sábado, 6 de abril de 2019

Guiné 61/74 - P19652: Voluntário em Bissau, na Escola Privada Humberto Braima Sambu - Crónicas de Luís Oliveira (8): Bom bias, Roberto, Bom bias, seleçom.... Ou as misérias e grandezas do andebol na Guiné-Bissau!

1. Oitava  crónica do Luís Mourato Oliveira, nosso grã-tabanqueiro nº 730, que foi alf mil inf, de rendição individual, na açoriana CCAÇ 4740 (Cufar, 1973, até agosto) e, no resto da comissão, o último comandante do Pel Caç Nat 52 (Setor L1 , Bambadinca, Mato Cão e Missirá, 1973/74): é lisboeta,fezo Liceu Pedro Nunes, é bancário reformado, foi praticante e treinador de andebol, tem fortes ligações à minha terra natal, onde agora vivo, Lourinhã, Oeste, Estremadura...

Chegou a Bissau, a 2 de março de 2019, e aqui vai estar 3 meses como voluntário na Escola Privada Humberto Braima Sambu, no âmbito de um projeto da associação sem fins lucrativos ParaOnde, que promove o voluntariado em Portugal e no resto do Mundo.


Voluntário em Bissau, na Escola Privada Humberto Braima Sambu - Crónicas de Luís Oliveira (8): Andebol... Bon bias (boa viagem)

por Luís Oliveira


O andebol na Guiné-Bissau é um parente pobre do desporto tal como infelizmente acontece em Portugal, onde o futebol é rei e quase sempre pelos piores motivos, mas ser ignorado num país pobre e com muitas dificuldades é muito pior.

O projecto que me encaminhou para a Guiné-Bissau foi a criação de uma “oficina de andebol” na escola privada Humberto Braima Sambú. 


Dado não ter competências nas áreas de educação formal e mesmo no que se refere ao andebol, embora tenha sido praticante, treinador e dirigente, apenas fiz o curso de treinadores do segundo grau vocacionado para a formação de jovens andebolistas, foi esta a forma de dar o meu ínfimo contributo para este povo de quem tanto gosto.

Desde que a minha candidatura foi aceite, tentei actualizar conhecimentos, planeei sessões de treino, contei com a generosidade da D. Ana Maria Cabral, da Associação de Andebol de Lisboa com a doação de materiais que, embora usados, muita utilidade têm aqui, adquiri bolas e pinos destinados ao treino e tudo isto dirigido para escalões de formação Bambis e Iniciados.

Só que para planificar há que ter um conhecimento de todos os factores em análise e das suas variáveis e ignorei que a realidade da população escolar diverge do que estava habituado. Desde o primeiro ao sexto ano do ensino básico na Guiné-Bissau coexistem alunos dos 9 aos 18 anos ou por vezes até mais velhos.

Após quase duas semanas a aguardar o resgate dos materiais enviados de Lisboa, tive a feliz surpresa de ver um grupo a jogar à bola com a mão e dirigi-me de imediato para o campo onde estava a decorrer um jogo, sendo os participantes maioritariamente do sexo feminino.

Após o apito final interpelei os jovens que me pareciam dirigir aquele jogo e fiquei a saber pertencerem a um clube, Academia de Brá. Treinam num campo de reduzidas dimensões, parte integrante de instalações criadas por uma ONG no Bairro Militar .

Conversa de apaixonados pela modalidade levaram a que me convidassem de imediato a cooperar com eles e no dia seguinte às sete da manhã começo o primeiro dia de treinos na Guiné.

Planos de treino dirigidos para Bambis e Iniciados é para ignorar. Aparecem crianças e jovens adultos e há que ser flexível e adaptar à realidade do jogar a bola à mão!

Reorganizámos o horário dos treinos, dois diários das 7.30 às 10.30 e das 16.30 às 18.30, separámos o treino por escalões etários aceitáveis e começou a aventura.

O entusiasmo foi aumentando, a escola privada Humberto Braima Sambú finalmente resgatou os materiais que estavam nos correios e fez uma cerimónia simbólica da entrega destes ao Presidente da Associação de Alunos e passados três dias no treino da tarde aparecem mais de sessenta candidatos a andebolistas de todos os tamanhos e idades. 

Quase entrei em pânico, não podia excluir ninguém, porque o principal propósito do desporto de formação é a inclusão, não tinha materiais nem espaço útil para fazer andebol mas tinha que fazer qualquer coisa e as bolas 00 destinadas a iniciação tinham que acariciar as mão adultas de muitos candidatos.

Reuni com o Edmilsom e com o Yaiai e avançámos. Tivemos de abdicar de alguns candidatos a jogadores que se apresentavam ao treino de chinelos ou havaianas explicando os riscos que eles próprios corriam sem a utilização de calçado adequado, as senhoras foram convidadas a retirar fios e brincos e ainda de aparecerem de unhas cortadas no próximo treino e começamos o que eu comparo a uma viagem de dez pessoas no mesmo táxi.

Tudo devagarinho para ninguém se aleijar no campo cimentado e com barreiras laterais do mesmo material. Aqui ninguém tem seguro e os serviços de saúde são de evitar.

Lá se fez o treino, as bolas foram experimentadas por todos os participantes e toca a reorganizar.

Da Escola Humberto Braima Sambú, apareceram já sessenta e quatro inscrições de interessados que vão dos 10 aos 18 anos (idade que decidimos ser a limite para a actividade), os dois treinos diários passaram a quatro na próxima semana, de modo a não exceder os vinte jogadores por treino e cá vamos passo a passo com a bola na mão.


Andebol... Bon bias II

Roberto Sá, licenciado pela Escola Superior de Educação Física de Bissau com a especialização de Andebol, antigo praticante, treinador e actualmente secretário da direcção Técnica da Federação de Andebol da Guiné-Bissau e quem coordena todo o trabalho da Academia de Brá, pediu-me para no passado domingo, dia 24 de Março estivesse no campo de jogos pelas sete horas. 

Embora não estivesse programada qualquer actividade e sendo o Roberto homem de poucas palavras, anuí sem nada perguntar e lá nos encontrámos à hora marcada. Apanhámos o TocaToca e rumámos ao estádio Lino Correia no centro de Bissau. Tratava-se do treino da selecção feminina da Guiné-Bissau que irá participar num torneio na Mauritânia.

Fiquei muito honrado com o convite mas tive a noção da fragilidade daquela selecção resultante da total ausência de condições de treino e de um calendário competitivo que eleve o nível físico, técnico e táctico exigido a uma seleção representativa de um país.

Durante a semana fomos dialogando sobre o atraso na partida da selecção devido a imensa burocracia da entrega dos passaportes das atletas bem como da inscrição dos vistos, situação que ia preocupando cada vez mais o Roberto. 

A data limite prevista para a partida era hoje, sexta-feira 29 de Março ainda ontem, véspera da partida não estavam concluídos os processos burocráticos e surgiu um novo obstáculo. A selecção não dispunha de equipamentos suficientes para as atletas nem de um alternativo como é obrigatório. O equipamento existente tinha sido oferecido há dez anos à Federação pelo comité olímpico e a partir daí mais nenhum apoio foi concedido.

O Roberto já tinha pedido um equipamento de guarda redes ao Romário, Presidente da Associação de Alunos da Escola Humberto Braima Sambú, mas a única solução expedita para resolver o problema era a utilização de um dos muitos equipamentos doados pela A.A.L. e telefonámos ao Romário que se reuniu connosco no campo enquanto decorria o treino. O jovem que já tinha cedido um equipamento de guarda redes mostrou-se relutante e solicitou uma carta formal da Federação para reunir com os restantes membros da direcção e decidirem o empréstimo.

Eu não queria acreditar!

A Federação não tem secretaria, não tem computador nem impressora e só estas limitações inibiam a apresentação da carta exigida antes da data de partida.

Eu tinha criado uma folha de requisição para controle da utilização materiais e equipamentos e achava ser suficiente a utilização desse documento ficando a responsabilidade de entrega por parte da Federação...mas não! 

Pela primeira vez desde que cheguei à Guiné-Bissau utilizei o meu mais vernáculo vocabulário de caserna o que deixou os interlocutores surpreendidos. Os equipamentos tinham sido cedidos gratuitamente, o custo suportado na expedição corresponde a cerca 550.000 F (850,00 €) eu próprio contribuí com cerca de 40.000 F (65,00 €), a escola tem roupa para equipar dez equipas de andebol sem ter tido praticamente qualquer custo mas o vício da burocracia que contagia e atrasa este povo sobrepunha-se ao dever patriótico de apoiar a seleção do próprio País!

Sugeri uma carta a entregar posteriormente com os equipamentos requisitados, a agradecer a amabilidade da escola, mas a coisa mantinha-se num impasse e eu já sugeria que as miúdas jogassem em calcinhas e soutien com o número escrito a marcador nas costas para vergonha de todos os que amarraram a equipa a tal situação.

O Roberto entretanto fazia telefonemas com uma serenidade que admiro e invejo e passado quase uma hora apareceu o Mário Jorge, também técnico da Federação com a tal missiva. Sorte o Mário Jorge ser polícia e estar de serviço na esquadra do Bairro Militar e aí dispor do necessário para o efeito.

Os equipamentos, guardados num contentor comercial de um familiar do professor Humberto, dado a escola não reunir condições de segurança para o efeito, lá foram entregues e mais um obstáculo ultrapassado e o equipamento alternativo da seleção da Guiné-Bissau ostentará o emblema da Associação de Andebol de Lisboa.

O Roberto Sá é um herói, há onze anos que rema para manter vivo o Andebol na Guiné-Bissau. O seu amor pela modalidade arrastou vários jovens que com ele há sete anos trabalham no processo de formação de jogadores, alguns pagando 400 Fancos por dia em deslocações em TocToc para o Bairro Militar, são um exemplo de resiliência, de esforço pessoal com uma motivação que resulta apenas do seu grande amor pela modalidade.

Hoje pelas 11.00 horas tive um telefonema do Roberto, o homem de poucas palavras.

-Luís,  o stress está a passar, vamos agora partir para a Mauritânia.

Vão de autocarro! Chegar ao norte da Guiné-Bissau já é uma viagem penosa devido ao estado deplorável das estradas, depois Senegal, a seguir Gâmbia e por fim lá chegarão à Mauritânia.

Independentemente dos resultados, o esforço de participar é inimaginável para os Europeus. A burocracia, a ausência de materiais e a inacreditável viagem de autocarro já faz esta equipa campeã.


Bom bias, Roberto, Bom bias, seleçom.

A minha homenagem e todo o meu respeito e admiração para:

Roberto Sá
Mário Jorge
Edmilson
Virgito
Yáia
Dona

Bissau, 29 de Março de 2019

______________

Nota do editor:

Último poste da série > 25 DE MARÇO DE 2019 > Guiné 61/74 - P19620: Voluntário em Bissau, na Escola Privada Humberto Braima Sambu - Crónicas de Luís Oliveira (7): O futebol e não só... O futebol faz parar a cidade... E se as mulheres guineenses parassem ?... Mais de metade da população morreria de fome.

Guiné 61/74 - P19651: Parabéns a você (1598): Joaquim Mexia Alves, ex-Alf Mil Op Esp da CART 3492, CCAÇ 5 e CMDT do Pel Caç Nat 52 (Guiné, 1971/73)

____________

Nota do editor:

Último poste da série de 4 de abril de 2019 > Guiné 61/74 - P19646: Parabéns a você (1597): Agostinho Gaspar, ex-1.º Cabo Mec Auto do BCAÇ 4612/72 (Guiné, 1972/74); António Dias, ex-Alf Mil Inf da CCAÇ 2406 (Guiné, 1968/70); Hernâni Acácio Figueiredo, ex-Alf Mil TRMS do BCAÇ 2851 (Guiné, 1968/70) e José Eduardo R. Oliveira, ex-Fur Mil Enf.º da CCAÇ 675 (Guiné, 1963/65)

sexta-feira, 5 de abril de 2019

Guiné 61/74 - P19650: Tabanca Grande (474): João Afonso Bento Soares, ex-Cap Eng TRMS, STM / QG / CTIG (1968/70), hoje Maj Gen ref. senta-se à sombra do nosso poilão, no lugar nº 785


Guiné > Bissau > STM - Serviço de Transmissões Militares  / QG / CTIG  (Fev 1968/fev 1970)  > O comandante, no seu gabinete, o então cap eng trms, João Afonso Bento Soares

Foto (e legenda): © João Afonso Bento Soares  (2019) Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]

1. Mensagem do João Afonso Bento Soares, na sequência do convite do nosso editor Luís Graça para passar a integrar a Tabanca Grande sob o nº 785. [Uma detalhada nota biográfica do nosso novo grã-tabanqueiro já foi publicada anteriormente, no poste P19645 (*)]

Data - quinta, 4 abr 2019 00:01

Assunto . Admissão na Tabanca Grande

Caríssimo Amigo: Bem-haja pela atenção havida na publicação do assunto proposto (*).

Igualmente grato pelo honroso convite de me integrar na Tabanca Grande pelo que gostosamente aceito então o nº 785 logo a seguir a um camarada amigo do meu tempo! [, o cor art ref Morais da Silva] (**)

Digitalizei uma foto no meu gabinete de Comandante do Destacamento do STM/Guiné, função que desempenhei no período de fev 68 - fev 70, como Cap Eng de Transmissões. Se a digitalização anexa não ficou aproveitável, diga-me para tentar outra alternativa.

Também já deve ter recebido o mail onde o Carlos Pinheiro refere como se integrou no STM em que prestou um excelente serviço.

Também anotei com prazer o facto de o meu amigo referir a sua aptidão para compor umas rimas. Pela minha parte sou um modestíssimo bardo. Ainda assim fiz, por exemplo, uma série de sonetos que apresentava nos convívios da CCE 266 (para que era convidado posteriormente à conclusão do assunto que publicou). Anexo um desses poemas.

João Afonso Bento Soares.
________________

VELHOS SOLDADOS 

É sempre muito grata a missão
De estar junto aos INFANTES neste dia,
Em preito de homenagem aos que então
Pertenceram à nobre COMPANHIA.

São bravos e valentes CAÇADORES
Unidos por um mesmo sentimento:
Honrar a Lusa Pátria e seus Valores,
E dela recolher merecimento.


Perdure neste Encontro a Amizade
Comungando momentos de Verdade
Nos pedaços de vida recontados…

Uma História que vem desde o Sertão
Tocando, bem no fundo, o coração
De cada um de vós: “VELHOS SOLDADOS”!

Com o muito amigo abraço aos Familiares
e “Velhos Soldados” da CCaç 266

João Afonso Bento Soares
Major General

Figueira da Foz aos 7 de Junho de 2008

2. Mensagem do Carlos Pinheiro, já publicada como comentário ao poste P19645 (**)

Fico grato ao camarigo Luis Graça pelo acolhimento cordial, franco e sincero que fez a este novo Tabanqueiro que, por sinal e mero acaso (, fui para a Guiné mobilizado, erm rendição individual, para o BCac 1911 que veio logo após a minha chegada aquele território onde nem sequer me mandaram apresentar,) foi meu Comandante na Guiné.

Andei por ali uns dias aos papéis e,  como já tinha uma experiência de 6 meses do STM no QG da 2ª RM (Tomar) onde exerci as funções da minha especialidade, assim, solitário em Bissau só perguntei onde era o STM e, depois de me terem dado as coordenadas, lá me apresentei e me ofereci para trabalhar no Centro de Mensagens do STM do CTIG, tendo sido aceite de imediato. 

Foram 25 meses, a maior parte debaixo do Comando do Capitão Bento Soares. Foram tempos dificeis, com muitas tragédias pelo meio - o caso da jangada  de Madina do Boé, o caso da morte dos 3 Majores, o caso da queda do Heli com os deputados e com o Capitão Andrade, que tinha sido meu Comandante na EPC em Santarém, onde todos morreram, o caso da operação Conacri a terminar a minha comissão - e tanta coisa mais, pelo que não esperaria outra atitude do Luís Graça. 

Parabéns a todos,  e boas vindas a esta Tabanca Grande do Major General João Afonso Bento Soares. 
Um abraço colectivo.

quinta-feira, 4 de abril de 2019

Guiné 61/74 - P19649: Agenda cultural (677): Apresentação do livro do Paulo Salgado, "Milando ou Andanças por África": 9 de abril, 18h00, Fundação Portugal África, Porto



Novo convite para a apresentação do livro do Paulo Cordeiro Salgado, nosso grã-tabanqueiro, administrador hospitalar reformado, "Milando ou Andanças por África" (Torre de Moncorvo: Lema d'Origem, 2019). (*)

Desta vez no Porto, na Fundação Portugal África (**)..

Sinopse:

Trata-se de  um livro de ficção,  englobando quatro andanças. São narradas as aventuras e desventuras de personagens reais que passaram por África e que merecem o respeito do autor.

Paulo Salgado foi alf mil cav, op esp, CCAV 2721, Olossato e Nhacra, 1970/72), e é autor do livro "Guiné - Crónicas de Guerra e Amor".
É transmontano de Torre de Moncorvo.



____________

Notas do editor:

(*) Vd. poste de 5 de fevereiro de  2019 > Guiné 61/74 - P19470: Agenda cultural (671): Lançamento do livro "Milando ou Andanças por África", do Paulo Salgado, na Associação 25 de Abril, Lisboa, 21 do corrente, às 18h00. Apresentação: cor cav ref Mário Tomé, ex-cmdt da CCAV 2721 (Olossato e Nhacra, 1970/72)

Guiné 61/74 - P19648: Historiografia da presença portuguesa em África (156): Um relato histórico guineense do maior interesse: O documento do capitão Caetano Filipe de Sousa, de 1883 (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil Inf, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 24 de Julho de 2018:

Queridos amigos,

O documento da autoria do antigo administrador de Buba dá-nos a conhecer um modo de ver a decadência da então parcela mais próspera da colónia: as feitorias e o comércio de Buba. Não cabe no documento a notícia do que se estava a passar no Casamansa, onde por esta época o comércio francês já destronara o português, temos agora uma interpretação do que faziam os franceses e os vexames praticados pelas autoridades portuguesas, não só pelos maus tratos aos trabalhadores como pelo manifesto desinteresse no bom relacionamento com os chefes do Forreá. Era esta a situação que se vivia no período que precede a definição de fronteiras e começa a tornar-se claro que não possuíamos na Guiné Portuguesa um verdadeiro conceito nem de Justiça nem uma prática de bom tratamento das autoridades gentílicas.

Um abraço do
Mário


Um relato histórico guineense do maior interesse: 
O documento do capitão Caetano Filipe de Sousa, de 1883

Beja Santos

Nos Reservados da Sociedade de Geografia de Lisboa consta um documento datado de Bolama (4 de maio de 1883) e intitula-se “Duas palavras acerca da Guiné Portuguesa”, é seu autor o Capitão Caetano Filipe de Sousa, o documento é manuscrito, vale a pena reproduzi-lo quase na íntegra, tal o seu interesse para ouvir um testemunho ao tempo em que nascia a Província da Guiné e era claro que a França cercava a colónia no Casamansa e no Rio Nunes:

“Queixam-se hoje que a Guiné vai em decadência, e que a causa é esta ou aquela, mas ainda não ouvi dizer aos mais conhecedores daqui a verdadeira razão porque a Guiné Portuguesa chegou ao estado de abatimento em que actualmente está. Eu já em um pequeno relatório que dirigi à Secretaria Geral do Governo, em 1 de Abril de 1882, data em que entregava a administração de Buba ao meu sucessor, expus parte da verdadeira razão (a meu ver) que dá causa a tal abatimento; tive, porém, a infelicidade de ver que, até esta data, medida alguma se tomou no sentido daquele meu relatório, apesar de eu ter sido, por Sua Excelência o Governador, louvado na ocasião da sua apresentação; não deixo, porém, de prosseguir no meu intento, dando conhecimento à Sociedade de Geografia de Lisboa do que penso a tal respeito.

Nos anos de 1875 a 1879 houve uma grande concorrência de negociantes franceses no mercado da Guiné: as casas disputavam entre si qual havia de apresentar melhores e mais variadas fazendas e qual havia de ter o maior número de delegações no interior ou no litoral dos pequenos rios. Ao passo que, por um lado, os negociantes franceses pensavam por esta forma que os trabalhadores Fulas, Mandingas e outras raças saíam dos seus lares e estabeleciam-se nas feitorias do Rio Grande e outras e se entregavam com afinco à cultura da mancarra. Havia feitorias que tinham acima de 400 trabalhadores. Os trabalhadores, logo que se apresentavam ao feitor, este lhes punha por condição, entre outras, a seguinte: a todos a mancarra que se cultiva na minha feitoria deve ser entregue a troco de fazendas, espingardas, pólvora e tabaco, tudo à sua escolha, e qualquer trabalhador que faltar a esta condição e tente levar, seja qual for a quantidade de mancarra para outra feitoria ou casa comercial, perdê-la-á. O trabalhador, convicto de que não teria necessidade de negociar com outro a sua mancarra, pois que seu patrão teria na sua loja a fazenda de que ele carecesse, aceitou. Impunha-se também por condição ao trabalhador: aquele que provocasse desordem, ou cometesse algum crime, na feitoria, ser-lhe-ia retirada uma certa porção de mancarra (Buxulas). Os preços das fazendas eram moderados, não havia especulação por parte do feitor. Os negociantes, quer portugueses, quer estrangeiros, especialmente o comércio francês, parecia prosperar de uma maneira espantosa. 

Em Buba, por exemplo, havia tal abundância de negociantes e tão florido estava o comércio dali, que levou o Governador de Cabo Verde, em 1878, a querer que ali é que devia ser a capital do distrito. Mas quem fazia todo este barulho eram duas ou três casas francesas, que eram as que forneciam os pequenos negociantes portugueses. Estes, coitados, nem sequer conheciam que tudo o que se estava praticando para com eles era mais uma especulação que outra coisa. Os franceses procuravam entregar aos portugueses, proprietários de terrenos, a maior quantidade possível de fazendas, de modo que estes, fracos administradores como são, comprometeram as suas propriedades, em resultado do que já não são poucas as que estão entregues aos franceses, lembra-me o procedimento do BNU em Angola com relação a certas fazendas.

O que deixo dito era o que se fazia em quase toda a Guiné Portuguesa até 1879. Hoje, as coisas mudaram.

Os negociantes franceses, vendo que se davam mal com os grandes fornecimentos de 1875 a 1879 limitaram-se ao comércio de Bolama, dispensando apenas algumas fazendas e outros enfeites porém de péssima qualidade e aquelas de patrões antigos que mandam para as casas estabelecidas na feitoria, obrigando assim os trabalhadores a receber fazendas de que não gostam.

Os vexames que se praticam para com os trabalhadores são de tal ordem que bastante repugna aos estranhos que deles têm conhecimento e o trabalhador descontente fica em casa e diz: “Ganho mais caçando do que cultivando mancarra para vender.”

O documento prossegue com uma longa exposição sobre as arbitrariedades conhecidas, e o autor continua nos seguintes termos:

“As desordens que em qualquer feitoria há entre feitores ou empregados e trabalhadores e depois daqueles apresentarem à autoridade respectiva a sua queixa, acabam sempre pela prisão do trabalhador, mas sem forma alguma de processo. O modo de proceder de uma parte das nossas autoridades para com aquelas vítimas do trabalho é muito irregular e, no nosso ver, a maior base da decadência do comércio da Guiné, visto que ele consta quase exclusivamente da maior ou menor quantidade da colheita da mancarra, em cujos serviços são empregados os homens desconsiderados pelas autoridades portuguesas.

Eu penso que a principal causa da decadência é a falta de Justiça para com os trabalhadores.

Buba, o coração da Guiné, hoje para nada presta – mas porquê? As queixas constantes entre o gentio Fula Preto e Fula Forro, a falta de presença ao gentio, o receio constante que estes têm de que nós lhes tiremos os seus escravos e finalmente o mau acolhimento que hoje se dá em Buba ao chefe de uma ou outra tribo, tudo concorre para a completa decadência de Buba. Uma outra razão também concorre, e não pouco, para o actual estado de Buba, e foi a prisão impensada do primeiro-ministro do chefe do Futa.

Veio para Bolama e a nossa gente, descuidada sempre, deixou que ele fosse visitado pelos franceses e destas constantes visitas resultou a sua fuga. Continua a ser encaminhado o comércio para as feitorias francesas estabelecidas no rio Nunes. Os chefes do Forreá, quando hoje vêm a Buba nem sequer têm quem lhes dê um copo de água! Eles também têm a seu modo de se julgarem ofendidos. Em 1879, dava-se-lhes além de 8 mil pesos anuais, um fardo de fazendo e bugigangas de fantasia nas suas visitas extraordinárias. As duas ou três casas francesas ali estabelecidas tinham entre si uma espécie de escala e, por essa forma, recebiam os chefes, hoje, porém, todos os põem fora de casa!!! O Governo, por sua parte, tem consignado um presente de 100 mil reis anuais para os chefes do Forreá e Futa! Agora veja-se: os 8 mil pesos e presentes extraordinários, acompanhados de melhor acolhimento aos chefes ou os 100 mil reis e o desprezo a esses mesmos chefes. A fartura de fazenda que então havia ou a consideração dispensada aos trabalhadores ou a miséria atual e os repetidíssimos vexames que hoje se praticam para com esses mesmos trabalhadores.

Como remate, o desprestígio por parte das nossas autoridades aos indivíduos que mais podem concorrer para o engrandecimento comercial da Guiné Portuguesa.”





Extrato do Planisfério de Alberto Cantino, datado de 1502, e enviado ao Duque de Ferrara, é uma das mais importantes cartas náuticas e um documento histórico de valor incalculável. O extrato fala da Costa de África que tem a ver com a região que irá ser conhecida por Senegâmbia Portuguesa. Reproduzido do exemplar da Biblioteca da Sociedade de Geografia de Lisboa, com a devida vénia.
____________

Nota do edior

Último poste da série de 27 de março de 2019 > Guiné 61/74 - P19625: Historiografia da presença portuguesa em África (155): Missão de Estudo dos Movimentos Associativos em África, Relatório da Campanha de 1958, por J. M. da Silva Cunha (Mário Beja Santos)

Guiné 61/74 - P19647: A galeria dos meus heróis (26): Aquele rapaz de Cinfães que queria ser pintor em Montmartre (Luís Graça)




Luís Graça, Guiné, Região de Bafatá, Centro de Instrução Militar de Contuboel, junho de 1969,
CCAÇ 2590/ CCAÇ 12 (Bambadinca, 1969/71)




A galeria dos meus heróis: Aquele rapaz de Cinfães que queria ser pintor em Montmartre (*)



por Luís Graça (**)



1. Nascido no ano zero, 1945... Lembro-me de tu, Luís, teres escrito isso, muitos anos depois, no catálogo da minha primeira exposição de pintura no SNI... Lembras-te do SNI,o Secretariado Nacional de Informação, ali no Palácio Foz, nos Restauradores ?


Lembras-te, dessa história, em 1965 ?!... Ainda pensámos em "dar o salto" até Paris, éramos vagamente existencialistas, e ainda mais vagamente anticolonialistas e anti-imperialistas, eu sonhava com Montmartre, a boémia e as copines das belas artes (o meu lado mulherengo!),enquanto tu devoravas o Camus e o Sartre e querias estudar filosofia, jornalismo ou sociologia, ou coisa parecida,  na Sorbonne!...


Estava quase a completar os meus vinte anos, com a tropa à perna, sem o saber. E tu ligeiramente mais novo, um ano e picos, mas com a mania da filosofia, da crítica literária e do jornalismo, acho que eram esses os teus interesses na época.  Convidei-te para passares uns dias comigo, em Lisboa, por ocasião da montagem da minha primeira exposição de pintura.



Não conseguimos convencer o nosso "gestor de conta" a financiar os nossos inconsistentes projetos de aventura. Ou melhor, só queríamos chegar a Paris, de comboio, à boleia, ou "a salto", o que desse mais jeito. Contámos os tostões. Quanto é que tu tinhas no bolso e no mealheiro ? Se calhar, menos do que eu...E, quando descobriram a marosca, os meus "padrinhos" de Lisboa, expulsaram-te de casa e, a mim, cortaram-me a "mesada"... Foi nessa altura que eu te pus a dormir na casa que a Flora partilhava com mais duas amigas, estudantes, no Campo Grande. A Flora, a minha namorada, madeirense, estás recordado ?!


Eu era mais corajoso do que tu. Tu eras mais politizado e, sobretudo, mais pragmático do que eu:
– E os nossos pais ? – interrogavas-te tu. – E a PIDE à perna ? E a Guardia Civil espanhola antes de chegares aos Pirinéus?
E os dez contos de réis para dares ao passador ? E vais fazer o quê, em Paris?Trabalhar como maçon ? E dormir no bidonville? E comer baguettes com marmelada ?




2. Ano zero da idade atómica. 1945… Hiroshima. O cogumelo. O horror. Mas também o fim da guerra. Libération, diziam os parisienses, ainda em 1944. Para eles, era o fim do pesadelo da ocupação nazi e o início de uma nova era. O direito à esperança, ao sonho, incluindo na nossa terra. O recomeço da história da humanidade... Blá-blá, blá-blá... Mas ainda não foi dessa que o Salazar caiu da cadeira...



As palavras eram tuas, escritas  no meu catálogo  que até estava bonito e original... não estava ?! ...Original, e até "subversivo", no mínimo, provocador... Aprendeste a escrever nas entrelinhas, e a cultivar o sarcasmo, a ironia, o humor negro, para iludir a vigilância dos censores da nossa praça...


Uma exposição no SNI em 1965!... Que privilégio!... Lembras-te do SNI, o Secretariado Nacional de Informação, no Palácio Foz, nos Restauradores ?!... Não havia artista que não quisesse expor no SNI naquela época!... Ora, um merdas como eu 
a expôr no SNI!... Um casapiano, serigrafista, sócio de uma cooperativa de artes gráficas, estudante de Belas-Artes, afilhado de um gajo do regime, aprendiz de pintor que sonhava ir para as belas-artes em Paris e pintar, ao ar livre, nas ruas de Montmartre...


Ah!, 1945, que raio de ano para se nascer, o fim de uma época, o início de outra… Que ilusão, meu amigo, tu que me chamavas o Renoir de Montemuro, só por que eu já andava no 3ºano das Belas Artes, e tinha um "padrinho", em Lisboa, que terá metido uma cunha, ao César Moreira Baptista, para eu poder fazer a minha primeira exposição no SNI, ali nos Restauradores…


Só por que eu fazia umas coisas démodées, vagamente impressionistas, com mais de meio século de atraso... Vagamente impressionistas, mas já a caminho do abstracionismo... Enfim, aprendiz de Renoir, talvez imitador da Vieira da Silva, de que só conhecia umas reproduções de má qualidade. Alguns amigos, como tu, faziam-me o favor de me incentivar, mostrando que eu tinha talento!... Sim, ao nível da gravura, acho que podia ter ido mais longe!...


Ainda ganhei, confesso, uns tostões com as serigrafias, havia gentinha com dinheiro fresco que comprava tudo que fosse obra de arte... A começar pelos amigos do meu "padrinho" de Lisboa... Enfim, aprendiz de Renoir, aprendiz de pintor, que o sonho naquele tempo não pagava imposto!...


3. Na minha cédula pessoal, um nota a lápis já meio sumida. Letra talvez de regedor, de merceeiro, de padre ou de conservador do registo civil. Qualquer coisa como "mais uma boca com direito a senha de racionamento". Milho, açúcar, farinha, azeite, café, etc., que tinha que se ir à vila de Cinfães buscar, serra abaixo, serra acima… Uma porrada de quilómetros a pé ou de burro... Ou então na loja do "Francês", na minha aldeia, tudo mais caro, porque aqui não havia concorrência...


Havia racionamento de géneros por causa da guerra, a II Guerra Mundial. Lembras-te ? Talvez não te lembres, nasceste já depois, em 47, não apanhaste esses tempos que foram duros para a minha mãe e os meus avós, e para todos os demais pobres da minha aldeia. Tu estavas muito mais perto da capital, no Oeste Estremenho, imagino que lá se vivia melhor, à beira-mar.


Nesse mesmo ano e mês em que nasci, filho de mãe solteira e de pai incógnito (, um estigma que me perseguiu até ir para a tropa, ou me persegue ainda hoje!), acabava de regressar da Índia (da Índia portuguesa, como então se dizia, englobando os territórios de Goa, Damão e Diu) o filho do "Francês", o cabo chefe da aldeia e um dos poucos que sabia ler, escrever e contar. Há-de vir a ser mais tarde advogado, o primeiro filho da terra a estudar na Universidade.


O "Francês" tinha uma pensão do ministério da guerra. Fora gaseado na Flandres. Regressara herói medalhado de La Lys. Admirava Pétain, Sidónio Pais, Gomes da Costa, Salazar e Franco. Vociferava contra "a corja dos republicanos e dos 'rojos' que tinham destruído a Espanha". Berrava, igualmente, contra a malta do "reviralho", os que eram contra a "situação", como então se dizia. Mas não havia malta do "contra", na minha aldeia, a não ser um pobre diabo, sem eira nem beira, que ficava na corte dos animais, e que era meio atolambado, sobrevivendo à custa de pequenos fretes que ia fazendo, a este ou aquele.


O regedor era o meu... padrinho de batismo! Por favores que lhe deviam (e deferências que lhe prestavam) os meus avós e a minha pobre mãe!... Nunca soube quais. Nunca quis saber. Ou melhor, acabei por saber, ainda muito novo: havia quem na aldeia insinuasse que ele era o meu pai biológico... Na escola, chamavam-me "o filho do Francês", o "zorro", o filho bastardo... Nas aldeias, toda gente sabe tudo (ou quase tudo) da vida da gente. Mas eu ia aos arames, cheguei a andar à porrada na defesa do bom nome da minha mãe e dos meus avós, mal vistos na aldeia.


A minha mãe tinha sido criada de lavoura na casa do "Francês", desde muita nova, ao longo dos anos da guerra... Solteira, menor, com 18 anos, apareceu grávida, teve-me a mim em agosto de 1945...Uma mulher, muito bonita, e sobretudo de enorme coragem, como muito poucas que conheci na vida: recusou casar à pressa, só para salvar as aparências, não acatando o conselho do padre de Cinfães ou de Resende (, já não me lembro), que ainda era aparentado com os meus avós... Casaria, sim, mais tarde, "de livre vontade",  com um rapaz bastante mais novo, pastor de cabras, o "cabreiro", de quem teve mais filhos, meus meios-irmãos, com quem, de resto, pouco convivi. E de quem perdi praticamente o rasto, lamento dizê-lo.


4. Quando comecei a pensar pela minha própria cabeça, passei a detestar as relações de clientelismo, dependência e nepotismo que vigoravam na aldeia. Na minha aldeia da serra de Montemuro, a meia encosta, uma aldeia de pastores e de rendeiros que não era muito diferente de tantas tabancas fulas por eu onde passaria, depois, na Guiné…


Ainda hás-de conhecê-la, a minha aldeia, e eu reconhecê-la, contigo, num próximo verão em que fores lá cima ao Norte, a Candoz… Disseste-me que de Candoz, a que chamas a "tua tabanca",  se via Cinfães, do outro lado do rio Douro,com a serra de Montemuro à tua frente... Em agosto, no teu querido mês de agosto, bem podíamos lá dar um salto!… Que achas ?...


Eu bem gostaria de regressar às minhas raízes telúricas, mas tenho uma relação de amor-ódio com a terra que me viu nascer, voltei lá uma meia-dúzia de vezes, depois de regressar da Guiné, a última das quais, para enterrar a minha mãe, nos anos 90... Morreu cedo, a pobre,  de doença oncológica, com sessenta e poucos anos. E alguns dos seus filhos, meus meios-irmãos, são-me estranhos, alguns já não seria capaz de reconhecer se os encontrasse. Foram à vida, espalharam-se pelo mundo.


5. Havia sempre festa na aldeia quando um filho regressava das colónias. Mais tarde, Ultramar. No nosso tempo, Ultramar, como bem te lembras. O filho mais velho e herdeiro do "Francês", estava a chegar no final desse ano de 1945, tinha eu uns escassos meses, e uma ama de leite, a minha mãe ficara sem peito, talvez devido a depressão pós-parto...Os meus avós maternos, com quem fui criado, é que me contaram, mais tarde, quando eu já tinha entendimento para as coisas da vida e do mundo...


Quando puto, ainda sonhei ser missionário, e ajudar a converter os pretinhos lá nas missões do Ultramar. Problemas de pulmões impediram-me de seguir essa vocação precoce. Estás-me a imaginar de sotaina branca e longas barbas pretas, não estás ?! E acabar, mártir e santo, frito no caldeirão de uma
tribo de canibais!... Ah!, como era rica e delirante a nossa imaginação de putos!... 


Não sei quem me metei essa ideia maluca na cabeça, por certo o padre, a catequista ou a professora, o pregador da quaresma que vinha de fora... Ou o próprio regedor... Mas a serra de Montemuro, que abarca Resende, Cinfães, Arouca, Castro Daire e Lamego,deu muita gente para as colónias e depois para a guerra, mas também para a emigração. Eu próprio estava longe de imaginar, no verão de 1965, que três anos depois estaria desembarcar em Bissau!


6. Em 45, quando nasci, os tempos ainda eram bem duros. Escondia-se, na serra, nas minas, o milho, o centeio, os cabritos e os anhos, dos fiscais do Governo. Como sempre se escondera o pão (e o gado), da vista de todos os invasores e usurpadores. Contavam os meus avós, maternos, esses com quem vivi até ir para a Casa Pia, em 1955. Mesmo assim fazia-se festa rija quando os nossos rapazes regressavam das guerras do Ultramar, ou alguém, mais raramente, voltava do Brasil... para casar!...


O foguetório não era como hoje, em que se gastam rios de dinheiro... Nesse tempo era um luxo. Lançavam-se uns petardos. Pólvora seca. Não havia dinheiro para nada. Só no São João, que era a festa anual do concelho. Era a altura em que se fazia algum graveto. Os cabritos e os anhos do São João ajudavam a compor o magro orçamento das gentes da minha aldeia. Não havia dinheiro, pura e simplesmente. Não me recordo até aos dez anos de ver uma nota de 20, 50, muito menos de 100 escudos. Só tostões, pretos, encardidos.


Iam para o Porto, de comboio, pela linha do Douro. Os cabritos e os anhos. Ou até nos barcos rabelos, embarcados no ancoradouro de Porto Antigo. À boleia de algum patrão, amigo, compadre ou conhecido. Ainda não havia as barragens, e o Douro era belo, puro, duro e selvagem, com um percurso cheio de cachões… Hoje está completamente amansado, e já aqui não chegam a lampreia e o sável.


7. O "Francês", meu padrinho, emprestava dinheiros a juros. Era o banqueiro do povo, diríamos hoje. O homem mais rico da aldeia. Negociante de gado arouquês, com clientes no Porto e até em Lisboa. Antes disso, ganhara muito dinheiro no garimpo e no contrabando do volfrâmio, com um sócio de Moncorvo, seu antigo camarada de armas, a quem também chamavam "Francês", por ter andado na guerra. 


Tinha fama de ser violento e andava sempre armado, o meu padrinho. Percorria os concelhos à volta da serra, de Resende a Castro Daire, numa velha camioneta Ford. Foi o primeiro a ter transporte automóvel. Além disso, era o dono da única mercearia da aldeia, com um anexo, misto de café e tasco, onde se podia ouvir a Emissora Nacional, através do único rádio existente ali nas redondezas… Vendia a fiado. Não havia luz elétrica, nem sequer a barragem do Carrapatelo, mas ele já tinha gerador... Ia lá a casa o povoléu para ver (e, de olhos arregalados,  benzer-se!...) aquela máquina que "parecia coisa do demo", que transformava a noite em dia...E tinha também o único telefone da aldeia... Por todas estas razões, mais o rol dos fiados, era o homem mais importante, mais poderoso e sobretudo temido e venerado da aldeia... Todos, de uma maneira ou doutra,lhe deviam favores...


Ainda por cima, dava-se bem com a gente graúda de fora: por exemplo, o major de Porto Antigo, que, segundo se dizia, descendia do Serpa Pinto, e estava bem colocado nos meios políticos e militares da época, a nível do distrito de Viseu. Não sei, nunca o conheci.



Ao que parece, a esposa do major, a "Fidalga", mandava cartas diretamente ao Salazar, contava a minha mãe, a pobre da minha mãe, sempre atenta a (e não menos temerosa de) os fios com que se costurava o poder.


Nem por isso o meu padrinho, que era militante da União Nacional e amigo dos presidentes das câmaras da região e do governador civil do Porto, metera uma cunha para livrar o filho da tropa, durante a II Guerra Mundial. O rapaz esteve em Goa, como expedicionário, com muito orgulho do pai e maior mágoa da mãe (, a quem chamávamos a "Madama").


Ele, o meu padrinho, sempre teve um grande carinho por mim. Ou, talvez melhor,  algum discreto  carinho por mim: chegava a beijar-me na testa, mas nunca em público. Aos 10 anos deixei de o ver... Ele, o padre, a professora da escola primária e os meus avós arranjaram maneira de me mandar para a Casa Pia em Lisboa, para "aprender um ofício"...


E foi em Lisboa que arranjei (ou me arranjaram) uns novos "padrinhos", um casal sem filhos, que me "adotou" e me "protegeu" até à minha ida para a tropa...Ao fim de semana, saía da Casa Pia, em Belém, apanhava o elétrico,  e ia ficar na casa deles, em Benfica. Depois de fazer o 5º ano, passei a viver com eles, fiz o liceu e matriculei-me nas Belas Artes. Ele era um quadro superior do Ministério das Corporações e Previdência Social. Sempre o tratei cerimoniosamente como "padrinho". Nunca houve adoção legal, porque eu já não tinha idade para isso.


Já doente, com setenta e tal anos, o meu outro padrinho, o da terra natal,o de batismo (, meu hipotético pai biológico!,  soube da minha partida para África em 1968, depois de eu ter chumbado em Belas Artes, por ser cábula. Eu nunca lhe pedira nada, nem sequer o folar da Páscoa. E muito menos que me safasse de ir parar à Guiné. Inclusive proibi os meus avós, ainda vivos, de o fazerem por mim. Nem ele era homem para aceitar um pedido desses,  mais do que humilhante, inconcebível, para ambos. Nem sequer ao "padrinho" de Lisboa eu meti qualquer cunha.


Tal como o "Francês" (, nunca o tratei pela alcunha!), eu tinha a mania dos princípios, dos valores, da palavra dada, enfim, da coerência. Coisas que hoje não vejo ser valorizadas pelos mais novos, por exemplo os meus filhos e sobrinhos.


8. Quando voltei da Guiné, em 1970, ele já tinha morrido, de um AVC isquémico. Ele e o Salazar (, que eu penso que ele nunca terá conhecido pessoalmente, mas de quem era um admirador acérrimo e acrítico).


O seu maior desgosto era um dos netos que devia seguir as peugadas do pai, advogado no Porto (e meu presumível irmão, mais velho). Numas férias de verão, em meados dos anos 60, ficou em Londres a lavar pratos. Em setembro desse ano já estava na Suécia, em Lund, aclamado como "herói", por ter fugido à guerra colonial... Fazia 20 anos, éramos da mesma idade. Foi dado como refractário ou desertor, não te sei dizer ao certo, que eu de RDM, Regulamento de Disciplina Militar, fiquei farto até à ponta dos cabelos. Como estava a estudar na Faculdade de Direito de Coimbra, beneficiava do adiamento da data de incorporação, tal como eu, de resto. Aproveitou para dar o "salto", numa viagem de intercâmbio universitário, segundo me constou. 


Eu sei que nessa época ninguém escapava à guerra, até filho de general era mobilizado. Nunca conheci nenhum general,  mas imagino que, na pior das hipóteses, os filhos dos generais ficavam na guerra do ar condicionado: em Bissau, em Luanda, em Lourenço Marques…


Nunca conheci nenhum, minto: conheci o Schulz e o Spínola, mas não sei se esses tinham filhos em idade de ir para a tropa. O avô, o "Francês", pelo menos publicamente, viu na traição do neto uma desonra para a família (e para a terra, que considerava, abusivamente, uma extensão da família). Coimbra, a república dos estudantes jacobinos, dera-lhe a volta à cabeça, lamentava-se ele. Para mais era o seu neto querido, o mais ladino, o mais  vivaço, o mais parecido com ele.


Rédea comprida e chicote curto, eis a desgraça, concluía o meu padrinho, quando o fui visitar, nas minhas férias em julho de 1969. Sua bênção, padrinho - foram as primeiras palavras que lhe disse, desde há anos… Já o pai não prestava, era um fraco, arrematava ele, entre dois ataques de tosse. As melhoras, padrinho – foram as últimas palavras que eu lhe dirigi… Julgo que eram sinceras, que nada tinham de cínico. (Mas como eu tanto gostaria de lhe poder chamar pai, se ele tivesse tido a coragem, nessa ocasião única, de me chamar filho!...)


Puxou então de uma nota de 100 paus, e disse-me que era "para a viagem de regresso à Guiné, meu rapaz". Fiquei banzado, nunca me tinha dado nada, nem um rebuçado ou um pirolito... Quis recusar, sentiu-se ofendido...


Impressionou-me a sua decadência, a sua descida do pedestal, acabrunhado pelos acontecimentos dos últimos tempos… A saúde a falhar, a família a desmoronar-se, a Pátria a esvanecer-se, o Império a ruir, a aldeia a minguar com a emigração… Não podia ouvir falar do Marcelo Caetano, que era para ele o coveiro do Estado Novo e do Império. Ele próprio morreria, na aldeia, um ano depois, respeitado, por certo,  mas não amado. Durante décadas fora pai, padrinho, cacique e patrão, um verdadeiro "capo", um "padre padrone", um cabo chefe de uma aldeia serrana do nosso velho Portugal… que pouco mudara com as mudanças de regime.


9. Gustavo, o neto do meu padrinho da aldeia, ainda me escrevera um dia para o meu SPM, já no final da minha comissão. Éramos amigos (e, provavelmente parentes: eu podia ser tio dele, mas tinha desistido há muito da ação de impugnação da paternidade!). Ou melhor, éramos mais conterrâneos do que amigos , tínhamos brincado juntos até aos 10 anos, quando garotos, nas férias de verão. Ele estudara em colégio particular, e vivia em zona fina no Porto. Só quando entrou para a Universidade, é que se mudou para Coimbra. Não gostavva da aldeia do avô e do pai, que achava terra de gente "parola". Mas ia lá algumas vezes, com os pais, nas férias grandes, no Natal e na Páscoa. Nessa altura, brincávamos por entre as fragas que cercavam a aldeia. Havia aquela cumplicidade de putos, pesem embora as diferenças sociais. Ele era o "menino", que comia ovos estrelados, e eu o "catraio", alimentado a caldo... Nós, os putos da aldeia éramos a "canalha".


Agora, em Estocolmo, na Suécia, militava num grupúsculo marxista-leninista qualquer e angariava dinheiro para o PAIGC e para apoio aos "exilados políticos". Dinheiro que, no caso do PAIGC, tanto servia para comprar livros e medicamentos como armas e munições, questionava-me eu. Irritou-me a sua missiva, cheia de metáforas, clichés, prosápia, slogans, frases pomposas, retiradas do livrinho vermelho do execrável camarada Mao (Devo dizer-te que sempre fui mais sinófobo do que sinófilo)…


10. As minhas próprias simpatias iniciais pelo PAIGC, algo quixotescas, guevaristas, românticas, desvaneceram-se com os imperativos da camaradagem na caserna e com a prova de fogo na frente de batalha, quando cheguei à Guiné. Não se podia objectivamente estar "do lado de cá", fardado de camuflado, e equipado com a G3, e ser-se um simpatizante, vagamente romântico, dos gajos do "outro lado de lá", daqueles que nos combatiam (e nós combatíamos)… E que matavam os nossos camaradas.


Além disso, devo dizer-te, chocavam-me os métodos de terror usados pelo PAIGC contra os fulas, quer na zona leste quer no sul (que também conheci)… Tinha alguns amigos guineenses, entre eles, fulas, guias, picadores e milícias, desde Pirada até Piche, e depois em Cacine…


Nunca lhe respondi, ao Gustavo. Achava-o um puto mimado, egoísta e provocador. Em suma, um cabrãozeco. Não me admirei de o vir a encontrar, depois do 25 de Abril, num dos partidos do poder. Andará hoje por Bruxelas, segundo me disseram, assessor de um qualquer merda de político da nossa praça, com assento no Parlamento Europeu ou na Comissão Europeia. Tinha-se casado com uma sueca. Mas já estava divorciado nos finais da década de 1970. Secretamente, invejava-lhe a sorte, ele ali no bem bom da Suécia e das suecas louras, de olhos azuis, que faziam parte do nosso imaginário de machos latinos…... E eu a gramar a pastilha de uma comissão de serviço militar na Guiné!


Achei que o mundo não era justo. Mas mesmo assim não me podia queixar. Estava vivo. E os primeiros tempos, passados entre Nova Lamego e Bafatá, até nem foram maus. Ainda fiz o gosto ao dedo e pintei alguns quadros,em acrílico, que até tiveram um ou outro comprador, a preço simbólico. Outros ofereci a gente conhecida e amiga, incluindo uma família de comerciantes libaneses cuja casa costumava frequentar, e que tinha uma filha que ainda andei a catrapiscar.


Mas depressa percebi que esgotara o meu filão artístico. Afinal o teu Renoir nunca passara da cepa torta, isto é, da aldeia de Montemuro… Uma deceção!...Nunca me perdoei, de resto, ter estupidamente chumbado nas Belas Artes e de ter sido chamado, prematuramente, para tropa...


11. Nunca falei disto a ninguém, passei por uma grave crise existencial nos últimos meses da comissão, ainda tive, uma vez, uma única vez, depois de ter despejado uma garrafa de uísque, a pistola Walther apontada ao céu da boca. Senti a atração da morte, a vertigem do nada, a comiseração da autodestruição,
a autopiedade, a autocompaixão...Mas, mesmo anestesiado, era demasiado cobardolas para resolver, com um tiro mortal, as minhas contradições pequeno-burguesas, agravadas por uma idiota dor de corno.


A Flora, que tu ainda conheceste, no tempo da minha/nossa famosa exposição do SNI, em 1965, a bela menina-família do Funchal, que estava a estudar serviço social, ali no Campo de Santana, em Lisboa, tinha-me trocado por um javardo de um herdeiro de uma fortuna venezuelana… Ainda trabalhara uns tempos na Misericórdia de Lisboa, num dos projectos de realojamento de população de um bairro de lata, antes de regressar à Madeira. 


Não esqueço a última carta que ela me mandou, de despedida, em 1970, a dizer que ia para a Venezuela, para casar. Era um encanto de miúda, delicadíssima, linda de morrer, com pele de veludo e blusinhas de renda, que mal tapavam os seus deliciosos marmelos, mas com pouca ou nenhuma margem de decisão em relação à sua vida pessoal e sentimental.


O clã é sempre quem mais ordena. O pai, tanto quanto percebi, era um homem do regime, da média ou média-alta burguesia funchalense, mas com problemas financeiras, por negócios, mal sucedidos, na área do import-export, bananas, frutas tropicais, flores, eletrodomésticos e coisas assim do género. Família numerosa, muitos manos. Nunca iria dar certo o meu casamento com a Flora. Nunca pensei, de resto, em pedir-lhe a mão. Muito menos depois de conhecer o paraíso da Guiné. Não me lembro de alguma vez lhe ter pedido a mão. Namorávamos apenas... Ou trocávamos cartas e aerogramas. E ela fora inclusive ao meu embarque, no Cais da Rocha Conde de Óbidos.


Fiquei surpreendido quando um furriel de uma companhia madeirense, por sinal do Funchal e conhecido da família da Flora, veio-me lembrar que seria bom decidir-me e pedir-lhe a mão em casamento, de acordo com os usos e costumes da terra... Porque havia mais pretendentes na fila, à porta de casa!...  


Estávamos a comer umas ostras e a beber umas cerveja, numa esplanada em Bissau, talvez no "Pelicano", já não me lembro. Foi um choque. Fiquei engasgado. Não estava preparado para tomar nenhuma decisão, e muito menos naquela parte do mundo, no cu de Judas. Muito menos para decidir quem deveria ser a mãe dos meus filhos. Estava na Guiné, estava na guerra, sem saber o que fazer da minha vida, sem saber sequer se iria chegar à meta, que era cumprir a minha pena de 21 meses, de “perigos e guerras esforçados, mais do que prometia a força humana”, a que fora condenado pelo único crime de ser português, natural de Cinfães, filho de mãe solteira, e de pai incógnito, o filho da puta que a violara… e que, cinicamente, fora o meu padrinho de batismo. 


No mínimo, a minha pequena grande ambição,s e a única,  era chegar inteiro à meta, de novo ao Cais da Rocha Conde de Óbidos, em Lisboa, donde havia partido... Inteiro, de cabeça, tronco e membros, e com os tomates no sítio. Ainda tentei telefonar-lhe, à Flora, de  Bissau (e depois de Nova Lamego). Em vão. As ligações com a Madeira não eram fáceis. Desisti. Sempre fui, afinal, um merdas, um fraco, um falhado. Nunca mais tive a conversa que gostaria de ter tido com a minha encantador namorada madeirense que, cansada de esperar, acabou por me trocar... por um padeiro venezuelano!


12. Já agora, e se ainda tiveres pachorra para me ouvir, conto-me o resto da história, já que me apanhas em maré-alta de confidêncas...


Acabei, já em Lisboa, bancário, por casar com uma galega de Orense, que nunca chegarás a conhecer, por que já fomos cada um à sua vida… É apenas a mãe dos meus dois filhos, um deles a viver em Vigo, e cada vez mais galego como a mãe.


Depois, meu amigo, veio o rol de desgraças que me aconteceram. A descida aos infernos. A cafrealização, à maneira do Rimbaud. A porrada do segundo comandante no Gabu. A ida, por castigo, para o sul, para Cacine, em rendição individual. O tiro de Kalash que me mandou quase um ano para o Hospital Militar da Estrela. Enfim, poupo-te os pormenores, um dia contar-tos-ei, se ambos tivermos tempo e pachorra, eu próprio só agora ando a desenterrar esses esqueletos guardados no armário da minha memória…


Esqueci a Guiné durante décadas. Ou tentei esquecer a Guiné (o que é difícil quando te vês ao espelho e tens uma bruta cicatriz no peito). Até ao dia em que, não sei como nem porquê, vi na Net o teu nome, a tua cara, os teus óculos, associado a Bambadinca, um dos poucos sítios de que eu até guardava boas memórias, da minha breve passagem por lá, em trânsito para Bissau… Toda a malta do leste tinha que passar por Bambadinca... Eu sei que fiquei lá umas noites, à espera do "barco turra", para Bissau.


13. É verdade, desencontrámo-nos na Guiné. Eu nem sequer sabia que tu também lá tinhas estado, podíamos ter ido a sorte de dar de caras um com o outro, entre 1969 e 1970, nomeadamemnte em Bafatá, onde devemos ter estado alguma vez, no mesmo dia e na mesma hora, embora eventulamente em sítios diferentes, mas muito perto um do outro. 


Achei piada ao teu jogo de palavras,
quando, ao telefone, me respondeste ao meu olá: “o Mundo é Pequeno e a nossa Tabanca … é Grande”.


Um dia prometo telefonar-te para marcarmos um encontro e matar saudades. Com mais tempo e vagar. Se ainda formos a tempo... É coisa que, de resto, me vai faltando, o tempo. Cada vez mais. Ando agora com o frenesim das viagens, por terra, mar e ar: só para saberes, já visitei mais de cem países dos cinco continentes... E ainda me faltam outros tantos...Tenho pressa de viver, à medida que eu vejo os meus parentes, amigos e conhecidos lerparem, naquela idade em que ainda há a ilusão de que temos o resto da vida toda à nossa frente. Eu já não tenho essa ilusão:  vivo o dia a dia!


Preciso de ganhar coragem. Confesso que tenho medo de revisitar o passado. Tenho medo das armadilhas do passado. E, por agora, ando a recuperar o tempo perdido, depois de uma vida de idiota atrás de um balcão de um banco, a lidar com o dinheiro dos outros. Aceitei vir-me embora, com uma indemnização. Ou mandaram-me embora, para ser mais correto.


Até lá, ao nosso próximo encontro, se formos vivos, um abraço, como vocês dizem, do tamanho do nosso Rio Geba.


Assina este relambório o teu falhado amigo pintor, e, pior do que isso, frustrado companheiro da viagem "a salto", até Paris, viagem que nunca passou de um devaneio de umas tantas tardes de verão em que estivemos, juntos, em 1965, na casa dos meus "padrinhos" em Benfica e no SNI, o Secretariado Nacional de Informação, ali no Palácio Foz, a preparar a exposição que foi a minha "vernissage", entre copos de ginjinha nos Restauradores. Recordo esse tempo com muita saudade, muito mais do que a Guiné.


Até sempre, amigo e camarada!


Teu F...

o Renoir de Montemuro.


PS1 - Parabéns pelo teu blogue de que fui apenas um fortuito visitante. Mas não me peças para lá voltar.


E já que falei o meu "padrinho" de Lisboa, que tu conheceste (e bem, por ser um homem irascível e autoritário), tenho a dizer-te que ele foi, pobre diabo, uma das vítimas do 25 de Abril: trabalhava na Praça de Londres, no ministério do trabalho, foi saneado, pela Comissão de Trabalhadores, por ser assessor de um "fascista", entrou em depressão, cometeu suicídio... Confesso que fiquei desolado: nunca foi o substituto do pai que nunca tive,  mas foi, para mim, um bom homem... À maneira dele, quis sempre o melhor para mim. Estou-lhe grato por me ter ido "buscar" à Casa Pia, e me ter dado uma "família normal", entre os 10 e os 20 anos... Foi graças a ele que continuei a estudar e entrei em Belas Artes. A minha "madrinha", essa, ainda aguentou uns anos, morreu de abandono e demência...Era professora de liceu...


PS2 – Nunca mais voltei aos Restauradores
para beber uma ginjinha… E perdi-te o rasto depois que fomos cada um para o seu lado... Mas pago-te uma ginjinha, com todo o gosto,
quando voltar a Lisboa. Afinal fiquei com uma pensãozeca de DFA, a par da reforma do banco. Vivo sozinho, e com poucos luxos, tirando as viagens.


________


Duas notas do autor:


(i) Ainda estou para beber a tal ginjinha,
prometida pelo meu amigo F..., "aquele rapaz de Cinfães que queria ser pintor em Montmartre"... Nunca mais deu sinal de vida, depois que falámos longamente ao telefone, há uns anos atrás. Deve ter mudado de mail e de telemóvel. Sei que adora(va) viajar. E que tem(tinha) um filho, casado, arquiteto, a viver nos arredores de Paris. Enfim, deve andar por aí a dar o resto da volta ao mundo...Ou a descobrir novos mundos...


Mas perguntar-me-á o leitor mais atento ou curioso: "como é que, afinal, o conheceu e onde, a esse tal rapaz de Cinfães"? A resposta é simples: no Porto das Barcas, Atalaia, Lourinhã, no verão de 1964.. Tinha eu 17 anos. Os "padrinhos de Lisboa" costumavam lá alugar uma casa de verão e adoravam a lagosta suada do Zé Felipe...


(ii) Um bilhetinho para o F...

Meu caro F...

Não tenho a certeza se alguma vez vais ler este texto, que resume o essencial que eu sabia de ti mais o que passei a saber,  na nossa última (e única) conversa ao telefone, em 2008.

Mas sempre te direi que ninguém é feito de uma só peça, nem muito menos a nossa história (individual e coletiva) é escrita a preto e branco.

Foi o nosso autorretrato possível (ou a "selfie", como se diz agora) para este blogue que tu não segues, por que és daqueles que pôs (ou gostava de pôr) uma pedra (tumular) sobre o passado...

"O passado (e nomeadamente, o meu tempo na Guiné) está morto e enterrado", acho que foi a tua resposta ao meu convite para integrar a nossa Tabanca Grande.

Respeito a tua decisão, esperando que não seja definitiva... Por isso também não te identifiquei... Mas, como eu costumo dizer,  a nossa Tabanca Grande, não tem portas, nem cavalos de frisa, nem arame farpado... Podes entrar em qualquer hora do dia ou da noite...

Se (ou quando) passares por aqui perto, faz-nos uma visita... Eu, pessoalmente, ficarei radiante. Por mim, por ti, pela nossa velha amizade de juventude.

Como a vida é feita de surpresas, talvez a gente ainda se encontre, em agosto, nas Portas de Montemuro... E a propósito, nunca me chegaste a dizer qual é a tua aldeia. Da minha tabanca de Candoz até à tua tabanca de Montemuro, do outro lado do rio Douro, vai apenas um tiro de obus 14...

Um abraço fraterno... Luís Graça

Guiné 61/74 - P19646: Parabéns a você (1597): Agostinho Gaspar, ex-1.º Cabo Mec Auto do BCAÇ 4612/72 (Guiné, 1972/74); António Dias, ex-Alf Mil Inf da CCAÇ 2406 (Guiné, 1968/70); Hernâni Acácio Figueiredo, ex-Alf Mil TRMS do BCAÇ 2851 (Guiné, 1968/70) e José Eduardo R. Oliveira, ex-Fur Mil Enf.º da CCAÇ 675 (Guiné, 1963/65)




____________

Nota do editor

Último poste da série de 3 de abril de 2019 > Guiné 61/74 - P19644: Parabéns a você (1596): Álvaro Vasconcelos, ex-1.º Cabo TRMS do STM/CTIG (Guiné, 1972/74)

quarta-feira, 3 de abril de 2019

Guiné 61/74 - P19645: Estórias avulsas (100): Resgate de restos mortais do 2º srgt trms Justino Teixeira da Mota, CCAÇ Esp 266 / BCAÇ 262, morto, por acidente de viação, em Angola em 18 de outubro de 1962, e inumado no cemitério de Maquela do Zombo, Angola (João Afonso Bento Soares, maj gen na reforma)

ç

Angola > Maquela do Zombo > 2º srgt trms Justino Teixeira Mota, falecido em 18 de Outubro de 1962, na sequência de acidente de viação,  e enterrado no cemitério local. Pertencia à à Companhia de Caçadores Especiais 266 / BCAÇ  262)



Angola > Maquela do Zombo >   O CEM da UNAVEM (Missão de Verificação das Nações Unidas em Angola),  Coronel João Afonso Bento Soares, junto à campa de Justino Teixeira da Mota, acompanhado de autoridades civis e militares de Maquela do Zombo. 

Fotos (e legendas): © António Teixeira Mota (2008). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]




João Afonso Bento Soares,. Quinta do Cubo,
Elvas, Natal de 2006
1. Mensagem do nosso leitor e camarada João Afonso Bento Soares, com data de 19 de março de 2019

Caríssimo Amigo e Prof Luís Graça:

Recebi o habitual mail do seu blog Luís Graça & Camaradas da Guiné, que estiou a seguir,  e encontro logo à entrada o apontamento/post de José Saúde (ex-furriel) que li com todo o interesse e que fala de Restos Mortais abandonados na GU [, Guerra do Ultramar]..(*)

Ocorreu-me então a lembrança de uma saga homérica havida comigo enquanto Coronel, Chefe do Estado Maior da UNAVEM (Missão de Paz das Nações Unidas em Angola) em 1995/96 , em que o Cor Ramiro Correia de Oliveira (que fora professor comigo  no IAEM - Instituto de Altos Estudos Miliatres) me veio pedir, aquando da minha partida, para diligenciar a recuperação dos Restos Mortais de um sargento que a sua companhia (CCE 266) tinha deixado, em 1962, no cemitério de Maquela do Zombo - Norte de Angola.

Como pode imaginar, pensei logo que seria uma missão impossível (para um homem só!)...Mas de facto, encarei o assunto e consegui satisfazer o pedido do Coronel amigo.

Conto em anexo um resumo dessa história. História, da qual um filho do militar de cujos Restos Mortais consegui a remoção, veio e escrever um livro com o título "Luta Incessante".

Carlos Pinheiro
Lembrei-me então de o contactar o Carlos Pinheiro, na sua qualidade de "tabanqueiro", pois foi um excelente Operador de Mensagens no Destacamento do Serviço de Telecomunicações Militares que eu comandei na Guiné como Capitão na minha 1ª comissão, em 1968/70.

Foi ele que me facultou o seu mail e por isso ponho à sua consideração se o Apontamento em anexo terá interesse para publicação no seu blog. É claro que o assunto não diz directamente respeito à Guiné pois passou-se em Angola, mas eu apenas pretenderia dar uma achega modesta à justa preocupação enunciada por José Saúde.

Como não nos conhecemos pessoalmente, tomo também a liberdade de anexar uma Nota Biográfica.

Um forte e sempre amigo abraço

João Afonso Bento Soares
Major General


2. Nota biográfica:

(i) o eng.º João Afonso Bento Soares é Major General do Exército e nasceu na freguesia de Meimoa, concelho de Penamacor, Beira Baixa, em 2 de Janeiro de 1941;

(ii) fez o liceu em Coimbra e ingressou na Academia Militar em Outubro de 1959 onde frequentou o Curso de Engenharia-Transmissões;

(iii) concluiu no Instituto Superior Técnico a Licenciatura em Engenharia Electrotécnica no ano académico de 1965 / 66;

(iv) na sequência da sua promoção a Capitão em Fevereiro de 1967,  foi nomeado como primeiro Director da Estação Portuguesa de Comunicações por Satélite integrada no Sistema SATCOM NATO; durante o desempenho destas funções (1970/74) foi promovido a Major em Dezembro de 1973;

(v) como Tenente-Coronel (promovido em Novembro de 1974) foi Director do Depósito Geral de Material de Transmissões (1976 / 79) e Professor do Instituto de Altos Estudos Militares (1979 / 86); nesta qualidade frequentou nos EUA o “Command and General Staff Course“ (1982 / 83) e seguindo simultaneamente o curso de pós – graduação, “Master of Military Art and Science“, adquiriu o respectivo grau académico (Universidade de Kansas);

(vi) de regresso ao Instituto de Altos Estudos Militares (IAEM), foi posteriormente promovido a Coronel em Setembro de 1984;

(vii) foi seguidamente colocado no EMGFA (1986 / 88) na Divisão de Comunicações e Electrónica e Grupo de Projectos Operacionais onde elaborou o Documento Conceptual do SICOM – Sistema Integrado de Comunicações Militares;

(viii) foi nomeado em 1 de Janeiro de 1989 como primeiro Subdirector do Serviço de Informática do Exército no período em que esta área esteve integrada na Arma de Transmissões;

(ix) concluiu no ano lectivo de 1989/90 o Curso do Instituto Britânico em Portugal onde adquiriu o diploma “Certificate of Proficiency in English” (University of Cambridge);

(x) em 1990 / 91 frequentou, no IAEM, o Curso Superior de Comando e Direcção e sequentemente, como Coronel Tirocinado, foi colocado nos Açores onde desempenhou as funções de 2º. Comandante da ZMA – Zona Militar dos Açores (1992 /93) – e Chefe do Estado Maior do COA - Comando Operacional dos Açores (1993 / 94);

(xi) terminada esta comissão de serviço foi responsável pelo Centro de Operações Conjunto do EMGFA durante cerca de 9 meses;

(xii) por despacho ministerial foi nomeado para Chefe do Estado-Maior Internacional da Missão de Paz da ONU em Angola – UNAVEM III (Março de 1995 a Março de 1996);

(xiii) de regresso a Portugal e ao Exército,  foi colocado como Subdirector dos Serviços de Transmissões, funções que desempenhou de Maio de 1996 a Outubro de 1997;

(xiv) com a sua promoção a Oficial General em 25 de Setembro de 1997, foi nomeado Director do Instituto Militar dos Pupilos do Exército, funções que desempenhou desde 3 de Novembro de 1997 a 11 de Fevereiro de 2000, tendo entretanto passado à situação de reserva em 2 de Janeiro de 2000;

(xv)  no decorrer deste período foi Presidente da Comissão Organizadora da III CIDMT (Conferência Internacional de Doutrina Militar Terrestre) realizada em Portugal de 5 a 8 de Maio de 1998 reunindo 26 países representados por oficiais superiores e oficiais generais incluindo os Chefes do Estado Maior do Exército de Angola, Grécia, Guiné, Itália e Portugal;

(xvi) ao longo da sua carreira Militar, de 41 anos de serviço no activo, cumpriu duas comissões de serviço no Ultramar: na Guiné (1968 / 70) como Capitão e em Angola (1975) como Tenente-coronel;

(xvii) foi responsável pela elaboração de várias publicações técnicas na área de Transmissões e Guerra Electrónica e é autor das obras:

"The Iberian Peninsula in the Atlantic Community – Problems and Prospects” (1983);
“A Mulher e as Forças Armadas: Igualdade de Oportunidades na Profissão Castrense” (1991);
 “As Transmissões no Exército Português – Resenha Histórica – ” (1999);

(xviii)  tem também Obra Poética publicada: “Chamamentos” (2004); “Dizeres Sentidos…Rimas Perdidas” (2005-07); e é co-autor da “Poiesis” – Antologia de Poesia e Prosa Poética Portuguesa Contemporânea -Volume XVI (2007) e de “Paradigmas” – Colectânea de Poesia e Texto Poético da Lusofonia (2016).

(xix) é condecorado com as Medalhas Militares das Campanhas de África, de Comportamento Exemplar, de Mérito Militar, de Serviços Distintos e com a Medalha das Nações Unidas; é Comendador da Ordem do Infante D. Henrique, condecoração com que foi agraciado pela Presidência da República (1996) por proposta do Embaixador de Portugal em Angola;

(xx) é membro efectivo da Sociedade de Geografia (2003);

(xxi) é  casado com Dª. Maria Delfina F. C. Bento Soares, licenciada em Filologia Germânica e tem três filhos: Maria Cristina (licenciada em Psicologia), João Francisco (licenciado em Informática de Gestão) e Jorge Afonso (Técnico Administrativo). Tem três netos: Maria Carolina, e os gémeos Joana e João Ricardo.


3. Resgate de restos mortais de um antigo combatente [, o Sargento Justino Teixeira da Mota, caído em Angola e enterrado em Maquela do Zombo, em 1962]


Revendo o álbum de memórias dos mais de quarenta anos ao serviço das Forças Armadas no desempenho das mais variadas missões, encontro páginas que sabe bem reviver.

Uma delas é, seguramente, a autêntica saga constituída pelos muitos trabalhos, diligências e canseiras que me viriam a permitir resgatar em 1995/96 os restos mortais do Srgt Justino T. Mota caído em Angola na Guerra do Ultramar e enterrado em Maquela do Zombo em 1962.

Insere-se este episódio na segunda passagem por Angola aquando da minha nomeação, no posto de Coronel, para Chefe do Estado-Maior da Missão de Paz da ONU em apoio daquele país (UNAVEM – United Nations Angola Verification Mission).

Estávamos em fins de Janeiro de 95, e nessa altura participei, com civis e oficiais superiores de vários países, num curso sobre Missões de Paz que decorreu na Dinamarca sob a égide da ONU. Durante esse encontro, o Coronel representante da Bulgária, tendo-me identificado através da “Lista de Participantes/Funções” como próximo responsável pela Chefia do Estado-Maior da Missão de Paz em Angola (UNAVEM), veio confidenciar-me que, ele próprio, se havia candidatado ao cargo de Observador Militar naquela Missão, mas que o pedido de cooperação aberto à Bulgária não incluía o posto de Coronel. 

Referiu-me, inclusivamente, ter-se disponibilizado para aceitar um “down-grading” da sua patente por um ano, mas o Governo do seu país não aceitara a sugestão e nomeara efectivamente um Major. Era para esse oficial seu conhecido, que reputou de excelente militar, que o Coronel búlgaro vinha pedir a minha “protecção”. Não obstante a natureza circunstancial do pedido, solicitei-lhe uma nota identificativa do recomendado. De pronto me entregou um cartão-de-visita, por ele previamente preparado, que guardei.

No final do curso, a organização providenciou transportes diversificados para o aeroporto a grupos de oficiais de acordo com os seus voos. Deu-se novamente a coincidência, de me ter deslocado na viatura onde ia também e apenas o referido Coronel búlgaro. Lá retomámos a conversa sobre o seu “protegido” – Major Alexander Alexandrov, de sua graça.

De regresso a Lisboa, pouco antes do embarque e já embrenhado nos últimos preparativos, a dois ou três dias da partida, recebo um telefonema do meu querido amigo Coronel Ramiro Correia de Oliveira. Dizia precisar de um grande favor da minha parte. Resumidamente, tratava-se de tentar diligenciar em Angola a trasladação dos restos mortais de um militar então pertencente à Companhia de Caçadores Especiais nº 266 sob seu comando em Maquela do Zombo, que ficara sepultado no cemitério daquela localidade em 1961!

Embora apercebendo-me da dificuldade, ou mesmo impossibilidade, do teor de um tal pedido, senti uma forte emoção interior. É que uma outra missão similar, também do foro sagrado, me tinha cometido a mim próprio: localizar e trazer um punhado de terra da campa do Tenente Francisco Pires Bento, meu avô materno, caído no Norte de Angola ao serviço da Pátria “combatendo o gentio rebelde” a 4 de Julho de 1918, na plenitude da vida, com apenas 43 anos de idade. Comandava, na altura, o Posto Militar do Cauale pertencente à Capitania-Mor do Pombo. 

Esse distinto e valoroso oficial tinha já perdido a jovem esposa e deixara na aldeia natal - Meimôa -, ao cuidado de uma avó, duas crianças de tenra idade: minha mãe Alda e seu irmão Mário, os quais ficando tão prematuramente órfãos de pai e mãe viriam a estudar, com pensão de sangue, no Instituto de Odivelas e no Instituto dos Pupilos do Exército, respectivamente.

O telefonema do meu Amigo tinha assim para mim, neste contexto, uma ressonância muito profunda, mas simultaneamente vislumbrava no meu espírito dificuldades, quiçá insuperáveis, de qualquer das missões.

Mas voltando ao tema inicial que aqui nos traz, uma coisa, porém, era certa: haveria de esgotar todos os meios ao meu alcance para atender o Coronel Correia de Oliveira, por quem já então nutria verdadeira estima e enorme consideração.

Sem o tempo mínimo para juntos analisarmos o problema, pedi-lhe que me fizesse chegar às mãos toda a documentação útil sobre o assunto. Ele assim fez. Em 17 de Março de 1995 chego à cidade de S. Paulo da Assunção de Luanda e tomo posse do espinhoso cargo que me aguardava. As múltiplas tarefas da minha responsabilidade exigiram-me um trabalho diário de 16 a 18 horas ao longo de todo o ano que a comissão durou.

Só decorrido mais de um mês sobre a posse, consegui um mínimo de disponibilidade para me debruçar sobre a referida documentação. Analisei pormenorizadamente todos os elementos. Pareceu-me que a tarefa iria, eventualmente, além das minhas capacidades, mas deitei mãos à obra.

Gizei o plano com base numa seriação de tarefas que viriam a traduzir-se naquilo que denominei “Operação Maquela do Zombo”.

Do dispositivo operacional a meu cargo fazia parte, além das unidades dos vários países, um conjunto de Destacamentos de Observação (ditos “Team Sites”) a implantar por todo o território angolano e a implementar progressivamente de acordo com as prioridades operacionais.

Para Maquela do Zombo estava prevista a instalação de um desses Destacamentos dentro de cerca de duas semanas, decorrendo nesse preciso momento o processo de nomeação da sua guarnição, a constituir com 4 ou 5 Observadores Militares (estes iam chegando à Missão vindos dos vários países e de acordo com os planeamentos recebidos da ONU em Nova Yorque).

Alterando pontualmente o procedimento de rotina, chamei o oficial do meu Estado-Maior responsável pela área de pessoal (um simpático tenente Coronel romeno) e disse-lhe para, entre os Observadores a nomear para o Destacamento de Maquela, incluir um português ou um brasileiro.

Isto facilitaria futuras conversações com as autoridades administrativas locais, além de que este tipo de nomeações não obedecia a normas rígidas. Quando o Chefe do Pessoal veio a despacho no dia seguinte, informou-me não ter conseguido nenhum Observador nomeável para Maquela que falasse a Língua Portuguesa. Como o que não tem remédio, remediado está, ordenei que procedesse com urgência à nomeação da guarnição de Maquela e, feito isso, mandasse apresentar no meu gabinete o respectivo Comandante.

A “Operação Maquela do Zombo” era trabalhada no meu quarto e, logo nessa noite, perante a contrariedade do idioma, refiz várias peças do plano, passando-as para Inglês.

Na manhã do dia seguinte, apresenta-se para falar comigo o indigitado Comandante de Maquela, a quem, para além das habituais recomendações sobre o cumprimento da sua missão, iria pedir a execução de algumas diligências que importava explicar com o necessário detalhe.

Neste primeiro contacto com o oficial, eu diria (para utilizar uma gíria castrense) que logo me pareceu de “excelente aspecto militar”. À data, ainda não me era possível identificar todas as fardas, já que a Missão integrava várias dezenas de países dos cinco continentes. Por isso indaguei, antes de mais, a sua nacionalidade:

–Sou da Bulgária – disse prontamente…

Era, curiosamente, o Major Alexander Alexandrov, o meu “protegido”. Extraordinária coincidência!

Após inúmeras diligências e com a sua ajuda e das autoridades locais da UNITA, foi-me autorizada a exumação dos restos mortais que posteriormente,  com o apoio do Senhor Embaixador em Angola, se conseguiu transporte para Portugal na mala diplomática.

Não escondo a enorme satisfação que me deu ver cumprida a obrigação que assumira com um Amigo e ver realizado o desígnio sagrado de uma família a que se juntava também a dívida não saldada do meu país (com efeito os restos mortais não haviam sido oportunamente reclamados pela família devido a dificuldades financeiras). (**)

Na sequência do complicado processo vim a conhecer o filho do Srgt Mota, o Eng.º. António Teixeira Mota que,  enquanto filho de antigo combatente, fora aluno no Instituto Militar Pupilos do Exército (IMPE), ou seja, um ilustre “Pilão”, o 21 do seu ano! Ora quis o destino que, com a minha promoção a Oficial General, ali fosse colocado como Director em 1997. Tive então oportunidade de convidar o Eng.º. Mota a visitar a sua antiga Casa na companhia do Cor Ramiro de Oliveira, antigo comandante de seu pai na fatídica comissão em Angola. (***)

O mais importante é, no entanto, que a família Mota já não está agora privada da consolação humana de poder chorar o seu ente querido junto à campa, na sua terra natal. É essa consolação humana que refulgirá perenemente na memória da família.

No fim de todo este longo processo, e dentro das minhas fracas qualidades poéticas, escrevi os seguintes dizeres em memória de um combatente caído na GU em Angola, o Sargento Justino Teixeira da Mota.


ÚLTIMO ADEUS A MAQUELA DO ZOMBO

(Homenagem ao camarada, Sarg. Justino Teixeira Mota,
falecido em 18 de Outubro de 1962, pertencendo à
Companhia de Caçadores Especiais 266 / Batalhão 262)


Foste um soldado e grande companheiro,
Que em Maquela cumpriu sua missão.
Tanto a ela te deste por inteiro,
Que te apagaste nesse ex-luso chão.

Trinta e quatro anos são volvidos,
E os entes queridos te reclamam...
Quanta saudade e dor em ais sentidos
Guarda a memória dos que por ti chamam.

Fui buscar tuas cinzas com respeito,
Para honrar a mensagem recebida
Dos teus e do Ramiro, Capitão.

E se à história presto humilde preito
Por te levar à última guarida...
Justino, eu te saúdo como irmão.

(S. Paulo da Assunção de Luanda, 9 de Março de 1996)

João Afonso Bento Soares
Major General

4. Comentário do editor Luís Graça

João Afonso: obrigado pela história, com final feliz, que nos fez chegar, com a preciosa ajuda do Carlos Pinheiro, nosso grã-tabanqueiro de longa data. O tema é nos caro, o do resgate dos restos mortais dos nossos camaradas mortos nas campanhas de África, entre 1961 e 1975, e inumados em cemitérios locais (de cuja localização, em não poucos casos, se perdeu o registo).

O caso que relata não me era estranho. Acabei por encontrar um poste, do nosso coeditor Carlos Vinhal, em que nos fala do livro que escreveu o filho do 2º srgt trms Justino Teixeira Mota, o engº António Teixeira Mota, e em que se dá conta da sua "luta incessante" para resgatar os restos mortais do seu pai. Ora nesse poste, há uma fotografia com o então coronel João Afonso Bento Soares, que republicamos acima, em Maquela do Zombo, em 1996, junto à campa do 2º srgt Justino Teixeira Mota.

É uma história tocante, de amor filial, de compaixão e de solidariedade entre camaradas de armas. As duas versões completam-se e eu fico feliz por juntar, aqui e agora, as duas peças, para melhor apreciação dos nossos leitores (***).

O poste já vai longo, mas eu não posso deixar de lhe fazer um convite para, formalmente, integrar a nossa Tabanca Grande, na sua qualidade de antigo camarada da Guiné, onde foi comandante operacional, em 1968/70, sendo ambos em parte contemporâneos (eu, na CCAÇ 12, Bambadinca, julho de 1969/ março de 1971).  A sua presença  muito nos honraria a todos, a começar pelo Carlos Pinheiro, que foi então seu subordinado.

Se aceitar o meu convite, tem aqui um lugar à sombra do nosso poilão, sob o nº 785, ao lado de um outro seu camarada da Academia Militar, o cor art ref Morais da Silva (membro da Tabanca Grande, nº 784). Como vê, já somos mais do que um batalhão, os amigos e camaradas da Guiné. Para completar o processo, faltar-nos-ia apenas uma foto do seu tempo como capitão na Guiné... (que não encontrei numa visita rápida que fiz à sua página do Facebook)

Por fim, e não menos importante, sendo eu também poeta, deixe-me dar-lhe os parabéns pelo soneto que, em 1996, dedicou ao nosso camarada 2º srgt trms Justino Teixeira Mota. Não só está tecnicamente perfeito, como é também um belíssimo hino à camaradagem e fraternidade entre militares portugueses!...
_______________

Notas do editor:

(*) Vd. poste de 16 de março de 2019 > Guiné 61/74 - P19594: Memórias de Gabú (José Saúde) (79): Resquícios de uma guerra que nos fora cruel. Abandonados. (José Saúde)

(**) Último poste da série > 4 de março de 2019 > Guiné 61/74 - P19549: Estórias avulsas (93): Histórias do vôvô-Zé - As nossas andorinhas (José Ferreira da Silva, ex-Fur Mil Op Esp)

(***) Vd. poste de 16 de março de 2008 > Guiné 63/74 - P2651: História de vida (10): A Luta Incessante de António Teixeira Mota (Carlos Vinhal)