quinta-feira, 23 de setembro de 2021

Guiné 61/74 - P22565: Notas de leitura (1383): "Um caminho de quatro passos", de António Carvalho (2021, 219 pp.): apontamentos etnográficos para o retrato da nossa geração, de antigos combatentes - Parte I (Luís Graça)


Marco de Canaveses > Paredes de Viadores > Candoz > Quinta de Candoz >  2011 > O velho carro de bois, centenário, típico da região de Entre Douro e Minho. Não existe mais, hoje, a não ser as rodas...Símbolo de um mundo que desapareceu... E com ele,  uma certa ruralidade e rusticidade do homem português, características socioantropológicas sem as quais muito possivelmente não teria sido possível manter a nossa longa guerra colonial / guerra do ultramar (1961/74).

 Foto (e imagem): © Luís Graça (2011). Todos os direitos reservados. [Edição: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]

1. Para além das pequenas histórias relacionadas com a sua experiência como furriel miliciano enfermeiro na Guiné, durante dois anos (CART 6520/72, Mampatá,1972/74), o que me encanta, no livro do António Carvalho (, foto atual à esquerda), são algumas das suas memórias da infância, passada em Medas, Gondomar, num ambiente rural que não era muito diferente daquele que muitos de nós conheceram, de norte a sul do país. (*)


São apontamentos, observações, registos, relatos, pequenos retratos e histórias depessoas da família e vizinhos. etc., que considero de interesse etnográfico ou documental para se poder conhecer um pouco melhor a infância e a adolescência da nossa geração, aquela que, nascida ao longo dos anos 40 e ainda no início dos anos 50 (,como é o caso do autor), iria depois fazer a guerra colonial / guerra do ultramar, de 1961 a 1974.

A maioria de nós nascemos em aldeias ou pequenas vilas, e temos em comum muitas dessas vivências ou experiências, a começar pelo trabalho no campo ainda em tenra idade. Em 1950, quando o António Carvalho nasceu, a nossa população activa era de  3.2 milhões, distribuindo-se pelo sector primário (ou seja, agrcultura, sivilvicutura e pescas) (50%), sector secundário (24%) e sector terciário (26%). 

Aqueles de nós cujos pais (ou tios, avós, etc.) eram agricultores, sabiam pelo menos o que era a segada (ou ceifa), a vindima, a apanha da batata, a rega do milho, a apanha da azeitona, etc. Enfim, sabiam donde vinha o trigo, o centeio, o milho, os legumes, o leite, o toucinho, o salpicão… Sabiam distinguir um carvalho, um castanheiro...Sabiam como se fazia o pão. Participavam da matança do porco. Iam ao “monte” ou às “sortes” apanhar carqueja, pinhas, caruma… Alguns inclusive sabiam conduzir os bois... E a sua vida era pautada pelo ritmo circadiano das estações do ano e sobretudo dos solstícios (o do verão e do inverno). (**)

E, mesmo depois da escola, aos 7 anos, não havia “férias grandes” (privilégio de alguns dos “meninos da cidade”), que, no campo, o trabalho do menino era pouco mas quem o desperdiçava era louco…Menino que  só tardiamente descobriria a cidade, a praia, o mar... (***)

2. O próprio topónimo Medas poderá estar relacionado com as “medas de palha” (pág. 13), embora na terra do António Carvalho fosse mais comum chamar-lhes “rolheiros”.

De resto, o léxico usado pelo autor também já não é frequente ouvir-se (nem ler-se( e os nossos filhos e netos têm seguramente que recorrer ao dicionário para entender, termos e expressões tais como “paveias”, “vencilho”, “broa”, “restivada”, “malhada”, “chadeiro”, “tarara”, “colmeiros”, “canastro”, “juntas de bois”, "soga", "carros de milho", etc.

(…) "O trigo e o centeio, semeados entre dezembro e janeiro, em junho eram segados e transportados para a eira onde o grão acabava de secar. A segada era um trabalho árduo que decorria sempre sob muito calor, normalmente feito por mulheres, levando cada uma o seu eito e deixando para trás as paveias que outra mulher ou homem se incumbia de amarrar, uma a uma , com um vencilho feito de meia dúzia de caules do mesmo cereal.

"Ao meio da manhã e pela meia tarde algum rapazinho da casa havia de chegar com uma cesta onde raramente havia mais do que broa , vinho e azeitonas, e era esta a hora de reparação de energias e de alguma consolação." (…) (pág. 12).


E já agora, leia-se mais um bocado da descrição das operações associadas à segada (ceifa) do trigo e do centeio:

(…) "Nesse dia ou no seguinte as paveias eram levadas, no carro de bois, para a eira onde se enrolheiravam e assim esperavam mais alguns dias de sol até serem malhadas, quando já o grão se separava facilmente da palha. Nesses campos de cereal de inverno ainda se conseguia semear , em julho, feijão fradinho a que chamávamos a restivada

Na minha freguesia, às medas de palha era mais comum chamar-se-lhes rolheiros, pese embora haver autores que consideram o topónimo Medas derivado precisamente de medas de palha. Nas malhadas cada pessoa batia com os molhos ou paveias sobre o chadeiro do carro de bois, tantas vezes quantas as necessárias para que nem um daqueles preciosos grãos ficasse preso. Depois, o cereal era limpo numa tarara e levado para casa onde se guardava em grandes caixas de madeira com três metros de comprimento por um de largura e altura da cintura de um adulto."(…) (pág. 12).

O trigo, o centeio e o milho eram fundamentais na alimentação dos portugueses. No Norte predominava a broa de milho com mistura de centeio, cozida semanalmente em forno a lenha. No Sul usava-se mais a farinha de trigo.

Capa do livro
(…) “Numa ou duas caixas ficava o centeio, numa outra ficava o trigo, o cereal mais nobre, panificado só em ocasiões mais festivas. A farinha de centeio era sempre consociada com a de milho, numa proporção de uma para três partes, respetivamente, nas cozeduras da broa, aquelas que se faziam na maior parte do ano. Mas nada se perdia nas casas de lavoura.” (…)(pág. 14).


De facto, aqui nada se perdia: nesse tempo, com a palha de centeio faziam-se os colchões das camas das famílias, palha que era substituída, todos os anos, antes da chegada do inverno.

(…) “Os molhos da palha de centeio, depois de malhados, eram desenvencilhados e passados por uma forquilha que se espetava no chão pelo cabo a fim de serem limpos da parte folear e de novo atados em molhos do tamanho de uma braçada a que chamávamos colmeiros. Eram depois estes colmeiros utilizados na renovação da palha de todos os colchões da nossa casa e os restantes vendidos a quem não semeava centeio e deles precisava.” (…) (pág. 14)

Havia “a meda grande, feita da palha de trigo e de centeio”, que servia para pensar o gado em estábulo, no inverno, quando não havia erva no campo; e ainda “outras medas mais pequenas, a que chamávamos rolheiros de palha de milho, que eram feitas nos campos, depois de se removerem as espigas dos caules”, igualmente importantes na alimentação do gado.

Ora “essas medas, as de palha de milho disseminadas pelos campos e a meda mestra, de palha de trigo e centeio, erigida altaneira junto à eira e ao canastro, eram formações de uma arquitetura móvel demonstrativa, pelo sua quantidade e volume, do tamanho de cada casa de lavoura.” (pág. 14).

3. Muito interessante a história da origem do cemitério de Medas (“O sítio das quatro casas", pp. 33/34), que só muito tardiamente, em finais de 1890, foi construído, graças a uma comissão de seis medenses onde estava representadas as figuras gradas da terra, incluindo o pároco, o professor, o regedor e o presidente da Junta de Paróquia. E logo ali foram construídos os primeiros quatro jazigos funerários… 

Ficavam, assim, representadas na nova necrópole as quatro classes sociais da freguesia: “as que tinham três juntas de bois, as de duas juntas e as que possuíam só uma ou nenhuma” (pág, 34).

Na realidade, a estratificação social daquela comunidade camponesa tinha a ver com a riqueza de cada família, sendo esta “aferida pelo número de juntas de bois que possuía e pelo número de carros de milho e, nessa altura, nas Medas, não havia ninguém mais rico que o lavrador mais abastado”. 

De acordo com dados recolhidos pelo autor, e relativos ao ano de 1922, “em Medas, havia cinquenta lavradores com uma junta de bois, vinte com duas e apenas cinco com três.(…) (pág. 69).

Tirando o período de 1890 a 1930 (correspondente à emigração para o Brsail, a I Grande Guerra, a pandemia de "gripe espanhola" e a crise económica dos finais dos anos 20), a população de Medas tem vindo a crescer, desde  o segundo triénio do séc. XX: 990 (em 1920) e 2433 (em 1991). Tem vindo, naturalmente, a decrescer (e a envelhecer) no séc. XXI: 2129 (em 2011), dos quais 16,7% com 65 ou mais anos. O concelho, Gondomar, faz parte da Área Metropolitana do Porto.

(Continua)

PS - Selecão de excertos, itálicos e negritos, da resp0onsabilidade do editor LG.

____________

Fonte: António Carvalho - Um Caminho de Quatro Passos. Rio Tinto: Lugar da Palavra Editora, 218 pp., ISBN: 978-989-731-187-1.

O livro pode ser adquirido, ao preço de 15,00 Euros (portes incluídos, no território nacional ou estrangeiro) Contactos do autor, António Carvalho, Medas, Gondomar

Email: ascarvalho7274@gmail.com | Telemóvel: 919 401 036

__________

Notas do autor:

(**) Vd. poste de 11 de setembro de 2021 > Guiné 61/74 - P22533: Notas de leitura (1380): "Um caminho de quatro passos": temos um novo escritor, o António Carvalho passa o teste, e espero que seja com louvor por unanimidade e aclamação dos seus leitores (Luís Graça)

(...) Muitos de nós, antigos combatentes, que nasceram em aldeias ou pequenas vilas, do interior do país, vão-se reconhecer neste retrato da infância e adolescência do autor. Em boa verdade, é o retrato da nossa geração... Muitos de nós, para não dizer a grande maioria, que nasceu, cresceu e viveu no campo até à idade de ir para a tropa. Uma geração que: 

(i) nasceu de parto com dor, em casa, sem assistência médica;

(ii) foi batizada segundo os cânones da Santa Madre Igreja Católica, Apostólica, Romana;

(iii) foi alimentada a caldo e broa, e alguns provaram pela primeira vez o leite, ainda não pasteurizado, da vaquinha;

(iv) assistiu ao espetáculo, hoje cruel, da matança do porco (, fabulosa a sua reconstituição, em "O festim", pp. 20/22):

(v) aprendeu as primeiras letras à luz do candeeiro a petróleo e, muitas vezes, ia descalço até à escola da vila, com os sapatos de ir à missa atados ao ombro;

(vi) vivia em casas sem saneamento básico, sem eletricidade, muito menos rádio, telefone e televisão;

(vii) foi a 1ª geração de portugueses a ser vacinada contra algumas das mais temíveis doenças infetocontagiosas que no passado causaram elevada morbimortalidade;

(viii) passou a dispor, a partir de 1945, da bala mágica, a penicilina;

(ix) só conheceu a capital do país, quando embarcou para a guerra da Guiné, que a mobilidade espacial (ainda era um luxo)...

(x) mas começou também a perceber a importância da educação como forma de mobilidade social, ou seja, para se poder sair do círculo vicioso da pobreza;

(xi) num tempo em que a democratização do ensino (e a universalização da proteção social) só começaria a chegar no final do consulado de Marcelo Caetano;

(xii) é também a geração que sai, das suas casas da aldeia e das vilas, para fazer a última guerra do Império, ou para emigrar, a salto, para o Eldorado transpirenaico. (...)


3 comentários:

Antº Rosinha disse...

xiii, geração em que a primeira filha, ficava destinada a ser responsável pela criação dos 5º, 6º e 7º irmãozinhos que sobrevivessem.

xiv, geração que dos 7 aos 10 anos, era desancado pelo professor/a, devidamente autorizado pelo pai analfabeto.

xv, geração que teve a sorte de sobreviver à mortalidade infantil, e a bomba atómica caiu muito longe, não emigrou num porão de um navio para as américas, mas à guerra colonial não escapou.

Tabanca Grande Luís Graça disse...

Rosinha, é tristemente verdade, o que dizes... nomeadamente sobre a mortalidade infantil (e a violência escolar).

1. Citando um texto meu:

https://www.ensp.unl.pt/luis.graca/textos30.html


Se considerarmos um clássico indicador, como o da mortalidade infantil(...), Portugal estava longe, em 1950, de ter entrado na senda dos países desenvolvidos cujas taxas evoluíram de 35 para 7, no período do pós-guerra até ao final da década de 1980;

Em 1910 a taxa de mortalidade infantil era de 209; só 40 anos depois é que está abaixo dos 100 (94 é valor referente a 1950);

Até 1974, os valores das taxas de óbitos de crianças até 1 ano de idade por 1000 nados-vivos "colocavam-nos entre os países do continente europeu de mais elevada mortalidade infantil, tendo por companheiro próximo apenas a Jugoslávia" (...);

Só a partir desse ano, é que se dá início ao "percurso de um declínio sensível": em 1995, a taxa de mortalidade infantil já está dentro da média europeia (7.4), embora continuasse ainda a ser a mais elevada da UE (...)

2. Quanto à violência dos professores do ensino primário... estava "institucionalizada" no Estado Novo, ou no mínimo era tolerada, se não mesmo incentivada, por pais e agentes de educação...

Carlos Vinhal disse...

Falar da mortalidade infantil nos idos anos 20, 30, 40 e 50 é falar de um mundo atrasado, e Portugal não fugia à regra, antes a acentuava.
A minha mãe contava-me que eu fui um bebé muito doente, um dia o meu pai chegou a casa com o salário da quinzena, foram à farmácia, gastaram-no quase todo, sobrando só uns trocos para comerem alguma coisa até à outra quinzena.
O meu avô paterno morreu em Janeiro de 1949, a dois meses de eu completar o primeiro ano de vida. Dizia então ele que iria morrer mas que eu não tardaria muito a ir atrás dele.
A minha mulher, filha mais velha dos meus sogros, conta que também esperavam a sua morte em bebé porque nem sequer se conseguia alimentar. Dinheiro para comer mal havia quanto mais para medicamentos.
A história do recebimento do meu pai às quinzenas, dever-se-á ao facto de ele ser na altura um modestíssimo assalariado da função pública, que tão depressa tinha trabalho como não, daí pagarem às quinzenas. Poucas pessoas saberão que nos anos 40, na função pública, (pelo menos no Porto de Leixões, na altura gerido por uma Junta Autónoma)se trabalhava 7 dias por semana, de sol-a-sol, como então se dizia. O meu pai pegava ao nascer do sol e largava quando ele se punha.
Miséria, escravidão e trabalho (muito) precário. O retrato de uma nação atrasada que assim tratava e dominava o seu povo.
Carlos Vinhal
Leça da Palmeira