segunda-feira, 17 de abril de 2017

Guiné 61/74 - P17252: Agenda cultural (554): Novo livro. Aldenovense Foot-Ball Club ao Clube Atlético Aldenovense (José Saúde)

1. O nosso Camarada José Saúde, ex-Fur Mil Op Esp/RANGER da CCS do BART 6523 (Nova Lamego, Gabu) - 1973/74, enviou-nos a seguinte mensagem sobre o seu novo livro.


Aldenovense Foot-Ball Club ao Clube Atlético Aldenovense

Neste final do mês de abril, sábado 29, será apresentada mais uma obra deste vosso camarada José Saúde na sede do Clube Atlético Aldenovense, em Aldeia Nova de São Bento, por altura das Festas das Santas Cruzes.

Trata-se de um livro cuja temática se inicia no ano de 1923 e termina em 2016. A curiosidade desta obra, sendo desportiva, prende-se com o facto do boom do clube sul alentejano saltar para a ribalta, oficialmente, após a Revolução dos Cravos, 25 de Abril de 1974, e que originou o regresso dos muitos jovens da terra que prestavam serviço na guerra do Ultramar.

Eu, José Saúde, fui um daqueles rapazes que, não obstante o seu vínculo a uma comissão militar na Guiné e interrompida por força de uma revolta bem sucedida que libertou as antigas colónias, chegou ao seu torrão natal e colocou a máquina do futebol em andamento.

O livro fala, justamente, desse período áureo e da labuta da rapaziada que tentava esquecer a guerra regozijando-se então com a prática do futebol. Assim, na época de 1974/1975 o Atlético Aldenovense filiou-se com uma equipa sénior na AF Beja e não mais parou.

Nesses tempos assistia-se a tardes futebolísticas no antigo campo da feira da Aldeia, sendo que a malta jovem se dedicava efusivamente ao jogo. O livro retrata, também, a evidente evolução desportiva do emblema, quer na componente organizativa, quer na competitiva, ou no campo das infraestruturas entretanto construídas. 

E assim se vão construindo nacos de biografias de exíguos clubes e de freguesias pequenas situadas algures neste país lusitano e que ficarão para as gerações vindouras contemplarem e usufruírem de hilariantes gestas que o tempo paulatinamente consome. Ficam, pois, façanhas escritas que a história jamais omitirá. 


Um abraço, camaradas
José Saúde
Fur Mil Op Esp/RANGER da CCS do BRT 6523
___________ 
Nota de M.R.: 

Vd. último poste desta série em: 

3 comentários:

Tabanca Grande disse...

Parabéns, Zé, por mais este livro. Estás imparável!

O teu exemplo emociona-nos, honra-nos a todos e engradece a Tabanca Grande!.. LG

Tabanca Grande disse...

Dás uma nova alegria à tua terra... É a segunda, depois do álbum do cante, fabuloso,
do "Rancho de Cantadores de Aldeia Nova de São Bento" que saiu no último trimestre de 2016... Chegaste a ver o nosso poste ?... Terra de gente com garra e talento!... LG

______________________

3 DE JANEIRO DE 2017
Guiné 61/74 - P16911: Agenda cultural (534): Um grande álbum do cante alentejano (agora, do mundo), "Rancho de Cantadores de Aldeia Nova de São Bento" (2016), com a participação especial de António Zambujo, Luísa Sobral, Pedro Mestre e outros...

https://blogueforanadaevaotres.blogspot.pt/2017/01/guine-6174-p16911-agenda-cultural-534.html

José Saúde disse...

Luís, não obstante a fatalidade com a qual me deparei, o meu AVC fará 11 anos no próximo 27 de julho, jamais abdiquei em trazer à tona da minha mente caraterísticas herdadas com o evoluir das épocas.
Quero, incessantemente, deixar explícito que todos temos capacidades para tornear um débil estado físico, assumindo, de antemão, que somos seres humanos e que todos temos, afinal, ferramentas escondidas e prontas para serem utilizados quando delas precisamos.
Não faço, tão-pouco me darei como vencido, de uma circunstância que me calhou em sorte.
Este livro relata a história do futebol em Aldeia Nova de São Bento desde o longínquo ano de 1923 e que termino em 2016. A curiosidade que dou nota nesta obra, prende-se com a chegada de muitos camaradas das antigas colónias à terra após a Revolução do Abril de 1974, e que unimos pelo prazer do futebol reavivaram a modalidade, sendo que objetivo foi francamente ovacionado.
É neste contexto que a temática narrada, surge, a dada altura, intrinsecamente ligada a uma juventude que havia conhecido a guerra, sendo o meu caso disso um profícuo exemplo.
Abraço, amigo
Zé Saúde