sábado, 14 de maio de 2016

Guiné 63/74 - P16089: Memórias de Gabú (José Saúde) (62): Bafatá, cidade com o rio em pano de fundo. Olhar o Geba. (José Saúde)



Foto nº 1 > Bafatá, com o Geba ao fundo


Foto nº 2 > Uma coluna a Bafatá


Texto e fotos; © José Saúde (2016). Todos os direitos reservados.



1. O nosso Camarada José Saúde, ex-Fur Mil Op Esp/RANGER da CCS do BART 6523 (Nova Lamego, Gabu) - 1973/74, enviou-nos a seguinte mensagem. 

As minhas memórias de Gabu

Bafatá, cidade com o rio em pano de fundo

Olhar o Geba

Recordo as idas a Bafatá! O zumbido dos velhos motores das Berliet e dos Unimog que rompiam o silêncio de um misterioso capim onde se camuflavam homens que preparavam emboscadas à tropa tuga. Era o tempo da guerra. Ninguém passava imune a uma guerrilha tremendamente desleal. Sou de um tempo em que a estrada que ligava as duas cidades, Bafatá-Nova Lamego, já se encontrava alcatroada.

Bafatá, terra natal de Amílcar Cabral, cabo-verdiano de sangue mas um cidadão guineense que nasceu no mês de setembro de 1924, situa-se na região centro da Guiné-Bissau, sendo a sua população predominante de etnia fula e mandiga, a que acresce a sua principal fonte económica passar pela produção de arroz e de tubérculos. Bafatá era ainda uma cidade anfitriã para eminentes encontros. Dissecavam-se as agruras da guerra, bebiam-se uns líquidos fresquinhos e os repastos eram de bom grado.

Recordo as cívicas “emboscadas” preparadas pela rapaziada numa ida a Bafatá e que desembocavam normalmente no “Transmontano”, se a memória não me falha o nome. De parte ficava o rancho do quartel, pelo menos por um dia.

Historicamente debruço-me, como é óbvio, sobre a zona de Bafatá. Neste contexto, o seu clima tropical, geralmente quente e húmido, apresentando-se chuvoso entre os meses de junho a outubro e seco entre novembro e maio, era abrasador e ali se recolheram histórias de encanto e desencanto de gentes atirados para as frentes de combate.

Banhada pelo rio Geba a população tinha na pesca uma das suas fontes de rendimento. Todavia, Bafatá era essencialmente uma urbe onde uma visita alvitrava um olhar sobre as águas do Geba que corriam mansamente num leito onde se extraiam outras compensações.

Geba, que em dado momento da minha comissão, tive a oportunidade em conhecer numa viagem fluvial feita entre Bissau e o Xime. Lembro a azáfama que aquela jornada me proporcionou.

Numa LDG amontoada de viajantes lá partimos rio Geba acima. A guerra, nesse tempo, estava ao rubro. Esperei alguns dias pelo embarque para Gabu por via aérea, todavia o tempo protelou-se e a solução passou por aceitar a inexperiente viagem fluvial.

A curiosidade da opção foi quando me deparei com os meus companheiros de viagem. Negros em maioria transportavam consigo todos os seus utensílios pessoais e nem as galinhas faltaram à ordem de chamada.

O instante mais delicado da viagem foi quando chagámos à zona de Ponta Varela. Ordens para o pessoal se deitar e adiantado ainda o comandante da lancha que nem uma cabeça a ver-se do exterior. 

Comentava-se que aquela passagem por Ponta Varela, local onde o rio estreitava, era perigosa e já tinha conhecido fins dramáticos. O PAIGC de quando em vez preparava ataques a partir das margens do Geba. Porém, a passagem foi tranquila e lá navegamos em águas pacatas até desembarcarmos no Xime.

Seguiu-se uma viagem que cruzou Babadinca e logicamente Bafatá. Ali aguardei pela coluna que me levou até Gabú, ficando para trás um outro olhar pelo rio Geba onde o medo a certa altura mexeu com o meu ego. 

Eram os tempos de guerra!... 

Legendas para as fotos:

1 - O Geba como paisagem de fundo
2 - Numa coluna a Bafatá 


Um abraço, camaradas 

José Saúde
Fur Mil Op Esp/RANGER da CCS do BART 6523

Mini-guião de colecção particular: © Carlos Coutinho (2011). Direitos reservados.
___________

Nota de M.R.:

Vd. último poste desta série em: 


Guiné 63/74 - P16088: Efemérides (225): Comemoração do Dia do Combatente de Matosinhos e do VII aniversário do Núcleo de Matosinhos da Liga dos Combatentes, levada a efeito no passado dia 30 de Abril (3) (Carlos Vinhal)

Terminadas que foram as cerimónias previstas para a manhã do dia 31 de Abril, dia este que começou com a concentração do dispositivo, pelas 10 horas e 15 minutos e se prolongou para lá das 13, esperava-nos um merecido almoço, servido num espaço exterior da sede, o antigo recreio coberto da Escola, onde a mesma está instalada. 
Pena foi que durante a tarde o vento norte se intensificasse e as pessoas sentissem algum desconforto.
Quem sabe, um dia destes tornaremos aquele espaço mais agradável que permita acolher as pessoas em dias de clima mais agreste.

Alguns dos convidados oficiais fizeram questão de nos acompanhar no repasto. Ao todo, os presentes seriam cerca de 170.

Espaço onde decorreu o almoço. Na sala interior não se consegue montar mais de 10 mesas. Aqui estariam 18.
Foto: Dina Vinhal

Aspecto dos rojões servidos com arroz branco, ou de sarrabulho para os apreciadores
Foto: José Trindade

Uma panorâmica com alguns dos presentes.
Foto: Núcleo

A tarde também teve animação musical. A primeira com o quarteto de trombones da Banda Militar do Exército, Destacamento do Porto, que interpretou alguns trechos de música clássica, marchas, folclore, etc.
Foto: Abel Santos

O Grupo Coral do Núcleo de Matosinhos da LC, aqui muito desfalcado, dirigido pelo Maestro SAj Luís Manuel Ribeiro, agora com a componente instrumental: acordeão, cavaquinhos e percussão, interpretou algumas canções do nosso folclore.
Foto: Núcleo 

Entretanto as horas indo passando e alguns dos convidados tinham que se retirar, o senhor Major-General Fernando Aguda tinha que regressar a Lisboa e o Dr. Eduardo Pinheiro ia ser Padrinho de Casamento dali a poucas horas.
Passou-se então à fase dos discursos com as intervenções do Presidente do Núcleo, Ten-Cor Armando Costa; do Vice-Presidente da Direcção Central, Maj-Gen Fernando Aguda e a finalizar, Dr. Eduardo Pinheiro, Vice-Presidente da Câmara Municipal de Matosinhos.

Seguiu-se uma troca de presentes:

Para mais tarde recordar: Dr. Eduardo Pinheiro, Major-General Fernando Aguda e Ten-Coronel Armando Costa.
Foto: Núcleo


Troca de lembranças entre a Câmara Municipal e a Liga dos Combatentes
Fotos: Núcleo

A Direcção Central da LC não esqueceu o aniversário do nosso Núcleo.
Foto: Núcleo

Bolo Comemorativo do VII aniversário do Núcleo de Matosinhos
Foto: Núcleo

A difícil tarefa de cortar o bolo, a cargo do Major-General Fernando Aguda e do Ten-Coronel Armando Costa
Foto: Abel Santos

Um brinde à eterna juventude
Foto: Núcleo

E assim terminou este dia 30 de Abril de 2016. No próximo ano, nós ou alguém por nós, tudo fará para que o Combatente matosinhense, vivo ou morto, não seja esquecido.
____________

Texto; selecção, edição e legendagem das fotos, da responsabilidade do editor
Carlos Vinhal

************

Voltando um pouco atrás, o senhor Major-General Fernando Aguda, presente em Matosinhos nas celebrações do Dia do Combatente, em representação do senhor Tenente-General Chito Rodrigues, fez um discurso que muito sensibilizou os Combatentes presentes. Melhor que adjectivá-lo é sugerir a sua leitura. 
Pedimos-lhe autorização para o reproduzir no nosso Blogue, aqui fica.

____________

Nota do editor

Vd. postes anteriores de 13 de Maio de 2016:

Guiné 63/74 - P16083: Efemérides (223): Comemoração do Dia do Combatente de Matosinhos e do VII aniversário do Núcleo de Matosinhos da Liga dos Combatentes, levada a efeito no passado dia 30 de Abril (1) (Carlos Vinhal)
e
Guiné 63/74 - P16085: Efemérides (224): Comemoração do Dia do Combatente de Matosinhos e do VII aniversário do Núcleo de Matosinhos da Liga dos Combatentes, levada a efeito no passado dia 30 de Abril (2) (Carlos Vinhal)

Guiné 63/74 - P16087: Blogpoesia (447): "Horas amargas...", por J.L. Mendes Gomes, ex-Alf Mil da CCAÇ 728

1. Em mensagem de hoje, 14 de Maio de 2016, o nosso camarada Joaquim Luís Mendes Gomes (ex-Alf Mil da CCAÇ 728, Cachil, Catió e Bissau, 1964/66), enviou-nos este poema intitulado "Horas amargas":


Horas amargas...

Saboreia bem as horas boas
que te dá a vida.
Porque as amargas sempre surgem
e quando menos tu as esperas...

São o verso e o reverso
desta moeda forte
que a vida é
E a sorte cunhou.

Têm cambiantes muitas,
Mudam de hora a hora,
Amar e sofrer
São a sua cor.
São o seu estalão.

E, de tão pessoais,
São intransmissíveis.
Essa moeda única,
Com curso sagrado
Que convém guardar
E não deixar perder...

Berlim, 14 de Maio de 2016
9h24m

manhã cinzenta

Jlmg
Joaquim Luís Mendes Gomes
____________

Nota do editor

Poste anterior de 8 de maio de 2016 Guiné 63/74 - P16064: Blogpoesia (446): "De madura...", por J.L. Mendes Gomes, ex-Alf Mil da CCAÇ 728

Guiné 63/74 - P16086: Convívios (746): 22.ª edição (2016): Pessoal de Bambadinca, 1968/71 (CCS/BCAÇ 2852, CCAÇ 12, Pel Rec Daimler 2046, Pel Rec Daimler 2206, Pel Caç Nat 63, e outras subunidades adidas) - Coimbra, 28 de Maio de 2016 (António Damas Murta, ex-1.º Cabo Op Cripto, CCAÇ 12, 1969/71)


Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > CCAÇ 12 (1969/71) > A grande bolanha de Bambadinca ("a cova do lagarto", em língua mandinga). Foto do álbum do fur mil at inf Arlindo T. Roda, do 3.º Gr Comb, natural de Pousos, Leiria, e hoje professor reformado a viver em Setúbal.
Foto: © Arlindo T. Roda (2010). Todos os direitos reservados

1. Mensagem do António D. Murta [ex-1.º Cabo Op Cripto da CCAÇ 12 (Bambadinca, 1969/71); reformado da Caixa Geral de Depósitos, residente em Coimbra; foto à direita].

Assunto - Convívios: Pessoal de Bambadinca, 1968/71 (CCS/BCAÇ 2852, CCAÇ 12, Pel Rec Daimler 2046, Pel Rec Daimler 2206, Pel Caç Nat 63, e outras subunidades adidas) > Coimbra, 28 de Maio de 2016 (António Damas Murta, ex-1º Cabo Cripto, CCAÇ 12, 1969/71)

Amigos: 
À semelhança de há cinco anos, venho  convidar-vos para o nosso almoço-convívio, em Coimbra,  no próximo 28 de Maio de 2014.

Programa 

10h15  – Ponto de encontro no Seminário Maior de Coimbra (perto do Jardim Botânico)
11h30 – Missa no Mosteiro  Seminário Maior de Coimbra
13h00 – Almoço convívio na Quinta da Malhadinha – Cabouco, freguesia de Ceira

Preçário:  35,00 € / pessoa, Crianças 5-10 anos: 13,50 €

Confirmação até  13 de maio, com cheque  ao cuidado de José Damas Murta, Estrada da Beira, 384, Alto de S. João, 3030-173 Coimbra.

Contactos: 239 71 30 55 / 968 050 119 (só depois das 18h à semana) / 964 538 201)

Ementa

(i) Entradas Pastéis de bacalhau,  Rissóis de camarão, Croquetes de carne, Chamussas, Broa de milho, Grelhados (morcela, chouriço, entremeadas, negritos),

(ii) Sopa à lavrador

(iii) Quentes: Bacalhau com broa, batata a murro e migas:
Chanfana à Senhora da Serra, acompanhada com batata cozida e couve.

(iv) Sobremesa: Mesa de frutas e doces variados; Bolo

(v) Bebidas, Aguas, Sumos, cerveja, espumante, vinhos tintos e brancos, café

Um abraço do
António Damas Murta
_____________

Nota do editor:

sexta-feira, 13 de maio de 2016

Guiné 63/74 - P16085: Efemérides (224): Comemoração do Dia do Combatente de Matosinhos e do VII aniversário do Núcleo de Matosinhos da Liga dos Combatentes, levada a efeito no passado dia 30 de Abril (2) (Carlos Vinhal)

As comemorações do dia 30 de Abril, dedicadas aos Combatentes de Matosinhos e ao VII aniversário do Núcleo local da LC, continuaram na sede, em Leça do Balio, com o descerramento de uma placa evocativa dos primeiros órgãos sociais eleitos; imposição de Medalhas Comemorativas das Campanhas; entrega de Testemunhos de Apreço a Sócios da Liga com 40 ou mais, anos de associados; homenagem a um Combatente leceiro que esteve prisioneiro do PAIGC durante 2 anos e meio, e almoço de confraternização.

Deslocado o dispositivo e já na presença do senhor Major-General Fernando dos Santos Pereira Aguda, Vice-Presidente da Direcção Central da Liga dos Combatentes, procedeu-se ao hastear da Bandeira de Portugal, que ficou ladeada pelas bandeiras da Liga e da Edilidade matosinhense.

Os nossos convidados presentes
Foto: Dina Vinhal

Alguns dos Combatentes que por usarem a suas boinas formaram na frente.
Foto: Dina Vinhal

O momento do hastear das Bandeiras
Foto: Abel Santos

Continência à Bandeira
Foto: Núcleo

Seguiram-se uns momentos de descontracção na altura em que foram servidos uns aperitivos já que a manhã se previa longa.
Foto: Núcleo

Retomando o programa do dia, no interior da antiga Escola Primária do Araújo, à entrada da sala onde está instalada a Sede do Núcleo, foi descerrada uma placa com a composição dos primeiros órgãos sociais eleitos, Mesa da Assembleia Geral e Direcção.

Sob o olhar atento do Presidente da Direcção, Ten-Coronel Armando Costa, o Major-General Fernando Aguda e o Dr. Eduardo Pinheiro descerram a placa.
Foto: Abel Santos

Placa evocativa dos primeiros Órgãos Sociais eleitos.
Foto: Núcleo

O programa continuou no Salão Nobre, completamente esgotado, com a imposição de Medalhas Comemorativas das Campanhas e entrega de testemunhos de apreço.

Um aspecto do Salão Nobre. Logo atrás do 2.º Comandante da Zona Marítima do Norte (em primeiro plano), está o Combatente Rui Rafael Correia que iria ser alvo de uma homenagem.
Foto: Núcleo

Primeiro grupo de medalhados. Destaque para o nosso camarada tertuliano António Sampaio
Foto: Núcleo

Segundo grupo de Combatentes medalhados
Fotos: Núcleo

O Combatente Hernâni Carvalho, Força Aérea, vai receber das mãos do Major-General Fernando Aguda o Testemunho de Apreço pelos seus 40 anos de associado da LC
Foto: Núcleo


Para finalizar a sessão solene, seguiu-se uma homenagem ao Combatente da Guiné, Rui Rafael Correia, natural de Leça da Palmeira, ex-1.º Cabo Mecânico Auto da CCS/BART 1896, que foi feito prisioneiro em 20 de Maio de 1968 durante uma emboscada perto da Ponte Balana, e que foi libertado em 22 de Novembro de 1970 durante a Operação Mar Verde.

Os seus amigos de sempre, Ribeiro Agostinho e Raul Ramos, lembraram os tempos de juventude, as traquinices próprias daquelas idades e como sentiram, aqui, a sua prisão na Guiné, já que o Rui, sendo um pouco mais velho, foi o primeiro dos três a enfrentar a guerra. O Ribeiro Agostinho, que embarcava também para a Guiné umas semanas depois da prisão do Rui, lembrou que a mãe deste, julgando ser possível, já que não fazia ideia de como e onde era a prisão do seu filho, o incumbiu de o ir visitar ou saber se estava bem.

Na foto: O homenageado Rui Rafael; Raul Ramos e Ribeiro Agostinho, seus amigos e vizinhos
Foto: Núcleo

O Rui recebeu dos seus amigos uma boina, das mãos do Major-General Fernando Arruda uma Medalha da Liga e, das mãos do Ten-Coronel Armando Costa, o Cartão de Sócio do Núcleo.
Foto: Núcleo

A minha colaboração foi elaborar e apresentar um Power Point com alguns dados sobre a guerra do ultramar, e da Guiné em particular, "reconstituir" a prisão  do Rui e dar a conhecer fotos e documentos pessoais dele, que me fizeram chegar à mão. 
Até o seu pai, senhor Rafael José Correia, foi lembrado, porque tendo sido Combatente na I Grande Guerra, foi sócio da Liga dos Combatentes, Agência do Porto, como então se dizia, com o n.º 1668, com admissão em 21 de Março de 1932.

Acabada a minha apresentação, a longa manhã chegava ao fim. De pé, os presentes, ajudados pela projecção de um vídeo, entoaram o Hino da Liga dos Combatentes.
Foto: Núcleo

Seguir-se-ia um excelente almoço.

(Continua)
____________

Nota do editor

Poste anterior de 13 de Maio de 2016 Guiné 63/74 - P16083: Efemérides (223): Comemoração do Dia do Combatente de Matosinhos e do VII aniversário do Núcleo de Matosinhos da Liga dos Combatentes, levada a efeito no passado dia 30 de Abril (1) (Carlos Vinhal)

Guiné 63/74 - P16084: Na festa dos 12 anos, "manga de tempo", do nosso blogue (10): Mais capelas numa terra de que se dizia ser de fraca fé cristã... Fotos: Pepito (1949-2014), José Neto (1927-2007), Renato Monteiro, Jacinto Cristina, Joaquim Ruivo e João Martins


Guiné-Bissau > Região de Tombali > Guileje > A última doação à Capela de Guileje, uma imagem de N. Sra. de Fátima, trazida de Portugal por António Camilo e Luís Branquinho Crespo. (*)


Foto: © Pepito / AD - Acção para o Desenvolvimento (2010) / Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné. Todos os direitos reservados


Guiné-Bissau > Região de Tombali > Guileje > Nucleo Museológico Memória de Guiledje > 2010 > Doação à Capela de Guileje, uma imagem de N. Sra. de Fátima, trazida expressamente de Portugal por António Camilo e Luís Branquinho Crespo . O António Camilo (à direita), ao lado do Pepito (1949-2014).(*)

Foto: © Pepito / AD - Acção para o Desenvolvimento (2010) / Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné. Todos os direitos reservados



Guiné > Região de Tombali > Guileje > CART 1613 (1967/68) > A capelinha construída no tempo do Zé Neto (1929-2007)... Havia três imagens da N. Sra. de Fátima, de diversos tamanhos... Guileje foi "terra de fé e de coragem" (Zé Neto).


Foto: © Zé Neto / AD - Acção para o Desenvolvimento. (2007)/ Blogue Luís Grça & Camaradas da Guiné. Todos os direitos reservados.


Guiné-Bissau > Região de Tombali > Guileje > A capela, da CART 1613 (1967/68),  agora renascidas cinza, graças ao empenho da população local, da AD,  do Pepito e do Domingos Fonseca, e da boa vontade de alguns velhos tuga, o "grupo de amigos da capela de Guileje".A data da sua inauguração oficial foi 20 de janeiro de 2010 (com a presença de nossa amiga Júlia Neta, viúva do Zé Neto, entre outra gente ilustre)... Guileje voltou a ser um local de paz, de fé, de solidariedade, de (re)encontro, de ecumenismo, de esperança (**)

Foto: © Pepito / AD - Acção para o Desenvolvimento (2010) / Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné. Todos os direitos reservados.





Guiné > Zona Leste > Contuboel > Tabanca dos arredores > CART 2479 (1968/69) > O fur mil at art Renato Monteiro com "um instruendo, mais alto ainda do que a fotografia revela"...Trata-se de um capelinha dedica a N. Sra. de Lurdes... "Quanto à localização da capela, terá sido em Contuboel?" - pergunta o Renato... Eu acho que sim, das memórias que ainda conservo de Contuboel (onde estive pouco mais de um mês e meio e onde funcionava em 1969 um Centro de Instrução Militar). É possível que estivesse ligada a uma missão católica. Havia alguns brancos em Contuboel, e nomeadamente um madeireiro. (***)

Fotos: © Renato Monteiro (2007). Todos os direitos reservados



Guiné > Zona leste > Região de Gabu > Piche > CCAÇ 3546 (1972/74) > O Cristina com um camarada junto á capela de Piche 

Fotos: © Jacinto Cristina (2010) / Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné. Todos os direitos reservados.




Guiné > Bissau > "Capela de Santa Luzia em Bissau. Nesta Capela esteve, em câmara ardente, uma das primeiras vitimas da guerra: um capitão de Cavalaria,  bem conhecido em Bissau por ser um grande desportista [, António Lopo Machado do Carmo]..  [O Joaquim Ruivo, na foto à esquerda,  diz, a seu respeito que  foipara a Guiné "como 1º cabo mecânico de armas pesadas", sendo colocado numa unidade de artilharia (obus 8,8), formada por naturais da Guiné. "Fui em Outubro de 61 e vim em Fevereiro de 64. Por isso tenho mais tempo de paz que de guerra."] (****)

Foto (e legenda): © Joaquim Ruivo (2013). Todos os direitos reservados



Guiné > Bissau < Junho de 1968 > Capela do Hospital Militar 241 > Foto nº 9/199. do álbum do ex-alf mil art João Martins (ex-Alf Mil Art, BAC1, Bissum, Piche, Bedanda e Guileje, 1967/69)


Foto (e legenda): © João José Alves Martins (2012) / Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné. Todos os direitos reservados.


1. Quem disse que a Guiné era uma terra fraca, em termos de fé cristã ?  É verdade que a população cristã, no nosso tempo, era quase residual, a maioria sendo animista e muçulmana. E continua a ser: cerca de 90%. dos guineenses são não-cristãos.

Apesar do crescimento do Islão, a Guiné-Bissau continua a ser um país laico, e com tradição de tolerância religiosa...

 O número de capelas e de outras manifestações da fé cristã multiplicaram-se ao longo da guerra colonial (1961-1974). Juntamos mais algumas fotos, que ilustram este fenómeno socioantropológico.  (*****).

Atualmente, na Guiné Bissau, cerca de 40% a 45% são muçulmanos,  "mais concentrados no interior do País do que na zona costeira". Os animistas ("adeptos das religiões tradicionais" serão cerca de 45% a 50%..."e o resto da população é composta por cristãos que representam 5 a 8%", lê-se no sítio Guiné-Bissau: um país de língua portuguesa. Num país onde não estatísticas, estes números só podem ser estimativas (grosseiras).

(****) Vd. poste de 12 de janeiro de 2013 > Guiné 63/74 - P10928: Tabanca Grande (380): Joaquim Ruivo, grã-tabanqueiro nº 598, alentejano, ex-1º cabo mec , obus 8.8, BAC (Santa Luzia, Bissau, out 61 / fev 64)

(*****) Último poste da série > 7 de maio de  2016 > Guiné 63/74 - P16060: Na festa dos 12 anos, "manga de tempo", do nosso blogue (9): De quantas tabancas é feita a Tabanca Grande ?... Relembrando o feliz acaso do reencontro, 40 anos depois, do Zé Manel Matos Dinis com "o senhor Rosales", na Quinta do Paul, Ortigosa, em 20 de junho de 2009, por ocasião do nosso IV Encontro Nacional, e que esteve na origem da criação da Magnífica Tabanca da Linha...

Vd. também:

Guiné 63/74 - P16083: Efemérides (223): Comemoração do Dia do Combatente de Matosinhos e do VII aniversário do Núcleo de Matosinhos da Liga dos Combatentes, levada a efeito no passado dia 30 de Abril (1) (Carlos Vinhal)

No passado dia 30 de Abril comemorou-se o Dia do Combatente de Matosinhos e o VII aniversário do Núcleo da Liga dos Combatentes.

Foi mais um dia memorável que contou com a presença do Vice-Presidente da Direcção Central da LC, o senhor Major-General Fernando dos Santos Pereira Aguda, em representação do senhor Tenente-General Chito Rodrigues, ausente no estrangeiro.

Do programa fazia parte uma cerimónia pública junto ao Memorial aos Combatentes, sito na freguesia de Matosinhos, para homenagear os 70 camaradas matosinhenses caídos em campanha.
 

Combatentes, familiares, povo anónimo, autoridades militares e civis, e uma pequena força militar, começaram a concentrar-se cerca das 10h15 da manhã.

Panorâmica das autoridades civis e militares presentes, tendo por trás numerosa assistência
Foto: Núcleo

Às 10h30 deu-se início à cerimónia com a prestação das honras militares ao Vice-Presidente da Direcção Central da LC.
Foto: Abel Santos 

Seguiu-se a deposição de coroas de flores, na base do Monumento aos Combatentes, pelo Núcleo de Matosinhos da LC e Câmara Municipal. 
Foto: Núcleo

Prestando homenagem aos nossos camaradas mortos: a Presidente da Assembleia Municipal; o Vice-Presidente da Câmara Municipal; o Vice-Presidente da Direcção Central da LC; o Presidente do Núcleo de Matosinhos da LC e o 2.º Comandante da Zona Marítima do Norte... 
Foto: Núcleo

Seguiu-se a execução dos toques pelo terno de clarins da Brigada de Intervenção e as honras militares tradicionais a cargo de uma força militar do Regimento de Transmissões do Porto. 
Foto: Abel Santos

A cerimónia religiosa esteve a cargo do Diácono Agostinho. 
Foto: Abel Santos

Seguidamente usaram da palavra:

Vice-Presidente da Direcção Central da LC, Major-General Fernando Pereira dos Santos Aguda
Foto: Núcleo

Presidente da Direcção do Núcleo de Matosinhos da LC, Ten-Coronel Armando Costa. 
Foto: Abel Santos

Vice-Presidente da Câmara Municipal de Matosinhos, Dr. Eduardo Pinheiro. 
Foto: Núcleo

Encerrando-se a cerimónia com a entoação do Hino da Liga dos Combatentes efectuada pelo Grupo Coral do Núcleo de Matosinhos.
Foto: Dina Vinhal 

O camarada José Trindade (um dos heróis da CCAÇ 2317, Guiné, 1968/69), Porta-Estandarte do Núcleo de Matosinhos da LC
Foto: Núcleo

A comemoração deste dia teve continuidade na Sede do Núcleo em Leça do Balio.

(Continua)
____________

Nota do editor

Último poste da série de 26 de abril de 2016 Guiné 63/74 - P16020: Efemérides (222): O nosso camarada Carlos Cordeiro, na qualidade de aluno, investigador e professor da Universidade dos Açores, foi homenageado no passado dia 14 de Abril por esta academia, a que esteve ligado durante 40 anos (José Câmara / Carlos Vinhal)