sexta-feira, 13 de maio de 2016

Guiné 63/74 - P16085: Efemérides (224): Comemoração do Dia do Combatente de Matosinhos e do VII aniversário do Núcleo de Matosinhos da Liga dos Combatentes, levada a efeito no passado dia 30 de Abril (2) (Carlos Vinhal)

As comemorações do dia 30 de Abril, dedicadas aos Combatentes de Matosinhos e ao VII aniversário do Núcleo local da LC, continuaram na sede, em Leça do Balio, com o descerramento de uma placa evocativa dos primeiros órgãos sociais eleitos; imposição de Medalhas Comemorativas das Campanhas; entrega de Testemunhos de Apreço a Sócios da Liga com 40 ou mais, anos de associados; homenagem a um Combatente leceiro que esteve prisioneiro do PAIGC durante 2 anos e meio, e almoço de confraternização.

Deslocado o dispositivo e já na presença do senhor Major-General Fernando dos Santos Pereira Aguda, Vice-Presidente da Direcção Central da Liga dos Combatentes, procedeu-se ao hastear da Bandeira de Portugal, que ficou ladeada pelas bandeiras da Liga e da Edilidade matosinhense.

Os nossos convidados presentes
Foto: Dina Vinhal

Alguns dos Combatentes que por usarem a suas boinas formaram na frente.
Foto: Dina Vinhal

O momento do hastear das Bandeiras
Foto: Abel Santos

Continência à Bandeira
Foto: Núcleo

Seguiram-se uns momentos de descontracção na altura em que foram servidos uns aperitivos já que a manhã se previa longa.
Foto: Núcleo

Retomando o programa do dia, no interior da antiga Escola Primária do Araújo, à entrada da sala onde está instalada a Sede do Núcleo, foi descerrada uma placa com a composição dos primeiros órgãos sociais eleitos, Mesa da Assembleia Geral e Direcção.

Sob o olhar atento do Presidente da Direcção, Ten-Coronel Armando Costa, o Major-General Fernando Aguda e o Dr. Eduardo Pinheiro descerram a placa.
Foto: Abel Santos

Placa evocativa dos primeiros Órgãos Sociais eleitos.
Foto: Núcleo

O programa continuou no Salão Nobre, completamente esgotado, com a imposição de Medalhas Comemorativas das Campanhas e entrega de testemunhos de apreço.

Um aspecto do Salão Nobre. Logo atrás do 2.º Comandante da Zona Marítima do Norte (em primeiro plano), está o Combatente Rui Rafael Correia que iria ser alvo de uma homenagem.
Foto: Núcleo

Primeiro grupo de medalhados. Destaque para o nosso camarada tertuliano António Sampaio
Foto: Núcleo

Segundo grupo de Combatentes medalhados
Fotos: Núcleo

O Combatente Hernâni Carvalho, Força Aérea, vai receber das mãos do Major-General Fernando Aguda o Testemunho de Apreço pelos seus 40 anos de associado da LC
Foto: Núcleo


Para finalizar a sessão solene, seguiu-se uma homenagem ao Combatente da Guiné, Rui Rafael Correia, natural de Leça da Palmeira, ex-1.º Cabo Mecânico Auto da CCS/BART 1896, que foi feito prisioneiro em 20 de Maio de 1968 durante uma emboscada perto da Ponte Balana, e que foi libertado em 22 de Novembro de 1970 durante a Operação Mar Verde.

Os seus amigos de sempre, Ribeiro Agostinho e Raul Ramos, lembraram os tempos de juventude, as traquinices próprias daquelas idades e como sentiram, aqui, a sua prisão na Guiné, já que o Rui, sendo um pouco mais velho, foi o primeiro dos três a enfrentar a guerra. O Ribeiro Agostinho, que embarcava também para a Guiné umas semanas depois da prisão do Rui, lembrou que a mãe deste, julgando ser possível, já que não fazia ideia de como e onde era a prisão do seu filho, o incumbiu de o ir visitar ou saber se estava bem.

Na foto: O homenageado Rui Rafael; Raul Ramos e Ribeiro Agostinho, seus amigos e vizinhos
Foto: Núcleo

O Rui recebeu dos seus amigos uma boina, das mãos do Major-General Fernando Arruda uma Medalha da Liga e, das mãos do Ten-Coronel Armando Costa, o Cartão de Sócio do Núcleo.
Foto: Núcleo

A minha colaboração foi elaborar e apresentar um Power Point com alguns dados sobre a guerra do ultramar, e da Guiné em particular, "reconstituir" a prisão  do Rui e dar a conhecer fotos e documentos pessoais dele, que me fizeram chegar à mão. 
Até o seu pai, senhor Rafael José Correia, foi lembrado, porque tendo sido Combatente na I Grande Guerra, foi sócio da Liga dos Combatentes, Agência do Porto, como então se dizia, com o n.º 1668, com admissão em 21 de Março de 1932.

Acabada a minha apresentação, a longa manhã chegava ao fim. De pé, os presentes, ajudados pela projecção de um vídeo, entoaram o Hino da Liga dos Combatentes.
Foto: Núcleo

Seguir-se-ia um excelente almoço.

(Continua)
____________

Nota do editor

Poste anterior de 13 de Maio de 2016 Guiné 63/74 - P16083: Efemérides (223): Comemoração do Dia do Combatente de Matosinhos e do VII aniversário do Núcleo de Matosinhos da Liga dos Combatentes, levada a efeito no passado dia 30 de Abril (1) (Carlos Vinhal)

3 comentários:

Tabanca Grande disse...

Armando José Ribeiro da Costa (, que não conheço pessoalmente), queridos grã-tabanqueiros Carlos Vinhal, Ribeiro Agostinho, Abel Santos, António Sampaio e demais camaradas do Núcleo de Matosinhos da Liga dos Combatentes: eu já me tinha dado conta de que vocês "não brincavam em serviço", agora confirmo que o vosso núcleo demonstra um elevado nível de profissionalismo associativo, o que não é habitual na nossa "caserna"... Vai daqui uma grande chapelada à vosssa competência e dedicação. Bela jornada, sim, senhor, de convívio, festa e homenagem aos nossos camaradas!

A minha homenagem também ao Rui Rafael, herói de Leça de Palmeira! Espero bem que o Carlos Vinhal nos mostre aqui o "power point" (adaptado) que elaborou para esta ocasião... Abraço para todos. LG

Tabanca Grande disse...

Lapso meu, imperdoável: omiti o nome da Dina Vinhal que também cumpre habitualmente o seu papel, nestas cerimónias do Núcleo de Matosinho da Liga dos Combatentes, ao lado do marido e dos demais camaradas, dando uma ajuda na cobertura fotográfica!

Unm beijinho para ti, querida amiga. Luis

Anónimo disse...

Amigos e camaradas,
Todos nós sabemos aquilo que o Carlos Vinhal representa no nosso grupo. Do mesmo modo se dedica a esta filial da Liga de Combatentes de Matosinhos, aqui bem evidenciada nesta excelente reportagem. Como bem diz o Luís Graça a Dina está empre ao seu lado.
Para eles o Crer e Querer não ficam por mãos alheias.
Abraço transatlântico.
José Câmara