sábado, 20 de janeiro de 2007

Guiné 63/74 - P1450: Operação Jóia ou o dia mais trágico da minha comissão (Fernando Chapouto)

Guiné > Zona Leste > Subsector de Geba > Banjara > CCAÇ 1426 > Dezembro de 1965 > "As armadilhas não são só para para o IN, as hienas também caiem nelas"...

Guiné > Zona Leste > Subsector de Geba > Banjara > CAÇ 1426 > Maio de 1966 > "As horas tinham que ser bem aproveitadas para pôr a escrita em dia, ouvir as notícias..."

Fotos e e legendas: © Fernando Chapouto (2006). Com a devida vénia... Do sítio O Cantinho do Fernando.

Guiné > Zona Leste > Subsector de Geba > Geba > CCAÇ 1426 (1965/67) > O Fur Mil de Op Especiais Fernando Chapouto. Da sua página pessoal retirámos os seguintes elementos biográficos, relativos à sua comissão na Guiné: (i) Partida no Niassa em Agosto de 1965; (ii) Em Outubro de 1965 está em Camamudo; (iii) Em Dezembro de 1965 passa por Banjara; (iv) Em meados de 1966 está destacado em Geba; (v) Em Março de 1967 está em Cantacunda; (vi) Em Maio de 1967 regressa à metrópole no Uíge; (vii) Recebeu uma cruz de guerra.

Mensagem do Fernando Chapouto com data de 16 de Janeiro de 2007:

Caro Luís:

Quarenta anos passados, ainda tenho na minha mente este dia [, 16 de Janeiro,] como o mais trágico da minha permanência na Guiné, como passo a relatar a seguir:

No dia 16 de Janeiro de 1967, pelas 4 horas da tarde, deixámos Geba a caminho de Banjara, parámos no cruzamento de Sinchã Sutu à espera da coluna que vinha de Bafatá com carros de combate e sodados que ficavam a prestar segurança enquanto o pelotão aí estacionado não regressava da operação [,Operação Jóia].

Chegada a coluna, começámos a marcha até Banjara, a picagem até Mansaina foi feita pela Milícia de Sare Banda e de Banjara a Mansaina pelo pessoal do pelotão aí estacionado. Chegados a Banjara, toca a comer a ração de combate e descansar ao relento.

Às 6 horas da manhã, depois de tomarmos o café, saímos em direcção a Madina Banjara passando por Tumania, Bantajã e Belel. Até aqui tudo normal, páramos e começámos a passar a bolanha que ainda se apresentava com bastante água dando pela cintura. Passando a bolanha desviámos para a esquerda até Madina Banjara. A vegetação começou a ser cada vez mais densa e a floresta cada vez mais alta.

Uns dois ou três quilómetros à frente eis que surgem umas palhotas desviadas da picada, metidas no meio da floresta dens. Como eu ía a frente fiz sinal para o pessoal se dividir e cercar as palhotas. Rápidos, eu e a Milícia entramos de rompante. Um soldado da milícia disse:
- Meu Furriel ali! - foi o suficiente para eles nos alvejarem. Vem um tiroteio na minha direção, rebolei para trás duma árvore mas isto numa fracção de segundos e tudo passou e eu saí ileso.

Chegou a Capitão, contei-lhe o que se passou, mandou revistar as palhotas. Apenas encontrámos um deficiente dos membros inferiores que não andava, só rastejando, e era transportado em padiola de tabanca em tabanca. Já o tinhamos encontrado em Dezembro de 1965 em Sambulacunda, tínhamo-lo deixado em paz, mas desta não escapou, porque segundo os prisioneiros ele era o chefe do sector.

Resultado do tiroteio: dois elementos IN abatidos... Toca então na regressar pelo mesmo itinerário. Quando chegámos à bolanha parámos. O Capitão disse que o meu pelotão ía atrás quando o meu ía sempre à frente. Não me deram justificação alguma, mas pensei:
- Todas as emboscadas que temos tido, eu vou na frente do meu pelotão, com a minha secção... E até à data felizmente nada nos aconteceu de gravidade, apenas uns arranhões dos estilhaços das granadas... - O meu pessoal olhou para mim, porque respondi:
- Não sei de nada, são ordens!

Passou para a frente o outro pelotão que era o do Furriel Vaqueiro (2). Começando a atravessar a bolanha eis que se ouvem três tiros que pareciam de Mauser. Disse:
- Os cabrões dos pretos [milícias] estão a brincar... - pois só eles é que tinham Mauser.

De imediato começámos nós a passar, o outro pelotão já tinha passado e mantinha a segurança para a nossa passagem. Eu ia à frente e, quando saí da água, surge o Cabo Enfermeiro,todo aflito:
- Temos um morto, um soldado nativo, e um ferido, um soldado branco.
- Não pode ser! - mas era verdade. Cheguei-me lá mais adiante, tomando todas as cautelas e certifiquei-me que era verdade.

Chegou o Capitão, informei-o do acontecido, mandou-me arranjar pessoal para transportar o morto, ninguém era capaz, devido ao sangue que tinha, pois o tiro tinha-lhe acertado mesmo na testa. Tive de ser eu a acarretar com as despesas. Dois pretos ajudaram-me, eu nas pernas e eles em cada braço.

Até à data nem mais um tiro, mas quando recomeçámos a marcha, os tiros voltaram na minha direcção.. Deitei-me no chão e disse para me deitarem o cadáver em cima de mim de costas com as pernas para os meus ombros. Assim foi, levantei-me e toca andar. Os tiros levantavam poeira a minha frente, caio não caio mas não temi, tinha que cumprir a missão já que os brancos não me ajudaram. Saí da zona de perigo e eu lá continuei mais umas centenas de metros, depois de fazer uma pequena subida mais adiante

O Capitão mandou tirar-me o morto das costas, eu estava exausto pois o calor apertava, era perto da uma da tarde. Bebi uma Perrier que costumava levar sempre, mas não foi o suficiente e eu estava mal, passei pelo Vaqueiro e disse-lhe que estava com sede e ainda faltavam alguns quilómetros para chegarmos a Banjara. Ele pegou noutra Perrier e dei-ma, grande amigo,

Chegámos a Bantajã, arranjou-se uma padiola para melhor transportar o morto e continuámos ao passar por Tumania. Pareceu ouvir-se alguma coisa estranha mas nada de anormal, estava tudo como dantes. O Capitão pediu dois ou três voluntários para ir à frente para que viesse uma viatura à berma da bolanha buscar o morto, lá fui mais uma vez ,voluntário, e ninguém me seguiu pois ainda eram uns quilómetros até Banjara.

Um quilóemtro ou mais sinto passos atrás de mim mas ao longe disse para comigo:
- É hoje que vai haver festa, nada de parar.

Quem vinha atrás de mim acelarava, eu também, vi que o abuso já era de mais, voltei-me rapidamente, era o Lamin, o guarda-costas do Capitão, isto já perto da bolanha onde já tinhamos tido emboscadas. Acenei-lhe com a cabeça, dizendo-lhe que tivesse mais cuidado ou que chamasse por mim. Ele era preto mas ficou branco com o meu movimento... Cheguei à estrada perto do pontão, fiz sinal com a G3 ainda distante, logo uma viatura apareceu, disse-lhes para ir à bolanha buscar um morto

Chegámos a Banjara por volta das quatro da tarde e toca logo a processar-se o regresso, meter umas cervejas para refrescar e uma bucha, chegando a Geba por volta das seis da tarde.

Foi assim o dia mais triste da minha permanência na Guiné, pois foi o único morto que tivemos em combate, depois de termos emboscadas com mais intensidade de fogo (incluindo granadas) e foi a minha última operação (3).

Um abraço.
Fernando Chapouto
________

Notas de L.G.:

(1) Vd. post de 1 de Novembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1233: O meu cantinho na Net (Fernando Chapouto, CCAÇ 1426, Geba, Banjara, Camamudo, Cantacunda, 1965/67)

(2) Belmiro Vaqueiro é outro dos membros da nossa tertúlia: também fez parte da CCAÇ 1426. Hoje reformado, reside em Bragança: vd post de 26 de Junho de 2005 > Guiné 69/71 - LXXXII: CCAÇ 1426 (Geba, 1965/67): Presente! (Belmiro Vaqueiro / A. Marques Lopes)

(3) Vd. páginas, no nosso sítio, sobre este subsector: Geba, Banjara / Cantacunda. Recorde-se que, a seguir ao Chapouto e ao Vaqueiro, quem esteve neste subsector foi o A. Marques Lopes, que era Alf Mil da CART 1690.

Guiné 63/74 - P1449: Para breve, a história da CCAÇ 2317, que esteve em Gandembel e Ponte Balana (Idálio Reis)

Guiné > Região de Gabu > Cansissé > CCAÇ 2317 > Julho de 1969 > "Foi na fonte de Semba Uala que os nossos corpos se retemperaram de energias abaladas. Também, com exasperados desejos, se buscavam encontros de encantos"... Quem escreveu isto é um poeta, um sobrevivente de Gandembel e Ponte Balanta, Idálio Reis. Promete-nos, lá para a Páscoa, a história completa da sua CCAÇ 2317, ilustradas com uma centenas de fotos seleccionadas. Se tiverem a qualidade das que já publicámos, é um duplo prémio para os membros da nossa tertúlia e para os nossos visitantes...

Foto: © Idálio Reis (2006). Direitos reservados.



Mensagem do Idálio Reis (ex-alf mil da CCAÇ 2317, BCAÇ 2835, Gandembel e Ponte Balana 1968/69) (1):

A minha Companhia e a sua história

Caro Luís

Começo a vislumbrar o fim da minha escrita quanto à odisseia da minha Companhia. Ela será contextualizada grandemente de um arquivo muito próprio, o da minha memória. Mas nem sei como consegui extrair tanta coisa deste velho baú. Julgo contudo que o seu arrumo foi importante.

Durante muitos e muitos anos, fiz por esquecer, retemperei energias, refiz com dificuldades a minha vida, mas atingi o que me prometera, e agora com o processo de aposentação na CGA, irei para o outro lado da barricada, que obviamente me facultará mais tempo para ir blogando...

Luís, o que pretendo de ti, é que me indiques se os passos que tenho em mente, são os mais indicados. Divido esta história em 7 capítulos, 4 dos quais se relacionam directamente com Gandembel/Ponte Balana. E estes podem ser um pouco longos, e a sua leitura ressente-se.

Esta história tem uma ilustração de uma centena de fotografias, que procurei melhorar no Photoshop, e que formatei em jpg.

Como achas mais conveniente o envio de tudo isto? Não será possível obviamente remeter tudo isto de uma vez, mas espero que até à Páscoa dê concretização a este anseio.

E é tudo, por agora. Um cordial abraço do Idálio Reis


2. Comentário de L.G.: Idálio, antes de mais, o meu/nosso desejo de uma longa, activa, produtiva e saudável ...aposentação. É bom saber que tens projectos para o dia seguinte: para não te acontecer o que acontece a muito boa gente que não prepara a reforma... E agora, o que é que eu fazer com este tempo todo à minha frente ?

Ficamos todos entusiasmados com as notícias que nos dás... Não te preocupes com o formato do teu texto... Tens alguns exemplos já inseridos no nosso blogue ou ainda em fase de publicação (por exemplo, A. Marque Lopes, Zé Neto, Zé Teixeira, Paulo Raposo, Beja Santos, Paulo Santiago).

O melhor é seguires uma ordem cronológica... Se mandares as fotos com legendas (num CD-ROM, para o meu endereço de correio), eu depois faço a sua inserção. Mas depois discutimos isso em pormenor. Naturalmente que respeitarei as tuas indicações...
________

Nota de L.G.:

(1) Vd. posts anteriores do Idálio Reis:

19 de Abril de 2006 > Guiné 63/74 - DCCXIV: Um sobrevivente de Gandembel/Ponte Balana (Idálio Reis, CCAÇ 2317)

18 de Maio de 2006 > Guiné 63/74 - DCCLXX: Um pesadelo chamado Gandembel/Ponte Balana (Idálio Reis, CCAÇ 2317, 1968/69)

12 de Junho de 2006 > Guiné 63/74 - P866: De Cansissé e a Fonte dos Fulas ao Baixo Mondego ou como o mundo é pequeno (Idálio Reis)

12 de Julho de 2006 > Guiné 63/74 - P953: Cansissé, terra de encantos mil (Parte I) (Idálio Reis, CCAÇ 2317, Julho de 1969)

12 de Julho de 2006 > Guiné 63/74 - P954: Cansissé, terra de mil encantos (Parte II) (Idálio Reis, CCAÇ 2317, Julho de 1969)

2 de Agosto de 2006 > Guiné 63/74 - P1016: Cansissé, terra de mil encantos (Parte III) (Idálio Reis, CCAÇ 2317, Julho de 1969)

Guiné 63/74 - P1448: Os quatro comandantes da CCAÇ 2586 (A. Santos)


Guiné > Zona Leste > Sector L3 > Nova Lamego > Centro de Mensagens e Central Telefónica > 1973 > O António Santos com o um chapéu de um camarad de transmissões da 38ª CCmds.
Foto: © António Santos (2007). Direitos reservados.

Mensagem do nosso camarada A. Santos, Ex-Sold Trms, Pel Mort 4574/72, Zona Leste, Sector L3, Nova Lamego,1972/74:

Luis, amigos e camaradas.

Sobre o post 1446 (1), posso esclarecer, se isto ajudar, que a CCAÇ 2586 teve como comandantes 4 capitães, que passo a descrever:

1 - Evaristo Ramalhinho Duarte, Cap Inf;

2 - João Carlos Carvalho de Castro, Cap Mil Inf (Também foi comandante da CCAÇ 13);

3 - Rui Fernando Alexandrino Ferreira, Cap Mil Inf (Também foi comandante da CCAÇ 18) (2);

Guiné > O Cap Ferreira, o nosso querido camarada de tertúlia, hoje coronel na reforma Rui Alexandrino Ferreira, autor do livro de memórias, Rumo a Fulacunda. 2ª ed. (Viseu: Palimage Editores. 2003) (2)


4 - Eugénio Batista das Neves, Cap Inf (Também foi comandante das CCAÇ 1438 e 2404, da CCS BCAÇ 2834 e da CCS BAÇ 2852).

Com isto talvez o Cap João Godinho, se recorde de qual deles comandou a CCAÇ 2586, no dia 21 de Abril de 1970. de má memória.

Um alfa bravo para todos.

A. Santos

SPM 2558

PS - Aproveito para enviar uma foto captada na parte de fora do centro de mensagens e central telefónica do Batalhão de Nova Lamego. Uma curiosidade: o chapéu pertencia a um telegrafista da 38ª Companhia de Comandos, do nosso camarada Amílcar Mendes.

_________

Notas de L.G.:


(...) "Acabo de falar com o Cap João Godinho. É muito terra-a-terra. Forneceu-me as seguintes informações: (i) Quem procedeu ao levantamento dos corpos, na manhã seguinte, [21 de Abrild e 1970,] foi a CCAÇ 2586, comandada por um capitão de que já não se recorda o nome (companhia teve 4 ou 5 comandantes)" (...)

sexta-feira, 19 de janeiro de 2007

Guiné 63/74 - P1447: Questões politicamente (in)correctas (21): o blogue e a segurança dos nossos ex-combatentes africanos

E-mail que me chegou em 20 de Dezembro de 2006, através do Beja Santos:

Questão posta por um colega do Beja Santos, do Instituto do Consumidor:

"Muito interessante! Contudo, gostaria que me esclarecesse uma dúvida: os nomes dos soldados guineeenses são verdadeiros ou ficcionados?

"Pergunto isto na medida em que, com a crescente difusão da Internet, na Guiné-Bissau poderão ter acesso ao Blogue do Luís Graça, logo os ex-combatentes do exército colonial português serão facilmente identificados.

"Coloco esta questão porque as feridas de uma guerra fratricida, naturalmente, ainda não estão completamente cicatrizadas.

"Aguardo mais episódios de um dos últimos soldados do Império português.

"Um abraço (...)"

Guiné 63/74 - P1446: Dossiê O Massacre do Chão Manjaco (Afonso M. F. Sousa) (3): O depoimento do 1º sargento da CCAÇ 2586, João Godinho

Continuação da publicação de peças do dossiê sobre o Massacre do Chão Manjaco, organizado pelo Afonso M. F. Sousa , que vive em Ovar e foi ex-fur mil transmissões da CART 2412 (Bigene, Binta, Guidage e Barro, 1968/70 (1).
E-mail de 17 de Novembro de 2006, enviado pelo Afonso M. F. Sousa ao Júlio Rocha, que lhe havia arranjado o contacto de João Godinho, o 1º. Sargendo da CCAÇ 2586 , agora já Capitão reformado, e que vive em Évora:
Amigo Júlio Rocha :


Acabo de falar com o Cap João Godinho. É muito terra-a-terra. Forneceu-me as seguintes informações:

(i) Quem procedeu ao levantamento dos corpos, na manhã seguinte, [21 de Abrild e 1970,] foi a CCAÇ 2586, comandada por um capitão de que já não se recorda o nome (companhia teve 4 ou 5 comandantes). O Júlio recorda-se do nome dele ?

(ii) Confirma-se que não foi o Ten Coronel Romão Loureiro (comandante do Batlhão, o BCAÇ 2884). Eventualmente poderá ter aparecido por lá, mas não teve essa missão. Ramalho Eanes, de todo, não esteve presente.

(iii) O sítio exacto...Pensa ele que foi a meia distância entre o Pelundo e Jolmete.
(iv) Os oficiais portugueses almoçaram e partiram depois para o fatídico encontro, que
terá ocorrido às 16 / 17 horas.
(v) Nove (9) foi o total de pessoas que se deslocaram para o encontro, em 2 jipes.
(vi) Mal apareceram numa clareira, foram fortemente fustigados a tiro - depois terá eventualmente havido confronto corpo a corpo. O jipe dos oficiais vinha atrás e não terá sido o mais atingido.

(vii) Para ele não houve uso de catana. Pensa que terá sido usada faca de mato.

(viii) À pergunta se não terá havido excesso de confiança no bom desfecho do encontro, confessa que não, porque tinham ocorrido já cerca de 12 reuniões e a integração de elementos do PAIGC já se vinha sentindo. O problema é o assunto estava a atingir já uma elevada dimensão e terá criado fricção com outros elementos (de cúpula) do PAIGC. E se calhar André Gomes (o protagonista desta barbárie) ter-se-á querido limpar perante os seus superiores.

(ix) Confirma-se que Spínola esteve no local e que chorava como uma criança. Fica-se sem confirmar se, efectivamente, 2 diantes ele veio à Metrópole (chamado por Caetano), visto que esteve no local fatídico. Era interessante saber, porque segundo muitas versões, o PAIGC
tinha como propósito fazer a sua captura, neste encontro.

(x) Para concluir, posso adiantar que foi este 1º Sargento João Godinho que passou o relatório dos acontecimentos. Disse-me que, provavelmente, ainda terá uma cópia lá por casa. Ele vai confirmar. Caso o tenha, pedi-lhe para me facultar uma cópia, visto que é um documento de cariz histórico. Ele acedeu. Depois contacta-me para confirmar.

Foram muito bons esclarecimentos. Quero agradecer ao Júlio por esta excelente pista. Ele envia-lhe cumprimentos.

De minha parte,

Um grande abraço.

Afonso M. F. Sousa
__________
Nota de L.G.:
(1) Vd. posts anteriores:
18 de Janeiro de 2007 > Guiné 63/74 - P1445: Dossiê O Massacre do Chão Manjaco (Afonso M.F.Sousa) (2): O papel da CCAÇ 2586 (Júlio Rocha)
17 de Janeiro de 2007 > Guiné 63/74 - P1436: Dossiê O Massacre do Chão Manjaco (Afonso M.F.Sousa) (1): Perguntas e respostas

quinta-feira, 18 de janeiro de 2007

Guiné 63/74 - P1445: Dossiê O Massacre do Chão Manjaco (Afonso M.F.Sousa) (2): O papel da CCAÇ 2586 (Júlio Rocha)


Guiné > Região de Tombali > Catió > Ilhéu Infanda > Maio de 1970 > Assinalado com um círculo a vermelho, o João Tunes: está junto ao rádio, do lado esquerdo, em trono nu e auscultadores nos ouvidos.

Foto: © João Tunes (2005). Direitos reservados.

T/T Carvalho Araújo > Em Maio de 1970, regressou a Lisboa com 4 urnas (dos três majores e do alferes, chacinados em 20 de Abril de 19970) mais a CART 2412, a que pertencia o Fur Mil Sousa.


Foto: © Navios Mercantes Portugueses , página de Carlos Russo Belo (2006) (com a devida vénia...) . O autor foi oficial da marinha mercante.


Dossiê O Massacre do Chão Manjaco (1),
por Afonso M.F. Sousa


Correspondência trocada entre o Afonso M.F. Sousa e algumas das suas fontes de informação

1. Resposta do Júlio Rocha, em 16 de Novembro de 2006:


Camarada

Foi com grande surpresa que recebi o seu e-mail sobre o trágico assassinato dos Majores e do Alferes [, em 20 de Abril de 1970].

Eu pertencia à CCAÇ 2586 e, por coincidência, na altura estava de férias na metrópole e só quando regressei, em Maio de 70, tomei conhecimento do sucedido.

Também tive o prazer de conhecer os Majores quando estive no CAOP em Teixeira Pinto.
Eram oficiais de primeira classe e homens admiráveis.

A minha companhia é que foi buscar os corpos e todos ficaram chocados e revoltados com este crime de guerra.

Até agora nunca se soube quem estava por detrás deste crime. Eu penso que pertenciam ao grupo do Nino, será?

Um grande abraço
Júlio Rocha
Ex-Furriel Miliciano
CCAÇ 2686 (Pelundo, 1969/71)


2. E-mail do Afonso M. F. Sousa , de resposta ao Júlio, na mesma data:


Olá, caro Júlio (na Cova da Piedade) !


Há dias li, algures, que pertenceu à CCAÇ 2586 (Batalhão 2884) e que esteve no Pelundo até 2/7/1970 (2).

Antes de redigir o e-mail, até cheguei a pensar em contactá-lo previamente, para tentar saber mais algum pormenor. Mas fiz seguir o mail, endereçado-o também a si, com o intuito de suscitar uma eventual reacção sua. E, efectivamente, essa sua reacção aí está! O meu obrigado por isso.

Esta questão intrigou-nos, sobretudo aos da minha Companhia [, CART 2412, Bigene, Binta, Guidage e Barro, 1968/70], que, pouco mais de uma semana depois desta nata de militares ter sido morta, passou a escassas centenas de metros deste local fatídico de Jolmete, quando descíamos o Rio Cacheu, de LDG, vindos de Barro, rumo a Bissau, no termo da nossa comissão na Guiné.

E intrigou-nos porque, quando entramos para o navio Carvalho Araújo, para regressar a Lisboa, fomos surpreendidos com aquelas 4 urnas no porão do navio e depois de nos terem confidenciado (em voz baixa, atenção à PIDE) que tinha sido um grave acidente e que três deles eram majores.

Mais nada soube até há pouco tempo. A história, de facto, só se revelou com os escritos ou crónicas que vêm passando pela Internet.

Associei logo que eram esses bravos que tinham sido sanguinariamente mortos em Jolmete (na estrada Pelundo-Jolmete), e isto porque eles foram mortos em 20 de Abril [de 1970] e o navio partiu para Lisboa em 6 ou 7 de Maio. Portanto, eram eles. E a minha percepção veio a confirmar-se.

Quanto ao autor deste crime, o João Varanda garante que foi o André Gomes que consumou a brutal neutralização e liquidação dos majores, à catanada.

Esta proximidade (de datas, do Rio Cacheu, da utilização do mesmo navio para Lisboa) e sobretudo a forma selvagem como foram liquidados, suscitaram-me esta ideia de ir até junto da família de um deles, pelo menos, visitar a sua campa ou jazigo, abordar estes factos e relatar-lhes mais alguns pormenores da tragédia e, simultaneamente, recolher os seus pontos de vista e as informações disponíveis.


Uma espécie de acto de saudade no percurso de uma memória.

Mas o tema tem continuar a ser abordado, porque foi uma fase importante de toda a guerra da Guiné. Toda a política de Spínola passava por aqui, nestas datas, nestes sítios (Teixeira Pinto) e na concepção e desenvolvimento da operação Chão Manjaco. Depois tudo terá evoluido noutro sentido - também sem a correspondência de Marcelo Caetano à trajectória concebida por Spínola. E tudo veio a desembocar, por exemplo, nos fortes assédios de Guidaje e Guileje, em Maio de 1973. (Em Guidaje estivemos 7 meses, entre 1968 e 1969)

Aliás soube que a viúva do Major Joaquim Pereira da Silva (que reside em Espinho) tem uma carta do seu marido (recebida com o espólio). E em que ele pressagia que o encontro com o PAIGC vai correr mal. Isso poderia ser um sintoma de que tudo não estaria completamente controlado. Mas parece-me que a questão tem outra profundidade e advêm de acções de descontrolo (e eventualmente rivalidades) no seio do PAIGC, na zona. Mas seria interessante ter cópia desse documento, pois pode ter alguma relevância histórica.

Há também uma pequena divergência que subsiste. O sobrinho do Major Pereira da Silva disse-me que foi Ramalho Eanes que, no dia seguinte (21 de Abril), procedeu ao levantamento dos corpos. Que foi ele próprio (ou o filho) que o informou. Poderá haver algum lapso de comunicação porque, segundo o João Varanda, ele, nessa altura, encontrava-se em Bafatá. E o que li, algures, é que quem efectuou essa diligência foi o Tenente-Coronel Romão Loureiro.

Se for necessário poder-se-á tentar saber se Romão Loureiro é vivo e, em caso afirmativo, qual o seu testemunho sobre este assunto.

Para já não me alongo mais. Com naturalidade poderemos voltar ao tema. Os meus agradecimentos pelo contacto e pelo seu testemunho.

Um grande abraço.


Afonso M. F. Sousa
__________

Nota de L.G.:

(1) Vd. post de 17 de Janeiro de 2007 > Guiné 63/74 - P1436: Dossiê O Massacre do Chão Manjaco (Afonso M.F.Sousa) (1): Perguntas e respostas

(2) O Júlio Rocha já em tempos tinha contactado um dos nossos camaradas, o João Tunes:


Cópia de mensagem enviada por Júlio Rocha (19 de Dezembro de 2005)


Assunto: CCAÇ 2586/BCAÇ 2884 - Pelundo


Amigo Tunes:


Só há dias, através dum camarada que esteve comigo em Tavira, tomei conhecimento do site do Luis Graça e por muita satisfação encontrei-te no blogue.


Eu fiz parte da CCAÇ 2586 e estive no Pelundo até 02/07/70, dia em que tive o acidente quando me encontrava precisamente no teu quartel nessa noite, tendo de manhã sido evacuado para o hospital militar de Bissau e depois de ter estado internado e operado, vim evacuado para a metrópole em 21/07/70.


Era Furriel Miliciano do pelotão do Alferes Trindade. Costumo ir aos almoços do Batalhão [2884], se bem que ao último não pude ir. Devemos ser vizinhos, pois moro na Cova da Piedade. Bom natal para ti e vai dando notícias. Um abraço,

Júlio Rocha.

Guiné 63/74 - P1444: Adeus, estou de malas aviadas para Guileje (Leopoldo Amado)

Leopoldo Amado : (i) membro da nossa tertúlia desde Setembro de 2005; (ii) nasceu na Guiné-Bissau em 1960; (iii) tem a nacionalidade portuguesa; (iii) o pai era funcionário dos correios, tendo vivido em Bolama e Catió, terras que o Leopoldo conheceu bem quando miúdo; (iv) em 1981 concluiu, em Bissau, o curso de formação de professores liceais; (v) em 1986 licenciou-se em história pela Universidade de Lisboa; (vi) em Março próximo, irá apresentar-se em provas públicas de doutoramento em história contemporânea pela Universidade de Lisboa...

Fonte: © Leopoldo Amado (2006). Direitos reservados.


1. Mensagem do Leopoldo Amado:


Caro Luís Graça:

Estando eu com o pé no estribo para a Guiné, é minha obrigação comunicar-te e aos restantes membros da tertúlia de que apenas voltarei se for chamado para a defesa da minha tese, o que deverá ocorrer até Março, de acordo com as informações disponíveis.

Viajo sexta próxima e irei coloborar com com o projecto Guiledje da AD, juntamente com Pepito, nosso co-tertuliano e comum amigo. É também uma forma de me reencontrar com a Guiné-Bissau e suas/nossas gentes, após vários anos de alguma ausência e saudades da terra.

No entanto, espero poder continuar a acompanhar a Tertúlia e, na medida do possível, ir igualmente contribuindo uma vez por outra, pois a Internet ainda não chegou a Guiledje.

Quero agradecer pessoalmente aos membros da Tertúlia essa sã convivência (Luís Graça, João Tunes, Marques Lopes, Fortunato e os demais) , convicto de que ela é indispensável como necessário, pois contribuiu e certamente continuará a contribuir para o nosso crescimento como cidadãos do mundo, em suma, como parte integrante desta HUMANIDADE em que cuja construção queremos e devemos tomar parte.

Um Bem haja

Leopoldo Amado
Blogue: Lamparam III


2. Comentário do editor do blogue:


Querido amigo: Estou/estamos - posso seguramente falar em nome do resto dos amigos e camaradas da Guiné - divididos entre dois sentimentos, que não são necessariamente contraditórios: (i) alegria por te vermos a fazer coisas de que gostas, na terra que te viu nascer, a trabalhar com o Pepito no Projecto Guileje, como historiador, como especialista da guerra colonial/guerra de libertação; (ii) tristeza, saudade, morabeza, ao mesmo tempo, por te ver partir, por sentir a tua falta...


Em contrapartida, é também boa a outra notícia que nos dás: em Março próximo, lá iremos apertar-te os ossos e lá estaremos, na primeira fila, a assitir à apresentação e discussão da tua tese de doutoramento na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, ali ao Campo Grande... A torcer por ti!...


Boa viagem, amanhã. Vai e volta com saúde. Estamos certos que o projecto Guileje - e com ele, a AD, o Pepito, os guineenses, nós todos - irá ganhar muito com a tua competência e empenhamento.
Sabes onde estamos.


Luís Graça & Camaradas da Guiné

Guiné 63/74 - P1443: Contributo para a história da construção do aquartelamento de Guileje (José Barros Rocha, CART 2410, Os Dráculas, 1969/70)

Guiné-Bissau > Região > Guileje > Aspecto actual de um dos abrigos do antigo aquartelamento português.

Foto: © AD - Acção para o Desenvolvimento (2007) (com a devida vénia...)

Guiné > Região de Tombali > Guileje > Brasão da CART 2410, Os Dráculas (1969/70)

Fonte: Sítio do Jorge Santos > A Guerra Colonial > Brasões > Companhias > Companhias de Artilharia (com a devida a vénia ao nosso estimado camarada e amigo Jorge).




1. Mensagem de José Barros Rocha:


Bom dia, camarada Graça!

Ontem, por mero acaso, encontrei o teu blogue, mas como sou inexperiente e o que sei de informática é por autodidactismo, não consegui reagir através e dentro do dito blogue.

Assim, tentei sacar a tua caixa de correio que, creio, seja esta e por isso aí vai o meu contributo para a história dos abrigos de Guileje:

Fiz parte da CART 2410 -OS DRÁCULAS -, e cheguei a Guileje em Junho de 1969, e onde permaneci até Março de 1970.

Recordo-me que houve um Pelotão de Engenharia que durante esse período aí esteve sediado para construir dois abrigos de betão armado, e que se afirmava serem à prova das granadas do Morteiro 120 ou 122. Dois Pelotões aí tinham a sua residência!!! Tais abrigos localizavam-se por detrás do refeitório e à direita da saída para estrada que seguia para Mejo (1).

Também recordo a existência de peças de artilharia 11,4 e, ao que parece, também haveria obuses 14 (2).

Um grande abraço e continua a tua luta pela dignidade dos ex-combatentes de um lado e do outro da barricada. Em frente!!!

José Barros Rocha
ex-alferes miliciano

2. Comentário de L.G.:

Camarada Rocha: Fizeste bem em contactar-me. Essa é uma informação preciosa que eu já comuniquei ao Nuno Rubim e ao Pepito. Como já deves ter percebido, estamos a apoiar o projecto Guileje, da AD - Acção patra o Desenvolvimento, uma ONG guineense, com sede em Bissau (3).

Por outro lado, não imaginas a alegria que vais dar aos camaradas que passaram por Guileje. Ainda não tínhamos nenhum contacto da tua companhia, a CART 2410, Os Dráculos. Temos um camarada do teu tempo, o Armindo Batata, também alferes miliciano de artilharia, que comandava o Pel Caç Nat 51 (Guileje e Cufar, 1969/70) (4).

Gostava que voltasses a aparacer e mas desta vez para figurar na lista de amigos e camaradas da Guiné. As regras são simples: comunicas sempre comigo por email, sendo eu o editor do blogue, mandas duas fotos (uma do tempo da Guiné) e contas a tua estória. Repara: a luta não é minha, é de todos nós... Vale ?

PS - Tens muitas imagens (e estórias) da Guileje nas nossas páginas e no nosso blogue, além da carta da região: Guileje (1956). A partir da janela do canto superior esquerdo, podes fazer pesquisas no blogue...

Entre outros textos, podes ler as memórias do camarada Zé Neto, hoje capitão reformado, e que foi 2º sargento da CART 1613 (Guileje, 1967/68).

Guiné 63/74 - P1442: Operação Macaréu à Vista (Beja Santos) (29): Finete contra Missirá mais as vacas e o bombolom dos balantas

Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > Finete > 1969 > O ex-Fur Mil Henriques, da CCAÇ 12, com uma menina, em frente à casa principal da tabanca que, "salvo erro, pertencia à família do comandante do pelotão de milícia, Bazilo Soncó" (LG). Finete ficava frente a Babambadinca, do lado (direito) do Rio Geba.


Foto: © Luís Graça (2007). Direitos reservados.



Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > Rio Udunduma > 1970 > A economia local dependia também também da produção pecuária que por sua vez estava dependente da prática da transumância, prática essa que a guerra veio limitar ou inviar... Foto do arquivo de Humberto Reis (ex-furriel miliciano de operações especiais, CCAÇ 12, Bambadinca, 1969/71)

Foto: © Humberto Reis (2006). Direitos reservados.



Lisboa > Hospital Militar Principal > 1969 > Fotografia do 2º sargento Fodé Dahaba. Pertencia ao Pel Caç Nat 52 (Bambadinca, Missirá ) . Foi gravemente ferido em 22 de Fevereiro de 1969 na Op Anda Cá (Fevereiro de 1969). Vive hoje em Lisboa e visita regular do seu antigo comandante, o Beja Santos.

Texto e foto: © Beja Santos (2006). Direitos reservados.


Continuação das memórias do Mário Beja Santos (ex-alf mil, comandante do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70) (1). Texto enviado em 22 de Dezembro de 2006:


Caro Luís, aqui vai o segundo texto de 1969. A seguir, inopinadamente, o Comandante Chefe e séquito chegam a Missirá onde tudo está mal, desde a insegurança dos abrigos, a tropa mal indumentada, há balas perdidas no chão e por azar dos Távoras o soldado Bacari Djassi entrou numa discussão com o alto comando sobre a diferença entre a luz do mato e a ausência de um gerador...

Apanhei um calafrio e uma reprimenda brutal do Hélio Felgas [, comandante do Agrupamento de Bafatá,] (2), e no mês seguinte dois dias de prisão. Esta toada surrealista ainda é mais incompreensível para quem sabe o que recebi e o que estou a procurar fazer em terras do Cuor. No tocante a ilustrações, acho que chegou a oportunidade para te socorreres do material fotográfico do Luís Casanova.

Aceita um abraço e os votos que 2007 só te dê grandes alegrias, em casa, no trabalho e nos afazeres tertulianos, Mário Beja Santos.


A conjura de Finete e as vacas de Mero

por Beja Santos

É a primeira vez que revisito o passado do Cuor com Fodé Dahaba (3). Pedi-lhe uma primeira ajuda para falarmos de um estranho drama ocorrido em Janeiro envolvendo um pseudo manifesto colectivo que fora transmitido ao Comandante de Bambadinca e em que eu era directamente acusado de maus tratos à população e às milícias; igualmente lhe pedira para me ajudar a esclarecer a colaboração e os apoios de Mero às gentes de Madina/Belel [, base do PAIGC, a noroeste de Missirá].


O Fodé Dahaba que está na minha frente, ladeado pela sua mulher, Fatemana, vestida a rigor para dia de festa, e de Margarida, um dos seus 7 filhos, que lembra uma jovem de Brooklin ou do East Side londrino, tem os olhos vazos, apõe o coto da sua mão sinistrada em 22 de Fevereiro de 1969, mesmo junto a Madina, e sorri com a mesma inocência e beleza de feições com que o conheci em 1968.
- Fodé, nunca entendi o que pretendiam as pessoas que foram caluniar-me junto do Comandante de Bambadinca. Não tinha pés nem cabeça, era inevitável a reacção da população a meu favor, nunca entendi o porquê, a justificação de uma mentira tão facilmente desmontável. Agora que estou a escrever o relato daquele tempo, conto com a tua sinceridade.


A luta pelo poder entre as milícias de Finete



Tudo começara com o chamamento urgente feito pelo Pimbas [, o tenente-coronel Pimentel Bastos, comandante do BCAÇ 2852] (4). Recebeu-me no seu gabinete, senti-o contrafeito mas após algumas preliminares inócuas, atacou o assunto:
- Olha, isto parece uma história maluca. Apareceu-me aqui um soldado com uma carta a dizer que o povo e as milícias de Finete não querem o teu comando. Segundo os queixosos, tu dás muito menos a Finete do que dás a Missirá, tu exiges grandes esforços e gritas com eles. Ouvi-o e imagina tu que não tinha passado uma hora tinha aqui à porta os homens grandes com o chefe de tabanca à frente a dizerem que era tudo mentira o que se dizia a teu respeito. Não sei o que te diga, e queria saber o que tu pensas.

Eu não sabia de nada, embora fosse conhecedor das tensões permanentes entre mim e o Comandante das milícias, Bazilo Soncó, um dos irmãos do régulo. Agora supor que havia um estado de rejeição quando regularmente estava ou passava por Finete e mantinha as relações mais cordiais com todos, parecia manifestamente absurdo.
- Meu Comandante, peço-lhe que me deixe falar com a população e os milícias de Finete e de seguida um seu representante inquirirá sobre a situação existente. Depois tomará as decisões que entender.

Sem perda de tempo, cambei o Geba e uma hora depois reuni-me primeiro com os homens grandes e depois em separado com as milícias. Não precisei de falar. O chefe de tabanca, Mussá Mané, tomou a palavra para dizer que pediam a expulsão de Abdu Soncó, um cabo da milícia a quem acusavam de estar a mentir e cujo propósito seria o de Finete ficar em autonomia relativa, dependente do batalhão de Bambadinca. E que eu ficasse a saber que a população de Finete não aceitava ser misturada nas calúnias que sabiam constar numa carta entregue em Bambadinca.

Na reunião com os milícias, senti o silêncio de uns e a indignação de outros. O dito Abdu Soncó acusou-me de não dar cimento, armas e munições em quantidades satisfatórias, levar milícias para os trabalhos duros de Missirá e não pagar a tempo e horas. Recordo que Bacari Soncó pediu para falar, lembrando o que era Finete ainda há escassos meses e desmontou a argumentação do seu camarada. Não discursei mas avisei-os que ia transmitir ao Comando em Bambadinca o teor das duas reuniões havidas. Tudo se esclareceu rapidamente, pedi para não haver sanções sobre Abdu e a ala discordante mas nunca apurei o que motivara esta aparatosa e descocada conjura.

Fodé remexe-se na cadeira e deu-me a interpretação dos factos. Quem estaria por detrás da movimentação era o próprio Bazilo e um Sargento, Abás Jamanca. Por outras palavras, Bazilo e Abás temiam que Fodé e Bacari fossem escolhidos para comandar as milícias e eles afastados.

Eu criticava asperamente Bazilo por nunca sair do aquartelamento, isto quando Fodé e Bacari estarem permanentemente a meu lado nos patrulhamentos ou por sua iniciativa a patrulharem sobretudo na extensa bolanha entre Boa Esperança e Gã Gémeos. Aquela carta de Abdu fora uma tentativa desastrada de me procurarem afastar para manter o statu quo. Eu ia tomando nota destes apontamentos e perguntando a mim próprio se afinal não somos iguais no amor e no ódio, em qualquer atmosfera de guerra ou paz. Felizmente que um mês após a trágico-cómica conjura já ninguém se recordava desta lamentável história.


As vacas de Mero e o bombolom dos balantas

Falámos depois das vacas de Mero:
- Fodé, era impossível que os balantas de Mero não fossem todos coniventes com as gentes de Madina. Eu só me interrogo é como eles acordavam os dias e as horas e os itinerários dos encontros já que corriam riscos mortais. O que é que tu pensas?

Aqui Fodé encolheu os ombros como se aquela fatalidade viesse do fim dos tempos:
- Ouve, tu sabes como é que os balantas comunicam entre si? É através do bombolom, um tronco oco por onde envia mensagens. Antigamente era através dos cornos de vaca, mas depois o bombolom era o telemóvel deles. Estou seguro que os ouvíamos mandar mensagens para os grupos que vinham de Madina ao princípio da madrugada. Só os balantas é que conhecem aquela linguagem. Parece um batuque mas aquilo são tudo sinais. Eles tocavam e as gentes de Madina ficavam a saber que não havia perigo, podiam atravessar o rio Geba e regressar ao mato com vacas, mais gente para a tropa, tabaco, o que precisassem.

Então lembrei-me que uma noite estávamos emboscados junto de Gambicilai e avistámos movimento na bolanha em frente a Mero. Cautelosamente, emboscámos junto ao rio, esperámos que atravessassem com a sua carga. Vimos chegar vultos esfumados e vimos os contornos dos animais. Mas o azar nesse dia estava no nosso lado. Nhaga Macque, um fula possante, deu um espirro monumental no meio da noite, o grupo de Mero dispersou rapidamente e a única compensação que tivemos foi apanhar uma vaca que tinha atravessado o rio. Vezes sem conta pedi em Bambadinca que se fizesse o recenseamento da população, perdi sempre. Nessa altura as atenções estavam centradas nos Nhabijões e noutras tabancas em autodefesa.

Recordo que por essa altura também o Pimbas me tinha pedido a síntese sobre a situação político-militar no Cuor. Formei um grupo de reflexão de que faziam parte o régulo Malã, o Casanova, o Comandante das milícias de Missirá, Albino Amadu Baldé, Bacari Soncó e Fodé Dahaba. Nesse pequeno documento que entreguei ao Pimbas chamava a atenção para os seguintes pontos:

(i) o Cuor devia ser encarado militarmente na dimensão Enxalé-Missirá-Geba, independentemente de nos competir assegurar a manutenção da via marítima do Geba;

(ii) era totalmente impossível aumentar a capacidade ofensiva com tão reduzido contigente, com armamento inapropriado e nas condições logísticas mais deprimentes;

(iii) os rebeldes no Mansomine e no Oio precisavam de ser confrontados por uma conexão de esforços militares que permitissem a nossa presença mais assídua no Joladu e Mansomine, e Missirá nada mais podia fazer que receber as suas eventuais flagelações;

(iv) ou se criavam condições para pôr mais populações em autodefesa ou era inteiramente impossível melhorar a nossa inserção no território.

Entreguei o curto documento, o Pimbas achou interessante mas não houve qualquer seguimento. Eu estava cada vez mais convencido que o PAIGC pretendia obter a neutralização das nossas tropas, já que não havia população a conquistar e o seu esforço de guerra não encarava como prioritário querer aniquilar a nossa presença do rio Geba, algo que eles sabiam ser impossível, pois esta era a única porta aberta para o Leste. O ideal era alguém em Missirá que não fizesse ondas .


Missirá armadilhada pelo Alferes Reis

O Alferes Reis, o mais truculento sapador da Guiné, veio passar 4 dias connosco. Zaragateámos um pouco por causa da quantidade de trotil que ele pretendia enterrar em todos os atalhos que circundam Missirá. O Reis começa-se a afeiçoar à região e quando eu for operado em Março, será ele que apanhará o vendaval de fogo . Mas hoje ajudou-nos imenso a colocar correctamente as fieiras de arame farpado e deixei-o com carta branca para armadilhar junto da fonte de Cancumba, que é um local que tenta os rebeldes.

Fora de tempo e horas chega o pedido de comandante de Bula para eu não visitar os meus antigos soldados da CCAÇ 2402 (5), pois "havia o risco de os desmoralizar". Trata-se de uma história sórdida que não vale a pena aqui desenvolver . Também por esta altura parti uma dentadura postiça que seguiu para reparação num protésico em Lisboa (não havia quem fizesse ou reparasse próteses, pelo menos na região de Bafatá).

O Fodé entretanto pede-me para se ir embora, tem que ir à mesquita pois domingo segue para Meca e à saída disse à Margarida:
- A família de alfero e os seus amigos deram-me todo o apoio que me ajudou a suportar o muito sofrimento. E gostei muito do louvor que recebi depois da pancada recebida!

Se tudo correr bem, vamos reunir-nos em breve para falar da operação Anda Cá.

Os mais bravos soldados do mundo

Tenho muito orgulho nos louvores e pedidos de condecoração para os meus soldados. Um oficial é sempre o porta-voz do agradecimento e reconhecimento dos méritos e do bom uso da escala de valores. Louvei o Joaquim da Conceição, o Saiegh, o Domingos Ferreira e o Veloso. Pedi louvores para Adulai Djaló, Cherno Suane, António Teixeira e tantos outros por comportamentos excepcionais em teatro de operações.

Mas recorri igualmente ao louvor para destacar o primor de carácter, a abnegação, ou um só momento de valentia. Fi-lo com o Luís Casanova e outros como o Barbosa (aquele que tinha o fetiche pela sua boina verde) por ser entusiasta na reconstrução do quartel, por gostar de ajudar sem ser visto.

Lembro o Zé Pereira que durante uma flagelação entrou numa morança em chamas para retirar uma criança esquecida na precipitação da fuga. Este mesmo Zé Pereira era valente, bom professor e dava-me muito apoio nas traduções para crioulo. No dia em que li o seu louvor ao pelotão em formatura e onde se dizia que o víamos partir cheios de saudade, o pelotão aplaudiu de pé. Mas lembro, embargado pela emoção o louvor a Quebá Sissé, o Doutor, o mais risonho dos cozinheiros. Fazia reforços e ia a Mato de Cão como toda a gente.

Tive igualmente em conta as referências elogiosas aos meus soldados antes de ter chegado em Agosto. Por exemplo, Sibo Indjai, o mais indómito dos caçadores que nos trazia frequentemente porco e gazela do mato. Em Junho de 68, escrevi-lhe um louvor, porque com desprezo pela sua própria vida lançara-se num ataque a uma casa de mato, pondo em fuga o grupo rebelde. E sempre que me disseram que eu comandava alguns dos mais bravos soldados do mundo nunca protestei porque achasse exagerado, eu sabia que era verdade.

O fim da minha curtíssima carreira... poética

Não vou falar num livro prodigioso que estou a ler O Deus das Moscas, de William Golding, um belo e terrível livro que alguém classificara como o mais notável romance inglês do pós-guerra. Eu hoje quero comunicar que vou pôr termo à minha veia poética, reconhecendo a falência de inspiração.

Devo ao Ruy Cinatti o ter vindo a conhecer René Char, Francis Ponge ou Saint-John Perse. Este último influenciou-me muito, e momentos houve em que julguei que a boa poesia passa por manipular habilidosamente uma trovoada de imagens. Descobri no momento da verdade que a arrumação dos versos que o foguetório pode encher o olho mas não deixa o espírito saciado.

Lembro que uma vez escrevi "esta terra tem um cheiro a morangos podres e a pó de morcego" e depois desatei a rir porque não era mentira para os meus sentidos mas constituía uma afronta para a comunicação. Outra vez escrevi "dor em tabuada, vapor e trovoada" não me soava mal mas não passava de uma bolha de sabão. Momentos houve em que aceitei haver beleza num encadear de palavras, havia até uma toada épica que não me desagradava: "A quem me lembra e esquece, cada letra é uma homem em Missirá, cada letra sobe os ramos numa árvore prometida. Em cada letra sinto o brilho de uma catana que mutila e dela saem os gritos dos meus amigos que partem para sempre. À minha volta, há um arado e há sangue coagulado, há pássaros cegos que esvoaçam encadeados por uma melodia de sal. E Missirá resiste!".

Se vos conto esta intimidade é porque a guerra é também um bom momento para termos respeito pela nossa vocação e sermos sinceros com o que escrevemos. Eu vim a descobrir que escrevo com indizível prazer mas a veia poética é inexistente. E no entanto... momentos há em que me atiro para a frente, colo os versos como se os pregasse em forma de desenho de uma parede e me emociona com o resultado. Será assim quando um dia, em 2006, escrever para os meus camaradas da Guiné A Estrela de Belém a Missirá.

Este mês de Janeiro [ de 1969] reserva-nos as últimas chuvas. A escola funciona bem, as obras dos abrigos prosseguem, chegou mais cimento e chapas de zinco, desmata-se em Canturé, há Mato de Cão todos os dias e, não fosse esta perna que arrasto cada vez com mais dificuldade, eu diria que o Cuor é a minha segunda casa e estes homens com quem vivo dentro e fora do arame farpado os maiores amigos do mundo.

Um dia destes, enquanto desmatamos em frente a Missirá e um Unimog puxa com guincho cibes que cortámos de um palmeiral, vamos ouvir os rotores de dois helicópteros e vou conhecer o Comandante Chefe. Serei admoestado, o que não vai abalar as minhas convicções. Seguir-se-à Chicri e depois Quebá Jilã. A roda da fortuna vai de novo circular descompassadamente. E, pior do que tudo, seguir-se-à a amargura dessa falhada operação Anda Cá.

Há momentos em que me questiono de onde vem esta energia para reconstituir os factos sem gritar cheio de dor, tal a raiva das perdas.
_____________

Notas de L.G.:

(1) Vd. post de 10 de Janeiro de 2007 > Guiné 63/74 - P1418: Operação Macaréu à Vista (Beja Santos) (28): Sol e sangue em Gambiel

(2) Vd. post de 13 de Dezembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1365: Operação Macaréu à Vista (24): Discutindo os destinos do Cuor com o Coronel Hélio Felgas

(3) Vd. post de 22 de Setembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1102: Operação Macaréu à Vista (Beja Santos) (12): Os meus irmãos de Finete

(4) Vd. posts de:

22 Novembro 2006 > Guiné 63/74 - P1304: Operação Macaréu à Vista (Beja Santos) (21): A viagem triunfal do Pimbas a terras do Cuor

31 de Julho de 2006 > Guiné 63/74 - P1008: Operação Macaréu à Vista (Beja Santos) (2): o saudoso Pimbas, 1º comandante do BCAÇ 2852

(5) Vd. post de 15 de Novembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1282: História da CCAÇ 2402 (Raul Albino) (1): duas baixas de vulto, Beja Santos e Medeiros Ferreira

Guiné 63/74 - P1441: Questões politicamente (in)correctas (20): Sempe camaradas, nunca censores (João Tunes)

Comentário do João Tunes ao post do Carlos Vinhal (1):

Ora nem mais, camarada Carlos Vinhal.

Isto é mais simples que fazer a guerra. Estamos no blogue porque gostamos. A maioria de nós não se conhece. Temos em comum termos estado no mesmo sítio, no mesmo problema, uns ao mesmo tempo e outros em tempos diferentes. Fora isto, que é em si mesmo muito pouco para gerar empatia gregária, o que sobra? Pois, completar os ângulos e as vivências que preenchem a memória de uma fase marcante das nossas juventudes.

E como não sofremos de doença de pensamento único ou do reumático das regras de cartilha de espírito de corpo corporativo, seja ele castrense ou paisano, cada qual não abdica de olhar esta experiência colectiva, pelos caminhos da memória interrogada, segundo suas crenças, opiniões e visões. E, com a distância, sendo todos adultos a puxar para os velhotes que vamos sendo, além de democratas por condição, a diversidade dos olhares que existe em cada um só nos ajeita e enfeita os óculos que queremos usar para a realidade partilhada e esfumada no tempo. Sem estes condimentos, o blogue não seria blogue nem tertúlia, seria apenas uma enfadonha sessão de Ordem Unida para general passar revista.

Sei, desde que lá estive, na Guiné, que não estive na mesma guerra que qualquer outro camarada, os do meu tempo e minha companhia, mais os camaradas de tertúlia que estimo sem conhecer. Eu, como qualquer um, sou uma pessoa, único portanto. E na guerra da Guiné estiveram pessoas e não carneiros. E nenhum general consegue clonar os seus soldados. Vivi-a com outros. Apoei e apoiaram-me. Fiz o que pude e soube tentando não sujar a minha consciência de homem que ainda hoje não me pesa. Assisti ao melhor e ao pior nos homens, meus camaradas e meus inimigos, sabendo que a guerra leva os homens aos extremos de si mesmos e nem todas as lideranças são entregues a mentes limpas. Regressei com marcas da minha guerra, as sofridas na carne e espírito da pessoa que fui e sou, a pessoa que teve de se reconstruir para fazer uma vida familiar e profissional, habitando para sempre com a memória da guerra.

Já o disse, mas repito, que não acredito em memória colectiva. Porque não se pode encadear numa mesma percepção aqueles que fizeram a guerra e gostaram de a fazer com aqueles que a rejeitaram como sofrimento violento, inútil e injusto, os que tiveram boa sorte com os que sofreram de má sorte, os sobrevivos e os caídos, os saudáveis e os estropiados, os que tiveram a experência da morte ao lado ou da morte do inimigo com aqueles a quem o destino poupou da prova maior da guerra (a da morte).

Os que ainda recordam Spínola como Nosso General e os que o detestaram e só lhe dão direito ao trato de Caco Baldé. Cada um terá a sua memória que caldeou na pessoa total e única que é. No fundo, aqui, cruzamos memórias e, dessa forma, enriquecemos a memória de cada um. Leio com atenção e respeito a forma como cada um reconstrói a sua memória e a faz interagir com as dos otros camaradas. Pelas minhas posições expressas, saberão como já li tantas e tamanhas posições e depoimentos que se revelam nas antípodas daquilo que, à distância, penso daquela guerra. Algumas dessas, obrigando-me a ranger os dentes no limite da tolerância desportiva. Mas como não sou pastor de almas, consciências ou pensamentos, não há depoimento vosso, por muito antagónico que seja a perspectiva, que não me enriqueça e emocione na forma como vamos construindo memórias somadas que se vão iluminando.

Mas não perderia nem mais um minuto com o blogue se alguém, aqui, me impusesse (tentasse) uma forma única de olhar a guerra ou a pretensão de formatar-me o pensamento ou limitá-lo no seu direito de expressão. Ou invocasse qualquer princípio castrense ou patriótico ou regra grupal para tentar obrigar-me a gostar do que não gostei e a não usar o direito de o proclamar como entender. Até porque se fui guerreiro, não sou santo e, por isso, só respeito quem me respeita. Democraticamente, é assim. Tanto mais que neste blogue não há postos, nem comendas ao peito, nem feitos para a caderneta, ser-se camarada é que é o posto. O único.

Tiro o chapéu ao camarada Carlos Vinhal pela forma sensata como sintetizou o que pensa e apelou à tolerância plural. Assino por baixo a sua ordem de serviço. Cá continuaremos, sempre camaradas e nunca censores. E reitero o apreço e enorme gratidão pelo trabalho árduo e paciente do Comandante que mais estimei entre os que me calharam em sorte (falo, é claro, do nosso camarada Luís, arvorado em Blogo-Marechal). Se o batalhão do blogue assim o entender, este blogue vai continuar a enriquecer-se, enriquecendo-nos, sem parar. Transformando-se, talvez, na única guerra em que, todos nós, não desejamos tréguas nem cessar fogo. Estes são os meus sinceros votos.

Abraços de respeito e consideração para todos os estimados camaradas.

João Tunes
Ex- Alf Mil Trms,
CCS/ BCAÇ 2884
(Pelundo, 1969/7o; CCS/ B..., Catió, 1970/71)
Blogue: Água Lisa (6)
__________

Nota de L.G.:

(1) Vd. post de 17 de Janeiro de 2007 > Guiné 63/74 - P1438: Questões politicamente (in)correctas (18): A derrota (mais política do que militar) afectou mais a tropa especial (Carlos Vinhal)

quarta-feira, 17 de janeiro de 2007

Guiné 63/74 - P1440: Massacre do Chão Manjaco: o teimoso do Spínola, ameaçado de prisão pelos seus colaboradores mais próximos (A. Marques Lopes)


Guiné-Bissau > Bissau > Restaurante Colete Encarnado > 21 de Abril de 2006 > O coronel A. Marques Lopes, (à direita), jantando com o comandante Lúcio Soares e o comandante Braima Dakar (assinalado com um círculo a amarelo).

Foto: © Xico Allen (2006). Direitos reservados.



Mensagem do A. Marques Lopes, coronel DFA, na reforma, ex-alferes miliciano na Guiné (1967/68) (CART 1690, Geba, 1967/68; e CCAÇ 3, Barro, 1968)...

Caro Luís

O Afonso F. Sousa fez, de facto, um belo trabalho de pesquisa (1).

Só quero acrescentar que o que demoveu Spínola a ir àquele fatídico encontro, foi uma reunião antecipada que teve com alguns oficiais mais próximos que o tentaram demover e, face à sua teimosia, ameaçaram prendê-lo e não o deixar sair.

Quando estive em Bissau em Abril passado, estive com o comandante Lúcio Soares, como sabem, o qual esteve acompanhado pelo comandante Braima Dakar, que era comandante naquela zona na altura da morte dos três majores. Disse-me que tinha muito para contar, mas que não queria dizer nada (2).

Talvez, se o Leopoldo Amado se puser em campo, o consiga fazer falar.

Abraço
A. Marques Lopes

___________

Notas de L.G.:

(1) Vd. post de 17 de Janeiro de 2007 > Guiné 63/74 - P1436: Dossiê O Massacre do Chão Manjaco (Afonso M.F.Sousa) (1): Perguntas e respostas (I parte)

(2) Vd. post de 17 de Janeiro de 2007 > Guiné 63/74 - P1436: Dossiê O Massacre do Chão Manjaco (Afonso M.F.Sousa) (1): Perguntas e respostas (I parte)

16 de Maio de 2006 > Guiné 63/74 - DCCLXI: Do Porto a Bissau (16): Encontro com o IN (A. Marques Lopes)

(...) "O Braima Dakar, nome de guerra de Braima Camará, numa das fotografias, é outro comandante que esteve ligado à morte dos três majores em chão manjaco. Disse-me que se disseram muitas coisas sobre isso que não são verdade, que não queria falar, e não me contou nada" (...)

15 de Novembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1279: Encontro com o IN: artigo sobre a viagem Porto-Bissau, publicado no boletim da A25A (A. Marques Lopes)

Guiné 63/74 - P1439: Questões politicamente (in)correctas (19): Os rambos só existem no cinema (Vitor Junqueira)

Mensagem do Vitor Junqueira. Subtítulos da responsabilidade do editor do blogue.


Caro Luís Graça e restantes camaradas ex-combatentes, tertulianos e não tertulianos, e em particular meu prezado amigo Amilcar Mendes (1), que não conheço pessoalmente e a quem me dirijo de forma especial, tratando-o por tu de acordo com as regras!

Através do Blogue e de alguns e-mail (poucos), chegaram-me judiciosos comentários sobre uma apreciação que fiz relativamente a um post do Pedro Lauret sob o lema "Na guerra não vale tudo, também há regras".

E a primeira questão que me ocorre é esta: Haverá por aí alguém que discorde da afirmação de princípios contida naquele título? Se essa pessoa existe, por favor ponha o dedo no ar porque eu preciso conhecê-la.

De contrário, posso presumir que estamos todos de acordo, e nessa altura ... vamos a banhos, que o mar está de senhoras, como dizem uns pescadores meus amigos da zona de Peniche.

Então camaradas, serenidade! Olhem que a maioria já deu perto de sessenta voltas ao Sol e os coraçõezitos, presos por arames, não estão para caturrices. E eu não quero ser o gato fechado no quarto, em que todos querem dar porrada. Conhecem esta? Não? Então experimentem e vejam como é que o filha-da-puta do gato se arreganha todo.

Bem, sempre terei que acrescentar algo mais para que isto não pareça um laudatório à madre Teresa de Calcutá.


Operações militares e barbárie

E aqui, ocorre-me uma segunda questão: Admitindo por absurdo que na guerra não há regras, porque é que a comunidade internacional se vinculou maioritária e voluntariamente a instituições como o Tribunal Penal Internacional? E porque é que pedimos a intervenção das Ligas de Defesa dos Direitos Humanos quando há suspeita de que num determinado conflito, esses direitos estão a ser desrespeitados?

E porque é que exigimos o acesso livre e incondicional da Cruz Vermelha Internacional aos teatros de operações, aos feridos e prisioneiros? Em última análise, como é que distinguiríamos os bandidos dos vilãos, os combatentes dos terroristas?

Meu caro Amílcar Mendes, tenho a certeza que concordas comigo. Tem de haver alguma forma de distinção entre operação militar e barbárie. E essa distinção, só pode ser feita através de REGRAS que devem ser gerais e universais, sagradas atrevo-me a acrescentar. Se quisermos ser Humanidade. E como acontece com qualquer regra, a sua violação implica necessariamente uma sanção, ou não é assim? Pronunciem-se os tertulianos juristas p. f.

Embora se trate de um assunto muito polémico, devo dizer-te e reafirmar perante a tertúlia, que, para este tipo de violações, admito a discussão da reintrodução da pena de morte. Os americanos, a quem neste campo não tiro o chapéu, têm neste momento vinte e quatro militares a aguardar sentença, que deverá oscilar entre a injecção reforçada de pentotal, na veia, e a prisão pepétua, por diabruras praticadas no Iraque.


A guerra como dever

Agora Amilcar, vou-te dizer uma coisa. Entre nós existem realmente diferenças, que nos tornaram combatentes diferentes embora a guerra fosse a mesma. E a principal diferença parece-me ser esta: Em primeiro lugar, eu fiz a guerra impelido por motivações políticas, hoje discutíveis. E em segundo, porque gostava e ainda hoje gosto da Guerra!

Para mim, Guerra, não é apenas aquela palavra a que os simplórios atribuem o significado de pegar em armas para matar gente. Ela representa, no meu entender, o direito supremo que uma sociedade organizada possui, de pegar em armas, matar e morrer se necessário, para defender valores que estão para além dos interesses individuais, como a segurança colectiva, a liberdade e a dignidade entre outros. Como tal, participar na guerra é também o supremo dos deveres. Acho eu.

A guerra e os psicopatas
Neste contexto, permite-me a franqueza amigo Amilcar, acho muito estranha a tua afirmação de que tiveste que matar para não morrer. É demasiado redutora, para mais vinda da boca de um comando. Então, mataste porque tiveste medo de morrer? Repara bem, medo, todos tivemos! Mas eu eliminei soldados do PAIGC deliberadamente, porque quis, porque eles eram um obstáculo às missões de que fui incumbido e não apenas porque tivesse medo de morrer. Topas a diferença?

Querido amigo Amilcar Mendes, todos sabemos que em matéria de santos e conforme aludiste no teu post, a coisa é mais ou menos como aquela questão das bruxas. Uns afirmam que as há, eu acho que não! Nem santos, nem meninos de coro nem coitadinhos, como bem referiste.

Aquilo de que tenho a certeza, é que sempre existiram psicopatas. Na sociedade em geral, nas antigas fileiras do PAIGC, como nas das nossas FA's. E esta gentinha, sentindo que por ter uma arma na mão, tinha poder de vida ou de morte sobre população desarmada, particularmente mulheres e crianças, prisioneiros, elementos do IN feridos ou desarmados não constituindo por isso qualquer perigo, fez merda. Da grossa. Não há desculpas que possam justificar estes comportamentos. Nem pode haver indulto. Para eles, manicómio ou tribunal.
Estes bandalhos envergonharam-me e eu isso não perdoo.


De Uzi na mão, um par de colhões e a cabeça no sítio


Estimado ex-camarada; interrogavas-te no teu post se o "Vitor Junqueira quando saía para o mato levava a arma numa mão e a Bíblia na outra". Estás quase lá! Na mão levava a arma, de facto, uma Uzi reluzente de que igual só havia outra na Guiné. Um dia destes vou contar-te a história dessa arma. Mas em vez da Bíblia, levava um par de colhões e o cérebro com que a mãe natureza me dotou.

A propósito de Bíblia, não sei se é lá que vem aquela máxima "não faças aos outros aquilo que não queres que te façam a ti". Pois houve alguém que a transformou num regra de ouro com esta redacção " faz aos outros aquilo que gostarias que te fizessem ". Pois acredites ou não, eu consegui convencer o meu pessoal que este preceito era para cumprir à risca.

Olha meu, só te posso dizer que deu um resultadão! Enfrentava-se o perigo com outra alma, não se perderam noites de sono e fazer prisioneiros significava farra, em que eles também participavam. Aos cépticos, posso fornecer prova testemunhal.

Turras... ou antigos adversários, muito simplesmente

E agora, quase no fim e mais uma vez, a questão dos turras. Eu continuo a achar que eram soldados combatentes, ao serviço da sua Pátria que por sinal e naquele tempo era também a minha. Por isso, são-lhes devidos respeito e consideração, tal como exigimos para nós, por parte dos nossos concidadãos e esperamos da parte deles, nossos antigos adversários. Tendo em conta que alguns até se tornaram altos dignitários dessas novas pátrias, como chefes de estado e de governo com quem negociámos, rebaixá-los é o mesmo que rebaixar-nos a nós próprios. Ou estarei enganado?

Aqui como na diplomacia, tem que funcionar o princípio da reciprocidade, sem tergiversões. Já agora ó Amilcar e restante malta, se vos fosse dada a oportunidade, teriam tomates para um dia destes quando o General Nino Vieira vier a Portugal em visita oficial, lhe chamarem turra? Não? Porque é um turra General e Chefe de Estado? Então turras são só os soldados pé-descalço que ele comandou e que ficaram lá longe, a mais de quatro mil km de distância? A quem puder esclarecer-me, ficarei eternamente grato.

No seu post, o Amilcar diz que a História Política não é para ele, mas sim para letrados e iluminados. Mas a dada altura, não resiste à tentação de se intrometer um bocadinho em questões da política interna da Guiné. Diz ele: "Olhem o que está a acontecer na Guiné com a herança do PAIGC".

É claro para mim, que o direito de opinião não pode ser restrito e o Amilcar tem direito à sua. Porém, na qualidade de ex-combatente naquele território, eu pessoalmente acho que não devo pronunciar-me publicamente sobre assuntos internos do país. Por decoro e por prudência!


Wiriamu, meu amigo...

Amílcar, Wiriamu, "quem sabe o que se passou (lá)", perguntas tu. E eu, o que te posso dizer? Vai à Net. Lá encontrarás um número infindável de documentos elaborados por entidades nacionais e internacionais insuspeitas, que te fazem o filme todo daquele tristíssimo e vergonhoso acontecimento. E se quiseres falar com o autor da tragédia, também não será difícil. Bastará dirigires-te ao canal de televisão que há uns meses emitiu uma reportagem sobre o assunto e, estou convicto, que vos porão em contacto.

De homem para homem, não há força de boi

Relativamente a um e-mail que recebi, em que se fala mais uma vez de tropas de elite ou simplesmente especiais, dessas "autênticas máquinas treinadas para matar" em contraposição com a tropa macaca, arre-macho como prefiro chamar-lhes, ouçam o que tenho para vos dizer, se quiserem!

Dizia o meu velho pai, ex-polícia falecido em 2001, que "dois a um, enfiam-lhe uma agulha no cú". Também me ensinou que "de homem a homem, não há força de boi".

Os rambos do cinema americano

O pessoal anda a ver muitos filmes americanos, em que só o que mata que se farta é que tem valor como o dum-dum. Os rambos, criação estadunidense, só existem na tela, ou no dvd. Admito que por contágio deram origem às mais incríveis e ridículas "forças especiais" que por esse mundo proliferam.

Especializadas em quase tudo desde resgates disto e daquilo até intervenções para retirar gatos dos telhados. A juventude, empanturrada anteriormente com os filmes, agora com os jogos de guerra das play stations e quejandas, sente-se atraída e cai no logro. Através de programas de recrutamento astuciosamente elaborados e publicitados, eis que a armadilha se fecha. E ei-los aos milhares, enfiados dentro de body-bags. Será preciso falar deles? Sim, desses que vocês sabem? Que com a tal preparação do outro mundo e uma parafernália inimaginável já têm garantida e averbada, uma estrondosa derrota.

Vencidos por quem? Por gente simples, comum, com a alma a sangrar, um ódio desmedido e um desejo de vingança sem limites. Quanto a armamento, dispõem da astúcia, da velhinha ak 47, de umas engenhocas mais ou menos artesanais e de uns trícles do tamanho de umas meloas! Estes sim, são os rambos que sempre ganharam as guerras.

A todos envolvo num abraço fraterno desejando-vos a continuação de uma boa noite. Espero que tenham a pachorra de me ler dentro de dias, se o Luís quiser, pois espero postar sobre um tema bem mais a meu gosto: putas!!

__________

Nota de L.G.:

(1) Vd. post de 16 de Janeiro de 2007 > Guiné 63/74 - P1435: Questões politicamente (in)correctas (17): Matei para não ser morto (A. Mendes, 38ª CCmds)

Guiné 63/74 - P1438: Questões politicamente (in)correctas (18): A derrota (mais política do que militar) afectou mais a tropa especial (Carlos Vinhal)


Guiné > Bissau > Voz da Guiné > Separata do nº 203, de 30 de Junho de 1973, dedicada ao Dia dos Comandos. Na quarta página vêem-se quatro fotos, da autoria do fotógrafo Álvaro Geraldo. Legenda:

(i) em cima , à esquerda: "O Alferes Marcelino da Mata, ostentando as suas numerosas condecorações, foi o digno Porta-Bandeira";

(ii) em cima, à direita: "O Alferes Carolino Barbosa, lendo o Código Comdanso" (diz-me o ranger Eduardo Ribeiro, que este alferes comando foi barbaramente assassinado em 1974 pelas tropas do PAIGC);

(iii) em baixo, à esquerda:"Os últimos minutos de Comando da Unidade [para o Major João de Almeida Bruno]";

(iv) em baixo, à direita: "Os primeiros minutos de Comando da Unidade [para o major Raul Miguel Socorro Folques]".


Foto: Eduardo Ribeiro (2006). Direitos reservados.


Mensagem do Carlos Vinhal:

Camaradas:
Este assunto (1) dá pano para mangas. Muita coisa se poderá dizer e muito nos vamos repetir.

Já em tempos opinei sobre as diferenças entre as diversas forças militares actuantes e o modo de enfrentar e ver a guerra por quem lutou na nossa Guerra Colonial.

Conheci de perto uma companhia de comandos e pude verificar a diferença abismal que havia na sua preparação e comportamento militares. À partida eram seleccionadas entre voluntários, com características físicas e mentais especialmente dotadas para a luta. O seu treino era especialmente ministrado com exigência física e mental próximo dos limites humanos. Ganhavam uma mentalização e preparação militar que faziam deles tipos quase invencíveis, indestrutíveis e, porque não, quase uma máquina de matar, mesmo que fosse para não morrer, como muito bem diz o nosso camarada Mendes.

A matéria prima era muito fácil de moldar, jovens com 20 anos plenos de força e coragem a quem só faltava dar o incentivo e a arma. Iriam fazer as coisas mais complicadas em termos militares pois tinham sido treinados para não falhar. E quando falhavam? Não sei se há estatísticas quanto às sequelas psicológicas por tipo de Força.

Por outro lado, havia a tropa vulgar com uma impreparação tal que mais não era que carne para canhão. Por exemplo, os militares da minha Companhia fizeram toda a recruta e especialidade com arma Mauser e só tocou numa arma automática (G3) no IAO feito na Madeira.

Preparação diferente, logo visão e disposição diferentes. Tenho a impressão que a derrota (mais política que militar) que sofremos na Guerra, afectou mais a tropa especial que propriamente a dita tropa macaca.

Já confessei que fui para a guerra com o fim de voltar vivo e tentar não matar ninguém. Não fui para lá para acabar com o conflito, já que não fui culpado do seu início. Era inevitável cumprir as ordens operacionais que me eram impostas, mas isso fazia parte da minha condição militar que nunca rejeitei.

Sempre me achei um estrangeiro na Guiné e um ocupante. Nunca compreendi a nossa ocupação com a espada na mão direita e a cruz na mão esquerda. Foi este o nosso início em África. Invasores, julgando-nos superiores só por professarmos a Religião Cristã, impondo esta como salvação eterna. Impusemo-nos, não fomos aceites nem compreendidos. Mais tarde ou mais cedo havia de chegar a hora da desocupação e calhou à nossa geração o trabalho inglório de contrariar o inevitável.

Quem matou, devia tê-lo feito só para se defender. Quem massacrou ou atentou contra a dignidade do Inimigo, mesmo depois de morto, não foi digno da farda que envergou, fosse a de Portugal ou a do PAIGC.

Também já disse que os dois contendores têm coisas de que se devem envergonhar. Em ambos os lados houve erros, matando-se indiscriminadamente e massacrando-se sem motivo.

Na Guerra não vale tudo, mas a realidade, mesmo nos dias hoje, se encarrega de contrariar esta máxima.

Por muitas teorias que possamos desenvolver, temos de nos convencer de que:

(i) falamos do passado;

(ii) já temos mais uns anitos;

(iii) devemos expor as nossas opiniões sem ofender os camaradas que por terem outras ideias ou terem tido outras vivências, têm opiniões diferentes da nossa;

e, muito, mas muito importante, (iv) não deixemos o nosso Comandante Luís na difícil situação de ter de apagar fogos ou ter de filtrar os nossos escritos.

Paz e saúde para todos

Um abraço do camarada
Carlos Vinhal
Ex-Fur Mil Art MA
CART 2732
Mansabá 1970/72
Leça da Palmeira
__________

Notas de L.G.:

(1) Vd. post de 16 de Janeiro de 2007 > Guiné 63/74 - P1435: Questões politicamente (in)correctas (17): Matei para não ser morto (A. Mendes, 38ª CCmds)

Guiné 63/74 - P1437: Estórias de Madina do Boé (António Pinto) (1): a morte horrível do Gramunha Marques e o ataque a Beli em que fui ferido

Mensagem do António Pinto (1):

Amigo José Martins (2),

Como o tempo, nesta altura, é coisa que me sobra, após a minha reforma,  e sobretudo porque, depois de ter encontrado a Tertúlia, conforme te disse na última mensagem vou tentar resumir mais uma ou duas histórias que ultimamente me tem assumido ao consciente, duma maneira quase actual.

(1) Gramunha Marques, morto em Madina do Boé.

Estava em Beli, já noite, quando através do rádio do Chefe de Posto soube o que aconteceu aos nossos camaradas, que foram vítimas duma emboscada fatal. A minha primeira reacção foi entrar em contacto com Nova Lamego e pedir autorização para ir tentar ajudá-los.

Levei uma nega do Ten Cor Figueiredo Cardoso que me deu ordens terminantes para ficar onde estava, em Beli, com redobrada vigilância. Com os nervos à flor da pele desliguei-lhe a comunicação depois de quase o ter insultado (e que mais tarde pedi desculpa, do acto impensado).

Pedi voluntários para irem comigo, mesmo desobedecendo às ordens e quem conseguiu demover-me, já com a pequena coluna pronta para arrancarmos, foi o Furriel Stichini, que me disse e não posso mais esquecer:
- Nós vamos, mas será o responsável pelas nossas mortes.

Acabei por ficar, destroçado e cheiro de raiva. O Gramunha Marques, soube-o depois, teve uma morte horrível, com uma perna esfacelada, esvaindo-se em sangue e sempre consciente até ao fim.

(2) Ataque a Beli em Maio de 1965

Em 20 de Maio de 1965 fomos atacados em Beli. A noite estava maravilhosa e o silêncio à volta do Destacamento era total, embora existisse perto uma tabanca com muitas dezenas de palhotas.

Era perto da 1 hora da manhã, estávamos cá fora a petiscar qualquer coisa e nessa altura já estávamos, com certeza, a ser alvo dos guerrilheiros que cercaram o destacamento, e que segundo me disseram depois eram mais de 400.

Deitámo-nos e por volta das 2.30h mais ou menos ouviu-se um único tiro, que perfurou a perna de um sentinela, seguindo-se depois um tiroteio, com armas muito mais sofisticadas do que as nossas, mas nessa altura já estávamos todos na vala, que fizemos a toda a volta do destacamento, respondendo como podíamos.

Incendiaram quase toda a tabanca e as morteiradas caíam por todo o lado. Uma delas rebentou com os bidões de combustível que lá tínhamos.... parecia o Incêndio de Roma.

A granada que me feriu caiu muito perto de mim e a minha sorte foi termos feito a vala, como nos ensinaram em Mafra (sinuosa) e a mesma ter rebentado numa das curvas da dita vala.

Segundo me disseram, depois, estive desmaiado cerca de 10 m e parecia um croquete pois estava só em trousses e corpo todo cheio de sangue dos estilhaços, a maior parte pequenas pedras e areias e também pequenas partículas de aço. Os estilhaços que matavam, felizmente, passaram ao lado...

Depois, como sabes, lá amanhecia muito cedo e por volta das 4 horas eles começaram a debandar, pois estavam a cerca de 20 km da fronteira da Guiné ex-francesa.

Ao amanhecer vieram de Nova Lamego e fomos, salvo erro, seis evacuados para Bissau.

Foram momentos um bocado apertados e, embora já tenham passados quarenta e dois anos, muitas vezes ainda sonho com esse dia.

Amigo Martins, desculpa ter escrito tanto.... mas há tanta coisa para contar e eu, embora tentando sintetizar, deixei correr o pensamento. Desculpa.

Vou tentar mandar mais algumas fotos, não de Madina e Beli, pois ainda não as encontrei e numa delas está o grande amigo que lá morreu o Marques, de que te falei no outro dia.

Um feliz Natal e um 2007 melhor que bom.

Um grande abraço
António Pinto

___________

Notas de L.G.:

(1) Vd. posts de:

3 de Janeiro de 2007 > Guiné 63/74 - P1397: Ataque ao destacamento de Beli em Maio de 1965 (António Pinto, BCAÇ 512)

20 de Dezembro de 2006> Guiné 63/74 - P1384: Com o Alferes Comando Saraiva e com o médico e cantor Luiz Goes em Madina do Boé (António de Figueiredo Pinto)

18 de Dezembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1378: António de Figueiredo Pinto, Alf Mil do BCAÇ 506: um veterano de Madina do Boé e de Beli

(2) Vd. posts de:

18 de Novembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1292: Madina do Boé: contributos para a sua história (José Martins) (Parte I)

15 de Dezembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1370: Madina do Boé: contributos para a sua história (José Martins) (Parte II)

21 de Dezembro de 2006> Guiné 63/74 - P1388: Madina do Boé: contributos para a sua história (José Martins) (III parte)

Guiné 63/74 - P1436: Dossiê O Massacre do Chão Manjaco (Afonso M.F.Sousa) (1): Perguntas e respostas


Dossiê O massacre do chão manjaco > Ideia, pesquisa, compilação e edição de Afonso M. F. Sousa , ex-furriel miliciano de transmissões da CART 2412 (Bigene, Binta, Guidage e Barro, 1968/70) (1)


1 - O massacre do chão manjaco (Abril 1970): perguntas e respostas

2 - Major Pereira da Silva: uma memória e uma referência

3 - O enquadramento histórico da Guerra da Guiné, após 1970
Comentário de L.G.:
O Afonso merece um especial tributo por parte da nossa tertúlia. Há largas semanas, mesmo meses, que tem vindo a preparar este dossiê, a fazer investigação por conta própria, a consultar fontes primárias e secundárias. Com a honestidade intelectual, o rigor, a sensibililidade, a persistência e o patriotismo que eu lhe reconheço. Neste espaço de tempo, trocámos alguns mails e pusemos também o Leopoldo Amado ao barulho, entre outros membros e não-membros da nossa tertúlia.
No seu último mail, já deste ano, o Afonso acrescentou mais os seguintes esclarecimentos:

"Já agora aproveito para dizer que uma ou outra resposta (às dúvidas) poderão não ser definitivas. E dou este exemplo: à questão Quem foi o autor material da mutilação dos majores, à catanada?, existem três versões diferentes: Guade Nam Indami (Leopoldo Amado), Júlio Biague (Manuel Catarino) e André Gomes (João Varanda).

"Poderá, eventualmente, uma ou outra questão de somenos importância vir a suscitar outros eventuais depoimentos ou testemunhos que servirão à total clarificação deste que terá sido, provavelmente, o mais brutal e sanguinário comportamento do PAIGC, durante a guerra da Guiné (massacre).

"O trabalho, mesmo singelo, é um contributo para essa clarificação. O objectivo era esse.
E, no essencial, as respostas parecem-me dignas de todo o crédito.

"E já gora referir isto ou esta correlação: Num certo e longínquo dia de Maio de 1970, ao embarcarmos em Bissau, de regresso à Metrópole, deparámos com as quatro unas, lado a lado, no fundo do porão. O onde, quem e porquê não foi revelado, e sabemos a razão. Hoje ainda pesquisamos e procuramos as respostas a algumas dessas interrogações. Quase 37 anos depois ! "
_________

1 - O massacre do chão manjaco (Abril 1970): dúvidas e respostas
por Afonso M.F. Sousa


Tentativa de clarificação do massacre do Pelundo (NW da Guiné)


Hoje ainda se faz a dissecação do massacre do chão manjaco, ocorrido a 20 de Abril de 1970, a NW do Pelundo. As respostas às interrogações que tem suscitado, algumas das quais apresentamos aqui, partem de narrativas exemplares, pessoais e directas, de homens que viveram a violenta e dura guerra da Guiné e foram contemporâneos(*) desta que terá sido a maior barbárie cometida pelos independentistas. As respostas ficam como contributo para a história global de um conflito que envolveu toda a Nação.

(*) Leopoldo Amado (LA), Luís Graça (LG), João Tunes (JT), João Varanda(JV), Júlio Rocha (JR), João Godinho(JG) e eu próprio. Apresentam-se os dois elementos que ainda não são membros da nossa tertúlia:

(i) O Júlio Rocha foi furriel miliciano da CCAÇ 2586, do BCAÇ 2884 (comandado pelo Ten Cor Romão Loureiro). Esteve no Pelundo (até Julho de 1970) e em Teixeira Pinto, no CAOP, onde conheceu então os três majores. Estava de férias quando foram assassinados, em Abril de 1970. Vive hoje na Cova da Piedade, Almada.

(ii) João Godinho (hoje capitão reformado, vivendo em Évora) era na altura o 1º Sargento da CCAÇ 2586.


Dúvidas e respostas


De quantos elementos era composta a nossa delegação para esse encontro ?

Três majores, um alferes e mais dezena e meia de tropas portuguesas (nativos). Outra versão fala em 2 jipes, um com os 4 oficiais (europeus) e o outro com 5 militares (africanos) - um total de nove elementos.


Este encontro era o último. A que se destinava ?

Visava a realização de uma cerimónia solene que consagraria a entrega de armas e munições por parte dos guerrilheiros do PAIGC, na qual até se previam paradas militares dos contingentes guerrilheiros a serem integrados no exército português.
(LA).


Terá havido fugas de informação entre os comandantes guerrilheiros do chão manjaco e apoderadas pela direcção do PAIGC, que justifiquem este repentino recuo e rejeição do pré-acordo de rendição ?

Os autos de interrogatório aos dois guerrilheiros do PAIGC mostram ter havido fugas de informação entre os comandantes e que chegaram à direcção do PAIGC. Esta, apercebendo-se do perigo que representaria uma hipotética rendição das suas forças no Norte (onde o futuro da guerra se jogava, sobretudo a NW, no chão manjaco), decidiu pela medida extrema, decisão essa, irónica e curiosamente, executada por alguns dos comandantes do PAIGC, comprometidos com a rendição e que terão tomado esta rápida mudança de propósitos para obviar a serem punidos com a pena capital, por quebra da cadeia de comando militar, dentro do PAIGC.
(LA)

Carlos Fabião tem uma interpretação muito diferente para esta viragem do PAIGC:

«O PAIGC apercebeu-se de que precisava de tempo para se rearmar, reequipar conseguir arranjar-se no chão manjaco. Então começou a negociar a missão connosco. Penso que, desde o princípio, houve falsidade nos propósitos do PAIGC, porque eles só queriam ganhar tempo. Aquela reunião iria ser a última, em termos operacionais, porque eles já tinham prometido várias vezes a sua rendição e nunca se tinham rendido. Os nossos iam reunir-se com o PAIGC mas esses encontros eram vulgares. O General Spínola tinha estado em alguns.

"O PAIGC ficava sempre em estudar as formas de rendição, mas no momento em que iam fazer a rendição falhava outra vez. Este grupo foi dizer-lhes que era a última conversa que iam ter». Pensa Carlos Fabião que era a última conversa que iam ter os homens do PAIGC. Assassinaram-nos nessa altura.(Não fica, de todo, claro quem é que ia dizer que seria o último encontro. Por ironia do destino, foi mesmo o último).

O historiador guineense Leopoldo Amado tem, quanto a este assunto, opinião diferente da de Carlos Fabião. O PAIGC tinha, no chão manjaco, bases militares em Coboiana-Churo, Burné, Belenguerez, Dal e Ponta Matar, mas quase não tinha acções ofensivas junto do exército português e, em consequência disso, a sua possibilidade de controle de populações estava muito restringida. Segundo ele, o PAIGC não tinha a intenção de ganhar tempo para se rearmar, mas sim para adequar um novo dispositivo táctico-estratégico, na região do chão manjaco, onde evidenciava um certo desfalecimento face à campanha de Spínola Por uma Guiné Melhor.
Guiné > Região do Caheu > Chão Manjaco > Pelundo > 1974 > "Chegada do PAIGC ao quartel do Pelundo para substituir a soberania portuguesa.( Foto que me foi gentilmente enviada por João Lemos, ex-Alferes Miliciano que viveu, naquele quartel, a independência da Guiné-Bissau)" (João Tunes)





Guiné > Região do Cacheu > Chão Manjaco > Pelundo > "Aqui, neste quartel, vivi uma parte da guerra colonial na Guiné. No Pelundo, perto de Teixeira Pinto (hoje, Canchungo).(Foto que me foi gentilmente enviada por João Lemos, ex-Alferes Miliciano que viveu depois, no mesmo quartel, a independência da Guiné-Bissau) " (João Tunes)


Fotos: © João Tunes (2004) (com a devida vénia. vd. Blogue Bota Acima > 30 de Abril de 2004)


O desfecho deste encontro foi uma consequência da existência de contradições no seio do PAIGC ?

É praticamente confirmado que os entendimentos estratégicos entre as cúpulas do PAIGC estavam a atravessar um momento complicado, fruto de rivalidades entre líderes e, principalmente, entre o bureau político e o militar e entre guineenses e caboverdianos. Os encontros com exército português foram estabelecidos por guerrilheiros, ao nível de bigrupo, descrentes num projecto vitorioso, face a essa restrição/descoordenação das cúpulas. Caminhavam para uma dissidência do PAIGC.Tinham já opiniões divergentes. Estavam já próximos ou mesmo consonantes com os argumentos dos negociadores portugueses e acompanhavam a notória evolução sócio-económica que estava a ocorrer no chão manjaco.
Mas o clima de suspeições entre as hostes do PAIGC fez-se sentir. A sua direcção ter-se-á apercebido da traição de alguns dos seus e das consequências terríveis que poderiam advir da concretização deste objectivo. Alguns dos negociadores, apercebendo-se do destino que lhes estaria reservado, a liquidação, pura e simples, e numa estratégia de última hora (sob pressão dos mais próximos ?) terão invertido, de forma radical, o seu propósito e quiseram eles próprios protagonizar o sangrento desenlace da operação, com o objectivo de disfarçarem a sua conivência, perante os superiores do PAIGC.

Terá havido discrepância de informações entre a PIDE em Teixeira Pinto e a PIDE em Bissau, que justifique o desfecho do encontro ?

É provável que em Bissau (no QG e na PIDE) tenha havido uma avaliação mais fria e realista dos riscos do que quem estava no terreno (Teixeira Pinto). Estes, pelo desenrolar dos vários encontros e o clima de confiança reinante, provavelmente já ansiavam por este dia e por uma grande vitória ou viragem no evoluir da guerra. Naquele momento já nenhuma regressão era possível e entende-se bem porquê.
Por isso é que estes valorosos militares têm sido e sempre o serão como autênticos exemplos de amor patriótico. Eles foram para o encontro cientes da necessidade da consumação do processo mas também sabiam os perigos que correriam e a prova disso mesmo é a carta que um dos majores deixou escrita à esposa, na qual confessava o seu receio pelo desfecho da operação. A alguma eventual apreensão, sobrepôs-se a noção do dever de militar, a noção da irreversibilidade do processo e um entusiasmo, a quente, em que a probabilidade de êxito também se terá sobreposto a cenários pessimistas.
Num panorama destes, julgo que os majores foram corajosos e temerários, mas não inconscientes nem imprevidentes (o cenário era para aí de 95% de probabilidade de sucesso e o êxito seria grande). Obviamente que o que mais impressiona nisto é a forma bárbara como acabaram com eles mas os factores de efeito psicológico não são as traves mestras da guerrilha e da contra-guerrilha?
(JT)

Os majores trabalhavam em íntima colaboração com o inspector da PIDE em Teixeira Pinto ?

Sim, principalmente com o major Joaquim Pereira da Silva, que tinha um papel primordial na obtenção de informações, na infiltração de informadores, etc.

Spínola tinha informações junto e dentro da direcção do PAIGC ?

Sim, a partir da direcção da PIDE, em Bissau.

Spínola já tinha estado em algum encontro com o PAIGC ?

Sim, no primeiro.(JV).

Onde se realizou esse encontro ?

Junto a Umpacaca.(A cerca de 43,44 Km a NW de Bissau - 12,56 Km a Sul do Pelundo e a 25,96 Km a Sul de Jolmete).

Que outros encontros são conhecidos ?

Pigane, Capunga, Jolmete…

O objectivo do PAIGC seria mesmo tentar a captura de Spínola ?

Segundo um depoimento de Luís Cabral, datado de 13 de Janeiro de 1995 (quando se encontrava exilado em Portugal), não estava nos planos do PAIGC a morte dos interlocutores. A intenção era prender o General Spínola.

A tese de que Spínola teria, 2 dias antes deste acontecimento, vindo a Lisboa para uma reunião com Marcelo Caetano, a pedido deste, não tem fundamento ? Ou, realizou-se ainda a tempo de estar na Guiné no dia do encontro com o PAIGC ?

Várias fontes confirmam que Spínola quis ir, pessoalmente, presidir à rendição e só foi disso dissuadido no último minuto. É sabido que, logo após o incidente, esteve no local e perante aquele cenário, de todo inesperado, foi visto a chorar convulsivamente. À sua frente, estendidos na picada, estavam aqueles militares de elite e seus homens de confiança.

Não teria o mínimo de sentido que Spínola, perante a previsibilidade de sucesso desta acção, de efeitos tão relevantes para o evoluir e o desfecho da guerra, viesse a Lisboa nas vésperas do encontro que marcaria o epílogo das negociações que já decorriam há alguns meses. Esta notícia só teria sentido em jeito de justificação para a sua dissuasão, no último momento.

A selvajaria do comportamento dos guerrilheiros do PAIGC não terá sido acicatado por estes terem verificado que Spínola não estava presente ?

Todos os indicadores parecem apontar para essa probabilidade, visto que Spínola teria deixado entender o seu propósito de estar presente. O objectivo essencial, nas congeminações do PAIGC, era a sua captura, conforme os seus altos dirigentes vieram, anos depois, a confirmar.

Quem convenceu Spínola a não comparecer ao encontro fatídico?

Quase a certeza que foi Silva Cardoso, responsável pelas informações no Quartel-
-General (QG), Bissau.(JT)

Quem foi o autor material das punhaladas que consumaram o massacre ?

De acordo com dois autos de interrogatório a dois guerrilheiros do PAIGC capturados após o acontecimento, ficou a saber-se que um deles (Guade Nam Indami) foi o autor material desses golpes fatais. Este era o mais lendário e temível de entre os comandantes de bigrupo. Representava a maioritária massa combatente balanta, na elite combatente do PAIGC. Perante a PIDE, conseguiu dissimular as suas responsabilidades no PAIGC e iludi-la sobre a sua participação na matança. Ainda nestes dois autos se confirma que um ou outro major, após ter sido metralhado, ainda resistia, quando finalmente foram finados à punhalada. São conhecidos alguns pormenores da chacina, mas porque ferem sensibilidades não se abalança a total descrição.(LA)

Um familiar de um dos massacrados militares refere que um deles foi finado com uma catanada no estômago, outro com decepação da cara (também com catana) e que outro tinha um punhal espetado na zona do coração. (Não foi ainda possível confirmar se este dado é correcto ou está deturpado, mas tudo parece indicar que o acto terá sido inexorável e selvagem).

Notícia publicada no Jornal Tal & Qual, em 3 de Maio de 1996, assinada por Manuel Catarino, refere protagonistas diferentes na consumação desta barbárie:

“Os Majores avançam decididos e chegam ao ponto estabelecido para o encontro. Mal sabiam eles que um grupo de guerrilheiros entrincheirados esperava um sinal do comandante Inácio da Silva para os abater com saraivadas de metralha. Raul Passos Ramos, um combatente de excepção e um dos mais condecorados oficiais portugueses, foi o primeiro a saltar do jipe. O guerrilheiro Júlio Biague vai ao seu encontro, como combinado e, quando está suficientemente perto, dispara com raiva a metralhadora. Magalhães Osório, Pereira da Silva e o alferes Mosca, que o acompanhavam, ainda tentaram fugir. Nem uma arma tinham levado com eles. Foram abatidos e os corpos mutilados à catanada. Spínola estava para ir a este encontro com a guerrilha – mas, na véspera, fora demovido de acompanhar os seus homens”.

Não sei até que ponto este detalhe corresponde, de forma fidedigna, ao desenrolar do acontecimento e se Júlio Biague foi, efectivamente, o autor material da chacina.

Embora tenha derivado de entendimento prévio, porque terão os majores ido sem segurança e desarmados para este encontro ? As nossas tropas poderiam ter feito uma segurança dissimulada e de proximidade !
Aquele era o culminar de vários encontros e negociações anteriores em que tudo tinha corrido às mil maravilhas, havendo conquista total de confiança de parte a parte. E com escolta e armas não havia encontro (das vezes anteriores, também os do PAIGC apareciam desarmados).

O que falhou do lado do exército português ?

Não existe uma explicação profunda. A este propósito, diz Ramalho Eanes: “No vazio dramático criado, importava perceber o que falhara, quais as intenções do PAIGCV, e impedir que as populações da área (manjacos, fulas e mandingas) sucumbissem ao medo e caíssem nos braços do PAIGCV.

"Chegados a Teixeira Pinto, eu, o major Luz de Almeida e o comandante do CAOP, coronel Alcindo, encarregámo-nos desta árdua tarefa. Aumentou-se discretamente a actividade operacional e intensificaram-se as reuniões com os chefes locais, nas quais comparecíamos desarmados e apenas com o intérprete, para mostrar quanta confiança nos mereciam.

Acelerámos, também, as acções do Programa de promoção socioeconómica, em curso, com a introdução de novas espécies de arroz, recuperação de bolanhas e reintrodução da tracção animal. Tudo em coordenada cooperação com técnicos agrícolas africanos, e com o administrador local, homem tão competente, quanto entusiasta e humano. Lembro, com saudade e não sem orgulho, o muito - afinal tão pouco - que em conjunto fizemos”.

Qual o local, exacto ou provável, do massacre ?

De acordo com um testemunho actual do então 1º Sargento da CCAÇ 2586 (Pelundo), João Godinho, responsável pela passagem do relatório da fatídica ocorrência, esta terá ocorrido quase a meia distância entre o Pelundo e Jolmete, na picada, onde a densa vegetação dá lugar a uma clareira de chão aberto.
Analisado o percurso actual, vislumbra-se um espaço descerrado da mata (lado esquerdo da picada, no sentido Pelundo-Jolmete), nas coordenadas de: Lat. N. 12.1641667 e Long. W. 15.912385 (a 7 Km do Pelundo e a 8,65 Km de Jolmete). Estrada plana, à altitude de 28 m. O terreno, de um e do outro lado da picada, inclina ligeiramente para esta. A estrada começa depois a descer (direcção de Jolmete), passando, num espaço de 1000m, de 28 para 8m de altitude. A tabanca mais próxima, Cachabate, fica a cerca de 2,5 Km, a NW do local em referência.

Tudo parece indicar que terá sido este o local do trágico encontro (vd. mapas a seguir):

(pequenos vales fluviais de savana herbácea (bolanhas de Lala), com franjas de palmeiras de óleo (cibes). Nestes locais da picada, o solo ficava, por vezes, ligeiramente submerso, na estação das chuvas) (*).


___________

(*) Lala – Zona em depressão onde os solos são submersos ou com lençol freático muito próximo da superfície, na estação das chuvas. Têm estrato herbáceo de 1 a 2 metros, quase desprovida de árvores com rara excepção na sua extremidade, onde se encontra franja de palmeiras de óleo (cibe). Na Guiné-Bissau predominam as bolanhas de lala e as bolanhas de tarrafe (mangais).


Quem procedeu ao levantamento dos corpos ?

Ter-se-á levantado a dúvida se Ramalho Eanes teria comandado a força que procedeu ao levantamento dos corpos, mas tal não aconteceu, como o próprio confirma num dos seus depoimentos sobre o assunto : “um segundo tempo, vivi-o em Teixeira Pinto, como oficial de informações do CAOP. Para ali fui inopinadamente transferido, por indicação do general Spínola, para substituir um militar excelente e um homem de eleição, o major Passos Ramos, traiçoeira e selvaticamente morto (com outros militares desarmados) no Chão Manjaco, no decurso de negociações com o PAIGCV”.

De acordo com a informação recentemente recolhida junto de João Godinho, então 1º Sargento da CCAÇ 2586 (Pelundo), essa incumbência coube a militares da mesma CCAÇ 2586, sob as ordens do seu comandante, o Capitão Neves.


Como lidou o PAIGC com este delicado dossiê?

Não havendo respostas concretas, o historiador guineense Leopoldo Amado, formula hipóteses explicativas plausíveis para o acontecido :

No quadro geral da guerra colonial/guerra de libertação da Guiné, o chão manjaco e o chão fula eram (e sempre foram), de facto, os calcanhares de Aquiles do PAIGC. Disso tinha ele profunda consciência, na medida em que, sintomaticamente, Amílcar Cabral o assinalou por diversas vezes, inclusivamente, no início da guerra, quando deu a conhecer os seus estudos da estrutura social da sociedade guineense. O exército português conhecia bem essa realidade.

Por esta altura o PAIGC estava a adoptar uma postura de contemporização para melhor adequar o seu dispositivo táctico no terreno, enquanto que não é também de afastar a hipótese de que a PIDE-DGS e o exército português, assim como os respectivos serviços de informações e contra-informação, estariam, de igual modo, em todo o processo de conversações, a contemporizar a melhor oportunidade de conseguir aliciar e desmantelar a estrutura político-militar do PAIGC no chão manjaco. Também o evoluir do projecto governativo Por uma Guiné Melhor aconselhava ao avanço paulatino das negociações.

Contudo, para o PAIGC, o arrastamento, por um período relativamente longo, só foi possível porque a sua direcção delas não tinha conhecimento e, quando o teve, apressou-se a decepar completa e imediatamente o assunto, antes que a situação se tornasse irreversível.


Que vantagens imediatas para o PAIGC, resultaram deste fim inopinado das negociações ?

A direcção do PAIGC, in extremis, conseguiu várias proveitos: recuperar a guerrilha local para a lealdade absoluta ao PAIGC (depois de matarem os majores, foi-se qualquer margem de futura traição); incrementar a combatividade desses guerrilheiros locais (para se limparem da nódoa do jogo de traição em que antes tinham estado metidos); perturbar a relação das FA com as populações pelo incremento da conflitualidade militar na zona. Só não atingiram o maior objectivo: deitar a mão ou matar o próprio Spínola.


Ideia, pesquisa, compilação e edição

Afonso F. Sousa

___________

Notas de L.G.:

(1) Vd. alguns posts do autor:


21 de Setembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1094: O abandono dos Mortos pela Pátria (Afonso Sousa)

4 de Junho de 2006 > Guiné 63/74 - P843: Ouvir as 'costureirinhas' a bordo de uma LDG (Afonso M.F. Sousa)

26 Maio de 2006 > Guiné 63/74 - DCCCIII: Saudações ao Barreto Pires (Afonso M. F. Sousa, CART 2412, 1968/70)

13 Março 2006 > Guiné 63/74 - DCXXV: Barro, CART 2412, 1968/70 (Afonso M.F.Sousa)

31 de Dezembro de 2005 > Guiné 63/74 - CDVII: Em perigos e guerras esforçados... (Afonso M.F. Sousa / A. Marques Lopes)

2 de Julho de 2005 > Guiné 69/71 - XCIII: Barro, trinta anos depois (1968-1998) (Afonso M.F. Sousa)

2 de Julho de 2005 > Guiné 69/71 - XCII: A zona tampão de Barro, Bigene, Binta, Guidage e Farim (Afonso M.F. Sousa)


(2) Sobre este tópico, vd. posts anteriores:

11 de Agosto de 2005 > Guiné 63/74 - CXLIX: Antologia (15): Lembranças do chão manjaco: Do Pelundo ao Canchungo... (João Tunes)

12 de Setembro de 2005 > Guiné 63/74 - CLXXXIV: João Tunes: Do Pelundo e do Canchungo ao Catió...


7 de Dezembro de 2005 > Guiné 63/74 - CCCXLIII: Respeito pelos manjacos, se faz favor! (João Tunes)

27 de Novembro de 2005 > Guiné 63/74 - CCCXVI: BCAÇ 2884 (Pelundo, 1969/71), o primeiro batalhão do João Tunes

26 de Novembro de 2005 > Guiné 63/74 - CCCXIII: A morte de três majores e de um alferes no chão manjaco(João Varanda)