sábado, 22 de junho de 2013

Guiné 63/74 - P11748: Efemérides (133): Lisboa /Belém, 10 de Junho de 2013: Fotos das Cerimónias junto ao Monumento dos Combatentes da Guerra do Ultramar (Jorge Canhão)

1.O nosso Camarada Jorge Canhão, enviou-nos algumas fotos das cerimónias que ocorreram junto ao Monumento dos Combatentes da Guerra do Ultramar em Belém /Lisboa, no passado dia 10 de Junho de 2013, Dia de Camões e de Portugal, das quais publicamos as seguintes.


10 de Junho de 2013 

Monumento dos Combatentes da Guerra do Ultramar em Belém /Lisboa

 Malta da Tabanca Grande: Jorge Cabral, João Parreira, Mário Fitas e Vacas de Carvalho
Representantes de várias Unidades
 Representação dos Comandos
 Representantes dos Fuzileiros
 Representantes dos paraquedistas
Um dos paraquedistas que ajudaram a alegrar e dignificar as cerimónias
____________ 
Nota de M.R.: 

Vd. último poste desta série em: 

13 DE JUNHO DE 2013 > Guiné 63/74 - P11700: Efemérides (130): Atalaia, Lourinhã, domingo, 16 de junho, às 10h45: Inauguração de Monumento aos Combatentes 


Guiné 63/74 - P11747: Convívios (515): Fotos do Encontro de Confraternização da CCAÇ 763, dia 16 de Junho, em Arruda/Alverca (Mário Fitas)


1. O nosso camarada Mário Fitas, ex-Fur Mil OpEsp que pertenceu à CCAÇ 763, Cufar, 1965/67, enviou-nos algumas fotos do Almoço /Convívio da sua unidade, que decorreu na Quinta do Marquês da serra em Adanaia (3 kms de Arruda e 7 kms de Alverca).

COMPANHIA DE CAÇADORES 763 
ENCONTRO DE CONFRATERNIZAÇÃO 
16 de JUNHO de 2013 






____________ 

Nota de M.R.: 

Vd. último poste desta série em: 


20 DE JUNHO DE 2013 > Guiné 63/74 - P11736: Convívios (531): Encontro anual do pessoal da CART 494, que comemora os 50 anos da sua partida para a Guiné, dia 21 de Julho de 2013, em Viana do Castelo... (Esteve em Ganjola, Gadamael, Ganturé e Bissau) (Coutinho e Lima)


Guiné 63/74 - P11746: VIII Encontro Nacional da Tabanca Grande (19): Monte Real, 8 de junho de 2013 (Parte VI): Dando de comer ao corpo e à alma: seleção de fotos do Jorge Canhão

















Leiria > Monte Real > Palace Hotel Monte Real > 8 de junho de 2013 > VIII Encontro Nacional da Tabanca Grande >


O sítio (o Palace Hotel Monte Real) já nos é familiar. Desde o V Encontro Nacional, em 2010, que nos encontramos lá. Temos sido bem recebidos e acarinhados. Em contrapartida, o dia não estava esplendoroso, mas o convívio foi fraterno e caloroso. Todos os anos aparecem "caras novas", sinal de vitalidade e capacidade de atração da nossa Tabanca Grande, que este ano fez 9 anos, em 23 de abril de 2013.

E, como em anos anteriores, foram lançados livros recentes, de camaradas nossos, nascidos no caldo de cultura do nosso blogue onde somos todos iguais e todos diferentes:  as últimas três fotos, de cima para baixo,  mostram a banca de livros que se montou à tarde, depois do almoço: Manuel Lomba (e filho, que vieram de Faria, Barcelos): o alentejano bejense José Saúde (tendo à sua direita o Joaquim Nunes Sequeira, que expôs, para venda, um pequeno mostruário de artigos do Núcleo de Sintra da Liga dos Combatentes); e, por fim, o Manuel Domingues (à esquerda) e o Manuel Maia (à direita). Iremos falar, com mais detalhe dos seus livros. Falta ainda a banca do Alberto Branquinho, já aqui apresentada em poste anterior. Os nossos camaradas escritores merecem uma menção especial, aqui no nosso blogue, e um Alfa Bravo de apreço e admiração. Na forja estão já outros livros, de outros autores, para apresentação no próximo IX Encontro Nacional. 

Fotos: © Jorge Canhão  (2013). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem: L.G.]

Guiné 63/74 - P11745: Crónicas de uma viagem à Guiné-Bissau: de 30 de abril a 12 de maio de 2013: reencontros com o passado (José Teixeira) (6):De Iemberém a Guileje, a caminho de um casamento no Xitole




Guiné-Bissau > Região de Tombali > Iemberém > 5 de maio de 2013 > Os bangalôs do ecoturismo.


Guiné-Bissau > Região de Tombali > Iemberém > 5 de maio de 2013 > A Aiassatu ou Satu, esposa do Abubakar (eng agron da AD) e nossa anfitriã.




Guiné-Bissau > Região de Tombali > Guileje  > 5 de maio de 2013 > A capela restaurada  de Guiledje



Guiné-Bissau > Região de Tombali > Guileje  > 5 de maio de 2013 >  Aspeto exterior do Núcleo Museológico Memória de Guiledje



Guiné-Bissau > Região de Tombali > Guileje > Núcleo Museológico Memória de Guiledje > 5 de maio de 2013 > Recordações: objetos do quotidiano recuperados, provenientes das escavações do antigo quartel das NT




Guiné-Bissau > Região de Tombali > Guileje > Núcleo Museológico Memória de Guiledje > 5 de maio de 2013 >  Armamento do PAIGC: as armas da nossa dor e sofrimento.



Guiné-Bissau > Região de Tombali > Guileje > Núcleo Museológico Memória de Guiledje > 5 de maio de 2013 > Cópia (digitalizada) de carta de um soldado portuguesa: a famosa carta que o nosso camarada J. Casimiro Carvalho mandou a seus pais, datada de Cacine, 22/5/1973, a anunciar a retirada de Guileje.

Cacine, 22/5/73: Queridos pais: Vou-lhes contar uma coisa difícil de acreditar como vão ter oportunidade de ler: Guileje foi abandonada [a bold, no original], ainda não sei se foram os soldados que se juntaram todos e abandonaram o quartel, ou se foi ordem dada pelo Comandante-Chefe, mas uma coisa é certa: GUILEJE ESTÁ À MERCÊ ‘DELES’ [, em maíusculas, no original].

Não sei se as minhas coisas todas estão lá, ou se os meus colegas as trouxeram. Tinha lá tudo, mas paciência.


Se foi com ordem de Bissau que se abandonou a nossa posição, posso dar graças a Deus e dizer que foi um milagre, mas se foi uma insubordinação, nem quero pensar…

Mas… já não volto para lá!!! Não tinha dito ainda que Guileje era bombardeada pelos turras há vários dias e diversas vezes por dia. Os soldados e outros não tinham pão, nem água. Comida era ração de combate e não se lavavam. Sempre metidos nos abrigos e nas valas. A situação era impossível de sustentar. Vosso para sempre (…).


Fotos (e legendas): © José Teixeira (2013). Todos os direitos reservados [Edição e legendagem complementar: LG]


1. Crónicas de uma viagem à Guiné-Bissau (30 de Abril - 12 de maio de 2013) - Parte VI

por José Teixeira

O José Teixeira é membro sénior da Tabanca Grande e ativista solidário da Tabanca Pequena, ONGD, de Matosinhos; partiu de Casablanca, de avião, e chegou a Bissau, já na madrugada do dia 30 de abril de 2013; companheiros de viagem: a esposa Armanda; o Francisco Silva, e esposa, Elisabete; no dia seguinte, 1 de maio, o grupo seguiu bem cedo para o sul, com pernoita no Saltinho e tendo Iemberém como destino final, aonde chegaram no dia 2, 5ª feira; na 1ª parte da viagem passaram por Jugudul, Xitole, Saltinho, Contabane Buba e Quebo; no dia 3 de maio, 6ª feira, visitam Iemberém, a mata di Cantanhez e Farim do Cantanhez; no dia 4, sábado, estão em Cabedú, Cauntchinqué e Catesse; hoje, 5, domingo, vão de Iemberém, onde estavama hospedados, visitar o Núcleo Museológico de Guileje, e partem depois para o Xitole, convidados para um casamento ] (*) [LG]


O dia nasceu suavemente, com um mango a acordar-me ao cair encima do telhado de capim e rolar até ao chão. Talvez um dos macaquitos que estava a tomar o seu matabicho se tenha descuidado. Estes macacos, de pelo cinzento, não armam aquela gritaria a que nos habituamos em tempos idos com o macaco cão. Habituaram-se a viver com o homem e passeiam-se nas árvores por cima de nós, pacifica e calmamente. Certo é que neste dia 5 de Maio, o sol já ia alto quando me sentei para tomar o pequeno-almoço, que começou por um mango madurinho e saboroso.

A hora da despedida tem encanto e dor. É agradável sentir mais uma vez a amizade que nos devotam aqueles com quem convivemos e se juntam para se despedirem de quem parte, com a promessa de voltar. Faz doer o coração, no abraço que damos, sabendo que talvez seja o último, mas faz parte da vida e a esperança é sempre a última a morrer.

Partimos com destino a Bissau. Duas horas depois estávamos a admirar o Museu Memórias de Guiledje, inaugurado em 2008 e pretende documentar todo um passado de luta pela independência da Guiné-Bissau. À nossa espera estava o diretor Domingos Gomes, como tinha prometido,  para uma visita guiada. Foi um regresso ao passado para mim e para o Francisco no reencontro com as armas e canhões, com as viaturas, com as imagens da guerra que ambos vivemos em locais e tempos diferentes.

Em cada visita que faço, noto com alegria que o museu vai crescendo. Há outras partes do antigo quartel levantadas. No pavilhão principal estão os instrumentos de guerra portugueses, bem como as armas que o PAIGC usava, as fotografias da guerra e outros memoriais. Livros, poucos, sobre a guerra, são o princípio de uma biblioteca que se pretende seja enriquecida com todos os livros e documentos possíveis para enriquecer a história do conflito que existiu para separar e afastar os portugueses da Guiné e de facto separou-nos com muito sangue derramado, dor e pranto, mas creio que estranhamente nunca os guineenses estimaram tanto os portugueses como agora que estão livres da sua tutela política.

Um Unimog bem conservado transportou-nos ao tempo das colunas por aquelas picadas inóspitas atapetadas de perigosas minas. Transportou-nos até ao grupo de picadores que,  à sua frente e com todo o cuidado, picavam a terra, centímetro a centímetro, na esperança de as detetar e assim salvar possivelmente algumas vidas. Transportou-nos a um tempo que já passou, mas as suas marcas continuam bem presas na nossa mente e só desaparecerão com o pó da terra que nos há-de tragar.

A capela com a imagem de Nª Senhora de Fátima no seu altar, tal como no tempo da guerra, e a capelinha do Santo Cristo dos Milagres construída pelos devotos Gringos açorianos. Locais, onde os mais devotos se ajoelhavam a pedir por seu intermédio a bênção de Deus para os momentos difíceis que a guerra e agradecer os perigos passados dos quais se livraram com vida.

O Museu foi enriquecido com um novo auditório onde está patente, onde foi instalado o Museu de Cultura e Ambiente onde se pretende espelhar o ecossistema da mata do Cantanhez e as culturas dos diferentes grupos étnicos que habitam a região.

O tempo não tem paciência para esperar e os ponteiros do relógio vão marcando as horas. Tínhamos encontro marcado na tabanca do Xitole para participarmos na festa do casamento da filha do nosso amigo Mamadu Aliu que há três dias atrás atuou de cicerone na visita/peregrinação que o Francisco Silva ali fez em busca do seu passado.

Com pesar para o Domingos Gomes, que bem insistiu para ficarmos mais um pouco e havia muito para ver e refletir, mas não queríamos ficar mal com a família da noiva que tão amavelmente nos tinha convidado.

Ao passar pelo Saltinho, ainda houve tempo para dar um abraço de despedida ao Suleimane e à Dáda sua esposa, que ofertou à Armanda um lindo vestido típico das mulheres fulas. Uma surpresa linda que nos emocionou profundamente.

E lá seguimos para o Xitole.

(Continua)
________________

Nota do editor:

Último poste da série > 13 de junho de 2013 > Guiné 63/74 - P11699: Crónicas de uma viagem à Guiné-Bissau: de 30 de abril a 12 de maio de 2013: reencontros com o passado (José Teixeira) (5): Visitando Cabedu, Cautchinké e Catesse... A alegria com que somos recebidos, a par da tristeza com que vemos a floresta ser destruída no Cantanhez...

Guiné 63/74 - P11744: Parabéns a você (593): António José Pereira da Costa, Cor Art Ref (Guiné, 1968/69 e 1972/74)

____________

Nota do editor

Último poste da série de 21 de Junho de 2013 > Guiné 63/74 - P11739: Parabéns a você (592): António Teixeira, ex-Alf Mil da CCAÇ 6 (Guiné, 1971/73)

sexta-feira, 21 de junho de 2013

Guiné 63/74 – P11743: Memórias de Gabú (José Saúde) (28): À volta do meu novo livro "As minhas memórias de Gabu"


1. O nosso Camarada José Saúde, ex-Fur Mil Op Esp/RANGER da CCS do BART 6523 (Nova Lamego, Gabu) - 1973/74, enviou-nos mais uma mensagem desta sua série.



Camaradas, 

Envio mais um apontamento com uma entrevista minha ao Diário do Alentejo, onde, obviamente, de "AS MINHAS MEMÓRIAS DE GABU". Aproveito para informar que já falei com o Zé Teixeira, Tabanca de Matosinhos, e apontei a minha ida para o dia 20 de Julho, dia em que haverá um almoço extensivo para a malta da Guiné.

À volta de um livro 
Histórias que nos remetem para a nossa presença na guerrilha da Guiné 


Reafirmo, convincentemente, que a nossa presença na Guiné, continua albergada num recanto das nossas recordações. Fomos jovens e prestámos serviço militar obrigatório nesta antiga Colónia Ultramarina. Sei que tudo são memórias passadas, todavia existem evidentes resquícios que permanecem nas nossas vivências onde existem frenéticos sons e imagens que nos transportam para eloquentes momentos de dor e de prazeres inacabados. 

Pejados com um saltitar constante pela orla de sentimentos comuns construídos num terreno fumegado pelos odores de uma guerrilha que teimava em não dar tréguas, somos hoje antigos combatentes que perfilhamos ideias e trocamos ávidas opiniões acerca desse pequeno torrão africano que dá pelo nome Guiné. 

Recentemente fiquei pasmado com as imagens (fotos) que o nosso camarada Zé Carvalho, também meu camarada RANGER, trouxe à estampa (a caixinha mágica que se tornou comum, computador), dando a conhecer realidades vividas no ano de 2010 aquando de uma viagem feita à sua, nossa, Guiné. Aliás, outros camaradas o têm feito dando a conhecer verdades indesmentíveis vividas na Guiné de hoje.

Identifico escolas onde se encontram crianças sedentas em assimilar novos conhecimentos, sendo a sua principal finalidade a aprendizagem e o desbravar persuasivas inteligências remetidas ao interior de uma mata que outrora conheceu histórias de guerra deveras mirabolantes. 

Os ícones da nossa presença em terras guineenses são agora relíquias degradadas por um tempo que conheceu profundas alterações físicas, designadamente. Os camaradas que outrora pisaram esses palcos, remete-os, melhor, remete-nos para inolvidáveis e nostálgicas observações que nos conduzem, geralmente, a uma verdade inesquecível onde coabitámos ao longo de largos meses como combatentes no ativo. 

As cantinas, messes, fornos onde se cozia o pão, atrevo-me a parafrasear o povo, “o pão que o diabo amassou”, os quartéis feitos às necessidades que o tempo impunha, bem como um rol de “atrativas” instalações que na altura urgiam para fazer face às carências impostas, são agora preciosidades gastas pelo tempo que recusa esconder exequíveis memórias do antigamente. Os tetos, alguns, desapareceram mas existem ainda paredes que teimam em manter-se hirtas. Nós, portugueses que conhecemos os horrores da guerra, vincamos em cada pedaço de terra guineense uma marca que ficará gravada para a eternidade. 

Nesta viagem memorial facultada pelo nosso camarada Zé Carvalho, coloco-me à volta de um livro que recentemente editei que tem como principal finalidade reconhecer histórias que nos remetem para a nossa presença na guerrilha da Guiné. 

GUINÉ-BISSAU AS MINHAS MEMÓRIAS DE GABU 1973/74 são histórias de um furriel miliciano/ranger, eu de carne e osso, que cruzou a guerra com a paz. A temática prima pela visualização de lugares comuns, das crenças de uma população que vivia encaixada entre as duas frentes no conflito, o nosso dia-a-dia como militares no terreno, bem como no interior dos quartéis, a luta pelo poder – chefe da tabanca – entre etnias, os homens e as mulheres grandes consideradas, para os nativos, pessoas com saberes ancestrais, enfim, um rol de situações abordadas que nos conduzem pausadamente a uma visualização de acontecimentos que marcarão para sempre a nossa ação no palco da guerra.

Claro que a temática abordada é universal e cruza linhas de fronteira por nós palmilhadas. Por uma questão de princípio, e respeito, não entro em ondas eletrizantes, concluindo sim que a problemática dos mitos é para mim uma coisa de somenos importância. Importante é a panóplia de acontecimentos que ainda, hoje, mexem com os nossos egos. 

A apresentação oficial da minha última obra, em Beja, está agendada para o dia 4 de junho na Biblioteca Municipal José Saramago, 21h30, sendo que os ecos do acontecimento são também motivo para a imprensa escrita se debruçar sobre a temática.

Eis pois uma entrevista concedida ao Diário do Alentejo, nesta sexta-feira, 21 de junho.


Um abraço, camaradas 
José Saúde
Fur Mil Op Esp/RANGER da CCS do BART 6523
___________

Nota de M.R.: 

Vd. último poste desta série em: 

14 DE ABRIL DE 2013 > Guiné 63/74 – P11389: Memórias de Gabú (José Saúde) (27): Capa da obra "As minhas memórias de Gabu" 

Guiné 63/74 - P11742: Tabanca Grande (402): Joaquim Luís Fernandes (ex-Alf Mil da CCAÇ 3461/BCAÇ 3863, Teixeira Pinto, 1973/74), residente em Maceira / Leiria, tabanqueiro nº 621

1. Mensagem do nosso camarada e novo tertuliano Joaquim Luís Fernandes, ex-Alf Mil da CCAÇ 3461/BCAÇ 3863, Teixeira Pinto, 1973/74, com data de 3 de Junho de 2013:

Caro camarada Carlos Vinhal:

Começo por agradecer a resposta pronta e favorável à minha participação no encontro do próximo dia 8 em Monte Real. Lá nos encontraremos.

Brevemente, após o nosso encontro, tenciono partilhar para o Blogue um pouco da minha passagem pela Guiné, pelo menos os aspetos que considere relevantes para os fins em vista.

Apresento-me:

(i) Joaquim Luís Fernandes, natural e residente em Maceira, concelho de Leiria.

(ii) Assentei praça (recruta) em janeiro de 1972 no RI 5 nas Caldas da Rainha com o número 06067572;

(iii) No 2º trimestre estive em Mafra na EPI e fiz o COM como Cadete de Infantaria;

(iv) No 3º trimestre voltei ao RI 5 como Aspirante a Oficial Miliciano e fui instrutor, dando aí uma recruta;

(v) Fui mobilizado em setembro ou outubro de 1972, mas só em 20 janeiro de 1973 tive voo para a Guiné, depois de longo adiamento que me deixou solto e sem quartel durante 3 meses;

(vi) Apresentei-me no QG em Bissau como Alf Mil de Infantaria em 20 janeiro de 1973 (data da morte de Amílcar Cabral) ficando (no famoso Biafra) a aguardar coluna de transporte para Teixeira Pinto onde iria ser integrado na CCaç 3461/ BCaç 3863 comandada pelo Cap Mil Gouveia;




(vii) Em Teixeira Pinto substituí, em rendição individual, o Alf Mil Marques, que tinha sido evacuado para a Metrópole; Comandei um Pelotão (grupo de combate "Os Americanos");

(viii) Tive como principais missões, a escolta de colunas e o patrulhamento de segurança e de reconhecimento ofensivo;

(ix) No fatídico dia 1 de fevereiro de 1973(*), domingo, fiz o meu primeiro serviço de Oficial Dia e o meu Grupo estava de piquete: um trágico "batismo" para um "pira".

Já no dia da minha chegada (noite) tive a praxe da ordem. Um ataque ao quartel (ou simulacro) que me apanhou de "calças na mão", isto é, já deitado, sem conhecer o quartel, sem arma distribuída;

Os camaradas que partilhavam o quarto comigo, Alf Mil Henriques e Alf Mil Batalha, fardam-se rapidamente, pegam nas armas e deixam-me numa situação pouco agradável a ouvir os rebentamentos e as rajadas sem saber o que fazer. O que me valeu foi que o ataque (ou simulacro) foi rápido e não aconteceu nada. Apenas um ferido ligeiro no manuseio de arma de fogo, um morteiro 80.

Mas já me estou a alongar e por hoje fico-me por aqui.

Apenas quero manifestar o meu agrado por ir encontrar em Monte Real o camarada Joaquim Mexia Alves, pessoa que admiro e estimo e que desconhecia como ex-militar da Guiné.

Dos camaradas que pertencem ao blogue e com os quais me cruzei e que de algum modo e por algum tempo convivi, no BCaç 3863 em Teixeira Pinto e Bachile, identifiquei o então Capitão, hoje Maj Gen Abílio Afonso, o médico ex-Alf Mil Mário Bravo e o ex-Alf Mil José Sousa Pinto, com os quais gostaria de partilhar algumas memórias e fotos.

Espero vir a encontrar muitos mais, especialmente do meu Grupo de Combate e da minha Companhia.

E por hoje é tudo.

Um abraço cordial para toda a equipa e até sábado.
Joaquim Luís Fernandes

Monte Real, 8 de Junho de 2013, VIII Encontro da Tertúlia > Joaquim Luís Fernandes à direita da foto
Foto: © Rui Silva (2013). Todos os direitos reservados.


2. Comentário de C.V.

Caro camarada Joaquim Luís Fernandes, começo por te endereçar um abraço de boas-vindas em nome dos editores e da tertúlia em geral.
Entraste da melhor maneira possível na nossa Tabanca Grande ao teres participado no VIII Convívio da nossa tertúlia, em Monte Real, no passado dia 8 de Junho, onde tiveste a oportunidade de conhecer alguns camaradas e as respectivas famílias. Esperamos que tenhas gostado do ambiente e que voltes a estar na nossa companhia nos próximos anos. Tenhamos todos saúde.

Na tua apresentação referes um grave incidente no dia 1 de Fevereiro de 1973. Socorrendo-nos do nosso camarada António Graça de Abreu e do seu "Diário da Guiné", reproduzimos as páginas 73 e 74 onde está descrito aquele trágico acontecimento e as suas consequências. Infelizmente aconteceram muitas situações semelhantes, uma das quais com a 27.ª C.Comandos, numa coluna auto entre Mansoa e Mansabá, que julgo ter originado um morto e vários feridos, assistidos, primeiro em Mansabá, com posterior evacuação para o HM 241 de Bissau.

Não referes a data de regresso à (então) Metrópole, que não deve ser a mesma do BCAÇ 3863 já que eles regressaram em Dezembro de 1973, sendo tu ainda muito periquito. Por onde andaste em 1974?

Estamos disponíveis para receber e publicar as tuas fotos (legendadas) e os teus textos, pelo que poderás começar a trabalhar assim que entenderes.
Alguma dúvida que te suscite não hesites em nos contactar.

Pessoalmente, fico também ao teu dispor.
Recebe um abraço do camarada e novo amigo
Carlos Vinhal
______________

Notas do editor:

(*) - Excerto do "Diário da Guiné, Lama, Sangue e Água Pura", do nosso camarada António Graça de Abreu, pág. 73/74:

(...) Canchungo, 1 de Fevereiro de 1973

É uma hora da manhã, escrevo sereno, lúcido, sem paixão, tudo de enfiada.

Ver viver, ver morrer, três homens mortos, sete feridos graves, quatro ligeiros. A causa próxima foi um desafio de futebol, a causa remota foi o destino e o facto de estarmos numa guerra.

Esta tarde houve um jogo de futebol entre o pessoal branco do Batalhão 3863 e a tropa branca e negra do aquartelamento do Bachile [, CCAÇ 16, constituida sobretudo por militares manjacos, do recrutamento local9. Não sei se por culpa dos brancos ou dos negros, decerto por culpa de ambos, o jogo descambou em grossa pancadaria o que levou o coronel [, pára, Rafael Durão, comandante do CAOP1,] a intervir, a assestar uns tantos socos em não sei quem e a dar voz de prisão a dois negros.

Cerca das oito da noite, foi recebida aqui uma comunicação rádio do capitão branco do Bachile, a braços com uma insubordinação dos militares negros. Quarenta africanos armados haviam saído do aquartelamento e marchavam a pé para Canchungo, a fim de tirarem da prisão os seus dois camaradas detidos. Aprontaram-se imediatamente cerca de cinquenta comandos da 38ª. Companhia e o coronel seguiu com eles.

Na ponte Alferes Nunes, já próximo do Bachile, os Comandos ficaram e o coronel avançou sozinho, no jipe, ao encontro dos soldados africanos. Graças à sua coragem, ao respeito que impõe a toda a gente - é o “homem grande” branco -, à promessa de libertar os presos, os soldados negros regressaram pacatamente ao Bachile.

Aqui em Teixeira Pinto estávamos na expectativa, não sabíamos o que ia acontecer. Em frente do edifício do CAOP, eu conversava com o major Malaquias, com um alferes da 38ª [CCmds] e outro do Batalhão quando ouvimos um grande rebentamento muito próximo. Que será? Um minuto depois chegou a informação, via rádio. Era preciso preparar imediatamente o hospital, havia mortos e feridos.

No regresso dos comandos, à entrada da vila, rebentara uma caixa cheia de dilagramas – granadas disparadas pelas G 3 com um dispositivo especial – em cima de um Unimog onde vinham catorze homens. Dois mortos de imediato, os restantes feridos vinham a caminho. Corremos para o hospital. Os comandos chegaram.

Como vinham, meu Deus! Um furriel morria na sala de operações. As suas últimas palavras para o Pio [de Abreu], o médico, foram: “Doutor, cuide dos outros, eu estou bem.”

Nas macas, no chão de pedra do hospital jaziam feridos graves, corpos semi-desfeitos, barrigas, intestinos de fora e quatro rapazes só com alguns estilhaços. Não ouvi um queixume, mas havia muitos homens a chorar.

Era preciso evacuar os feridos para o hospital de Bissau. Onze horas da noite, iluminámos a pista com os faróis das viaturas e com as mechas acesas em muitas garrafas de cerveja cheias com petróleo, distribuídas aí de dez em dez metros ao longo do campo de aviação. Aterraram quatro DO. Ajudei a transportar feridos entre o hospital e as avionetas, num dos nossos Unimog. Dois deles iam muito mal, cravados de estilhaços, em estado de choque ou coma, não sei se escaparão.

O condutor do Unimog em cima do qual as granadas rebentaram é um dos meus soldados, do CAOP 1, Loureiro de seu nome, com apenas oito dias de Guiné. Ia a conduzir, não sofreu uma beliscadura. Trouxeram-no cambaleando, o espanto, incapaz de falar. Evacuados os feridos, fui buscá-lo, abracei-o, sentei-o na minha cadeira na secretaria, animei-o, bebemos quatro águas Castelo.

Foi um acidente de guerra. Corpos ensanguentados, dilacerados, muitos homens destruídos, não apenas os mortos e os feridos.
[...]

- Último poste da série > 29 de maio de 2013 > Guiné 63/74 - P11651: Tabanca Grande (401): Joaquim Moreira Cardoso, ex-Soldado TRMS do Pel Mort 4574 (Nova Lamego, 1972/74)

Guiné 63/74 - P11741: Notas de leitura (493): Populações da Guiné, publicação do Comando-Chefe das Forças Armadas da Guiné - Quartel General - Repartição de Informações (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 13 de Março de 2013:

Queridos amigos,
É um relatório bem fundamentado, com opiniões naturalmente controversas, apresenta vasta e oportuna bibliografia. Lê-se num ápice, é uma linguagem desempoeirada, por vezes coloquial.
Interessante seria cruzar estes dados com as informações em poder da PIDE/DGS. A polícia política, graças a Fragoso Allas, imprimiu um fôlego novo à natureza das informações obtidas fundamentalmente através dos comerciantes que calcorreavam os campos no Senegal e na República da Guiné.
Certo e seguro, temos aqui um documento à disposição do historiador e posso assegurar-vos que o que se escreve sobre as religiões está mesmo a pedir nova edição, é um absurdo, é um esbanjamento criminoso, deixar documentos como este na poeira das bibliotecas.

Um abraço do
Mário


Quem nos apoia? Quem nos hostiliza? 
Análise de um documento da Repartição de Informações, do Comando-Chefe, Junho de 1971

Beja Santos

A Repartição de Informações era uma unidade sensível na contrassubversão. Produzia documentação da mais variada índole que permitisse ao decisor militar ponderar os apoios e as forças hostis, sopesando as etnias mais amigas e aquelas onde primavam os principais recrutamentos do PAIGC. O documento agora em apreço, amavelmente cedido pela biblioteca da Liga dos Combatentes, permite, no contexto temporal de 1971, perceber, na ótica deste serviço, a natureza dos apoios e das hostilidades à presença portuguesa. Isto em torno do estudo sobre as populações da Guiné. Mas o documento também procura fazer uma leitura sobre as religiões, revela-se altamente interessante e não custa nada supor como seria útil a sua publicação para estudo de todos os interessados na problemática da Guiné-Bissau.

Qual a população, em percentagem, apoiante da presença portuguesa, e quem era contra, de acordo com este documento? Considera-se que a população sob controlo português era de cerca de 436 mil habitantes, estando fora desse controlo 160 mil almas. E extrapola-se: “Considerando como 60 mil o número de refugiados no Senegal e 20 mil na República da Guiné, estima-se sob o controlo do IN no interior do teatro de operações 80 mil almas, ou seja 13 % da população”. O documento é rico nas considerações que profere sobre línguas e dialetos e da análise dos povos, dividindo-os em sahelianos (caso dos Fulas), sahelo-sudaneses (caso dos Mandingas, Oincas, Saracolés, Jalofos e outros), sudaneses meridionais (caso dos Padjadincas) e recalcados subguineenses (caso dos Felupes, Balantas, Banhuns, Manjacos, Papéis, Brames, Beafadas, Nalus, Bijagós e outros). Quanto aos Fulas, escreve-se: “Quando eclodiu terrorismo, os Fulas sentiram no facto um desabar do seu mundo e da supremacia que tinham conquistado. Os seus régulos e cipaios que dominavam em chão alheio acharam-se de um momento para outro atacados. Com o evoluir do terrorismo, definiram-se posições e hoje podem observar-se comportamentos diferentes em face à subversão: - franca colaboração com as autoridades e repúdio total ao movimento de subversão; - colaboração com as autoridades enquanto a força pender para o seu lado; desconfiança e retraimento em relação à política de justiça social do governo da Província, política que, repondo os Fulas no seu lugar, os coloca em igualdade de privilégios com as outras etnias”. No que toca aos Mandingas, o documento revela um pesado ceticismo: “A sua atitude perante o terrorismo, deve-se interpretar com todo o bom senso, pois houve razões fortes para que vissem no PAIGC a oportunidade de reaverem a sua independência política em face dos Fulas e vingar as prepotências a que foram sujeitos. Se abstrairmos o número de Mandingas que aderiram convictamente ao PAIGC, verifica-se que a grande maioria foi obrigada a aderir, ou porque as terras em que viviam foram envolvidas pela subversão ou porque foram acusados muitas vezes, injustamente, de terroristas, que os obrigou a fugir. Ainda há bem pouco tempo, o Mandinga na Guiné era sinónimo de terrorista. E refere-se o caso do chefe Fula Sambel Baldé, chefe da milícia de Fajonquito, que além de chefe das milícias desta povoação se valia da confiança que nele era depositada para acusar de cumplicidade com o IN os Mandingas ricos. É de recear que ainda haja na Guiné destes “fabricantes de terroristas”, o que desde já se julga de acautelar”.

Estamos perante um documento de leitura irrecusável para quem queira interpretar os olhares do serviço de informações do Comando-Chefe. São passados em revista todas as etnias e, no caso das religiões, pode dizer-se que o documento é exaustivo e a sua publicação teria êxito garantido, na Guiné-Bissau e em Portugal.

Voltando aos apoios aos portugueses ou ao PAIGC, sobre os Felupes escreve-se o seguinte: “Como sociedade fechada que ainda hoje mostra ser, muitas atitudes dos seus elementos foram consideradas como suspeitas. É caso a atitude desconfiada e receosa dos Felupes nos primeiros contactos com elementos estranhos à sua comunidade. Presentemente, o poder encontra-se nos Chinas das diversas populações Felupes. O desconhecimento deste facto levou alguns sectores a pensarem que havia uma sonegação de informações às nossas autoridades em benefício do PAIGC”. E quando as autoridades portuguesas nomeavam régulos, eles nunca tinham prestígio. Falando dos Balantas, é de ficar surpreendido com a fragilidade da argumentação usada: “O seu espírito de guerreiro concretiza-se somente no roubo de gado e nos assaltos de surpresa, o que os levou a ser considerados como povo essencialmente guerreiro. Também são considerados como os que mais entraves puseram à penetração portuguesa. Quanto ao primeiro aspeto, o balanta é pouco valente quando tem que enfrentar uma força regular pois para esse tipo de luta é o beafada o guerreiro por excelência (…) O diálogo estabelecido com este povo, no último congresso do povo da Guiné, trouxe ao de cima alguns problemas aqui anunciados, podendo a sua solução provocar uma mudança sensível na luta que se trava na Guiné”. Passando para os Manjacos, observa-se que: "os manjacos residentes no Senegal e Gâmbia viram na subversão um meio para lutarem contra a influência Mandiga e Fula no seu chão, formando movimentos de tendência tribalista como foi o Movimento de Libertação da Guiné (…) Embora a maioria dos Manjacos que estão com o PAIGC sejam combatentes, muitos há que ocupam lugares de liderança”. Acerca dos Papéis, observa o documento: “A subversão veio ao encontro das aspirações da camada jovem aculturada, que viu nela possibilidades de triunfar, uma vez que a situação económica estagnante da província não lhes oferecia oportunidades. No entanto, os papéis integrados na cultura tradicional e localizados na Ilha de Bissau, ainda que com mais contactos com a cultura europeia, não foram atingidos diretamente pelo terrorismo e por isso não manifestaram a sua atitude face à subversão; no entanto, admite-se que esta tenha penetrado nas suas estruturas. No PAIGC ocupam lugares de chefia”. E quando aos Beafadas: “A subversão penetrou com facilidade na sociedade Beafada que apresentava no início do terrorismo um desequilíbrio estrutural devido à mandinguização. No entanto, o seu comportamento em relação à subversão tem sido variável; se em certas áreas da circunscrição Fulacunda e nas zonas do Cuor e Xime aderiram e colaboraram com o PAIGC, noutras, como em Gadamael, Jabadá e Fulacunda, tornaram-se fiéis colaboradores das autoridades. Também os seus chefes se dividiram na atitude tomada face à subversão, tornando ainda maior a indecisão de muitos Beafadas perante o caminho a seguir. O seu espírito aguerrido foi aproveitado pelo PAIGC, fazendo deles combatentes”. E, por último, uma referência aos Bijagós: “Embora o terrorismo não se tenha manifestado no Arquipélago, verificaram-se certos factos que podem de algum modo indicar, em maior ou menor grau, o comprometimento de alguns sectores da sociedade Bijagó. São eles: - várias referências de tráfego de canoas entre o Cubisseco e Tombali, zonas sob o controlo IN; a presença Bubaque de cerca de 70 Fulas e Mandingas deslocados de Buba, suspeitos de estarem comprometidos com a subversão; a fuga em 1 de Novembro de 1969 de 12 elementos jovens e evoluídos que desempenhavam funções de professores, monitores agrícolas e fiel de barco da ilha de Bubaque. A adesão de muitos elementos jovens e evoluídos à subversão pode levar, num futuro próximo, a decidir os restantes, dado o seu de permeabilidade. Recorda-se que muitos professores e enfermeiros do PPAIGC pertencem à etnia Bijagó”.

Enfim, um documento valioso, um olhar da Repartição de Informações, um estudo sobre populações que devia estar ao alcance tanto do curioso como do estudioso, nos dois países.
____________

Nota do editor

Último poste da série de 17 DE JUNHO DE 2013 > Guiné 63/74 - P11719: Notas de leitura (492): em nome da Grei, por Gustavo Pimenta (Mário Beja Santos)