quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Guiné 61/74 - P16968: Inquérito de 'online' (100): Resultados preliminares: em 52 respondentes, só 15 estavam recenseados, mas só 10 votaram pelo menos uma vez, antes do 25 de Abril, em eleições legislativas


Foto: Assembleia da República / Palácio de São Bento (cortesia do sítio da CM Lisboa) (Edição: Blogue Luís Graça & Caamradas da Guiné)



I. INQUÉRITO DE OPINIÃO: 


"ALGUMA VEZ VOTASTE 
EM ELEIÇÕES LEGISLATIVAS, 
ANTES DO 25 DE ABRIL DE 1974?"



Resultados preliminares até hoje de manhã (n=52)

1. Não estava recenseado, pelo que nunca votei  > 33 (63%)

2. Estava recenseado, mas nunca votei  > 5 (9%)

3. Estava recenseado e votei, pelo menos uma vez  > 10 (19%)

4, Não sei / não me lembro  > 4 (7%)

Total > 52 (100%) 



Votos apurados: 52 


Dias que restam para votar: 5 
Prazo termina a 24, 3ª feiras, às 11h34

II. Comentários dos nossos leitores:



(i) José Marcelino Martins (*):

Nunca estive recenseado,pelo que nunca votei. Recordo-me que, em 1969, quando estava em Canjadude [, na CCAÇ 5,] , houve eleições, tendo o destacamento sido sobrevoado por um heli a partir do qual informavam, com insistência, de que o presidente da assembleia de voto se devia deslocar à pista com a urna de votos para lhes ser entregue. Não havia urna, porque ninguém se tinha apresentado manifestando a intenção de votar.

(ii) Luís Graça (*):

Patriótico paradoxo: um português podia morrer pela Pátria mas podia não ter direito de voto nas eleições para a Assembleia Nacional... Na CCAÇ 2590/CCAÇ 12 (Contuboel e Bambadinca, 1969/71), só havia três camaradas recenseados (inscritos nos cadernos eleitorais, ans eleições legislativas de 26/10/1969), incluindo o capitão (que era do quadro permanente), um furriel um 1º cabo... Nem os sargentios QP!...



(iii) Luis Lima  (**) 

Se não estou em erro parece-me que decidiram que o meu voto era para o deputado [James] Pinto Bull que desapareceu no crasch do heli em [26 de julho de] 1970.



(iv) Julio Pereira (**)

Sim, é verddae. Quando eu casei, em 65,  nas eleições seguintes [, em 1969,] a minha esposa teve direito a votop mas eu não. Os [boletins de] votos eram entergues em casa.



(v) Tabanca Grande (*):


Em 1969, o representante da Guiné na Assembleia Nacional é o James Pinto Bull (Bolama, 15 de Julho de 1913 – Bissau, 26 de Julho de 1970). Foi provavelmente eleito também com alguns dos nossos  votos... em branco, entrados nas urnas (poucas) que haveria nos nossos quartéis, no TO da Guiné, em 26/10/1969.

Alguns dados biográficos do James Pinto Bull (fonte:  adapt. de Wikipédia e Assembleia da República):

(i) licenciado Ciências Sociais e Política Ultramarina pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Política Ultramarina (ISCPU) da Universidade Técnica de Lisboa

(ii) foi político e administrador de empresas, ocupou duversos na administração colonial;

(iii) foi deputado na VIII Legislatura, entre 1961 e 1965, na IX Legislatura, entre 1965 e 1969, e na X Legislatura, entre 1969 e 1973, tendo sido eleito pelo Círculo Eleitoral N.° 26, da Guiné;

(iv) ocupou os lugares de vogal da Comissão do Ultramar, de 1961 a 1970, e de Membro da Comissão Eventual para estudo da Proposta de Lei de Alterações à Lei Orgânica do Ultramar Português, nomeada na Sessão Legislativa de 1962-1963; 

(v) fez intervenções no Parlamento que se concentraram "na defesa dos interesses da Guiné, participando assiduamente nos debates das Contas Gerais do Estado, nos quais apresentou relatos circunstanciados da situação económica daquela Província"; além disso, "chamou, amiúde, a atenção dos seus pares para as carências do Círculo Eleitoral que representava, apelando, sobretudo nos debates do Plano Intercalar e do III Plano de Fomento, à realização de mais avultados investimentos na região."

(vi) foi eleito deputado à Assembleia Nacional em 1969, tendo sido membro da chamada Ala Liberal, que defendeu reformas políticas do regime;

(vii) morreu na Guiné em 26 de julho de 1970, num acidente de helicóptero, quando viajava de Teixeira Pinto para Bissau com outros três deputados, um dos quais era o líder da Ala Liberal, José Pedro Pinto Leite.

______________

5 comentários:

José Nascimento disse...

Lembro-me do dia em que o Dr. Pinto Bull faleceu. Estava eu em João Landim quando esse acidente aconteceu, talvez em virtude do grande temporal que assolou a região. Choveu e trovejou muito como era habitual por ser a época das chuvas. Falou-se que o piloto vendo-se em dificuldades, tentou pousar em terra mas enfiou-se no rio Mansoa.
Um abraço para a Tabanca Grande.

Tabanca Grande disse...

OK, Zé, já falámos aqui desse trágico acidente em 26/7/1970--- Eu estava em Bambadinca, os 4 deputados tinham acabado de passar por lá, se não erro...

Quanto às eleições de 26/10/1969 (em uue estes 4 foram eleitos nas listas da ANAP - Ação Nacional Popular, o que eu preciso de saber e: (i) houve mesa de voto no Xime ? (ii) lembras-te de algum ter votado ? (iii) havia alguns de vocês, militares da CART 2520, estava inscrito nos cadernos eleitorais, podendo portanto votar ?

Abraço, Luís

António José Pereira da Costa disse...

Fico admirado com o número de respostas NS/NL. Era uma possibilidade de participação na política do tempo que se aceitava...
Era uma situação tão rara e ao mesmo tempo tão marcante - só se estava inscrito se se cria ou éramos compelidos (pela Administração) a isso - que esta resposta causa-me surpresa.
Enfim...

Um Ab.´
António J. P. Costa

Tabanca Grande disse...

Às 00h15 de hoje, a 4 dias e meio de fecharmos o nosso inquérito desta semana, temos um já razoável nº de respostas: 70. A tendência mantém-se: mais de 2/3 da malta, da "nossa malta" (ex-combatentes da guerra colonial na Guiné), não estava inscrita dos cadernos eleitorais, não recebia o boletim de voto para votar e,portanto, também não votava...

Muitos de nós tínhamos idade (e demais condições) para votar nas eleições legislativas de 1969 e de 1973... Não falo já da anterior, 1965..., a primeira de que me lembro. Um em cada dez de nós, mesmo recenseado, nunca votou antes do 25 de Abril...

A verdade é que, com a morte política de Salazar e a "primavera marcelista" houve uma onda de ar fresco que percorreu a sociedade portuguesa, ou pelo menos alguns dos segmentos da população mais esclarecida, informada e consciente das grandes mudanças que se estavam a operar (em Portugal e no mundo)... A malta nova começou a interessar-se pela "coisa pública", pela política, e houve campanhas da(s) oposição (ões) democrática(s) para os portugueses se recensearem...

Mas foi sol de pouca dura, mesmo que em 26/10/1969 tenham sido eleitos alguns deputados reformistas que irão constituir a "ala liberal" da ANP - Ação Nacional Popular, na Assembeia Nacional, entrando em choque com os ultraconservadores, como o Casal Ribeiro, por exemplo.

O que me surpreende é a proporção de malta que estava recenseada (24%)...Se calhar, o processo era feito por "via administrativa", já não me recordo bem: os funcionários públicos e os militares do QP, pelo menos, deviam ser inscritos "automaticamente"... Seria assim ?

Tanto quanto me lembro, eu inscrevi-me nos serviços da câmara municipal da minha terra, com 21 anos, em 1968, antes de ser chamado para a tropa... Daí ter recebido o boletim de voto em Bambadinca, para votar em 26/10/1969... É verdade, o "patrão" sabia onde eu estava... E a lei "cumpria-se"... O meu boletim de voto deve ter andado uns bons quilómetros até chegar ao meu SPM... Não faço ideia onde foi impresso,se em Lisboa, se em Bissau...

Eis a desagregação das 70 respostas (resultados preliminares, às 00h15 do dia 20/1/2017):

1. Não estava recenseado, pelo que nunca votei > 48 (68%)

2. Estava recenseado, mas nunca votei > 7 (10%)

3. Estava recenseado e votei, pelo menos uma vez > 10 (14%)

4. Não sei / não me lembro > 5 (7%)

... Espero que apareçam mais relatos sobre o que se passava a nível de companhia no que diz respeito à participação dos militares nas eleições legislativas... Até agora só se falou de duas companhias africanas: a CCAÇ 12 (Bambadinca, 1969/71) e a CCAÇ 5 (Canjadude, 1968/70)... Na CCAÇ 12, havia 3 inscritos; na CCAÇ 5, nenhum... Mas estas companhias tinham um nº reduzido de pessoal metropolitano (só os graduados e os especialistas, cerca de 1/3 do total, sendo as praças oriundas do recrutamento local)...

António José Pereira da Costa disse...

Olá Camaradas

É provável que o processo de inscrição fosse feito por "via administrativa", no respeitante aos funcionários públicos e os militares do QP. Por mim, "assisti" às "eleições" de 1969 (no RAL n.º 1. Em 1973 deveria estar na Guiné (Mansabá) e, em ambos os casos, tudo me passou ao lado. Nunca tentei recensear-me nem fui convidado a isso.
Mas, se calhar votei. Isto é como aqueles tipos que namoram com uma pequena, mas sem ela saber...
Ainda gostava de ver um caderno eleitoral usado naquele tempo.

Um Ab.
António J. P. Costa