segunda-feira, 30 de maio de 2016

Guiné 63/74 - P16146: Nota de leitura (843): “Os Anos da Guerra, 1961/1975, Os portugueses em África, Crónica, Ficção e História”, organização de João de Melo, colaboração de Joaquim Vieira, Círculo de Leitores e Publicações Dom Quixote, 1988 (3) (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 19 de Agosto de 2015:

Queridos amigos
Não é novidade para ninguém que Álvaro Guerra é um dos escritores de primeira plana no arranque da literatura da guerra da Guiné. Em todos os seus primeiros livros, até 1973, a Guiné, os temas da guerra, as figuras que marcaram o combatente, os próprios ferimentos em combate que ele descreve em prosa magnífica no seu livro "O capitão Nemo e eu", são recordações guineenses poderosas, obsidiantes.
Pode-se dizer que esta literatura entrou com o pé direito com nomes como Armor Pires Mota, Álvaro Guerra e José Martins Garcia. As motivações posteriores da escrita são outra história, já contada e ainda por contar, teremos surpresas até que o último de nós exale o suspiro da despedida.

Um abraço do
Mário


Os Anos da Guerra, por João de Melo (3)

Beja Santos

"O Tempo em Uane", conto de Álvaro Guerra

Álvaro Manuel Soares Guerra nasceu a 19 de Outubro de 1936, em Vila Franca de Xira, onde passou a infância e concluiu os estudos secundários. Frequentou a Faculdade de Direito de Lisboa. Em 1961, foi mobilizado para a Guiné como oficial miliciano, ferido em combate, regressou em 1963. Estudou depois em Paris e ingressou no jornalismo (República e RTP). Após o 25 de Abril foi nomeado como embaixador político. Com este ou aquele matiz, os seus primeiros livros, até 1973, afloram a guerra da Guiné. A particularidade deste conto, tanto quanto eu sei, foi a sua única incursão na modalidade do conto, é passar-se no Sul da Guiné e relatar um ainda quadro de inocência de oficiais milicianos que desconheciam a rede de informações do PAIGC. Deverá datar de 1965 ou 1966.

O arranque do conto é luminoso em várias dimensões:
“A meio da tarde, vieram três alferes de Bedanda, na canoa a motor, tendo como pretexto a dominical caça aos crocodilos. Amarraram a canoa às velhas estacas de cibe do cais de Uane e encaminharam-se para a aldeia, os três alferes, o cipaio e os dois soldados da guarnição de Bedanda, o sol a abrir as primeiras gretas da seca nos estreitos valados do arrozal, o calor a martelar a terra e as costas reluzentes dos balantas que colhiam o arroz, enterrados na lama estagnada da bolanha que se estendia, na geometria infalível dos canteiros, desde a margem do rio até à longínqua orla do mato, limite sombrio daquele infernal e extensíssimo quadrado de sol chispando na água.
Atravessaram lentamente a bolanha, enfrentando o persistente ataque dos mosquitos. O alferes gordo que vinha à frente era quem mais suava, grossas gotas a deslizarem até ás guias do bigode e, por vezes, a arderem nos olhinhos miúdos que, no entanto, espreitavam os seios das mulheres a caminho do celeiro, os balaios cheios equilibrados sobre as cabeças de ébano. Procede-se a uma troca de cumprimentos entre quem vem e quem está. Tinha havido sarrafusca em Fulacunda. Sentam-se e bebem cerveja, e descreve-se o episódio: 
- Conta lá, então, como é que aquilo se passou.
- Uma emboscada. Três mortos e cinco feridos. Um jipe espatifado. Os gajos têm armas automáticas, carabinas, granadas. E uma vontade danada de nos comerem os fígados. 
E, mais adiante: 
- Depois, houve o ataque ao comando do batalhão. Dois mortos. Os tipos saltaram arame e estiveram mesmo na arrecadação do material. 
- E levaram alguma coisa? 
- Há quem diga que sim e quem diga que não. Não se sabe ao certo. 
No silêncio a voz da mestiça recomeçou a morna, serenamente. 
- A sua mulher canta bem, seu Jaquim – disse o da cicatriz.
O homem sorriu, confuso. 
- Mais uma cervejinha, senhor alferes?
Ele disse que não. Nunca se habituara àqueles cheiros adocicados do gergelim, do mel, do coconote, misturados com o suor dos homens – o cheiro das lojas do mato. Isso e a cerveja que lhe caíra no estômago como uma pedra punham-lhe chumbo nas pálpebras. 
- Que é que vieste aqui fazer com o pelotão? 
- Caçar um bando de 50 tipos – respondeu, irónico. 
- Não sabia que esta zona ainda pertencia à tua companhia. Estás a quase 60 quilómetros de Buba. 
E o “Pau de Virar Tripas”: 
- Isso do bando que anda por aqui, é verdade? 
- Sei lá… Mas é evidente que não acredito em semelhante coisa. 
Era muito simples não acreditar, faltava-lhes a certeza absoluta de uma bala tombar um deles, eram ainda imortais, embora já saboreassem o medo, cada um com o seu plano de salvar a vida. Eram outras as próprias palavras e o modo como os quatro alferes as diziam, ali em Uane, uma aldeia Balanta com 50 e tantas moranças, a loja do Joaquim, o Posto e o celeiro, tudo por causa do arroz que os barcos, a pouco e pouco, levavam rio abaixo. O radiotelegrafista apareceu à porta e disse: 
- Há uma mensagem para decifrar, meu alferes. 
Sobrepondo-se à morna que vinha lá de dentro e que se repetia (“Qu’ê d’nha crêtcheu”), a voz cabo-verdiana do Joaquim: 
- Vou mas é mandar a patroa para Bissau.
Uma hora mais tarde, os cinquenta guerrilheiros, algures no mato, já sabiam o que é que o pelotão de Buba tinha vindo fazer a Uane”.

Se me perguntarem o que há de original na natureza deste conto, direi que é surpresa de descrever os primórdios da guerra, escapando completamente ao lápis da Censura. Estamos em meados da década de 1960, vende-se no nosso mercado interno a ideia de que aquela guerra é um vasto somatório de ações de policiamento, e aqui diz-se desabridamente que o excesso de confiança era aproveitado pela rede de informadores, rapidamente alguém fazia chegar ao mato a notícia de que vinha por aí uma operação. E há a trama do próprio conto, entra-se diretamente nos acontecimentos a descrever e traça-se em pinceladas largas o ambiente: a vinda numa canoa, os trabalhos na bolanha, o encontro entre alferes, a ida dos quatro até ao estanco do senhor Joaquim, descrição direta e seca: “Sentaram-se os quatro nas cadeiras aviadores de pau-sangue, rijas de quebrar os ossos, à volta da mesa redonda com um naperão de renda desbotado e sujo”.

Descrevem-se acontecimentos bélicos, sem o cuidado de guardar sigilo do que houve e do que vai haver. Usa-se uma linguagem desbocada e jamais ficaremos a saber se foi o senhor Joaquim, a sua mulher ou um enviado de um ou outro que foi informar o que o pelotão de Buba tinha vindo fazer a Uane. Esta a mestria do conto, ali não falta a modorra, a descontração, a inocência. E ficamos igualmente a saber que é tudo dificílimo naquele Sul que começou a conhecer o tumulto da reviravolta no segundo semestre de 1962, como hoje está devidamente esclarecido.

Penso que se fecha com chave de ouro as recensões ao livro “Os Anos da Guerra”, com organização de João de Melo.
____________

Nota do editor:

Postes anteriores de:

23 de maio de 2016 Guiné 63/74 - P16124: Nota de leitura (841): “Os Anos da Guerra, 1961/1975, Os portugueses em África, Crónica, Ficção e História”, organização de João de Melo, colaboração de Joaquim Vieira, Círculo de Leitores e Publicações Dom Quixote, 1988 (1) (Mário Beja Santos)
e
27 de maio de 2016 Guiné 63/74 - P16140: Nota de leitura (842): “Os Anos da Guerra, 1961/1975, Os portugueses em África, Crónica, Ficção e História”, organização de João de Melo, colaboração de Joaquim Vieira, Círculo de Leitores e Publicações Dom Quixote, 1988 (2) (Mário Beja Santos)

1 comentário:

Tabanca Grande disse...

Mário: Foi por essa altura, que morreu o priemrio comandante do PAIGC, o Vi(c)torino Costa. Já aqui falámos dele, Victorino Domingos Costa, irmão de Manuel Saturnino da Costa (, futuro primeiro ministro da República da Guiné-Bissau). Foi morto, numa emboscada em 1962, antes do início oficial da guerra, por um grupo da CCAÇ 153, comandado pelo Cap Inf José Curto, na região de Quínara, nas proximidades de Darsalame.

Sobre esta época, de 1962, em que o PAIGC começou a fazer trabalho de formação político-militar, sobretudo nas regiões de Quínara e de Tombali, mas também no leste (triângulo Xime-Xitole-Bambadinca) sabemos ainda pouco.

Na realidade, faltam os testemunhos, orais e escritos. Faltam os relatórios. Faltam as fotos. De resto, era ainda escassa a presença do exército português, e nºão hvia minabs A/C, um leotão podia ir de Tite até Catió, em passaeio... Pu quase..

Por tudo isso, é um período que se presta à especulação. Um vídeo de George Freire (na realidade um filme de 8 mm, convertido para formato digutal) ainda mostra uma Guiné relativamente idílica, calma, tranquila, onde se pode viver e viajar tranquilamente, em segurança, nomeadamente no leste, no chão fula. Mas por quanto tempo ? Quando deixa Nova Lamego e é colocado em Bedanda, em novembro de 1962, com a sua 4ª CCAÇ, o cap QP Jorge Freire ainda leva consigo a esposa. Mas em dezembro ela é obrigada a regressar a Portugal, por razões de segurança. A guerra, suja e dura, já tinha começado, muito antes do ataque a Tite em 23 de janeiro de 1963...

Quem podia falar destes "tempos de chumbo", não fala ou não escreve, pelas mais diversas razões... Mas os que lá estiveram, não eram muitos, e os que hoje podiam ainda falar escrever, ainda são menos...

Recorde-se que Vitorino e Manuel Saturnino são dois dos históricos militantes enviados para a China para receber treino político-militar, juntamente com João Bernardo Vieira (Nino), Francisco Mendes, Constantino Teixeira, os manos Ramos, Pedro e Domingos Ramos, Rui Djassi, Osvaldo Vieira e Hilário Gomes, tendo sido recebidos pelo "grande timoneiro", Mao Zedong, em 1961.

https://blogueforanadaevaotres.blogspot.pt/2013/01/guine-6374-p10996-efemerides-116-o.html