praticamente em regime de emprego civil perto de casa; enfim, foi o drama, um drama afinal igual a tantos e tantos outros que na altura grassavam pelas famílias portuguesas...).
Não embarquei no dia 18 mas em 22 desse mesmo mês (acho que a explicação já foi aqui, na tertúlia, avançada por um camarada) e foi nessa viagem que conheci o Mexia Alves, o António Barroso e o Artur Soares, digníssimos tertulianos aqui presentes, integrado na CART 3492 (Xitole) do BART 3873 (Bambadinca).
Temos pois muitas estórias em comum e um acervo fotográfico interessante que, apesar do desgaste do colorido provocado pelo tempo, se tem mantido em condições razoáveis.
Logo após o regresso da Guiné que para mim, por ser Furriel Enfermeiro, durou até ao dia 1 de Abril de 1974 (dia de enganos, daí eu dizer sempre que só regressei de lá vivo por engano...), ainda mantive o contacto com alguns daqueles com quem mais tinha privado, mas o stress era tal que decidi afastar de vez da mente aquela época vivida longe, que teve muitos maus momentos, mas teve sobretudo um papel importantíssimo na minha formação social com os seus incontáveis momentos de alegria e descontracção, que em conjunto aí vivemos todos. [...]

O Álvaro junto so seu jovial, inseparável e amigo pai Ronaldo Basto (postal da autoria do casal Miguel & Giselda Pessoa)

3. Independentemente das mensagens e comentários que os nossos Camaradas enviarem e colocarem, futuramente, no local reservado aos mesmos neste poste, em nome do Luís Graça, Carlos Vinhal, Virgínio Briote, Magalhães Ribeiro e demais Camaradas da Grande Tabanca, que por vários motivos não puderem enviar-te as suas mensagens, queremos:

  • Desejar-te neste teu aniversário os nossos maiores e melhores votos, para que junto da tua querida família sejas muito feliz e que esta data se repita por muitos, bons e férteis anos, plenos de saúde, felicidade e alegria.
    E mais te desejamos, que por longas e prósperas décadas, este "aquartelamento" de Camaradas & Amigos da Guiné te possa dedicar mensagens idênticas, às que hoje lerás neste teu poste e no cantinho reservado aos comentários.
    Estes são os mais sinceros e melhores desejos destes teus Amigos e Camaradas, que como tu, um dia, carregaram uma G3 & outras cargas de trabalhos por tarrafos, matas e bolanhas da Guiné.

Com montanhas de abraços fraternos.

Emblema de colecção: © Carlos Coutinho (2010). Direitos reservados.
__________
Notas de M.R.:

Vd. último poste desta série em:

17 de Julho de 2010 > Guiné 63/74 - P6753: Parabéns a você (133): José Manuel Pechorro, ex-1.º Cabo Op Cripto da CCAÇ 19, Guidaje, 1971/73 (Editores)

Guiné 63/74 - P6754: Factos e Feitos mais importantes da CART 2732 (1): De Abril a Dezembro de 1970 (Carlos Vinhal)

FACTOS E FEITOS MAIS IMPORTANTES DA CART 2732 (1)

CAPÍTULO I

MOBILIZAÇÃO, COMPOSIÇÃO E DESLOCAMENTO PARA O TERRITÓRIO DA GUINÉ

A Companhia de Artilharia N.º 2732*, constituída em 23FEV70, teve como Unidade mobilizadora a Bateria de Guarnição N.º 2 sita no Pico de S. Martinho, cidade do Funchal, Ilha da Madeira, tendo a sua concentração sido feita na Posição Fortificada do Palheiro Ferreira, destacamento daquela Unidade, onde decorreu também a Instrução de Aperfeiçoamento Operacional.
Constituída na sua maior parte por pessoal originário da Ilha da Madeira com excepção dos oficiais, sargentos e praças especialistas.

Vista do BAG-2 a partir do Pico dos Barcelos

S. Martinho > Funchal > Madeira > 6 de Abril de 1970 > Dia da entrega do Guião à CART 2732. à frente da formatura, de cócoras: Fur Mil TRMS Lourenço, Fur Mil Correia, Fur Mil Vinhal, Alf Mil Bento e Fur Mil Nunes

Madeira > Cais do Funchal > Local de embarque da CART 2732

Funchal > 13 de Abril de 1970 > A CART 2732 desfila perante as autoridades civis e militares antes de embarcar no navio Ana Mafalda.

Navio Ana Mafalda

A CART 2732, comandada interinamente pelo Alf Mil Manuel Casal, embarcou no Porto do Funchal, cerca das 12h00 no navio ANA MAFALDA, para a Província da Guiné em 13ABR70.

Desembarcou em Bissau no dia 17, cerca das 16h00, ficando alojada em tendas de campanha no Depósito de Adidos até ao dia 21, seguindo para Mansabá em coluna auto nesse dia, onde chegou cerca das 13h00 para render a CCAÇ 2403.

Porque o Comandante indigitado da CART 2732, Cap Art Prego Gamado deu baixa ao HMP antes da data de embarque, no dia 22 de Abril assumiu o comando desta Unidade o Cap Inf Carreto Maio, ex-CMDT da CCAÇ 2403.



CAPÍTULO II

ACTIVIDADES MAIS SIGNIFICATIVAS NO TO DA GUINÉ

A povoação de Mansabá fica situada na estrada Mansoa-Farim a cerca de 100Km de Bissau.

Em 21ABR70, cinco horas após a chegada da CART 2732 a Mansabá, o aquartelamento foi flagelado pelo IN com morteiro 82 e armas automáticas, causando 16 feridos na população.

Vista aérea do aquartelamento e povoação de Mansabá

Zona de Intervenção da CART 2732, mesmo até às portas do Morés

Em 20MAI70, 2 GCOMB/CART 2732 patrulharam, integrados na Op. Filtrada, a região Demba Só - Simbor, detectando e levantando 1 mina AP.

Em 26MAI70, iniciou-se a Op. Jaguar Vermelho.
Na primeira fase, de 26 a 28, 2 GCOMB emboscaram em Mamboncó sem resultados. Em 30 a CART2732 a 4 GCOMB reforçada com 1 SEC PEL MIL.ª250, deslocou-se para a região de Cã Quebo. Ao entrar na mata foram detectados 2 elementos IN armados. As NT abriram fogo sobre eles sem que estes fossem atingidos. Fez-se uma batida a numerosos trilhos IN e montada uma emboscada sem resultados. Às 19h00 houve contacto com um grupo IN armado com armas automáticas e morteiro 60. As NT reagiram à emboscada pondo em debandada o grupo IN, não se efectuando a batida por ser escuro. Em 31 às 05h00 iniciou-se uma batida à procura de casas de mato cuja localização aproximada se adivinhava. Em FARIM-1 A5 foram destruídas 4 tabancas tendo sido apanhados 2 carregadores de arma automática e material sem significado. Às 08h00 foi efectuado um golpe de mão a um aldeamento com cerca de 10 casas, já abandonado, onde foram capturadas munições de armas, tendo aparecido 2 elementos IN que fugiram depois das NT abrirem fogo sobre os mesmos. Fez-se uma batida e então o IN estimado em 2 GCOMB fortemente armados, emboscou as NT causando um ferido (milícia) e, 1 praça do PEL CAÇ NAT partiu um dedo ao fazer fogo de morteiro. Em 01JUN70 foi o regresso a Mansabá onde se chegou pelas 15h00.

Na segunda Fase de 03 a 05JUN70, 2 GCOMB montaram emboscada em FARIM-1 F3, sem resultados.

Em 07JUN70 a CART 2732, a 4 GCOMB, deslocou-se em meios auto para Mamboncó. As NT dirigiram-se para Bigine. Encontraram em seguida o trilho Cai-Morés que não tinha vestígios de passagem. Montaram emboscada e pernoitaram na zona. No dia seguinte dirigiram-se a Tambato e depois à Bolanha em MANSOA 9 I13 para serem reabastecidos de água e fazerem a evacuação de 3 doentes. Cerca das 16h00, à ordem, iniciaram o regresso à estrada de Cutia-Mansabá onde chegaram às 17h30.

Em 20JUN70 assumiu o comando da CART 2732 o Cap Art José Maria Belo, em virtude de o Cap Inf Carreto Maia ter terminado a sua comissão de serviço na Guiné.

Em 22JUL70, 2 GCOMB empenhados na contra-penetração do eixo do eixo IN Morés-Sara, interceptaram coluna IN que debandou com baixas prováveis. (Op.Farelo)

No mês de Setembro de 1970 há a salientar nova baixa no Comando da CART 2732, em virtude de o Cap Art José Maria Belo ter sido evacuado para o HMP de Lisboa.

Em 05OUT70, ataque a Mansabá de que resultou 1 milícia morto e feridos ligeiros nas NT.

Em 06OUT70, foi efectuada batida à zona de instalação das armas IN que no dia anterior atacaram Mansabá sendo apanhada a secção anterior de um CSR B 10 calibre 52 de origem russa. As NT detectaram ainda a existência de minas AP inimigas. O Alf.Mil.º de Minas e Armadilhas José Armando Santos do Couto morreu vítima do rebentamento de uma que tentava levantar, tendo também ficado ferido o Alf.Mil.º Bento que teve de ser evacuado para o HM de Bissau. O Fur.Mil.º de Minas e Armadilhas Vinhal procedeu ao rebentamento de mais 3 minas AP do IN.

Mansabá > 11 de Outubro de 1970 > Cerimónia de homenagem à memória do Alf Mil Couto, vítima mortal do rebentamento de uma mina AP.


Neste mês de Outubro de 1970, apresentou-se na CART 2732 o Cap Art Domingos Alberto Pinto Catalão, para assumir o comando desta Unidade.

Em 10NOV70, o IN flagelou os trabalhos da estrada Mansabá-Farim em que a CART 2732 tinha forças empenhadas.

Em 11NOV70, 2 GCOMB na protecção dos trabalhos da estrada Mansabá-Farim. Grupo IN flagelou as NT com fogo de morteiro e armas automáticas em FARIM-2 F3 4-2 causando 1 ferido ligeiro nas NT.
A partir desta data a ZA da CART 2732 deixa de pertencer ao BCAÇ 2885, passando a estar integrada no Comando Operacional N.º 6 (COP6), reactivado pela necessidade de construção o mais rápido possível da estrada Mansabá-Farim. O COP6 fica instalado em Mansabá e a CART apoia e fornece os meios auto e outros necessários à sua actividade operacional.

Em 12NOV70, Mansabá foi atacada por numeroso grupo IN que utilizou CSR, morteiro 82 e 60, LGF e armas automáticas durante 45 minutos, tendo causado 1 morto e 4 feridos às NT e, 14 mortos e 45 feridos à população.
As NT reagiram pelo fogo e manobra.

Mansabá 12NOV70 > Enfermaria militar atingida por munição de canhão sem recúo IN

Mansabá 12NOV70 > Abrigo da Mancarra atingido durante o ataque ao aquartelamento, onde apanhou um grande susto o nosso camarada e tertuliano Inácio Silva, Apontador da Breda.

Mansabá 12NOV70 > Uma das muitas moranças danificadas por fogo IN que provocou, além dos estragos materiais, 14 mortos e numerosos feridos na população.


Em 26NOV70, foi criado o destacamento do Bironque, sendo deslocados de Mansabá 2 GCOMB da CART 2732.

Destacamento do Bironque, criado para dar apoio às obras de construção do troço de estrada entre o Bironque e o K3

Em 28NOV70, foram detectadas e levantadas 3 minas AP na região dos trabalhos em Bironque Delta e accionada 1 de que resultou 1 ferido grave e 2 ligeiros, todos da BECE.

Em 30NOV70, foram detectadas e levantadas 3 minas AP na região dos trabalhos em Bironque Delta.

Em 01DEZ70, 2 GCOMB empenhados na protecção dos trabalhos da construção da estrada Mansabá-Farim. Detectadas pelos trabalhadores 12 minas AP que foram levantadas pelos Sapadores

Em 02DEZ70, 1 trabalhador da BECE accionou uma mina AP sendo evacuado para Bissau. Foram detectadas mais 4 minas AP e levantadas pelos Sapadores. A CART 2732 tinha 2 GCOMB empenhados na protecção dos trabalhos.

Em 12DEZ70, 1 milícia detectou em FARIM-1 F4 6-3 1 elemento IN morto tendo capturado 1 espingarda automática Simonov, 1 pistola metralhadora PPSH, 4 minas AP, munições e 1 cantil.

Em 13DEZ70, pelas 16h15, a povoação e quartel de Mansabá foram flagelados com 3 granadas de morteiro 60 sem consequências.

Em 16DEZ70, grupo IN não estimado, flagelou a segurança dos trabalhos da estrada com 5 tiros de morteiro 60 sem consequências, tendo pelas 19h20 flagelado o aquartelamento de Mansabá com foguetões.

Em 28DEZ70, foram encontrados 5 buracos na estrada alcatroada em Mamboncó-3 E6 7-4 feitos por explosivos, com cerca de 2 a 2,5 metros de diâmetro e 60 a 80 centímetros de profundidade, ao longo de 200 a 250 metros.

Em 29DEZ70, grupo IN mais uma vez flagelou a segurança aos trabalhos da estrada.
__________

Notas de CV:

(*) Vd. poste de 20 de Abril de 2010 > Guiné 63/74 - P6194: Convívios (133): Encontro comemorativo da ida da CART 2732 para a Guiné, Funchal 10 de Abril de 2010 (Inácio Silva/Carlos Vinhal)

(**) Vd. poste de 2 de Maio de 2010 > Guiné 63/74 - P6297: Controvérsias (71): Contemos as nossas experiências e deixemos as especulações para quem não esteve lá (Carlos Vinhal)

Vd. Blogue da CART 2732 em http://cart2732.blogspot.com/

Carlos Vinhal foi Fur Mil Art MA da CART 2732, Mansabá, 1970/72

Guiné 63/74 - P6753: Parabéns a você (133): José Manuel Pechorro, ex-1.º Cabo Op Cripto da CCAÇ 19, Guidaje, 1971/73 (Editores)

Postal de aniversário com a assinatura de Giselda e Miguel Pessoa


1. Hoje, dia 17 de Julho de 2010, festeja um aniversário muito especial, o nosso camarada José Manuel Pechorro, ex-1.º Cabo Op Cripto da CCAÇ 19, Guidaje, 1971/73, a quem vimos por este meio felicitar.

Caro José Manuel, a Tabanca deseja que passes um sábado alegre festejando os teus 60 anos, junto dos teus familiares e amigos mais próximos.

As nossas felicitações por aderires ao grande grupo dos SEXAS. Que tenhas uma vida longa, com muita saúde, junto dos que te são mais queridos.





José Manuel Pechorro junto ao memorial de homenagem ao Alf Mil Preto.
Foto: © 1.º Cabo Rádiotelegrafista Janeiro

2. Em 28 de Setembro de 2009, o camarada Pechorro, contactava-nos pela primeira vez, assim:

Olá Luís Graça,
Decorreu quase um ano que detectei o v/sítio na Internet.
Estava numa sonolência a respeito da minha presença na Guiné. Ao ler sobre Guidaje, Guileje e Gadamael, etc., a minha visão dos acontecimentos e da guerra no ultramar ficou melhorada.

Solicito a minha inscrição na Tabanca Grande, junto dos Tertulianos, se me quiserem acolher.

[...]

Depois disso, fez um relato muito completo dos trágicos acontecimentos de Abril/Maio de 1973 em Guidaje, que poderão ser consultados clicando neste marcador - José Manuel Pechorro.

Caro José Manuel não desarmes e continua a falar da tua vivência em Guidaje, pois terás conhecimento de acontecimentos à época secretos, que volvidos estes anos poderás contar sem rodeios.
__________

Notas de CV:

- Postal de aniversário assinado por Giselda e Miguel Pessoa

- Vd. último poste da série de 14 de Julho de 2010 > Guiné 63/74 - P6733: Parabéns a você (132): Recordando outros aniversários (António Dâmaso)

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Guiné 63/74 - P6752: Convívios (261): Encontro do pessoal da CART 6250 "UNIDOS" DE MAMPATÁ (Luís Marcelino)

1. O nosso Camarada Luís Marcelino (ex-Cap Mil, CMDT da CART 6250/72, Mampatá, 1972/74), enviou-nos uma mensagem dando-nos notícias da festa da sua Companhia, em 13 de Julho de 2010:


ENCONTRO DOS "UNIDOS" DE MAMPATÁ


Tal como em anos anteriores, os militares da CART 6250 fizeram festa este ano.

Foi no dia 10 de Julho e realizou-se em Paços de Ferreira, em casa do Alfredo Barbosa da Silva.

O encontro começou cedo.

Pelas 11 horas já tinha chegado um número apreciável de elementos.

Acompanhados de familiares, o encontro contou com 42 ex-militares.

O número de participantes foi bastante numeroso e todos estavam imbuídos do já tão habitual sentimentos de fraternidade e grande amizade.

Estiveram caras novas, já que compareceram pela primeira vez.

Outros, que anteriormente não faltavam a um encontro, não compareceram por qualquer razão.

Um deles, infelizmente não pôde estar presente por nos ter deixado definitivamente.
Foi o Napoleão.

Um homem que em vida e nestes encontros, dava nas vistas pela sua boa disposição e grande alegria que a todos contagiava.


Mas a esposa e filha quiseram estar presentes para o lembrar, entregando uma foto a todos os presentes.

Com muita emoção fizemos-lhe uma singela homenagem.

A festa durou toda a tarde.

O almoço partilhado estava muito variado, tendo cada um apresentado a sua melhor especialidade gastronómica para encanto de todos.

Não faltou a animação musical que a todos envolveu, ajudando a criar um ambiente de alegria e divertido.

Terminado o Encontro ao fim da tarde, já ficou marcado o próximo, que se realizará em Santo Tirso no ano de 2011.

Um abraço de muita estima e amizade.
Luís Marcelino
Cap Mil, CMDT da CART 6250
____________
 

Notas de M.R.:

Vd. último poste desta série em:

8 de Julho de 2010 > Guiné 63/74 - P6693: Convívios (175): Convívio do pessoal da CCAÇ 2701, Saltinho, 1970/72 (Mário Migueis)

Guiné 63/74 - P6751: (In)citações (1): O tocador de harmónica de Guileje (Pepito / AD - Acção para o Desenvolvimento)

 



Vídeo (''52):  Tocador de Harmónica. Antigo milícia, ao tempo do abandono do aquartelamento pelo Exército Português, em 22 de Maio de 1973. Museu de Guileje (em construção), finais da época das chuvas, 2009. Também podes visualizar aqui.

 

Vídeo (''47): Tocador de Harmónica. Antigo milícia, ao tempo do abandono do aquartelamento pelo Exército Português, em 22 de Maio de 1973. Museu de Guileje (em construção), finais da época das chuvas, 2009. Também podes visualizar aqui.


Vídeos alojados em You Tube > Nhabijoes (2010): © AD - Acção para o Desenvolvimento  (2009) / Blogue Luís Graça  & Camaradas da Guiné (2010). Direitos reservados



1. O Pepito deixou-me há uns meses atrás um CD com seis vídeos, quatro dos quais com actuações de um tocador de harmónica (ou gaita-de-beiços) que executa de cor músicas portuguesas, ouvidas no tempo da guerra colonial. Não tenho o seu nome, ou melhor, tenho-o registado algures. Era mílicia ao tempo da CCAV 8350 (Piratas de Guileje, 1972/73).  A gravação foi feita frente ao Museu de Guileje,  em Guileje, em finais da estação das chuvas de 2009, se não me engano.

Dois outros vídeos mostram uma lavadeira desse tempo a cantar uma música dos tugas (5º vídeo), e um par a dançar, frente ao museu (6º vídeo). Por razões técnicas, só consegui até agora carregar os dois primeiros vídeos na nossa conta (Nhabijoes) no You Tube.  Espero que os nossos leitores apreciem e comentem. Os nossos agradecimentos ao Pepito, com o pedido expresso de, um dia destes, transmitir ao artista o nosso apreço e a nossa admiração pela sua espantosa memória musical.  E, já agora, Pepito, na volta do correio (que é como quem diz, quando visualizares os vídeos), diz-nos o nome do tocador e confirma ou não as informações aqui prestadas...

É natural que haja imprecisões, na minha legenda e nos meu comentário, mas o que me apraz registar é este momento, único, surpreendente e até tocante, em que um amigo guineense desconhecido nos presta,  a todos nós, uma pequena homenagem... Claro que isto é um fenómeno de aculturação (antecipando-me à lição de sapiência dos doutos...),  resultado de um convívio estreito, de largos anos, entre homens que estiveram juntos na mesma guerra, embora (é bom nunca esquecê-lo) étnica, linguística, mental, social e culturalmente separados por muita coisa... A música tem um tremendo poder encantatório e até identitário...

Damos aqui lugar a uma nova série, (In)citações, que é uma espécie de contraponto às (Ex)citações... Espero poder publicar nesta nova série vídeos e outros materiais dos nossos amigos e camaradas guineenses...

Já recuperámos, aqui, a letra desta canção popular portuguesa, minhota, que as nossas avós, tias e mães cantarolavam:

Letra: Popular

(Refrão)

Todos me querem,
eu quero só um,
quero o meu amor,
não quero mais nenhum.

Todos me querem,
eu quero alguém,
quero o meu amor,
não quero mais ninguém.

Quero, eu quero,
eu quero, eu quero,
Amanhã vou me casar,
Já passei a roupa a ferro.

Já passei a roupa a ferro,
já passei o meu vestido,
Amanhã vou-me casar
e o Manel é meu marido

(Refrão)

Todos me querem,
eu quero só um,
quero o meu amor,
não quero mais nenhum.

Todos me querem,
eu quero alguém,
quero o meu amor,
ñão quero mais ninguém.

O Manel é meu marido,
O Manel é quem me adora,
O Manel é que me leva
da minha casa p'ra fora.

(Refrão) (...)


Da minha casa p'ra fora,
da minha casa p'ra dentro,
O Manel é quem me leva
no dia do casamento.

(Refrão) (...)

Digo adeus à Serra d'Arga,
Digo adeus a S. Lourenço,
Não te digo adeus a ti,
Porque sabes o que penso.

Refrão (...)

Guiné 63/74 - P6750: Blogoterapia (153): Valeu a pena conhecer-vos, camaradas ! (Joaquim Peixoto)


1. Texto do Joaquim Peixoto (ou Joaquim Carlos Peixoto), de Penafiel, com data de hoje:

Que posso eu dizer, que palavras poderei proferir, como posso agradecer ou simplesmente dizer " obrigado" aos camaradas que lembraram e sentiram o meu aniversário, enviando-me os parabéns (*) ?

No momento em que liguei o computador e abri os mails e vi o "nosso blogue", não queria acreditar! Após tantos anos passados, as recordações dos tempos vividos em terras desconhecidas; onde o capim crescia sem pedir licença; onde o calor húmido aquecia o nosso corpo e quase derretia a mente; onde os mosquitos se banqueteavam com o sangue tão jovem, eis que as novas tecnologias, num abrir e fechar de olhos, fazem com que todas as recordações sejam avivadas … E é neste momento, já com os cabelos brancos, as rugas marcando cada ano passado, se forma um nó na garganta, as ideias se atropelam e com as lágrimas nos olhos pensamos:
- Valeu a pena o sofrimento? Valeu a pena sermos combatentes?

E a resposta quase de imediato salta-nos do coração, já tão cheio de marcas, boas e más, sem que o cérebro tenha tempo de pensar.
- Sim, valeu a pena.

É compensador sentir os amigos que temos à nossa volta, é gratificante percebermos que não estamos sós, que fazemos parte de um grupo que viveu as mesmas emoções, os mesmos temores, as mesmas angústias, mas que hoje, passados quase quarenta anos, continuamos com o mesmo espírito de solidariedade e camaradagem, que só mesmo nós podemos avaliar e sentir.

É com toda a sensibilidade e amizade que quero gritar bem alto a todos que me felicitaram pelos meus 61 anos.

Obrigado, camaradas.

Bem hajam pela alegria e grande prenda que me ofereceram.

Um abraço recheado de grande emoção e o meu muito obrigado.

Não posso deixar de mencionar aqui o grande trabalho que o Luís Graça elaborou, para me presentear. São palavras sentidas, feitas de uma amizade que nasceu forte no dia em que soube da existência deste blogue.

Gostaria de ter o dom da escrita, para lhe poder transmitir o quanto me sensibilizaram as suas palavras, assim como a descrição do dia passado o ano passado em Monte Real.

Tinha vontade de destacar esse dia, em especial pela forma aberta e elegante com que a Alice e a minha mulher fizeram um "clic" e se tornaram, também elas, amigas num local, que considero mágico, muito mais que um espaço apenas para reencontro de ex-combatentes da Guiné.

Mas como a minha musa navega num afluente do rio Douro, o Sousa, digo apenas:

Obrigado bom amigo e no leito do Rio Douro até ao Tejo, vai um abraço do teu amigo e camarada. (**)

Carlos Peixoto
____________


 

Guiné 63/74 - P6749: Blogando e andando (José Eduardo Oliveira) (9): Se as peças são para antigos combatentes..., não me deves nada!



Monte Real > Palace Hotel > V Encontro Nacional do Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné > 26 de Junho de 2010 > O JERO, em segundo plano, em conversa com o António Marques (de costas, meu camarada da CCAÇ 12, Bambadinca, 1969/71) e com a Alice...Não é rapaz para se deixar apanhar facilmente pela objectiva do fotógrafo... Não foi fácil arranjar-lhe uma chapa com ele, que gosta de cultivar o low profile...

Foto: © Juvenal Amadso (2010). Direitos reservados


1. Texto, com data de 6 do corrente e a assinatura do JERO (acrónimo de José Eduardo Reis Oliveira, ex-Fur Mil da CCAÇ 675, Binta, 1964/66):

Ganda Luís

c/c para o Alto-Comissário Joaquim Mexia Alves

Assunto: Uma "cara-nova" no V Encontro Nacional da Tabanca Grande em Monte Real.


1- Desta vez conseguiste surpreender-me e atrapalhar-me com a tua postagem, P6676,  relativa a "caras novas" do V Convívio da Tabanca Grande (13).

Com efeito referir "caras novas" e aparecer um "canastrão" de barba branca não é de todo expectável. Depois como já tinha estado de véspera em Monte Real com o Carlos Vinhal,  ficara a conhecer o "cenário" do V Encontro e, com a minha fácil adaptação às coisas de que gosto, fiquei logo a sentir-me da "casa".

Posto isto,  vamos a agradecimentos. Devido à minha maneira de ser estou mais habituado a dar do que a receber. Mas quando me dão – e ainda por cima sem esperar – fico obviamente muito grato. As tuas palavras calaram-me fundo.

Quando te ofereci a peça de cristal era de facto um reconhecimento que pretendia fazer de forma discreta. A ti e a todos os co-editores. Porque efectivamente a "descoberta" em Agosto do ano passado do "nosso" blogue transformou a minha vida.

Brincaste na altura da entrega da peça "única e personalizada" se foi para melhor. Para mim foi, embora admita que, depois disso, passo tanto tempo ao computador que quem mora comigo em Alcobaça no nº. 17-3º.Dtº da Rua Afonso de Albuquerque não comungue dessa "melhoria" da minha vida. Mas, como dizia um nossa saudoso 1º Ministro… é a vida…e desde há um ano a esta parte tenho uma "família" muito maior. Os tais "irmãos" que cinco minutos depois do primeiro abraço parece que estiveram por ali perto…desde sempre.

2 - A tua referência ao "meu" Diário da CCaç 675 foi muito significativa e importante para mim. Ainda hoje me interrogo como é que fui capaz de escrever 240 páginas, aproveitando o tempo das sestas – de que prescindi – e os intervalos da guerra depois de almoço…. Também me fez recordar o "puto" da Mocidade Portuguesa que havia em mim…Ingénuo como caraças mas... era o que tínhamos ao tempo. E demorei uns bons anos a aprender … a mudar. E neste último ano graças ao "Luís Graça e Camaradas da Guiné" foi um autêntico "mestrado"…

Voltarei a este Diário da CCaç 675 daqui a algum tempo para te contar umas histórias "paralelas" que aconteceram…

3 - Cabe agora a vez ao Alto-Comissário Joaquim Mexia Alves que é de facto a generosidade em pessoa. Ter "participado" nos seu último aniversário em Alcobaça foi um privilégio e gostei muito de conhecer a sua mulher e filhos. Em relação à "sua" prenda vou-lhe hoje contar um "segredo". A garrafa de Ginja de Alcobaça foi arranjada de véspera e à pressa pois nem sempre é fácil conseguir este licor precioso.

Pedi a um amigo que tem uma pastelaria no Centro Comercial de Alcobaça. Não as tinha à venda mas tinha um pequeno stock em casa. Dispensou-me uma garrafa e quando me propunha pagar o seu custo disse-me:
– Se é para uma gajo que esteve na Guiné… não é nada… porque eu também lá estive.

Antes de fazer este apontamento fui confirmar nome, posto, companhia e tempo de serviço do meu "fornecedor": José Fernando de Sousa Santos, Furriel Mil de Infantaria, CCaç 1500 (Jan de 66 a Dez 68), com passagem por Bolama, Cufar, Bafatá, Teixeira Pinto e Saravaca (na fronteira com Senegal).


4 -Volto agora ao Luís para lhe contar como "apareceram" as peças de cristal respeitantes ao V Encontro da Tabanca Grande. Peças únicas e personalizadas…e com "Palanca" em vez de "Tabanca", o que lhe duplica (pelo menos) o seu valor de peças raras…

Foram executadas por um amigo que tem uma pequena oficina de transformação de cristal e vidro, que já conheceu dias melhores. Já teve uns 10 empregados e hoje é o patrão e também o único empregado. Fiz a encomenda dei-lhe os dados que pretendia e no dia aprazado apareci para fazer o levantamento e pagamento das peças. Não perguntei o preço mas sabia que este tipo de peças ronda o preço unitário de 30 euros.
– Fernando,  quanto é que devo?
– Não deve nada.
–Eh pá, és maluco. Quero pagar. Não estás rico e sei que demoraste umas boas horas a fazer estas peças.

O Fernando ficou na sua e rematou:
– Sei que as peças se destinam a ex-combatentes da Guiné e …portanto…não me deve nada!

Dei-lhe um abraço e abalei. Comovido com o seu gesto.

O Fernando Filipe tinha cumprido serviço militar entre 1977 e 79 no  RLL, em Lisboa. No Regimento de Lanceiros onde se "passou" parte do 25 de Novembro, como gosta de recordar.

O Fernando, que desde jovem – devido ao seu "cabedal"  – era conhecido pelo "Tarzan",  foi um Polícia Militar invulgar.  Não gostava de "injustiças" nem de "Chico-espertos". Numa ronda à noite, em Lisboa, apanhou um 1º. Cabo (comandante da sua viatura) que começou a ordenar repetidas paragens para "abordar" militares. A ideia do "nosso" Cabo era mostrar a sua farda de PM e a sua importância .O Fernando não gostou e disse-lhe:
– Eh pá,  ou acabas com essa merda ou levas um chapadão no focinho.

O 1º. Cabo parou com as suas merdas, conta o Fernando com o seu ar tranquilo…

5- Estas duas singelas "estórias" demonstram como é generosa e rica a nossa família de ex-militares. E este património ninguém nos pode tirar …nem aplicar impostos!

Com fraternal estima aceitem um grande abraço do velhote de Alcobaça, "cara-nova" do V Encontro de Monte Real.

JERO


Em tempo:

Para o Manuel Joaquim da CCaç 1419,que deixou um novo comentário na mensagem "Guiné 63/74 - P6676: V Convívio da Tabanca Grande ...

"(...) A minha gratidão pelas palavras amigas e pela recordação da sua passagem por Binta em Outubro de 1965. Tenho uma ideia do nosso encontro pois já nessa altura era o "relações públicas" da Companhia. E obviamente que tínhamos que receber bem quem nos trazia o feijão frade e as latas de atum. Se me deres a tua direcção tenho todo o gosto em te enviar esse 'Diário' de 1965 em fotocópias. Portanto,  caro Manuel Joaquim, até breve, se Deus quiser. JERO"
_____________
Nota de L.G.:

Guiné 63/74 - P6748: Blogpoesia (75): Saudades daquele tempo, ou Quisera eu... (2) (Manuel Maia)

QUISERA EU... (2)

por Manuel Maia*

Quisera eu ver as aves aos milhares,
esvoaçando em nuvens, nesses ares,
mal dia amanhecia, em frenesim.
Auroras, fontes luz de amanhecer,
ocasos quentes lindos de morrer,
nos dias de sossego de Fatim...


Fatim, das Quintas, Sábados, Segundas,
de peitos espetados, rijas bundas,
bajudas lavadeiras do quartel.
Fatim das noites longas, feitas jogo,
gargantas ressequidas pelo fogo
e fumo dos cigarros a granel...


Tainadas cabra, porco ou cabritinho,
regadas a cerveja ou melhor vinho,
que o "canforado" e militar ruim...
Por vezes, frita a gosto, a pardalada,
batata, pouca, mista era a salada,
no "Gourmet Michelin" lá de Fatim...


Quisera aquela terra ver de novo,
revisitar lugares,rever seu povo,
sentir o cheiro d`África profundo.
Quisera estar à sombra do mangueiro,
colher à mão o fruto ao cajueiro,
e ser parte integrante desse mundo...


Quisera ter a força da mudança
que trava o desespero e abre a esp`rança,
p`ra suspender tamanho desatino.
Guiné, hoje é central do ilegal,
da droga plataforma mundial,
em clara oposição ao seu destino...


P`ra esse antigo espaço lusitano,
traçado pelos deuses, há um plano,
de paraíso pleno para o homem.
Turismo pode ser caminho certo,
se usado bem, e sê-lo-á, decerto,
urgente é pois que a paz, cedo retomem...


Quisera eu ver milícias de Bissum,
acaso a vida preservasse algum,
tão monstruoso crime ali se fez...
Fuzilamento foi a arma usada,
contra a milícia e mesmo a garotada
ante um silêncio/nojo, português...


Quisera um dia eu voltar ali,
sentir e recordar onde vivi,
por terras de Bissum e de Fatim.
Descer até ao sul p`ro Cantanhez,
mirar Cafal, Cafine, um`outra vez,
`inda`ntes de chegar meu tempo ao fim...

__________

Notas de CV:

(*) Manuel Maia  foi Fur Mil da 2.ª CCAÇ/BCAÇ 4610, Bissum Naga, Cafal Balanta e Cafine, 1972/74. 

Vd. primeiro poste da série de 14 de Julho de 2010 > Guiné 63/74 - P6737: Blogpoesia (74): Saudades daquele tempo, ou Quisera eu... (1) (Manuel Maia)

Guiné 63/74 - P6747: Notas de leitura (131): Cambança Guiné Morte e vida em maré baixa, de Alberto Braquinho (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso Camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, Comandante do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 15 de Julho de 2010:

Queridos amigos,
Li com indisfarçável prazer estes frescos e instantâneos que qualquer um de nós viu, soube da existência ou até teve inveja de não lhe ter acontecido.
É de bitola larga esta cambança do Alberto Branquinho, no fundo trechos das cambanças que acabámos por viver.

Um abraço do
Mário


Peripécias, choque cultural, bizarrias em tempo de guerra

por Beja Santos

O nosso confrade Alberto Branquinho* teve a feliz iniciativa de arregimentar histórias curtas (todas elas admissíveis, como o leitor irá comprovar) numa atmosfera de guerra em que o traço comum é a cambança. Para o Alberto Branquinho esta cambança tem um cunho filosófico, etnográfico, antropológico e, quiçá, militar em toda a sua latitude e longitude. Por isso define tal cambança como: é passagem para o outro lado, por vezes uma fuga ou uma mudança, pode ser uma partida ou um regresso, quase sempre com a vida em maré baixa. Temos logo na definição, e por arrasto, a dimensão de uma viagem que a todos transforma no ir e voltar, em que a atmosfera é mais deprimente que exaltante, cabendo ao militar saber-lhe «dar a volta». Aliás, de um escrito entre guerrilheiros que o Branquinho reproduz está lá uma frase que ainda hoje é matéria para pensar: “Não te preocupes da vinda ou da tua retirada é-lhe o momento mais decisivo da nossa luta”. No cambar é que está o ganho, ali nos reunimos todos. Esta a lição universal, o resto é treta. Por isso, como consta das advertências, as personagens das histórias do Branquinho podem ter semelhanças com pessoas que tenham vivido acontecimentos idênticos. Por outras palavras, se quiséssemos alardear erudição, temos aqui antonomásia ou figura metonímica, umas coisas significam outras, todas as peripécias em tempo de guerra poderiam ter tido lugar. Vamos agora à substância dos escritos.

Numa emboscada, há sempre a tentação de ver corpos em movimento, todos os sons ou estalidos na floresta levam a redobrar a vigilância. Ora o barulho da água podem ser crocodilos. Quando se descobre que é este o motivo da inquietação, assobia-se para o lado, que ninguém saiba que somos ignorantes quanto às forças da natureza...

O que vem na carta geográfica não é propriamente o terreno em que assentam os nossos pés e na Guiné a disparidade ainda é mais gritante. Aqui também se atravessam rios que serpenteiam o território para onde se vai, rios com centenas de metros de largura, com tarrafo na maré baixa, atravessa-se de uma lado ao outro numa canoa, quem dirige a operação é o remador, mas também se pode recorrer à autoridade suprema como aquele furriel que temendo que a canoa se virasse puxou a culatra atrás e sentenciou à tropa presente e irreverente: “Eu não sei nadar. Quero toda a gente com o cu sentado no fundo. Se esta merda vira, varo-vos a todos”.

Todas as unidades militares têm os seus palradores, e o território da guerra de guerrilha não é excepção. Chegou à sede do batalhão um jornalista e o alferes que o recebeu era todo um portento de lábia e prosápia. O jornalista vinha em missão de reportagem sobre a guerra da Guiné, o alferes respondeu que o que havia ali era uma insurreição armada, vinda e alimentada do exterior. O jornalista pede sugestões para sair para o mato, quer autenticidade na reportagem, e o palrador responde:
“Sabe, essas coisas não dependem de irmos para Norte ou para Sul. Depende mais das fases da lua, da orientação do vento ou da humidade do ar... com sorte ou com azar, pode alcançar a verdade e a vida a pouco mais 4/5 quilómetros. Sempre será melhor que estar para aí a filmar a mata ou meia dúzia de figurantes de armas na mão, tendo o homem da câmara encostado ao arame farpado”. Inevitavelmente, o comandante deu ordens para que o alferes tivesse tento na língua.

Nem sempre o que se escreve numa carta em teatro de guerra é entendido de igual modo. O marido escreve à mulher que saía para batidas, patrulhas, operações ou emboscadas. A mulher, na resposta, desabafa e recrimina: “Ainda dás uns passeios. Eu para aqui estou e é só de casa para o trabalho e do trabalho para casa. Passear, passear é só à missa nos domingos e...”. Há incompreensões em que é muito difícil clarificar que as idas e vindas no mato não são turismo ao ar livre.

“Cambança” é uma colectânea de encontros e desencontros: frases mal interpretadas, tensões dialécticas entre oficiais; o linguajar remendado do crioulo; as bebedeiras que, de tanta inconsciência, podem saldar-se numa morte estúpida debaixo de fogo; os barulhos da mata que avançam para nós e que podem significar uma chacina de porcos do mato; aquele cabo que, depois de um ror de tempo isolado lá nos confins do mato, pensa que está a fazer boa figura recorrendo ao crioulo para o piropo em Bissau, recebendo da moça alvo das suas atenções o seguinte chiste: “Porque é que você não fala comigo português direito?”; a solidão infindável que pode culminar no álcool e numa vida destroçada... encontros imprevistos, situações imprevistas como ver formigas a devorarem restos de corpos de camaradas, o medo transformado em acto heróico, macacos que revolvem a picada pondo minas a descoberto, contribuindo assim para salvar vidas...

“O regional é universal”, não há máxima mais demonstrada pelo saber de experiência feito. Tudo leva a crer que o nosso confrade Alberto Branquinho forjou o rio Chibari, as povoações de Catafá e Fatilá, o rio Bandiel, e os nomes de oficiais, sargentos e praças são suficientemente inócuos e inconclusivos para que possamos imaginar que aquelas peripécias, aquele choque cultural, aquela bizarria sempre a destilar humor (casos há em que o humor tem o condão de caracterizar melhor a repulsa pelos horrores da guerra) aconteceram ali ao lado de nós, vivemo-las, conhecemo-las, no todo ou em parte.

Ficamos todos com uma enorme dívida de gratidão com o Alberto Branquinho: o picaresco dos desastres dos afazeres da guerra tem aqui uma galeria memorável de fotografias tipo passe que nunca mais esqueceremos
__________

Notas de CV:

(*) Alberto Branquinho foi Alf Mil de Op Esp da CART 1689, , Catió, Cabedu, Gandembel e Canquelifá, 1967/69.

Vd. último poste da série de 15 de Julho de 2010 > Guiné 63/74 - P6741: Notas de leitura (130): Seminário 25 de Abril 10 Anos Depois (Mário Beja Santos)

Guiné 63/74 - P6746: Tabanca Grande (230): Felismina Costa, madrinha de guerra de Hélder Martins de Matos, ex-1.º Cabo Escriturário, Bafatá, 1963/64

1. Mensagem da nossa tertuliana Felismina Costa com data de 15 de Julho de 2010:

Amigo Carlos Vinhal, muito boa-noite.
Eu sei que a regra é enviar foto para identificação no blogue, mas o motivo porque não o fiz até hoje, prende-se unicamente, com o não dominar totalmente a tecnologia: São os filhos que me ajudam nos pormenores, mas raramente se encontram quando escrevo e o tempo vai passando. Contudo, hoje, consegui passar para o Word a minha foto do tempo da guerra, (que também por lá andou na companhia dum afilhado e grande amigo de infância, que prestou serviço militar em Angola entre 1966/1968), e de quem não tinha notícias desde o seu regresso, até ao passado mês de Junho.

Depois de 46 anos de desencontros, encontramo-nos finalmente, e temos uma história linda para vos contar. Os meus filhos querem que escrevamos um livro, porque a história tem requintes, de quanto vale a amizade.

Estamos a viver a euforia do reencontro na maior das alegrias, e a conhecer a família que cada um de nós formou.

Porque a amizade tem para mim um valor insubstituível, eu aprecio e sinto a alegria que sentem, quando vós, camaradas e amigos se reúnem.

Obrigada pela vossa amizade também.
Eu que entrei no blogue, procurando um afilhado, que ainda hoje não conheço*, fui surpreendida, pela persistência e determinação do meu amigo Joaquim.

As surpresas da vida!
Ainda não acredito.

Um abraço da amiga
Felismina Costa


2. Comentário de CV:

Amiga Felismina
Não lhe dou as boas-vindas, porque há já algum tempo se instalou na nossa caserna virtual, onde é notório, se sente bem.

A sua colaboração tem sido excelente, a ponto de ter um poema seu na nossa página, dedicado por si ao nosso Blogue, a propósito do 6.º aniversário, e que me permito reproduzir aqui:

Parabéns, Srs Editores!
Parabéns a todos os participantes,
A todos os denunciantes
Do medo, do horror, do degredo...
Em terra linda, que vos encantou.


Parabéns, porque sois capazes de denunciar!
De gritar a vossa revolta.
A vossa digna revolta.


Parabéns, porque sois vós, a voz com razão
Que não teme a repressão,
Que não bajula, que não pactua,
Que não se acobarda.


Parabéns, porque... sobrevivesteis!
Porque fizesteis questão de contar, de relatar,
De registar os horrores, que presenciasteis,
quando ainda meninos, vos mandaram matar...


Terrível realidade, que em vossos peitos se instalou
e que, em muitos, deixou marcas físicas, psíquicas,
continuamente revividas...
Mas ditas!
Mas... que eles não apagam.


Haja ao menos o blogue, o vosso amado blogue,
onde despejam alegrias e tristezas.
Onde contam, como ninguém, as vossas certezas
e incertezas.


Comungo convosco desta festa, desta festa, onde celebram a vossa...
Sobrevivência!



Tem a porta aberta para continuar a intervir sempre que queira, porque a sua acção como madrinha de guerra de um camarada, ainda por cima ex-combatente da Guiné, lhe dá direito a ser um(a) de nós.

Muito obrigado por estar connosco.

Receba o habitual abraço colectivo da tertúlia, uma vez que esta é a sua apresentação formal.

Pelos editores
Carlos Vinhal
__________

Notas de CV:

(*) Vd. poste de 27 de Fevereiro de 2010 > Guiné 63/74 - P5894: Em busca de... (119): Afilhado de guerra, Hélder Martins de Matos, ex-1.º Cabo Escriturário, Bafatá, 1963/64 (Felismina Costa)

Vd. último poste da série de 11 de Julho de 2010 > Guiné 63/74 - P6714: Tabanca Grande (229): Artur José Miranda Ferreira (ex-1º Cabo Enfº da CCAÇ 6 – Bedanda -, 1968/70

Guiné 63/74 – P6745: O Nosso Livro de Visitas (93): É ele o Mexia Alves que eu conheci! (António Brandão, Alf Mil Op Esp/RANGER da CCAÇ 2336, Angola, 1968/70)


1. O nosso amigo e Camarada-de-armas António Brandão, que há muito tempo segue atentamente o evoluir deste blogue, foi Alferes Miliciano OpEsp/RANGER da CCAÇ 2336 (Angola 1968/70) e enviou-nos a seguinte mensagem em 13 de Julho de 2010:


Camaradas,

Soube de uma pequena estória que não posso omitir aos leitores deste cativante e interessante blogue do Luís Graça.

Os intervenientes são o famoso Mexia Alves e um primo meu - Duarte Nuno -, que já trocaram e-mails entre si, pelo que já se encontram apresentados.

Também os contactei dando-lhes conhecimento de que me propunha pedir a publicação desta estória, que se resume em meia dúzia de linhas, e ambos concordaram em que o fizesse.
É ele o Mexia Alves que eu conheci!
Há dias recebi uma resposta a um e-mail que tinha reencaminhado, entre outros, a um primo meu.

Ele aproveitou a “boleia”, já que os selos estão caros e, além de comentar o e-mail, mandava-me um link que me remetia para uma publicação no jornal Correio da Manhã.

Há pessoas que se cruzam connosco cuja forma de estar na vida, de enfrentar os problemas e no modo como se relacionam com os outros seres humanos, se perpetuam na nossa memória.

Foi este o caso que se deparou ao meu primo ao ler o artigo, pois recordou-se de imediato do antigo camarada que, com as malas já feitas, se preparava para partir para a Guiné.

Para aqueles que não viveram aqueles tempos, era assim, nos vários quartéis do nosso país, os militares andavam numa roda viva, saíam uns e entravam outros, e quantas vezes se sobrepunham por algum tempo na mesma instalação, até à hora da movimentação.

Os quartéis eram uma espécie de cama quente dos submarinos.

Por vezes, nestas circunstâncias, os primeiros a chegar ainda tinham direito aos melhores alojamentos no quartel e os últimos eram remetidos para instalações mais precárias, sem condições, longe do ambiente das messes. As sobrelotações aconteciam, por exemplo, quando um quartel mobilizador tinha que albergar, ao mesmo tempo, um Batalhão e uma Companhia Independente.
Foi numa situação de sobrelotação como o referido, que o meu primo conheceu o Mexia Alves e agora me contou assim:

“O Bart3881, que integrei, formou-se no RASP2. Na altura (finais de 1971), estava em fase final de apronte um outro batalhão. O pessoal era fixe. Pressentia-se a tensão decorrente dessa uma unidade que partiria para a Guiné, mas éramos novos e eles revertiam-na com pequenas e grandes loucuras que acabávamos por partilhar com gosto. De todos o mais "louco" era o Mexia Alves. Fora de série no que ao relacionamento castrense respeitava e no que demais se adivinhava

Uma noite em que entrei no quartel de madrugada, passei na messe para tomar o habitual "chá" nocturno e vi este grande castiço, que na ocasião já devia ter na conta, dois ou mais bules do dito “chá”, de pé em cima de uma mesa, a pregar uma… missa.

Nunca mais na vida encontrei "padre" mais etilizado; porém lúcido q.b. para não descambar na "lengua-lengua latinória", tal como na altura eu ainda tinha no ouvido.

De quando em vez lembrava-me do Mexia, e outras tantas tentava imaginar por onde andaria este Homem.

Finalmente descobri uma pista, na afirmação do seu melhor de um verdadeiro “Ranger”, no endereço cibertnético: http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/outros/domingo/portugal-desprezou-soldados-africanos, uma crónica “A minha guerra” na revista do Correio da Manhã de 27JUN2010.

Nem mais!

Um abraço,
Duarte Nuno”

Claro que esta estória tão real denuncia (imagino eu) um nervoso que só quem por lá passou, chafurdando nas matas e bolanhas, pode facilmente testemunhar e cujo controle nem com vários bules se conseguia.

Todos conhecemos o protagonista principal deste “filme” e olhando para uma fotografia sua actual, duvida-se… não pode ser ele, não é possível.

Mas, olhando para aquela fotografia em que ele se encontra fardado com (segundo a nova nomenclatura (?) do actual ministro da defesa “traços” de Alferes Miliciano), arranca-nos um sorriso e um “humm… é bem possível… É ele o Mexia Alves que eu conheci!

Um abraço,
António Brandão
Alf Mil Op Esp/RANGER da CCAÇ 2336, Angola
__________

Nota de M.R.:

Vd. último poste desta série em:

14 de Julho de 2010 > Guiné 63/74 - P6732: O Nosso Livro de Visitas (93): José Caetano, um português da diáspora (EUA), antigo tripulante do N/M António Carlos, da SG/CUF, que em 1964 levou de volta a casa cerca de meia centena de presos políticos guineenses, detidos no Tarrafal

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Guiné 63/74 - P6744: (Ex)citações (85): Fomos muito mais bandos de pardais à solta do que colónias de abutres e aves de rapina (António Graça de Abreu)

1. Comentário ao poste P6679, de 6 do corrente, assinado por António Graça de Abreu Abreu (poeta e escritor, sínico mas não cínico, autor de Diário da Guiné: Lama, Sangue e Água Pura Lisboa, Guerra e Paz, 2007; aqui, na foto à esquerda, de camuflado, no aeroporto de Cufar, em Janeiro de 1974, com Miguel Champalimaud; recorde-se que o nosso camarada António Graça de Abreu foi Alf Mil, CAOP 1,Teixeira Pinto, Mansoa e Cufar, 1972/74 ):

O Joaquim Mexia Alves vem colocar no seu próprio terreno questões fundamentais do nosso estar na guerra da Guiné: Quem éramos, o que fizemos, o que fomos, o que somos?

Infelizmente os portugueses adoram os tiros no pé, mesmo quando os pés são poucos e os tiros quase sempre de pólvora seca. É o nosso nosso fado. Isto tem alguma coisa a ver com o Mário Cláudio. Leiam Miguel Torga, outro escritor premiado,  nos seus Diários III e VII:

"Enchi com frequência uma página de lamúrias quando na verdade estava cheio de força e alegria."

E "Sou uma espécie de ruminante do sofrimento, encho-me primeiro dele e depois é que o saboreio."

Eu tenho um poema intitulado Nosso Fado, no meu livro Cálice de Neblinas e Silêncios, Lisboa, Vega Ed. 2008, pag. 75. Assim:

Sufocar a alegria,
enredá-la em cintilantes roupagens de pranto
na viagem pelo logro aberto das palavras,
carpir no disfarce extremado da tristeza.
Ai, este gosto de fingir tantas penas,
de tão fingidas e falsas, verdadeiras!...
Ai, este fado tão magoado,
esta malfadada lamúria lusitana,
mesmo num tempo sereno,
com céu azul nos olhos
e girassóis na alma!


Denegrir o esforço quase sobre humano das nossas tropas na Guiné? Acho que não.

Branquear as atrocidades e os sofrimentos de uma guerra em que todos participámos? Acho que não.

Exaltar as virtudes da excelsa pátria lusitana? Acho que não.

Então, como é?

Por terras da Guiné, fomos todos muito mais bandos e bandos de pardais à solta, do que colónias de abutres e aves de rapina pairando gulosos sobre a carne dos nossos irmãos negros.

No complexo tecido de etnias na Guiné Bissau, porque somos hoje bem recebidos por aqueles tão pobres mas dignos povos? Porque andámos por lá a cortar orelhas? Ou porque, apesar de vivermos e fazermos uma guerra, 99,9% de nós saímos de lá em paz com aqueles povos, em paz connosco próprios?
Forte abraço,

António Graça de Abreu

[ Fixação de texto / bold a cor / título: L.G.]
_______________

Nota de L.G.:

Último poste desta série > 8 de Julho de 2010 > Guiné 63/74 - P6691: (Ex)citações (67): Um comentário aos....comentários sobre a ficção de Mário Cláudio...Um comentário cool que vem do frio (José Belo)

Guiné 63/74 - P6743: Recortes de imprensa (26): A morte do africanista Basil Davidson (1914-2010), amigo e admirador de Amílcar Cabral (Nelson Herbert / Luís Graça)




Basil Davidson visitou as "regiões libertadas" da Guiné-Bissau, por três ou quatro vezes, a primeira vez em 1967, acompanhado por Amílcar Cabral de quem se tornaria amigo pessoal e grande admirador... A segunda vez (ou terceira ?) seria em 1972 e a última em 1974... A imagem que aqui se reproduz, foi publicada no PAIGC Actualités, nº 48, Décembre 1972, o tal número dedicado às "regiões libertados no sul". 

Recorde-se que esse número (fotos incluídas) já foi aqui reproduzido integralmente: "Tradução do nº 48 da revista PAIGC Actualités, um orgão de propaganda política do PAIGC, publicado mensalmente, em francês. Subtítulo: 'A vida e a luta na Guiné e Cabo Verde'. O nº 48 tem 6 páginas e é datado de Dezembro de 1972. Tradução de Vasco da Gama, a partir de cópia digitalizada fornecida pelo co-editor Eduardo Magalhães Ribeiro". (*).

Esta foto (que o jornal Público vai reproduzir numa peça a publicar na "Pública", de domingo, se não me engano, com a autorização expressa do nosso blogue, dada à jornalista Andreia Sanches), tem a seguinte legenda, no exemplar, raro, que faz parte da colecção pessoal do nosso co-editor Eduardo Magalhães Ribeiro:

" O escritor inglês Basil Davidson conversa com a responsável da organização dos Pioneiros do Partido no sul do país,  Teodora Gomes. O escritor e africanista inglês Basil Davidson visita pela terceira vez as zonas libertadas do nosso país. Acompanhado pelo camarada Vasco Cabral, do Comité Executivo, visita o Sul e de seguida o Leste. Nesta última frente reuniu demoradamente com o Secretário Geral do Partido, Amílcar Cabral, que se encontrava na região em visita de inspecção.

"Basil Davidson, que foi o primeiro escritor da Europa Ocidental a denunciar os crimes dos colonialistas portugueses, é um amigo do nosso povo, tendo publicado inúmeros escritos sobre a nossa luta, tendo o seu livro Revolução em África sido prefaciado pelo Amílcar Cabral" (..
.) (Fonte: PAIGC Actualités, nº 48, Décembre 1972, p. 2)



1. O Nelson Herbert foi o primeiro dos nossos amigos e camaradas da Guiné a sinalizar a morte do inglês Basil Davidson (1914-2010), ocorrida no passado dia 9. Como guineense e filho de caboverdiano, admirador de Amílcar Cabral, o Nelson Herbert, jornalista da Voz da América, não quis deixar passar em claro a notícia. Mandou-nos em anexo uma declaração, pública, do Presidente da República de Cabo Verde, Pedro Pires, que se reproduz a seguir, bem como um recorte de imprensa.

Recorde-se que o antigo major dos serviços secretos ingleses, na II Guerra Mundial, foi condecorado em Portugal, em 2002, pelo Presidente Jorge Sampaio como Grande Oficial da Ordem do Infante D. Henrique. Tem diversos livros pulicados em português (nomeadamente em Portugal e Cabo Verde):

 "Os Camponeses Africanos e a Revolução" (Sá da Costa, 1975); "Mãe Negra. África: Os Anos de Provação" (Sá da Costa, 1978); "A Política da Luta Armada: Libertação Nacional nas Colónias Africanas de Portugal" (Caminho, 1979); "À Descoberta do Passado de África" (Sá da Costa, 1981); "Os Africanos. Uma Introdução à sua História Cultural" (Edições 70, 1981); "As Ilhas Afortunadas. Um estudo sobre a África em transformação" (Instituto Caboverdiano do Livro e do Disco, 1988); "O Fardo do Homem Negro" (Campo das Letras, 2000). (LG)

 Homenagem a Basil Davidson

Faleceu, no passado dia 9 de Julho, na Inglaterra, o proeminente intelectual, jornalista, historiador, combatente pela liberdade e pela justiça, o saudoso BASIL DAVIDSON, que, de forma determinada, solidária e apaixonada, ajudou a transmitir ao mundo a justeza da luta dos povos africanos pela sua emancipação e independência.

O desaparecimento físico desse soldado da luta contra a opressão constitui deveras uma perda irreparável e deixa um profundo vazio no seio daqueles que continuam a pugnar pelos ideais humanistas e de liberdade. No caso de Cabo Verde, BASIL DAVIDSON foi merecedor de um justo reconhecimento da Nação, pelo seu contributo inestimável na denúncia da política colonialista do regime de então e na divulgação ao mundo da justeza da luta de Libertação Nacional, tendo sido por mim condecorado com o Primeiro Grau da Ordem Amilcar Cabral, em 2003. Este país, que ele tanto admirava, tudo tem feito para justificar o título da sua obra "AS ILHAS AFORTUNADAS."

Nesta hora de pesar, inclino-me respeitosamente perante a memória de BASIL DAVIDSON, e em meu nome pessoal e no do Povo Cabo-verdiano, expresso à viúva, aos filhos e a toda a família, as mais sentidas condolências, muita simpatia e solidariedade, compartilhando da dor que nos entristece a todos pela irreparável perda de um Amigo de quem guardo gratas recordações.

Praia, 12 de Julho de 2010.

PEDRO PIRES
Presidente da República de Cabo Verde



2. Notícia da morte de Basil Davidson, no primeiro semanário, em linha, caboverdiano,
A Semana (que reproduzimos aqui, com a devida vénia) (**)

12 de Julho de 2010 > Morreu o jornalista e historiador Basil Davidson


O jornalista e historiador britânico Basil Davidson, 96 anos, morreu na sexta-feira última. Amigo de Amilcar Cabral e outros dirigentes africanos, Davidson foi um grande activista da justiça e da liberdade para os povos oprimidos do mundo, principalmente de África, tendo divulgado a luta contra o colonialismo, principalmente na Guiné-Bissau, Angola e Moçambique. Em Cabo Verde, onde a sua obra é conhecida e apreciada, o seu amigo Olívio Pires considera que a África e a própria Inglaterra perderam um grande homem.

Basil Davidson, que nos últimos anos encontrava-se doente, teve uma vida cheia. Jovem, combateu na Segunda Guerra Mundial, ajudou a guerrilha de Broz Tito, na Jugoslávia, e mais tarde, como jornalista, trabalhou para vários jornais do seu país. Foi a partir dos anos de 1950 que se tornou num destacado africanista, quando começou a publicar trabalhos como "África na História", "Mãe Negra", "A Descoberta da Velha África", entre vários outros.

Foi também nessa altura que conheceu vários lideres africanos, dentre eles Nelson Mandela e Amílcar Cabral, ajudando este último na divulgação do documento "Factos sobre o colonialismo português", que marca a primeira denúncia internacional da política ultramarina de António de Oliveira Salazar. Foi a partir dessa denúncia, em Londres, que Cabral partiu definitivamente para o exílio, rompendo de vez com o colonialismo português.

Entre 1969 a 1985, Basil Davidson foi vice-presidente do Movimento Anti-Apartheid na Grã-Bretanha, escreveu um livro sobre os crimes do apartheid o que lhe valeu o lugar de destaque na "lista negra" do governo de Pretória. E quando lhe foi oferecido um emprego como editor na Unesco, o governo britânico vetou a sua nomeação.

Também por essa altura publicou vários livros sobre a luta em Angola, Moçambique e Guiné-Bissau, a partir de viagens às zonas libertadas desses territórios. Sobre Cabo Verde, já depois da independência, publicou nos anos oitenta o livro "As ilhas afortunadas".



Um amigo de Cabo Verde

Olívio Pires, histórico do PAIGC, considera uma "grande perda" a morte de Basil Davidson, com quem se relacionava muito bem. "Ele esteve algumas vezes em Cabo Verde, um país que ele apreciava. De um modo geral, Cabo Verde perdeu um grande amigo, a África e o seu próprio país também, já que se trata de uma pessoa que fez história com o seu trabalho. Guardo dele as melhores recordações".

O Estado de Cabo Verde, através do presidente Pedro Pires, condecorou em 2003 Basil Davidson com uma das suas medalhas. Dados os seus problemas de saúde, foi Olívio Pires, por coincidência, que entregou a distinção ao visado. "A cerimónia foi simples, aconteceu na Embaixada de Angola, já que não temos representação em Londres. Para todos os efeitos, tratava-se de um grande amigo, que nos deu uma grande contribuição para a nossa luta de libertação, por isso é essa a recordação que vou ficar dele".

Em declarações ao jornal "Notícias", de Moçambique, o veterano Marcelino dos Santos recorda Basil Davidson como um homem "solidário" com todos os povos que lutavam pela liberdade em todo o mundo. "No caso das antigas colónias portuguesas, sobretudo nós e os nossos irmãos de Angola e da Guiné (Bissau), foi um grande amigo e camarada", comentou dos Santos, que conheceu o falecido historiador na casa deste em Londres, antes do início da luta armada que a FRELIMO haveria de desencadear à semelhança do MPLA em Angola e do PAIGC na Guiné.


_______________

Notas de L.G.:

(*) 20 de Maio de 2009 > Guiné 64/74 - P4384: PAIGC Actualités (Magalhães Ribeiro) (5): O nº 48, Dezembro de 1972, dedicado à 'visita da OUA às regiões libertadas no sul


Guiné 63/74 - P6742: Depois da Guiné, à procura de mim (J. Mexia Alves) (8): Foi-se a Paz

1. Mensagem do nosso camarada Joaquim Mexia Alves*, ex-Alf Mil Op Esp/RANGER da CART 3492, (Xitole/Ponte dos Fulas); Pel Caç Nat 52, (Ponte Rio Udunduma, Mato Cão) e CCAÇ 15 (Mansoa), 1971/73, com data de 15 de Julho de 2010:

Meus caros camarigos
Prossigo, correndo para o fim, a série...


DEPOIS DA GUINÉ, À PROCURA DE MIM

20 ANOS DEPOIS (8)

FOI-SE A PAZ!

Estou em paz!
Os meus ouvidos fecharam-se
aos sons da guerra longínqua
e já não me incomodam os gritos
do medo do meu viver.
Estou em paz!
Não sinto cheiros da terra quente
por lavrar,
por semear,
apenas cheia de capim,
daquele que esconde a gente,
que espera outra gente.
Estou em paz!
Cerram-se os olhos
a tentar ver por entre as árvores,
para apenas se abrirem
para as cores da natureza,
que me alentam e acalmam.
Estou em paz!
Bate compassado o coração,
calmo, sensível, aberto,
afastada que foi a frieza,
dos sentimentos escondidos.
Estou em paz!
Os meus passos são seguros,
nada têm de hesitante,
porque a estrada que percorro,
não tem nada escondido,
nem a morte num instante.
Estou em paz!
As minhas mãos não seguram,
nem uma arma, nem pica,
estão abertas, ansiosas,
que nelas caiba uma vida.
Estou em paz!
Os que por lá ficaram
são grata recordação,
os que comigo vieram,
moram no meu coração.
Estou em paz!
E no entanto,
algo me incomoda,
e não me deixa dormir.
Olho em volta,
e vejo todos,
todos os que vieram da guerra!
Só não vejo entre eles
aqueles filhos da terra,
da terra que os viu nascer,
que ao meu lado estiveram,
que não me deixaram morrer.
Procuro-os,
quero-os ver,
quero com eles falar,
quero-lhes agradecer,
mas só me responde o silêncio,
um silêncio frio,
tão frio como o vento Norte,
que me causa um arrepio,
e me sussurra ao ouvido:
morte, morte, morte.
Foi-se a paz!
Ficou a descrença,
a revolta,
a indignação.
Uma morte não tem volta,
a vida é que é presença,
não basta a recordação.
Uma só palavra
martela todo o meu ser:
abandonados!
Como são fortes os cravos
que me rasgam o coração,
são feitos de liga dura,
revestida de traição!
Atraiçoados!
Pobre bandeira a minha,
onde só vejo encarnado,
porque o verde da esperança,
foi tingido,
foi lavado,
pelo sangue derramado,
daqueles que acreditaram,
que tinham uma pátria,
um lugar,
mas que abandonados à sorte,
ficaram na terra mãe,
num longo estertor de morte.

91.12.07

Um abraço forte, apertado e camarigo do
Joaquim
__________

Notas de CV:

(*) Vd. poste de 9 de Julho de 2010 > Guiné 63/74 - P6703: V Convívio da Tabanca Grande (12): A Guiné em Monte Real ou um Encontro de camarigos (Joaquim Mexia Alves)

Vd. último poste da série de 8 de Julho de 2010 > Guiné 63/74 - P6697: Depois da Guiné, à procura de mim (J. Mexia Alves) (7): Eu sei quem sou

Guiné 63/74 - P6741: Notas de leitura (130): Seminário 25 de Abril 10 Anos Depois (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso Camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, Comandante do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 14 de Julho de 2010:

Queridos amigos,
Foi pena o coronel Carlos Fabião não nos ter deixado o acervo das suas memórias, ele que fez quatro comissões na Guiné, conhecia a região em todas as direcções, estava lá aquando do massacre do Pidjiquiti, participou na africanização da guerra, nas negociações com Senghor, foi o último governador da Guiné.
Deixou alguns documentos, sobressai esta comunicação que proferiu dez anos depois do 25 de Abril.

Um abraço do
Mário


A descolonização na Guiné-Bissau
Spínola: a figura marcante da guerra na Guiné


por Beja Santos

O Seminário “25 de Abril, 10 Anos Depois”, promovido pela Associação 25 de Abril na Fundação Calouste Gulbenkian, e que se realizou de 2 a 4 de Maio de 1984, possibilitou uma panorâmica sobre os 3D (Democratizar, Desenvolver e Descolonizar) a que se propusera o MFA. Em torno destes 3D participaram figuras prestigiadas como Piteira Santos, Boaventura de Sousa Santos, Hélder Macedo, João Ferreira do Amaral, Manuela Silva, Luís Moita, Carlos Fabião, Manuel Braga da Cruz, Medeiros Ferreira e Maria de Lurdes Pintasilgo. Com significado de inventário para o nosso blogue tem certamente a comunicação do coronel Carlos Fabião intitulada “A Descolonização da Guiné-Bissau”. Carlos Fabião (1930 – 2006) fez quatro comissões na Guiné (1955 – 1961, 1965 – 1967, 1968 – 1970 e 1971 – 1973), terá sido o militar com maiores conhecimentos dos diferentes teatros de operações. Foi membro da equipa de Spínola que negociou com Senghor no Cabo Skiring (1972), foi o último Governador da Guiné e Chefe do Estado-Maior do Exército (1974 – 1975).

Na sua comunicação, Carlos Fabião considerou Spínola a figura central da guerra da Guiné, observando que fora o único Chefe Civil e Militar que apresentara um conjunto de respostas capazes de se oporem ao bem estruturado plano de acção concebido e posto em prática por Amílcar Cabral. E escreve: “Spínola divide e define três períodos bem distintos da guerra na Guiné. Logo nos primeiros tempos das hostilidades, Portugal perdeu o controlo do Sul e do Centro – Oeste da colónia. Conservou o domínio da região Leste graças ao facto da etnia fula se ter mantido fiel à soberania portuguesa; do “chão manjaco” não se ter afirmado por nenhuma das partes em confronto e da ilha de Bissau. Todas as tentativas sérias, levadas a efeito ao longo dos anos de 1964 até 1967, para recuperar o controlo do Sul da colónia, resultaram em derrotas, quando não em desastres militares, como aconteceu no Como, no Cantanhez, no Quitafine; no estrangulamento do corredor de Guileje a partir da ocupação de Mejo, Guileje e Gandembel e em tantas outras acções e operações de certo vulto”. Um conjunto de áreas críticas ficou sobre o controlo dos guerrilheiros: Morés, Sará-Sarauol, Boé, Cantanhez, Quitafine, entre outros. Em conclusão: “Não se queriam desastres, nem insucessos, a guerra era para se ir fazendo a horários e percentagens. Quando António Spínola chegou à Guiné a situação militar na colónia era bastante crítica.

Spínola é um chefe militar que tem a plena consciência de que uma guerra subversiva não é susceptível de ser vencida militarmente. A sua estratégia consistiu numa acelerada promoção socioeconómica e cultural, introduziu eventos de participação do povo guineense (os Congressos do Povo da Guiné) para travar a ofensiva militar do PAIGC deu prioridade ao chão manjaco, procedeu à concentração das populações, promoveu a regionalização de quadros e africanizou a guerra da Guiné. Tentou uma vitória militar e política com a operação “Mar Verde” e procurou estabelecer o diálogo com o opositor através do Presidente Senghor do Senegal, a quem apresentou um plano de paz em três etapas: cessar-fogo, período de autonomia interna na Guiné e independência a ser concedida numa perspectiva de uma comunidade luso-africana.

Como é do domínio público, Marcelo Caetano proibiu a Spínola a continuação dos contactos e negociações com o argumento de que na Guiné se aceitava um desastre militar mas nunca a negociação. A proclamação unilateral de independência da Guiné (24 de Setembro de 1973) debilitou em definitivo a política externa portuguesa: num curto prazo de tempo, 86 países, mais do que aqueles com quem Portugal mantinha, na época, relações diplomáticas, reconheceram o novo Estado. O PAIGC, a partir de 1973, passa a estar iniludivelmente melhor equipado que as tropas portuguesas. A resposta política foi a de aguentar (“resistir até à exaustão dos meios”), encontrou-se um mecanismo de recuo, prevendo o abandono de um conjunto de posições que seriam doravante insustentáveis face ao armamento bissau-guineense. Spínola entretanto demite-se e é substituído. O novo Comandante-Chefe não traz nenhum projecto além de resistir. Escreve Carlos Fabião: “Só o 25 de Abril conseguiu evitar um completo desastre militar”.

Neste mesmo painel sobre a descolonização interveio Jorge Sales Golias sobre o MFA na Guiné-Bissau, tendo logo declarado que a história do MFA na Guiné se confunde com a criação do próprio MFA. Referiu a chegada do Tenente-Coronel Banazol em Dezembro de 1973 que se passou a reunir com os oficiais revoltosos. Deve-se a Banazol a ideia, em Fevereiro de 1974, de tomar o poder na Guiné prendendo o Comandante-Chefe na Amura, ideia que não recebeu os suficientes apoios. Banazol tentou depois lançar o Movimento de Resistência das Forças Armadas através de um panfleto que fez circular no teatro de operações. Nesse panfleto marcava um prazo de três meses para o governo entrar em negociações com o PAIGC, e caso houvesse negativa todas as tropas deviam concentrar-se à volta de Bissau em 1 de Junho. Na madrugada de 26 de Abril os militares revoltosos passaram à acção e no dia 27 na cidade de Bissau já havia manifestações vitoriando o MFA, a Junta de Salvação Nacional e o PAIGC. Jorge Sales Golias descreve a institucionalização do MFA-Guiné e as actividades que levou a cabo, considerando que foi na Guiné que o MFA ensaiou as suas formas estruturais e os seus próprios órgãos de informação.
__________

Notas de CV:

(*) Vd. poste de 13 de Julho de 2010 > Guiné 63/74 - P6727: Bibliografia de uma guerra (57): Estranha Noiva de Guerra, de Armor Pires Mota, a publicar em Setembro de 2010 (Mário Beja Santos)

Vd. último poste da série de 11 de Julho de 2010 > Guiné 63/74 - P6715: Notas de leitura (129): Sobre a Unidade no Pensamento de Amílcar Cabral, de Sérgio Ribeiro (Mário Beja Santos)