sábado, 18 de fevereiro de 2017

Guiné 61/74 - P17059: Pedaços de um tempo (António Eduardo Ferreira, ex-1.º Cabo Condutor Auto Rodas da CART 3493) (14): A minha ida ao Xime

Cais do Xime
Foto: © José Nascimento


1. Mensagem do nosso camarada António Eduardo Ferreira (ex-1.º Cabo Condutor Auto Rodas da CART 3493/BART 3873, Mansambo, Fá Mandinga e Bissau, 1972/74) com data de 3 de Fevereiro de 2017:

Amigo Carlos
Como sempre, faço votos para que a saúde seja uma das tuas companhias, hoje envio-te um texto que fala da minha primeira ida ao Xime.

Recebe um abraço
António Eduardo Ferreira


PEDAÇOS DE UM TEMPO

14 - A MINHA IDA AO XIME

Estava a minha companhia há pouco tempo em Mansambo quando foi chamada a participar numa operação que teve lugar na zona do Xime, creio que com dois grupos de combate, calhou-me a mim ser um dos condutores que conduziu uma das viaturas que transportou o pessoal. Nesse dia, era já tarde quando lá chegámos, ficámos junto às instalações do Xime o regresso foi ao fim da tarde dia seguinte, durante a noite eu dormi ”no hotel estrela” junto a um pavilhão.

No dia seguinte, enquanto os meus camaradas andaram no mato, aproveitei o tempo para conhecer um pouco da tabanca, encontrei lá um camarada que tinha conhecido na Figueira da Foz que era quase meu vizinho mas que antes eu não conhecia, era apontador de obus 10,5. Fui com ele, estávamos a ver um local junto a umas bananeiras onde funcionava a escola, segundo ele me disse, mas aí a visita foi interrompida, ouviram-se rebentamentos na zona onde estava a decorrer a operação e o Nogueira desatou em grande correria para junto do obus.

Durante algum tempo, enquanto decorria a operação, a área foi sobrevoada por um DO. Como as coisas mudaram, ainda não se ouvia falar nos Strela. Também tive oportunidade de ver os Fiats bombardearem relativamente perto da estrada Xime-Bambadinca. Aí as coisas também mudaram muito, nesse dia ”picaram” quase até chegar à copa das árvores, mais tarde já em Cobumba, vi-os bombardear mas a uma altura que nada tinha a ver com o que o que aconteceu então no Xime.

Tive também oportunidade de ir até à ponte onde estava pessoal a fazer segurança, depois aproveitei a boleia e fui com três camaradas do Xime até ao cais onde pude ver o movimento que ali havia e também um enorme buraco que tinha sido feito pelo rebentamento de um foguetão, arma de que eu ainda não tinha ouvido falar, mas aí as coisas complicaram-se, a viatura que nos tinha levado, enquanto nós estávamos a olhar o Geba, abalou e deixou-nos lá, alguns dos que tinham ido comigo não gostámos de lá ter ficado mas fazia parte do grupo um colega sempre bem disposto, sempre a rir, vendo que alguns ficámos algo perturbados, continuando a rir disse: - Não há problema, se for preciso até se mija-se na cama e diz-se à mulher que estamos a transpirar.
Disseram-me depois que ele era sempre assim, bem disposto, até lhe chamavam o cavalo que ri.

Em Mansambo viajámos muito, mas tal não significa que corrêssemos mais riscos, durante treze meses apenas uma das nossas viaturas acionou uma mina. Em Cobumba tínhamos cerca de um quilómetro para percorrer, levámos quatro viaturas, acionaram uma cada…

Quando éramos periquitos, gostávamos de saber mais, ver o que até há pouco tempo era para a maioria de nós desconhecido, mesmo tendo ouvido falar daquelas paragens a camaradas que antes por lá tinham passado. Talvez por isso tenha ficado gravado na nossa memória, que mesmo a esta distância no tempo, continua a estar bem presente.

António Eduardo Ferreira
____________

Nota do editor

Último poste da série de 28 de janeiro de 2017 > Guiné 61/74 - P16997: Pedaços de um tempo (António Eduardo Ferreira, ex-1.º Cabo Condutor Auto Rodas da CART 3493) (13): O dia mais triste...

Guiné 61/74 - P17058: Os nossos seres, saberes e lazeres (199): Central London, em viagem low-cost (1) (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70) com data de 14 de Outubro de 2016:

Queridos amigos,
Desenhar uma viagem num destes destinos que estão entre os mais caros do mundo tem muito que se diga. Atirem-me à empreitada de cabeça: low-cost em tudo, no avião, na dormida, bater as solas e reduzir os transportes públicos, pequenos almoços com o que se compra no supermercado, almoçar ligeiro e jantar com mais fantasia, gozar do privilégio dos assombrosos museus de Londres gratuitos, resistir estoicamente à compra de livros e da atrativa traquitana que se pode adquirir em inúmeras lojas de filantropia e de coisas em segunda mão.
Impossível ir à ópera, 140 libras, mesmo na English National Opera, um D. João de Mozart cantado em inglês custa 80 libras.
Aproveita-se o colorido das noites, os teatros iluminados, a sumptuosidade das avenidas e das praças, assim se enche o estômago com as belezas de Londres. E o contentamento é pleno.

Um abraço do
Mário


Central London, em viagem low-cost (1)

Beja Santos

Era uma pretensão clara, cabal e realizável: começar o passeio por Londres o mais low-cost possível. Um quarto de hotel frugalíssimo, daqueles que só dão uma toalha e um frasco de sabonete líquido, a exigência era ficar no centro para reduzir ao mínimo àquelas passeatas intermináveis no tube, sempre à procura das linhas Bakerloo, Central, Circle, District, Piccadilly ou Victoria, mas há mais. O low-cost, depois do avião, continuou no autocarro do National Express, lá se chegou a uma alfurja simpática em Old Street. Passeata de reconhecimento, compras para o pequeno-almoço e deita. O dia seguinte ao gosto do viajante, o importante cemitério de Bunhill Fields Burial Ground, cemitério do século XIX hoje desativado. Estão ali sepultados, entre outros, os muitos grandes William Blake, Daniel Defoe e John Bunyan. No meio da balbúrdia metropolitana, este cemitério é um oásis, está florido e pejado de esquilos. É o direito dos mortos continuarem a chamar à atenção dos vivos.





Finsbury Square é imponente, no passeio pedestre chama prontamente à atenção pela monumentalidade arquitetónica. Quem acompanha o viajante sabe da poda e alerta: o edifício foi severamente devastado num bombardeamento mas houve talento para pôr de pé a ruína, o que se vê à direita está bem harmonizado com o que ficou intocado pelas bombas. É bonito ver uma boa intervenção arquitetónica.


Falando de arquitetura, e se bem que não estejamos na City onde se acantonam os grandes prodígios arquitetónicos, por si só merecem um passeio cuidado, dando-se mesmo a curiosidade de haver lá dentro velhas igrejas com concertos gratuitos ao meio-dia, não é desprimoroso ver encravada na arquitetura clássica novas construções que primam pela altura e os vidros espelhados, as grandes artérias parecem ganhar leveza. Há quem não se dê bem com esta monumentalidade de paredes enegrecidas, é o preço da poluição, o viajante sente-se bem com estas misturas entre o moderno e o antigo, não faltam jardins e acontece que é dia de céu azul e nuvens muito brancas. Que melhor se podia esperar?



Primeiro surgiu a Eleanor Cross medieval, as guerras religiosas levaram à sua demolição, e quando, sinal da época, surgiu o monumental hotel de Charing Cross houve a boa ideia de trazer a réplica da Eleanor Cross. É uma história bonita, meteu amor. Eduardo I era casado com Leonor de Castela, a rainha morreu em Lincoln e por todas as localidades onde o féretro passou o monarca mandou construir um memorial. Quem pretenda saber mais sobre este desgosto de amor, aqui vai: https://www.wikiwand.com/en/Eleanor_cross.


E assim se chegou a Trafalgar Square, aqui se encontram dois importantíssimos museus gratuitos: a National Gallery e a National Portrait Gallery. E os acepipes que temos à espera. Cheguei cedo de mais, no dia 12 de Outubro começará a exposição opulenta dedicada ao grande Caravaggio, esta tela monumental do beijo de Judas que precede a prisão de Cristo é impressionante, data de 1602, Michelangelo Merisi da Caravaggio está no apogeu. Irei deleitar-me com outras coisas. Com a exposição de Fray Juan Bautista Maíno, com os mosaicos de Boris Anrep, com Michelangelo, Da Vinci. Tudo irá começar nos primitivos italianos até desembocar nos contemporâneos, pelo meio os olhos encharcam-se de Uccello, Pisanello, Ticiano, Canaletto, Monet, imagine-se que viajante vai descobrir um novo culto, a pintura de George Bellows. Tudo se conta mais tarde. Como o nome indica, na National Portrait Gallery aguardam o viajante centenas de retratos, que bela pançada. Mas antes de entrar na aventura museológica, como o céu está azul e a alvura das nuvens é impressionante, regista-se Trafalgar, com o pormenor da torre do Parlamento lá bem ao fundo e a outra imagem mostra uma escultura que está ali temporariamente, há quatro na praça, três são permanentes, aqui a exibição tem tempo marcado. O viajante confessa que fica bem impressionado com este dedo espetado para as alturas. Nada mais por hoje.



(Continua)
____________

Nota do editor

Último poste da série de 8 de fevereiro de 2017 > Guiné 61/74 - P17032: Os nossos seres, saberes e lazeres (198): Lembranças de um passeio entre Batalha, Mira de Aire e Minde (Mário Beja Santos)

Guiné 61/74 - P17057: Manuscrito(s) (Luís Graça) (112): ...Os feitos da arte e da ciência da saúde pública... "eu já não cantarei por toda a parte, / Jubilado, falta-me o engenho e a arte"...


À laia de despedida
da Escola Nacional de Saúde Pública
que servi, 
com amor e humor
(1985-2017)


por 


Luís Graça







1. Os meus colegas do Conselho Científico quiseram-me  fazer um "almoço de despedida",  por ocasião da minha jubilação. É  da praxe, da tradição.... , mas o gesto tem significado para mim...Mostra apreço e carinho.

Fomos ao sítio do costume, em Carnide, onde há bons restaurantes com  grelhados (de peixe e carne)...O dia era de trabalho para todos eles,  No fim, e já cá fora, perto do coreto de Carnide, insisitiram comigo para que. declamasse, m voz alta, em círculo, as estrofes que tinha escrito para a ocasião, uma paródia às  cinco primeiras estrofes do I Canto dos "Lusíadas",  do Luís Vaz  de Camões, o imortal poema da gesta da gente lusa... Aqui fica o registo... Ninguém tirou fotos... e o vídeo que eu me pedi à minha Sílvia falhou. Mas, já antes da reunião do Conselho Científico, eu tinha mandando os versos, por email, com uma singela mensagem...


Caros/as amigos/as da Saúde Pública, 

colegas (os que seguem a mesma lei, escola, doutrina, linha de pensamento),

 e porque não companheiros/as (os que partilham física e simbolicamente, o mesmo pão à mesma mesa), 

e até camaradas (os que partilham, simbolicamente, a mesma "camerata", a mesma cama, caserna, buraco, trincheira, lugar de combate)...

Desejo-vos boa caminhada pela "picada" da vida fora, em termos individuais e coletivos, e sempre com um olho nas "minas e armadilhas" (metaforicamente falando) dos amigos e inimigos, que vos possam surgir...

Vou ter saudades destas manhãs de segunda feira em que, mensalmente, se reunia o conselho científico da nossa Escola... E não posso deixar de ter um pensamento de gratidão para com os/as que estiveram à frente deste órgão e todos/as os/as demais conselheiros/as que, ao longo do tempo, contribuíram para um melhor ensino, investigação e desenvolvimento da arte e da ciência da saúde pública...

Agora do outro lado, mas marginal-secante como sempre, continuarei a torcer pela mesma "camisola"... "À laia de despedida" da Escola, que servi com "amor e humor", desde os idos anos 80 do século passado, deixo-vos uma brincadeira poética... Que a Ciência. os seus conselheiros e o (e)terno Camões me perdoem esta(s) irreverência(s)...

Para todos vós, mais novos do que eu em idade, só posso desejar que continuem a lutar pela Escola Nacional de Saúde Pública com "high tech & human touch" com que sempre sonharam os nossos "pais fundadores"... O mesmo é dizer, uma Escola onde todos/as caibam com tudo o que nos une e até com aquilo que nos pode separar...

Dito isto, sejam felizes!


Boa saúde, bom trabalho, Luís Graça



Os sábios desta Escola assinalados
Que, de uma obscura avenida lusitana (*),
Por terras, céus e mares nunca explorados,
Fizeram da saúde ciência urbana,
Com muito papel e tinta esbanjados,
Além de queimada muita pestana,
E na Universidade se afirmaram,
E até uma NOVA Saúde criaram;


E também as memórias saudosas
Dos mestres e gurus vão celebrando,
Nos books e working papers volumosos,
Na língua de Shakespeare publicando (**),
E aqueles que por obras valorosas
Se vão da lei da Morte libertando,
… Eu já não cantarei por toda a parte:
Jubilado, falta-me o engenho... e a arte!


Cessem dos velhos sábios hipocráticos
As grandes lições e secas que nos deram,
Calem-se os demais profes catedráticos,

Esqueçam a fama e a glória que tiveram,
Por mais gentis que fossem… e democráticos,
Cesse tudo o que ontem era Ciência,
Que outra, NOVA, se ergue com turbulência.

 
E vós, ó eternas bolseiras minhas,
Que a Saúde Pública tendes servido,
Pequeno reino com os seus reis e rainhas,
Continuai trabalhando alegremente,
Mais do que cigarras, sois formiguinhas,
Com o pão de cada dia bem merecido,
Cuidem de manter sempre limpo o carreiro,
E ponham a Escola sempre... em primeiro!


Senhora de boa reputação,
Ela está bem, para uma cinquentona,
Já deu muitos e bons filhos à Nação,
E até já morreu, quando mocetona (***),
Conheceu a perfídia e a traição,
Como a Fénix renasceu, veio à tona.
… Pois que seu nome se cante no universo,
E, se preciso for, juntem... o meu verso!...



Lisboa, ENSP/NOVA, 13 de fevereiro de 2017

Luís Graça


Notas do autor:

(*) Av Padre Cruz, em Lisboa, onde se situa a Esscola Nacional de Saúde Públcia, da Universidade NOVA de Lisboa (ENSP/NOVA). A funcionar desde 2/1/1967, como Escola Nacional de Saúde Pública e de Medicina Tropical, dois ramos que se vão separar em 1972,   comemora em 2017 as suas bodas de ouro, embora a sua origem a 1899... Originalmente tutelada pelo ministério da saúde (e do ultramar!), será integrada na Universidade NOVA de Lisboa, em 1994.

Para saber mais, clicar aqui, no sítio oficial da Escola: https://www.ensp.unl.pt/

(**) Referência ao veredicto: "Publish or perish" (publicas ou morres!)... Com a globalização (e googlização) da ciência, o veredicto agora é: "Publish in English... or perish" (publicas em inglês, or morres!)...

(***) Referência à ameaça de extinção  da Escola, entre 1991 e 1994, ao  tempo dos XI e XII Governo Constitucional, sob a liderança do prof Cavaco Silva.

_____________

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Guiné 61/74 - P17056: Caderno de notas de um mais velho (Antº Rosinha) (51): Pelo mundo, ninguém aprecia os nossos Generais, só os nossos Santos... (A propósito do bisavô materno do escritor e nosso camarada Antónioo Lobo Antunes, o gen José Joaquim Machado, 1847-1925)

1. Mensagem de António Rosinha:

[Foto à esquerda, Angola, 1961

(i) acaba de ultrapssasr as 100 referência no blogue, este beirão;

(ii) é um dos nossos 'mais velhos';

(iii) andou por Angola, nas décadas de 50/60/70, do século passado;

(iv) fez o serviço militar em Angola, foi fur mil, em 1961/62;

(v) diz que foi 'colon' até 1974;

(vi) 'retornado', andou por aí (, com passagem pelo Brasil), até ir conhecer a 'pátria de Cabral', a Guiné-Bissau, onde foi 'cooperante', tendo trabalhado largos anos (1987/93) como topógrafo da TECNIL, a empresa que abriu todas ou quase todas as estradas que conhecemos na Guiné, antes e depois da 'independência';

(vii) o seu patrão, o dono da TECNIL, era o velho africanista Ramiro Sobral;

(viii) é colunista do nosso blogue com a série 'Caderno de notas de um mais velho'';

(ix) pelo seu bom senso, sensibilidade, perspicácia, cultura e memória africanistas, é merecedor do apreço e elogio de muitos camaradas nossos, é profundamente estimado e respeitado na nossa Tabanca Grande, mesmo quando as nossas opiniões podem divergir;

(x) Ao Antº Rosinha poderá aplicar-se o provérbio africano, há tempos aqui citado pelo Cherno Baldé, o "menino e moço de Fajonquito": "Aquilo que uma criança consegue ver de longe, empoleirado em cima de um poilão, o velho já o sabia, sentado em baixo da árvore a fumar o seu cachimbo". ]



Data: 16 de fevereiro de 2017 às 21:54
Assunto: Pelo mundo, ninguém aprecia os nossos Generais, só os nossos Santos.


Grandes africanistas portugueses, principalmente militares, eternizaram os seus nomes em vilas e cidades, baias e promontórios e fortalezas. pelas várias colónias portuguesas.

Penso que foi errado porque essa eternização foi errada…não foi eterna, teve um fim.

Teve um fim porque os militares não eram santos.

Se fossem usados nomes de Santos como se fazia antigamente, ainda hoje tínhamos muitos santos espalhados pelo mundo.

Por exemplo na Guiné, já não há Teixeira Pinto,(Canchungo) mas ainda temos bairro de Santa Luzia, jangada de São Vicente.

Até mesmo cá, se a ponte de Lisboa, se fosse ponte Santo António de Lisboa, não seria preciso arrancar a placa do outro António.

Dá a ideia que só se começou a usar nomes militares em vez de santos, com o aparecimento de Pombal e a maçonaria e a independência do Brasil.

No Brasil ainda hoje temos lá desde a Baia de todos os Santos, São  Salvador, São Sebastião do Rio de Janeiro, Santos do Pélé, São Paulo, São Bernado, Santo André, São Caetano, Santa Cruz (várias), São Januário, Estado do Espírito Santo, etc. etc.

Conheço várias cidades brasileiras, não vi nenhuma cidade ou rua Pedro Alvares Cabral, nem Padre António Vieira.

Então no Cao de Angola quetirando a Vila Salazar que caíu este porque não era santo e ficou Dalatando, e nem era africanista nem lá pôs os pés,  e a cidade de Carmona, que hoje é Uige, todos os outros nomes foram em geral militares e grandes africanistas. E com um grande espírito colonialista.

Mas já não há nenhum desses nomes porque nenhum era santo. Ele era Vila Pereira d'Eça, (N'Giva), vila Roçadas, (Humbe), Vila Henrique Carvalho, (Saurimo), cidade Serpa Pinto, (Menongue), Vila Paiva Couceiro, (?) e para ficar por aqui termino com a vila geograficamente mais central de Angola, Vila General Machado que ficou com o nome indígena Camacupa..

Nesta Vila General Machado (Camacupa) há, ou havia, no fim da guerra MPLA/UNITA, nunca se sabe o que sobrou, um marco geodésico que é considerado o centro de Angola.

José Joaquim Machado
[Lagos, 1847 - Lisboa, 1925], bisavô 
materno do escritor e nosso camarada
António Lobo Antunes
 Fonte:Cortesia de Wikipédia

E quem foi o General Machado [, José Joaquim Machado, Lagos, 1847 - Lisboa, 1925]18? Vem muita coisa na Wikipédia, mas um pormenor que soube lá, é que foi o português que chefiou parte da construção do Caminho de Ferro de Benguela que leva o comboio ao Leste de Angola ("Cús de Judas")  e segue para o Katanga e Zâmbia, inicitiva dos ingleses e que Portugal assumiu

E é por causa desta Vila de Camacupa, ex- General Machado, que para mim é muito célebre, como outros generais que deram nomes a outras vilas, mas este especialmente, é que me deu na cabeça para escrever sobre esta dos nomes de generais espalhados pelas colónias.

Então não é que este homem que dedicou parte da sua vida colonial no comboio que levaria um pouco de modernidade às terras do fim do mundo aos "Cus de Judas", é um dos avós de António Lobo Antunes, o nosso escritor que várias vezes já foi referido nesta tertúlia?

Fiquei surpreendido e inspirado para este post, ao ler a revista Visão desta semana que termina [vd. crónica de António Lobo Antunes, "A minha família^", Visão, nº 1250, de 16/2 a 22/2/2017, pp. 6-7)


Luís Graça, se houver espaço e tenha interesse fica ao teu dispor.

Boa noite e um abraço,
Antº Rosinha

2. Comentário do editor CV:

E os topónimos, Rosinha, os nomes das nossas terras (do "Puto"...) que levámos para as terras de além-mar ? Na Guiné, não havia muitos, mas lembro-me de alguns (onde nunca estive); Nova Lamego, Nova Sintra... Já em Angola, que tu conheceste bem, eram mais, a começar por Nova Lisboa (hoje Huambo)...Mas isso aconteceu em todo o lado: veja-se o Brasil, veja-se a América, que foram grandes colónias... Os europeus chamavam Novo Mundo às terras que estavam do outro lado do Atlântico: por exemplo, New York / Nova Iorque,  Também havia uma Nova Lamego (em Angola) e uma Nova Sintra (em Cabo Verde)...Há um município de Santarém, no Pará (Brasil)... E por aí fora.

_________________

Nota do editor:

Últimos poste da série, do ano de 2016 > :

22 de dezembor de 2016 > Guiné 63/74 - P16868: Caderno de notas de um mais velho (Antº Rosinha) (50): Mandela não mentiu

9 de setembro de 2016 > Guiné 63/74 - P16468: Caderno de notas de um mais velho (Antº Rosinha) (48): O filme das cartas de amor e guerra de António Lobo Antunes, realizado por Ivo M. Ferreira


25 de julho de 2016 > Guiné 63/74 - P16331: Caderno de Notas de um Mais Velho (Antº Rosinha) (46): Quando Bismarck, Leopoldo II e as outras potências, Inglaterra e França (Cecil Rodhes e outros) dividiram África em Berlim, estavam-se nas tintas para os africanos... Ensaiaram depois o neocolonialismo a que chamaram independência

12 de maio de 2016 > Guiné 63/74 - P16079: Caderno de Notas de um Mais Velho (Antº Rosinha) (45): A brutal emboscada do dia 22/3/1974, na estrada (alcatroada, construida pela TECNIL ) Piche-Nova Lamego: só por negligência, propositada ou intencional ou casual, estes casos podiam acontecer... É coincidência apenas, ou as Forças Armadas só já estavam preocupadas com outros valores?...

3 de maio 2016 > Guiné 63/74 - P16044: Caderno de Notas de um Mais Velho (Antº Rosinha) (44): Os desentendimentos constantes entre alguns PALOP e Portugal... A luta continua.!...

30 de março de 2016 > Guiné 63/74 - P15913: Caderno de Notas de um Mais Velho (Antº Rosinha) (43): Os receios europeus de um antigo colonialista português, gen Norton de Matos, em dezembro de 1943

22 de fevereiro de 2016 > Guiné 63/74 - P15781: Caderno de Notas de um Mais Velho (Antº Rosinha) (42): A unidade que os cabo-verdianos ajudaram a criar

5 de fevereiro de 2016 > Guiné 63/74 - P15748: Caderno de Notas de um Mais Velho (Antº Rosinha) (42): As riquezas das matéria primas africanas e as fantasias criadas


16 de janeiro de 2016 > Guiné 63/74 - P15623: Caderno de Notas de um Mais Velho (Antº Rosinha) (41): o que foi mais devastador para o PAIGC foi precisamente a campanha psicológica spinolista por uma "Guiné Melhor"


Guiné 61/74 - P17055: Notas de leitura (930): “O PAIGC perante o dilema Cabo-Verdiano (1959-1974)”, por José Augusto Pereira, Campo da Comunicação, 2015 (3) (Mário Beja Santos)

Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 23 de Novembro de 2015:

Queridos amigos,
O mestre José Augusto Pereira legou-nos uma investigação que deve ser tida em conta, a todos recomendo a sua leitura. Se em determinadas matérias mostrou aplicação e tratou com rigor uma boa parte da bibliografia, compulsou nos arquivos da PIDE aqueles relatórios onde se registavam dissensões, quebras de confiança na política seguida pelo secretário-geral, e até a tentativa de criação de partidos em que não houvesse misturas entre guineenses e cabo-verdianos. Recorde-se que quando Amílcar Cabral chegou à região em 1960 foi logo confrontado pela contestação dos guineenses se juntarem a cabo-verdianos na luta e num qualquer ideal federativo. Os melhores investigadores de Cabral alegam que a ideia de unidade era muito corrente nessa época, o que é inteiramente verdade, mas Cabral ao longo dos anos foi assistindo ao desmantelamento dessas uniões, do Egito ao Mali. E ele não podia ignorar a questão estrutural de que os cabo-verdianos não eram bem-amados na Guiné, eram encarados como o braço longo do colonialismo. É assim que se percebe que ainda há muita investigação a fazer e muitos mitos a desmontar.

Um abraço do
Mário


O PAIGC perante o dilema Cabo-Verdiano (3)

Beja Santos

“O PAIGC perante o dilema Cabo-Verdiano (1959-1974)”, por José Augusto Pereira, Campo da Comunicação, 2015, é seguramente uma investigação rigorosa, com aturada consulta da bibliografia mais pertinente, não hesito em considerar esta investigação como apropriada para o conhecimento de uma realidade tantas vezes omitida – o PAIGC da luta da Guiné e o PAIGC clandestino e impaciente por passar à subversão, o que jamais sucedeu.

Acompanhou-se o desenrolar do trabalho de José Augusto Pereira: o confronto entre duas realidades socioeconómicas e culturais diferenciadas e com pontos de aproximação; a história do PAIGC na luta armada guineense e as sucessivas hesitações entre agitação política e a promessa de desembarque em Cabo Verde. É esta faceta da crise que é sucessivamente silenciada, acrescendo que muitos cabo-verdianos de modo algum se identificavam com o lema “unidade e luta”.

A impaciência dos militantes cabo-verdianos está bem documentada. Jorge Querido, o responsável máximo pela atividade do PAIGC em Cabo Verde escreve para Conacri pedindo orientações e armamento, a resposta demorava. Os clandestinos em Lisboa também vociferavam, Amílcar Cabral procurava apaziguar. Osvaldo Lopes da Silva que, entre 1970 e 1972, recebera formação em marinha de guerra no Mar Negro, URSS, quando chegou a Conacri pediu a Cabral a perspetiva da luta do povo cabo-verdiano para a independência, os cabo-verdianos queriam ser tratados como uma entidade, e não como um apêndice da luta da Guiné. Esta reivindicação não era original, Abílio Duarte em Abril de 1970, defendeu que o problema de Cabo Verde devia ser tratado por toda a direção do partido, Amílcar Cabral opôs-se, recusou atitudes chauvinistas, era inaceitável só pensar em Cabo Verde. Morto Cabral, no decurso do II Congresso do PAIGC, foi criada a Comissão Nacional de Cabo Verde, presidida por Pedro Pires. Doravante, este organismo procurará assegurar a condução dos contactos com os militantes clandestinos em Cabo Verde, a organização de militantes em Portugal e cativar os emigrantes cabo-verdianos residentes na Europa e nos Estados Unidos da América.

Além de impacientes com o impasse cabo-verdiano, estes militantes sentiram que havia sintomas de crise na Guiné, grassava o cansaço e a desmotivação, os próprios relatórios da PIDE/DGS referem atos de indisciplina entre combatentes da etnia Balanta na zona do Boé, em finais de 1967 e dificuldades em recrutar combatentes na zona Norte. Esses mesmos relatórios da PIDE referem críticas de guineenses acerca do alegado tratamento privilegiado que Amílcar Cabral dispensava aos cabo-verdianos, distribuindo-lhes cargos de direção. Refere o autor que o arquivo da PIDE é fundamental para estas informações que dão conta das variadas tensões entre dois povos. José Augusto Pereira considera, no entanto, que esta leitura se revela desajustada quando sinaliza o percurso dos fundadores e dirigentes do topo do partido, a partir de 1973 passam a predominar quadros oriundos da Guiné que ficarão em maioria e os militantes cabo-verdianos em minoria. Mas até ao assassinato de Cabral o topo da linha dirigente era constituído exclusivamente por cabo-verdianos. Os órgãos dirigentes reuniram pouco e mal nos anos de 1971 e 1972, Cabral ausentava-se imensas vezes, daí não ter acompanhado de perto da degradação da situação interna do PAIGC. Esta questão é profundamente incómoda, mas investigadores como Peter Karibe Mendy não iludiram o ressentimento prevalecente na sociedade guineense e que tinha como alvo os funcionários oriundos das ilhas, rotula-os como “instrumentos da brutal dominação portuguesa”.

A grande ironia desta contestação do princípio da unidade Guiné-Cabo Verde não invalidou que os quadros cabo-verdianos tivessem um papel determinante na condução da luta, mas a desconfiança foi sempre recíproca, houve dissensões no PAIGC manifestamente a partir de 1967. Recorde-se que Honório Sanches Vaz tentou criar o Partido Democrático Orgânico da Guiné, Cabral determinou a sua execução e a dos seus seguidores. José Augusto Pereira repertoria outras tentativas de dissidência, são constantes nos relatórios da PIDE. Por exemplo, Mamadu Injai, que ao tempo do assassinato de Cabral era o responsável pela segurança do secretário-geral, tinha estado ligado à Junta Militar dos Patriotas da Guiné-Bissau, foi destituído e Cabral procurou recuperá-lo. Trata-se de um capítulo importantíssimo desta obra que justifica uma leitura muito cuidadosa para acabar com a mitologia de que alguns rancorosos encabeçaram a conjura que liquidou Cabral. Em testemunhos subsequentes à rutura de 1980, quadros com grandes responsabilidades como Osvaldo Lopes da Silva, Herculano Vieira, Corsino Tolentino e Silvino da Luz referiram a difícil convivência entre militantes guineenses e cabo-verdianos.

Nas conclusões da obra, o autor volta a chamar à atenção para o significado das contradições da divisa “unidade e luta”, um programa da ação política com que guineenses e cabo-verdianos se conformaram durante a fase da luta, mas mantendo prudentes distâncias. Mas igualmente os militantes cabo-verdianos em Cabo Verde manifestavam o seu descontentamento perante as formas de condução da luta e registaram os atos de contestação dos guineenses e como eles igualmente hostilizavam os cabo-verdianos. Aristides Pereira, eleito secretário-geral em 1973, toma medidas cautelosas, atrai para a direção do partido Nino Vieira e Chico Té ou Francisco Mendes, isto a par da criação da Comissão Nacional de Cabo Verde.

Muita água correu debaixo das pontes entre 1974 e 1980, é a fórmula de revisão constitucional que constitui a última gota que apressará a desunião. Uma desunião que encerrava em si própria contradições e paradoxos já que os governos de Luís Cabral eram compostos essencialmente por guineenses que não contestavam a sua condução dos negócios políticos, Luís Cabral tornar-se-á no bode expiatório de todos os desmandos praticados nesse período em que tentou o planeamento económico e a criação de empresas que cedo caminharam para o desastre.

Quando terminamos a leitura deste livro tão interessante, confirmamos que esse lema da “unidade e luta” é uma das razões do grande sucesso da luta do PAIGC e o fator essencial para uma dissidência dos dois povos, não se prevendo no horizonte uma quebra de desconfiança a dois.
____________

Nota do editor

Último poste da série de 13 de fevereiro de 2017 > Guiné 61/74 - P17046: Notas de leitura (929): “O PAIGC perante o dilema Cabo-Verdiano (1959-1974)”, por José Augusto Pereira, Campo da Comunicação, 2015 (2) (Mário Beja Santos)

Guiné 61/74 - P17054: Parabéns a você (1209): António Carvalho, ex-Fur Mil Enf da CART 6250 (Guiné, 1972/74) e Fernando Chapouto, ex-Fur Mil Op Esp da CCAÇ 1426 (Guiné, 1965/67)


____________

Nota do editor

Último poste da série de 16 de Fevereiro de 2017 > Guiné 61/74 - P17051: Parabéns a você (1208): António Eduardo Carvalho, ex-Cap Mil Inf, CMDT das CCAÇ 3 e CCAÇ 19 (Guiné, 1974) e José Maria Pinela, ex-1.º Cabo TRMS do BCAV 3846 (Guiné, 1971/73)

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Guiné 61/74 - P17053: Tabanca Grande (427): João Maria Pereira da Costa, ex-fur mil Pel Rec Info CCS / BART 2857, Piche, nov.1968- ago 1970

1. Apresenta-se na Tabanca, o nosso Camarada João Maria Pereira da Costa, que foi Fur Mil na CCS do BART 2857 (Nov 1968 a Ago 1970, Piche), que nos enviou a seguinte mensagem:

HISTÓRIAS QUE A MEMÓRIA NÃO ESQUECE

“A MINHA PASSAGEM PELO XIME DE REGRESSO A CASA”

Chegados a Bambadinca perto das 5 horas da tarde, a primeira leva de regresso a Bissau, terminada a comissão, camionetas com as nossas malas e uma companhia, nos disseram que não havia maré e que teríamos de seguir para o Xime.

Deitei as mãos à cabeça e pensei baixinho vai ficar pelo caminho metade do pessoal em emboscada e depois a passagem da bolanha será tiro ao boneco. As covas na estrada com muita água, as viaturas só andavam através dos guinchos dos Unimogs agarrados às árvores.

Mas enfim, felizmente nada aconteceu.

Colocámos as viaturas na descida para o ancoradouro e o pessoal a dormir debaixo delas, pois somente ao outro dia pela manhã chegaria a LDG.

E nós que vamos fazer!?

O pessoal periquito, com três meses de Guiné tudo dentro dos abrigos. Não restava nem mais um buraco para nós.

Começámos então na conversa com os piras. Pessoal, até que horas são aqui os ataques ao aquartelamento. Costumam terminar depois da meia-noite e devem vir da Ponta do Inglês. Então pessoal não existe por aí uma garrafinha de whisky? Nada, metidos nos buracos. Nós tarimbados fora dos abrigos e em cima das valas sem saber como iríamos passar a noite. Eram oito horas da noite. Fomos buscar umas garrafas das nossas e começámos a beber e a oferecer aos piras. Passado o medo o já com o efeito do álcool. começaram a sair da toca.

Bem! Levámos a noite toda nos copos. Já se faziam corridas por cima das mesas do refeitório. Não conto pormenores pois ficou uma imundice.

Portanto não havia lugares no tal Hotel Estrela.

Até Bissau fomos a curtir a buba da véspera. Um pouco de cuidado na ponta do inglês, mas tudo correu às mil maravilhas.

Histórias da nossa juventude de guerreiros inconscientes

Belos tempos. Hoje mais idosos recordamos alguns dos bons momentos e das loucuras por terras da Guiné.


Um abraço a todos quantos passaram pelos vários Spa’s da Guiné.

João P. da Costa
Fur Mil da CCS do BART 2857 

Foto de Juvenal Amado © Direitos reservados.


___________

Nota de M.R.: 

Vd. último poste desta série em: 

Guiné 61/74 - P17052: Tabanca Grande (426): Sílvia Torres, filha de ex-combatente, doutoranda em ciências da comunicação pela NOVA, autora do livro "O jornalismo português e a guerra colonial", nossa grã-tabanqueira nº 736


1. Mensagem da nossa grã-tabanqueira Sílvia Torres, doutoranda em ciências da comunicação pela Universidade NOVA de Lisboa, autora da obra "O jornalismo português e a guerra colonial” (Lisboa, Guerra & Paz Editores, 2016, 436 pp.) (*)


De: Sílvia Torres <silviammtorres@gmail.com>
Data: 15 de fevereiro de 2017 às 18:12


Professor Luís Graça,

O meu pai, António Torres,  esteve em Angola de 1972 a 1974. Foi mecânico de armas.

Comecei a interessar-me pela guerra e por Angola por influência do meu pai que todos os anos, em maio, se reunia (e continua a reunir) com os camaradas de Angola, que no dia-a-dia recordava (e continua a recordar) episódios de Angola e que sempre que podia ia visitar (e continua a ir) camaradas da guerra espalhados pelo país – no carro, havia sempre um conjunto de folhas com nomes, moradas e números de telefone de ex-combatentes (esta lista continua a ser consultada com
frequência pelo meu pai).

As muitas fotografias que trouxe de Angola, que a minha mãe tão bem organizou em álbuns, ilustravam as suas palavras.

O interesse pela Guiné Portuguesa e por Moçambique surgiu mais tarde.

Sou licenciada em Jornalismo e Comunicação e iniciei a minha vida profissional no Diário de Coimbra, como jornalista, em 2005. Em 2007, chamou-me à atenção um anúncio no jornal Expresso: a Força Aérea estava a recrutar uma pessoa com formação em jornalismo. Candidatei-me, fiz os testes (médicos, psicotécnicos e físicos) e fui a selecionada para a vaga em causa. Fui colocada na Rádio Lajes (Terceira - Açores), passei pelo Centro de Recrutamento da Força Aérea (Lisboa) e cumpri também uma missão de cooperação técnico-militar em Timor-Leste. Estive na Força Aérea entre outubro de 2007 e maio de 2014, como oficial, com a especialidade Recursos Humanos e Logística.

No âmbito do Mestrado em Jornalismo, que conclui na Universidade Nova de Lisboa, escolhi estudar a cobertura jornalística da Guerra Colonial/do Ultramar feita pela imprensa de Angola. Agora, como
doutoranda, centro o meu estudo no mesmo tema, mas alargado também a Moçambique e à Guiné. O jornalismo português, pelo menos até ao 25 de abril de 1974, alcançava também os meios de comunicação social das então províncias ultramarinas e, assim sendo, é nossa obrigação não o
ignorar, porque faz parte da nossa história e porque, tal como o jornalismo da metrópole, também teve a sua importância.


Quanto à minha apresentação, aqui vai uma pequena nota biográfica:

(i) Sílvia Torres nasceu em Mogofores, Anadia, em 1982;

(ii) licenciada em Jornalismo e Comunicação e mestre em Jornalismo;

(iii)  começou por ser jornalista do Diário de Coimbra;

(iv) entre 2007 e 2014, como oficial da Força Aérea Portuguesa, trabalhou na Rádio Lajes (Terceira – Açores) e no Centro de Recrutamento da Força Aérea (Lisboa), cumprindo ainda uma missão de
cooperação técnico-militar em Timor-Leste;

(v) atualmente é doutoranda em Ciências da Comunicação pela Universidade NOVA de Lisboa e bolseira de investigação da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT);

(vii) a sua pesquisa centra-se na cobertura jornalística da Guerra Colonial feita pela imprensa portuguesa de Angola, da Guiné Portuguesa e de Moçambique, entre 1961 e 1974;

(viii) o facto de ser filha de um ex-combatente justifica o interesse pessoal e académico pelo conflito.

Cumprimentos, Sílvia Torres



Capa do livro "O jornalismo português e a guerra colonial" (Lisboa, Guerra & Paz Editores, 2016). Organização de Sílvia Torres. Foto de capa do Facebook da autora (com a devida vénia...)



2. Comentário dos editores:

Sílvia, fica apresentada, e muito bem,  à Tabanca Grande. É, em termos cronológicos, a grã-tabanqueira  nº 736 (**)... Todos os lugares são sentados, à sombra do nosso mágico, secular, protetor e fraterno poilão... Não há tabanca que se preze que não tenha um secular poilão... É uma árvore sagrada: é lá que repousam os bons irãs... e as memórias daqueles dos nossos amigos e camaradas que "da lei da morte já se foram libertando"... (E já são 52 num total de 736.)

Obrigado por abrir um pouco mais o seu "livro da vida". Ficamos a saber a razão da sua "ligação" a esta temática, incluindo a sua  relação com a Guiné e o seu trabalho na FAP... Como já lhe dissemos, temos vários camaradas da FAP, incluindo um tenente general que foi um bravo "pilav" do Fiat G-91, em 1972/74, António Martins Matos, antigo chefe do Estado Maior da Força Aérea

Ficamos também a saber que o seu pai esteve em Angola, entre 1972 e 1974 e tinha uma especialidade, relativamente rara, "mecânico de armamento"... Devia haver um por batalhão, pelo menos  na Guiné...

Como sabe, o blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné é essencialmente um espaço de partilha de memórias (e de afetos)... Embora centrado na Guiné, o blogue fala de outros territórios que são teatros de operações da guerra colonial ou onde marcámos presença (histórica) enquanto portugueses...

Também termos, como já sabe, um "livro de estilo":  ver aqui as 10 regras da política editorial do blogue...Os antigos camaradas de armas, por exemplo, tratam-se por tu...

Disto isto, desejamos-lhe os maiores sucessos pessoais e profissionais. Um alfabravo (abraço) para o seu pai e nosso camarada António Torres. (Se quiser partilhar connosco algumas das suas histórias e fotos de Angola, diga-lhe que as portas da Tabanca Grande estão abertas para ele...).
_______________

Notas do editor:

(*) Vd. postes de:

14 de fevereiro de 2017 > Guiné 61/74 - P17048: Recortes de imprensa (85): O nosso camarada Armor Pires Mota no lançamento do livro da investigadora Sílvia Torres ("O jornaliismo português e a guerra colonial", Lisboa, Guerra & Paz, 2016, 432 pp.) na sua terra natal: Anadia, 2 de julho de 2016 (Excerto do "Correio do Vouga")

Guiné 61/74 - P17051: Parabéns a você (1208): António Eduardo Carvalho, ex-Cap Mil Inf, CMDT das CCAÇ 3 e CCAÇ 19 (Guiné, 1974) e José Maria Pinela, ex-1.º Cabo TRMS do BCAV 3846 (Guiné, 1971/73)


____________

Nota do editor

Último poste da série de 10 de fevereiro de 2017 > Guiné 61/74 - P17037: Parabéns a você (1207): José Brás, ex-Fur Mil TRMS da CCAÇ 1622 (Guiné, 1966/68)

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Guiné 61/74 - P17050: Efemérides (245): "Black out" noticioso sobre a partida do T/T "João Belo" com os expedicionários do RI 11 (Setúbal) para Cabo Verde em 16 de junho de 1941...Nesse mesmo dia, o velho transporte-hospital "Gil Eanes" partia para dar assistência sanitária à frota de pesca do bacalhau na Terra Nova e Groenlândia... (Um ano e tal depois o "Gil Eanes" esteve para ser afundado pelos ingleses, por suspeita de espionagem do seu operador de rádio a favor dos alemães)




 

Capa e excertos do "Diário de Lisboa", do dia 16 de junho de 1941... Fonte: Fundação Mário Soares > Casa Comum > Arquivos > Diário de Lisboa / Ruella Ramos (Com a devida vénia...)


Citação:
(1941), "Diário de Lisboa", nº 6668, Ano 21, Segunda, 16 de Junho de 1941, CasaComum.org, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_24964 (2017-2-15)

  1. Era uma segunda feira e o verão parece que estava a chegar... Os homens do RI 11, os expedicionários do 1º Batalhão, partiam para a Cabo Verde, no vapor "João Belo" (*)... 

Nem uma única notícia nos jornais!... Ou pelo menos no vespertino "Diário de Lisboa", não alinhado com o regime... Presume-se que este "black out" noticioso sobre movimento de tropas portuguesas fosse justificado  por razões de segurança, mais do que óbvias... No entanto, o embarque era público, realizado à luz do dia, no Cais da Rocha Conde de Óbidos, e acompanhado por centenas de familiares e amigos dos expedicionários...

O  mar, e em especial o Atlântico Norte, estava infestado de "tubarões"... Os submarinos alemães eram o terror dos mares... Portugal, país neutral, acautela a defesa dos Açores e de Cabo Verde, arquipélagos potencialmente cobiçados tanto pelos Aliados como pelas potências do Eixo, Alemanha e Itália (que tinha construído uma aeródromo justamente na ilha do Salvo, tendo estado operacional até à entrada na guerra, já em 1940, em 10 de junho)...

A edição deste vespertino tem então 8 páginas, o que se deve  entender como um sinal do racionamento de matérias-primas, alimentos e outros produtos... Toda a primeira página desta edição é dedicada ao conflito que devasta a Europa e já se estendia ao norte de África, ao Mediterrâneo e ao Atlântico...

A guerra estava longe e, ao mesmo tempo,  perto de nós.. Nas imediações de  Moura, no Alentejo, na véspera, 15/6/1941, um bombardeiro alemão, quadrimotor [, um Focke-Wulf 200 Condor, o "carrasco do Atlântico"!...] despenha-se e morre a sua tripulação, depois de se ter liberto da sua carga mortífera, perto da Amareleja...

O funeral das vítimas realizava-se em Moura, no dia seguinte, ao fim da tarde, com a presença de representantes políticos, diplomáticos e militares da Alemanha. [Sobre este caso ver aqui um dossiê organizado pelo Hotel de Moura]

2. Nesse mesmo dia (**)  partia, do cais do Ginjal, em Almada,  para a Terra Nova e Groenlândia, com escala nos Açores, o transporte-hospital Gil Eanes (, era assim que se chamava), com regresso marcado para outubro de 1941.  

Na altura ainda pertencia à marinha de guerra e era comandado pelo comandante Zolá da Silva,  capitão de fragata. Por sue turno, Henrique Tenreiro, delegado do Governo, o "patrão das pescas", era uma figura sempre presente nestas cerimónias de despedida. 

 A missão do "Gil Eanes" era fundamentalmente a da assistência sanitária à rota bacalhoeiro  e aos seus bravos marinheiros e pescadores que trabalhava a bordo em condições duríssimas.  Levava também algumas centenas de toneladas de isco, bem como centenas de bidões de gasóleo para os lugres da frota branca, peças sobresselentes e outros materiais de apoio....

Não se trata do último navio-hospital, com o mesmo nome, construído nos Estaleiros de Viana do Castelo em 1955... Estamos a falar do "velho Gil Eanes", um dos navios alemãos apresados no Tejo em 1916:

Originalmente tinha, pois, nome alemão: "Lahneck", sendo propriedade da companhia alemã "Deutsche Dampfschiffarts GeselIschaft Hansa". Tinha a capacidade para 2000 toneladas de carga e para navegar a 10 a 11 nós, media 84.79 m de comprimento e dispunha de um potente motor de 2000 hp.

(...) " Foi um dos navios alemães requisitados pelo Governo em 23 de fevereiro [de  1916], em consequência do que a Alemanha nos declarou guerra a 9 de março. Dias depois, era rebaptizado. Foi-lhe posto o nome dum daqueles homens que revolucionaram a história e que só sabemos que era algarvio e se chamava Gil Eannes. Mas foi ele que, numa simples barca, ousou desafiar os medos medievais e passar além do Bojador.

"E, do lugar aonde 'passou além da dor´, como diz o Poeta, apareceu ao Infante, não com uma espada sangrando nem com um grupo de cativos, mas com um ramo de flores, que os portugueses dedicaram à Padroeira de África e se ficaram chamando 'rosas de Santa Maria'.  Foi 'Gil Eannes' que este alemão aportuguesado se passou agora a chamar". (...)

Andou inicialmente no  transporte de tropas durante o resto da I Grande Guerra, sendo depois  fretado para os Transportes Marítimos, e servido na carreira dos Açores. Até que surge a ideia de o  adaptar a navio de assistência à frota da pesca do bacalhau nos bancos da Terra Nova.

(...) "Na Holanda recebeu as modificações necessárias, e a 16 de maio de 1927 partia, enfim, para a Terra Nova, donde regressava a Lisboa em 14 de novembro.

"Estávamos, porém, já sob novo regime: o da Revolução do 28 de Maio, donde sairia o Estado Novo. Ora, não obstante a situação de infra-humanidade em que viviam e trabalhavam os nossos pescadores nos bancos da Terra Nova, as prioridades eram outras. E o Gil Eannee foi empregue no transporte de presos [políticos, e nomeadamente em 1928, para Angola e Guiné).

Em 1929 e 1930 faz a sua 2ª e 3ª viagem à Terra Nova. Só voltará lá em 1937...

(...) "A situação dos nossos pescadores era aflitiva. As doenças e mortes pairavam como mal permanente. Os portugueses eram até, por isso, alvo das maiores atenções por parte da população de St John's e dos pescadores esquimós que nutriam pelos nossos compatriotas uma grande solidariedade, em grande parte por compaixão. 

"Ao mesmo tempo, o regime apoiava os armadores no sentido de incrementar a pesca do bacalhau nos bancos da Terra Nova e já também da Gronelândia, a fim de nos tomar pelo menos auto-suficientes num produto de intensa procura no espectro do consumo nacional. Foi então que o Gil Eannes, integrado na Marinha de Guerra, passou a dar apoio regular aos nossos pescadores do bacalhau, até 1941. 

"Foi, depois disso, desarmado, em 1942, data em que foi entregue à Sociedade Nacional de Armadores do Bacalhau, a cujo serviço efectuou 27 viagens, 14 das quais de comércio e assistência. Quando a prestava, fornecia à nossa frota bacalhoeira água, óleo, carvão, isco, sal e alimentos. Possuía a bordo um serviço médico, transportava correio e expedia e recebia telegramas.

"Entretanto, com a viragem do meio século, Portugal beneficiava da crise das economias europeias do após-guerra e, muito embora não tenha entrado na II Guerra Mundial, também beneficiava dos subsídios para reconstrução nacional e entrava na OCDE. Ora, o regime, pela via corporativa, desenvolvia uma política social de assistência voltada para os problemas dos trabalhadores e orientando-se pela doutrina social da Igreja que dizia professar..

"Foi por isso que, por esforços conjugados do Ministério da Marinha e do Grémio dos Armadores dos Navios da Pesca do Bacalhau, se decidiu substituir o velho Gil Eannes, ronceiro, esclerosado e sempre vestido de empréstimo nas roupas de navio de assistência, por um navio hospital dotado de outros meios, inclusivamente médicos, de assistência, com enfermarias, sala de tratamentos, gabinete de radiologia, bloco operatório, capela, e até salas de lazer, para prestar uma assistência médica compatível com a dignidade humana dos nossos pescadores do bacalhau." (...)

E é aqui que surge o novo "Gil Eanes", em 1955. Essa história pode ser aqui (pros)seguida... no sítio da Fundação Gil Eanes. (O navio-hospital "Gil Eanes" é hoje um museu, que pode ser visitado no porto de Viana do Castelo.)

Sobre as misérias e grandezas do velho Gil Eanes [ou Gil Eannes, como foi matriculado] (incluindo a prisão, pelos ingleses,  em  alto mar, do operador de rádio, Gastão Crawford de Freitas Ferraz, agente alemão...) , ver também aqui: Licínio Ferreira Amador > O Gil Eanes



O velho transporte-hospital "Gil Eannes" (ou "Gilç Eannes")



3. Esssa história, desconhecida da maior parte dos nossos leitores, merece ser contada aqui, com a devida vénia ao Licínio Ferreira Amador, escritor ilhavense, nascido em 1940... 

Afinal, no Portugal de Salazar também havia muitos amigos da Alemanha nazi, e alguns eram mesmo espiões, capazes de pôr em perigo a segurança de toda a tripulação de um navio e, mais, mudar o curso da história....  

Foi o caso do espião Gastão Crawford de Freitas Ferraz, nascido no Funchal. que, por 15 contos por més (!), passava informações aos alemães sobre o movimento dos navios no Atlântico Norte. Felizmente o operador de rádio do "Gil Eanes" foi capturado, em alto mar,  por um comando inglês, antes de conseguir avisar a Alemanha de que uma frota aliada se preparava para invadir o Norte de África, o que aconteceu a 8 de novembro de 1942.

Sobre a espionagem detectada em barcos de pesca do bacalhau no Atlântico Norte, durante a 2ª Guerra Mundial consultar a obra do jornalista  Rui Araújo,  "O Diário Secreto que Salazar não leu", Lisboa, Oficina do Livro, 2008, em especial as pp.  86-138.

(...) "A partir de 1937, a missão do Lahneck / Gil Eannes começou então a ser mais frequente, tornando-se ainda mais forte o elo de ligação entre os marinheiros e as famílias em Portugal; levava-lhes as cartas e lembranças que mitigavam as saudades, distribuídas no final da escala e salga e todos os mantimentos que eram necessários à campanha. 

Entretanto a partir de setembro de 1939, a Europa e o mundo foram assolados pela 2ª Guerra Mundial com os veleiros a pescar nos Grandes Bancos da Terra Nova e agora também na Groenlândia. Estes pesqueiros situavam-se nas rotas de navegação entre a Grã-Bretanha e os Estados Unidos tão apetecíveis para os nazis com os seus submarinos escondidos no seio daquelas frias e perigosas águas.

Em fevereiro de 1942, o Lahneck / Gil Eanes deixou de pertencer à Marinha de Guerra e passou para as mãos da Sociedade Nacional dos Armadores de Bacalhau.

Em novembro do referido ano, os aliados preparavam-se para invadir o norte de África numa operação com o nome de código Torche. Os serviços secretos do Reino Unido começaram então a verificar procedimentos fora do normal de navios portugueses a pescar no Atlântico Norte, equipados com aparelhos de transmissão de rádio. Aqueles serviços desconfiaram especialmente do arrastão Álvaro Martins Homem, que tinha como radiotelegrafista Carlos Maria Tomás Teixeira, e do navio-hospital, que, nos dias 4 e 5 de Agosto do referido ano, teria comunicado aos alemães alguns movimentos de navios aliados naquelas paragens. Estas transmissões foram recebidas por uma estação clandestina alemã na Linha do Estoril, mais propriamente em Cascais.

Numa estadia do Lahneck / Gil Eanes em St. John´s [, na Terra Nova,] , os ingleses fizeram-lhe uma busca,decidindo que o seu operador de rádio, Gastão Crawford de Freitas Ferraz, fosse detido. Porém, alguns erros de estratégia impediram que a sua prisão se realizasse de imediato e o navio iniciou a viagem de regresso a Portugal.

Os ingleses resolveram pôr a embarcação portuguesa ao fundo sem deixar quaisquer vestígios, incluindo sobreviventes, porque era preferível que morressem algumas dezenas de pessoas, facto que seria um mal menor, comparado com os milhares de vítimas na operação Torche.

Os aliados escolheram aquela última decisão devido à proporcionalidade da ameaça, ou seja, de o operador do navio-hospital conseguir informar os nazis do itinerário dos barcos aliados para a referida operação no norte de África.

Posteriormente, os serviços secretos ingleses mudaram de ideias, pensando que não seria desejável atacar os portugueses, porque forneciam combustível nos Açores e Cabo Verde à Royal Navy. Decidiram então interceptar o barco já a caminho de Portugal; prenderam o espião Gastão Ferraz, evitando que este informasse atempadamente os alemães dos planos de invasão dos Aliados na operação Torche, caso os conhecesse. A prisão em alto mar deu-se no dia 3 de Novembro de 1942, tendo sido escolhido para esta missão o destroyer HMS Oribi (G66) que acompanhava o comboio de navios W24.

Os agentes secretos que detiveram o espião português permaneceram a bordo do Lahneck/ Gil Eanes até chegarem a águas portuguesas, onde o radiotelegrafista foi transferido para uma fragata da Royal Navy que o conduziu para Gibraltar.

A detenção do operador de rádio apanhou de surpresa as tropas alemãs e francesas do governo pró-nazi de Vichy, que estavam no norte de África, porque acreditavam que os aliados iriam desembarcar em França ou Noruega e não em Marrocos e na Argélia como veio a acontecer.

O eventual relatório redigido pelo capitão-de-fragata António José Martins, delegado do governo junto do Grémio dos Armadores de Navios da Pesca do Bacalhau, na referida viagem a bordo do navio-hospital, desapareceu dos arquivos da Marinha. (...) 


_______

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Guiné 61/74 - P17049: Militares mortos na 1.ª Guerra Mundial e Guerra do Ultramar do concelho de Torre de Moncorvo (Armando Gonçalves) - Parte VI: Baixas do distrito de Brgança, na I Grande Guerra por teatro de operações: Angola, Moçambique e França











Lisboa >   "Expedicionários portugueses escrevendo uma carta para a família", foto de Joshua Benoliel (1873I-1932). 

(Capa da "Ilustração Portuguesa", II érie, nº 575, 26 de fevereiro de 1916)





1. Continuação do trabalho de pesquisa do nosso amigo Armando Gonçalves, professor de História, do Agrupamento de Escolas Dr. Ramiro Salgado, em Torre de Moncorvo, e que aceitou integrar a nossa Tabanca Grande, passando a ser o nº 733 (*)


Parte III (pp. 20-28)






















[26]


[27]


[28]

___________