terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Guiné 63/74 - P16805: Inquérito '0on line' (95): Texto e contexto: batota, balda, ronha, cobardia, traição ?... Ou às vezes, também bom senso, experiência, velhice, sensatez ? (Hélder Sousa, ex-fur mil trms TSF, Piche e Bissau, 1970/72):



Guiné > s/l > c. 1970/72> Algures, o nosso Hélder Sousa, fur mil trms TSF, em funções de radiolocalização... Um trabalho onde, teoricamente,  era fácil (?)  fazer batota (*)...


Foto: © Hélder Sousa (2007). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]



1. Comentário.ao poste P16800 (**), nosso colaborador permanente Hélder Valério de Sousa (ex-fur mil trms TSF, Piche e Bissau, 1970/72): 

Texto e contexto: batota, balda, ronha, cobardia, traição ?... Ou às vezes,  também bom senso, experiência, velhice, sensatez ?... [Título do editor]


Desta vez não participei no inquérito.

Não por qualquer reserva mental ou discordância. Apenas porque a minha situação no CTIG (rendição individual), o meu enquadramento 'operacional' (enquanto no 'mato' dependente da Direcção de Bissau e depois em actividade tipo repartição funcionando em turnos) e o próprio tipo de acção (centro de escuta e guerra electrónica) não configuravam nenhuma das opções para escolha.

Também não iria entrar aqui pela porta do 'ouvi dizer' ou do 'houve uma vez um camarada que me disse que...'
Portanto, aguardei as conclusões do inquérito e o meu comentário não foge muito ao que os antecessores disseram.

O que o Carlos Vinhal diz é muito justo, "marcar operações pelo mapa é uma coisa, progredir no terreno é outra", pelo que admito que algumas vezes fosse bastante ajuizado não cumprir à risca as determinações abstractas. 

Seria isso 'balda'? Depende da forma se abordar. Se se tratou de uma acção deliberada do género "quero que as ordens se lixem, eu quero é defender a integridade da pele", sem qualquer outro tipo de situação que em certa medida justificasse esse 'contorno' das ordens, pois certamente que seria 'balda'. Caso contrário pode ser enquadrado numa atitude de sensatez de comando no local, em função das circunstâncias.

Claro que não faltarão os 'vigilantes', almas boas zelosas do cumprimento cego dos regulamentos, que apontarão o dedo acusador a tais camaradas e sentenciarão "cobardes, traidores" e outros mimos.
Como de costume, há de tudo!

Lembro-me de ter relatado aqui o que me aconteceu ainda não teriam decorrido duas semanas (nem tenho já a certeza de não ter sido mesmo ao fim de uma semana) em que fui incumbido de acompanhar um dos dois elementos da Racal que estavam em Bissau a promover a venda de um dos seus equipamentos. 

Como disse na altura, um era um Oficial do exército da África do Sul e o outro engenheiro da Rodésia (ou vice versa, para o caso isso agora é irrelevante) e eu com meia dúzia de dias acompanhei no interior fechado duma viatura das transmissões o Oficial e o rádio lá instalado e ia-se fazendo comunicações em vários locais à volta de Bissau para o 'posto director' onde estava o Engenheiro com o outro aparelho de rádio instalado numa tenda no pátio do STM. 

Durante o dia correu tudo normalmente. Foi necessário fazer também as experiência à noite para verificar quanto as interferências nocturnas seriam, ou não significativas. 

Hélder Sousa, hoje
Como disse, estava há duas semanas, no máximo, na Guiné, apenas em Bissau, de onde ainda não tinha saído, pouco ou nada conhecia para além dela e para além das notícias e deturpações que se costumavam contar (havia também os ecos dos embrulhanços do outro lado do Geba) e estava dentro do espaço fechado da viatura. Na cabina de condução, para além do condutor ia também um outro Furriel, periquito como eu, totalmente desconhecedor dos procedimentos, dos perigos e dos mitos.


Em certa altura do processo apercebi-me que se andava para a frente e para trás, no mesmo percurso, e depois que se andava em círculos. O Oficial também percebeu, procurámos saber o que se passava e o condutor disse que assim era melhor, mais seguro, pois para onde nos estavam a mandar ir não era seguro à noite. 

Relatei isto e logo os 'vigilantes' caíram em cima com observações de exacerbado patrioteirismo... não tiveram em conta o enquadramento, só tinham como alvo a crítica.

Portanto, formas de 'tornear ordens' houve muitas. O que eu relatei, que se passou comigo, será, ou não, uma delas. (***)

Hélder Sousa

________________

Notas do editor:

(*)  Vd.postes de radiolicalização:



12 de janeiro de 2010 > Guiné 63/74 - P5636: Histórias em tempos de guerra (Hélder Sousa) (8): Como fui parar ao Centro de Escuta



segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Guiné 63/74 - P16804: (De)caras (64): Os picas e guias das NT, Malan Djai Quité e Mancaman Biai, que eu conheci, no Xime, em 1972 (António J. Pereira da Costa, cor art ref)



Guiné.Bissau > Região de Bafatá > Xime > Novembro de 2000 > Em primeiro plano, o Lúcio [Damiano Monteiro] Silva, natural de Vizela,  ex-1º cabo,  CART 3494  (Xime e Mansambo, dez 1971 / abr 1974)... Quem seria este velho habitante do Xime, por detrás do Lúcio Silva, envergando aquilo que se afigura ser uma velha farda ou do FARP / PAIGC  ou do antigo exército português ?... Ao fim de mais de 4 décadas de independência, está praticamente extinta a geração de guineenses que combateu na guerra. ao lado de (ou contra) o PAIGC...


Guiné.Bissau > Região de Bafatá > Xime > Novembro de 2000 > Da margem esquerda (Xime) à margem direita (Enxalé): a canoa ainda continua a ser um meio fundamental de "cambança"



Guiné.Bissau > Região de Bafatá > Xime > Novembro de 2000 > Pirogas em seco, e os "eternos meninos do Xime"...


Guiné.Bissau > Região de Bafatá > Xime > Novembro de 2000 > "Manga de ronco": a chegada da caravana dos "tugas, que veio de longe, do Porto.,..


Guiné.Bissau > Região de Bafatá > Xime > Novembro de 2000 >  O Rio Geba...Do outro lado, a margem direita, onde ficava a bolanha e a tabanca do Enxalé.


Guiné.Bissau > Região de Bafatá > Xime > Novembro de 2000 > Restos do cais acostável por onde, até ao fim da guerra, em 1974, passaram milhares e ,milhares de homens em armas... Já na altura, em novembro de 2000, o cais do Xime era uma desoladora ruína... Com o rio cada mais assoreado, deixou de ser praticável a navegação no Geba Estreito, e nomeadamente a partir de Bambadinca... O transporte dos produtos do leste faz-se agora por estrada...


Fotogramas do vídeo A Outra Guiné (The Other Guinea), de Hugo Costa, legendado em inglês. Vídeo (9' 27''). Ficha técnica: produção: Universidade do Porto, 2012; realização: Hugo Costa e Tiago Costa: diretor de fotografia: Hugo Costa; som: Hugo Costa... Duração: 9' 27''.

Cortesia de Albano Costa e Hugo Costa (2013). Edição e legendagem das imagens: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné
.

1. Nesta expedição, por terra, à Guiné-Bissau,  integrou-se um grupo do Norte, incluindo o Albano Costa, ex-combatente em Guidage [ou Guidaje]  e seus amigos, todos antigos combatentes na Guiné,  além do seu filho, Hugo Costa, realizador deste vídeo.

Recorde-se que o Albano Costa já era fotógrafo (profissional) quando fez a sua comissão de serviço, como 1º cabo at inf, na CCAÇ 4150 (Guidaje, Bigene, Binta, 1973/74). A sua paixão pela fotografia fez com que ele seja um dos nossos camaradas com mais e melhor documentação sobre a Guiné, de ontem e de hoje.

Em novembro de 2000, quebradas as últimas "resistências psicológicas", ele voltou à Guiné, agora como simples turista, revisitando sítios por onde estivera vinte e seis anos antes e conhecendo muitos outros de que só ouvira falar (por exemplo, o Xime e parte da  zona leste)...

Nessa altura, juntamente com o filho Hugo Costa (então finalista de um curso de comunicação social), e mais um grupo de camaradas, ex-combatentes (, o Lúcio, Casimiro, Armindo, o Carlos, o Manuel Costa, o Xico Allen, etc.), o Albano fez um verdadeiro safari turístico-sentimental, durante 15 dias, de 11 a 26 de Novembro de 2000, percorrendo a Guiné-Bissau, de lés a lés, em dois jipes. Pelo meio apanharam um golpe de estado.

Dessa aventura ficou um extenso registo, em vídeo,  de que nos  chegou, em 2005, uma cópia, em 4 DVD, por mão do Sousa de Castro, o nosso grã-tabanqueiro nº 2. É um excelente trabalho de seis horas, sendo a realização, a insonorização e a montagem do Hugo Costa. Sabemos que o Hugo ficou, entretanto,  com o negócio do pai, dando assim  continuidade a uma empresa que tem a idade de 3 gerações, a Foto Guifões [vd, aqui a página do Hugo no Facebook] (*)



2. Dois preciosos comentários do António J. Pereira da Costa, um  ao poste P16793 (**). e outro ao poste P16772 (***), que nos obrigam (ou convidam...) a reler o notável retrato psicoprofissional que ele fez, em tempos, dos dois picadores e guias do Xime, o  Malan Djai Quité e o Macaman Biai, no poste P5803, da sua série "A minha guerra a petróleo" (****).


2.1. O único sítio onde tive conhecimento que havia guias/picadores, credenciados como tal, foi no Xime. Creio, pois, que se tratava de uma situação pontual. (*)


Tinha dois - o Malan Djai Quité e o Macaman Biai - que era civis assalariados. Não me recordo por quanto e, como já disse, estive próximo de "cortar a colecta" ao Macaman. A detecção de uma mina "reforçava" o pecúlio auferido e aqui recomeçam as suspeitas. Como era possível detectar minas numa zona onde, embora houvesse uns restos de picada, se andava, muitas vezes, a corta-mato, em terrenos de lala? É que bastava passar uns metros mais ao lado e não se detectava a mina... E o o que fazia com que o PAIGC fosse pôr minas num local onde as NT tinham percursos repetidos mas muito aleatórios? Enfim, dúvidas que devia ter tido antes...

O levantamento ficava a cargo do especialista das NT, como verifiquei.

Teoricamente alternavam na realização dos patrulhamentos. Como o Macaman começou a "alternar" pouco, desconfiei e, pelos vistos, com razão. Todavia, "a História o absolverá", como já disse noutros posts em que procurei analisar a complexidade da situação vivida por aqueles que ficavam e ali viviam depois da saída de cada unidade e sem qualquer alteração da situação que se vivia.

Sobre o Malan Djai Quité, ferido na primeira emboscada na Ponta Cóli, mas que, constava de relatório da acção, tinha feito fogo com duas (!) G-3 e de pé, já me pronunciei. Terá apostado no cavalo errado e pagou, caro(?),  a sua fidelidade. Sei que tinha a mulher em Demba Taco o quer seria estranho, se não fosse na Guiné. Poderá ter desaparecido a partir daí...
Vivia num abrigo construído por si mesmo e às vezes parecia ter problemas mentais, como naquela noite em que vestido apenas com uma "ridia" (rede) foi a casa da viúva Maria. O burburinho inerente e ficou-se por aí. 

Era um antigo lutador de luta mandinga e levou ao tapete o Costa - lisboeta e empregado do Sol-Mar - com bastante facilidade. Um dia perguntei-lhe por um chefe guerrilheiro que tínhamos informações que andava por ali, Tóda Na Fenba.
Respondeu:
- O gajo cá presta. Tem cu pequenino de Malan. Um dia jogámos porrada e Malan ganhou.


2.2. Apanhei uma situação [, na 2º metade do ano do 1972] em que já não havia duplo-controlo. Havia ligações familiares e de amizade entre ambas as partes. (**)

Recordo-me que a LDG afundou um vez uma canoa, na curva para o Geba Estreito. Foram salvos e vinham num estado miserável quando me foram entregues no Xime, Esfomeados e rotos,  e um deles era amigo do chefe da tabanca. Tive para com eles as atitudes regulamentares, mas não creio que ficassem por muito tempo. 

Quem estava para Sul do Xime ou tinha feito ou fora obrigado a fazer as suas opções. Todavia, a luta da "guerra a petróleo" era sempre pela população. Sei, por outras vias que não é possível à população "em geral" fazer opções nesta guerra ou numa ocupação de território, por exemplo. 

No caso do Mancaman aceitarei que numa primeira fase ele tivesse querido ficar com os portugueses. No fundo, na óptica dele, eram a facção com a qual tinha a ganhar. Porém, com o evoluir da guerra, ter-se-á começado a aperceber que as coisas não terminariam bem e até terá sido "avisado" de que as coisas, quando a guerra acabasse, correriam mal para "as cores dele".

Que fazer nesse caso? Filosofar e tentar jogar com um pau de dois bicos. Pelos vistos saiu-se bem. Que seja feliz!


3. Comentário do editor:

O primeiro comentário do António J. Pereira da Costa, surge na sequência de um outro comentário do editor em que se dizia:

 "Temos uma dívida de gratidão aos nossos guias e picadores, guineenses... Sem eles, as nossas operações teriam sido bem mais penosas e mortíferas... E alguns pagaram bem caro a sua dedicação às NT... Eram simples civis, assalariados.pagos à peça (mina detetada e levantada, picagem, serviço de guia...). Precisamos de conhecer melhor o seu trabalho no TO da Guiné. Temos falado pouco deles...Na realidade, pouco ou nada sabíamos deles"...

Retomamos aqui um texto, já antigo, mas de antologia, e que como tal merece ser relido, do Pereira da Costa (que foi um dos comdts da CART 3494, no Xime, na 2ª metade do ano de 1972), sobre os seus dois guias picadores (****).
_________________


(***) Vd. poste de 29 de novembro de 2016 > Guiné 63/74 - P16772: (De)Caras (63): Em homenagem ao António Vaz (1936-2015), que nos deixou há um ano na véspera de natal: "os guias e picadores do Xime: Seco Camará 'versus' Mancaman Biai"

(****) Vd. poste de 12 de fevereiro de 2010 > Guiné 63/74 - P5803: A minha guerra a petróleo (ex-Cap Art Pereira da Costa) (2): Os guias e picadores, mandingas, do Xime, Malan e Mancaman: duas maneiras diferentes de ser e de estar na guerra...


(..:) Passei ali, [no Xime,]  aqueles que, ainda hoje, considero os cinco piores meses da minha vida. Por razões que não descortinei, nessa altura, a CArt 3494 utilizava dois guias-picadores para as suas operações e que eram pagos como tal: o Malan Djai Quité e o Mancaman  [Biai](...). Teoricamente guiariam alternadamente as forças que saíssem, procurando também detectar minas, o que lhes asseguraria um pequeno pecúlio, creio que de cerca de mil escudos, por cada mina anti-pessoal e dois contos, por cada mina anti-carro.

Estas, porém, o inimigo não tinha muito motivo para utilizar, uma vez que a tropa saía sempre em direcção ao Sul e apeada, considerando que nessa direcção não tínhamos qualquer aquartelamento até à curva do Corubal. Nunca entendi bem como é que numa área onde andávamos a corta-mato ou por trilhos pouco batidos, se poderiam colocar minas com boa possibilidade de serem accionadas. O inimigo poderia colocá-las, mas nada lhe garantia que iríamos passar naquele trilho e não a todo-o-terreno ou não abriríamos outro, alguns metros mais ao lado, que a Natureza pressurosamente iria fechar nos dias seguintes.

Detectar minas parecia-me uma coisa problemática, a menos que se soubesse onde íamos passar e, forçosamente com pouca antecedência, ali as colocassem. Efectivamente, da antiga estrada para a Ponta Varela e Ponta do Inglês restava pouco mais de um quilómetro. Depois, o terreno era "todo ou quase todo igual" e a progressão era feita a todo-o-terreno, com uma ou outra referência. Claro que poderíamos descer pela margem do rio, tendo-o sempre à vista e ao nosso lado direito, o que facilitava o movimento e dava a possibilidade de nos opormos às travessias, que, às vezes o inimigo tentava mesmo à luz do dia. De qualquer modo, uma coisa era certa: o caminho que seguiríamos entrava no âmbito do cálculo das probabilidades, um a dois quilómetros depois de sairmos do arame farpado.

Eram bem diferentes os dois guias, embora fossem ambos mandingas.


O Malan [Djai Quité], mais velho, 
rondaria os cinquenta e cinco anos... 


Era, portanto velho, no contexto da população, mas exibia os restos de uma constituição física notável que lhe permitia realizar sozinho trabalhos agrícolas, recorrendo a alfaias tradicionais. Usava uma espécie de remo, com cerca de dois metros de comprido e, espetando a pá no solo com uma inclinação inferior a 45º, ia removendo pasadas de terra que punha para o lado, abrindo uma leira onde plantava arroz.

Outras vezes, pescava com uma espécie de rede (uma ridia, como ele dizia) e apanhava uma espécie de lagostins cuja cabeça tinha o comprimento quase igual ao do corpo. Eram saborosos e, infelizmente, poucas vezes apanhava mais de dez. Estou em crer que seria uma espécie de lagostins adaptados à água salobra, muito semelhantes aos que, por cá se desenvolvem nos arrozais.

O Malan fumava um daqueles cachimbos de madeira que enchia com toda a calma, dobrando cientificamente a folha do tabaco. Era um trabalhador infatigável e um guia de confiança. Era casado com uma mulher, mas vivia sozinho num abrigo minúsculo, construído por ele. Aproveitava o reabastecimento às auto-desfesas para visitar a mulher, em Demba-Taco. Levava-lhe dinheiro e alguns produtos da terra e eu nunca entendi de que é que uma mulher bastante mais nova que ele, vivia numa tabanca tão pequena e com tão poucos recursos.

Ao que me foi dito, durante os ataques com armas pesadas, sentava-se tranquilamente em cima do abrigo a fumar o cachimbo e explicava que "O homem 'mure', quando 'mure'!" e, por isso, não tinha grande necessidade de se abrigar. Ao que parece teria problemas sexuais de impotência, mas também de desejo.

O alferes Pinho, da Artilharia,  contou-me que um dia, durante uma operação, resolveu pôr-se a gritar no meio da bolanha de Lântar: "A tabanca matou o meu caralho!", enquanto mostrava a "prova do crime". Durante o meu tempo, só recebi queixa da Maria, viúva de um furriel dos comandos, e que vivia com um filho de quatro ou cinco anos.

Uma noite, o Malan resolveu visitá-la. Creio que não terá sido bem recebido ou nem sequer tolerado nas proximidades. Depois... uma intervenção da vizinhança em apoio da Maria resolveu o problema. No dia seguinte, ela veio apresentar queixa e eu lá tive que "lavar o cérebro" ao Malan. (...)

Um dia recebemos informações de que Tóda Nafemba e o Biota Tanhala andavam pelas redondezas e preparado-se para fazer das suas. A notícia (A-1, como é de calcular) dizia que um deles era natural do Xime. Convoquei o Malan e perguntei-lhe se sabia quem era. Respondeu-me que sim e acrescentou:
- Esse gajo cá presta e tem cu pequenino de Malan.

Intrigado quis saber porquê. Fiquei então a saber que o Malan tinha sido campeão de uma espécie de sumo, mas praticado com algo parecido com umas cuecas-fio-dental, em cabedal grosso. Ambos os contendores se agarravam pela cintura e procuravam, aplicando rasteiras, derrubar o adversário. Nos bons velhos tempos do Malan tinham competido e o agora guerrilheiro sempre fora levado de vencida. Mesmo sem o equipamento adequado, o impedido da messe, o atirador Costa, desafiou-o para um combate ali e naquele momento. O Costa, empregado de mesa do Solmar, em Lisboa, era um malandreco da cidade e julgou que podia "dar baile" ao velhote, mas como "quem sabe não esquece" desistiu à segunda queda.

Nas conversas que tive com ele, o Malan pareceu-me verdadeiramente infantil. Não estava sequer capaz de entender o mundo para além do que via e sentia. Para ele, a vida não ia além da sua tabanca e da natureza que a rodeava, do trabalho na terra ou no rio e, agora, porque era preciso, nem ele sabia bem porquê, fazia a guerra.

Não creio que odiasse o  Inimigo ou que tivesse qualquer assomo de patriotismo, na sua acepção mais corrente, naquele tempo. Julgo que lhe tinham dito que os turras eram maus e que ele tinha que guiar a tropa contra eles. Além disso, sempre ganhava dinheiro o que terá sido uma promoção social a que se foi habituando. A sua vida repartia-se quase exclusivamente pela sua actividade como guia-picador e os trabalhos que lhe asseguravam a subsistência.

"Este gajo é puro!", dizia o alferes Gomes depois de mais uma conversa metafísica entre ambos. Falavam de Deus (ou dos Irãs), da Natureza e dos hábitos dos Mandingas. A argumentação do Malan era pobre, mas não havia quem o demovesse das suas convicções acerca da sua fé ou da estrutura social e valores éticos dos Mandingas, que ele aceitava, sem hesitar. Enfim, seria aquilo a que poderíamos chamar a encarnação do "Bom Selvagem". Já perguntei por ele à malta que lá foi matar saudades. Ninguém sabe qual foi o seu destino, após a independência, o que não é nada bom sinal... Velho, renitente e tendo colaborado muito com os colonialistas, não lhe auguro um bom destino...


O outro guia 
era o Mancaman [Biai]...

Claramente mais novo que o Malan, era alto, bastante magro e vestia sempre à moda muçulmana tradicional. Falava baixo, parecia medir as palavras ou digerir as perguntas que lhe fizessem ou as deixas do interlocutor. Só depois de ter estudado bem o que lhe fora dito, respondia. Dir-se-ia que não queria ser apanhado em falso ou em contradições. Esfingicamente fechado,  era-me difícil saber o que pensava.

Pouco depois de eu ter chegado, começou a pretextar motivos para não guiar a companhia. Nunca entendi aquele volte face que coincidiu com a minha chegada. Presumo que terá pensado que eu imprimiria outra orientação à actividade operacional. Parecia estar farto de guerra e, por isso, procurava sair dela ou, no mínimo, reduzir a sua participação, a pouco e pouco. 

Creio que descria já de uma "esmagadora vitória das NT" e, sentenciado a viver naquela terra, não vislumbrava uma saída para o impasse em que se encontrava. Claro que o dinheiro que ganhava era-lhe fundamental para a sua sobrevivência, mas comprometia-o com algo de que queria afastar-se. Qualquer que fosse a sua opção teria custos. Posto perante a evidência de que tinha de continuar a participar nas acções da companhia, cedeu, com relutância e reatou a sua colaboração.

Confesso que desconfiei dele. Todavia, pensando melhor, comecei a compreender a sua indecisão e até angústia. Ele deveria estar a ver para o futuro. É que, depois de junho de 1972, as populações e os militares do recrutamento local, ou mesmo simples apoiantes da acção do Exército viviam, diariamente e há vários anos, o desgaste da guerra e, numa observação simples, podiam aperceber-se de que os campos estavam cada vez mais extremados e que a guerrilha, se não estava a ganhar a guerra, também não dava sinais de regredir, havendo até sítios onde já há alguns anos não era possível ir sem que isso implicasse uma operação militar de custos mais ou menos elevados e mais-valias duvidosas. É que, ir a um dado local só por ir não faria sentido. Permancer lá, teria custos consideráveis. Restava a última hipótese que era normalmente a mais corrente: ir, destruir o que houvesse e matar quem se revelasse, uma vez que a "população sob duplo controlo" era cada vez mais um mito.

Que é que um cidadão guineense poderia fazer, nesta situação? Não tenho dúvidas de que os mais atentos começavam a interrogar-se acerca do modo como tudo aquilo iria terminar. Creio que alguns começavam a prever que o fim seria certamente dramático. É dificílimo ter de optar em tempo de guerra ou grave convulsão. Porém, a vida real obriga a que essa opção seja uma escolha imediata e com reflexo na acção diária. A História cobra sempre dividendos aos vencidos de um fenómeno social e o cansaço da guerra, aliado à falta de êxitos claros da parte que apoiavam, dava-lhes a indicação de que maus tempos aí vinham. Só não sabiam quando.

A tabanca do Xime estava situada numa posição excêntrica que permitia que fosse abordada sem que o pessoal vigilante da companhia fosse alertado. Em noites de Lua-nova era mesmo difícil detectar movimentos para além do arame farpado. Daí até ao Poindom não havia ninguém. Depois, não sei. Estimo que as populações sob controlo do inimigo se dispersariam até à curva do Corubal. Não tenho elementos para dizer se e onde o inimigo residia naquela área.

Parecia que ali havia uma Terra de Ninguém. O PAIGC controlava as populações e o terreno para Sul do Poindom. Para Norte e até à linha definida pelas três tabancas (Amedalai, Taibatá e Demba-Taco), o domínio parecia ser nosso. Quase de certeza que o Mancaman não trabalhava para o PAIGC, mas tudo indica que sentiria uma certa pressão para reduzir a sua colaboração connosco e, se bem observado por alguém infiltrado na tabanca, poderia dar indícios utilíssimos, mesmo involuntariamente.

É o retrato que tenho esboçado destes dois homens que, em última análise, reagiam como podiam a uma situação social e política que martirizava a sua terra. Um nem sequer questionava a escolha que tinha feito e, como é habitual, terá sido trucidado pelos acontecimentos. O outro via-se entre dois fogos, sem possibilidade de optar, mas imaginando que se aproximavam tempos aos quais, no mínimo, teremos de chamar difíceis. Hoje podemos culpá-los de terem feito escolhas más. Será a opinião dos teóricos detentores da solução depois da poeira do cataclismo ter assentado. Hoje explicam como se deveria ter feito, mas é como se resolvessem um problema cuja solução lhes foi fornecida pelo desenrolar da História. (...)


Guiné 63/74 - P16803: O nosso querido mês de Natal de 2016 e Ano Novo de 2017 (1): "Natal Económico para a bolsa, esbanjador em afetos" (Mário Beja Santos)


Lisboa > Praça do Comércio / Terreiro do Paço > 4 de dezembro de 2016 > Árvore de Natal (pormenor)...

Foto (e legenda): © Luís Graça (2016). Todos os direitos reservados.


1. Amigos e camaradas: está dado o  mote para abrir a nossa série relativa à quadra festiva deste Natal de 2016 e Ano Novo de 2017: este magnífico texto do Mário Beja Santos, nosso colaborador permanente, nosso grã-tabanqueiro da primeira hora, nosso crítico literário encartado, escritor, especialista em assuntos de defesa do consumidor, amigo até mais não da Guiné-Bissau  e do seu povo... e ex-comandante do Pel Caça Nat 52 (Missirá e Bambadinca, 1968/70), também conhecido carinhosamente como o "Tigre de Missirá"... 

E, a propósito, ele vai amanhã, dia 6, 3.ª feira, às 18h00, na sede da Associação Nacional de Farmácias,  em Lisboa,  lançar o seu mais recente livro: "História(s) da Guiné-Bissau: da luta de litertação aos nossos dias" (Lisboa, Húmus Editora, 2016) (*)


Natal económico para a bolsa, esbanjador em afetos

por Mário Beja Santos

Cada um de nós olha o Natal à sua maneira, o prisma do calor familiar, o nascimento para a vida com base religiosa ou não, a partilha de encontros e troca de calor humano, tem aqui um momento alto, sob um olhar personalizado. A sociedade de consumo imiscuiu-se na natureza destas festas, alargou, por força da comunicação social, a sedução e o contágio para o aumento exponencial de compras, para o agregado familiar ou para presentes a trocar com amigos.

Há quem comece o Natal logo no dia 1 de Janeiro, eu pertenço a esse grupo, planeio a agenda dos meses para encontros, telefonemas para quem vive longe e perto, na minha idade de septuagenário é impensável confiar só na memória. Percorro mercados à procura de pechinchas e objetos que interessem às pessoas que eu amo, guardo-os ou restauro-os para fazer os outros felizes. Tenho um ano inteiro para saber quem se vai interessar por estes livros, aguarelas, desenhos, molduras, tecidos, e tantas outras coisas que podem funcionar como comprovantes de amor. Tenho igualmente o ano inteiro para mandar correio eletrónico, distribuindo informação que lhes pode ser útil, não há ser humano que não goste que lhe envie notícias e informações presuntivamente úteis. Natal é encontro.

E de Janeiro passo para Fevereiro, como sou perseverante e andarilho, vou à descoberta de coisas, combino almoços, idas ao cinema ou ao teatro ou à música e reparto o Natal por cada mês do calendário, sempre com imprevistos, e de sorriso radiante. É uma forma de amar duas vezes, escutar o outro e surpreendê-lo. Evito conflitos, amarguras com cláusulas contratuais, não ando a desconfiar de como os outros me interpretam, tenho tempo para fazer o Natal com o máximo de disponibilidade.

Eu sei que é um problema de convicções, tenho comigo uma certa ideia de que o Natal significa que nasço e renasço com todos aqueles com quem me vinculo, de quem preciso e a quem posso ser útil. Posso ouvir canções de Natal em Abril ou Junho, posso descontraidamente percorrer as avenidas com iluminações de Natal somente para me sentir em casa, ando num certo presépio em que em vez do bafo da vaca ou do boi sinto a respiração dos outros. Chama-se companhia e solicitude

Enfim, na chamada época natalícia ando desafogado a escrever, a telefonar, a encontrar-me sem tensões, não é possível endividar-me assim, com esta autodisciplina dos afetos perduráveis. Há muitas e muitas décadas atrás a minha mãe dizia-me insistentemente que nunca se vai a casa de ninguém sem levar uma flor, uma planta ou um sorriso. Tenho impressão que há pessoas que se esfalfam para reverter a culpa de pesados silêncios, de sentidas indiferenças, paga-se com prendas o que não se dá com atenções. 

Não moralizo, adoto o preceito de não me lançar na correria das compras, a partir do dia 1 de Janeiro já ando a festejar as alegrias do Natal, o que me permite isentar-me das pressões publicitárias, das promoções-choque, das tão propagandeadas alegrias de Natal e que não passam de puras relações comerciais. E dou-me bem com o sistema, na bolsa e na alma. Esbanjo-me com os outros e não tenho nada contra com este modelo de desenvolvimento pessoal.

Mas reconheço que as campanhas natalícias para sensibilização dos consumidores têm grande importância: na alimentação, cuidar da saúde e obstar ao desperdício; ponderar as compras de bens semi-duradouros, na ótica da sua utilidade, saber escolher brinquedos e fugir daqueles que podem ter alguma perigosidade… 

O essencial é recordar aos consumidores, sem ser diretivo, que devemos assumir os limites, noção básica da sustentabilidade, exceder os limites é arriscar a economia familiar, abrir caminho a tensões dispensáveis, valorizar a prudência e as opções de escolha com critério faz-nos mais maduros. É assim que também abrimos caminho para um mundo melhor, na cidadania no consumo.
__________________

Nota do editor:



Guiné 63/74 - P16802: Inquérito 'on line' (94): Inofensivas batotas (António Tavares, ex-Fur Mil SAM do BCAÇ 2912)

Quartel de Galomaro


1. Mensagem do nosso camarada António Tavares (ex-Fur Mil SAM da CCS/BCAÇ 2912, Galomaro, 1970/72), datada de 4 de Dezembro de 2016:

Inofensivas batotas

Camarigos,

Estávamos em finais de Fevereiro de 1972, quase no final da comissão. Atrás deste tronco, sito a uns metros depois da pista dos hélis, do quartel de Galomaro, estacionei, embosquei e comandei um grupo de camaradas. BATOTA...

Tinha de me embrenhar uns bons metros além deste local que militarmente não era muito aconselhável. O tronco estava bem posicionado porquanto de lá via o quartel, ouvia o barulho do gerador e até as vozes dos meus camaradas mais noctívagos. Barulhos inofensivos para quem por vezes ouvia gritos de dor e ruídos do fogo IN.

Não foi o caso daquela noite. O quartel tão perto e ninguém via do quartel. Havia um inconveniente: ficava perto do local onde os guinéus enterravam os mortos. Eu sabia.

O cheiro da Metrópole estava mais próximo de cada um de nós e a vontade de aventuras era menor. Alguns dos meus camaradas, que conheciam bem o local, protestaram mas por ali ficámos durante seis horas, das 20H00 às 02H00.


Galomaro

Foto: © Carlos Filipe



A “VALENTIA” e a “CORAGEM” do início da comissão, em Maio/70, estavam muito gastas.
Foi o meu último serviço, fora do quartel, em postos avançados.
(…)

Essas patrulhas eram a pé,
Feitas com poucos homens e muita pressa,
Abordávamos o chefe da tabanca
E dávamos dois dedos de conversa.

Enquanto éramos “periquitos”,
Cumprir a rigor procurávamos,
À medida que íamos ficando cansados
O percurso traçado encurtávamos.

O encurtar foi tanto,
Esquema usado por toda a gente,
Até havia quem saísse do quartel
E entrasse na tabanca quase em frente.

Era preciso fazer passar o tempo,
Como se tudo fosse cumprido,
E aproximar do quartel
Pelo lado contrário ao que tínhamos saído.

(do livro – Guineíadas, de 2003)


Na secretaria dos Reabastecimentos do BCaç 2912:

- Alterávamos os mapas de SITMUNIÇÕES; SITARMAS; SITVIATURAS…

- Eram acrescentados alguns quilómetros às distâncias percorridas pelas viaturas civis utilizadas nas colunas de reabastecimentos, isto é, um percurso real de 40 Kms era pago por 50 Kms.
O COMCHEFEGUINÉ, em Bissau, aprovava ou não as distâncias utilizando os mapas Cartográficos do Exército.

Inofensivas BATOTAS,  realizadas em 1970/72, em que procuravam não prejudicaros civis ou os militares do batalhão.

____________

Nota do editor

Último poste da série de 5 de Dezembro de 2016 > Guiné 63/74 - P16800: Inquérito 'on line' (93): "Batota no mato" .. ou no blogue ?... Esperávamos 100 respostas, obtivemos apenas 45... Resultados: as três formas mais frequentes de batota: (i) emboscar-se perto do quartel (37%); (ii) começar a “cortar-se", com o fim da comissão à vista (37%); e (iii) “acampar” na orla da mata, ainda longe do objetivo (24%)... Só não fazíamos batota era com o Natal no mato...

Guiné 63/74 - P16801: Notas de leitura (908): “Ten General Alípio Tomé Pinto, O Capitão do Quadrado”, pela jornalista Sarah Adamopoulos e pelo biografado, Editora: Ler Devagar, 2016 (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 2 de Dezembro de 2016:

Queridos amigos,

Alípio Tomé Pinto está bastamente referenciado no blogue. A sua biografia é vastíssima, vai desde a esplêndida e comovente narrativa sobre a sua aldeia, Maçores, os locais de estudo, o cadete da Escola do Exército, a sua ida em 61 para Angola, onde chega a receber a Extrema-Unção, segue-se os tempos do capitão de Binta, depois o curso do Estado-Maior, o Funchal, de novo Angola, o seu envolvimento nos acontecimentos do 25 de Novembro, o Comando-Geral da GNR, depois de ter comandado a Primeira Brigada Mista Independente, e muito mais.

É uma leitura que delicia, temos ao espelho um homem íntegro, que despreza a pesporrência. Cinjo-me a três momentos que me sensibilizaram profundamente: Maçores, Angola e Binta. O resto fica para vocês todos lerem, seguramente com entusiasmo.

Um abraço do
Mário


Alípio Tomé Pinto, o Capitão do Quadrado

Beja Santos

O livro intitula-se “Ten General Alípio Tomé Pinto, O Capitão do Quadrado”, um mano-a-mano entre a jornalista Sarah Adamopoulos e o biografado, Ler Devagar, 2016.

Trata-se de alguém, hoje octogenário, ferido em Angola e ferido na Guiné. Promovido a general aos 45 anos de idade, por razões de mérito. Uma folha de serviços invejável. Alguns se pronunciarão de que a narrativa no seu todo é aliciante e de exigente leitura. Confesso que me comoveu acima de tudo a elegia transmontana e o palco da guerra. É sobre esses dois tópicos que me vou centrar.

Fins do século XIX, início do século XX, um geógrafo de renome, Vidal de La Blache, defendeu a tese de que ao meio que define o caráter do homem e das populações, é a factura de viver rodeado de montes ou à beira-mar, com verdura, neblina, florestas ou areais. Tomé Pinto, di-lo com orgulho, aquele chão foi a génese do sonho e da aventura, o chão chama-se Maçores, aldeia na Terra Quente do nordeste transmontano. E o meio fica cinzelado nestes termos:  

“As pessoas viviam do que produziam. Eram autónomas, ou quase. O dinheiro não circulava muito. Nem para ir à vila era preciso, por que as pessoas tinham com o médico uma avença que era honrada em cereal. Foi assim até aos anos 1950. O dinheiro quase não era preciso para a vida do dia-a-dia, porque havia a troca, a cedência e a oferta, e, na verdade, só quando iam à feira é que as pessoas precisavam de dinheiro. Para comprar, por exemplo, um fato, ou um lenço, ou tecido para o avental, ou para fazer um vestido. Ou então as coisas que a terra ali não dava: arroz, açúcar, bacalhau, peixe salgado, polvo seco”.

Um maçorano que foi assistindo ao progresso, viu as ruas calcetadas, a linha telefónica para Moncorvo, a chegada da luz elétrica, do transporte diário para Peredo e Torre de Moncorvo, uma escola de ensino primário. Depõe uma memória iluminada pela distribuição de papéis, masculino e femininos, Tomé Pinto é terno a falar das mulheres e da sua solicitude na vida comunitária, a aldeia como uma família, guarda com nitidez a casa, a escola, a educação e depois os estudos em Moncorvo, no Porto e em Bragança. Em 1953 assenta na Escola do Exército, não esqueceu detalhes que mais vida que minudências:  

“Lá vim eu pela primeira vez até Lisboa. Com o dinheiro enfiado no bolso da camisola interior que a minha mãe me tinha arranjado. Na altura, tínhamos de ser nós a comprar as fardas. E também pagávamos o talher com que comíamos, e a roupa de cama com que nos cobríamos. Havia uma despesa grande à cabeça que era preciso fazer. Sim, era uma espécie de enxoval militar”.
Vai cursando e descobre o amor da sua vida.

Em 1961, em Maio, chega a Angola, ainda viu trabalhos forçados. A sua Companhia é a CCAÇ 129. Em Outubro, quase morre na região do Uíge, entre Quizalala e São José do Encoje:

“Fui ferido nos chamados dembos, na Serra de Ambuíla, terra do café, numa emboscada durante um patrulhamento”.

Ferimento grave: Uma bala havia entrada por um dos lados dos maxilares, partindo-o, passando pelo palatino, e alojando-se junto à carótida. Chega a receber a Extrema-Unção. Recupera-se em Lisboa, é reenviado para o Regimento de Nova Lisboa (atual Huambo) onde vem a formar 200 cabos indígenas. Voltará várias vezes a Angola, durante a guerra e depois.

A segunda experiência duríssima é a Guiné, onde amadureceu e ficou marcado para a vida. Vai para Binta, chamar-lhe-ão o capitão de Binta, entre Farim e Bigene. Para entender o que ele foi encontrar temos que recuar àquele pano de fundo que é a desarticulação quase completa daquela região, com fuga de populações para o Senegal e os guerrilheiros a circularem com a maior liberdade, cultivando mesmo as bolanhas. Chega e procura percecionar as formas de atuação. Comanda a CCAÇ 675. Vai de patrulhamento em patrulhamento, impunha-se esclarecer onde estavam os focos da guerrilha, afastá-los e intimidá-los, e estabelecer mesmo ligação entre Binta e Farim, sede do BCAÇ 490. Sucedem-se as operações a um ritmo trepidante: uma batida à região de Lenquetó, a 12 km de Binta. Esta operação teve números consideráveis: entre 20 a 30 mortos, 40 prisioneiros. Progridem em quadrícula, dois grupos de combate reproduzem um clássico dispositivo militar, muito usado nas campanhas africanas do século XIX. Tática bem-sucedida, Tomé Pinto passará a ter cognome: o Capitão do Quadrado.

A obra cita o livro que escrevi com o Embaixador Henriques da Silva “Da Guiné Portuguesa à Guiné-Bissau: Um Roteiro”, onde se fala nessa catadupa de patrulhamento ofensivos e golpes de mão e batidas; as estradas que estavam ao abandono ficaram limpas das abatizes, assim se chegou a Guidage; 22 itinerários, numa extensão de cerca de 250 km, foram percorridos ao longo do mês de Julho de 1964. O dia 5 de Agosto será funesto. Pretende-se ir até Santancoto, no limite do setor. Entra-se numa mata fechadíssima, passa-se por uma bolanha, e nisto deu-se uma intensa troca de fogo, retoma-se o quadrado, e um acidente tomou conta de tudo:

“Apesar do recomendado ao soldado do morteiro para ter cuidado com as árvores de grande copa que ladeavam a estrada, o seu excesso de zelo e ardor combativo (…) levou-o a disparar a morteirada, com tal precipitação que a granada foi rebentar num ramo alto de uma árvore (…) crivando de estilhaços o lado onde se encontrava o capitão e alguns soldados”.

Tomé Pinto cai ferido, o furriel enfermeiro estanca-lhe a hemorragia, pede-se a evacuação. E desse relato há uma página memorável:

“Todos queriam pegar na maca para o transportar até ao helicóptero; um despia o casaco camuflado para lhe aconchegar melhor a cabeça na maca (…) outro dava-lhe o seu concentrado de frutos da ração de combate para comer pelo caminho; outro ainda quase que o obrigava a beber a água do seu cantil. Todos lhe queriam tocar, apertar a mão, desejar-lhe as melhoras para que voltasse depressa”.

Recupera, vai de avião até Farim e com o comandante de batalhão mete-se num barquinho a motor no rio Cacheu, pretende chegar até junto dos seus soldados que dentro de horas partem para uma operação. É recebido com emoção. A guerra não pára, chegou a vez de Binta ser flagelada. Além da guerra, reergue-se a povoação, atrai-se população dispersa, cultivam-se alimentos, há imenso entusiasmo entre civis e militares. Quando, em Agosto de 1965, está em Bissau a caminho de férias, é informado ter sido admitido no Curso do Estado-Maior. Tomé Pinto resistiu a deixar a sua Companhia, tentou adiar a entrada no curso para o ano seguinte. Mas teve que partir. Tudo se irá alterar a partir de então, multiplicar-se-ão as missões e os elogios. Não será por acaso que se escolheu para a capa do seu livro a sua fotografia a bordo do Uíge, a caminho da Guiné. É o Capitão do Quadrado, desse momento inevitável em que se transformou numa terra chamada Binta, congraçando os feitos de guerra com as alegrias do repovoamento e do cuidar do próximo.

Uma grande biografia em que Sarah Adamopoulos revela o seu altíssimo nível jornalístico.
____________

Nota do editor

Último poste da série de 2 de Dezembro de 2016 > Guiné 63/74 - P16788: Notas de leitura (907): “Histórias Coloniais”, por Dalila Cabrita Mateus e Álvaro Mateus, A Esfera dos Livros, 2016 (Mário Beja Santos)

Guiné 63/74 - P16800: Inquérito 'on line' (93): "Batota no mato" .. ou no blogue ?... Esperávamos 100 respostas, obtivemos apenas 45... Resultados: as três formas mais frequentes de batota: (i) emboscar-se perto do quartel (37%); (ii) começar a “cortar-se", com o fim da comissão à vista (37%); e (iii) “acampar” na orla da mata, ainda longe do objetivo (24%)... Só não fazíamos batota era com o Natal no mato...






Lisboa > Praça do Comércio > 4 de dezembro de 2016 > Iluminações de Natal... Mais de meio século depois da guerra colonial, aquela que foi a praça mais emblemática da encenação imperial na época do Estado Novo (*)... Era aqui que se condecoravam, alguns a  título póstumo, os nossos heróis... 

Batota? Todos fizemos batota: a grande batota que  os políticos e os generais faziam na capital do império, a pequena batota que nós, soldados de Portugal, fazíamos, a nível operacional, no TO da Guiné... E batota que todos fazemos hoje, negando a pés juntos que nunca fizemos batota (no mato, na secretaria, no gabinete de planeamento de operações, no quartel-general em Bissau, nos ministérios da Praça do Comércio, e por aí fora)... A batota que ainda hoje fazemos autocensurando-nos, negando, branqueando, esquecendo... muita coisa de que fomos atores ou testemunhas...

Fotos (e legenda): © Luís Graça  (2016). Todos os direitos reservados.



Lisboa > 6 de outubro de 2013 > Praça do Comércio / Terreiro do Paço > Estátua equestre de D. José, com o Cais das Colunas e o estuário do Rio Tejo, ao fundo... Vista panorâmica a partir do topo do Arco da Rua Augusta.(*)

Foto (e leenda): © Luís Graça (2013). Todos os direitos reservados.




I. Inquérito 'on line' (**):



"A BATOTA QUE FAZÍAMOS NA GUERRA"... 

ASSINALAR UMA OU MAIS FORMAS


Resultados definitivos: total de respostas > 45



As formas mais frequentes de 'batota'...

2. Emboscar-se perto do quartel > 17 (37%)

17. Começar a “cortar-se", c/ o fim da comissão à vista > 17 (37%)

1. “Acampar” na orla da mata, ainda longe do objetivo >  11 (24%)
14. Simular problemas de saúde  > 10 (22%)
18. Outras formas  > 10 (22%)
3. “Andar às voltas” para fazer tempo  > 9 (20%)
16. Falsificar o relatório da ação  > 9 (20%)
10. Falsas justificações para perda de material  > 9 (20%)
4. Evitar o contacto com o IN (não abrindo fogo)  > 8 (17%)
11. Reportar “enganos” do guia nos trilhos  > 6 (13%)


As formas menos frequentes de 'batota'...


6. Alegar dificuldades de ligação com o PCV  > 5 (11%)
9. Sobrevalorizar o nº de baixas causadas ao IN>   5 (11%)
15. Regresso antecipado p/alegados problemas de saúde  > 5 (11%)
7. Enganar o PCV sobre a posição das NT > 4 (8%)
5. Provocar o silêncio-rádio  > 3 (6%)
8. Outros problemas de transmissões  > 3 (6%)



As formas de 'batota' ainda não referidas...


12. Deixar fugir o guia-prisioneiro  > 0 (0%)
13. Liquidar o guia-prisioneiro  > 0 (0%)


A sondagem encerrou no dia 4/12/2016, às 18h42.


II. Comentário do editor:


Estamos a falar de "batota no mato"... Afinal, "pequena batota", da arraia miúda, os filhos do povo que fizeram a guerra (e a paz)... Treze anos de "sangue, suor e lágrimas".. Um milhão de homens, portugueses e africanos,,,

Nunca vi um oficial superior, de G3 na mão, oito carregadores, e dois cantis de água, a meu lado, em operações a nível de batalhão (!)... Falo de oficiais de posto superior a capitão,  majores ou tenentes coronéis !... 

Onde estavam os nossos comandantes, os nossos líderes ? Não passavam de burocratas, chefes de secretaria, alguns deles!... E no máximo, andavam lá em cima, de DO-27, no chamado PCV, a quem tínhamos, nós, os infantes,  um ódio de morte! 

Acredito que, pelo menos no TO da Guiné, eles já eram demasiados velhos para alinhar no mato connosco!... Tinham idade para ser nossos pais!... 

Só conheci um, que foi comigo, connosco (CCAÇ 12),  explorar as "imediações" do famiegrado inferno do Xime, no início de 1971, quando já estávamos em fim de comissão: chamava-se Polidoro Monteiro, era tenente coronel de infantaria, oficial da confiança de Spínola, e honrou-nos a todos, honrou as melhores tradições do exército português!.. 

Já morreu há muito: que descanse em paz!

Pois é, ficam de fora do âmbito deste inquérito, as outras formas mais ou menos "engenhosas" que encontrávamos para "resolver" problemas, típicos da tropa ou da burocrcia militar: por ex, material em falta, que estava "à carga", e que por qualquer razão deu sumiço, foi desviada, estragou-se, danificou-se...

Nada como um ataque ao quartel (ou a explosão de uma mina numa coluna de reabastecimentos) para o 1º cabo quarteleira, o furriel vaguemestre, o 1º sargento e o capitão "atualizarem" os inventários...Essa era a pequena batota de secretaria, a que eu não dou muita importância...

Todos sabemos que, no mato, em operações (mas também em ataques ao quartel ou ao destacamento) havia material e equipamento que podia ficar destruido ou danificado ou ser extraviado: armas, granadas de morteiro e de bazuca, viaturas, sacas de arroz, caixas de uísque e outras bebibas espirituosas, importadas, etc. As vezes, uma minazinha na picada vinha mesmo a calhar, desde que não matasse ou não ferisse ninguém.,..

Não sei se essas práticas se podiam classificar como "batota"... Batota era, para todos os efeitos,  viciar as regras do jogo, violar impunemente o RDM,  quebrar a unidade  comando controlo e o espírito de corpo, perder a confiança no comando, não cumprir as normas, não seguir os procedimentos, etc. O patamar acima de batota, esse, já era crime... Mas não  é de crime que estamos a falar...Referimo-nos, ao fim e ao cabo, aos pequenos trques da autogestão do esforço de guerra...
.
Pode ser que alguém, entretanto,  tenha histórias para contar sobre estas diversas formas de batota que estava ao nosso alcance: (1) batota no mato, (ii)  batota no quartel; (iiii) batota  na secretaria; (iv) batota na arrecadação; (v) batota na caserna...

Este inquérito sobre a "batota no mato" não provocou grande entusiasmo, nem emoção, nem controvérsia, nem muito menos surpresas... Nada de novo, na guerra da Guiné, a norte, a sul, a centro, a leste ou a oeste... 

Em contrapartida, as respostas parecem-nos verosímeis, consistentes... Por exemplo, ninguém assinalou as hipóteses 12 (deixar fugir o guia-prisioneiro) e 13 (liquidar o guia-prisioneiro). 

Simplesmente não eram prática corrente, pelo menos no meu tempo... E eu que fiz diversas operações com guias-prisioneiros, nos medonhos matos do Xime, estou aqui para confirmar que nunca deixámos fugir (muito menos liquidar) nenhum guia-prisioneiro...Não quer dizer que vontade não nos faltasse, às vezes...

Simplesmente isso não aconteceu, embora possa ter ocorrido episodicamente noutros tempos e lugares... E, pelo menos, até agora, ao fim de 13 anos de blogue (!), ninguém até agora teve a coragem ou a frontalidade de confessar que liquidou um prisioneiro no mato!... Nem era expectável que algum camarada nosso viesse, publicamente, confessar ter liquidado um prisioneiro ou um guia-prisioneiro, no mato, em operações, por sua iniciatuva ou por ordem hierárquica... Temos conhecimentos de alguns casos, mas que são contados "off record", nas nossas longas e inytermináveis conversas e inconfidências... Muitas dessas conversas e inconfidências morrerão connsosco... O blogue não é o confessionário do padre nem o divã do psiquiatra... Tentámos abrir uma série "O segredo de...", mas foi um fracasso, um desastre....

A época (natalícia) não ajuda nada à participação bloguística... Andamos já todos com o stresse natalício, com a lista das compras na cabeça e no bolso, com a claustrofobia dos centros comerciais, com a musiquinha do Pai Natal e das renas a azucrinar-nos de manhã à noite,,, E, os mais privilegiados, assoberbados com os preparativos para a passagem de ano no "bem bom" dos hoteis, cá dentro ou lá fora, nos "resorts" de luxo, com vista para o fogo de artifício... Afinal, só o fogo e que nos purifica, simbolicamente falando...

Queimemos mais um ano de vida, camaradas, que este ano já está a chegar ao fim!...  

Os editores, tirando ilações da aparente fraca resposta a este inquérito (45 respostas contra as habituais 100 ou mais), prometem não vos maçar mais com estes passatempos bloguísticos, pelo menos até ao fim do ano... Esta é a boa notícia... (Não nos falte o bacalhau especial à mesa de Natal!)

A má notícia é a de que aí vem um novo ano, o ano de 2017...Como sói dizer-se o novo ano é sempre uma incógnita,  uma "black box", uma "caixa negra", uma verdadeira caixinha de Pandora... Cuidado ao abrir!... Mas, como os nossos leitores já deram conta, os nossos editores, ou pelo menos eu, já começam a dar o tom festivaleiro da quadra natalícia... 

Ontem como hoje, o Natal não se pode/não se podia contornar, adiar, protelar... Aqui é que não se  pode mesmo fazer batota... Quem disse que o Natal é quando um homem quiser ? O tanas!... Por favor, não façam batota!... Desde que nascemos. o Natal é a noite de 24 para 25 de dezembro, e todos queremos lá estar, nessa noite mágica, bem vivinhos da costa, de boa saúde, e com muito sede e muito apetite... LG
_________________

Notas do editor:

(*) Vd .poste de 14 de dezembro de 2014 > Guiné 63/74 - P14027: Manuscrito(s) (Luís Graça) (41): Maresias, Lisboa, Tejo, memórias, amnésias... Parte II: O Terreiro do Paço e a(s) cenografia(s) do poder

(**) Último poste da série > 2 de dezembro de 2016 > Guiné 63/74 - P16793: Inquérito 'on line' (92): A "batota no mato": Nunca aprovei e não pratiquei a técnica do campismo"... (António J. Pereira da Costa, cor art ref)

Vd. postes anteriores:


2 de dezembro de 2016 > Guiné 63/74 - P16790: Inquérito 'on line' (90): A "batota" que fazíamos (ou não....) quando em operações, no mato: a votação termina no domingo, dia 4, às 18h42... Só temos até hoje de manha 37 respostas, o que é pouco... Por lapso, não se incluiu a hipótese de resposta 19: "Não, não se fazia batota"...

Guiné 63/74 - P16799: Parabéns a você (1170): José Pereira, ex-1.º Cabo At Inf da CCAÇ 5 (Guiné, 1966/68) e Manuel Carvalho, ex-Fur Mil AP Inf da CCAÇ 2366 (Guiné, 1968/70)


____________

Nota do editor

Último poste da série de 2 de dezembro de 2016 > Guiné 63/74 - P16787: Parabéns a você (1169): Herlânder Simões, ex-Fur Mil Art da CART 2771 e CCAÇ 3477 (Guiné, 1972/74)

domingo, 4 de dezembro de 2016

Guiné 63/74 - P16798: Blogpoesia (483): "Aldeias da serra..."; "Lânguidos e plangentes..." e "Não consigo devassar...", poemas de J.L. Mendes Gomes, ex-Alf Mil da CCAÇ 728

1. O nosso camarada Joaquim Luís Mendes Gomes (ex-Alf Mil da CCAÇ 728, Cachil, Catió e Bissau, 1964/66) vai-nos enviando ao longo da semana belíssimos poemas da sua autoria, dos quais publicamos estes, ao acaso, com prazer:


Aldeias da serra...

Gosto das aldeias da serra.
Aldeias totais.

Nasci numa delas.
Feitas de pedra talhada, saída da terra.

Têm casas de pedra espalhadas.

Com poços e hortas tratadas
onde se cria de tudo.
Leiras de pão
e ramadas de vinho.

Casas vizinhas,
sem muros,
cheirando a fumo da lenha.

Bordadas à volta,
Com as cores,
de flores que crescem à solta
seguindo à risca as regras do tempo.

Têm caminhos em pedra
e bordas bravias.
Regos e sulcos,
por onde escorre a água das chuvas.

Matas e bosques onde habitam as aves
e cantam os cucos.

Por debaixo das telhas,
se guardam segredos e lendas
vindos de antanho...

Berlim, 1 de Dezembro de 2016
16h3m
JLMG

************

Lânguidos e plangentes…

Lânguidos e plangentes são os sons divinos
Que se evolam ao céu em oração.
Lembranças negras que a história urdiu,
Num passado perto.

A lei do mal as gerou implacável no coração do homem.
Perversa semente que renasceu das cinzas
Duma árvore morta.
Nem a terra negra as quis…

Ouvindo “A lista de Schindler”

Berlim, 2 de Dezembro de 2016
14h33m
JLMG

************

Não consigo devassar...

Às golfadas me entra pelas janelas
o nevoeiro de Berlim.
Não se consegue devassar.

É o prenúncio-mensageiro
que bate à porta.
Vem aí a manta branca
que no Inverno irá usar.

Já ciranda ansiosa pelas ruas
a frota alegre dos limpa-neve,
já cansados de esperar.

E os meninos, lá em casa,
desesperam por usar as botas novas
e jogar à bonecada,
com a neve que há-de cair...

Berlim, 4 de Dezembro de 2016
9h53m
JLMG
____________

Nota do editor

Último poste da série de 27 de novembro de 2016 > Guiné 63/74 - P16766: Blogpoesia (482): "O cargueiro gigante"; "O render da Companhia..." e "Nevoeiro...", poemas de J.L. Mendes Gomes, ex-Alf Mil da CCAÇ 728

Guiné 63/74 - P16797: Álbum fotográfico de Luís Mourato Oliveira, ex-al mil, CCAÇ 4740 (Cufar, dez 72 / jul 73) e Pel Caç Nat 52 (Mato Cão e Missirá, jul 73 /ago 74) (4): A nosso Natal de 1973, onde não faltou nada, a não ser o cartão de boas festas dos nossos vizinhos de Madina / Belel


Foto nº 1 > Vista do destacamento do Mato Cão para o Rio Geba Estreito e a bolanha de Nhabijões


Foto nº 2 >  A gestão (complexa) de um destacamento, isolado da civilização


Foto nº 3 > Natal de 1973: João Santos e o cmdt Luís Mourato Oliveira: "Hoje há leitão ! Roubado ao turra ? Não, criado na nossa horta"


Foto nº 4 > Natal de 1973 > A farta garrafeira...


Foto nº 5 A > Natal de 1973: em primeiro plano, o cmdt do destacamento, alf mil Luís Mourato Oliveira e o fur mil João Santos


Foto nº 5 > Natal de 1973: o alegre convivío dos "tugas" do Mato Cão, eram poucos, contavam,-se pelos dedos




Foto nº 6 > Natal de 1973: apesar de muçulmanos, os nossos soldados também se associaram à festa cristã...do comes & bebes...



Foto nº 7 > Natal de 1973 > A doçaria... Não faltou nada, a não ser o cartão de  boas festas e feliz ano novo dos nossos vizinhos de Madina / Belel


Guiné >Zona leste > Setor L1 (Bambadinca)  > Mato Cão > Pel Caç Nast 52  (1973/74) > Natal de 1973


Fotos (e legendas): © Luís Mourato Oliveira (2016). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné].


1. Continuação da publicação do álbum fotográfico do Luis Mourato Oliveira, nosso grã-tabanqueiro, que foi alf mil da CCAÇ 4740 (Cufar, 1972/73) e do Pel Caç Nat 52 (Mato Cão e Missirá, 1973/74). (*)


De rendição individual, o Luís Oliveira veio de Cufar, para o CIM de Bolama, por volta de julho de 1973, antes de ir comandanr o Pel Caç Nat 52, no setor L1, zona leste (Bambadinca). É aí que ele irá terminar a sua comissão e extinguir o pelotão.

Entretanto, fez férias em novembro/dezembro de 1973, e regressou ainda tempo de passar o Natal com os seus homens. no destacamento do Mato Cão, na margem direita do Rio Geba Estreito, no   regulado do Cuor.  Lembra-se de ter trazido de Lisboa, com muito carinho, o famosao pão de ló de Miragaia, feito pelo mãezinha, natural da Marteleira, Lourinhã.

Eis algumas fotos desse tempo... heróico e festivo, que eram os nossos Natais passados no mato...

 _________________

Nota do editor:

sábado, 3 de dezembro de 2016

Guiné 63/74 - P16796: Blogoterapia (284): De Lisboa a Gaia para levar um abraço ao Zé Ferreira da Silva, autor das "Memórias Boas da Minha Guerra" (Juvenal Amado, ex-1.º Cabo Condutor Auto, CCS/BCAÇ 3772, Galomaro, 1971/74)



Fotos: Juvenal Amado (2016)


1. Mensagem do nosso camarada Juvenal Amado (ex-1.º Cabo Condutor Auto Rodas da CCS/BCAÇ 3872, Galomaro, 1971/74), autor do livro "A Tropa Vai Fazer de ti um Homem", com data de 25 de Novembro de 2016, falando da sua vinda a Vila Nova de Gaia para assistir ao lançamento do livro, da autoria do outro nosso camarada José Ferreira, "Memórias Boas da Minha Guerra".

Juvenal Amado
Levantei-me e tomei um comprimido para a tensão arterial (coisas da idade) enquanto preparava o pequeno almoço. Estava excitado e algo preocupado pela jornada que se aproximava. Sou um provinciano e tomar os transportes públicos em Lisboa ou arredores, ainda é confuso para mim.

Tinha resolvido ir ao lançamento do livro do José Ferreira de comboio e, para isso, começava por apanhar o metropolitano na Reboleira, que me levará a Santa Apolónia, para seguidamente no Alfa Pendular rumar até às Devesa, em Gaia.

Pelas 8 e 10 depois de carregar o cartão (uma modernice) que me dá o direito a viajar no Metro, tomo lugar no mesmo. Não tem ainda muita gente, facto que vem a acontecer duas paragens após, onde a composição ficou a abarrotar, a ponto de ficarem dezenas de utentes no cais sem terem lugar. Tinham assim que esperar por outro ou outros comboios. A Jornada de trabalho começa cedo e acaba bem para lá da hora de expediente, se contarmos o tempo despendido em transportes.

Aproveitei para apreciar o ambiente, onde se comprimia gente de todas idades cores. Haverá sempre quem usa os inconvenientes para se divertir, às tantas, uma jovem com cabelo à Angela Davis (activista negra pelos direitos cívicos dos negros americanos dos anos 60) dando largas a um humor muito urbano, diz alto e bom som: “dispam-se já todos para arranjarmos lugar para mais um”. Íamos todos tão comprimidos que, só facto de tirarmos a roupa se arranjaria mais um lugar. Alguns riram-se, outros mantiveram o rosto fechado, pois entenderam que a situação não tinha graça nenhuma, ou que era hora imprópria para boa disposição.

Após os Restauradores, foi notória a diminuição do fluxo de utentes e, depois da Praça do Comércio, já só ia uma dúzia, se tanto, de pessoas que saíram comigo na estação. Subi o mais rapidamente as escadas e dirigi-me às bilheteiras. Fui recebido por uma jovem e simpática funcionária, com um sorriso a lembrar outros tempos, que para além de vender o dito bilhete, me explicou como devia proceder para fazer a ligação para a estação do Oriente, pois só lá é que tomaria o bendito Alfa.

Correu tudo como previsto. Duas horas e meia depois desembarcava em Gaia. Estava um dia maravilhoso com uma leve aragem fresca, que não incomodava, e rapidamente cheguei à rampa do Mosteiro da Virgem do Pilar, do lado do miradouro, que não conhecia embora tenha estado no RI6 aquando do meu serviço militar.

Fiquei maravilhado com o Douro e as duas margens, os barcos de turismo, o trânsito na ponte Luís I e o jardim circundante onde “rapazes da minha idade” jogavam às cartas em vários grupos. Razão tem a canção onde o Rui Veloso canta as palavras de Carlos Tê, pois depara-se com um cenário grandioso e majestoso.

Porto Sentido

Quem vem e atravessa o rio 
 junto à serra do Pilar,  
vê um velho casario 
que se estende até ao mar.

Quem te vê ao vir da ponte,
és cascata, são-joanina,
dirigida sobre um monte 
no meio da neblina.

Mas eu não estava ali só para apreciar as vistas. O tempo voou.

Acabei por dar de caras com os irmão Carvalho (o António o Manuel) e o Francisco Baptista, que depois dos abraços do costume, fizemo-nos ao caminho para no quartel assistir à cerimónia, dar um abraço ao José Ferreira e felicitá-lo pelas suas estórias de que sou incondicional admirador.

A sessão foi o que se esperava com a devida pompa e circunstância, o Zé no uso da palavra, acabou por nos fazer rir com pequenas estórias ao falar dos intervenientes a que ele deu vida nas páginas do seu livro e que passam por isso a co-autores.

Foi um dia bem passado e, de regresso à Reboleira,  já passava da meia-noite, estava cansado, mas valeu a pena ir de Lisboa a Gaia, só para levar um abraço ao Zé.

Quanto ao livro é para saborear.

No dia 17 de Dezembro vai haver festa novamente, pois os livros são sempre uma festa, e o do Zé é de arromba.

Um abraço para todos
JA






____________

Nota do editor

Último poste da série de 29 de novembro de 2016 > Guiné 63/74 - P16773: Blogoterapia (283): Memórias que me acompanham (António Eduardo Ferreira, ex-1.º Cabo Condutor Auto da CART 3493)