terça-feira, 1 de novembro de 2016

Guiné 63/74 - P16666: Memória dos lugares (351): Canquelifá, a minha primeira estadia no mato. Permaneci lá durante o terceiro trimestre de 1966. Muitas coisas boas e más aconteceram durante esse tempo (Adão Cruz, ex-Alf Mil Médico da CCAÇ 1547)

1. Mensagem do nosso camarada Adão Pinho da Cruz, Médico Cardiologista, ex-Alf Mil Médico da CCAÇ 1547/BCAÇ 1887, (Canquelifá e Bigene, 1966/68), dirigida ao nosso amigo tertuliano Cherno Baldé, trazendo ainda algumas fotos de Canquelifá:

Caro Cherno Baldé,
Gostei muito da tua explicação. Estive em Canquelifá durante 3 meses, em 1966, talvez de meados de Junho a meados de Setembro, com a Companhia do então Capitão Pita Alves, um porreiraço.
Foi a minha primeira experiência no mato. Fiz boas amizades com militares e civis. Aí conheci o Régulo do Pachisse e o filho, de quem era amigo.
Conheci também o Anso, chefe da milícia, que, segundo me disseram mais tarde, foi executado após a independência.
Ainda tenho a foto dos seus dois filhitos, bebés.

Um abraço
Adão Cruz

************

Ainda Canquelifá, a minha primeira estadia no mato. Permaneci em Canquelifá durante o terceiro trimestre de 1966.
Muitas coisas boas e más aconteceram durante esse tempo.
Relatá-las levava um livro.


Canquelifá (à direita e em cima o nosso aquartelamento)

Na consulta

Gabinete de consulta

Novamente Fátima Demba, a companheirinha de todos os dias.

De novo os filhos do Anso

O Anso (que foi fuzilado após a independência, segundo me contaram), o alferes Duarte, o filho do Régulo e eu.

O Régulo do Pachisse (de óculos). Convidava-me muitas vezes para um wisky na sua palhota.

A Mesquita

O sino da Sé

A Sé Catedral

No mato, travessia de um charco
Fotos: © Adão Cruz
____________

Nota do editor

Último poste da série de 31 de outubro de 2016 > Guiné 63/74 - P16661: Memória dos lugares (350): Poucas terras fazem jus ao seu nome como Canquelifá, localidade guineense situada no seu extremo nordeste, e que em língua mandinga quer dizer "campo de batalha e de morte" (Cherno Baldé, Bissau)

2 comentários:

alma disse...

Whisky na Palhota do Regulo Muçulmano? J.Cabral

Adao Cruz disse...

Já não me lembro se ele bebia. Penso que seria só para as visitas. Era um Régulo muito evoluído. Vinha por vezes a Portugal, nomeadamente ao oftalmologista.