quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Guiné 63/74 - P16674: O Mundo é Pequeno e a nossa Tabanca... é Grande (104): As tábuas do cor inf ref Carlos Graciano de Oliveira Gordalina: o desfecho da história... (Rui Ribolhos Filipe, historiador e arqueólogo, filho de José Filipe, antigo fuzileiro, DFE 12, 1971/73)


Foto nº 1 > Da esquerda para a direita, o cor inf ref Carlos Gordalina e o antigo fuzileiro, do DFE 12, José Filipe


Foto nº 2 > José Filipe e o filho  Rui Ribolhos Filipe, com as tábuas do cor inf ref Carlos Gordalina



Fotos: © Rui Ribolhos Filipe  (2016). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. Mensagem do Rui Ribolhos Filipe, nosso leitor, filho de um camarada nosso, José Filipe, do DFE 12 [Guiné,  1971/73]


Data: 16 de outubro de 2016 às 15:32
Assunto: As Tábuas do Coronel Gordalina - O Desfecho


Caro Luís e camaradas da Tabanca Grande,

Após a nossa busca pelo coronel Carlos Gordalina, com a preciosa ajuda da Tabanca Grande (*), eis o desfecho.

No passado sábado dia 15 [de outubro] encontramo-nos (eu e o meu pai) com o sr. coronel Gordalina na sua casa em Lisboa. O motivo,  como sabemos, era entrega de duas tábuas que pertenceram a uma caixa de transporte do tempo da Guerra do Ultramar.

Foi com grande surpresa e alegria que,  ao abrir o embrulho, o sr. coronel deparou-se com algo que havia preparado há  mais de 40 anos: duas belas pranchas de madeira exótica com nº de transporte (929) / nº de caixa (3 de X) / Posto / Nome / Nº Mec. e  DGA (Depósito Geral de Adidos),
pintados a branco.

Como vieram parar a um sitio ermo como a estrada militar Carnide-Lumiar, perto do desaparecido paiol de Vale do Forno,  é um mistério. Em todo o caso ficamos a saber que o sr. coronel esteve nas
três frentes, Moçambique, Angola e Guiné. Nas mudanças entre colónias e metrópole, acompanhado da esposa, era usual preparar caixas de madeira para fazer transportar os bens pessoais.

A má experiencia quando não havia cuidado no manuseamento das caixas mnos portos, despachante ou navios, levou o nosso coronel a adquirir boas madeiras exóticas (abundantes nas colónias) de boa espessura para construir "caixas-fortes" bem resistentes.

Durante a nossa conversa [, na sua casa, em Lisboa,]  chegou-se à conclusão de que as caixas vinham de camioneta até à residência do sr. coronel. Depois de tirados os pertences, e visto serem demasiado grandes para serem guardadas em casa, as caixas ficavam para a transportadora. O coronel também disse que em ocasião alguma deitaria fora algo com o seu nome tão visível.

É muito possível que a caixa de onde as nossas tábuas vieram, ter estado guardada em algum armazém e em alguma limpeza ter sido despejada no local onde foi encontrada.

O sr. coronel Gordalina agradece a todos os quantos tornaram possível o retorno destas memórias!

Em anexo as famosas tábuas com os dois achadores e no momento da entrega com o coronel de infantaria Carlos Gordalina e José Filipe,  antigo fuzileiro,  DFE 12 [,Guiné, 1971/73].

Grande abraço,
Rui Filipe


2. Comentário do editor LG

Rui (e José Filipe, nosso camarada):

Tudo está bem acaba bem... Obrigado, ao Rui e ao pai, nosso camarada, pelo empenho que puseram nesta história...

Tive também "feedback", pela minha prima Maria da Glória Gordalina, da Gândara dos Olivais, Leiria, de que o nosso coronel (e  primo dela)  ficou muito sensibilizado pelo vosso gesto (e o nosso apoio).

Tínhamos prometido publicar  a história e o seu desfecho. Aqui está.

Aproveito para convidar o Rui a integrar a nossa Tabanca Grande: afinal, descubro agora, por pesquisa na Net, que ele é historiador e arqueólogo, e tem-se particularmente interessado por  história militar e pela batalha do Vimerio. Trabalhou inclusive, na minha terra Lourinhã, como responsável pelo Centro de Interpretação da Batalha do Vimeiro (entre 2008 e 2013). Nasceu em Lisboa, em 1978.

Diga-se de passagem que só uma pessoa com a dupla formação (e sensibilidade) em história e arqueologia, como o Rui,  é que se daria ao cuidado de nos contactar por causa de duas tábuas de um caixote que pertenciam a um oficial do exército português do tempo da já tão esquecida guerra do ultramar. Afinal, Rui, e camaradas, constatamos, mais uma vez, que o Mundo é Pequeno e a nossa Tabanca... é Grande!...

Abraço. LG

PS - Obrigado a todos,  pelos contributos dados para a localização do cor inf ref Carlos Graciano de Oliveira Gortalina, a começar pelo nosso colaborador permanente, o José Martins. O nosso camarada ex-alf mil, Vasco Ferreira, também nos indicou ter estado em Cadique, na Região de Tombali, em 1973, na CCAÇ 4540 (Cumeré, Bigene, Cadique, Cufar e Nhacra, 1972/74) , quando fazia parte do comando [do batalhão] o major Gordalina. Mas tarde, após o 25 Abril, o Vasco encontrou o major Gordalina no Porto, na altura era o 2º comandante da região militar do Porto no quartel situado, na Praça da República.

2 comentários:

José Marcelino Martins disse...

E o TESOURO "aqui tão perto".
Na realidade, todos os dias vejo (vista «péssima» diga-se em abono ou desabono do IMI». o local do antigo paiol do Vale do Forno que, mais não era, que um dos muitos fortes que rodeavam a capital e formavam o Campo Entrincheirado de Lisboa.

Nada, porém, acontece por acaso.

A protecção de Lisboa, iniciada no inicio do século XX, via terrestre, esteve para ser feita com um fosso com água, aproveitando o Rio da Costa (vai da Pontinha e liga a outros até ao Tejo), hoje quase seca, mas que foi navegável, existindo o Porto da Paiã), faltando apenas abrir o fosso ente a pontinha, para o ligar à ribeira do Jamor.

Anónimo disse...

Rui Ribolhos
6 nov 2016 19:11


Caro Luís,

Agradeço toda a ajuda e a publicação no Blogue do desfecho da nossa história. De facto trabalhei no CIBV onde fui responsável durante 5 anos. Foi de minha autoria a escavação arqueológica do campo de batalha.

É possível que nos tenhamos cruzado!

Um grande abraço,
Rui