sábado, 24 de setembro de 2011

Guiné 63/74 - P8817: Os Nossos Seres, Saberes e Lazeres (33): Um dia de Verão na Serra de Sintra (Felismina Costa)

 
1. Mensagem da nossa amiga e tertuliana Felismina Costa *, com data de 21 de Setembro de 2011:

Boa noite Editor e Amigo Carlos Vinhal
É apenas o registo de alguns momentos deste meu dia. Um dia emocionante, porque a emoção é uma companheira permanente na minha vida.
Aliás, a vida... emociona-me permanentemente!
Quando olho à minha volta, tudo me transcende. Tudo me merece admiração e respeito.

Se achar que não vale a pena ser editado, ignore simplesmente.

Um abraço fraterno e os meus agradecimentos pela sua paciência.
Felismina Costa



Recanto da Serra de Sintra, em dia Invernoso, que fotografei em 2009
Foto: © Felismina Costa (2011) / Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné. Todos os direitos reservados.


Termina o Verão de 2011

O dia esteve fabuloso, de uma luminosidade fantástica!
Porque estou de férias, aproveitei a manhã, e, numa calma gostosa e descontraída, saí para viver o meu dia e olhar, com olhos de ver, cada pedra e relevo do meu Bairro.
Ao fundo da Rua cidade de Bruxelas, neste bairro onde habito há tantos anos, desfruto de uma vista maravilhosa sobre a serra de Sintra!
Ao longe, a uns dez quilómetros de distância, ela insinua-se alongada e assimétrica:

À sua direita, oferece-nos a visão fantástica do Palácio Nacional da Pena, que representa, segundo a wikipédia, (uma das melhores expressões do romantismo arquitectónico do século dezanove, no mundo.) Tão gostoso de ver, mesmo a esta distância, promovendo a visão imaginária de quem o habitou inicialmente.
Na sua assimetria, a serra, vista daqui, evidência relevos maternais, grandes seios, onde o sol se esconde ao fim do dia, e que eu, encantada, venho observar com frequência, feliz por poder fazê-lo.
Mas, hoje de manhã, desci a rua, fiz o pequeno circuito de manutenção (Abel dos Santos) e desci mais uma vez até à Ribeira. Havia uma paz, um sossego provinciano, difícil de imaginar por estas paragens!
Aspirei fundo a manhã gostosa!
Sorri para as árvores, para a relva molhada pela rega matinal, para as aves felizes nas margens da ribeira!
Olhei o céu…deslumbrada! Nem uma pequena nuvem se atreveu a manchar aquele azul velho, que todo o dia esteve em exposição permanente!

Sentei-me na esplanada. Pedi um sumo de fruta, peguei num livro que o Agostinho Gaspar teve a gentileza de me enviar, intitulado: (A Mulher nas Malhas da Guerra Colonial) de Ana Bela Vinagre… e li. Digo-vos, as primeiras páginas, parecia ter sido eu a escrevê-las. Tão fiel está a descrição do que vivi e senti, quanto à guerra, e a toda a realidade contextual.
Arrepiei-me. Tive medo da emoção, por ter encontrado descrito com exactidão o que vivenciei. O tempo em que cresci. Foi… como se tivesse voltado… aquele tempo, vivendo todas aquelas realidades, saudosa apenas da família que tive, da infância e juventude que tive, do que perdi… Foi como uma viagem ao passado, a preto e branco. Senti frio, no dia quente.
Reagi. Fechei o livro, para ganhar ânimo, para continuar a lê-lo. Amanhã vou continuar a leitura.
Fechei na página 72.

Encetei o regresso casa. A meio do percurso, encontrei uma grande amiga e um enorme sorriso no rosto de cada uma e os braços abertos, expressando a alegria do encontro, foi um lenitivo fabuloso. Marcamos encontro amanhã no Shopping às 9h30 para tomar juntas o pequeno almoço e falarmos um pouco do que nos preocupa e nos alegra.

Ao final do dia, voltei novamente à Rua Cidade de Bruxelas. Não perdia por nada o espectáculo. Sentei-me numa pedra do rústico e pequeno jardim ali existente e esperei, que aquela bola única, descendo sobre a serra, se escondesse brilhando entre os seios da Terra-Mãe.
Senti uma paz única!
Sorri sozinha, emocionada, agradecida.
A serra ficou na penumbra. Tranquila, como uma mãe que aconchega os filhos ao fim do dia e os vê dormir sob a sua protecção…

Que grande dia, que fechou mais um verão das nossas vidas!
Nem uma folha bulia e a temperatura entre os vinte cinco, vinte e sete graus, convidavam a passear, a olhar a noite, que vinha a caminho, grande, misteriosa e sabedora.

Felismina Costa
Agualva, 21 de Setembro de 2011
____________

Notas de CV:

(*) Vd. poste de 14 de Agosto de 2011 > Guiné 63/74 - P8669: Efemérides (54): 104.º aniversário de Miguel Torga (Felismina Costa)

Vd. último poste da série de 23 de Julho de 2011 > Guiné 63/74 - P8595: Os Nossos Seres, Saberes e Lazeres (32): Hoje almocei com o Joaquim Gaspar (Joaquim Mexia Alves)

Guiné 63/74 - P8816: Filhos do Vento (2): Duas mães que eu conheci: Binta de Chamarra e Binta Bobo de Mampatá (José Teixeira)

1. Em mensagem do dia 21 de Setembro de 2011, o nosso camarada José Teixeira* (ex-1.º Cabo Enf.º da CCAÇ 2381, Buba, Quebo, Mampatá e Empada, 1968/70), fala-nos de alguns filhos do Vento que conheceu.



A Binta Bobo é a garota mais pequena
Foto (editada por Carlos Vinhal) e legenda: © José Teixeira (2011) / Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné. Todos os direitos reservados



Filhos do Vento

A Binta Bobo era uma criança de 8/9 anos quando eu andei por Mampatá em 1968. Era uma das muitas crianças com eu passava parte do meu tempo brincando. Uma forma agradável de passar o tempo, uma forma de ser e estar que ainda hoje gosto de praticar.

Em 2005 estando eu no Saltinho, perguntei por outra Binta, minha conhecida, esta oriunda da Chamarra, mulher casada, que engravidou de um camarada meu, foi repudiada pelo marido e foi expulsa da comunidade local, tendo ir viver para Aldeia Formosa, segundo soube mais tarde pelo Mudé Embaló, já falecido.

Tentei saber o que se tinha passado com ela e sobre o filho, junto de amigos de outrora comuns. Tanto quanto me disseram, continuava em Aldeia Formosa, mas... evitaram conversar sobre ela e o seu filho. Todo o militar que estava na Chamarra sabe quem é o pai, menos este, segundo parece e faz crer.

A minha amiguinha Binta Bobo de Mampatá, também teve um filho de branco em 1974. Ela foi repudiada e afastada da comunidade, A Binta morreu uns anos depois e a família dela, a família Baldé de Mampatá, tomou conta da criança. O miúdo cresceu, tornou-se um homem. Veio ter comigo, queria que lhe desse a morada do pai em Portugal, pessoa que eu não conhecia, pois quando estive em Mampatá a sua mãe ainda era uma criança. Também lá em Mampatá toda a gente diz saber quem é o pai. Se é quem dizem já lá voltou, mas...

Uns dias depois, estava já no Aeroporto de Bissalanca à espera do embarque para Lisboa, quando conheci mais um “filho do Vento”. Este teve a sorte de conseguir singrar na vida. Só gostava de conhecer o pai...

Sabia que morou nos arredores do Porto. Uma irmão do pai soube da existência do miúdo, correspondeu-se com a mãe e apoiou-a durante uns anos. Depois desapareceu. Parece que notícias diretas do pai nunca teve. O que sabia foi-lhe contado pela mãe, em resultado da ligação desta com a tia, mas o grande sonho deste jovem era só e apenas conhecer o pai.

Ainda procurei localizar o pai na Junta de Freguesia indicada pelo jovem, mas não constava no rol de residentes.

José Teixeira
____________

Notas de CV:

(*) Vd. poste de 20 de Julho de 2011 > Guiné 63/74 - P8581: Ser solidário (112): Torneio Uma Gota de Água Para a Guiné-Bissau (José Teixeira)

Vd. primeiro poste da série de 23 de Setembro de 2011 > Guiné 63/74 - P8813: Filhos do Vento (1): Nem branquear os casos nem culpabilizar ninguém (José Saúde)

Guiné 63/74 - P8815: História do BCAÇ 4612/72 (Mansoa, 1972/74): Encontros e reencontros com o PAIGC, de 1 de Maio a 31 de Julho de 1974 (Parte III) (Jorge Canhão)








Ilustrações retiradas da História do BCAÇ 4612/72 (Mansoa, 1972/74).



Imagens: Cortesia de  Jorge Canhão (2011).



[ Selecção / edição / introdução e legendagem / Ortografia de acordo com o Novo Acordo: L.G.] 


1.   Terceira (e última) parte do excerto da História do BCAÇ 4612/72 (Mansoa, 1972/74),  relativo aos últimos três meses da sua comissão de serviço no TO da Guiné: Maio, Junho e Julho de 1974.

Neste último mês, foi transferida, para o BCAÇ 4612/74, a responsabilidade pelo setor de Mansoa. Por outro lado, ficamos a saber que,  em 19 de Julho de 1974, o PAIGC abriu uma delegação em Mansoa. Há uma série de "reuniões de esclarecimento" com a população e as milícias locais que, aparentemente, decorrem num "ambiente de grande cordialidade". 

O batalhão, que regressa Portugal em finais de Agosto de 1974, deixa "obra feita" em Mansoa (estrada Jugudul-Bambadinca,  e uma série de reordenamentos). A estrada de Jugudul-Bambadinca,  numa extensão de 24,2 Km, foi feita, no entanto, com "sangue, suor e lágrimas"  (*). (LG)
 _________________

Nota do editor:

Último poste da série > 19 de Setembro de 2011 > Guiné 63/74 - P8796: História do BCAÇ 4612/72 (Mansoa, 1972/74): Encontros e reencontros com o PAIGC, de 1 de Maio a 31 de Julho de 1974 (Parte II) (Jorge Canhão)

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Guiné 63/74 - P8814: Agenda Cultural (157): Apresentação do livro De Campo em Campo, de Norberto Tavares de Carvalho, dia 24 de Setembro de 2011, pelas 16 horas na UNICEPE, Porto

1. A pedido do presidente da direcção da Unicepe, que é seu amigo, o nosso camarada Vítor Junqueira (ex-alferes miliciano da CCAÇ 2753, Madina Fula, Bironque, Saliquinhedim/K3, Mansabá , 1970/72) , em mensagem de hoje, 23 de Setembro de 2011, deu-nos conta da apresentação do livro De Campo em Campo, de autoria de Norberto Tavares de Carvalho, no próximo sábado 24 de Setembro, na cidade do Porto.

Passamos a dar notícia, baseados em elementos fornecidos pela editora. E saudamos o aparecimento do nosso camarigo Vitor Junqueira de quem há muito não tínhamos notícia.


Apresentação do livro De Campo em Campo, de Norberto Tavares de Carvalho,  dia 24 de Setembro de 2011, pelas 16 horas, na UNICEPE - Cooperativa Livreira de Estudantes do Porto, CRL, Praça de Carlos Alberto, 128-A.


DE CAMPO EM CAMPO, de Norberto Tavares de Carvalho


Trata-se de uma empolgante narrativa da guerra colonial, por alguém que a viveu de corpo e alma, do primeiro ao último momento. Futebolista nato, Bobo Keita cruzou-se no estrangeiro com o Presidente Kwame Nkrumah, do Gana, do qual ouviu a mensagem que o preparou para os lances que iria efectuar no campo político. Respondendo ao apelo de Amílcar Cabral, foi com elegância e convicção que fez a sua preparação militar num país do ex-bloco comunista.

Calculista, cedo entendeu que os amuletos não passavam de meras fantasias e passou a interessar-se pelos conhecimentos e técnicas mais ligados à lógica. "Não ouves o zumbido da bala que te ceifa a vida porque a sua velocidade é superior à do som."

Foi assim que o ex-futebolista se formou como militar no emaranhado de trepadeiras e lianas que formam o traiçoeiro solo da Guiné-Bissau. Lutou no Norte e no Leste, comeu ratos e macacos, bateu-se como um leão, foi ferido mas nunca perdeu o ânimo. Sobretudo depois da morte de Cabral.

Último Comandante a entrevistar-se com o Amílcar Cabral poucas horas antes da sua morte, Bobo Keita participou na captura do assassino e na libertação de Aristides Pereira.  Por outro lado, o domínio aéreo, outrora da exclusividade do exército português,  foi posto em causa, logo a seguir,  com o míssil Strela e o Grad, na primavera de 1973. 

A morte do líder viria a intensificar os campos de batalha até que, no dia 25 de Abril de 1974, deu-se o golpe de estado em Portugal, antecedente lógico que permitiu o desanuviamento tanto esperado.

Membro da delegação do PAIGC que participou nas negociações de Londres e de Argel, Bobo Keita afirma que o ambiente entre as duas delegações não foram sempre tão cordiais como se pretendeu. Para ilustrar um desses momentos de tensão, foi quando perante um impasse a delegação do PAIGC anunciou que ia regressar e retomar a guerra. O Dr Mário Soares teria elevado a voz,  frisando bem alto: "Guerra, guerra, vocês só pensam na guerra...!".

Com a assinatura dos Acordos de Argel, os homens de Cabral regressaram efectivamente mas para preparar a fase de transição da retirada do exército português. Foi assim que, no dia 13 de Outubro de 1974, Bobo Keita escoltava, com o devido brio e respeito, o último Governador Colonial da Guiné, o Brigadeiro Carlos Fabião que ia apanhar o avião que o conduziria a Portugal. A cena marcou o fim da guerra colonial na Guiné e também o fim desta empolgante narrativa. (Fonte: Adapt. de Unicepe)


O Autor (segundo ele próprio)

Nasci na Guiné-Bissau onde fiz os meus estudos primários, secundários e universitários. Em Novembro de 1972, estudantes travaram-se de razões com o General António de Spínola. Pus-me logo à cabeça do movimento. Do palácio do Governador fui conduzido à prisão da PIDE/DGS. Solto, criei a minha célula juvenil paralelamente às minhas actividades no seio de militantes do PAIGC que operavam em Bissau. Preso em Maio de 1973, fui condenado a 3 anos de trabalhos forçados. O "25 de Abril" restituiu-me a liberdade. Pude então dar corpo às minhas tendências poéticas e literárias. Participei na primeira Antologia dos poetas da Guiné-Bissau. Chefe do Departamento da Cultura da Juventude Africana Amílcar Cabral (1977-1980), Chefe dos Serviços da Migração (1978-1980), fui preso na sequência do golpe de estado do 14 de Novembro de 1980 na Guiné-Bissau. Após 36 meses de isolamento e 6 meses de trabalhos forçados, fui libertado. Com o pretexto de retomar os meus estudos universitários interrompidos, em 1983 abandonei o meu país e emigrei-me para a Suiça. Diplomado no Instituto dos Altos Estudos Especializados de Genebra, professor e Master Europeu em Mediação, trabalho como funcionário e faço parte da lista dos Mediadores Civis do Estado de Genebra. Sou fundamentalmente Combatente da Liberdade da Pátria.

(Fonte: Unicepe)

************

UNICEPE - Cooperativa Livreira de Estudantes do Porto, CRL
Praça de Carlos Alberto, 128-A
4050-159 PORTO
Telefone (351) 222 056 660
Unicepe@net.novis.pt
http://www.unicepe.com
____________

Nota de CV:

Vd. último poste da série de 22 de Setembro de 2011 > Guiné 63/74 - P8805: Agenda Cultural (156): Exibição do filme Quem vai à Guerra, de Marta Pessoa, dia 30 de Setembro de 2011 no Centro Cultural da Malaposta, Olival Basto

Guiné 63/74 - P8813: Filhos do Vento (1): Nem branquear os casos nem culpabilizar ninguém (José Saúde)

1. Mensagem do nosso camarada José Saúde [ex-Fur Mil Op Esp,

Data: 21 de Setembro de 2011 22:01

Assunto: "Filhos do Vento"

Meu caro Luís!

"Filhos do Vento" é o princípio de um tema por mim lançado à opinião pública (*) quando em causa está justamente os muitos "desvarios" que a guerra de África proporcionou. 

Ninguém, ou quase ninguém, passa impune a uma realidade que nos foi sobejamente conhecida. Não fui e não fomos anjos imaculados. Não vamos é branquear verdades adquiridas. Consumadas. 

O momento não passa pela culpabilização daqueles que,  num acto sexual,  não meditaram as causas subsequentes. Imputar responsabilidades "às cabeças de vento", penso, ser um tema perverso. Importante é trazer à discussão factos conhecidos. Reais. 

Sou de opinião que a temática tem estatuto para uma ampla discussão. Procurar, e saber, presenças humanas onde o fenómeno se consumou. Conhecer mulheres "usadas" sexualmente num clima de guerra; crianças, hoje adultas, frutos desses encontros amorosos; militares que partiram, e jamais voltaram, mas que esvaziaram cromossomas em vaginas completamente desprotegidas. Enfim, um conjuntos de adjectivações por enquanto sem resposta. 

Vamos erguer, isso sim, bem alto,  o tema e aceitar, em parte, a quota parte de responsabilidade que nos cabe. Só assim, e todos em uníssono, chegaremos a viabilidades plausíveis. Não podemos, tão pouco devemos, branquear um assunto deveras melindroso mas... verdadeiro. 

Força, o tempo não é para jogar a toalha ao chão mas sobretudo para trazer à ribalta os muitos "Filhos do Vento" espalhados por este mundo fora.

Um abraço,
José Saúde

2. Mensagem do editor do blogue, Luís Graça, enviado internamente a todos os amigos e camaradas da Guiné que integram a Tabanca Grande, em  20 do corrente:

Apelo que circulou hoje, internamente, pela Tabanca Grande,  também publicado como comentário ao poste P8799 (**):


Camaradas: Quantas crianças mestiças, cuja paternidade era imputada a militares, "tugas", vocês conheceram, nos anos e nos sítios por onde andaram na Guiné, entre 1959 e 1974 ?...


Em Bambadinca, Bafatá, Nova Lamego, Teixeira Pinto, Mansoa, Bolama, Bissau, Buba, Bedanda, e por aí fora... Precisam-se histórias e testemunhos... Em meio milhar de membros da Tabanca Grande, vamos arranjar material para meia dúzia de postes ?


Eu sei que o tema é delicado, devendo nós ter o cuidado de preservar/proteger a identidade de pais e crianças... Em caso algum o nosso blogue pode ser usado para fazer "investigações de paternidade"...


Um abraço. Luis Graça


 __________________

Nota do editor:

(*) Vd. poste de 19 de Setembro de 2011 > Guiné 63/74 - P8798: Memórias de Gabú (José Saúde) (3): reflexos de uma guerra que deixou marcas no tempo: “Filhos do vento”

(**) Vd. poste de 20 de Setembro de 2011 >  Guiné 63/74 - P8799: (In)citações (36): Filhos do vento, ontem, brancu mpelélé, hoje (Cherno Baldé)

Guiné 63/74 - P8812: Notas de leitura (276): Ultrajes na Guerra Colonial, de Leonel Olhero (Mário Beja Santos)

1. Mensagem de Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, Comandante do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 7 de Setembro de 2011:

Queridos amigos,
Foi uma das minhas leituras de férias e confesso que me provocou um tremendo desassossego. Em conversa telefónica com o autor, não lhe escondi que estava estarrecido pela gravidade dos actos que ele imputa a Salgueiro Maia, na Guiné.
Declarou-me ter testemunhos e estar pronto a revelá-los a quem lhos solicitar. Independentemente destas declarações chocantes, há ali parágrafos indispensáveis, confissões de um náufrago mas também de uma pessoa profundamente zangada, sobretudo com os superiores, pronta e exibir a público aquilo que ele denomina o seu passado atroz e irreal.
O livro está profusamente ilustrado.

Um abraço do
Mário


Ultrajes na guerra colonial

Beja Santos

“Ultrajes na Guerra Colonial – Reminiscências de furriel de cavalaria”, por Leonel Olhero é uma edição de autor (contactos: 229 742 093, leonelolhero@gmail.com e 965 269 288), baseia-se num diário de alguém que nasceu em Aveçãozinho, Vila Real, e nesta estação de caminho-de-ferro partiu em 11 de Janeiro de 1971 para as Caldas da Rainha, daqui para Santarém, nova estação no Porto, seguindo-se embarque no Uíge, o autor irá narrar as suas deambulações num Esquadrão Panhard, essencialmente em Bula e na circunvizinhança. É uma literatura memorial por vezes cáustica, Leonel Olhero não esconde muitas zangas e azedumes, deixa-nos alguns parágrafos belíssimos e em dado momento atira uma revelação que seguramente irá aqui suscitar larga controvérsia, ao descrever um acto torcionário e um homicídio que ele atribui à figura iconográfica de Salgueiro Maia. Vamos por partes.

No princípio, temos o transmontano que se adapta a custo à engrenagem militar, há para ali muitas saudades do Marão e um somatório de bonomia: “Nas Caldas da Rainha conheci os senhores Cross, Galho, Pórtico e Paliçada, que me deram cabo da paciência. A dona G-3, de quem aprendi a não me separar. A menina Parada, de má memória, porque nela perdi pedaços da minha rica vida. O menino Pré, demasiado económico e muito forreta, um safado!, um sem vergonha”. Sentiu-se malquistado em Santarém, há ali um bom número de reparos a cavalgaduras e cretinices. Aqui estudou blindados Panhard, Daimler, Chaimite e Fox. Seguiu para Cavalaria 6 no Porto, é aqui que lhe dão guia de marcha para Cavalaria 7 em Lisboa e em 25 de Agosto ruma para a Guiné.

Torna-se num dos sargentos do Esquadrão Panhard 3432. Atravessa o Mansoa em João Landim e chega e Bula. Em Setembro é destacado para Nhamate, passam por Binar que ele classifica por estéril povoado e lá chegam a Nhamate, definido como lugar ermo e triste onde a vida era irreal e todos cediam o corpo à morte: “Em Nhamate a vida corroía-se-me lenta, o meu relógio não andava e tudo me era vago. E era assim que, naquele tédio, um homem se fazia à morte. Deslumbrantes pores-do-sol arquitectavam-nos ausências e sentenciavam-nos a penosos silêncios recônditos e melancólicos”. Descobre que a natureza estava viva, sente o empanturramento de horas preguiçosas, deslumbra-se uma trovoada tropical: “Uma trovoada, com carácter primitivo e sagrado, apavorou-nos. Receoso, o sol estremeceu de inquietação e correu a esconder-se. Numa embriaguez de luzes, relâmpagos cintilaram em ziguezagues de fogo, bateram nas trevas e apanharam relâmpagos em resposta. De alto a baixo, raios riscaram rasgando fundo os céus. Irrequietos, os trovões estalaram implacáveis vibrando de tronco em tronco e em cada folha, assustando aves e ribombando pelos caminhos do céu imenso num estampido ensurdecedor, enquanto que o vento, carregado dos cheiros da terra e do odor da selva, bradou com fúria e em rajadas hirtas e tudo impeliu numa maluca confusão”.

É numa viagem num sintex, quando foi a Bula buscar salários, que Olhero nos dá uma descrição de grande beleza, que mais realça pela contenção dos adjectivos: “Para lá das desviadas margens, num sussurro, naquele rio largo como uma promessa via-se água que penetrava na brumosa mata de onde, desafiando nos céus altas fasquias, se erguiam crescidas e seculares árvores. Por causa das investidas da nossa artilharia, com olhos cansados de procurar, vi cepos definhados com galhos despidos e rasgados. Braços vegetais abertos que nos desejariam abraçar e onde poisavam centenas de colónias de coloridos periquitos (…) Na tona da água bandos de periquitos de rabo de junco rasavam, chispavam à nossa passagem e rabiscavam hieróglifos (…) Inumeráveis abutres repugnantes e agoirentos que poisavam nos poleiros altos da sossegada e densa ramagem, alteavam-se impassíveis, estremecendo penosamente as enormes e aborrecidas asas. Alguns, mais tímidos, alavam para o escuro daquele tão intemporal bosque e ali ficavam à espera de olhos tristes e adiados”. E fiquemos com esta pálida amostra de uma linda viagem de sintex que até hoje não tinha lido, é cativante o deslumbramento do autor por tudo quando capta neste rio. Desforra-se a apanhar rolas, assim melhora o rancho, sempre tão igual na sua sopa do costume e arroz cozido com rodelas de salsicha.

E de Nhamate volta a Bula, começa o rosário de escoltas, Binar, São Vicente, Có, Teixeira Pinto ou Pelundo são algumas metas obrigatórias. De vez em quando vai a Bissau, no Pidjiquiti encontra o Zé Luís, empregado do café A Brasileira, em Vila Real. E assim chegamos a 1972. Há lá muita bebedeira em Bula, maledicência, gente quezilenta, ouvem-se flagelações, chegou a hora das perdas humanas, seguem-se férias na metrópole.

No regresso, temos o ramerrão em Bula, com colunas dentro do sector. Em Outubro, Olhero conhece Fatu Camará, chegou o momento de doces recordações eróticas. Estamos em Novembro, altura em que Salgueiro Maia terá descoberto um falso caçador que andaria à procura de o emboscar. E ele escreve como o Capitão de Abril desaferrolhou a língua do preso: “Mandou que se pusesse em cima de uma chapa de zinco, de onde saiam fios metálicos ligados ao motor de um Unimog e depois, com um ar de triunfo de galo de combate, num divertido vozeirão, disse a um seu militar: Dá à chave! Satisfeito da vida, meliante e cínico consigo próprio, o soldado cumpriu e o preto saltou! E saltou! E Saltou, cada vez mais alto. Enquanto bradava: pára, capitão! Pára, capitão! Pára, capitão! E a chave, envergonhada, girou; para alívio do preto que, a tremer e a destilar e num suor pingado ainda mostrava um terror difuso nuns olhos irados”. No início de Dezembro, há quem tenha visto um foguete luminoso, e Olhero lá vai com Salgueiro Maia e o dito preso, levam pás, picaretas e enxadas, Maia terá confidenciado a Olhero que o preso revelara saber de minas anticarro implantadas na estrada velha de São Vicente. Apanhava a frente, depois de muita confusão ou indecisão o preso afirmou ter-se enganado as minas estavam na estrada velha do cemitério e para lá foram, ali se cavou até à exaustão. Na noite escura ouviu-se o preso suplicar ao capitão para que parasse, depois a voz enfraqueceu, tornou-se um soluço, veio o silêncio. O preso fora executado.

No regresso, quando Olhero perguntou a Maia o que acontecera este terá respondido: “O tratante andou-nos a enganar a ver se caímos numa cilada. Também viu o very light. Mas teve azar e bateu com a cabeça na coronha. Agora dorme… Sempre admirei aquele divertido oficial, a quem devemos a façanha do 25 de Abril. Ele ainda vive no coração de muitos portugueses. Mas dou comigo a perguntar se não teria sido melhor ter corrido o risco de salvar um culpado, do que, impiedosamente, o ter secamente condenado”.

A vida prossegue em Bula, assim chegamos a 1973, a rotina está instalada, Olhero é remetido para Mansoa, sede do CAOP, comandado pelo coronel Rafael Durão, é tempo de novos amores, de escaramuças, corresponde a este período algumas das páginas mais enxutas deste diário, é bem visível o grau de saturação a que chegou o seu autor, há muitas questiúnculas, e em Outubro o furriel de cavalaria entrega o seu espólio na Calçada da Ajuda e parte para Vila Real. Convida todos a contactá-lo para adquirir estes ultrajes, termo polissémico que fala de desastres, desencontros, perdas, actos ignóbeis e até ofensas dificilmente perdoáveis. O autor garante que há um diário por detrás destas penas confessadas, a própria capa será o involucro de tanto ultraje.
____________

Nota de CV:

Vd. último poste da série de 19 de Setembro de 2011 > Guiné 63/74 - P8795: Notas de leitura (275): A Força Aérea na Guerra em África - Angola, Guiné e Moçambique, 1961 - 1974, por Luís Alves de Fraga (Mário Beja Santos)

Guiné 63/74 - P8811: Recortes de imprensa (49): Expresso das Ilhas - Morreu Aristides Pereira (1923-2011), o primeiro Presidente de Cabo Verde (Nelson Herbert)

1. Em mensagem de ontem, 22 de Setembro de 2011, o nosso tertuliano Nelson Herbert dava-nos conta da morte do primeiro Presidente da República de Cabo Verde, Aristides Pereira, notícia inserta no Expresso das Ilhas, de Cabo Verde.

2. Com a devida vénia ao Expresso da Ilhas, transcrevemos a sua notícia do dia 22 de Setembro:



Morreu Aristides Pereira, primeiro Presidente de Cabo Verde (1923-2011)

22-9-2011

Aristides Pereira morreu hoje nos Hospitais da Universidade de Coimbra, onde estava internado desde agosto na sequência de uma fratura do colo do fémur. Tinha 87 anos.
Numa primeira reação à RCV, o Governo de Cabo Verde, através da ministra da Saúde, Cristina Fontes, considerou a morte de Aristides Pereira como "uma perda maior para a nação cabo-verdiana", e garantiu o executivo está a preparar as cerimónias fúnebres do antigo Presidente, que deverão ser anunciadas nas próximas horas.

"Claro que consideramos que é uma perda maior para a nação cabo-verdiana", afirmou à Lusa, acrescentando que "o Governo de Cabo Verde inclina-se perante a memória de Aristides Maria Pereira que, desde de sempre e ao lado de Amílcar Cabral, conduziria estas ilhas à independência nacional".

Cristina Fontes Lima disse ainda que o executivo vai tomar tomar "providências" quanto às exéquias do primeiro Presidente.

"Estamos a tomar as disposições para garantir as exéquias nacionais com a dignidade que o Presidente da Republica merece e nas próximas horas anunciaremos o que vai acontecer", referiu.

Aristides Pereira tinha sido evacuado de Cabo Verde para Lisboa de avião a 03 de Agosto, a fim de ser assistido após uma queda em que terá voltado a fracturar o colo do fémur.


Biografia

O primeiro presidente cabo-verdiano começou a sua vida profissional a trabalhar como radiotelegrafista, onde chegou a chefe dos serviços de Telecomunicações, na Guiné-Bissau.
A partir dos anos 40, Aristides Pereira envolveu-se na luta pela independência de Cabo Verde. Juntamente com Amílcar Cabral, fundou o Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), em 1956, assumindo o cargo de secretário-geral, em 1973.

Com a conquista da independência, em 1975, Aristides Pereira tornou-se o Presidente da república de Cabo Verde.

Aristides Maria Pereira era natural da ilha da Boavista, onde nasceu a 17 de Novembro de 1923.

(http://www.expressodasilhas.sapo.cv/pt/noticias/detail/id/27254


3. Ainda, e segundo a mesma fonte:

Morte de Aristides Pereira:
Cerimónias fúnebres oficiais marcadas para terça-feira

As cerimónias fúnebres oficiais, pela morte de Aristides Pereira, vão decorrer na próxima terça-feira, 27, confirmou hoje Cristina Fontes, em representação do Chefe do Governo. A ministra Adjunta e da Saúde acrescentou ainda que foi decretada tolerância de ponto para esse dia de derradeira homenagem ao primeiro Presidente da República de Cabo Verde.

(http://www.expressodasilhas.sapo.cv/pt/noticias/detail/id/27281)


4. Os editores deste Blogue, em nome da tertúlia, enviam ao povo e Governantes de Cabo Verde as mais sentidas condolências pelo falecimento de Aristides Pereira, o seu primeiro Presidente da República.
____________

Nota de CV:

Vd. último poste da série de 22 de Setembro de 2011 > Guiné 63/74 - P8806: Recortes de imprensa (48): Strela, a ameaça ao domínio dos céus do ultramar português - Revista da FAP, Mais Alto, n.º 392 , Jul / Ago 2011

Guiné 63/74 - P8810: Memórias boas da minha guerra (José Ferreira da Silva) (23): O mergulhador do Funchal

1. Em mensagem do dia 20 de Setembro de 2011, o nosso camarada José Ferreira da Silva (ex-Fur Mil Op Esp da CART 1689/BART 1913, , Catió, Cabedu, Gandembel e Canquelifá, 1967/69), enviou-nos esta boa memória da sua guerra.


Memórias boas da minha guerra - 23

Raul Pires - O Mergulhador do Funchal

O Raul chegou a Catió no dia 27 de Agosto. Vinha em rendição individual, para colmatar a falta do Francisco Maria Pereira Adão, conhecido por Chico do Palácio, que havia falecido no dia 01 de Agosto de 1967, durante a Op Sónia.

Logo no primeiro dia, apesar do seu aspecto humilde e de comportamento meio bajulador, ficou famoso. Como é sabido, não há tropa sem jogatina. E, pela noite dentro, há sempre um pequeno grupo mais viciado que, normalmente, se esconde a… fazer companhia ao padeiro. Pois o Funchalense de gema, conseguiu meter-se no grupo, para desgraça de todos os jogadores.

A meio da manhã seguinte, lá vinha o Raul com um rádio de pilhas novo, ao ombro, com os decibéis a meio tom, enquanto alegremente assobiava a acompanhar o ritmo da canção de sucesso:
- Mulhé grande in´cá tem cabaço, olé lé lá! Bajuda na tem dimais!

Na parada, era evidente o ambiente de crava, entre os fumadores. E o Matosinhos não se conformava:
- “Puta que pariu”, como é que o gajo nos limpou a todos?

- Que nos fodeu, fodeu bem, porque nem demos por ela. - dizia o Monteiro de Paredes.

- Foi limpinho! E agora, que vamos fazer? - perguntava o Mafamude.

- Estamos tesos, não temos tabaco e ainda faltam uns dias para o pré.

E concluiu:
- Acabámos por ter muita sorte porque se mais tivéssemos mais dinheiro perdíamos.

Vista parcial da marginal do Funchal
Foto de Carlos Vinhal

Íamos fazer um pequeno patrulhamento, a nível de Pelotão. Formados na parada, verificámos que o Raul não estava. Foram procurá-lo e deram com ele na cama. Saímos na direcção de Príame e esperámos fora do Quartel, para que o Capitão não descobrisse que ainda estávamos ali. Passados uns bons minutos, surge o madeirense, preparado para fazer o seu primeiro serviço na guerra. De lenço colorido (lembrança de uma das dançarinas do Rancho Folclórico da Camacha) amarrado na cabeça, tipo pirata das Caraíbas, arma G3 atravessada na nuca para apoio dos braços e com sapatilhas de ginástica. Vinha calmamente e a assobiar.

Inicialmente, foi gargalhada geral. Porém, logo de seguida, os outros encarregaram-se de o alertar para vários perigos.

E eu, que vou fazer a este gajo? - Pensei.

Como era a primeira vez, deixei-o ir de sapatilhas, para que sentisse as consequências. Lembro-me de o ver descalço e a coxear, quando regressávamos.

Além de ter sido expulso por indesejado no grupo da jogatina (sem outra justificação que não a de limpar tudo), o Raul era acusado de aproveitar-se dos mais distraídos para lhes desviar alguns haveres.
É que ele até as botas deixava enterradas na bolanha e, consequentemente, tinha que repor… o stock. Também não se acanhava nada em deixar cair ao rio, as granadas de morteiro 60 ou de bazuca, que gostava de exibir à saída do quartel.

Era, realmente, um indivíduo fora do habitual e, aparentemente, de pouca confiança. A malta não lhe ligava muito e, até, se afastava dele.
Obrigava-nos a muita atenção, embora o seu relacionamento fosse bastante divertido.

Eu, gostava de o ouvir mas não podia dar-lhe “corda” porque ele ultrapassava as conveniências. Todavia, atendia-o com toda a atenção e, devido a isso, dizia gostar de mim. Fiquei a saber que ele era praticamente analfabeto, mas sabia falar algum inglês, francês e alemão. Não tinha profissão. Vivia do jogo e dos mergulhos no cais do Funchal a apanhar moedas lançadas pelos turistas. Eu não acreditava mas tive a oportunidade de verificar a sua destreza e não só nesse aspecto.

A primeira situação foi durante a montagem de segurança a uma das colunas de abastecimento a Cufar. Ao aproximar-me de um posto/abrigo verifiquei que estavam três militares (“Felgueiras”, Joaquim “Faquista” e Raul) em vez de dois, porque o madeirense se tinha deslocado para lá.

- Que é isto? Três gajos aqui? Só falta um para se poder jogar às cartas. – Chamei a atenção.

Então, o Raul levou a mão direita ao bolso de trás e, de imediato, em dois segundos, abriu o baralho, misturou as cartas e começou a distribui-las - 10 a cada um. Nunca tinha visto uma coisa assim. Dava as 10 cartas sem nos apercebermos de as ter contado. Ninguém conseguia acompanhar tal rapidez.

A outra oportunidade, verifiquei-a quando estivemos em Bolama durante uns dias, após a Op Quebra Vento para construção do novo quartel de Gubia, na península de Empada. Havia uma piscina, onde passávamos a maior parte do tempo livre. Desafiado a ir buscar moedas ao fundo, concordou plenamente. Virava-se de costas para a piscina enquanto mandávamos uma moeda para qualquer canto ou para o meio da piscina. Ele mergulhava e verificava toda a piscina até a encontrar, sem vir respirar à superfície.

Era muito gabarola. Antes das Operações até dizia que iria apanhar aos turras um Morteiro 82 mas, depois, era um problema com ele porque lhe custava aguentar disciplinadamente horas e horas, em situação de combate iminente (e sem fumar!).

Já tinha tentado enganar-nos com “indisposições” na hora de sairmos para as Operações. Como lhe correu bem da primeira vez, pensou que podia repetir a habilidade. Um dia, antes de sairmos para uma Operação perigosa, fui informado de que o Raul estava deitado no chão da parada, caído de bêbado. Não era pela falta que ele fazia, mas não podíamos tolerar esse comportamento. Pedi ao Furriel Enfermeiro “Berguinhas” para lhe aplicar a dose necessária, para o “acordar”. Após a injecção de Coramina não levou muito tempo a mexer-se e a coçar violentamente os dedos dos pés, das mãos e o nariz, enquanto gritava repetidamente:

- “Ai maezenha, maeiiizeeenha, que não aguento tanta formiguenha, tanta formiguenha”.

E, apercebendo-se de que eu estava por perto, intervalava, com:

- Chamem o meo paezenho. Acuda-me, furriel Seilva. Você é o meo paezenho.

HM 241 de Bissau

Foi ferido no dia 19 de Abril de 1968, num dos 51 + 1 ataques sofridos na Op “Bola de Fogo”, em Gandembel, no Corredor do Guileje. (O último ataque que refiro não teve lugar em Gandembel, porque foi uma emboscada montada à LDG que nos transportava, de regresso a Catió). Pois o Raul, logo que se pôde mexer, foi pelos corredores do Hospital de Bissau, carregando o material do soro que tinha instalado ao pé da cama, procurar o Capitão, que tinha sido evacuado dois dias antes, também ferido em Gandembel.

- Meo Capitãzenho, tambã me federam. Inda lá vamos voltar para resolvaer aquelo. Ningã veance a nossa Companhaea!

Surpreendido e alarmado, o Capitão, diz-lhe:
-Ó homem, você vem para aqui com essa tralha toda a segurar-lhe o tubo e a bolsa do soro? Só não trouxe a cama.

- Tem razã meo Capitã, éo já desse ó meo dôtôr que era melhour meter o souro num garrafã , mesturado com veinho teinto.

Silva da Cart 1689

Nota: O texto acima será melhor entendido pelo leitor se for esclarecido que comandei o Pelotão durante grandes períodos de tempo, devido a ausência do alferes.
____________

Nota de CV:

Vd. último poste da série de 18 de Setembro de 2011 > Guiné 63/74 - P8792: Memórias boas da minha guerra (José Ferreira da Silva) (22): Queimados

Guiné 63/74 - P8809: Tabanca Grande (302): Abram alas, camaradas, temos aqui mais um velhinho, o Alcídio Marinho, do Porto, Miragaia, ex-Fur Mil, CCAÇ 412 (Bafatá, 1963/65)

1. Em 4 de Junho de 2011, por ocasião do nosso VI Encontro Nacional, tive o grato prazer de conhecer mais um camarada da zona leste da Guiné, o Alcídio Marinho, ex-Fur Mil da CCAÇ 412 (Bafatá, 1963/65). 


Acompanhado da sua esposa, Rosa, empunhava, com garbo, orgulho e valentia, o estandarte da sua companhia. O Alcídio vive no Porto, em Miragaia, ou seja, numa das mais velhas freguesias da cidade que é hoje Património Mundial da Humanidade, integrando o primitivo núcleo medieval,  delimitada, no século XIV, pelas famosas muralhas fernandinas. 


O Alcídio vinha já munido da "papelada" necessária para ingressar na Tabanca Grande (neste caso, as duas fotos da praxe e o seu currículo militar abreviado). O seu pedido foi imediatamente aceite por mim, uma vez feito o teste de conhecimentos sobre os direitos e deveres dos membros do blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné. Devo dizer que ele passou com distinção. (*)


Na conversa que tive com ele fiquei a saber que a CCAÇ 412, sediada em Bafatá, tinha uma vasta zona de acção, que ia de Cantacunda ao Enxalé, a norte do Rio Geba, e de Bambadinca ao Xitole, ao longo da margem direita do Rio Corubal (aquilo que mais tarde, seis anos depois, no meu tempo, era já "preenchido" por 2 batalhões, um em Bafatá e outro em Bambadinca, ou seja, por mais de 2 mil homens em armas, incluindo subunidades adidas e pelotões de milícia).


2. Por distração minha (de que peço mil e um perdões, ao próprio e aos demais camaradas), só hoje dou a boa notícia ao resto da Tabanca Grande, anunciando em voz:


- Camaradas, abram alas,  arranjem um lugar para mais um digno representante da velhice da Guiné, deem-lhe as boas vindas!... (Velhice aqui não tem nada a ver com a idade fisiológica, mas com a antiguidade de guerra: o Alcides está em boa forma, como se pode ver nas fotos de Monte Real).


Sob o nº 520, o Alcídio Marinho vai ficar aqui, sentado no bentém, debaixo do mágico, secular, frondoso, generoso e protetor poilão da nossa Tabanca Grande e vai connosco partilhar as suas memórias desses idos e bravos tempos de 1963/65...  Palavra de camarada! (LG).





Monte Real  > Palace Hotel > 4 de Junho de 2011 > VI Encontro Nacional da Tabanca  Grande  > O Alcídio Marinho (Porto, Miragaia), o porta-estandarte da CCAÇ 412 (Bafatá, 1963/65). 


Foto: © Manuel Resende  (2011) / Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné. Todos os direitos reservados. 



Monte Real  > Palace Hotel > 4 de Junho de 2011 > VI Encontro Nacional da Tabanca  Grande  > A Rosa Marinho (Porto, Miragaia), empunhando com elegância, firmeza e determinação o estandarte dos Capacetes Verdes (réplica do original).

Foto: © Luís Graça  (2011) / Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné. Todos os direitos reservados. 


_________________


Nota do editor:


(*) Vd. último poste da série > 8 de Setembro de 2011 > Guiné 63/74 - P8749: Tabanca Grande (301): Apresenta-se o Ranger José Romeiro Saúde, ex Furriel Miliciano de Operações Especiais, do 1º turno de 1973, CCS do BART 6523 (Nova Lamego, Gabú) - 1973/74

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Guiné 63/74 – P8808: Memórias de Gabú (José Saúde) (4): Recordando o benjamim da companhia: Alberto, um puto que irradiava simpatia!




1.   O nosso Camarada José Saúde, ex-Fur Mil Op Esp/RANGER da CCS do BART 6523 (Nova Lamego, Gabú) - 1973/74, enviou-nos a 4ª mensagem desta sua série e duas fotos do seu álbum de memórias.

RECORDANDO O BENJAMIM DA COMPANHIA EM GABÚ.
ALBERTO, UM PUTO QUE IRRADIAVA SIMPATIA!

Descalço, melhor, usando quotidianamente o natural par de sapatos com os quais a sua mãe o colocou no Mundo, Alberto, o benjamim da minha companhia, era um puto deveras simpático. Movimentava-se com à vontade pelas instalações do aquartelamento, comia e bebia com a malta, sendo que à tarde regressava à tabanca. Foram longos meses curtindo, com ele, pedaços de uma vida repleta de pequenas histórias sempre inesquecíveis.

Gostava do Alberto! Confesso que com ele aprendi também a conhecer parte da realidade de um povo submisso ao conteúdo de uma guerrilha que não dava tréguas. A distância do tempo leva-me a não precisar ao certo a sua real idade. Deduzo que, na altura, o puto tivesse 7 ou 8 anos. A sua linguagem, fértil em diálogos permanentes com a rapaziada da metrópole, levava o Alberto a citar a língua de Camões com alguma facilidade. No campo das recordações revejo o momento em que pela primeira vez travei um pequeno diálogo com o Alberto, ficando então surpreendido pela desenvoltura como o rapaz dominava a flexibilidade da prosa lusíada. O miúdo, entrosado na sua sensibilidade, tinha, na verdade, conversas interessantes. Parecia um homem. Conhecia, também, os postos que a rapaziada ostentava.

O Alberto era um puto “desenrascado”. Não lhe olhassem à idade. O português, fluidamente travado com a nossa tropa, dava-lhe estatuto. Creio que não havia ninguém que dele não gostasse. Entrava no gabinete do comandante de Batalhão como na mais singela caserna do invulgar soldado desconhecido. Visitava-me, amiúde, no quarto por mim partilhado, pelo Rui, também ranger, pelo outro Rui, um rapaz de Coimbra, pelo Santos e pelo Fernandes. O Alberto era sempre uma cordial companhia que muito nos agradava. E tantas foram as vezes que o puto me fez parceria em pequenos passeios pelas instalações do quartel!

Hoje guardo, religiosamente, uma foto com o benjamim Alberto que evidencia a nossa amizade conquistada ao longo da minha estadia em Gabú. Passados tantos anos, 38, talvez, fica a razão da minha oportuna interrogação: Que será feito do agora senhor Alberto?

O Alberto, companheiro e amigo
No fundo de um buraco já enorme, eu e o Fur Mil Santos preparando mais um rebentamento de material explosivo existente no paiol 
O derradeiro adeus a Nova Lamego. Eu e o Fur Mil Santos no momento de deixarmos as nossas instalações

Um abraço,
José Saúde
Fur Mil Op Esp/RANGER da CCS do BART 6523

Fotos: © José Saúde (2011). Direitos reservados.
Mini-guião de colecção particular: © Carlos Coutinho (2011). Direitos reservados.
___________
Nota de M.R.:

Vd. primeiros postes desta série em:

13 de Setembro de 2011 > Guiné 63/74 – P8772: Memórias de Gabú (José Saúde) (1): No declinar da nossa presença em terras guineenses… A despedida!

 

18 de Setembro de 2011 > Guiné 63/74 – P8788: Memórias de Gabú (José Saúde) (2): Os conflitos tribais e a acção da tropa portuguesa. A “Psicó”!

 

19 de Setembro de 2011 > Guiné 63/74 - P8798: Memórias de Gabú (José Saúde) (3): reflexos de uma guerra que deixou marcas no tempo: “Filhos do vento” 

Guiné 63/74 - P8807: Um apontamento sobre a CCAÇ 4544/73 em Cafal Balanta (António Agreira)

1. Mensagem do nosso camarada António Agreira* (ex-Fur Mil TRMS da CCAÇ 4544/73, Cafal, 1973/74), com data de 19 de Setembro de 2011:

Amigo Carlos Vinhal!
Em primeiro lugar forte abraço extensivo a todos os camarada e amigos da tabanca grande.
No decorrer do fim de semana (caseiro) dei por mim a remexer no baú das memórias, e lá apareceram algumas fotografias, das quais destaco duas que gostava de partilhar com todos os camaradas.

Para além de relatarem a forma como foram passados alguns momentos em Cafal, dão testemunho da fraternidade e união com que vivemos durante esse tempo.

Este homens que fazem parte destas fotos eram de Transmissões e Enfermeiros, todos os dias faziam patrulhamentos na mata do Cantanhez, com excepção de dois que eram Operadores Cripto.
Sendo patrulhas de rotina eram sempre motivo de conversa nestas reuniões, que como é evidente não ocorriam todos os dias.

Diariamente se fazia a picagem da estrada ao longo da bolanha até Cafine, mesmo que não ocorresse qualquer ida a Cufar ou Catió, cuja deslocação era sempre feita em barcos semi-rígidos pelo rio Combijã, no mínimo duas embarcações.

Voltando às fotos, o local destes convívios era sempre a tabanca das Transmissões, não era uma tabanca diferente das outras, a única coisa que tinha de diferente era o posto de rádio que se situava num abrigo localizado nas traseiras da tabanca, 7 ou 8 metros de profundidade, diga-se de passagem muito seguro.

Era no posto de rádio que se sabiam as noticias do exterior, e até dos familiares. Era o local que nos ligava ao Mundo e onde organizávamos a nossa defesa quando éramos atacados pelo PAIGC. Era também de lá que apoiávamos os camaradas das outras Companhias, pelo menos nos ataques com armas pesadas, em que utilizávamos o sistema de cruzamento de linhas para detectar as coordenadas dos pontos de saídas do fogo. Estas informações eram enviadas via rádio para: Jemberem, Bedanda, Catió e Bissau (BA 12).

Por hoje é tudo. Despeço me com amizade e gratidão pela atenção dispensada.
Se entretanto entenderes que este desabafo merece ser publicado, estás a vontade. Em anexo seguem as fotos da rapaziada.

Cumprimentos
António Agreira

____________

Nota de CV:

(*) Vd. poste de 2 de Setembro de 2011 > Guiné 63/74 - P8726: Os últimos dias da CCAÇ 4544/73 em Cafal Balanta (António Agreira)

Guiné 63/74 - P8806: Recortes de imprensa (48): Strela, a ameaça ao domínio dos céus do ultramar português - Revista da FAP, Mais Alto, n.º 392 , Jul / Ago 2011

1. Primeira parte de um trabalho intitulado "Strela, A ameaça ao domínio dos céus no ultramar português", publicado no número 392 da Revista Mais Alto da Força Aérea Portuguesa de JUL/AGO 2011.

Dedicamos este poste ao nosso camarada Miguel Pessoa, ex-Ten Pilav, BA 12, 1972/74, actualmente Coronel na situação de Reforma e à sua esposa Giselda, uma das nossas queridas Enfermeiras Pára-quedistas, também ela 'strelada' nos céus da Guiné.

Honra e glória para os nossos valorosos pilotos da FAP que foram vítimas mortais das armas do IN e de todo o tipo de acidentes, e que não tiveram a sorte dos nossos camaradas Giselda e Miguel.

A publicação deste artigo tem a devida autorização dos responsáveis pela referida Revista, a quem desde já apresentamos os nossos cumprimentos e o reconhecimento pela deferência com que fomos tratados.
Deixamos aqui estas 3 mensagens trocadas a propósito:

i) Mensagem enviada pelo nosso Blogue em 13 de Setembro à Revista Mais Alto:

Exmos. Senhores
Na qualidade de co-editor do Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné (http://blogueforanadaevaotres.blogspot.com/), venho junto de V.Exas. solicitar autorização para publicar no nosso Blogue a digitalização das páginas 31 a 42 da vossa Revista Mais Alto, número 392 de JUL/AGO 2011, referente ao Dossier Ultramar - "Strela, a ameaça ao domínio dos céus no ultramar português".

Este dossier foi-nos dado a conhecer pelo senhor Coronel Pilav Miguel Pessoa, nosso tertuliano, a quem quereríamos dedicar uma série, publicando as referidas digitalizações. Foi nos céus da Guiné que o então Tenente Pilav Miguel Pessoa foi derrubado por um míssil Strela.

Esperando de V. Exas. a melhor atenção para o nosso pedido, e deixando convite para nos visitarem, me subscrevo antecipadamente grato.
Carlos Vinhal


ii) Mensagem do Senhor Chefe de Redacção da Revista Mais Alto,  de 15 de Setembro de 2011:

Exmo. Sr.
Carlos Vinhal
Muito obrigado pelo seu contacto.
Solicitava o tempo necessário para que o vosso pedido seja autorizado pelo Director da Revista Mais Alto, Sr. Tenente-General Luís Palma de Figueiredo.
Em caso afirmativo enviar-lhe-ia a primeira parte do artigo em PDF (segue-se a II e última parte na próxima edição da revista de SET/OUT) de forma já editável no vosso Blogue.
Não gostaria também de deixar de assinalar o notável trabalho de recolha e divulgação que tem sido efectuado pelo blogue, um contributo de grande relevo para nossa História no período a que se dedica.

Com os melhores cumprimentos,
Nuno Esteves da Silva 


iii) Mensagem do Senhor Chefe de Redacção da Revista Mais Alto,  com data de 20 de Setembro:

Exmo. Sr.
Carlos Vinhal
Junto temos o prazer de enviar o artigo - Strela - I Parte em formato pdf.

Solicitamos apenas que seja referida a origem do artigo: Força Aérea Portuguesa - Revista Mais Alto, Nº 392 JUL/AGO 2011.

Com os melhores cumprimentos,
Nuno Esteves da Silva


DOSSIER ULTRAMAR
STRELA, A AMEAÇA AO DOMÍNIO DOS CÉUS NO ULTRAMAR PORTUGUÊS

Cortesia de Revista da FAP,  Mais Alto,  n.º 392 / JUL/AGO 2011

__________

Notas de CV:

Vd. ainda os postes de:

17 de Abril de 2007 > Guiné 63/74 - P1668: In Memoriam do piloto aviador Baltazar da Silva e de outros portugueses com asas de pássaro (António da Graça Abreu / Luís Graça)

19 de Abril de 2007 > Guiné 63/74 - P1675: 28 de Março e 5 de Abril de 1973: cinco aeronaves da FAP abatidas pelos toscos mísseis terra-ar SAM-7 Strella (Victor Barata)

21 de Junho de 2007 > Guiné 63/74 - P1867: Força Aérea Portuguesa: Seis Fiat G.91 abatidos pelo PAIGC entre 1968 e 1974 (Arnaldo Sousa)

31 de Janeiro de 2009 > Guiné 63/74 - P3825: FAP (2): Em cerca de 60 Strellas disparados houve 5 baixas (António Martins de Matos)

4 de Fevereiro de 2009 > Guiné 63/74 - P3839: FAP (4): Drama, humor e... propaganda sob os céus de Tombali (Miguel Pessoa, Cor Pilav Ref)

9 de Fevereiro de 2009 > Guiné 63/74 - P3859: FAP (6): A introdução do míssil russo SAM-7 Strela no CTIG ( J. Pinto Ferreira / Miguel Pessoa)

19 de Março de 2009 > Guiné 63/74 - P4051: FAP (18): Kurika da Mata (Miguel Pessoa, ex-Ten Pilav, BA 12, Bissalanca, 1972/74)

28 de Março de 2009 > Guiné 63/74 - P4088: FAP (20): Efemérides: 36 anos após a morte do Ten Cor Pilav Almeida Brito, abatido por um Strela em Madina do Boé (Miguel Pessoa)

19 de Abril de 2009 > Guiné 63/74 - P4217: FAP (24): Afinal quem foi o camarada artilheiro do PAIGC que me 'strelou' em 25 de Março de 1973 ? Caba Fati ? (Miguel Pessoa)

28 de Abril de 2009 > Guiné 63/74 - P4258: FAP (27): Miguel, já não poderás apertar a mão ao homem do Strela que te quis matar... O Caba Fati morreu em 1998 (Luís Graça)

Vd. último poste da série de 7 de Setembro de 2011 > Guiné 63/74 - P8746: Recortes de imprensa (47): Correio dos Açores: A notícia da morte do Fernando de Sousa Henriques (1949-2011) (Carlos Cordeiro)

Guiné 63/74 - P8805: Agenda Cultural (156): Exibição do filme Quem vai à Guerra, de Marta Pessoa, dia 30 de Setembro de 2011 no Centro Cultural da Malaposta, Olival Basto

1. Os nossos camaradas Giselda e Miguel Pessoa, em mensagem do dia 19 de Setembro de 2011, deram-nos conta da exibição do Filme de Marta Pessoa, "Quem vai à Guerra", no Centro Cultural da Malaposta, Rua de Angola, Olival Basto, no próximo dia 30 de Setembro pelas 21h30.

____________

Notas de CV:

Vd. último poste dedicado ao filme de 22 de Junho de 2011 > Guiné 63/74 - P8460: As mulheres que, afinal, foram à guerra (17): Público, Cinecartaz: Críticas dos leitores

Vd. último poste da série de 21 de Setembro de 2011 > Guiné 63/74 - P8803: Agenda Cultural (155): Lançamento do livro Sopros de Vida, de José Lemos Vale, dia 24 de Setembro de 2011 na Livraria LeYa em Coimbra