sábado, 26 de março de 2016

Guiné 63/74 - P15905: A guerra vista do outro lado... Explorando o Arquivo Amílcar Cabral / Casa Comum (18): "Prisioneiros de guerra": Duarte Dias Fortunato, António Teixeira, em 1971 (e depois mais seis, por ordem alfabética: António da Silva Batista, Jacinto Gomes, José António Almeida Rodrigues, Manuel Fernando Magalhães Vieira Coelho, Manuel Vidal e Virgílio Silva Vilar)


Quadro - Lista dos prisioneiros que se encontravam, nos últimos meses de 1971,  na prisão do PAIGC em Conacri, conhecida por "Montanha". Dados obtidos a partir de documento manuscrito, da autoria  de Amílcar Cabral.  Fonte:  Casa Comum / Arquivo Amílcar Cabral



1. No Arquivo Amílcar Cabral (*), não se encontra nenhuma referência ao José António de Almeida Rodrigues (1950-2016)  nem ao António da Silva Batista (1950-2016), por estranha coincidência, camaradas do mesmo batalhão (BCAÇ 3872, Galomaro, 1972/74), embora de companhias diferentes (o Batista, da CCAÇ 3490, Saltinho; o Rodrigues, da CCAÇ 3489, Cancolim). e companheiros de cativeiro (Conacri, Boé,  Boké), que vão morrer, no mesmo dia, e ambos com 66 anos, um na Régua, outro em Matosinhos..
.

 Há, no entanto,  fotos e documentos a relativos outros "prisioneiros de guerra" que estiveram com eles, na "Montanha", entre 1972 d 1974, a prisão do PAIGC em Conacri, e depois no campo do Boé: é  do caso do António Teixeira, da Lixa, Felgueiras; e do Duarte Dias Fortunato, de Pombal...

Estes nossos dois camaradas, os dois primeiros a serem apanhados e levados para Conacri, depois da Op Mar Verde (22/11/1970), constam de uma lista, manuscrita (com a letra do Amílcar Cabral!) em que se discriminam os seis prisioneiros, do PAIGC, que estão na "Montanha", em 1971 (em data posterior a agosto de 1971),  por nome, data de entrada, proveniência, acusação, data de saída e observações...

Sendo a lista do 2º semestre de 1971, ainda não poderiam constar os nomes do António da Silva Batista e do José António Almeida Rodrigues, capturados em abril e junho de 1972, respetivamente... Mas o que é interessante é o tipo de "acusação"... Há portugueses (2) e guineenses (4)... Não sabemos se, uns e outros, estavam misturados ou separados...

Sabemos que, depois do assassinato do Amílcar Cabral, em 20/1/1973, os 8 prisioneiros portugueses detidos na "Montanha" foram levados para a região do Boé Ocidental,  num "campo" junto ao Rio Corubal... donde iria fugir, de canoa, em 7/3/1974, o José António de Almeida Rodrigues, sold at inf, CCAÇ 3489 (Cancolim, 1972/74). Ao fim de nove noites e nove dias, conseguiu chegar ao Saltinho, devendo ter percorrido não mais do que 50 quilómetros,  pelo rio, segundo as nossas estimativas.

Dos guineenses da lista de prisioneiros, guerrilheiros do PAIGCum é "desertor", outro acusado é de "homicídio", um terceiro de "furto", e o último de ter "contacto com o inimigo"...

Os portugueses, ambos "prisioneiros de guerra" (sic), são o António Teixeira (entrado em 21/1/71) e o Duarte Dias Fortunato (24/2/71)... O Fortunato tem a palavra "desertor" riscada; o Amílcar Cabral escreveu por cima "prisioneiro" (a azul) e acrescentou (a lapiseira preta) "de guerra"... O mesmo se passa com o Teixeira: primeiro era simples "prisioneiro" e depois passou a ser "prisioneiro de guerra"...

As proveniências são diversas, não se percebendo bem se PAIGC disporia de diversos "campos de detenção  temporária" (ou prisões, mesmo que precárias), antes de os prisioneiros chegaram à "Montanha", em Conacri.... Ou se o termo proveniência tem a ver com o local de detenção ou aprisionamento no caso dos portugueses. Há referências a Ziguinchor (no Senegal), Norte, Madina do Boé, Boé Oriental...

O Amílcar Cabral utilizava habilmente uns e outros, os prisioneiros de guerra e os desertores, para fins de propaganda diferentes e interlocutores diferentes: Igreja Católia / Vaticano, Cruz Vermelha Internacional, "países amigos", etc....

Recorde-se aqui, mais umas vez, os nomes dos últimos prisioneiros de guerra que foram entregues, em 14 de setembro de 1974 pelo PAIGC às NT (**):

(i) o nosso "morto-vivo" António da Silva Batista (1950-2016), da Maia;

(ii) Manuel Vidal, de Castelo de Neiva;

(iii) Duarte Dias Fortunato, de Pombal;  [ex-1º cabo at art, CART 3332, 1972/74; capturado no subsetor de Piche, em 22/2/1971, na sequência de emboscada no decurso da Acção Mabecos]; (**)

(iv) António Teixeira, da Lixa, Felgueiras;

(v) Manuel Fernando Magalhães Vieira Coelho, do Porto;

(vi) Virgílio Silva Vilar, de vila da Feira;

e (vii) Jacinto Gomes, de Viseu.

Como escreveu algures o Manuel Carvalho, o José António Almeida Rodrigues foi um homem de grande coragem física, ao arriscar, com sucesso, a fuga... Se ele fosse considerado "desertor", nunca teria ido parar à "Montanha" nem muito menos ao "campo do Boé"... E muito menos ainda teria necessidade de fugir aos seus captores... Noutro país, a sua história, a sua fuga, daria um filme...




Documento manuscrito, pelo punho de Amílcar Cabral, com a lista dos prisioneiros que se encontravam, nos últimos meses de 1971 na prisão do PAIGC em Conacri, conhecida por "Montanha". Cortesia da Casa Comum / Arquivo Amílcar Cabral


logo

Instituição:
Fundação Mário Soares
Pasta: 07062.034.017
Título: Registo dos prisioneiros na "Montanha"
Assunto: Registo dos prisioneiros na "Montanha" [prisão do PAIGC em Conakry].
Data: 1971
Observações: Doc. incluído no dossier intitulado Manuscritos de Amílcar Cabral.
Fundo: DAC - Documentos Amílcar Cabral
Tipo Documental: Documentos
Direitos:
A publicação, total ou parcial, deste documento exige prévia autorização da entidade detentora.

Arquivo Amílcar Cabral
05.Organização Militar
Justiça Militar

Citação:
(1971), "Registo dos prisioneiros na "Montanha"", CasaComum.org, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_40241 (2016-3-26)



(Foto reproduzida por Beja Santos no seu poste P14454, de 10 de abril de 2015. A fonte provável é o artigo "Desaparecido em combate", de Duarte Dias Fortunato, publicado na revista da GNR, "Pela lei e pela grei", nº de abril de  2000 (*) [Na altura, o Fortunato era soldado de infantaria da GNR e prestava serviço no Posto Territorial de Quiaios, na Figueira de Foz]


... E o António da Silva Batista (1950-2016), nesta foto,  deve o primeiro da direita, de bigode e de patilhas. Falta aqui o José António Almeida Rodrigues (1950-2016), que conseguiu fugir do "campo de detenção" do Boé, do PAIGC, junto à margem esquerda do Rio Corubal, na parte ocidental da região do Boé, situado algures entre Gobige, Guileje e Madina do Boé, junto à fronteira, segundo as nossas estimativas.  

O "campo de detenção", pelas descrições do Batista e do Rodrigues, só podia ser na região de Tombali, junto ao rio Corubal e à fronteira (sul) com a Guiné-Conacri (por razões de segurança e logísticas), ou seja, em zona considerada "libertada", segundo a terminologia do PAIGC, mas sujeita aos bombardeamentos da aviação portuguesa.  

Depois da fuga do Rodrigues, em 7 de março de 1974, os prisioneiros foram levados para o outro lado da fronteira, já na República da Guiné, segundo o depoimento do Duarte Dias Fortunato, em 2000. Foi aí que  receberam a notícia do 25 de abril de 1974 (**). 

_______________

Notas do editor:


(**) Vd. postes de 


(...) Ao fim de dois anos, começaram a chegar mais prisioneiros [, à "Montanha", em Conacri]: uns capturados no posto de sentinela, outros que saíam do quartel para irem à caça e eram caçados. No final éramos oito. 

Um certo dia, mandaram-nos sair da prisão, fomos metidos num camião do PAIGC, ao fim de três dias chegámos a Madina de Boé [, ou à região ocidental do Boé]. Percebemos que estávamos a mudar para um prisão improvisada mas com muita segurança e ali permanecemos alguns meses. Aqui sofremos muito com a nossa aviação, que atacava frequentemente o local. Houve depois uma fuga [,em 7 de março de 1974, a do José António de Almeida Rodrigues,] e os prisioneiros foram deslocados para o lado da fronteira da Guiné Conacri. Quando chegámos a um local, junto de um grande rio, cujo nome nunca soube [, talvez rio Kogon, não longe da base de Kandiafara, província de Boké], ali acampámos. Construíram uma prisão de madeira onde ficámos instalados alguns meses.[até setembro de 1974...].


Certo dia pela manhã, apareceram alguns guardas com os rádios junto aos ouvidos e gritavam com júbilo “Tuga, tuga, Marcelo caiu. Independência, independência”. Através da rádio demos conta que em Portugal tinha havido um golpe de Estado.

No dia 11 de setembro, entregaram-nos vestuário dizendo-nos que no dia seguinte seguíamos em direção a Bafatá, a fim de sermos entregues por troca com outros prisioneiros. Ao fim de três dias chegámos a Bafatá. Embarcámos de seguida num avião militar, onde recebemos os primeiros cuidados médicos. (...) 

Guiné 63/74 - P15904: História do BART 3873 [Bambadinca, Sector l1, 1972-1974]. Parte II – Os problemas no CTIG logo em 1963 (Jorge Alves Araújo)

1. O nosso Camarada Jorge Alves Araújo, ex-Fur Mil Op Esp/RANGER da CART 3494, (Xime-Mansambo, 1972/1974), enviou-nos a seguinte mensagem.



Caríssimos Camaradas,

Os meus melhores cumprimentos.

Independentemente de termos chegado ao CTIG nove anos após o início do conflito armado naquele território, constatámos a existência de problemas que já tinham sido identificados em 1963 pelo Coronel Louro de Sousa, então Comandante-Chefe militar.

Ainda assim, ousámos elaborar esta pequena narrativa relacionada com esse tema, divulgando algumas memórias gravadas pela experiência feita nos diferentes itinerários percorridos durante os anos de 1972 a 1974, mescladas com outros factos entre cá e lá.

OS PROBLEMAS NO CTIG LOGO EM 1963

- Memórias de cá e de lá -

1. – INTRODUÇÃO

As rotinas da minha continuada actividade operacional, constituídas por missões/ acções de obrigatória responsabilidade diária, têm-me impedido de dizer “presente no imediato” aos apelos do BTG, como eu gostaria que acontecesse. Mas, logo que a agenda o permite, lá vou ordenando algumas letras que funcionam, também, como “prova de vida”. Assim, o caso em apreço relacionado com o tema em título, ainda que com algum atraso, levou-me a optar por uma triangulação entre memórias pessoais de cá e de lá, contributos já divulgados no nosso Blogue e trabalhos de investigação que começam a surgir, com mais frequência, sobre esta problemática.

Dito isto, espero contar com a vossa benevolência pelo facto de repetir algumas ideias expressas anteriormente nos trabalhos citados, a começar pela investigação histórica elaborada pelo nosso amigo José Matos, também ele membro da Tabanca Grande, e que aqui foi reproduzida em duas partes [P15795 e P15796], e já publicada na Revista Militar n.º 2566 de Novembro p.p., com o título “O início da Guerra na Guiné (1961-1964)”. 

O artigo da autoria de José Matos acabou por suscitar o interesse e o elogio dos que sobre ele se manifestaram, levando cada qual a produzir o seu comentário de acordo com a sua perspectiva, sinal de que o tema [digo eu] continuará em aberto. 



Porém, o principal destaque recaiu na avaliação feita pelo Coronel Fernando Louro de Sousa, na qualidade de novo Comandante-Chefe da Guiné nomeado em finais de 1962 pelo Governo de Lisboa (Oliveira Salazar), mas que só em 20 de Março de 1963 chegaria a Bissau, dois meses depois do ataque ao Aquartelamento de Tite, em 23 de Janeiro, considerado por todos os intervenientes [incluindo a literatura] como a data do início do conflito armado naquele território ultramarino. 


Seis meses após ter iniciado as suas funções, exclusivamente como Comandante-Chefe, apresenta em Lisboa, em 4SET1963, uma exposição da situação ao Conselho Superior Militar, enumerando um conjunto de problemas que dificultavam a resposta das NT ao esforço de contra-subversão, a saber: 

1. - Deficiente instrução das tropas e quadros;

2. - Deficiente equipamento das unidades no terreno;

3. - Falta de pessoal / insuficiência de efectivos; 

4. - Abastecimento (material, munições, víveres e água); 

5. - Falta de enquadramento / aproveitamento militar dos guineenses; 

6. - Instalações inadequadas;

7. - Cansaço das NT, sempre ansiosas por acabar a comissão e voltar para a metrópole.

2. – ENTRE AS MEMÓRIAS DESSA ÉPOCA E AS MINHAS

A eclosão do conflito armado na Guiné que, mau grado, acabaria por ser o meu destino nove anos depois, na condição de combatente miliciano, tem lugar quando tinha somente doze, ou dez anos se considerar o início da insurreição armada em Angola, em 15MAR1961, realizada pela UPA [União dos Povos de Angola], desconhecendo por completo, na época, o que estava na génese de cada uma, apenas gravando o conceito “Guerra do Ultramar”, com que foi baptizado. Frequentava, então, o Liceu Camões, a segunda escola pública a ser construída em Lisboa, na Praça José Fontana, e inaugurada em 16OUT1909, sendo a primeira o Liceu Passos Manuel, em 1836, e que na sequência do «25 de Abril de 1974» passou a designar-se por Escola Secundária de Camões, mudança de nome verificada, aliás, em todos os Liceus existentes nessa época. 

Nesse período o que mais me marcou e que ainda hoje retenho daqueles ambientes carregados de emoção, muitas lágrimas e uma mancha humana acenando com lenços brancos, foram as imagens dos embarques, na Rocha Conde de Óbidos, dos diferentes contingentes de militares zarpando rumo a Luanda, Bissau ou Lourenço Marques, então mais velhos do que eu nove/dez anos.

Cais da Rocha (1963 / há mais de meio século) – Imagem (cinzenta como o ambiente) que se viria a tornar banal em Lisboa, uma vez que passou a ser repetida tantas vezes quantos os embarques dos contingentes com jovens milicianos (combatentes) realizados com destino a um dos três Teatros de Operações (Angola, Guiné ou Moçambique). E foram largas centenas. Era o momento da despedida reciproca e que para alguns foi para sempre… lamentavelmente. A partir de 1971, passou a ser utilizado, também, o transporte aéreo através da FAP, por ser mais rápido, cómodo e económico quando comparado com o marítimo (foto de autor desconhecido).

Entretanto, a avaliação provavelmente empírica de Louro de Sousa deveria ser reflexo daquele que terá sido o primeiro grande PROBLEMA que se colocou aos responsáveis políticos da época - os RECURSOS (quer os HUMANOS quer a competente LOGÍSTICA) - sempre imprescindíveis em qualquer organização, de que a MILITAR não é excepção, particularmente em contexto de guerra. E esses problemas não estavam resolvidos… nem nunca estiveram.

De referir que o conceito de logística, enquanto ramo autónomo da ciência militar, significa a arte do planeamento e da execução de movimentos e sustentação de forças. Nela se inclui um vasto conjunto de actividades complexas e interdisciplinares que vão desde a sua concepção e desenvolvimento; obtenção, recepção, armazenagem, movimentos, distribuição, manutenção, evacuação e alienação de materiais, equipamentos e abastecimentos e todas as actividades de apoio sanitário.


Por outro lado, as distâncias entre a Metrópole e cada um dos três TO, às quais se adicionam a inexperiência em relação ao modo como gerir, com sucesso, a natureza social e política do conflito e, ainda, à teimosia cega de não o resolver com bom senso, conduziram a uma maior exigência operacional dos efectivos aí destacados. Os recursos humanos e logísticos cresceram, por isso, ao longo dos anos, concomitante com as responsabilidades atribuídas aos jovens militares, fazendo recair sobre estes, desde o seu início, o ônus da manutenção de Portugal no continente africano em nome da Pátria, isto é, em nome da perpectuação do regime político vigente, se necessário com recurso da sua própria vida, como está plasmado na vasta bibliografia existente, quer seja nacional ou internacional.

Considerando que o conceito problema [contexto acima] faz parte, justamente, do nosso léxico do dia-a-dia [ex: tenho um problema; só temos problemas; arranjaste-me um problema; como resolver este problema; …] recupero aqui a definição do escultor e escritor italiano Bruno Munari (1907-1998) que nos diz: “todo o problema implica um certo saber do não saber, ou seja, antever, se terá ou não solução e para isso é preciso experiência” (in. Das Coisas Nascem Coisas, Lisboa. Edições 70, 1982, p. 39).

Durante a presença no CTIG (1972-1974), que decorreu entre os nove e os onze anos do conflito, reconheço a existência dos problemas caracterizados anteriormente por Louro de Sousa, por experiência feita da actividade operacional na minha Unidade Orgânica [CART 3494], ainda que admita serem de menor escala face ao esforço que naturalmente foi despendido para os minimizar ao longo do tempo uma vez que foram operacionalizadas diversas mudanças no terreno em função da reformulação das estratégias/tácticas propostas pelas sucessivas chefias militares nomeadas pelo Governo Central, mas sem grandes resultados.

Contudo, esse contacto directo com as várias realidades leva-me a ter uma percepção dualista, ou seja, NÃO e SIM, uma vez que eram distintos ou desiguais a natureza de cada um deles, bem como os contextos e locais onde se actuava, variando em função da geografia do terreno e da proximidade das linhas de fronteira, quer a norte quer a Sul, onde, nestas regiões, estavam sedeadas as principais bases do PAIGC. Esta localização facilitava-lhes a vida, e muito, pois ampliava o quadro de opções de mobilidade para realizarem as suas actividades de ataques e flagelações aos alvos seleccionados. Era também desigual a vida nas Cidades, nas sedes de Batalhão (CCS), nos Aquartelamentos e Destacamentos, e quanto mais no interior maior, levando-nos a (con)viver com o fenómeno da interioridade e com as situações adversas sem alternativas.

Outro problema, não menos importante, estava relacionado com o esforço que era necessário fazer para manter em funcionamento a rede da estrutura logística, sem a qual não teria sido possível suportar tanto tempo, por efeito dos insuficientes recursos locais e financeiros, ainda que uma parte dela estivesse a cargo de cada umas das Unidades por descentralização de competências.

Voltando ao ano de 1963, recordo que a principal actividade era a de estudante no Liceu Camões onde existiam na minha turma alguns colegas que, em função de interesses comuns, convivíamos grande parte do tempo escolar partilhando ideias e actividades (comportamento normal no processo de socialização). Um dos interesses em presença estava relacionado com a prática lúdica, vulgo futebol, à hora do almoço, com jogos no relvado central do Parque Eduardo VII ou na zona cimentada perto da Estufa-Fria, umas vezes competindo entre nós (estudantes), outras envolvendo elementos estranhos ao grupo, funcionários administrativos de empresas instaladas na zona.

De entre os vários elementos do nosso grupo, e pelas razões que seguidamente justificarei, quero recordar o nome do saudoso colega e amigo Artur José de Sousa Branco, meu companheiro de alguns anos, e que face ao seu entusiasmo pelas letras e pelo desporto, conseguiu conciliar ambas as actividades, ingressando nos escalões de formação do S.L. Benfica. Ao atingir o escalão de sénior e antes da sua incorporação obrigatória no serviço militar representou (creio) o Sport Benfica e Castelo Branco.

Quis o destino que cada um de nós, depois de nos separarmos por algum tempo, fazendo percursos distintos, acabaríamos por convergir para o mesmo itinerário ultramarino, rumando à Guiné, eu para CART 3494 (Xime/Mar’72) e ele, poucos meses mais tarde, para a CCAV 8350 (Gadamael). Em 4 de Junho de 1973, dez anos depois do início da Guerra e a um do seu epílogo, acabaria por tombar no “jogo dos operacionais” ou seja, no “jogo da superação permanente e da sobrevivência”. 

Recebi a notícia da sua morte ainda durante a “comissão” através da comunicação social da metrópole, que me era enviada pelo meu pai duas vezes por semana, na qual se faziam referências regularmente às principais ocorrências nos diferentes TO, em particular no que concerne às baixas das NT, desconhecendo, no entanto, os detalhes do sucedido com o meu/nosso camarada Sousa Branco, ex-Alf. Art., como era conhecido entre nós.

Porém, face à existência do nosso Blogue, descobri este episódio no P14325 narrado na primeira pessoa pelo nosso camarada José Casimiro Carvalho, ex-Fur Mil Op Esp, em sua memória, a quem envio um forte abraço de agradecimento, onde ele refere o seguinte: “sou (fui) um dos intervenientes desse triste e doloroso episódio na História da CCAV 8350”. Recorda que na tarde de 4JUN1973, em Gadamael, o Alf Mil Branco saiu com um reduzido grupo de combate (12 homens) para fazer um reconhecimento nas imediações do aquartelamento, na antiga pista, a cerca de 1 km do arame farpado. O grupo cai de imediato numa emboscada e só não foi totalmente aniquilado graças à pronta intervenção das tropas paraquedistas (CCAÇ 122/BCP 12, acabada de chegar a Gadamael, na manhã de 3JUN, sob o comando do cap. paraquedista Terras Marques). Este acontecimento está, também, publicado em “A última missão, de José Moura Calheiros, 1.ª ed., Caminhos Romanos, Lisboa, 2010, pp. 527/528”.

Nesse mesmo ano de 1973, quando estava já contabilizada uma década do conflito armado, o problema das instalações inadequadas mantinha-se, situação gravada nas imagens abaixo [para memória futura], de que é exemplo o Destacamento da Ponte do Rio Udunduma, sito na estrada Xime-Bambadinca. Este espaço fora ocupado a partir de 29MAI1969 pelo camarada Carlos Marques [ex-Fur.Mil da CART 2339], acompanhado por elementos do seu GComb, data em que a ponte aí existente [velha] foi danificada por elementos do PAIGC, história já narrada nos P12565, P12586 e P12734. Trata-se de um mero exemplo e não caso único, naturalmente, como se pode provar através do riquíssimo espólio existente no Blogue da Tabanca.

Recordo, nas fotos abaixo, esse tempo e esse espaço no cada vez mais distante ano de 1973. 


JUL’1973 - Estrada Xime-Bambadinca [Ponte do Rio Udunduma] imagem de um buraco aberto no chão, coberto de troncos de palmeira, terra e chapas de zinco a cobri-los, protegido no exterior com bidões de gasóleo cheios de terra, com uma pequena abertura, tendo no seu interior uma cama de ferro, com colchão, do mobiliário militar. Este buraco foi o meu “quarto” durante alguns meses… 

JUL’1973 – Destacamento da Ponte do Rio Udunduma, na Estrada Xime-Bambadinca. Imagem do condomínio fechado. 


AGO’1973 – Rio Udunduma, na Estrada Xime-Bambadinca. Plano de água incluído no Destacamento da Ponte… Creio que o canoísta é o camarada José Sebastião.

SET’1973 – Imagem de parte da parada do Aquartelamento de Bambadinca, onde estava sedeado o comando do BART 3873 e da sua CCS, e que distava 4 kms do Destacamento da Ponte do Rio Udunduma (contrastes da/na guerra).

3. – UMA VISÃO HISTÓRICA SOBRE A LOGÍSTICA DE PORTUGAL NA GUERRA DE ÁFRICA (1961-1974), POR PEDRO DA SILVA MONTEIRO (CAP.) 

Para concluir a presente narrativa, consideramos pertinente divulgar o que vem sendo feito a nível da investigação histórica relacionada com o fenómeno da “Guerra do Ultramar”, destacando o trabalho do Capitão Pedro da Silva Monteiro, elaborado certamente no âmbito da sua formação académica e destinado à Academia, publicado na Revista Militar n.º 2539/2540 de Agosto/Setembro de 2013, com o título “A Logística de Portugal na Guerra Subversiva de África (1961 a 1974)”, e que se enquadra na nossa temática. 

A investigação em referência identifica, como questão central, em que medida a manobra logística de Portugal influenciou as operações militares nos três TO e contribuiu para a sustentabilidade da Guerra Subversiva de África, de 1961 a 1974.

Desta questão de partida inicial a investigação derivou para mais seis subtemas, a saber: 

a) - Qual a estrutura logística de Portugal antes e durante da guerra? 

b) - Que dificuldades sentiram os serviços de apoio logístico de Portugal e quais os maiores problemas verificados? 

c) - O que esperava o governo português do sistema logístico? 

d) - Quais as necessidades sentidas pelas forças em operações, e que abastecimentos foram fornecidos? 

e) - Que apoios logísticos recebeu Portugal do exterior? 

f) - Como é que os serviços de apoio logístico se adaptaram às exigências operacionais e que implementações foram feitas? 


Eis uma parte do resumo elaborado pelo autor.

Neste sugestivo trabalho de investigação encontramos algumas análises de dimensão histórica e política que ajudam a situar a problemática identificada por Louro de Sousa, em 1963.

Obrigado pela vossa atenção.
Com um forte abraço de amizade e muita saúde.
Jorge Araújo.
Fur Mil Op Esp/RANGER da CART 3494 do BART 6523
___________

Nota de M.R.:

Vd. último poste desta série em: 

9 DE DEZEMBRO DE 2015 > Guiné 63/74 - P15470: História do BART 3873 [BAMBADINCA, SECTOR L1, 1972-1974]. Parte I (Jorge Alves Araújo)

Guiné 63/74 - P15903: (De)caras (39): Nove noites e nove dias em fuga, do Boé ao Saltinho, a "odisseia" do José António Almeida Rodrigues, sold at inf, CCAÇ 3489 / BCAÇ 3872, Cancolim, 1972/74 (Depoimentos de José Manuel Lopes e Luís Dias)


Guiné > Zona leste > Setor L5  (Galomaro) > Cancolim > CCAÇ 3498 / BCAÇ 3872 (1972/74) 
> Foto 12 > Saída para o mato dos Vingadores para mais uma patrulha (2.º Pelotão, o meu grupo de combate, sempre pronto para uma patrulha; ficámos com este nome porque quase sempre nos tocava ir em busca do IN após os ataques ao aquartelamento).

Foto do álbum do Rui Batista, ex-fur mil, CCAÇ 3498 (Cancolim, 1972/74).(*)


1. Mails enviados ontem, com mais esclarecimentos e informações sobre o cativeiro e a fuga do José António Almeida Rodrigues (1950-2016), ex-sold at inf, CCAÇ 3498 / BCAÇ 3872 (Cancolim, 1972/74) (**)



(i) José Manuel de Melo Alves Lopes [, ex-fur mil, CART 6250/72, "Os Unidos de Mampatá, Mampatá, 1972/74, natural da Régua, conterrâneo, contemporâneo e confidente do fugitivo]:


A fuga do cativeiro [, em 7 de março de 1974,] foi por ele planeada com algum pormenor. Pediu para ir fazer as suas necessidades fisiológicas. E, segundo me parece, o local de cativeiro era perto do rio [Corubal] onde também se lavavam.

Com o tempo a atenção dos vigilantes foi abrandando e os oito prisioneiros (incluindo ele e o António Batista) eram deixados mais à vontade, o que ele aproveitou.

Uma canoa que se encontrava junto à margem foi o seu meio de transporte e a noite, que se aproximava, foi sua aliada, pois retardou a perseguição e lhe deu algum tempo decisivo para se afastar do local de presídio.

Não levava nada com ele, nem armas nem alimentos. Antes de amanhecer, escondia a canoa entre a vegetação e se refugiava numa árvore que lhe oferecesse as melhores condições de camuflagem e abrigo. Por duas vezes viu e sentiu passar por baixo dele os homens [do PAIGC] que o procuravam.

A sua alimentação foi a fruta que encontrou e algo a que ele chamava camarão que apanhava nas lamas [ou tarrafo] das margens do rio. [, Recorde-se que ele era caçador, tanto na Régua como em Cancolim].

Ao nono dia, encontrou dois nativos que trabalhavam numa bolanha e, quando sentiu confiança, contactou-os e eles o levaram [, de motorizada,]  até ao Saltinho que era já muito próximo do local onde os encontrou. 


Guiné > Zona leste > Setor L5  (Galomaro) > Cancolim > CCAÇ 3498 / BCAÇ 3872 (1972/74) > 

Foto 1 > Aquartelamento de Cancolim [vd. mapa de Cansissé], a nordeste de Galomaro

Foto do álbum do Rui Batista, ex-fur mil, CCAÇ 3498 (Cancolim, 1972/74).

Fotos (e legendas): © Rui Baptista (2009) / Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné. Todos os direitos reservados.


(ii) Luís Dias, ex-alf mil da CCAÇ 3491/BCAÇ 3872 (Dulombi e Galomaro, 1971/74) [, foto à esquerda, empunhando uma pistola-metralhadora, a PPSH, a famosa "costureirinha"]

Sei muito pouco sobre esse camarada, dado que o mesmo pertenceu a outra companhia do meu batalhão - a CCAÇ 3489, instalada em Cancolim. (***)

O que sei foi de ouvir contar, ou seja, que o camarada não teria um comportamento normal, que teria um pouco de louco. Sabe-se que, em determinada altura, aquando de uma patrulha levada a cabo pelo seu pelotão, terá recusado sair com eles mas, mais tarde, com o seu grupo já no exterior, resolveu pegar no seu equipamento/armamento e sair do quartel, presumidamente, para uns, ir ter com o seu grupo, para outros, para ir em direcção a zonas do PAIGC. Ao certo não se sabe. 

Quando já estávamos em Bissau, para embarcar para Lisboa, soube-se que o mesmo se evadira/fugira e se apresentara no nosso aquartelamento do Saltinho. 

Oficiais do Batalhão (ao que julgo, o 2.º Comandante, o então Major Moreira Campos) foram falar com ele, no local onde estava preso, pois teria sido dado como desertor. Alguém contou que ele disse que se encontrava preso pelo PAIGC, juntamente com o Batista, da CCAÇ 3490 (, vítima da emboscada do Quirafo - foi assim que se soube que ele, afinal, estava vivo) e que, a determinada altura, alguém do  pessoal do PAIGC lhe disse que o seu batalhão já estava em Bissau e iria embarcar para a Metrópole por ter terminado a comissão. 

Foi então que decidiu "evadir-se", pois também achava que tinha terminado a sua comissão. Terá passado alguns dias no mato e descido o rio Corubal numa piroga, vindo mais tarde a alcançar o Saltinho. 

Havia quem acreditasse que o militar, em virtude de problemas psíquicos, teria mesmo desertado para o PAIGC, havendo mesmo alguns convencidos de que ele prestara informações sobre uma tabanca, onde pernoitava um pelotão da sua companhia e, quando ali estava o seu próprio grupo, o local foi atacado, conseguindo o IN penetrar na mesma e matar 2 elementos do grupo.

A verdade do sucedido será difícil de encontrar. Se, no próximo almoço de nossa companhia, estivesse presente o então 2.º Comandante, eu procuraria falar com ele sobre este assunto, mas como o convívio vai ser na zona centro é possível que ele não esteja presente (esteve no ano passado porque foi em Braga e ele vive na Maia).

Era importante conseguir chegar à fala com alguém da própria companhia e, se possível,  que pertencesse ao seu pelotão. Há um ex-furriel da CCAÇ 3489, que julgo fazer parte da Tabanca Grande, Rui Baptista [, foto à direita], que também acompanha o Facebook,  pertencendo ao Grupo Fechado de Galomaro, destino e passagem, que talvez possa dar melhores detalhes sobre esse camarada.
______________

Notas do editor:

(*) Vd. poste de 14 de dezembro de  2009 > Guiné 63/74 - P5466: Álbum fotográfico de Rui Baptista, ex-Fur Mil da CCAÇ 3489/BCAÇ 3872

(***) Vd.poste de 19 de outubro de 2011 > Guiné 63/74 - P8926: (Ex)citações (151): O Sold Rodrigues, prisioneiro do PAIGG (de Junho de 1971 a Março de 1974), pertencia à CCAÇ 3489/BCAÇ 3872, que esteve em Cancolim (1971/74) (Luís Dias)

Guiné 63/74 - P15902: (De)Caras (38): homenagem ao saudoso grã-tabanqueiro António da Silva Batista (1950-2016), ao infortunado António Ferreira (1950-1972) e aos demais camaradas mortos no Quirafo, em 17/4/1972: republicação do conto do Mário Migueis da Silva (pseudónimo, "Leão da Mata") "O morto-vivo" (, originalmente publicado no JN, de 28/9/1985)


A fatídica GMC,,, Ainda lá estava em 2006! (*)
Foto de Paulo e João Santiago
O Morto-Vivo





Um conto
 de Mário Migueis 
Ferreira da Silva (*)

(Esposende)

JN, 28/9/1985 








O Mário Migueis da Silva, ex-fur mil rec Inf, Bissau,Bambadinca e Saltinho (1970/72), bancário reformado, cartunista, artista plástico,  com morança em Esposende, viveu de muito perto a tragédia do Quirafo; este conto que ele mandou para um concurso literário do JN, em 1985, é também uma forma de exorcisar fantasmas e de render a devida homenagem aos mortos e aos vivos da CCAÇ 3490 (Saltinho), do BCAÇ 3872 (Galomaro, 1972/74), a que ele esteve adido. 

No conto, o Batista é o Alfredo, de seu nome próprio, com a especialidade de transmissões. O António Batista, aprisionado pelo PAIGC, na sequência da emboscada do Quirafo, em 17/4/1972,  era sold at inf.,  e a sua identidade foi trocada um outro camaarada morto, o António Azevedo. Outro camarada que morreu foi 1º cabo trms, António Ferreira, tendo deixado uma viúva, a Cidália, e uma filha órfã, que ele nunca chegou a conhecer. Com a ajuda da nossa amiga Cátia Félix, a família Ferreira conseguiu fazer o luto, ao fim de 40 anos, num processo que, na altura,  nos emocionou a todos. (*)

Justifica-se a republicação deste conto que retrata ou reconstitui, muito  bem, o clima de tragédia que se viveu, no quartel do Saltinho,  nesse já longínquo dia 17/4/1972, uma segunda feira, quinze dias depois da Páscoa....  

Nesta semana, em que os cristãos de todo o mundo, celebram um dos mistérios da sua fé, a morte e ressurreição de Cristo, este conto  é inspirador... Trata-se além disso de uma semana em que morreram, no mesmo dia, dois camaradas nossos que foram companheiros de cativeiro durante quase dois anos... Pertenciam ao mesmo batalhão (BCAÇ 3872, Galomaro, 1972/74), e não  estavam distantes, um do outro; um no Saltinho, na CCAÇ 3490; outro em Cancolim, na CCAÇ 3489. Estamos a referirmo-nos, respetivamente,  ao António da Silva Batista (1950-2016) e ao José António Almeida Rodrigues (1950-2016). O facto de terem morrido no dia,  ambos com 66 anos, não deixa de ser um estranha coincidência, daquelas que estatísticamente são explicáveis, mas que humanamente são difíceis de compreender e de aceitar (**).



"António Ferreira" > Homenagem do nosso camarada Mário Migueis 

ao 1.º Cabo TRMS António Ferreira,
 morto durante a emboscado do Quirafo  > 
Acrílico: © Mário Migueis da Silva (2010). 
Todos os direitos reservadosnda


Nunca é de mais recordar os nossos camaradas da CCAÇ 3490, com sede no Saltinho, mortos no Quirafo, naquele dia fatídico de 17 de Abril de 1972:

Alferes Miliciano Armandino Silva Ribeiro - Magueija / Lamego
Furriel Miliciano Francisco de Oliveira Santos - Ovar
1.º Cabo Sérgio da Costa Pinto Rebelo - Vila Chã de São Roque / Oliveira de Azemeis
1.º Cabo António Ferreira [da Cunha] - Cedofeita / Porto
Soldado Bernardino Ramos de Oliveira - Pedroso / V. N. Gaia
Soldado António Marques Pereira - Fátima / Ourém
Soldado António de Moura Moreira - S. Cosme / Gondomar
Soldado Zózimo de Azevedo - Alpendurada / Marco de Canaveses
Soldado António Oliveira Azevedo - Moreira / Maia [Originalmente dado como "desaparecido em combate", confundido com o António da Silva Batista, que foi dado como morto,. e que também era de Moreira, Maia]
Milícia Demba Jau - Cossé / Bafatá
Milícia Adulai Bari - Pate Gibel / Bafatá
Trabalhador Serifo Baldé - Saltinho / Bafatá




Oito da manhã. De uma calma e radiosa segunda-feira, convidando a um bem disposto espreguiçar. Ora escorrendo, sonolento, ora escorregando, brincalhão, em pequenas e ridentes cataratas, o rio Corubal espelhava o já abrasador sol daquele dia.

Ainda com a última bucha do pequeno-almoço na boca, os piras do segundo pelotão chegavam e iam ocupando as duas viaturas, que, roncando, aguardavam o sinal de partida. Através de umas seteiras do seu abrigo, o olhar inquieto do furriel Simões esperava alguém. E, quando o soldado Batista se aproximou, baixou-se instintivamente, procurando esconder a sua envergonhada condição de observador furtivo.

Dobrado sob o peso do grande rádio de transmissões que lhe cobria todo o magro dorso, o Batista subiu, com certo esforço para uma das viaturas. Mentalmente, recordava a cena da noite anterior no posto de rádio:

Recorte do JN, 28/9/1985
 — Um minuto ou mais é a mesma coisa! A rendição do posto tem que ser feita à hora exacta e não é admitido quaisquer desculpas. Amanhã, vais tu com o grupo do Quirafo.

O furriel Simões parecia adivinhar-lhe os pensamentos. Na verdade, tinha sido estúpido ao castigá-lo tão duramente. Era necessário disciplinar os homens, é certo... mas o Batista até nem era mau rapaz. Era educado, respeitador... Bastaria tê-lo admoestado, talvez... Mas, enfim, agora nada havia a fazer.

Às cavalitas da velha GMC da frente, o alferes lançou um rápido olhar à retaguarda e deu ordem para avançar. O condutor não se fez rogado: pisando o acelerador com alegria, logo deixou para trás o arame farpado do aquartelamento, seguido de perto pelo burrinho, que, gingando e pulando a cada cova, não queria ficar para trás.

Do lado de cá das espessas núvens de pó, o Simões magicava. Aquele aspecto guerreiro dos homens, armados da cabeça aos pés, deixava-o, desta vez, preocupado. Arrependido da decisão que tomara em relação ao Batista, começou, de repente, a recear que o destino lhe reservasse alguma partida. Aquela picada que andavam a desmatar, lá prós lados de Boé, poderia, em sua opinião, ser um bico-de-obra dos graúdos.
— E se, por azar, acontecesse alguma coisa? E se caíssem numa emboscada? E o Batista?!... E se o Batista ficasse gravemente ferido ou até morto?...

A ideia de tal peso na consciência passou a assustá-lo e não pôde deixar de continuar a preocupar-se.
— Só estarei sossegado quando todos regressarem sãos e salvos.

Tentando dominar todo aquele pessimismo de circunstância, puxou de mais um cigarro. Mas foram nervosas aquelas chupaças profundas com que, cabisbaixo, se dirigiu para a messe. Escrevia para a família, quando ouviu o primeiro rebentamento. Estremecendo, distinguiu perfeitamente, na direcção do Quirafo, o matraquear contínuo das armas automáticas e os rebentamentos que se sucederam, galopantes.

Quando deixou de os ouvir, correu para fora. Apurou o ouvido, mas nada mais escutou.
—  Tudo tão rápido! Um minuto ou dois, no máximo... Que se teria passado?!... Emboscada?... Haverá baixas? Mortos?!...

A imagem sombria e triste do Batista passou-lhe diante dos olhos. Aturdido, sacudiu a cabeça, como quem quer acordar de um sonho mau. Já os grupos de intervenção partiam em direcção a Madina, quando o Simões correu para o posto de transmissões. Depois daquele tremendo choque eléctrico, que lhe percorrera o corpo todo, atormentavam-no agora a incerteza, o medo... Não queria acreditar no que lhe estava a acontecer.

Entraram em contacto com o destacamento de Madina, mas as primeiras notícias concretas trouxe-as, porém, um nativo, vinte minutos mais tarde. Viera correndo, a corta-mato, para avisar a tropa do Saltinho.
—  Morreram muitos! Prá'i vinte! Morreu tudo queimado!...

Simões sentiu-se desfalecer. Gemeu um "Meu Deus" e quis agarrar-se a alguém para não cair. As pernas, porém, dobraram-se-lhe pelos joelhos e tombou pesadamente no chão.

Visivelmente traumatizado no espírito, mas ileso no corpo, chegaria, pouco depois, o condutor da primeira viatura, que o acaso poupara a tão trágico fim. Nervosíssimo, deambulando de um lado para o outro, parecia não sentir-se ainda em segurança. Respondia, no entanto, a cada pergunta, a cada súplica.
—  Os que iam comigo morreram todos. Além de mim, o único que saiu vivo da picada foi o Batista. Vi-o correr, todo ensanguentado, pelo mato...

Quando o Simões recobrou a consciência e soube que o Batista, afinal, não estava morto, ganhou novo alento. Mas não almoçou. Nem jantou.
—  Onde estará o rapaz?! Por que não apareceu ainda? Serão os ferimentos tão graves que o impeçam de chegar ao Saltinho ou, pelo menos, a Madina, que fica a dois passos apenas do local da emboscada?!...

Às duas da manhã, só, num canto da messe, continuava a esperar que o Batista aparecesse ou desse sinal de vida. Lá fora, aparentemente indiferentes a toda aquela tragédia, os cangalheiros trabalhavam. O Simões, esse, desesperava. Cada martelada parecia querer rebentar-lhe os tímpanos e o sistema nervoso.

JN, 18/9/1974.. O Batista visitando a sua própria campa...
Mas controlou-se. E ele, que nunca fora muito de ir à missa, começou antão a rezar todas as orações que aprendera em criança. E entre cada oração, a súplica constante:
—  Ó Minha Nossa Senhora, fazei com que ele apareça! Não permitais que eu viva com tamanho remorso o resto da minha vida!...

E prometeu ir a Fátima, a pé.

Alvoreceu. Com o apoio de helicópteros, começaram as buscas, palmo a palmo, tentando localizar o homem. O Simões que nelas participava activamente, não se cansava nem se esquecia de orar em silêncio, renovando vezes sem conta a sua promessa de ir a Fátima. Mas o pobre do Batista não havia de aparecer. Nunca mais!... Nem vivo, nem morto...

Vinte meses após tão fatídico dia, o Simões descia a escada do avião que o trazia definitivamente para a metrópole. O seu semblante, carregado e tristonho, recordava agora, com mais intensidade ainda o desventurado Batista que, por sua culpa, morrera tão brutalmente. À sua volta, a companhia inteira cantava, gritava, dançava...
- Podia estar aqui agora, rindo e cantando como os outros!... Talvez com os pais, velhinhos, a esperá-lo lá no fundo!...

Ao imaginar a ternura daquele abraço impossível, duas grossas lágrimas lhe rolaram pela face. E sentiu, de novo, aquele tremendo nó seco na garganta, que lhe comprimia a alma.

Já depois da independência, quando, um dia, lhe perguntaram, lá no escritório onde trabalhava, se já tinha lido a história do "gajo que tinha sido dado como morto na Guiné e que acabava de regressar", arrepiou-se todo.
Inquieto, cheio de pressentimentos, não esperou pelo intervalo do almoço. Desculpou-se e correu a comprar o jornal:

"MORTO-VIVO DEPÔS FLORES NA SUA CAMPA",

Ainda na primeira página, a fotografia de um moço de bigodito. Curvado sobre uma campa. E na campa, uma lápide onde podia ler-se distintamente:

"À MEMÓRIA DE ALFREDO COSTA BATISTA.
FALECEU EM COMBATE NA PROVÍNCIA DA GUINÉ EM 17/4/72"

Dias depois, o Simões enfiou o seu velho camuflado da tropa e, terço na mão, soriso nos lábios, começou a caminhar em direcção a Fátima.

Fim

LEÃO DA MATA (***)

_______________


12 de outubro de 2014 > Guiné 63/74 - P13724: Fotos à procura de... uma legenda (39): Cátia Félix e a sua amiga Cidália Ferreira, viúva do António Ferreira, 1º cabo trms, CCAÇ 3490 (Saltinho, 1972/74), morto em 17 de Abril de 1972 na emboscada do Quirafo 

18 de abril de 2009 > Guiné 63/74 - P4207: In Memoriam (20): Para o António Ferreira e demais camaradas mortos no Quirafo (Juvenal Amado)

sexta-feira, 25 de março de 2016

Guiné 63/74 - P15901: (De)caras (37): Homenagem ao José António Almeida Rodrigues (1950-2016), ex-sold at inf, CCAÇ 3489 / BCAÇ 3872 (Cancolim, 1972/74)... Nove noites e nove dias, em fuga, escondendo-se de dia no mato, por vezes vendo e sentindo as tropas IN que o procuravam e, de noite, descendo o rio Corubal até encontrar o nosso quartel do Saltinho... Desertor ? Louco ? Herói ? Proponho a sua integração, a título póstumo, na nossa Tabanca Grande (José Manuel Lopes, Régua)

1. Duas mensagens, com data de ontem, do José Manuel de Melo Alves Lopes, o Zé Manel da Régua, o nosso poeta Josema, vitivinicultor, duriense [, ex-fur mil, CART 6250/72, "Os Unidos de Mampatá, Mampatá, 1972/74, foto à esquerda]

Régua, 24 de Março de 2016

(i) O José António [Almeida Rodrigues, 1950-2016] era, para a maioria, mais um louco que veio da Guiné. Um apanhado pelo clima, um problemático que se devia evitar.

Para mim e muitos dos nossos camaradas, que conheceram de perto as situações que viveu, nos tempos de guerra, e que mais tarde soubemos do seu sofrimento nas prisões de Conacri e do Boé, da épica fuga deste último local, numa canoa, rio Corubal abaixo!... 

Nove noites e nove dias, escondendo-se de dia no mato, por vezes vendo e sentindo as tropas IN que o procuravam e, de noite, descendo o rio até encontrar dois nativos que cultivavam numa bolanha perto do Saltinho e o levaram até ao quartel.

Sim, para nós, ex-combatentes, o Zé António também foi um herói, não reconhecido como tantos outros.
Quero nesta pequena homenagem que lhe fazemos, salientar o apoio da Tabanca de Matosinhos, o carinho e amizade que lhe dedicaram nos poucos convívios das Quartas-Feiras,  em Matosinhos, em que esteve presente.

Também um muito obrigado à Dona Jovelinda, da casa de acolhimento que o acolheu nestes últimos 8 anos, pela forma como o tratou e cuidou.

José António, descrever os momentos difíceis que viveste, as aventuras e agruras da tua vida não é fácil nem de contar nem de entender. Resta-nos procurar lembrar ao mundo as tuas memórias e honrá-las.

Sabes, José António? Ontem de madrugada, tal como tu, morreu também o António Batista, teu companheiro de prisão em Conacri e no Boé.

Até um dia,
José António


José António Almeida Rodrigues
 (1950-2016) 
(ii) Conheço a sua versão dos acontecimentos, pois quando da recolha de dados para procedermos a um pedido de um subsídio de prisioneiro de guerra, o mesmo foi recusado pois ele foi considerado desertor.

Estranhei o facto, pois ele foi tratado pelo PAIGC da mesma maneira que os outros prisioneiros, enquanto que, no caso dos desertores, o tratamento era diferente, eles conseguiam ser colocados em países que os escolhessem e que lhes davam asilo político.

Falei com ele e a sua versão foi de que, sendo ele um apaixonado pela caça (e já o era cá no Douro), saía com frequência para fora do aldeamento [, e aquartelamento de Cancolim,] para ir à caça. Da ultima vez que o fez, o seu grupo de combate tinha saído para uma missão. Quando regressou a Cancolim, foi duramente repreendido pelo capitão. Em resposta disse que, se eles tinham saído, ele também era homem para os encontrar!... E foi ao encontro do grupo, mas deparou primeiro com um bigrupo do PAIGC... Pensavam  ser os seus camaradas, só dando pela realidade quando estava no meio deles.

Perante tal situação, a justificação para um acto tão irreflectido era a versão da deserção. Tentei confirmar a esta sua versão com um elemento da sua companhia [, a CCAÇ 3489,] que me disse apenas muito vagamente que ele era um tanto louco, mas também que não podia afirmar que ele tinha desertado.

Por tudo aquilo que ele passou, pelas conversas e recordações que partilhamos, gostaria de propor que ele fizesse parte da lista  mortos da nossa Tabanca Grande.

José Manuel Lopes
  

2. Comentário do editor:

Há aqui uma proposta do Zé Manel Lopes, da Régua, o nosso poeta de Mampatá, que ajudou também o Zé António a sair da miséria em que se encontrava... A proposta é simples: admitir o Zé António como grã-tabanqueiro n.º 713, indo diretamente para o "talhão" onde estão os nossos mortos, na grande maioria combatentes, alguns dos quais entraram diretamente por este processo, ou seja, "post mortem", como se diz, ou seja, a título póstumo.

O Zé António partilhou, em vida,  a sua história connosco através do Zé Manel... Parece que os burocratas do exército o consideravam (ou chegaram a considerar) como "desertor", e não como "prisioneiro de guerra". Enfim, não temos acesso ao seu processo individual, e admitimos que a questão seja técnica e juridicamente complexa... De resto, quem é que se interessa hoje pela "honra e glória" de um pobre Zé Soldado que fez uma guerra já esquecida ?!...

A pergunta é: foi um desertor, foi um louco, foi um herói, ou foi um simples combatente como todos nós? Merece ser nosso grã-tabanqueiro? A sua odisseia, a sua história, a alguns de nós,  tocam-nos. O que é que os nossos amigos, colaboradores permanentes do blogue, "guardiões do templo", pensam sobre este caso? E os demais camaradas e amigos da Guiné? Todos têm uma palavra a dizer...

Aguardamos as vossas respostas.
Boa Páscoa, melhores amêndoas (doces).
Os editores.
_________________

Notas do editor:

(*) Vd. poste de 24 de março de 2016 > Guiné 63/74 - P15896: In Memoriam (248): Morreu também, ontem, o José António Almeida Rodrigues (1950-2016), natural da Régua... Era sold at inf, CCAÇ 3489 / BCAÇ 3872 (Cancolim, 192/74)... Foi companheiro de infortúnio, no cativeiro, em Conacri e no Boé, do nosso António da Silva Batista (1950-2016)... Fugiu dos seus captores, em março de 1974, andou 9 dias ao longo das margens do Rio Corubal até chegar ao Saltinho... Teve uma vida de miséria, mas também conheceu a compaixão humana, a solidariedade e a camaradagem... É aqui evocado pelo José Manuel Lopes.

(**) Último poste da série > 21 de março de 2016 > Guiné 63/74 - P15880: (De)caras (36): Os bravos da Magnífica Tabanca da Linha: relatório de mais uma operação, a 24.ª (Texto de José Manuel Matos Dinis / fotos de Miguel Pessoa)

Guiné 63/74 - P15900: O nosso blogue como fonte de informação e conhecimento (36): quantos quilómetros terá feito, em 9 dias, o valente soldado José António Almeida Rodrigues, na sua fuga, desde o local onde era mantido em cativeiro, na região do Boé, até ao seu porto de salvação, no Saltinho ?


Guiné > Mapa da província (1961) > Escala 1/ 500 mil > Pormenor: o percurso do Rio Corubal, assinalado a amarelo, desde a fronteira, na região do Gabu até ao Saltinho...  Ninguém nos sabe dizer ao certo qual o comprimento do maior rio da Guiné, desde a nascente, no Futa Djalon, na Guiné Conacri até à foz, no estuário do Geba, a seguir ao Xime... Já lemos 560 km, já lemos 450 km... A olhómetro, dois terços do seu sinuoso percurso devem ser na Guiné-Bissau... Do Saltinho até à fronteira devem ser uns 220/250 km... No mapa estão sinalizados aquartelamentos e destacamentos, alguns entretanto desativados no tempo de Spínola (Beli, Madina do Boé, Cheche, Xadina Xaquili, Quirafo...)

Infogravura: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné (2016)


Guiné > Região de Bafatá > Saltinho > Rio Corubal > Uma das mais belas "piscinas naturais" do mundo... Foto do álbum do Arlindo Roda (ex-fur mil, CCAÇ 12, Bambadinca, 1969/71)

Foto: © Arlindo Roda (2010) / Blogue Luís Graça & Canaradas da Guiné. Todos os direitos reservados


1. Na Guiné, que era(é) do tamanho do Alentejo, as distâncias não se mediam em quilómetros, mas em horas e dias... E se era penoso, andar de dia com temperaturas tórridas e 100% de humidade no ar!... 

Pelas cartas, em linha reta, parece tudo uma maravilha: de Bambadinca até ao Xitole, por estrada, deviam ser uns 45 km, mais 25/30, até ao Saltinho, faziam 70/75... Madina do Boé parecia estar a 65/75 km de Madina do Boé... Até Canjadude, seriam uns 25/30 km, e daqui até ao Rio Corubal (, que era atravessado de jangada, na margem esquerda ficava Cheche) eram mais uns 15/20... Daqui até Madina, era um "saltinho"... Mais uns 20/25 km... O que é isso, hoje, para quem está habituado a andar em autoestrada, de cu tremido ?

Digam-nos lá quantos quilómetros terá feito, a pé, em fuga, ao longo de uma das margens do rio Corubal (presume-se que a margem esquerda), do sítio, algures na região do Boé, onde vivia em cativeiro, até ao seu porto de salvação, o Saltinho, o nosso valente soldado José António Almeida Rodrigues (1950-2016) ?(*)

Na hipótese de no máximo fazer 10 km por dia, de madrugada e ao fim da tarde, o tal campo de prisioneiros não andaria muito da antiga Madina do Boé...  Não sabemos grandes pormenores da odisseia do nosso Rodrigues, a não ser que a fuga se dá na época seca, em março de 1974... Pode-se perguntar:
(i) em que altura do dia caminhava;
(ii) foi a corta-mato (o que nos parece improvável, não devendo ter nenhuma catana consigo para abrir caminho);
(iii) quantas horas descansava;
(iv) como se alimentava,  etc. Mas, sendo natural da Régua, ele estava pelo menos familiarizado com um rio, o  rio Douro... 

Sabe-se que caminhou, pelo mato, em contacto visual com o rio... No entanto, as  margens do rio estão cheias de obstáculos, a começar pela vegetação densa, o terreno, os afluentes do Corubal, etc... É possível que tenha também seguido alguns trilhos, mais recentes ou mais velhos... Também não sabemos se os seus carcereiros foram atrás dele... Nem o seu estado de saúde, físico, psicológico e mental... Mas a jornada diária deve ter sido terrivelmente penosa...

Enfim, o que nos dizem os peritos da Tabanca Grande, e sobretudo quem andou por aquelas paragens, sabe as cartas ou foi "ranger"? Toca a fazer essas contas, com vários cenários... (**)
____________

Notas do editor:

(*) 24 de março 2016 > Guiné 63/74 - P15896: In Memoriam (248): Morreu também, ontem, o José António Almeida Rodrigues (1950-2016), natural da Régua... Foi companheiro de infortúnio, no cativeiro, em Conacri e no Boé, do nosso António da Silva Batista (1950-2016)... Fugiu dos seus captores, em março de 1974, andou 9 dias ao longo das margens do Rio Corubal até chegar ao Saltinho... Teve uma vida de miséria, mas também conheceu a compaixão humana, a solidariedade e a camaradagem... É aqui evocado pelo José Manuel Lopes.

(**) Último poste sa série > 18 de março de 2016  > Guiné 63/74 - P15875: O nosso blogue como fonte de informação e conhecimento (35): antigo quartel de Jabadá Porto, setor de Tite, ou outros antigos quarteis das NT na região de Quínara: quem quer e pode ajudar a Inês Galvão, jovem doutoranda em antropologia que vai estar até junho na Guiné-Bissau ?

Guiné 63/74 - P15899: Recortes de imprensa (79): Uma "histórica" entrevista dada, em 18/9/1974, pelo António da Silva Batista (1950-2016) ao extinto "Comércio do Porto", quando regressou ao "mundo dos vivos" (Mário Miguéis da Silva, ex-fur mil rec Inf, Bissau, Bambadinca e Saltinho, 1970/72; vive hoje em Esposende)


Comércio do Porto















PS - O António voltou a reatar o namora com a sua "Lola" (Maria da Glória, de Santa Cruz do Bispo, Matosinho), casaram e tiveram duas filhas. Vd. aqui texto do José Teixeira (*)

Recorte de imprensa (**), com a entrevista "histórica" que o nosso camarada António da Silva Batista (1950-2016) deu ao extinto "Comércio do Porto" aquando do seu regresso a casa, ou seja, ao "mundo 
dos vivos"... O seu caso, insólito, também foi tratado pelo "Jornal de Notícias" (JN), do Porto.  Foi este jornal que publicou, na sua edição de 18 de setembro de 1974, a foto mostrando o soldado António da Silva Batista a visitar a sua própria campa, depois do regresso do cativeiro... O título da notícia do jornal era: "Morto-vivo depôs flores na sua campa". Na lápide podia ler-se: "À memória de António da Silva Batista. Faleceu em combate na província da Guiné em 17-4-1972". (***)

Foi o Mário Migueis da Silva (ex-fur mil rec Inf, Bissau,Bambadinca e Saltinho, 1970/72) quem em 22/4/2009,  nos mandou este recorte de imprensa, com a reportagem feita pelo "Comércio do Porto". 


JN, 28/971985


O Mário Migueis da Silva, que estava no Saltinho e assistiu  de perto à tragédia do Quirafo, escreveu também um conto,  baseado neste acontecimento. Foi publicado no JN do dia 28 de setembro de 1985. Mais tarde, foi republicado no nosso blogue,  com a devida autorização da direção daquele jornal. Pode ser relido aqui (****).  

Foi a sua forma de homenagear este nosso querido camarada, o António da Silva Batista,  que acaba de  nos deixar para sempre, ficando todavia connosco a sua memória, a sua humildade, o seu sorriso tímido, a sua camaradagem,  e a sua passagem também pelas nossas vidas e pelas nossas tabancas.


Tabanca de Matosinhos > 2009 > O Batista e o Mário Migueis que, juntamente com o Paulo Santiago, muito contribuíram para o deslindar da verdade dos factos relativamente à trágica emboscada do Quirafo, um topónimo de trágica memória...

Em 17 de julho de 2007 ainda andávamos todos à procura do Batista: o Paulo Santiago, o Álvaro Basto, o J. Casimiro Carvalho... O Batista seria depois, logo a seguir, localizado pelo Álvaro Basto, através da lista telefónica... Encontraram-se na Maia, em 21/7/2007, eles os dois, mais o Paulo Santiago e o João Santiago... O Batista, que trabalhou no aeroporto de Pedras Rubras, estava reformado, e era membro da nossa Tabanca Grande.

Foto: © Álvaro Basto (2009). Todos os direitos reservados.
____________

Notas do editor:

(*) Vd. poste de  24 de março de 2016 >  Guiné 63/74 - P15897: In Memoriam (249): "No Dia da Minha Morte"... A história de amor que o António da Silva Batista (1950-2016) gostaria que eu vos contasse no dia da sua morte... (José Teixeira, régulo da Tabanca de Matosinhos)

(**) Último poste da série > 4 de janeiro de  2016 > Guiné 63/74 - P15578: Recortes de imprensa (78): Vicente Batalha, de alf mil cav, CCAV 1483 (CTIG, 1965/67) a cap mil, cmdt do Departamento de Fotografia e Cinema 3011 (Angola, 1972/74)

(***) Vd. poste de 23 de março de  2016 > Guiné 63/74 - P15894: In Memoriam (247): António da Silva Batista (1950-2016)... A segunda morte (esta definitiva!) de um camarada a quem carinhosamente chamávamos o "morto-vivo do Quirafo". O funeral é amanhã, às 15h45, na igreja de Santa Cruz do Bispo, Matosinhos