quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Guiné 63/74 - P16672: Debates da nossa tertúlia (I): Nós e os desertores (16): o caso do soldado básico auxiliar de cozinheiro Miranda (Tino Neves, ex- 1º cabo escriturário da CCS / BCAÇ 2893, Nova Lamego, 1969/71)


Guiné > Zona Leste > Região de Gabu > Nova Lamego > CCS / BCAÇ 2893 (1969/71) > Salão do cinema de Nova Lamego: do lado direito, o Tino Neves, 1º cabo escriturário, e do lado esquerdo o soldado básico, auxiliar de cozinheiro, de apelido Miranda, em serviço de PU - Polícia da Unidade.  O Miranda, acusado justa ou injustamente de ser "amigo do alheio", acabou por "fugir" para o PAIGC...

Foto: © Tino Neves (2007). Todos os direitos reservados.


1. Este texto, que se segue,  esteve para ser publicado em abril de 2007, chegou mesmo a ser editado sob o nº 1645, e depois retirado; devia inaugurar a série "Estórias do Gabu" (*)...

Por razões editoriais, ficou em "stand by": considerava-se, na época. que o tema da "dcserção" era delicado, polémico  e até fracturante; por outro lado, havia algum pudor em identificar o militar em causa, pertencente à CCS/BCAÇ 2893 (Nova Lamego, 1969/71).

 Acabámos por publicá-lo em 10/11/2012, com pequenas alterações (*).  Afinal, é a história (pública) de um "desertor" (, "fujão", era o termo ainda cru e cruel, que vinha no título da "estória do Gabu"), contada por um camarada, o Constantino Neves,  que com ele privou e conviveu...

Toda a gente da CCS/BCAÇ 2893 sabia da história e muita gente inclusive terá acabado,    sem o querer,  por empurrar o Miranda, para os braços do inimigo de ontem... Não vemos hoje razões para esconder o seu rosto, mais de 45 anos passados sobre o acontecimento.

De resto, este militar, que foi nosso camarada,  é apenas identificado pelo apelido, como era prática comum na tropa.  Não sabemos nada sobre o seu paradeiro atual, nem sequer sabemos se ainda estará vivo.  Mais: não sabemos pormenhores sobre a sua saída do quartel (velho) de Nova Lamego nem sobre a sua eventual colaboração com o IN.

Convém lembrar que este caso se passou em 1970 por volta de março/abril de 1970. Em 15 de novembro desse ano, Nova Lamego é atacado em força, brutalmente,  pelo PAIGC,  originando 3 mortos entre as NT, 4 feridos graves, 8 ligeiros, 8 mortos entre a população, 50 feridos graves, 30 ligeiros (**)...

Não sabemos se a traição do Miranda foi ao ponto de fornecer informações preciosas, ao PAIGC, sobre o quartel (velho) e a vila de Nova Lamego. A verdade é que esta flagelação  a instalações militares e civis nossas foi das mais graves e "cegas" de que eu tive conhecimento, no leste, no meu tempo (maio de 1969/março de 1971). Também não sabemos se o Miranda nesta altura ainda estava nas fileiras do PAIGC, se é que alguma vez esteve... Entre o mito e a realidade, é sempre difícil descobrir a verdade (***)...

A  ter sido um caso de deserção (e tecnica e juridicamente foi), parece-nos um caso "atípico"... [Ou talvez não, veja-se o que esteve na origem de outra "deserção", já aqui relatada, a do fuzileiro António Trindade Tavares, o célebre G3 (**), Ambas  são histórias que, antes de provocarem a nossa indignaçãoo, devem merecer a nossa compaixão.]

Sobre o Miranda não encontrámos qualquer registo no Arquivo Amílcar Cabral / Casa Comum / Fundação Mário Soares. De resto, sobre os "nossos desertores" o Arquivo Amílcar Cabral é pobrezinhho... (LG)


2. O texto a seguir é da autoria  do nosso camarada Constantino (ou Tino) Neves, ex- 1º cabo escriturário da CCS / BCAÇ 2893 (Nova Lamego, 1969/71) (*)


Conheci em tempos um camarada nosso que, em Nova Lamego, desertou para o PAIGC. Não me compete fazer juízos de valor sobre o seu comportamento.

Trata-se do soldado auxiliar de cozinheiro [, de apelido Miranda], de que mando foto, em que está marcado com uma seta a branco...

A foto foi tirada no salão do cinema de Nova Lamego, numa festa de variedades, em que actuava uma cantora vinda da Metrópole, do Seixal, e eu estava de cabo de dia. Como o furriel destinado à Polícia da Unidade (PU) se tinha baldado, o oficial de dia, o capitão, omandante da CCS, mandou-me substituir o furriel, e assim aproveitei para ir assistir às variedades.

O soldado Miranda,  já era velhinho (de 1966), e fora mobilizado para a Guiné, por castigo, pelo vício que tinha,  dizia-se !, de se "apropriar do alheio", vício de que não se curou, tendo assaltado um dia, aliás uma noite, a Sala do Soldado,  e roubado 20.000$00 [, vinte contos], o que era bastante dinheiro na altura. [Equivaleria hoje a 5.698,45 €. (LG)]

Em fevereiro de 1970, o Miranda  foi punido com 10 dias de prisão disciplinar agravada e em março de 1970 novamente com mais 10 dias de prisão disciplinar agravada, referente ao mesmo delito, dados por Bafatá [Comando de Agrupamento 2957].

E, em face disso, nós dizíamos-lhe que ele iria apanhar 20 anos, 1 ano por cada conto roubado, quando a Ordem de Serviço (O.S.) chegasse ao general Spínola. O pobre coitado acreditou, de tal maneira que pediu a um elemento civil, a trabalhar no quartel (velho), nas limpezas, para que o ajudasse a fugir e que o levasse para junto do PAIGC. O pedido foi aceite, e ele fugiu.

Mais tarde, em alguns ataques, foram deixados nos locais de onde nos atacavam, vários papéis supostamente escritos pela mão do soldado Miranda, a solicitar para que fizéssemos o mesmo, que seríamos bem recebidos, como ele, que estava muito satisfeito, porque agora ele era o cozinheiro de serviço dos guerrilheiros.

Também havia relatos de que, em várias emboscadas, chegaram a ouvir ex-militares portugueses a gritar do outro lado, dizendo o seu nome, posto e nº mecanográfico, e que se entregassem, porque estávamos do lado errado.

Portanto, o soldado básico Miranda. não fugiu por motivos políticos, mas sim por medo à prisão. Isto é o que eu presumo. De qualquer modo, era uma situação diferente da de outros, desertores ou refractários, que, na metropóle, arriscaram a fuga nos Altos Pirinéus e a possibilidade de serem capturados ou mesmo alvejados pela polícia.

Um Abraço
Tino Neves


3. Comentários do editor, do autor e de Rogério Cardoso (*)

(i) Editor:

Tino: O teu camarada Miranda, soldado básico, auxiliar de cozinheiro (como outros soldados básicos que eu conheci, já com antecedentes "disciplinares"...), seria apenas um "pobre diabo", como se  pode deduzir da tua versão dos acontecimentos.

 Não sei se ele ainda é vivo e tem família, amigos, vizinhos, se vive algures em Portugal, e até se poderá vir a ter conhecimento deste poste... Espero bem que sim, que esteja vivo e de boa saúde, e que inclusive nos possa ler.

Como sabes, o nosso blogue não é nenhum tribunal (muito menos militar). E não fazemos  justiça, muito menos por nossas próprias mãos. Como qualquer um de nós que passou pelo TO da Guiné, o teu camarada Miranda  tem o direito ao bom nome e reputação,  tem direito a defender-se, se for caso disso, das acusações que lhe foram feitas.

Hesitámos em identicá-lo, mesmo através do apelido:  mas hoje já não faz qualquer sentido, a punição dele vem na Ordem de Serviço do batalhão, e na história da unidade, possivelmente disponível no Arquivo Histórico Militar para consulta de qualquer um de nós. E depois a deserção é um ato tão público como os demais que aqui relatamos e relembramos todos os dias: os ataque,  flagelações ou emboscadas no dia tal e  tal, as baixas que tivemos, os louvores, etc...

Já tinhamos publicado esta estória, sem a identificação clara do militar em causa... Mas afinal  o caso é público e notório, podendo toda a gente da tua CCS corroborar, confirmar ou infirmar a tua versão dos factos. Sabes disso, e por isso também não podem ser postas em causa a tua palavra e a tua boa fé... Já a memória pode ser mais traiçoeira..,

Como tive ocasião de te dizer,  esta história teve uma vida atribulada no blogue. Deveria ter sido a estória do Gabu nº 1. Não o foi. Hoje, que voltamos a abrir o dossiê dos "desertores", achamos que ela ser publicada, apenas com um título diferente daquele que tinhas sugerido, em que chamavas "fujão" ao teu cmarada... "Desertor" é uma palavra feia para a maior de nós, ex-combatentes, mas "fujão" ainda é mais...

Tino, quero que saibas que tens jeito e talento para contar estas histórias de caserna, passadas na "tua" Nova Lamega, de que tambéns boas recordações. Obrigado pela tua colaboração. E continuamos sempre à espera de mais. De resto, és um membro da nossa Tabanca Grande, de longa data,  sempre solícto e prestável. Boa saúde, longa vida e excelente memória.


(ii) Tino Neves

Uns anos atrás, um camarada da minha companhia contou-me que ele, o "fugitivo", quando regressou à sua terra natal, foi recebido como um herói, com recepção e tudo.

Tentei contactá-lo mas não consegui. Desconheço o seu paradeiro.

(iii) Rogério Cardoso

Eu também concordo, que a fuga teve a ver com o medo à provável quantidade de anos de prisão   que iria ter pelo furto e antecedentes, e que no fim era um pobre diabo, que a sua deserção não era por motivos politicos, o que na altura era o mais grave.

Pois se outros fugiram, individuos com grandes responsabilidades de comando, como oficiais, e foram desculpados e até candidatos a altos cargos da Nação, porque não este moço?

__________

Notas do editor:

(*) Vd. poste de 10 de novembro de 2012 > Guiné 63/74 - P10645: Estórias do Gabu (7): O soldado básico que um dia se passou para o lado do inimigo...

(**) 15 de julho de 2016 >  Guiné 63/74 - P16305: Efemérides (233): 15 de novembro de 1970, às 11 da noite, o quartel e a vila de Nova Lamego são violentamente flagelados com fogo de 4 morteiros 82, durante 35 minutos... 3 mortos entre as NT, 4 feridos graves, 8 ligeiros; 8 mortos entre a população, 50 feridos graves, 30 ligeiros... Valeram-nos os Fiat G-91 estacionados em Bafatá... Spínola mandou construir um quartel novo, fora da vila, inaugurado em 31/1/1971 (Tino Neves, ex-1º cabo escriturário, CCS/BCAÇ 2893, 1969/71)

(***) Vd. último poste da série > 27 de outubro de 2016 > Guiné 63/74 - P16647: Debates da nossa tertúlia (I): Nós e os desertores (15): Desertor era o militar que (i) foi incorporado, (ii) estava nas fileiras e (iii) as abandonava ao fim de algum tempo... Desconfio um bocado do número de desertores que foi avançado pelos historiadores Miguel Cardina e Susana Martins, se for aplicada a definição exacta dos regulamentos da época (António J. Pereira da Costa, cor art ref)

5 comentários:

Tabanca Grande disse...

Tino, temos de reconhecer que foi um "momento de glória", essa tua foto, tirada no cinema de Nova Lamego, é de antologia... Fazer um serviço de PU - Polícia da Unidade, não era para todos... Eu não me lembro de ter feito nenhum...

Não contas o resto, mas presumo que tu e o "velhinho" Miranda tiveram ambos uma noite tranquila... Espero bem que sim. Um abraço. LG

Adelaide Barata disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tabanca Grande disse...

Tino:

Como vês, voltei a publicar a tua estória do "fujão"... Miranda... Mas há aqui umas perguntinhas para tu responderes (se souberes, puderes e quiseres)

(i) sabes o nome completo dele ?

(ii) e as voltas que a vida lhe deu , por onde terá andado ?

(iii) terá voltado ao país e sido amnistiado ?

(iv) estaria ainda nas fileiras do PAIGC aquando do ataque a Nova Lamego, em 15/11/1970 ?

(v) sabes algo mais sobre ele ?

Não encontro qualquer referência ao "desertor" Miranda no Arquivo Amílcar Cabral...

Um abraço do tamanho do Rio Geba. LG

Comenta, se puderes e quiseres...

Ab. Luis Graça.

meusdvdsfilmes disse...

Olá Luis
Respondendo ao teu pedido sobre o nome do Miranda, fiz a minha pesquisa sobre os dados que tenho sobre todos os militares da CCS/BatCaç. 2893, que consegui na altura em que comecei a organizar os Convívios da Companhia.
Na História da Unidade tenho a referência ao único MIRANDA da CCS que foi punido em Fevereiro e Março de 1970, com 10 (dez) dias de prisão disciplinar agravada em ambos os meses, ou seja 10 + 10 dias de prisão. MANUEL AUGUSTO GOMES MIRANDA, Soldado Auxiliar de Cozinheiro nºMec. 084929/66. Nunca consegui saber o contacto dele nem onde residia. Como referi no post em causa, alguém num dos convívios que organizei me disse que ele após o 25 de Abril, regressou à Terra dele e foi recebido como um herói. A quando do ataque de 15/11/1970 ele com toda a certeza já lá estaria, pois a punição dele foi em Fevereiro e Março de 1970. Um abraço TINO NEVES

Tabanca Grande disse...

Obrigado, Tino... Queres tu dizer que "aquando do ataque de 15/11/1970 [a Nova Lamego], ele com toda certeza já lá NÃO estaria"... a avaliar pela data da punição (fevereiro e março de 1970)... A desereção deve ter sido logo a seguir, talvez por volta de março/abril, uma decisão "a quente"...

Mas quem nos garante que ele não tenha morrido "pelo caminho" ?

Na Net não há rasto do seu nome... O que parece vir confirmar o provérbio popular, "De gente pobre até o rasto é triste"...

Mais próximo destas datas, encontrei no Arquivo Amílcar Cabral um telegrama, assinado por Amílcar Cabral, e com data de 15 de maio de 1970, dirigido ao Comité Angola, em Amsterdão, Holanda, em inglês, nestes termos:

"Please inform possibility receive two young desertors arriving by plane without visa. Cabral PAIGC"

[Tradução: Por favor digam-nos da possibilidade de receber dois jovens desertores que chegar de avião sem autorização legal".]

É possível que o nosso Manuel Augusto Gomes Miranda seja um destes 2 jovens desertores e viva hoje na Holanda, e até tenha a nacionalidade holandesa...


Fonte: Casa Comum
Fundação Mário Soares
Pasta: 07070.117.043
Assunto: Jovens desertores
Remetente: Cabral, PAIGC
Destinatário: Angola Comité
Data: Sexta, 15 de Maio de 1970
Observações: Doc. incluído no dossier intitulado Telegramas.
Fundo: DAC - Documentos Amílcar Cabral
Tipo Documental: Correspondencia


Citação:
(1970), Sem Título, CasaComum.org, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_34754 (2016-11-3)