sábado, 28 de setembro de 2013

Guiné 63/74 - P12098: Estórias avulsas (67): Do meu Álbum de Fotos sobre Galomaro (José Ribeiro)

1. O nosso Camarada José Fernando dos Santos Ribeiro, ex-1º Cabo de Transmissões na CCS do BCAÇ 2912 (Galomaro-Cossé), 1970/72, enviou-nos algumas fotos de Galomaro:




Aspectos do  
Aquartelamento Galomaro 

Galomaro > Aquartelamento em construção > Vista aérea
Galomaro > Aquartelamento > Vista da porta-de-armas
Galomaro > Abrigo
Galomaro > Trincheira
  Galomaro > Para a foto 
Galomaro > No bunker das transmissões (Op. De Mensagens Cripto)
Galomaro > Hastear da Bandeira Nacional
Galomaro > Mato

Um abraço para todos,
José Fernando dos Santos Ribeiro
1º Cabo Trms da CCS do BCAÇ 2912

Fotos: José Fernando dos Santos Ribeiro (2013). Direitos reservados.
____________
Notas de M.R.:

Vd. último poste desta série em:


Guiné 63/74 - P12097: Recordações de Contuboel: o fur mil que era ilusionista, hipnotisador, mágico e tocador de viola, o Joaquim João dos Santos Pina, natural de Silves, 1º gr comb, 2ª secção, CCAÇ 2590/CCAÇ 12 (Abíliio Duarte, CART 2479 / CART 11)

1.  Mensagem do nosso camarada Abílio Duarte: [, ex-fur mil art, CART 2479, mais tarde CART 11 - e finalmente, já depois do regresso à metrópole, CCAÇ 11, Contuboel, Nova Lamego, Piche e Paunca, 1969/70]


Data: 26 de Setembro de 2013 às 23:37

Assunto: Recordações de Contuboel

Estive agora a ver o nosso Blog, e encontrei a noticia do falecimento de um militar da vossa companhia [, o ex-1º cabo at inf José Marques Alves, da CCAÇ 12, Contuboel e Bambadinca, 1969/71].  o que me entristeceu. 

No entanto ao ver estas fotos, vi o Branquinho, que eu já conhecia da Amadora , e veio-me á memória, uma cena que se passou em Contuboel, numa noite, em que ainda as nossas Companhias estavam juntas, em que um furriel,  vosso camarada, fez umas exibições de magia e hipnotismo. 

Não me consigo lembrar dele, pelo que te pedia, se souberes, quem era e se ele está bem.

Desde já o meu agradecimento pelas tuas buscas.

Um grande abraço.

Abílio Duarte, CArt 11



Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > BART 2917 (1970/72) > O José Joaquim dos Santos Pina, fur mil da CCAÇ 2590//CCAÇ 12, ferido em combate em janeiro de 1970. Vive no Algarve,  em Silves. 

Fotos: © Vitor Raposeiro (2009) / Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné. Todos os direitos reservados.

2. Resposta de L.G.

Caro Abílio: O nosso de convívio em Contuboel, entre 2 de junho de 1960 e 18 de julho de 1969, enquanto demos a instrução de especialidade e a IAO aos nossoss soldados africanos a quem vocês, antes, já tinham dado a recruta, foi para mim um tempo mágico, os melhores tempos de Guiné... Já aqui tenho falado do "oásis de paz" que era Contuboel nesse tempo, podia-se andar desarmado num raio de 15 a 20 quilómetros. Ía-se a Sonaco ou a Bafatá nas calmas, fizemos a IOA, de G3 com munições de salva, e em frada nº 3, como se estivessemos ainda  em Santa Margarida, a brincar aos índios e cowboys...

Pois,  o tal furriel que fazia uns truques de "magia e hipnotismo" era no nosso querido Pina, Joaquim João dos Santos Pina, um marafado, algarvio,  de Silves... Tem cá, na Tabanca Grande, dois amigos o Amílcar Ventura e o Arménio Estorninho, que já me deram, notícias dele. Sei que era professor de trabalhador de trabalhos, está reformados e pelo que vejo na Net é caçador... de javali.

O Pina, tal como o Branquinho,  pertencia ao 1º Gr Comb, comandado pelo alf mil op esp Francisco Magalhães Moreira (que era o homem de confiança do Cap Inf Carlos Alberto Machado Brito, e depois major, substituindo-o na intensa actividade operacional a que esteve sujeita a CCAÇ 12)...  

Foi ferido com gravidade, na frente de combate, e evacuado para o HM 241 (Bissau), no decurso da Op Borboleta Destemida (região do Xime, 14 de janeiro de 1970), juntamente com 1º cabo at Manuel Monteiro Valente (, apontadopr de dilagrama),  o sold trms José Leites Pereira e o sold at inf Mamadu Au (Ap Metr Lig Hk 21), todas da 2ª secção (que ele comandava).

A imagem que eu tenho do Pina, tocador de viola, e mágico amador,  ilusionista, hipnotisador, artista de variedades, era  a  de um homem sereno, afável, tão deslocado naquele cenário de guerra como tu ou eu... Não sei quanto tempo ficou no hospital, sei que regressou a Bambadinca mas nunca mais foi operacional, nem substituído (ou melhor, estava lá eu, de armas pesadas, para ir substituindo os camaradas com baixa)...Um ano e picos regressávamos a casa. Creio que só o voltei a reencontrar uma vez, em Lisboa. Ainda deve andar com o estilhaço de morteiro 82 que apanhou, e que lhe poderia ter ceifado a vida...

O Pina deve seguir o nosso blogue, com irregularidade. Já aqui fez vários comentários. Nunca me respondeu ao meu convite, de 3 de setembro de 2010:

(...) "Joaquim: em nome dos amigos e camaradas que fizemos em Contuboel e Bambadinca, de Junho de 1969 a Março de 1971, convido-te para partilhares connosco, sob o frondoso poilão da nossa Tabanca Grande, as tuas memórias, histórias e fotogrfias... Para já, manda-nos uma foto atual, para a gente te reconhecer... Pelo que vejo, já cá tens, no nosso blogue, gente conterrânea tua, o Amílcar Ventura e o Arménio Estorninho... Da CCAÇ 12, já somos bastantes... embora alguns sejam pouco ou nada interventivos... Vou, dentro de dias, evocar a operação em que foste ferido, a Op Borboleta Destemida, região do Xime, 14 de Janeiro de 1970... Um grande abraço do Henriques."  (...)

Para ti, Abílio  Duarte e para o Joaquim Pina (se me estiver a ler), aquele abraço de camaradagem e de saudade dos melhores tempos de Contuboel e Bambadinca. L.G.

Guiné 63/74 - P12096: História da CCAÇ 2679 (64): Comportamentos e decisões determinantes (José Manuel Matos Dinis)

1. Mensagem do nosso camarada José Manuel Matos Dinis (ex-Fur Mil da CCAÇ 2679, Bajocunda, 1970/71), com data de 26 de Setembro de 2013:

Viva Carlos!
Trago uma nova estória para o contexto da CCaç 2679, mas que, no meu entender, também se refere a comportamentos ou decisões determinantes da coesão e eficácia dos grupos de combate.
A instrução era bastante frágil, e a ordem que devia identificar cada força, era tão mais acessível, quanto a facilidade de relacionamento entre todos - a camaradagem, a intuição e tarimba que o dia-a-dia aprimoravam.
Aqui vai!

Envio-te um grande abraço de amizade, extensivo ao tabancal.
JD


HISTÓRIA DA CCAÇ 2679

64 - COMPORTAMENTOS E DECISÕES DETERMINANTES

Após o pequeno-almoço reuniu-se o Foxtrot em frente ao edifício da messe, onde eu os esperava. Para aquele dia tínhamos uma patrulha de combate, com uma deslocação para nordeste, saindo na direcção de Copá, direccionando em seguida para a linha de fronteira, que acompanharíamos na direcção leste/oeste, até um marco situado na divisória das ZA de Bajocunda e Pirada. Depois, aproximar-nos-íamos para perto da fonte, onde passaríamos a noite.

O pessoal juntava-se com as chalaças costumeiras, em conversas de amigos, ou envoltos em pensamentos privados, mas, no geral, todos se apresentavam bem dispostos e preparados.

Confirmei que estavam todos, e também o radiotelegrafista e o enfermeiro, dois especialistas indispensáveis em cada deslocação no mato, que nos transmitiam a confiança e segurança suplementares às nossas próprias capacidades para lidar com as diferentes situações susceptíveis de acontecerem.


Arrancámos, com a despreocupação própria de uma viagem rotineira, e a confiança resultante do hábito de não encontrarmos inimigos que nos surpreendessem, nem causassem danos. Até à porta de saída o pessoal deslocava-se com alegria, brincando e respondendo a brincadeiras, uns com os outros, ou com camaradas que ficavam no aquartelamento, ou com membros da população, principalmente as bajudas, a quem se faziam promessas de amor eterno após o regresso da acção.

Ao atravessarmos a pista já se formava a fila de pirilau, e adiante, num segmento da picada com mais visibilidade, eu arredava da progressão, para chamar a atenção aos que tinham tendência para se agrupar em conversas. Costumava deixar para o fim dois ou três dos melhores elementos que garantiriam a boa ordem, enquanto os prevaricadores aceleravam o passo, e tomavam lugar a seguir a mim, no inicio da progressão. Fazia esta manobra com frequência, pois sabia da tendência para acontecerem ajuntamentos na retaguarda.

O passeio corria bem. Algures, junto da fronteira, abancámos para a merenda. Depois de reatarmos o caminho remanescente, fui informado de que um elemento estava doente. A progressão estava comprometida. Com ele já se encontrava o enfermeiro, que diagnosticava paludismo. Acrescentou que ia ministrar um injecção, mas que o estado de saúde se agravaria, e a melhor decisão seria deslocarmo-nos a Bajocunda para o deixarmos sob os cuidados da enfermaria. E foi o que decidi. De inicio amparado, depois deitado numa improvisada maca, a partir de dois ramos de árvore e de um pano de tenda, chegámos ainda cedo. Falei com o capitão e preparava-me para sair e montar a emboscada, quando surgiu o sargento David, equipado de camuflado, arma e munições, que me perguntou se poderia acompanhar-nos. Respondi que não via razão para sair connosco, mas, se era voluntariamente que se apresentava, eu punha a questão do comando. Que não, apenas desejava ter uma experiência, e não pretendia comandar, que ficava ao meu cuidado.

Voltámos a sair, mas já não concluímos o traçado original para a patrulha. Dei uma volta até à aproximação do crepúsculo, e montei a emboscada nas proximidades da fonte, como era previsto. Tal decisão tinha que ver com a referência da posição perante os obuses de Bajocunda e Pirada, na eventualidade de uma aparição do IN, e permitir-nos-ia, em coordenação com as defesas dos aquartelamentos, proceder a um envolvimento da força atacante. Chamei dois elementos de confiança e dei-lhes a incumbência de vigiarem o sargento, normalmente dado a exuberâncias, no sentido de que a nossa posição não fosse denunciada nas cercanias.

Não houve qualquer incidente nem perturbação, e o sargento não levantou qualquer problema, apesar da estranheza da iniciativa. Cada deslocação de uma força militar fora do arame, era susceptível de uma diversidade de incidências inesperadas, e nós deveríamos ter a capacidade para tomar as melhores decisões, sob pena de prejudicarmos condições singulares ou colectivas.
____________

Nota do editor

Último poste da série de 8 DE SETEMBRO DE 2013 > Guiné 63/74 - P12017: História da CCAÇ 2679 (63): O jogo do Poker (José Manuel Matos Dinis)

Guiné 63/74 - P12095: Bom ou mau tempo na bolanha (32): A importância da família na guerra (Tony Borié)

Trigésimo segundo episódio da série Bom ou mau tempo na bolanha, do nosso camarada Tony Borié, ex-1.º Cabo Operador Cripto do Cmd Agru 16, Mansoa, 1964/66.




Companheiros,
Este texto é uma homenagem a todos os que por lá andaram mas não tinham família, eram combatentes, a maior parte do tempo solitários e quase não recebiam notícias. Cá vai.

Para os militares que estavam lá, no tal cenário de guerra, os momentos mais felizes, eram sem qualquer dúvida, quando recebiam o correio. O furriel Honório, conhecido por “Pardal”, quando rasava com a avioneta do correio, a “mangueira do Setúbal”, a tal árvore de grande porte, que existia no aquartelamento, e fazia os macacos e periquitos fazerem a algazarra do costume, sabia que era bem vindo, pois ia dar alguma alegria aos militares.

Depois de receberem o correio, todos se retiravam, cada qual procurando o local mais sossegado e distante dos outros, para melhor se concentrarem no resumo das suas cartas. Alguns choravam, riam, tremiam de emoção, limpavam a cara e os olhos com as costas da mão, os que liam sentados, quando se levantavam, esticavam os braços na direcção do céu, fechavam os olhos por momentos, e diziam algumas palavras baixinho, ficavam quase todos, depois de lerem as notícias da família, com outra disposição e com um aspecto de quem não estava num cenário perigoso, onde havia guerra.

O Curvas, alto e refilão, não recebia correio. Durante os dois anos em que esteve na companhia do Cifra, nunca recebeu uma carta, pois não tinha família, a sua mãe abandonou-o em criança, e como já foi dito por diversas vezes, andava “na vida”, mas na sua mente, isso não fazia qualquer diferença, pois não sabia o que eram as notícias dos seus, da sua família, fossem elas boas ou más. Até ficava admirado com tanta alegria de alguns ao lerem as cartas, e às vezes dizia:
 - O que se passa com aquele, está tão contente? Não vai dormir hoje à “pildra”? Roubou algum turista, com a carteira com dollares? A “garina” fez boa “massa”? Descobriu uma nova rua, com movimento e turistas, que passa a ser a sua zona de “acção”? Conseguiu fugir, e iludir a polícia? Encontrou algumas sandes de fiambre ou presunto em bom estado, no caixote do lixo, daquele restaurante de luxo? Não foi atropelado, quando atravessou a rua, a fugir à polícia? Tem uma navalha nova, de “ponta e mola”? O sindicato, não lhe cobrou, pelo aluguer da caixa de engraxar sapatos? Encontrou umas botas em bom estado e que lhe servem, no caixote do lixo? Encontrou uma porta aberta, onde pode dormir num vão de escadas? Esta noite não chove e pode dormir naquele banco, que por sinal está desocupado? Vai haver festa de São João, naquela rua, e pode pedir e roubar comida? O amigo saiu da cadeia, e traz nova informação de como se deve roubar uma carteira, ainda com mais habilidade? Aquela senhora rica, naquela rua, veio cá fora pôr a malga do leite para o gato, e pode lá ir roubá-lo? Aquele velho que ocupava aquele lugar, junto ao banco do jardim, que é um lugar privilegiado, pois até tem luz daquele candeeiro, morreu à fome e ao frio, e deixou livre todas aquelas folhas de cartão, onde ele se pode ir abrigar, nos dias de maior frio ou chuva?

Enfim, um sem número de frases, próprias de quem viveu sempre sem ninguém que lhe desse um carinho, lhe perguntasse se tinha dores, ou lhe limpasse o ranho do nariz.

O Cifra, quando ele se encontrava em momentos de alguma tristeza, dizia-lhe que as outras pessoas tinham família e que era bom sentir o seu apoio e ter notícias de alguém, para se desabafar, contar o que ia na alma. Ele ouvia calado, limpava uma lágrima e dizia:
- Vamos roubar o frasco álcool ao Pastilhas, estou com sede.

Tony Borie, 2013.
____________

Nota do editor

Último poste da série de 14 DE SETEMBRO DE 2013 > Guiné 63/74 - P12036: Bom ou mau tempo na bolanha (31): O computador na guerra (Toni Borié)

Guiné 63/74 - P12094: Agenda cultural (284): Inauguração do Monumento aos Combatentes em Avintes, dia 14 de Setembro de 2013 (Antero Santos)



1. O nosso Camarada Antero Santos (ex-Fur Mil Atirador/Minas e Armadilhas da CCAÇ 3566 e da CCAÇ 18 - Empada e Aldeia Formosa -, 1972/74), enviou-nos o seguinte programa/convite: 
INAUGURAÇÃO DO MONUMENTO AOS COMBATENTES DE AVINTES



14 de Setembro de 2013



Caro Luís Graça,

Agradecia o favor de ser noticiado no blogue Luís Graça e Camaradas da Guiné... a cerimónia de inauguração do Monumento aos Combatentes de Avintes. 

Já publicamos no nosso blogue:


Junto um conjunto de fotos (no blogue já está um conjunto)






Muito obrigado e contamos que passe aqui por Avintes quando vier ao Norte para uma visita ao Monumento. O meu telef é 968 097 313.

Antero Santos
____________
Nota de M.R.: 

Vd. último poste desta série em:


sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Guiné 63/74 - P12093: Agenda cultural (284): Lançamento do livro “Homenagem Póstuma a Joaquim Evónio Vasconcelos”, no Salão Nobre do Palácio da Independência, Lisboa

1. Mensagem do cor inf ref Manuel Amaro Bernardo:



Completando o ciclo de louvor à vida deste nosso Amigo, que nos deixou há pouco mais de um ano.

Bjs/Ab
Manuel Bernardo (Cor. ref.) 


(In blog de Susana Custódio “Estados d´Alma” – Setembro 2013)

O livro “Homenagem Póstuma a Joaquim Evónio Vasconcelos” (Coord. José Verdasca) será apresentado no Salão Nobre do Palácio da Independência, pelo Dr. Jorge Rangel, Presidente do Conselho Supremo da Sociedade Histórica para a Independência de Portugal.

Solicita-se a difusão a camaradas militares, poetas e amigos.
Manuel Bernardo

2. Joaquim Evónio foi capitão na Guiné, por duas vezes... tendo na última comissão foi ferido com gravidade... ver aqui:


___________ 
Nota de M.R.: 

Vd. último poste desta série em: 



Guiné 63/74 - P12092: Notas de leitura (523): "Missão na Guiné", publicação do Estado-Maior do Exército e "Histórias de Guerra, Índia, Angola e Guiné, Anos 60", por José Pais (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 4 de Junho de 2013:

Queridos amigos,
Não tive o privilégio, quando cheguei à Guiné, de me oferecerem a brochura “Missão na Guiné”, apresentado como uma ferramenta necessária para eu construir uma primeira ideia da província. Gostaria imenso de saber quem recebeu a brochura que até não esquecia os leitores mais exigentes propondo-lhes que fossem a bibliotecas à procura dos “Subsídios para a História da Guiné e Cabo Verde”, de Senna Barcelos ou “Os Movimentos Terroristas de Angola, Guiné e Moçambique”, por Hélio Felgas, hoje parece uma pitada de humor negro. E, valha-nos isso, a brochura fornecia mesmo uma síntese de conhecimentos que qualquer um teria tido a satisfação de receber.
Volto a lembrar-lhe que José Pais é um escritor de primeira água, como estas “Histórias de Guerra” comprovam, é inadiável a família procurar editor para um trabalho tão valioso, para nós e gerações vindouras.

Um abraço do
Mário


"Missão na Guiné"

Beja Santos

Editado pelo SPEME (Serviço de Publicações do Estado-Maior do Exército), “Missão na Guiné” (1967) era apresentado como a publicação onde o combatente iria encontrar as ferramentas necessárias para construir uma primeira ideia da Guiné. As ferramentas eram arrumadas em três secções: aspeto físico, aspeto humano e aspeto económico. O primeiro aspeto bizarro do texto era o de recomendar a leitura de algumas publicações que facilmente que podiam conseguir em qualquer biblioteca pública: “Crónicas dos Feitos da Guiné”, por Eannes de Azurara; “Guiné Portuguesa”, por Avelino Teixeira da Mota; “Guiné Portuguesa”, por Luís António de Carvalho Viegas; “História da Guiné”, por João Barreto; “Os movimentos terroristas de Angola, Guiné e Moçambique”, por Hélio Felgas e “Subsídios para a História de Cabo Verde e Guiné”, por Christiano José Senna Barcelos.

Os autores da publicação apelavam ao combatente para respeitar as populações, os soldados nas suas relações com as populações deviam pautar-se como o modelo de dignidade, um exemplo de compostura, cortesia e humanidade. E para que não subsistissem dúvidas, a publicação abria com versos de “Os Lusíadas”, Canto VII:

“Vós, Portugueses, poucos, quanto fortes,
Que o fraco poder vosso não pesais;
Vós, que à custa de vossas várias mortes
A lei da vida eterna dilatais”.

Oferecia-se ao combatente noções elementares do aspeto físico, abrangendo o relevo e a hidrografia, o clima e a vegetação. Quanto ao aspeto humano, fazia-se uma descrição de todos os grupos étnicos; enumeravam-se os principais centros populacionais, o tipo de governo e de administração.

Quanto ao resumo histórico, chamava-se a atenção para a confusão e a violência que tinham alastrado por quase todo o continente africano logo após II Guerra Mundial: “Em busca de uma impedância que, na maioria dos casos, não podia servir os seus próprios interesses, os povos africanos tornaram-se presa fácil para a rede de subversão preparada, desde há muito tempo atrás, pelo comunismo internacional”. E, mais adiante: “Em princípios de 1959, Amílcar Cabral – um cabo-verdiano renegado, engenheiro agrónomo pela Universidade de Lisboa e funcionário público em organismos da Metrópole e da Guiné -, após ter visitado a União Soviética e outros países comunistas, decide iniciar a organização da luta das províncias da Guiné e Cabo Verde”. Em jeito de balanço sobre a guerrilha desenvolvida nesses anos, escreve-se: “A atividade daqueles bandos, que desde o início utilizaram armamento moderno das mais variadas origens, tem-se feito sentir em todo o Sul da Província, faixa entre o rio Cacheu e a fronteira Norte, na tradicionalmente insubmissa região do Oio, no triângulo Xime-Xitole-Bambadinca, no Boé e no canto NE da Província. A resposta das nossas tropas não se fizera esperar, os nossos soldados confirmavam na Guiné as capacidades de adaptação a novas gentes, característica de um povo que, como nenhum outro, sempre soube viver entre gentes de todas as raças e de todos os credos".

Dava-se ainda um quadro sobre saúde e instrução pública, religiões, imprensa e rádio.

Quanto ao aspeto económico, destacava-se a importância da agricultura e florestas, pecuária e pesca, recursos de origem mineral (dando como certo e seguro a existência de petróleo), energia e vias de comunicação, ligações marítimas e fluviais, indústria e comércio.

A publicação incluía legislação militar acerca dos vencimentos normais diários e gratificações das praças oriundas da metrópole e recordava a subvenção de família. No respeitante à correspondência postal, realçavam-se os aerogramas, as encomendas e correspondência selada. Por último, o soldado ficava a saber como podia ouvir a emissora nacional e como se faziam as ligações aéreas entre a Guiné e a metrópole.

************

"Histórias de guerra, Índia, Angola e Guiné, Anos 60", por José Pais

Já aqui se fez recensão do livro “Coisas de África e a Senhora da Veiga”, por José Pais, um oficial do Exército que fez quatro comissões, uma na Índia, duas em Angola e outra na Guiné. Anos depois de uma edição de autor, resolveu dar à estampa em texto ampliado sobre o título “Histórias de guerra, Índia, Angola e Guiné, Anos 60”, Edições Prefácio, 2002.

José Pais é um notável contador, maneja habilmente as frases cortantes, tudo com um sabor à economia de relatórios abreviados. As novidades nesta edição são o capítulo dedicado à Índia, a sua participação antes e depois do 25 de Abril em lutas a favor da liberdade.

É uma pena que esta prosa assombrosa esteja completamente esgotada, é um imperativo a sua reedição, atenda-se ao facto de que se deve a José Pais relatos singularíssimos sob a queda do Estado português da Índia, sob os primeiros tempos da guerra em Angola, andou por Quipedro, entre Zala e Nambuangongo, na região dos Dembos, na Guiné ficou severamente ferido na região de Farim.

Se eu já era seu adepto incondicional pelo que escreveu sobre a Guiné e Angola, mais seduzido fiquei com o relato da invasão do Estado da Índia pelos exércitos da União Indiana e vicissitudes subsequentes. Era o alferes mais antigo, coube-lhe avançar imediatamente para as posições defensivas, cerca de dois mil homens aquartelados no mastodôntico Convento de Santa Mónica, mais a baixo do grandioso Convento de Bom Jesus, onde repousam as relíquias de São Francisco Xavier. Chegam a Banastarim, ai a missão seria rebentar a ponte, depois dirigiram-se a Agaçaim, aí a missão era impedir a progressão do inimigo para a península de Mormugão. Mostra a pobreza do armamento português e o ataque indiano no alvorecer do dia 18 de Dezembro de 1961, liquidaram as comunicações, tornaram impraticável o aeroporto, atacaram o Aviso Afonso de Albuquerque. O general Vassalo e Silva rendeu-se, os militares portugueses foram para o campo de Alparqueiros, campo de prisioneiros de guerra: “Durante dois dias foi o caos entre os 1600 prisioneiros do campo de Alparqueiros. Disputava-se tudo a murro: camas, colchões, mantas, comida, beatas de cigarros e, sobretudo, água. O egoísmo feroz e animal veio ao de cima. Deixaram de ser gente civilizada, comportando-se como bichos lutando pela sobrevivência”.

É imperdoável que um livro tão bom não esteja à disposição das novas gerações e dos companheiros de guerra de José Pais.
____________

Nota do editor

Último poste da série de 23 DE SETEMBRO DE 2013 > Guiné 63/74 - P12074: Notas de leitura (522): "No Ocaso da Guerra do Ultramar", por Fernando de Sousa Henriques (2) (Mário Beja Santos)

Guiné 63/74 - P12091: Inquérito online sobre o futuro das relações da Guiné-Bissau com Portugal, 40 anos depois da proclamação (unilateral) da independência em Vendu Leidi, na região do Boé, na fronteira leste com a Guiné-Conacri Resultados preliminares (n=134)


Guiné > Mapa geral da província > 1961 > Escala 1/500 mil > Detalhe da região do Boé. Posição relativa de Madina do Boé, Beli, Lugajole e Vendu Leidi. Foi numa mata, nas proximidades de Vendu Leidi e da fronteira com a Guiné-Conacri, que se terá  realizado a cerimónia de proclamação (unilateral) da independência da Guiné-Bissau, imediatamente reconhecida por dezenas de países com assento nas Nações Unidas.

Umas escassas semanas antes, a cerimónia esteve para ser realizada na península de Cubucaré, ou seja em pleno Cantanhez, portanto no sul,  na região de Tambali, no setor de Bedanda (compreendendo hoje os regulados de Mejo, Iemberém, Cadique e Cabedu). Por razões de segurança, invocadas por 'Nino' Vieira,  foi escolhido outro local, à pressa, no leste, na região do Boé, mais a nordeste.

A distância entre Madina do Boé e Ventu Leidi, a leste, junto à fronteira é de 50 a 55 km, em linha reta, no mapa.

Infografia: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné (2013).


1. Mensagem que acaba de circular pelo correio interno da Tabanca Grande:

Amigos e camaradas, membros da Tabanca Grande:

Está decorrer uma sondagem, no nosso blogue, sobre o futuro das relações da Guiné-Bissau com Portugal, e de Portugal com a Guiné-Bissau... 

Acabam de passar 40 anos desde a proclamação (unilateral) da independência da Guiné-Bissau, não em Madina do Boé, como nos fizeram crer, durante anos, mas em Vendu Leidi, em terra de ninguém, na fronteira com a Guiné-Conacri... 

Essa data e esse evento terão passado completamente despercebidos aos olhos  dos nossos camaradas que prestavam então serviço no TO da Guiné. Mesmo as autoridades políticas e militares da época subestimaram o alcance político, diplomático e jurídico dessa cerimónia, a proclamação (unilateral) da Guiné-Bissau, algures nas famosas "colinas do Boé"...

Com um medo terrível da nossa aviação, mas escudados nos Strela (e nas antiaéreas instaladas na zona de Madina do Boé, a mais de 50 km de quilómetros da fronteira)... Acontece que o grupo dos Strela, que terá vindo do sul para leste,  só trouxe os tuibos, e esqueceu-se dos... mísseis (!).

Terão assistido à cerimónia um número  indeterminado de militantes e convidados do PAIGC, incluindo estrangeiros, sendo alguns diplomatas e jornalistas. Se tem havido um ataque da FAP ao local, teria sido uma tragédia... E no entanto tudo correu aparentemente sobre rodas, embora sob grande tensão...

A ONU reconheceu de imediato o novo país africano, mesmo "em guerra"... Portugal só um ano depois o fez. A diplomacia portugues foi de algum modo apanhada desprevenida... Todavia, na pátria de Amílcar Cabral "os amanhãs que cantam" transformaram-se, depressa,  em pesadelo, com Luís Cabral, Nino Vieira, Kumba Ialá, e por aí fora... (vd. reportagem do jornal Público, de 24/9/2013 e de 30/9/2013).

A nossa atitude em relação ao futuro da  Guiné-Bissau é  importante... A sorte do povo da Guiné-Bissau  não nos é indiferente, pelo menos para uma boa parte de nós... Em contrapartida, temos os nossos próprios problemas e angústias face ao futuro como indivíduos, como veteranos de guerra, 
como cidadãos, como portugueses, como povo... Isso também pode "enviesar" os resultados da sondagem...

Fica aqui o desafio para aproveitarem, os não-respondentes, a última oportunidade de resposta à nossa sondagem... Obrigado aos 134 leitores do blogue que já o fizeram até ontem.  Falta 1 dia para encerrar a nossa consulta, que vale o que vale... (Não tem qualquer valor científico,  como qualquer sondagem "on line", porque não sabemos qual é o universo ou a população que nos lê; logo há problemas de amostragem, de tamanho da amostra, de inferência de resultados,. etc.... Trata-se apenas de uma forma de estimular a vossa participação na vida do blogue, e de vos convidar a pensar num problema que é relevante para os nossos dois povos)...


Um alfa bravo.
Luís Graça.

PS1 - Aqui vai um resumo, dos resultados provisórios (n=134), obtidos até agora.
Respondam diretamente no blogue

A sondagem aparece no canto superior esquerdo do blogue. Cada computador/leitor só pode votar uma vez. Mas é possível mudar o voto até ao último minuto...

PS2 - Depois de votarem, podem deixar aqui os vossos comentários, fundamentar a vossa opinião, etc.




Vd. no jornal Público, de 24 de setembro de 2013, uma interessante reportagem, de 4 páginas (30-33), do jornalista João Manuel Rocha, enviado a Bissau, e que recolhe depoimentos de destacados militantes ainda vivos que testemunharam os acontecimentos como: (i)  Carmen Pereira, então comissária política na frente sul, com 37 anos;  (ii) Lúcio Soares. então comandante da frente Norte (, com 31 anos, integrou a equipa de segurança); e (iii) Mário Cabral, mais tarde ministro e embaixador (que veio de avião, de Conacri para Boké)... E ainda outros, como o então jovem realizador de cinema, Flora Gomes (com 23 anos) que fez a cobertura cinematográfica da cerimónia.

Os entrevistados pelo jornal Público trocam com alguma frequência os topónimos, Lugajole e Vendu Leidi (que distam enter si cerca de 15 km)... O primeiro camarada a falar-nos de Lugajole e a mandar-nos fotografias do sítio, creio que foi o Patrício Ribeiro, em 4 de outubro de 2009. Afinal, sabemos que  Lugajole foi só para a "fotografia": o primeiro governo, do PAIGC, mandou lá construir um monumento à independência,  hoje em ruínas. O sítio é de dificílimo acesso. Em 1973 não havia GPS, nem ninguém sabia onde eram os marcos da fronteira... Vendu Leidi acaba por ser em terra de ninguém. Discuitir se foi mais um quilómetro à esquerda ou à direita, dentro ou fora do terrirório da colónia portuguesa é um exercício inútil. Onde seguramente não foi feita a proclamação unilateral da independência, em 24/9/1973, foi em Madina do Boé, onde as NT tinham um aquartelamento, retidado 4 anos antes, em 6/2/1969.

Ver aqui mais postes sobre Lugajole, de Rui Fernandes e de Tina Kramer.

________________________


SONDAGEM: 40 ANOS DEPOIS DA PROCLAMAÇÃO (UNILATERAL) DA INDEPENDÊNCIA DA GUINÉ-BISSAU, A 24 DE SETEMBRO DE 1973, VEJO O FUTURO DAS RELAÇÕES (POLÍTICAS, DIPLOMÁTICAS, ECONÓMICAS, SOCIAIS, CULTURAIS...) DESTE PAÍS COM PORTUGAL, COM (... resposta numa escala de 1. Muito pessismo a 7. Muito otimismo):

1.Muito pessimismo
24 (17%)

2. Bastante pessimismo
22 (16%)

3. Algum pessimismo
27 (20%)

4. Indiferença. nem pessimismo nem otimismo
26 (19%)

5. Algum otimismo
31 (23%)

6. Bastante otimismo
2 (1%)

7. Muito otimismo
2 (1%)

Mude o seu voto
Votos apurados (até às 21h00 do dia  26/1/2013): 134
Dias que restam para votar: 1

_______________

Nota do editor:

Vd. poste anterior > 22 de setembro de 2013 > Guiné 63/74 - P12071: Sondagem: 40 anos depois da proclamão (unilateral) da independência da Guiné-Bissau, a 24 de setembro de 1973, como vês o futuro das relações (políticas, diplomáticos, económicas, sociais, culturais, etc.) deste país lusófono com Portugal ? Com pessimismo, indiferença ou otimismo ? Resposta até 27/9/2013

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Guiné 63/4 - P12090: (Ex)citações (225): O nosso blogue e o último dos nossos direitos como veteranos de guerra e cidadãos, o "jus esperniandi", o direito de espernear... (Vasco Pires, ex-cmdt, 23º Pel Art, Gadamael, 1970/72; e português da diáspora no Brasil)

1. Comentário de Vasco Pires, grã-tabanqueiro bairradino e "tuga" da diáspora no Brasil, ao poste P12073:

Caríssimos,

Em meados do ano 70, assumi o comando de uma unidade quase exclusivamente composta por tropa Africana, e por lá fiquei durante dois anos, em 72 saí de Portugal, e por aí vou andando, sou mais um desses milhões da Diáspora Lusitana. Logo não serei a pessoa habilitada para opinar sobre o pós 74.

 Diria: "Em briga de jacu,  inhambu não pia..", e terei que dar crédito de novo ao meu avô e à sua imensa sabedoria bairradino-brasílica. 

Todavia, sem fazer juízos de valor sobre a matéria, aqui de longe, não posso deixar de externar a minha profunda admiração pelo árduo, sereno, e sábio trabalho de edição de toda a equipe editorial, em assuntos apesar de distantes no tempo cronológico, ainda carregados de emoção. 

Equipe magistralmente comandada pelo Camarada Luis Graça, a quem eu qualifico, sem risco de exagero, como um Benemérito da nossa tão vilipendiada geração, nos proporcionando uma VOZ. É o último dos direitos do cidadão, o tal do "jus esperniandi".

forte abraço a todos
Vasco Pires
Ex-Comandante do 23° Pel Art
(Gadamael, 1970/72)

Guiné 63/74 - P12089: In Memoriam (161): José Marques Alves, de alcunha o "Alfredo" (1947-2013): natural de Campanhã, Porto, vivia em Fânzeres, Gondomar; foi 1º cabo da 2ª secção do 2º Gr Comb, CCAÇ 2590 / CCAÇ 12 (Contuboel e Bambadinca, maio de 1969/ março de 1971)


Guiné >Zona leste > Setor L1 (Bambadinca) > CCAÇ 12 (1969/71) > 2º Gr Comb a atravessar uma bolanha, no subsetor de Xitole, no decurso de uma operação. O 1º cabo José Marques Alves, o "Alfredo", está  assinalado com um círculo a vermelho. Duas lugares á frente, vinha o comandante da secção, o fur mil op esp Humberto Reis. Esta é também a foto de perfil, quer do nosso blogue (Luís Graça & Camaradas da Guiné), quer da nossa página no Facebook (Tabanca Grande Luís Graça).



Guiné >Zona leste > Setor L1 (Bambadinca) > CCAÇ 12 (1969/71) > Regulado de Badora, tabanca em autodefesa de Sinchã Mamadjai. O 1º cabo Alves, com a sua secção. Do condutor, também da CCAÇ 12, falha-me agora o nome. Peço-lhe desculpa, se me estiver a ler. (A CCAÇ 12 tinha, no meu tempo, 15 sold cond auto, e um 1º cabo cond aut, o Luís Jorge M.S. Monteiro que, depois da peluda, vivia em Vila do Conde).


Guiné >Zona leste > Setor L1 (Bambadinca) > CCAÇ 12 (1969/71) > 2º Gr Com atravessar a bolanha de Finete, a caminho de Bambadinca, de regresso muito provavelmente de um patrulhamento ofensivo no Mato Cão. Em 2º plano, o "Afredo" e o Humberto Reis.


Guiné >Zona leste > Setor L1 (Bambadinca) > CCAÇ 12 (1969/71) > Da esquerda para a direita, o "Alfredo", e os fur mil Humberto Reis e Tony Levezinho, do 2º Gr Comb, em Bamdainca, exaustos depois do regresso de mais uma operação.


Guiné >Zona leste > Setor L1 (Bambadinca) > CCAÇ 12 (1969/71) > Desacamento da ponte do Rio Udunduma. 2º Grupo de Comb: "tugas", em primeiro palno, agachado, o Alves; de pé, o Arménio, o Humberto Reis e o Branco.



Guiné >Zona leste > Setor L1 (Bambadinca) > CCAÇ 12 (1969/71) > Agures, no mato, de pé em cima de uma viatura: do lado esquerdo, o alf mil Abel Maria Rodrigues (3º Gr Comb); do lado direito, o 1º cabo José Marques Alves (2º Gr Comb).


Guiné >Zona leste > Setor L1 (Bambadinca) > CCAÇ 12 (1969/71) > Coluna, na estrada alcatroada Bambadinca-Bafatá. Em primeiro plano, o "Alfredo".


Fotos © Humbero Reis (20'06). Todos os direitos reservados. (Editadas por L.G.).

1. Morreu hoje o "Alfredo", o ex-1º cabo José Marques Alves, 2ª secção do 2º Grupo de Combate da CCAÇ 2590 / CCAÇ 12 (Contuboel e Bambadinca, maio de 1969 / março de 1971).

A funesta notícia foi-me dada logo pela manhã,  pelo seu antigo comandante de secção, o nosso grã-tabanqueiro Humberto Reis. E confirmada logo a seguir pelo seu filho Agostinho, ao telefone. Ele vivia em Fânzeres, Gondomar, e estava doente. Era natural do Porto, Campanhã.

O funeral será, em princípio, no próximo sábado, dia 28. Pelo que percebi,  a família aguarda a chegada de parentes, que vivem em França, "tios", disse-me o Agostinho. O corpo vai para o cemitério de Campanhã.

O "Alfredo" (como era carinhosamente tratado pelo Humberto e por todos nós) era o homem mais puro, generoso e brincalhão que eu conheci na CCAÇ 12. Era um hom afável, disponível, sempre bem disposto e pronto a ajudar. Era um tripeiro castiço, como o Arménio Fonseca. Viemos juntos no T/T Niassa, que partiu de Lisboa em 24/5/1969, os cinquentas quadros e especialistas da CCAÇ 2590 que deram depois origem à CCAÇ 12 (, extinta em 1974). Fizemos juntos muitas operações. Aqui, nbo blogue,  ao pé de nós, o seu nome e a sua memória ficarão melhor salvaguardados. Já pedi à família uma foto recente do nosso querido camarada Alves. É o nosso grã-tabanqueiro nº 628. O seu nome passa diretamenet para lista (n=26) dos que "da lei da morte se foram libertando".

2. É mais um camarada, um amigo, um irmão, que a família da CCAÇ 12 perde. Enviamos daqui, para a família de sangue, um xicoração de saudade, dor  e pesar pelo seu desaparecimento. Coragem para a viúva Beatriz e para os filhos Agostinho e Fernando. Aqui fica o telefone de casa, para quem quiser apresentar-lhes condolências: 224 801 560. E o telemóvel do Agostinho, o filho: 985 555 781.

Um abraço também para os meus camaradas do 2º Gr Comb. que ainda restam. (A maioria dos nossos camaradas guineenses, mais de 80%, infelizmente já não estão vivos).

Vou propor a entrada do malogrado José Marques Alves para Tabanca Grande, depois de fazer  este "In Memoriam". Ele não tinha email, nem sei se conhecia o nosso blogue. Sei que nasceu em 1947, e que ia fazer 66 anos. O seu rosto, gaiato, de há muito que circula nas magníficas fotos do Humberto Reis, publicadas no nosso blogue desde 2006, na I eII Séries.

3. Composição do 2º Gr Comb / CCAÇ 12:

Comandante: Alf Mil de Inf 13002168 António Manuel Carlão [, comerciante, vive em Fão, Esposende; foi cedo destacado para o reordenamento de Nhabijões, passando o comando do 2º Gr Comb a ser assegurado pelos seus dois furriéis, o Reis e o Levezinho]

1ª secção

Soldado Arvorado 82107969 Alfa Baldé (Ap LGFog 3,7)
Soldado 18968568 Arménio Monteiro da Fonseca [, vive no Porto, taxista; era 1º cabo, foi punido por um "chico"]
Sold 82118169 Samba Camará (FF)
Sold 82115369 Iéro Jaló (F)
Sold 82118869 Cheval Baldé (Ap LGFog 8,9) (F)
Sold 82103269 Aruna Baldé (Mun LGFog 8,9) (F)
Sold 82105169 Mamadú Bari (FF)
Sold 82116369 Sidi Jaló (Ap Dilagrama) (FF) [,dado como tendo sido fuzilado depois da independência]
Sold 82118669 Mussa Seide (F)
Sold 82117669 Amadú Camará (FF)
2ª Secção

Fur Mil Op Esp 05293061 Humberto Simões dos Reis [, engenheiro técnico, reformado, Alfragide / Amadora]
1º Cabo 17626068 José Marques Alves [, vivia em Fânzeres, Gondomar; nasceu em 1947, morreu hoje, 26/9/2013]
Soldado Arvorado 82116569 Mamadu Baldé (F)
Soldado 82101469 Udi Baldé (FF)
Sold 82101069 Sajo Candé (F)
Sold 82108069 Alfa Jaló (F)
Sold 82116469 Iéro Juma Camará (Ap Mort 60) (FF)
Sold 82111969 Mamadú Jaló (Mun Mort 60) (F)
Sold 82111069 Adulai Baldé (F)
Sold 82117269 Adulai Bal (F)

3ª Secção

Fur Mil 17207968 Antonio Eugénio S. Levezinho [, quadro técnico, reformado da Petrogal, vive em Sagres, Vila do Bispo]
1º Cabo 18880368 Manuel Alberto Faria Branco [, morada actual desconhecida];
Soldado Arvorado 82116969 Braima Bá (F)
Soldado 82116669 Gale Colubali (Ap Metr Lig HK 21) (FF)
Sold 82116769 Mamadú Uri Colubali (Mun Metr Lig HK 21) (FF)
Sold 82111369 Amadú Turé (F)
Sold 82117469 Demba Jau (Ap Dilagrama) (F)
Sold 82107869 Iero Jaló (FF)
Sold 82116869 Gale Camará (F)

[Entre parêntesis, no caso dos soldados guineense, a etnia: F=fula; FF=futa-fula]
______________

Nota do editor:

Último poste da série > 26 de setembro de 2013 > Guiné 63/74 - P12088: In Memoriam (160): António Martins Pires Belo, ex-Soldado da CCAÇ 557, falecido em 19 de Setembro de 2013 (José Colaço)

Guiné 63/74 - P12088: In Memoriam (160): António Martins Pires Belo, ex-Soldado da CCAÇ 557, falecido em 19 de Setembro de 2013 (José Colaço)

ANTÓNIO MARTINS PIRES BELO 
Ex-Soldado da CCAÇ 557 
Falecido em 19 de Setembro de 2013


1. Mensagem de hoje, 26 de Setembro de 2013, do nosso camarada José Colaço [foto à direita], ex-Soldado Trms da CCAÇ 557, CachilBissau e Bafatá, 1963/65:

Acabou-se a resistência do nosso "Alentejanito", Soldado n.º 938 da CCAÇ 557, António Martins Pires Belo que resistiu aos ferimentos das balas do inimigo na guerra da Guiné, mata do Cantanhez, em Cufar, onde foi ferido e evacuado para o HM 241, em Bissau, e daí para o Hospital Militar da Estrela, em Lisboa.

Quinta feira, 19 de Setembro de 2013 não resistiu a um AVC.
Este meu amigo é citado no Poste P5517 - Histórias de Heroísmo.


2. Comentário do editor:

Aos familiares do nosso camarada, agora falecido, apresentamos as nossas mais sentidas condolências.
Ao nosso tertuliano José Colaço, deixamos um abraço solidário, porque como ele, perdemos mais um camarada e amigo.
Todos ficamos mais tristes quando vemos partir um de nós. Como sempre dizemos, verdade dura e incontestável, cada vez somos menos.
____________

Nota do editor

Último poste da série de 21 DE SETEMBRO DE 2013 > Guiné 63/74 - P12066: In Memoriam (159): Sadjo Seidei, o Menino da CCAÇ 4540, falecido em Setembro de 2013 na Guiné-Bissau (Eduardo Campos)

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Guiné 63/74 - P12087: Facebook...ando (27): 42 anos depois do regresso a casa... Convívio anual da CCAÇ 2615 / BCAÇ 2892 (Nhacra, Aldeia Formosa e Nhala, 1969/71)... Fotos do Américo Vicente







Herdade das Cortiçadas, S. Sebastião da Giesteira, entre Évora e Montemor > Comvívio da malta da CCAÇ 2615 / BCAÇ 2892, no passado dia 14, comemorando os 42 anos do regresso a casa. As fotos são da Cândida Vicente, esposa do nosso camarada Américo Vicente, amigo da Tabanca Grande. no Facebook. Reproduzidas aqui com a devida vénia.


Fotos © Cândida Vicente / Américo Vicente (2013). Todos os direitos reservados. (Editadas por L.G.).



1. A CCAÇ 2615 fazia parte do BCAÇ 2892 (ten cor Manuel Agostinho Ferreira, Major José Sampaio e Major Pezarat Correia). Chegou a Bissau em 28 de Outubro de 1969. No regresso, embarcou,  em Bissau, 6 de Setembro de 1971. O Comando e os Serviços do Batalhão estiveram sempre em Aldeia Formosa (actual Quebo). A CCAÇ 2615 esteve em Nhacra, Aldeia Formosa e Nhala. Foi seu Comandante o Cap Mil António Ramalho Pisco.  Outras companhias: CCAÇ 2614 e CCAÇ 2616.

O local do local do convívio e repasto foi na Herdade das Cortiçadas, S. Sebastião da Giesteira, entre Évora e Montemor, segundo informação do Manuel Amaro (que perdeu as fotos que tirou).Enfim, um local original para um convívio entre veteranos de guerra.

Por informação também do nosso camarada Manuel Amaro, ex-fur mil enf, o Américo Vicente fazia parte da equipa de saúde da CCAÇ 2615: José Boita, Amadu Djaló Candé, Américo Vicente e Manuel Amaro (os quais estiveram juntos no convívio de 2009).  

O Américo Vicente fica automaticamente convidado para integrar também a Tabanca Grande do blogue. Precisamos apenas de uma foto sua, do tempo da tropa, e duas palavrinhas de apresentação (que podem ficar a cargo do Manuel Amaro, como "padrinho"). Sabemos que mora na Bobadela, Loures, e que fez recentemente aninhos (a 31 de agosto). Parabéns, muita saúde, longa vida, camarada Vicente.

_______

Nota do editor:

Último poste da série > Guiné 63/74 - P11353: Facebook...ando (26): A CCAÇ 4541/72 em Caboxanque, donde saiu em LDG em maio de 1974, a caminho de Bissau (José Guerreiro)

Guiné 63/74 - P12086: (In)citações (54): Os EUA e a grandeza do reconhecimento aos seus combatentes (José da Câmara)

1. Mensagem do nosso camarada José da Câmara (ex-Fur Mil da CCAÇ 3327 e Pel Caç Nat 56, BráBachile e Teixeira Pinto, 1971/73), enviada ao nosso Blogue no dia 23 de Setembro de 2013:

Meus caros amigos e camaradas,
Nas páginas do nosso Blogue tenho trazido à vossa consideração outras vivenças culturais e sociais, outras formas de exercer a cidadania. Também não é segredo o respeito e admiração que sinto pelo povo americano e pelas suas instituições, sem jamais esquecer as minhas raízes e o meu ser Português.

Hoje trago ao vosso conhecimento um exemplo de como os americanos tratam os seus militares.
José da Câmara


A grandeza do reconhecimento

Não é minha intenção fazer comparações entre os dois países que eu amo, Portugal e os EUA, mas tão-somente sensibilizar aqueles que poderiam fazer a diferença na forma oficial como Portugal trata os seus filhos: as chefias militares e os governantes do nosso País.
Na cerimónia militar que tereis a oportunidade de observar são concedidas medalhas por feitos heroicos na Guerra do Vietname, 42 anos depois de terem acontecido as acções.

Um dos combatentes daquela guerra é condecorado com a Silver Star e o outro com a Bronze Star, terceira e quarta mais altas condecorações individuais dos Estados Unidos da América. Mas o que importa mesmo realçar é o pedido formal de desculpas pela injustiça da demora, apresentado pelas mais altas esferas militares.

O nosso conceituado e dedicado amigo José Martins viu indeferido o requerimento que fez para que lhe fosse concedida a Medalha de Comportamento Exemplar, direito que lhe assiste por ter cumprido mais de três anos de serviço sem punições. O Exército Português apresentou como razão para o indeferimento o facto do requerente, o José Martins, não se encontrar no activo.

Não está, mas esteve e a falha foi do Exército que a não concedeu em devido tempo. Como era seu dever. Aliás na família do José Martins, também o avô, ferido em combate na I Grande Guerra, e o seu irmão mais novo, combatente na Guiné em 73/74, também nunca receberam as medalhas a que tinham direito.

E quantos de nós estaremos nas mesmas circunstâncias?

Do meu conterrâneo, o açorianíssimo Prof. Carlos Cordeiro, sobre este exemplo americano que agora se publica no nosso Blogue, recebi a seguinte mensagem que, com a devida autorização, aqui publico:
“Portugal sempre lidou mal com antigos combatentes e não só com os da guerra do Ultramar. É uma coisa que se não entende, mas que é verdadeira. Aliás, Carlos Matos Gomes, na «Nova História Militar de Portugal» (vol. 5, p. 172), diz-nos o seguinte a este propósito: 
«O Estado Português e a sociedade portuguesa no seu todo demonstraram sempre pouca consideração pelos seus militares que participaram em conflitos. A forma como os combatentes da Guerra Colonial foram tratados no seu regresso apenas confirma o acolhimento que já fora dado aos militares que regressaram da Grande Guerra de 1914-1918, aos da Índia, que sofreram ainda o opróbrio das autoridades que os acusaram de cobardia. Talvez já assim tivessem sido acolhidos os marinheiros que regressaram das descobertas e os contingentes que combateram na Guerra Peninsular»”.

Para vossa consideração:






















____________

Nota do editor:

Último poste da série de 11 DE JULHO DE 2013 > Guiné 63/74 - P11825: (In)citações (53): Bem haja quem fundou o blogue, bem haja quem apreciou as crónicas do meu pai, e tu, pai, continua a escrever, peço-te. Da filha que te adora (Paula Ferreira)