sábado, 4 de dezembro de 2021

Guiné 61/74 - P22780: Depois de Canchungo, Mansoa e Cufar, 1972/74: No Espelho do Mundo (António Graça de Abreu) - Parte XXI: Tahiti, Polinésia Francesa, Oceano Pacífico, fevereiro de 2020


Taiti > Polinésia Francesa > 27 de fevereiro de 2020 > O António e a a esposa, a médica chinesa Hai Yuan, natural de Xangai,


Taiti > Polinésia Francesa > 27 ou 28 de fevereiro de 2020 > Uma das praias da ilha


Pormenor do quadro a óleo de Paul Gauguin (1848-1903), "De Onde Viemos? O Que Somos? Para Onde Vamos?
, de 1897. Imagem considerada de domínio público. Cortesia de Wikimedia Commons.

Fotos (e legendas): © António Graça de Abreu (2021) Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]



1. Continuação da série "Depois de Canchungo, Mansoa e Cufar, 1972/74: No Espelho do Mundo" (*), da autoria de António Graca de Abreu [, ex-alf mil, CAOP1, Canchungo, Mansoa e Cufar, 1972/74. Texto e fotos recebidos em 8 de novembro último.


Escritor e docente universitário, sinólogo (especialista em língua, literatura e história da China); natural do Porto, vive em Cascais; é autor de mais de 20 títulos, entre eles, "Diário da Guiné: Lama, Sangue e Água Pura" (Lisboa: Guerra & Paz Editores, 2007, 220 pp); "globetrotter", viajante compulsivo com duas voltas ao mundo, em cruzeiros. É membro da nossa Tabanca Grande desde 2007, tem mais de 290y referências no blogue.

Tahiti, Polinésia Francesa, Oceano Pacífico

por António Graça de Abreu


Sob o caramanchão de glicínias lilás,
as abelhas e eu,
tontas de perfume.


Sophia de Mello Breyner Andersen


Lembrei-me de Sophia, cujos versos trago comigo nesta viagem de volta ao mundo, grande senhora da poesia portuguesa do século XX, a quem os deuses concederam o privilégio da exaltação da palavra poética, em lusitanas paragens, mais por grécias do que por polinésias.

Sophia recorda que existem perfumes que nos entontecem, tal como acontece às abelhas, espalhados por todas as proximidades e lonjuras do mundo.

Chego a Tahiti, em finais de Fevereiro de 2020, perdida no imenso Pacífico, protectorado francês desde 1842. Tenho dois dias para tentar descobrir, entender onde estou.

Papeete, com 30 mil habitantes – franco falantes, gente simpática e educada --, é a capital da ilha. Cidade limpa, organizada, no mercado central rivalizam as cores das flores, da roupa e da comida. 

Por aqui, as mulheres costumam colocar uma flor por cima da orelha esquerda ou da orelha direita. A flor na cabeça, à esquerda, significa que a mulher já é casada, ou comprometida. A flor à direita corresponde a uma donzela livre de compromissos, esperando o namoro de um qualquer príncipe ou plebeu. Nesta ilha, esquerda e direita, civilizadas, em flor, são duas opções indiscutíveis. Era bom que fosse assim, em todo o mundo.

Tahiti tem uma superfície de mil e quarenta e dois quilómetros quadrados, um pouco maior do que a nossa Madeira. Nos dois dias de estadia, circundei toda a ilha em transportes públicos, só me faltou avançar para a península de Tahiti Itti, com baías e praias de areia branca em todo o seu esplendor que só visitarei numa próxima reencarnação, quando aproveitar um fim de semana, lá pelas paragens do céu, para regressar a Tahiti, nadar num mar esmeralda e me pôr a tostar em Pointe Vénus, neste pedaço de paraíso na terra.

Na primeira meia volta à ilha procurei, na aldeia de Maitreia, o museu Paul Gaugin, junto à última casa que o pintor habitou, antes do exílio definitivo e morte em Huiva Ao, nas ilhas Marquesas, onde também viveu e foi enterrado o genial Jacques Brel, em 1978.

O museu Gaugin está fechado “para obras” desde 2013. Neste lugar, Paul Gaugin pintou algumas das suas obras-primas, lânguidas mulheres polinésias que soube ou não soube amar, em paisagens de estarrecer. Gaugin, aos cinquenta e muito anos, manteve relacionamentos sexuais e tomou por companheiras raparigas polinésias de dezasseis ou vinte anos de idade e retratou-as em quadros plenos da delicadeza da sensualidade. Será por isso que o actual “politicamente correcto” mandou fechar o Museu Gaugin. Eu entendo. 

Contudo, Paul Gaugin deixa em todos nós um legado mágico, intemporal e louco e é um dos grandes mestres da pintura universal. Basta olhar os seus quadros sobre Tahiti, esfuziantes de cor, a simbiose da alegria e da tristeza, basta beber os seus verdes intensos nas folhas das palmeiras, basta passear os olhos nos azuis acariciando o ondular do mar, basta, tonto pelo perfume da ilha, levitar nos amarelos aquecidos pelo grito do pôr-do-sol.

_____________

Nota do editor:

(*) Último poste da série > 21 de novembro de 2021 > Guiné 61/74 - P22735: Depois de Canchungo, Mansoa e Cufar, 1972/74: No Espelho do Mundo (António Graça de Abreu) - Parte XX: Grécia, Ilha de Rodes, 2010

Guiné 61/74 - P22779: Os nossos seres, saberes e lazeres (480): Itinerâncias avulsas… Mas saudades sem conto (20): O génio de Almada Negreiros nas gares marítimas do Porto de Lisboa (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil Inf, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 2 de Novembro de 2021:

Queridos amigos,
Nestas gares marítimas do porto de Lisboa, Almada Negreiros trabalhou entre 1943 a 1949. Assombrou uns, desgostou outros, Duarte Pacheco terá dito desdenhosamente que teria sido um desperdício gastar aquelas centenas de contos com tais mamarrachos. Almada teve grandes defensores, logo no Arquiteto, Porfírio Pardal Monteiro, com quem já antigamente trabalhara na Igreja de Nossa Senhora de Fátima e na ampla sala do rés-do-chão do Diário de Notícias. Não deixa de ser curioso, cerca de três quartos de século depois, verificar a perfeita integração desta pintura naquele espaço, assenta como uma luva. O mundo da viagem marítima alterou-se radicalmente mas estas obras-primas da pintura modernista possuem tal vibração, deixam antever o olhar provocador do génio Almada, que é um gosto permanente aqui regressar. Para nós, antigos combatentes, nem sempre as recordações são boas, falando por mim, ali a umas centenas de metros, num lance de escada me despedi dos meus entes queridos debulhados em lágrimas, eu disfarçado de pimpão, era uma viagem de pouca mossa e com regresso assegurado, acreditassem todos. Foi grande a fezada e o regresso se assegurou, mesmo por debaixo dos painéis geniais de Almada, era agosto mas para mim era a primavera.

Um abraço do
Mário



Itinerâncias avulsas… Mas saudades sem conto (20):
O génio de Almada Negreiros nas gares marítimas do Porto de Lisboa

Mário Beja Santos

Historiadores de Arte como José-Augusto França consideram que o trabalho de Almeida Negreiros nas gares marítimas da Rocha do Conde d’Óbidos e Alcântara é o ponto mais elevado das Artes Plásticas do chamado Modernismo Português, tal como ele se exprimiu entre os anos 1930 e 1940. Tudo terá começado pela necessidade de construir gares marítimas no Porto de Lisboa, era um apelo do início da década de 1930, a urgência consumou-se nas vésperas da II Guerra Mundial, entregou-se ao Arquiteto Pardal Monteiro a tarefa de executar o traçado das gares, pensou-se inicialmente em três, Alcântara, Rocha do Conde d’Óbidos e Cais do Sodré que nunca chegou a ser executada. Pretendia-se, dada a importância que as viagens marítimas tinham no tempo, de fazer um belo cartão de visita para um verdadeiro cais da Europa para os passageiros e para as malas postais da navegação marítima. Era indispensável dar uma boa impressão de conforto e igualmente de grandeza, era assim que se entrava no Portugal do Estado Novo. Porfírio Pardal Monteiro já trabalhara com Almada em dois projetos de tomo: a Igreja de Nossa Senhora de Fátima e a receção do Diário de Notícias, empreitadas hoje tidas como indiscutíveis pegadas do génio de Almada.
O pintor andou por aqui anos e anos, começou obviamente por Alcântara e arquitetou um espetáculo de cor e uma garridice temática que desgostou profundamente a Duarte Pacheco, felizmente que Almada tinha defensores de peso como António Ferro e o próprio Pardal Monteiro. No exterior, temos as linhas puras da Arte Déco, uma sábia entrada de luz e uma conveniente arrumação do espaço, naturalmente que não se suspeitava ao tempo ter ali na vizinhança a ponte sobre o Tejo. Há que recordar ao leitor que aqui se arribou em dia chuviscoso, pretendeu-se circunscrever a visita à gare de Alcântara. Para os interessados, chama-se a atenção que as gares marítimas são visitáveis nos sábados e domingos do último fim de semana de cada mês, com entrada gratuita.
Houve um apelo da memória, daqui se partiu em outubro de 1967 para Ponta Delgada, aqui o Uíge atracou em agosto de 1970, ao tempo o serviço de transporte de militares estava concentrado na Rocha do Conde d’Óbidos. Depois de contemplar o espaço do vestíbulo, hoje praticamente sem vida, sobe-se uma escadaria de linhas equilibradas, com uma bela entrada de luz, é-se rececionado por uma escultura dedicadamente patriótica onde não faltam o escudo com as quinas, e veio espreitar-se o dia brumoso por aquela janela e naquela varanda onde muitas lágrimas se devem ter vertido em dias de partida e aclamado com exclamações ululantes quem regressava para o convívio dos seus.

Ó mar salgado, que desta varanda guardaste a memória de dolorosíssimos acenos das partidas e júbilos de regressos, antes e depois de se erguer aquela ponte.
Aqui se fica em contemplação, atento aos pormenores, a entrada vigorosa da luz não se faz por acaso, o país era muito pobre mas o Estado era rico, havia que mostrar boa pedra marmoreada em todos os andares, em todos os espaços que o visitante trilhasse, como se se procurasse dar a sensação de se entrar numa infraestrutura quase apalaçada.
Outro pormenor que abona o talento do arquiteto, a relação entre o comprimento, largura e altura, a dimensão das portas, o espaço reservado para a pintura mural, as janelas rasgadas, a esplêndida iluminação do teto, é verdadeiramente uma sala de espetáculo, a voz ecoa, são pouquíssimos os visitantes, é uma vibração que enche de vida aquele enorme salão de espera ou boas-vindas e aonde era suposto que Almada Negreiros deixasse o traço resplandecente da grandiosidade do Estado Novo. Mas ele trocou-lhes as voltas, concebeu dois trípticos, um à volta da Nau Catrineta, uma lengalenga que recitávamos na escola e na continuação um mito, D. Fuas Roupinho e o milagre da Nazaré, a Aparição da Virgem, lá no Sítio; o outro fala-nos do Tejo, das embarcações do porto, as lides ribeirinhas e separadamente temos um par amoroso, talvez ele seja marujo e ela peixeira e há para ali uma festa campónia extremamente vistosa. É altura de irmos aos pormenores.
Tudo vai num reboliço a bordo na Nau Catrineta, os marinheiros têm umas solas para comer e há até quem insinue que a primeira vítima de antropofagia seja o capitão, vemo-lo afanoso no cesto da gávea, talvez aquele marinheiro ande à procura de terra à vista, e na vela enfunada vemos o espetro da morte em visita. Mas o mais belo de tudo é o ângulo em que Almada nos põe a ver a Nau Catrineta, de tresvês, como no segundo painel por ali anda a vista abismada por aquele longo mastro, também as velas enfunadas, do lado direito temos umas histórias de encantar, até prelúdios funestos, mas aquele anjo que parece caminhar na linha do painel tudo vai resolver a contento e daí o alvoroço do terceiro painel, as alegrias do reencontro, um esplêndido arraial em que Almada esmiúça os quadros da sociedade, em indumentária moderna. E lá temos o mural isolado com gente da Nazaré, a praia e os barcos e as lides que envolvem homens e mulheres, e milagre dos milagres um D. Fuas Roupinho transmudado em cavaleiro tauromáquico.
No outro tríptico, também de uma beleza extrema, e de um colorido quase efervescente, temos varinas descalças na descarga do carvão, um fabuloso painel com mastros, apetrechos marítimos e barcos, varinas dividindo o peixe e, separadamente, o que se pode chamar piquenique em dia de romaria, manifestamente Almada sentiu-se cativado pelo Tejo e exprimiu o realismo social, como é que aqueles senhores poderosos do Estado Novo não olharam enviesadamente as varinas descalças na descarga do carvão, não seria que o pintor Almada queria desconsiderar o que estava previsto como bonito bilhete-postal?
Perdoe o leitor este gosto pessoal de integrar a pintura de Almada em contexto arquitetónico, enche-me as medidas esta Arte Déco e não quero despedir-me sem pedir a vossa atenção para a natureza desta pintura mural, efetivamente ele trabalhou o fresco sobre a cal, mas introduziu imensos apontamentos pictóricos. Vêem-se para ali umas manchas de humidade, indispensável será o restauro dado que estamos a falar do que há de melhor da pintura portuguesa depois do génio meteórico de Amadeo Souza-Cardoso. E fica prometido um próximo fim do mês se irá visitar a gare da Rocha do Conde d’Óbidos.

(continua)

____________

Nota do editor

Último poste da série de 27 DE NOVEMBRO DE 2021 > Guiné 61/74 - P22755: Os nossos seres, saberes e lazeres (479): Itinerâncias avulsas… Mas saudades sem conto (19) (Mário Beja Santos)

Guiné 61/74 - P22778: O meu sapatinho de Natal (3): 25 de dezembro de 1973, sob os céus de Gadamael... Três Pings e um Pong (António Martins de Matos, TGen PilAV Ref, ex-Ten Pilav, BA 12, Bissalanca, 1972/74)

1. Mensagem do nosso camarada António Martins de Matos, TGen PilAV Ref (ex-Ten Pilav, BA 12, Bissalanca, 1972/74) e autor do livro de memórias "Voando sobre um Ninho de Strelas", com data de 1 de Dezembro de 2020, lembrando o Dia de Natal de 1973:

Caros Amigos

Eis-nos chegados a Dezembro, mês de festividades natalícias.

Junto um pequeno texto dedicado aos que, em 1973, passaram por Gadamael.
Podia ter-lhe chamado “Um Natal na Guerra”, ou “A Guerra em tempos de Paz”. Optei por… “Três Pings e um Pong”.

Abraços
AMM

Três Pings e um Pong

por António Martins de Matos


Naquele dia, 25 de Dezembro de 1973, a actividade aérea na Base da Bissalanca estava reduzida ao mínimo dos mínimos, apenas as missões de Alerta, as habituais evacuações de DO-27 e AL-III e, para alguma eventual saída de apoio-fogo, a parelha dos Fiat G-91.

A meio dessa manhã meti-me na minha Yamaha-200 e lá fui, estrada fora, do Largo do Liceu Honório Barreto até à Base Aérea. A minha tarefa para essa tarde estava bem definida, ia entrar de Alerta ao Fiat G-91, a partir das 13:00 e até ao Pôr do Sol.

Um almoço muito ligeiro no Bar dos pilotos, ainda vinha cheio de fatias douradas, arroz-doce, bolo-rei e muitas outras iguarias, o resultado de uma noite de consoada passada em casa das minhas vizinhas do andar de baixo, as enfermeiras paraquedistas. Até tinham sido amigas, sabendo da minha paixão por automóveis e em especial por Porsches, no meio de muitos sorrisos malandrecos tinham-me oferecido um 911 da Dinky Toys, à escala 1/43.

Era Dia de Natal, Feriado, a "Paz entre os homens de boa vontade", mais uma série de frases feitas, talvez nesse dia a guerra tivesse uma pausa.

A primeira missão aconteceu por volta das 14:00. No sistema sonoro do Grupo Operacional, a mensagem a chegar:

- "Alerta aos Fiats".

Corrida às Operações para tentar saber mais alguns detalhes. A solicitação era para Gadamael, lá no Sul, junto à fronteira com a Guiné-Conacri. Recolha do capacete e das fitas para as pernas da Martin-Baker, tudo o resto ficou esquecido no armário, o anti-g, o mae-west, a pistola e o respectivo equipamento de sobrevivência. No bolso do fato de voo, o que sempre me acompanhava, uma bússola e um pequeno espelho. Se por um qualquer motivo tivesse que me ejectar e cair lá no meio da floresta, podia tentar indicar a minha posição.

Uma rápida deslocação até à Linha da Frente dos Fiat G-91, o condutor do Jeep a buzinar, os mecânicos a correrem, a tirarem as tampas que protegiam as aeronaves de alerta, o meu avião foi o 5437, o meu Asa era um Capitão Pira, a parelha a fazer uma descolagem imediata, de corrida.

Um parêntesis para os menos familiarizados com assuntos aeronáuticos; na aviação e independentemente de hierarquias, o mais experiente vai à frente, é o Chefe da Missão.

Continuando, os aviões estavam equipados com tanques de combustível auxiliares, uma autonomia de 1:20. Quinze minutos depois já estávamos a sobrevoar a zona e em contacto com o Aquartelamento.

Era redundante, os do Exército não sabiam falar com os pilotos, perdiam-se em explicações variadas. O que nós, lá do alto, queríamos saber eram apenas dois factores, a direcção do ataque e o tipo de arma. Depois de muita conversa do tipo parte gaga, lá confirmaram, tinham sido atacados dos lados da fronteira, com morteiro 120mm.

De acordo com a descrição dos militares, as granadas tinham caído longe do arame mas sempre em aproximação, como se alguém estivesse a tentar regular o tiro. À nossa chegada tinham-se calado.

Largámos os foguetes na zona, mais algumas rajadas das metralhadoras, poucas, as munições não eram explosivas e o seu calibre era inócuo para quem, na floresta, se pudesse abrigar atrás de uma qualquer palmeira. Para além disso, as placas para-fogo junto à saída dos canos estavam completamente rachadas, com umas feias e atabalhoadas soldaduras, quais cicatrizes. Por causa dessas anomalias, um piloto já se tinha ejectado. No momento de disparar as armas, o painel das metralhadoras saltara fora.

Tudo calmo, o pessoal do Aquartelamento satisfeito. Regressámos a Bissalanca, no total 50 minutos de voo, a sensação da ajuda ter ficado um tudo ou nada incompleta.

Depois de aterrado fui à Secção Fotográfica da Base, quase paredes meias com a Esquadra. Toda aquela zona Sul da Guiné estava devidamente cartografada e fotografada. Com base no que me haviam dito (morteiro de 120mm e ataque do lado da fronteira) analisei as fotos, tentando descobrir todos os locais possíveis para bases de morteiros de 120mm. No meio de toda aquela floresta encontrei quatro clareiras que se ajustavam ao requisito. Informação em reserva, a ser utilizada numa futura missão na área.

O Pôr do Sol a chegar, o período de alerta quase a terminar, já me estava a ver de regresso à Yamaha e ao Largo do Liceu, o altifalante do Grupo a transmitir um novo aviso:

- "Alerta aos Fiat".

Outra vez Gadamael. Nova corrida, os mecânicos a apontarem-me uma outra vez o 5437, o avião de alerta, já reabastecido, com os tip-tanks, metralhadoras e foguetes.

Fiz-lhes sinal para uns outros aviões, uma parelha que estava estacionada ali mesmo ao lado, a ser preparada para o dia seguinte, sem qualquer armamento nas asas, umas bombas de 750 libras a um canto, ainda nos respectivos cavaletes.

Aqueles mecânicos eram super eficientes. Em quinze minutos o armamento foi devidamente instalado nos aviões e a parelha ficou pronta, a autonomia de voo a reduzir drasticamente, de 1:20 para uns míseros 50 minutos.

Saída no 5427, trinta minutos após o pedido já estávamos de novo na zona. Desta vez  já não havia tempo para grandes conversas, o Aquartelamento a confirmarem-me que era outra vez o morteiro de 120mm. Não havia tropa fora do aquartelamento, um voo em picada, de modo a visar duas das clareiras que tinha identificado nas fotos e, num passe meio esticado, larguei uma bomba em cada uma delas. Depois disse ao meu asa para fazer o mesmo às duas outras clareiras, o que ele, o Capitão periquito, executou na perfeição.

As bombas de 750 libras eram bem potentes. Ainda a recuperar do passe e sentíamo-las a explodir, o avião até estremecia. Uma outra característica, eram bem fuseladas e, ao rebentarem, faziam um enorme cogumelo de pó e detritos, talvez uns vinte metros de altura.

Bombardeamento executado. Ao verificarmos a área para ver se havia alguma reacção de Strelas, descobrimos algo de estranho. No meio de todo aquele verde da floresta havia três rebentamentos castanhos de uns quinze a vinte metros de envergadura e um outro, enorme, uma densa fumarada escura que, no mínimo, deveria ter mais de cinquenta metros de altura.

Uma grande explosão lá em baixo, o Capitão periquito acabara de acertar em algo.

Regressámos, o voo tinha durado apenas 35 minutos.

Como Tenente e Chefe da Parelha lá tive de ir fazer o respectivo Relatório. Poderia ter escrito “Três Pings e um Pong”, ou, talvez um pouco mais de acordo com a sequência da ocorrência, Ping Ping PONG Ping. Não me iam perceber. Optei pelas palavras habituais:

- "ATAP (Ataque em Alerta) em Gadamael, junto à fronteira, quatro bombas de 750 lbs, resultados desconhecidos".

A noite a chegar, o período do Alerta terminado, montei-me na moto e fui à minha vida, que no dia seguinte a guerra ia continuar.

Só algumas semanas mais tarde viemos a saber o resultado daquele grande rebentamento. Uma das bombas fizera explodir as munições que o PAIGC tinha escondido na floresta, para, à noite, irem despejar sobre o Aquartelamento.

Pelo menos nessa noite os de Gadamael devem ter dormido descansados.

Uns outros pensamentos positivos, nunca mais chamei "Pira" ao Capitão Pira.

AMM

 


Guiné > Região de Tombali > Gadamael > Vista aérea de Gadamael Porto nos finais do ano de 1971.

© Foto do Cor Art Ref António Carlos Morais da Silva.





Bissau, 1969 - G-91 R4

____________


Nota do editor:

Último poste da série > 2 de dezembro de 2021 > Guiné 61/74 - P22775: O nosso sapatinho de Natal (2): E eu ainda não era eu: conto de José Teixeira

sexta-feira, 3 de dezembro de 2021

Guiné 61/74 - P22777: Agenda cultural (792): Apresentação do livro "Cartas de Amor e de Dor", de Marta Martins Silva, a cargo do Gen Pedro Pezarat Correia, dia 7 de Dezembro, às 18h30 na FNAC Colombo

C O N V I T E



Da nossa amiga jornalista Marta Martins Silva, recebemos esta mensagem:

Meus caros amigos boa tarde,
Na próxima terça-feira dia 7/12 será o lançamento do livro 'Cartas de Amor e de Dor' na Fnac do CC Colombo. Estimava muito ver-vos lá.

Um grande abraço e toda a minha gratidão.
Marta Martins Silva
jornalista

____________

Nota do editor

Último poste da série de 29 DE NOVEMBRO DE 2021 > Guiné 61/74 - P22761: Agenda cultural (791): Sessão de lançamento do livro "Memórias da Guerra e do Mar", de João Freire, dia 2 de dezembro,pelas 17h00, na Academia de Marinha, à Rua do Arsenal, Lisboa,... Resposta ao convite até 30 do corrente, pelo telem 919964738 ou pelo email revistamarinha@gmail.com

Guiné 61/74 - P22776: Esboços para um romance - II (Mário Beja Santos): Rua do Eclipse (81): A funda que arremessa para o fundo da memória

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil Inf, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 26 de Novembro de 2021

Queridos amigos,
É um momento de viragem, está em cima da mesa uma proposta de trabalho, pelo menos para os próximos cinco anos. Paulo já falou com antigos responsáveis por aquele departamento, são reuniões, conferências, inúmeros relatórios, representações e algo mais, essencialmente tudo se passará em Bruxelas mas haverá participações obrigatórias em reuniões sindicais nacionais. Ele pode estar descansado, haverá sempre revisores para tudo quanto escrever em francês ou inglês, os alemães exigem os documentos na sua própria língua, um tradutor fica com essa responsabilidade. Mas acontece algo de insólito, quando ele sai daquele imenso edifício no Boulevard Albert II, tendo a tarde por sua conta, corre em paralelo na sua mente a viagem que faz através do Geba até Bissau, a melancolia e o desprendimento físico, a convicção de que se estava num virar de página, como neste exato instante. Outra surpresa grande, como ele irá contar ao seu amigo Gilles Jacquemain, em jeito de desabafo, é que Annette não quer dar por findo o seu trabalho, o romance ainda não acabou, não se pode amar a Guiné com aquela intensidade e pô-la numa prateleira. O romance continua, disse-lhe ela, mesmo quando tu vieres viver para Bruxelas, talvez mesmo quando eu for viver para Lisboa, logo se verá.

Um abraço do
Mário



Rua do Eclipse (81): A funda que arremessa para o fundo da memória

Mário Beja Santos

Mon cher Gilles Jacquemain, fiz uma viagem-relâmpago a Bruxelas, fui recebido na Confederação Europeia dos Sindicatos por um dos patrões, Gottfried Scholtak, um alemão singularíssimo, de estatura pouco mais que meã, uma cabeleira farta entre o louro e o grisalho, olhar agitado, nariz proeminente, beiça larga, uns braços em permanente agitação acabando em mãos pequenas, cabeludas, enclavinhadas quando postas no tampo da secretária. Não foi a primeira vez que vim à Confederação, no Boulevard Albert II, enquanto fiz o percurso a pé a partir do metro na Place de Brouckère, recordei as muitas reuniões que tive na então sede na Rue Montagne aux Herbes Potagères, aqui recebi muitas ajudas para elaborar documentos, pareceres, comunicações, quem diria que agora voltava como colaborador, encontrei aqui um final feliz para todo este desatino em que tenho vivido entre Lisboa e Bruxelas, nunca suspeitei que pudesse vir trabalhar em Bruxelas até à hora da reforma, vivendo ao lado de quem tanto amo.

Reunião longa, foi-me apresentada uma proposta de contrato até cinco anos, com sede em Bruxelas, deslocações obrigatórias quando os sindicatos requeressem a minha presença em conferências ou reuniões nos seus países, o meu antecessor já me tinha falado desta situação, nada que me possa apoquentar, são curtas digressões, exigem obviamente preparação nos três pelouros constantes do documento de trabalho, a que fico adstrito: Consumidores, Saúde e Segurança Alimentar. Expus, questionado, o meu itinerário curricular, o meu vínculo ao funcionalismo em Portugal, e as responsabilidades em curso, designadamente no ensino e na direção da Associação Europeia de Consumidores, precisava de alguns meses para resolver problemas domésticos, finalizar exames, contribuir para encontrar uma solução na Direção da Associação de Consumidores; e, obviamente, obter uma licença sem vencimento invocando serviço europeu, ficando a meu cargo as contribuições para a pensão de reforma. Juntaram-se funcionários superiores que acompanham em segunda linha estes diferentes dossiês, trouxe para Lisboa uns bons quilos de papel.

Entrarei em funções em pleno verão. A versão definitiva do meu contrato vai-me ser enviada para eu assinar. Com expressão risonha, Gottfried Scholtak convidou-me a almoçar com ele na cantina da Confederação, no último andar, com uma vista panorâmica sobre esta parte da cidade, comemos minestrone, spaghetti alla crema di basilico e noci e depois tiramisu, era dia da cozinha italiana. Despedimo-nos calorosamente, como tenho no próximo mês reunião associativa, ficou acordado que contatarei estes funcionários que compareceram à reunião e que de certo modo acompanham os três pelouros que marcarão a minha vida profissional, para prosseguirmos o diálogo de integração do meu trabalho na estratégia da Confederação.

Tinha a tarde livre, temperatura amena, imagina tu, meu tão querido amigo, que comecei a deambular em direção ao centro da cidade, Annette estava em pleno Edifício Berlaymont até às 17h30, tínhamos combinado encontrarmo-nos à porta de um restaurante junto da Igreja de S. Nicolau, Á la Bécasse, seguiríamos depois para a Rua do Eclipse, tinha regresso a Portugal no dia seguinte. Passeava-me num estado quase de êxtase, recordei o peso da melancolia, a noção física do despreendimento quando apanhei um barco num local chamado Xime em direção a Bissau, tinha então acabado a guerra, aquela guerra que me levou a conhecer Annette, e andava por ali com a sensação de uma irrefragável perda e um sentimento de expetativa sobre o que me reservava o futuro, lembrava então todos aqueles a quem queria comunicar a notícia, queria mesmo escrever a um ror de gente, amigos a combater noutros teatros de guerra, à minha gente que eu acabava de deixar. Telefonei em Bissau a meio mundo, dizendo que me tinha sido reservada uma viagem de regresso no mesmo barco em que, em outubro de 1967, partira para Ponta Delgada, mas era uma sensação de desalinho, a mesma sensação que agora me tomava, ia fechar livros, ia abrir outros, dentro de poucas horas sabia que teria pela frente uma mulher que tanto amo a soluçar de alegria. Sentei-me num banco em frente da fachada do Teatro de la Monnaie, dançam-me estas imagens do passado com as do presente, farei uma viagem de cerca de 12 dias, virei com tropa cabo-verdiana a regressar à ilha do Sal, mais adiante pararemos no Mindelo, terá sido uma cidade muito importante, a arquitetura é genuinamente portuguesa, até no coreto, a vista sobre a ilha de Santo Antão assombra, eu e mais três camaradas fretámos um táxi para ir às praias, há muita secura, vegetação mirrada, mas o mar é impressionante e no Mindelo comprarei livros de autores do arquipélago de que nunca me desfiz, tal a impressão que me deixaram.

Gilles, e agora? Vou conversar com os meus filhos, antes vou ouvir a opinião da Annette, com a Rita não tenho que me preocupar, é autónoma, sempre que a ajudo ela não deixa de mencionar que a prioridade está no Ricardo e depois no Henrique. Tenho de conversar com estes meus filhos se querem ficar lá em casa, está fora de questão que eu a venda, Annette adora Lisboa, está sempre a falar-me dos passeios que temos dado um pouco pelo país e anseia continuar, é mulher para fazer novas amizades, mas reconheço que ela vive sempre inquieta com os problemas de Jules, inadaptado, Noémie também causa sobressaltos. Bailam-me diante dos olhos a minha despedida da guerra, a alegria de antigos soldados que tinham passado à disponibilidade a abraçar-me, ali no cais, tinham-me acompanhado a fazer compras de artigos tradicionais, ajudaram-me a transportar as malas para bordo, não sustive as lágrimas, parece que estou a ver o espanto e a confusão no rosto dos meus amigos, ouviu-se uma sirene a chamar-nos para bordo onde num salão um oficial general fez preleção e agradeceu a todos os serviços prestados à Pátria.

Não me sinto em ansiedade, para ser sincero contigo, Gilles. Sei que vou ter tempo e estado de espírito para fechar os tais livros de uma vida devotada a diferentes atividades que sempre assumi como causas públicas, as alegrias que tive no ensino e na vida associativa, eram as mesmas convicções que fui firmando naquela viagem do Sal para Mindelo, daqui para Ponta Delgada até à chegada a Lisboa. Não haverá seguramente qualquer complicação com a minha licença da Função Pública, tenho problemas sérios, como tu conheces melhor do que ninguém, na Associação Europeia de Consumidores, preciso de falar urgentemente com Bengt Ingerstam, é um homem avisado, talvez a pessoa mais indicada para me substituir seja a Benedetta Olivieri. E naquela tarde amena começou a soprar um vento frio, subi ao Monte das Artes, dei comigo a caminhar sem destino, a rever itinerários que para mim são sempre aprazíveis, vejo ao fundo o faraónico, o desmesurado Palácio da Justiça, fui rezar à Igreja de Notre Dame du Sablon, pedir coragem e lucidez para encontrar as melhores soluções, depois de amanhã vão encetar-se rituais de despedida, processos de afastamento, naturalmente são coisas que vão mexer comigo e não posso esquecer os interesses dos meus filhos, felizmente que não se prevê qualquer rombo nos meus rendimentos, mas é evidente que vou entrar na vida em comum com a Annette com despesas em partes iguais.

Enviara a Annette antes de aqui chegar mais peças sobre estes últimos tempos da minha guerra na Guiné, sempre meticulosa, ela vai pondo ordem em tudo, pergunta quando precisa de esclarecimentos, para minha surpresa pediu-me mais informações sobre aquele período de sobreposição, o que fiz, com quem fiz, de quem me despedi, quis pormenores detalhados sobre a última viagem de Bambadinca para o Xime.

Deixo-te a última surpresa para o fim. Annette não quis ir para aquele restaurante, pediu-me para tomarmos o carro, fomos até Tervuren. No parque, as suas emoções desabaram, abraçava-me muito. Fomos jantar num restaurante sérvio e regressámos para casa. Acariciamo-nos muito e nisto Annette dá-me a notícia: o livro está longe de ter terminado, quem viveu o que tu viveste tem que deixar escrito que amor tão intenso está sujeito às leis do movimento perpétuo, vamos continuar a escrever o que se passou depois e em que lugar do coração tu guardas a Guiné.

Era o que sumariamente queria desabafar contigo, afinal a Guiné continua, e seguramente continuará, a dominar muitas das nossas emoções quando eu me mudar para Bruxelas. Nunca pensei que aquele projeto da Rua do Eclipse fosse levado tão a sério por aquela mulher que, algures, ainda em 1999, me olhou arrelampada quando lhe pedi ajuda para escrever um certo livro onde cruzámos o nosso destino. Podes imaginar a alegria que sinto em saber que dentro de alguns meses a nossa amizade se estreitará muito mais, aprecio-te muito e à tua extremosa família. Bien à toi, amitié énorme, toujours, Paulo.

(continua)


Place de Brouckère, num passado recente
Place de Brouckère, na atualidade
Rue Montagne aux Herbes Potagères, aqui mesmo funcionou a Confederação Europeia dos Sindicatos
Rue de la Régence com o Palácio da Justiça ao fundo, Bruxelas
Bruxelas, uma ruela que encanta pelas suas ruelas
Pormenor do teto da Igreja de Notre Dame du Sablon, Bruxelas
Uma imagem do Parque de Tervuren
____________

Nota do editor

Último poste da série de 26 DE NOVEMBRO DE 2021 > Guiné 61/74 - P22753: Esboços para um romance - II (Mário Beja Santos): Rua do Eclipse (80): A funda que arremessa para o fundo da memória

quinta-feira, 2 de dezembro de 2021

Guiné 61/74 - P22775: O meu sapatinho de Natal (2): E eu ainda não era eu: conto de José Teixeira



Lourinhã > Praia da Areia Branca > 6 de junho de 2019 > A duna em flor...

Foto (e legenda): © Luís Graça (2019). Todos os direitos reservados. [Edição: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. Belíssimo conto que o Zé Teixeira mandou ao nosso editor LG e à Alice, no passado dia 12 de novembro, "neste tempo de festa da vossa Clarinha" (que fez dois anos, celebrados no Funchal)... Resposta do LG:

"Belíssimo conto, Zé, o que mandaste, a mim e à Alice, no passado dia 12 de novembro, 'neste tempo de festa da vossa Clarinha' (que fez dois anos, celebrados no Funchal)...

Embora não fosse essa a tua intenção como autor, o editor LG fez questão de o partilhar com os amigos e camaradas da Guiné, na certeza de que o vão ler e apreciar. Obrigado, Zé, em meu nome e da Alice, avós da Clarinha. E quando ela for maiorzinha, prometo lê-lo, em voz alta. Ficará a saber então que tem mais um "tio-avô" com grande sensibilidade humana e não menor talento, capaz de escrever um conto como este, tão cheio de ternura e tão "natalício". Um balaio cheio das melhores coisas da vida e do mundo, para ti, esposa, filhos e netos, coisas que não têm peso nem medida: saúde, paz, amor, esperança...Um abraço fraterno, Luís".


 
Conto: E eu ainda não era eu…


por José Teixeira

[ex-1.º cabo aux enf, CCAÇ 2381, Buba, Quebo, Mampatá Empada , 1968/70; fundador e um dos régulos da Tabanca de Matosinhos; "senador" da Tabanca Grande, tem mais de 360 referências no nosso blogue]

 

Fui gerada antes de existir, em sonhos de amor, espelhados num berço de oiro fino, talhado a quente pelos meus pais, em noites de luar.

Caminhavam pela praia de Matosinhos fora, em passada suave, para não assustarem a leve brisa outonal que esvoaçava pelo ar e lhes roçava a face com carinho, alimentando o doce sonho que emergia dentro dos seus corações, vigiados por milhares de gaivotas em descanso, mais a norte, junto ao belo edifício do Terminal de Passageiros, enquanto outras esvoaçavam sobre as suas cabeças numa deleitável dança, animada por melodiosos cantos de acasalamento.

De mãos unidas pelos dedos firmemente entrelaçados, deixavam-se embalar pela música das ondas, que ajoelhavam a seus pés cobrindo-os de beijos, e sem querer lhes perturbavam a linha de pensamento que os unia, ao mesmo tempo que deixavam as doces gargalhadas de prazer e felicidade ecoar no espaço sideral que os envolvia.

Milhões de lâmpadas celestes projetavam tímidos raios de luz, deambulando pelo cosmos às escondidas da lua em fase de quarto crescente, até se cruzarem com aqueles olhos que irradiavam centelhas de felicidade. Retiravam-se, então, intimidados com o brilho que saltava alegremente daqueles olhares, como os raios do néon do mais belo reclame sobre o dom da vida.

Sonhavam o meu futuro num livro aberto cujas páginas estavam virgens. Imaginavam-me sentada na areia a escrevê-lo com tinta indelével da água azul do mar que lhe beijava os pés. E eu ainda não era eu. Eu era apenas o sonho que comandava as suas vidas. Era a estrela que brilhava no horizonte sem idade, caminhando ao encontro da luz da humanidade, trazendo na bagagem mil coisas belas. As mais belas que o mundo pode ter, para os encantar.

Por vezes, surgiam pequenas nuvens que escondiam o luar e as estrelas lá no alto dos céus e eu, que ainda não era eu, ficava triste. Tão triste como eles. Fantasmas cavalgando incertezas. Sombras agoireiras sobre o meu futuro, logo dissipadas pela esperança do amor que os unia e pela fé que transforma montanhas.

De repente, num estremecimento, que eles recordam a cada momento, deram corda à paixão que os unia, recolheram-se nas rochas plantadas na praia e eu nasci do mais belo ato de amor que o Planeta Terra conheceu. Cheguei transportada aos ombros, pelos ventos da ternura que os unia. Ousei bater, de mansinho, à porta da vida, e entrei sem pedir licença, na certeza de que seria bem-vinda e escondi-me silenciosamente no ventre de minha mãe. Estavam entrelaçados numa conversa animada e não deram pela minha chegada. Os gestos de carinho e afeto, que partilhavam entre si foram para mim o feliz prenúncio de que era ansiosamente desejada e senti-me uma felizarda por ter uns pais que se amavam tão profundamente.

E continuavam a sonhar. Acalentavam o sonho da minha vinda e eu estava no meio deles. Ainda pensei em transmitir-lhes um sinal. Talvez um pequeno enjoo à minha querida hospedeira, mas decidi acompanhá-los no sonho. Que sublime sonho!

Um belo dia, a minha mãe, notando a falta dos sinais da sua feminilidade, deduziu que eu tinha ousado aflorar dentro de si e guardou em silencioso anseio um sinal mais concludente da minha presença.

Durou pouco tempo o seu silêncio. A sua expectante alegria foi tão intensa que meu pai deduziu que algo de bom estava para acontecer. Também ele sonhava poder acolher-me nos seus braços, sem saber que eu já estava bem escondidinha no coração de minha mãe. Um terno e profundo abraço, que só os verdadeiros amantes sabem dar e saborear, foi a forma que a minha mãe encontrou para lhe transmitir a sua ansiedade. Senti-os a correr à procura de uma médica amiga, a Suzana, que confirmou a minha chegada.

Só sei que meu pai ficou tão “tonto” com a notícia que escreveu um lindo poema, que guardo como o primeiro e o mais belo presente que recebi, e o dedicou à minha mãe.



Estrela que brilhas no horizonte sem idade,
Ousaste bater à porta da vida,
De mansinho,
E entrar suavemente,
Caminhando ao encontro da luz da humanidade.

Trazes na bagagem mil coisas belas
As mais belas que o cosmos tem
Para nos encantar.
Serás sol ao amanhecer,
Lua cheia ao anoitecer.

Vem, meu bem,
Nosso caminho alumiar
Com o teu sorriso de bonança.
Flor em botão,
Rosa ou cravo, não importa,
Tu nasceste antes de ti
Em sonhos de amor,
Espelhados em berço de oiro,
Carregado de esperança.

Tu recebeste o sopro da vida
Em ninho de amor-perfeito.
Tu projetas amor em teu redor
O amor que nasceu contigo.
Tu levas amor a quem te ama,
Tu enriqueces de amor quem te protege,
Tu acolhes o amor puro
Do amor que te gerou,
Porque tu és amor,
Tu és o amor da nossa vida.



E assim se iniciou a minha aventura neste mundo. Convidaram os meus avós para virem, no domingo seguinte, almoçar cá a casa. Nesse dia, foram à florista comprar as mais belas flores e coloriram as janelas, mesas e prateleiras da casa. Puseram sobre a mais rica toalha de mesa o faustoso serviço de jantar, oferecido como prenda de casamento pelos meus tios Zeca e Linda. A minha mãe aprimorou um cabritinho assado no forno para dar um prazer ao meu avô, enquanto o meu pai, que não é adepto de doçuras, preparava uma salada de fruta com todos os ingredientes, para a sobremesa.

Era meio-dia quando os convidados, que até parece terem combinado a hora de chegada, o que não creio ser verdade, apareceram, felizes e contentes por poderem partilhar em comum um dia de convívio com os seus filhos. Creio que a minha avó Sofia já suspeitava, e tanto assim que trazia um belo ramo de rosas brancas para oferecer à filha querida.

Quando os meus pais lhes abriram a porta da rua, os acolheram de sorriso aberto e eles descobriram a pulcritude que transpirava no interior da casa, foi-lhes fácil deduzir que havia felizes novidades para contar. Não foram precisas palavras para anunciar que eu tinha chegado.

Uniram-se, os seis, comigo no meio, num abraço do tamanho do universo para festejar a minha vinda a este mundo. A felicidade que transbordou dos seus corações encheu o meu ego. Ah! Como eu gostava de ter perninhas, por mais frágeis que fossem, para poder expressar em pulinhos de alegria a felicidade que se apossou de mim, ao sentir-me assim bem-vinda! Mas eu era apenas um pequenino botão!

Ali mesmo andei de colo em colo. Fui elevada aos píncaros do céu pela minha mãe. Senti os abraços repartidos, os sorrisos espelhados da alegria que os animava. Os mil conselhos que as queridas avozinhas teimavam em dar à minha mãe foram guardados em livro de oiro. Todos eram precisos. Bem! Todos não. Alguns, já tinham barbas brancas como as do avô Tomás, outros, eram tão lógicos e de senso comum, que minha mãe apenas dava um sorriso de aceitação e os enviava para a pasta do esquecimento que acauteladamente trazia consigo desde o momento em que sentira minha chegada.

O meu avô paterno ficou tão comovido que pegou na mão da minha mãe, encostou-a ao coração e deixou cair uma lágrima de felicidade pela minha chegada, mas a minha avó, logo recolheu a lágrima num lenço de papel cor-de-rosa e pediu para chamarem o INEM. Foi tamanha a confusão que até eu fiquei assustada. Minha avó só gritava: "Chamem o INEM! Chamem o INEM!"

O meu avô, com a sua voz grossa, disse: "Qual INEM qual carapuça! Então não posso deitar uma lagrimazita de comoção que já estou doente?! Não te preocupes mulher, que o meu coração está forte e sobretudo feliz por saber que vou ser avô. Descansem e desfrutem este momento, tanto quanto eu!"

Fiquei então a saber que o meu avô sofria do coração, mas afinal estava apenas comovido e logo passou o susto, para eles e para mim, que ainda não estava preparada para estas coisas.

Estranhamente, os meus pais ainda não me tinham dado um nome. Fora tão curto o tempo, desde o momento em que me geraram, que nem se tinham lembrado de um nome para mim. Talvez se tivessem lembrado: creio que minha mãe tinha pensado em Constança e o meu pai sempre gostou do nome Gabriel; mas para quê pensar num nome para mim se nem sequer sabiam se eu era rapaz ou rapariga?! Nem eu sabia!

O mais importante para eles, segundo deduzi das suas palavras e pensamentos, era criarem as condições ideais para eu ser bem recebida. Meus avôs é que não descansaram e logo se puseram numa disputa acesa, perante o gáudio dos meus pais, pelo interesse demonstrado em me batizarem. No prolongado almoço que se seguiu, em que eu fui o centro das atenções, ouvi chamarem-me Miguelito, Dani, Tecas, sei lá! Tantos nomes me deram que já me esqueci, mas nada ficou decidido.

Talvez Constança! …Talvez Gabriel ou Rafael…talvez Tomás em honra do meu avô paterno… defendiam os meus pais, com afinco.

E assim passámos um belo dia!

A meio da tarde, bem comidos e bem bebidos, fizerem um tchim! tchim! à minha saúde e à minha mãe, como portadora do tesouro mais querido da vida deles, e eu senti-me um pequeno príncipe no reino que eles estavam a construir, de sonho e de esperança.

Agora já sei que era uma princesa e me vou chamar Constança.

Despediram-se com abraços e beijos e muitos desejos de felicidades para a minha mãe e para mim. O meu pai até se deixou envolver por algum ciúme que logo desapareceu na ternura de um beijo que minha mãe lhe deu.

Meus pais, mal fecharam a porta da rua, entrelaçaram-se um no outro e deram-me muitos beijinhos. Estavam tão felizes e eu sentia-me tão bem no meio deles! Viver deve ser uma coisa fantástica!

Depois, muita coisa boa me aconteceu...

A minha mãe trata-me com mil cuidados. Até já aprendi com ela a gostar de música! Sempre que está em casa a descansar, porque eu estou a crescer e devo pesar muito na sua barriguinha, ela deita-se a ouvir música e eu deleito-me com ela. Ficamos as duas muito quietinhas em silêncio. Bem, eu porto-me mal, porque já tenho o prazer de brincar e de lhe fazer cócegas. Aproveito os momentos em que ela está deitada, para brincar com os pés, mas ela parece gostar e vai logo pôr a mãozinha dela por cima. Até chama o meu pai para ele sentir o meu pé a fazer-lhe cócegas. E riem-se muito!... É tanta a sua alegria que até eu rio de prazer.

Sei que já tenho um bercinho junto do leito onde meus pais descansam, para quando eu sair da barriga da minha mãe, dormir aconchegada ao lado deles. Passam a noite abraçados um no outro. O meu pai ressona um pouco, mas não me incomoda. A minha mãe é que por vezes acorda e ficamos as duas sonhar o meu futuro. 

Vou ter muitas bonecas e outros brinquedos. Depois vou para a escolinha brincar com outros meninos e meninas e vou ter uma bicicleta oferecida pelo meu tio Zeca. Eu vou ser uma mulher alta como a minha mãe e tão bonita como ela. Não! Acho que minha mãe será sempre mais bonita que eu. Mas serei uma boa estudante e vou aprender a tocar piano como ela. Parece que o meu pai gostava que eu aprendesse a nadar. Ele ainda não mo disse, porque quem fala comigo é a minha mãe. Ela fala-me muito do meu pai e do amor que os une. O amor deve ser uma coisa muito boa, porque foi no amor que eles me geraram e, segundo ela diz, eu vim alimentar esse amor. Como eu me sinto feliz e orgulhosa!

Agora que sinto a quentura do tempo de verão a enlaçar-me e a convidar-me a ir ao encontro do mundo que me espera de braços abertos, com sorrisos acolhedores e corações cantando de júbilo, é tempo de aceitar o desafio para sair do cantinho acolhedor que minha mãe construiu dentro do seu coração e partir para a vida, levando comigo uma vontade tremenda de construir um mundo novo, de mão dada com todas as pessoas de boa vontade.

José Teixeira
____________

Nota do editor:

Guiné 61/74 - P22774: O meu sapatinho de Natal (1): Outono, uma refexão de Francisco Baptista, ex-Alf Mil Inf da CCAÇ 2616 e CART 2732


1. Em mensagem do dia 1 de Dezembro de 2021, do nosso camarada Francisco Baptista (ex-Alf Mil Inf da CCAÇ 2616 / BCAÇ 2892 (Buba, 1970/71) e CART 2732 (Mansabá, 1971/72), enviou-nos um texto a que deu o título:

OUTONO

As notas da música caem compassadas com suavidade, sobre o meu cérebro, o meu coração já morreu por desgaste e mau uso. Música pura, sem palavras, que ameniza as adversidades e estimula a imaginação.
A estética, comum a todas as artes, cria pontes de comunicação entre elas, quando escrevo procuro muitas vezes a ajuda da música, essa arte tão universal, e tão ancestral como a linguagem. Os povos primitivos actuais e os que desapareceram dizimados pelos colonizadores fazem ou faziam sons com ritmo e harmonia, com conchas, paus, pedras, canas, outros utensílios simples e com as cordas vocais naturalmente.

O meu neto mais novo, agora com dois anos, desde muito cedo começou a tamborilar em todos os objectos disponíveis e adaptáveis que encontrava para esse efeito e a dançar ao ritmo dos sons que produzia.
Já o meu neto mais velho, quando tinha um ano, a avó deu-lhe um bombo que comprou nas festas da Senhora da Agonia, que teve que se tirar do seu alcance, porque ele não parava de batucar. Quando tinha três ou quatro anos ficava enlevado quando ouvia música clássica.

Nos meus tempos de garoto não havia rádio em minha casa, em toda a aldeia haveria rádios somente em duas casas. Alguns homens e rapazes tocavam gaitas de beiços a que chamavam realejos. Havia outros músicos, só já conheci alguns dado que a maioria era do tempo dos meus avós ou mais velhos. Tocavam guitarra, viola, violão, violinos e por vezes juntavam-se à noite a fazer "rondas" com música e cantigas, pelas ruas da aldeia.
Estive dois anos completos na Guiné, durante a vida militar, e nunca tive a sorte de assistir a um batuque africano, mais autênticos e genuínos embora menos elaborados do que os brasileiros. Buba, onde passei mais tempo, tinha uma população reduzida, vinte ou trinta milícias fulas, (tropas auxiliares), e as respectivas mulheres, nunca ouvi falar lá de qualquer cerimônia tradicional, com música e bailado.

Em Mansabá, para onde fui acabar a comissão, havia uma tabanca grande, de mandingas oingas, mas nada recordo das suas festas ou cerimônias.

Considero os povos africanos, apesar da sua pobreza, os mais felizes da Terra, porque dentro deles parece viver a melodia e o ritmo do Universo. Reparem no brilho do olhar e no gingar dos corpos das mulheres africanas, sendo mulheres mais sintonizadas com a criação e com o movimento e com o som, que o acompanha, dos astros.

Dia de outono, frio, com chuva, triste que se derrama, com neblina próxima, quase sem se mostrar. Tempo sem flores, com folhas multicolores que cobrem as árvores caducas e se vão desprendendo para atapetar o solo, ao ritmo da passagem dos dias da estação.
O tempo mudou ainda ontem era um dia de sol claro e eu sentado na esplanada deserta do Parque da Cidade, a admirar a natureza que me envolvia, que ao despedir-se do Verão, mostrava uma imagem decadente e bela.

Sempre gostei de esplanadas desertas ou não, para companhia uma bebida com espírito e a vista duma paisagem natural, com árvores, com campos, com floresta, com rio, mar por onde a vista se alonga e todo o nosso ser entra em comunhão com todos esses elementos essenciais e primordiais.
Dias curtos e claros de Outono, em que os raios solares mais oblíquos e menos fortes dão uma luminosidade mais calma e repousante a esta quadra, que em Novembro nos avivam as saudades dos nossos mortos, das festas com eles, com os magustos, em tempo frio, a descascar e comer os bilhós quentes (castanhas descascadas) à volta da lareira, nos mata-porcos com a companhia e o calor de toda a família alargada, avós, tios e primos.

Na continuação da quadra, com o frio seco do planalto, a ser combatido pelos toros da lareira, em Dezembro, entre verdades, milagres e mitos, a religião católica trazia-nos o renascimento da vida com o Natal que festejávamos como uma verdade sagrada.

Em Janeiro, a vida continuava com o mesmo ritmo, os mesmos trabalhos, com os mesmos deuses, santos e santas dos céus que nos protegiam de todos os males e que sem festejos nos davam entrada no Novo Ano, como se entrássemos na Eternidade que nos era prometida.

Bom Natal e Bom Ano Novo, a todos os camaradas e amigos!

____________

Nota do editor

Esta é a primeira colaboração, que se espera de muitas, deste Natal de 2021.
O mote está lançado, venham mais reflexões e histórias relacionadas com os nossos natais, seja os passados na Guiné ou os vividos em família.

Guiné 61/74 - P22773: O nosso blogue como fonte de informação e conhecimento (92): O nosso camarada Serra Vaz quer fazer um estudo de toda a simbologia das Unidades Militares mobilizadas para as Campanhas de África (Mário Beja Santos / Serra Vaz)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil Inf, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 1 de Dezembro de 2021:

Caríssimo, bons dias
O Serra Vaz telefonou-me, explicou-me o que anda a fazer na heráldica militar, é matéria de que estou completamente afastado, mas acho que o blog pode contribuir.
Pensei no Coronel Pereira da Costa e no Zé Martins, seguramente que há outros camaradas que se interessem pelo estudo.
Vê se é possível fazer um apelo geral. Pedi ao camarada Serra Vaz que contactasse o Arquivo Histórico-Militar, não vejo outra instituição, talvez a Associação Portuguesa de Heráldica, mas tenho para mim que eles se dedicam mais à Heráldica da Nobreza.
Vê como podemos ajudar.

Um abraço do
Mário


********************

2. Mensagem do nosso camarada Serra Vaz, ex-Fur Mil Op Esp da CCAÇ 2335 (Madureira, Nambuangongo, Zala, Malange, 1968/70) enviada ao Mário Beja Santos:

Amigo e antigo camarada D´Armas Dr. Beja Santos

Os meus cumprimentos.
Na sequência do nosso telefonema, tal como lhe disse, sou também um antigo militar (Fur. miliciano) e actualmente na situação de reforma, dedico-me ao estudo de diversas matérias sobre a Guerra do Ultramar, sendo UMA das principais:

HERÁLDICA MILITAR. O estudo de toda a simbologia de TODAS as Unidades militares mobilizadas para os três teatros de operações das Campanhas de Africa 1961/74.

São milhares de Guiões; flâmulas; bandeiras; emblemas; crachás e também incluo o estudo das Divisas e nomes de guerra porque as duas coisas são indissociáveis: a imagem gráfica procura visualizar o sentido expresso pela Divisa, bem como, muitas vezes é esta que reforça a imagem.

Mas toda essa colorida panóplia decorativa que nós, os antigos combatentes (que nada sabíamos de heráldica) produzimos, deve ser analisada em termos de design gráfico e não como heráldica porque o não é.

Contudo ela está lá; está presente na muita influência e inspiração nas simbologias dos respectivos Regimentos mobilizadores.

Eu entendo que a investigação e o estudo destas matérias é também uma maneira de fazer Historia. É um “nicho” da história; é uma “pequena história“ ou uma “história menor", ou lá o que lhe queiram chamar, mas é HISTORIA.

Grato pela atenção dispensada, me subscrevo
Serra Vaz
E-mail:serlipe14@gmail.com
____________

Nota do editor

Último poste da série de 6 DE OUTUBRO DE 2021 > Guiné 61/74 - P22603: O nosso blogue como fonte de informação e conhecimento (91): Agradecimento da investigadora Sílvia Espírito-Santo pela colaboração dos nossos camaradas em projecto sobre o Movimeno Nacional Feminino

Guiné 61/74 - P22772: A nossa guerra em números (9): dizia-se que a velha GMC, do tempo da guerra da Coreia, gastava no CTIG "cem aos cem"... E as nossas aeronaves, o AL III, o DO-27, o C-47, o T-6 e o Fiat G-91, quanto é que "mamavam" por hora ?...


Guiné > Região de Bafatá > Bafatá > O célebre e velhinho caça-bombardeiro T6 G, tanbém conhecido por "ronco", na pista de aviação de Bafatá, Em primeiro plano, o fur mil at nf da CCAÇ 12 (Bambadinca, 1969/71) Arlindo T.Roda (, o grande fotógrafo da CCAÇ 12, juntamente com o Humberto Reis).   Os T 6G vão desempemhar um importante papel no final da guerra.... Mas eram "poupadinhos" em combustível (menos de 200 litros por hora em média), quando comparados com os "glutões" dos Fiat G-91 (c. 1800 litros em média, por hora).

Foto: © Arlindo T. Roda (2010). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné].



1. Foi,  ao ler o livro, hoje de consulta obrigatória para os estudiosos da história, economia, demografia e socioantropologia da guerra colonial (1961/74), "Os números da Guerra de África", de Pedro Marquês de Sousa (Lisboa, Guerra & Paz Editores, 2021, 379 pp.), que eu me apercebi melhor da  altamente complexa  e dispendiosa logística, mantida em África ao longo de mais de década e meia, pelas nossas Forças Armadas (Exército, Marinha e Força Aérea) (*)...

Nenhum de nós, que esteve no TO da Guiné, alguma vez procurou saber, por exemplo, quanto custava:

(i)  uma viagem de DO-27, que nos vinha trazer o correio, de Bissau aos quartéis do mato e, às vezes, transporatndo  à boleia algum de nós, no regresso da licença para gozo de férias, e levando no regresso uma mulher em hora de parto ou a precisar de urgentes cuidados hospitalares;

(ii) a proteção do helicanhão (o "lobo mau"), no regresso de uma operação com contacto com o IN, e com mortos e/ou feridos das NT;

(iii) uma helievacução, com a enfermeira paraquedista a bordo (a Arminda, a Rosa Serra, a Giselda..:);

(iii) um bombardeamento a uma base do PAIGC, pelo Fiat G-91, no interior do território ou nas regiões fronteiriças (que era o limite da sua autonomia: ia a Buruntuma mas não podia parar para "partir mantenhas" com o pessoal");

(iv) a escolta do T-6 que, por vezes, acompanhava, a "ronvar",  a viagem de uma LGD carregada de "periguitos", pelo rio Geba acima (Bissau-Xime);

(v) a descolagem e a aterragem de um avião de transporte como o Dakota, C-47...

Não,  a malta não sabia, pelo menos a rapaziada que não foi à Guiné só para "ver navios"... Também havia, no céu, aeronaves de vários tipos e feitios... E que nos davam muita confiança... quando, cá em baixo, nos começava a dar a "caguça", nomeadamente o T-6, o helicanhão e o Fiat G-91 R-4... (Já do DO-27 não gostávamos tanto, sobretudo quando se "armava em PCV")...

Mas o ten cor Pedro Marquês de Sousa, doutorado em história militar, verdadeiro "rato de biblioteca", descobriu para nós, no Arquivo Histórico da Força Aérea, dados preciosos sobre o consumo de combustível de várias aeronavas da BA 12, Bissalanca, Guiné... 

2. A partir do consumo em litros, no mês de dezembro de 1968, e do nº de horas de voo, calculámos, por nossa conta e risco, o consumo médio por hora para cada tipo de aeronave... E os resultados são surpreendentes para um leigo, como nós:

a) o helicóptero Alouette III (ou Al III) gastava menos de l litro por minuto: grosso modo, 50 litros por hora, em média;

b) o DO-27 já gastava um pouco mais: 55 litros em média, por hora;

c) o velho  Dakota, C-47, triplicava o consumo: mais de 150 litros em média, por hora;

d) a velha máquina de guerra,  o T-6,  chegava quase aos 200 litros;

e) e o "Gina", o Fiat G-91 R-4,  batia o recorde, chegava quase aos 1800 litros.

Procurei confirmar, junto dos nossos camaradas Miguel Pessoa e António Martins de Matos, antigos pilotos de Fiat G-91 R-4 (B 12, Bissalanca, 1972/74), essa informação sobre o consumo de combustível do nosso "Gina"...

E na 1ª edição do livro do António Martins de Matos (hoje ten gen PilaAv ref), "Voando sobre um ninho de ' strelas' " (Lsboa, BooksFactory, 2018), pág. 67), lá vai a especificação técnica que eu procurava:

"O avião  era abastecido com 3.600 libras (1.800 litros) de combustível. Como regra geral os pilotos contabilizavam à volta de 1.000 libras para o pôr em marcha, rolar, descolar e subir, 600 libras até ao local, outras 1.000 libras para o regresso, o que sobrava era o tempo (combustível) que se podia utilizar na zona de operação" (pág. 67). 

E acrescenta: 

"No ponto mais afastado da Base (região de Buruntuma) e sem depósitos exteriores, o tempo que se podia estar sobre o objetivo era...zero".

O peso vazio do "Gina" era de 2 mil kg e o máximo à descolagam eram 4,7 mil kg (pág. 59). As missões  desta aeronave eram "quase sempre missões de combate": preparadas (ATIP), em reconhecimento (ATIR) ou em alerta (ATAP). A autonomia variava emtre os 55 minutos (sem "droptanks", os tanques exteriores de combustível) e a hora e meia (com "droptanks"). (pág. 65).

Podemos ainda concluir que, com 31 areonaves no ar, a BA 12, Bissalanca, gastou, em dezembro de 1968, cerca de 344 mil litros de combustível (Vd. quadro acima).

À face destes números, quem diria que o AL III era "uma arma cara" ("15 contos por hora") ?... A frase consta do relatório do comandante da Op Lança Afiada (,Sector L1, Bambadinca, março de 1969), o então cor inf Hélio Felgas (**).

Infelizmente, não temos dados globais sobre o consumo de combustível pela FAP nos três teatros de operações. Mas temos para Angola, por exemplo: diz o Pedro Marquês de Sousa, que "para as operações aéreas em Angola, a Força Aérea gastava todos os meses quase 1 milhão  e 200 litros de combustível"... 

Por outro lado,  e devido ao seu uso frequente, em Angola, o  helicóptero tinha um custo de 12 contos por hora, de acordo com dados do planeamento da Força Aérea (pág.313). 

Aqui a FAP gastava, em média, 7 mil contos só com combustível, no início da década de 1970 (, 2 milhões de euros a preços de hoje)... Sem contar com o custo das munições (balas, foguetes, bombas) que, "no caso das missões de ataque ao solo", representavam "70% a 80%  do custo total da operação" (pág. 313).

Como seria de esperar, o consumo de combustível para as aeronaves da FAP (e dos TAM)  foi aumentando com o decurso da guerra, com os inerentes custos... E com a crise petrolífera de 1973 devem-se ter agravado, nomeadamente os custos...
______________

Notas do editor:

(**) Vd. poste de 3 de dezembro de  2008 > Guiné 63/74 - P3557: Controvérsias (16): Eu, Jorge Félix, ex-Pilav de helis, a Op Lança Afiada e a honra da nossa Força Aérea

Guiné 61/74 - P22771: Parabéns a você (2010): Herlânder Simões, ex-Fur Mil Art da CART 2771 e CCAÇ 3477 (Nova Sintra, Guileje e Nhacra, 1970/72)

____________

Nota do editor

Último poste da série de 1 de Dezembro de 2021 > Guiné 61/74 - P22767: Parabéns a você (2009): Ernestino Caniço, ex-Alf Mil Cav, CMDT do Pel Rec Daimler 2208 (Mansoa e Mansabá) e Rep ACAP (Bissau) (1970/71)

quarta-feira, 1 de dezembro de 2021

Guiné 61/74 - P22770: Efemérides (359): o 1º de Dezembro, as bandas filarmónicas e o patriotismo de ontem e de hoje...



Lisboa > Av da Liberdade > 1 de dezembro de 2017 >   6.º Desfile Nacional de Bandas Filarmónicas > Uma representação da banda da AMAL - Associação Musical e Artística Lourinhanense, cuja origem remonta a 1878: da esquerda para a direita, Pedro Margarido, presidente da União das Freguesias da Lourinhã e Atalaia; Paulo José de Sousa Torres,  diretor da AMAL (e meu primo em 3.º grau)  e a nossa grã-tabanqueira Alice Carneiro... O puto é o "porta-estandarte" da AMAL que tem uma escola de música e um grupo de teatro...

Foto (e legenda): © Luís Graça (2017). Todos os direitos reservados. [Edição: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]





Brasão da SEA - Sociedade Euterpe Alhandrense, Alhandra. Diversas bandas filarmónicas por esse país fora foram criadas no 1º de dezembro (ou em homenagem ao 1º de dezembro): por exemplo,  Alhandra, Alpiarça, Atouguia da Baleia (Peniche), Azinhaga do Ribatejo (Golegã), Cuba, Encarnação (Mafra), Moncarapacho (Olhão), Montijo, Nossa Sra. das Misericórdias (Ourém), Pragança (Cadaval) ...  As bandas filarmónicas foram (e ainda são) "sociedades de recreio" mas também escolas de educação musical, artística e cívica... Em 2013 existiam 720 bandas filarmónicas, muitas delas centenárias.

1. Este ano, e devido ao agravamento da situação sanitária provocada pela 5ª vaga da pandemia de COVID-19, não haverá o já tradicional "Desfile Nacional de Bandas Filarmónicas 1º de Dezembro", integrado nas comemorações do Dia da Independência, e que estava previsto para Lisboa.  Já o ano passado não se realizara, pelos mesmos motivos.

Estava previsto realizar-se hoje o 9.º Desfile Nacional de Bandas Filarmónicas, mesmo com um número  reduzido de bandas participantes (19, por comparação com as 37 que atuaram em 2019, espectáulo que teve transmissão direta pela RTP), e juntando músicos de várias gerações e dos mais diversos pontos do país. A saúde pública falou mais alto.

É uma evento organizada pelo Movimento 1º de Dezembro, Câmara Municipal de Lisboa e EGEAC, em parceria com a RTP. O 1º Desfile foi em 2012. Recorde-se que nessa altura  houve diversas reações da sociedade civil  em resposta à eliminação do feriado civil do dia 1 de Dezembro, determinada pela Lei nº 23/2012, de 25 de Junho de 2012.Dessas reações nasceu, por exemplo,  o Movimento 1º de Dezembro.

O desfile, entre a Avenida da Liberdade e a Praça dos Restauradores, juntando sempre para cima de 1500 músicos e mais de 3 dezenas de bandas, acaba com a interpretação final e conjunta, na Praça dos Restauradores, dos 3 hinos patrióticos, o Hino da Restauração, o Hino da Maria da Fonte e o Hino Nacional.

2. O nosso editor LG tem acarinhado, no nosso blogue, esta iniciativa (e outras mais antigas), sobretudo pelas suas recordações desta efeméride, que remontam à sua infância. Mesmo sem música, podemos recordar aqui alguns comentários que foram sendo deixados nos diversos postes (*):

(i) Tabanca Grande Luís Graça (Poste P18033)

Era uma festa, o 1º de dezembro, na minha vila da Lourinhã . Primeiro, porque era feriado, não se ia à escola, e segundo, porque a filarmónica local  (, fndadada em 2 de janeiro de 1878) percorria as ruas principais, com o povo e os putos atrás... Era um tradição que já vinha da Monarquia Constitucional, da República e que se manteve no tempo do Estado Novo... Como não sabíamos a letra do hino da restauração, cantarolávamos: "Ó Tí Zé da pêra branca"...

1 de dezembro de 2017 às 11:24

Vou ter o prazer de ver a banda da minha infãncia, a AMAL Associação Musical e Artística Lourinhanense, participar hoje. na Av da Liberdade, em Lisboa, na 6ª Desfile Nacional de Bandas Filarmónica...

É um banda centenária, fundada em 1878... Creio que é a 1ª vez que vemn a este desfile...

https://blogueforanadaevaotres.blogspot.pt/2017/11/guine-6174-p18029-agenda-cultural-614.html

1 de dezembro de 2017 às 12:04

(ii) Mário Vitorino Gaspar (Poste P18033)

O 1.º de Dezembro na vila de Alhandra é celebrado desde as 6/7 horas. A Banda Filarmónica da SEA (, Sociedade Euterpe Alhandrense, fundada em 1/12/1861) percorre toda a vila e presta Homenagens a todas as colectividades da terra. Curiosamente,  quase todas foram fundadas a 1 de Dezembro. Em cada sede tocam e sobem os músicos para beberem um copo. 

Todo o trabalhador acorda, tenha estado ou não de serviço durante a noite.  E os putos acompanhavam a Banda. Para a criançada da minha época a letra era: - "Tu não queres é trabalhar... Tum, tum, tum...". Gostaria de ter sido acordado em Gadamael com esta letra...

1 de dezembro de 2017 às 18:22 

(iii) César Dias  (Poste P18033)

Tinha 12/13 anos, no dia 1º de dezembro lá estavam as escolas da Grande Lisboa, representadas nos Restauradores, devidamente perfiladas com os uniformes da Mocidade Portuguesa, cantando o hino da Restauração.

Eram 4 horas difíceis para a rapaziada que nem podia arredar pé para as necessidades, daí os charcos q
ue se viam na Praça depois do toque de destroçar. Outros tempos.

(iv) Luís Graça (Poste  P18047)

Estive, como é habitual, nos Restauradores no desfile nacional de bandas filarmónicas, no 1º de dezembro, gosto que me vem da infância, quando seguia, atrás da banda local, agarrado ao capote do meu pai, pelas ruas da então vilória da Lourinhã, parodiando a letra do hino da 

Restauração: "Ó ti Zé da Pera Branca..., pum, pum, pum..."

Ao meu lado estava um casal de turistas, dinamarqueses, com ar de reformados, pessoas viajadas, instalados num hotel da Av da Liberdade... Metemo-nos à conversa, em inglês... Eles estavam encantados com toda esta movimentação de bandas filarmónicas e sobretudo com as crianças, os putos, muito compenetrados do seu papel, que compunham muitas das bandas... Foi um festival de alegria, juventude e saudável patriotismo... Os dinamarqueses, que adoram Portugal mais do que Espanha, diziam-me que no seu país (que eu, de resto, admiro) não havia nada disto...

(v) Luís Graça (excerto do poste P18047)

(...) Afinal, o que é ser hoje português? E o patriotismo, ainda existe e faz sentido? Pode ser uma reflexão (idiota) de um homem que um dia vestiu a farda do exército português para ir "defender a Pátria" a milhares de quilómetros de casa... Na Guiné, em 1969/71...

Qual a diferença e semelhança entre mim e os meus antepassados que lutaram na "guerra da restauração" (1640-1668), na sequência da rutura com a "monarquia dual" sob a qual Portugal viveu (entre 1580 e 1640), o mesmo é dizer sob o domínio do ramo espanhol da casa de Habsburgo.

Se a geração que fez a guerra colonial (1961/74) tivesse nascido por volta de 1620, teria lutado contra a Espanha dos Filipes em inúmeras batalhas por ex., Cerco de São Filipe (1641-1642); Montijo (1644); Arronches (1653); Linhas de Elvas (1659); Ameixial (1663); Castelo Rodrigo (1664); Montes Claros (1665); Berlengas (1666)... Mas também contra os holandeses no Brasil, em Angola, em São Tomé e Príncipe].

Que custo tem a independência de um país? O que é hoje ser independente? O que ganharam os aliados que nos apoiaram, e nomeadamente os ingleses? Sabemos que os ingleses ganharam um império e a autoestrada da globalização que lhes permitiu ser o 1.º país industrial do mundo... E os holandeses ocuparam boa parte das posições portuguesas na Ásia...

Não há alianças grátis...nem inimigos de borla... E nesse tempo, os portugueses tiveram mais sorte do que os catalães, debaixo da pata dos Filipes, como nós... Sorte?... Foi apenas a sorte 
das armas? (...) (**)

___________

Notas do editor:

(*) Vd. postes de:


1 de dezembro de 2016 > Guiné 63/74 - P16784: Agenda cultural (525): comemoração do 1º de dezembro: 5º Desfile Nacional de Bandas Filarmónicas: Lisboa, av da Liberdade, hoje , a partir das 15h: 1600 músicos, 35 bandas e agrupamentos de todo o país... Desfile culmina com a interpretação conjunta de 3 hinos patrióticos, Maria da Fonte, Restauração e Nacional

1 de dezembro de 2013 > Guiné 63/74 - P12374: Agenda cultural (297): Comemorações do 1º de Dezembro, em Lisboa, na Av Liberdade, 14h30: 18 bandas filarmónicas e mais de mil músicos em desfile, culminando na interpretação conjunta de 3 hinos patrióticos, Maria da Fonte, Restauração e Nacional