sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Guiné 61/74 - P18011: (In)citações (112): A Tabanca Grande, a Guerra “de libertação”, que tarda em acabar para os bissau-guineenses e a marca dela nos ex-combatentes do continente (Manuel Luís Lomba, ex-Fur Mil Cav da CCAV 703)

Guiné > Região de Tombali > Guileje > 22 de Maio de 1973 > A população e os militares abandonaram Guileje, às 5,30h, a caminho de Gadamael. Esta foto, dramática, é da presumível autoria do Fur Mil Carlos Santos, da CCAV 8350 (1972/74), segundo informação do seu e nosso camarada e amigo José Casimiro Carvalho, também ele da mesma unidade ("Os Piratas de Guileje") mas que nesse dia estava em Cacine. Faz parte do parte do acervo fotográfico do Projecto Guiledje. Foto: AD - Acção para o Desenvolvimento (2007). Direitos reservados. [ Editada por C.V.]


1. Em mensagem datada de 22 de Novembro de 2017, o nosso camarada Manuel Luís Lomba (ex-Fur Mil da CCAV 703/BCAV 705, BissauCufar e Buruntuma, 1964/66) enviou-nos este artigo de opinião para publicação:


A Tabanca Grande, a Guerra “de libertação”, que tarda em acabar para os bissau-guineenses e a marca dela nos ex-combatentes do continente

Alegram-me os 10 milhões de visualizações do blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné, a Tabanca Grande tornou-se numa espécie de país virtual, com população superior à da Catalunha, uma nação sem exército e uma promessa de “libertação”, segundo os métodos de Gandhi ou de Mandela, com a consciente exclusão dos de Lenine, de Mao ou… de Amílcar Cabral.

Louvores ao seu “Homem grande” Luís Graça, ao seu mouro de trabalho Carlos Vinhal, extensivos aos co-editores Virgínio Briote e Magalhães Ribeiro. Um caso especial de sucesso do voluntarismo, de entranhada camaradagem, de pluralismo e do “dever de memória”.

No tocante a ex-combatentes expedicionários nos seus teatros, invoco os testemunhos do Dr. Albuquerque, especialista do setresse pós-traumático, de que a guerra ultramarina ficou colada à vida dos seus combatentes; do escritor Lobo Antunes “Não sei explicar, mas a maior parte do que sou, continua lá”; e do Coronel-Comando José Manuel Belchior, Presidente do Núcleo do Porto da Liga dos Combatentes, de que, como participante em várias tertúlias, nenhuma outra se mantém tão ligada à terra e à sua gente como as dos ex-combatentes da Guiné.

As emoções que vivemos foram tantas e tais, que se cristalizaram em sentimentos – digo eu.
Em suma: Não há cura para a guerra da Guiné, enquanto maleita nossa; e a “guerra de libertação” da Guiné tarda a acabar, para mal dos bissau-guineenses.
E quanto à sua história, sou recorrente na metáfora da prédica do Padre António Vieira, referida à relação da substância com a forma.

Em rigor histórico, o PAIGC nem conquistou nem ocupou Guileje. Mas no entender do historiador Fernando Rosas, esse acontecimento foi uma derrota militar portuguesa e uma ocupação vitoriosa do PAIGC; para o historiador Rui Ramos, por exemplo, seria fruto de uma desobediência e de uma retirada do Major Coutinho e Lima, aliás bem comandada e sucedida. Algo susceptível de acontecer cá por casa, com o mesmo que entra pelo “orifício” do pensar do António Graça Abreu e do pensar do A. J. Pereira da Costa – aproveito e protesto a ambos a minha mais elevada consideração.

Em rigor histórico, Madina do Boé e Guileje, duas tabancas fronteiriças e as únicas tabancas “libertadas” da Guiné, não o foram nem por conquista nem por ocupação: o PAIGC limitou-se a explorar o sucesso do seu abandono pelos portugueses. Uma oferta do General Spínola, rumo à sua vitória – digo eu.

A guerra de libertação dos bissau-guineenses só terminará quando forem superadas a sua orfandade de Amílcar Cabral e da administração portuguesa.
Amílcar Cabral foi responsável pela quimera do “absolutismo despótico” da Guiné (sob o nome de Socialismo), pela quimera da unidade com Cabo Verde, por recusar, pela violência, o pluralismo político aos seus concidadãos, por ter antecipado a fundação da sua nacionalidade, sem sustentação na nação, mas num exército desproporcional – o mesmo que a independência transformará de simples guerrilheiros em casta de oficiais superiores… sem soldados.

Portugal é responsável por ter enformado a Guiné, por a ter conservado contra ventos e marés, mas, sobretudo, por os seus militares a terem abandonado, consciente de que cediam a uma solução imposta do exterior, extemporânea e não adequada à sua consolidação como nação, tendo apenas como atenuante as tentativas de uma força de guerrilha, com o efectivo de menos de 10% da sua guarnição militar e com o apoio de cerca de 10% da sua população de 600 000 mil almas, porfiada em os correr a tiro.
____________

Nota do editor

Último poste da série de 14 de setembro de 2017 > Guiné 61/74 - P17765: (In)citações (111): Lembrando Setembro, o mês comemorável da Guiné, a sua Libertação, que intrujou todo o mundo e todo o mundo se deixou intrujar e os seus improváveis heróis (Manuel Luís Lomba, ex-Fur Mil Cav da CCAV 703)

1 comentário:

Tabanca Grande disse...

Caro Manuel Luis Lomba, obrigado pela tua intervenção, com manifestação de regozijo pelo nosso pequeno brilharete, que é chegar aos 10 milhões de visualizações ou visitas... Pela parte que nos toca, editores, autores, colaboradores permanentes (mas também a quem nos lê e comenta), obrigado pelo teu elogio ao nosso blogue, ao considerá-lo como "um caso especial de sucesso do voluntarismo, de entranhada camaradagem, de pluralismo e do 'dever de memória' "...

Como fundador, editor e administrador do blogue, compete-me registar a tua frase: "Não há cura para a guerra da Guiné, enquanto maleita nossa; e a “guerra de libertação” da Guiné tarda a acabar, para mal dos bissau-guineenses."...

Seria bom que outros que não eu, glosassem este teu mote...

Como eu costumo dizer, todos nós fizemos a história, na qualidade de atores, uns com mais protagonismo (Spínola, 'Nino' Vieira) do que outros (tu e eu)... mas não nos compete escrevê-la... Esse é o ofício dos historiadores, já que a história é (ou deve ser) uma ciência... Mas isso não nos impede de pôr os pontos nos ii em afirmações ou conclusões de académicos, como o Fernando Rosas ou o Rui Ramos, que nem sequer são especialistas em história da guerra colonial...

Em história, como de resto em outros domínios das "ciências sociais", não há conclusões de definitivas... Daqui a 50 anos, teremos muito mais investigação historiográfica sobre o séc. XX, a sociedade portuguesa, a "guerra colonial", a Guiné-Bissau, a "guerra de libertação", etc. Mas nessa altura já não estaremos cá para pôr os pontos nos ii dos futuros Fernando Rosa, Rui Ramos, René Pélissier, Patrick Chabal, Leopoldo Amado, etc.

O que deve ser (re)confortante para nós, que combatemos naquela guerra, é a possibilidade, teórica e prática, de escrevemos as nossas memórias, de apresentarmos os nossos pontos de vista, de acresentar os nossos comentários, etc., sem pedir autorização a ninguém, muito menos aos académicos, aos investigadores, aos histporiadores... O shistoriadores não são donos da história... Essa é a função do nosso bloguee... E, como tu dizes, e bem, com plurismo, com rigor, com elevado sentido de camaradagem e, em muitos casos, com afeto... Sentido de camaradagem, empatia, afeto etc. são "coisas" que o historiador "encartado" não pode manifestar...

Não penso que existam muitos blogues como o nosso, ou com a longevidade do nosso... E, no essencial, temos sabido lidar, pior ou melhor, com as questões ditas "fracturantes"...

Um alfabravo, Luís