domingo, 23 de fevereiro de 2020

Guiné 61/74 - P20677: Blogues da nossa blogosfera (122): Jardim das Delícias, blogue do nosso camarada Adão Cruz, ex-Alf Mil Médico da CCAÇ 1547 (38): Palavras e poesia


Blogue Jardim das Delícias, do Dr. Adão Cruz, ex-Alf Mil Médico da CCAÇ 1547/BCAÇ 1887, (Canquelifá e Bigene, 1966/68), com a devida vénia, reproduzimos esta publicação da sua autoria.

TU VENS

ADÃO CRUZ


© ADÃO CRUZ


Tu vens
eu acredito que vens
neste céu de cabelos soltos e seios ao vento
nesta fome de corpo e pensamento.
Tu vens
eu sei que vens
é hora de vires
nesta vespertina voragem de felicidade
neste céu da cor da angústia.
Tu vens construir a Primavera
em teu vestido branco de espuma
dominar meu indómito cabelo
com jogos simples dos teus dedos.
Eu quero acreditar que tu vens
pegar docemente nas minhas mãos cegas
e delas fazer uma flor de acácia
com que amacias os lábios
e abres o cofre dos teus seios de fogo.
Tu vens
eu sei
por isso sou feliz no meu silêncio
____________

Nota do editor

Último poste da série de 16 de fevereiro de 2020 > Guiné 61/74 - P20657: Blogues da nossa blogosfera (121): Jardim das Delícias, blogue do nosso camarada Adão Cruz, ex-Alf Mil Médico da CCAÇ 1547 (37): Palavras e poesia

Guiné 61/74 - P20676: Blogpoesia (661): "Outra forma de amar...", "O sol a pino" e "As duas faces...", da autoria de J. L. Mendes Gomes, ex-Alf Mil Inf da CCAÇ 728

1. Do nosso camarada Joaquim Luís Mendes Gomes (ex-Alf Mil Inf da CCAÇ 728, Cachil, Catió e Bissau, 1964/66) estes belíssimos poemas, da sua autoria, enviados, entre outros, ao nosso blogue durante a semana, que continuamos a publicar com prazer:


Outra forma de amar...

É fugaz o amor físico
Entre um homem e uma mulher.
Mais curto que a vida duma borboleta,
Cheia de cores.

Por mais que aqueça...
Por mais que se incendeie a chama,
Depressa se apaga.
Lamparina terna,
Que se esvai de luz.

Não está só no corpo,
Pesado ou leve,
Vestido ou nu.

É na alma que permanece
Em chama,
Que nenhum vento,
Nenhum inverno,
Jamais consome
Ou apaga.

Sua chaminé
São os nossos olhos.
Com a mesma cor
E o mesmo brilho,
À sombra ou sol!...

Berlim, 20 de Fevereiro de 2014
9h9m
Joaquim Luís Mendes Gomes

********************

O sol a pino

Venho duma terra distante.
Onde o sol voa rasteiro
Seu brilho desmaia ao nascer
E a vida não dá para aquecer.

Minha terra é no sul.
Onde jorra luz e calor.
Saúda quem vem e quem vai.
Abraça quem fica por bem.
Não quer ninguém a chorar.

Quem dá valor ao que tem
Sabe como o destino arrasta.
Longe, não fica bem a ninguém.
Dói a quem vem e quem parte.

Para todos brilha lá em cima.
Nem todos o vêem a pino.

Mafra, 19 de Fevereiro de 2020
13h45m
Jlmg

********************

As duas faces...

A despedida tem duas faces.
Uma brilhante e sedutora.
Nos arrasta para a frente...
Puxa para donde viemos,
Há tanto tempo.
Onde estão nossas raízes.
Aqueles clarões de vida
Que se acenderam,
À nossa nascença.

Aqueles campos.
Aqueles montes.
Aqueles vales,
Onde correm os nossos sonhos.

Outra, mais escura,
Virada para trás.
Faz-nos doer.
Cada passo em frente.
Soma a distância...
Faz-nos sofrer.

E é assim que a vida corre.
Uma vez o dia,
Outra vez a noite.
E nós cá vamos
Neste baloiço.
Como canecos duma nora em marcha.
Ora se enchem...
Ora despejam...
Para regar os campos.

Vêm as verduras.
Chegam as flores.
Depois os frutos,
Depois a colheita...
O que é preciso
É o sol sempre a nascer.

A alegria renasce.
Nos banha de paz.
E a vida corre em veloz correr...
Oxalá feliz,
Desde o nascer!...

Ouvindo Brendan Perry
Berlim, 19 de Fevereiro de 2014
22h34m
Joaquim Luís Mendes Gomes
____________

Nota do editor

Último poste da série de 16 de Fevereiro de 2020 > Guiné 61/74 - P20656: Blogpoesia (660): "Rondo meu eu...", "Transparências mágicas..." e "A pente fino...", da autoria de J. L. Mendes Gomes, ex-Alf Mil Inf da CCAÇ 728

Guiné 61/74 - P20675: Parabéns a você (1760): José Carlos Pimentel, ex-Soldado TRMS da CCAÇ 2401 (Guiné, 1968/70); José Ferreira da Silva, ex-Fur Mil Op Esp da CART 1689 (Guiné, 1967/69) e José Maria Claro, ex-Soldado Radiotelegrafista (DFA) da CCAÇ 2464 (Guiné, 1969)



____________

Nota do editor

Último poste da série de 21 de Fevereiro de 2020 > Guiné 61/74 - P20670: Parabéns a você (1759): Veríssimo Ferreira, ex-Fur Mil Inf da CCAÇ 1422 (Guiné, 1965/67)

sábado, 22 de fevereiro de 2020

Guiné 61/74 - P20674: Os nossos seres, saberes e lazeres (378): A Bélgica a cores que guardo no coração, e para sempre (6) (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil Inf, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 4 de Setembro de 2019:

Queridos amigos,
Tenho consciência de que a Bélgica não é muito afamada como destino turístico. Os eurocratas e as pessoas que ali vão em curta permanência referem os céus plúmbeos, as fachadas enegrecidas, muita monotonia. São clichés de quem não pôde ou não se interessou estudar previamente o que o país oferece, curiosamente a preços abordáveis, fora de Bruxelas encontram-se albergues e pensões a belos preços e quanto a comer há cardápios para tudo, e os transportes públicos, sobretudo o comboio, são inequivocamente abordáveis.
Ir a Gand, Liège, Namur ou Bruges, e daqui partir num autocarro até às aldeias, é exequível. Por exemplo, aqui fala-se em Tervuren. Pode passar-se um dia económico, vai-se de transporte público, o parque é imenso, a entrada no precioso museu não escandaliza, pode levar-se farnel, tudo somado é um dia útil a tilintar cultura e aconchego da natureza, sem atentar no orçamento.
Fala-se de experiência feita.

Um abraço do
Mário


A Bélgica a cores que guardo no coração, e para sempre (6)

Beja Santos

Este mostruário de recordações de um país que é profundamente querido ao viandante parece infindável, um dia destes fechamos o livro, até que novo regresso venha a ocorrer, com imagens tiradas nos locais, de nova visita ou em estreia, a Bélgica tem sempre revelações.
Estamos em Bruxelas, num local que se chama o Monte das Artes, de um lado, olhando para a estátua do rei Alberto I, o rei soldado, um patriota que ficou fora da Bélgica invadida, mas em torrão belga onde os alemães não chegaram, a combater ao lado dos seus fiéis compatriotas, está a escultura da rainha Elizabeth, não se percebe a insignificância, não que a senhora não fosse minorca, mas é uma imagem que parece um pão sem sal. O seu nome, pasme-se, continua a ser famoso e a correr o mundo inteiro, já que o concurso musical Rainha Elizabeth atrai regularmente grandes talentos em vários instrumentos, mas com especial incidência o piano.
Pois bem, subimos o Monte das Artes e estamos perto da Praça Real, logo atrai quem por ali passa uma construção de tipo Arte Nova, eram os Armazéns Old England, é hoje exemplar único. O viandante conheceu-o sem préstimo, décadas atrás, via-se o exterior e nada mais. Sucederam-se as petições públicas, e escolheu-se bem o novo destinatário, aqui vigora o Museu dos Instrumentos Musicais, assenta bem nesta belíssima estrutura metálica que nos remete para o que de mais prodigioso se construiu no final do século XIX.

Estátua da rainha Elizabeth, mulher de Alberto I.

Edifício Old England, hoje Museu dos Instrumentos Musicais, Bruxelas.

O viandante apanha um transporte para Tervuren, a meio caminho entre Bruxelas e Lovaina existe uma comuna cheia de história, mas o viandante vem com um fito, quer visitar, pela enésima vez, o Museu Real da África Central, não tem competidor no género em qualquer ponto do mundo. A história é bonita, conta-se em poucas palavras. Aquando da exposição universal de 1897, havia um pavilhão chamado Palácio das Colónias, destinava-se a mostrar as obras do Estado Independente do Congo gerido por Leopoldo II. O monarca socorreu-se dos mais inovadores arquitetos e artistas da Arte Nova, caso de Paul Hankar e Henri Van de Velde. Ora o rei quis juntar a esse edifício um museu de arquitetura mais clássica que ele sonhava vir a tornar-se um centro mundial de estudos e de investigações sobre África, Ásia e Extremo Oriente. E foi assim que nasceu uma arquitetura grandiosa, contrastante da Arte Nova do tal Palácio das Colónias e o seu conteúdo é interminável, vitrinas de insetos, plantas, peixes, histórias das explorações e recordações de Stanley e Livingstone, a arqueologia está sempre presente. Mas o viandante tem um fito preciso, passa como gato pelas brasas por toda esta bicharada embalsamada e detém-se junto das muitas amostras do génio escultórico dos povos congoleses. Entre as muitas sortes que a vida lhe permitiu, conseguiu comprar, no mercado do Benfica, em Luanda, em 1996, duas máscaras esplendorosas de arte Baluba e Bacongo, para não haver sarilhos alfandegários, foram apostos selos do Ministério da Cultura. E lá estão, impantes na sua beleza, numa sala doméstica.


Duas imagens do riquíssimo Museu da África Central, em Tervuren.

De um arredor de Bruxelas partimos para outro, o campo de batalha de Waterloo, aqui se realizou uma batalha sangrenta que pôs termo ao sonho napoleónico. É um imenso vale onde se destaca uma colina encimada por um leão vitorioso. Em 18 de junho de 1815 num imenso território compreendendo as comunas de Waterloo, Braine-l’Alleud e Lasne a coligação das tropas anglo-holandesas e prussianas conduzidas por Wellington e Blucher desbarataram o contingente napoleónico, ficaram 48 mil mortos neste imenso campo de batalha. Sabia-se em toda a Europa que era o momento determinante. Aqui findou a campanha dos Cem Dias, Napoleão abandonara o exílio da ilha de Elba, marchara triunfante para Paris, retomou as rédeas do poder, Luís XVIII fugiu, Napoleão partiu à procura de uma vitória decisiva, aqui perdeu tudo e foi exilado para a ilha de Santa Helena.

Monumento comemorativo à Batalha de Waterloo, 18 de junho de 1815.

Esta batalha e os seus atores ganharam dimensão mítica, foram imortalizados por pintores e escritores. O local mantém-se intacto, e ali perto há museus evocativos, veja-se este bivaque de Napoleão, que teve vida efémera.

O bivaque de Napoleão, Museu Wellington, Waterloo.

E parte-se agora para a província, procuram-se lugares de grande valor arquitetónico, um tanto fora dos grandes roteiros turísticos. O que é que esta nave, com pilares cruciformes alternando com colunas aparelhadas com capitel cúbico tem assim tão de fascinante? Trata-se de um estilo lombardo, não dispõe de abóboda, o que torna pouco explicável estes suportes tão pesados, há para aqui um mistério. O viandante não se importaria de passar aqui a noite de Natal, segundo a tradição 65 atores, todos originários da localidade fazem o presépio, consta que o evento é a mais emocionante das representações natalícias de toda a Valónia.

A nave de Saint-Symphorien em Saint-Severin-en-Condroz.

E daqui se passa para um cantão de Este, com uma história bem agitada: arbitrariamente estes cantões foram anexados à Prússia em 1815, restituídos à Bélgica em 1919, absorvidos pela Alemanha nazi em 1940, veio depois a libertação em 1944, estamos pois perto de uma fronteira que tem mudado bastante de dono, vai para dois séculos. A escassos quilómetros do grande ducado do Luxemburgo, a torre do burgo Reuland, com telhas de ardósia e campanário em forma de bolbo é a grande atração. O castelo-fortaleza foi berço de uma das mais antigas famílias feudais de Eifel. O que surpreende é uma paisagem completamente distinta do que vemos na Valónia ou na Flandres.

Reuland.

É um castelo-fortaleza, o de Bouillon, com dupla ponte-levadiça, poços profundíssimos, com casamatas, masmorras, escadas secretas… Um verdadeiro castelo medieval, uma fortaleza que remonta à segunda metade do século IX e que conheceu reformulações até ao século XVI. A parte mais antiga da fortaleza é a torre de menagem, contemporânea de Godefredo de Bouillon, duque da Baixa Lotaríngia, que participou na primeira Cruzada e que o turista que visita Bruxelas encontra, em postura gloriosa e guerreira, na Praça Real, entre museus, bem perto do Palácio Real.

Castelo de Bouillon.

Descemos agora às Ardenas, não muito longe de Condroz, estamos numa região de florestas e pastagens e aqui surge inopinadamente esta construção deslumbrante, a torre data do século XIV, parece que vai mergulhar na água de um lago, tem uma torre de menagem quadrada, vale a pena estar aqui em frente, a admirar um tão valioso património tão bem cuidado.

A quinta fortificada de Crupet.

A Bélgica guarda bons vestígios das suas beguinas, não eram propriamente lares para a 3.ª idade, acolhiam viúvas e viúvos (bem entendido, havia a exigência de vidas separadas), pagava-se o alojamento até ao fim dos seus dias, cada um com direito a um espaço próprio e outro destinado à vida comunitária, belas beguinas podem ser encontradas em vários pontos do país. A beguina de Bruges foi protegida, acarinhada de uma forma muito particular por Joana de Constantinopla, uma das duas filhas de Balduíno IX, impossível não ficar impressionado com o restauro e a bela manutenção, um encanto para os olhos e uma meditação sobre as fórmulas com que no passado remoto se praticava o acolhimento dos velhos, claro está, com algumas posses. Aqui finda o passeio por vários pontos da Bélgica, o tal país de quem soe dizer-se que é bastante monótono…

Beguinas de Bruges.

(continua)
____________

Nota do editor

Último poste da série de 15 de fevereiro de 2020 > Guiné 61/74 - P20653: Os nossos seres, saberes e lazeres (377): A Bélgica a cores que guardo no coração, e para sempre (5) (Mário Beja Santos)

Guiné 61/74 - P20673: Fotos à procura de... uma legenda (118): o meu pai era um homem que cumpria a lei que proibia armas de guerra a civis... A tal pistola metralhadora FBP deve ter-lhe sido emprestada por alguém para a pose fotográfica (Lucinda Aranha, escritora)




Guiné > s/l > s/d  > c. 1950/60 > O empresário de cinema Manuel Joaquim dos Prazeres, também caçador... Usava carabinas de caça, mas não armas de guerra... 

Fotos (e legenda): © Lucinda Aranha (2020). Todos os direitos reservados. [Edição e legemdagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. Mensagens (duas) da nossa amiga e grã-tabanqueira, escritora, filha do Manuel Joaquim dos Prazeres, o homem do cinema ambulante no nosso tempo, na Guiné, Lucinda Aranha, autora de uma biografia ficcionada do pai,  a que chamou "romance" ( "O homem do cinema: a la Manel Djoquim i na bim"-Alcochete: Alfarroba, 2018, 165 pp.)


Sexta, 31/01/2020, 20:39:
Luís,

(i) Relativamente a armas de guerra, quer o Faxina quer o Daniel Levy nunca ouviram falar em tal, só lhe conhecem [, ao meu pai,] as armas descritas no meu livro. Ambos vão falar com grandes amigos do meu pai para confirmarem se alguma vez o viram com tais armas. Envio 2 fotos com a célebre carabina [, reproduzidas acima];

(ii) Envio a carta do Carlos Geraldes,  escrita a um cunhado meu antes de eu ser aceite como tabanqueira e o conto "O Dia de S. Cinema": naa altura abandonei a ideia deste meu último livro , tendo escrito então "No Reino das Orelhas de Burro" [, será publicado um poste aparte com esta carta e este conto do nosso saudoso Carlos Geraldes (1941-2012), de Viana do Castelo;

(iii) Envio a notícia do "Eco de Cabo Verde",  de 9 de Setembro de 1934, sobre a paragem do zepellin sobre Santiago, em 2 de Setembro , ou seja, no domingo anterior à saída deste número do jornal [, também a publicar em poste aparte];

(iv) Envio 3 fotos que penso serem de uma sessão de endoutrinação levada a cabo pelo exército e autoridades locais [, presunivelmente em "chão fula", talvez região de Gabu ou região de Bafatá]. Não consegui que ninguém soubesse exactamente do que se trata, mas como aparecem militares talvez no blogue descubram [, igualmente a publicar mais tarde].

Beijos, Lucinda

Sexta, 21 de fevereiro de 2020, 10:50
Luís,

A propósito da arma com que o meu pai aparece na fotografia do poste P20601 (*), consultei vários amigos. Falei com o Carlos Freitas que confirma ser uma G3 BP [, ou melhor, pistola  metralhadora FBP,  portuguesa, da Fábrica Braço de Prata]  mas nunca viu o meu pai com uma arma de guerra nem nunca ouviu falar em tal.  É sua opinião que lhe fora emprestada para a fltografia. 

O Pereira pensa o mesmo, acrescenta que tinha 2 carabinas de caça, uma com mira telescópica, uma delas italiana e Flaubert.

Diz ainda que o meu pai era um homem que cumpria a lei que proibia armas de guerra a civis. O Daniel Levy, o Faxina, o Peralta subscrevem a opinião de que a arma foi emprestada psra a fotografia. 

Quanto à máquina de projectar, o Pereira, que foi um dinamizador e membro da admnistração da UDIB, embora não ligado ao cinema, pensa que seria igual à da UDIB porque tinham um acordo, trocando filmes. 

Como te disse, o Carlos Geraldes fala nela e até ao momento é fonte única. Não sei se há algum espólio , embora duvide,

Sobre o clube mas já agora vou perguntar ao Tony Tckeca.

Já conseguiram alguma pista sobre as fotografias dos militares [, em sessão de "psico"]?

Saudades, Lucinda

2. Resposta do editor Luís Graça:

Lucinda, obrigado pelo teu empenho, dedicação e honestidade intelectual na tentativa de esclarecer a questão da arma de guerra que o teu empunha numa das fotos que publicaste no teu livro (*)...

Mss não se trata de uma G3, espingarda automática com que fizemos a guerra colonial, e equipou o exército português até há meses...Trata-se, sim, em princípio,  de uma pistola metralhadora FBP [, Fábrica Braço de Prata]. 

O que dizes sobre o assunto, recolhendo testemunhos de amigos dele, pode bater certo: seria um arma de algum administrador ou chefe de posto, emprestada ao teu pai para a fotografia... O exército usou pouco esta arma, a FBP (, a não ser logo no início em Angola...). Estava distribuída às forças militarizadas (PSP, etc.), incluindo possivelmente a polícia administrativa da Guiné (, uma hipótese a confirmar)...

Vou publicar os teus esclarecimentos, começando pela questão da arma de guerra... Em casa, em Lisboa, quando vinha de férias no tempo da chuva, o teu pai nunca vos falou de armas de guerra... Já tinhas confirmado isso. Então, a arma em questão podia bem ser de algum algum amigo, e ele tinha muitos entre os  administradores e chefes de posto, espalhados pelo mato... (**)

Quanto ao Carlos Geraldes, terá  um tratamento à parte, bem como as fotos dos militares que mandaste há 3 semanas atrás...  Por outro lado, gostava de saber se  tens alguma informação adicional sobre o comerciante Mário Soares [M. Santos, para o Carlos Geraldes), que vivia em Pirada ?... Ele era amigo do teu pai... Era um homem influente, com boas relações com o Senegal (e também com  os dois lados da guerra, as NT e o PAIGC)... Já li algures, que ele ficou inclusive mais um ou ano  dois na Guiné, após a independência... Vou fazer uns postes sobre ele, a partir do material (incluindo fotografias), de que dispomos...
______________


sexta-feira, 21 de fevereiro de 2020

Guiné 61/74 - P20672: Notas de leitura (1266): Missão cumprida… e a que vamos cumprindo, história do BCAV 490 em verso, por Santos Andrade (46) (Mário Beja Santos)



1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil Inf, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 25 de Setembro de 2019:

Queridos amigos,
"A Crónica da Libertação" é uma narrativa que o Presidente Luís Cabral, preso na Fortaleza da Amura, foi esboçando, com recurso a memórias. Liberto, teve alguns apoios e esclarecimentos sobre os factos descritos, ele fizera a sua narrativa sem qualquer documentação. Daí o texto, hoje obrigatório para o estudo da luta armada não ter rigor na sequência histórica, nomeadamente quanto ao período que está aqui a ser analisado, entre 1964 e até princípios de 1966.
A despeito destas lacunas, Luís Cabral evidencia a estratégia gizada para o Sul que, diz ele, ultrapassou todas as expetativas postas por Amílcar Cabral, quer quanto ao vigor da desarticulação como quanto à possibilidade de abrir ligações e canais de abastecimento entre a República da Guiné e um conjunto de bases que permitiram a implementação do PAIGC apoiado por populações no Sul e junto do Corubal, acrescentando-se a esses sucessos de 1963/1964 a região do Morés.
Releva a chegada do armamento pelo canal marroquino e as armas e demais material soviético que começa a chegar em grandes quantidades ao porto de Conacri, já em 1964.
É uma escrita de cunho vitorioso em que o acento tónico é posto na profunda admiração de Luís Cabral sobre o seu irmão.

Um abraço do
Mário


Missão cumprida… e a que vamos cumprindo (46)

Beja Santos

“Muito tempo eu andei
com um braço engessado.
De ter a mania de palhaçar,
tive este mau olhado.

Sargento Pedro me convidou
para ir ginástica treinar
e um dia fomos falar
com quem o treino organizou.
O Isaac não rejeitou
e nesse dia comecei.
Umas sapatilhas calcei
e vesti também um calção,
e efectuando a instrução
muito tempo eu lá andei.

A 16 de Abril, a praticar
no Benfica de Bissau,
o caso esteve muito mau.
Quando um pulo fui jogar,
entrou comigo o azar,
caindo desequilibrado.
No chão fiquei deitado,
e alguns gemidos lançava
e ao fim de dias andava
com um braço engessado.

Para o tratamento fazer
na Amura eu fiquei
e todo o tempo andei
sem o braço poder mexer.
Mal podia escrever:
para a família não duvidar
tinha osso fora do lugar
que o braço não endireitava
e só assim eu deixava
de ter a mania de palhaçar.

Os médicos me receitaram
supositórios para tomar
e ondas curtas ia levar.
Mas com isso não me curaram.
Muitos dias se passaram
e o osso continua rachado.
Talvez seja ainda operado
mas não sei quando é
pois na Província da Guiné
tive este mau resultado.”

********************

Deixemos o bardo em paz com os seus trambolhões, de braço ao peito. Continua de pé esta necessidade de dar amplitude à compreensão da guerra em que o BCAV 490 este envolvido, muitas vozes se têm alevantado para contar o rol de peripécias do que foi aquela luta pela independência, como vimos o rol é mais minguado no que tange a tornar compreensível a reação das forças portuguesas. A um desequilíbrio notório no volume das vozes, há que fazer o desconto a omissões e ao som estereofónico da propaganda. Manda a elementar justiça que o contraditório esteja sempre em cima da mesa, e é com essa preocupação que se releva agora um depoimento de quem acompanhou muito de perto Amílcar Cabral, o seu irmão Luís escreveu a “Crónica da Libertação”, publicada em Portugal em 1984. Deposto pelo golpe de 14 de novembro de 1980, preso e acusado da mais alvar tirania, Luís Cabral entendeu responder refugiando-se na história do PAIGC por via da ação e do pensamento de quem tudo inspirou, por toda a crónica é sempre o líder fundador quem está no palco. Veja-se resumidamente o que ele nos diz de 1962 até aproximadamente ao tempo em que teve termo a comissão do BCAV 490.

Em 3 de agosto de 1961, o PAIGC decretara a passagem à ação direta. Em outubro desse ano, Amílcar Cabral assinava uma carta aberta ao governo português, propunha negociações, sabendo de antemão que não ia obter resposta, ao tempo Rafael Barbosa e o seu núcleo iam sensibilizando a população de Bissau, a PIDE, que vira os seus efetivos aumentados, assaltou a base clandestina do bairro de Cobornel, Rafael Barbosa e outros dirigentes foram presos, deu-se a detenção de mais de mil militantes e simpatizantes. Vindos da formação da China, um punhado de guerrilheiros avança em direção ao Sul e à região de Morés. O armamento é frágil, Osvaldo Vieira, completamente cercado no Morés, teve que fugir para o Senegal, onde foram presos pelas autoridades e conduzidos a Dakar, o que obrigou a nova intervenção de Cabral. Tudo era difícil para a subversão. Tentara-se ingloriamente um levantamento no Gabú, os guerrilheiros tiveram que fugir precipitadamente. No Sul, Vitorino Costa é capturado e morto. Como escreve Luís Cabral, a notícia da sua morte levou centenas de combatentes do Sul e do Centro-Sul a abandonarem as suas bases para aguardarem na fronteira a chegada das armas. Enquanto tudo isto se passa, Amílcar Cabral estreita o seu relacionamento com o MPLA em Conacri, lançam as bases de um movimento em prol da independência das colónias portuguesas. Assim nasceu a Conferência das Organizações Nacionalistas das Colónias Portuguesas, Mário de Andrade e Viriato da Cruz eram os representantes do MPLA e Marcelino dos Santos da FRELIMO, os escritórios da organização ficavam em Rabat. O reino de Marrocos cede armas que depois de algumas peripécias que podiam ter custado caro ao movimento liderado por Cabral, no final de 1962, começam a ser distribuídas pistolas-metralhadoras. Luís Cabral não data os acontecimentos, mas está inequivocamente demonstrado que mesmo antes das frentes estarem abastecidas de armas, já no segundo semestre de 1962 houvera importantes destruições de pontes e pontões e destruídas as fontes de comunicação. Ganhava-se experiência e criavam-se bases de guerrilha onde se acreditava que o inimigo só dificilmente lá podia chegar. Mas o quadro de repressão intimidava profundamente as populações.

Luís Cabral nos últimos anos de vida

E ele escreve:
“Com a chegada de armas automáticas – entre as quais a ‘patchanga’, com os seus carregadores de 72 balas, que era altamente temida pelo inimigo – tudo isso acabou. Começaram a surgir vastas regiões completamente libertadas, onde só imperava a autoridade do partido; organizaram-se nas tabancas os Comités do PAIGC, para o controlo da vida das populações e do abastecimento da guerrilha. Cada família era obrigada a ‘medir’ uma certa quantidade de arroz ou outro alimento, para a base mais próxima da tabanca. Os responsáveis muitas vezes obrigavam jovens a regressarem às suas casas porque o número de pessoas nas bases aumentava sem parar e era preciso garantir os trabalhos do campo e não despovoar as tabancas.
Centenas de homens vinham a diversos pontos da fronteira para carregar armas e munições: o entusiasmo dos combatentes era tão grande que alguns responsáveis escreviam ao Secretariado para afirmar que, com mais duas dezenas de pistolas-metralhadoras, seriam capazes de libertar toda a sua área. As forças colonialistas encontravam-se incapazes de reagir; foram surpreendidas pelo aparecimento de armas automáticas potentes em várias zonas do país e tiveram muitas baixas”.

Luís Cabral revela que Amílcar Cabral estava admirado de tudo estar tão bem. O que se estava a passar no Sul revelava-se surpreendente e Domingos Ramos enviou Abdulai Barry para o outro lado do Corubal, para a Mata de Fifioli. É nesta fase que em Samba Silate, não longe de Bambadinca, houve grande repressão depois de denúncia de jovens que estariam a frequentar as bases da guerrilha, havia na povoação uma missão católica e um padre de nacionalidade italiana, António Grillo, denunciou a violência cometida e foi expulso da Guiné. Formava-se um grupo de guerrilha na região do Xime, tentar-se-á durante toda a guerra destruir estas bases, em vão.

Escreve a Luís Cabral que do Morés a luta ia-se alargando ao longo de 1963 para a área de Biambi e dali até Canchungo (Teixeira Pinto). É neste período, em fins de 1963, que Luís Cabral visita pela primeira vez a zona do Quitafine, que fazia fronteira com a República da Guiné. Descreve esta viagem e o seu encontro em Cassaca com Manuel Saturnino Costa, que era irmão de Vitorino Costa. Segundo Cabral, a população do Quitafine tinha aderido massivamente à luta. É nessa altura que Luís Cabral se apercebe que havia situações anormais na vida da guerrilha, ninguém era muito explícito mas deduzia-se que havia jovens dirigentes que praticavam atos despóticos que intimidavam as populações. E assim germinou a ideia de fazer um encontro de dirigentes que ocorreu num local chamado Cassacá, a cerca de quinze quilómetros do Como, esse encontro decorreu em fevereiro, enquanto se combatia na ilha, como é sabido o encontro transformou-se em congresso, levou à reestruturação das forças armadas e à punição dos elementos criminosos.

Depois de algumas tiradas propagandísticas sobre os acontecimentos da batalha do Como, Cabral refere a consolidação do posicionamento do PAIGC no Sul, era uma área que compreendia os setores de Cubucaré, Quitafine, Balana e Como. Um cineasta de nome Mário Marret, por essa época, visitou as zonas onde o PAIGC era preponderante e recolheu o material sobre o primeiro documentário cinematográfico com o título “LALA QUEMA”, seria o primeiro instrumento de sensibilização da opinião pública internacional.

Entretanto, chega o apoio do armamento soviético, o equipamento para o exército altera-se profundamente e Luís Cabral relata a vida em Conacri, a reorganização administrativa do partido no exílio, as visitas de Cabral às diferentes frentes, e a criação de um novo palco de guerra no Boé. Cabral dá igualmente conta da continuação de tensões com outros partidos políticos rivais, desta vez em Dacar. E descreve a formação dos quadros, a abertura de escolas, a criação de pessoal na área da Saúde, é o que ele vai esmiuçar num capítulo intitulado “Criar uma vida nova em cada parcela libertada”. Por razões que seguramente se prendem com a falta de documentação, dado que esta crónica foi escrita na prisão, dá alguns saltos bruscos em termos cronológicos, fala-se dos bombardeamentos na área do Morés, a aprovação da Lei da Justiça Militar, a expansão da frente de Leste, a morte de Domingos Ramos em Madina do Boé, a formação de quadros cabo-verdianos em Cuba, enfim, está literalmente a diluir-se a cronologia dos acontecimentos, ganha uma certa opacidade a evolução militar entre 1964 e 1965.
É talvez por isso desejável fazer-se recurso de novo à tese de doutoramento de Leopoldo Amado que seguiu metodicamente as vicissitudes do calendário.

Chico Mendes (Chico Té), depois da morte de Domingos Ramos era comandante da região do Boé

(continua)
____________

Notas do editor

Poste anterior de 14 de fevereiro de 2020 > Guiné 61/74 - P20649: Notas de leitura (1264): Missão cumprida… e a que vamos cumprindo, história do BCAV 490 em verso, por Santos Andrade (45) (Mário Beja Santos)

Último poste da série de 17 de fevereiro de 2020 > Guiné 61/74 - P20660: Notas de leitura (1265): Dicionário de Paixões, por João de Melo; Dom Quixote, 1994 (Mário Beja Santos)

Guiné 61/74 - P20671: Agenda cultural (745): lançamento de mais um livro de um dos nossos últimos "lobos do mar", o capitão Valdemar Aveiro: "Apelos do Passado: Recordações da Pesca do Bacalhau"... Apresentação da obra: prof Álvaro Garrido. Local e data: Museu Marítimo de Ílhavo, 6 de março, 21h30.


Ficha técnica:
Apelos do Passado - Recordações da Pesca do Bacalhau
ISBN 978 972 780 714 7
Edição: 1.ª Edição - Fevereiro de 2020
Páginas: 98
Formato: 15x23cm
Preço de capa: €11,00


O autor: Valdemar Aveiro

Valdemar Aveiro nasceu em Dezembro de 1934, em Ílhavo, no seio de uma família de pescadores.

Terminada a instrução primária, começou a trabalhar como aprendiz de barbeiro, passados 10 meses empregou-se numa oficina de serralharia civil e, mais tarde, na construção civil.

Aos 15 anos concorreu à Escola Profissional de Pesca, ganhou uma bolsa de estudo que lhe deu acesso ao liceu e, posteriormente, à Escola Náutica, onde concluiu o Curso de Pilotagem. Embarcou como moço a bordo do lugre-motor Viriato para fazer uma viagem à pesca do bacalhau no sentido de suportar as despesas da sua formação.

Em 1957 embarcou como praticante de piloto no navio Santa Mafalda, da Empresa de Pesca de Aveiro, sendo promovido no ano seguinte a piloto, a bordo do mesmo navio. Passou a oficial imediato, do navio Santa Joana, em 1960.

Emigrou para o Canadá, em Abril de 1964, na persecução de se licenciar em Medicina, um sonho que não logrou cumprir, tendo regressado a Portugal no ano seguinte. Em 1966 embarcou no navio São Gonçalinho e no ano seguinte passou para um navio moderno, Santa Isabel, comandado pelo capitão David Calão.

Assumiu, em 1970, o comando do mais velho arrastão português, Santa Joana, e, dois anos depois, foi convidado para comandar o navio Coimbra, então em construção nos Estaleiros de S. Jacinto.

Retirou-se por doença em 1988.

Após a sua recuperação, foi convidado a colaborar com a administração da Empresa de Pescas S. Jacinto, SA, sendo, desde 1991, membro do seu conselho de administração.


Fonte: Âncora Editora >Autores > Valdemar Aveiro

O Valdemar Aveiro,ou capitão Aveiro,  como é carinhosamente conhecido e tratado,  é nosso amigo, meu e do José António Paradela. Tem cerca de uma dezena de referências no nosso blogue,ligadas à sua atividade como escritor e às suas memórias da pesca do bacalhau. Tem seis livros publicados na Âncora Editora.

Temos, por sua vez, 30 referências, no nosso blogue,  à pesca do bacalhau. (*)

Recorde-se que, e como aqui escrevemos em tempos (**), "já desde 1927, do tempo da Ditadura Militar, havia legislação que veio promulgar medidas de incentivo ao desenvolvimento da pesca do bacalhau, e nomeadamente facilitar (e tornar mais atrativo) o recrutamento do pessoal (vd. Diário do Governo, 1.ª série, Decreto n.º 13441, de 8 de Abril de 1927). "

Uma dessas medidas era justamente "a dispensa do serviço militar aos pescadores e marinheiros que tivessem cumprido um mínimo de seis campanhas de pesca consecutivas na frota nacional bacalhoeira". Frota heróica, diga-se de passagem!...

Havia ainda a possibilidade de os mancebos apurados para o serviço militar  beneficiarem de "adiamento até aos 26 anos"...  Além disso, "a falta à junta de recrutamento podia ser relevada desde que os faltosos fizessem prova de que estavam embarcados"...

Conclusão; a pesca do bacalhau na Terra Nova e na Groenlândia, durante todo o  Estado Novo,  era um verdadeiro "desígnio nacional"...
_____________

Notas do editor:


Guiné 61/74 - P20670: Parabéns a você (1759): Veríssimo Ferreira, ex-Fur Mil Inf da CCAÇ 1422 (Guiné, 1965/67)

____________

Nota do editor

Último poste da série de 17 de fevereiro de 2020 > Guiné 61/74 - P20659: Parabéns a você (1758): António Carvalho, ex-Fur Mil Enfermeiro da CART 6250 (Guiné, 1972/74) e Fernando Chapouto, ex-Fur Mil Op Esp da CCAÇ 1426 (Guiné, 1965/67)

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020

Guiné 61/74 - P20669: Memórias ao acaso (Miguel Rocha, ex-Alf Mil Inf da CCAÇ 2367/BCAÇ 2845) (3): Um Presépio de cartolina

Olossato – Um Presépio em cartolina que com “uma improvisada lamparina acesa, até ao fim do Dia de Reis”, fez a diferença naqueles dias de Natal no Olossato.


Mais uma crónica do nosso camarada Miguel Rocha, ex-Alf Mil Inf.ª da CCAÇ 2367/BCAÇ 2845, "Os Vampiros" (Olossato, Teixeira Pinto e Cacheu, 1968/70):


MEMÓRIAS AO ACASO

03 - UM PRESÉPIO DE CARTOLINA

As licenças no período Natalício estavam completamente vedadas aos militares deslocados nos teatros de guerra.

No mato, tomavam-se precauções redobradas para os dias de maior significado Cristão, e festejava-se um arremedo de Natal com rancho melhorado, que de forma alguma colmatava a nostalgia da família, dos amigos e das diversas gastronomias regionais, evocadas tanto por ausência, como por contraste.

No Natal de "68", na única e incipiente loja existente no Olossato, e depois nos comércios de Bissorã, onde a oferta melhorava substancialmente, procuramos, sem resultado, um Presépio.

Aprazado um telefonema nos correios de Bissorã (havia que pedir a chamada com aviso e marcar hora de contacto), solicitei a minha Mãe, do "stock" da nossa loja em Vila Real, o envio em envelope comercial de um Presépio de cartolina, que depois de armado, tinha a particularidade de ficar com o aspecto tridimensional que foto documenta.

Bissorã – No centro, e ao fundo da foto, o edifício dos Correios em Bissorã, de onde o ex-Alf. Mil. Miguel Rocha telefonou à Mãe, a D. Mariazinha, pedindo que lhe enviasse para o Olossato um Presépio em cartolina.

Nas costas do Presépio em cartolina, a Mãe do ex-Alf. Mil. Miguel Rocha escreveu esta mensagem. “Natal de 1968. Que a Paz que reina neste Presépio caia sobre a Guiné”. 

Apesar da humildade artística, este singelo presépio fez a diferença na atípica envolvente tropical, impondo-se como fio condutor dos nossos pensamentos, recordações e emoções daquela quadra festiva, quiçá para nós, a mais marcante, vivida longe dos nossos, num ambiente hostil e de avassaladora saudade.

Uma improvisada lamparina, acesa até ao fim do Dia de Reis, completava o arranjo numa pequena mesa da messe de oficiais.
____________

Nota do editor

Último poste da série de 13 de Fevereiro de 2020 > Guiné 61/74 - P20646: Memórias ao acaso (Miguel Rocha, ex-Alf Mil Inf da CCAÇ 2367/BCAÇ 2845) (2): Hoje, exactamente 51 anos depois!

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020

Guiné 61/74 - P20668: Em bom português nos entendemos (25): Bicha de pirilau... Expressão da gíria militar do nosso tempo, ainda não grafada nos dicionários... Será que continua a incomodar o senhor general?



Guiné > Região de Tombali > Catió > CCAÇ 617 (1964/66) > S/l > s/d > Progressão em coluna apeada, ou em fila indiana  (no mato, no CTIG, dizia-se: "bicha de pirilau")

Foto (e legenda): © João Sacôto (2019). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. No Dicionário Priberam da Língua Portuguesa, que é o que está mais à mão, não consta a expressão, "bicha de pirilau"... Só vêm os vocábulos "bicha" e "pirilau".  No Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, onde há tudo como na farmácia, desta vez não encontrei o que pretendia...

No Dicionário aberto de calão e expressões idiomáticas, de  José João Almeida (Projeto Natura, Universidade do Minho),  idem, aspas... Também no Ciberdúvidas da Língua Portuguesa ninguém teve, até agora, a  curiosidade em saber o seu significado e a sua origem... Há, no entanto, uma entrada sobre "bicha" e "fila"...

Resta o nosso blogue... A locução ou expressão "bicha de pirilau" aparece amiudadas vezes nos nossos postes... Cite-se, por  exemplo, o nosso saudoso Luís Faria (1948-2103), ex-Fur Mil Inf MA da CCAÇ 2791 (Bula e Teixeira Pinto, 1970/72):

(...) "O amanhecer não tardaria muito quando deixámos a estrada e entrámos no desmatado, avançando em longa bicha de prilau para a mata e continuando numa progressão atenta, ziguezagueante e tanto quanto possível silenciosa, atendendo ao número de elementos, com o objectivo de detectar e interceptar um grupo IN presumivelmente numeroso, que por lá se movimentaria". (...) (*)

O vocábulo feminino "bicha de pirilau" já fazia parte do léxico militar, em 1964, aquando da Op Tridente, a avaliar pela descrição das peripécias na ilha do Como, aqui feita pelo nosso querido camarada  Mário Dias, 2º sargento comando (Brá, 1963/66):

(...) "Atravessado sem percalços este obstáculo natural, eis – nos na extensa bolanha que se estende até Cauane e à mata de Cachil mais a Norte. Aí, só era possível andar sobre os estreitos ouriques pelo que lá vamos nós em coluna por um (a célebre "bicha de pirilau", na gíria militar)" nada aconselhável em terrenos descobertos. (...) (**)

No Pequeno Dicionário da Tabanca Grande (***), há esta entrada:

"Bicha de pirilau - Progressão, em fila, no mato, mantendo cada homem uma distância regulamentar de segurança (gíria); o mesmo que fila indiana." 


Carlos Silvério, grã-tabanqueiro nº 783
2. Tudo isto vem a (des)propósito de um comentado inserido no poste P20655 (****), em o nosso cap inf ref José Belo anuncia, à Tabanca Grande, a reabertura da sua Tabanca da Lapónia:

Comentário de Luís Graça, com data de 16 do corrente:

Meu caro José:

Ando há tempos com um pedido do meu/nosso camarada Carlos Silvério, de Ribamar da Lourinhã, terra de lobos do mar... Para mais é meu primo, porque casou com a Zita, que pertence ao clã Maçarico, tal como eu... Além disso, o Carlos é também primo do tenente general Luís Silvério, filho ilustre da terra... Enfim, somos um país em que somos todos (ou quase todos) primos uns dos outros...

Mas adiante... O Carlos Silvério, nosso grã-tabanqueiro nº 783, ex-fur mil at cav, CCAV 3378 (Olossato e Brá, 1971/73) (...) tem uma pequena questão a pôr-te:

Quando ele passou pelo RI 5, Caldas da Rainha, como monitor de recruta do CSM (Curso de Sargentos Milicianos), entre setembro e dezembro 1970, ele ficou com a ideia de que tu estavas lá, como instrutor, eras alferes miliciano, acabado de regressar da Guiné...

Bate certo ? Um belo dia apareceu lá um senhor general que quis certificar-se da excelência da formação dada aos futuros sargentos milicianos... E terá supervisionado uma das tuas aulas práticas... Às tantas, falavas tu da tua experiência operacional no TO da Guiné, em 1968/70, quando usaste a expressão "bicha de pirilau"...

Parece que o general ficou "piurso", saltou-lhe a mola e deu-te uma valente reprimenda ("piçada"):

- Senhor alferes, no exército português não há bichas de pirilau!... Os nossos militares, no mato, na Guiné, em Angola, em Moçambique, andam em fila!... Ponha isso no seu léxico!...

O Carlos não sabe porque é que o senhor general afinou com a expressão "bicha de pirilau"... Seria uma reacção... homofóbica"?...

Bem, para o caso não interessa, o Carlos só me pediu para confirmar se o instrutor eras... tu. Se sim, a história é divertida... Se foi com outro instrutor, a história continua a ser divertida na mesma. (...)



José (ou Joseph ou Joe) Belo, um capitão de infantaria
que a Pátria / Mátria / Fátria tramou...
3. Resposta  do José Belo, que também se assina Joseph (na Suécia) e Joe (nos States):

Caro Luís

Näo recordo a história referida. "Correcöes" por parte de Senhores Oficiais Generais... tive a honra de receber algumas durante a minha vida militar, principalmente no período indicado do... pós regresso da Guiné.Daí ser muito possível que fosse eu.

Era um termo muito usado pelos instrutores "Infantes", mesmo na casa mãe em Mafra. O feliz termo "pirilau" não tinha neste contexto quaisquer associações com homossexuais. Creio ser um termo que era vulgarmente usado pelos vindimeiros no Norte, obrigados pelo terreno a caminhar em fila (!) por sinuosos carreiros.

A única correção que poderei fazer é o facto de que na data indicada já näo era Alferes Miliciano.
Parabéns ao camarada Carlos Silvério pela sua memória, muito melhor que a minha,felizmente cada vez mais "gasta" quanto a tudo (o muito!) que foi militar na minha vida. (...)


4. Comentário do nosso editor Luís Graça:

Desculpa, José, ou Joseph, ou Joe, conforme onde tu estejas (, e nunca ninguém sabes onde estás "just in time"...), mas o senhor general tinha razão... No Exército Português não há (ou não havia...) "bichas", mas "filas"... Muito menos "bichas de pirilau"...

Esta última expressão vê-se mesmo que era de gente "apanhada do clima"... "Fila" é que era linguisticamente correto: os mancebos, nuinhos, de pilau murcho ao frio, quando iam às "sortes, esperavam em "fila", não em "bicha", a vez de serem chamados, observados, apalpados, pela junta médica que depois os considerava aptos ou inaptos para a "função", que era... "morrer em fila, organizados"... na frente da batalha!...

Se calhar o senhor general nunca esteve na Guiné e não sabia o que era a "guerra de guerrilha", ou "guerra subversiva". Estudou, pois,  por outros canhenhos... Mas tu estiveste lá, no coração do mato, em Empada, em Bula, em Mampatá,  na região do Forré, sabias do que falavas aos instruendos do CSM, nas Caldas da Rainha...

E portanto eu reconheço-te autoridade para "grafar" a expressão... Só não entendo a reação (, algo destemperada, a crer na versão do Carlos Silvério...) do general que te deu a "piçada"... Mas, enfim, devia ser um daqueles generais da brigada do reumático que nunca foi à guerra e, como tal, era incapaz de imaginar uma fila de trânsito no mato, de gente apeada, 250 homens / 8 grupos de combate, de G3 em punho, a progredir em direção ao Poindom ou à Ponta do Inglês, e ao banho de sangue que os esperava... (Vd. o que eu aqui já escrevi sobre a Op Abencerragem Candente, subsetor do Xime, Setor L1, Bambadinca, 25-26 de novembro de 1970, estavas tu a dar instrução aos instruendos do CSM, nas Caldas da Rainha...).

Era, vista de cima, do PCV, da DO 27, uma "bicha" de todo o tamanho, entre mil a mil e quinhentos metros... partindo-se do princípio que entre cada combatente havia um espaço de 4/5 metros... ou às vezes mais...


5. O mais surpreendente é que os lexicógrafos desconhece-se a expressão "bicha de pirilau" !...E mesmo na Net, e à exceção do nosso blogue, é difícil apanhá-la... Ele há bicha-de-rabear, ele há bicha-de-sete-cabeças... mas "bicha de pirilau",... cá tem.

Em todo o caso, encontrei este "delicioso apontamento" sobre a expressão "bicha de pirilau", num blogue com um título deveras original (e muito "feminista"), de Maria Brojo:   "Sem Pénis Nem Inveja":

Domingo,  5 de novembro de 2006 > Bicha-pirilau

(...) Fomos assaltados. Roubados. Espoliados do significado de termos que eram nossos até o português exportado do Brasil os ter censurado cá, por serem pejorativos lá. Bicha foi um deles. Fila passámos a dizer, não fossem os «bichas» - homossexuais, paneleiros, abafadores da palhinha na gíria portuguesa - ficarem numa espera confundidos.

Bichas eles ou as gentes em carreira esperando a vez? As novelas brasileiras tiveram o (des)mérito de obrigar ao volteio do português escorreito. Banais acrescentos como lingerie, hobby, gays ou stress? Talvez, mas por pertencerem a língua comum falada em continentes diferentes, formiga dos termos a adopção.

Bichas há muitas: gatas e cadelas, fila indiana, ficar como uma bicha (fulo, danado), ver se as bichas pegam (tentar obter o desejado), bicha-pirilau.

Esta é, de longe, a mais impressiva. Usada no mundo militar, é gritada por sargentos aos recrutas temerosos se alinhar é preciso. Um "bicha-pirilau" trovejado,  com voz de comando por arregimentado façanhudo, a uma mulher, daria vontade de rir;  aos mancebos magricelas e fardados soará como clamor dos Infernos.


Mas faz sentido:  homens formando linha direita, pirilaus erectos acompanhando o desenho. Duvido, porém, do estado hirto e firme dos atributos masculinos embrulhados nas fardas e alinhados em parada. Estivessem com bravura todos erguidos em carreira, e constituiriam, sem que prante a menor das dúvidas, espectáculo digno de ser visto. (...)

Fonte: Do blogue Sem pénis nem inveja, editado por Maria Broja > Domingo,  5 de novembro de 2006.


6. E voltando ao Ciberdúvidas da Língua Portuguesa, portal que eu muito admiro... Encontrei, em todo o caso, esta deliciosa resposta do João Carreira Bom, cofundador com José Mário Costa, do Ciberdúvidas, e infelizmente já falecido... A resposta é a uma questão sobre a diferença entre "bicha" e fila"... Aqui vai, para o nosso comum enriquecimento linguístico (*****). Porque a falar é que a gente se entende, e de preferência em bom português. Vou pôr esta questão, algo melindrosa para os nossos generais,  ao meu amigo José Mário Costa, o Senhor Ciberdúvidas, coordenador editorial do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa:

(...) No «Novo Dicionário da Língua Portuguesa», de Cândido de Figueiredo, editado em 1939 (Bertrand), bicha é associada a «qualquer objecto que, pelo seu feitio ou movimento sinuoso, dá ideia de um réptil». Entre outros sentidos, Cândido de Figueiredo atribui-lhe o de «fileira de pessoas, umas atrás das outras». Fila, na mesma obra e no significado que aqui nos interessa, é uma «série de coisas (animais ou pessoas) dispostas em linha recta. Enfiada; fileira: uma fila de cadeiras.» Nos dicionários mais recentes que consultei, seguem-se, no essencial, estas indicações.

Não pude confirmar, assim, a especialização de sentido que, quanto ao movimento, o prezado consulente fez o favor de nos referir. Mas concordo consigo no aspecto mais importante: querem matar uma palavra necessária. Bicha está a ser comida à má fila nas cabecinhas, tão piedosas quão perversas, de alguma classe média.

Contrariando opiniões que recolhi e atribuem o fenómeno às telenovelas brasileiras, não cometerei grande erro se disser que já existia em certas camadas da sociedade portuguesa um preconceito sexista em relação a esta palavra. Um preconceito muito mais ténue do que no Brasil, mas lembro-me de uma «tia» me corrigir, na minha adolescência, por haver utilizado a sonora expressão «bicha do eléctrico». As telenovelas brasileiras não criaram, pois, o preconceito. Tê-lo-ão difundido um pouco mais.

Até demonstração do contrário, continuarei a dizer «fila de automóveis», «fila de soldados», «fila de cadeiras», «bicha do IRS». E, se calhar, até digo «bicha de carros», «bicha de espera». Na bicha para a compra do passe, nunca ouvi exclamar: «Olha a espertinha, está a passar à frente da fila!» Os elementos mais pretensiosos da classe média, pelo seu número e posição, podem ser muito influentes. Mas não vão para as bichas dos transportes públicos. Afigura-se-me não terem influência directa para provocar a morte de uma palavra inocente que, afinal, os perturba. Eles lá sabem porquê.

João Carreira Bom 1 de janeiro de 1997.

in Ciberdúvidas da Língua Portuguesa, https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/bichas-ou-filas/219 [consultado em 18-02-2020]
_____________

Notas do editor:

(*) Vd. poste de 16 de maio de  2009 > Guiné 63/74 - P4361: Viagem à volta das minhas memórias (Luís Faria) (14): Um mês complicado (3): O osso

(**) 15 de dezembro de  2005 > Guiné 63/74 - P353: Op Tridente (Ilha do Como, 1964): Parte I (Mário Dias)

Guiné 61/74 - P20667: Convívios (916): Almoço/Convivio do pessoal do BCav 3846 que esteve na Guiné, em Ingoré, São Domingos, Sedengal, Suzana, Varela e Antotinha de 1971 a 1973, 15 de Março de 2020, Matos da Ranha, Pombal (Delfim Rodrigues)

ALMOÇO/CONVÍVIO DO BCAV 3846

DIA 15 DE MARÇO DE 2020

MATOS DA RANHA - POMBAL


____________

Nota do editor

Último poste da série de 14 de fevereiro de 2020 > Guiné 61/74 - P20650: Convívios (915): XXXIX Encontro do Agrupamento de Transmissões da Guiné, dia 9 de Maio em Vila Nova de Famalicão (Belarmino Sardinha)

Guiné 61/74 - P20666: Agenda cultural (744): Encontro A Guerra Colonial e o 25 de Abril, dias 19 a 21 de Março de 2020 na Biblioteca Municipal de Torre de Moncorvo (Paulo Salgado)

C O N V I T E


____________

Nota do editor

Último poste da série de 18 de Fevereiro de 2020 > Guiné 61/74 - P20662: Agenda cultural (743): Lisboa, 8 de fevereiro de 2020, na apresentação do livro do José Saúde, "Um ranger na guerra colonial": quando o Alentejo e o Gabu se tocam - Parte V: Momento alto da tarde cultural: a moda "O meu chapéu", pelo Rancho dos Cantadores de Aldeia Nova de São Bento, Serpa: letra e música de João Monge

Guiné 61/74 - P20665: Historiografia da presença portuguesa em África (200): “A Guiné Portuguesa, subsídios para o seu estudo”, comunicação de Carlos de Almeida Pereira, no 3.º Congresso Internacional de Agricultura Tropical, Londres 1914 (Mário Beja Santos)



1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil Inf, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 20 de Fevereiro de 2019:

Queridos amigos,
O antigo Governador Carlos Pereira apresentou o seu trabalho num congresso de agricultura tropical, em Londres, 1914. Carlos Pereira é um republicano entusiasta, no seu livro "A Presença Portuguesa na Guiné", Caminhos Romanos, 2016, Armando Tavares da Silva revela a atividade do governador que se viu confrontado com hostilidades entre indígenas, uma epidemia de febre amarela, o nascimento da liga guineense, a chegada de Teixeira Pinto como novo Chefe de Estado-Maior, as primeiras operações no Oio e, sobretudo o seu nome fica associado à demolição da muralha de Bissau.
Esta obra tem o duplo interesse de registar na monografia, e com o maior rigor e precisão, a organização política administrativa, os dados económicos, não deixando de relevar as potencialidades da economia agrícola; além disso, é importante o seu acervo fotográfico, nenhuma obra da época lhe pode rivalizar com a qualidade das imagens, aptas para diferentes leituras.

Um abraço do
Mário


A Guiné aos olhos do antigo governador Carlos Pereira, 1914

Beja Santos

Carlos de Almeida Pereira
Carlos de Almeida Pereira, Oficial da Marinha, foi o primeiro Governador da Guiné na I República, esteve à testa dos destinos da colónia entre 1910 e 1913. Deve-se-lhe o derrube dos muros que protegiam a vila de Bissau das investidas dos Papéis, sempre hostis. Em 1914, Carlos Pereira apresenta uma comunicação no 3.º Congresso Internacional de Agricultura Tropical, em Londres, a sua comunicação intitulada “A Guiné Portuguesa, subsídios para o seu estudo” tem edição em francês em Lisboa nesse mesmo ano, existe igualmente a versão inglesa.

Destaca-se da leitura do documento o fenomenal e mesmo inusitado acervo fotográfico, de muito boa impressão, uma variedade que permite perceber a arquitetura e a vida sobretudo em Bolama, identificando diferentes etnias, postos administrativos, o estado da fortaleza de Cacheu, etc. O documento tem também a particularidade de um caráter monográfico em que se fala do território, da administração e das potencialidades para o desenvolvimento sem nunca aludir às vicissitudes das lutas da ocupação, Carlos Pereira não refere as operações do Capitão Teixeira Pinto, dele aparece uma fotografia bem curiosa investido como Chefe de Estado-Maior.

Aborda o território e os seus habitantes, dá-nos um quadro bem curioso das missões de demarcação de fronteiras entre 1888 e 1905, os nomes de quem participou logo na primeira demarcação, do lado português e francês e posteriormente. É categórico na superfície da colónia depois da última demarcação: cerca de 36 mil quilómetros quadrados. Descreve os recursos hidrográficos, a meteorologia e o clima. No estado atual da higiene diz sem rebuço que a colónia não se prestava à adaptação da raça branca. Quanto à fauna, recorda-nos que havia poucos elefantes e de pequena estatura, os paquidermes encontravam-se principalmente na circunscrição de Buba, Geba e Cacine. Fala também em antílopes de diferentes variedades, búfalos, leopardos (?), hienas, raposas e lobos. Lembra também a existência de hipopótamos, alude às numerosas variedades de primatas, pássaros, répteis e insetos. A população era estimada em 400 mil habitantes.

O antigo governador confessa não possuir elementos para fazer um estudo etnográfico dos povos da Guiné, sem prejuízo de elencar um número de grupos étnicos, bem próximo da realidade: Felupes, Baiotes, Banhuns, Cassangas, Brames ou Mancanhas, Balantas, Fulas-Forros e Fulas-Pretos, Mandingas, Beafadas, Nalus, Sossos, Papéis, Manjacos, Bijagós e Oincas, esboçando uma caraterização destas etnias. Há aqui um ponto curioso que é a referência a “indeterminados”, situando-os no regulado do Cuor, na margem direita do Geba, frente a Bambadinca, dizendo que viviam até 1908 os Beafadas chefiados por Infali Soncó, que foi destituído depois da sua rebelião, o Cuor foi entregue a Abdul Indjai, os Beafadas deixaram o regulado, uns dirigiram-se para o Oio e outros para Quínara, Abdul Indjai conseguiu atrair indígenas pertencentes a diferentes grupos étnicos exteriores (Turancas, Seruá, Saracolés, etc.). Dado que o território é pobre, Abdul não se interessou muito por ele, foi ocupado pelos Oincas. Este é o exemplo de indeterminados dado por Carlos Pereira.

Uma família Papel

Mulher Grumete -Papel

 Tecelões Grumetes

Mulheres Grumetes - Manjacas

OBS: - Todas estas fotografias pertencem à monografia que Carlos Pereira apresentou em Londres, em 1914.

Os brancos eram computados nalgumas centenas, funcionários, comerciantes, empregados de comércio e agricultores. É minucioso no enquadramento que faz da organização política e administrativa, elenca os respetivos órgãos. Na orgânica especifica os concelhos e postos militares: Bissau, Mansoa, Cacheu, Arame, Bissorã, Mansabá, Churo, Gole, Caranquecunda, Bambadinca, Buruntuma, Xitole, Boduco e Ilha Formosa.

Inevitavelmente, dá a sua leitura da economia agrícola, e começa por dizer que na Guiné o europeu não pode dedicar-se diretamente aos trabalhos da agricultura, a mão-de-obra deve ser indígena. Exprime o seu otimismo, a colónia é um imenso reservatório de produtos naturais de exportação, o único produtor é o indígena que trabalha por conta própria e em condições tais que não permitem a concorrência do europeu em empregar indígenas assalariados. Mas também observa que a mão-de-obra se obtém com facilidade para os trabalhos públicos, para as tripulações das embarcações, para trabalho doméstico, empregados das casas comerciais e particulares, para o trabalho de carga e descarga dos navios, etc., desde que o indígena seja bem tratado, pago com justeza e que lhe seja dada a garantia de poder abandonar o trabalho em certas épocas para se dedicar às suas atividades no seu chão.

Refere igualmente as obrigações do Banco Nacional Ultramarino com o Estado, em contrapartida dos seus privilégios, o banco exerce gratuitamente as funções de Tesoureiro do Estado, recebe os rendimentos públicos, os depósitos judiciais, emite dinheiro, pode fazer operações de crédito agrícola, empréstimos hipotecários, transferências, câmbios, etc.

Muito curiosas são as conclusões do trabalho de Carlos Pereira apresentado em Londres, dizendo que em 1909 o eminente colonial Mr. Messimy escrevia no relatório referente ao orçamento geral do Ministério das Colónias da França que a Guiné Portuguesa, inteiramente encravada nos territórios franceses, economicamente pouco desenvolvida, desprovida de todo o hinterland, não tem mais que interesse histórico para o reino lusitano.
E diz, com certa ufania:  
“Este meu trabalho mostra que não somente Mr. Messimy mas também outros homens de Estado portugueses do regime monárquico se enganaram nas suas previsões. A Guiné Portuguesa, depois da Implantação da República entrou numa fase decisiva de prosperidade, completamente assegurada pela riqueza do seu solo, pela situação geográfica e pelas aptidões dos seus habitantes”.
____________

Nota do editor

Último poste da série de 12 de fevereiro de 2020 > Guiné 61/74 - P20641: Historiografia da presença portuguesa em África (199): Relatório da Província da Guiné Portuguesa, 1888-1889, pelo Governador Interino Joaquim da Graça Correia e Lança (2) (Mário Beja Santos)