quarta-feira, 15 de agosto de 2018

Guiné 61/74 - P18924: Furriéis que tombaram no CTIG (1963-1974), por acidente, combate e doença - Parte I: Por acidente (n=68) (Jorge Araújo)


A linha vermelha, ligando o Xime (aquartelamento) e a Ponta Coli (local da segurança), na estrada Xime-Bambadinca, era o itinerário diário utilizado pelas NT. Linha vermelha para Sul, zona de emoções fortes (antiga estrada Xime-Ponta do Inglês), onde se verificaram muitas baixas de ambos os lados (NT e PAIGC), ao longo da guerra.



Xime (Abril de 1972) – Elementos do 4.º Gr Comb, o grupo que sofreu duas emboscadas na Ponta Coli (estrada Xime-Bambadinca) – a primeira, em 22 de Abril de 1972; a segunda, em 1 de Dezembro de 1972 [vidé P9698 e P9802]. Até à 1.ª data, a CART 3494 foi comandada pelo cap. Vítor Manuel da Ponte Silva Marques (?-2004) [P15470]. Em 22 de Junho desse ano, o cap. António José Pereira da Costa [membro da n/ Tabanca] chegou ao Xime para render o cap. Silva Marques, ausente após a 1.ª emboscada.

Imagem acima: de cócoras, da esquerda para a direita – Manuel Bento (furriel; 1950-1972.04.22), Jorge Araújo (furriel) e Sousa Pinto (Furriel; 1950-2012.04.01), os três “quadros de comando” do 4.º Gr Comb.

Esta imagem foi obtida alguns dias antes da primeira emboscada, onde viria a falecer o camarada Manuel Bento, natural de Galveias, Ponte de Sôr, a única baixa em combate do contingente da CART 3494, nos mais de vinte e sete meses de comissão (1971-1974).


Subsector do Xime (08Fev1970), heli evacuação de feridos em Madina Colhido, durante a «Op Boga Destemida», envolvendo a CART 2520 (1969/70) e CCAÇ 12 (1969/71) – [P16762].

Em 26NOV1970, na «Op Abencerragem Candente», o mesmo cenário envolvendo a CART 2714, CART 2715 e CCAÇ 12, num total de 8 Gr Comb. Dos combates travados com a guerrilha, as NT tiveram 6 mortos e 9 feridos graves. Um dos mortos foi o camarada furriel Joaquim Araújo Cunha, natural de Outeiro, Barcelos, da CART 2715, unidade sediada no Xime, comandada pelo cap aet Vítor Manuel Amaro dos Santos (1944-2014).





Em 14NOV1968 (três anos e meio antes do episódio da CART 3494), em emboscada na Ponta Coli (estrada Xime-Bambadinca) morreu o furriel Fernando Maria Teixeira Dias, natural de São Simão, Amarante, da CART 1746, comandada pelo cap mil António Gabriel Rodrigues Vaz (1936-2015) [P11522].






Jorge Alves Araújo, ex-Furriel Mil. Op. Esp./RANGER, CART 3494 
(Xime-Mansambo, 1972/1974); coeditor do nosso blogue



OS 221 FURRIÉIS QUE TOMBARAM NO CTIG [1963-1974] (POR ACIDENTE, COMBATE E DOENÇA) - Parte I: Acidente (n=68)


1. INTRODUÇÃO

Na sequência da actualização da lista dos camaradas «Alferes» que tombaram no CTIG (1963-1974), publicada no P18860 (*), anexo agora a referente aos camaradas «Furriéis», apresentando-a ao Fórum organizada segundo a mesma metodologia anterior, ou seja, por quadros de categorias (acidente, combate e doença) e por ordem cronológica.

Porém, admitimos a hipótese desta lista estar incompleta, uma vez que existem alguns casos de ex-combatentes que tombaram nos diferentes TO que estão ainda por registar e/ou recensear, como são os exemplos de dois dos três camaradas da minha CART 3494, naufragados no rio Geba em 10AGO1972 [faz quarenta e seis anos], cujos corpos não apareceram e daí não fazerem parte dos documentos oficiais [P10246]. São eles: o Abraão Moreira Rosa (Sold; 1950-1972), da Póvoa de Varzim [registo do óbito em 23Nov1973], e o Manuel Salgado Antunes (Sold; 1950-1972), de Quimbres, São Silvestre, Coimbra [registo do óbito em 21Fev1973].

Entretanto, em homenagem a todos aqueles que não regressaram para junto dos seus familiares, aqui recordo os nomes de três furriéis, todos eles falecidos em combate no subsector do Xime, com intervalos de dois anos, região onde vivi, convivi e sobrevivi a muitas situações… francamente difíceis e de grandes emoções/tensões.

● Em 14NOV1968 – o furriel Fernando Maria Teixeira Dias, da CART 1746.

● Em 26NOV1970 – o furriel Joaquim Araújo Cunha, da CART 2715.

● Em 22ABR1972 – o furriel Manuel Rocha Bento, da CART 3494.

Para que não fiquem na "vala comum do esquecimento", como é timbre no nosso blogue, eis os quadros estatísticos dos 221 (duzentos e vinte e um) furriéis, nossos camaradas, que tombaram durante as suas Comissões de Serviço na Guerra no CTIG, por diferentes causas: combate (n=139), acidente (n=68)  ou doença (n=14).



2. QUADROS POR CATEGORIAS E ORDEM CRONOLÓGICA

















Jorge Araújo

(Continua)

_________________

Notas do editor:

Guiné 61/74 - P18924: Bibliografia (48): "Portugal à Lei da Bala, Terrorismo e violência política no século XX", por António Luís Marinho e Mário Carneiro; Círculo de Leitores e Temas e Debates, 2018 (Mário Beja Santos)



1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 23 de Fevereiro de 2018:

Queridos amigos,
Esta palpitante reportagem, com um acervo de imagens bem adequado, leva-nos a questionar qual a substância que atribuímos a esse axioma de que Portugal é um país de brandos costumes. Os autores passam em revista o terrorismo e a violência política no século XX, obviamente que nos devidos contextos, tudo começa com o anarquismo, a Carbonária, o Regicídio e o processo que se seguiu e de que se perdeu o rasto; a I República, a Lei da Bomba, a Formiga Branca, os assassinatos políticos, os ensaios para a ditadura, os complôs até ao 28 de maio de 1926; a ditadura e as insurreições, especialmente de 1934 a 1937, vidreiros, marinheiros, anarquistas, e depois 1961, logo com a tomada do Paquete de Santa Maria, as ações da LUAR, das Brigadas Revolucionárias, um acervo de ações contra a guerra colonial; e com o 25 de abril, o ELP, o MDLP, a FLAMA, a FLA, as Forças Populares 25 de Abril e algo mais.
Admita-se que somos estruturalmente de brandos costumes mas é largo o número das exceções que atravessam o século XX, pelo menos.

Um abraço do
Mário


Terrorismo e violência política em Portugal, no século XX

Beja Santos

A imagem nacional e internacional que temos é que somos um país de grandes costumes, um povo muito gentil, acolhedor, a violência é mínima, tratando-se de gente tolerante, multicultural, as práticas bombistas, o assassinato político, o sequestro, são resquícios do passado, vivemos em grande amenidade, a despeito de algum frenesim de tabloides ou canal de televisão bombástico.

No entanto, o século XX português está pontuado por violência política e atos terroristas conforme é patente num livro altamente pedagógico, de escrita palpitante, elucidativamente ilustrado, de título "Portugal à Lei da Bala, Terrorismo e violência política no século XX", por António Luís Marinho e Mário Carneiro, Círculo de Leitores e Temas e Debates, 2018.

Quando as práticas anarquistas chegaram a Portugal e se tornaram notórias, já tinham feito o seu caminho de tal modo que no final do ano de 1998 se realizou em Roma a Conferência Internacional pela Defesa Social contra os Anarquistas. Em finais de 1901, Theodore Roosevelt, presidente dos EUA, declarava que “O anarquismo é um crime contra a espécie humana, e toda a humanidade se deverá unir contra os anarquistas. Os seus crimes devem ser estigmatizados como ofensas contra as leis das nações”.

Os autores recordam estes anarquistas e a Carbonária devem ser vistas como peças fundamentais no derrube da monarquia em Portugal. A Casa de Bragança começa a oscilar com uma contestação onde se cruzam o Ultimato Inglês de 1890, uma crise financeira agudíssima, a ascensão dos ideais republicanos, os gastos na pacificação do Império Africano, e a questão religiosa não era despicienda, dividia as próprias forças apoiantes do regime monárquico. As tensões avolumavam-se na capital, aqui se concentravam centenas de conspiradores, se organizavam sociedades secretas, conspirava-se nos cafés, há insubordinações militares, os republicanos ganham a Câmara de Lisboa e aparecem coligados na autarquia do Porto, a incapacidade de entendimento entre partidos monárquicos leva a que D. Carlos apoie o regime musculado de João Franco, assinou a sua sentença de morte. O livro dá-nos diferentes angulações do que foi o regicídio e quem eram os possíveis mandantes dos regicidas.

E assim chegamos à República, um tempo de greves, de bombas, de assassinatos, de governos precários, até de levantamentos monárquicos capitaneados por Paiva Couceiro, agravam-se as relações entre a Igreja e o Estado, aparece o terrorismo da Formiga Branca, tempo de complôs e de um país completamente dividido quando se perfila a necessidade de tomar posição face à I Grande Guerra, são anos de golpes, de governos que se pretendem autoritários, de Pimenta de Castro a Sidónio Pais, depois o terror da Legião Vermelha, a noite sangrenta em que se assassinou António Granjo e outros, a camioneta-fantasma ganhou foros de veículo terrorista, símbolo de massacre, assim se foi decompondo a I República, em total instabilidade e revoltas militares até que triunfou aquela que foi encabeçada por Gomes da Costa que partiu de Braga e chegou calmamente a Lisboa, em maio de 1926.

As revoltas não vão abrandar, como a da Marinha Grande, em 1934, a dos Marinheiros, em 1936, tenta-se liquidar Salazar à bomba em 1937, o Estado Novo ergue-se fazendo vergar as oposições políticas e volatizando os adeptos do anarco-sindicalismo, a violência em grande escala regressa em 1961 com a tomada do Santa Maria e a tentativa do assalto do quartel de Beja. A LUAR – Liga de Unidade e Acção Revolucionária – entra em atividade em 1966, era liderada por Hermínio da Palma Inácio, torna-se uma dor de cabeça para o regime, assalta-se a agência do Banco de Portugal na Figueira da Foz, desvia-se um avião, lançam-se panfletos sobre Lisboa. E com a guerra colonial os comunistas queriam o seu braço armado, a ARA – Acção Revolucionária Armada –, o seu nome está ligado a uma sabotagem ao navio Cunene, ataca-se a Escola Técnica da DGS e o Centro Cultural Norte-Americano, em março de 1971, a ARA destrói aeronaves em Tancos, 11 aviões e 17 helicópteros, era a maior parte da frota destinada à instrução dos pilotos que iriam combater na guerra de África, mas há muito mais ações ligadas às Brigadas Revolucionárias e à ARA, tudo aparece descrito em Portugal à Lei da Bala.

Depois de uma trégua, curta, a seguir ao 25 de abril de 1974, temos novos protagonistas: o ELP – A Armada Anticomunista, mas apresentada como o exército de libertação de Portugal, o seu nome tal como o MDLP, associado a Spínola e Alpoim Calvão fizeram história atacando sedes e centros de trabalho do PCP e do MDP/CDE bem como de partidos da extrema-esquerda, haverá nos Açores a FLA – Frente de Libertação dos Açores, que emergira do Movimento para a Autodeterminação do Povo Açoriano, haverá atividades e algumas bombas, na Madeira foi tudo mais brando, a FLAMA – Frente de Libertação do Arquipélago da Madeira também lançou uma campanha bombista, mas mais modesta.

Na década de 1980 fizeram furor as FP-25 de Abril, que levaram uma das figuras míticas do 25 de abril, Otelo Saraiva de Carvalho, à prisão. Portugal não irá escapar a ajustes de contas de certos movimentos do terrorismo internacional, num congresso da Internacional Socialista, em abril de 1983, é morto um dirigente da OLP, e nesse mesmo ano um comando de 5 terroristas pertencentes ao Exército Revolucionário Arménio ataca a Embaixada da Turquia em Lisboa e faz reféns; Evo Fernandes, representante da RENAMO em Portugal, é executado perto de Cascais por agentes do Serviço Nacional de Segurança Popular, de Moçambique. E os GAL – Grupos Antiterroristas de Libertação, financiados com dinheiros do governo espanhol para combater a ETA, tinham uma ligação portuguesa.

Com este rol de práticas, é mesmo de questionar se somos um povo de brandos costumes…

Leitura a não perder.
____________

Nota do editor

Último poste da série de 14 de março de 2018 > Guiné 61/74 - P18415: Bibliografia (47): “Lamento de uma América em Ruínas”, por J. D. Vance; Publicações Dom Quixote, 2017 (Mário Beja Santos)

Guiné 61/74 - P18923: Agenda cultural (646): Conferência "História da Pesca do Bacalhau na Terra Nova", sexta-feira, 24 de agosto, às 20H00, no Ateneo Ferrolan, Madalena, Ferrol, província da Corunha, Galiza, Espanha (Capitão Aveiro)


1. Do nosso amigo Capitão Aveiro (Valdemar Aveiro, da Costa Nova, Ílhavo), receebemos o seguinte convite, que divulganos com o todo o gosto:

El Ateneo Ferrolán, la Editorial Áncora de Lisboa y Aetinape te invitan a conocer la apasionante aventura de la pesca del bacalao en los mares de Terranova"

Estimado amigo y compañero:

Te invitamos a la Conferencia-Proyeccion-Colóquio "Historia de la pesca del bacalao en Terranova", organizada por la Asociación Española de Titulados Náutico-Pesquera (AETINAPE) y la Editorial Âncora, de Lisboa, con la colaboración del Ateneo Ferrolán y el cantautor Manolo Bacallao, que fue tripulante en los caladeros de Terranova.

Su autor es una persona entrañable, Valdemar Aveiro, capitán portugués que se jubiló al mando del bou "Coimbra", buque insignia de la pesca portuguesa. A sus 84 años conserva la ilusión y la inteligencia de relatar la dura vida de la pesca del bacalao. 

Valdemar es un gran erudito en la historia de estas pesquerías, con siete libros publicados por la Editorial Áncora de Lisboa. Es una persona culta, empática, profesional, con una gran dignidad, lo que le hizo cosechar importantes y profundas amistades con muchos profesionales gallegos y vascos que también se dedicaban a esta pesquería.

No exageramos si después de conocer su obra y mantener varias conversaciones con él reconocemos que estamos probablemente ante una de las personas con mayores conocimientos históricos de la pesca del bacalao que él maneja a través de datos históricos desde el siglo VIII.


Cabe recordar la gran importancia del puerto de Ferrol en las épocas doradas del bacalao, ya que la PYSBE (una de las grandes empresas pesqueras de la época) tenía aquí una de sus factorías más importantes y parte de su flota operaba desde Ferrol, que con A Coruña, Vigo y Pasajes, fue uno de los puertos y comarcas de referencia.

En el evento, participará también el editor Antonio Baptista Lópes.

Durante este evento, se proyectará un vídeo con números premios internacionales sobre la pesca del bacalao en Terranova con doris (embarcaciones que se transportaban en los grandes barcos bacaladeros y desde las que se pescaba con anzuelo)

Por todo ello, te rogamos que nos honres con tu asistencia a este acto y que hagas extensiva esta invitación a las personas que consideres oportuno.

La entrada es libre

CONFERENCIA-PROYECCIÓN-COLOQUIO DE VALDEMAR AVEIRO

HISTORIA DE LA PESCA DEL BACALAO EN TERRANOVA

DÍA: VIERNES, 24 DE AGOSTO

HORA: 20:00


LUGAR: ATENEO FERROLÁN (Magdalena 202-204-Ferrol)

Este acto estará presentado por el presidente de AETINAPE, José Manuel Muñiz Ríos.

[O convite é da responsabilidade dos organizadores do evento. Fixação e revisão de texto: LG. Sobre a pesca do bacalhau, que chegou a ser  "alternativa" à guerra do ultramar / guerra colonial, para alguns jovens da nossa geração, temos cerca de 3 dezenas de referências no nosso blogue] 
_______________

Nota do editor:

terça-feira, 14 de agosto de 2018

Guiné 61/74 - P18922: FAP (111): A Força Aérea Portuguesa e os incendios florestais (José Nico, TGen PilAv Ref / Mário Santos, ex-1.º Cabo Especialista MMA da BA 12)

Reabastecimento do C-130 H da FAP
Foto: João Girão/Global Imagens/Arquivo, com a devida vénia


1. Mensagem do nosso camarada Mário Santos (ex-1.º Cabo Especialista MMA da BA 12, Bissalanca, 1967/69), com data de 6 de Junho de 2018:

Hoje, em que os fogos Florestais estão permanentemente na ordem do dia, ocupando noticiários televisivos e acesas discussões e debates em regime de exclusividade, penso que não será desajustado esclarecer algumas mentes sobre o tão propalado uso do Avião C-130 H da nossa Força Aérea no combate a incêndios florestais.

Esclareço que este artigo foi elaborado pelo Gen. Pil./Av. José Nico que foi também Comandante destas aeronaves e nos diz o seguinte:


Já não estava a voar os C-130H quando a operação MAFFs teve início. No entanto fui dos primeiros a ter contacto com o sistema porque em 1980 ou 1981 fizemos um "squadron exchange" com os C-130 italianos que estavam baseados em Pisa. 
Levava a incumbência de pedir uma demonstração do funcionamento do MAFFS que os italianos já possuíam. Não foram capazes de fazer a demonstração mas mostraram o equipamento.

Deixei a operação C-130H em 1982, no entanto a minha opinião sobre a utilização dos C-130 no CI é basicamente a seguinte:
 

1. Num combate a um incêndio com meios aéreos é muito importante a quantidade de água que a aeronave consegue transportar mas ainda mais importante é a frequência da rotação. É necessário que o tempo entre descargas seja o mais curto possível. 
No caso do C-130, porque só tínhamos uma aeronave em alerta, o intervalo entre descargas era muito grande e, grosso modo, devia ser cerca de uma hora. Era preciso regressar à Base, aterrar, rolar, estacionar, parar motores, reabastecer, pôr em marcha, rolar, descolar, voar outra vez para o incêndio e fazer nova descarga. Num intervalo de tempo tão grande qualquer incêndio retomava facilmente a sua carga térmica e por isso penso que o combate se não era ineficaz, era, pelo menos muito pouco eficaz.

2. A calda retardante, que se chamava PHOSCHECK se bem me recordo, destinava-se a fazer baixar a temperatura do fogo e permitir a aproximação do pessoal que estava em terra, ou seja, pelos bombeiros. Isto pressupunha que os lançamentos da calda se fariam depois de os bombeiros terem sido posicionados nas proximidades. Ora isto raramente acontecia. O que acontecia é que os fogos se desenvolviam em zonas com relevo e sem caminhos que permitissem o acesso ao incêndio. 
Normalmente as matas iam ardendo mas os bombeiros estavam a quilómetros da linha de fogo e não conseguiam lá chegar. Chamavam então o C-130 que fazia um lançamento mas como os bombeiros não estavam lá perto para combater o fogo, este reganhava intensidade. Por sua vez o C-130 demorava muito tempo para fazer a segunda descarga e assim por diante, o que não resultava.

3. Resumindo, que eu saiba só os anfíbios CANADAIR, porque foram desenhados de propósito para combater fogos é que oferecem a resposta mais eficaz. Fazem uma descarga e vão reabastecer no lago ou albufeira mais próximos e estão de regresso ao fogo no menor espaço de tempo possível. 
Ao pé deles o C-130 com o MAFFS não vale nada.

Sobre a conversa que tem aparecido nos media quanto à utilização dos PUMA que foram abatidos, ou sobre a adaptação dos futuros KC-390, é tudo conversa de treta. Ninguém sabe do que está a falar, incluindo alguns dos meus camaradas.

José Nico

C-130 H - Carregamento do kit MAFF's
Foto: Com a devida vénia ao Blogue O Adamastor

C-130 H no combate a incêndio
Foto: Com a devida vénia a Associação Bombeiros para Sempre

C-130 H a usar Calda Retardante
Foto: Com a devida vénia ao Blogue O Adamastor

************

Abraço
Mário Santos
____________

Nota do editor

Último poste da série de 5 de julho de 2018 > Guiné 61/74 - P18813: FAP (110): FIAT G-91, um caça entrado ao serviço de Portugal, na guerra do ultramar, em 1965 (Mário Santos, ex-1.º Cabo Especialista MMA da BA 12)

Guiné 61/74 - P18921: O Cancioneiro da Nossa Guerra (9): Os bravos de Bambadinca


Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > 1970 > Espectacular vista aérea do aquartelamento, tirada no sentido leste-oeste, ou seja, do lado da grande bolanha de Bambadinca.  (Vd. mapa da região)

Vd. aqui as respetivas legendas.

Foto: © Humberto Reis (2006). Todos os direitos reservados. (Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné)


Os bravos de Bambadinca (*)

O bravo de Bambadinca
já não vai à Transmontana (1),
hoje é no Porto que ele trinca
o seu belo cachão de anha...

Anha ou anho (2), tanto faz,
diz ele p'rá sua bajuda,
- Sempre bravo, já não rapaz,
ainda coiso sem ajuda! (3)

Viva a CCAÇ doze,
nharra, nobre, mui valente,
que o Zé Turra nunca ouse
vir cá meter-se c'a gente! (4)

Viva o velho Batalhão
que fez a Lança Afiada (5),
aquilo não foi uma op'ração,
foi uma grande...vacada!

Pilotos de engenhos voadores (6),
foram homens de c...ões,
trolhas, heróis, condutores,
os que ergueram Nhabijões!

Viva o resto dos Adidos (7),
dos morteiros aos cavaleiros,
uns brancos, outros nativos,
todos fixes, todos porreiros!



Quadras de Luís Graça, escitas por ocasião do 18º convívio anual do pessoal de Bambadinca 1968/71 (**)

Notas do autor:

(1) Célebre restaurante de Bafatá onde a malta de Bambadinca, da época de 1968/71,  ia comer o famoso bife com batatas fritas e ovo a cavalo, por 25 pesps tudo incluído (bebibas)...Um pequeno luxo para quem tinha 30 quilómetros de estrada alcatroada entre Bambadinca e Bafatá em meados de 1969... Um oásis de paz, este troço de Bambadinca até Bafatá, "a princesa do Geba"....

(2) "Anho assanho com arroz de forno": uma das especialidades da cozinha duriense (Marco de Canaveses e Baião). Ver aqui página no Facebook da respetiva confraria.

(3) Como verbo intransitivo, "coisar", no Norte do país, quer dizer "ter relações sexuais"...

(4) Bambadinca sofreu um ataque de envergadura em 28 de maio de 1969... Enquanto a CCAÇ 12 esteve lá, como subunidade de intervenção ao serviço do BCAÇ 2852 (1968/70) e depois do BART 2917 (1970/72), entre julho de 1969 e março de 1971, a sede do setor L1 nunca foi atacada ou flagelada. Os "!pais-fundadores" da CCAÇ 12, oriundos da CCAÇ 2590 (graduados e especialistas metropolitanos, num total de 60) foram rendidos em março de 1971 (, rendição individual).

(5) Op Lança Afiada: uma das maiores operações realizadas na Zona Leste (e em todo o TO da Guiné), ao tempo do BCAÇ 2852, coordenada e comandada pelo cor inf Hélio Felgas (Agrup 2957, de Bafatá), em março de 1969... Um dos seus resultados mais visíveis foi a destruição muitas toneladas de arroz e do abate ou saque de muitas cabeças de gado vacum, além de porcos e galinhas, nos subsetores do Xime e do Xitole, em zonas controladas pelo PAIGC, ao longo da margem direita do Rio Corubal, desde a Ponta do Inglês até à mata do Fiofioli.

(6) Referências às duas minas A/C que foram acionadas pelas NT à saída do reordenamento de Nhabijões, em 13 de janeiro de 1970, provocando um morto (o sold cond Soares, da CCAÇ 12) e muitos feridos graves (da CCAÇ e 12 e da CCS/BART 2917). A GMC que transportava duas secções, incluindo os furriéis António Fernando Marques e Luís Manuel da Graça Henriques, foi projetada vários metros, devido à violência da explosão...

(7) Referência aos Pel Caç Nat 52, 54 e 63; Pel Mort 22106 e 2268; Pel Rec Daimler 2046 e 2206...


Porto > 26 de maio de 2012 > 18º convívio do pessoal de Bambadinca (1968/71) > CCS/BCAÇ 2852 (1968/70), CCAÇ 12 (1969/71) e outras subunidades adidas. (**)

Foto: © José Fernando Almeida (2012).  Todos os direitos reservados. (Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné=.
___________

Notas do editor:


Vd. postes anteriores da série > 19 de abril de 2018 > Guiné 61/74 - P18537: O Cancioneiro da Nossa Guerra (7): "Marcha de Regresso" (Recolha de Mário Gaspar, ex-fur mil at art, MA, CART 1659, "Zorba", Gadamael e Ganturé, 1967/ 68)

16 de abril de 2018 > Guiné 61/74 - P18528: O Cancioneiro da Nossa Guerra (6): "Os Homens não Morrem" (Recolha de Mário Gaspar, ex-fur mil at art, MA, CART 1659, "Zorba", Gadamael e Ganturé, 1967/ 68)

28 de janeiro de 2018 > Guiné 61/74 - P18261: O Cancioneiro da Nossa Guerra (5): O hino dos "Unidos de Mampatá", a CART 6250/72 (Mampatá, 1972/74)

27 de janeiro de 2018 > Guiné 61/74 - P18261: O cancioneiro da nossa guerra (4): "o tango dos periquitos" ou o hino da revolta da CCAÇ 557 (Cachil, Bissau e Bafatá, 1963/65) (Silvino Oliveira / José Colaço)

27 de janeiro de 2018 > Guiné 61/74 - P18259: O cancioneiro da nossa guerra (3): mais quatro letras, ao gosto popular alentejano, do Edmundo Santos, ex-fur mil, CART 2519, Os Morcegos de Mampatá (Buba, Aldeia Formosa e Mampatá, 1969/71)

8 de novembro de 2017> Guiné 61/74 - P17944: O cancioneiro da nossa guerra (2): três letras do Edmundo Santos, ex-fur mil, CART 2519, Os Morcegos de Mampatá (Buba, Aldeia Formosa e Mampatá, 1969/71): (i) Os Morcegos; (ii) Estou farto deles, tirem-me daqui; (iii) Fado da Metralha

30 de setembro de 2017 > Guiné 61/74 - P17811: O cancioneiro da nossa guerra (1): "Asssim fui tendo fé, pedindo a Deus que me ajude"... 4 dezenas de quadras populares, do açoriano Eduardo Manuel Simas, ex-sold at inf, CCAÇ 4740, Cufar

(28 de maio de 2012 > Guiné 63/74 - P9952: Blogpoesia (188): Aos bravos de Bambadinca reunidos no sábado, dia 26, no Porto (Luís Graça)

segunda-feira, 13 de agosto de 2018

Guiné 61/74 - P18920: Álbum fotográfico de Virgílio Teixeira, ex-alf mil, SAM, CCS / BCAÇ 1933 (Nova Lamego e São Domingos, 1967/69) - Parte XXXIX: Afinal o "Chez Toi" era o antigo restaurante e casa de fados "O Nazareno", que eu frequentei no meu tempo


Foto nº 1


Foto nº 2


Foto nº 3


Foto nº 4

Foto nº 5


Foto nº 6


Foto nº 7


Foto nº 8

Guiné > Bissau > Virgílio Ferreira, ex-alf mil SAM, CCS/BCAÇ 1933 (Nova Lamego e São Diomingos, 1967/69)

Fotos (e legendas): © Virgílio Teixeira (2018). Todos os direitos reservados [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. Continuação da publicação do álbum fotográfico do Virgílio Teixeira (*), ex-alf mil, SAM, CCS / BCAÇ 1933 (Nova Lamego e São Domingos, set 1967/ ago 69); natural do Porto, vive em Vila do Conde, sendo economista, reformado; tem já cerca de  75 referências no nosso blogue.

Guiné - Portugal 67/69 - Álbum de Temas:

T009 – O ‘CHEZ TOI’ AFINAL ERA O ANTIGO RESTAURANTE E CASA DE FADOS ‘O NAZARENO’


I - Anotações e Introdução ao tema:

INTRODUÇÃO:

Vem este Poste comentar e tirar ainda algumas dúvidas do mal-afamado caso do ‘Chez Toi’ .

A reportagem do ano de 2011, que eu li agora do camarada Carlos Pinheiro, com 25 meses de Bissau (*), veio afinal desvendar alguns mistérios e dúvidas, que eu vou tentar acrescentar algo, com o meu tempo incomparavelmente inferior ao do Carlos, mas que também tenho algum contributo a dar, não me vou alongar, pois não é caso para isso.

Já li muita coisa sobre o Chez Toi, uma delas, um comentário que dizia que ficava numa Rua esquisita de má fama, e tinha uma Pensão, e outras coisas mais.

Partindo do princípio de que o Carlos Pinheiro sabe mais disto do que todos nós, e que se manteve em Bissau já passados uns anos após a minha saída, mantenho a minha versão que afinal eu não conhecia uma casa, boîte, cabaré seja o que for com este nome, aliás não havia casas nenhumas desta especialidade.

Então o Nazareno, restaurante e casa de fados, que era propriedade de um empregado da Casa Pintosinho, presumo que o Sr. Machado, que não deveria ter qualquer Cabo Verdiana por sua conta, isto é juntos, companheiros, amantes, pois que se for o Sr. Machado e julgo que deve ser, tenho esse pressentimento pois, como eu sou Machado também, ficou-me no chip este nome e a figura do homem.  [...] Pelo que sei é que ele não tinha mulher nenhuma e vivia lá há muitos anos.

Vamos então ao excelente comentário do Carlos Pinheiro, que praticamente já disse tudo, excepto que o Grande Hotel era o lugar por excelência em toda a Guiné, mesmo não sendo nada como o Polana em Lourenço Marques, era para aqui que vinha a malta toda da alta classe, as visitas importantes, os Comandos do QG, incluindo o Spinola, com quem tive o prazer de jantar na mesma sala no mesmo dia. Também no Solar dos 10 ali encontrei uma ou duas vezes o Spinola com convidados.

(i) O Carlos fala na Casa Santos e dos seus grandes bifes, que ficava na saída do QG! Não conheço e já agora teria interesse em saber. Tantas vezes eu vim do QG para Bissau e não me lembro desta afamada casa de comidas.

(ii) E o Bolola, pelo nome,  também não me diz nada, pode ser uma coisa mais recente.

(iii) A Casa Costa Pinheiro também pelo nome não vou lá, devia ser uma das muitas que faziam parte daquele ‘centro comercial’ da baixa de Bissau.

E agora vamos acrescentar alguns outros locais e sítios que não foram mencionados:

(iv) A Pensão da Dona Berta, ainda no mesmo quarteirão do Bento e da Gelataria, fui lá várias vezes e até tenho umas fotos lá no 1º andar.

(v) E o Stand da Peugeot com os seus carros e motas na montra, logo acima da Gelataria? Foi lá que comprei as minhas 2 motorizadas, e fiz a encomenda de um carro Peugeot, não sei qual, para levar a quando da minha saída, e que tanto prometi à minha então namorada, mas que depois não levei nada, pois devia ser complicado e dar trabalho para o transportar. Quando cheguei comprei o carro que estava na moda então, um Mini 1000.

(vi) Mais acima a caminho da Praça do Império, tínhamos do lado direito a Bomba de gasolina da SACOR, onde eu abastecia a minha motorizada, e até lá havia um mecânico que várias vezes fez umas reparações às motorizadas. Não me lembro dessa boba à saída de Bissau, deve ser mais recente para mim.

(vii) O Nazareno, se passou a ser a casa de má fama, Chez Toi, não é do meu tempo.

(viii) E a reportagem do Luís Graça passada lá, dá a entender que aquilo era mesmo mau, embora já tenha vindo à cena alguém dizer que nunca viu nada de especial.

(ix) Embora outro camarada, tenha dito que lhe doía a alma ver as raparigas ali fechadas na cave do estabelecimento. Outro também comentou que naquela Rua, dada a sua ligeira inclinação, os miúdos já praticavam as corridas nos carrinhos de rolamentos, que eu também tinha em criança.

(x) Pelas fotos anexas, e pelas muitas descrições já feitas, pode ver-se que o local não ficava em nenhuma zona de mau aspecto e de má fama, bem pelo contrário, era uma zona da parte nova e nobre de Bissau, onde mais tarde, 1984/85, lá vi instaladas as Embaixadas de Portugal e da França pelo menos.

(xi) As ‘Caves’ referidas, julgo tratar-se do Rés-do-chão da casa, como se pode ver nas fotos, a sala de jantar ficava no 1º piso, e tinha uma boa varanda para a rua e para as vistas, que eram excelentes, dado o contexto das outras.

(xii) O nome da Rua não sei, pode ser Arnauld Shulz ou Sá Carneiro, mas tenho a ideia que esta rua era uma perpendicular à Avenida do Império, ou andava por ali próximo, já um pouco afastada do ‘centro’ da cidade, desconheço os outros estabelecimentos que lá tinha, eu ia lá só para comer e beber.

(xiii) Faltaria ainda acrescentar às demais infraestruturas existentes, a Tabanca de uma amiga minha e depois lhe perdi o rasto.

(xiv) E temos de realçar as instalações do ‘600’ o Quartel onde ficavam instaladas as tropas que faziam a segurança ao Quartel General. Passei lá 2 meses a acertar as minhas contas.

(xv) E as magnificas instalações do Clube de Oficiais de Santa Luzia, não se pode deitar fora, era um oásis no meio do deserto, a sua piscina, a messe, os bares, as esplanadas, e até o Biafra que apesar de tudo não era assim tão mau.

Bom, quanto ao Chez Toi  está para já tudo dito, quem tiver mais que volte à carga.

Em, 2018-08-10


II – As Legendas das fotos familiares [, de 1 a 8].

F01 – Um jantar no Nazareno, em vésperas de Natal, Bissau, Dez 1967. Junto com o Furriel Riquito, camisa branca, e Alferes Verde, fardado. Era uma casa de fados também,

F02 – No restaurante e Casa de Fados ‘O Nazareno’ em Bissau, 23Dez67. Nesta foto estou sozinho, e não vejo imagens de mais ninguém que lá estivesse. Tem a data de 23 de Dez 67, e eu passei a véspera de Natal 67, de 24 Dez 67 em Nova Lamego, não há duvidas. A foto anterior poderá ser da mesma data, mas não parece. Devo ter embarcado nesse dia ou no seguinte no Dakota para Nova Lamego.

F03 – Na Varanda e esplanada do piso superior no restaurante ‘O Nazareno’ também com data na foto de Bissau, 23Dez67.

F04 – Novamente na esplanada-varanda do Nazareno, já passou o ano de 1968 e já estamos em 1969, não sei que data tem, pois são de slides e não tenho nada escrito. Pode ver-se que se trata de um lugar localizado em zona de bom aspecto. Bissau, 1969.

F05 – E nesta foto à porta do Nazareno, já se pode ver melhor o local, e agora também reparo numa ligeira inclinação da Rua e Passeio, onde os miúdos andavam de carrinhos de rolamentos. Continua a ser um local aprazivel, estamos na zona nova, Bissau 1969.

F07 – No Bento – 5ª Rep – porque era o local da ‘Contra Informação’ , onde todos sabiam e falavam de tudo, ao lado talvez de guerrilheiros do PAIGC ou familiares. Também se engraxavam os sapatos, não me lembrava antes de ver esta foto. Bissau, finais de 1967.

F08 – Na pensão da Dona Berta, um local privilegiado na Avenida do Império, a esplanada no 1º andar dava uma panorâmica de excelência. Bissau, Out/Nov de 1967.

Disse-me o meu amigo da CHERET, com quem estive na Quarta Feira dia 8 no Continente em Vila do Conde, encontramo-nos por acaso, eu e a minha mulher e ele e a sua nova companheira, mulher de estilo e bem apresentada, com os seus anitos. Conversamos de muitas coisas, que um dia vou falar quando voltarmos ao CHERET, mas não deixo de contar esta, que tem a ver com a foto. Foi aqui que ele esteve e o encontrei em Outubro de 67, na sua Lua de Mel.

Diz ele então que encontrou aqui um tal Mário Cláudio, que ele não conhecia (***), e que tinha recebido a visita da sua mãezinha que o veio ver, e aqui se encontraram. Mais tarde, muitos anos depois, já era o famoso escritor, e eles encontraram-se e falaram desse tempo. Estou a ler agora um livro dele, recomendado pelo meu amigo, mas é muito chato, tem palavras difíceis e algumas nem sei o significado, mas fica a ideia: ‘Os Naufrágios de Camões’.

F09 – Apresento a Suzi, uma moça que conheci na Piscina do Clube, nos primeiros dias em que cheguei à Guiné. Esta já é muito mais tarde. Bissau, Abril de 68.

Estamos a fazer exercício de barras, eu com os meus 47 kg fazia elevações até sempre.

Mando esta, das muitas, por causa da barra, pois o meu amigo CHERET – vamos chamar assim até ele me autorizar a dar o seu nome – contou-me há dias, que também fez exercícios na barra, só que ele com mais de 70 kg, a barra partiu, ele estatelou-se no solo e bateu com a coluna na beira de uma pedra, ficou paralisado, foi para o HM 241 esteva lá internado uns dias, e diz que ainda hoje sente dores na coluna devido a essa queda. Disse-lhe que ainda vai a tempo de meter um requerimento para uma Pensão de Invalidez, mas aquilo não foi em serviço, falta-lhe o nexo de causa-efeito, não há nada a fazer.

A Suzi era a filha do Coronel a quem foi dado o cognome de ‘O Lavrador’ pois era o responsável por toda a área do Clube e gostava de cultivar muitas coisas, nunca o conheci.

A Suzi, eu chamo-lhe a minha amiga, mas eramos apenas conhecidos, eu ia até a Piscina e ela estava lá sempre, por isso metemos conversa, mas sempre à distância. Nunca soube que o pai era o Coronel e Chefe lá do Clube, tenho muitas fotos com ela, em diversas alturas, mas acho que nem um cumprimento de mão demos um ao outro, para ela devia ser ‘mais um’ a tentar a sua sorte, mas nunca me passou pela cabeça nada a não ser o convívio e conversar, não sei a sua idade, mas vendo bem as fotos, e se aumentarmos o zoom em zonas pontuais, poderei concluir que ela teria os seus 15-16 anos, não sei, talvez.

Virgílio Teixeira, Em, 2018-08-10

(Faz hoje 49 anos da minha chegada a bordo do UIGE ao Cais de Alcântara, seguindo para Tomar, onde foi feita a parada militar pela cidade, dando assim por terminada a minha missão militar ‘Com Orgulho’.)

-------------

«Propriedade, Autoria, Reserva e Direitos, de Virgílio Teixeira, Ex-alferes Miliciano do SAM – Chefe do Conselho Administrativo do BATCAÇ1933/RI15/Tomar, Guiné 67/69, Nova Lamego, Bissau e São Domingos, de 21SET67 a 04AGO69».

Caro Luís, conforme já tinha dito, e depois de ler já tanta coisa sobre este tema, resolvi escrever este relatório, para eventual Poste ou não, mas dar um contributo daquilo que eu tenho algum conhecimento, ou julgo que tenho. Alguém o dirá.

Mesmo em tempo de férias, a vida continua, e 'abortado' que foi o anterior Tema, vamos dar mais um pouco de algo para ler, e sonhar à sombra de um Poilão.

Um abraço,
Virgílio Teixeira
_______________


(**) Vd. poste de 9 de agosto de  2018 > Guiné 61/74 - P18908: Estória de Bissau (20): A cidade onde vivi 25 meses, em 1968/70: um roteiro (Carlos Pinheiro)... [Afinal o "Chez Toi" era a antiga casa de fados "Nazareno"...]

(***) Mário Cláudio, pseudónimo literário do nosso camarada e membro da nossa Tabanca Grande, Rui Barbot Costa [, nascido no Porto, em 1941, ex-alf mil, na secção de justiça, QG, Bissau, 1968/70, foto atual à direita], chegado até nós pelo braço de outros dois camaradas, o Carlos Nery e o saudoso João Barge (1944-2010)... Recorde-se que os três participaram num espectáculo teatral, inédito em Bissau, estreado em 5/4/1970: a peça de Ionesco, "A Cantora Careca", encenada pelo Carlos Nery.

O Mário Cláudio é hoje considerado um dos maiores escritores de língua portuguesa. Sobre o seu último romance, "Os Naufrágios de Camões" (2017), ver aqui entrevista (polémica) que deu ao Diário de Notícias, em 13 de fevereiro de 2017.

Guiné 61/74 - P18919: Notas de leitura (1091): Nó Cego, por Carlos Vale Ferraz; Porto Editora, 2018 (2) (Mário Beja Santos)



1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 25 de Junho de 2018

Queridos amigos,
Muito mais do que uma obra contada com mestria, um registo do horror e da brutalidade feito com contenção e a secura quanto baste, "Nó Cego" veio a alcandorar-se no pódio das obras-primas absolutas graças a um caso raro, talvez mesmo único, em que tudo quanto se passa naquele teatro de guerra ganha legitimidade para qualquer outro teatro, ali estamos todos nós, bramindo e rilhando os dentes, naquele companheirismo que só a guerra tem o condão de acrisolar e de elevar aos píncaros, para todo o sempre.
A mais singela homenagem que se pode fazer à obra maior da literatura da guerra colonial é contá-la assim, sem prejuízo da sua leitura integral, as leituras repetem-se, e o diamante literário faisca sempre de outra maneira.

Um abraço do
Mário


Nó Cego, a obra maior de toda a literatura da guerra colonial (2)

Beja Santos

"Nó Cego", por Carlos Vale Ferraz, Porto Editora, 2018, impôs-se ao longo de 35 anos, como leitura obrigatória, é o mais universal dos romances, o mais poderoso, melhor arquitetado e de dimensão clássica. Já se falou da primeira operação da Companhia de Comandos no Planalto dos Macondes, um bom número dos seus figurantes perfilou-se diante do leitor. Estamos agora em M, um verdadeiro entreposto em que os aviões andam num virote, os helicópteros depositam feridos na enfermaria, as colunas partem e chegam.

É-nos apresentado o Tio Abílio, o tenente-coronel comandante do batalhão de caçadores de M, “um homem precocemente envelhecido, magro e pequeno, de barriga dilatada, fardado com uma camisa verde e uns calções compridos a ultrapassarem os joelhos, ostentando na cabeça um boné de pala que lhe dava o ar ridículo de menino velho”. Informa o capitão que o brigadeiro está aborrecido com os resultados da operação, parecia-lhe inexplicável como duas Companhias de tropa especial não tinham conseguido assaltar uma base de guerrilheiros. E começa a reunião, parece uma sessão solene, não faltam mapas da situação, com setas e cruzes, uma ventoinha dá o ruído de fundo, o capitão dos Comandos não se exime a fazer a sua apreciação:
“Mentalizados ou não para morrerem, a verdade é que os homens lutam, morrem, ficam estropiados, isto apesar de lá em baixo, no quartel-general, e em Lisboa os nossos chefes não quererem aceitar que estamos numa guerra a sério e não a realizar operações policiais”.
O brigadeiro dá-lhe réplica:
“Vamos alterar a nossa estratégia. O nosso novo general comandante-chefe e eu próprio acabámos de ocupar os nossos cargos, e contamos com o vosso patriotismo e a vossa coragem para dentro de um ano termos a área limpa”.

Comia o capitão a sopa quando foi confrontado com as mais recentes peripécias do Tino, que lhe apareceu de camisola branca rota e suja, tinha havido zaragata da grossa no bar do batalhão, havia que agir rapidamente:
“Quando passaram à porta de armas distinguiram, mesmo à fraca luz do quartel, vultos correndo a tomarem posições de assalto junto a um dos edifícios. Os seus homens estavam a cercar os soldados do batalhão e imaginava o que lhes iriam fazer. Nada que melhorasse a consideração do novo brigadeiro por eles”.
O capitão lá conseguiu repor a ordem. É chamado ao brigadeiro, este revela-se exasperado, questiona o capitão:
“É chefe de um bando de guerrilha ou oficial do Exército? Esta unidade está em insurreição?” - e manda levantar um auto de corpo de delito por indisciplina, a tensão entre brigadeiro e capitão é latente.

E realiza-se o funeral do Preguiça, houve missa de corpo presente. O capitão visita na sala dos feridos graves o soldado Pedro, que perdera uma perna. “O Pedro já não era como eles, embora fosse para sempre um deles. Pareciam sofrer de um incómodo e indefinível sentimento de culpa por manterem intactos os seus corpos, embora recebiam dos mutilados olhares onde julgaram ver alguma vergonha pela sua nova situação e inveja por já não serem como eles. A expressão dos jovens soldados feridos das enfermarias militares parecia conter uma certa dose de ressentimento. Nunca mais seriam jovens”.

Imagem retirada do blogue Espaço Etéreo, vivências da guerra colonial, com a devida vénia

As tropas saem de Mueda para a Volta ao Mundo, vão atacar a Base Beira da Frelimo, na operação irão comandos e paraquedistas, haverá artilharia. E são emboscados, uma Fox estoira, há mortes. “Os homens moveram-se sem necessitar de ordens. Ligaram os cabos dos guinchos de reboque ao casco e à torre da autometralhadora para libertarem do interior do blindado o corpo meio esmagado do furriel do esquadrão de cavalaria a escorrer sangue e espuma da boca. Desceram-no, desarticulado, da velha lata para os braços do enorme soldado Bento, que pegou nele ao colo como a um menino. Deitou-o docemente à sombra de um arbusto compondo-lhe os membros. A cara de criança em corpo de gigante do soldado dos Comandos enfrentou a do outro, com a face branca da morte, sem acreditar que já não estivesse vivo”. Ao fim da tarde, a coluna chegou ao Sagal, o quartel onde iriam passar a noite antes de se lançarem na Volta ao Mundo. É eloquente a conversa que se vai travar entre o capitão dos Comandos e o comandante da guarnição, o que dizem é a história de uma guerra que parece infindável, aqueles oficiais caminham para o limiar da subsistência, estão a perder horizonte, o capitão dos Comandos não gosta do que está a ouvir:  

“Tinha diante de si um homem mesquinho, preocupado apenas consigo. Chocava-o ver-se confrontado com um militar tão egoísta que nem imitava uma manifestação de solidariedade para com a sua própria tropa que ia sair de madrugada”.
Há aqui um vigoroso registo do furriel Freixo, que vários ocasos irão transmutá-lo em herói. De novo a coluna está em marcha, começa o inferno das minas, há quem já esteja a fazer contas ao prémio de dois contos por levantar cada uma delas sem as rebentar. O capitão é categórico, é tudo para rebentar, o perigo está à vista:  
“A picada passou a confundir-se com uma seara de minas, que apareciam coladas umas às outras. No primeiro quilómetro, contaram 60 e demoraram seis horas a percorrê-lo. Os homens deixaram de sair das viaturas. Em cima delas comiam, de cima delas se aliviavam. Dormiam sentados com os quicos a taparem-lhes as caras das mordidelas dos mosquitos”.
Alguém fica gravemente sinistrado, o tempo vai passando, chega a noite com o silêncio assustador da floresta. Um soldado irá ter um ataque violento, segue-se uma descrição fulgurante:
“Foi de repente que, expelido pelo silêncio de aquário do Planalto dos Macondes, se ouviu um grito. Não um grito de medo ou de dor, mas um grito horrendo que lhes eriçou a pele carregada de eletricidade em picos de lixa. Um grito com vida, nascendo de um uivo de suicida caindo no abismo; mal nascido e logo fugido para o negrume de árvores sombrias a receberem-no quais fantasmas baloiçando braços descarnados de ramos rendilhados em teias negras, a prolongar-se num eco de mil latidos”.
Pergunta-se o que foi, um soldado do pelotão dos “picadores” do Sagal espumava e revirava os olhos, deitando por terra o grupo dos que o agarravam. O soldado epilético lá foi aplacado e depois sossegado.

Com a claridade da manhã, recomeça a marcha: “As minas voltaram a nascer como cogumelos em estrume húmido na picada que mal se distinguia entre a floresta”. De helicóptero, chega o Tio Abílio, à cautela fica debaixo de uma Berliet. Na manhã seguinte chega um helicóptero que leva o tenente-coronel a M, este está muito impressionado com o fino trato do furriel Freixo, a coluna retoma o seu lento curso no Planalto dos Macondes, os “picadores” estão exaustos, os Comandos vão apoiá-los, o comboio de viaturas prossegue a sua marcha, estão próximos da zona de ataque, virá a descobrir-se que os guerrilheiros fizeram fogo e retiraram. O gigante Bento morreu tal como o condutor do rebenta-minas.
A Volta ao Mundo chegou ao fim ao cair da noite.

(Continua)
____________

Notas do editor:

Poste anterior de 6 de agosto de 2018 > Guiné 61/74 - P18901: Notas de leitura (1089): Nó Cego, por Carlos Vale Ferraz; Porto Editora, 2018 (1) (Mário Beja Santos)

Último poste da série de 10 de agosto de 2018 > Guiné 61/74 - P18911: Notas de leitura (1090): Os Cronistas Desconhecidos do Canal do Geba: O BNU da Guiné (46) (Mário Beja Santos)

Guiné 61/74 - P18918: O Spínola que eu conheci (33): Três histórias da Spinolândia (António Ramalho, ex-fur mil cav, CCAV 2639, Binar, Bula e Capunga, 1969/71)



Guiné > Região do Cacheu > CCAC 2639 (Binar, Bula e Capunga, 1969/71) > Destacamento de Pete > 9/11/1970 > Visita do general Spínola no dia seguinte ao ataque ao destacamento. À sua direita, o comandante do BCAV 2862 (Bula, 1969/70), ten cor Carlos José Machado Alves Morgado, o ten cor cav Morgado, nosso conhecido da Op Ostra Amarga (que aparece no fim do filme da ORTF com Spínola e Almeida Bruno; será cmdt da Academia Militar, em 1980/81; é general na reforma). (*)

Foto (e legenda): © Victor Garcia (2009) . Todos os direitos reservados (Edição e legendagem complementar: Luís Graça & Camaradas da Guiné)



1. Mensagem de António Ramalhox-fur mil at cav, CCAV 2639 (Binar, Bula e Capunga, 1969/71), natural da Vila de Fernando, Elvas, membro da Tabanca Grande, com o nº 757:


Data: 11 de agosto de 2018 às 18:32

Assunto: Recordar é viver!

Caro Luís boa tarde.

Cada dia que vou ao blogue mais me enriquece e aviva a minha memória, todos os conteúdos são extraordinários!

Excelente périplo pelas ruas de Bissau do camarada Carlos Pinheiro (**), alguns nomes, locais e empresas que nos marcaram, todavia há uma que não foi referida - A.M. Correia de Paiva - nosso cliente, importador de largas toneladas de frangos para as tropas!

Ruas à noite, atapetadas com milhares de cascas d'ostra! No Pelicano tomei a primeira refeição aquando da minha chegada à Guiné.

Na Meta foi interdita a minha entrada por ir fardado, nunca mais lá fui!...

Não fui grande frequentador do QG (Biafra), tinha alojamento (permanente) em Engenharia!

O circuito nocturno geralmente terminava no Chez Toi sem antes passarmos pela Messe de Sargentos da Força Aérea!

Um dado curioso, as girls estavam em comissão como nós, só que eram rendidas com menos espaço e com muito menos gente a despedir-se ou a recebe-las no cais ou no aeroporto, obviamente!...

Relembrei-me de três histórias com o nosso ex-camarada gen António de Spínola, duas deleas presenciei-as, a primeira foi-me contada pela protagonista (***).

Vamos à primeira:

O nosso General teve um pequeno acidente com o seu monóculo, enviou o seu impedido a um oculista da cidade, cuja empregada era familiar do proprietário, natural duma aldeia perto da minha.

Avisado depois de reparado o monóculo,  foi ele mesmo levantá-lo com aquele seu ar austero, de camuflado engomado, sempre simpático para com as populações.

No acto da entrega pergunta-lhe a empregada:
- Senhor Governador, quer que embrulhe ou leva-o no olho?
- Menina, dê cá o monóculo, no olho levam vocês!...

A rapariga desmanchou-se a rir quando nos contou!

Segunda.

Aquando da minha estadia em Capunga, vejo chegar um jipe com o nosso general a bordo, chamei imediatamente o furriel mais velho que estava jogando à bola.

A seguir às formalidades e cumprimentos da praxe, pergunta-lhe o nosso general:
- Você é que é o nosso alferes?
- Não, não sou, meu general, o nosso alferes foi buscar água a Bula.
- Pois olhe, você tem muito mais cara de alferes do que muitos que para aí há!... Transmita-lhe que eu vim cá ver o andamento do reordenamento em Capunga.

Comentários do Alferes à visita inesperada:
- Caraças... Não me avisaram! 

Terceira

Aquando da minha estadia em Bissum, fomos visitados mais uma vez pelo nosso general tendo como companhia um governante brasileiro, na ocasião!

Depois da visita à população também decidiram visitar o aquartelamento. De passagem pela padaria o nosso cabo ofereceu-lhe pão quentinho, acabado de sair do forno.

Depois de o apreciar, manifestou-se encantado pela qualidade:
- Que belo pão, rapaz, parabéns!
- Meu general, se cá voltar amanhã ainda estará melhor!
- Adeus, rapaz, então até amanhã!

Até hoje...

Haverá mais histórias que o tempo nos irá avivar! Aguardo por um almocinho em Algés [, na Tabanca da Linha].

Um forte abraço para ti, extensivo a toda a camaradagem da Spinolandia, Guiné!

António Fernando Rouqueiro Ramalho
______________

(***) Último poste da série > 11 de outubro de 2015 > Guiné 63/74 - P15236: O Spínola que eu conheci (32): A primeira vez que comi caviar, foi com ele, em Bambadinca (Jaime Machado); um militar que eu admirava (João Alberto Coelho); em Antotinha, formámos o pelotão e batemos-lhe a pala no campo de futebol, em tronco nu: estávamos a jogar à bola, quando chegou de heli (Carlos Sousa)

domingo, 12 de agosto de 2018

Guiné 61/74 - P18917: Blogues da nossa blogosfera (99): Jardim das Delícias, blogue do nosso camarada Adão Cruz, ex-Alf Mil Médico da CCAÇ 1547 (18): Palavras e poesia

Do Blogue Jardim das Delícias, do Dr. Adão Cruz, ex-Alf Mil Médico da CCAÇ 1547/BCAÇ 1887, (Canquelifá e Bigene, 1966/68), com a devida vénia, reproduzimos esta publicação da sua autoria.


UM DIA ME DAREI CONTA

ADÃO CRUZ

© ADÃO CRUZ


Um dia me darei conta do teu corpo infindável
Um dia sorridente me sentirei infinito
nunca esgotado o desejo que nos abraça e nos atormenta
à distância dos sentidos sempre fugazes
sempre perdidos no corpo finito.
Um dia me darei conta
do tempo que não se perde para lá das formas
do tempo em que não murcham
os rebentos cálidos da minha carne
e o sangue não perde o fulgor
das cores abertas ao sol.
Um dia me darei conta
e nesse dia gostaria de partir.
____________

Nota do editor

Último poste da série de 5 de agosto de 2018 > Guiné 61/74 - P18899: Blogues da nossa blogosfera (98): Jardim das Delícias, blogue do nosso camarada Adão Cruz, ex-Alf Mil Médico da CCAÇ 1547 (17): Palavras e poesia

Guiné 61/74 - P18916: Blogpoesia (579): "Passou para trás...", "Três dias de ausência..." e "Mar de poesia", da autoria de J. L. Mendes Gomes, ex-Alf Mil da CCAÇ 728

1. Do nosso camarada Joaquim Luís Mendes Gomes (ex-Alf Mil da CCAÇ 728, Cachil, Catió e Bissau, 1964/66) estes belíssimos poemas, da sua autoria, enviados entre outros, durante a semana, ao nosso blogue, que publicamos com prazer:


Passou para trás...

Passou para trás o dia que, ontem, foi hoje
e não volta a ser.
Passam todos por mim enquanto eu vou.
Depois, serei do passado
como tantos que já não são.
Com outros, sem mim, continuará a passar.
Não sei donde vim e para quê.
Não sei para onde vou.
Só sei que, agora, sou...

Mafra, 5 de Julho de 2018
14h2m
Jlmg

************

Três dias de ausência...

Troquei minha ausência de Mafra por três dias de presença a velejar pela minha aldeia.
Profundas vibrações das pisadas que ali deixei iluminaram minha lembrança.
Figuras respeitáveis de gente ida. A que sabia bem o nome que me chamavam.
Vieram à minha saudade.
Com a ternura familiar da vizinhança sã.
Era o tempo da fidalguia pura e da honestidade.
Quando o sol nascente nos espreitava a arder pelas fragas longínquas do Marão.
Sorriam verdes as latadas altas, bordejando os campos e as searas.
E, nos rostos rubros das pessoas, refulgiam os sorrisos da honestidade.
- "O Senhor te abençoe..." - assim me dizia um desconhecido que passava.
Tudo me ressoou fremente, nestes breves dias de passagem...

Mafra, 10 de Agosto de 2018
10h7m
ouvindo Kathia Buniatishvili, tocando Grieg
Jlmg

************

Mar da poesia

Banhei meu pensamento no mar da poesia.
Expu-lo ao sol e ao vento para secar.
Depois soprei-o e fiquei a vê-lo adejando versos como aves soltas a brincar no céu.
Como eram belos.
Quem os ditava não era eu.
Pus-me a lê-los.
Grandioso.
Um painel de cores.
Faiscando belo.
Lindas mensagens.
Sereno apelo.
De amor e esperança.
Oxalá o vissem de todo o mundo...

Ouvindo Sheherazade de Rimsky-Korsakov
No Bar "Castelão" em Mafra,
12 de Agosto de 2018
10h10m
Jlmg
____________

Nota do editor

Último poste da série de 5 de Agosto de 2018 > Guiné 61/74 - P18898: Blogpoesia (578): "Sombras...", "Minha sonda..." e "Laçadas falsas...", da autoria de J. L. Mendes Gomes, ex-Alf Mil da CCAÇ 728

Guiné 61/74 - P18915: Memória dos lugares (380): O "Chez Toi", a casa de duas moradias, em frente aos serviços metereológicos, e que foi o primeiro cabaré da cidade... E depois da independência, era a chancelaria e a residência do embaixador... de França! (Nelson Herbert, EUA)


Guiné > Bissau > s/d > "Aspecto parcial e Câmara Municipal"... Bilhete postal, nº 133, Edição "Foto Serra" (Colecção Guiné Portuguesa")...

Segundo o nosso amigo guineense, de origem cabo-verdiana, Nelson Herbert,  jornalista que trabalhou na VOA - Voice of America, e vive nos EUA, a casa de duas moradias que se vê à direita, na imagem acima,  foi a antiga "boite" ou "cabaret" "Chez Toi"... Em frente era a "Estação Meterológica de Bissau" (edifício nº 8, assinalado no mapa em baixo)... Antes da independência, esta rua, que era perpendicular à Av da República (que partia da Praça do Império até ao cais do Pidjiguiti) chamava-se rua do engº Sá Carneiro (antigo subsecretário de Estado das Colónias que visitou o território em 1947, sendo governador-geral Sarmento Rodrigues).


Colecção de postais ilustrados: Agostinho Gaspar / Digitalizações: Luís Graça & Camaradas da Guiné (2010).


1. Mensagem de ontem, às 16h29, do nosso amigo Nelson Herbert


Ahahahaha, já estive no blog... cujas coordenadas não perdi... e a deliciar-me com as estórias do Chez Toi... num "flashback"!

Ahahaha, as fantasias sexuais nossas... nós, a meninada da rua/bairro... do Cabaret... E sabíamos lá nós o que era um Cabaret? 

Attached uma foto que creio ter sido já postado no blogue em que aparece a casa de duas moradias... do lado oposto do muro dos serviços de meteorologia... onde funcionava a boite/cabaret Chez Toi... e onde,  no pós-independência,  funcionou, pelo menos até 1980, a chancelaria e a residència da embaixada da França em Bissau...  (*)

Mantenhas cordiais, meu velhos amigos... Abraço fraterno

Nelson Herbert




 


Fonte: Milheiro, Ana Vaz, e Dias, Eduardo Costa - A Arquitectura em Bissau e os Gabinetes de Urbanização colonial (1944-1974). usjt - arq urb , nº 2, 2009 (2º semestre), pp.80-114 [ Disponível aqui em pdf ] (**)

_________________

Notas do editor:

(*) Último poste da série > 11 de agosto de 2018 > Guiné 61/74 - P18914: Memória dos lugares (379): No restaurante e cervejaria Pelicano, à noite, acabado de desembarcar em Bissau, em 9 de novembro de 1970, ouvindo "embrulhar" lá longe, talvez Tite, talvez Fulacunda...(Hélder Sousa)


(**) Vd. postes sobre a arquitetura e o urbanismo de Bissau, antes da independência:


14 de abril de 2014

25 de abril de 2014 > Guiné 63/74 - P13042: Manuscrito(s) (Luís Graça (26): Revisitar Bissau, cidade da I República, pela mão de Ana Vaz Milheiro, especialista em arquitetura e urbanismo da época colonial (Parte III): Sarmento Rodrigues, o seu palácio e a sua praça do império (fotos de Benjamim Durães, julho de 1971)

19 de maio de 2014 > Guiné 63/74 - P13164: Manuscrito(s) (Luís Graça (28): Revisitar Bissau, cidade da I República, pela mão de Ana Vaz Milheiro, especialista em arquitetura e urbanismo da época colonial (Parte IV): Na antiga avenida da República (, hoje Amílcar Cabral), os edifícios da Sé Catedral (João Simões, 1945) e dos Correios (Lucínio Cruz, 1950/55)


20 de junho de 2014 > Guiné 63/74 - P13312: Manuscritos(s) (Luís Graça) (33): Revisitar Bissau, cidade da I República, pela mão de Ana Vaz Milheiro, especialista em arquitetura e urbanismo da época colonial (Parte VI): O novo bairro da Ajuda (1965/68), um "reordenamento" na estrada para o aeroporto...

12 de julho de 2014 > Guiné 63/74 - P13392: Manuscritos(s) (Luís Graça) (36): Revisitar Bissau, cidade da I República, pela mão de Ana Vaz Milheiro, especialista em arquitetura e urbanismo da época colonial (Parte VII): O melhor edifício da cidade, a Associação Comercial, hoje sede do PAIGC, projeto do arquiteto Jorge Chaves, de 1949-1952