quarta-feira, 13 de junho de 2018

Guiné 61/74 - P18739: Historiografia da presença portuguesa em África (117): Uma reunião invulgar: a Conferência dos Administradores, Bissau, 1941 (3) (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 6 de Fevereiro de 2018:

Queridos amigos,
Confesso que comecei a leitura deste documento na presunção de que se tratava de mais um texto de farronca e glorificação do senhor governador. Enganei-me redondamente. Primeiro, o senhor governador sabia da poda e desenhou um questionário primoroso, podia aquilatar, pelas respostas recebidas, da preparação dos seus colaboradores. Vive-se um período de guerra duríssima, as colónias francesas não obedecem ao governo de Vichy, é seguro que Salazar não queria que se levantassem ondas, dentro da sua neutralidade colaborante. O acervo informativo que o governador obteve não nos deixa aturdidos mas obriga-nos a pensar, a ver a realidade sobre vários prismas. Há administradores que falam em regeneração e ressurgimento do Império, outras há que sugerem, mesmo com punho de renda, que é necessário pôr termo à exploração desenfreada do indígena, e outros também se mostram dispostos a pôr as mãos na massa para melhorar a vida naquela parcela do Império, veja-se o que diz o administrador da circunscrição civil de Farim, recordo que estamos em 1941.

Um abraço do
Mário


Uma reunião invulgar: a Conferência dos Administradores, Bissau, 1941 (3)

Beja Santos

Do que me é dado saber, a conferência dos administradores que decorreu no início de Dezembro de 1941, por determinação do Governador, o então Capitão Ricardo Vaz Monteiro, foi a primeira iniciativa de auscultação das autoridades coloniais e altos funcionários mediante uma agenda previamente distribuída, tratou-se de um debate que permitiu ao governante tirar conclusões e publicar as memórias dos intervenientes. É surpreendente como este documento é praticamente ignorado quando encerra conhecimentos e desvela com relativa limpidez o que era a mentalidade colonial de então. A mentalidade e o nível de preparação dos quadros dessa administração.

Tenente-Coronel Ricardo Vaz Monteiro, fotografia inserta no livro “Guiné, alvorada do Império”, homenagem ao Engenheiro Raimundo Serrão, que foi Governador da Guiné depois do Comandante Sarmento Rodrigues.

Concluiu-se o apontamento anterior com referências a observações sobre a falta de conhecimentos dos nativos sobre a mancarra, reduzido a um puro objeto de negócio. Curiosamente, na sua memória o administrador da circunscrição de Cacheu também versa o assunto: “O indígena da colónia, na sua quase totalidade, encontra na cultura da mancarra o meio mais seguro de garantir a solvência do imposto político que é o mais quantioso das contribuições que os direitos de soberania lhe exigem”. E tem opinião também sobre a reformulação dos celeiros: “Os celeiros devem ser constituídos e localizados onde de facto possam melhor atender ao fim da assistência agrícola ao indígena. É preciso saber-se que para o Manjaco entregar de boa-fé uma parcela da sua colheita, carece de ganhar a certeza de que o régulo ou chefe, longe das vistas dele, não vai retirar dos celeiros comunais indígenas um bago de arroz ou um grão de mancarra. Desta sorte, os celeiros a constituir deverão sê-lo nas redes dos postos e das administrações”.

E tem também opinião sobre como melhorar a política indígena dos chegados e regulados, deixou escrito o seguinte na sua memória:
“Afigura-se-me que, fazendo afastar destas regiões os pretensos candidatos, depois de a autoridade administrativa verificar qual o indígena com direitos, de facto, à chefia ou regulado. Os régulos, nesta área administrativa, no geral, são impostos e pertencem a raça diferente: Mandingas, Fulas e Biafadas. As razões que a tal obrigam, desconheço-as.
Para mim, estas autoridades não são mais do que uns chefes de posto em miniatura, usufruindo de todos os benefícios consagrados a quaisquer régulos que tivessem ascendido aos lugares, por direito consuetudinário.
A estas ou a qualquer autoridade indígena, por desconfiança, não recorrem os Balantas, porque, delas, pouca justiça esperam e alcançam.
Para um indígena desta área administrativa, o régulo ou chefe é considerado, unicamente, como um elemento de ligação, entre ele e as autoridades.
Pouco sociáveis, com tendência para o isolamento, procuram encobrir todos os seus actos, a não ser nas festas de circuncisão ou batuques funerários, onde se reúnem em grande número. Nestas festas, fugindo ao habitual, cantam as suas proezas, principalmente o roubo, em que são peritos.
Fornecendo esses autos os elementos que conduzem Vossa Excelência a uma resolução rápida justa, creio que contribui, grandemente, para o sossego das populações. Digo assim, porque o indígena aprecia muito a resolução rápida das suas questões e a justiça da sentença, da qual tem uma intuição segura. Ele sabe apreciar e considerar a autoridade que, revestida de função julgadora, com equidade, soluciona os seus pleitos.
Afigura-se-me de manter as disposições da Reforma Administrativa Ultramarina no tocante a autoridades indígenas. Ao chefe de posto nunca deve ser atribuída tal competência nesta questão de política indígena, tão importante, que, a não ter uma orientação segura, provocaria grandes perturbações. De resto, este facto tem-se observado em determinados pontos da colónia por insuficiência de conhecimento do meio, mesmo por parte de alguns administradores”.

Da memória do administrador da circunscrição civil de Farim obtêm-se informações muitíssimo úteis. Logo sobre a cultura da mancarra, ele tece observações sobre o trabalho do cultivo e da colheita:
“A cultura da mancarra, em Farim, é feita quase exclusivamente por Mandingas e Mancanhas, que divergem, uns dos outros, na maneira de semear e até de colher aquele produto.
A maioria dos Mandingas faz as suas sementeiras em terras lisas e começa a colher a mancarra logo que cessam as chuvas para que a terra, ao secar, não lhe dificulte aquele trabalho nem o obrigue a maiores esforços.
O Mancanha prepara a terra convenientemente, faz as suas sementeiras em camalhões, o que é aconselhado pelos velhos tratadistas, e recolhe a mancarra da terra por meio de uma espécie de cava, muito depois de findas as chuvas. Este processo dá margem a que o produto se desenvolva mais racionalmente e tenha uma melhor aceitação no mercado.
Seria realmente interessante conseguir que o Mandinga extraísse a mancarra da terra na mesma ocasião em que o Mancanha o faz, e pelos mesmos processos que este adopta”.

E não menos interessante é o que ele escreve sobre a cultura do arroz:
“Conheço a cultura do arroz feita por chineses, japoneses, javaneses e timorenses e, interessou-me, por isso mesmo, conhecer os processos adoptados pelos indígenas da Guiné.
Toda a gente sabe que o chinês é, por excelência, o mestre desta cultura, que a estuda nos mínimos detalhes para tirar dela o melhor partido, na produção e qualidade.
Adopta, invariavelmente, o sistema dos alfobres, fazendo as transplantações na época devida, e por ser este o processo de obter um enraizamento da planta mais vigoroso, uma produção mais abundante e rápida.
O trabalho feito pelos agricultores indígenas de Catió, é perfeitamente idêntico ao que adoptam os lavradores chineses, na parte relativa ao estabelecimento dos alfobres e transplantação das plantas para os locais definitivos.
Diferem, unicamente, no preparo das várzeas, talvez porque não possuem gado em quantidade suficiente e devidamente amestrado para lavrá-las.
Quanto ao aumento da produção, ele depende, unicamente, da quantidade de semente que eles possuírem, das condições climatéricas e, sobretudo, de uma intensa fiscalização no acto do preparo das terras, para que a sua área seja aumentada.
Mas, se este meu modo de ver refere-se somente às regiões produtoras do arroz, outras terras há que podiam ser aproveitadas para o mesmo fim, desde que fossem dotadas com um sistema de irrigação, embora rudimentar.
Há, nas imediações do rio de Farim, quase me linha paralela com o seu curso, alguns milhares de hectares de terras que se prestam optimamente para a cultura do arroz, mas que não são exploradas nem aproveitadas por falta de água.
O rio Farim, cuja água é doce durante todo o ano, oferece vasta matéria-prima para a irrigação dos referidos terrenos, e as despesas a fazer com a realização desta obra pode dizer-se que seriam bastante diminutas.
Eu comprometer-me-ia a executá-la desde que possuísse uma bomba centrífuga movida a vapor ou electricidade, com a capacidade de rendimento preciso.
Seria esta a única despesa efectiva a fazer porque dispensavam-se canalizações condutoras de água e outros materiais acessórios.
E as regiões que se encontram abandonadas, que para nada têm servido até aqui, passariam a ter um desenvolvimento muito importante e a marcar um lugar de destaque no desenvolvimento económico da colónia.”

Este senhor administrador de Farim ainda tem mais coisas para dizer com propriedade e falta registar os comentários dos administradores do Gabu, Bula e Bijagós. Deixemos este registo para o próximo e último texto que se dedicou a esta conferência de que não se conhece antecedentes, pela qualidade e intensidade da informação carreada.

(Continua)

Quartel Militar em Bolama, fotografia de Francisco Nogueira, inserida no livro “Bijagós Património Arquitetónico”, Edições tinta-da-china, 2016.
____________

Nota do editor

Último poste da série de 6 de junho de 2018 > Guiné 61/74 - P18716: Historiografia da presença portuguesa em África (116): Uma reunião invulgar: a Conferência dos Administradores, Bissau, 1941 (2) (Mário Beja Santos)

1 comentário:

Antº Rosinha disse...

Aqui se vê que as autoridades coloniais (os europeus)em 1941, ainda andavam a estudar como haviam de "bem colonizar" os africanos , e já tinham passado tantos anos que Gil Eanes tinha dobrado o Cabo Bojador.

E já passaram tantos anos e ainda hoje a crise dos emigrantes africanos estão a dar a volta ao miolo aos italianos, alemães, franceses...e ninguem estuda como se chegou a isto, que sempre ajudaria a solucionar o problema.