quinta-feira, 2 de junho de 2016

Guiné 63/74 - P16158: Dossiê Guileje / Gadamael (26): É minha convicção que, se as Forças Paraquedistas demorassem mais 2 ou 3 dias, não era preciso mais, Gadamael teria caído (António Reis, ex-alf mil cav, CCAV 8350, Guileje, Gadamael, Cumeré, Quinhamel, Cumbijã e Colibuia, 1972/74)

1. Comentário de Manuel Augusto Reis [, ex-alf mil  cav, CCAV 8350, Guileje, Gadamael, Cumeré, Quinhamel, Cumbijã e Colibuia, 1972/74], a  propósito do poste P16152 (*).

O texto foi enviado para a nossa caixa de correio, tendo nós a devida autorização para o publicar como poste, numa série que tem estado  parada há... quatro anos (Dossiê Guileje / Gadamael) e que suscitou muitas dezenas de comentários, nem todos serenos, como deveria ser timbre do nosso blogue.  (***)

O poste do António Martins de Matos foi reencaminhado, mal foi publicado, para um conjunto de camaradas e amigos da Guiné, grã-tabanqueiros, que se têm interessado pelo dossiê Guileje/Gadamael, quase todos protagonistas dos acontecimentos (ou que, em outros tempos, passaram por Guileje e/ou Gadamael, e que têm escrito sobre a guerra no sul da Guiné).

Trata-se, de resto, de um dossiê que nunca ficará encerrado, tão cedo,  por nos  faltar  a competente investigação historiográfica, de base científica, rigorosa, plural, contextualizada e comparada. Todos nós, portugueses (mas também os guineenses),  temos "velhas contas por saldar", fantasmas por exorcizar, ganhos e perdas a contabilizar e consolidar, ódios e amores mal resolvidos, histórias por contar, análises de custo-benefício, etc. Não vai ser na nossa geração que a gente vai decididamente "arrumar" esta parte da história pátria...

Mas, enquanto os arquivos continuam em silêncio (e eles nunca falarão se não forem tratados,   disponibilizados para e explorados os investigadores...) , os protagonistas, de um lado e do outro, vão desaparecendo, vão morrendo ou envelhecendo... Estamos todos cansados (da guerra, da vida, da Pátria, do blogue, etc.) e alguns de nós optaram já por se calar de vez, ao que parece, ou então deixaram-se cair na perigosa armadilha do cíclico nacional pessimismo. De resto, os portugueses são um povo bipolar, dado a euforias e depressões...

O Manuel Reis, no seu mail, via este seu comentário como um mero "desabafo"... Respondi-lhe em tom de brincadeira: "Camarada, o teu 'desabafo' também é para a história.. Vou publicá-lo, se mo autorizares. E dou conhecimento dele, desde já, ao nosso camarada e amigo AMM... Tudo o que se escreveu e a vier escrever  sobre Guileje e Gadamael ainda é pouco... E já não temos muito tempo, que "a vida é curta, a arte é longa, a ocasião fugitiva, a experiência enganadora, o juízo difícil", como diria o médico grego Hipócrates, pai da medicina ocidental  (Aforismos, Séc. IV/V a.C.).

A nós, que fomos protagonistas de uma guerra, depois de fazê-la. mal ou bem, por terra, ar e mar, compete-nos falar dela e escrever sobre ela, mal ou bem... Atores, não podemos ser juízes, mas podemos ter opinião, individualizada...   O  Manuel Reis foi o primeiro a responder  ao nosso desafio. E espero que não seja ele a encerrar de vez o "dossiê Guileje / Gadamael" que tem sido, afinal, um belo exemplo da pluralidade  (em termos de conhecimentos,  memórias, perceções, valores, sentimentos, emoções, etc,) que faz a riqueza e a originalidade da nossa Tabanca Grande... Aqui cabemos todos,  com tudo aquilo que nos une e até com aquilo que nos separa... (LG)
_____________________

De: Manuel Augusto Reis  
Data: 1 de junho de 2016 às 14:50

Assunto: Guiné 63/74 - P16152: FAP (95): de Gadamael a Kandiafara… sem passaporte nem guia de marcha (António Martins de Matos, ex-ten pilav, BA 12, Bissalanca, 1972/74)

Caro amigo António Matos,

Gostei imenso do teu texto,  muito esclarecedor,  sobre os tempos complicados de Guileje e Gadamel. Muito conversámos sobre isto nos almoços-convívios da Tabanca do Centro. Algumas discordâncias mantêm-se e assim vai continuar a ser. Só me referi ao que vi, tanto em Guileje como em Gadamael. Tu ofereces-nos uma visão mais ampla e mostras-nos outros métodos de actuação da Força  Aérea  e outras estratégias do PAIGC.

Dizer que Gadamael tinha sido apanhado de surpresa não é verdade. Gadamael, através do seu Comandante, conhecia o dia a dia de Guileje, naqueles dias turbulentos, e o Comandante do COP5 foi-o informando, mesmo pessoalmente, quando se deslocou a Bissau. Inclusivamente assistiu à tomada de decisão do Comandante do COP5, pois estava presente em Guileje, embora muito contrariado.

O Comandante do COP 5 [. o major art Coutinho e Lima,] tudo fez para aguentar Guileje. Deslocou-se a Bissau, em missão arriscada, à procura de ajuda. Regressou de mãos a abanar, mas regressou. Como era fácil provocar uma situação anómala e ficar retido, deixando o odioso para outro que o fosse substituir!. Mostrou um brio profissional invulgar ao não abandonar os seus militares. A tomada de decisão foi devidamente ponderada, a situação que se vivia no aquartelamento devidamente escalpelizada e os riscos de semelhante decisão calculados. Não deixou de referir que a sua vida tinha terminado aí.

Em Gadamael cabíamos todos, não havia falta de espaço e é errado responsabilizar Guileje sobre o sucedido em Gadamael. Novo Comandante [, cor pqdt  Rafael Durão], material humano em duplicado e 9 dias para preparar o embate, previsível.

O que foi feitio? Melhoraram-se as valas e fizeram-se patrulhamentos diários, de resultados nulos, apesar dos contactos frequentes com o PAIGC, de que resultaram alguns feridos leves.

A gravidade da situação de Gadamael foi mal avaliada, como o já havia sido em Guileje. O novo Comandante do COP5, a partir do dia 22 de Maio, parte no dia 31 de manhã para Cufar [. sede do CAOP1,],  julgando que a situação de Gadamael estava controlada. Regressa de imediato, na manhã do dia 1 de junho, mas nada há a fazer. Aliás a presença dele em nada alteraria o rumo dos acontecimentos. Não há homens no aquartelamento, nem material capaz de se opor à violência dos ataques do PAIGC. Algum desespero apodera-se de alguns Comandantes e acontecem desastres imprevistos. (**)

Meu caro amigo, no essencial estou de acordo contigo. Gadamael tremeu mas não caiu e tal se deve à actuação do Batalhão de Paraquedistas [, BCP 12,] e à actuação EFICAZ da Força Aérea. Como homem no terreno, é minha convicção que se as Forças Paraquedistas demorassem mais 2 ou 3 dias, não era preciso mais, Gadamael teria caído com estrondo, aprisionando ou matando tudo o que lá se encontrava.

Falei do que sabia, opinei sobre o vi. A tua perspectiva é mais global e interessante e entronca na situação política.  

Um forte abraço,
Manuel Reis.



Guiné > Região de Tombali > Gadamael > CCAÇ 2769 (Gadamael e Quinhamel, de janeiro de 1971 a outubro de 1972) > Vista aérea de Gadamael Porto nos finais do ano de 1971. Foto do cor art ref António Carlos Morais da Silva, e por ele gentilmente cedida ao nosso camarada Manuel Vaz.

Foto: © Morais da Silva (2012) Todos os direitos reservados.[Edição: LG].
______________________

Notas do editor:

(**) Todos os postes anteriores desta série:

12 de dezembro de  2009 > Guiné 63/74 - P5450: Dossiê Guileje / Gadamael (18): Estive 18 horas em escuta nesse dia fatídico para o Sr.Tenente Pessoa e a FAP, em 25 e 26 de Março de 1973 (Victor Affaiate)

11 de Dezembro de 2009 > Guiné 63/74 - P5444: Dossiê Guileje / Gadamael (17): Depois do que ouvimos da boca do Sr. Cor Pára Durão, tudo o que vier a ser dito, soa a elogio (Victor Alfaiate)

9 de dezembro de 2009 > Guiné 63/74 - P5434: Dossiê Guileje / Gadamael 1973 (16): Guileje não caiu, foi abandonado (José da Câmara)

7 de Dezembro de 2009 > Guiné 63/74 - P5417: Dossiê Guileje / Gadamael 1973 (15): Ainda e Sempre Guileje (Victor Alfaiate, ex-Fur Mil Trms, CCAV 8350, 1972/74)

24 de Julho de 2009 > Guiné 63/74 - P4736: Dossiê Guileje / Gadamael 1973 (14): Na minha opinião pessoal, o Major Coutinho Lima foi um Herói! (Amílcar Ventura)

3 de Julho de 2009 > Guiné 63/74 - P4634: Dossiê Guileje / Gadamael 1973 (13): A desonra da CCAV 8350 ou o direito a contar a minha versão... (Constantino Costa)

14 de Maio de 2009 > Guiné 63/74 - P4344: Dossiê Guileje / Gadamael 1973 (12): Homenagem dos Homens Grandes de Guiledje a Coutinho e Lima (Camisa Mara / TV Klelé)

5 de Maio de 2009 > Guiné 63/74 - P4282: Dossiê Guileje / Gadamael 1973 (11): Heróis... (Constantino Costa, Sold CCav 8350, 1972/74)

1 de Maio de 2009 > Guiné 63/74 - P4271: Dossiê Guileje / Gadamael 1973 (10): Respondendo ao João Seabra (António Martins de Matos)

23 de Abril de 2009 > Guiné 63/74 - P4239: Dossiê Guileje / Gadamael 1973 (9): Eu, a FAP, o BCP 12 e a emboscada de 18 de Maio (João Seabra)

15 de Março de 2009 > Guiné 63/74 - P4035: Dossiê Guileje / Gadamael 1973 (8): Amigo Paiva, confirmas que fomos vítimas de ameaças e pressões (Manuel Reis

4 de Março de 2009 > Guiné 63/74 - P3982: Dossiê Guileje / Gadamael 1973 (7): Ferreira da Silva, ex-Capitão Comando, novo comandante do COP 5 a partir de 31/5/1973

1 de Março de 2009 >Guiné 63/74 - P3954: Dossiê Guileje / Gadamael 1973 (6): A posição, mais difícil do que a minha, do Cap Cmd Ferreira da Silva (João Seabra)

10 comentários:

Vasco Pires disse...

Bom dia Manuel Augusto,
Cordiais saudações Bairradinas.
É sempre com interesse que leio os relatos de acontecimentos, onde passei quase toda a minha comissão de seviço.
Permite-me lembrar, que o abandono, a partir de 68 dos quartéis de fronteira,a saber,Cameconde, Cacoca, Sangonhá, Ganturé e Mejo,deixou Guileje e Gadamael extremamente vulneráveis.
Forte abraço.
VP

Tabanca Grande disse...

Manel Reis, aprecio sempre a postura de pessoas como tu que sabem discordar com serenidade e elevação intelectual... Destaquei, por isso, o teu primeiro parágrafo, em que te diriges ao camarada AMM:

(...) "Gostei imenso do teu texto, muito esclarecedor, sobre os tempos complicados de Guileje e Gadamel. Muito conversámos sobre isto nos almoços-convívios da Tabanca do Centro. Algumas discordâncias mantêm-se e assim vai continuar a ser. Só me referi ao que vi, tanto em Guileje como em Gadamael. Tu ofereces-nos uma visão mais ampla e mostras-nos outros métodos de actuação da Força Aérea e outras estratégias do PAIGC." (...)

Por outro lado, aprecio a tua honestidade intelectual:

(...) "Meu caro amigo, no essencial estou de acordo contigo. Gadamael tremeu mas não caiu e tal se deve à actuação do Batalhão de Paraquedistas [, BCP 12,] e à actuação EFICAZ da Força Aérea. Como homem no terreno, é minha convicção que se as Forças Paraquedistas demorassem mais 2 ou 3 dias, não era preciso mais, Gadamael teria caído com estrondo, aprisionando ou matando tudo o que lá se encontrava." (...)

Dado o tom ("podemos discordar uns dos outros na perceção da realidade e interpretação dos factos, mas continuamos camaradas e amigos"), saúdo o reinício da série "dossiê Guileje / Gadamael", que esteve "congelada" quatro anos...

Foi, na época (2009/2012), um bom "teste de stress" aplicado ao nosso blogue... Às vezes, as vozes eram mais exaltadas mas não me lembro de ninguém ter chegado a puxar da G3...

Os velhos camaradas da Guiné têm dado lições a muita gente...

Não interpretam isto como um autoelogio, o mérito é coletivo, é de toda a Tabanca Grande... É uma lição de saber-ser e saber-estar na vida, em sociedade "aberta", plural, democrática, tolerante... Para mais tratando-se de um geração que nasceu numa sociedade "fechada", autoritária, de "pensamento único"...

Anónimo disse...

Amigo Reis, tinha prometido a mim mesmo nao mais participar ou comentar qualquer assunto neste Blogue, alias, como entao referi sai antes de entrar, e sinceramente nao estou arrependido de tal decisao, no entanto sempre que o assunto foca Guilege ou Gadamael algo nos faz entrar na discussao pois quem la esteve jamais ira esquecer o que passou. Permite-me discordar um pouco da tua afirmacao de que se os paras demorassem mais dois ou tres dias Gadamael tinha caido, porque eu penso e ainda hoje nao compreendo como e que o PAIGC na noite de 31 de Maio para 1 de Junho nao tomou Gadamael de assalto, pois nao estavamos mais que 30 elementos dentro do quartel e tu quando regressaste no dia seguinte, pois estavas no mato, terias sido capturado sem qualquer hipotese de resistencia e Gadamael tinha mesmo caido nessa noite. Depois sim Os Paquedistas seguraram Gadamael. Abraco grande.

Anónimo disse...

O comentario anterior como certamente terao percebido e do Victor Alfaiate.

Tabanca Grande disse...

O Victor Alfaiate, a quem saúdo, foi fur mil trms da CCCAV 8350 (1972/74), e tem pelo menos dois postes nesta série ("dossiê Guileje / Gadamael"), além de vários comentários:


12 de dezembro de 2009 > Guiné 63/74 - P5450: Dossiê Guileje / Gadamael (18): Estive 18 horas em escuta nesse dia fatídico para o Sr.Tenente Pessoa e a FAP, em 25 e 26 de Março de 1973 (Victor Affaiate)

11 de Dezembro de 2009 > Guiné 63/74 - P5444: Dossiê Guileje / Gadamael (17): Depois do que ouvimos da boca do Sr. Cor Pára Durão, tudo o que vier a ser dito, soa a elogio (Victor Alfaiate)

Manuel Reis disse...


Amigo Alfaiate, é sempre útil a tua participação neste blogue de modo a compilar o máximo de variáveis que estiveram em jogo nesta contenda. Além do mais tu estavas num centro nevrálgico, onde todas as informações te passavam pelas mãos, em 1ª instância.

Estive em Cumbijã após o período que se seguiu ao 25 de Abril e tornava-se constante a presença quase diária de Comissários Políticos do PAIGC para sessões de esclarecimento dirigida para as milícias ali sediadas. Não sendo pessoa interveniente nestes comícios, a minha presença era inevitável e cheguei mesmo a passar por situações delicadas pela pouca recepção que existia por parte dos nossos milícias.

No final dos comícios havia sempre a possibilidade de dialogar com eles e conhecer alguns pormenores das batalhas de Guileje e Gadamael. Reconheceram como sendo o maior erro da sua luta a não ocupação de Gadamael no dia 1 de Junho, pois tinham conhecimento das condições precárias em que se encontrava o aquartelamento. Optaram por esperar mais uns dias para conseguirem uma melhor articulação das forças no terreno. Tudo se complicou para eles com a chegada de reforços no dia 3 de Junho. Claro que não podemos dar de barato estas justificações, temos de manter uma certa reserva.

O nosso convívio é amanhã. Julgo que não estarás presente, imagino-te na Suíça.

Um forte abraço.

Manuel Reis

Manuel Peredo disse...

Manuel Reis,quando a 122 recebeu ordens para preparar a partida para Gadamael,disseram-nos para levarmos apenas o mínimo indispensável,pois era muito natural que ao fim de dois ou três dias tivéssemos que abandonar o destacamento porque a situação era muito complicada. Felizmente que com a nossa presença as coisas foram melhorando e estou convicto de que salvámos algumas vidas. Dos dois anos que passei na Guiné, posso dizer que o que passei em Gadamael é que nunca se apagará da minha memória, principalmente quando fomos recuperar os corpos dos que caíram na emboscada do 4 de Junho,salvo erro..
Um abraço transmontano.

Manuel Peredo

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Anónimo disse...

Para quando a merecida homenagem a este Homem (Araújo e Sá)?
Guiné 63/74 - P2969: Com os páras da CCP 122 / BCP 12, no inferno de Gadamael (Carmo Vicente) (6): O grande comandante Araújo e Sá (Manuel Rebocho)

BG