sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Guiné 61/74 - P18277: Memórias do Chico, menino e moço (Cherno Baldé) (54): lusitos e infantes da Mocidade Portuguesa, uns, ou da "Mocidade Tareco", outros... Lá íamos "cantando e rindo"...









Guiné > Região do Cacheu > São Domingos > CCS/BCAÇ 1933 (Nova Lamego e São Domingos, 1967/69) > Janeiro de 1969 > Cerimónias da mudança do administrador da circunscrição administrativa de São Domingos > Miúdos da Mocidade Portuguesa  (MP) local, trajando  de acordo com o figurino, com exceção dos sapatos (que deveriam ser pretos)... Mas a MP, na Guiné, não era para todos e, já nessa época, estava em franca decadência  na metrópole, desde o final da II Guerra Mundial... No meu tempo, os jovens mais politizados ou simplesmente mais contestatários  chamavam à organização, com desprezo, a "Bufa"...


Fotos (e legendas): © Virgílio Teixeira (2018). Todos os direitos reservados [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné] (*)




Guiné > Região do Cacheu > Ingoré > CCAÇ 2381 > 1968 > O 1º cabo aux enf  José Teixeira no início da sua comissão," com duas crianças vestidas com a farda da Mocidade Portuguesa". Já na época, o Zé era um praticante do escutismo católico. Não sei se já era conhecido pelo seu nickname, "Esquilo Sorridente". Sobre Ingoré escreveu ele: "Foram dias, em geral, alegres e descontraídos, os dias de Ingoré, com o pessoal da CCAÇ 2381 em treino operacional antes de ser colocado no sul (Buba, Empada, região de Quínara)"

Foto (e legenda): © José Teixeira (2006). Todos os direitos reservados [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]





Guiné > Zona leste > Fajonquito > s/d [c. 1965] > O Sérgio Neves  com miúdos da localidade... Alguns deles acampavam literalmente no aquartelamento... e usavam a farda ou peças da frada da Mocidade Portuguesa. Fotos do álbum  do Sérgio Neves que foi Furriel Miliciano da CCAÇ 674 (Fajonquito, 1964/66), irmão do nosso camarada Constantino Neves.

Fotos (e legendas): © Constantino (ou Tino) Neves (2007). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]




Guiné > Zona leste > Fajonquito > 10 de junho de 1971 >  "O meu irmão Carlos (2 anos mais velho, hoje Farmacêutico, formado pela faculdade de Farmácia da Universidade Técnica de Lisboa), durante a alocução por ocasião do dia 10 de Junho de 1971, Dia de Portugal e de Camões, na escola primária de Fajonquito. Na imagem estão dois oficiais da companhia do cap Figueiredo (CART 2742), um dos quais, o alferes Félix encontrou a morte no mesmo dia que o seu capitão."

Foto (e legenda): © Cherno Baldé s (2013). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. Mensagem do Cherno Baldé, com data de 1 do corrente:

Caro amigo Luis,

Talvez não tenham dado conta, mas com alguma frequência tenho referido,  "en passant",   a Mocidade Portuguesa [MP] em diferentes textos das minhas memórias. Por exemplo, no tema "Quem roubou o nosso canhão" (**), falo do regresso de uma delegação da Mocidade Portuguesa na coluna da tropa que vinha de Bafatá, coberta de poeira.

Eu não fazia parte dos bons alunos porque era desenfiado e gostava mais de andar à solta, deambulando no quartel, ir à lenha ou à agua com os meus amigos condutores e/ou simplesmente passar o dia todo a andar no mato com um desvairado qualquer a caçar animais ou pássaros.

A minha primeira e única participação [erm actividades da MP] foi em 1973, mas já sabia de todos os pormenores dos participantes mais experimentados, pois que todos os anos acontecia a mesma coisa.
Os participantes que vinham de localidades como Fajonquito, Contuboel ou Sare-Bacar estavam sempre em desvantagem. Primeiro porque o nível de informação, as fardas e equipamentos nunca eram os mesmos dos da cidade de Bafatá, assim como o nível de preparação académica e performance desportiva que daí resultavam. Todas estas disparidades criavam um complexo de inferioridade e sentimentos de discriminação aliados a condições logisticas e de recepcão pouco agradáveis.

O "infante" Cherno Baldé aos 14 anos
Em Bafatá o local dos acampamentos situava-se na Boma, o tal jardim (muito fresco e acolhedor) já aqui descrito por Fernando Gouveia, situado ao lado do quartel da Cavalaria. E, nestas ocasiões a cidade de Bafatá ficava repleta de jovens oriundos de todas as escolas da região e, normalmente, cada localidade tinha fardamentos com tonalidades um pouco diferentes, pois quem comprava eram os pais das criançaas e nas localidades onde residiam. A cor verde não era a mesma em todos os sítios.

A Mocidade Portuguesa destinava-se a preparar os mais jovens para os sacrifícios ligados à vida da
tropa porque no tempo do Estado Novo o serviço militar era obrigatório. Para os participantes deslocados as condições nem sempre eram as melhores e passava-se mesmo fome, mas sempre valia a pena fazer aquela deslocação até Bafatá, a cidade maravilha, para no regresso fazer o "ronco" frente aos demais colegas que não sabiam das dificuldades e da afronta por que tinham passado com aquelas fardas e equipamentos já em desuso. 

Para as crianças de Bafatá, nós éramos a "Mocidade Tareco", isto é, participantes que não preenchiam os requisitos indicados para a Mocidade Portuguesa e, às vezes, nem nos deixavam desfilar. Isto repetia-se todos os anos, só quem não tinha participado é que não sabia. No regresso às origens, transformavam-se em heróis.

Em varios textos das minhas memórias, tenho referido,  "en passant",  aspectos ligados à MP (ver por exemplo no tema "quem roubou o nosso canhão" onde faço referência ao regresso dos participantes da MP na coluna da tropa que vinha de Bafatá, cheios de poeira.


2. Mais comentários do Cherno Baldé sobre este tema e afins (*)

Com as reformas introduzidas por Adriano Moreira em 1961 (muito tardiamente), o estatuto do indigena foi substituido por uma lei que facilitava a assimilaçãoo e desta forma permitia a obtenção do BI de cidadao português. Em 1971 o meu irmão Carlos, que tinha concluido a 4ª classe, obteve em Bissau o seu BI,  como muitos outros colegas.

Caro Valdemar, a obtenção do BI nao era difícil, mas era preciso preencher certas condições. Todos os casos que conheço sao de pessoas que tinham concluido, no mínimo, a 4ª classe. A milícia (voluntarios da sua própria desgraça) não precisava na altura e, se calhar nem preenchiam as condições exigidas.

Desde 1968 ou mesmo antes, que em todas as escolas da Provincia havia a formação e preparação da Mocidade Portuguesa...  e mocidade que se preza tinha que ter o equipamento completo: camisa verde, calções, meias, sapatilhas e chapéu de cor castanho. Depois eram organizados encontros a nível de cada região para competições desportivas e confraternização e ainda um acampamento nacional para os mais destacados,  em Quinhamel.

Surpreende-me que o Luis Graça nunca tenha visto jovens da Mocidade Portuguesa em Bambadinca e Bafatá. Em Fajonquito sempre aproveitávamos a boleia da tropa para vir a Bafatá ou Contuboel.

Na foto nº 7  [do poste P18273] ((*) o elemento da mocidade do lado esquerdo parece-me que é uma menina com o par de ténis (Sancho) que não era propriamente um equipamento oficial da Mocidade portuguesa. Do lado esquerda da bandeira pode-se ver parte do edificio da escola. Nos anos 60, com o inicio da guerra, foram construidas em todas as localidades com alguma importancia demografica. Ja era tarde demais para o imperio. (Mas, pensandio bem, não p

Compreende-se que vocês que vieram fazer a Guerra não tivessem olhos para ver outras coisas, pois o esforço para a sobrevivência falava mais alto e não era por menos. Em Paunca [, onde esteve o Valdemar Queiroz], de certeza que havia uma escola a funcionar,  o que não se pode dizer de Guiro Iero Bocari que é uma aldeola perdida no mato.

O 10 de Junho era festejado em todas as escolas e com a participação da administração civil e, em alguns casos, também de oficiais das companhias em quadricula como mostra a foto que enviei mostrando o meu irmão mais velho a discursar na presença de oficiais do exército e dos professores por ocasião do 10 de Junho de 1971, em Fajonquito, fardado a rigor e com o chapéu colocado por cima do ombro esquerdo, como mandavam as regras. No local estávamos muitos, mas o fotógrafo concentrou-se no alvo principal.

Por outro lado, duvido muito que os jovens da Mocidade Portuguesa fossem Felupes, como pensa o Luis Graca, mais plausivel seria que fossem filhos de familias de comerciantes ou  assimilados originários de outros grupos e que trabalhavam em S. Domingos e arredores, pois os verdadeiros felupes ainda não teriam saído dos seus tarrafos, de qualquer modo ja se notavam algumas mudanças sociais em todos os grupos etno-linguísticos da Guin´+e. A este periodo os nossos velhos apelidaram de "a epoca dos brancos" que na linguagem moderna se convencionou chamar de globalização ou mundialização.

Caro Valdemar, há um proverbio nosso que diz assim: "O velho não é, de modo algum, amigo de Deus, simplesmente convivem os dois há muito tempo". Isto a propósito das tuas palavras de elogio (?).

3. Comentário do editor:

Obrigado, Cherno, este teu contributo é, mais uma vez, importante para o nosso blogue e enriquece a tua série, "Memórias do Chico, menino e moço (Cherno Baldé)" (**)...

Tentei fazer um apanhado do essencial  que escreveste sobre a MP na Guiné... Tens aqui uma entrada, na Wikipédia, com informação relevante sobre a MP (sobre a qual, confesso, que sei pouco...).-

Criada em 1936 e obrigatória para os jovens até aos 14, a MP pelo Decreto n.º 29453, de 17 de fevereiro de 1939, a organização foi alargada «à Mocidade Portuguesa das colónias, de origem europeia, e à juventude indígena assimilada» (sic) a quem é «dada (....) uma organização nacional e pré-militar que estimule a sua devoção à Pátria, o desenvolvimento integral da sua capacidade física e a formação de carácter, e que, incutindo-lhes o sentimento da ordem, o gosto pela disciplina e o culto do dever militar, as coloque em condições de concorrer eficazmente para a defesa da Nação.»

Tens razão, os felupes em S. Domingos, em 1968/69, não deviam ser "elegíveis"...

Porque é de antologia, volto a reproduzir aqui, na íntegra, o teu fabuloso texto  "Quem roubou o nosso canhão?". Como eu não sei russo, diz-me o querem dizer estes caracteres do alfabeto cirílico (?), que aparecem no penúltimo parágrafo... Deve ser um palavrão... ȹɎψ₳

Tens aqui a letra e a música do Hino da Mocidade Portuguesa. Não sei se algum dia o chegaste a aprender a cantar... A letra é do poeta Mário Beirão (1890-1965) e a música do Rui Correia Leite.
_________________

QUEM ROUBOU O NOSSO CANHÃO?

por Cherno Baldé (***)

No período da guerra colonial, pouco antes ou durante a permanência da CÇAC 3549,  “Deixós-poisar” (1972-74), em Fajonquito, pequeno povoado com um aquartelamento militar, rodeado de arame farpado e torres de vigia construídos com troncos de palmeira, certo dia, no regresso da coluna que regularmente ia à cidade de Bafatá, sede do batalhão [e sede de circunscrição administrativa], trouxeram em reboque dois canhões muito grandes. Normalmente, tudo que a coluna trazia era suposto ficar na localidade.

Atrelados aos veículos, os canos largos, ameaçadores, olhavam para trás, virados na direcção contrária do sentido da marcha, o que, nas nossas cabeças de crianças, parecia ser, sem dúvida nenhuma, uma tolice dos nossos militares brancos, tão insensata como a ideia descabida de obrigar as nossas milícias a carregar,  na cabeça, granadas pesadas de morteiro ou bazooka, nas saídas ao mato, com as armas nas costas, sabendo de antemão que em caso de uma emboscada traiçoeira, a vida e a morte se jogavam em milésimos de segundos.

No caso dos canhões, se de repente, numa emboscada do inimigo, tivessem que ripostar rapidamente, iam fazer o quê?
– Ficávamos a imaginar a reacção dos artilheiros. Primeiro iriam parar, virar o engenho, apontar ao alvo e depois disparar. Mas, havia uma questão importante, no entanto, sem resposta. Será que teriam tanto tempo?... 

Perguntas de crianças que tinham nascido e crescido no teatro de uma guerra que se teimava em eternizar e onde viviam como se de uma grande escola se tratasse, caldeirão efervescente que, de certeza absoluta, haveria de consumir gerações inteiras, caso não a tivessem posto fim, em boa hora. 

Mas, voltando à nossa coluna, nesse dia, a nossa atenção não foi para os militares, cobertos de pó vermelho da estrada, à cata de novos amigos nem para os extravagantes jovens da Mocidade Portuguesa que regressavam dos festejos de 10 de Junho, nas suas novas fardas, camisas verdes, calções castanhos, o emblema das quinas ao peito, cor de ouro brilhando ao sol e, nem sequer nos lembramos de fazer o nosso trabalho de rotina que era recolher por baixo dos bancos de conduzir as armas e o cinto pesado de cartucheiras dos nossos patrões condutores. 

Os nossos olhos ficaram presos naquelas máquinas, engenhos escuros de metal, montados sobre gigantescas rodas, "caterpillars" de pólvora, fogo e de morte que, finalmente, tinham chegado. Doravante a barraca de Samba-Ulencunda estava ao alcance das nossas mãos. Desde a porta d’armas, acompanhámo-los, cuidadosamente, parando quando paravam, correndo atrás quando andavam, até ao centro do quartel onde foram estacionados. Deixando os apressados condutores partir, aproximámo-nos ligeiros, abraçando os canos enormes, encostando os nossos corpinhos franzinos à frieza metálica daqueles monstros impassíveis que nos pareciam velhos conhecidos.

Mesmo ali ao lado e rodeado de tanques repletos de areia, estava instalado o morteiro 81 que, em vista das novas e imponentes armas, fazia uma figura pálida, quase inútil na sua pequenez, boca ao ar, pedindo chumbo para cuspir ao céu. Tantos anos a viver com ele, estávamos por demais familiarizados com o “poc” da saída das suas granadas que caíam algures, perto das nossas bolanhas de arroz, quando batiam a zona para afastar o medo que crescia nas noites de chuva, calor e humidade.

Nessa noite, demorámos algum tempo a pegar no sono, devido à curiosidade que nos consumia antecipando o gozo de ouvir os estampidos da nova artilharia, mas dormimos melhor, embalados pela segurança que as máquinas de guerra nos proporcionavam. Ter canhões de guarda, nessa época, mais que segurança e prestígio, era uma questão de honra. Os mais velhos contavam que em terras de Gabú, mesmo as localidades mais insignificantes tinham canhões para aterrorizar as povoações fronteiriças do Senegal onde habitavam os bandidos, lançando suas granadas compridas e grandes, um pouco maiores que o pénis de um jumento.

Mas, para nossa desilusão, e da mesma forma como tinham vindo, atrelados aos veículos, os canos largos, ameaçadores, insensatamente virados para trás, na direcção contrária do sentido da marcha, as máquinas de guerra tinham retomado sua marcha tenebrosa mais ao norte, para Cambaju, aldeia situada a menos de 500 metros da fronteira, o que, nas nossas cabeças de crianças, parecia ser, sem sombra de dúvida, mais uma tolice dos nossos militares, tão insensata como a ideia descabida de entregar armas repetitivas “Mauser” às populações civis para enfrentar guerrilheiros armados com Akas e metralhadoras automáticas, assim diziam os mais velhos.

No dia seguinte, voltando ao quartel para o habitual café com leite, as crianças constataram com grande tristeza que os seus canhões não só não estavam no local do dia anterior como tinham sumido do pequeno aquartelamento, rodeado de arame farpado e torres de vigia construídos com troncos de palmeira. Estupefactas e inconformadas,  as crianças interrogavam-se entre si:
- Quem foi o …ȹɎψ₳… que roubou os nossos canhões?

Ao menos deixassem ficar um para salvar a honra da aldeia, afastar o espectro do medo que crescia nas noites de chuva e conquistar o respeito dos nossos vizinhos, Samba-Ulencunda ali tão perto de nós.

Bissau, 7 de Dezembro 2012
Cherno Baldé (Chico de Fajonquito)

____________________

Notas do editor:

(*) Vd. poste de 31 de janeiro de 2018 > Guiné 61/74 - P18273: Álbum fotográfico de Virgílio Teixeira, ex-alf mil, SAM, CCS / BCAÇ 1933 (Nova Lamego e São Domingos, 1967/69) - Parte XIII: uma mudança (histórica) sob o spinolismo: em 1 de janeiro de 1969, o administrador de São Domingos, cabo-verdiano, é substituído por um guineense

(**) Último poste da série >A 3 de janeiro 2018 > Guiné 61/74 - P18170: Memórias do Chico, menino e moço (Cherno Baldé) (53): três balas de kalash para uma missão suicida: o trágico fim do ex-soldado 'comando', Cissé Candé, em abril de 1978

(***) Vd. poste de 13 de dezembro de 2012 > Guiné 63/74 - P10796: Memórias do Chico, menino e moço (Cherno Baldé) (42): Quem roubou o nosso canhão?

7 comentários:

Anónimo disse...

Cherno,

É provável que, tal como o Luis Graça, muitos de nós não tenham visto nenhum miúdo fardado da Mocidade Portuguesa, eu estive em Mansoa, em Aldeia Formosa, em Bolama e em Bissau e confesso nunca ter visto, ou então não me lembro. Não digo que não havia, não, digo é que não me lembro nunca de ter visto algum.
Um abraço,
BS

Tabanca Grande disse...

As fotos não mentem... Em São Domingos, lngore,em Fajonquito..., na região de bB Bafata, no chão Felupe, e por certo em Bissau, a Mocidade Portuguesa estava minimamente ativa.

Tabanca Grande disse...

Noutros sítios devia haver problemas de segurança, não se aconselhando a realização de desfiles, acampamentos, provas desportivas, etc. Noutros casos devia haver falta de dirigentes e monitores, instalações, equipamento, etc. O O projeto spinolista da Guiné Melhor era demasiado populista e não sei se incluia a desacreditada MP...

Alberto Branquinho disse...

CHERNO

Gostei. Muito. E aprendi.

Apreciei a definição da "milícia": "... (voluntários da sua própria desgraça)..."

Transcrevo do texto: "... o meu irmão mais velho a discursar... fardado a rigor e com o chapéu colocado em cima do ombro esquerdo..." A esse "chapéu" chamávamos "bivaque".

ABRAÇO
Alberto Branquinho

Carlos Vinhal disse...

Irmão Cherno, se bem me lembro, o primeiro BI que tirei foi aos 11 anos quando entrei para a escola secundária para fazer o Ciclo Preparatório. Até aí havia um documento, tipo caderneta militar, chamada cédula pessoal, onde estavam registados os dados relativos ao nascimento, naturalidade e filiação.
Quanto à farda da Mocidade Portuguesa, onde cheguei ao elevado posto de básico, digo eu porque nem chefe de quina fui, usávamos um cinto que tinha um "S" na fivela de que nunca soube(mos) o significado. Nós, malandrecos, dizíamos em surdina: Somos Socialistas Soviéticos, Sem Salazar Saber. Se Salazar Soubesse, Seria Sarilho Sério.
Das minhas andanças pela MP, lembro nunca ter participado em nenhum acampamento, fugir de uma formatura porque eram horas de jantar e faltar ao 1.º de Dezembro de 1960 porque estava de chuva. Nunca me chatearam nem eu chateei ninguém.
Abraço
Carlos Vinhal

Cherno AB disse...

Irmao Carlos Vinhal,

"Socialista Sovietica" acabaria por ser ca o teu irmao Cherno, e sem Salazar Saber, porque Se Salazar Soubesse, Seria um grande Sofrimento.

Na Guine, nunca vi aqueles cintos a que o A. Rosinha, tambem, referiu, no caso de Angola. O mais chato de tudo isso eh que quem devia assumir as despesas do "ronco" eram os pais, no caso da Guine e, para os pais, nao eram prioridade em tempos dificeis de magras colheitas e de pagar impostos, muitas vezes duplicados porque uma parte devia ficar com as autoridades locais. Pode ser que na capital (Bissau) fosse diferente, nos viviamos mato, como voces dizem.

Caro amigo Branquinho,obrigado, fica anotado. Quanto a Milicia, eh isso mesmo e nao eh so a Milicia. Os voluntarios eram muitos e os resultados foram catastroficos e ainda pior, nunca mereceram o devido respeito nem a inteira confianca da generalidade das chefias militares das companhias militares. Quando havia desaires os bodes expiatorios ou eram as Milicias ou as autoridades tradicionais, o caso de Cantacunda em Abril de 68, onde 12 metropolitanos foram "retidos", eh paradigmatico. Culpados: O Regulo (coitado) e as Milicias.

Todos nos estamos a aprender e cada dia que passa.

Com um abraco amigo,

Cherno AB.

Anónimo disse...

Errata: Queria dizer Sovietico.

Cherno