domingo, 26 de setembro de 2010

Guiné 63/74 - P7039: Álbum fotográfico de Jacinto Cristina, o padeiro da Ponte Caium, 3º Gr Comb da CCAÇ 3546, 1972/74 (3): De facto, Eduardo, nem só de pão vive o homem...

1. Estive ontem com o Jacinto, a sua esposa Maria Goretti, a sua filha Cristina, o seu genro Rui Silva e a sua neta...numa tarde agradabilíssima, partilhando memórias e emoções... O dia acabou com um arroz de lebre que poria a salivar, senão um regimento, pelo menos o estado-maior...


Tenho cada vez mais admiração por este homem, o Cristina (como era conhecido na sua companhia, a CCAÇ 3546) que foi para a Guiné, casado, pai de uma filha de três anos, e que mal sabia ler e escrever... Que a vida foi-lhe madrasta e a sua meninice acabou cedo: aos onze anos já trabalhava no duro, para o "pai e patrão"  (ainda vivo, com 89 anos)...

Foi a Goretti que foi a sua professora, em casa e no monte, no meio do gado que ele guardava, ainda antes do tempo da recruta (que ele fez em Viseu, no RI 14, vd. foto ao lado, à direita), ensinando-lhe as letras suficientes para ele ler os aerogramas e as cartas, sofridas e apaixonadas, que ela lhe mandaria depois, de Figueira de Cavaleiros,  para o Ultramar (para onde quer que ele fosse, Angola, Guiné  ou Moçambique), e para de volta ele lhe contar,  a ela (e só a ela),  os seus segredos e sofrimentos, sem necessidade de partilhar a sua vida íntima com mais ninguém (e nomeadamente os camaradas que tinham andado da escola)... 

É uma grande lição de amor!!! E foi a mesma Goretti, a Maria Goretti, quem o incentivou, dez anos depois de regressar da Guiné, a meter-se no negócio do pão: afinal, ele tinha sido o melhor padeiro do leste... Por que é que não haveria de  montar a sua empresa, em vez de andar à jorna ?!


Continuação da  publicação do álbum  fotográfico de Jacinto Cristina (Sold At Inf, CCAÇ 3546, 1972/74) (*).











Guiné-Bissau > Região de Bafatá > Ponte Caium > Dois monumentos de homeagem aos bravos de Caium, construídos presumivelmente em 1975: (i) Memorial aos mortos da CCAÇ 3546 (1972/74): "Honra e Glória: Fur Mil Cardoso, 1º Cabo Torrão, Sold Gonçalves, Fernandes, Santos, Sold AP Dani Silva. 3º Gr Comb,  Fantasmas e Lestos (?). Guiné- 72/74"; (ii) "Nem só de pão vive o home. Guiné, 1972-1974".


Recorde-se o trajecto do Jacinto Cristina e dos seus camaradas: (i) o Cristina fez a recruta no RI 14, em Viseu, e a especialidade no RI 2, Abrantes; (ii) Foi mibilizado para a Guiné, como Sold At Inf, da CCAÇ 3546; (iii) esta subunidade  pertencia ao BCAÇ 3883, mobilizado pelo RI 2; (iv) A CSS estava sediada em Piche; (v) O comandante era o Ten Cor Inf Manuel António Dantas; (vi)  O comandante da CCAÇ 3546 era o Cap QEO José Carlos Duarte Ferreira; (vii) As outras companhias do BCAÇ 3883 era a CCAÇ 3544 (Buruntuma e Piche; teve dois comandantes: Cap Mil Inf Luís Manuel Teixeira Neves de Carvalho; Cap Mil Inf José Carlos Guerra Nunes) e a CCAÇ 3445 (Canquelifá e Piche; comandante, Cap Mil Inf Fernando Peixinho de Cristo); (ix) estas quatro subunidades partiram para a Guiné de avião, o comando e a CCS/BCAÇ 3883, em 19/3/1972; a CCAÇ 3544, a 20; a CCAÇ 3545, a 22; e a CCAÇ 3546 a 23; (x) Regressaram a casa, de avião, em Junho de 1974.




Fotos: © Eduardo Campos (2010) / Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné. Todos os direitos reservados.




O mais espantoso foi que, quando eu cheguei lá a casa, em Figueira de Cavaleiros, por volta das 16h de ontem, sábado, e lhe dei as duas fotos do Eduardo Campos, o Jacinto comentou, logo de rajada:
- Mas é o mê forno!...


Há dois monumentos que se conservam na ponte de Caium, mandados erigir por alguém da CCAÇ 3546 que terá sido empresário na Guiné-Bissau, depois da independência... O Jacinto diz que poderá ser um ex-furriel do 1º Gr Comb. Um desses monumentos é uma simples base de pedra, encimada pelo forno de Caium, que pura e simplesmente terá sido cirurgicamente "removido" e "trasladado" do sítio onde estava originalmente... E nessa pedra pode ler-se a melhor homenagem que alguém poderia  fazer aos heróis de Caium: "Nem só de pão vive o homem. 72-74"...


O Cristrina agradece, emocionado, ao Eduardo  Campos as fotos que ele lhe mandou, bem como ao "mais velho" Luís Borrega, pelos comentários que deixou no blogue...








Ferreira do Alentejo > Figueira de Cavaleiros > 25 de Setembro de 2010 > Jantar em casa do Jacinto Cristina (aqui à esquerda, seguido da sua filha Cristrina, do seu genro, o médico Rui Silva, meu ex-aluno e grande amigo, e eu próprio, brindando aos nossos felizes encontros).







Ferreira do Alentejo > Figueira de Cavaleiros > 25 de Setembro de 2010 > Jantar em casa do Jacinto (aqui ao lado da esposa, Maria Goretti; em segundo plano, a filha única do casal, Cristina, que tinha 3 anos quando o pai foi mobilizado para a Guiné, em 1972, e que rezava todos os dias por ele...








Ferreira do Alentejo > Figueira de Cavaleiros > 25 de Setembro de 2010 > Jantar em casa do Jacinto  > O famoso arroz de lebre à moda da Maria Goretti... (Só falta o gosto e o cheiro, para completar a foto).








Ferreira do Alentejo > Figueira de Cavaleiros > 25 de Setembro de 2010 > Jantar em casa do Jacinto   > Até à última gota de... uísque. Buchanan's, from Scotland, for the Portuguese Armed Forces... with love... Esta foi comprada em Bissau, em Junho de 1974, e aberta no nosso primeiro encontro, na festa de anos da Cristina, em Março passado.


Fotos: © Luís Graça (2010) / Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné. Todos os direitos reservados.






Guiné > Zona Leste > Região de Gabu > Piche > CCAÇ3546 (Piche, Ponte Caium e Camajabá, 1972 / 1974) > Destacamento da  Ponte do Rio Caium > Da direita para a esquerda: Jacinto, Alexandre (Trms, natural de Peniche), Rocha (condutor, algarvio) e Santiago (1º cabo, atirador, estavana na cantina, onde havia uma arca a petróleo, pelo que, apesar de tudo, não faltava a cerveja, a coca-cola e a  fanta, estupidamente geladinhos)... Na ponte, estava o 3º Gr Combate (c. 30 elementos).




Guiné > Zona Leste > Região de Gabu > Piche > CCAÇ3546 (Piche, Ponte Caium e Camajabá, 1972 / 1974) > Destacamento da  Ponte do Rio Caium, 3º Gr Comb, 1973/74 > O "campo da bola",  no lado esquerdo da ponte, no sentido Piche/Buruntuma... Um bocado da lala que circundava as margens do Rio Caium...





Guiné > Zona Leste > Região de Gabu > Piche > CCAÇ3546 (Piche, Ponte Caium e Camajabá, 1972 / 1974) > Destacamento da  Ponte do Rio Caium, 3º Gr Comb, 1973/74 > Da esquerda para a direita, quatro bons amigos: JacintoCristina, Rocha, Sobral (amigalhaço do Jacinto, hoje residente no Cercal do Alentejo, Santiago do Cacém) e um quarto camarada que o Jacinto não conseguiu identificar (seria alguém de rendição inidvidual, proveniente de outra companhia)... 

Estão vestidos, dois, "para a fotografia"... Da ponte não se podia ir a lado nenhum, por razões de segurança: afinal, estava-se a escassos quilómetros da fronteira com a Guiné-Conacri onde o PAIGC gozava de total liberdade de movimentos; por outro lado, verdadeiramente não havia onde ir ... A sul da ponte do Rio Caium corria o Rio Coli, que servia de fronteira, e de que o Caium era um afluente... A nordeste da ponte, havia uma aldeia fula, a cerca de 3 quilómetros... Ele não se lembra do nome: pela carta de Piche, verifica-se haver (pelo menos antes da guerra) duas tabancas a nordeste da ponte: uma mais próxima, Temanco (Malã Dalassi): e outra mais acima, Sinchã Mádi Maudô.

O Jacinto nunca lá foi a Temanco (julgo que seja esta a tabanca em causa), sobretudo depois de um conflito, na ponte, com uma lavadeira e, por tabela, com o régulo, conflito esse que deu origem a um processo disciplinar, que foi "limpo" com a chegada do novo Governador Geral e Com-Chefe, em meados de 1973, o Bettencourt Rodrigues... (A solução salomónica a que se chegou foi: a lavadeira pagou 250 pesos por uns calções de banho que levaram sumiço (e que nem eram dele,era de um furriel); ele, Cristina, teve que pagar 200 pesos por um brinco da lavadeira, que ele partiu ou amolgou...).

O Jacinto e o Sobral tinham uma máquina fotográfica comprada a meias (...por 500 escudos, em 2ª mão, a um rapaz de Grândola, da companhia de Canquelifá)... O tenente (dos serviços gerais) de Piche, da CCS do batalhão, é que revelava as fotos... O Jacinto e o Sobral revendiam-nas, salvo erro,  a três escudos por foto ("metade era lucro", confessa)... Maduro e responsável, com mulher e filha na Metrópole à espera dele, o Cristina não era homem para gostar o pré, logo no primeiro dia, em bebedeiras de cerveja... "Andava sempre com um conto no bolso", mas sabia gastar com conta, peso e medida...



Guiné > Zona leste > Região de Gabu > Piche > CCAÇ 3546 (1972/74) > Destacamento da Ponte de Caium > O Alexandre e o Jacinto...


fotos: © Jacinto Cristina (2010) / Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné. Todos os direitos reservados


[Fotos digitalizadas, editadas e legendadas por L.G.]

_______________

Nota de L.G.:


(*) Último poste da série > 25 de Setembro de 2010 > Guiné 63/74 - P7036: Álbum fotográfico de Jacinto Cristina, o padeiro da Ponte Caium, 3º Gr Comb da CCAÇ 3546, 1972/74 (2): Os tempos livres de um caiumense...

17 comentários:

Colaço disse...

Luís ontem no regresso de uma visita a Castro Verde e devido o transito estar interrompido por motivo de obras recuperação da ponte em Santa Margarida do Sado, passei próximo de Figueira de Cavaleiros.
Bebi um café em Canhestros que fica a poucos km.de Figueira de Cavaleiros.
Mas não tive coragem de interromper o teu repasto arroz de lebre.
Um abraço.
Colaço.

Anónimo disse...

Caro Luís
Fiquei sensibilizado pelas palavras amigas do Jacinto Cristina para a "Velhice". A bianda com estilhaços de lebre da "Mulher Grande", devia estar um espanto, malandrinho e tudo...só faltava o aroma, depois o pão alentejano "à Moda de Caium", regado com aquele nectar alentejano, frutoso e aromático à uva. Foi um almoço seguramente de 5estrelas.
Abraço do tamanho do Corubal(não digo Caium pois o rio era pequeno)
Luís Borrega

Anónimo disse...

Luís
Desculpa no comentário anterior escrevi almoço, quando deveria ter
escrito jantar.
O Jacinto faz referência à tabanca perto da P.Caium que ficava a 2-3 Kms, também tal como ele nunca lá fui.
Abraço
Luís Borrega

Luís Graça disse...

Colaço:

Tem piada, fui dormir a Serpa e no regresso a Lisboa tive de fazer o desvio para a IP8 / A2, passando por Canhestros, já que a ponte de Santa Margarida do Sado está em obras (IP 8)...

Como o Alentejo está a mudar, são quilómetros de oliveiras... O mais assustador é a desertificação (humana)... Para a próxima, faz uma visita ao Jacinto e leve um pão... Ele estava feliz e radiante çpor ver as suas fotos e histórias da Ponte Caium, no blogue... Para a próxima já quer juntar mais malta do tempo dele...

Luís Graça disse...

Segundo a carta de Piche, havia - pelo menos antes da guerra - duas tabancas, a nordeste da ponte: Temanco (Malã Dalassi)e Sinchã Mádi Maudô...

Anónimo disse...

Luis

Acabo de chegar de Évora,local onde este ano se concentrou o pessoal da minha Companhia.

Andei três dias percorrendo o Alentejo e tu tão perto, mas pelo que vi das fotos da ementa, deves ter ficado feliz pelo Colaço não ter coragem de interromper e eu não saber onde te encontravas!!!!!!!!!!

Este espaço continua a surpreender-me com histórias fantásticas que vão surgindo com frequência.

Como é possível eu tirar uma foto, pensando que seria uma simples referência relacionada a C CAÇ 3546e afinal era o que (resta do forno) do Jacinto? O que importa é que a ignorância do fotografo propocionou ao Jacinto uma legria muito grande e eu que tenho alguma responsabilidade,por isso mesmo e á distância compartilho contigo a mesma alegria.

Para ti Luis e Jacinto uma Abraço.

Eduardo Campos

Luís Graça disse...

Eduardo:

De facto, também a mim não me ocorreu que a legenda "nem só do pão vive o homem", na base do monumento pudesse estar associada, fisica e simbolicamente, ao célebre forno de cozer o pão, e que o Jacinto reconheceu de imediato:
- Mas é o mê forno!

Não imaginas a alegria do camarada!... Sei que já andou a mostrar as tuas fotos a amigos e familiares...

É uma história bonita, com um efeito de halo que tu prolongaste... Tudo começou, de resto, com outra fotografia, a do Henrique Castro...

Um dia teremos de lá ir, todos juntos, comer o pão que o nosso camarada ainda, por enquanto, vai fazendo todos os dias... Mas tem já um dos braços incapacitados, devido a uma lesão grave... Tem um sobrinho, ajudante...Está com 60 anos, um dia destes via ter que se reformar... Chegou a vender 500, 600, 700 pães por dia... Hoje o negócio decaiu, por mudança de hábitos alimentares e maior concorrência...

Ontem (em Caium) como hoje (em Figueira de Cavaleiros) o nosso padeiro trabalha de noite e dorme de dia... para que o pão não falte à mesa da gente.

Hélder Valério disse...

Caros camaradas

Esta história e as suas envolventes são daquelas coisas que nos fazem bem, provam como este Blogue é útil, pelo menos para aqueles que previlegiam a amizade, o companheirismo, a solidariedade.

Quanto à frase que se encontra do lado esquerdo e não totalmente visível é "Fantasmas do Leste".

Um abraço
Hélder S.

Luís Graça disse...

Estou de acordo contigo, Hélder, a missão do nosso blogue, é apenas essa, a de fazer bem aquem fez a guerra e a sofreu, independemente do lado da barricada em que se estava... Não estamos a concorrer com ninguém, nem contra ninguém, apenas contra o tempo... Porque o relógio biológico, esse, não perdoa...

"Fantasmas do leste": não tenho certeza se era o lema da CCAÇ 3546, se era apenas o do 3º Gr Comb (que esteve na Ponte Caium mais tempo). Inclino-me mais para a primeira hipótese.

Mas tu que foste utente (quantas vezes ?)da Ponte Caium, diz-me lá quais são as tuas recordações, mesmo fugazes, desse lugar que ficava mais ou menios a menos enter Piche e Buruntuma ?!

Luís Graça disse...

Estou de acordo contigo, Hélder, a missão do nosso blogue, é apenas essa, a de fazer bem aquem fez a guerra e a sofreu, independemente do lado da barricada em que se estava... Não estamos a concorrer com ninguém, nem contra ninguém, apenas contra o tempo... Porque o relógio biológico, esse, não perdoa...

"Fantasmas do leste": não tenho certeza se era o lema da CCAÇ 3546, se era apenas o do 3º Gr Comb (que esteve na Ponte Caium mais tempo). Inclino-me mais para a primeira hipótese.

Mas tu que foste utente (quantas vezes ?)da Ponte Caium, diz-me lá quais são as tuas recordações, mesmo fugazes, desse lugar que ficava mais ou menios a menos enter Piche e Buruntuma ?!

Luís Graça disse...

Luís Borrega, comfirmas que a tabanca mais próxima era Temanco ? E que era fula ?

Anónimo disse...

Caro Luís Graça
Na carta militar da Guiné que eu possuo,a tabanca vem como Temanco (Malà Delassil), possívelmente mudaram de Malà Delassil para Temanco. Quanto à etnia eram fulas de certeza.
Mantenhas para Bó
Luís Borrega

Anónimo disse...

No face book para a ccaç 3546 é apontada a divisa "nobreza no dever". Mas pode não estar correcto.
Abraço,
Carlos Cordeiro

Anónimo disse...

Meaning should you be carrying out two reps
earlier mentioned prescribed rep range then you happen to be intending
to mild.

my website ... bowflex selecttech dumbbells

Anónimo disse...

Just the shipping charges that has a Bowflex or a Complete Health and fitness center are almost $150.


Here is my web blog http://www.getfitnstrong.com/bowflex-dumbbells/bowflex-sale-price/

Anónimo disse...

The purpose of accomplishing an training will be to fatigue or inroad the strength stages
of your concerned muscular structures to a meaningful degree to stimulate a growth mechanism.


My web page: adjustable dumbbell set

Anónimo disse...

Idon't care how much money you make or how famous you happen to be, individuals things will not get you a perfect entire body.

Feel free to visit my homepage: dumbbell pullovers