sábado, 21 de setembro de 2019

Guiné 61/74 - P20166: Os nossos seres, saberes e lazeres (355): Montechoro, Albufeira, Lagos, Sagres (1) Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil Inf, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 23 de Abril de 2019:

Queridos amigos,
Tudo tinha a ver com a visita de cortesia, amigos do coração que queriam espapaçar-se ao sol, em abril, escolheram Montechoro, quem para ali vai pode desembocar em duas praias, a pé, ou a da Oura ou Albufeira, esta mais extensa. Há anos que o viandante foge deste itinerário, há pormenores verdadeiramente medonhos, designadamente Albufeira by night, não será por acaso que por ali pululam cervejarias e tabernas de todo o estilo, para quem tem costumes mais discretos de beber álcool, loja sim loja não há garrafeiras imensas, a partir de 2,50€ o turista pode sair dali a empunhar uma botelha. Chama-se a isto prosperidade turística. E não foi por acaso que se vagabundeou por ali na companhia de um livro de poesia de um grande lírico algarvio magoado, Nuno Júdice. É uma questão de o escutar, e perceber a sua saudade sem fim no que ele chama a geografia do caos.

Um abraço do
Mário


Montechoro, Albufeira, Lagos, Sagres (1)

Beja Santos

Tratava-se de uma visita de cortesia, grandes amigos vinham do condado de Oxford com filhos e netos, impossível não descer ao Algarve para os abraçar e estar ali uns dias em bom convívio. Tinham escolhido um hotel denominado Júpiter, em Montechoro. Logo à entrada, deu para ver que era o Hotel Montechoro onde ocorrera, uns bons anos atrás, um assassinato inacreditável, que assim passou à História. Em Abril de 1983, à saída do Hotel Montechoro em Albufeira, no decorrer de um congresso da Internacional Socialista, Assam Sartawi foi barbaramente assassinado por um comando extremista palestiniano da Organização Abu Nidal. Médico e político palestiniano, Sartawi foi fundador da Organização para a Libertação da Palestina (OLP) em 1967, e membro do seu conselho de guerra. Na qualidade de conselheiro de Arafat para as questões externas, advogou o diálogo com a esquerda israelita. Impossível não fotografar o local do crime, há várias décadas atrás.



O visitante faz-se acompanhar de um livro de um grande poeta algarvio, Nuno Júdice, alguém que vai bramando contra as destruições desse Algarve que tem serra, figueiras e amendoeiras, uma costa esplêndida, com um recorte único, onde uma ganância descontrolada produziu estragos, talvez irreparáveis. O livro chama-se “A Geografia do Caos”, é um libelo onde não se esconde a amargura por ver partir casario, por ver amontoadas monstruosidades em cima de falésias, centros históricos praticamente desfigurados.

E ele escreve, com a nostalgia da identidade perdida:

“Aqui houve bosques, colheu-se o figo
e apanhou-se amêndoa, e nas eiras as mulheres
trocaram segredos e histórias, enquanto as suas
mãos se dedicavam a fabricar cestas e
esteiras. A cabeça de pedra guarda essa
imagem, que se manteve inalterável enquanto
um glúten de lágrimas juntou os pobres
no caminho comum do Inverno (…) ”

Eis a praia de Albufeira, quem aqui exibe o corpo ao sol, vindo de Narkiv, Helsínquia, Manchester, não faz a menor ideia do que se lapidou para tornar os lugares infinitos centros comerciais de grelhados, recordações de fancaria, bifanas e churros, turismo para múltiplas posses, muitas casas de álcool pelo caminho. E, no entanto, esta nesga de mar numa fresta de colinas é de uma beleza inexcedível.



Sobe-se para a velha Albufeira, irresistível não entrar na Igreja da Misericórdia, tem pequeno museu. O viandante fixou-se em duas peças, foi atraído pelo insólito, aquele Cristo em Ressurreição ou está na moda, corresponde a estes tempos de musculação e temos aqui peitorais vigorosos, ou então o artista que desenhou o modelo para a azulejaria não quis a identidade de género, seja o que for é uma peça admirável; e Nossa Senhora da Piedade, provavelmente do século XVI, indicia um panejamento barroco, pode ser arte tosca, saída das mãos de um santeiro anónimo, mas aquela mão acariciadora vale por mil palavras.



Volta-se a Nuno Júdice, poeta de grande mágoa, de saudade contida:


“As casas são como as casas sempre foram. Por baixo
dos prédios, onde há lojas e garagens, as casas estão,
sempre, abrindo a quem só vê prédios, lojas e
garagens, as portas que dão para um chão de
tijoleira gasta, onde cadeiras e bancos rodeiam a
mesa de madeira velha, onde já ninguém se
vai sentar. Mas se nos sentarmos nessa
mesa que não existe na casa que já não há,
alguém nos acompanha, falando dos prédios,
lojas e garagens que escondem aldeias
e vilas feitas de casas que são como as casas
sempre foram, mesmo que essas casas só
existam para quem, olhando prédios, lojas e
garagens, entra na casa que ali esteve, pisa o
chão de tijoleira gasta, puxa um banco para
o pé da mesa, e se senta, como se essa casa ainda
existisse, e alguém viesse do fundo da casa,
com uma bilha de água, refrescar a memória
de quem vive entre prédios, lojas e garagens,
como se estivesse numa casa que fosse
como as casas sempre foram.”




O viandante vai ao Posto de Turismo, quer o mapa da cidade, conhecer os locais dignos de visita. O texto é encomiástico, como se impõe: “Céu, mar, areia macia e dourada. Em seguida, uma falésia ocre coroada pelo branco faiscante das casas. Perspetiva de Albufeira que fica na memória de quem a visita”. Por aqui passaram romanos, o centro de pesca é ancestral, existiram explorações mineiras. Albufeira é nome árabe, prosperou a sua agricultura e o seu comércio com o Norte de África. Em 1250, virou-se a página, tornou-se Portugal. Tem igrejas, uma ermida e sobressai a sua Torre do Relógio.




Vai escurecer, volta-se para o que foi o Hotel Montechoro, um dos temas de conversa serão as férias em 2020, imagine-se, o viandante está ansioso por voltar a lugares de culto e pôr o pé no mar da Irlanda, agora é pôr a conversa em dia, amanhã saem em grupo, alguém fica com as crianças na piscina e centro de diversões, os mais velhos querem perceber o fascínio de Albufeira para os ingleses.

(continua)
____________

Nota do editor

Último poste da série de 14 de setembro de 2019 > Guiné 61/74 - P20147: Os nossos seres, saberes e lazeres (354): Casa da Cerca: a mais bela vista de Lisboa, na outra margem do Tejo (2) (Mário Beja Santos)

Guiné 61/74 - P20165: Controvérsias (139): louvor, em ordem de serviço, do comando do BART 733 (Farim, 1964/66), aos seus militares, pelo pronto, abnegado e eficiente socorro prestado às vítimas do atentado terrorista de 1 de novembro de 1965 (João Parreira, ex-fur mil op esp, CART 730 / BART 733, Bissorã, 1964/65; ex-fur mil cmd, CTIG, Brá, 1965/66)

1. Mensagem do nosso grã-tabanqueiro João Parreira ( ex-fur mil op esp, CART 730 / BART 733, Bissorã, 1964/65; ex-fur mil cmd, CTIG, Brá, 1965/66):

Data:  sexta, 20/09/2019 à(s) 19:40
Assunto: o incidente em Farim, em 1/11/1965

Boa tarde Luís Graça,

Não me esqueci do que falámos no almoço da Magnífica Tabanca da Linha [, no passado dia 19,]  e fui procurar saber se, além do que publicaste no P20130 do passado dia 7 (*),  tinha mais elementos sobre o incidente em Farim em Novembro 1965.

Assim, para o caso de ter interesse, transcrevo uma ordem de serviço do comando do BART 733 (Farim, 1964/66) (**):



Após o incidente ocorrido na Vila de Farim em que perderam a vida alguns nativos (mulheres e crianças) e outros ficaram feridos, é dever deste Comando pôr em destaque o trabalho do pessoal militar em serviço nesta Sede que desde o momento do acontecimento até ao dia seguinte trabalhou afanosamente durante toda a noite socorrendo os feridos, transportando-os aos postos de socorros e enfermarias, iluminando o campo de aviação para que o avião de socorro pudesse vir em auxílio dos feridos, o que se realizou de maneira impecável na opinião dos pilotos, acorrendo ainda a diversos pontos da Vila onde a sua presença se tornava necessária, recolhendo alguns cadáveres, ajudando o pessoal especializado em número muito reduzido, nos tratamentos, ministrando até injecções, colocando pensos e realizando outros trabalhos para os quais não estavam preparados, tudo executado com o máximo de desembaraço, rapidez e sobretudo boa vontade inexcedível, compenetração e espírito de abnegação e de bem servir, contribuindo assim com a sua acção para socorros mais rápidos e evitando perda de maior número de vidas, factos que foram reconhecidos pela população que de certo modo nos manifestou o seu agradecimento e nos retribuiu a solidariedade demonstrada. 

 Por todos estes motivos, a acção das NT aquarteladas na Sede deste Batalhão, merece ser posta em realce, pelos altos serviços prestados nesta situação de emergência, tudo decorrendo com tal método, ordem, disciplina e sem pânico que mais parecia um serviço previamente planeado e determinado.

Um abraço. João Parreira

Guiné 61/74 - P20164: In Memoriam (348): António Manuel Carlão (Mirandela, 1947- Esposende, 2018), ex-alf mil at inf, CCAÇ 2590 / CCAÇ 12 (Contuboel, Nhabijões e Bambadinca, 1969/71... Entra para a Tabanca Grande, a título póstumo, sob o nº 797.

António Manuel Carlão
(Mirandela, 1947- Esposende, 2018)
1. Através do nosso amigo, camarada e grã-trabanqueiro, Fernando Sousa, que viva na Trofa  (ex-1º cabo aux enf, CCAÇ 12, Contuboel e Bambadinca, maio de 1969 / março de 1971), soubemos ontem da notícia, tardia, da morte do ex-alf mil António Manuel Carlão, ocorrida no  passado dia 14 de novembro de 2018.

Essa triste notícia foi por nós confirmada através de pesquisa na Net:

"2018-11-14 > Deixou o nosso convívio... > Faleceu hoje António Manuel Carlão com 70 anos de idade, após doença prolongada. Era natural de Mirandela mas residia há bastantes anos nesta Vila fangueira, mais recentemente no lugar dos Lírios. Era genro do falecido sr. Bento da Lareira [, restaurante "A Lareira", em Fão,], figura que foi bastante conhecida na restauração local.

"O seu corpo encontra-se a ser velado na Casa Mortuária de Fão e as cerimónias fúnebres e religiosas terão lugar amanhã, quinta feira, a partir das 16 horas, indo depois a sepultar no cemitério local.

"O Novo Fangueiro apresenta a todos os familiares os votos sentidos de profundo pesar."


Também vimos, no Facebook da Agência Funerária Fangueira, a notícia necrológica dada pela família (esposa, filhos, genros, netos e demais parentes).


[Foto à direita:] Esposende > Fão > 1994 > 1º Encontro do pessoal de Bambadinca (1968/71): CCS do BCAÇ 2852 (1969/71), CCAÇ 12 (1969/71), Pel Daimler 2206 (1970/71) e outras unidades adidas.

Foto: © Humberto Reis (2006). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


Na foto, à direita, aparecia o ex-alf mil António Carlão, transmontano, da CCAÇ 12,  era o terceiro a contar da esquerda, sendo ladeado, à  sua direita, pelo Humberto Reis (Lisboa)n  o José Luís Sousa (Funchal), ex-furriéis, da mesma unidade; e, à sua  esquerda,   pelo José Luís Vacas de Carvalho (Lisboa), ex-alf mil cav do Pel Rec Daimler 2206

O Carlão era, na altura, comerciante em Fão, tendo tido ele o mérito de organizar do encontro, com a prestimosa colaboração da sua esposa Helena que conviveu connosco em Bambadinca, durante grande parte da comissão.

Foi a primeira (e última) vez,  de resto, que o reencontrei depois do regresso da Guiné, em março de 1971. No verão de 2018, passei por Fão e procurei saber notícias dele.  Disseram-me que tinha mudado de local de residência. Verifiquei que o sogro era pessoa conhecido na terra pela sua ligação à restauração, mas que já deixara a gerência do restaurante "A Lareira". Pelo que apurei, o Carlão e a Helena devem ter vivido em Angola, depois do regresso da Guiné, até à data da independência. Segundo bem percebi, a família da Helena era retornada e integrou-se bem em Fão, Esposende.

Tanto quanto me lembro, o Carlão veio do CSM para o COM, e foi mobilizado para a Guiné através da nossa CCAÇ 2590, que mais tarde daria origem à CCAÇ 12. Era originalmente o comandante do 2º Gr Comb, a quem pertcnciam, entre outros, os ex-fur mil, nossos grã-tabanqueiros, António Levezinho e Humberto Reis.  Teve uma atuação polémica no decurso da Op Pato Rufia, no subsetor do Xime, em 7 de setembro de 1969, de que resultou a primeira baixa mortal da companhia, o sold at inf Iero Jaló (*).

Entretanto, ainda antes de casar (a esposa virá  viver para Bambadinca,  creio que a partir de finais de 1969 ou princípios de 1970),  o António Carlão é escolhido pelo cap inf Carlos Brito para integrar a equipa técnica do reordenamento e autodefesa  de Nhabijões (**): essa equipa, pelo lado da CCAÇ 12, é constituída, além do alf mil António Manuel Carlão, pelo fur mil Joaquim A. M. Fernandes, o 1º cabo at Virgilio S. A. Encarnação e o sold arv Alfa Baldé,  os quais vão  tirar o respetivo estágio a Bissau, de 6 a 12 de Outubro de 1969. A essa equipa juntam-se dois  carpinteiros, os 1º cabos aux enf Fernando Andrade de Sousa, que vive hoje na Trofa, e o Carlos Alberto Rentes dos Santos, que  vive em Amarante (**).  

Esporadicamente, o alf mil Carlão ia fazendo uma ou outra coluna logística (aos subsetores de Mansambo, Xitole e Saltinho). Numa delas,  rebentou na frente da coluna uma mina A/C, num dia em que ele decidiu levar a sua Helena para ver os rápidos do Saltinho. Ainda me recordo como ia vestida: de camuflado e sapatos de salto, vermelhos... Seguia  "à guarda" do alf mil capelão Arsénio Puim.  Por razões de segurança (e de bom senso), acabou por ficar retida, a meio do trajeto, em Mansambo (***).


2. Temos, no nosso blogue,  uma escassa meia dúzia de referências ao António Manuel Carlão, e também à sua esposa,  Helena Carlão,  que era uma das poucas senhoras que viveu em Bambadinca no nosso tempo (****)



Guiné > Região de Bafatá  > Sector L1 > Bambadinca, > CCS/BART 2917 (1970/72) > s/d  [. c. 1970] > Messe de oficiais > Da esquerda para a direita: (i) o Cap Art Passos Marques, comandante da CCS; (ii) o Alferes Sapador da CCS, Luís Moreira; (iii) a Helena Carlão, a mulher do Alf Mil Inf Carlão (CCAÇ 12); (iv) o Alf Mil Inf Abel Rodrigues (CCAÇ 12); (v) o Alf Mil Abílio Machado (CCS); (vi) e o Alf mil Op Esp Francisco Moereira; e (vii)  mais um oficial que não conseguimos idemtificar, provavel,mente da CCS, ou de uma suubidade adida ao BART 2917.

 Foto: © Gualberto Magno Passos Marques (2009). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


Convivi pouco com o alf mil Carlão, e menos ainda com a Helena (****). Vivíamos, os oficiais, os sargentos e as praças em "regime de apartheid", ou seja, de "segregação socioespacial"... Cada classe tinha os seus espaços de hotelaria,  sociabilidade, lazer e convívio. Outros camaradas poderão falar melhor do que eu do António Carlão e da Helena Carlão. Nunca tivemos relações de amizade nem nunca o Carlão se aproximou do nosso blogue. Em todo caso, e em memória do que passámos juntos (, a Op Pato Rufia foi, não posso esquecê-lo, o meu batismo de fogo...), eu acho que ele deve figurar, a título póstumo, na lista alfabética dos membros da Tabanca Grande...

A sua aventura terrena acabou em 14/11/2018, por motivo de doença prolongada, aos 71 anos incompletos.  Lamentamos só agora ter sabido da sua morte. Que esta pequena homenagem  do nosso blogue seja vista pela Helena, e pelos seus filhos e netos, como um tributo de saudade dos antigos camaradas de armas do António.  Ele entra, a título póstumo,  para a nossa Tabanca Grande com o nº 797, depois do Domingos Robalo (nº 795) e do Carlos Marques de Oliveira (nº 796), cuja apresentação será feita nos próximos dias.

Embora com um atraso de 10 meses, aqui fica a manifestação do nosso apreço e da nossa solidariedade na dor,  para a Lena e a sua família. É missão, nobre, do nosso blogue "enterrar os nossos mortos" e "fazer o seu luto", não deixando os nossos camaradas da Guiné ir para a "vala comum do esquecimento". É esse o sentido do nosso gesto. (*****)
____________





Guiné 61/74 - P20163: Parabéns a você (1684): Coronel Art.ª Ref Coutinho e Lima (CART 494; COM-CHEFE do CTIG e COP 5) (Guiné, 1963/65; 1968/70 e 1972/73); Maria Teresa Almeida, Amiga Grã-Tabanqueira de Lisboa e Raul Albino, ex-Alf Mil Inf da CCAÇ 2402 (Guiné, 1968/70)



____________

Nota do editor

Último poste da série de 15 de Setembro de 2019 > Guiné 61/74 - P20148: Parabéns a você (1683): Manuel José Ribeiro Agostinho, ex-Soldado Radiotelegrafista - CCS/QG/CTIG (Guiné, 1968/70)

sexta-feira, 20 de setembro de 2019

Guiné 61/74 - P20162: Agenda cultural (702): Festival TODOS 2019: "A rapariga mandjako": hoje às 21h00, amanhã às 20h00, na Escola Básica de Santa Clara, Campo de Santa Clara, 200, São Vicente, Lisboa

Sugestão do editor LG (*)

Festival TODOS 2019 > Teatro > Escola Básica de Santa Clara > Campo de Santa Clara, 200 / 200E

Datas > 20 set 21h; 21 set 20h >  Entrada livre




A RAPARIGA MANDJAKO.
espetáculo de Rui Catalão e Joãozinho da Costa

Sinopse:

 A rapariga mandjako 
De Rui Catalão, com Joãozinho da Costa
Dramaturgia e encenação: Joãozinho da Costa e Rui Catalão
Luzes: João Chicó
Produção: [PI] Produções Independentes
Coprodução: Câmara Municipal da Moita / Centro de Experimentação Artística; Fiar – Festival Internacional de Artes de Rua

[PI] Produções Independentes é uma estrutura apoiada pela República Portuguesa – Ministério da Cultura / Direção-Geral das Artes.

“Cuida da tua irmã.” Joãozinho da Costa cresceu em plena guerra civil e tinha 11 anos quando deixou Bissau, na sequência do golpe de Estado que derrubou o governo de Kumba Yalá. Veio com os irmãos para Portugal, onde se juntou ao pai, e nunca mais voltou. 16 anos depois, convidei-o para regressar a esses anos de transição entre dois mundos, entre duas idades e logo na primeira semana de trabalho ele anunciou-me que ia regressar à Guiné para visitar a mãe. É a primeira vez que irá revê-la, desde que veio para Portugal. O mais espantoso foi ter-me dito que durante estes anos todos nunca lhe ocorreu regressar.

A frase de despedida da mãe – “cuida da tua irmã” – ainda hoje ressoa na sua memória. Porque é que ela lhe disse semelhante coisa, quando o Joãozinho era ainda uma criança, pouco maior do que a irmã, e tinha até irmãos mais velhos? O que viu a mãe nele para lhe legar essa responsabilidade?

“A rapariga mandjako” relata o despertar de Joãozinho para a consciência de si mesmo e das suas acções, a partir do momento em que o pai lhe faz uma proposta de noivado com uma rapariga da sua etnia. A sua recusa leva-o a aproximar-se de outra rapariga que conhece no Vale da Amoreira, e que lhe é apresentada como “Jennifer Lopez”.

Essa rapariga vai encaminhá-lo por um labirinto de identidades e estados emocionais, em que ele se esquiva das tradições e superstições da cultura mandjako e procura integrar-se nos padrões de comportamento da vida moderna. Até finalmente descobrir, no verso de um Bilhete de Identidade, que a rapariga mandjako de que ele julgava fugir é a mesma rapariga moderna que ele julgou encontrar.

“A rapariga mandjako” é o terceiro solo que faço com intérpretes do Vale da Amoreira, depois de “Medo a caminho” com Luís Mucauro e “Adriano já não mora a aqui”, com Adriano Diouf. Recolha de memórias pessoais desde a infância, as três peças centram-se no crescimento dos protagonistas, e de como fizeram a transição da juventude para a idade adulta.


Joãozinho da Costa trabalha comigo desde que nos conhecemos em 2016, num workshop organizado no CEA - centro de experimentação artística da Moita. Desde então vem participando em todas as minhas peças colectivas: “E agora nós”, “Jornalismo amadorismo hipnotismo” e “Último Slow”, assim como prestações pontuais em “Judite” e “Assembleia”. [Rui Catalão]

Fonte:  Produções Independentes  > A rapariga mandjako (com a devida vénia...)
_____________

Guiné 61/74 - P20161: Notas de leitura (1219): Missão cumprida… e a que vamos cumprindo, história do BCAV 490 em verso, por Santos Andrade (24) (Mário Beja Santos)



1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil Inf, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 6 de Maio de 2019:

Queridos amigos,
Era compreensível que os acontecimentos da Ilha do Como merecessem amplo destaque na gesta do bardo. Espero que quem ali combateu naquele terrível penar aqui venha exprimir outros pontos de vista, narrar outros episódios, clarificar situações que ficaram no olvido. A história da Unidade do BCAV 490 é parcimoniosa, como se disse, faz-se referência a um anexo, que não encontrei e se algum dos confrades o possuir bom seria que aqui se referenciasse outros episódios que não couberam na poesia nem nos testemunhos. A imaginação de quem acompanha o bardo saltitou para as belezas da natureza, sempre irresistíveis, a despeito das aflições e sofrimento vivido. Repare-se na descrição que Alpoim Calvão faz de uma missa ao ar livre e o maravilhamento do céu e das águas, a par da comoção dos mortos e da emoção dos vivos.

Um abraço do
Mário


Missão cumprida… e a que vamos cumprindo (24)

Beja Santos

“Temos muita companhia
já com pouco pessoal:
coxos, doentes e feridos
vão indo para o hospital.

Há muito tempo passado
e sempre a mesma labuta.
Há quase dois meses que se luta
e ainda há muito malvado
que tem que ser acabado
o bando que cá existia
é uma patifaria,
que dá cabo da rapaziada,
mas isso não lhes vale nada,
temos muita companhia.

Em duas ocasiões
no meio dos terroristas
morreram dois paraquedistas
deram gritos de aflições.
Fizeram muitas operações
dentro daquele matagal,
mas quase sempre se deram mal
devido a tantos bandidos.
Por isso, os pelotões reduzidos
já com menos pessoal.

Um dia Cauane atacaram
foi atingido Joaquim Augusto,
apanhando um grande susto
quando as granadas rebentaram.
No sacristão também acertaram,
dando grandes gemidos.
Com as mãos e dedos perdidos
Quítalo e o sapador doutra vez,
e em pouco mais de um mês
coxos, doentes e feridos.

Dois paraquedistas se perdiam
longe de S. Nicolau,
o caso esteve bem mau
porque entre os bandidos se viam.
Indicados por um avião saíam
sem perderem o moral.
Será isso o principal
no soldado cheio de heroicidade.
E os feridos com gravidade
vão indo para o hospital”.

********************

O tom pungente que o bardo usa, vamos encontrá-lo em obras do tempo e posteriores. Contemporâneo, temos os relatos de Armor Pires Mota e Alpoim Calvão. Naquele Sul, de 1963 em diante, andaram Álvaro Guerra, José Martins Garcia, Luís Rosa, José Brás, António Loja, Idálio Reis, entre outros. O sul de Mejo, Guilege, Gadamael, Cacoca, Sangonhá, Gandembel, Cacine, Catió. Páginas de fraternidade, de lástima pelas perdas, de revolta pela construção de aquartelamentos feitos com tanto de sangue, suor e lágrimas e depois abandonados. E mesmo nessa apoteose de sofrimento ou mágoa há a extraordinário revelação do feitiço africano, a descoberta de uma natureza viva.

E aqui lembro Leonel Olhero e o seu livro “Ultrajes na Guerra Colonial – Reminiscências de furriel de cavalaria”.
Primeiro, uma trovoada tropical:
“Uma trovoada, com carácter primitivo e sagrado, apavorou-nos. Receoso, o Sol estremeceu de inquietação e correu a esconder-se. Numa embriaguez de luzes, relâmpagos cintilaram em ziguezagues de fogo, bateram nas trevas e apanharam relâmpagos em resposta. De alto a baixo, raios riscaram rasgando fundo os céus. Irrequietos, os trovões estalaram implacáveis vibrando de tronco em tronco e em cada folha, assustando aves e ribombando pelos caminhos do céu imenso num estampido ensurdecedor, enquanto que o vento, carregado dos cheiros da terra e do odor da selva, bradou com fúria e em rajadas hirtas e tudo impeliu numa maluca confusão”.

Agora o Furriel de Cavalaria embarca num Sintex, vai a Bula buscar salários, assombra-se com a travessia do rio:
“Para lá das desviadas margens, num sussurro, naquele rio largo como uma promessa via-se água que penetrava na brumosa mata de onde, desafiando nos céus altas fasquias, se erguiam crescidas e seculares árvores. Por causa das investidas da nossa artilharia, com olhos cansados de procurar, vi cepos definhados com galhos despidos e rasgados. Braços vegetais abertos que nos desejariam abraçar e onde poisavam centenas de colónias de coloridos periquitos (…) Na tona da água, bandos de periquitos de rabo de junco rasavam, chispavam à nossa passagem e rabiscavam hieróglifos (…) Inumeráveis abutres repugnantes e agoirentos que poisavam nos poleiros altos da sossegada e densa ramagem, alteavam-se impassíveis, estremecendo penosamente as enormes e aborrecidas asas. Alguns, mais tímidos, alavam para o escuro daquele tão intemporal bosque e ali ficavam à espera, de olhos tristes e adiados”.

Mas vamos descer até ao Como e ouvir o que escreveram os biógrafos de “Alpoim Calvão, Honra e Dever”:
“Uma operação tão longa como a Tridente, que decorria há já cerca de mês e meio, sempre com duros combates e em que os estacionamentos temporários eram desconfortáveis e penosos, tinha necessariamente um impacto negativo no estado físico e anímico do pessoal. Mas o esforço compensava. Era notório que a actividade inimiga esmorecia, a resistência era agora fugaz e em nada se comparava já à bravura dos combates travados no início da operação.
O dispositivo inimigo nas ilhas de Caiar, Como e Catunco estava praticamente desmantelado, o prestígio do PAIGC e dos seus chefes abalado, a sua confiança desaparecera, o respeito e temor pelas autoridades portuguesas era evidente.
Tinha entretanto o Tenente Calvão criado um núcleo de guias guinéus que com os seus camaradas metropolitanos partilhavam as mesmas canseiras e os mesmos perigos. Havia, no entanto, dois homens que o seguiam para todo o lado como sombras e aos quais Calvão ficou eternamente grato pela coragem, desinteresse de si próprios e dedicação que sempre revelaram: um do Bombarral, o José António; e outro um Manjaco do Pecixe, o ‘Touré’. Mais tarde, num jornal, Alpoim Calvão recordou um caso ocorrido durante aquela operação e que tão profundamente o marcou:
‘(…) Os sucessos da guerra tinham causado várias baixas na minha Unidade. Pedi ao Capelão Militar que acompanhava as forças em operação para rezar uma missa pela alma dos mortos. Numa manhã, na praia onde estava localizado o estacionamento, preparou-se a realização da cerimónia. Aliás, tudo o mais simplificado possível: o altar era um caixote que servira para transportar rações de combate e o templo, o ar livre, com o mais maravilhoso dos tectos: um céu azul, incomparável.
Mal barbeados, sujos, com as faces vincadas pelo cansaço e pela tensão da luta, os homens foram-se chegando e a missa começou. Juntaram-se-lhes, por serem católicos, alguns dos carregadores negros que acompanhavam as forças. O profundo silêncio era apenas alterado pela voz do celebrante e pelo barulho do mar, que, em pequeninas ondas, se enovelava na praia.
Uns de joelhos, outros em pé, os homens seguiam, ou melhor, viviam o santo sacrifício. Acabrunhados pela morte de alguns camaradas, sentiam a necessidade daquele diálogo com Deus e muitos deles, pela primeira vez, souberam o que era a Missa.
Eu estava de pé, um pouco apertado, duplamente comovido pela lembrança dos mortos e pela emoção dos vivos.
E num deslumbramento, numa autêntica revelação de ecumenismo, vi, sobre a minha direita, alguns guias muçulmanos que olhavam a cena com muita dignidade e compostura e procuravam participar nela, orando também ao mesmo Deus, pelo descanso das almas dos que tinham caído e pela vitória das armas portuguesas’.”

E os autores chegam ao termo do seu relato:
“Decorridos mais de dois meses sobre o início da Operação Tridente, concluiu-se que militarmente nada mais havia a fazer na zona, pelo que foi decidido o regresso de todas as forças em acção, ficando apenas montado um aquartelamento em Cachil, onde foi instalada uma Companhia do Exército com a missão de controlar as margens do rio Cobade, numa posição estratégica muito importante para o reabastecimento de Catió. Sendo de prever que dentro em breve aquele local voltaria a estar sujeito a uma intensificação dos ataques, tornou-se necessário manter ali uma LDP em permanência, de modo a garantir o regular abastecimento do aquartelamento de água, mantimentos e munições. Às 12h00 do dia 22 de março, o DFE8 embarca no ‘Bor’ rumo a Bissau, onde chega na manhã seguinte. Era o fim da Operação Tridente”.

(continua)

 O bardo a caminho da Ilha do Como

O bardo e camaradas a caminho da Ilha do Como

O bardo faz leituras na Amura, inspira-se junto da velha peça de artilharia.

Página do jornal do BCAV 490, gentilmente cedida pelo confrade Carlos Silva, um investigador infatigável a quem devo muitas atenções.
____________

Notas do editor

Poste anterior de 13 de setembro de 2019 > Guiné 61/74 - P20145: Notas de leitura (1217): Missão cumprida… e a que vamos cumprindo, história do BCAV 490 em verso, por Santos Andrade (23) (Mário Beja Santos)

Último poste da série de 16 de setembro de 2019 > Guiné 61/74 - P20150: Notas de leitura (1218): “O Massacre Português de Wiriamu, Moçambique, 1972", por Mustafah Dhada; Tinta-da-China, 2016 (Mário Beja Santos)

Guiné 61/74 - P20160: 15 anos a blogar, desde 23/4/2004 (14): continuando a falar de..."futebol, elites e nacionalismo"


Gâmbia > Bathurst > 1953 > Comemorações da entronização da Rainha Isabel II, de Inglaterra (n. 1926) > Foto da seleção de futebol da Província Portuguesa da Guiné > De pé, da esquerda para a direita, Antero Bubu (Sport Bissau e Benfica; capitão), Douglas (Sport Bissau e Benfica), Armando Lopes (, pai do nosso amigo Nelson Herbert) (UDIB), Theca (Sport Bissau e Benfica), Epifânio (UDIB) e Nanduco (UDIB); de joelhos, também da esquerda para a direita: Mário Silva (Sport Bissau e Benfica), Miguel Pérola (Sporting Club de Bissau), Júlio Almeida (UDIB), Emílio Sinais (Sport Bissau e Benfica, Joãozinho Burgo ( Sport Bissau e Benfica) e João Coronel (Sport Bissau e Benfica).

No 1º jogo, a seleção da Guiné ganhou à seleção da Gâmbia por 2-0, com golos de Joãozinho Burgo (, falecido recentemente em Portugal 22/1/2019); no 2º jogo, as duas seleções empataram 2-2 (com golos, pela Guiné, de Mário Silva e Joãozinho Burgo). Antiga colónia inglesa, a Gâmbia acederá à independência em 1965.

Legenda de João Burgo Correia Tavares: vd. livro Norberto Tavares de Carvalho - "De campo a campo: conversas com o comandante Bobo Keita", Porto, edição de autor, 2011, p. 41.

Foto: © Armando Lopes / Nelson Herbert (2010). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné].


1. Quer queiramos quer não, não conseguimos deixar de falar... de futebol. Temos mais de seis dezenas de referências no nosso blogue... Hoje retomamos o tema "futebol e nacionalismo" (*)...  E continuamos a celebrar os nossos 15 de existência, enquanto blogue e enquanto grupo de amigos e camaradas da Guiné que se reune à sombra do simbólico poilão daTabanca Grande (**)

Fomos encontrar, no livro do Norberto Tavares de Carvalho, a foto acima, já nossa conhecida, da seleção de futebol da província portuguesa da Guiné, onde figura o Armando Lopes (jogador da UDIB, pai do nosso amigo Nelson Herbert, e que também era conhecido como Búfalo Bill).

Recorde-se que ele fez o seu serviço militar no Mindelo, São Vicente, Cabo Verde, em 1943, na altura em que também lá estava, como expedicionário, o meu pai, meu velho e meu camarada, Luís Henriques; ambos nasceram em 1920 e, infelizmente, já faleceram od dois, o meu, em 2012, o pai do Nelson Herbert, mais recentemente, em 2018. Ambos tinham igualmente uma paixão pelo futebol...

A foto que publicamos acima,  é do arquivo pessoal do João Nascimento Burgo Correia (ou Corrêa) Tavares, o Joãozinho Burgo, do Sport Bissau e Benfica... Mas o nosso blogue já tinha publicada uma igual, em 15 de agosto de 2010, do arquivo do Armando Lopes / Nelson Herbert.

Cabo-verdiano, da ilha do Fogo, onde nasceu em 1929, Joãozinho Burgo era mais novo do que o Armando Lopes (1920-2018),  mas mais velho que o Bobo Keita (1939-2009). O auge da sua carreira é em 1960, com o apuramento da seleção de futebol da Guiné para a fase de qualificação para a disputa da taça Kwame Nkrumah.

Vencedora da Série D, a seleção guineense foi disputar a final em Acra, capital do Gana: além de Joãozinho Burgo, fizeram parte dessa equipa Bobo Keita, Júlio Semedo (Swift, guarda-redes), Antero 'Bubu', Vitor Mendes (Penicilina), 'Djinha', João de Deus, 'Chito', Luís 'Djató', 'Nhartanga' (que jogará depois em Portugal), entre outros...

O Joãozinho Burgo deixou de jogar já época, distante,  de 1966/67, para de seguida ir tirar o curso de treinador, ainda em 1967, em Setúbal (onde teve como colegas de curso o José Augusto, o Coluna e o Cavém) (p. 36).

O Bobo Keita, mais novo (1939-2009), embora sportinguista de coração, assinou e jogou pelo Sport Bissau e Benfica, clube do seu pai, alfaiate... O mais interessante era verificar a grande popularidade que tinha o futebol nessa época, nomeadamente em Bissau, mas também no interior (primeiro em Bolama, depois Bissau, Mansoa, Bafatá...).

O futebol também foi um viveiro de militantes, combatentes e dirigentes do PAIGC (Júlio Almeida, Júlio Semedo, Bobo Keita, Lino Correia...). Era interessante aprofundar as razões deste fenómenos...


Guiné > Bissau > Março de 1970 > Estádio Sarmento Rodrigues (hoje, Estádio Lino Correia) > Jogo de futebol entre o Sporting de Bissau e a UDIB, com transmissão radiofónica. Se a memória não me falha, quem fazia o relato era o Carlos Soares (está numa mesa). Vemos à esquerda, a zona onde se localizava a Verbena e o Cinema UDIB.  O estádio foi construído em 1947 e electrificado, já no tempo de Spínola, em 1971. O Lino Correio, antigo jogador da UDIB, morreu precocemente, em 25/11/1962, em Conacri, de acidente, numa sessão de preparação física. 

Foto do nosso grã-tabanqueiro, Arménio Estorninho (ex-1.º Cabo Mec Auto Rodas, CCAÇ 2381, Os Maiorais, Ingoré, Aldeia Formosa, Buba e Empada, 1968/70).

Foto (e legenda): © Arménio Estorninho (2010). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


Recorde-se que o Júlio Almeida, antigo funcionário da granja de Pessubé, que trabalhou com Amilcar Cabral, é referenciado como um dos fundadores, em 1956, do PAIGC, ou melhor do PAI, mais tarde PAIGC. Segundo informação do Nelson Herbert, a indicação e a consequente transferência de Júlio Almeida do futebol mindelense (São Vicente, Cabo Verde) para a UDIB de Bissau foi iniciada, a pedido do clube guineense, no ínício dos anos 50, pelo seu pai, Armadndo Lopes, que na altura estaava a passar férias em S. Vicente, a ilha de natal de ambos.

Bobo Keita, que nasceu no Cupelom [ ou Pilão] de Baixo, em Bissau, jogava na equipa do bairro, o Estrela Negra... Dela faziam parte futuros militantes nacionalistas como o Umaro Djaló, Julião Lopes, Corona, Ansumane Mané (outro que não o brigadeiro), Lino Correia (que era de Mansoa)... Keita, miúdo de rua, não tinha botas. As primeiras que teve foram-lhe emprestadas (e depois dadas) pelo Sport Bissau e  Benfica. Jogou com elas em Mansoa. Jogará depois nos juniores do Benfica e, dada o seu talento, chega rapidamente à seleção provincial.

Tinha então 17 anos. Como a idade mínima legal eram os 18, à face das normas internacionais do futebol, tiveram que lhe fazer uma "nova" certidão de nascimento (sic)... "A partir daí, segundo as circunstâncias, passei a exibir dois bilhetes de identidade, um com dezassete anos e outro com dezoito anos", confidencia o Bobo keita ao seu biógrafo (p. 31).

Acabou por jogar a defesa direito no Benfica. Dos juniores passa às reservas e depois à equipa principal. Para além de ser o orgulho do seu pai, tornou-se muito popular entre os adeptos. O grande dérbi, em Bissau, eram o jogo Benfica-Sporting. Na época, o Benfica era de longe a melhor equipa de futebol da província, recheada de estrelas (que integravam por sua vez a seleção da província).

Foi o Victor Mendes, um treinador português, que levou Bobo Keita para a seleção e que o pôs a jogar como defesa lateral esquerdo, depois de muito trabalho... Outro clube cotado localmente era o UDIB - União Desportiva e Internacional de Bissau, onde jogava o seu primo João de Deus.

Nas conversas com Noberto Tavares de Carvalho, Bobo Keita recorda o Torneio da África Ocidental, que começou na Ilha de São Vicente, Cabo Verde, em 1958, e que juntou outras  seleções (Cabo Verde, Senegal, Gâmbia e Guiné-Conacri) (pp. 39-40). Também, jogou na Gâmbia, onde a seleção guineense era, de há muito, temida, desde o tempo do Armando Lopes.

E acrescenta o Nelson Herbert: "Convém não perder de vista que ante a então apertada vigilância da PIDE, a 'bola' foi por sinal a via encontrada por Amílcar Cabral para a conglomeração, na periferia de Bissau, de guineenses e cabo-verdianos em redor de ideais nacionalistas.

"E falando ainda de futebol, recordo ter lido em tempos no blogue um poste que fazia referência ao papel dos soldados portugueses na Guiné, na 'massificação'  do futebol naquela antiga província ultramarina."

2. Mas voltando ao Bobo Keita e à selecção de futebol da Guiné, que foi apurada para a final da taça Kwame Nkrumah, jogada em  Acra, capital do Gana, em 1959. 

O encontro com o presidente Kwame Nkrumah terá sido decisivo na vida de Bobo Keita. Recorde-se que a antiga colónia inglesa, Golden Coast, a Costa do Ouro, proclama oficialmente a sua independência em 6 de Março de 1957. Nkrumah, num cerimónia de receção nos jardins do seu palácio, incentivou então os jovens futebolistas a lutarem pela independência dos seus países. 

Em 1 de outubro de 1960, Keita está em Lagos, capital da Nigéria, outra vez num torneio de futebol, por ocasião das festas da independência de mais um grande país africano (p. 44-46). Que memórias guarda desse tempo ?

"Como acontecera com o discurso do Nkrumah, fui de novo sacudido por um mar de interrogações, sempre falando com os meus botões e acabando por concluir que tudo aquilo era bonito, mas completamente impensável na Guiné. No entanto, pela segunda vez, o acaso punha-me de caras com os pensamentos revolucionários daquele tempo. Só que desta vez senti algo a despertar em mim" (p. 45)...

E mais à frente acrescenta, na entrevista com Norberto Tavares de Carvalho, publicada em livro, que temos vindo a citar:

"Fiquei com aquela imagem de um povo confiante, independente e livre. Esse quadro ficou gravado em mim como o segundo factor de formação da minha consciência nacionalista" (p. 46).

Três meses depois, em 26 de dezembro desse ano, Bobo Keita, que tinha apenas a 4ª classe da instrução primária, "vai no mato", isto é, entra na clandestinidade, mais exatamente segue em viagem para o sul, disfarçado de alfaiate, mas com destino certo: Conacri. Em 12 de janeiro de 1961 tem à sua frente Amílcar Cabral, o homem que lhe tinha dado um bola, quando "djubi" do Cupelom, seu bairro natal...

Como é que um jovem e promissor jogador de futebol chega até aqui, ou seja, entra em ruptura com a sociedade onde, mal ou bem, está integrado ? Antes de mais, é de referir o sentimento de injustiça e de revolta que começa a apoderar-se dos jovens jogadores da seleção da Guiné. Na Nigéria não recebem os prometidos e ansiados prémios de jogos. Sentem-se explorados e inferiorizados quando comparados com os jogadores das outras seleções africanas, em particular os nigerianos. Na capital da Gâmbia, Bathurst, o conflito, latente, estala, passando a conflito aberto, manifesto... Recusam-se a jogar... Acabam por ceder para "não ficarmos mal vistos" (p. 48), mas recebem no final o dinheiro prometido...

Os dirigentes da seleção estranharam o comportamento jogadores e não gostaram... No regresso a Bissau, entra a PIDE em ação. O ambiente é de crispação, dentro e fora do balneário. Chegou-se a pensar prender toda a selecção, mas acabou por imperar o bom senso... Os jogadores, incluindo Bobo Keita, foram discretamente interrogados, um a um, pela PIDE nas instalações dos Bombeiros Voluntários de Bissau (pp. 52 e ss.). Dada a sua popularidade, os jogadores da seleção, envolvidos no conflito passado na Gâmbia, acabaram por se safar... Acrescenta o Bobo Keita, que até o próprio Governador, na altura o Peixoto Correia [1913-1988; governador entre 1958 e 1962], "uma ardente adepto do futebol", não terá apreciado a ação da PIDE (p. 53)...



Guiné > Região de Bafatá  > Sector L1 > Bambadinca > CCAÇ 12 (1969/71) > A valorosa equipa de futebol da CCAÇ 12, que disputou campeonatos em Bafatá...  Supremacia branca, discriminação racial, elitismo ?... Nada disso, os graduados e especialistas metropolitanos da companhia eram apenas um terço; o resto da companhia era do recrutamento local, de etnia fula... Os fulas, pastores, místicos  e guerreiros,  não jogavam à bola, ou   não tinham especial apetência pela prática do futebolmuitos deles numa tinham visto uma bola de futebol, ou um equipamento desportivo, lá nas suas tabancas dos regulados de Badora e de Cossé...

Mas é bom lembrar que, na Guiné do nosso tempo, e devido à guerra o futebol estava praticamente confinado a Bissau... se bem, que houvesse também equipas de futebol no interior (Bafatá, Mansoa)... Do Clube de Futebol Os Balantas de Mansoa (Mansoa) [Região do Oio], era, ao que parece o Corca Só, lendário comandante do PAIGC que um dia terá prometido "limpar o sebo" ao "Tigre de Missirá", o nosso amigo e camarada Mário Beja Santos...

Enfim, o futebol continuava a ser  o desporto, por eleição, dos "tugas", no final dos anos 60...mas também fora um viveiro de dirigentes e militantes do PAIGC no início da década...

Os "tugas" da CXAÇ 2590 / CCAÇ 12 (Contuboel e Bambadinca, 1969/71=, aqui fotografados,  da esquerda para a direita, são, na primeira fila:

(i) Gabriel Çonçalves, o "GG" (1º cabo cripto, vive em Lisboa),

(ii) Francisco Moreira (alf mil op esp, cmdt do 1º Gr Comb, vive em Santo Tirso);

(iii) Arlindo Roda (fur mil at inf,. do 3º Gr Comb, vive em Setúbal);

(iv) Arménio Fonseca, o "Campanhã" (sold at inf, 1º Gr Comb, vive no Porto);
(v) e o guarda-redes, João Rito Marques (o 1º cabo quarteleiro, vive no Souto, Sabugal);

e na segunda fila:

(vi) Fernando Sousa (1º cabo aux enf, vive na Trofa),

(vii) Luciano Pereira de Silva (1º cabo at inf, 4º Gr Comb, natural de São Mamede do Coronado, Trofa, emigrado em França);

(viii) Fernando B. Gonçalves (1º cabo aux enf, que veio substituir o 1º cabo aux José M. Sousa Faleiro, evacuado logo no início para o Hospital Militar de Doenças Infecto-Contagiosas; morada atual desconhecida)

(ix) Alcino Carvalho Braga (sold cond auto; vive em Lisboa)

(xi) Manuel Alberto Faria Branco (1º cabo at inf, 2º Gr Comb; vive na Póvoa do Varzim)

(xi) e o António Manuel Martins Branquinho (fur mil at inf, 1º Gr Comb; falecido, vivia em Évora).

Foto: © Arlindo Roda (2010). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]

__________

Notas de leitura:

(*) Vd. postes de:



(**) Último poste da série > 24 de agosto de 2019 > Guiné 61/74 - P20091: 15 anos a blogar, desde 23/4/2004 (13): Hoje faz anos, 73, o António Fernando Marques... Porque recordar é viver duas vezes, e blogar é três... Relembramos o fatídico dia, 13/1/1971, em que o PAIGC nos quis mandar para os anjinhos... O meu querido Marquês, sem acento circunflexo, tem filhos, netos, amigos e camaradas que o adoram... E o Mário Mendes, morto de morte matada 16 meses depois... será que alguém ainda o recorda na sua terra natal? (Luís Graça)

Guiné 61/74 - P20159: Agenda cultural (701): Festival TODOS 2019: Lisboa, São Vicente, 19-22 setembro: "Avizinhar o mundo". Uma mão cheia de eventos este fim de semana: arte urbana/instalação, cinema, culinária do mundo, dança, encontros / experiências / conversas / performances, fotografia, música, novo circo, teatro, visitas guiadas...

Capa do programa > Cortesia do sítio da
Câmara Municipal de Lisboa
1. Somos fãs de (e apoiamos) este festival  (vd. referências no nosso blogue), numa cidade (e num país) em cuja matriz histórica e cultural estão a descoberta, a aproximação  e o acolhimento do(s) outro(s).  

Aqui ficam sugestões para este fim de semana para quem tiver pernas para andar, olhos para ver, ouvidos para ouvir, boca para falar, tacto para tocar, olfacto para cheirar, gosto para saborear, imaginação para descobrir, coração para acolher e amar, razão para compreender, enfim, corpo e alma para "avizinhar o mundo"... Porque "avizinhar o mundo é preciso"... Oxalá, inshallah, enxalé... a gente ainda vá tempo!...

Eu lá estarei, eu e a Alice, entre os "vizinhos" e "fregueses" de São Vicente mesmo que 3ª feira eu vá à faca: tenho uma artroscopia programada. No joelho esquerdo... Sequelas da vida, das andanças, da idade, quiçá da guerra... Boa saúde, bom fim de semana.  LG

________________



O TODOS - Caminhada de Culturas celebra, desde 2009, Lisboa como cidade intercultural através das artes performativas contemporâneas. Este ano, é a 11ª edição do festival.

Promovido entre a Academia de Produtores Culturais e a Câmara Municipal de Lisboa, o TODOS tem contribuído para a destruição de guetos territoriais associados à imigração, convidando os públicos ao convívio entre culturas de todo o mundo, na capital portuguesa.


Datas: de 19 (quinta-feira)  a 22 (domingo) de setembro de 2019
Locais: Lisboa: Graça, São Vicente e Santa Engrácia: 
Rua Voz do Operário / Campo de Santa Clara, 
Largo da Graça / Miradouro Sophia de Mello Breyner Andresen
Rua da Graça / Jardim  Cerca da Graça

TODOS 2019 | avizinhar o mundo

PROGRAMA COMPLETO EM PDF 
PARA DOWNLOAD AQUI

TODOS 2019 > Editorial (reproduzido com a devida vénia...)

Conhecemos a D. Conceição, moradora na Graça, num almoço em Lisboa com a comunidade filipina. Perguntámos-lhe o que ali fazia e respondeu-nos: “Há anos atrás o meu marido ficou muito doente e quem me ajudou a cuidar dele foram duas vizinhas nossas, filipinas. A minha gratidão para com estas vizinhas tornou-me próxima delas e sempre que posso venho almoçar e celebrar a vida com esta comunidade”. A compaixão e o amor, a atenção e o cuidado para com o outro, aproximaram estas mulheres de origens, culturas e línguas tão diversas. Um exemplo perfeito da urgência em avizinhar o Mundo.

Recuperada e soprada aos quatro ventos nesta 11.ª edição do TODOS, a palavra avizinhar, antiga e algo esquecida, é rica em significados: tornar vizinho, aproximar, estar perto. É isso que desejamos a cada ano e com cada vez maior intensidade – avizinhar-nos do Mundo a partir da janela da nossa casa, a partir da nossa rua, que não queremos jamais despojada de vizinhos. Pois será no abraço ao outro, bem como naquele que dele recebemos, os dois desejavelmente acolhedores e cúmplices, de gente que se conhece no território do quotidiano, que depositamos a esperança na nossa própria humanidade.

A programação deste ano celebra uma das ideias e palavras-chave do TODOS: o outro. Mas não um outro abstrato, não: o outro que está mesmo aqui, tão próximo e tão semelhante. Qualquer que seja a sua cultura de origem e/ou antiguidade no território que partilhamos, o vizinho é o semelhante mais próximo, aquele com quem o diálogo é uma feliz inevitabilidade. O TODOS de 2019 é, assim, e por excelência, um lugar de encontro entre os moradores e os trabalhadores de São Vicente e as populações estrangeiras que ali possam chegar, de modo a reforçar, ou a criar, se possível, sempre que possível, laços de vizinhança.

A partir de inquietações transversais a todas as culturas, propomos momentos artísticos e de convívio propícios ao avizinhamento entre pessoas muito diferentes entre si mas comuns caminhantes nesta nossa cidade. A partir das palavras dos poetas e do “eu poético” que habita em cada um de nós, ponderamos a Liberdade, o Racismo, a Fraternidade, a Paz, a Viagem. Num mundo repleto de imagens há que escutar as palavras, ainda assim. Escutámo-las. As palavras de desabafo, as palavras das canções (incluindo as de embalar), as palavras dos diários, as palavras das entrevistas que fizemos a centenas de pessoas de várias origens e idades.

De entre as muitas e variadas histórias que nos contaram, umas mais sussurradas que outras, a água, a seca, a fome e as doenças, mas também os direitos das mulheres, o direito ao trabalho, a liberdade, as guerras e as perseguições étnicas, emergem como preocupações principais de gentes dos quatro cantos do Mundo. Por essas questões se mata, se casa, se foge, se ama e se odeia; se imigra, se emigra, se viaja e se pede asilo político, se caminha em busca de um qualquer eldorado, esteja ele onde estiver.

Somos, cada vez mais, uma Humanidade de viajantes, de caminhantes movidos por anseios de aventura, de felicidade, de prosperidade, de futuro, por vezes perseguindo coisas aparentemente simples como a paz, um teto, trabalho, dignidade. Caminhamos pelo Mundo com garrafas de plástico eterno que nos vão sobreviver, na esperança da própria esperança, sonhando com uma vida nova, noutro lugar, onde estão ou por onde passam pessoas iguais a nós, ou parecidas, ou então muito diferentes, de quem é preciso avizinharmo-nos. O TODOS dá uma mãozinha, a partir de São Vicente.

Vd. também página do Facebook do Todos
__________

Nota do editor:

Último poste da série > 9 de setembro de 2019 > Guiné 61/74 - P20136: Agenda cultural (700): Convite para a sessão de autógrafos do livro "A Minha Guerra a Petróleo", da autoria de António José Pereira da Costa, dia 13 de Setembro de 2019, pelas 14h00, na Feira do Livro do Porto patente nos Jardins do Palácio de Cristal (António José Pereira da Costa)

quinta-feira, 19 de setembro de 2019

Guiné 61/74 - P20158: Convívios (908): Os "meninos da Linha": estão bem e recomendam-se... Parabéns ao José Miguel Louro e ao João Pereira da Costa, a quem se cantou hoje os parabéns (Luís Graça)


Oeiras >  Algés > 19 de setembro de 2019 >  Estação de comboio > A caminho do 45.º convívio da Magnífica Tabanca da Linha, vejo este grafito e registei-o em fotografia: "Quando eu partir, Algés, reza por mim!"... (Autor desconhecido).

"Partir", verbo intransitivo e verbo pronominal, quer dizer: (i) pôr-se a caminho, seguir viagem; (ii) ir-se embora, retirar-se, sair de cena; (iii) (em sentido figurado) morrer...

Qualquer um de nós, camaradas e amigos da Guiné, tabanqueiros da Tabanca Grande e da sua rede de tabancas (Matosinhos, Centro / Monte Real, Melros / Gondomar, Maia, Lapónia, Porto Dinheiro / Lourinhã, Ferrel / Peniche, Algarve...) têm legitimidade para "grafitar" as  paredes das nossas tabancas: "Quando eu morrer, não chorem por mim, mas não me deixem ir para a vala comum do esquecimento"...

É essa, afinal, a  nobre missão das nossas tabancas: exercer o nosso direito à memória, lutar contra o nosso Alzheimer coletivo, contestar o politicamente correto... E não temos que pedir desculpa por  ainda não termos morrido, "lerpado" (, no nosso calão de caserna)... A elite dirigente deste país  já está farta de nós: porra, estes gajos nunca mais morrem, nunca mais desamparam a loja, nunca mais se calam, nunca mais viram a puta da página da História!... Querem dizer, os senhores ministros da defesa e os senhores generais da guerra, que estamos a mais, a estragar a festa da História... A sua festa, a festa deles...


Oeiras >  Algés >  Restaurante Caravela de Ouro > 19 de setembro de 2019  > Magnífica Tabanca da Linha > 45.º Convívio >  O José Miguel Louro, ao centro, o terceiro a contar da esquerda, alvo de manifestações de carinho: festeja o seu aniversário natalício; teve um grupo de 4  camaradas que vieram expressamente do Norte (Vila Nova de Famalicão e Maia) para passar o dia com ele... Ao grupo juntou-se o Jorge Pinto... São da esquerda para a direita: (i) Joaquim Pinto (em primeiro plano, de costas,  (ii) José Manuel Santos; (iii) Carlos Camacho Lobo; e (iv) Costa e Silva (entre o Louro e o Pinto).

Fiquei a saber que o José Louro pertenceu à 3.ª CART/BART 6520 (Fulacunda, 1972/74). Por lamentável lapso, ainda não pertence à Tabanca Grande: é presença assídua na Tabanca da Linha e participou diversas vezes no nosso encontro anual em Monte Real... Enviuvou recentemente. É o primeiro ano, como aniversariante, que passa sem a sua querida Maria do Carmo. Encontrámo-la,  juntamente com o Miguel Louro, pela última vez. no Hospital da Luz, há mais de um ano.


Oeiras >  Algés >  Restaurante Caravela de Ouro > 19 de setembro de 2019  > Magnífica Tabanca da Linha > 45.º Convívio > Em primeiro plano, à direita, de perfil o João Martins associando-se aos brindes de parabéns ao José Louro. Na outra ponta, à esquerda, de pé, outro camarada que veio do Norte, com o dr. Carlos Camacho Lobo, o José Manuel Santos.


Oeiras >  Algés >  Restaurante Caravela de Ouro > 19 de setembro de 2019  > Magnífica Tabanca da Linha > 45.º Convívio >  Os dois aniversariantes do dia, João Pereira da Costa (Lisboa) e José Miguel Louro (Algueirão / Sintra).


Oeiras >  Algés >  Restaurante Caravela de Ouro > 19 de setembro de 2019  > Magnífica Tabanca da Linha > 45.º Convívio > O Carlos Camacho Lobo, médico dermatologista  (Maia), e o José Miguel Louro, aniversariante...


Oeiras >  Algés >  Restaurante Caravela de Ouro > 19 de setembro de 2019  > Magnífica Tabanca da Linha > 45.º Convívio >  O Jorge Pinto (Sintra), com mais um camarada da sua 3.ª CART/BART 6520 (Fulacunda, 1972/74), o Costa e Silva, natural de Vila Nova de Famalicão (, radicado no Brasil, no Estado de São Paulo, há muitos anos, vem a Portugal com regularidade; foi convidado por mim para a integrar a Tabanca Grande, tendo como "padrinho" o Jorge Pinto).


Oeiras >  Algés >  Restaurante Caravela de Ouro > 19 de setembro de 2019  > Magnífica Tabanca da Linha > 45.º Convívio > O Joaquim Pinto, outro dos camaradas que vieram do Norte, neste caso de Vila Nova de Famalicão, para cantar aos parabéns ao José Louro; esteve em Mampatá é cunhado do Costa e Silva.


Oeiras >  Algés >  Restaurante Caravela de Ouro > 19 de setembro de 2019  > Magnífica Tabanca da Linha > 45.º Convívio > Dois almadenses que não se conheciam: o nosso coeditor Jorge Araújo, à esquerda, e o Domingos Robalo, novo na Tabanca da Linha e próximo membro da Tabanca Grande.


Oeiras >  Algés >  Restaurante Caravela de Ouro > 19 de setembro de 2019  > Magnífica Tabanca da Linha > 45.º Convívio > O Manuel Macias (Linda a Velha / Oeiras) e o João Rosa (Lisboa)... O Manel Macias, da Aldeia de São Bento, Serpa, pediu-me para mandar um "alfbravo" para o seu conterrâneo, amigo e camarada José Saúde... Ambos são sentam-se à sombra do poilão da Tabanca Grande.


Oeiras >  Algés >  Restaurante Caravela de Ouro > 19 de setembro de 2019  > Magnífica Tabanca da Linha > 45.º Convívio > À direira, o Luís Paulino (Algés); o camarada da esquerda, não o consigo, de imediato, identificar.


Oeiras > Algés > Restaurante Caravela de Ouro > 19 de setembro de 2019 > Magnífica  Tabanca da Linha > 45.º Convívio > O António Maria Silva (Cacém / Sintra) e o Carlos Silvério (Ribamar / Lourinhã)


Oeiras > Algés > Restaurante Caravela de Ouro > 19 de setembro de 2019 > Magnífica Tabanca da Linha > 45.º Convívio > As únicas senhoras presentes: Alice Carneiro (esposa do Luís Graça), a Gina (esposa do António F. Marques) e a Irene (esposa do Luís R. Moreira)


Oeiras > Algés > Restaurante Caravela de Ouro > 19 de setembro de 2019 > Magnífica Tabanca da Linha > 45.º Convívio >  O Luís R. Moreira e o Manuel Joaquim, dois fiéis tabanqueiros e bons sintrenses.


Oeiras >  Algés >  Restaurante Caravela de Ouro > 19 de setembro de 2019  > Magnífica Tabanca da Linha > 45.º Convívio > O cor inf ref João Ares, ex-cmdt da C557, Cachil, Bissau e Bafatá, 1963/65), e o Mário Fitas (Estoril / Cascais). O coronel Ares é a primeira vez que vem à Tabanca da Linha, é portanto um "pira". Foi convidado pelo José Colaço.


Oeiras >  Algés >  Restaurante Caravela de Ouro > 19 de setembro de 2019  > Magnífica Tabanca da Linha > 45º Convívio >  O cor inf ref João Ares, ex-cmdt da CAÇ 557, CachilBissau e Bafatá, 1963/65).


Oeiras >  Algés >  Restaurante Caravela de Ouro > 19 de setembro de 2019  > Magnífica Tabanca da Linha > 45.º Convívio > O Mário Fitas, um dos fundadores da Tabanca. E nosso grã-tabanqueiro: tem 140 referências no nosso blogue.


Oeiras >  Algés >  Restaurante Caravela de Ouro > 19 de setembro de 2019  > Magnífica Tabanca da Linha > 45.º Convívio > O Carlos Alberto Pinto (Amadora)


Oeiras > Algés > Restaurante Caravela de Ouro > 19 de setembro de 2019 > Magnífica Tabanca da Linha > 45.º Convívio > Rui Santos [ex-alf mil, 4.ª CCAÇ, Bedanda e Bolama, 1963/65], que vive em Lisboa, um dos veteranos da guerra da Guiné, membro da nossa Tabanca Grande, que eu já não via há anos... Se não erro, desde 2013, por ocasião do 1.º encontro do pessoal de Bedanda, em Peniche...


Oeiras > Algés > Restaurante Caravela de Ouro > 19 de setembro de 2019 > Magnífica Tabanca da Linha > 45.º Convívio > O João Parreira, também conhecido aqui pelo seu outro apelido, Latada (Carcavelos / Oeiras) que também já não via há anos: divide o seu tempo, em Carcavelos e em Barbacena, Elvas... A seu lado, o nosso António Graça de Abreu (tem cerca de 240 referências no nosso blogue).


Oeiras > Algés > Restaurante Caravela de Ouro > 19 de setembro de 2019 > Magnífica Tabanca da Linha > 45.º Convívio >  O João Parreira, membro da nossa Tabanca Grande, da primeira hora. Tem meia centena de referências no nosso blogue.


Oeiras > Algés > Restaurante Caravela de Ouro > 19 de setembro de 2019 > Magnífica Tabanca da Linha > 45.º Convívio > O Jorge Ferreira, o nosso camarada que pôs Buruntuma no mapa, ainda a guerra era uma criança!...



Oeiras > Algés > Restaurante Caravela de Ouro > 19 de setembro de 2019 > Magnífica Tabanca da Linha > 45.º Convívio > O Armando Pires (Carnaxide / Oeiras): "parte mantenhas com Bissorã!"... Elemento querido da Tabanca Grande, tem oitenta referências no nosso blogue...


Oeiras > Algés > Restaurante Caravela de Ouro > 19 de setembro de 2019 > Magnífica Tabanca da Linha > 45.º Convívio > O António Duque Marques (Amadora) e o Carlos Marques de Oliveira (Sintra): este último vai entrar para a Tabanca Grande, que é a mãe de todas as tabancas... O António Duque Marques, não sei porquê, ainda não figura na lista alfabética!... O que é se passa, camarada e vizinho?


Oeiras > Algés > Restaurante Caravela de Ouro > 19 de setembro de 2019 > Magnífica Tabanca da Linha > 45.º Convívio > O Carlos Marques de Oliveira (Sintra) e o João Pereira Costa (Lisboa)


Oeiras > Algés > Restaurante Caravela de Ouro > 19 de setembro de 2019 > Magnífica Tabanca da Linha > 45.º Convívio >  O  João Martins (Lisboa) e o Carlos Marques de Oliveira, próximo membro da Tabanca Grande. O João Martins tem mais de meia centena de referências no blogue.


Oeiras > Algés > Restaurante Caravela de Ouro > 19 de setembro de 2019 > Magnífica Tabanca da Linha > 45.º Convívio > Em primeiro plano, o Joaquim [Nunes] Sequeira (Colares / Sintra) e o José Inácio Leão Varela (Algés / Oeiras)


Oeiras > Algés > Restaurante Caravela de Ouro > 19 de setembro de 2019 > Magnífica Tabanca da Linha > 45.º Convívio >  Aspeto parcial da sala onde se juntaram mais de meia centena de convivas. Em primeiro plano, na mesa, reconheço, à direita, o Daniel Gonçalves (Carcavelos / Oeiras)... A meio, está o José Albino Ribeiro (Mem Martins / Sintra), "pira" nestas andanças...


Oeiras >  Algés >  Restaurante Caravela de Ouro > 19 de setembro de 2019  > Magnífica Tabanca da Linha > 45.º Convívio > O magnífico régulo, Manuel Resende (São Domingos de Rana / Cascais), e o tabanqueiro Jorge Canhão (Oeiras), com 105 e 65 referências no blogue, respetivamente.

Fotos (e legendas): © Lu´si Graça  (2019). Todos os direitos reservados. [Edição: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]
_____________