quinta-feira, 4 de maio de 2017

Guiné 61/74 - P17318: Historiografia da presença portuguesa em África (75): Subsecretário de Estado das Colónias em visita triunfal à Guiné, de 27/1 a 24/2/1947 - Parte IV: No chão fula, Bafatá e Gabu, 6 de fevereiro de 1947...


Guiné > Bafatá > 1958 > Equipa do SCB [Sporting Clube de Bafatá], onde não há um "negro da Guiné"...  Em 6/2/1947, na sua sede,  foi servido um "porto de honra" ao ilustre representante do governo de Salazar, a que "assistiu toda a população branca" (, segundo a notícia da agência "Lusitânia", que a seguir se reproduz...).

Era filial do Sporting Clube de Portugal que, nesta época (1946/49),  era o patrão do futebol português e, de resto,m conotado com as elites... Foi  a época de ouro dos "cinco violinos" (Jesus Correia, Vasques, Albano, Peyroteo e José Travassos).

Foto (e legenda): © Leopoldo Correia (2013) Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]











Recorte do Diário de Lisboa, nº 8692 , ano: 26, edição de sábado, 8 de fevereiro de 1947 (Director: Joaquim Manso)


(Cortesia do portal Casa Comum > Fundação Mário Soares > Arquivos > Diário de Lisboa / Ruella Ramos >  Pasta: 05780.044.11043


Citação:

(1947), "Diário de Lisboa", nº 8692, Ano 26, Sábado, 8 de Fevereiro de 1947, CasaComum.org, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_22334 (2017-5-4)



1. Depois do Cacheu e do Oio, prosseguia, em 6 de fevereiro de 1947, a visita, à Guiné, do subsecretário de Estado das Colónias, engº Sá Carneiro, sendo então governador-geral   Manuel Sarmento Rodrigues.

Já aqui sublinhámos a importância política de que se revestia esta demorada visita, de quase um mês, quer para o governo de Salazar, na conjuntura do pós-guerra e no início do movimento de descolonização, quer para o governador geral Sarmento Rodrigues, um prestigiado oficial da marinha, considerado com um "conservador liberal", com "ligações à Maçonaria" e que apoiava o Estado Novo... Transmontano de Freixo Espada à Cinta, era considerado um  homem "à esquerda" do regime, com afinidades político-ideológicas com Marcelo Caetano, o então ministro das Colónias . Foi governador geral da Guiné entre 1945 e 1949 e será o preferido de Salazar para o lugar de Ministro das Colónias, em 1950, e depois do Ultramar, em 1951.


Manuel Sarmento Rodrigues (cortesia da revista da Revista Militar)

Em diversos postes publicados ao longo da existência de 13 anos deste blogue, temos chamado a atenção dos nossos leitores para o trabalho que Sarmento Rodrigues desenvolveu na modernização de Bissau e outras cidades, e na organização do território,sem esquecer a criação do Centro de Estudos da Guiné, com a excecional colaboração de Avelino Teixeira da Mota, então 2º tenente da marinha,  responsável pelo "Boletim Cultural da Guiné Portuguesa" (que irá dedicar um nº especial, em outubro de 1947, a esta efeméride, o V Centenário).

O engº Rui Sá Carneiro tinha chegado ao território no dia 27 de janeiro de 1947, justamente com a missão de, em representação do governo central, encerrar as comemorações do descobrimento da Guiné, em 1446.

Fonte: Wikipedia
2. Da leitura da notícia da agência "Lusitânia", publicada no "Diário de Lisboa", na sua edição  de 8/2/1947  (pp. 1 e 11), constata-se: 

(i) a tendência para o reforço da aliança das autoridades portugueses as da colónia com o grupo étnico semi-feudal fula;

(ii) a valorização do "chão fula", em especial da região do Gabu, "habitada pelas raças mais civilizadas da colónia" (sic), no dizer do administrador da circunscrição, Luís Correia Garcia;

(iii) a visita protocolar à tabanca do "grande chefe fula" Madiu Embaló";

 (iv) a existência de cavalos, ainda na época, montados pelos régulos fulas e mandingas;

(v) o esforço das autoridades coloniais para combater e erradicar doenças tropicais como a doença do sono;

(vi) o peso relativo da comunidade sírio-libanesa no leste da Guiné;

(vii) a existência de um  campo de aviação no Gabu (e não, ainda, Nova Lamego...) e a inauguração  da nova capela;

(viii) o progresso de Bafatá e o prestígio do clube desportivo local, o Sporting Clube de Bafatá. em cuja sede foi servido um "porto de honra" ao ilustre representante da metrópole, a que "assistiu toda a população branca"...

e, por fim e não menos significativa, (ix) a importância que os seres humanos atribuem às "encenações do poder", em todos os sítios e épocas, tanto os súbditos como os governantes.... A colónia da Guiné, em 19947,  não escapava à regra da ciência política...(LG).
______________



19 de março de 2017 > Guiné 61/74 - P17155: Historiografia da presença portuguesa em África (72): Subsecretário de Estado das Colónias em visita triunfal à Guiné, de 27/1 a 24/2/1947 - Parte I: A consagração do governador geral, o comandante Sarmento Rodrigues, como homem reformador e empreendedor (Reportagem de Norberto Lopes, "Diário de Lisboa", 27/1/1947)

3 comentários:

Antº Rosinha disse...

Aqueles brancos todos do Sporting de Bafatá, naqueles anos em que ganhávamos sempre apenas " moralmente " à Espanha e Inglaterra, ajudam a explicar a penúria do futebol da metrópole daqueles tempos.

Se os outros sportingues e benficas das diversas colónias faziam o mesmo, importavam jogadores brancos, claro que só à base de Matateus, Peyroteus e Espiritos Santos africanos, os clubes metropolitanos e a Selecção por cá, podiam fazer alguma coisita.

Como havia tantos jovens brancos em Bafatá virtuosos da bola, (1947) não será que aquilo era só para a foto?

E no campo seriam uns tantos fulas e balantas meio descalços e descamisados e que ficavam feios na foto oficial do grupo?

Como havia tantos brancos em Bafatá, com jeito para a bola! para a foto quero eu dizer.

Comerciantes? chefes de posto? polícias? industriais de cana?

Não há dúvidas que a Guiné ia longe e seria uma vida romântica e tranquila se não fossem as pressas.

Paciência!



António José Pereira da Costa disse...

Olá Camaradas

Pois é!

"Não há dúvidas que a Guiné ia longe e seria uma vida romântica e tranquila se não fossem as pressas".

Esta coisa das pressas é que é uma chatice! Devagarzinho, devazgarzinho... Com calma que a gente há-de lá chegar...
E a vida romântica e tranquila era para todos ou só para alguns? Aquilo ék era kólidade de vida! Quem me dera!...
Reparem na necessidade que o governo tinha de apresentar a fidelidade dos régulos como um facto incontroverso. A última sublevação tinha sido em 1934/36, mas agora tudo estava pacífico e o povo até andava satisfeito porque os governantes iam junto das populações informar-se das sua necessidades. Se não iam antes é porque ninguém é perfeito. Ora bem!
Kum karakas! Assim é que é viver!

Um Ab.
António J. P. Costa

Tabanca Grande disse...

Já na altura parecia haver uma clivagem, aos olhos das autoridades coloniais e dos jornalistas da metrópole, entre as "raças civilizadas" da Guiné (leia-se, as etnias muçulmanas) e os povos animistas, "pacificados" à força (os últimos, os bijagos, em 1936...). Amílcar Cabral irá explorar habilmente esta "fissura" no discurso do poder colonial que pôs os fulas, vencidos de outrora, como "auxiliares" das tropas coloniais contra os animistas, e em particular os balantas...).

É interessante ler (e saber ler) estes velhos recortes de jornal... Em 6 de fevereiro de 1947, eu tinha pouco mais de um semana de vida... LG