sexta-feira, 15 de julho de 2016

Guiné 63/74 - P16305: Efemérides (233): 15 de novembro de 1970, às 11 da noite, o quartel e a vila de Nova Lamego são violentamente flagelados com fogo de 4 morteiros 82, durante 35 minutos... 3 mortos entre as NT, 4 feridos graves, 8 ligeiros; 8 mortos entre a população, 50 feridos graves, 30 ligeiros... Valeram-nos os Fiat G-91 estacionados em Bafatá... Spínola mandou construir um quartel novo, fora da vila, inaugurado em 31/1/1971 (Tino Neves, ex-1º cabo escriturário, CCS/BCAÇ 2893, 1969/71)



Guiné- Bissau > Região de Bafatá > Gabu (antiga Nova Lamega) > Fevereiro de 2005 > O José Couto entre dois militares das Forças Armadas da Guiné-Bissau, no centro da parada do antigo quartel das NT, junto ao monumento de homenagem a Amílcar Cabral (que, por sua vez, é uma canibalização do memorial aos mortos do BCAÇ 2893, que esteve ali sediado, o comando e a CSS,  entre 1969/71).

Foto: © José Couto / Tino Neves (2006). Foto gentilmente cedida por José Couto (ex-fur mil trms, CCS/BCAÇ 2893, Nova Lamego, 1969/71), camarada do nosso grã-tabanqueiro Constantino Neves.



Guiné > Região de Gabu > Gabu (Nova Lamego) > Memorial aos mortos do BCAÇ 2893 (1969/71)... A mesma pedra, virada ao contrário, irá servir - depois da independência - para lavrar uma homenagem ao "pai da Pátria", Amílcar Cabral (foto acima)...Sempre foi assim com todos os "conquistadores": os romanos construiram  sobre as ruinas gregas, os visigodos sobre as ruínas romanas, os mouros sobre as ruínas cristãs, os cristãos da reconquista sobre as ruínas do Al-Andalus, e por aí fora...

Os mortos do batalhão foram os seguintes: (i) Sold J. Rodrigues e Sold A. Seixas (CCS) [, mortos o ataque ao quartel e povoação em 15/11/1970, 1º aniversário do batalhão]; (ii) Sold J.Cavalheiro e Sold J. Paiva (CCAÇ 2618); (iii) Sold J. Conde (CCAÇ 2617); e (iv) Sold S. Fernandes e Sold A. Dias (CCAÇ 2619).

Foto : © Tino Neves (2012). Todos os direitos reservados [Edição: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]



Guiné > Zona leste > Região do Gabu > Nova Lamego > CCS do BCAÇ 2893 (1969/71) > Cerimónia de Inauguração do Quartel Novo em 31 de Janeiro de 1971.

Fotos do Constantino (ou Tino) Neves, ex-1º Cabo Escriturário, CCS/BCAÇ 2893, membro da nossa Tabanca Grande desde 2006.

Foto: © Tino Neves (2007). Todos os direitos reservados.


Guiné > Zona leste > Região do Gabu > Nova Lamego > CCS do BCAÇ 2893 (1969/71)  > 1970 > Povoação e quartel velho de Nova Lamego (hoje Gabu). Principais edifícios civis e militares.


 Guiné > Zona leste > Região do Gabu > Nova Lamego > CCS do BCAÇ 2893 (1969/71)  > 1970 > Povoação e quartel velho de Nova Lamego (hoje Gabu). Principais edifícios civis e militares. (Lado esquerdo da foto de conjunto).


Guiné > Zona leste > Região do Gabu > Nova Lamego > CCS do BCAÇ 2893 (1969/71) 1970 > Povoação e quartel velho de Nova Lamego (Gabú) > Principais edifícios civis e militares. (Lado direito da foto de conjunto).

Imagem aérea do quartel antigo e da vila.O quartel estava situado no centro da vila, formando um rectângulo e ocupando alguns edifícios civis. A foto, cedida por Roseira Coelho (,que o Tino Neves presume que fosse ten pilav), já vinha com as marcas sem a respectiva legenda. O Tino Neves completou a legenda:

(1) Caserna das Praças;
(2) Casas civis (para alugar);
(3) Loja dos irmãos Libaneses;
(4) Depósito de géneros;
(5) Estação dos CTT (civil);
(6) Destacamento de Engenharia;
(7) Messe de Oficiais;
(8) Messe de Sargentos;
(9) Parque e Oficinas Auto;
(10) Refeitório;
(11) Dormitório de alguns Sargentos;
(12) Sala do Soldado;
(13) Parque de Jogos.

Foto (e legenda): © Roseira Coelho / Tino Neves (2007). Todos os direitos reservados. [Edição: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. Lembranças de Nova Lamego: a  flagelação ao quartel e vila  em 15/11/1970 (*)

por Constantino Neves (ex-1º cabo escriturário, CCS/BCAÇ 2893, Nova Lamego, 1969/71) [, foto à direita]

O Batalhão de Caçadores 2893 foi formado em Chaves no ano de 1969. Era empregado de escritório e usaram os meus conhecimentos como primeiro cabo escriturário na CCS (Companhia de Comandos e Serviços).

A 15 de novembro de 1969 embarcámos para a Guiné, na Lisboa, no cais da  Rocha Conde de Óbidos, no T/T Uíge, regressando mais tarde no T/T Niassa.

Chegado a Nova Lamego (, hoje Gabu), eu não saía para o mato em missões,  durante o dia estava com  máquina de escrever mas à noite andava de G3.

O primeiro aniversário da nosso batalhão, a 15 de novembro de 1970, era para ser um dia de festa, mas foi um  dia fatídico. Fazíamos um ano que tínhamos embarcado. O nosso Comandante resolveu fazer uma festa, em comemoração desse dia, convidando um Oficial, um Sargento e um Praça em representação dos aquartelamentos mais próximos, pois, para além dum jantar melhorado para todos os presentes, também foi organizada uma festa de variedades no edifício do cinema da vila.

Como é natural, festa que se preze, não pode prescindir de um momento de "fogo de artifício"... Apesar de ninguém ter pensado e esperado que isso acontecesse, tivemos uma visita inesperada: sem que fosse convidado, o pessoal do PAIGC  veio  contribuir com a sua parte para "abrilhantar" a festa.

Às onze e tal da noite, quando a malta já estava toda deitada, começou a morteirada. Quando caiu a primeira já vinham 30 no ar. Fomos ver no final e eles atiraram 122.

Dois camaradas da minha CCS, foram atingidos pela única granada de morteiro que arrebentou dentro do quartel, quando ambos estavam escondidos debaixo de uma viatura GMC - que estava estacionada junto ao dormitório de alguns Sargentos [vd foto acima, ponto (11)], quando a mesma caiu a 1 metro deles. Foram eles o Soldado Básico Seixas e o Soldado Maqueiro Joaquim Rodrigues.

O sargento morto era um ex-militar da CCAÇ 5, "Os Gatos Pretos" (sedeados em Canjadude),  o 2º sargento mil enfermeiro, Cipriano Mendes Pereira, guineense, de etnia manjaca: estava mais a esposa,  de passagem para Bissau, de férias, mas resolveu ficar mais um dia para participar na festa do aniversário do Batalhão. Morreu, junto a sua esposa, no quintal de sua casa. Deixaram órfãs 2 crianças (um casal),  de tenra idade. Tinha sido colocado no HM 241, em Bissau, tendo deixado de pertencer à CCAÇ 5 em 10/10/1970.

Houve mortos e feridos, graves e ligeiros, também na população. Caiu uma granada de morteiro numa palhota, morreram todas as pessoas que lá estavam. No quartel só caiu uma mas bastou para matou dois camaradas da minha companhia. Fui-me esconder num posto de rádio que era blindado. Já estava quase cheio mas consegui enfiar-me lá dentro enquanto outro camarada ficou à porta e ainda apanhou com estilhaços nas pernas.

O ten SGE Barata, da CCS,  também estava com a família, em Nova Lamego: esposa e 3 filhos menores (1 rapaz e duas gémeas). Adelaide Barata Carrêlo, então com 7 anos, era uma das duas meninas. Num depoimento emocionado que iremos publicar, noutro poste, recorda os seus medos dessa noite. É a nossa mais recente grã-tabanqueira, com o nº 721.(**)


Guiné > Zona Leste > Gabu > Canjadude > 1969 > CCAÇ 5 - Os Gatos Pretos (1968/70) > O Fur Mil Transmissões José Marcelino Martins com o seu amigo e camarada Cipriano Mendes Pereira (srgt mil enf) [Foto à direita] (***)

Foto: © José Martins (2006) . Todos os direitos reservados.

Por causa desse episódio, o Spínola decidiu mandar construir um quartel novo, a um quilómetro da povoação, para evitar baixas colaterais. Irá ser inaugurado em 31/1/1971.

Este acontecimento foi notícia na Metrópole como Chacina em Nova Lamego.

A nossa sorte foi os FIAT estarem na zona de Bafatá, e estarem em contacto com o comando de Bafatá e por sua vez o comando de Bafatá em contacto connosco. Ao aperceber-se do acontecimento, deu ordem aos FIAT para virem em nosso socorro, se não as morteiradas não teriam sido somente 122.

Eis o  que ficou seca e telegraficamente escrito, para a História, na brochura da História da Unidade (****):

"Dia 15/11/70:

BCAÇ 2893 comemorou o aniversário de comissão nesta província. Foi convidado de honra o Exmo. Cmdt CAOP 2.

Grupo Inimigo, constituído aproximadamente por 150 elementos, flagelou Nova Lamego durante 35 minutos, com fogo de 4 morteiros 82 (cerca de 122 granadas) e armas ligeiras, causando às NT 3 mortos (1 sargento), 4 feridos graves (1 milícia) e 8 ligeiros. A população sofreu 8 mortos, 50 feridos graves e 30 ligeiros.

As NT reagiram com fogo de morteiro 81 e de canhão s/r, manobra de envolvimento e perseguição , apoiada pela FAP [Força Aérea Portuguesa], causando ao IN baixas prováveis. Artilharia de Cabuca e Piche bate[u] com fogo de obus prováveis itinerários de retirada do IN".
____________

Notas do editor:

1 comentário:

Tabanca Grande disse...

Não era a primeira vez que o PAIGC "se associava" a uma efeméride como esta (festa do 1º ano de comissão do batalhão)... Fazer uma flageação (ou ataque ? qual a diferença ?) desta envergadura (150 homens, entre guerrilheiros e carregadores...), 4 morteiros 82, armas automáticas, 122 granadas despejadas em 35 minutos, é obra!...

Há aqui mãozinha dos instrutores cubanos que operavam na frente Bafatá / Gabu (sul)... O tiro deve ter sido regulado pelos "morteiristas" cubanos... Com um quartel encravado no meio de uma vila, sede de circunscrição, populosa, em pleno chão fula, os danos "colaterais" teriam que ser grandes...E poderiam, de facto, ter sido ainda bem piores, se não há uma ação rápida e concertada da parelha (?) de Fiat G-91 estacionada no leste (em Nova Lamego ou Bafatá ?). Não sabia que o Fiat G-91 podia operar de noite...

Ab. LG