sábado, 28 de setembro de 2019

Guiné 61/74 - P20185: Os nossos seres, saberes e lazeres (357): Montechoro, Albufeira, Lagos, Sagres (2) (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil Inf, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 2 de Maio de 2019:

Queridos amigos,
Percorre-se a artéria comercial de Albufeira e há lembranças de Torremolinos, Marbella, Lloret del Mar, empreendimentos para acolher aos muitos milhares, com muitas comidas e bebidas, areais extensos, passeios marítimos, um constante ruído de fundo.
Lagos é uma surpresa no que tange à preservação do património, sem prejuízo do bulício comercial. E a costa é um esplendor, a caminho de Sagres, onde se inventou que o infante tinha uma escola, perfeita mistificação, mas o que ali se construiu empolga, é como se ali acabasse um imenso passeio no continente europeu, olhando em frente, e pondo os olhos na costa sinuosa que sobe dentro de Portugal assiste-se à espetacular costa vicentina que só se pode captar na sua inteireza em passeio marítimo. Paciência.

Um abraço do
Mário


Montechoro, Albufeira, Lagos, Sagres (2)

Beja Santos

O viandante deambula pelo centro histórico, está bom tempo, pelo que lhe foi dado ver muitos turistas enxameiam as praias da Oura, dos Pescadores, do Peneco, atiram-se à água e por ali vão em grandes braçadas, as crianças gralham em várias línguas, como certificando o que diz o folheto sobre Albufeira:  
“Primeiro, o mar e as praias famosas, as muitas tonalidades das rochas e falésias. Aqui, a vida tem o ritmo das metrópoles turísticas, em que os corpos que se bronzeiam durante o dia se agitam, quando o sol se põe, nos restaurantes, bares e discotecas que iluminam a noite. Alguns quilómetros para o interior e tudo muda. Amendoeiras, figueiras, pinheiros e laranjeiras salpicam de verde a paisagem. O rendilhado das chaminés destaca-se do vermelho ocre dos telhados. Aldeias bucólicas convidam a conhecer um quotidiano feito de natureza e tranquilidade”.
O viandante não se bronzeou, calcorreia o tal cosmos de comes e bebes, não resiste a registar o que por ali vai.



Já foi central elétrica, tem agora umas exposições de nível caseiro. Existem igrejas, bateu-se à porta de um arquivo histórico que tem uma boa exposição sobre a censura na cultura e nas artes, 1936-1974, intitulada “O que ficou por dizer”, não se avistou uma livraria, não se resiste a um comentário de que estas ruas de El Dorado cá no vale fazem suspirar pelo casario branco que se avista lá no topo. Continuemos.




Entrada por saída nestes estabelecimentos que oferecem passeios aos golfinhos, às grutas, aqui se alugam carros, se toma conhecimento do Zoomarine e se podem fazer reservas para ir a Lagos, Loulé, Silves e Monchique, Quarteira, Faro, mas também Lisboa, Gibraltar, Sevilha e algo mais. Registado o espetáculo do consumo, e por pudor escondidas as imagens das toneladas de álcool que se vendem na via pública, parte-se para Lagos, aqui chegaram, ao tempo do Infante D. Henrique os primeiros escravos oriundos da Senegâmbia que Zurara descreve num tom lamentoso que nos faz chorar pelo sofrimento alheio.






Há cuidados na preservação deste belo património, justifica-se, ao tempo do rei D. Sebastião foi capital do Reino do Algarve. É bom estar sempre a aprender, por aqui o viandante já tinha passado mas não houvera oportunidade de conhecer essa joia em talha dourada que é a Igreja de Santo António, deslumbramento sem rival, tem fausto que nos lembra os tempos de D. João V, foi capela militar e continua a sê-lo, recomenda-se a quem visita Lagos que em circunstância alguma deve perder a contemplação de tal esplendor, será ignorância do viandante, não conhece no reino dos Algarves um outro que se lhe equipare.



É cidade amuralhada, tem pormenores fantásticos e acrescentos que dão brado, o grande escultor Cutileiro deixou aqui algumas marcas de água, reconhecíveis e para sempre, e agora parte-se para ver os recortes da costa, toda ela deslumbrante, deixa-se aqui só uma imagem para abrir o apetite, pois a seguir parte-se para Sagres.


Toda esta costa, recortada, escalavrada, de tons uniformes, parece areia compacta que veio do Jurássico, a beijar um mar turquesa, está nos antípodas do que se vem construindo de modo atamancado e rapace para dar prazer a turistas de todos os escalões. E veio à memória mais uma poesia de Nuno Júdice na sua “Geografia do Caos”:

“Na baía terrestre, os prédios formam uma invencível armada
de vidro e cimento. Pousaram aqui; e as suas tripulações escondem-se
em porões com vista para os subúrbios, praticando a imobilidade
do sol posto, virando as cartas, rodando sobre um eixo de portas
giratórias. Não se ouvem os gritos do comandante; nenhum uivo
de farol indica o caminho para fora do porto. Alguém subiu
ao terraço, e os seus olhos embaciam-se, como se uma nostalgia
de convés lhe percorresse a memória. Com a mão, percorre
o círculo em que o mar e a terra se cruzam; mas todos os barcos
estão vazios, como se carregassem sombras. Um ruído de
elevadores sobrepõe-se ao vento, e um ritmo de portas a abrir
pontua o ruído surdo de rádios e televisões, por trás das
portas fechadas, onde ninguém vive.”

(continua)
____________

Notas do editor

Poste anterior de 21 de setembro de 2019 > Guiné 61/74 - P20166: Os nossos seres, saberes e lazeres (355): Montechoro, Albufeira, Lagos, Sagres (1) (Mário Beja Santos)

Último poste da série de 26 de setembro de 2019 > Guiné 61/74 - P20177: Os nossos seres, saberes e lazeres (356): pelas ruas do meu Porto: o edifício da Liga dos Combatentes (Virgílio Teixeira, ex-alf mil SAM, CCS/BCAÇ 1933, Nova Lamego e São Domingos, 1967/69)

Guiné 61/74 - P20184: Fotos à procura de... uma legenda (112) : Messe improvisada numa ponte em 26 de janeiro de 1968... Parte II (Jorge Araújo)


Foto 2A – Guiné,algures, 19 de Dezembro de 1967. [Apontador e municiador do morteiro 81.]

Citação: (1967), "Guerra da Guiné: exército português em operações.", CasaComum.org, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_114445 (2019-9)


Jorge Alves Araújo, ex-fur mil op esp / Ranger, CART 3494 
(Xime-Mansambo, 1972/1974); coeditor do blogue.


FOTO À PROCURA DE… UMA LEGENDA
- "MESSE" IMPROVISADA NUMA PONTE EM 26JAN1968 [?] - PARTE II



1. – INTRODUÇÃO

No passado mês de Fevereiro apresentei ao fórum – no poste P19493 – uma "foto à procura de… uma legenda: "messe" improvisada sob uma ponte, datada de 26 de Janeiro de 1968, conforme se reproduz abaixo. (*)



Citação: (1968), "Exercito português. Guiné. Messe improvisada numa ponte.", CasaComum.org, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_114447 (2019-2-12)

Fonte: Casa Comum, Fundação Mário Soares. Pasta: 06916.004.036. Título: Exército português. Guiné. Messe improvisada numa ponte. Assunto: Exército Português em operações de guerra na Guiné. "Messe" improvisada sob uma ponte. Data: Sexta, 26 de Janeiro de 1968. Fundo: MAS – Arquivo Mário Soares – Fotografias Exposição Permanente. Tipo Documental: Fotografias.


Aí se colocavam duas questões: Serão fuzileiros? E que ponte seria esta?

A participação do auditório foi imediata, tendo-se registado quase três dezenas de comentários (sugestões), onde cada um avançou com uma hipótese, mas sem saber, ao certo, quem estava mais próximo da verdade.  [Autores: Tabanca Grande, Valdemar Queiroz, Virgílio Teixeira, Hélder Sousa, José Câmara, Cherno Baldé, Jorge Araújo]

Hoje, na sequência de novas leituras e pesquisas, localizámos uma outra foto, esta datada de 19 de Dezembro de 1967, onde conseguimos identificar, pelo menos, um militar que se encontra em duas fotos, mas em contextos diferentes.

Eis os dois exemplos:


Foto 1-A – A primeira, datada de 26 de Janeiro de 1968




Foto 2 – A segunda, datada de 19 de Dezembro de 1967, militares operando morteiro 81

Citação: (1967), "Guerra da Guiné: exército português em operações.", CasaComum.org, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_114445 (2019-9)

Fonte: Casa Comum, Fundação Mário Soares. Pasta: 06916.004.034. Título: Guerra da Guiné: exército português em operações. Assunto: Exército português em operações de guerra na Guiné. Especialistas de artilharia operando um morteiro. Data: Terça, 19 de Dezembro de 1967. Fundo: MAS – Arquivo Mário Soares – Fotografias Exposição Permanente. Tipo Documental: Fotografias.

E agora… será mais fácil identificar? (**)

Nesta segunda foto veem-se dois militares, portugueses, num tosco espaldão de morteiro 81, mal identificados, na legenda,  como "especialistas de artilharia". Pode tratar-se de uma cena "para a fotografia", o que era comum no TO da Guiné. De qualquer modo, um  dos militares  faz o papel de "apontador" e outro, o de "municiador", justamente o homem que procuramos identificar... Em segundo plano, vê-se o arame farpado e algumas árvores, de copa baixa. O solo parece ser arenoso. Pormenor interessante:  as duas fotos em questão são provenientes do mesmo arquivo, o arquivo pessoal de Mário Soares (MAS). Não sabemos como foram lá parar.

Aguardo sugestões.

Com um forte abraço de amizade e votos de boa saúde.

Jorge Araújo.

27SET2019
____________

Notas do editor:

(**) Último poste da série > 26 de setembro de 2019 > Guiné 61/74 - P20180: Fotos à procura de... uma legenda (120): Seleção das minhas fotos do Festival Todos 2019... Parte III: enquanto fui ali e já vim... Ou, ainda, cumprindo a obra de misericórdia, "dar de beber a quem tem sede"... (Luís Graça)

sexta-feira, 27 de setembro de 2019

Guiné 61/74 - P20183: Notas de leitura (1221): Missão cumprida… e a que vamos cumprindo, história do BCAV 490 em verso, por Santos Andrade (25) (Mário Beja Santos)



1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil Inf, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 6 de Maio de 2019:

Queridos amigos,
O bardo despede-se do Como, não com uma litania ou uma epifania mas com um epitáfio. São versos de mágoa e quem o acompanha foi acidentalmente levado para uma outra experiência duríssima, não uma batalha mas uma vivência de anos num local inconfundível, Madina do Boé.
É de supor que vários autores tenham descrito esta via-sacra, a que conheço está em duas obras de Gustavo Pimenta que experimentou Madina do Boé em carne viva, estava de férias quando em fevereiro de 1969 ocorreu o brutal desastre da travessia do Ché-Ché. E dá-nos uma dimensão do que era uma coluna entre Canjadude e Ché-Ché, as primícias do Inferno, tudo contado com a serenidade e um saber de experiência feito.
E agora o BCAV 490 vai regressar a Bissau, segue para outras paragens, entre elas Farim, Jumbembem e Cuntima. Temos ainda muito rio para navegar.

Um abraço do
Mário


Missão cumprida… e a que vamos cumprindo (25)

Beja Santos

“Nesta grande operação
muitos rapazes sofreram:
30 feridos gravemente,
dez colegas morreram.

No Como já se sabia
que havia muitos bandoleiros.
Os paraquedistas e fuzileiros
lutavam com valentia.
O Batalhão de Cavalaria,
desempenhava a sua missão,
lutando pela Nação.
Todo o pessoal trabalhou
e muito bandido tombou
nesta grande operação.

A Comando e Serviços passou
todo o tempo livre de perigo.
Não atirámos ao inimigo,
mas foi porque não calhou.
Algumas vezes se esperou,
mas nunca lá apareceram.
Talvez fosse porque temeram
a força que lá havia.
E fazendo reforços, noite e dia,
muitos rapazes sofreram.

Dão muito que falar
estes maus tempos passados,
mas diminuímos os malvados
que a ilha queriam tomar.
Têm que se conformar
que não vencem nossa gente.
Atacaram constantemente,
mas a tudo resistimos,
e no fim da operação vimos
30 feridos gravemente.

Vamos então regressar
para a nossa bela cidade,
onde estamos à vontade
para uns dias descansar.
Pior do que tudo foi o azar,
dos que a mocidade perderam.
Pela Pátria combateram,
dando a sua própria vida,
e abalando desta lida
dez colegas morreram.”

********************

Gustavo Pimenta
O bardo, em jeito de epitáfio, regista o seu olhar quanto aos acontecimentos do Como, eleva o tom para falar da bravura, da coragem, curva-se perante as perdas em combate. É nisto que o acompanhante do bardo se lembra de outras paragens, fora dos azimutes da BCAV 490, lembra-se de um longo penar que deu pelo nome de Béli e Madina do Boé, imagine-se. Guarda memória de dois livros injustamente descurados de Gustavo Pimenta, “sairòmeM Guerra Colonial”, de 1999, e “A sorte de ter medo”, de 2017. Chegou à Guiné em setembro de 1967, em jeito de aperfeiçoamento operacional andou pela Mata do Poindom, acima do Xime, depois Porto Gole, mais tarde viajam para Madina do Boé, irá também falar de Béli. Deixará em ambos os livros impressões daquele horror.
Transcreve-se o que ele vai escrever em “A sorte de ter medo”:

“O percurso até ao rio Corubal, em cuja margem se situa a povoação de Ché-Ché, é perigoso, sobretudo após se passar Canjadude que fica a meio caminho.
É preciso ir ao Ché-Ché verificar as condições de travessia do rio, especialmente as da jangada que permitirá colocar na outra margem a companhia e as viaturas em que se fará transportar com toda a sua bagagem.
O alferes do terceiro grupo de combate vai no DO 27 com o major do batalhão que faz o PCV que controla uma operação do efetivo estacionado em Ché-Ché, e do ar fotografa o local.
No dia seguinte, com o seu grupo de combate, reforçado por outro de nativos, protege uma coluna que vai reabastecer a tropa e as populações de Canjadude e Ché-Ché e onde seguem o major e um furriel de Engenharia que vão observar a jangada.
Saem manhã cedo, até Canjadude as viaturas seguem a boa velocidade, o percurso é considerado seguro.
A partir daí a viagem é a pé, a tropa ladeando a picada em proteção à coluna com uma equipa de nativos à frente a picar o terreno, prevenindo a existência de minas.
Pela mesma hora, outra equipa de picadores sai do Ché-Ché em sentido contrário ao da coluna, devendo encontrar-se a meio do percurso.
Estabelece-se o contato: quatro nativos, com Mauser a tiracolo e uma pica na mão, aguardam a coluna – há mais de duas horas, dizem – sentados na berma à sombra de uma árvore. Escassa e débil força para tão delicada missão. A tropa retoma o seu lugar nas viaturas, a coluna avança com a velocidade possível pela estrada esburacada de terra batida.

Escassos quilómetros percorridos a viatura segue na frente – uma GMC, sem capota para evitar traumatismos ao condutor em caso de rebentar alguma mina e com os guarda-lamas cobertos de sacos de areia para amortecer o impacto – é violentamente sacudida pelo rebentamento de uma anticarro.
O major de Engenharia, que exigia ir ao lado do condutor na viatura da frente para não apanhar a nuvem de pó que a coluna levanta, fica gravemente ferido.
O alferes do terceiro grupo, que ia na caixa da mesma viatura, voa alguns metros juntamente com três soldados que o acompanhavam, um dos quais o enfermeiro.
Parada a coluna, procura-se socorrer o major. O furriel que, a dias do fim da comissão o quis acompanhar, ao precipitar-se para ele pisa uma antipessoal e morre minutos depois.
O enfermeiro fica ferido pelos dois rebentamentos.
Monta-se a segurança em volta do local. Picam-se os arredores à procura de mais minas, rebentam duas, uma delas fere mortalmente um soldado do grupo de nativos.
Tenta-se o contacto rádio com a sede do batalhão para pedir evacuação dos feridos e dos mortos, o ANGRC9 não atinge nenhum recetor, ninguém responde.
De súbito, surgem dois helicópteros, um a seguir ao outro, voando no sentido de Ché-Ché para Nova Lamego. Consegue-se o contacto com um deles e pede-se-lhe apoio para a evacuação. Responde que estão a evacuar feridos graves da tropa de Ché-Ché, que se prossiga até lá e aí se verá o que será possível fazer.

A viatura que despoletou a mina, com a frente desfeita, fica no local. Avança para a frente outra GMC, com capota, sem sacos de areia e apenas com o condutor, os grupos de combate regressam à segurança lateral da coluna, retoma-se a picagem da estrada.
Já com o Ché-Ché à vista, outra mina anticarro que os picadores não detetaram é ativada pela viatura que segue em frente, o condutor sai inexplicavelmente ileso. A iniciar a coluna vai agora um Unimog, que, de tão leve, ficará desfeito se outra rebentar. Atinge-se o aquartelamento já o fim do dia se aproxima. O efetivo local, além de vários feridos, sofreu três mortos nativos na operação que efetuara. Os helis não param de chegar e partir com os feridos, entre os quais o enfermeiro da coluna.
Os mortos ficam, serão levados no dia seguinte, nas viaturas, de regresso a Nova Lamego.”

Dias depois, a companhia ruma a Madina do Boé, faz-se a cambança:
“Os bombardeiros T6 vêm sobrevoar levemente a zona, duas horas depois a primeira viatura desembarca no outro lado.
A transferência de toda a coluna demora o dia inteiro, numa azáfama permanente, cansativa e perigosa: deslocar a jangada agarrando a corda e impulsionando-a é uma manobra que tende a desequilibrá-la dado o enorme peso que suporta com as viaturas carregadas e os homens que nela seguem.
Os jatos Fiat aparecem sobre o local e rapidamente desaparecem.
Monta-se o dispositivo de segurança ao verdadeiro destacamento em que se transforma o local de desembarque onde se vai pernoitar.
Mal o dia nasce, aguarda-se a chegada dos T6, o itinerário até Madina vai ser efetuado picando minuciosamente o terreno e com eles permanentemente, aos círculos, por cima: está-se na zona do Boé onde as colunas só conseguem mover-se com proteção aérea constante.
A coluna avança lentamente, ao ritmo em que se consegue uma picagem conscienciosa, sob um calor asfixiante e com o pessoal estafado.
Pelo caminho, aqui e além na berma da estrada, viaturas destroçadas por minas em operações anteriores adornam a paisagem com um toque inusitado e assustador.
Ao início da tarde atingem o aquartelamento que envolve e protege a isolada povoação local".

Admito que existam outros relatos tão circunstanciados como este, mas Gustavo Pimenta faz parte daquele contingente que em fevereiro de 1969 provará um desastre de imensas proporções na travessia do Ché-Ché, o que ele vai descrevendo nesta sua obra é como que um auto-de-fé, que em ponto algum deste Portugal se invoque ignorância do que ali se passou: que Béli está a cerca de 15 quilómetros da fronteira da República da Guiné e que mais para sudoeste fica Guilege; que Madina se situa para Sul, está num vale, entre pequenas elevações montanhosas, beneficia de uma nascente de água ali a cinquenta metros fora do arame farpado, tem uma população maioritariamente Fula.
Regista os abrigos, as condições do quartel, como se vive, há mesmo para ali uma dobadoira de pormenores:
“Na ponta mais a sul do perímetro há um pequeno edifício, espécie de arrecadação de coisas inúteis, em frente ao qual está o mastro em que, permanentemente, esfarrapada nas extremidades, flutua a bandeira nacional: aqui não há condições para cerimónias de hastear e arriar.
Todos os edifícios evidenciam ter sido duramente atingidos pelo fogo inimigo.
No beiral do edifício do comando um enxame de abelhas montou residência.
Dentro do terreno fortificado, uma vaca, que parece não ser de ninguém, vagueia pachorrentamente”.

Fazem-se patrulhamentos, dentro do aquartelamento os militares mantêm-se junto dos respetivos abrigos, por vezes há tréguas, a seguir vem a tempestade de fogo, os ataques a Béli também são incessantes, o destacamento será abandonado, mais tarde chegará a hora de retirar de Marina do Boé, no início do ano de 1969. O desastre na travessia do Ché-Ché é do conhecimento de todos.

(continua)
____________

Notas do editor

Poste anterior de 20 de setembro de 2019 > Guiné 61/74 - P20161: Notas de leitura (1219): Missão cumprida… e a que vamos cumprindo, história do BCAV 490 em verso, por Santos Andrade (24) (Mário Beja Santos)

Último poste da série de 23 de setembro de 2019 > Guiné 61/74 - P20170: Notas de leitura (1220): “Antologia de textos lusófonos sobre o Senegal”, seleção de textos de António Montenegro, José Horta e Mallé Kassé, sem indicação de editor; Dakar, 2015 (Mário Beja Santos)

Guiné 61/74 - P20182: Dignidade e Ignomínia (Episódios do Meu Serviço Militar) (Fernando de Sousa Ribeiro, CCAÇ 3535, Angola, 1972/74) - Parte V: O que nos fizeram foi criminoso (pp. 43-48)


"De tudo quanto vejo me acrescento", Fernando de Sousa Ribeiro dixit, 
citando a grande poetisa do Porto (e de Portugal) Sophia de Mello Breyner Andresen, 
cujo centenário se celebra este ano.


Foto (e legenda) : © Fernando de Sousa Ribeiro (2019). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]



Fernando de Sousa Ribeiro:

(i) ex-alf mil at inf, CCAÇ 3535 / BCAÇ 3880 ( Zemba e Ponte do Zádi, Angola, 1972/74);

(ii) é membro da Tabanca Grande desde 11 de novembro de 2018, com o nº 780;

(iii) licenciado em Engenharia Electrotécnica pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto;

(iv) está reformado;
(v) vive no Porto, mas também tem boas recordações de Lisboa onde viveu e trabalhou;

(vi) tem página no Facebook;

(vii) a CCAÇ 3535 foi mobilizada pelo RI 16, partiu para Angola em 13/6/1972 e regressou em 28/8/1974; esteve em Zemba, P. R. Zádi. Comandantes: cap mil inf José Manuel de Morais Lamas Mendonça e Silva, e cap mil inf José António Pouille Nobre Antunes.

(viii) pertencia ao BCAÇ 3880, sediado em Zemba e Maquela e comandado pelo ten cor inf Armando Duarte de Azevedo;  as outras duas subunidades eram a CCAÇ 3536 (Cambamba, Fazenda Costa) e a CCAÇ 3537 (Mucondo, Béu);

(ix) o ficheiro, em formato pdf, que estamos a publicar, tem 165 pp, imagens incluídas.


Dignidade e Ignomínia 
(Episódios do Meu Serviço Militar)

por Fernando de Sousa Ribeiro




O QUE NOS FIZERAM FOI CRIMINOSO (pp. 43-48)(*)


Que finalmente seja reconhecido o extraordinário valor dos operacionais do nosso batalhão, cujas vidas estiveram nas mãos de gente, no mínimo, sem escrúpulos... Depois de tudo o que suportou, o Batalhão de Caçadores 3880 mostrou ser o melhor do mundo. Mostrou mesmo.

Em Santa Margarida, onde estivemos durante cerca de dois meses antes de partirmos para Angola, não tivemos Instrução de Aperfeiçoamento Operacional (IAO). Diziam-nos os nossos superiores hierárquicos que só iríamos ter IAO em Angola, quando o batalhão ficasse completo com a integração dos angolanos que iriam constituir o chamado Grupo de Mesclagem. 


Por isso, o que o nosso pessoal teve em Santa Margarida foi uma instrução meio a sério e meio a brincar, apenas para ir mantendo a malta ocupada e minimamente ativa até ao dia da partida para Angola. Enquanto isso, o Batalhão de Caçadores 3885, que também se encontrava em Santa Margarida e estava mobilizado para Moçambique, passou o tempo todo em IAO, numa atividade frenética que contrastava de forma chocante com a semi-indolência do nosso. 

Se eu próprio não tivesse tomado a iniciativa, que foi exclusivamente minha e de mais ninguém, de dar uma instrução intensiva aos meus próprios subordinados em Santa Margarida, ter-me-ia visto em situações muito complicadas em Angola. Ninguém, em todo o comando do nosso batalhão, parecia estar minimamente preocupado com a nossa preparação para a guerra.

Em Angola também acabamos por não ter IAO nenhuma. À nossa chegada disseram-nos que ela iria acontecer no Úcua, que era onde os cursos de Comandos costumavam fazer as semanas de campo, mas isso não aconteceu. Não houve IAO no Úcua, nem houve em lado nenhum. Partimos do Grafanil diretamente para a guerra, sem qualquer IAO que se visse.

Aos nossos magníficos companheiros angolanos ainda fizeram pior do que a nós. Mal aqueles nossos camaradas acabaram a especialidade, em Sá da Bandeira, foram levados diretamente para o Grafanil, para se nos juntarem e irem para a guerra connosco. Em janeiro de 1972, eles tinham começado a recruta; cinco meses depois já estavam na guerra! Tal como aconteceu connosco, também eles não receberam nenhuma instrução que se parecesse com uma IAO. Fomos todos para a guerra com uma preparação de merda, brancos, negros e mestiços. Poucas unidades terão partido para a guerra tão mal preparadas como o nosso batalhão.

Se o que se passou até então foi de uma imperdoável gravidade (e foi), o que dizer do que nos fizeram a seguir? 

O que nos fizeram a seguir foi simplesmente isto: durante os primeiros seis meses de comissão, obrigaram-nos a fazer a guerra completamente sozinhos. Exatamente, sozinhos, como se não houvesse mais tropas ou apoios em todo o território de Angola! Não, não estou a exagerar nem um bocadinho. Desde junho de 1972 até janeiro de 1973, as companhias operacionais do nosso batalhão foram as únicas (!) forças militares que combateram nas zonas de Zemba, Cambamba e Mucondo. 

Repito, para que não restem dúvidas. Ao longo dos nossos primeiros seis meses de comissão, nenhuma outra força atuou na área do nosso batalhão, além das companhias operacionais do próprio batalhão. Não houve qualquer intervenção de Comandos, nem de Paraquedistas, nem de companhias de intervenção, nem de TE, nem de GE, nem de "Flechas", nem de Artilharia, nem de Aviação, nem de nada! Nada de nada!

Estivemos completamente sozinhos (!) frente aos guerrilheiros da FNLA e do MPLA, que eram mais numerosos do que nós e atuavam num terreno que nós não conhecíamos e que era de uma extrema dificuldade. Durante esses primeiros seis meses, só a Força Aérea é que deu sinais de vida, e foi só para evacuar os nossos infelizes companheiros feridos! 

Acho que até hoje ainda ninguém chamou a atenção devida para a gravíssima situação em que nós nos encontramos durante esse tempo e nesse lugar, situação ocorrida precisamente numa ocasião em qua ainda éramos inexperientes e, ainda por cima, estávamos mal e porcamente preparados. Numa altura em que, mais do que nunca, deveríamos ter recebido apoio, não tivemos apoio absolutamente nenhum, fosse de quem fosse, fosse de que forma fosse. O que nos fizeram foi criminoso.

Foi ainda mais criminoso porque foi deliberado. Sim, esta solidão forçada a que estivemos sujeitos durante os primeiros seis meses de comissão foi propositada, por vontade do próprio comandante do nosso batalhão, o então tenente-coronel Azevedo. 


Foi lá mesmo, em Zemba, que eu tive conhecimento desta vontade do comandante. Ouvi-a revelada por um alferes da CCS, já não me lembro de qual. Talvez tenha sido o Sousa. Ou então foi o Rico. Enfim, não importa saber qual foi. O que importa é que o comandante conseguiu convencer o brigadeiro de Santa Eulália a não enviar tropas de intervenção ou quaisquer outras forças para o subsetor de Zemba. E, pelos vistos, o brigadeiro era um banana e satisfez a vontade ao ten cor Azevedo.

Inacreditável! E porque é que o Azevedo não queria que forças estranhas ao batalhão atuassem no subsetor? Porque queria ser ele a ficar com os louros e mais ninguém. Todos os êxitos militares que acontecessem no subsetor seriam da exclusiva responsabilidade do batalhão; logo, dele mesmo, como comandante do batalhão que era. [ O 
comandante do Batalhão de Caçadores 3880 foi promovido a coronel quando ainda só tinha passado um ano de comissão, mas manteve-se no comando do batalhão até ao fim.]

Se o comandante e o segundo comandante do batalhão, tenente-coronel Azevedo e major Lacerda, fossem bons comandantes, teriam pelo menos tentado apoiar-nos e animar-nos. Mas não só não fizeram nada disso, como fizeram precisamente o contrário. O comandante, sobretudo, não fazia outra coisa que não fosse ofender-nos e insultar-nos, chamando-nos coirões, sacanas e, nas nossas costas, outros nomes menos reproduzíveis, aqui, em público. Salvo uma única e solitária vez, nunca ele reconheceu o nosso esforço e o nosso sacrifício. Para ele, fizéssemos o que fizéssemos ou deixássemos de fazer, éramos sempre uns sacanas de uns coirões!

O major não nos insultava, é verdade que não, mas não só nunca manifestou o mais pequeno reconhecimento pelo esforço sobre-humano que estávamos a empreender, como fez ainda pior: não contente com os feridos que a minha companhia tinha sofrido, exigiu que sofresse ainda mais baixas!!! Ainda mais! 

Por mais inacreditável que isto possa parecer, aconteceu mesmo! Juro! Ele não exigiu que causássemos mais baixas ao inimigo, como seria de esperar que um militar fizesse. O homem exigiu que fôssemos nós a sofrê-las!!! Juro que ele o fez! Juro mesmo! 

Custa a acreditar? Eu sei que custa, mas é absolutamente verdadeiro! Ele disse-me pessoalmente, em duas ocasiões distintas, no meio da parada de Zemba, o seguinte, textualmente, tal e qual: «Exijo que vocês sofram mais baixas. Não se ganham guerras sem sofrer mortos e feridos. Por isso exijo que vocês sofram mais baixas». E repetiu, martelando as sílabas: « E... XI... J O !». Tais palavras ficaram gravadas a ferro em brasa na minha memória.Os guerrilheiros que nos combatiam eram chamados terroristas. Com razão ou sem ela, a verdade é que os guerrilheiros lutavam por uma causa e estavam dispostos a matar-nos por ela. O comandante e o major, por outro lado, não lutavam nem defendiam causa nenhuma, mas estavam dispostos a matar-nos para receber louvores, medalhas e promoções. Queriam mostrar ao mundo uma elevada estatística de mortos e de feridos sofridos pelo batalhão, à semelhança de um velho leão que exibe as suas cicatrizes como testemunho de lutas e de vitórias passadas. A diferença em relação ao leão é que, enquanto os leões lutam, o comandante e o major não queriam lutar e não lutaram, nem quando tiveram a obrigação de o fazer.

Queriam que fôssemos NÓS a lutar e a morrer, para que eles pudessem exibir as "cicatrizes" e receber os louros por elas. Os verdadeiros terroristas não estavam na mata; estavam dentro do quartel de Zemba.

Em janeiro de 1973, deu-se uma reviravolta na guerra do nosso batalhão. O brigadeiro de Santa Eulália (um tal Rebelo de Andrade, que veio transferido do setor do Cuanza Norte) resolveu criar um comando operacional só para combater o MPLA.

Foi chamado COP1 (Comando Operacional nº 1) e nele foram integrados o batalhão de Quicabo e as companhias de Santa Eulália e do Mucondo. Ficando com a companhia 3537, do Mucondo, fora da sua alçada operacional, o nosso batalhão passou apenas a poder contar com a 3535 e a 3536. 

Além disso, as regiões da FNLA que tinham sido da responsabilidade da companhia do Mucondo (concretamente as regiões do Catoca e do Mufuque) passaram também para a 3535 e a 3536. Como a partir de então só podia contar com duas companhias, o tenente-coronel não teve outro remédio senão aceitar a intervenção de forças estranhas ao batalhão no subsetor. 

Foi então que vieram os Paraquedistas, vieram os "Flechas", veio a Artilharia, vieram os aviões e vieram os helicópteros. Finalmente! Foi o fim do nosso isolamento operacional. Deixamos de estar sozinhos e submetidos apenas ao terrorismo psicológico do Azevedo e do Lacerda.

As operações a nível de batalhão deviam ser comandadas pelo comandante ou pelo segundo comandante do batalhão, como é evidente. Não era por acaso que elas eram chamadas «a nível de batalhão». No entanto, no Batalhão de Caçadores 3880 tais operações nunca foram comandadas por nenhum dos dois. Nem uma só! O tenente-coronel ou o major atribuíam a responsabilidade pelo comando de uma tal operação a um capitão ou a um alferes (chegaram a atribuí-lo a mim mesmo) e
ficavam refastelados à espera dos resultados, bebendo whisky, o major,  e insultando-nos pelas costas, o tenente-coronel. 

Como é evidente, nenhum capitão nem nenhum alferes, com pouco mais de vinte anos de idade e ainda por cima miliciano, tinha conhecimentos ou preparação suficientes para poder comandar cem e mais homens num teatro de guerra! Comandaram como souberam e puderam, só Deus sabe em que condições. 

Em contraste, as operações a nível de batalhão que eram feitas no subsetor de Quitexe, pelo Batalhão de Caçadores 3879 (vizinho do nosso na geografia e na numeração), eram efetivamente comandadas pelo próprio comandante do batalhão em pessoa, e assim é que devia ser. 

No nosso caso, depois de terminada uma operação a nível de batalhão, o tenente-coronel ou o major exigiam ao alferes ou ao capitão, que a tivesse comandado, que escrevesse um relatório sobre a mesma. Este era um relatório sem qualquer valor, que se destinava apenas a servir de rascunho a um outro relatório, este sim oficial, a ser enviado ao brigadeiro de Santa Eulália e onde era contado um grande filme, no qual o tenente-coronel ou o major é que tinham comandado a operação!

Em ocasiões diferentes, a CCaç 3535 foi comandada pelo capitão Lamas da Silva, pelo alferes Arrifana, por mim e pelo capitão Antunes. As pessoas podem ter gostado ou não do capitão Lamas da Silva. Podem ter gostado ou não do alferes Arrifana. Podem ter gostado ou não do alferes Ribeiro. Mas se houve alguma coisa que o Lamas da Silva, o Arrifana e o Ribeiro fizeram, de meritório, foi defenderem e protegerem os militares da CCaç 3535 dos caprichos do comandante, sempre e em todas as circunstâncias. 

Com efeito, o comandante do batalhão estava decididamente apostado em fazer dos militares da 3535, e só os da 3535 (já se vai ver porquê), uns escravos às suas ordens e para todo o serviço, por mais absurdo que fosse este serviço, e muitas vezes era. 

Como se não bastasse a intensíssima atividade operacional da companhia, que esgotava até extremos inimagináveis os seus elementos, tanto do ponto de vista físico como psicológico, o comandante queria que eles fizessem todo o tipo de tarefas e de trabalhos enquanto estivessem no quartel, por mais penosos e desnecessários que fossem. 

Ao mesmo tempo, os militares da CCS mantinham-se de costas ao alto. Nem saíam para a mata, nem trabalhavam como uns desgraçados no quartel, porque o seu comandante de companhia, capitão Óscar, protegia os seus subordinados e não aceitava que o tenente-coronel interferisse nas competências que ele considerava serem suas. 

O capitão Óscar era um homem carismático, que só com a sua presença infundia respeito. Nem o próprio comandante tinha coragem para se lhe impor. Assim, como não se atrevia a impor-se ao capitão Óscar, insistia em querer impor-se a quem estivesse à frente da C. Caç. 3535.

[Foto à esquerda: Capitão Óscar Augusto de Oliveira, o carismático comandante da Companhia de Comandos e Serviços (CCS) do Batalhão de Caçadores 3880]

O que aqui fica escrito pode parecer de uma violência verbal excessiva. Dir-me-ão que estou a exagerar. Não estou. Juro que não estou. Esta minha violência verbal nada é, comparada com o tratamento que recebemos da parte de quem teve os nossos destinos nas mãos durante o nosso serviço militar obrigatório.

Ora vamos lá ver se nos entendemos. Quem tivesse enveredado por uma carreira de oficial das Forças Armadas, então seguiu uma carreira para a qual a vida humana pouco ou nada valia. Isto dito assim parece uma ofensa gratuita dirigida aos oficiais do quadro permanente, mas não é. É a verdade, tirando algumas exceções (algumas delas insuspeitas), que eram muito honrosas, sem dúvida nenhuma, e às quais presto a minha homenagem mais sincera, mas eram exceções. 

De resto, sempre que acontecia algum incidente do qual resultassem baixas, por exemplo, a primeira pergunta que os oficiais do quadro permanente faziam era: «Quantos mortos? Quantos feridos?» Números. 

«Exijo que vocês sofram mais baixas», dizia-me o major Lacerda com toda a brutalidade. Números. «Quantos hectares de lavras foram destruídos?», perguntavam o tenente-coronel e o oficial de operações em Zemba, assim como o brigadeiro em Santa Eulália, que queriam provocar a fome à população civil e obrigá-la a entregar-se. Números. 

Era verdadeiramente chocante verificar até que ponto podia chegar a fria insensibilidade perante a morte e o sofrimento dos outros, mesmo dos mais inocentes, da parte destes oficiais oficiais de carreira.

Aliás, a palavra "carreira" era, sem qualquer sombra de dúvida, a palavra mais usada por eles nas suas conversas. A propósito de tudo e de nada, lá falavam eles na sua carreira militar. Nada lhes interessava a não ser a sua progressão na carreira. Em face deste seu desígnio supremo, todos os valores morais e humanos se apagavam
para eles. Mortos e feridos? Números.


(Continua)

[Fixação / revisão de texto para efeitos de edição no blogue: LG]

____________

Nota do editor:

(*) Último poste da série > 26 de agosto de 2019 > Guiné 61/74 - P20096: Dignidade e Ignomínia (Episódios do Meu Serviço Militar) (Fernando de Sousa Ribeiro, CCAÇ 3535, Angola, 1972/74) - Parte IV: O respeito pelos homens que comandei (pp. 33-42)

Guiné 61/74 - P20181: Tabanca Grande (485): Carlos Marques de Oliveira, ex-alf mil arm pes inf, cmdt Pel Mort 2115 e, depois, do 5º Pel Art e do 7º Pel Art (Catió e Cabedu, 1969/71): senta-se à sombra do nosso poilão, no lugar nº 796



Carlos Marques de Oliveira, BI Militar


1. Mensagem do Carlos Marques de Oliveira. com data de 26/09/2019 23:36:

Meu caro Luis,

Espero que estejas melhor da intervenção ao joelho e que a recuperação se vá fazendo sem percalços. Que fiques bem o mais rápido possível.

Tenho agora oportunidade de te enviar um breve resumo do meu percurso de vida, enquanto militar.

Fui incorporado no 1.º Turno do COM na Escola Prática de Infantaria, Mafra, em Janeiro de 1968. Após recruta e tendo-me sido atribuída a especialidade de Armas Pesadas de Infantaria, terminei a formação na EPI em Junho de 1968.

Fui colocado no RI 2, Regimento de Infantaria de Abrantes onde, como Aspirante, dei instrução de Armas Pesadas/ Apontadores de Morteiros e Escola de Cabos. Também, como Adjunto do Comando, fiquei com a responsabilidade do Trem Auto.

O pessoal a que dei instrução foi todo mobilizado para diversos Pelotões de Morteiros e de Canhões sem Recuo, que entretanto se constituíram, com destino à Guiné, a Angola e a Moçambique.
Em Dezembro de 1968 fui mobilizado para a Guiné como Comandante do Pelotão de Morteiros 2115. 

Em Março de 1969 formei Unidade no RI 15, Regimento de Infantaria 15, em Tomar, onde fizemos a Instrução de Aperfeiçoamento Operacional (IAO)

Terminado o IAO, embarcámos no navio Niassa a 7 de Maio 69. Chegámos a Bissau a 12 de Maio, onde aguardámos destino operacional.

O Pelotão de Morteiros é uma pequena Unidade Independente, constituída por 1 Oficial Subalterno, 1  2.º Sargento, 2 Furriéis Armas Pesadas, 4 Cabos Apontadores, 2 Soldados Condutores Auto, 2 Soldados Transmissões e neste caso, 35 soldados com diversas funções operacionais atribuídas. Actua  normalmente em apoio a outras Unidades de Escalão superior.

A 16 Mai 69 embarcámos em comboio naval com destino a Catió, na Região Sul da Guiné. Chegados a 17 de Maio foi-nos atribuído o apoio ao Batalhão de Artilharia 2865, ficando a depender logística e operacionalmente deste BArt até Dezembro de 1970.

Por ter terminado a Comissão, o BArt 2865 foi rendido pelo Batalhão de Caçadores 2930, para o qual transitámos o apoio até final da nossa Comissão, em Fevereiro de 1971.

Em Setembro de 1969, fiz parte de um grupo de Alferes e Furriéis de Armas Pesadas de Infantaria que, por necessidade operacional, recebeu instrução e formação em Materiais e Tiro de Artilharia, na BAC 1 em Bissau. Fomos depois distribuídos por diversos Pelotões de Artilharia de Campanha. Fui colocado em Cabedú, a comandar o 5.º Pel Art / BAC 1 desde Outubro de 1969 até Junho de 1970, data em que regressei a Catió para comandar o 7.º Pel Art, cujo comandante falecera em combate.

De Junho de 1970 até final da comissão, em Fevereiro de 1971, passei a comandar cumulativamente os Pelotões de Morteiros e de Artilharia. No período de transição entre o BArt 2865 e o BCaç 2930 fui responsável pelo Serviço de Informações Operações e, Administrativamente, das duas Companhias de Milícias sediadas em Catió.

Apesar de Oficial Miliciano de Infantaria, a minha Comissão de Serviço na Guiné foi, operacionalmente, quase que como Artilheiro, dada a enorme actividade dos Pel Art que comandei , em particular o 7.º Pel Art de Catió, não só em defesa de frequentes ataques e flagelações a que éramos sujeitos, como por iniciativas operacionais do BArt 2865.

Terminada a Comissão, em Fevereiro de 1971, regressámos no navio Angra do Heroísmo que, após passagem pelo Funchal, chegou a Lisboa a 12 de Fevereiro. Passei à disponibilidade no dia 13 de Fevereiro de 1971, no Regimento de Infantaria 15, em Tomar.

Meu caro Luís, este é um brevíssimo resumo do que foi o meu SMO. É longo porque foi longo. Os detalhes ficarão para pequenos textos, se assim o entenderes.

Recheado de factos, de estórias, de sensações, de sentimentos que não nos importamos de compartir e partilhar com quem, como tu, os da tua e nossa Tabanca, das Tabancas de que fazemos parte, os que também viveram e passaram pelos mesmos Chãos, sabem do que estamos a falar. E ouvem e escutam e acreditam nos sentimentos que nos irmanam e igualam.

As fotos, em anexo, não sei se te vão chegar bem. Dá notícias.

Um muito forte abraço com ,uma vez mais, os meus desejos de que tenhas uma rápida recuperação.

Carlos

Carlos Marques de Oliveira

PS. Já agora n.º mecanográfico:   NM 08234765


Foto de família do pessoal do Pel Mort 2115 (Catió e Cabedu, 1969/71). Convívio em 2016. Foto da página do Facebook do seu antigo comandante, o ex-alf mil arm pes inf, Carlos Marques de Oliveira. Reproduzida com a devida vénia...


Guiné > Região de Tombali > Catió > c. 1969 > O 7.º Pel Art de Catió, comandando pelo 2.º Sargento Issa Jau, morto em combate em 27/2/1970. Na foto, o único elemento não guineense, na segunda fila, de pé, o terceiro a contar da esquerda, é o major art José Manuel Mello Machado (1928-2012), 2.º cmdt e mais tarde comandante, depois de promovido a tenente coronel, do BART 2865 (Catió, Cufar e Bedanda, fev 1969 - dez de 1970). 

Segundo informação do Carlos Marques de Oliveira,  nesta foto do 7.º Pel Art não está o srgt art  Issa Jau, faltando aliás  mais elementos: os de recrutamento local eram cerca de 16 soldados. O srgt art  Issa Jau foi ferido nos primeiros rebentamentos de um ataque ao quartel de Catió, a 26/2/1970 tendo falecido durante a evacuação para Bissau. Nessa data já era comandante do BART 2865 o ten cor art Mello Machado, já falecido e amigo pessoal do Carlos. 

Foto do cor art Mello Machado, reproduzida no poste P9514, de 21/2/2012.  Fonte: Mello Machado - Aviltados e traídos: resposta a Costa Gomes. Lisboa: Editora Literal, 1977, 120 pp.


2. Comentário do editor:

Meu caro Carlos, fica então regularizada a tua entrada na Tabanca Grande, com o envio das fotos da praxe, que nos chegaram em boas condições. Já sabes qual é o teu lugar à sombra do nosso mágico e protetor poilão, o n.º 796. à direita do Domingos Robalo (n.º 795) e à esquerda do António Manuel Carlão, infelizmente já falecido. (*)

A tua presença honra-nos a todos, independentemente da arma e da especialidade que calhou a cada um de nós. A Tabanca Grande, já com cerca de 8 centenas de amigos e camaradas da Guiné, é uma pequena amostra da gente valorosa que passou pelo CTIG de 1961 a 1974. Mais de 90% são ex-combatentes, os restantes são familiares de ex-combatentes, mas  também guineenses e demais amigos da Guiné.

A nossa missão é simples e clara: partilhar memórias (e afetos).  É o que fazemos desde há 15 anos, contribuindo de algum modo para que os veteranos da guerra da Guiné não morram na "vala comum do esquecimento". 

Os nossos leitores já têm mais informação a teu respeito: (i) és membro da Magnífica Tabanca da Linha (desde 2 de maio de 2017); (ii) nasceste em Lisboa; (iii) praticaste remo (skiff) antes da tropa e foate campeão; (iii) trabalhaste numa multinacional; (iv) está reformado; (v)  vives em Sintra; tens tem página no Facebook: e (vi) és também membro e administrador da página de grupo Artilharia de Campanha na Guiné . BAC 1 / GAC 7, de que o Domingos Robalo é o administrador. (**)

Carlos, temo-nos encontrado, nos almoços da Tabanca da Linha, mas nunca tivemos oportunidade de conversar sobre as "coisas" da Guiné... por coincidência, somos ambos  homem de armas pesadas de infantaria:  mas tu tiveste o privilégio de ser artilheiro e comandar bravos artilheiros (***)...

Por outro lado, confirma-se, mais uma vez, que o Mundo é Pequeno e a nossa Tabanca... é Grande!... O teu reencontro com o Domingos Robalo, no 45.º Convívio da Tabanca da Linha, no passado dia 19,  já foi aqui devidamente assinalado e documentado.

Espero que outros comandantes de Pel Mort e Pel Art sigam o teu exemplo, dando a cara.  De futuro, já sabes como comunicar connosco: através do email, podes mandar novos textos e fotos. O nosso blogue é voraz e preciso de ser devidamente alimentado todos os dias. 

Bem vindo, camarada!

PS - Obrigado também pela partilha do teu n.º de telemóvel e pelos teus votos de boa saúde... O meu joelhinho esquerdo está em franca recuperação depois de uma artroscopia, no passado dia 24.
_______________

Notas do editor:



quinta-feira, 26 de setembro de 2019

Guiné 61/74 - P20180: Fotos à procura de... uma legenda (120): Seleção das minhas fotos do Festival Todos 2019... Parte III: enquanto fui ali e já vim... Ou, ainda, cumprindo a obra de misericórdia, "dar de beber a quem tem sede"... (Luís Graça)


Foto nº  283


Foto nº 366



Foto nº 367


Foto nº 370


Foto nº 288


Foto nº  285



Foto nº 300 


Foto nº 281


Festival Todos 2019, Lisboa, São Vicente: Largo da Graça e imediações. Animação de rua, pelo grupo de teatro O Bando...Largo da Graça, 22 de setembro de 2019: Aguadeiros Caminhantes

"Em trânsito por ruas circundantes ao Largo da Graça, um espetáculo do Teatro O Bando resultante de um processo de criação com os Confrades, formandos das oficinas teatrais que a companhia desenvolve em Palmela desde 2006, e com elementos do grupo de teatro do projeto Eu Amo SAC, baseado em Santo António dos Cavaleiros, Loures.

"Como se vindos de um outro tempo, aí estão os aguadeiros, saciando a sede a quem passa e tentando lembrar-nos desse instante único que, como a água, está sempre em transformação" (Fonte: Agenda cultural de Lisboa)


Fotos (e legendas): © Luís Graça (2019). Todos os direitos reservados. [Edição: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. Tenho um enorme respeito pela água (potável). E não gosto de a desperdiçar e nem de a ver desperdiçada... Seguramente lembranças da Guiné e das operações militares que fizemos... Levávamos dois cantis de água, para um dia... em operações de dois e três dias, em que o reabastecimento era sempre problemática... 

Algumas situações que lá passamos,  tiveram a ver, obviamente, com  cenas de guerra, pura e dura, mortos e feridos, situações-limite de vida ou de morte, mas também com insolações, ataques de abelhas "assassinas" ou de formigas "carnívoras"... E sobretudo de sede, muita sede... Com a fome lidava-se bem, mas com a sede, era outra história... E não havia cristãos ali por perto, muito menos galegos e escravos negros,  que nos dessem de beber, umas das 14 obras de misericórdia... Por isso chegavamos a beber o próprio mijo...

Estas negras lembranças vieram-me à memória, no Festival Todos 2019, ao observar e fotografar algumas sequências desta animação de rua... Vários pares de aguadeiros, caminhando pelo largo da Graça e suas imediações, ofereciam água, transportada em bilhas de barro vermelho e bebidas em canecas, também  de barro...Os pares estavam vestidos com trajes oitocentistas.

Curiosa a reação do público: uns alinhavam na brincadeira, outros recusavam liminarmente a oferta. Os turistas, sobretudo, deviam pensar que era uma "cena dos apanhados".. Por outro lado, o material em barro já não lhes é familiar... A olaria é essencialmente mediterrânica.

O rapaz transportava a bilha, a rapariga a caneca, aliás, tinha uma saca de canecas, que eram depois oferecidas... Ninguém se dava conta de que a caneca tinha um orifício, de lado, junto ao fundo, por onde a água se esvaía enquanto se tentava beber... 

Se quisermos, esta "brincadeira aparentemente  inocente"  era também um teste à nossa capacidade de empatia,  tolerância, descoberta, confiança e aceitação do outro que é diferente de nós... Eu também na Guiné ou em Angola, tenho dificuldade em pegar no copo ou numa garrafa, aberta,  que me oferecem com água, sumo ou refrigerante... "Nada de sumos naturais... (a cabaceira ,  a farroba, o veludo, o fole, o maboque) é a primeira recomendação da consulta do viajante... Aparentemente,  as razões são de saúde pública e segurança alimentar... Ou serão também outras, mais de natureza cultural ? Ou até social ?  

O Festival Todos (*)  é também um pequeno laboratório social onde as nossas (dis)semelhanças se confrontam e se misturam...  Mas, à partida, todos nós somos  "etnocêntricos", dos chineses aos portugueses, dos guineenses aos sírios... Em todo o caso, provei, mais uma vez, este ano, sem preconceito, as comidas do mundo, algumas elaboradas por refugiados (por exemplo, sírios) que estão aqui a viver, em Lisboa... E, claro, não faltou a mulher grande guineense com a sua banca de sumos naturais, onde não faltava a cabaceira... (Confesso que não os provei...). LG

PS - Regressei ontem da clínica... Correu tudo bem. Posso, pois, dizer que "já lá fui e já vim", tudo por mor do meu joelho esquerdo e da minha mobilidade... Fica aqui um especial agradecimento aos cirurgiões João Correia e Francisco Silva  (,membro da nossa Tabanca Grande,) e ao anestesista Verdelho da Costa e demais equipa do bloco operatório da Clínica da Reboleira (ou Clínica de Santo António / Grupo Lusíadas Saúde), extensivo ao restante pessoal de enfermagem e auxiliar do edifício A, 3º piso.

Guiné 61/74 - P20179: Jorge Araújo: ensaio sobre as mortes de militares do Exército no CTIG (1963/74), Condutores Auto-Rodas, devidas a combate, acidente ou doença - Parte II


Foto 1 – Estado em que ficou a GMC da CCAÇ 423 (São João e Tite: de 22Abr1963 a 29Abr1965) por efeito do rebentamento de uma mina/fornilho [a segunda da historiografia da Guerra], colocada na estrada Nova Sintra - Fulacunda, accionada em 18 de Julho de 1963 (5.ª feira), de que resultou a morte do Ten Mil Inf Carlos Eduardo Afonso de Azevedo, natural de Nossa Senhora do Carmo, Luanda (Angola).

Recorda-se que a primeira mina/fornilho accionada no CTIG ocorreu às 09h00 do dia 03 de Julho de 1963 (4.ª feira), no mesmo itinerário acima, no sítio de Bianga, tendo-se verificado quatro baixas no contingente da CCAÇ 423, a saber: 1.º cabo António Augusto Esteves Magalhães, natural de Amares; soldado Alberto dos Santos Monteiro, de Soutelo, Rio Tinto, Gondomar; soldado José Isidro Marques, de Alguber, Cadaval, e o fur Inf Hércules Arcádio de Sousa Lobo, natural de Nossa Senhora das Dores, Ilha do Sal (Cabo Verde). Este último militar seria evacuado para o HMP, em Lisboa, vindo aí a falecer em 16 do mesmo mês. Foi sepultado no Cemitério do Alto de São João, em Lisboa [Poste P17522]


Mapa do itinerário entre Nova Sintra e Fulacunda, assinalando-se BIANGA como sendo o local onde foi accionada a primeira mina/fornilho da historiografia da Guerra no CTIG.





O nosso coeditor Jorge Alves Araújo, ex-Fur Mil Op Esp/Ranger, CART 3494 (Xime e Mansambo, 1972/1974), professor do ensino superior, indigitado régulo da Tabanca de Almada; tem 225 registos no nosso blogue.



ENSAIO SOBRE AS MORTES DE MILITARES DO EXÉRCITO, NO CTIG (1963-1974), DA ESPECIALIDADE DE "CONDUTOR AUTO RODAS": COMBATE, ACIDENTE, DOENÇA (PARTE II)


1. – INTRODUÇÃO

No poste  P20126 (*)  demos início à divulgação e análise dos primeiros resultados obtidos no novo projecto de investigação, tendo por objecto de estudo o universo das "baixas em campanha" de militares do Exército, e como amostra específica os casos de mortes de "condutores auto rodas", ocorridas durante a guerra no CTIG (1963-1974), identificados na literatura "Oficial" publicada pelo Estado-Maior do Exército.

Recordo que,  para além da colecta e organização quantitativa dos dados, um outro objectivo incluía a possibilidade de os completar com partes de algumas narrativas históricas, produzidas por cada um dos sujeitos nelas envolvidas, com recurso às memórias postadas no blogue e a outras que, por via do seu aprofundamento, encontrámos em diversos lugares. Estas serão abordadas nos diferentes fragmentos.

A opção por esta "especialidade" do organograma da organização militar foi influenciada pelo facto da primeira morte em combate ter sido a de um "condutor auto rodas" – Veríssimo Godinho Ramos, natural de Vale de Cavalos, Chamusca – episódio ocorrido durante o ataque ao aquartelamento de Tite, em 23 de Janeiro de 1963, quando este cumpria o seu serviço de vigia noturno, contexto abordado no primeiro poste.

Porque se trata, como referido, de um "ensaio", o resultado final pode vir a ser alterado em função de outras informações complementares que possam surgir após a avaliação realizada por cada um de vós. A esta situação acresce, ainda, o facto de existirem registados, nos Dados Oficiais, óbitos onde consta somente o posto do militar falecido.

2. – ANÁLISE DEMOGRÁFICA DAS MORTES DE MILITARES DO EXÉRCITO, NO CTIG (1963-1974), DA ESPECIALIDADE DE "CONDUTOR AUTO RODAS": COMBATE-ACIDENTE-DOENÇA (n=191)

A análise demográfica desta investigação, e as variáveis com ela relacionada, incidiu sobre os casos de mortes de militares do Exército da especialidade de "condutor auto rodas", ocorridas durante a guerra no CTIG (1963-1974), e identificados nos "Dados Oficiais" publicados pelo Estado-Maior do Exército, elaborados pela Comissão para o Estudo das Campanhas de África (1961-1974), 8.º Volume; Mortos em Campanha; Tomo II, Guiné; Livros 1 e 2; 1.ª Edição, Lisboa (2001).

O tratamento estatístico, iniciado no primeiro fragmento, continuará a ser representado por gráficos e
quadros de distribuição de frequências, simples e acumuladas, conforme se indica em cada um dos títulos. 

Considerando a análise apresentada no primeiro fragmento, o estudo mostra que dos 191 indivíduos que constituíram a população deste estudo, 178 (93.2%) dos casos eram soldados, enquanto 13 (6.8%) casos eram 1.ºs Cabos [gráfico acima].

Deste grupo populacional, verifica-se que o número total de condutores auto rodas do Exército que morreram no CTIG (1963-1974), 171 (89.5%) eram militares continentais, enquanto 20 (10.5%) eram do recrutamento local. Quanto ao número de continentais, 162 (94.7%) eram soldados e 9 (5.3%) eram 1.ºs cabos. No âmbito do recrutamento local, 16 (80%) eram soldados, enquanto 4 (20%) eram 1.ºs cabos. (Gráfico a seguir)



3. – ALGUNS EPISÓDIOS E CONTEXTOS ONDE OCORRERAM MORTES DE CONDUTORES AUTO RODAS ["CAR"] POR EFEITO DE REBENTAMENTO DE "MINAS"

Neste ponto, em homenagem a todos os camaradas que tombaram em campanha - reforçada com os comentários do poste anterior - foram recuperadas algumas narrativas históricas sobre cada um dos cinco "casos" identificados neste fragmento (do total de trinta e três casos), bem como dos seus contextos conhecidos. 

Como principal fonte de consulta, foi utilizado o espólio do blogue, ao qual adicionámos, ainda, outras informações obtidas em informantes considerados privilegiados.

Do total de 191 mortes de condutores auto rodas apuradas no período em análise (1963-1974), (n=112) tiveram origem no conceito de "combate" (58.6%), dividido por três categorias: (n=67) em "contacto" (emboscadas…) (59.8%), (n=33) por "minas" (engenhos explosivos…) (29.5%) e (n=12) em "ataque ao quartel" (aquartelamento, destacamento..) (10.7%), conforme se indica no quadro abaixo. [Nota: este quadro foi corrigido em função da análise dos registos oficiais quando comparados com a descrição das narrativas].




Quadro 1 – Quadro das causas de morte em "combate" de condutores auto rodas do Exército, por ano e por categorias (1963-1974) – (n=112)




Lista dos trinta e três "condutores auto rodas" que tombaram por efeito de "minas e/ou explosivos" durante o período em análise.


3.1 - 05 DE NOVEMBRO DE 1963: A PRIMEIRA BAIXA DE UM "CAR" POR MINA A/C - O CASO DO SOLDADO DOMINGOS RODRIGUES TORRES, DA CCAÇ 510, ENTRE XITOLE E BAMBADINCA

A primeira morte de um condutor auto rodas, do Exército, em "combate", por efeito do rebentamento de uma mina anticarro [categoria de "minas"], foi a do soldado Domingos Rodrigues Torres, natural de Santa Maria Maior, Viana do Castelo, ocorrida em 05 de Novembro de 1963, 3.ª feira, no itinerário entre o Xitole e Bambadinca (Sector L1).

Pertencia à CCAÇ 510, do Cap Inf João Fernandes da Ressurreição, cuja comissão decorreu entre 20Jul63, chegada a Bissau, e 07Ago65, embarque para a Metrópole (Lisboa). Do ponto de vista da missão, esta Unidade, em 10Ago63, assumiu a responsabilidade do sector de Xitole, então criado, com um Gr Comb destacado em Saltinho, tendo substituído os efectivos da CCAÇ 412 (09Abr63-29Abr65, do Cap Inf Manuel Joaquim Gonçalves Braga) ali estacionados e ficando integrada no dispositivo e manobra do BCAÇ 506 e depois do BCAÇ 697. Por períodos variáveis, destacou forças para guarnecer outras localidades e pontos sensíveis da sua zona de acção [ZA], nomeadamente Quirafo, Camamungo, Cossé, Galomaro e a ponte do rio Pulom, entre outras. Os seus Grs Comb tomaram parte em acções de reforço das guarnições de Canquelifá, Ponta Varela e Ponta do Inglês. Em 16Jul65, foi rendida pela CCAÇ 818 [26Mai65-08Fev67, do Cap Inf José Manuel Pires Ramalho (1º) e do Cap Inf Humberto Amaro Vieira Nascimento (2º)], recolhendo a Bissau, onde permaneceu até ao embarque.

Porque nada consta no espólio de memórias publicadas no blogue, acerca da CCAÇ 510, tomei a iniciativa de recuperar uma imagem do mesmo itinerário Bambadinca-Xitole onde ao longo do conflito foram accionadas várias minas, como foi o exemplo seleccionado.


Foto 2 – Uma viatura civil, na Estrada (de terra batida) Bambadinca-Mansambo-Xitole, transportando cunhetes de granadas e, em cima, pessoal civil.

[Nessa mesma estrada, em 18 de Setembro de 1969, 5.ª feira, uma GMC da CCAÇ 2590 (CCAÇ 12; do camarada Luís Graça), com três toneladas de arroz, foi destruída por uma mina anticarro na ponte do rio Jago. Este itinerário, com cerca de trinta quilómetros, era a única via terrestre por onde se faziam as colunas logísticas de reabastecimento. [Poste P7354 e foto do Humberto Reis, com a devida vénia].


3.2 - O CASO DO SOLDADO 'CAR' PAULO LIMA, DO PRECD 1129, EM 12.FEV.68, ENTRE CHÉ-CHE E CANJADUDE


A morte em "combate" do soldado condutor auto rodas Paulo Lima, do Pelotão de Reconhecimento Daimler 1129, ocorrida em 12 de Fevereiro de 1968, 2.ª feira, por efeito do rebentamento de uma mina anticarro, accionada no itinerário entre o Ché-Che e Canjadude (Sector Leste), consta do espólio de memórias publicadas no blogue [P13437], sendo considerada, do ponto de vista cronológico, como a décima sexta baixa registada na categoria de "minas".
Tendo em consideração os objectivos do presente trabalho, recuperámos, a propósito desta ocorrência, o que consta no "Diário da CART 1742", da autoria de Mário dos Anjos Teixeira Alves, 1.º Cabo Corneteiro, à qual lhe adicionámos mais algumas informações consideradas complementares.

Nos seus registos do dia 12Fev68, é referido o seguinte:

"Chegou a companhia [CART 1742, "Os Panteras" - Nova Lamego e Buruntuma, de Set67 a Mai69, sob o comando do Cap Mil Inf Álvaro Lereno Cohen] da escolta a Béli, que fica na zona de Madina [do Boé]. No regresso, hoje de manhã, entre o Ché-Che e Canjadude, uma mina rebentou debaixo de uma das Daimler [do PRecD 1129; Nova Lamego, Ago66 a Mai68]. Morreu o condutor [Paulo Lima, natural de Cepões, Lamego] e o apontador ficou gravemente ferido, eram do pelotão Daimler [1129], que estavam prestes a ir embora. O IN não ataca a escolta, porque a aviação faz [fez] segurança voando sobre o trajecto que era percorrido pela companhia."



Foto 3 - A Daimler do P13437, com a devida vénia.


3.3 - O CASO DO SOLDADO 'CAR' ARMINDO RIBEIRO DE SOUSA, DA CÇAÇ 1792, EM 14.JUL.68, ENTRE ALDEIA FORMOSA E BUBA


De acordo com o tratamento de dados realizado neste "ensaio", a morte em "combate" do soldado condutor auto rodas Armindo Ribeiro de Sousa, natural de Caramos, Felgueiras, pertencente à CCAÇ 1792 [02Nov67-20Ago69; do Cap Mil Art António Manuel Conceição Henriques (1.º)], ocorrida em 14 de Julho de 1968, domingo, no decurso da coluna de reabastecimentos entre Aldeia Formosa e Buba, foi a décima nona baixa na categoria de "minas" e aconteceu a quinhentos metros de Uane, na Região de Tombali.

A descrição desta ocorrência consta na resenha histórica do Batalhão de Caçadores 2834 [BCAÇ 2834; Buba (15Jan68-23Nov69) do TCor Inf Carlos Barroso Hipólito], em documento elaborado pelo 1.º Cabo Escriturário Francisco dos Santos Gomes, e disponível no sitio: https://guine6869. wordpress.com/historia-do-bcac2834/

Nele encontrámos o seguinte relato:

"Em 14 de Julho de 1968 [domingo], durante a coluna de reabastecimentos Aldeia Formosa/ /Buba/Aldeia Formosa, foi accionada pela 1.ª viatura da CCAÇ 1792 uma mina anticarro, na estrada Sare Donha causando 3 mortos (1 Sarg) e três feridos às NT e a destruição da viatura. [Os mortos foram: Soldado "CAR" Armindo Ribeiro de Sousa; Fur Inf Carlos Alberto de Sampaio e Melo Valente, de Izeda, Bragança e o Caç Nat Mamadu Uri Bari, de Aldeia Formosa]. Quanto às causas da morte do Caç Nat é mencionado de que este accionou uma mina anticarro, com dispositivo antipessoal, ficando pulverizado."



No decurso da presente investigação, encontrámos no poste  P5304 «As minhas memórias da guerra» do camarada Arménio Estorninho, uma fotografia de Aldeia Formosa, com data de Julho de 1968, pertencente à CCAÇ 1792, com uma viatura destruída por mina anticarro.



Foto 4 – Aldeia Formosa (Quebo) – Julho de 1968. A viatura destruída por mina a/c. Esta (?) era a da Rádio de Transmissões, tendo ocasionado a morte do Operador [Será que foi o Soldado Radiotelegrafista Joaquim Barreira, do PRecFox 2022? Na sua ficha de óbito consta a data de 24/07/68, um dia antes da indicada no poste. Era natural da Freguesia do Socorro, Lisboa. É referido, ainda, que a mina anticarro foi accionada em Bolola]. Será que estamos a sinalizar a mesma situação? 


3.4 - O CASO DO SOLDADO 'CAR' MANUEL JOSÉ COELHO PARREIRA, DA CART 2439, EM 07.OUT.69, ENTRE DUNANE E CANQUELIFÁ

Este episódio, de que resultou a morte em "combate" do soldado condutor auto rodas Manuel José Coelho Parreira, natural de Faro do Alentejo, Cuba, da CART 2439 [Canquelifá; 15Nov68-05Out70, do Cap Mil Art António Regêncio Martins Ferreira (1.º)] – a vigésima quinta baixa de um 'CAR' na categoria de "minas" – é-nos relatado pelo furriel João Maria Pereira da Costa, da CCS/BART 2857 (Piche; 15Nov68-05Out70, do TCor Art José João Neves Cardoso), nos seguintes termos:

"No dia 07 de Outubro de 1969 [3.ª feira], pelas 06h30, saiu de Canquelifá para Dunane, uma coluna, como sempre, precedida por uma equipa de picadores, acompanhada de dois Grs Comb da CART 2479, um que ficou ao longo do itinerário montando segurança, outro que acompanhou até ao limite do subsector. Nada de anormal foi notado, tendo a coluna e o pessoal da segurança, regressado ao Aquartelamento, cerca das 12h00.

"Às 15h00, nova coluna saiu de Canquelifá para Dunane, decorrendo o percurso sem incidentes. Mas, no regresso, a cerca de 2 km do Aquartelamento, uma segunda viatura accionou uma mina anticarro reforçada, tendo ficado quase destruída, e gravemente feridos todos aqueles que nela seguiam. O rebentamento foi ouvido no Aquartelamento cerca das 16h30..


Foto 5 – Blogue do BART 2857, com a devida vénia


"Depois chegava uma viatura GMC que vinha à testa da coluna, e que passara no local sem accionar a mina, informando do que sucedera e pedindo socorros, pelo que saiu, imediatamente uma força constituída por um Gr Comb, duas Secções de Picadores e Pessoal de Enfermagem, tendo-se cruzado com um Unimog que trazia alguns feridos, pois ficara um, no local do desastre, entalado debaixo da viatura. Montada a segurança, iniciou-se uma picagem da zona, ao mesmo tempo que se libertava dos destroços, o ferido que faltava socorrer.

"Depois, já quase noite, ao reorganizar-se a coluna de regresso, um Unimog accionou outra mina anticarro, não detectada, sobre a qual já haviam passado várias viaturas, daí resultando mais feridos e a destruição daquela. Finalmente posta em movimento, uma coluna regressou ao Aquartelamento pelas dezanove horas, com cinco baixas, quatro da CART 2439, sendo um o soldado condutor Manuel José Coelho Parreira e os restantes, o 1.º cabo enf.º José Manuel Justino Laranjo, de São José da Lameirosa, Coruche; o soldado Joaquim Teixeira de Carvalho, de Solveira, Montalegre; e o soldado Manuel de Jesus Ferreira, de Cristelo, Barcelos, e, ainda, o soldado de Recrutamento Local, Satoné Colubali, natural de Bentém, Nova Lamego, da CART 2479."-



Foto 6 – Blogue do BART 2857,  com a devida vénia.


3.5 - O CASO DO SOLDADO 'CAR' MANUEL GUERREIRO JORGE, DA CCS/BCAÇ 2852, EM 16.OUT.69, ENTRE FINETE E MISSIRÁ

Esta última circunstância, seleccionada para constar no presente fragmento, está relacionada com a morte em "combate" do soldado condutor auto rodas Manuel Guerreiro Jorge, natural de Santana da Serra, Ourique, ocorrida no dia 16 de Outubro de 1969, 5.ª feira, por efeito do rebentamento de uma mina anticarro, na zona de Canturé, na Estrada Finete-Missirá, durante o regresso de uma coluna de reabastecimento realizada pelo PCaçNat 52, entre o destacamento de Missirá e Bambadinca.
O condutor Manuel Jorge pertencia à CCS/BCAÇ 2852 [30Jul68-16Jun70, do TCor Inf Manuel Maria Pimentel Bastos (1.º)], unidade que, ao render o BART 1904 (18Jan67-31Out68, do TCor Art Fernando da Silva Branco), em 16Out68 assumiu a responsabilidade pelo Sector L1, com sede em Bambadinca, abrangendo os subsectores de Xime, Xitole e Bambadinca. Este condutor estava em missão de serviço do PCaçNat 52, cujo Cmdt era, então, o Alf Mil Beja Santos (Missirá e Bambadinca, 1968/1970), que seguia nessa coluna e que viveu um "monumental sobressalto", como se pode inferir da descrição que o próprio partilhou no blogue no P2270 «Operação Macaréu à vista – Parte II: e de súbito uma explosão, uma emboscada, um caos…». 

Sugiro a sua leitura na íntegra, pela impossibilidade de a repetir neste contexto. 


Foto 7 – O Beja Santos, Cmdt do PCaçNat 52, acompanhado com mais alguns militares da sua unidade, num Unimog conduzido por um dos condutores auto rodas da CCS do BCaç 2852, dias antes da ocorrência. Foto do P2270, do camarada Beja Santos, com a devida vénia.

Do "diário" desse dia, elaborado pelo camarada Beja Santos, retive o seguinte:

"A 16 de Outubro [de 1969], a coluna que parte de Missirá para Bambadinca vai à procura de mantimentos e combustível, para que não haja problemas logísticos momentosos para quem nos vem substituir. Prevê-se a chegada iminente do PCaçNat 54; um Gr Comb da CCaç 12 vai nesse dia a Mato de Cão; as populações civis de Missirá e Finete estão sem arroz; muitos dos soldados do PCaçNat 52 andam à procura de quartos em moranças na tabanca de Bambadinca; passo horas a apresentar-me junto dos senhorios e dos comerciantes locais como fiador na compra de camas e colchões. (…) É uma manhã que pronuncia o fim das chuvas, um céu azul de cobalto e despido de quaisquer nuvens caindo ao fundo na cobertura vegetal cor garrafa escuro, as picadas estão secas, o capim ergue-se louro como se fosse trigo. (…) Passa-se por Canturé; há árvores em flor; os picadores estão prudentes tal a densidade da vegetação; tal a poeira que se levanta no estradão. (…)

"Passamos a manhã numa roda-viva; sou fiador não sei quantas vezes; subo ao quartel; há conversas na engenharia; requisitam-se peças para o 'burrinho' [Unimog] (…). Depois é a compra de comida; deixo o Alcino Barbosa a regatear com os vagomestres. Logo a seguir ao almoço vou a Afiá comprar arroz, regresso com oito sacos. Junto ao paiol, pegamos em vários cunhetes de munições; as nossas operações logísticas estão finalmente concluídas. (…)

"No regresso: a travessia da bolanha é penosa; o "404" vai ajoujado com bidões, sacos de arroz, caixas de tudo, desde cerveja a esparguete. O entardecer encaminha-se perigosamente para o ocaso. O condutor Manuel Guerreiro Jorge, que veio esbaforido desde o Geba até Finete, sempre a fintar os buracões da bolanha com um peso anormal de mercadorias, fuma nervosamente um cigarro e pede-me para partirmos cedo, estamos mesmo a entrar no lusco-fusco. (…) No guincho à frente está Cherno Suane; sigo ao lado de Manuel Guerreiro Jorge [o condutor]; estamos ladeados por Alcino Barbosa e Arlindo Bairrada. No alto, sentado no bidão vai Mamadu Djau com a bazuca nas pernas. O condutor está cada vez mais nervoso com a semiescuridão que desce. Apaga o último cigarro e pergunta-me: - A que velocidade vamos, meu alferes? 

Peço-lhe, atendendo à segurança que julgo existir, "que vá a toda a velocidade até um pouco depois de Canturé; a seguir é que temos problemas, a picada está escorregadia até ao pontão de Caranquecunda. E a viatura parte à desfilada. Exactamente quando a recta de Canturé está no fim, um estrondo medonho levanta o "404"; os fios eléctricos silvam; a viatura afocinha na agonia; oiço o primeiro urro do condutor que pisou a mina anticarro: há a surpresa dos transportados; sou cuspido; sinto os óculos voarem; uma massa quente e ácida cega-me o olho direito; quer o destino que eu salte de escantilhão com a G3 na mão direita."

Esta foi a última coluna de reabastecimento do Pel Caç Nat 52 em Missirá, pois seria substituído dias depois pelo Pel Caç Nat 54, sendo esta a vigésima sexta morte de um condutor auto rodas por efeito do rebentamento de uma mina anticarro, de seu nome: Manuel Guerreiro Jorge.


Foto 8 – O Fur Op Esp Humberto Reis (à esquerda) e o Alf Mil António Manuel Carlão (à direita), do 2.º Gr Comb da CCaç 12, examinando o estado em ficou o Unimog depois de ter accionado a mina anticarro em Canturé, estrada Finete-Missirá, em 16 de Outubro de 1969, de que resultou a morte do condutor auto rodas Manuel Guerreiro Jorge, natural de Santana da Serra, Ourique. Foto do P2270, do camarada Humberto Reis, com a devida vénia.

Nota: Os cinco "casos" descritos no presente fragmento, e os que se seguirão, não respeitam a ordem cronológica global das ocorrências. Esta opção, aleatória, teve por critério de escolha as diferentes datas, locais, épocas e missões, de modo a fazer-se, se possível, uma análise comparativa entre os acontecimentos.

Continua …

Fontes Consultadas:

Estado-Maior do Exército; Comissão para o Estudo das Campanhas de África (1961-1974). Resenha Histórico-Militar das Campanhas de África; 8.º Volume; Mortos em Campanha; Tomo II; Guiné; Livro 1; 1.ª edição, Lisboa (2001); pp 23-569.

 Estado-Maior do Exército; Comissão para o Estudo das Campanhas de África (1961-1974). Resenha Histórico-Militar das Campanhas de África; 8.º Volume; Mortos em Campanha; Tomo II; Guiné; Livro 2; 1.ª edição, Lisboa (2001); pp 23-304.

 Outras: as referidas em cada caso.

Termino, agradecendo a atenção dispensada.

Com um forte abraço de amizade e votos de muita saúde.
Jorge Araújo.
09SET2019
______________