quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Guiné 63/74 - P15554: Notas de leitura (792): "A Rua Suspensa dos Olhos", de Ábio de Lápara (pseudónimo literário de José A. Paradela): reprodução do capítulo 7 com a descrição da viagem de seis meses, aos 17 anos, em 1955, aos bancos de pesca do bacalhau: III (e última) parte


Ílhavo > Costa Nova > Popa do navio bacalhoeiro Novos Mares onde andou o meu irmão, Tibério Paradela, após o Cavaco Silva ter negociado a demolição da frota.


Lisboa > Rio Tejo > s/d > O mítico lugre Argus, um dos mais (senão o mais) emblemátricos navios bacalhoerios da frota portuguesa: "Na Primavera de 1950 o dapitão australiano Alan Villiers e reporter da National Geographic, a convite do Embaixador Teotónio Pereira embarcou com os pescadores portugueses numa campanha do bacalhau, cujo relato resultou no livro “A Campanha do Argus” (...)  , um clássico da literatura marítima mundial, que teve tradução em mais de uma dezena de línguas, e que relata a pesca do bacalhau por 'homens de ferro em navios de madeira', a mítica 'frota branca', a última grande actividade económica que fazia uso da navegação à vela para viagens transoceânicas." (...) (Fonte: Wikipedia).



S/l> s/d > "Lugre bacalhoeiro de casco de aço e com quatro mastros construído em 1923 na Dinamarca (...). Navegou com carga geral até 1935, ano em que foi adquirido pelos armadores portugueses da Sociedade de Pesca Oceano Lda, da Figueira da Foz. (...)  O lugre de 1935 apresentava 687 toneladas de arqueação bruta e media 60 metros de comprimento fora a fora por 9,90 metros de boca por 3,50 metros de pontal. Podia carregar mais de 11 000 quintais de peixe salgado. Foi-lhe adaptado, em 1937, uma máquina Deutz de 480 bhp de potência. A sua tripulação compreendia 69 homens entre marinheiros e pescadores. Foi seu primeiro comandante (até 1939) o capitão João de Deus. Depois de muitos anos de serviço útil nos longínquos mares do Canadá e da Groenlândia, o «José Alberto» perdeu-se -durante a campanha de pesca de 1968- na zona de Virgin Rocks (Terra Nova), devido a um incêndio que se declarou a bordo e que não foi possível extinguir. Felizmente todos os seus homens puderam colocar-se a salvo antes do soçobro deste malogrado navio bacalhoeiro, que deixou imensas saudades na população figueirense". (...) (Fonte: Alernavos)



Canada > Torra Nova > "O  Gil Eanes em St. Jonh's em 1975. O figurante não sou eu, mas a foto foi tirada por mim" (JAP).




Porto >  c. 1918 > "Uma foto lindíssima do meu pai, embarcado com 12 anos com o cão ao colo por trás da boia do Pátria, o navio em que embarcou. O capitão era o pai do Mário Castrim, o cap Fonseca, de Ílhavo." (JAP)

Fotos (e legendas): © José Amtónio Paradela  (2015). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar: LG]


1. Terceira (e última) parte da publicação do capítulo 7 (A viagem “O Mar por Tradição”, pp. 91-107), do livro A Rua Suspensa dos Olhos, de Ábio de Lápara (edição de autor, Aveiro, 2015, 164 pp.) (*)...



O artista quando jovem mariunheiro, a nordo do "Lousado", em 1955



Capa do livro, da autoria de José A. Paradela. O livro não está no mercado livreiro,
tratando-se de edição de autor  Mas, contra reembolso (10 euros, preço de capa + 2 euros, para portes de correio), pode ser pedido autor, através do seu endereço pessoal. Ver igualmente a sua página pessoal no Facebook.


2. A Rua Suspensa dos Olhos > 7. A viagem “O Mar por Tradição”, de Ábio de Lápara (2015) > III (e última) Parte (pp. 99-107) (*)


A Viagem 

 (...) Todas estas situações de extrema dureza eram agravadas pelas erráticas condições meteorológicas que impediam a pesca: ora ventos, ora nevoeiros e, sobretudo, pela aleatória presença de peixe nos pesqueiros. A tensão gerada por essas circunstâncias era de molde a criar situações explosivas de conflito, nem sempre evitáveis e nem sempre… no interior do navio!

Um certo dia, após vários outros de mau tempo e pescas nulas, amanheceu radioso um mar estanhado, característico da Groenlândia, sem um risco de ave ou ligeira brisa.

Largados os botes, passadas poucas horas começam a chegar os sintomas de um abundante dia de pesca com alguns deles a regressarem carregados muito antes da hora de chamada, que costumava ser por volta das cinco da tarde. Eis senão quando, alguns dos pescadores nos botes mais afastados, desataram a fazer sinais para o navio acenando com o casaco oleado enfiado num remo!

Estávamos na hora de almoço. Chamado o capitão à ponte, ao observar pelo binóculo apercebeu-se imediatamente do que se passava: Um arrastão norueguês cruzava a sua rede de arrasto por cima das linhas de pesca estendidas no mar, obrigando os nossos pescadores a cortá-las para não serem rebocados.

Então… ah, homem de uma figa!
– Levantar ferro! – ordenou ao imediato.
– Máquina a toda a força!– gritou para a casa das máquinas.
– Prepara a lancha! – altifalou para o contramestre.

Chegados a uns duzentos metros do arrastão, praticamente imobilizado pela rede cujo saco estava a chegar à borda, mandou arriar a lancha e, completamente fora de si, meteu-se lá dentro com o Armindo Verdade ao leme do motor fora de borda. Entretanto pedira a espingarda ao piloto, mas este, ciente da gravidade potencial da situação, tivera o bom senso de a esconder.

Abordado o navio norueguês, saltou destemido para o convés sem ponderar a imprudência do acto…
– Where is the captain? Where is the captain? [Onde está o capitão ? Onde está o capitão ?] – pergunta aos estupefactos marinheiros do arrastão, atarefados na recolha da rede.

Uma silhueta “viking”, de cabeleira loira, observava cautelosamente por trás do vidro numa janela da ponte de comando.

Esbracejando sozinho sobre o convés, incitava-o a vir cá abaixo ajustar contas. De pé sobre parte da rede já recolhida no convés do “inimigo”, a figura do nosso capitão recortava-se sobre o fundo azul do céu boreal como uma silhueta imponente, desmedida e trágica… agora, sobretudo trágica na solidão do seu gesto. Como, após várias tentativas de chamamento, não conseguiu obter resposta, colocou as mãos em campânula à volta da boca, e gritou para o nosso navio:
– João, corta-o ao meio! João, corta-o ao meio!

E, ritmando o gesto, apontava a mão direita estendida ao meio da palma da outra.

João, era o imediato, Morais de Almeida, a quem seria fácil executar a ordem. Bastava pôr a máquina avante, porque estávamos aproados pelo través de bombordo do arrastão e este seria rapidamente abalroado e afundado.

Em extremo desespero perante a lentidão propositada do imediato, e sem resposta do capitão norueguês, saltou novamente para a lancha gesticulando com os braços, indicando o saco da rede ainda à borda. Formulou então uma alternativa menos radical mas que seria talvez suficiente para acalmar o seu desejo de castigar o insolente “viking que estragara o único dia de pesca boa em muitas semanas de resultados nulos e de sofrimento pela ausência de peixe no porão.
– Larga-lhe o ferro em cima da rede, João! Larga- lhe o ferro, João…

Esticando o tempo, o imediato manobrou de modo a recolher a lancha de regresso, permitindo ao arrastão colher o saco.

De novo no navio, retomou o comando e lançou-se na peugada do norueguês, mas o Lousado era menos veloz e a perseguição pouco durou, até porque era necessário minimizar os prejuízos e apoiar a situação dos pescadores atingidos pelo infeliz episódio.

Homem com porte poderoso, um dia o contramestre comunicou-lhe que já não tinha mais linhas para substituir as estragadas na faina. Feitas as contas,  achou que alguma coisa estava errada. Esperou que todos os homens regressassem ao navio e, pelas seis da tarde, ordenou-me que pedisse a marreta ao contramestre e fosse com ele ao rancho, onde a tripulação se preparava para jantar.

Ali, existiam cacifos e “locas” junto aos beliches, atribuídas a cada tripulante, para que guardassem os seus parcos haveres. Indicando os cacifos um a um, pergunta:
– De quem é este cacifo?

Alguns respondem:
– É,  meu senhor capitão…
– Abre!

Se nada houvesse de suspeito, passava à frente e voltava a fazer a pergunta perante novo armário. Quando não obtinha resposta, ordenava-me:
– Rebenta-lhe a porta!

Com duas marretadas, assunto resolvido… Outro moço ao meu lado, esvaziava o cacifo e as linhas iam aparecendo!

Não foi necessário castigar ninguém, porque para castigo aquela vida já era bastante e os filhos em terra não tinham culpa. E nunca mais faltaram linhas na viagem.

Competia-me contar estas histórias em memória deste capitão, um homem de craveira excepcional, profundamente conhecedor dos tripulantes e dos seus problemas, o que lhe permitia ter uma palavra de estímulo ou censura, sem nunca necessitar de aviltar ninguém.

Estimulava os seus homens um a um, tratando-os pelo nome, e ia ao convés apoiar a tripulação quando entendia ser necessário fazê-lo. A mim tratava-me, em tom que me parecia afectuoso, pelo nome próprio. Conhecedor através do imediato, de que talvez um dia eu pudesse vir a ser seu colega, chamava-me para a ponte em “impostas” mais longas. Eu não o conhecia antes e nunca mais o vi depois desta viagem.

Era de Ílhavo e morreu muito novo. Seu nome: António Capote Teiga, para que conste.

Bastante tempo mais tarde, no Armazém da Memória, encontrei um poema:

O Captain! My Captain!
Our fearful trip is done, …

Walt Whitman


Oh Capitão, meu capitão!
Irmanados na loucura,
Nossos olhos pairam além do horizonte,
Na pátria amarga, incerta sepultura.

Capitão, meu capitão,
Cavalga rumo ao norte
E põe de capa
O poema ancorado em noite escura!
Neste oceano de morte,
Nem a liberdade escapa…
Ao viscoso braço da ditadura.

Capitão, meu capitão,
Cavaleiro involuntário do regime,
Cavalga a onda e o mistério
Da prática consumada deste crime,
Tecido em malhas negras do império.

Oh Capitão, meu velho capitão.
Sobre o deque esquecido
Entre bandeiras e multidão
Ficou o prémio devido
No adeus do coração cansado e triste
Quando inanimado caíste

Oh, Coração! Coração,
A viagem acabou
para todo o sempre!
Navio destroçado, voga indómito,
Adornado nos temporais
Entre espasmos de agonia
Como um vómito!

Capitão, meu velho capitão
Mata a tua solidão no vinho da nossa fonte,
Irmão da sorte avara, atado por cegos nós!
Se Deus está por aqui, dorme na ponte!
Vivos ou Mortos, estaremos sempre sós!


Quando o Lousado regressou ao cais, em Lisboa numa amena manhã de meados de outubro [de 1955], sobre o convés amontoavam-se os sacos de marinheiro e todos os presentes comprados para os filhos e as namoradas durante as estadias em St Jonh’s para reabastecimento ou simples abrigo em dias de ciclone no mar.

Feitos os pagamentos a cada um segundo aquilo que tinha pescado, a alegria transbordava dos rostos agora ressuscitados para o mundo habitado, enfeitados com o boné novo e o fatodomingueiro guardado no cacifo desde a última estadia em terra.

Abraços de despedida aos mais chegados na amizade, talvez algo desatentos pela ansiedade instalada no desejo de pôr os pés em terra para abraçar os seus.

Como de costume, porque eu evitava dizer quando partia ou chegava, a mim ninguém me esperava. Gostava de surpreender quem amava e me amava. Tal como o meu pai fazia por vezes, aumentando a nossa ansiedade e o prazer de o ver chegar!

Aqueles últimos momentos gastei-os a relembrar em rápida sucessão, os sonhos de amor gravados com a minha “faca de trote” nas pedras que vinham presas nos anzóis e que depois devolvia ao mar onde ainda hoje moram; as saudades dos meus familiares, que não via há mais de sete meses e que em breve abraçaria; os laços de forte amizade que criara; as aventuras que vivera tão intensamente; o desejo imenso de pisar terra, que me levou um dia a enveredar pelos montes de St. Jonh’s com saudades dos silvados e das amoras, até ver o navio lá muito longe, tão longe que me parecia um brinquedo flutuando na água do banho… mas também os momentos de violento sofrimento físico causado pelos dedos gelados, trilhados nos roletes, quando o mar estava picado e era necessário “dar amor à boça” para que o pescador não caísse ao mar!

E, súbito, a recorrente imagem dela, ali presente, o meu amor adolescente, desmedido, enchendo todo o espaço sobrante dentro de mim e o medo permanente de que se tornasse evanescente ao primeiro sopro… o meu doce martírio.

Alguns moços tinham preparado na véspera uns embrulhos com a habitual “caldeirada” para os tripulantes da proa – umas caras de bacalhau salgadas – extraídas por nós durante toda a viagem enquanto os pescadores estavam no mar, e que depois salgávamos no interior das barricas vazias da farinha com que se fizera o pão.

José António Paradela, hoje. Foto: LG
O imediato, já vestido a rigor, acompanhava agora a entrega e despedia-se dos que iam saindo para o cais ao encontro dos familiares que os esperavam. Quando chegou a minha vez, entregaram-me um pequeno “atado” com quatro caras de bacalhau!… A mim, um jovem moço de convés, que tinha preparado milhares de caras, e outros subprodutos do bacalhau nas horas sobrantes das tarefas de preparação do navio para novo dia de pesca, aolongo de mais de seis meses no mar! A Viagem terminara!

À minha frente, um imenso sentimento de esperança no futuro pela possibilidade de redenção do meu curto passado de mau estudante. Um novo oceano, de contorno inexprimível, que ansiava por explorar com a indómita vontade dos meus 17 anos…

De olhos húmidos, com voz presa na garganta, ainda consegui articular,
– Obrigado, senhor Imediato. Não tenho como levá-las… junte-as à sua caldeirada!

E saltei para o cais correndo para um táxi que me levaria a Santa Apolónia, tomar o comboio para Ílhavo, onde celebraria a alegria dos reencontros.

[Revisão e fixação de texto, ilustrações, links e notas, exclusivamente para efeitos de edição deste poste: LG]
 _____________

Nota do editor:

(*) Vd. psotes anteriores:

23 de dezembro de 2015 Guiné 63/74 - P15531: Notas de leitura (791): "A Rua Suspensa dos Olhos", de Ábio de Lápara (pseudónimo literário de José A. Paradela): reprodução do capítulo 7 com a descrição da viagem de seis meses, aos 17 anos, em 1954, aos bancos de pesca do bacalhau: Parte I

29 de dezembro de 2015 > Guiné 63/74 - P15551: Notas de leitura (791): "A Rua Suspensa dos Olhos", de Ábio de Lápara (pseudónimo literário de José A. Paradela): reprodução do capítulo 7 com a descrição da viagem de seis meses, aos 17 anos, em 1955, aos bancos de pesca do bacalhau: II parte

Sem comentários: